Integração da Infraestrutura de Pós Negociação AVALIAÇÃO DE IMPACTOS Fevereiro de 2013 versão 2.1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integração da Infraestrutura de Pós Negociação AVALIAÇÃO DE IMPACTOS Fevereiro de 2013 versão 2.1"

Transcrição

1 Integração da Infraestrutura de Pós Negociação Fevereiro de 2013 versão 2.1 A IMPLANTAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS DA BM&FBOVESPA E DO NOVO SISTEMA DE RISCO CORE (CLOSEOUT RISK EVALUATION) DEPENDE DE PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DOS ÓRGÃOS REGULADORES

2 ÍNDICE Parte I - Introdução Projeto IPN - Resumo executivo e contextualização Objetivos deste documento Entendimento deste documento Atualizações deste documento Recomendações Gerais e Limitações de uso Contatos e Dúvidas... 8 Parte II - Detalhamento de Impactos Câmara de Derivativos... 9 Principais impactos para os Participantes da Câmara de Derivativos Parte III - Detalhamento de impactos Câmara de Ações e Renda Fixa Privada Principais impactos para os Participantes da Câmara de Ações e Renda Fixa Privada Parte IV - Impactos em Mensageria Mensageria Padrão ISO Controle de Alterações Quadro de Alterações Versão /2/2013 2

3 PARTE I - INTRODUÇÃO Versão /2/2013 3

4 1.1 PROJETO IPN - RESUMO EXECUTIVO E CONTEXTUALIZAÇÃO Projeto IPN - Integração de Pós Negociação O projeto de Integração da Infraestrutura de Pós Negociação (IPN) tem como objetivo o desenvolvimento e implantação de uma Nova Câmara Integrada a partir da unificação da infraestrutura das quatro Câmaras que atualmente compõem o ambiente BM&FBOVESPA: Derivativos, Ações e Renda Fixa Privada, Câmbio e Ativos. O desenvolvimento desta iniciativa responde às necessidades e demandas do mercado financeiro para o contínuo aperfeiçoamento do Sistema Financeiro Nacional e trará, no curto, médio e longo prazos, importantes benefícios aos seus participantes, destacando-se: (i) maior eficiência de capital, (ii) redução de riscos, (iii) aumento da eficiência operacional, (iv) maior agilidade e flexibilidade para lançamento de novos produtos e (v) informações em tempo real. Observação: Veja também o documento Integração da Infraestrutura de Pós Negociação. Impactos e Impactados As principais mudanças previstas pelo projeto ocorrerão nos sistemas e processos de Pós Negociação das quatro Câmaras e no modelo de cálculo de risco e provocarão impactos, de maior ou menor grau, em todos os participantes que interagem direta ou indiretamente com alguma das Câmaras. Especificamente, os impactos terão reflexos em todas as instituições que compõem a cadeia de participantes da BM&FBOVESPA: a. Negociação b. Participantes com Liquidação Direta (PLDs) c. Compensação d. Membros de Compensação e. f. Agente de Custódia e g. Banco Liquidante. Concluída a integração, haverá uma única Câmara composta por uma única estrutura de participantes, um único conjunto de processos operacionais e de regras, uma única janela de liquidação e um único sistema de administração de risco e garantias. Dentre os processos de Pós Negociação impactados destacam-se (i) Administração de Riscos, (ii) Cadastro de Participantes, (iii) Captura, Alocação e Repasse de Operações, (iv) Controle de Posições, (v) Administração de Colaterais, (vi) Liquidação, entre outros. Versão /2/2013 4

5 Faseamento da Implantação Em função da abrangência do projeto, a implantação ocorrerá em quatro fases, em que cada fase corresponderá à integração e implantação de uma das quatro Câmaras. Na primeira fase, prevista para ocorrer de setembro de 2012 a dezembro de 2013, o foco será a Câmara de Derivativos. A integração/implantação das demais Câmaras (Ações e Renda Fixa Privada, Câmbio e Ativos) ocorrerá de forma escalonada após conclusão e estabilização desta primeira fase. Informações preparatórias para o desenvolvimento do projeto Visando a orientação e preparação das instituições para o desenvolvimento do projeto, a BM&FBOVESPA disponibilizará um conjunto de documentos que, complementados por este (Avaliação de Impactos Câmara de Derivativos), compõe o conjunto de informações necessárias ao entendimento do projeto e seus impactos pelos participantes. A distribuição destas informações obedecerá à mesma lógica de faseamento da implantação: em um primeiro momento serão priorizadas e disponibilizadas as informações que permitam o entendimento das mudanças para a Fase I (Integração da Câmara de Derivativos) com uma visão estrutural e macro das mudanças da Fase II (Renda Variável). Para as demais fases (inclusive a visão mais detalhada de Renda Variável, além de Câmbio e Ativos) as informações serão disponibilizadas após conclusão desta primeira. É importante ressaltar que o foco desta versão do documento será a Câmara de Derivativos que será a primeira a ser implantada. Este documento está direcionado à apresentação dos principais impactos nos processos e sistemas de Pós Negociação da Câmara de Derivativos (Fase I) cuja leitura, complementar à leitura dos demais documentos divulgados pela BM&FBOVESPA (vide lista abaixo), será imprescindível e contribuirá significativamente para desenvolvimento do projeto nas instituições. Documentos para leitura obrigatória: Integração da Infraestrutura de Pós Negociação Avaliação de Impactos Câmara de Derivativos Os documentos estão disponíveis em Envolvimento das Instituições Os impactos decorrentes da implantação deste projeto abrangem questões relacionadas à tecnologia (sistemas e infraestrutura tecnológica), operações e negócios. Portanto, as ações de entendimento, avaliação de impactos, desenvolvimento e implantação deste projeto nos ambientes internos das instituições tornam imprescindíveis o envolvimento de especialistas em cada uma dessas áreas de impacto. Versão /2/2013 5

6 1.2 OBJETIVOS DESTE DOCUMENTO Este documento tem como objetivo apresentar de forma detalhada quais são as principais mudanças, os principais impactos e os principais benefícios das alterações a serem realizadas nos processos e sistemas de Pós Negociação da atual Câmara de Derivativos com a implantação do projeto IPN, especificamente este documento visa: Contribuir para o entendimento das mudanças e impactos pelas instituições; Apresentar a lista de processos e subprocessos impactados; Apresentar as mudanças em cada um dos processos e subprocessos; Apresentar de forma sintética os benefícios para cada um dos processos e subprocessos; Apresentar os impactos para cada tipo de participantes da Câmara de Derivativos; Apresentar de forma sintética e preliminar os impactos para cada tipo de participante da Câmara de Ações e Renda Fixa Privada. Observação importante: As informações relacionadas aos impactos para a Câmara de Ações e Renda Fixa Privada não são imprescindíveis para este momento do projeto (Fase 1). No entanto, optamos por apresentá-las de forma sintética e preliminar para que as instituições tenham uma visão ampliada e possam se antecipar a alterações em sistemas que envolvam conjuntamente as Câmaras de Derivativos e Ações e Renda Fixa Privada. 1.3 ENTENDIMENTO DESTE DOCUMENTO Este documento foi organizado de forma a facilitar a identificação dos impactos por cada tipo de participante que interage direta ou indiretamente com alguma das Câmaras que compõem o ambiente BM&FBOVESPA. Para isto foi dividido em quatro partes onde a parte I é dedicada a uma explanação geral e executiva do projeto IPN e, cuja leitura é indicada a todos os que serão envolvidos ou impactados pelo desenvolvimento e implantação do projeto. As partes II e III contêm tabelas onde são apresentados os detalhamentos das alterações de processos, seus benefícios e os impactos específicos para cada tipo de participante das câmaras de derivativos e de ações. Os envolvidos com o desenvolvimento e implantação do projeto devem se aprofundar na leitura das tabelas e no entendimento dos impactos que estejam relacionadas aos tipos de participantes existentes em sua instituição. Os seguintes campos compõem as tabelas de impactos: Título do Campo Descrição do conteúdo 1 Processo e/ou itens de mudança Apresenta o título do processo ou do item que sofrerá alguma mudança. Também apresenta uma descrição sintética para facilitar a identificação do processo pelos participantes. 2 Processo atual (antes da implantação do IPN) Apresenta uma síntese das principais atividades que compõem processo como é hoje. São apresentadas apenas as atividades que Versão /2/2013 6

7 sofrerão alguma mudança. 3 Principais Benefícios 4 Impactos para os participantes da Câmara de Derivativos: Negociação PN Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC). 4 Impactos para os participantes da Câmara de Ações: Negociação PN Compensação do Custodiante Compensação Apresenta uma relação dos principais benefícios que poderão ser obtidos pelos participantes após a implementação das mudanças. Apresenta os principais impactos para os diferentes tipos de participantes que interagem com a Câmara de Derivativos. A descrição destes impactos servirá de base para que os participantes possam avaliar as ações necessárias à sua preparação para a implantação. Apresenta os principais impactos para os diferentes tipos de participantes que interagem com a Câmara de Derivativos. A descrição destes impactos servirá de base para que os participantes possam avaliar as ações necessárias à sua preparação para a implantação. 1.4 ATUALIZAÇÕES DESTE DOCUMENTO Este documento será complementado e atualizado na medida da evolução do projeto sempre que houver a necessidade de informar novos impactos e complementar e/ou detalhar impactos já identificados. Novas versões serão divulgadas através de comunicado aos representantes das instituições que estejam cadastrados na BM&FBOVESPA. Também serão disponibilizadas na página da internet da BM&FBOVESPA no endereço: Todas as instituições poderão contribuir para o aprimoramento deste documento através do envio de dúvidas e sugestões para o Este foi criado exclusivamente para a troca de informações entre o mercado e a BM&FBOVESPA sobre o projeto IPN. Informações recebidas neste que não tenham relação com este projeto serão automaticamente desconsideradas. Os interessados em enviar contribuições ou dúvidas sobre este documento deverão enviar obedecendo aos padrões estabelecidos nos tópicos a seguir. 1.5 RECOMENDAÇÕES GERAIS E LIMITAÇÕES DE USO Este documento contém exclusivamente uma compilação dos impactos identificados pela BM&BOVESPA nos seus processos e sistemas que interagem, em maior ou menor grau, com os processos e sistemas das instituições usuárias dos ambientes de Pós Negociação das Câmaras que compõem o ambiente BM&FBOVESPA. Não é escopo deste documento a apresentação de impactos específicos a cada instituição, portanto, a BM&FBOVESPA recomenda que cada instituição promova, a partir deste documento, mas não se limitando a ele, a realização de ações que visem a identificação de impactos em seus processos, Versão /2/2013 7

8 sistemas e negócios. Em especial, recomendamos a avaliação de possíveis processos e sistemas que se utilizam de dados gerados a partir dos sistemas e bases de dados da BM&FBOVESPA. Não são de responsabilidade da BM&FBOVESPA as adequações promovidas pelas instituições em seus sistemas e processos internos. 1.6 CONTATOS E DÚVIDAS Os interessados em enviar contribuições ou dúvidas deverão enviar obedecendo aos padrões estabelecidos abaixo: Padrão de para envio de dúvidas e sugestões 1. No campo Assunto deverá constar: Projeto IPN Documento de Avaliação de Impactos 2. Para efeito de identificação de origem, o corpo do deverá conter as seguintes informações: Razão Social da Instituição; Nome do Contato; Telefone do Contato; Área na instituição; do contato 3. Para o claro entendimento da dúvida e/ou sugestão, o corpo do deverá conter as seguintes informações:, tópico e página deste documento a que o se refere; Descrição da dúvida e/ou sugestão Independentemente de sua origem, as respostas às dúvidas serão disponibilizadas a todas as instituições, através de um FAQ (Frequently Asked Question), no site sem a divulgação do originador da dúvida. As sugestões serão submetidas à equipe técnica da BM&FBOVESPA que as avaliará e, uma vez consideradas válidas e aplicáveis, serão incorporadas ao documento e disponibilizadas quando da divulgação de uma nova versão. Versão /2/2013 8

9 PARTE II - DETALHAMENTO DE IMPACTOS CÂMARA DE DERIVATIVOS Versão /2/2013 9

10 Principais impactos para os Participantes da Câmara de Derivativos. IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) Os processos e impactos descritos nos itens 1 a 5 referem-se às mudanças apresentadas no documento Integração da Infraestrutura de Pós Negociação nos tópicos Estrutura de Participantes e Cadastro de Participantes e Clientes. 1 CADASTRO DE CONTAS - Forma de Cadastro Processo por meio do qual os participantes cadastram os seus clientes na BM&FBOVESPA, tanto no segmento BM&F quanto no segmento Bovespa. Inclusão, consulta, alteração e inativação da conta por meio do sistema CP (Cadastro de Participantes); Realiza inclusão de conta através de arquivo CPL (Carga de Contas em Lote) formato XML; Consulta de contas por meio de arquivo denominado "contas.dta" em formato.txt; Contas desativadas são excluídas e podem ser reaproveitadas por outro titular. Renda Inclusão, consulta, alteração e inativação da conta por meio do sistema CIN (Cadastro de Investidores); Realiza inclusão, manutenção e consulta por meio de três arquivos, sendo: a. Inclusão e manutenção - arquivo CCIN b. Consulta período especifico - arquivo GCIN c. Consulta dia - arquivo Nas Câmaras Derivativos e Ações e Nova Tela para inclusão, consulta, alteração, inativação e reativação de contas por meio do Sistema SINCAD; A inclusão, alteração, consulta, inativação e reativação também poderão ser realizados através de arquivos específicos para inclusão, manutenção (alteração, inativação e reativação) e consulta. Para incluir uma conta será obrigatório escolher e informar um código de conta gerido pelo próprio participante. Contas desativadas serão mantidas e não poderá mais haver o reaproveitamento de código por outro titular. PARA USUÁRIOS SINACOR Não há impacto. O Sinacor será adaptado para atender as novas regras. Necessidade de avaliar impactos nos sistemas que eventualmente consomem bases de dados do Sinacor e implementar os ajustes necessários. PARA NÃO USUÁRIOS DO Adaptação opcional dos processos e sistemas internos para o uso de arquivos no novo padrão. Adaptação dos processos e sistemas internos para os usuários do arquivo de Inclusão e Consulta. PARA USUÁRIOS SINACOR Não há impacto. O Sinacor será adaptado para atender as novas regras. Necessidade de avaliar impactos nos sistemas que eventualmente consomem bases de dados do Sinacor e implementar os ajustes necessários. PARA NÃO USUÁRIOS DO Adaptação opcional dos processos e sistemas internos para o uso de arquivos no novo padrão. Adaptação dos processos e sistemas internos para os usuários do arquivo de Inclusão e Consulta. Não se aplica. Versão /2/

11 IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) PCIN Principais benefícios: Unificação das estruturas de contas do cadastro de investidores, proporcionando aos participantes aumento da eficiência operacional, redução de custo e mitigação de risco operacional. Possibilidade de automação para processos relativos a Câmara de Derivativos. Possiblidade de reativação de contas (Câmara de Derivativos). 3 CADASTRO DE INVESTIDORES - CONTAS - Tipos de Contas Refere-se às tipologias de contas que são utilizadas no ambiente BM&F e no ambiente Bovespa. Tipologia baseada em número da conta. Tipos de contas existentes: a. Conta Normal b. Conta Erro c. Conta Máster d. Conta Desdobro e. Conta Zero f. Conta Investimento Renda Tipologia baseada em número da conta Tipos de contas existentes: a. Conta Normal b. Conta Erro c. Conta Erro Operacional d. Conta Máster e. Conta Investimento f. ContaAdminCon g. Conta Restrição h. Conta Intermediária Na Câmara de Derivativos Os tipos de contas passam a ser reconhecidos por um atributo da conta. Contas mantidas: Conta Normal Conta Máster Contas excluídas: Conta Desdobro Conta Zero Conta Investimento Contas alteradas: Conta Erro - passa a se subdividir em (a) Conta Erro e (b) Conta Erro Operacional Novas contas: Conta Brokeragem Conta para Restrição (para ouro disponível) Renda Tipologia baseada em atributo da conta. NÃO SINACOR Adaptação dos processos internos para atendimento à nova tipologia de contas. NÃO SINACOR Adaptação dos processos internos para atendimento à nova tipologia de contas Não se aplica Contas mantidas: Versão /2/

12 IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) Conta Normal Conta Máster Conta Erro Conta Erro Operacional Conta para Restrição Conta AdminCon Conta Intermediária Contas excluídas: Conta Investimento Novas contas: Conta Brokeragem Tipologia de contas mais adequado ao modelo de negócios dos participantes e às novas funcionalidades do modelo unificado de Câmaras. 4 CADASTRO DE INVESTIDORES - CONTAS - Tipos de vínculos entre Contas Refere-se aos vínculos que são estabelecidos entre as contas de clientes dos participantes de negociação e PLDs, em uma ou mais instituições, tais como: vínculo de PLD no ambiente BM&F, vínculo de Cliente Qualificado e conta por conta no ambiente Bovespa, Tipos atuais de vínculo: PLD Repasse (3 tipos) Consolidação de margem Exercício de opções Por conta e ordem Conta máster Renda Tipos atuais de vínculo: Custodiante do Cliente Qualificado Por conta e ordem Conta máster Vínculos mantidos: Consolidação de margem Por conta e ordem Conta máster Exercício de Opções Vínculos alterados: Vínculos PLD e Repasse (3 tipos) serão unificados em um único tipo de vínculo de repasse Vínculos novos: Vínculo de custodiante opcional (ouro) Vinculo do custodiante mandatório (para participante que não é Agente de Custódia, ouro) Renda NÃO USUÁRIOS SINACOR Adaptação dos processos internos para atendimento aos novos tipos de vínculos. NÃO USUÁRIOS SINACOR Adaptação dos processos internos para atendimento aos novos tipos de vínculos. Membro de ixa de realizar a qualificação de clientes sendo transferida a responsabilidade pelo cadastro de vínculo de repasse à figura do PLD ou PN. Versão /2/

13 IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) entre outros. Vínculos mantidos: Por conta e ordem (mudança na forma de vincular as contas); Conta máster Vínculos alterados: Vinculo do passa a ser o vínculo de repasse (entre PN e PLD) Vínculos novos: Vínculo de custodiante opcional Vinculo do custodiante mandatório (para participante que não é Agente de Custódia) Consolidação de margem Exercício de opções: atualmente, o exercício é sempre feito onde se abriu a posição, sem vínculo entre contas. Vínculo de repasse (brokerage ou contas de clientes) Principais benefícios: Unificação das estruturas de contas e seus vínculos, proporcionando aumento da eficiência operacional, redução de custo e mitigação de risco operacional aos Participantes. Possibilidade de definir uma conta única para cálculo de risco para um determinado grupo de contas do cliente sob um Participante de Negociação ou Participante de Liquidação Direta. Possibilidade de estabelecimento de vínculo de repasse de operações para os mercados de ações. Possibilidade do participante de negociação que atua por conta e ordem nos mercados do ambiente BM&F realizar por conta própria o cadastramento de seus clientes. Possibilidade de estabelecimento de vínculo entre contas via tela ou automações via arquivos ou mensagem. Versão /2/

14 IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) 5 CADASTRO DE VÍNCULOS Forma de Cadastro Processo através do qual os participantes cadastram os vínculos entre contas. Na Câmara Derivativos: 1. Vínculo "Consolidação de margem" Solicitação gerada pelo participante. Cadastro do vinculo realizado pela BM&FBOVESPA. 2. Vínculo "por conta e ordem" O Participante de Negociação cadastra a conta e indica um código (mascara) gerado pela BM&FBOVESPA para identificar o cliente. 3. Conta máster Participante cadastra o vinculo que pode entrar ativo ou depender de aprovação BM&FBOVESPA. 4. Vínculo de PLD Solicitação gerada pelo participante (PLD). Cadastro do vinculo realizado pela BM&FBOVESPA. A BM&FBOVESPA confirma o cadastro. 5. Vínculo de Repasse O participante Origem cadastra o vínculo. O participante Destino aprova. 6. Exercício de opções: Solicitação gerada pelo participante (PLD). Cadastro do vinculo Na Câmara Derivativos: 1. Vínculo "Consolidação de margem" Cadastro do vinculo realizado pelo próprio participante. 2. Vínculo "por conta e ordem" O Participante de Negociação cadastra a conta em nome do Intermediário Por Conta e o vínculo com a conta informada pelo Intermediário. 3. Conta máster Processo não muda 4. Vínculo de PLD Vínculo de PLD passa a ser um vinculo de repasse. 5. Vínculo de Repasse O Participante Destino cadastra o vínculo. O Participante Origem aprova. 6. Exercício de opções: Cadastro do vinculo realizado pelo próprio participante (PLD). Novos Vínculos 7. Vinculo do custodiante mandatório Cadastro do vinculo realizado pelo próprio participante. 8. Vínculo de custodiante opcional Cadastro do vinculo realizado pelo próprio participante. NÃO USUÁRIOS SINACOR Adaptação dos processos internos para incorporação das mudanças. PARA Necessidade de avaliar impactos nos sistemas que eventualmente consomem bases de dados do Sinacor e implementar os ajustes necessários. PARA NÃO USUÁRIOS DO Adaptação opcional dos processos e sistemas internos para o uso de arquivos no novo padrão. NÃO USUÁRIOS SINACOR Adaptação dos processos internos para incorporação das mudanças. PARA Necessidade de avaliar impactos nos sistemas que eventualmente consomem bases de dados do Sinacor e implementar os ajustes necessários. PARA NÃO USUÁRIOS DO Adaptação opcional dos processos e sistemas internos para o uso de arquivos no novo padrão. Não se aplica Versão /2/

15 IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) realizado pela BM&FBOVESPA. A BM&FBOVESPA confirma o cadastro. Para todos os vínculos cadastrados pelo participante haverá a possibilidade de utilização de arquivo. Renda Renda 1. Vínculo "por conta e ordem" O Participante de Negociação cadastra a conta do Intermediário por Conta e o vínculo. 2. Conta máster Participante cadastra o vinculo que pode entrar ativo ou depender de aprovação BM&FBOVESPA. 3. Vínculo O Agente de Compensação qualifica a conta do cliente. 4. Vínculo Custodiante do Ao realizar a qualificação o Agente de Compensação indica o Custodiante. 1. Vínculo "por conta e ordem" Processo não muda. 2. Conta máster Processo não muda. 3. Vínculo Passa a ser considerado Vínculo de Repasse Novos Vínculos 4. Vínculo "Consolidação de margem" Cadastro do vinculo realizado pelo próprio participante. 5. Exercício de opções: Cadastro do vinculo realizado pelo próprio participante (PLD). 6. Vínculo de custodiante opcional. Cadastro do vinculo realizado pelo próprio participante. 7. Vinculo do custodiante mandatório Cadastro do vinculo realizado pelo próprio participante. 8. Vínculo de Repasse O participante Destino cadastra o vínculo O Participante Origem aprova. Versão /2/

16 IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) Para todos os vínculos cadastrados pelo participante haverá a possibilidade de utilização de arquivo. Principais benefícios: Automação de processos pelos Participantes em razão da ampliação da troca de arquivos. Unificação das estruturas de vínculos, proporcionando aumento da eficiência operacional, redução de custo e mitigação de risco operacional aos Participantes. Possibilidade de estabelecimento de vínculo de repasse de operações para os mercados de ações. Possibilidade de estabelecimento de vínculo por meio de automações via arquivo. Os processos e impactos descritos nos itens 6 e 7 referem-se às mudanças apresentadas no documento Integração da Infraestrutura de Pós Negociação no tópico Modelo de Liquidação Captura de Negócios 6 ACEITAÇÃO - Informar negócios capturados Refere-se ao processo por meio do qual o participante é informado sobre as operações realizadas. Os negócios capturados são informados aos participantes por meio de (i) XML negócio a negócio, (ii) arquivos RNEG REAL e (iii) mensageiro (HTTP) No mesmo XML são tratados distintos eventos de negócio Renda O Sistema de Negociação envia sinal STM aos participantes. Nas Câmaras Derivativos e Ações e Mensagem padrão ISO sobre mensageiro SMP Nova mensagem padrão ISO para negócios realizados e cancelados no ambiente de negociação. NÃO USUÁRIOS SINACOR Adaptação dos processos internos para incorporação das mudanças, especialmente se houver o consumo de informação diretamente do XML de negócio a negócio PARA NÃO USUÁRIOS DO Mudança no mensageiro / NÃO USUÁRIOS SINACOR Adaptação dos processos internos para incorporação das mudanças, especialmente se houver o consumo de informação diretamente do XML de negócio a negócio. PARA NÃO USUÁRIOS DO Mudança no mensageiro / Não se aplica Versão /2/

17 IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) Arquivo NEGR utilizado para contingência/conciliação Somente negócios realizados. Simplificação do processo de recebimento da informação. monitoramento de filas Alteração dos sistemas proprietários dado que as mensagens são apenas de negócios realizados Deverá passar a reconhecer a mensagem padrão ISO. monitoramento de filas Alteração dos sistemas proprietários dado que as mensagens são apenas de negócios realizados Deverá passar a reconhecer a mensagem padrão ISO. 7 ACEITAÇÃO - Captura de negócios não alocados Refere-se ao processo de captura de negócio do ambiente do negociação sem conta identificada ou com conta inválida. O negócio fica sem alocação. Renda Até 31/jan/2013 o Negócio era capturado na conta Erro do Participante de Negociação. A partir de 1/fev/2013, por conta da implantação dos controles da ICVM 505, o Negócio é capturado sem conta alocada caso o mesmo não tenha sido especificado no ambiente de negociação. Nas Câmaras Derivativos e Ações e Caso a conta informada esteja inválida, o Negócio é capturado na conta erro do participante de negociação. Caso a conta não seja informada no ambiente de Negociação, o Negócio é capturado na conta específica para negócios não alocados do participante de negociação (código ). NÃO USUÁRIOS SINACOR Adaptação dos processos internos para incorporação das mudanças Não existirão negócios sem conta alocada. Não se aplica. Não se aplica. Processo mais adequado ao modelo de negócios dos participantes. Os processos e impactos descritos nos itens 8 a 15 referem-se às mudanças apresentadas no documento Integração da Infraestrutura de Pós Negociação no tópico Modelo de Liquidação - Alocação de Negócios 8 ALOCAÇÃO - Formas de alocação e consultas - Mensagens, telas e arquivos Refere-se ao processo de alocação (especificação) dos Tela do sistema EC (Especificação de comitentes), XML via http e arquivo ArqEspec. Renda Tela ACOnet, mensagem XML SPB e arquivo IESC. Nas Câmaras Derivativos e Ações e Novo arquivo e mensagem padrão ISO e nova tela. PARA Não há impacto. O Sinacor será adaptado para a recepção da nova mensagem padrão ISO. PARA NÃO USUÁRIOS DO PARA Não há impacto. O Sinacor será adaptado para a recepção da nova mensagem padrão ISO. PARA NÃO USUÁRIOS DO Não se aplica. Versão /2/

18 IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) comitentes de cada uma das operações realizadas nos ambientes BM&F e Bovespa. Principais benefícios: Aumento da eficiência operacional decorrente da harmonização de processos entre ambientes BM&F e Bovespa, mantendo as atuais grades e horários para alocação definidas para cada mercado. Consolidação de procedimentos, interfaces e informações. Mudança do padrão de comunicação. Será necessário reconhecer o novo protocolo e o novo layout de mensagem. Mudança do padrão de comunicação. Será necessário reconhecer o novo protocolo e o novo layout de mensagem. 9 ALOCAÇÃO - Controle por número de alocação Refere-se aos mecanismos de controle dos participantes sobre as alocações (especificações) realizadas. Controle por número de negócio (existe uma informação de número de alocação somente na tela). Renda Controle por número de negócio. Nas Câmaras Derivativos e Ações e Controle por número de alocação, sem perda de rastreabilidade do número de negócio (o qual constará na própria mensagem). Isto vale para alocação, aceitação e rejeição de repasse. O participante poderá também gerar um identificador próprio para controlar as respostas das alocações realizadas. Processo necessário à viabilização de algumas funcionalidades que serão implantadas. NÃO Adaptação dos processos internos para incorporação das mudanças. Um novo conceito que utiliza de maneira mais intensa o novo número de alocação individual passará a ser utilizado como identificador. PARA NÃO USUÁRIOS DO Necessário controle de alocações baseado no novo identificador. NÃO Adaptação dos processos internos para incorporação das mudanças. Um novo conceito que utiliza de maneira mais intensa o novo número de alocação individual passará a ser utilizado como identificador. PARA NÃO USUÁRIOS DO Necessário controle de alocações baseado no novo identificador. Não se aplica. 10 ALOCAÇÃO - Regras de alocação parciais Refere-se ao processo de alocação (especificação) parcial de um negócio para determinado(s) investidor(es) e posterior alocação da quantidade remanescente. Incremental - quando da realização de alocação de parte de um negócio, as alocações subsequentes, para este mesmo negócio, serão adicionadas à alocação existente. Renda Sobreposição - quando da alocação de parte de um negócio, as alocações subsequentes, para Nas Câmaras Derivativos e Ações e Incremental, respeitando-se a grade estabelecida para cada tipo de conta. Para contas transitórias (máster, intermediária, brokeragem e admincon) continua não sendo necessária a etapa de exclusão para que se possa incluir uma conta: para alocar o negócio será necessária apenas a etapa de inclusão. Não há impacto. Não há impacto. Não se aplica. Versão /2/

19 IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) este mesmo negócio, sobrepõem a alocação anterior. Harmonização e simplificação (Ações e Renda Fixa Privada) de processos entre os ambientes BM&F e Bovespa. 11 ALOCAÇÃO - Regras de realocação Para realocar um negócio é necessário inicialmente cancelar a alocação que se deseja alterar e incluir a nova alocação. Nas Câmaras Derivativos e Ações e Será necessária uma exclusão e uma inclusão Não há impacto Não há impacto Não se aplica Renda O processo de realocação ocorre via sobreposição (quando da alocação de parte de um negócio, as alocações subsequentes, para este mesmo negócio, sobrepõem a alocação anterior). Harmonização e simplificação (Ações e Renda Fixa Privada) de processos entre os ambientes BM&F e Bovespa. 12 ALOCAÇÃO - Regras de realocação - Solicitação de exclusão Feita por tela no sistema EC (Especificação de Comitentes). Nas Câmaras Derivativos e Ações e Solicitação de exclusão será feita por meio de mensagem padrão ISO NÃO SINACOR Adaptação opcional dos processos e sistemas internos Não há impacto. Não se aplica. Versão /2/

20 IMPACTOS PARA PARTICIPANTES DA CÂMARA DE DERIVATIVOS (antes da implantação do IPN) Participantes com Liquidação Direta (PLD) Membros de Compensação (MC) Meio através do qual ocorre o processo de mudança de uma alocação (especificação) já realizada. Renda Não se aplica. e tela. Harmonização de processos entre os ambientes BM&F e Bovespa. Automação da solicitação de exclusão de uma alocação realizada. para o uso de mensagens padrão ISO. 13 ALOCAÇÃO - Regras de realocação - Resultado da exclusão Refere-se ao status de uma operação cuja alocação foi excluída. Negócio fica sem conta Renda Não se aplica Nas Câmaras Derivativos e Ações e Se a conta original for uma conta normal ou máster, o resultado da exclusão da alocação é a colocação do negócio na conta erro. Se a conta original for uma conta vinculada à conta máster, o resultado da exclusão da alocação é o retorno do negócio para a conta máster. Será necessária uma segunda exclusão, caso o negócio não pertença àquela conta máster. Aumento da eficiência operacional decorrente da harmonização e simplificação de processos entre ambiente BM&F e Bovespa. PARA Não há impacto. O Sinacor será adaptado para atender as novas regras. PARA NÃO USUÁRIOS DO Adaptação de sistemas internos para incorporação do novo processo. Para conta máster podem ser necessários dois passos de exclusão. PARA Não há impacto. O Sinacor será adaptado para atender as novas regras. PARA NÃO USUÁRIOS DO Adaptação de sistemas internos para incorporação do novo processo. Para conta máster podem ser necessários dois passos de exclusão. Não se aplica. 14 ALOCAÇÃO - Direcionamento de custódia - Como realizar o direcionamento (alocação e vínculo) Refere-se ao processo de identificação do custodiante e da conta do cliente sob este custodiante para Não se aplica. Renda Identificação do custodiante e conta de custódia na mensagem, tela ou arquivo de alocação. Para negócios à vista de ouro, identificação do custodiante e conta de custódia na mensagem, tela ou arquivo de alocação OU instrução padrão via vínculo no cadastro (opcional ou mandatória). Renda Identificação do custodiante e conta de custódia na mensagem, Não há impacto, com exceção dos negócios à vista de ouro que poderão utilizar o direcionamento de custódia. Não há impacto, com exceção dos negócios à vista de ouro que poderão utilizar o direcionamento de custódia. Não se aplica. Versão /2/

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Início da Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da 2ª Fase do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos reguladores

Leia mais

Workshop 4 SINACOR Visão Geral

Workshop 4 SINACOR Visão Geral Workshop 4 SINACOR Visão Geral Dezembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos

Leia mais

Workshop 2 Cadastros. Novembro de 2012

Workshop 2 Cadastros. Novembro de 2012 Workshop 2 Cadastros Novembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos reguladores.

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim 5ª Reunião do GT-Testes 7 de Fevereiro de 2013 A implantação do IPN depende de prévia autorização dos órgãos reguladores A implantação da integração das

Leia mais

Guia de Certificação SINCAD para o SINACOR

Guia de Certificação SINCAD para o SINACOR Guia de Certificação SINCAD para o SINACOR Sumário Pré-requisitos... 4 Configurações de Negócio...4 Instituição Financeira...4 Cenário A1.1... 6 Cenário A1.2... 16 Cenário A1.3... 17 Cenário A1.4... 26

Leia mais

Telas de controle de posições e de liquidação

Telas de controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 5 Telas de controle de posições e de liquidação Agosto de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Ausência de padronização e automação na troca de informações entre os diversos participantes do mercado Corretoras de valores e de mercadorias

Leia mais

IPN - Integração da Pós Negociação

IPN - Integração da Pós Negociação IPN - Integração da Pós Negociação IPN Integração da Pós Negociação Manual Operacional da (Fase 1 Derivativos financeiros e de commodities e ouro disponível) Fevereiro / 2014 Índice IPN Integração da Pós

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop Técnico Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos

Leia mais

Código de Erros - Mensageria 20/09/2013

Código de Erros - Mensageria 20/09/2013 Histórico de Versões... 2 Erros Mensageria - SMP (tsmt.016.001.03)... 3 Erros Mensageria - Cadastro de Participantes e Contas... 3 Erros Mensageria - RTC... 11 Erros Mensageria - Tarifação... 20 1 Histórico

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop Técnico SINACOR Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos

Leia mais

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 Workshop Empréstimo de Ativos 31/08/2015 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende

Leia mais

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento.

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento. C A P Í T U L O I I I - C O M P E N S A Ç Ã O E L I Q U I D A Ç Ã O 1. A SPECTOS G ERAIS A CBLC é responsável pela Compensação e Liquidação das Operações com Ativos realizadas nos Sistemas de Negociação

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação 8ª Reunião do GT-Testes 9 de Maio de 2013 Posição sobre as providências acordadas na realizada em 11-abr-2013 Posição sobre as providências acordadas na realizada

Leia mais

IPN - Integração da Pós Negociação

IPN - Integração da Pós Negociação IPN - Integração da Pós Negociação Erros no sistema SINACOR IPN Março/2014 Versão 16.0 Índice 1 Sobre este documento... 3 2 Histórico de alterações... 3 3 Erros... 5 2 1 Sobre este documento Este documento

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO AGENDA AMBIENTE DE PÓS-NEGOCIAÇÃO

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos

Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos 60 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) LIQUIDAÇÃO

Leia mais

IPN - Integração da Pós Negociação

IPN - Integração da Pós Negociação IPN - Integração da Pós Negociação Erros no sistema SINACOR IPN Março/ 2014 Versão 17.0 Índice 1 Sobre este documento... 3 2 Histórico de alterações... 3 3 Erros... 5 2 1 Sobre este documento Este documento

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013 Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Call sobre Processos de Liquidação 10/05/2013 DD/MM/AAAA A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout

Leia mais

Workshop Certificação Fase 6. SINACOR Cadastro de Clientes. Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ):

Workshop Certificação Fase 6. SINACOR Cadastro de Clientes. Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): Workshop Certificação Fase 6 SINACOR Cadastro de Clientes Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO 1 Agenda Alinhamento de

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013 CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

SINCAD - SISTEMA INTEGRADO DE CADASTRO BM&F BOVESPA. Roteiro de Certificação Participante de Negociação Pleno (PNP)

SINCAD - SISTEMA INTEGRADO DE CADASTRO BM&F BOVESPA. Roteiro de Certificação Participante de Negociação Pleno (PNP) 7/4/2010 SINCAD - SISTEMA INTEGRADO DE CADASTRO BM&F BOVESPA Roteiro de Certificação Participante de Negociação Pleno (PNP) Versão: 1.0.1 Última modificação: 20/06/2013 Roteiro de certificação PNP Contato

Leia mais

Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa. Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco

Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa. Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco Setembro/2010 1 AGENDA O que é a conta máster Titulares de conta máster Contas a serem vinculadas

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA 09 de agosto de 2010 030/2010-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA Ref.: Acesso ao Sistema Eletrônico de Negociação Implantação dos Modelos de

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

GPD Gestão de Posições em Derivativos

GPD Gestão de Posições em Derivativos 2010 GPD Gestão de Posições em Derivativos BMF&Bovespa Versão 1.00 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O NOVO SISTEMA... 3 3. Lista de Referência... 5 3.1 Definições... 5 3.1.1 CAB Central de Atendimento BM&FBOVESPA...

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR. Projeto: SINACOR - IPN

Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR. Projeto: SINACOR - IPN Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR Projeto: SINACOR - IPN A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização

Leia mais

Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação

Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação Outubro de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS MCI REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

MANUAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS MCI REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO PRINCIPIOS ÉTICOS E REGRAS DE CONDUTA A CONCÓRDIA, no que tange à sua atuação no Mercado de Valores Mobiliários, toma como base os princípios éticos e regras de conduta a seguir descritos: 1. Pautar suas

Leia mais

Versão: 09/09/2013 Atualizado em: 09/09/2013

Versão: 09/09/2013 Atualizado em: 09/09/2013 Versão: 09/09/2013 Atualizado em: 09/09/2013 Identificação de Comitentes Conteúdo Introdução à Identificação de Comitentes... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos Botões das Telas... 9 Cadastros... 11

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

INICIAL. Guia de Criação da Base Produção Paralela IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS

INICIAL. Guia de Criação da Base Produção Paralela IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS Guia de Criação da Base Produção Paralela INICIAL SEQUENCES, tabelas de BMF e CADASTRO. Atualização de Bancos de Dados. Validações necessárias. IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS OS PROCEDIMENTOS DA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende.

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. Mercado de Renda Variável, os preços estão em constante oscilação. Pela sua liquidez não existe pechincha. A importância

Leia mais

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários m Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 16º andar 04538-132 São Paulo, SP - Brasil Tel. (55 11) 2188-4000 Fax: (55 11) 2188-4074 Merrill Lynch S.A.

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação Índice Introdução Regras e Parâmetros 1 - Cadastro 2 - Regras Quanto ao Recebimento de Ordens 3 - Regras Quanto ao Registro das Ordens de Operações 4 - Regras Quanto a Execução

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL Março 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO 1 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL... 5 CAPÍTULO 2 ÁREAS DE CONHECIMENTO... 6 Operações... 6 Back Office... 6 Compliance... 7 Risco...

Leia mais

Programa IPN Certificação com o Mercado

Programa IPN Certificação com o Mercado Programa IPN Certificação com o Mercado A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos reguladores

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação A Renascença Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda., ora designada Renascença, em atendimento ao disposto no art. 20º, 4º da Instrução nº 505, de 27 de Setembro

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO)

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO) REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO) A PAX CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, - doravante denominada simplesmente Corretora em atendimento ao disposto no art. 6º da Instrução

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA T4F ENTRETENIMENTO S.A.

DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA T4F ENTRETENIMENTO S.A. DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA T4F ENTRETENIMENTO S.A. MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA OFERTA DE VAREJO Performance do Período ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A W SITA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6 da Instrução no 387/03 da CVM, define através

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013 CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A Corretora, em atendimento ao disposto no art 6 da Instrução n 387, de 28 de abril de 2003, da Comissão de Valores

Leia mais

Apresentação dos Resultados do 2T13

Apresentação dos Resultados do 2T13 Apresentação dos Resultados do 2T13 09 de agosto de 2013 Considerações Iniciais Esta apresentação pode conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da administração sobre eventos

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A UMUARAMA S/A C.T.V.M, denominada simplesmente Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação BM&FBOVESPA Versão 7 Máxima CCTVM Data rev: 251114

Regras e Parâmetros de Atuação BM&FBOVESPA Versão 7 Máxima CCTVM Data rev: 251114 Este documento é propriedade do, para uso exclusivo de seus Acionistas, Diretores e Colaboradores. Sua divulgação só é permitida internamente. Este documento, ou qualquer parte dele, não pode ser reproduzido,

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. ( Corretora ), em atenção à Instrução

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O SISTEMA DE CAPTURA, GERENCIAMENTO E DESCONTO DE CHEQUES... 3 3. COMEÇANDO A USAR O SISTEMA...17

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O SISTEMA DE CAPTURA, GERENCIAMENTO E DESCONTO DE CHEQUES... 3 3. COMEÇANDO A USAR O SISTEMA...17 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O SISTEMA DE CAPTURA, GERENCIAMENTO E DESCONTO DE CHEQUES... 3 Onde e Como Obter o Programa de Instalação... 3 Instalando o Sistema de Captura, Gerenciamento e Desconto de

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

GUIA DE UTILIZAÇÃO HOME BROKER V1. 04_2012. Títulos-Objeto. Todas as ações de emissão de empresas admitidas à negociação na BM&FBOVESPA.

GUIA DE UTILIZAÇÃO HOME BROKER V1. 04_2012. Títulos-Objeto. Todas as ações de emissão de empresas admitidas à negociação na BM&FBOVESPA. GUIA DE UTILIZAÇÃO HOME BROKER V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA SECUNDÁRIA DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE AÇÕES (UNITS) ANHANGUERA EDUCACIONAL PARTICIPAÇÕES S.A. MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA OFERTA VAREJO Performance do Período

Leia mais

Taxa de corretagem para Home-Broker. R$ 14,99 por operação + Taxa da Bovespa. *Após a 6ª operação do dia, a corretagem é grátis até o final do pregão

Taxa de corretagem para Home-Broker. R$ 14,99 por operação + Taxa da Bovespa. *Após a 6ª operação do dia, a corretagem é grátis até o final do pregão Custos Operacionais Os resgates solicitados são efetuados através de TED. Para tanto, cada cliente, terá direito a um por semana (gratuitamente), não cumulativo. A partir do segundo, será repassado o custo

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos

Leia mais

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes A Hoya Corretora de Valores e Câmbio Ltda. (doravante denominada HOYA

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

São considerados Sistemas de Negociação os seguintes sistemas eletrônicos da BOVESPA:

São considerados Sistemas de Negociação os seguintes sistemas eletrônicos da BOVESPA: C A P Í T U L O I I - R E G I S T R O E A C E I T A Ç Ã O D E O P E R A Ç Õ E S 1. R EGISTRO DE O PERAÇÕES A CBLC registra Operações realizadas nos Sistemas de Negociação para os quais presta serviço.

Leia mais

1) Consulta da ANBIMA

1) Consulta da ANBIMA Fórum BC SPB Princípios para Infraestruturas de Mercado Padronização da Comunicação Ref: Consulta do BC sobre Subsídios para a Estratégia de Adoção de Padrões de Comunicação Internacionalmente Aceitos

Leia mais

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

As principais funcionalidades do SRTA no arquivo de Direitos Creditórios são:

As principais funcionalidades do SRTA no arquivo de Direitos Creditórios são: Externa 1/23 1 - CONCEITOS BÁSICOS O documento das regras de negócio visa permitir que os usuários do Sistema de Registro de Títulos do Agronegócio tenham um documento padronizado que descreva as regras

Leia mais

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco 02/03/2011 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL

Leia mais

Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Parte A INICIANDO E CONFIGURANDO (5 passos)

Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Parte A INICIANDO E CONFIGURANDO (5 passos) Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Seja bem-vindo(a) ao Simulador de Ações FinanceDesktop. Seu propósito é oferecer um ambiente completo e fácil de usar que permita o registro

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico Soluções em Recebimentos CNAB400/CBR643 Manual Técnico Layout de Arquivo Retorno para convênios na faixa numérica entre 1.000.000 a 9.999.999 (Convênios de 7 posições) Orientações Técnicas Versão Jan/2014

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

REDUÇÃO NA TAXA DE NEGOCIAÇÃO

REDUÇÃO NA TAXA DE NEGOCIAÇÃO índice INTRODUÇÃO 3 REDUÇÃO NA TAXA DE NEGOCIAÇÃO 3 AGENDAMENTOS 4 1 - Agendamento de Compra 2 - Consulta e Edição de Agendamentos de Compras 3 - Reinvestimento Automático 4 Consulta e Edição de Reinvestimentos

Leia mais

CAPÍTULO II - REGISTRO E ACEITAÇÃO DE OPERAÇÕES... 23

CAPÍTULO II - REGISTRO E ACEITAÇÃO DE OPERAÇÕES... 23 GLOSSÁRIO... 9 CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES... 14 1. ASPECTOS GERAIS... 14 1.1. APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS... 14 1.2. CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES POR MERCADO E SISTEMAS

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. A ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. ( ITAÚ CORRETORA ), em consonância com a regulamentação em vigor, estabelece suas regras e parâmetros de

Leia mais

WTr Web Trading BM&F. Manual do Investidor

WTr Web Trading BM&F. Manual do Investidor WTr Web Trading BM&F Manual do Investidor Versão 1.2 13/11/2004 Índice 2.1. Home Page... 6 2.1.1.Objetivo...6 2.1.2. Funcionalidades...7 2.1.2.1. Dados do participante...7 2.1.2.2. Limites...7 2.1.2.3.

Leia mais

Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda.

Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Regras e Parâmetros de Atuação nos Mercados Administrados pela BM&F BOVESPA e nos Mercados de Balcão. CNPJ 60.783.503/0001-02 A Safra Corretora de Valores e Câmbio

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC

Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC 11.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar definições, características, estrutura e aspectos operacionais de liquidação

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop SINACOR Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos

Leia mais

WTr Web Trading BM&F. Manual do Investidor

WTr Web Trading BM&F. Manual do Investidor WTr Web Trading BM&F Manual do Investidor Versão 1.3 15/09/2005 Índice 1. Introdução... 4 2. Funcionalidades... 6 2.1. Home Page... 6 2.1.1.Objetivo...6 2.1.2. Funcionalidades...7 2.1.2.1. Dados do participante...7

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

Instruções de preenchimento. Perfis para os Participantes da Câmara de Ativos. Perfis para os Participantes da Câmara de Câmbio

Instruções de preenchimento. Perfis para os Participantes da Câmara de Ativos. Perfis para os Participantes da Câmara de Câmbio Instruções de preenchimento O participante deve: 1. Assinalar com X o seu perfil (ou perfis) em cada câmara para realização dos testes do Novo Cadastro Selic, sendo que os participantes podem se cadastrar

Leia mais

Empréstimo de Ativos Relatório de Definições de Mensagens

Empréstimo de Ativos Relatório de Definições de Mensagens Relatório de Definições de Mensagens Este documento descreve um conjunto de definições de mensagens desenvolvidas pela BM&FBOVESPA, a serem utilizadas nos processos de inserção de oferta certificada e

Leia mais

MÓDULO CLIENTE 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4

MÓDULO CLIENTE 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4 MÓDULO CLIENTE Conteúdo 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4 2.2 HOME 4 2.3 A VALECARD 5 2.4 PRODUTOS 6 2.5 REDE CREDENCIADA 7 2.6 ROTA 9 2.7 CONTATO 9 3. EMPRESAS 11 3.1. ACESSO

Leia mais

MANUAL MAPX-OP016-2009

MANUAL MAPX-OP016-2009 MANUAL MANUAL DE Público CIP - 2010 OBJETIVO: Este documento tem como objetivo descrever os leiautes dos arquivos utilizados no DDA e as validações realizadas nos campos. A estrutura dos arquivos e o padrão

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio da rede mundial de computadores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

Guia do Usuário ader OEC Tr Conta 18 de Junho de 2008

Guia do Usuário ader OEC Tr Conta 18 de Junho de 2008 Guia do Usuário OEC Trader Conta 18 de Junho de 2008 Página 2 18 de Junho de 2008 Tabela de Conteúdos POSIÇÕES MÉDIAS... 4 Exibir e reorganizar colunas... 6 Definições de Posições de cabeçalho na janela...

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A Mirae Asset Securities (Brasil) Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários Ltda., doravante denominada Mirae ou simplesmente Corretora, em atendimento ao disposto

Leia mais

MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0

MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0 MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0 CONTEXTO O Portal FGI é a ferramenta que serve para a comunicação entre o BNDES FGI e os Agentes Financeiros cotistas e como interface para o processamento operacional da

Leia mais

Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br

Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br Bem-vindo aos artigos do Finança Pessoal. Nesse primeiro artigo vamos esclarecer as informações sobre os Clubes de Investimentos e vamos fazer um passo-a-passo de como montar um clube. Esse artigo é uma

Leia mais

1. A SPECTOS GERAIS 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS

1. A SPECTOS GERAIS 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS C A P Í T U L O I - C A D A S T R O D E P A R T I C I P A N T E S E I N V E S T I D O R E S 1. A SPECTOS GERAIS A CBLC administra dois sistemas de cadastro: o Sistema de Cadastro de Participantes e o Sistema

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O presente contrato estabelece os termos e condições para o uso do cliente ( USUÁRIO ) nº,nome,rg,cpf da UM INVESTIMENTOS S.A CTVM ( Um Investimentos ), inscrita no CNPJ

Leia mais

3 Passos para ser Rico

3 Passos para ser Rico 3 Passos para ser Rico Antes de tudo, acesse nosso site e inicie seu cadastro: www.equipetrader.com.br 1. Ficha cadastral 2. Comprovante de endereço 3. Documento comprobatório 1 - FICHA CADASTRAL Imprima

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002

INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio

Leia mais

REGULAMENTO TESOURO DIRETO

REGULAMENTO TESOURO DIRETO REGULAMENTO TESOURO DIRETO Brasília Março/2015 Página 1 Glossário 4 1. Capítulo I - Regras Gerais 7 2. Capítulo II-Procedimentos Operacionais 7 2.1. Cadastro 7 2.1.1. Aspectos gerais 7 2.1.2. Cadastro

Leia mais

TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849

TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849 1 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BOVESPA TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849 ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. nº 4-3 com sede no Município de São

Leia mais