Boletim de Conjuntura Imobiliária. Setembro de 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim de Conjuntura Imobiliária. Setembro de 2010"

Transcrição

1 Boletim de Conjuntura Imobiliária Setembro de 2010 Brasília, outubro de 2010

2 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução Distrito Federal Utilização da Capacidade Instalada (UCI) e Faturamento Real da Indústria Geral Volume de Vendas no Comércio Varejista do DF Índice de Preços O Sistema Financeiro Nacional Base Monetária Operações de crédito Distribuição setorial de crédito Setor Financeiro Habitacional Setor Imobiliário Benchmark Poupança Certificado de Depósito Bancário CDB Índice Bovespa - Ibovespa Índice Brasil 50 - IBrX Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada IGC Índice Imobiliário IMOB Índices de rentabilidade Imobiliária Oferta de Imóveis DF Comercialização Imóveis residenciais à venda Imóveis comerciais à venda Locação

3 5.2.1.Imóveis residenciais para locação Imóveis comerciais para locação Conclusão Equipe Técnica Contato

4 Ressalvas Técnicas Alguns aspectos devem ser esclarecidos sobre a análise empírica realizada neste trabalho. Primeiramente, todos os imóveis de locação e comercialização considerados são seminovos ou antigos, ou seja, não há nenhum lançamento presente no cálculo dos índices. Segundo, os bairros incluídos na delimitação de Brasília, para conveniência da nossa análise foram Asa Sul, Asa Norte, Lago Sul, Lago Norte e Sudoeste. A amostragem foi feita através de levantamento de dados nas imobiliárias que atuam no DF. O total foi de imóveis. Os dados aqui presentes são referentes ao mês de setembro do ano de Os índices de rentabilidade imobiliária foram calculados pela fórmula: 4

5 Introdução O nosso estudo vem com objetivo de ser um insumo para pesquisa e análise da conjuntura do mercado imobiliário no DF. Esperamos que estudantes, imobiliárias, corretores, pesquisadores, investidores, e interessados na compra, venda ou aluguel de imóveis possam extrair deste estudo empírico informações que lhes sejam úteis. Em face disto, percebemos a necessidade de acrescentar a análise dos dados um perfil macroeconômico do país e da região, discursado na primeira parte deste trabalho, além de uma análise de benchmarking, com alternativas de investimento. Na segunda parte do trabalho, encontram-se os índices acerca dos imóveis do Distrito Federal, onde podem ser encontrados o volume de ofertas, preços por metro quadrado e valores medianos dos imóveis distribuídos por tipo e região. Nesta fase inicial do projeto, ainda não é possível fazer análises de séries de tempo, ou outros tipos de comparações temporais. Contudo, esse tipo de análise estará presente no estudo assim que a consolidação da base de dados nos permita apresentar os índices com segurança estatística. Aos interessados apenas nas informações chave, existe uma versão mais sucinta e comercial deste estudo, também realizada pela Econsult Consultoria Econômica em parceria com o Secovi-DF. 5

6 1. Atividade Econômica Na última reunião do Copom, foi decidido manter a taxa básica de juros (Selic) em 10,75% ao ano. O comitê ressaltou a importância da redução dos riscos de um cenário inflacionário no país. Apesar da demanda doméstica ainda continuar forte, há indícios de que ela venha crescendo em um ritmo menos intenso do que no começo deste ano, o que contribuiria para a redução de um processo de inflação. 1.1 Cenário Nacional Índice de Confiança do Consumidor (ICC): Para o mês de setembro, o Índice de Confiança do Consumidor da Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) foi calculado em 161,1. O Índice é composto pelo Índice de Condições Econômicas Atuais (ICEA) e o Índice de Expectativa do Consumidor (IEC), que obtiveram queda de 0,1% e 1,1%, respectivamente, o que explica a redução de 0,7% do ICC em relação ao mês de agosto. Na comparação com o mesmo mês no ano anterior o incremento foi de 10,3%. Fonte: Fecomércio Elaboração: Econsult 6

7 Já o Índice de Confiança do Consumidor calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) registrou uma alta de 0,7% entre o mês de agosto e o mês de setembro, subindo de 120,9 para 121,7 pontos. Em relação ao mês de setembro de 2009, o aumento foi de 9,9%. Dentre os componentes do indicador, a satisfação com a situação econômica local foi o que mais contribui para a elevação do índice, com uma elevação de 6,5% em relação ao mês anterior. Fonte: FGV Elaboração: Econsult Índice de Confiança da Indústria (ICI) e Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria (NUCI): O Índice de Confiança da Indústria (ICI) calculado pela FGV elevou-se 0,4% em setembro após três meses de queda consecutiva. Dentre os componentes do indicador, o Índice da Situação Atual (ISA) apresentou queda pelo terceiro mês consecutivo, mas desta vez de apenas 0,3%. Tal resultado deve-se à redução do grau de satisfação com o ambiente atual dos negócios. Em contrapartida o Índice de Expectativas obteve alta de 1,3%, refletindo as perspectivas positivas em relação aos próximos meses. 7

8 Fonte: FGV Elaboração: Econsult O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI), após pequenas reduções consecutivas, registrou um leve acréscimo de 0,1% em setembro. A média do trimestre julho-setembro ficou 0,2 pontos percentuais abaixo da média de abril-junho. 86,00% 85,50% 85,00% 84,50% 84,00% 83,50% 83,00% Utilização da Capacidade Instalada - FGV 85,50% 85,10% 84,90% 85,10% 84,30% 84,90% 83,80% 84% 85,00% 82,50% jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 Fonte: FGV Elaboração: Econsult 8

9 1.1.3 Produção Industrial Mensal (PIM-PF): De acordo com a última Pesquisa Industrial Mensal Produção Física Brasil, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção industrial do Brasil teve redução de 0,1% no mês de agosto em relação a julho. Em relação ao mesmo período do ano passado, houve expansão de 8,9%. O índice acumulado nos últimos doze meses registrou aumento de 9,9% em agosto. Fonte: IBGE Elaboração: Econsult Fonte: IBGE Elaboração: Econsult 9

10 1.1.4 Sondagem da Construção Civil De acordo com a última sondagem do Conselho Nacional de Indústria (CNI), no mês de agosto, o nível de atividade da construção civil situou-se em 56 pontos, o que indica expansão no setor. Como o nível de atividade está acima do usual para o mês, o setor mostra-se aquecido. Fonte: CNI Elaboração: Econsult 1.2 Distrito Federal Utilização da Capacidade Instalada (UCI) e Faturamento Real da Indústria Geral A última sondagem industrial publicada pela Federação das Indústrias do DF (FIBRA) referente ao mês de agosto estimou um aumento de 0,75 pontos percentuais da UCI, alcançando 67,71%. Essa foi a terceira alta consecutiva, indicando um aquecimento da atividade industrial. Na comparação com o mesmo mês no ano anterior, o crescimento foi de 2,64%. 10

11 *dado de julho indisponível Fonte: Fibra Elaboração: Econsult O faturamento da indústria no DF recuou 14,53%, após um mês de alta. Na comparação em doze meses, o indicador apontou um crescimento de 23,69%, inferior ao registrado no mês de junho (30,87%). *dado indisponível Fonte: Fibra Elaboração: Econsult 11

12 *dado indisponível Fonte: Fibra Elaboração: Econsult Volume de Vendas no Comércio Varejista do DF Segundo a última Pesquisa Conjuntural realizada pelo instituto Fecomércio, ocorreu um aumento de 2,48% nas vendas do comércio varejista no DF em agosto na comparação com o mês anterior. Em relação ao mesmo mês no ano anterior, a alta foi de 7,4%. Os segmentos revendedoras de veículos e calçados obtiveram os resultados mais acentuados, com aumentos de 14,29% e 7,84%, respectivamente. Fonte: Fecomércio Elaboração: Econsult 12

13 Fonte: Fecomércio Elaboração: Econsult 2. Índice de Preços Índices de Preços - Variação Mensal 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 IGP-M IGP-DI IPC IPCA INCC Agosto 0,77 1,10 0,17 0,04 0,14 Setembro 1,15 1,10 0,53 0,45 0,21 Fonte: Fundação Getúlio Vargas, IBGE e FIPE Elaboração: Econsult 2.1. IGP-M(FGV) O Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M), calculado pela FGV/IBRE, apresentou oscilação positiva de 1,15% no mês de Setembro, registrando considerável crescimento pelo segundo mês consecutivo. O indicador já acumula 7,88% no ano, taxa essa considerada alta uma vez que em Setembro de 2009 o índice acumulado era negativo. 13

14 Responsável por 60% do IGP-M, o IPA (Índice de Preços ao Produto Amplo) apresentou variação positiva de 1,60%, superior à do mês anterior, que foi de 1,24%. Já o IPC (Índice de Preços ao Consumidor), que corresponde a 30% do índice, saiu de taxa negativa de 0,27% para taxa positiva de 0,34% entre Agosto e Setembro. Em contrapartida, o item habitação registrou um leve decréscimo, caindo de 0,23% para 0,22% IGP-DI (FGV) O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI), apurado pela FGV/IBRE, registrou variação de 1,10% no mês de Setembro, mantendo-se estável com relação ao mês de Agosto. O índice acumulado desse ano já alcançou a marca de 8,04%. O Índice de Preços ao Produto Amplo (IPA), que corresponde a 60% do índice, fechou o mês com variação de 1,47%, taxa inferior a de Agosto, que foi de 1,70%. No entanto, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que representa 30% do índice, apresentou alta de 0,46% em Setembro, bem superior à taxa do mês anterior, que foi de -0,08%. Destaca-se a nova ascensão do item habitação, cuja variação subiu de 0,26% em Agosto para 0,32% em Setembro IPC (FIPE) O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), apurado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), constatou alta de 0,53% no mês de Setembro, taxa superior ao mês anterior, que foi de 0,17%. A taxa acumulada de 2010 chega a 4,00%, contra apenas 2,90% no mesmo período do ano anterior. Acerca do item habitação, o indicador apresentou uma leve aceleração em relação ao mês anterior, passando de 0,27% para 0,34%. 14

15 2.4. IPCA (IBGE) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo IBGE, fechou o mês de Setembro com alta de 0,45%, o que contrastou com as taxas próximas a zero avaliadas nos últimos três meses. Esse resultado foi o melhor para o período desde O índice, que se destaca por ser o indicador oficial do Governo para medir metas inflacionárias de alguns contratos, obteve, com esse resultado, um acumulado de 3,60% em 2010, mantendo-se acima da taxa acumulada no mesmo período do ano anterior. Em Brasília, o indicador apresentou elevada aceleração em Setembro. O índice local foi o maior entre as cidades pesquisadas, com 0,80%, voltando, assim, a registrar uma variação positiva após taxa de -0,16% em Agosto. O item habitação obteve a taxa de 0,82% na capital, superando novamente o índice nacional, que foi de 0,40%. No entanto, a taxa do subitem aluguel residencial foi de apenas 0,19% em Brasília, inferior a taxa nacional, que foi de 0,61% INCC (FGV) O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), calculado pela FGV/IMBRE, obteve, em Setembro, um leve crescimento com relação ao mês anterior, marcando variação de 0,21%, contra 0,14% em Agosto. Dos três grupos que compõe o índice, apenas Materiais e Equipamentos apresentou aceleração, avançando de 0,17% para 0,41%. Na contramão, os grupos Mão de Obra e Serviços registraram queda, recuando de 0,48% para 0,43% e de 0,03% para 0,01%, respectivamente. 15

16 3. O Sistema Financeiro Nacional 3.1. Base Monetária 1 De acordo com os indicadores econômicos do Banco Central (BCB), a média dos saldos diários da base monetária e componentes no mês de setembro do ano de 2010 alcançou o valor de R$172,9 bilhões, representando um aumento de 2,6% no mês e 19,2% nos últimos doze meses 2. Esse crescimento permaneceu dentro do intervalo estabelecido pela programação monetária para o terceiro trimestre de Fonte: BCB, indicadores econômicos; Elaboração: Econsult 3.2. Operações de crédito Em setembro de 2010, as operações de crédito do sistema financeiro mantiveram consistente trajetória de expansão. O saldo total das operações de crédito, que se divide em recursos livres e direcionados, atingiu R$1.612 bilhões, o que representa crescimento de 1,8% no mês e 19,6% em relação a setembro de Base Monetária: passivo monetário do Banco Central, também conhecido como emissão primária de moeda. Inclui o total de cédulas e moedas em circulação e os recursos da conta "Reservas Bancárias". É a principal variável de política monetária, refletindo o resultado líquido de todas as operações ativas e passivas do Banco Central. 2 Calculado pela média dos dias úteis do mês em questão. 16

17 Com relação aos recursos direcionados, as operações de crédito chegaram a R$551 bilhões, expandindo-se 1,7% no mês e 29,2% nos doze meses. Esse crescimento permanece condicionado aos financiamentos habitacionais e às operações realizadas com o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES). Os financiamentos relacionados com recursos livres somaram R$1061 bilhões em setembro representando um aumento de 1,8% no mês e de 15,1% nos doze meses. Esses financiamentos representam 65,8% do total de crédito do sistema financeiro. Em setembro, a relação crédito/pib subiu para 46,7%, ante 46,2% no mês anterior. O gráfico abaixo ilustra essa situação: Fonte: BCB, indicadores econômicos; Elaboração: Econsult Ainda relacionado às operações com recursos livres, vale destacar o crédito referencial para taxas de juros. A taxa média de juros nesse âmbito referencial apresentou redução pelo terceiro mês consecutivo, chegando em 35,1% a.a. no mês de setembro, com recuo de 0,1 pontos percentuais. O spread bancário teve retração de 0,2 pontos percentuais no mês e 1,9 pontos percentuais em relação a setembro de O custo médio dos empréstimos para famílias, cuja taxa chegou a 39,4% a.a., teve queda de 0,5 pontos percentuais no período em questão. Por outro lado, a taxa média de juros nas 17

18 operações com empresas atingiu 29%, com aumento de 0,1 pontos percentuais no mês. Por fim, a inadimplência da carteira de crédito referencial, considerados os atrasos superiores a noventa dias, continuou em redução situando-se em 4,7% em setembro. Distribuição setorial de crédito Os empréstimos bancários destinados a indústria tiveram crescimento mensal de 2%, com um saldo de R$346,6 bilhões. Já os créditos destinados a outros serviços, destacando o setor de transporte e de telecomunicações, somaram R$276,6 bilhões, registrando uma expansão de 1,9% no mês de setembro. O gráfico a seguir mostra algumas dessas variações na oferta de crédito: Fonte BCB, Nota à Imprensa; Elaboração: Econsult 3.3. Setor Financeiro Habitacional Destinados ao setor habitacional, os financiamentos seguem registrando uma expansão acelerada, com um crescimento de 3,8% no mês de setembro e 51,4% em doze meses. O saldo dessa modalidade chegou a R$125,2 bilhões. 18

19 3.4. Setor Imobiliário Analisando o financiamento imobiliário, observa-se uma tendência crescente do volume de operações de crédito referencial. No setor de pessoas jurídicas, houve variação de 2,2% no mês e 55,1% em dozes meses. Já para pessoas físicas, a variação mensal foi de 6,8% e de 55,5% desde setembro de Fonte BCB, Nota à Imprensa; Elaboração: Econsult Fonte BCB, Nota à Imprensa; Elaboração: Econsult 19

20 4. Benchmark Fonte: BCB, Bm&fBovespa. Elaboração: Econsult. ¹rendimento no 1 dia do mês ²contratado a taxas flutuantes DI Todos os índices tiveram variação positiva no mês de setembro, destacando-se a IMOB que apresentou variação média de 5,74%. A Poupança e o CDB tiveram um rendimento de 0,59% e 0,88%, cada um respectivamente. Fonte: Secovi-DF. Elaboração: Econsult.*Não foi possível o cálculo do índice de apartamento de 4 dormitórios devido a amostra insuficiente estatisticamente para apuração do mesmo. 20

21 O Índice Rentabilidade Imobiliário mede o retorno que um investimento imobiliário pode trazer através da locação do imóvel, sendo analisadas as cidades Águas Claras, Brasília e Guará. No mês de setembro, tal retorno variou de 0,22%, para apartamentos de três dormitórios no Guará, a 0,48%, para quitinetes em Águas Claras. Não há grande discrepância entre as cidades em questão, os números em geral são similares. A maior diferença encontrase nos apartamentos de três e quatro dormitórios, de até 0,16% entre as cidades. Fonte: Bm&fBovespa. Elaboração: Econsult. O IMOB foi o índice com variação mais significativa no mês de setembro. O gráfico acima mostra o histórico da variação nos últimos doze meses, ou seja, a avaliação de tal investimento no longo prazo; podendo-se observar que as oscilações de valores são significantes na maioria dos meses em questão. Tal fato indica o IMOB como um investimento com relevante risco em sua aplicação, as oscilações podem intimidar o investidor mais conservador, mas o investidor mais ousado poderá ter um retorno considerável se optar por investir. Uma aplicação feita em setembro de 2009 teria um rendimento acumulado de 21,32% em setembro de

22 Fonte: BCB. Elaboração: Econsult. ¹rendimento no 1 dia do mês ²contratado a taxas flutuantes DI Os investimentos conservadores, Poupança e CDB, foram acima avaliados no longo prazo. De setembro de 2009 a setembro 2010, o CDB manteve maior rentabilidade em relação á Poupança e nos últimos quatro meses essa diferença aumentou. Com o risco baixo, investidores conservadores sentem-se confortáveis ao fazer aplicações em tais índices. Um investimento feito em setembro de 2009 teria rendimento acumulado de 6,74% e 9,07%, na Poupança e no CDB respectivamente, ao longo de doze meses; valores bem abaixo do apresentado pelo IMOB anteriormente. Ao investir, sempre faça a ponderação entra liquidez, retorno e risco. Essa combinação dirá qual é o melhor investimento a se fazer Poupança Os valores depositados em poupança são remunerados com base na taxa referencial (TR), acrescida de juros de 0,5% ao mês. Os valores depositados e mantidos em depósito por prazo inferior a um mês não recebem nenhuma remuneração. A TR utilizada é aquela do dia do depósito. Fonte: Banco Central do Brasil 22

23 4.2 Certificado de Depósito Bancário CDB São títulos emitidos pelos bancos nos quais o banco se compromete a pagar juros sobre uma aplicação dentro de um prazo definido. Essa taxa de juros pode ser pré-fixada, pós-fixada ou flutuante. Nesse último caso, a taxa muda de acordo com a variação de um índice. No boletim analisamos o CDB contratado a taxas flutuantes DI, que é taxa média diária das operações no mercado interfinanceiro. O CDB pode ser resgatado antes do prazo definido sofrendo incidência de impostos. 4.3 Índice Bovespa - Ibovespa É o mais importante indicador do desempenho médio das cotações do mercado de ações brasileiro. É o valor atual de uma carteira constituída em Retrata o comportamento dos principais papéis negociado na BM&FBOVESPA. Fonte: Bm&fBovespa Índice Brasil 50 - IBrX-50 O IBrX-50 é um índice que mede o retorno total de uma carteira teórica composta por 50 ações selecionadas entre as mais negociadas na BM&FBOVESPA em termos de liquidez. Apresenta a vantagem operacional de ser mais facilmente reproduzido pelo mercado. Fonte: Bm&fBovespa Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada IGC O IGC - Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada tem por objetivo medir o desempenho de uma carteira hipotética composta por ações de empresas que apresentem bons níveis de governança corporativa. Fonte: Bm&fBovespa 23

24 4.6 Índice Imobiliário IMOB O Índice BM&FBOVESPA Imobiliário (IMOB) tem por objetivo oferecer uma visão segmentada do mercado acionário, medindo o comportamento das ações das empresas representativas dos setores da atividade imobiliária compreendidos por construção civil, intermediação imobiliária e exploração de imóveis. Fonte: Bm&fBovespa Índices de rentabilidade Imobiliária Os índices de rentabilidade imobiliária foram calculados pela fórmula: Preço mediano do aluguel Preço mediano de venda x 100 Essa fórmula considera o aluguel como sendo o retorno do investimento no imóvel, ou seja, sua compra. E não leva em consideração a valorização do imóvel. 24

25 5. Oferta de Imóveis DF A seguir são apresentadas as tabelas referentes à oferta de imóveis. Na amostra, foram registrados imóveis residenciais e 725 imóveis comerciais destinados à comercialização Comercialização Tabela I Oferta de imóveis na amostra discriminados pelo perfil mostrando os preços máximo, mínimo e mediano de venda, além da participação relativa. Tipo Ofertas Participação Residencial ,0% Preço mínimo Preço mediano Preço máximo Apart Hotel 178 1% Apartamento 1 dormitório 959 8% Apartamento 2 dormitórios % Apartamento 3 dormitórios % Apartamento 4 dormitórios % Casa 1 dormitório 61 1% Casa 2 dormitórios 320 3% Casa 3 dormitórios % Casa 4 dormitórios % Loft 61 1% Quitinete 753 6% Comercial 725 6,0% 418 3% % TOTAL Fonte: Secovi-DF. Elaboração: Econsult. Dentre os imóveis residenciais, destacam-se as participações de apartamentos de 2 e 3 dormitórios, representando 20% e 25% da amostra, respectivamente. A significativa diferença entre os preços mínimo e máximo para cada tipo de imóvel decorre da variedade de cidades consideradas na amostra, que inclui Brasília e entorno. 25

26 Imóveis residenciais à venda Tabela II - Preço mediano dos imóveis residenciais à venda, discriminados por perfil e cidade, em R$. Apartamento Casa Cidade/Tipo Número de dormitórios Quitinete Águas Claras * * * * Brasília Ceilândia * Cruzeiro * * * Gama * Guará Núcleo Bandeirante * Riacho Fundo * * * * * Samambaia * Sobradinho Taguatinga Fonte: Secovi-DF Elaboração: Econsult. *Amostra insuficiente estatisticamente para apuração dos índices Brasília apresentou os valores medianos mais elevados da amostra, enquanto Guará e Águas Claras foram as mais expressivas dentre as cidades satélites. De fato, essas cidades deparam-se com uma população cujo poder aquisitivo é bastante significativo se comparado com outras regiões do DF. A discrepância entre os valores apresentados na tabela II é atenuada quando observados os preços por metro quadrado, uma vez que essa variável se mostra mais realista na análise do valor dos imóveis. Tabela III Mediana do preço por metro quadrado discriminados por tipo de imóvel e cidade, em R$. Cidade/Tipo Apartamento Número de dormitórios Quitinete Águas Claras * * * * Brasília Ceilândia * Cruzeiro * * * Gama * Guará Núcleo Bandeirante Riacho Fundo * * * * * Samambaia * Sobradinho Taguatinga Fonte: Secovi-DF Elaboração: Econsult. *Amostra insuficiente estatisticamente para apuração dos índices Casa 26

27 Dada as diferenças de preço por bairro em Brasília, torna-se necessário a estratificação por bairros para melhor análise. Tabela IV Mediana da venda e mediana do preço médio por metro quadrado, por tipo de imóvel em Brasília, em R$. Bairro Perfil do imóvel Valor mediano Valor/m² mediano Asa Norte Asa Sul Sudoeste Lago Norte Lago Sul** Apartamento 1 dormitório Apartamento 2 dormitórios Apartamento 3 dormitórios Apartamento 4 dormitórios Casa 2 dormitórios Casa 3 dormitórios Casa 4 dormitórios Quitinete Apartamento 1 dormitório Apartamento 2 dormitórios Apartamento 3 dormitórios Apartamento 4 dormitórios Casa 3 dormitórios Casa 4 dormitórios Quitinete Apartamento 1 dormitório Apartamento 2 dormitórios Apartamento 3 dormitórios Apartamento 4 dormitórios Quitinete Apartamento 1 dormitório Apartamento 2 dormitórios Casa 1 dormitório Casa 2 dormitórios Casa 3 dormitórios Casa 4 dormitórios Quitinete Casa 1 dormitório Casa 2 dormitórios Casa 3 dormitórios Casa 4 dormitórios Fonte: Secovi-DF Elaboração: Econsult. *Amostra insuficiente estatisticamente para apuração dos índices. **Vale ressaltar que os valores para essa região não trazem a distinção entre casas e imóveis localizados em condomínios. Em Brasília, Sudoeste e Asa Sul apresentaram os valores medianos mais altos, devido à grande oferta de apartamentos muito valorizados nesses bairros. 27

28 Imóveis comerciais à venda A próxima tabela apresenta os valores medianos e valores medianos por metro quadrado dos imóveis comerciais destinados à venda. Tabela V- Preço mediano e preço mediano por metro quadrado dos imóveis comerciais à venda discriminados por tipo e cidade, em R$. Cidade Perfil do imóvel Valor mediano Valor mediano/m² n Águas Claras Brasília Ceilândia Cruzeiro Gama Guará Núcleo Bandeirante Paranoá Planaltina Recanto das Emas Riacho Fundo Samambaia Santa Maria Sobradinho Taguatinga Total 725 Fonte: Secovi-DF Elaboração: Econsult. *Amostra insuficiente estatisticamente para apuração dos índices. A tabela seguinte apresenta a análise dos imóveis comerciais de Brasília divididos por bairro. 28

29 Tabela VI- Preço mediano e preço mediano por metro quadrado para a cidade de Brasília, em R$. Bairro Perfil do imóvel Valor mediano Valor mediano/m² n Asa Norte Asa Sul Lago Norte Lago Sul Sudoeste Total 356 Fonte: Secovi-DF Elaboração: Econsult. *Amostra insuficiente estatisticamente para apuração dos índices. 5.2.Locação A tabela abaixo fornece dados a respeito da oferta de imóveis destinados a locação no Distrito Federal. Tabela VII- Oferta de imóveis para locação no DF. Tipo Número de Ofertas Participação Preço Mínimo Preço Mediano Preço Máximo Residencial % Apart Hotel 107 4% , ,00 Apartamento 1 dormitório % , ,00 Apartamento 2 dormitórios % , ,00 Apartamento 3 dormitórios 252 9% , ,00 Apartamento 4 dormitórios 90 3% , ,00 Casa 1 dormitório 12 0% , Casa 2 dormitórios 35 1% , ,00 Casa 3 dormitórios 74 3% , ,00 Casa 4 dormitórios 68 2% , ,00 Loft 12 0% , ,00 Quitinete % , ,00 Comercial % % , , % , ,00 TOTAL 2912 Fonte: Secovi-DF Elaboração: Econsult. *Amostra insuficiente estatisticamente para apuração dos índices. 29

30 No mês de setembro, os imóveis residenciais correspondem a 73% dos imóveis destinados a locação. Sendo que as quitinetes representam 24% dos imóveis. Os imóveis comerciais representam 27% da amostra Imóveis residenciais para locação Tabela VIII- Preço mediano dos imóveis, discriminados por perfil e cidade, em R$. Apartamento Casa Cidade/Tipo Dormitórios Dormitórios Quitinete Águas Claras * * * * Brasília Ceilândia * * Cruzeiro 700 * * * * * Gama * * * * 885 * Guará Núcleo Bandeirante * * * * Samambaia * * * 500 * Sobradinho * * Taguatinga * Fonte: Secovi-DF, Elaboração:Econsult. *Amostra insuficiente estatisticamente para apuração dos índices. Tabela IX- Preço mediano por metro quadrado do aluguel discriminados por perfil e cidade, em R$. Apartamento Casa Cidade/Tipo Dormitórios Dormitórios Quitinete Águas Claras * * * * Brasília Ceilândia * * Cruzeiro 26 * * * 24 * * Gama * * * * * 10 * Guará Núcleo Bandeirante * * * * Paranoá * * * * * * Riacho Fundo * * * * * * Samambaia * * * 6 * Sobradinho * * Taguatinga * Fonte: Secovi-DF,Elaboração:Econsult. *Amostra insuficiente estatisticamente para apuração dos índices. 30

31 Tabela X- Mediana do aluguel e mediana do aluguel médio por metro quadrado do aluguel por tipo de imóvel em Brasília, em R$ Bairro Perfil Mediana do Aluguel Mediana do Aluguel/m² Asa Norte Asa Sul Lago Norte Lago Sul** Sudoeste Apartamento 1 dormitório Apartamento 2 dormitórios Apartamento 3 dormitórios Apartamento 4 dormitórios Casa 3 dormitórios Quitinete Apartamento 1 dormitório Apartamento 2 dormitórios Apartamento 3 dormitórios Apartamento 4 dormitórios Casa 1 dormitório Casa 3 dormitórios Casa 4 dormitórios Quitinete Apartamento 1 dormitório Apartamento 2 dormitórios Casa 2 dormitórios Casa 3 dormitórios Casa 4 dormitórios Quitinete Casa 1 dormitório Casa 2 dormitórios Casa 3 dormitórios Casa 4 dormitórios Apartamento 1 dormitório Apartamento 2 dormitórios Apartamento 3 dormitórios Apartamento 4 dormitórios Quitinete Fonte: Secovi-DF,Elaboração:Econsult. **Vale ressaltar que os valores para essa região não trazem a distinção entre casas e imóveis localizados em condomínios Imóveis comerciais para locação Os imóveis comerciais representam 27% do total de imóveis destinados à locação, representados por 791 imóveis. Dentre os imóveis comerciais, destaque para sala comercial que representa 20% da amostra. 31

32 Tabela XI - Mediana do Aluguel e mediana do aluguel médio por metro quadrado de imóveis comerciais discriminados por perfil e cidade, em R$ Cidade Perfil do Imóvel Mediana do Aluguel Mediana do Aluguel/m² n Águas Claras Brasília Brazlândia Candangolândia Ceilândia Cruzeiro Gama Guará Núcleo Bandeirante Paranoá Planaltina Recanto das Emas Riacho Fundo Samambaia Santa Maria São Sebastião Setor Industrial Sobradinho Taguatinga Vicente Pires Total 791 Fonte: Secovi-DF. Elaboração: Econsult. 32

33 Tabela XII - Mediana do Aluguel e mediana do aluguel médio por metro quadrado de imóveis comerciais em Brasília, por tipo, em R$ Bairro Mediana do Mediana do Perfil do Imóvel Aluguel Aluguel/m2 n Asa Norte Asa Sul Lago Norte Lago Sul Sudoeste Total 443 Fonte: Secovi-DF. Elaboração: Econsult. 33

34 6. Conclusão Após as considerações feitas sobre a ambiente macroeconômico do país, pode-se notar que apesar da redução da possibilidade de um processo inflacionário, visto que a demanda doméstica tem crescido em ritmo menos intenso, a política monetária ainda está mantendo rígida a contenção inflacionária ao manter no mês de setembro a taxa Selic em 10,75% ao ano. Os principais índices de preços da economia (IGP-M, IGP-DI e IPCA) sofreram variações relativamente maiores que no mês de Agosto, embasando as medidas do COPOM. O Índice de Confiança do Consumidor (Fecomércio-SP) do mês de setembro apresentou baixa, especificamente por causa da queda no Índice de expectativa do consumidor. Os indicadores referentes à situação industrial que já tiveram seus valores estimados para o mês de setembro contemplam um bom cenário para indústria, com crescimento da utilização da capacidade instalada e do índice de confiança (FGV). No Distrito Federal, os principais indicadores também mostram um ambiente econômico favorável. Houve crescimento no faturamento real da indústria e aumento no volume de vendas no comércio varejista. Ao analisarmos o mercado imobiliário, percebemos que a nível nacional os financiamentos destinados ao setor habitacional continuam em expansão, dada a variação positiva de 3,9% desses financiamentos no mês de agosto. Com isso, nota-se a contínua expansão do mercado imobiliário no Brasil e no DF. De acordo com o estudo empírico aqui apresentado, Brasília apresenta os apartamentos mais caros do DF, tanto com relação à comercialização quanto locação. Acerca das casas, os preços mais expressivos variam entre Cruzeiro, Guará e Núcleo Bandeirante. Analisando a amostra, pode-se evidenciar Águas Claras como a região com os melhores índices de rentabilidade, destacando-se as quitinetes e os apartamentos de um dormitório, com taxas de 0,48%, e 0,45%, respectivamente. Em Brasília, o tipo de imóvel mais rentável foi também a 34

35 quitinete, com taxa de 0,41%. A maior rentabilidade registrada pela região de Águas Claras é vista pelo mercado como um resultado do incremento do poder aquisitivo da classe C. Para essa faixa de renda, os imóveis em Águas Claras são uma boa alternativa de investimento e moradia, o que explica o aumento de demanda por imóveis e o consequente aumento na rentabilidade destes. Com relação aos imóveis residenciais à venda em Brasília, o metro quadrado do Sudoeste mostra-se o mais valorizado, seguido por Asa Norte e Asa Sul. Para locação, a situação não se altera, o Sudoeste comporta faixa de preços mais elevada. Para os imóveis comerciais, os maiores preços de venda e aluguel são encontrados em Águas Claras e Brasília, especialmente sala comercial no primeiro e loja no segundo. Dentre os bairros de Brasília, a Asa Sul se destaca com nível de preços mais elevado. 35

36 7. Apoio 8. Equipe Técnica Diretor Presidente Leonardo Teixeira Viotti Diretor de Projetos João Vítor Rego Costa Coordenador do Projeto Tomás da Costa e Silva Vasconcelos Consultores Anaely Machado Carlos Castro Gustavo Coelho Luis Bertolino Regina Couto Suporte do Departamento de Economia - UnB Professor Chefe do Departamento Roberto de Goes Ellery Supervisão Secovi-DF Presidente Carlos Hiram Bentes David 1ºVice-Presidente Financeiro Romeu Gonçalves de Carvalho Vice-Presidente Ovídio Maia Filho 1ºVice-Presidente Administrativo Robson Cunha Moll Vice-Presidente de Incorporações Glauco Oliveira Santana 2ºVice-Presidente Administrativo Esmeraldo DAll Oca 2ºVice-Presidente Financeiro Alberto Fernandes de Sousa Vice - Presidente de Comunicação e Marketing Gilvan João da Silva (Licenciado) Edvaldo Aguiar de Vasconcelos (Em Exercício) Vice - Presidente Comercial Luis César de Castro Barreto 36

37 Suplentes: Gil Henrique Pereira Marcos Fabrício Moraes Garzon Presidente do Conselho Consultivo Miguel Setembrino Emery de Carvalho Conselho Fiscal 1º Conselheiro Maria Thereza Pereira Silva Conselho Fiscal - Suplentes: 1º Conselheiro Carlos Ananias Barbosa 2º Conselheiro Giordano Garcia Leão 2º Conselheiro Paulo Hernani de Araújo 3º Conselheiro Frederico Mancuso Attié 3º Conselheiro Antônio Guilherme Pereira do Valle Delegados Representantes Junto à FECOMÉRCIO/DF. Efetivos: 1º Delegado Miguel Setembrino Emery de Carvalho Suplentes: 1º Delegado João Balduíno de Magalhães 2º Delegado Túlio César Barbosa Siqueira 2º Delegado Ovídio Maia Filho 37

38 9. Contato Secovi DF Setor Comercial Sul, Quadra 06, Bloco A Nº 141, Edifício Presidente, Salas 202/203 (061) Econsult Consultoria Econômica Departamento de Economia da Universidade de Brasília Campus Darcy Ribeiro (61)

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Junho de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Junho de 2010 Boletim de Conjuntura Imobiliária Junho de 2010 Brasília, julho de 2010 Sumário Ressalvas Técnicas... 3 1. Atividade Econômica... 4 1.1 Cenário Nacional... 4 1.1.1 Índice de Confiança do Consumidor (ICC):...

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Junho de 2012

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Junho de 2012 Boletim de Conjuntura Imobiliária Junho de 2012 Brasília, julho de 2012 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução... 5 1. Atividade Econômica... 6 1.1. Cenário Nacional... 6 1.1.1. Consumidor... 6 1.1.2.

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Julho de 2013

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Julho de 2013 Boletim de Conjuntura Imobiliária Julho de 2013 Brasília, Agosto de 2013 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução... 5 1. Atividade Econômica... 6 1.1. Cenário Nacional... 6 1.1.1. Consumidor... 6 1.1.2.

Leia mais

Boletim da Conjuntura Imobiliária

Boletim da Conjuntura Imobiliária MAIO DE 2015 Boletim da Conjuntura Imobiliária Brasília, junho de 2015 1 Boletim da Conjuntura Imobiliária Junho de 2015 2 Boletim da Conjuntura Imobiliária Maio de 2015 Descrição Capa: BRB - BANCO DE

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Fevereiro de 2013

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Fevereiro de 2013 Boletim de Conjuntura Imobiliária Fevereiro de 2013 Brasília, março de 2013 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução... 5 1. Atividade Econômica... 6 1.1. Cenário Nacional... 6 1.1.1. Consumidor... 6

Leia mais

Boletim da Conjuntura Imobiliária. Dezembro de 2013

Boletim da Conjuntura Imobiliária. Dezembro de 2013 Boletim da Conjuntura Imobiliária Dezembro de 2013 Brasília, Janeiro de 2014 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução... 5 1. Atividade Econômica... 6 1.1. Cenário Nacional... 6 1.1.1. Consumidor...

Leia mais

Boletim da Conjuntura Imobiliária. Outubro de 2013

Boletim da Conjuntura Imobiliária. Outubro de 2013 Boletim da Conjuntura Imobiliária Outubro de 2013 Brasília, Novembro de 2013 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução... 5 1. Atividade Econômica... 6 1.1. Cenário Nacional... 6 1.1.1. Consumidor...

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Agosto de 2013

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Agosto de 2013 Boletim de Conjuntura Imobiliária Agosto de 2013 Brasília, Setembro de 2013 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução... 5 1. Atividade Econômica... 5 1.1. Cenário Nacional... 6 1.1.1. Consumidor... 6

Leia mais

Boletim da Conjuntura Imobiliária. Outubro de 2014

Boletim da Conjuntura Imobiliária. Outubro de 2014 Boletim da Conjuntura Imobiliária Outubro de 2014 Brasília, Novembro de 2014 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução... 5 1. Atividade Econômica... 6 1.1. Cenário Nacional... 6 1.1.1. Consumidor...

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010 O Censo Demográfico 2010 e o mercado do DF Boletim de Conjuntura Imobiliária Alguns resultados do último recenseamento feito pelo IBGE foram divulgados. Os dados mostram que o Distrito Federal registrou

Leia mais

Crise não atinge mercado imobiliário de luxo.

Crise não atinge mercado imobiliário de luxo. + Boletim de Conjuntura Imobiliária 64ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Aluguel residencial com aniversário em julho e reajuste pelo IGP-M subirá 5,59%.

Aluguel residencial com aniversário em julho e reajuste pelo IGP-M subirá 5,59%. + Boletim de Conjuntura Imobiliária 60ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Comprar ou alugar? Especialistas falam sobre as vantagens de cada opção.

Comprar ou alugar? Especialistas falam sobre as vantagens de cada opção. + Boletim de Conjuntura Imobiliária 63ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Águas Claras é a cidade mais rentável do Distrito Federal. 46ª Edição Comercial Abril de 2014

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Águas Claras é a cidade mais rentável do Distrito Federal. 46ª Edição Comercial Abril de 2014 + Boletim de Conjuntura Imobiliária 46ª Edição Comercial Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especialistas descartam uma possível bolha imobiliária. 38ª Edição Comercial Agosto de 2013 de 2012

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especialistas descartam uma possível bolha imobiliária. 38ª Edição Comercial Agosto de 2013 de 2012 + Boletim de Conjuntura Imobiliária 38ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Banco Central descarta bolha imobiliária no país. 44ª Edição Comercial Fevereiro de 2014

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Banco Central descarta bolha imobiliária no país. 44ª Edição Comercial Fevereiro de 2014 + Boletim de Conjuntura Imobiliária 44ª Edição Comercial Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br

Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Boletim de Conjuntura Imobiliária 23ª Edição Comercial - Econsult Consultoria

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Governo anuncia criação de nova faixa do Minha Casa, Minha Vida

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Governo anuncia criação de nova faixa do Minha Casa, Minha Vida + Boletim de Conjuntura Imobiliária 48ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Corretores de imóveis são mantidos como Microempreendedores Individuais

Corretores de imóveis são mantidos como Microempreendedores Individuais + Boletim de Conjuntura Imobiliária 62ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 11ª Edição Comercial - Maio de 2011. Custo do metro quadrado na construção no DF em maio foi de R$873,43

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 11ª Edição Comercial - Maio de 2011. Custo do metro quadrado na construção no DF em maio foi de R$873,43 Boletim de Conjuntura Imobiliária 11ª Edição Comercial - Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

+ Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br

+ Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br + Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Boletim de Conjuntura Imobiliária 27ª Edição Comercial - de 2012 Econsult

Leia mais

Novo fôlego para o mercado imobiliário

Novo fôlego para o mercado imobiliário + Boletim de Conjuntura Imobiliária 59ª Edição Comercial Maio de 2015 de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br

Leia mais

SECOVI/DF debate a lei do corretor associado

SECOVI/DF debate a lei do corretor associado + Boletim de Conjuntura Imobiliária 56ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Vantagens de casas e apartamentos em condomínios fechados. 35ª Edição Comercial - Maio de 2013 de 2012

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Vantagens de casas e apartamentos em condomínios fechados. 35ª Edição Comercial - Maio de 2013 de 2012 + Boletim de Conjuntura Imobiliária 35ª Edição Comercial - Maio de 2013 de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Outubro de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Outubro de 2010 Comercialização No mês de outubro, foram analisados 18.164 imóveis destinados à comercialização, contemplados em imóveis residenciais e comerciais. Na amostra, a participação dos imóveis residenciais obteve

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária Versão Comercial

Boletim de Conjuntura Imobiliária Versão Comercial Boletim de Conjuntura Imobiliária Versão Comercial Julho de 2010 Brasília, agosto de 2010 Oferta de Imóveis 1. Comercialização A seguir, gráficos comparativos que ilustram as diferenças na participação

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especialistas debatem sobre garantias locatícias em Brasília.

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especialistas debatem sobre garantias locatícias em Brasília. + Boletim de Conjuntura Imobiliária 41ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 19ª Edição Comercial - Janeiro de 2012

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 19ª Edição Comercial - Janeiro de 2012 Boletim de Conjuntura Imobiliária 19ª Edição Comercial - Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Preço dos imóveis ficará estável em 2015, dizem os corretores

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Preço dos imóveis ficará estável em 2015, dizem os corretores + Boletim de Conjuntura Imobiliária 52ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Governo rejeita liberar compulsório para financiar imóvel

Governo rejeita liberar compulsório para financiar imóvel + Boletim de Conjuntura Imobiliária 58ª Edição Comercial Abrilde 2015 de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Criada nova letra imobiliária que tem isenção de IR e reconhecimento internacional

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Criada nova letra imobiliária que tem isenção de IR e reconhecimento internacional + Boletim de Conjuntura Imobiliária 50ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult

Leia mais

2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA.

2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA. Brasília, 10 de Janeiro de 2013 NOTA À IMPRENSA 2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA. Por: (*) Rafhael Carvalho Marinho O índice de preços imobiliários verifica a existência de

Leia mais

Facilidade de entendimento do mercado imobiliário, leva esse tipo de investimento ainda ser muito procurado.

Facilidade de entendimento do mercado imobiliário, leva esse tipo de investimento ainda ser muito procurado. Brasília, 10 de Dezembro de 2012 NOTA À IMPRENSA Facilidade de entendimento do mercado imobiliário, leva esse tipo de investimento ainda ser muito procurado. Por: (*) Rafhael Carvalho Marinho O índice

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Versão Comercial Agosto de 2010. Publicado em Outubro de 2010

Versão Comercial Agosto de 2010. Publicado em Outubro de 2010 Versão Comercial Agosto de 2010 Publicado em Outubro de 2010 Comercialização No mês de agosto foram analisados 12.951 imóveis destinados à comercialização. A participação de imóveis residenciais foi de

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - DEZEMBRO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - DEZEMBRO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - MARÇO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - MARÇO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - AGOSTO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - AGOSTO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010.

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010. O volume total de crédito do sistema financeiro, computadas as operações com recursos livres e direcionados, atingiu R$2.030 bilhões em dezembro, após crescimento mensal de 2,3%. Ao longo de 2011, o crédito

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO - PMI

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO - PMI PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO - PMI apoio realização PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO FLORIANÓPOLIS SUMÁRIO SUMÁRIO 5 INTRODUÇÃO 7 LOCAÇÃO DE IMÓVEIS EM FLORIANÓPOLIS 8 Locação de Imóveis Residenciais

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

Sindicato da Habitação do Distrito Federal - SECOVIDF

Sindicato da Habitação do Distrito Federal - SECOVIDF Sindicato da Habitação do Distrito Federal - SECOVIDF Boletim da Conjuntura Imobiliária Descrição Capa: SQN 314, bloco F Fotógrafo: Vitor Delduque - delduquefotografia@gmail.com Boletim da Conjuntura Imobiliária

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros Matemática Financeira Aula 03 Taxa Real de Juros Inflação É o fenômeno conhecido como o aumento persistente dos preços de bens e serviços Fatores: Escassez de produtos, déficit orçamentário, emissão descontrolada

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Janeiro de 2013

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Janeiro de 2013 Boletim de Conjuntura Imobiliária Janeiro de 2013 Brasília, Fevereiro de 2013 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução... 5 1. Atividade Econômica... 6 1.1. Cenário Nacional... 6 1.1.1. Consumidor...

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

No Distrito Federal imóveis ainda são rentáveis.

No Distrito Federal imóveis ainda são rentáveis. Brasília, 10 de Novembro de 2012 NOTA À IMPRENSA No Distrito Federal imóveis ainda são rentáveis. Por: (*) Rafhael Carvalho Marinho O índice de preços imobiliários verifica a existência de descolamento

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

A INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO. Fundação Getulio Vargas

A INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO. Fundação Getulio Vargas A INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO Fundação Getulio Vargas FGV Março 2015 A SONDAGEM ABCIC DESEMPENHO RECENTE DA CONSTRUÇÃO A Sondagem - Metodologia EMPRESAS A Sondagem - Metodologia Temas Pesquisados

Leia mais

Boletim da Conjuntura Imobiliária

Boletim da Conjuntura Imobiliária JULHO DE 2015 Boletim da Conjuntura Imobiliária 1 Boletim da Conjuntura Imobiliária JuLho de 2015 2 Boletim da Conjuntura Imobiliária Julho de 2015 Descrição Capa: BRB - BANCO DE BRASILIA S.A. Fotógrafo

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Maio de 2012

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Maio de 2012 Boletim de Conjuntura Imobiliária Maio de 2012 Brasília, junho de 2012 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução... 5 1. Atividade Econômica... 6 1.1. Cenário Nacional... 6 1.1.1. Consumidor... 6 1.1.2.

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 6 Junho de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Falta de crédito dificulta recuperação

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82%

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82% Rentabilidade da Renda Fixa em 2015 Desde o mês de junho deste ano as carteiras de investimentos financeiros que compõem os perfis de investimentos da São Bernardo têm sofrido forte flutuação de rentabilidade,não

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Julho de 2012

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Julho de 2012 Boletim de Conjuntura Imobiliária Julho de 2012 Brasília, Agosto de 2012 Sumário Ressalvas Técnicas... 4 Introdução... 5 1. Atividade Econômica... 6 1.1. Cenário Nacional... 6 1.1.1. Consumidor... 6 1.1.2.

Leia mais

Boletim da conjuntura Imobiliária

Boletim da conjuntura Imobiliária ABRIL DE 2015 Boletim da conjuntura Imobiliária Brasília, maio de 2015 1 Boletim da Conjuntura Imobiliária Abril de 2015 2 Boletim da Conjuntura Imobiliária Abril de 2015 3 Boletim da Conjuntura Imobiliária

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Ritmo da atividade econômica e mudança nas regras da poupança Grupo de Economia / Fundap Introdução A frustração com o ritmo de crescimento da economia brasileira é evidente. A produção industrial permaneceu,

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

Sindicato da Habitação do Distrito Federal - SECOVIDF

Sindicato da Habitação do Distrito Federal - SECOVIDF Sindicato da Habitação do Distrito Federal - SECOVIDF Boletim da Conjuntura Imobiliária Descrição Capa: Shopping Deck Norte Can01 Lago Norte Fotógrafo: Mauro Castro - mauro.navegar@gmail.com Boletim da

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 04 de Maio de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/04/2015 a 30/04/2015 Panorama Mensal Abril 2015 No cenário internacional, o mês de abril foi marcado por surpresas negativas em

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais