TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC /2013-9

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 018.835/2013-9"

Transcrição

1 GRUPO I CLASSE II Plenário TC / Natureza(s): Solicitação do Congresso Nacional Órgão/Entidade: não há Interessada: Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal Advogado constituído nos autos: não há SUMÁRIO: SOLICITAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS. AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NA LEI /2012. TRABALHOS DE AUDITORIA EM ANDAMENTO. ENCAMINHAMENTO DE INFORMAÇÕES PRELIMINARES. ARQUIVAMENTO. RELATÓRIO Trata-se do Requerimento 40/2013-CMA da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal, encaminhada ao Tribunal por seu presidente, Senador Blairo Maggi, por meio do qual é solicitada a realização de auditoria nos registros de câncer nas unidades hospitalares de alta complexidade em oncologia do Sistema Único de Saúde - SUS com a finalidade de avaliar o cumprimento do disposto na Lei , de 22/11/ A referida lei dispõe sobre o primeiro tratamento de paciente com neoplasia maligna comprovada e estabelece o prazo máximo de sessenta dias, contado a partir do diagnóstico, para a realização do primeiro tratamento no SUS (peça 1). 3. Além disso, foi solicitado que o Tribunal avaliasse a situação em que se encontra a atenção à saúde dos portadores de câncer no tocante: (i) a incidência; (ii) à realização de exames complementares para diagnóstico, estadiamento e pré-tratamento operatório, radioterápico ou quimioterápico; (iii) ao estadiamento da doença na ocasião do diagnóstico e no início do tratamento; (iv) ao referenciamento do paciente para unidades de atenção oncológica; (v) ao tempo de início de tratamento a partir do diagnóstico confirmatório da doença, (vi) à mortalidade com causa do óbito; (vii) à idade, sexo e localidade. 4. A presente Solicitação do Congresso Nacional foi apreciada preliminarmente por meio do Acórdão 2973/2013-TCU-Plenário (peça 8), quando o Tribunal decidiu informar àquela Comissão que: foi autuado o TC / para monitoramento das determinações e recomendações exaradas por meio do Acórdão 2843/2011-Plenário, proferido em sede de auditoria operacional realizada com o intuito de avaliar a implementação da Política Nacional de Assistência Oncológica, especialmente em relação à oferta de serviços de diagnóstico e tratamento oncológicos à população; foram solicitadas ao Ministério da Saúde, no âmbito do citado monitoramento, informações para atendimento ao disposto no Requerimento 40/2013-CMA; o resultado desse monitoramento irá compor o Relatório Sistêmico da Saúde, em elaboração pelo Tribunal com a finalidade de oferecer uma visão geral dessa função de governo e subsidiar o Congresso Nacional na fiscalização da aplicação dos recursos públicos na área de saúde; 1

2 tão logo haja julgamento de mérito do TC /2013-2, o Tribunal remeterá a essa Comissão o acórdão que vier a ser proferido, acompanhado do relatório e voto que o fundamentarem; (grifei) 5. Trata-se, neste momento, das informações enviadas pelo Ministério da Saúde em resposta a diligência efetuada no âmbito do TC / para atendimento ao Requerimento em tela. 6. A unidade técnica assim se manifestou: 2. Registre-se que foram juntadas aos presentes autos cópias dos seguintes documentos oriundos do referido TC /2013-2: a) Ofício 0307/2013-TCU/SecexSaúde, diligência ao Ministério da Saúde (peça 11); b) Ofício GAB/SAS/Nº 1.421, resposta do Ministério, sem as informações solicitadas para atendimento ao Requerimento (peça 13); c) Ofício Nº 2618/AECI/GM/MS (peça 14) e Nota Técnica 221/2013, da Coordenação Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas, do Departamento de Articulação das Redes de Atenção à Saúde (peça 15), em complementação à primeira resposta; d) Pronunciamento da Diretora em substituição (peça 16). 3. A Lei /2012 estabelece no art. 5º que sua vigência será iniciada 180 dias após sua publicação no DOU, ocorrida em 23/11/2012. Assim, a norma legal entrou em vigor apenas em 22/5/ Após a edição da referida lei, o Ministério da Saúde publicou a Portaria GM/MS 252, de 19/2/2013, para instituir a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do SUS, e a Portaria GM/MS 874, de 16/5/2013, que institui a Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do SUS. 5. O objetivo da Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer é reduzir a mortalidade e a incapacidade causadas pela doença e, ainda, possibilitar a diminuição da incidência de alguns tipos de câncer, bem como contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos usuários com câncer, por meio de ações de promoção, prevenção, detecção precoce, tratamento oportuno e cuidados paliativos. De acordo com seus temos, foi organizada de maneira a possibilitar o provimento contínuo de ações de atenção à saúde da população, mediante a articulação dos distintos pontos de atenção à saúde, estruturados por sistemas de apoio, sistemas logísticos, regulação e governança da rede de atenção à saúde. 6. O Ministério informou que o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil inclui muitas dessas ações, entre as quais se destacam o plano de fortalecimento de prevenção e diagnóstico do câncer de colo do útero e de mama, que objetiva a organização das redes de atenção para a prevenção, o diagnóstico e o tratamento do câncer, e o plano de ampliação e implantação de serviços de radioterapia no Brasil nos hospitais habilitados na alta complexidade em oncologia, ambos em andamento (peça 15, p. 4). 7. O Ministério ressalta que o Eixo I do citado Plano refere-se à Vigilância, Informação, Avaliação e Monitoramento, cuja Estratégia 3 visa Consolidar um sistema nacional padronizado e integrado de informação sobre o câncer. Para tanto, foi construído o Sistema de Informação do Câncer (SISCAN), já em funcionamento, para realizar o seguimento e o monitoramento dos pacientes portadores de câncer. O objetivo é que a base do SISCAN contenha 100% dos exames realizados na rede SUS, permitindo a atualização automática do histórico de seguimento. 8. O SISCAN disponibiliza, entre outros, o Módulo de gerenciamento do tempo entre o diagnóstico e o tratamento das neoplasias malignas, meio pelo qual os gestores devem fazer o 2

3 monitoramento dos pacientes que estão em fila de espera para o tratamento, e de quando estes iniciam o tratamento, possibilitando, assim, a verificação do cumprimento do prazo estabelecido na Lei / Segundo informações prestadas pelo Ministério, o SUS dispõe de 277 hospitais de alta complexidade em oncologia, com diferentes perfis de produção, sendo 44 hospitais habilitados como Centro de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e 225 habilitados como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia, oito Hospitais Gerais com Cirurgia Oncológica (UNACON) e onze Serviços Isolados de Radioterapia (peça 15, p. 3). 10. Ainda segundo o Ministério, foram liberadas senhas de acesso ao SISCAN para todos os estados, que foram capacitados a utilizar o sistema e ficaram responsáveis por replicar o treinamento e liberar as senhas para as regionais, os municípios e os serviços de saúde. Atualmente, há 164 Regiões de Saúde, municípios, 584 prestadores de serviço e unidades de saúde que já receberam liberação de senha para utilização do sistema (peça 15, p. 15). 11. O SISCAN deverá ser implantado em todos os laboratórios de citopatologia e de anatomia patológica, nas unidades fixas e móveis de radiologia, nos hospitais habilitados em alta complexidade em oncologia (CACON, UNACON e Hospitais Gerais com Serviço de Cirurgia Onco1ógica), que realizam o tratamento para câncer nas modalidades de cirurgia, quimioterapia e radioterapia no âmbito do SUS, nos ambulatórios de especialidades relacionados ao câncer, e nas coordenações estaduais e municipais que acompanham as ações de controle do câncer. 12. Os Registros Hospitalares de Câncer (RHC) operantes, além do cadastro de usuários com câncer, geram dados que permitem o cálculo e a análise da sobrevida dos pacientes do respectivo hospital. No sítio eletrônico do Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) é possível estabelecer o intervalo de tempo entre a primeira consulta e o início do tratamento em cada hospital e por estado, nos anos com dados já cadastrados (https://irhc.inca.gov.br/rhcnet//prepararconsultarconsultarelatoriotempo.action). 13. O Ministério registra, no entanto, que as informações referentes aos RHC do Estado de São Paulo não foram ainda incorporadas, pois o processo de homologação da importação das bases da Fundação Oncocentro de São Paulo (FOSP) está em curso, com previsão de conclusão e incorporação ao Integrador RHC ferramenta de consolidação nacional das informações dos RHC (https://irhc.inca.gov.br/rhcnet//index.vm) no primeiro trimestre de 2014, para posterior liberação para divulgação. 14. O Ministério encaminhou informações trazidas pelo Departamento de Atenção Especializada e Temática da SAS (DAET/SAS/MS), pelo Inca e pela Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS/MS) (peça 14). Essas informações são assim resumidas: a) Registros hospitalares de câncer (RHC) nas unidades habilitadas em alta complexidade em oncologia; e registros de câncer de base populacional (RCBP); b) Mortalidade geral segundo o tipo de neoplasia; c) Mortalidade por tipo de neoplasia segundo o sexo; d) Mortalidade por estabelecimento de saúde; e) Produção dos exames citopatológicos por estado de residência do paciente; f) Produção da mamografia bilateral para rastreamento por estado de residência do paciente; g) Produção ambulatorial e hospitalar de procedimentos cirúrgicos registrados com CID câncer (C00 a C97 e D37 a D48), por ano (2011 a 2013-primeiro semestre) e por Unidade da Federação (UF); 3

4 h) Produção total em Radioterapia; i) Produção de Radioterapia dos procedimentos para tratamento: Cobaltoterapia (por campo), Radioterapia com Acelerador Linear de Fótons e Elétrons e Radioterapia com Acelerador Linear só de Fótons (por campo); j) Produção ambulatorial em Quimioterapia; k) Incidência de Câncer Dados estimados para 2014/15; l) Distribuição dos casos segundo faixa etária; estadiamento do tumor; base mais importante para a confirmação diagnóstica e início do tratamento; origem do encaminhamento para a assistência nas unidades de Alta Complexidade em Oncologia; e tempo entre o primeiro diagnóstico confirmado de câncer e o início do primeiro tratamento todos referentes a casos que chegaram nos CACON/UNACON no período de 2009 a O Ministério registra que os dados referem-se a 69,5% dos registros hospitalares de câncer implantados no país e que encaminharam informações para o Integrador RHC. Entre eles, destacamos os seguintes (peça 14). 16. O Inca estima a ocorrência de cerca de 580 mil casos novos de câncer para o período de Os mais incidentes na população brasileira nesse período serão: pele não melanoma (182 mil); próstata (69 mil); mama (57 mil); cólon e reto (33 mil); pulmão (27 mil); e estômago (20 mil). Excetuando-se pele não melanoma, a ocorrência será de 394 mil novos casos, sendo 52% em homens e 48% entre as mulheres (peça 14, p ). 17. No que se refere à produção em oncologia, segundo informações do Departamento de Atenção Especializada e Temática da SAS/MS, temos os seguintes quantitativos (peça 14, p. 7-11): Citopatológico s Mamografia bilateral para rastreamento Procedimentos cirúrgicos CID câncer TOTAL Produção em oncologia Exame (1º semestre) Na faixa etária preconizada (25 a 64 anos) TOTAL Na faixa etária preconizada (50 a 69 anos) Produção ambulatorial (SIA 1 ) Produção ambulatorial (SIH 2 ) Radioterapia Quimioterapia SIA: Sistema de Informações Ambulatoriais 2 SIH: Sistema de Informações Hospitalares 18. Quanto ao estadiamento do tumor, tem-se os seguintes dados (peça 14, p.18): 4

5 Estadiamento do tumor Estadiamento Nº de casos % clínico In situ ,6 I ,0 II ,3 III ,1 IV ,1 Não estadiável ,6 Sem informação ,3 Total ,0 19. O número de mortes notificadas por neoplasias no Brasil aumentou em 56,9% no período de 2000 a 2012, passando do total de para Entre as dez neoplasias malignas mais frequentes, as de maior incremento foram as de pâncreas, reto e fígado. Em 2012, as causas mais frequentes foram pulmão, mama, estômago e próstata. Informações detalhadas sobre mortalidade geral segundo tipo de neoplasia; taxa bruta de mortalidade por neoplasias; principais neoplasias malignas segundo sexo; e mortalidade por estabelecimento de saúde encontram-se na peça 14, p Acerca da distribuição de casos segundo faixa etária, tem-se (peça 14, p. 17): Distribuição de casos segundo faixa etária Faixa etária Nº de casos % 0 a 4 anos ,7 5 a 9 anos ,4 10 a 14 anos ,5 15 a 19 anos ,7 20 a 24 anos ,1 25 a 29 anos ,0 30 a 34 anos ,8 35 a 39 anos ,8 40 a 44 anos ,8 45 a 49 anos ,2 50 a 54 anos ,0 55 a 59 anos ,6 60 a 64 anos ,3 65 a 69 anos ,2 70 a 74 anos ,3 75 a 79 anos ,5 80 a 84 anos ,0 5

6 Distribuição de casos segundo faixa etária Faixa etária Nº de casos % 85 ou mai ,2 Sem informação 8 0,0 Total ,0 21. No que se refere aos dados de tempo entre o primeiro diagnóstico confirmado de câncer e o início do primeiro tratamento, o Ministério apresentou informações para três situações distintas: a) Situação 1: todos os pacientes (com ou sem diagnóstico prévio à chegada no CACON/UNACON) Tempo entre o primeiro diagnóstico confirmado de câncer e o início do primeiro tratamento Situação 1: todos os pacientes % % Tempo Nº de casos acumulado Até 15 dias ,3 26,3 Até 30 dias ,3 34,6 Até 60 dias ,3 49,8 Até 90 dias ,9 60,7 Até 120 dias ,0 67,7 Até 150 dias ,4 72,2 Até 180 dias ,8 75,0 Até 210 dias ,9 76,9 Até 240 dias ,3 78,3 Até 270 dias ,9 79,2 Até 300 dias ,7 79,9 Até 330 dias ,5 80,5 Até 365 dias ,5 81,0 Até 366 dias ,0 100,0 Total ,0 b) Situação 2: pacientes que chegaram para fazer o primeiro diagnóstico no CACON/UNACON Tempo entre o primeiro diagnóstico confirmado de câncer e o início do primeiro tratamento Situação 2: primeiro diagnóstico no CACON/UNICON % % Tempo Nº de casos acumulado Até 15 dias ,1 52,1 6

7 Tempo entre o primeiro diagnóstico confirmado de câncer e o início do primeiro tratamento Situação 2: primeiro diagnóstico no CACON/UNICON % % Tempo Nº de casos acumulado Até 30 dias ,1 59,2 Até 60 dias ,5 69,6 Até 90 dias ,9 75,6 Até 120 dias ,1 78,7 Até 150 dias ,8 80,5 Até 180 dias ,1 81,6 Até 210 dias 773 0,7 82,3 Até 240 dias 507 0,5 82,7 Até 270 dias 361 0,3 83,0 Até 300 dias 254 0,2 83,3 Até 330 dias 182 0,2 83,4 Até 365 dias 212 0,2 83,6 Até 366 dias ,4 100,0 Total ,0 c) Situação 3: pacientes que chegaram com diagnóstico prévio à chegada no CACON/UNACON Tempo entre o primeiro diagnóstico confirmado de câncer e o início do primeiro tratamento Situação 3: diagnóstico prévio à chegada no CACON/UNICON % % Tempo Nº de casos acumulado Até 15 dias ,5 6,5 Até 30 dias ,2 15,7 Até 60 dias ,9 34,6 Até 90 dias ,7 49,3 Até 120 dias ,0 59,4 Até 150 dias ,4 65,8 Até 180 dias ,2 70,0 Até 210 dias ,9 72,9 Até 240 dias ,0 74,9 Até 270 dias ,4 76,3 7

8 Tempo entre o primeiro diagnóstico confirmado de câncer e o início do primeiro tratamento Situação 3: diagnóstico prévio à chegada no CACON/UNICON % % Tempo Nº de casos acumulado Até 300 dias ,1 77,4 Até 330 dias ,8 78,2 Até 365 dias ,7 78,9 Até 366 dias ,1 100,0 Total ,0 22. Como se pode observar, o processo de consolidação nacional das informações relativas aos RHC está em andamento, não tendo sido concluído ainda, apesar dos esforços do Ministério da Saúde. Também se pode observar que é alto o número de casos cujo tempo entre o primeiro diagnóstico confirmado e o primeiro tratamento superou os sessenta dias estabelecidos na Lei / Cabe ressaltar, no entanto, que as informações trazidas se referem aos casos que chegaram aos CACON/UNICON entre 2009 e 2011, portanto, antes da vigência da referida lei. 24. Em 13/1/2013, foi emitido o Relatório de Intervalo de Tempos, disponível no Integrador RHC, para as primeiras consultas realizadas entre 2012 e 2013, obtendo-se dados relativos aos estados de AL, BA, ES, MG, MT, PA, PB, PR, RJ, RN, RS e SC (peça 17). Para os demais estados e DF, o sistema não retorna resultados. Ressalte-se que as informações referentes ao Estado de São Paulo não foram ainda incorporadas nem validadas, com previsão de ocorrer somente a partir de abril/2014 (v. item desta instrução). 25. Para os estados com dados disponíveis, tem-se os casos cujo tempo decorrido entre o diagnóstico e o tratamento é de até sessenta dias: Estado Total de casos Casos cujo tempo decorrido entre o diagnóstico e o tratamento é de até 60 dias Nº % AL ,3 BA ,1 ES ,5 MG ,6 MT ,6 PA ,3 PB ,4 PR ,8 RJ ,6 RN ,3 8

9 Estado Total de casos Casos cujo tempo decorrido entre o diagnóstico e o tratamento é de até 60 dias Nº % RS ,7 SC ,9 26. A análise preliminar desses dados aponta para inconsistências das informações do sistema, a exemplo do Paraná que apresenta o total de casos de entre 2012 e 2013, enquanto Minas Gerais apresenta apenas três, no mesmo período. 27. Observa-se que o Ministério da Saúde tem envidado esforços para obter o registro das informações sobre o câncer, inclusive daquelas que permitam gerenciar o tempo entre o diagnóstico e tratamento, com vistas à verificação do cumprimento do prazo estabelecido na Lei /2012. No entanto, o SISCAN ainda se encontra em implementação, demandando tempo de amadurecimento para que possa ser avaliado por este Tribunal. 28. Registre-se que o item do Acórdão 2843/2011-TCU-Plenário, deliberação cujo monitoramento é objeto do referido TC /2013-2, recomendou à Secretaria de Atenção à Saúde (SAS/MS) que adotasse medidas no sentido de assegurar a efetividade do sistema Registro Hospitalar de Câncer (RHC) que contemplassem, entre outros, o cálculo e a divulgação de indicadores de desempenho acerca da tempestividade dos atendimentos e de sobrevida dos pacientes. 29. No âmbito da análise efetuada naquele processo, ainda não apreciado, concluiu-se que o Ministério da Saúde, ao desenvolver o SISCAN integrando os sistemas SISCOLO e SISMAMA, demonstrou a adoção de medidas para alcançar informações sobre o diagnóstico e tratamento dos pacientes com câncer. Nesse contexto, a qualidade e confiabilidade dos registros no sistema é de extrema importância, uma vez que os números existem, todavia resta avaliar sua fidedignidade. Em razão disso, considerou-se que a recomendação efetuada pelo item da deliberação estava em implementação, sendo proposta a continuidade do monitoramento da questão. 30. O Tribunal realizou Auditoria Operacional na Política Nacional de Atenção Oncológica com o objetivo de avaliar se a rede de atenção oncológica tem permitido aos doentes com câncer acesso tempestivo e equitativo ao diagnóstico e ao tratamento, bem como se as condutas terapêuticas disponibilizadas aos pacientes do SUS se mostram suficientemente atualizadas, apreciada por meio do Acórdão 2843/2011-TCU-Plenário. As correspondentes determinações e recomendações são objeto do primeiro monitoramento no âmbito do citado TC /2013-2, onde já se busca acompanhar a implementação do SISCAN e a qualidade e confiabilidade de seus registros, bem como se propõe a manutenção desse acompanhamento no futuro. 31. Em razão disso, consideramos que a verificação do cumprimento do disposto na Lei /2012 pode ser feita no âmbito daqueles autos de monitoramento, atendendo-se ao requerido pela Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal. 32. Ante o exposto, submeto os autos à consideração do Relator, Exmo. Sr. Ministro Benjamin Zymler, propondo: a) informar à Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal que: i. o sistema SISCAN do Ministério da Saúde que disponibiliza, entre outros, o Módulo de gerenciamento do tempo entre o diagnóstico e o tratamento das neoplasias malignas, meio 9

10 pelo qual será possível verificar o cumprimento do prazo estabelecido na Lei /2012 encontra-se ainda em implementação, demandando tempo de amadurecimento para que possa ser avaliado por este Tribunal; ii. o acompanhamento da implementação do SISCAN e a verificação do cumprimento do disposto na Lei /2012 serão realizados no âmbito do TC / que trata do primeiro monitoramento das deliberações decorrentes da Auditoria Operacional realizada pelo TCU na Política Nacional de Atenção Oncológica e nos monitoramentos subsequentes; b) encaminhar à referida Comissão cópia da deliberação que vier a ser adotada, do relatório e voto que a fundamentarem, bem como do inteiro teor dos presentes autos; c) considerar esta solicitação integralmente atendida e arquivar os presentes autos, nos termos do art. 17, 1º, inciso II, da Resolução TCU 215/2008. É o relatório. VOTO Trata-se de requerimento efetuado pela Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal por meio do qual é solicitada a realização de auditoria nos registros de câncer nas unidades hospitalares de alta complexidade em oncologia do Sistema Único de Saúde - SUS com a finalidade de avaliar o cumprimento do disposto na Lei / A referida lei dispõe sobre o primeiro tratamento de paciente com neoplasia maligna comprovada e estabelece o prazo máximo de sessenta dias, contado a partir do diagnóstico, para a realização do primeiro tratamento no SUS (peça 1). 3. Foi solicitado também que o Tribunal avaliasse "a situação em que se encontra a atenção à saúde dos portadores de câncer" em relação aos seguintes aspectos: (i) incidência; (ii) realização de exames complementares para diagnóstico, estadiamento e pré-tratamento operatório, radioterápico ou quimioterápico; (iii) estadiamento da doença na ocasião do diagnóstico e no início do tratamento; (iv) referenciamento do paciente para unidades de atenção oncológica; (v) ao tempo de início de tratamento a partir do diagnóstico confirmatório da doença, (vi) mortalidade com causa do óbito; (vii) idade, sexo e localidade. 4. A presente Solicitação do Congresso Nacional foi apreciada preliminarmente por meio do Acórdão 2973/2013-Plenário, de cujo voto condutor constou que: 4. Sobre a matéria, registre-se que o Tribunal realizou auditoria operacional na Política Nacional de Assistência Oncológica, apreciada por meio do Acórdão 2.843/2011-Plenário, com o objetivo de avaliar a implementação da política pública, especialmente em relação à oferta de serviços de diagnóstico e tratamento oncológicos à população. 5. Entre outras questões, consoante informado pela unidade técnica, foi avaliado nesses trabalhos se a estrutura da rede de atenção oncológica possibilitava aos doentes de câncer acesso 10

11 tempestivo e equitativo ao diagnóstico e ao tratamento. Também foi verificado se as condutas terapêuticas disponibilizadas aos pacientes do SUS estão suficientemente atualizadas, segundo a percepção dos especialistas que atuam na área da oncologia. 6. As determinações e recomendações efetuadas por meio do mencionado acórdão estão sendo objeto de monitoramento (TC /2013-2), o qual, consoante as informações da SecexSaúde, tratará também das questões colocadas pelo requerimento em tela. 7. Esse monitoramento, cabe registrar, irá compor o capítulo 3 do Relatório Sistêmico da Saúde, que trata de um dos projetos prioritários do Tribunal neste ano com o objetivo de oferecer uma visão geral dessa função de governo e informar o Congresso Nacional e, em última instância, a sociedade brasileira, sobre os resultados da aplicação dos recursos públicos na área de saúde. 8. Nesse quadro, de forma a atender integralmente o requerimento, tão logo haja julgamento de mérito do monitoramento referente ao Acórdão 2.843/2011-Plenário, deverá haver a remessa das suas conclusões à Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal. 5. De acordo com a parte dispositiva dessa decisão, foi informado à Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal que: foram solicitadas ao Ministério da Saúde, no âmbito do citado monitoramento, informações para atendimento ao disposto no Requerimento 40/2013-CMA; 6. Trata-se, pois, neste momento, das informações enviadas pelo Ministério da Saúde em resposta à mencionada diligência efetuada no âmbito do TC / Consoante exposto pela unidade técnica, o processo de consolidação nacional das informações relativas aos Registros Hospitalares de Cancer RHC está em andamento, não tendo sido concluído ainda, apesar dos esforços do Ministério da Saúde. 8. Isso porque o Sistema de Informação do Câncer (SISCAN) do Ministério da Saúde que disponibiliza, entre outros, o Módulo de gerenciamento do tempo entre o diagnóstico e o tratamento das neoplasias malignas e por meio do qual será possível verificar o cumprimento do prazo estabelecido na Lei /2012 encontra-se ainda em implementação, demandando tempo de amadurecimento para que possa ser avaliado por este Tribunal. 9. Por outro lado, consoante consta do item do Acórdão 2973/2013-Plenário, foi autuado o TC / para monitoramento das determinações e recomendações exaradas por meio do Acórdão 2843/2011-Plenário, proferido em sede de auditoria operacional realizada com o intuito de avaliar a implementação da Política Nacional de Assistência Oncológica, especialmente em relação à oferta de serviços de diagnóstico e tratamento oncológicos à população. 10. Desta feita, a verificação do cumprimento do disposto na Lei /2012 e as respostas às demais demandas constantes do requerimento da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal devem ocorrer no âmbito desses autos de monitoramento, quando também se avaliará o processo de implementação do SISCAN e a qualidade e confiabilidade de seus registros. 11. Diante do exposto, de acordo com a proposta da unidade técnica, voto por que o Tribunal adote o Acórdão que ora submeto à deliberação deste Colegiado. TCU, Sala das Sessões Ministro Luciano Brandão Alves de Souza, em 26 de março de

12 BENJAMIN ZYMLER Relator ACÓRDÃO Nº 708/2014 TCU Plenário 1. Processo nº TC / Grupo I Classe de Assunto: II Solicitação do Congresso Nacional 3. Interessada: Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal 4. Órgão/Entidade: Ministério da Saúde. 5. Relator: Ministro Benjamin Zymler. 6. Representante do Ministério Público: não atuou. 7. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo da Saúde (SecexSaude). 8. Advogado constituído nos autos: não há. 9. Acórdão: VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Solicitação do Congresso Nacional em que a Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal (Requerimento 40/2013-CMA) solicita a realização de auditoria nos registros de câncer nas unidades hospitalares de alta complexidade em oncologia do Sistema Único de Saúde SUS, ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator, com fundamento nos arts 38, inciso I, da Lei 8.443/1992 e 231 do Regimento Interno do TCU, em: 9.1. informar à Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal que: o sistema SISCAN do Ministério da Saúde que disponibiliza, entre outros, o Módulo de gerenciamento do tempo entre o diagnóstico e o tratamento das neoplasias malignas, meio pelo qual será possível verificar o cumprimento do prazo estabelecido na Lei /2012 encontra-se ainda em implementação, demandando tempo de amadurecimento para que possa ser avaliado por este Tribunal; o acompanhamento da implementação do SISCAN e a verificação do cumprimento do disposto na Lei /2012 serão realizados no âmbito do TC / que trata do primeiro monitoramento das deliberações decorrentes da Auditoria Operacional realizada pelo TCU na Política Nacional de Atenção Oncológica e nos monitoramentos subsequentes; 9.2. encaminhar cópia deste Acórdão, acompanhado do Relatório e Voto que o fundamentam, à Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal; 9.3. considerar esta solicitação integralmente atendida e arquivar os presentes autos, nos termos do art. 17, 1º, inciso II, da Resolução TCU 215/ Ata n 9/2014 Plenário. 12

13 11. Data da Sessão: 26/3/2014 Ordinária. 12. Código eletrônico para localização na página do TCU na Internet: AC /14-P. 13. Especificação do quorum: Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Valmir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler (Relator), Raimundo Carreiro, José Jorge, José Múcio Monteiro e Ana Arraes. 13

14 13.2. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Cavalcanti, Marcos Bemquerer Costa e Weder de Oliveira. (Assinado Eletronicamente) JOÃO AUGUSTO RIBEIRO NARDES Presidente (Assinado Eletronicamente) BENJAMIN ZYMLER Relator Fui presente: (Assinado Eletronicamente) PAULO SOARES BUGARIN Procurador-Geral 14

Atuação do TCU Marcelo Chaves Secretário da Secex Saúde

Atuação do TCU Marcelo Chaves Secretário da Secex Saúde Apresentação para a Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal Primeiro ano da implementação da Lei 12.732/2012 Atuação do TCU Marcelo Chaves Secretário da Secex Saúde Brasília 22/5/2014 Auditoria

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 004.507/2015-0

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 004.507/2015-0 GRUPO I CLASSE II Plenário TC 004.507/2015-0 Natureza(s): Solicitação do Congresso Nacional Órgão/Entidade/Unidade: Agência Nacional de Telecomunicações Representação legal: Daniel Andrade Fonseca e outros,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering. Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012

Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering. Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012 Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012 Fortalecimento da Rede de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer Conjunto de ações estratégicas

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 008.336/2015-6

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 008.336/2015-6 GRUPO I CLASSE II Plenário TC 008.336/2015-6 Natureza: Solicitação do Congresso Nacional Entidade: Agência Nacional de Telecomunicações Representação legal: Daniel Andrade Fonseca e outros, representando

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2013

NOTA TÉCNICA 03 2013 NOTA TÉCNICA 03 2013 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do paciente com neoplasia maligna comprovada, no âmbito do Sistema

Leia mais

GRUPO I - CLASSE VII - PLENÁRIO TC-002.612/2015-1 Natureza: Administrativo Interessado: Tribunal de Contas da União

GRUPO I - CLASSE VII - PLENÁRIO TC-002.612/2015-1 Natureza: Administrativo Interessado: Tribunal de Contas da União TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 002.62/205- GRUPO I - CLASSE VII - PLENÁRIO TC-002.62/205- Natureza: Administrativo Interessado: Tribunal de Contas da União SUMÁRIO: ADMINISTRATIVO. PROJETO DE INSTRUÇÃO

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 (SUS). Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

EMENTA: Mamografia de rastreamento - Periodicidade atrelada a riscos - Financiamento Público CONSULTA

EMENTA: Mamografia de rastreamento - Periodicidade atrelada a riscos - Financiamento Público CONSULTA PARECER Nº 2482/2014 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 48/2014 - PROTOCOLO N.º 26065/2014 ASSUNTO: MAMOGRAFIA DE RASTREAMENTO PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Mamografia de rastreamento - Periodicidade

Leia mais

Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011

Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011 Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011 09 Distritos Sanitários 109 US (55 ESF) - informatizada 8 CMUMs 10 CAPS 1 Laboratório Municipal 1 Hospital Municipal 1.851.213 habitantes 223.000 mulheres acima

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 1.081/2004 - TCU - Plenário

ACÓRDÃO Nº 1.081/2004 - TCU - Plenário ACÓRDÃO Nº 1.081/004 - TCU - Plenário 1. Processo TC-006.936/004-.. Grupo I - Classe V: Levantamento. 3. Entidade: Companhia Energética do Amazonas CEAM. 4. Interessado: Congresso Nacional. 5. Relator:

Leia mais

Pela Voz dos Pacientes. Pesquisa Lei dos 60 Dias: Panorama Nacional. Lei 12.732/12

Pela Voz dos Pacientes. Pesquisa Lei dos 60 Dias: Panorama Nacional. Lei 12.732/12 Pela Voz dos Pacientes Pesquisa Lei dos 60 Dias: Panorama Nacional Lei 12.732/12 Lei dos 60 Dias: Porque estamos aqui? Contextualização Existem inúmeros relatos de pacientes sobre a implementação inadequada

Leia mais

SUMÁRIO: RELATÓRIO DE AUDITORIA. FOLHA DE PAGAMENTO. INDÍCIOS DE IRREGULARIDADE. AUDIÊNCIAS. RELATÓRIO

SUMÁRIO: RELATÓRIO DE AUDITORIA. FOLHA DE PAGAMENTO. INDÍCIOS DE IRREGULARIDADE. AUDIÊNCIAS. RELATÓRIO GRUPO II CLASSE V Plenário TC 019.100/2009-4 Natureza(s): Relatório de Auditoria Órgão: Senado Federal (vinculador) Interessado: Congresso Nacional Advogado(s): não consta. SUMÁRIO: RELATÓRIO DE AUDITORIA.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 008.130/2009-5

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 008.130/2009-5 GRUPO I CLASSE V Plenário TC-008.130/2009-5. Natureza: Levantamento de Auditoria. Entidade: Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Estado do Piauí. Interessado: Congresso Nacional. Advogado

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Abril a Junho/ 2010/ n 2 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Neste segundo boletim de 2010, são apresentados os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

Sumário: ACOMPANHAMENTO. PARCERIA PÚBLICO- PRIVADA. CONSÓRCIO DATACENTER. APROVAÇÃO DO 5º ESTÁGIO. ARQUIVAMENTO. RELATÓRIO

Sumário: ACOMPANHAMENTO. PARCERIA PÚBLICO- PRIVADA. CONSÓRCIO DATACENTER. APROVAÇÃO DO 5º ESTÁGIO. ARQUIVAMENTO. RELATÓRIO GRUPO I CLASSE VII Plenário TC 026.755/2008-7 Apensos: TCs 9.004/2006-0, 25.763/2006-8, 25.914/2006-4, TC 25.926/2006-5, 17.059/2009-7 Natureza: Acompanhamento Entidades: Banco do Brasil S.A - BB e Caixa

Leia mais

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34)

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34) Tribunal de Contas da União Data DOU: 19/07/2004 Colegiado: Segunda Câmara Número da Ata: 25/2004 Texto do Documento: RELAÇÃO Nº 58/2004 - Segunda Câmara - TCU Gabinete do Ministro Benjamin Zymler Relação

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 006.064/2009-9 Fiscalização nº 259/2009 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 345/2009 - Plenário Objeto da fiscalização: Obras de

Leia mais

PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DA

PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DA PESQUISA: A LEI DOS 60 DIAS No dia 23 de novembro de 2012, a lei 12.732/12 ou Lei dos 60 Dias foi sancionada pela presidente da República Dilma Rousseff, a qual garantiria o início do tratamento do câncer

Leia mais

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 019.020/2011-2

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 019.020/2011-2 GRUPO I CLASSE V Plenário TC 019.020/2011-2 Natureza: Levantamento de Auditoria Interessado: Tribunal de Contas da União Entidade: Caixa Econômica Federal (Caixa) Advogado constituído nos autos: não há.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0483-30/01-P Identidade do documento: Decisão 483/2001 - Plenário Ementa: Acompanhamento. ANATEL. Licitação. Outorga de direito de concessão para a exploração

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0122-08/00-P. Identidade do documento: Decisão 122/2000 - Plenário

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0122-08/00-P. Identidade do documento: Decisão 122/2000 - Plenário Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0122-08/00-P Identidade do documento: Decisão 122/2000 - Plenário Ementa: Auditoria. CBTU. Obra de implantação do metrô de Belo Horizonte, trecho Calafate-Barreiro.

Leia mais

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 006.076/2013-0

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 006.076/2013-0 GRUPO I - CLASSE V - Plenário TC 006.076/2013-0 Natureza: Relatório de Levantamento Interessado: Tribunal de Contas da União Unidade: Caixa Econômica Federal - Caixa Sumário: RELATÓRIO DE LEVANTAMENTO.

Leia mais

PARECER DO RELATOR, PELA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA, À EMENDA APRESENTADA AO PROJETO DE LEI Nº 3.887, DE

PARECER DO RELATOR, PELA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA, À EMENDA APRESENTADA AO PROJETO DE LEI Nº 3.887, DE PARECER DO RELATOR, PELA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA, À EMENDA APRESENTADA AO PROJETO DE LEI Nº 3.887, DE 1997. (EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL) O SR. DARCÍSIO PERONDI (PMDB-RS. Pela ordem. Sem

Leia mais

Rastreamento Organizado para a Detecção Precoce do Câncer de Mama

Rastreamento Organizado para a Detecção Precoce do Câncer de Mama SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Rastreamento Organizado para a Detecção Precoce do Câncer de Mama Programa Mulheres de Peito São Paulo, 24 de julho de 2014 Justificativas O câncer de mama é a primeira causa

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais

Outros Representantes do Ministério Público: Dra. Maria Alzira Ferreira e Dr. Paulo Soares Bugarin.

Outros Representantes do Ministério Público: Dra. Maria Alzira Ferreira e Dr. Paulo Soares Bugarin. Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0569-42/00-1 Identidade do documento: Acórdão 569/2000 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. FNDE. Prefeitura Municipal de Bom

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Assunto: Representação. Colegiado: Plenário. Classe: Classe VII

Tribunal de Contas da União. Assunto: Representação. Colegiado: Plenário. Classe: Classe VII Tribunal de Contas da União Assunto: Representação Colegiado: Plenário Classe: Classe VII Sumário: Representação formulada pelo Tribunal de Contas do Espado de Pernambuco versando sobre possíveis irregularidades

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Videoconferências Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 PAUTA Orientações sobre o processo de pactuação para o ano de 2015; Abertura do

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0554-34/98-P. Identidade do documento: Decisão 554/1998 - Plenário

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0554-34/98-P. Identidade do documento: Decisão 554/1998 - Plenário Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0554-34/98-P Identidade do documento: Decisão 554/1998 - Plenário Ementa: Representação formulada por Parlamentar. Possíveis irregularidades nas operações

Leia mais

SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE

SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE Encontro Nacional de Coordenadores Maio/2011 SISMAMA Portaria SAS 779/08 Subsistema do sistema de faturamento ambulatorial do (SIA-SUS) Faturamento dos serviços de mamografia,

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 470/93 - Plenário - Ata 53/93 Processo nº TC 014.861/93-3 Entidade: Ministério da Justiça Relator: Ministra Élvia L. Castello Branco Redator da Decisão

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015. Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira

EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015. Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015 Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira Constituição Federal 1988 Art.:196 A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 41/96 - Plenário - Ata 05/96 Processo nº TC 010.652/95-7 Interessado: Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul - Dr.

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 212/98 - Segunda Câmara - Ata 19/98 Processo TC nº 375.248/97-8. Responsáveis: Léa Lúcia Cecílio Braga, Vânia Ferreira dos Santos, Aparecida dos Santos,

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

008228/2009 TC - - PSF

008228/2009 TC - - PSF Processo nº: 008228/2009 TC Jurisdicionado: Prefeitura Municipal do Natal - Secretaria Municipal de Saúde. Assunto: Auditoria Operacional na Ação Implementação e Expansão do Programa de Saúde da Família

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 016.760/2013-1

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 016.760/2013-1 GRUPO I - CLASSE V - PLENÁRIO TC 016.760/2013-1 Natureza: Auditoria de Conformidade Interessado: Tribunal de Contas da União Unidade: Banco Central do Brasil - Bacen Sumário: AUDITORIA DE CONFORMIDADE

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Linha de Cuidado e Rede de Atenção ao Câncer do Colo do Útero

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Linha de Cuidado e Rede de Atenção ao Câncer do Colo do Útero Boletim ano 6, nº 2, maio/agosto 2015 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA)/Ministério da Saúde MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Linha de Cuidado

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Assunto: Solicitação do Congresso Nacional. Colegiado: Plenário. Classe: Classe II

Tribunal de Contas da União. Assunto: Solicitação do Congresso Nacional. Colegiado: Plenário. Classe: Classe II Tribunal de Contas da União Assunto: Solicitação do Congresso Nacional. Colegiado: Plenário Classe: Classe II Sumário: Solicitação de Auditoria na Prefeitura Municipal de Cajuri - MG, para esclarecer questões

Leia mais

Manual do Usuário para o RDQ Versão 2

Manual do Usuário para o RDQ Versão 2 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa Manual do Usuário para o RDQ Versão 2 Brasília DF Maio de 2014 3 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama O Câncer de Mama no Brasil Situação epidemiológica e rastreamento 17/04/2009 CÂNCER DE MAMA NO BRASIL MORBIMORTALIDADE NÚMERO TAXA (*) NOVOS

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Documento norteador para a habilitação de laboratórios Tipo I e Tipo II pela Qualificação Nacional em Citopatologia QualiCito. Qual a Portaria que institui a Qualificação

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0397-24/01-2. Identidade do documento: Acórdão 397/2001 - Segunda Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0397-24/01-2. Identidade do documento: Acórdão 397/2001 - Segunda Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0397-24/01-2 Identidade do documento: Acórdão 397/2001 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. CEF. Ilícito praticado por ex-servidor. Responsável

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 217/94 - Plenário - Ata 12/94 Processo nº TC 014.056/93-3 Interessado: Dante Martins de Oliveira - Prefeito Entidade: Prefeitura Municipal de Cuiabá/MT

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

Entidade: Órgão de Origem: Secretaria do Estado da Justiça e Cidadania de Santa Catarina

Entidade: Órgão de Origem: Secretaria do Estado da Justiça e Cidadania de Santa Catarina Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0776-48/99-P Identidade do documento: Decisão 776/1999 - Plenário Ementa: Inspeção. Secretaria de Justiça de Santa Catarina. Pedido de reexame de decisão

Leia mais

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo Nesta edição Nº 16 Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo José Dínio Vaz Mendes I ; Mônica Aparecida Marcondes Cecilio II ;

Leia mais

Representante do Ministério Público: MARINUS EDUARDO DE VRIES MARSICO

Representante do Ministério Público: MARINUS EDUARDO DE VRIES MARSICO Tribunal de Contas da União Representante do Ministério Público: MARINUS EDUARDO DE VRIES MARSICO Assunto: Tomada de Contas Especial Acórdão: Vistos, relatados e discutidos estes autos de Tomada de Contas

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0538-44/99-2. Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0538-44/99-2. Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0538-44/99-2 Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. MAS. Prefeitura Municipal de Jardim

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 021.938/2015-6

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 021.938/2015-6 GRUPO II CLASSE V Segunda Câmara TC 021.938/2015-6. Natureza: Pensão Civil. Órgão: Gerência Executiva do INSS - Joinville/SC. Interessados: Carmem Lucia Schmalz (248.508.709-10); Ceres Maria Burgardt Muller

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Filiada à Associação Médica Brasileira - AMB Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia

Leia mais

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013.

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. Exmo Sr. Dr. Maurício Pessutto MD Procurador da República Procuradoria da República em Santa Catarina Rua Pascoal Apóstolo Pitsica, nº 4876, torre

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia é definida como a especialidade médica que utiliza radiação ionizante para tratar e

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO ACÓRDÃO Nº 1.358/2004-TCU-Plenário

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO ACÓRDÃO Nº 1.358/2004-TCU-Plenário TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO ACÓRDÃO Nº 1.358/2004-TCU-Plenário 1. Processo TC 003.181/2004-0 2. Grupo: I - Classe de Assunto: V - Relatório de Levantamento de Auditoria (Fiscobras 2004). 3. Partes: 3.1.

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora VANESSA GRAZZIOTIN

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora VANESSA GRAZZIOTIN PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, sobre Aviso nº 3, de 2014 (Aviso nº 355-GP/TCU, de 29 de abril de 2014, na origem), que encaminha ao Senado

Leia mais

Assunto: Inspeção realizada por solicitação de Senador, aprovada pelo Senado Federal (Ofício nº 1.451-SF, de 23/10/96).

Assunto: Inspeção realizada por solicitação de Senador, aprovada pelo Senado Federal (Ofício nº 1.451-SF, de 23/10/96). Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 126/97 - Plenário - Ata 10/97 Processo nº TC 016.583/96-5 Interessado: Senador Teotonio Vilela Filho, Primeiro Vice-Presidente do Senado Federal, no

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador EDUARDO AMORIM I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador EDUARDO AMORIM I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, ao Diversos nº 42, de 1997 (Aviso nº 461-SGS-TCU, de 24 de julho de 1997, na origem), que encaminha ao Senado Federal cópia de Decisão adotada pelo

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 236/97 - Plenário - Ata 42/97 Processo nº TC 299.048/93-4. Interessados: Byron Costa Queiroz, Presidente, e Osmundo Evangelista Rebouças, Presidente

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA OPERACIONAL Política Nacional de Atenção Oncológica

RELATÓRIO DE AUDITORIA OPERACIONAL Política Nacional de Atenção Oncológica RELATÓRIO DE AUDITORIA OPERACIONAL Política Nacional de Atenção Oncológica República Federativa do Brasil Tribunal de Contas da União Ministros Benjamin Zymler, Presidente Augusto Nardes, Vice-Presidente

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0180-15/99-P. Identidade do documento: Decisão 180/1999 - Plenário

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0180-15/99-P. Identidade do documento: Decisão 180/1999 - Plenário Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0180-15/99-P Identidade do documento: Decisão 180/1999 - Plenário Ementa: Representação formulada por parlamentar. Possíveis irregularidades na FUNAI.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

Interessados: INTERESSADA: ELESERVICE do Brasil - Componentes Eletrônicos Ltda.

Interessados: INTERESSADA: ELESERVICE do Brasil - Componentes Eletrônicos Ltda. Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0255-19/99-P Identidade do documento: Decisão 255/1999 - Plenário Ementa: Representação formulada por licitante. Possíveis irregularidades praticadas

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 042.212/2012-0

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 042.212/2012-0 GRUPO I CLASSE V PLENÁRIO TC-042.212/2012-0 Natureza: Relatório de Auditoria Responsáveis: Jorge Ernesto Pinto Fraxe (Diretor Geral do DNIT) e Terrabrás Terraplenagens do Brasil S.A. Unidade: Departamento

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

_G_O_V_E_R_N_O_D_O_E_S_T_A_D_O_D_E_M_A_T_O_G_R_O_S_S_O_D_O_S_U_L

_G_O_V_E_R_N_O_D_O_E_S_T_A_D_O_D_E_M_A_T_O_G_R_O_S_S_O_D_O_S_U_L :.!B.Sf\.-.. _G_O_V_E_R_N_O_D_O_E_S_T_A_D_O_D_E_M_A_T_O_G_R_O_S_S_O_D_O_S_U_L SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE _ DIRETORIA-GERAL DE ATENÇÃO À SAÚDE OF. W 10.408/13/CAEIDAS/SES/MS Senhora Procuradora, Em resposta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

Relatório do 2º Monitoramento

Relatório do 2º Monitoramento TC n? 012.374//2000-3 Relatório do 2º Monitoramento Programa Nacional de Informática na Educação - ProInfo Brasília, dezembro de 2002. Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES...

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

Representante do Ministério Público: MARIA ALZIRA FERREIRA;

Representante do Ministério Público: MARIA ALZIRA FERREIRA; Tribunal de Contas da União Representante do Ministério Público: MARIA ALZIRA FERREIRA; Assunto: Consulta Colegiado: Plenário Classe: Classe III Sumário: Consulta formulada pela Presidência do Tribunal

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0230-12/00-P. Identidade do documento: Decisão 230/2000 - Plenário

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0230-12/00-P. Identidade do documento: Decisão 230/2000 - Plenário Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0230-12/00-P Identidade do documento: Decisão 230/2000 - Plenário Ementa: Acompanhamento. Programa Nacional de Desestatização. Outorga de concessões

Leia mais

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo e de cargos em comissão no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Assunto: Levantamento de Auditoria. Colegiado: Plenário. Classe: Classe V

Tribunal de Contas da União. Assunto: Levantamento de Auditoria. Colegiado: Plenário. Classe: Classe V Tribunal de Contas da União Assunto: Levantamento de Auditoria Colegiado: Plenário Classe: Classe V Sumário: Fiscobras 2001. Obras de construção de contornos rodoviários no corredor Leste/BR- 259/ES. Irregularidades.

Leia mais

GRUPO I CLASSE II 2ª Câmara TC-031.085/2013-0

GRUPO I CLASSE II 2ª Câmara TC-031.085/2013-0 GRUPO I CLASSE II 2ª Câmara TC-031.085/2013-0 Natureza: Tomada de Contas Especial. Entidade: Município de Flores/PE. Responsável: Arnaldo Pedro da Silva, CPF n. 093.945.404-15. SUMÁRIO: TOMADA DE CONTAS

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais