TCC EDUCAÇÃO CIÊNCIA E CULTURA S/C LTDA. Mantenedora. FACULDADE VALE DO SALGADO FVS Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PPC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TCC EDUCAÇÃO CIÊNCIA E CULTURA S/C LTDA. Mantenedora. FACULDADE VALE DO SALGADO FVS Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PPC"

Transcrição

1 TCC EDUCAÇÃO CIÊNCIA E CULTURA S/C LTDA. Mantenedora FACULDADE VALE DO SALGADO FVS Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PPC Curso de Graduação em Psicologia Bacharelado Profa. MSc. Polyanne Maria de Araújo Coimbra Fernandes Coordenadora do Curso Icó / Ceará 2012

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DADOS INSTITUCIONAIS Mantenedora Mantida CARACTERIZAÇÃO GERAL DO CURSO Denominação Vagas Dimensionamento das Turmas Regime de Matrícula Turnos de Funcionamento Duração do Curso Base Legal... 5 ORGANIZAÇÃO DO CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Relevância Social do Curso de Psicologia Caracterização Regional da Área de Inserção da Instituição População no Ensino Médio Local Metas do PNE e Atendimento na Educação Superior Pirâmide Populacional Justificativa e Necessidade Social do Curso Concepção do Curso Políticas Institucionais no Âmbito do Curso Objetivos do Curso Geral Objetivos Específicos Perfil Profissional, Competências e Habilidades Perfil do Egresso Competências e Habilidades Perspectivas / Possibilidades de Inserção Profissional do Egresso Organização Curricular Estrutura Curricular Matriz Curricular s e Bibliografia Estágio Supervisionado Atividades Complementares Trabalho de Conclusão de Curso Metodologia de Ensino Aprendizagem Avaliação do Processo de Ensino Aprendizagem e do Curso Avaliação do Processo de Ensino Aprendizagem Avaliação do Curso Ações Decorrentes dos Processos de Avaliação do Curso Incentivo à Pesquisa e à Extensão Pesquisa

3 Extensão Apoio ao Discente Atendimento Extraclasse Serviço de Apoio Psicopedagógico Mecanismos de Nivelamento Participação em Centros Acadêmicos Tecnologias de Informação e Comunicação TICs no Processo Ensino Aprendizagem Número de Vagas CORPO DOCENTE Atuação do Núcleo Docente Estruturante NDE Atuação da Coordenadora de Curso Experiência Profissional, de Magistério Superior e de Gestão Acadêmica da Coordenadora do Curso Regime de Trabalho da Coordenadora do Curso Organização do Controle Acadêmico Pessoal Técnico e Administrativo Titulação do Corpo Docente do Curso Titulação do Corpo Docente do Curso Percentual de Doutores Regime de Trabalho do Corpo Docente do Curso Experiência Profissional do Corpo Docente Experiência de Magistério Superior do Corpo Docente Funcionamento do Colegiado de Curso ou Equivalente Produção Científica, Cultural, Artística ou Tecnológica INFRAESTRUTURA Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral TI Espaço de Trabalho para Coordenação do Curso e Serviços Acadêmicos Sala de Professores Salas de Aula Acesso dos Alunos a Equipamentos de Informática Periódicos Especializados Laboratórios Didáticos Especializados: Quantidade Laboratórios Didáticos Especializados: Qualidade Laboratórios Didáticos Especializados: Serviços Descrição dos Laboratórios Didáticos Especializados Implementados... Erro! Indicador não definido Plano de Promoção de Acessibilidade e de Atendimento Diferenciado a Portadores de Necessidades Especiais

4 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA APRESENTAÇÃO 1 DADOS INSTITUCIONAIS 1.1 Mantenedora 1.2 Mantida NOME TCC EDUCAÇÃO CIÊNCIA E CULTURA S/C LTDA. CNPJ / ENDEREÇO Av. Padre Cícero, 2830 Sala 01 Km 02 Triangulo CEP MUNICÍPIO Juazeiro do Norte ESTADO Ceará TELEFONE FAX NOME Faculdade Vale do Salgado ENDEREÇO (SEDE) Rua Monsenhor Frota, nº 609 Centro CEP MUNICÍPIO Icó ESTADO Ceará TELEFONE (88) FAX (88) E MAIL SITE DIRIGENTE PRINCIPAL Jaime Romero de Souza PORTARIA DE CREDENCIAMENTO Portaria MEC nº de 30/12/2002 (DOU de 31/12/2002) 2 CARACTERIZAÇÃO GERAL DO CURSO 2.1 Denominação Curso de Graduação em Psicologia, modalidade Bacharelado. 2.2 Vagas 200 vagas anuais. 4

5 2.3 Dimensionamento das Turmas Turmas teóricas de 50 alunos, e nas atividades práticas as turmas possuem as dimensões recomendadas pelo professor, com aprovação da Coordenadoria de Curso, sempre respeitado o limite máximo de 25 alunos por turma prática. 2.4 Regime de Matrícula Semestral. 2.5 Turnos de Funcionamento Noturno. 2.6 Duração do Curso O Curso de Psicologia possui a duração de horas de 60 minutos (hora relógio), a serem integralizadas no prazo mínimo de 10 (dez) períodos letivos e no máximo de 18 (dezoito) períodos letivos. 2.7 Base Legal Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei nº , de 20 de dezembro de Resolução CNE/CES nº 05, de 15 de março de 2011 Instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Psicologia. Decreto nº 5.626/2005, de 22 de Dezembro de 2005 Regulamenta a Lei , de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais LIBRAS, e o artigo 18 da lei , de 19 de dezembro de Decreto nº 5.773/2006, de 09 de Maio de 2006 Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Resolução CNE/CES Nº 2, de 18 de Junho de 2007 Dispõe sobre a carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial. Decreto nº 5.296/2004 Dispõe sobre as condições de acesso para portadores de necessidades especiais. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999 e Decreto nº de 25 de junho de

6 Estabelecem as políticas de educação ambiental. Resolução CNE/CP nº 01, de 17 de junho de Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro Brasileira e Africana. O PPC de Psicologia está em consonância com o Projeto Pedagógico Institucional PPI e com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da Faculdade Vale do Salgado. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 1 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO 1.1 Relevância Social do Curso de Psicologia Caracterização Regional da Área de Inserção da Instituição A Faculdade Vale do Salgado está localizada na Região Centro Sul do Estado do Ceará, no Município de Icó. De acordo com a divisão territorial realizada pelo IBGE (2008) e adotada pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE), Icó localiza se na Microrregião Iguatu. MESORREGIÃO GEOGRÁFICA MICRORREGIÃO GEOGRÁFICA MUNICÍPIOS Mesorregião Centro Sul Cearense Microrregião Iguatu Cedro Icó Iguatu Orós Quixelô Fonte: IBGE/IPECE. A Microrregião Iguatu é uma das microrregiões do estado brasileiro do Ceará pertencente à mesorregião Centro Sul Cearense. Possui uma área total de 4.762,797 km². Sua população foi informada em 2010 pelo IBGE em habitantes e está dividida em cinco municípios, conforme quadro a seguir: POPULAÇÃO MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO IGUATU / 2010 MUNICÍPIOS POPULAÇÃO TOTAL Cedro habitantes Icó habitantes Iguatu habitantes Orós habitantes Quixelô habitantes TOTAL habitantes Fonte: IBGE,

7 Icó possui ainda dois outros municípios limítrofes, que não fazem parte da Microrregião Iguatu: Umari e Lavras da Mangabeira. A região, com aproximadamente 600 mil habitantes, faz parte do sertão cearense. Na Microrregião, o Município de Iguatu exerce papel de centro regional de comércio e serviços, oferecendo apoio para mais de 10 municípios da região onde se localiza. Sua economia é baseada na agricultura: algodão herbáceo e arbóreo, arroz, banana, feijão, milho; pecuária: bovino, suíno e avícola. Além de diversas olarias, base econômica mais antiga, ainda encontram se 70 indústrias: uma de mecânica, 05 metalúrgicas, 04 de madeiras, uma de borracha, uma química, 02 diversas, 10 do mobiliário, uma de couro e peles e produtos similares, 03 editorial e gráficas, 08 de produtos minerais não metálicos, 05 de serviços de construção, 31 de produtos alimentares, 05 de vestuário, calçados e artigos de tecidos, couro e peles. O turismo de eventos tem sido incentivado na cidade, com realizações de grande porte, como 'Iguatu Natal de Luz', 'Iguatu Cidade da Criança' e conferências de entidades classistas, como a 'Convenção Anual do CDL'. Esses eventos vêm se somar à Expoiguatu (exposição agropecuária) e à Fenercsul (feira de negócios), que são importantes encontros setoriais realizados na cidade. A cidade do Icó foi a terceira vila instalada no Ceará e possui um sítio arquitetônico datado do século XVIII. O topônimo "Icó" pode ser uma alusão a uma palavra da língua tapuia, onde i (água) + kó (roça), tornando "água ou rio da roça"; uma das tribos que habitavam as margens do Rio Salgado, denominada ikó; ou a uma planta que poderia ter existido na região, o icozeiro, da família das caparidáceas (Capparis yco), cujo fruto é o icó. A colonização das terras de Icó data do final do século XVII e início do século XVIII. Os primeiros colonizadores da cidade eram conhecidos como "os homens do (Rio) São Francisco", que faziam parte de uma das frentes de ocupação do território cearense, a do "sertão de dentro", dominada pelos baianos, que serviu para tentar ocupar todo o interior cearense. A entrada de Bartolomeu Nabo de Correia e mais 40 homens, chegou em 1683 e deu início à povoação conhecida como "Arraial Novo dos Icós", a sua primeira fase. Numa segunda fase, famílias se instalaram através das sesmarias e assim surgiram dois povoados às margens do Rio Salgado: o "Icó de Baixo" e o "Icó de Cima". Ambos, povoados dominados pelos membros das famílias Fonseca e Monte, respectivamente. Devido às constantes inundações, o povoado que prevaleceu foi o "Icó de Cima". Tanto na fase de descobrimento quanto na de assentamento, os conflitos com os indígenas foram constantes, até que a Igreja Católica interveio e conseguiu um tipo de pacificação. A povoação foi elevada a vila em 1738, a terceira vila do Ceará, logo após Aquiraz e Fortaleza. Em 1842, obteve a categoria de cidade. Devido a sua importância econômica, Icó foi uma das cidades que tiveram projetos urbanísticos planejados na corte, Lisboa. Com a intensificação e o sucesso da indústria da carne seca e do charque no Ceará, Icó destacou se durante esta áurea época como um dos três centros comerciais e de serviços do Estado, juntamente com Sobral e Aracati, devido a abundância de água, localização estratégica na rota das boiadas. A "Estrada Geral do Jaguaribe" escoava as boiadas entre as fazendas de gado do Sertão do Cariri ao porto e centro de salgagem da carne salgada de Aracati. A "Estrada das Boiadas" ou "Estrada dos Inhamuns" escoava o gado e os produtos entre a Paraíba e o Piauí. 7

8 A partir do século XIX, com o final do Ciclo da Carne do Ceará, as plantações de algodão e café foram implementadas. Já na segunda metade deste a iluminação pública foi instalada. Mesmo assim, Icó enfrentou um processo de degradamento político e econômico devido ao crescimento da importância política do Crato e depois com a expansão da Estrada de Ferro de Baturité até a cidade do Crato em 1910, o que favoreceu o comércio de Iguatu. Na primeira metade do século XX, Icó volta a ter importância devido ao projeto de combate às secas com o Açude Lima Campos e a BR 116. O sítio arquitetônico de Icó, que faz parte do Patrimônio Histórico Nacional, é formado pelo perímetro urbano planejado pela Metrópole, na primeira metade do século XVII. Um projeto urbanístico com: ruas bem traçadas e retas (delimitando quadras relativamente uniformes), praças bastante amplas, prédios públicos. O sítio nuclear situa se entre as atuais ruas: 7 de Setembro, Ilídio Sampaio e Benjamin Constant, fechando se ao lado leste com a praça principal. Engloba: Teatro da Ribeira dos Icós: datado de 1860, obra do arquiteto Henrique Théberge, filho do médico e historiador que financiou esta obra neoclássica, Pedro Théberge. É o mais antigo teatro do Estado do Ceará. É formado de dois pavimentos, no térreo encontram se três galerias; no primeiro andar encontram se camarotes superiores. Casa de Câmara e Cadeia: datada da segunda metade do século XVIII, foi uma das mais seguras cadeias de sua época. Seus portões são verdadeiras fortalezas. As celas possuem um dos mais perfeitos esquemas de segurança, com paredes que possuem uma espessura é de um metro e meio, as chaves das celas são únicas e pesam aproximadamente meio quilo cada uma. No seu interior encontra se a capela penitenciária com a imagem de São Domingos (protetor dos presidiários). O prédio compõe se de dois pavimentos. No andar superior funcionou a Câmara e no térreo funcionou a Cadeia Pública. Atualmente está inativa e passará pelas últimas reformas de restauração. Igreja de Nossa Senhora da Expectação: Igreja em estilo barroco. Ao lado da igreja encontra se o cemitério centenário. A maior concentração populacional encontra se na zona rural. A sede do Município dispõe de abastecimento de água, fornecimento de energia elétrica, serviço telefônico, agência de correios e telégrafos, serviço bancário, hospitais, hotéis, educação básica e a Faculdade Vale do Salgado (FVS). A partir de Fortaleza o acesso ao Município, pode ser feito por via terrestre através da rodovia BR 116. As demais vilas, lugarejos, sítios e fazendas são acessíveis (com franco acesso durante todo o ano) através de estradas estaduais, asfaltadas ou carroçáveis. A economia de Icó também é baseada na agricultura: algodão arbóreo e herbáceo, banana, milho, feijão, mandioca, cana de açúcar, castanha de caju e frutas diversas; pecuária: bovino, avícola, ovino, caprino e suíno. Ainda existem 29 indústrias: 04 de perfumaria, sabão e velas, uma de química, 10 de produtos alimentares, 03 de madeira, 04 de produtos minerais não metálicos, 06 de serviços de construção, 01 de vestuário, calçados e artigos de tecidos de couro e peles. O extrativismo vegetal também é presente na fabricação de carvão vegetal, extração de madeiras diversas para lenha e construção de cercas. As atividades da extração da oiticica e carnaúba é amplamente explorada. A confecção de artesanato de redes, chapéus de palha e bordados destaca se também como fonte de renda. A extração de rocha para cantaria, brita e usos diversos na construção civil é uma das atividades de mineração. A piscicultura é desenvolvida nos açudes locais, principalmente no açude Lima Campos. 8

9 O turismo também é uma das fontes de renda, devido a belezas naturais, como o rio Salgado e em destaque pelo sítio histórico barroco oriundo do ciclo do charque e carne seca, época de que esta cidade foi entreposto entre as capitais e o interior do Nordeste. Em 2000, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal de Icó é 0,607. Segundo a classificação do PNUD, o Município está entre as regiões consideradas de médio desenvolvimento humano (IDH entre 0,5 e 0,8). Em relação aos outros municípios do Brasil, Icó apresenta uma situação ruim: ocupa a 4530ª posição, sendo que 4529 municípios (82,2%) estão em situação melhor e 977 municípios (17,8%) estão em situação pior ou igual. Em relação aos outros municípios do Estado, Icó apresenta uma situação ruim: ocupa a 135ª posição, sendo que 134 municípios (72,8%) estão em situação melhor e 49 municípios (27,2%) estão em situação pior ou igual População no Ensino Médio Local O setor educacional sofreu um forte desenvolvimento nos últimos anos. Os estabelecimentos de ensino fundamental e médio dos municípios da Microrregião Iguatu somam, ao todo, 231, conforme pode ser observado no quadro a seguir: NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SEGUNDO OS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO IGUATU / 2011 MUNICÍPIO ENSINO MÉDIO ENSINO FUNDAMENTAL Cedro Icó Iguatu Orós Quixelô TOTAL Fonte: DataEscolaBrasil/INEP, De acordo com o INEP (2011), existem aproximadamente alunos matriculados no ensino médio, na educação profissional e na educação de jovens e adultos na Microrregião Iguatu, conforme pode ser observado no quadro a seguir: MUNICÍPIOS ALUNOS MATRICULADOS NO ENSINO MÉDIO, SEGUNDO OS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO IGUATU / 2011 NÚMERO DE NÚMERO DE ALUNOS ALUNOS NO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ENSINO MÉDIO (TÉCNICO) NÚMERO DE ALUNOS EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Cedro Icó Iguatu Orós Quixelô TOTAL Fonte: INEP (2011) / Censo Escolar. A universalização progressiva do ensino médio constitui exigência da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. A necessária expansão deste nível de ensino foi claramente planejada nas metas do 9

10 Plano Nacional de Educação (PNE), aprovado pela Lei nº /2001, sendo evidenciada no Estado do Ceará. As desigualdades das taxas de crescimento econômico, da oferta de empregos, somadas a indisponibilidade de serviços públicos, de políticas sociais e de instituições de ensino superior tornaram a Microrregião de Iguatu área propensa à evasão populacional. Mas graças aos esforços da administração pública regional e a iniciativas de empresas como as da TCC Educação Ciência e Cultura S/C Ltda., mantenedora da Faculdade Vale do Salgado, nos últimos anos o movimento tradicional de emigração tem reduzido ou até invertido na região. A população regional não pode e não quer mais ser dependente de IES situadas na capital Fortaleza ou na região do Cariri para dar continuidade aos seus estudos. Reclamam à inserção de sua comunidade no mundo da Educação e do Trabalho. Assim, o ingresso na educação superior assume para o jovem da região de inserção da IES um caráter de tarefa evolutiva em si mesma, continuidade natural a ser assumida por quem termina o ensino médio e uma alternativa disponível de inserção no mundo do trabalho. Estando prevista a expansão do ensino médio, o aumento de vagas e a democratização do acesso à educação superior foram também algumas das metas estipuladas pelo PNE. Tais metas estão associadas a programas governamentais como o Programa Universidade para Todos, que oferece bolsas de estudo em instituições privadas de educação superior a alunos de baixa renda, egressos do ensino médio de escolas públicas. A Faculdade Vale do Salgado aderiu ao Programa Universidade para Todos, viabilizando mais um mecanismo de inserção e manutenção de alunos de baixa renda sem diploma de nível superior. Na região de inserção da Faculdade Vale do Salgado o ensino médio apresentou crescimento nas últimas décadas, o que pode ser associado à melhoria do ensino fundamental, à ampliação do acesso ao ensino médio e a uma maior demanda pela educação superior. O número de estudantes matriculados no ensino médio e técnico local é bastante significativo, o que confirma a existência de uma demanda potencial por formação superior na Região. População (Total) TAXAS DE ESCOLARIZAÇÃO BRUTA E LÍQUIDA ENSINO SUPERIOR, ICÓ/CE ESTIMATIVA EM 2009 ENSINO SUPERIOR 2009 População na Matrículas de Faixa Etária Matrículas 18 a 24 anos de 18 a 24 (Total) (Estimativa) anos Taxa de Escolarização Bruta Taxa de Escolarização Líquida ,74 1,61 Fonte: IBGE/INEP, Metas do PNE e Atendimento na Educação Superior Dentre os objetivos do Plano Nacional de Educação PNE para o decênio 2001/2010 (Lei nº /2001) estavam: a elevação global do nível de escolaridade da população; a melhoria da qualidade do ensino em todos os níveis; a redução das desigualdades sociais e regionais quanto ao acesso e a permanência. Uma das metas do PNE era a oferta da educação superior para, pelo menos, 30% da faixa etária de 18 a 24 anos até

11 O Projeto de Lei do PNE para o decênio 2011/2020 encontra se tramitando no Congresso Nacional. A oferta do Curso de Graduação em Psicologia pela Faculdade Vale do Salgado está em consonância com as seguintes diretrizes e metas do Projeto de Lei do PNE: Diretrizes: Metas: Melhoria da qualidade do ensino; Formação para o trabalho; Promoção humanística, científica e tecnológica do País. Meta 12: Elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% e a taxa líquida para 33% da população de 18 a 24 anos, assegurando a qualidade da oferta. Assim, o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Psicologia da Faculdade Vale do Salgado está alinhado com os objetivos e as metas do Plano Nacional de Educação (Lei nº /2001) e com projeto de lei do novo Plano Nacional de Educação (PNE), no que tange aos seguintes aspectos: Aumentar a oferta de vagas no ensino superior no Município, contribuindo para elevação da taxa bruta de matriculas nesse nível de ensino, que está distante da meta estabelecida no projeto de lei do novo Plano Nacional de Educação (PNE); Aumentar a oferta de vagas no ensino superior para estudantes na faixa etária de 18 a 24 anos, residentes no Município, contribuindo para elevação da taxa líquida de matrículas nesse nível de ensino, que está distante da meta preconizada no PNE para janeiro de 2011, assim como da meta estabelecida no projeto de lei do novo Plano Nacional de Educação (PNE); Contribuir para a redução das desigualdades regionais na oferta de educação superior; Interiorizar e diversificar, regionalmente, o sistema de ensino superior, mediante a oferta um curso de grande importância, que visa a contribuir para o desenvolvimento da região, promovendo a inclusão social e contribuindo para o fortalecimento da cidadania; Assegurar a necessária flexibilidade e diversidade nos programas de estudos oferecidos pela Faculdade Vale do Salgado de forma a melhor atender às necessidades diferenciais e às peculiaridades regionais; Facilitar a inclusão na educação superior, através de programas de compensação de deficiências de formação anterior, permitindo lhes, desta forma, competir em igualdade de condições com os demais estudantes; Institucionalizar um sistema de avaliação interna e externa, que promova a melhoria da qualidade do ensino, da extensão e da gestão acadêmica. A Microrregião Iguatu possui 03 (três) instituições de ensino superior que ofertam cursos presenciais, incluindo a Faculdade Vale do Salgado. Em Cedro, funciona um campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE, que oferta o curso de licenciatura em Matemática e o curso superior de tecnologia em Mecatrônica Industrial. No Município de Iguatú há outro campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE, que oferta o Curso Superior de Tecnologia em Irrigação e Drenagem, licenciatura em Química e bacharelado em Serviço Social; e um 11

12 campus da Universidade Estadual do Ceará UECE, com oferta de cursos de licenciatura (Ciências Biológicas, Física, Letras Inglês, Letras Português, Matemática, Pedagogia). Assim, em toda a Microrregião a Escola Agrotécnica Federal de Iguatu e a Universidade Estadual do Ceará representam a categoria pública no ensino superior presencial. No Município, a Faculdade Vale do Salgado, mantida pela TCC Educação Ciência e Cultura S/C Ltda., é a única IES privada que cria oportunidades de formação de recursos humanos em cursos na modalidade presencial; contribuindo para a geração de trabalho e renda, para a produção de mecanismos para melhorar a qualidade e a competitividade do setor produtivo, com o empreendedorismo, e com o trabalho autônomo, ofertando cursos de bacharelado. Outras cinco instituições de ensino superior ofertam cursos na modalidade a distância na Microrregião, nos municípios de Iguatu e Quixelô: a Universidade Anhanguera UNIDERP, a Universidade do Tocantins UNITINS, a Universidade de Salvador UNIFACS, a Faculdade de Tecnologia Internacional FATEC Internacional, e a Faculdade Internacional de Curitiba Facinter. De acordo com os dados disponibilizados pelo e MEC (2012), o quadro a seguir apresenta as instituições de ensino superior de Icó. INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO MUNICÍPIO DE ICÓ/CEARÁ Instituições de Ensino Superior Cursos de Graduação Administração Faculdade Vale do Salgado Análise e Desenvolvimento de Sistemas Ciências Contábeis Enfermagem Serviço Social Fonte: e MEC, Pirâmide Populacional A pirâmide populacional de Icó, segundo sexo e idade, apesar de apresentar pequeno estreitamento de sua base, ainda possui ápice estreito e estrutura bastante jovem. Demonstra a necessidade de investimentos regionais em educação, formação profissional e saúde. Segue pirâmide populacional do Município de Icó. 12

13 DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO POR SEXO, SEGUNDO OS GRUPOS DE IDADE ICÓ (CE) 2010 GRUPOS DE IDADE HOMENS MULHERES QUANTIDADE PERCENTUAL PERCENTUAL QUANTIDADE TOTAL Mais de 100 anos 2 0,00% 0,00% a 99 anos 15 0,00% 0,00% a 94 anos 70 0,10% 0,10% a 89 anos 196 0,30% 0,30% a 84 anos 360 0,50% 0,60% a 79 anos 452 0,70% 0,80% a 74 anos 717 1,10% 1,30% a 69 anos 854 1,30% 1,60% a 64 anos ,60% 1,80% a 59 anos ,90% 2,20% a 54 anos ,10% 2,50% a 49 anos ,80% 3,00% a 44 anos ,90% 3,20% a 39 anos ,20% 3,40% a 34 anos ,40% 3,60%

14 25 a 29 anos ,80% 4,10% a 24 anos ,40% 4,70% a 19 anos ,10% 5,10% a 14 anos ,10% 4,90% a 9 anos ,20% 4,30% a 4 anos ,00% 3,80% TOTAL ,50% 51,30% Fonte: IBGE, Censo Justificativa e Necessidade Social do Curso O Sistema Único de Saúde (SUS), instituído no Brasil pela Constituição Federal de 1988, faz parte de um processo de descentralização das ações e serviços de saúde iniciado na década de 1970, que propunha a construção de uma rede única de atendimento unificado, universalizado e descentralizado do sistema público de saúde. Este processo de descentralização teve continuidade, na década de 1980, com as ações integradas de saúde (AIS) e, em seguida, com o Sistema Unificado Descentralizado de Saúde (SUDS). A partir de 1990, a denominação SUDS foi substituída pela denominação SUS. As AIS representaram um movimento fundamental para iniciar o processo de mudança e constituíram a estratégia de integração programática entre as instituições de saúde pública das três instâncias governamentais federal, estadual e municipal e os demais serviços de saúde. Embora tenham sido implantadas, as AIS não foram incorporadas à prática dos serviços de saúde. Este impasse criou condições para a realização da 8ª Conferência Nacional de Saúde. As conferências de saúde, convocadas pelo Presidente da República, são reuniões em que a sociedade brasileira avalia a situação de saúde e propõe diretrizes para a formulação de políticas na área. Participam das conferências representantes de todas as instituições que atuam no setor, bem como da sociedade civil, dos grupos profissionais e dos partidos políticos. Partindo das conclusões da 8ª Conferência Nacional de Saúde, com a concepção de um sistema único de saúde, foi criado o SUDS, cujo objetivo era consolidar o desenvolvimento qualitativo das AIS, tendo como diretrizes a universalização (não distinção da clientela entre contribuintes e não contribuintes do sistema) e a equidade do acesso aos serviços de saúde (todo indivíduo tem direito); a integralidade dos cuidados assistenciais (superação da dicotomia entre as ações preventivas e curativas); a regionalização e a integração dos serviços; a descentralização das ações de saúde; e o desenvolvimento de uma política de recursos humanos. Em relação a financiamento, a implantação do SUDS implicou em estratégias de repasse de recursos financeiros do nível federal para as secretarias estaduais e municipais de saúde, mediante a adesão destas secretarias ao convênio SUDS. Em 1990, quando o SUDS passou a se chamar SUS, foi aprovada a Lei Orgânica da Saúde (Lei nº 8.080), que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, caracteriza o SUS e reforça os princípios já determinados desde as AIS, dentre eles universalidade, integralidade, equidade e hierarquização nos serviços e ações de saúde. A Lei nº 8.080/90 estabelece, no artigo 2º, 1º: Saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício; promover assistência a pessoas por intermédio de ações de proteção, promoção e recuperação da saúde com a realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas. 14

15 O Sistema Único de Saúde (SUS) é definido pelo artigo 4º da Lei nº 8.080/90 como o conjunto de ações e serviços de saúde prestados por órgãos e instituições Públicas Federais, Estaduais e Municipais, da Administração Direta e Indireta e das Fundações mantidas pelo Poder Público e complementarmente pela iniciativa privada. Dessa forma, agrega todos os serviços estatais (esferas federal, estadual e municipal) e os serviços privados (desde que conveniados ou contratados, com prioridade para as entidades filantrópicas). A Lei Orgânica da Saúde deu aos municípios competência para planejar, organizar, controlar e avaliar, gerir e executar as ações e serviços públicos de saúde. Os Estados prestam apoio técnico e financeiro aos municípios e executam, supletivamente, as ações e serviços de saúde. O Sistema Único de Saúde tem por objetivos a identificação e divulgação dos fatos condicionantes e determinantes da saúde; a formulação da política de saúde destinada a promover, nos campos econômico e social, a assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, com a realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas, garantidas pelo Estado. Tais objetivos visam à redução de riscos de doenças e outros agravos e o estabelecimento de condições que assegurem acesso universal e igualitário às ações e aos serviços. O conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e municipais, da administração direta e indireta e das fundações mantidas pelo Poder Público, constitui o Sistema Único de Saúde (SUS), cujos objetivos são: Identificação e divulgação dos fatores condicionantes e determinantes da saúde; Formulação de políticas de saúde; Assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, com a realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas (artigo 5º da Lei nº 8.080/90). Esses objetivos se concretizam dentro dos seguintes princípios: Universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência; Integralidade de assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema; Utilização da epidemiologia para o estabelecimento de prioridades, a alocação de recursos e a orientação programática; Integração em nível executivo das ações de saúde, meio ambiente e saneamento básico; Capacidade de resolução dos serviços em todos os níveis de assistência. O Ministério da Saúde realiza vários programas com a missão de trazer a saúde para perto do cidadão e dar ao profissional a especialização necessária a fim de que ele possa exercer seu trabalho com mais qualidade. Entre os programas desenvolvidos recentemente está o Programa Saúde da Família, cujo principal propósito é reorganizar a prática da atenção à saúde em novas bases e substituir o modelo tradicional, levando a saúde para mais perto das famílias e, com isso, melhorar a qualidade de vida dos brasileiros. A Saúde da Família, estratégia priorizada pelo Ministério da Saúde para organizar a Atenção Básica, tem como principal desafio promover a reorientação das práticas e ações de saúde de forma integral e contínua, levando as para mais perto da família e, com isso, melhorar a qualidade de vida dos 15

16 brasileiros. Incorpora e reafirma os princípios básicos do SUS universalização, descentralização, integralidade e participação da comunidade mediante o cadastramento e a vinculação dos usuários. O Programa Saúde da Família é entendido como uma estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes multiprofissionais (médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, agentes comunitários de saúde, dentistas e auxiliares de consultório dentário) em unidades básicas de saúde ou nos domicílios. Estas equipes são responsáveis pelo acompanhamento de um número definido de famílias, localizadas em uma área geográfica delimitada. As equipes atuam com ações de promoção da saúde, prevenção, recuperação, reabilitação de doenças e agravos mais frequentes, e na manutenção da saúde desta comunidade. A seguir, em atendimento às exigências da Resolução CNS nº 350, de 09 de junho de 2005, apresenta-se as possibilidades de utilização pelo curso da rede de serviços instalada (distribuição e concentração de serviços) e de outros recursos e equipamentos sociais existentes em Icó. NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE / TIPO, MICRORREGIÃO IGUATU DESCRIÇÃO TOTAL POSTO DE SAÚDE 06 CENTRO DE SAÚDE / UNIDADE BÁSICA 71 POLICLÍNICA 01 HOSPITAL GERAL 10 CONSULTÓRIO ISOLADO 53 CLÍNICA / CENTRO DE ESPECIALIDADE 28 UNIDADE DE APOIO DIAGNOSE E TERAPIA (SADT ISOLADO) 15 FARMÁCIA 01 UNIDADE DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 04 CENTRAL DE REGULAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE 01 SECRETARIA DE SAÚDE 05 CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 08 CENTRO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA 03 TOTAL DE ESTABELECIMENTOS 206 Fonte: CNES. Situação da base de dados nacional em 27/12/2012. EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA ESF, MICRORREGIÃO IGUATU IBGE MUNICÍPIO ESF ESF_M1 ESF_M2 ESF QUILOMBOLA ESF_M1 QUILOMBOLA ESF ASSENTADO ASSENTADO AGENTES CEDRO ICO IGUATU OROS QUIXELO TOTAL Fonte: CNES. Situação da base de dados nacional em 27/12/

17 EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA E COBERTURA POPULACIONAL, MICRORREGIÃO IGUATU MUNICÍPIO EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA ESF COBERTURA POPULACIONAL CEDRO ,00% ICO 17 89,29% IGUATU 23 81,53 OROS ,00% QUIXELO ,00% Fonte: Portal da Saúde/MS (http:// /sage/). Situação da base de dados nacional em 27/12/2012. CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL CAPS, MICRORREGIÃO IGUATU MUNICÍPIO CNES ESTABELECIMENTO ICÓ CAPS DE ICO 2 IGUATU CAPS ADII CENTRO ATENÇÃO PSICOSOCIAL ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS IGUATU CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL CAPS III DE IGUATU IGUATU CENTRO ATENÇÃO PSICOSSOCIAL INFÂNCIA E ADOLESC CAPS I ORÓS CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL ICÓ CAPS AD CEDRO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL CAPS 1 CEDRO CEARA ICÓ CASA DE JOÃO E MARIA Fonte: CNES. Situação da base de dados nacional em 27/12/2012. CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL E COBERTURA POPULACIONAL, MICROR. IGUATU MUNICÍPIO CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL COBERTURA POPULACIONAL CEDRO 01 2,04% ICO 03 4,58% IGUATU 03 3,63% OROS 01 2,34% QUIXELO 00 0,00% Fonte: Portal da Saúde/MS (http:// /sage/). Situação da base de dados nacional em 27/12/2012. LEITOS EXISTENTES, MICRORREGIÃO IGUATU CÓDIGO DESCRIÇÃO EXISTENTE SUS NÃO SUS 3 CIRURGIA GERAL OBSTETRÍCIA CIRÚRGICA ORTOPEDIATRAUMATOLOGIA CLINICA GERAL CRÔNICOS OBSTETRÍCIA CLINICA

18 44 ONCOLOGIA PEDIATRIA CLINICA PSIQUIATRIA UNIDADE INTERMEDIARIA UNIDADE INTERMEDIARIA NEONATAL UNIDADE ISOLAMENTO PEDIATRIA CIRÚRGICA TOTAL Fonte: CNES. Situação da base de dados nacional em 27/12/2012. LEITOS DE INTERNAÇÃO POR HABITANTES, ICÓ/CE Dez/2009 Leitos existentes por habitantes: 1,8 Leitos SUS por habitantes 1,7 Fonte: CNES. Situação da base de dados nacional em 10/04/2010. RECURSOS HUMANOS (VÍNCULOS) SEGUNDO CATEGORIAS SELECIONADAS, ICÓ/CE DEZ/2009 Não Atende ao Prof/1.000 Categoria Total atende ao SUS hab SUS Prof SUS/1.000 hab Médicos ,4 1,4.. Anestesista ,2 0,2.. Cirurgião Geral ,2 0,2.. Clínico Geral ,4 0,4.. Gineco Obstetra ,1 0,1.. Médico de Família ,2 0,2.. Pediatra ,1 0,1.. Psiquiatra ,0 0,0.. Radiologista ,0 0,0 Cirurgião dentista ,3 0,2 Enfermeiro ,4 0,4 Fisioterapeuta ,1 0,1 Fonoaudiólogo ,1 0,1 Nutricionista ,0 0,0 Farmacêutico ,1 0,1 Assistente social ,1 0,1 Psicólogo ,1 0,1 Auxiliar de Enfermagem ,3 0,3 Técnico de Enfermagem ,6 0,6 Fonte: CNES. Situação da base de dados nacional em 10/04/2010. Nota: Se um profissional tiver vínculo com mais de um estabelecimento, ele será contado tantas vezes quantos vínculos houver. 18

19 O Município de Icó está inserido em vários programas governamentais de saúde. Nos últimos anos evidencia-se um crescimento das ações, no âmbito individual e coletivo, que abrangem a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a manutenção da saúde. Os(as) Psicólogos(as) da Rede Pública de Saúde e Assistência Social Na saúde, de acordo com os registros constantes do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), em 2006, foram contados profissionais de Psicologia que atuavam nos serviços de saúde de todo o Brasil. Tal quantitativo refletia, à época, o percentual de apenas 10,08% do total de psicólogos registrados no Sistema dos Conselhos de Psicologia que trabalham diretamente na rede de serviços de saúde que possuem vínculo com o SUS. Apesar de aparentemente pouco significativo, é importante lembrar que, somente no período de 1991 a 1999, o número de psicólogos trabalhando em instituições públicas de saúde mais que quintuplicou. Atualmente (2012) verificamos, conforme o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde CNES, são psicólogos clínicos, 14 psicólogos do esporte, 266 psicólogos do trabalho, 43 psicólogos do trânsito, 348 psicólogos educacionais, psicólogos hospitalares, 70 psicólogos jurídicos e 332 psicólogos sociais registrados no Cadastro do CNES. O avanço do número de psicólogos nesse campo é fruto da expansão das políticas setoriais bem como das ações, serviços e programas do SUS. A ampliação e o fortalecimento da rede e das ações na atenção básica, através da Estratégia Saúde da Família (ESF), que articula equipes do Programa Saúde da Família (PSF) com o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), além das equipes de Apoio Matricial e das unidades básicas/centros de saúde e unidades mistas, bem como do crescimento das equipes multiprofissionais nos serviços especializados, notadamente nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), hospitais geral e especializado, e dos serviços de referência em Medicina física e reabilitação e ambulatórios multidisciplinares especializados têm contribuído, sem sombra de dúvida, para o fortalecimento da presença do psicólogo no SUS. Adicionalmente, é crescente a presença dos psicólogos na atenção básica e no desenvolvimento de ações de cuidado primário em saúde: vigilância sanitária, clínica ampliada, matriciamento de equipes da saúde da família e ações de promoção e prevenção de agravos à saúde. A atenção básica constitui hoje importante dispositivo que capilariza as ações dos psicólogos nas cidades do País, onde se incluem as cidades da Microrregião e o Município de Icó. Quanto à assistência social, a reorientação dessa política pública através da implantação do Sistema Único da Assistência Social fez com que os psicólogos se inserissem tanto nos serviços de proteção básica, através dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), quanto nos de proteção especializada, com os Centros de Referência Especializados da Assistência Social (CREAS). É difícil precisar o número de psicólogos que atuam na assistência social no Brasil, em função da recenticidade da implantação desses dois serviços chave da Política Nacional de Assistência Social. Entretanto, através do CadSUAS, sabe se que atualmente contamos com um total de psicólogos atuando em unidades de CRAS e 948 unidades de CREAS, número que cobre municípios brasileiros. A meta do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) era estender a cobertura desses serviços para todos os municípios brasileiros até Afora isso, registra se ainda a presença de mais psicólogos que também trabalham no campo da assistência social por meio de entidades não governamentais e sem fins lucrativos (associações, fundações, ONGs, etc.) que prestam serviços ao estado (IBGE, 2006). 19

20 Desse modo, a assistência social constitui, ao lado da saúde, um novo e crescente campo de atuação de psicólogos no campo social e nas políticas públicas, conformando assim o fortalecimento da Psicologia no sistema de proteção social brasileiro. Além desses dois espaços, também temos o campo jurídico, que vem registrando forte presença de psicólogos nos diversos Fóruns e Varas de Justiça, na Defensoria Pública e nas delegacias especializadas (mulher, idoso, etc.) bem como no sistema carcerário e no de medidas socioeducativas. Mesmo não tendo levantamentos disponíveis referentes ao número de psicólogos nos diversos setores do Judiciário, reconhecemos a importância desse campo para a expansão da categoria, o que indica maior fortalecimento dos profissionais no que se refere à afirmação de direitos de maneira geral. Assim, o setor das políticas públicas tem se evidenciado na atualidade como um importante campo de engajamento político e de empregabilidade para a profissão. As razões para tanto encontram justificativa: temos: No fato da ampla abertura de postos de trabalho para psicólogos nas políticas, programas e projetos sociais no Brasil, em especial na saúde, saúde mental e assistência social, e No próprio fato de que essas políticas têm se explicitado em nosso País como os campos que mais têm contribuído para o processo de interiorização da Psicologia no Brasil, particularmente nas cidades de pequeno e médio porte. Quanto à inserção do Psicólogo em Estabelecimentos de Saúde no País registrados no CNES, Existem Estabelecimentos de Saúde no país registrados no CNES (o registro é obrigatório estando ou não conveniado com o SUS). No Ceará são estabelecimentos de saúde, 185 serviços de atenção psicossocial e 926 psicólogos registrados no CNES (2012); A média no País de Estabelecimentos de Saúde que tem profissionais de Psicologia com vínculos no SUS era ínfima em 2006: 6,55%. DESCRIÇÃO PSICÓLOGOS ESTADO DO CEARÁ QUANTIDADE PSICÓLOGO ACUPUNTURISTA 02 PSICÓLOGO CLINICO 874 PSICÓLOGO DO TRABALHO 04 PSICÓLOGO EDUCACIONAL 13 PSICÓLOGO HOSPITALAR 26 PSICÓLOGO JURÍDICO 03 PSICÓLOGO SOCIAL 04 TOTAL 926 Fonte: CNES. Situação da base de dados nacional em 27/08/2012. Evidencia se, então, a necessidade de investimentos e contratações de mais profissionais em Psicologia vinculados à Rede de Saúde Pública na Microrregião de Icó e no Estado do Ceará, tendo o 20

TCC - EDUCAÇÃO CIÊNCIA E CULTURA S/C LTDA. Mantenedora. FACULDADE VALE DO SALGADO - FVS Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

TCC - EDUCAÇÃO CIÊNCIA E CULTURA S/C LTDA. Mantenedora. FACULDADE VALE DO SALGADO - FVS Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC TCC - EDUCAÇÃO CIÊNCIA E CULTURA S/C LTDA. Mantenedora FACULDADE VALE DO SALGADO - FVS Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC Curso de Enfermagem Bacharelado Profa. Erine Dantas Bezerra Coordenadora

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC Enfermagem Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: Enfermagem Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora residente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

TCC - EDUCAÇÃO CIÊNCIA E CULTURA S/C LTDA. Mantenedora. FACULDADE VALE DO SALGADO - FVS Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

TCC - EDUCAÇÃO CIÊNCIA E CULTURA S/C LTDA. Mantenedora. FACULDADE VALE DO SALGADO - FVS Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC TCC - EDUCAÇÃO CIÊNCIA E CULTURA S/C LTDA. Mantenedora FACULDADE VALE DO SALGADO - FVS Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC Curso de Ciências Contábeis Bacharelado Prof. MSc. Norberdson Fernandes

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

NUTRIÇÃO. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

NUTRIÇÃO. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC NUTRIÇÃO Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: NUTRIÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

A Educação Física no campo da saúde

A Educação Física no campo da saúde A Educação Física no campo da saúde V Encontro de Coordenadores de Cursos De Educação Física do Estado do Paraná A atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde - SUS Prof.Ms. Alexandre

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO PROPOSIÇÕES ESTRATÉGIAS E RESPONSABILIDADE* UNIÃO DF ESTADOS MUNICÍPIOS 1. Profissionais da educação:

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância 1

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância 1 Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior SCS Quadra 07 Bloco "A" Sala 526 - Ed. Torre do Pátio Brasil Shopping 70.307-901 - Brasília/DF Tel.: (61) 3322-3252 Fax: (61) 3224-4933 E-Mail:

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação Professor, Apresentamos um modelo do Formulário Eletrônico a ser preenchido pelo coordenador do curso durante o processo de autorização ou reconhecimento de cursos. Colocamos na última coluna sugestão

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Bico do Papagaio Oficinas 279 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Tocantinópolis. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Ensino Médio e Profissional

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Ensino Médio e Profissional Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Ensino Médio e Profissional Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 DCNs 2001 Motivações e Contexto Resolução CNE/CES n.º 4, de 9 de novembro de 2001

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR COLÉGIO ESTADUAL CHATEAUBRIANDENSE ENSINO MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL R. ESTADOS UNIDOS, 170 - JD. AMÉRICA ASSIS CHATEAUBRIAND

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM UBERABA MG 2010 INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR ACADÊMICO

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO: BACHARELADO E LICENCIATURA

AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO: BACHARELADO E LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. SUGESTÃO N o 24, DE 2007

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. SUGESTÃO N o 24, DE 2007 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO N o 24, DE 2007 Propõe Projeto de Lei que estabelece a existência de um posto de saúde para cada complexo prisional com mais de 1200 detentos e unidades prisionais

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais