Quem é o agente de crédito - PAPEL do

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quem é o agente de crédito - PAPEL do"

Transcrição

1 Quem é o agente de crédito - PAPEL do agente NO sistema do microcrédito 6 Evanda E. Burtet Kwitko O PAPEL do agente de microcrédito é importante para garantir as atividades locais da instituição/programa de microcrédito. No EXErcício de suas funções, ELE constrói o ELO com a unidade econômica familiar. A presença constante na comunidade e o contato direto com o cliente faz do agente um representante local da instituição/programa. A proximidade com os clientes e seus familiares propicia a ele o conhecimento em profundidade das necessidades, dificuldades, aspirações do público-alvo e da comunidade como um todo, informações essas indispensáveis para que mantenha a qualidade da sua carteira de crédito e a sustentabilidade de seu trabalho. Além disso, possibilita que a instituição avalie a adequação de seus produtos e de suas práticas e adote medidas que garantam a efetividade das ações e a maximização dos resultados. Para o cliente, é o agente de microcrédito que estabelece a ligação entre suas demandas e a instituição, no que diz respeito a aspectos operacionais, esclarecimento de dúvidas, aprofundamento de informações e acompanhamento do processo operacional da solicitação de crédito. Por manter contato com o cliente, antes e após a liberação do crédito, ele se constitui, para este, na mais forte referência local da instituição. Como membro atuante na comunidade, cabe-lhe o papel de articulador e desencadeador de ações locais, para conquistar a credibilidade das lideranças e dos membros da comunidade como um todo, para integrar e solidificar a imagem da Instituição de Microfinança (imf)/programa de Microcrédito. No dia a dia, ele aplica os princípios e políticas que fundamentam o microcrédito postura não-assistencialista e não paternalista, respeito ao cliente, valorização de sua atividade econômica, qualidade no atendimento e prática da filosofia ganha-ganha, reforçando a importância do comprometimento mútuo para manter o serviço de crédito no meio urbano ou rural. Assim, são suas atribuições específicas: 6 Quem É o Agente de Microcrédito, palestra proferida por Evanda E. Burtet Kwitko, documentada em vídeo para ser apresentada aos participantes do seminário.

2 Articular com as lideranças comunitárias, sindicais, empresariais e políticas locais para dar visibilidade ao Programa de Microcrédito. Estruturar parcerias com as forças sociais da comunidade cooperativas, sindicatos, associações comunitárias, etc., para aprofundar, fortalecer e multiplicar a atuação da IMF/Programa na comunidade. Conduzir reuniões coletivas de informação e/ou divulgação individual. Atender o cliente, individualmente e/ou em grupo, para esclarecer possíveis dúvidas e detalhar os critérios de concessão de crédito. Receber, avaliar e fazer a triagem das fichas de cadastro e da documentação dos clientes candidatos ao crédito. Preencher as solicitações de crédito e orientar sobre a documentação e os procedimentos necessários. Realizar visitas domiciliares para levantar dados ou acompanhar o crédito. Avaliar socioeconomicamente os empreendimentos. Elaborar parecer técnico. Formalizar o processo e o contrato dos créditos concedidos. Participar do comitê de crédito. Verificar a aplicação do crédito. Realizar o acompanhamento sistemático e continuado de sua carteira de crédito. Cobrar imediatamente os créditos inadimplentes. Apoiar a instituição/programa nas ações de recuperação dos créditos em atraso. Organizar as atividades técnicas e burocráticas inerentes à função. Seu desempenho profissional deve ter como foco a criação de uma imagem de credibilidade e confiança em relação ao crédito e à instituição/programa. Com esse enfoque, o crédito passa a ser visto, pelo cliente, como uma oportunidade de desenvolver ou expandir a sua atividade produtiva e, consequentemente, melhorar a sua qualidade de vida e a de sua família; garantir e gerar trabalho para si e para os outros; potencializar a sua capacidade econômica e da comunidade; valorizar o potencial dos pequenos negócios, reconhecendo que a condição conquistada por seus proprietários é fruto de trabalho idôneo, diuturno e responsável. 2

3 O perfil do agente de microcrédito Para exercer papel tão importante e de tamanha responsabilidade, a instituição precisa contar com pessoas especiais, que apresentem as características especificadas a seguir. Habilidades Facilidade de comunicação - Especialmente pela responsabilidade no esclarecimento de dúvidas, no aprofundamento da divulgação/informação do programa e devido às características da clientela potencial, é indispensável ter boa fluência verbal e utilizar linguagem simples, direta, clara e objetiva. Ter capacidade de ouvir, de perceber as necessidades dos clientes, são ferramentas fundamentais para o sucesso do agente de microcrédito. Enfim, compreender e fazer-se compreender. Capacidade de identificar, aceitar e valorizar a clientela potencial do programa/instituição - Isto é, gente que goste de gente, que reconheça a importância dos pequenos negócios na geração de trabalho e renda para a comunidade e o País; que seja capaz de valorizar o esforço do cliente e de sua família, para viver honestamente, a partir do próprio trabalho, por mais simples que seja. O agente deve manter uma relação de igualdade com o cliente, considerando sua importância para a economia e o desenvolvimento e nunca adotar postura de superioridade. Excelente relação interpessoal - Todas as suas funções estão direcionadas para as pessoas e são realizadas com pessoas, incluindo desde as atividades operacionais, como preparação da agenda, controles e formalização de contratos, até contatos com lideranças, visando à multiplicação de forças para o bom andamento e fortalecimento da instituição/programa na comunidade. A capacidade de identificar pessoas-chave e utilizar instrumentos que potencializem as ações da instituição/programa no local deve ser uma característica marcante desse profissional. Também é importante que tenha a habilidade para estabelecer contatos e mantê-los ao longo do tempo, ou seja, a criação e a manutenção de uma qualitativa rede de apoio. Capacidade de ver sua carteira de crédito como seu negócio - Age com visão empreendedora e empresarial. Administra a sua carteira de crédito como se fosse o seu próprio negócio. Assim, cabe ao agente priorizar suas ações; organizar seu trabalho; buscar qualidade no atendimento; aprofundar seus conhecimentos sobre o cliente e a comunidade; conquistar novos clientes e manter os que já tem; atuar para reduzir riscos; acompanhar sistematicamente sua carteira e tomar medidas para garantir a sanidade da mesma; usar todo o seu potencial e conhecimento para gerir com qualidade o seu trabalho. Requisitos indispensáveis para que o agente de microcrédito tenha bom desempenho na função são a capacidade de planejar, estabelecer metas; ter iniciativa, persistência; buscar informações; manter o comprometimento; gerar redes de apoio e ter visão de mercado. 3

4 Atitudes Dinamismo - Condição fundamental, razão da diversidade de tarefas que precisa executar para bem desempenhar sua função e, principalmente, pela imagem de energia positiva, de otimismo, de batalhador, que precisa transmitir ao cliente, como agente de transformação. Aqui, novamente, o aspecto de servir de exemplo para o cliente é observado. Credibilidade e idoneidade moral - O agente de microcrédito deve ser um modelo positivo para a comunidade em que atua. Pelo fato de representar uma organização/programa que possibilita o acesso ao crédito, produto que tem como um de seus pilares a confiança, deve atuar com transparência, inspirar credibilidade e demonstrar idoneidade moral. Essas são condições indispensáveis para atuar nessa função. Busca constante da qualidade - Como o agente de microcrédito é um exemplo em quem o cliente se espelha, é importante que ele sempre procure o aprimoramento e demonstre vontade de realizações como um valor, procurando agir, constantemente, para obter os melhores resultados com menor custo. Para tanto, é fundamental saber reconhecer e corrigir a fonte de seus erros. Postura ética - O agente de microcrédito é a pessoa a quem o cliente entrega seus documentos, confia informações, com quem esclarece suas dúvidas, enfim, mantém contato mais frequente. Assim sendo, a postura ética evidenciada em suas relações de trabalho define a imagem da instituição para os clientes potenciais na comunidade. Para exercer suas funções, é preciso ter a confiança do cliente, demonstrando que as informações que lhe são repassadas têm caráter de sigilo bancário. Apesar de manter uma postura descontraída e informal, deve ter sempre em mente que a relação entre ambos é comercial, logo, relacionada às questões do negócio, do processo de crédito e das políticas da instituição/programa. Pode até manter relações de caráter pessoal, sem perder de vista que essas não podem interferir no desempenho de suas funções, sob pena de encontrar dificuldade para trabalhar de forma isenta e comprometida com os princípios da instituição/programa. Humildade - Em momento algum, pode assumir atitudes de autopromoção, como se fosse ele quem possibilitasse o acesso ao crédito. Ao contrário, precisa promover, permanentemente, a instituição da qual faz parte, sendo o seu representante. Essa medida qualifica a sua ação e demonstra sua postura profissional e ética. Somado a isso, esse profissional deve ser humilde para reconhecer seus erros, e não agir como se fosse o dono da verdade, mas, sim, olhar para as suas falhas como fonte de aprendizado e fazer as correções de curso, quando for necessário, valorizando o conhecimento, a opinião e as tradições familiares, dos clientes e da comunidade. Integridade - Nas visitas, é comum que os clientes lhe ofereçam presentes geralmente da sua produção ou negócio. Caso os aceite, pode induzir o cliente, e inclusive a si próprio, ao estabelecimento de vínculos prejudiciais a uma relação comercial, com as características inerentes ao crédito, criando 4

5 espaço para favores mútuos ou constrangimento no exercício das funções de cobrança, quando essas, porventura, forem necessárias. Discrição - Por ter acesso a informações pessoais, familiares, da unidade produtiva e/ou de outras famílias da comunidade, transmitidas em caráter de confiança, sua atitude tem de ser a mais discreta possível. Pode utilizar profissionalmente as informações que recebeu, sem comprometer, no entanto, quem as confidenciou e sem expor a privacidade do seu cliente. Abertura para aprendizagem permanente - Mostrar coragem para experimentar, abrir-se para a opinião alheia, aceitá-la e considerar sua retroalimentação, atualizar-se constantemente, ampliar seus conhecimentos, refletindo sobre e analisando o saber trazido pela comunidade, fazem do agente de microcrédito um permanente aprendiz, que não se conforma com o saber adquirido e insiste em sempre aperfeiçoá-lo. Implica, igualmente, reconhecer seus erros como um passo a mais para adquirir informação sobre como atingir o proposto. Essa atitude contém, certamente, um forte elemento de autoobservação e de autocrítica. Atitude de contribuir - Não deve ser confundida com ser servil. Está relacionada ao reconhecimento de um propósito, à identificação com ele e à disposição plena (e com qualidade) de realizá-lo. Deve ficar claro que não se trata apenas de uma atitude dirigida a outrem. Contribuir é a arte de cuidar de si mesmo em todas as dimensões: pessoal, familiar, profissional, espiritual e cidadã. Adotar uma atitude de contribuição é quanto mais dou, tanto mais vou receber/semear. É preciso ver a contribuição como um ciclo sumamente poderoso para o crescimento pessoal. Resiliência - O agente de microcrédito deve buscar uma conduta resiliente e promover a resiliência em sua comunidade. Resiliência representa a capacidade de um indivíduo, mesmo em ambiente desfavorável, de construir-se positivamente em relação às adversidades e de até mesmo aproveitá-las para o seu crescimento pessoal, profissional e de cidadania. Costuma-se chamar algumas pessoas de pessimistas e negativistas quando transformam em lamúrias os obstáculos que surgem, transfigurando-se em vítimas e requerendo a piedade. Esse sentimento, muitas vezes contagiante, é capaz de destruir qualquer chance de sucesso no desenvolvimento de atividades. No entanto, deparamo-nos também com pessoas que são chamados de otimistas. Essas sempre apresentam forte parcela de esperança e confiança na condução do processo de realização das atividades. Igualmente contagiante, esse sentimento é capaz de proporcionar o êxito das ações. Promover, portanto, a resiliência nos clientes, seus familiares e comunidade, consiste em conhecer a sua história, procurar analisá-los no contexto, para então intervir de maneira apropriada, buscando as razões capazes de motivá-los e fortificá-los. A aceitação incondicional do indivíduo como pessoa, principalmente pela família, assim como a presença de redes sociais de apoio, permite o desenvolvimento de condutas resilientes. 5

6 Conhecimentos Capacidade cognitiva e de absorção de conhecimentos necessários para operacionalizar o microcrédito - Para assumir a função de agente de microcrédito, é fundamental adquirir conhecimentos gerais sobre microcrédito e microfinanças e as especificidades, princípios e políticas para a oferta desses produtos às áreas urbana e rural; conhecimentos gerais sobre as atividades econômicas em geral e, mais profundamente, das especificidades da área geográfica em que vai atuar; domínio dos princípios, normas, diretrizes e procedimentos básicos técnicos e administrativos da IMF/Programa; ter as noções exigidas para a função nas áreas de matemática, contabilidade, informática, português instrumental, planejamento, marketing, gestão de pequenos negócios, etc., e sólidos conhecimentos sobre elaboração e análise de projetos de viabilidade econômica, acompanhamento da carteira e cobrança. Além disso, deverá conhecer outras formas de atuação que proporcionem o desenvolvimento solidário e o fortalecimento dos pequenos negócios. Para tanto, o agente de microcrédito precisa estar permanentemente informado, dedicar-se à leitura e aos estudos, aprimorando-se constantemente, sanando suas dúvidas, mantendo-se atualizado e obtendo esclarecimentos na instituição e/ou órgãos competentes que possam apoiar o crescimento e o desenvolvimento de seus clientes e familiares e da comunidade onde atua. Outros aspectos a serem considerados Disponibilidade para realizar atividade de campo - O trabalho do agente de microcrédito é desenvolvido em contato direto com a sua área geográfica de atuação, para que possa conhecer o mercado, captar e manter clientes, acompanhar a aplicação do crédito, potencializar os negócios. Seu papel é também o de repassador de informações importantes à comunidade e aos clientes, de agregador de forças locais, de motivador de ações de interesse comum, de incentivador de novas práticas e tecnologias; portanto, a maior parte de seu trabalho é realizada em campo. Por isso, precisa ter, além de boa comunicação e prática de habilidades interpessoais, boas condições físicas e muita energia positiva. Possibilidade de continuidade na função - Esse é um aspecto que deve ser bem avaliado pela instituição. Mesmo com um treinamento inicial de qualidade, trata-se de uma função complexa, que demanda tempo para a consolidação de um bom desempenho. Tendo em vista que credibilidade e confiança são construídas ao longo do tempo, a constante substituição do agente de microcrédito na comunidade pode gerar, além de custos, uma ruptura na credibilidade da instituição/programa. Papéis a desempenhar - No exercício de suas funções e alicerçado na credibilidade que vier a conquistar com seus clientes e comunidade na qual atua, além de representar a instituição/programa, o agente de microcrédito pode desempenhar vários outros papéis, dentre os quais se destacam os descritos a seguir. 6

7 Agente de mudança na comunidade - Incentivando a capacidade de superação dos problemas e mudança de visão a respeito de sua situação, levando a mensagem de que a região onde vive não precisa ser olhada como um locus de miséria, fome e mazelas, mas como um ecossistema e contexto rico, que guarda potenciais, como outras regiões do País. Também influenciando as pessoas na melhoria de sua qualidade de vida, levando-as a se esforçarem e a se integrarem às demais para o alcance de condições mais adequadas em sua atividade produtiva e para a comunidade. Potencializador dos negócios de seus clientes - Levando a visão empreendedora e divulgando informações que possibilitem a efetivação de negócios e prestação de serviços entre os clientes, permitindo-lhes qualificar as funções gerenciais e operacionais; não no papel de capacitador, mas atuando com práticas empreendedoras e empresariais que sirvam de exemplo e possibilitem ao cliente refletir sobre seus procedimentos diários. Líder - Como representante da instituição/programa comprometido com a comunidade, contribuindo com o fortalecimento dos laços sociais, passando a visão de que o progresso de cada um depende do progresso da comunidade na qual atua, participando dos eventos por ela promovidos, fortalecendo a visibilidade da organização/programa, demonstrando a relevância dos pequenos negócios no desenvolvimento econômico e, se necessário, liderando movimentos de valorização da clientela potencial local. Fonte de informação - Apoiando iniciativas que visem ao desenvolvimento econômico local, repassando ao poder decisório e aos órgãos governamentais, associações de bairro e grupos produtivos seu conhecimento sobre processos de produção, mercado local, potencialidades, necessidades e problemas econômicos da comunidade, assim como suas aspirações e disponibilidades. Comprometido com a visão de desenvolvimento sustentável e solidário - Respeitando a natureza e transmitindo o ideal de preservação do meio ambiente. Apoiando o cliente na aquisição de visão ecológica, utilizando-a de forma produtiva, sem desperdício dos recursos disponíveis. Favorecendo e fortalecendo valores como igualdade, espírito de cooperação, auto-realização, sem ignorar os avanços científicos e tecnológicos; porém, opondo-se às tecnologias que possam ameaçar a biodiversidade, a saúde, a inclusão social e/ou a autogestão. 7

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo Banco do Nordeste: o Maior Banco de Microfinanças da América do Sul Objetivos de atuação do

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS AGI.01 1ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. INTRODUÇÃO... 2 3. ABRANGÊNCIA E APLICABILIDADE... 2 4. PRINCÍPIOS GERAIS... 2 5. COLABORADORES... 3 A Conduta Pessoal e Profissional... 3 B Condutas não Aceitáveis...

Leia mais

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM O Código de Ética do Banco do Brasil vem reafirmar a contínua valorização dos preceitos éticos existentes na cultura da Organização, reconhecidos pela comunidade. Nasce da realidade da Empresa,

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO Heloísa Lück Diretora Educacional do CEDHAP Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado Curitiba - PR Artigo publicado na revista Gestão em Rede no. 24 de out.

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

como instrumento de desenvolvimento

como instrumento de desenvolvimento OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e social Rita Valente* 1. Introdução A experiência do Banco do Nordeste com o programa de crédito popular CrediAmigo, implementado

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal Sumário A. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. Sobre Nós... 3 1.1. - Missão... 3 1.2. - Visão... 3 1.3. - Valores... 3 2. Serviços... 4 2.1. Das atividades da BLUE CONVÊNIO: seus objetivos e finalidade...

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

A participação nessas atividades será comprovada através de um formulário denominada Relatório de Atividades Complementares (RAC).

A participação nessas atividades será comprovada através de um formulário denominada Relatório de Atividades Complementares (RAC). Manual do Aluno OBJETIVO A Faculdade do Pará implantou o Programa de Treinamento Profissional (PTP) para que você possa realizar ações práticas, desde o primeiro período do curso, ligado a profissão que

Leia mais

Código de Ética. Rio Bravo Investimentos

Código de Ética. Rio Bravo Investimentos Código de Ética Rio Bravo Investimentos Sumário Palavra do CEO 5 i. Do Código de Ética 10 ii. Visão Geral 14 iii. Filosofia Corporativa 16 iv. Valores 20 v. Do Relacionamento Interno, Externo e Políticas

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social CÓDIGO DE ÉTICA PSS Índice Página 1. Apresentação 2 2. Introdução 3 3. Objetivos Gerais 3 4. Integridades Profissional e Pessoal 4 5. Condutas Não Aceitáveis 5 6. Condutas Esperadas 6 7. Relações com os

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution GTI Solution Código de Ética: GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA 1. INTRODUÇÃO A GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA 2 Código de Conduta Prisma Edificações e Engenharia I - O que é o Código de Conduta da Prisma Edificações e Engenharia? O Código de Conduta da Prisma é um instrumento criado

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

PILARES DA SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO. Márcia Siqueira Assessora Técnico e Profissional da FENASSEC

PILARES DA SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO. Márcia Siqueira Assessora Técnico e Profissional da FENASSEC PILARES DA SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO Márcia Siqueira Assessora Técnico e Profissional da FENASSEC ENTENDENDO O TEMA Pilares - a palavra pode ser usada como sinônimo para colunas, embora esta tenha

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais

Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015

Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015 Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015 Rosa Krausz Coaching de Equipe: Mitos e Realidade EQUIPE Uma EQUIPE é um número limitado de pessoas, com habilidades complementares,

Leia mais

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA Identificação do Cargo Departamento / Área Cargo a que reporta (Liderança direta) Cargos sob sua dependência (Liderança direta) Organograma Diretoria de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Professor Sonia Regina Campos

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Professor Sonia Regina Campos Seleção e Dinâmicas de Grupo Professor Sonia Regina Campos Aula 3: Técnicas para Aplicação de Dinâmicas de Grupo Professor Sonia Regina Campos Dinâmicas de Grupo: As Bases para seu Desenvolvimento Organizações

Leia mais

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado O Caso CREDIAMIGO Conceitos Microfinanças: todos os serviços financeiros para populações de baixa renda, inclusive financiamento ao

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

.: parceria para a gestão eficaz

.: parceria para a gestão eficaz .: parceria para a gestão eficaz Eu tenho como objetivo inspirar as pessoas ao meu redor a buscar se desenvolver e alcançar a gestão eficaz dos negócios além de motivar o empreendedorismo. O espírito empreendedor

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions. Nenhuma

Leia mais

OBJETIVO DO CÓDIGO DE CONDUTA: Trabalho com ÉTICA HONESTIDADE HUMILDADE TRANSPARÊNCIA RESPONSABILIDADE EMPREENDEDORISMO

OBJETIVO DO CÓDIGO DE CONDUTA: Trabalho com ÉTICA HONESTIDADE HUMILDADE TRANSPARÊNCIA RESPONSABILIDADE EMPREENDEDORISMO OBJETIVO DO CÓDIGO DE CONDUTA: O CÓDIGO DE CONDUTA do GRUPO BAHAMAS, composto pelo Supermercado Bahamas e Bahamas Card (BTR), foi elaborado com o objetivo de orientar o trabalho de forma que as nossas

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

A Importância do Gestor Público no Processo Decisório. Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional

A Importância do Gestor Público no Processo Decisório. Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional A Importância do Gestor Público no Processo Decisório Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional Contexto A administração pública brasileira sofreu transformações

Leia mais

Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta.

Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta. Código de Ética e Conduta Carta do Presidente Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta. Procuramos refletir todos os princípios éticos e padrões de conduta emanados pela nossa fundadora

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re.

Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re. 1. Código de Ética 1.1. Introdução Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re. O IRB-Brasil Re valoriza a reflexão ética como forma de aprimorar comportamentos

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

A minha missão é potencializar resultados e promover o desenvolvimento humano com a socialização dos saberes

A minha missão é potencializar resultados e promover o desenvolvimento humano com a socialização dos saberes DALMIR SANT'ANNA TREINAMENTOS LTDA AVENIDA NEREU RAMOS, 897 CENTRO 88.380-000 BALNEÁRIO PIÇARRAS SC APRESENTAÇÃO Espero que este material, ao chegar em suas mãos e de sua equipe de trabalho, encontrem

Leia mais

INFORMAÇÕES ÚTEIS. 1 - Definição

INFORMAÇÕES ÚTEIS. 1 - Definição INFORMAÇÕES ÚTEIS Em pesquisa realizada pelo Banco Mundial o Brasil é um país que pode levar cerca de 5 meses para se legalizar uma empresa, mas o desemprego, a vontade de ter um negócio próprio, está

Leia mais

Cartilha para os. Colaboradores. Rua 105-C, nº 16 Setor Sul - Goiânia/GO CEP: 74.080-310. 62 3224-4767 www.pontaleng.com.br contato@pontaleng.com.

Cartilha para os. Colaboradores. Rua 105-C, nº 16 Setor Sul - Goiânia/GO CEP: 74.080-310. 62 3224-4767 www.pontaleng.com.br contato@pontaleng.com. Cartilha para os 62 3224-4767 www.pontaleng.com.br contato@pontaleng.com.br Rua 105-C, nº 16 Setor Sul - Goiânia/GO CEP: 74.080-310 Colaboradores Cartilha para o colaborador A PONTAL ENGENHARIA acredita

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

Plano de Curso. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI. Página 1 de 5. Competência Geral: Objetivos Gerais: Comunicação Empresarial 40

Plano de Curso. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI. Página 1 de 5. Competência Geral: Objetivos Gerais: Comunicação Empresarial 40 Página 1 de 5 Nome do Curso: CBO: Modalidade: Carga Horária Total: Nível de Qualificação: Área Tecnológica: Eixo Tecnológico: Técnico em Administração 3513050000 Ocupação: Habilitação Técnica 1000 3 -

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais O curso de Relações Internacionais está enquadrado no campo da ciência Humana e social, onde estuda-se em profundidade as políticas Internacionais

Leia mais

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA Mudança da Marca e Posicionamento Esse boletim explicativo tem o objetivo de esclarecer suas dúvidas sobre a nova marca Evolua e de que forma ela será útil para aprimorar os

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais