RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO I. Balança de Pagamentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos"

Transcrição

1 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes de uma economia. Elas integram fluxos e posições, nomeadamente: a Balança de Pagamentos que reflecte os fluxos, e se traduz no conjunto das transacções económicas e financeiras, realizadas entre residentes e não-residentes num determinado período de tempo, normalmente um ano, o que corresponde a um exercício económico; e a Posição do Investimento Internacional Líquido que demonstra o valor em um dado momento dos activos financeiros dos residentes de uma economia que constitui direitos ou responsabilidades dos nãoresidentes. A informação das contas externas permite a cada país conhecer a sua posição em relação ao resto do mundo, assim como, serve de ferramenta de base para formulação de políticas macroeconómicas. À semelhança dos anos anteriores, no decorrer de 2010, o cenário económico nacional e internacional foi amplamente influenciado pelos preços das principais commodities. Ao contrário do ano precedente, o ano de 2010 registou uma relativa estabilidade económica, mercê da recuperação da economia global depois dos grandes desequilíbrios provocados pela maior crise económica após o ano de De realçar que os países emergentes impulsionaram a recuperação da economia global, pois o principal importador do petróleo bruto angolano é liderado ao longo do últimos 3 anos pela china. Na sequência da recuperação dos preços das commodities favorável à economia de Angola, o saldo da Balança de Pagamentos, no período em análise, revelou-se superavitário em US$ 6.010,3 milhões, impulsionado fundamentalmente pelo saldo da conta corrente. 1. Conta Corrente No período em análise, a conta corrente apresentou um superavit de US$ 7.506,0 milhões, que reflecte um crescimento relativo em cerca de 199,1% e absoluto de US$ ,6 milhões, comparativamente ao ano anterior, cujo deficit foi de US$ 7.571,6 milhões. Esta melhoria é justificada, fundamentalmente, pelo crescimento da conta de bens e pela contracção do saldo deficitário da conta de serviços na ordem dos 86,7% e 3,5%, respectivamente, apesar do agravamento do deficit das contas de rendimentos e de transferências correntes na ordem dos 18,5% e 18,2%, respectivamente. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 1

2 US$ Milhões US$ Milhões Contrariamente ao período homólogo em que o saldo da conta corrente foi deficitário, em 2010 a mesma apresentou uma inflexão, o que representa uma mais-valia para a economia angolana. Gráfico nº 1 Conta Corrente Conta Corrente Período 1.1. Conta de Bens Fruto da recuperação dos preços dos principais produtos de exportação de Angola no mercado externo, no ano de 2010 a conta de bens registou um superavit de US$ ,0 milhões, representando um crescimento de 86,7% em relação ao período anterior em que atingiu o valor de US$ ,0 milhões. Gráfico nº 2 Conta de Bens , ,0 Conta de Bens , , , , , , , ,0 0, Período Conforme observado no gráfico acima, o crescimento da conta de bens espelha a retoma do ritmo ascendente, depois de um declínio em 2009, devido à crise económica que abalou a economia mundial. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 2

3 Exportações O ano de 2010 foi marcado pela recuperação do preço médio do barril de petróleo, bem como, dos outros produtos que compõem a estrutura base das exportações de Angola, permitindo o aumento das receitas do país, comparativamente ao ano de 2009, conforme ilustra o quadro abaixo. Quadro n.º 1 - Exportações US$ Milhões DESCRIÇÃO Variação (%) Exportações Totais , ,9 23,9 Petróleo Bruto (US$ milhões) , ,1 23,8 Volume (milhões de Barris) 646,8 625,1-3,4 Preço (US$/barril) 60,7 77,8 28,1 Refinados de Petróleo (US$ milhões) 313,7 422,9 34,8 Volume (mil ton metricas) 773,2 750,9-2,9 Preço (US$/ton metrica) 405,7 563,2 38,8 Gás (US$ milhões) 218,3 299,5 37,2 Volume (mil barris) 5.584, ,9-2,9 Preço (US$/barril) 39,1 55,3 41,4 Diamantes (US$ milhões) 813,6 976,3 20,0 Volume (mil quilates) 9.239, ,1-9,5 Preço (US$/quilates) 88,1 116,7 32,6 *Outras exportações (US$ milhões) 211,6 267,1 26,2 * Inclui Café, Madeira, Pescado, etc. No quadro acima destaca-se a queda do volume das exportações do petróleo bruto em 3,4%, ao passar de 646,8 milhões de barris em 2009 para 625,1 milhões de barris em Apesar desta queda, as receitas de exportação deste produto registaram um aumento de 23,8% em relação ao período homólogo, fruto da subida do preço médio no mercado internacional em cerca de 28,1%. Quanto aos outros produtos exportados, registou-se aumentos no nível de receitas de 37,2%, 34,8%, 26,5%, 20,0% para o gás, refinados, outras exportações e diamantes, respectivamente. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 3

4 Gráfico n.º 3 - Preço versus quantidade - Receitas de Exportação Petróleo Bruto Receitas de Exportações de Petróleo Bruto Quantidad US$ - Milhões , , , , , , ,0 0, Os níveis alcançados pelas receitas de exportação de petróleo bruto em 2010, tiveram como maior determinante o preço que contribuiu com 114,1%, enquanto, que as quantidades tiveram um contributo negativo de 18,1%, como se pode aferir, no gráfico acima. No que concerne as exportações de petróleo bruto, é necessário destacar a forte procura do gigante asiático pelo petróleo angolano. À semelhança dos últimos quatro anos, a China manteve a liderança, e em 2010 absorveu quase metade das exportações do referido produto exportado, seguido dos EUA e da Índia, com 18,1% e 10,1% respectivamente. Gráfico n.º 4 - Exportação de Petróleo Bruto por Países 4,8% 5,8% 10,1% 18,4% CHINA 42,8% EUA INDIA CANADA 18,1% T AIWAN OUTROS O sector diamantífero, depois de ter sido duramente afectado no ano passado, devido aos efeitos da crise económica e financeira internacional, voltou a registar um crescimento durante o período em análise, fruto da recuperação da economia mundial. As suas receitas de exportação passaram de US$ 813,6 milhões em 2009 para US$ 976,3 milhões em 2010, o que corresponde a um incremento de 20,0%, resultante do aumento dos preços dos diamantes em 32,6%. Actualmente, Angola ocupa o 4º lugar entre os cinco maiores produtores de diamantes a nível mundial, representando 12,0% da produção mundial, liderada pelo Botswana com 25,0%. O principal mercado de destino dos diamantes angolano continua a ser liderado pelo Emiratos Árabes Unidos, seguido de Israel. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 4

5 Gráfico n.º 5 - Estrutura das Exportação em ,9% 2,0% 96,1% Petróleo Bruto Diamantes Outras exportações *Nota: Outras exportações incluem o gás, refinados, café, madeira, etc. Apesar dos esforços para diversificar a economia nacional, o gráfico acima mostra que o petróleo bruto continua a dominar o quadro das exportações, representando 96,1% do total das exportações. Os diamantes tiveram um peso de 1,9% e outras exportações 2,0%, demonstrando, deste modo, que a economia de Angola continua vulnerável a choques externos, devido à excessiva dependência a dois produtos minerais, principalmente o petróleo Importações As despesas para compra de mercadorias que deram entrada no território nacional, com vista a cobertura da procura interna, passaram de US$ ,9 milhões em 2009 para US$ ,9 milhões em 2010, representando uma contracção de 26,4% em relação ao período homólogo, o que contribuiu para a melhoria da conta de bens. O quadro abaixo, permite observar o comportamento das importações em 2010, de acordo com a classificação económica das mercadorias. Quadro n.º 2 - Classificação Económica das Importações US$ Milhões N.º DESCRIÇÃO Variação (%) Mercadorias , ,9-26,4 1 Bens de Consumo Corrente , ,0-26,0 2 Bens de Consumo Intermédio 2.769, ,0-29,4 3 Bens de Capital 6.619, ,8-26,2 Não obstante verificar-se a redução das importações de mercadorias, manteve-se a predominância em bens de consumo corrente, que representaram 58,9% das importações globais, revelando ainda a fraca capacidade da produção interna, em satisfazer a demanda do mercado nacional, facto que tem impulsionado o recurso ao mercado externo. Face ao Programa de Reconstrução Nacional, que o Executivo tem vindo a implementar, a procura pelos equipamentos e outra maquinaria pesada tem contribuído para a importação regular de bens de capital, que continuou a ocupar o segundo lugar no total das importações, não obstante ter registado uma contracção na ordem dos 26,2%, comparativamente ao período anterior. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 5

6 US$ Milhões No gráfico abaixo evidenciam-se as relações comerciais entre Angola e os seus principais parceiros, no que concerne às importações. É inquestionável a liderança de Portugal entre os principais parceiros comerciais, embora tenha registado um recuo de 23,4% do volume das importações oriundas daquele país, ao passar de US$ 3.149,0 milhões em 2009 para US$ 2.412,9 milhões em Gráfico n.º 6 - Principais países de origem das importações Principais Países de Origem das importações 3.500, , , , , ,0 500,0 0, PAÍSES Das importações realizadas em 2010, cerca de 14,5%, são proveniente de Portugal seguido da Holanda, China e Estados Unidos de América com 10,3%, 8,5% e 7,4%, respectivamente. No contexto africano, destaca-se a Namíbia que se junta à África do Sul, como os únicos países africanos a constarem entre os dez principais mercados de origem das importações de Angola Serviços No geral, verificou uma ligeira melhoria da Conta de serviços, apesar de se apurar um défice na ordem dos US$ ,5 milhões no ano em análise, representando uma redução de 3,5% comparativamente ao ano de 2009 que se cifrou em US$ ,2 milhões. A redução do défice desta conta, tem como fundamento o decréscimo do nível de despesas com serviços de assistência técnica, com especial realce para os transportes, comunicações e seguros, com quedas de 25,7%, 40,4% e 21,8% respectivamente, embora o ónus por elas acarretado continue a ser bastante representativo no cômputo das despesas nacionais. Para a redução do défice, contribuiu também o crescimento relativo das receitas, em cerca 37,5%. Este incremento reflecte o crescimento e melhoria dos serviços prestados no sector da hotelaria e turismo, fruto dos investimentos realizado no âmbito do CAN 2010, evidenciando-se que este sector poderá ser uma fonte de receitas relevante para a nossa economia, face as potencialidades do país que ainda estão por se explorar. Assim, de forma a inverter o cenário actual é imperiosa a implementação de medidas que visem incrementar o nível de receitas através da exploração de sectores chaves da economia com vantagens competitivas no mercado mundial. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 6

7 US$ Milhões Gráfico nº 7 Evolução da Conta de Serviços 5.000,0 0, , , , Serviços (Liq) Total Crédito Total Débito , ,0 Período 1.3. Rendimentos O saldo da conta de rendimentos tem apresentado deficits persistentes, que podem ser explicados, por um lado, pelo volume de lucros e dividendos repatriados pelas filiais das empresas multinacionais que operam no país, para a casa matriz e, por outro lado, pelos juros da dívida externa e recorrência permanente à mão-de-obra qualificada e expatriada. No período em análise, o saldo desta conta foi deficitário no valor de US$ 8.171,8 milhões contra os US$ 6.823,1 milhões do ano de 2009, o que traduz um agravamento da mesma em cerca de 19,8%. A principal rubrica que contribuiu para o agravamento das despesas da conta de rendimentos foram os lucros e dividendos, que em 2010 registaram o valor de US$ 7.524,8 milhões, contra os US$ 6.130,1 milhões atingidos em 2009, representando um crescimento na ordem de 22,8%. Esta rubrica tem um peso expressivo no saldo da conta de rendimentos na medida em que 90% do valor total do seu débito é constituído por lucros e dividendos do sector petrolífero, enquanto os juros e as remessas dos trabalhadores representam apenas cerca de 10%. Conforme se pode observar no gráfico abaixo, o saldo desta conta, segue a mesma tendência do seu débito, o que demonstra a pouca relevância do crédito no comportamento da mesma. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 7

8 EM US$ US$ Milhões Gráfico nº 8 Evolução da Conta de Rendimentos Conta de Rendimento 2.000,0 0, , , , , , , , , PERÍODO Saldo Crédito Débito 1.4. Transferências Correntes A semelhança dos últimos 4 anos, em 2010, o saldo desta conta manteve a sua tendência deficitária ao atingir o valor US$ 437,7 milhões, traduzindo-se num decréscimo de 18,2%, comparativamente ao ano de 2009, que foi de US$ 370,3 milhões. Esta conta, reflecte expressivamente as remessas dos trabalhadores expatriados. Gráfico nº9 Transferências Correntes 0,0-100,0 Transferências correntes ,0-300,0-400,0-500,0 PERÍODO BANCO NACIONAL DE ANGOLA 8

9 EM US$ 2. Conta Capital e Financeira No ano em análise, a conta de capital e financeira apresentou um défice de US$ 1.224,3 milhões, representando um agravamento absoluto de US$ 3.707,9 milhões e relativo de 149,3% comparativamente ao período de Este saldo foi influenciado pela queda das transferências de capital líquido e fundamentalmente pelo resultado negativo da conta de investimento directo Conta de Capital No período em análise o saldo da conta de capital apresentou uma redução absoluta de US$ 10,3 milhões, ao passar de US$ 11,3 milhões em 2009 para US$ 0,9 milhões em O resultado desta conta este associado a diminuição das doações em cash para a implementação de projectos sociais e do perdão da dívida externa, decorrente do crescimento da economia angolana Conta Financeira Esta conta registou em 2010 um défice de US$ 1.225,3 milhões, contra o superavit de US$ 2.472,3 milhões em 2009, reflectindo uma degradação na ordem de US$ 3.697,6 milhões, ou seja, 149,6%, provocada fundamentalmente, pelo resultado negativo da conta de investimento directo e do investimento de carteira, apesar do resultado positivo do outro investimento Investimento Estrangeiro Directo Conforme se pode visualizar no gráfico abaixo, o saldo do investimento directo apresentou-se deficitário, situando-se em US$ 4.567,6 milhões, contra o superavit de US$ 2.198,5 milhões em 2009, reflectindo um decréscimo relativo de 307,8%. Gráfico nº 10 Investimento Directo Líquido Investimento Directo 3.000, , ,0 0, , , , , , PERÍODO Para a deterioração desta conta, contribuiu o valor pouco expressivo do investimento directo bruto, frente ao crescimento robusto verificado na recuperação de investimentos de anos anteriores. Assim, o investimento directo bruto realizado em Angola, em 2010 atingiu cerca de US$ ,7 milhões, comparativamente aos US$ ,1 milhões do período homólogo, representando-se um crescimento de 4,1%, que esta associado aos atrasos dos pagamentos dos projectos em curso, principalmente no sector da construção civil no âmbito do Programa de Investimento Público (PIP) e da redução dos investimentos no sector petrolífero. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 9

10 A nível de recuperação do investimento directo, atingiu-se o valor de US$ ,4 milhões em 2010 contra os US$ 9.474,5 milhões em 2009, o que representa um aumento de 76,5%. O crescimento da recuperação do investimento estrangeiro directo foi determinado principalmente pelo excedente das receitas de exportação de petróleo que possibilitou a regularização dos passivos com a casa-matriz. Assim, o rácio do investimento directo líquido sobre o PIB caiu de um superavit de 3,3% em 2009 para um défice de 5,5% em Investimento de Carteira No período em análise, esta conta apresentou um saldo negativo de US$ 270,5 milhões contra os US$ 490,1 milhões negativos do ano anterior, correspondendo a uma contracção de 44,8%. Para o apuramento deste resultado, os títulos de participação no exterior contribuíram com US$ 273,5 milhões, fruto da visão estratégica de algumas empresas angolanas, enquanto os passivos registaram títulos de dívida na ordem de US$ 3,0 milhões Outros Investimentos Esta conta, constituída fundamentalmente por créditos comerciais, dívida externa e moedas e depósitos atingiu o saldo de US$ 3.641,1 milhões em 2010 contra os US$ 763,9 milhões registados no período homólogo, onde se destacam as transacções de dívida externa que registaram no período em análise um superavit de US$ 2.454,3 milhões em 2010, contra os US$ 560,6 milhões, no período homólogo, representando um aumento relativo de 337,8% e absoluto de US$ 1.893,7 milhões, influenciado fundamentalmente pelo aumento dos desembolsos na ordem dos 30,9% e pela redução das amortizações na em 14,2%. Gráfico nº 11 Composição do Outro Investimento No período em análise, as disponibilidades financeiras sobre o exterior registaram uma contracção de US$ 1.466,6 milhões contrariamente ao seu período homólogo que registou um aumento de activos na ordem de US$ 1.369,0 decorrente da redução de Moedas e Depósitos sobre o Exterior. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 10

11 Gráfico nº 12 Composição dos Activos Do lado do passivo, as responsabilidades face ao exterior atingiram o valor de US$ 3.843,5 milhões, representando um agravamento absoluto de US$ 1.710,6 milhões, comparativamente ao período homólogo. Este resultado foi influenciado principalmente, pelo aumento de moeda e depósitos na ordem dos 268,3% e de outros passivos em 100,5%, apesar da melhoria registada nos empréstimos de 62,0%. Gráfico nº 13 Composição dos Passivos Activos de Reserva Em 2010, registou-se uma melhoria dos activos de reservas brutas comparativamente ao período homólogo ao atingir o valor de US$ 6.100,9 milhões, o que resultou na cobertura de 6,6 meses de importação de bens e serviços não factoriais, contra US$ 4.630,7 milhões do ano 2009, o que representou apenas 3,8 meses de importação. De salientar que em 2010 o rácio se encontra acima dos limites recomendados internacionalmente. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 11

12 3. Erros e Omissões A conta de erros e omissões, encerrou o exercício corrente com US$ 424,0 milhões negativos contra os US$ 457,4 milhões em Stock da Dívida Externa O Stock da Dívida Externa, incluindo os atrasados passou de US$ ,2 milhões em 2009 para US$ ,9 milhões em 2010, representando um aumento relativos de 18,1%. Quadro nº 3 - Stock Global da Dívida US$ Milhões DESCRIÇÃO Variação (%) Total da dívida incluindo atrasados , ,9 18,1 Comercial 9.002, ,7 18,8 Bancos (Bonos e Obrigações) 8.114, ,5 21,5 Empresas (Provedores) 887,6 835,1-5,9 Bilateral 5.385, ,6 8,3 Multilateral 737, ,7 80,1 No período em análise houve uma expansão do stock da dívida de Angola de 18,1%, em relação ao período homólogo, influenciado pelo aumento de todos os componentes da sua estrutura. O stock da dívida de 2010 foi composto por 59,9% da dívida comercial, 32,7% da dívida bilateral e 7,4% da dívida multilateral. À semelhança do ocorrido em 2009 há uma grande concentração na dívida global da dívida comercial. Não obstante o aumento da dívida multilateral, a mesma continua a representar um valor residual no cômputo geral do stock da dívida, mas demonstra uma tendência em se diversificar as fontes de endividamento, com vista a uma gestão mais equilibrada da mesma, e consequentemente, a sustentabilidade da balança de pagamentos. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 12

13 II. POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL A crescente integração das economias tem conferido às contas externas (Balança de Pagamentos e Posição de Investimento Internacional) uma importância relevante nas decisões de política económica de qualquer país. A Posição Internacional do Investimento (PII) reflecte as disponibilidades e responsabilidades financeiras externas de uma economia no final de um determinado período, normalmente um ano. A diferença entre os recursos financeiros externos de um país e as responsabilidades corresponde a Posição Internacional Liquida de Investimento, que combinada com os activos não financeiros duma economia, constituem o valor líquido ou património dessa economia. O Banco Nacional de Angola (BNA) regista as estatísticas sobre a PII, numa base anual, e em dólares americanos, ao abrigo das obrigações para com as instituições internacionais. Os saldos da Posição Internacional do Investimento mantenhem relação estreita com os fluxos da conta financeira da balança de pagamentos e são compilados em quatro categorias funcionais para as posições activas, nomeadamente o Investimento Directo no Exterior, Investimento de Carteira, Outro Investimento e Activos de Reserva e em três categorias para as posições passivas, à semelhança das activas, com excepção das reservas. A Posição do Investimento Internacional Liquida, em 2010 alcançou o saldo de US$ ,1 milhões, correspondendo a 17,3% do PIB. Gráficonº1 - Activos Em 2010, os activos alcançaram o valor de US$ ,4 milhões, verificando-se um aumento relativo de 10,1%, comparativamente ao período homólogo, provocado fundamentalmente pelo aumento do investimento directo no exterior e dos activos de reserva. O gráfico acima permite-nos avaliar o comportamento dos componentes dos activos, nomeadamente o crescimento dos activos de reserva, do investimento directo no exterior e de carteira na ordem dos 46,1%, 38,2% e 4,2% respectivamente, bem como, o decréscimo dos outros investimentos em 13,3%. À semelhança de anos anteriores, em 2010 o outro investimento, continuou a manter a predominância com um peso de 39,2%, seguido dos activos de reserva com 37,9%, no que se refere a composição da carteira de activos de Angola. BANCO NACIONAL DE ANGOLA 13

14 Do outro lado do balanço, o maior componente do passivo externo de Angola foi o outro investimento, que totalizou US$ ,5 milhões em Dezembro de 2010, representando 67,7% do total de passivos, seguindo-se o investimento directo em Angola com 32,3%. No gráfico a seguir, pode-se verificar o impacto da evolução dos componentes do passivo no comportamento desta categoria, tendo as responsabilidades atingido o valor de US$ ,4 milhões em finais de 2010 contra US$ ,9 milhões em 2009, representando um aumento de 2,6%. Gráfico nº 2 Passivos BANCO NACIONAL DE ANGOLA 14

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 3 METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL... 6 RELATÓRIO DA BALANÇA

METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 3 METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL... 6 RELATÓRIO DA BALANÇA Índice Página METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 3 METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL... 6 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DE 2013... 9 POSIÇÃO DO

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 2012

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 2012 Em Percentagem (%) RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 212 I. Balança de Pagamentos 1. A Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 7 (Relações Económicas Internacionais)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 7 (Relações Económicas Internacionais) 7.1. Considere a seguinte informação, relativa às componentes da Balança Corrente Portuguesa em 2002, em milhões de euros: Débito Mercadorias 29.028,1 41.607,4 Serviços, dos quais: 10.299,8 7.137,3 - viagens

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual de Instrução

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques Papel das empresas no P ld novo sistema das estatísticas externas Carla Marques ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. Estatísticas externas Portuguesas II. Sistema das estatísticas externas e necessidade de reformulação

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 Elaborado Por: Ministério das Finanças Ministério da Planificação e Desenvolvimento Banco de Moçambique

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO 78 BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 Guilherme Fernandes de Souza RESUMO Com o objetivo de conhecer o desempenho brasileiro no que se refere ao Balanço de Pagamentos, esse artigo analisa

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Informação Portugal, 21 de sto de 28 Investimento Directo de Portugal

Leia mais

II.2.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.2.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Cabo Verde Capítulo II II.2.1. Síntese Como pequena economia aberta numa envolvente cada vez mais globalizada e competitiva, Cabo Verde é muito condicionado pela conjuntura externa, tendo também em conta

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003... 9

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Setor externo estatísticas do comércio exterior

Setor externo estatísticas do comércio exterior Setor externo estatísticas do comércio exterior O comércio é mutuamente benéfico. Duas pessoas não trocam bens e serviços a não ser que ambas esperem obter um benefício. No nosso dia a dia dependemos de

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

6 - Balanço de Pagamentos

6 - Balanço de Pagamentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-2215 - Contabilidade Social Balanço de Pagamentos Estrutura da apresentação 1) Definição

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

5.4 Balanço Patrimonial

5.4 Balanço Patrimonial IV - Quociente Financeiro de Execução Os números demonstram, nos três períodos, superávit orçamentário e financeiro, considerando-se também para as despesas em regime de caixa. V - Saldos Financeiros Os

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

Circuito Económico e Contabilidade Nacional

Circuito Económico e Contabilidade Nacional Circuito Económico e Contabilidade Nacional Visão das actividades económicas em termos de circuito. Relacionamento dos agentes pelas operações: - relacionamento em termos de equilíbrio ou, - desequilíbrio.

Leia mais

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O E O R Ç A M E N T O 2 9 2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2015 3 0 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI 18º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI Cenário econômico atual e perspectivas para nosso país Henrique Meirelles 16 de Outubro, 2013 1 Agenda Introdução

Leia mais

DIRECTIVA Nº 3/DSB/98

DIRECTIVA Nº 3/DSB/98 DIRECTIVA Nº 3/DSB/98 ASSUNTO: Plano de Contas Sucursais de Bancos Angolanos no Exterior Considerando a necessidade de uniformizar os procedimentos contabilísticos dos Bancos Angolanos com sucursais no

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900 ANÁLISE DO ORÇAMENTO: RECEITA E DESPESA O orçamento para 2014 volta a ser mais contido que o anterior, situando-se em 24.809.900, ou seja menos 4,3% que o de 2013. Como se verá mais à frente, o plano de

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS Antony P. Mueller*) antonymueller@gmail.com THE CONTINENTAL ECONOMICS INSTITUTE STUDY PAPERS SERIES 2011/1 www.continentaleconomics.com I. Balanço dos Pagamentos - Estrutura

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Teoria Macroeconômica I

Teoria Macroeconômica I Teoria Macroeconômica I Prof. Anderson Litaiff Prof. Salomão Neves Teoria Macroeconômica I - Prof. Anderson Litaiff/ Prof. Salomão Neves 1 2 Conteúdo Programático 2ª Avaliação Noções básicas de macroeconomia

Leia mais

Conselho Fiscal do Clube dos Galitos

Conselho Fiscal do Clube dos Galitos Conselho Fiscal do Clube dos Galitos Parecer do Conselho Fiscal sobre as Contas do Clube dos Galitos relativas ao exercício económico de 2014 1. Introdução O presente parecer do Conselho Fiscal do Clube

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais