UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SÁUDE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS NA MODALIDADE FORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SÁUDE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS NA MODALIDADE FORMAÇÃO"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SÁUDE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS NA MODALIDADE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE TRABALHADORES FIC PELO PRONATEC UBERLÂNDIA 2012

2 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SÁUDE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS Aprovado pelo Colegiado da Escola Técnica de Saúde da Universidade Federal de Uberlândia em 12/12/2012. UBERLÂNDIA 2012

3 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SÁUDE Prof. Dr. Alfredo Júlio Fernandes Neto Reitor Prof. Dr. Aberto Martins da Costa Pró-Reitor de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis Profa. Ms. Maria Helena Ribeiro Godoy Diretora da Escola Técnica de Saúde Prof.Ms. Noriel Viana Pereira Coordenador Geral do PRONATEC/UFU Prof.Ms. Dnieber Chagas de Assis Coordenador Adjunto do PRONATEC/UFU

4 4 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Denominação do Curso: Agente de Combate às Endemias Local de Oferta: Escola Técnica de Saúde da Universidade Federal de Uberlândia Modalidade: Presencial Turno da Oferta: Noturno Número de Vagas Disponíveis: 40 Número de estudantes por Turma: 40 Número de Cursos no Ano de 2013: 2 Carga Horária Total: 240 horas Equipe Diretiva do Campus: Maria Helena Ribeiro Godoy

5 5 2. SUMÁRIO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DO CURSO CARACTERIZAÇÃO DO CÂMPUS JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos PERFIL DO CURSO PERFIL DO PROFISSIONAL EGRESSO REQUISITOS PARA O INGRESSO PERIODICIDADE DA OFERTA FREQUENCIA MÍNIMA OBRIGATÓRIA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Matriz Curricular Conteúdo Programático Bibliografia Básica do Projeto Pedagógico METODOLOGIA DE ENSINO MATERIAL DIDÁTICO-PEDAGÓGICO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E BIBLIOTECA Instalações Acervo Bibliográfico PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO ADMINISTRATIVO CERTIFICADOS CASOS OMISSOS... 58

6 6 3. APRESENTAÇÃO DO CURSO Nos últimos anos, as condições de saúde da população têm melhorado de forma contínua e sistemática, não para todas as pessoas, graças a um conjunto de fatores ambientais 1, associados aos avanços técnicos na área da saúde pública, da infraestrutura das engenharias e da medicina. Entretanto, estas condições de saúde da população passaram a serem focos de diversos estudos, com atenção para a saúde ambiental das populações que residem em diferentes ambientes, principalmente pelas particularidades e peculiaridades dos riscos e vulnerabilidades de determinados grupos sociais em determinados lugares. Pode-se dizer que as preocupações ambientais sempre foram pensadas, discutidas e emergidas desde as primórdias caminhadas do homem, o nomadismo até as estruturas sedentárias, por exemplo, a industrialização e urbanização, como forma de utilização dos elementos da natureza para sua sobrevivência. Ela sempre foi abordada na perspectiva da usura e consumo da natureza (mercadoria). Mas, surge de forma sutil uma concepção ambiental, em 1864, com o lançamento do livro O Homem e a Natureza, ou Geografia Física Modificada pela Ação do Homem, do norte-americano Georges Perkins Marsh. Por volta de 1870, a palavra ecologia é proposta por Ernst Haeckel para definir os estudos sobre as relações entre as espécies e seu ambiente. No plano internacional, destaca-se em 1951 a publicação do Estudo da Proteção da Natureza no Mundo, organizado pela União Internacional para a Conservação da Natureza UICN, criada na França, em 1948, com apoio da UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. A UICN se transformaria no Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PNUMA, em 1972, em razão da Conferência de Estocolmo. Um momento relevante da educação ambiental surgiu em razão de catástrofes, na metade do século XX. Primeiro, as bombas nucleares em Hiroshima e Nagasaki (1945). Segundo, em 1952, um acidente de poluição do 1 A utilização das expressões ambiente ou ambiental deverá ser considerada além do contexto: físico, biológico, climático e sociocultural e psicológico, por creditar que tudo está num mesmo ambiente. Acredita-se que há uma interatividade e interconexão entre estesambinetes, o que permite uma maior sinergia e/ou inteireza da/na dinâmica ambiental, consolidando, assim, a interculturalidade dos saberes e dos fazeres com e para as pessoas, na sua individualidade e/ou coletividade.

7 7 ar decorrente da industrialização, ocorrido em Londres, Inglaterra, provoca a morte de cerca de pessoas. Diante da necessidade de compreender-se esse quadro, realizou-se naquele país, em março de 1965, a Conferência de Educação da Universidade de Keele, onde pela primeira vez utilizou-se a expressão Educação Ambiental (Environmental Education). Houve recomendação de que a educação ambiental deveria se tornar uma parte essencial de educação de todos os cidadãos. Naquela época, porém, a educação ambiental era vista como ecologia aplicada, ou seja, conservação, conduzida pela Biologia. Em 1968 a UNESCO, realizou estudo sobre educação ambiental, compreendendo a mesma como tema complexo e interdisciplinar. Nesse estudo sobre a relação entre meio ambiente e escola, realizado junto a seus países membros, a UNESCO entendeu que não se deveria limitar a educação ambiental a uma disciplina específica no currículo escolar. Essa interpretação da eficácia educacional ambiental interdisciplinar acabou por influenciar, anos depois, na proposição da Lei N.º 9.795/99, que no artigo 10, 1º, dispõe que A educação ambiental não deve ser implantada como disciplina específica no currículo de ensino. Historicamente, desde os anos 60, século XX, com a publicação do Livro Primavera Silenciosa da pesquisadora Rachel Carson, sobre os impactos de determinados produtos químicos, em especial do DDT, nas plantações norte americana, a questão ambiental tomou algumas frentes perante a sociedade, em especial os problemas de contaminações letais de trabalhadores em fazendas. Várias atividades baseavam se no controle de pragas. São inúmeros os exemplos são citados, tais como: problemas de saúde relacionados à deficiência mental associada ao uso de carbamatos, empregados para impedir que as batatas germinem nos armazéns, antes de serem comercializadas. A autora não esqueceu também, das substâncias carcinogênicas, criadas pelo homem e empregadas na lavoura como defensivos agrícolas. Rachel Carson denunciou o câncer de origem ambiental causado por essas substâncias. Estão relatados, no precioso livro de Carson, inúmeros casos, desde as substâncias químicas inventadas, usadas para erradicar ervas daninhas e insetos, que borrifadas de avião sobre áreas rurais (e urbanas, às vezes), em

8 8 doses absurdas, causaram o aparecimento de inúmeras doenças nos seres humanos. Quando foi na década de 1970, com os grandes eventos e iniciativas que começaram a cobrar do modelo de crescimento econômico, da época, sua relação com as questões ambientais, procurando quebrar os paradigmas dominantes advindo de anos de exploração dos recursos naturais sem nenhuma preocupação com o futuro terra e da qualidade de vida das pessoas. A Conferência de Estocolmo realizada na Suécia em 1972 foi um dos marcos e promoção do início desta luta nos quais desenvolvimentistas e pessoas preocupadas com a questão ambiental estão um diante do outro na tentativa de encontrar um caminho menos agressivo para os dois lados. A questão da emissão de resíduos foi o resultado extraído desta reunião e durante os anos seguintes o debate se voltava para questionar como as indústrias amenizariam o impacto gerado por estes poluentes lançados nos mananciais de água. Para ilustrar remetemos às constantes matérias na mídia sobre a poluição do rio Tietê na região metropolitana de São Paulo-SP. No Brasil as iniciativas sobre as questões destes impactos começaram no fim de 1979 e início dos anos de 1980 exatamente na região metropolitana de São Paulo-SP, uma exigência sobre avaliação de impacto ambiental para empresas que iniciassem suas atividades. Esta questão impulsiona a criação de uma legislação específica em 1981 (Lei N o 6938/81) que procurava regulamentar não somente a emissão de resíduos como também de outros aspectos como adequação dos novos empreendimentos. A Constituição Federal de 1988 pela primeira vez publica um capítulo direcionado para a regulação das questões ambientais definindo como um marco nacional sobre as posturas estabelecidas entre indústria, o comércio e o ambiente, em que diz o seguinte em seu artigo 225 Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. Parece pouco, mas ao longo destes anos novas conquistas são percebidas no cotidiano das pessoas e das nossas Instituições.

9 9 As Conferências das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CNUMAD/ONU), reuniram inúmeros chefes de Estado, membros de Organizações Não Governamentais, na busca de conciliações para o desenvolvimento socioeconômico, muito mais crescimento, com a conservação e proteção dos ecossistemas da Terra. Estas Conferências consagraram os conceitos de desenvolvimento sustentável, economia verde e erradicação da pobreza, para a mais ampla sensibilização e mobilização de pessoas de que os danos aos ambientes são predominantemente e de responsabilidade, das insustentáveis práticas antrópicas, em diferentes escalas e localidades, inadequadas. Reconhecem a necessidade de novas práticas, com apoio financeiro e tecnológico como avanço na direção do desenvolvimento sustentável. A posição dos países emergentes tornou-se mais estruturada e o ambiente político internacional favoreceu a aceitação, pelos países desenvolvidos, de princípios das responsabilidades comuns, mas diferenciadas, com negociações diplomáticas, apesar de seu impacto ter sido menor do ponto de vista da opinião pública. A década de 1990 é considerada um período de quebra dos paradigmas ambientais porque entra no debate uma visão mais ampla sobre o que significa Meio Ambiente, isto porque insere o homem/cidadão comum como sujeito neste debate e agente de mudanças.nesta década também foram várias as regulações ambientais que entram em vigor como a exigência o Licenciamento Ambiental nas atividades antrópicas que poderiam alterar a dinâmica ambiental, na forma de reduzir os diferentes impactos. Dessa forma as empresas viram a questão ambiental como uma ferramenta de promoção comercial por meio da implantação de programas de Sistema de Gestão Ambiental SGA, Certificações Ambientais e a criação de produtos menos poluentes, compondo os chamados rótulos verdes. As empresas passaram a preocupar não somente com os resíduos originados do seu processo produtivo, também com a origem, qualidade e

10 10 quantidade da matéria prima; passaram a quantificar/qualificar sua poluição, implantando novas tecnologias dentro do ciclo de vida de cada produto (6Rs 2 ). Aquelas empresas preocupadas com o ambiente e seu entorno, a vida do trabalhador e até mesmo em questões distantes de onde atuam, deveriam ter uma equipe de profissionais técnicos nos seus quadros administrativos e processos produtivos, porque esta visualização denominada de Empresa Limpa (ISO), pode(rá) ser mais bem vista pela sociedade e automaticamente aumentar o consumo de seus produtos, evitando alguns riscos endêmicos. Designa-se como endemia alguns fatores mórbidos ou doenças espacialmente localizadas, temporalmente ilimitadas, habitualmente presente entre alguns membros de uma população e cujo nível de incidência se situe sistematicamente nos limites de uma faixa geográfica que foi previamente convencionada para uma população e época determinadas e restritas a uma determinada área. Por vezes, uma endemia pode evoluir para uma epidemia, existindo, nesse caso, uma doença endemo-epidémica, ou funções ambientais específicas e/ou propícias aos impactos locais. Esta oposição entre endemia e epidemia, entretanto, tem sido debatida com os novos conhecimentos adquiridos quanto aos fatores ecológicos, também denominados de complexos patogênicos que condicionam o desenvolvimento de uma doença. Mas nestes últimos anos o termo endémico passou a referir-se, de forma mais ajustada, ao grau de prevalência de uma doença, ou seja, à proporção entre o número total de casos da doença e o número de indivíduos em risco ou vulnerabilidade de adquirir, numa área geográfica e temporalmente bem definida. Assim, as empresas precisam agora encontrar e apresentar não somente tecnologias produtivas menos poluentes, bem como também contratar profissionais capacitados para operar as suas máquinas e emitir laudos e pareceres técnicos sobre as condições ambientais de acordo com o ramo de atividade de cada uma delas, mas também que tenham em seus quadros um 2 Propostas da Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) e da Política Nacional de Resíduos Sólidos - Lei N o (02/08/12), há propostas de ambientais com os 6Rs: repensar; responsabilizar; reaproveitar; reciclar; recusar.

11 11 grupo de profissionais multidisciplinar, aqui no caso um Agente de Combate às Endemias, ampliando os horizontes dos/nos seus processos produtivos. O que, desde já, explicamos antecipadamente da importância deste Curso Agente de Combate às Endemias, pensado de forma diferenciado das antigas brigadas sanitárias ou guardas sanitários, quando o médico sanitarista Oswaldo Cruz no Rio de Janeiro propôs a erradicação da Febre Amarela, como sendo uma das primeiras campanhas públicas de combate ao Aedes aegypti, que tinham por objetivo adentrar nas residências em busca de detectar casos de Febre Amarela e eliminar possíveis focos de Aedes aegypti, atendendo muito mais metas puramente fiscal e policial. O que não significa que o feitio do médico sanitarista Oswaldo Cruz estava errado. Não podemos condená-lo simplesmente pelo que foi feito, pois naquela época talvez fosse o que estava disponível ao alcance dos gestores. Lógico que se olharmos além do modelo biomédico, com certeza existia outras formas de vigilância e medidas mitigadoras em relação aos sofrimentos das pessoas. Por isso, naquela época as estratégias de combate ao vetor do dengue (em especial Aedes aegypti) para controlar a doença, muito utilizada desde o final do século XIX, não funciona mais. Que era muito mais pela eliminação das espécies, onde o controle era de concepção biomédica (modelo - que deu a sua contribuição). Isto porque o poder público sozinho não é capaz (ou não dá conta) de resolver os problemas da dengue, sendo necessária a participação da população como sujeitos, como corresponsáveis (até porque alguns criadouros estão dentro dos domicílios). É necessária a mobilização das pessoas (com sensibilização e outras formas de comunicação) com uma participação (mais) responsável no Programa de Controle de Vetores, sob a nova perspectiva da Promoção da Saúde (nova estratégia para combater os vetores e prevenir as doenças). Isto porque, nos dias de hoje, as realidades ambientais são um tanto quanto diferentes daquela época de Oswaldo Cruz, ou seja, exigem novas medidas pedagógicas e educativas, onde os saberes e os fazeres com os sujeitos precisam ser reconstruídos em parcerias, respeitando as fronteiras da autoria e da autonomia, o que nos faz lembrar o que disse Freire (1987, p. 36)

12 12 (...) ninguém educa ninguém, ninguém se educa a si mesmo. Os homens se educam entre si mediatizados pelo mundo. Para o caso das parcerias entendemos que elas aconteceram levando em consideração as propostas da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS, 2005), sobre município e comunidade saudável, em que diz o seguinte: Uma experiência de município e comunidade saudável começa com o desenvolvimento e/ou o fortalecimento de uma parceria entre autoridades locais, líderes da comunidade e representantes dos vários setores públicos e privados, no sentido de posicionar a saúde e a melhoria da qualidade da vida na agenda política e como uma parte central do planejamento do desenvolvimento municipal (OPAS, 2005, p. 2). Neste sentido ampliamos estas preocupações com as contribuições de Mafra (2006), que nos chama a atenção de que: (...) pela necessidade de participação dos sujeitos nas questões públicas, processo esse que não brota espontaneamente, mas prescinde de aprendizado, interesses despertados, identificação, um se-sentir-pertencido e um se-sentir-mobilizado às questões (valores / práticas) que necessitam de (re)definições coletivas (MAFRA, 2006, p. 14). Por isso Mafra (2006, p. 14) mais uma vez vem contribuir com as nossas preocupações, quando pergunta Como é possível que tal processo aconteça? Como é possível mobilizar os sujeitos à participação coletiva? Na verdade não existe uma mágica e uma magia para que as pessoas assumam de forma mais inteira as causas, isto porque conforme disse Mafra (2006, p. 15), Entretanto, algumas vezes, o debate racional é insuficiente para despertar o interesse dos indivíduos por determinadas políticas ou, mesmo, promover o engajamento em prol de certas causas. Estas preocupações estão contempladas no que disse Araújo; Cardoso (2010) numa entrevista para a Revista POLI (2010, p. 25), quando dizem que Qualquer processo de comunicação envolve repertórios culturais, agendas de prioridades, diferentes percepções do mundo. Assim, a função do Agente de Endemias deve ser entendida e praticada, enquanto estratégia da Promoção da Saúde, levando em consideração o que destaca a Carta de Ottawa (1986): 1) o estabelecimento de políticas públicas saudáveis, 2) criação de ambientes e entornos saudáveis, 3) empoderamento e ação comunitária, 4) desenvolvimento de habilidades pessoais e 5) reorientação dos serviços de saúde.

13 13 E, ainda, de acordo com a Carta de Ottawa (1986), Promoção de Saúde é o processo de empoderamento das populações para obter um melhor controle sobre sua saúde e para melhorar os determinantes da saúde e define a saúde como um recurso para a vida diária, um conceito positivo que enfatiza recursos pessoais e sociais, bem como as capacidades físicas. Sabemos que todas as ações estratégicas são importantes, mas destacamos a relevância do empoderamento, que de acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS, 2005, p. 6) É um processo de ação social que promove a participação das pessoas, organizações e comunidades com o objetivo de aumentar o controle individual e comunitário, a eficácia política, a melhora da qualidade de vida e a justiça social. Além do que foi dito na Carta de Ottawa (1986) e a OPAS/OMS (2005), é importante destacar a relevância de promover Políticas Públicas intersetoriais que permitam e permeiam uma maior sinergia entre os desejos e as necessidades dos sujeitos em relação aos ambientes por eles ocupados ou ainda a ocupar, diferentes daquela época do modelo higienista/sanitarista. Assim, entendemos que estas práticas estejam assentadas no que disse Buss (2003) apud Moraes (2008), sobre Promoção da Saúde, ou seja: Percebe-se que a promoção da saúde amplia seu escopo e, passa relacionar vida, saúde, solidariedade, equidade, democracia, cidadania, desenvolvimento, participação e parceria. Essa visão de promoção da saúde refere-se a ações do Estado, da comunidade, de indivíduos, do sistema de saúde e de parcerias intersetoriais, trabalhando com a ideia de responsabilização múltipla para problemas e suas soluções (BUSS, 2003 apud MORAES, 2008, p. 2043). De acordo com o que foi dito por Buss (2003) citado por Moraes (2008), de certa forma, consolidou o que foi proposto e realizado por Oliveira (2012) em especial a (...) participação e parceria, numa construção de saberes e fazeres em relação às (...) ações do Estado, da comunidade, de indivíduos, do sistema de saúde e parcerias intersetoriais, trabalhando com a ideia de responsabilização múltipla para problemas e suas soluções., em particular no processo de ampliação dos conhecimentos, das atitudes e dos procedimentos, enquanto mobilização comunitária no controle dos Aedes e prevenção do dengue.

14 14 Assim, nos permite dizer que a Promoção da Saúde representa um novo jeito de se fazer políticas intersetoriais e interinstitucionais, com possibilidade de consolidar, nos diferentes ambientes, novas formas de se fazer a mobilização comunitária. O que de certa forma atende o que foi proposto pela Organização Pan- Americana de Saúde (OPAS, 2005), A promoção da saúde ganhou projeção internacional como importante estratégia para lograr a equidade, a democracia e a justiça social. Está demonstrado o seu êxito no equacionamento de difíceis problemas sanitários, sociais e econômicos, oferecendo um valioso contexto para a organização da ação social e política com vistas à melhoria da saúde e das condições de vida. A promoção da saúde é uma abordagem técnica e política para trabalhar com diferentes setores e melhorar a qualidade de vida. A excelência em liderança política se caracteriza pelo uso bem-sucedido da avaliação da promoção da saúde. Destacados líderes políticos puseram em prática, em benefício dos seus municípios, as cinco recomendações seguintes: 1. Reconhecer na promoção da saúde uma parte fundamental da busca da equidade, da melhoria da qualidade de vida e de melhor saúde para todos. 2. Exigir avaliação e monitoramento, como parte das iniciativas de promoção da saúde. 3. Criar infraestruturas para apoiar a avaliação da promoção da saúde. 4. Estimular e apoiar a colaboração entre setores do governo, setores público e privado, as universidades e os parceiros nãogovernamentais e 5. Usar os resultados da avaliação da promoção da saúde (OPAS, 2005, p. 3). Assim, espera-se que a Promoção da Saúde seja um marco nas estratégias na formulação de políticas públicas em todos os setores que apoiam o desenvolvimento sadio e sustentável, enquanto planejamento, implantação e avaliação de estratégias de equacionamento e gestão de ambientes favoráveis à Promoção da Saúde em Municípios e Comunidades Saudáveis 3 (MCS). De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma experiência de município e comunidade saudável começa com o desenvolvimento e/ou o fortalecimento de uma parceria entre autoridades locais, líderes da comunidade e representantes dos vários setores públicos e privados, no sentido de posicionar a saúde e a qualidade da vida na agenda política, como parte central do planejamento do desenvolvimento municipal. De tal forma que as redes nacionais e regionais de MCS necessitam ser estimuladas, pois são importantes instrumentos para sensibilizar e mobilizar as 3

15 15 pessoas ao adotar novas atitudes e novos comportamentos nas relações ambientais, em diferentes escalas (local, regional e global). Dentro deste contexto o município de Uberlândia-MG possui um processo de espacialização das suas atividades em diferentes direções, em função do modelado topográfico predominantemente de Chapadas Sedimentares o que facilita diversas atividades antrópicas relacionadas ao processo de urbanização e da agropecuária. Conforme Baccaro (1989), os recursos hídricos das terras do município são drenados pelas Bacias Hidrográficas do Rio Araguari e Uberabinha (Mapa 1), com destaque para as cachoeiras, corredeiras e declividades das vertentes que são mais acentuadas, aproveitadas como queda natural para a construção de Usinas Hidroelétricas, entre elas Capim Branco I e II (AMADOR AGUIAR), e a PCH MALAGONE (Figuras 01 a 04). Figuras 01 a 04 Canteiro de obras da Usina Hidrelétrica PCH MALAGONE, Fotos: João Carlos de Oliveira.

16 16 Mapa 1 - Hidrografia do Município de Uberlândia. Fonte: Brito; Lima, 2011, p. 27.

17 17 Estes empreendimentos localizados em ambientes propícios na presença de determinados vetores, por exemplo, Flebotomíneos que compreendem o gênero Lutzomia, Haemagogus, Aedes aegypti, Triatomíneos Tripanossoma cruzi são responsáveis pela transmissão de algumas doenças, tais como Leishmaniose Visceral e Cutânea, Febre Amarela, Dengue, Chagas. Que, ao serem implantados, estabelecem uma relação direta ambiente/homem/saúde/doença, em função da presença dos trabalhadores e, ao mesmo tempo, do estreito deslocamento entre as obras e as residências de moradias dos mesmos, sejam elas nos acampamentos e/ou nas áreas urbanas. Com todo este agrupamento (adensamento) populacional presente em diferentes localidades necessita de uma gestão pública de Promoção da Saúde, onde na linha de frente o Agente de Combate às Endemias poderá e/ou irá contribuir num conjunto de políticas intersetoriais, para promoção da qualidade de vida das pessoas. No espaço rural de várias localidades do Brasil, com o avanço do agronegócio e a destruição das áreas verdes naturais, este profissional levará o conhecimento sobre os impactos na saúde ambiental advindos do uso descontrolado do processo de urbanização, principalmente em função da macrocefalia urbana, de determinadas atividades relacionadas à agropecuária e na construção de usinas hidroelétricas. Estas preocupações se devem pelo fato de que já alguns estudos realizados pelo Instituto de Geografia - Universidade Federal de Uberlândia, em especial pelo Laboratório de Geografia Médica e Vigilância em Saúde (LAGEM/IG/UFU) e que demarcam muito bem os impactos sobre a saúde ambiental do município de Uberlândia (MG) e até da região do Triângulo Mineiro e Goiás(Tabela 1). Dentro deste contexto de pesquisa e de qualificação profissional, a Escola Técnica de Saúde ESTES/UFU, vêm por meio deste Projeto destacar duas situações: 1) Alguns profissionais da ESTES, entre eles Jureth Couto Lemos, João Carlos de Oliveira e Noriel Viana Pereira contribuíram com algumas pesquisas e 2) Propor o Curso de Agente de Combate às Endemias, para capacitar profissionais competentes a trabalhar tanto em diferentes segmentos sociais, em especial nas administrações públicas, como também nas empresas

18 18 como em outros segmentos, contribuindo para desenvolver práticas de Vigilância em Saúde e Epidemiológica de Vetores, como forma de amenizar os impactos na saúde humana, gerados pela ação humana ou não. Tabela 1 Pesquisas realizadas pelo Laboratório de Geografia Médica e Vigilância em Saúde (LAGEM/IG/UFU) PESQUISADORES TITULO DA PESQUISA Paulo Henrique Batista Samuel do Carmo Lima MarlúcioAlnselmo Alves Samuel do Carmo Lima João Carlos de Oliveira Samuel do Carmo Lima Maria Araci Magalhães Samuel do Carmo Lima Paulo Cezar Mendes Gerusa Gonçalves Moura Samuel do Carmo Lima Elisângela Rodrigues Samuel do Carmo Lima Paulo Cândido de Sousa Samuel do Carmo Lima Marcelo Sebastião Resende Samuel do Carmo Lima Jaqueline Aida Ferrete Samuel do Carmo Lima Paulo Cezar Mendes Samuel do Carmo Lima Jureth Couto Lemos Samuel do Carmo Lima Glaucimar Soares da Silva Vieira Samuel do Carmo Lima João Carlos de Oliveira Samuel do Carmo Lima Márcia Mattos Dorneles Julio Cesar de Lima Ramires Noriel Viana Pereira Samuel do Carmo Lima Sandra Soares Alvim Samuel do Carmo Lima Sandra Célia Muniz Magalhães Samuel do Carmo Lima Jorge Hermógenes Rocha Samuel do Carmo Lima Jaqueline Aida Ferrete Samuel do Carmo Lima Jureth Couto Lemos Samuel do Carmo Lima Transmissão vetorial da doença de chagas no Triângulo Mineiro: aspectos demográficos, sócio-econômicos, políticos e ambientais. Regionalização e Territorialização da Estratégia Saúde da Família em Uberlândia MG Mobilização comunitária como estratégia da promoção da saúde no controle dos Aedes (aegypti e albopictus) e prevenção do dengue no distrito de Martinésia, Uberlândia (MG). Doenças da pobreza e globalização. Estratégias de Promoção da Saúde do território escolar: diálogos entre Brasil e Portugal. Diagnóstico Epidemiológico da Cidade de Ituiutaba-MG: o estudo da Dengue como possibilidade de pesquisa e mobilização social a partir da escola. Alterações ambientais e os riscos de transmissão de febre amarela, na área de construção da UHE Serra do Facão GO. Perfil geoepidemiológico das populações na área diretamente afetada pelo AHE Serra do Facão, Goiás. Gripe aviária, aves migratórias e controle sanitário na criação de aves comerciais e de subsistência no município de Uberlândia. Fauna anofélica da área de construção da barragem da Usina Hidrelética Amador Aguiar I, na bacia do Rio Araguari, no Município de Uberlândia MG. Aspectos ecológicos e sociais da doença de chagas no município de Uberlândia, Minas Gerais - Brasil Fauna flebotomínea na bacia do rio Araguari, antes, durante e após a construção da barragem da usina hidrelétrica Capim Branco I, Uberlândia, Minas Gerais. Fauna de Aedes (Ochlerotatus) Scapularis e as alteraçõpes ambientais provocadas pela construção das barragens das Usinas Hidrelétricas Capim Branco I e II, no rio Araguari, no Município de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Manejo integrado para controle do Aedes e prevenção contra a dengue, no Distrito de Martinésia, em Uberlândia (MG) A hanseníase e a política de saúde em Uberlândia MG. Epidemiologia da Hanseníase em Manaus AM. Comportamento Epidemiológico da Tuberculose em Uberlândia (MG): situações coletivas de risco, de 1995 a Epidemiologia da Tuberculose em Manaus MG. A influência da construção dos lagos das usinas hidrelétricas de Capim Branco I e II, nos municípios de Araguari e Uberlândia - MG. Fauna Anofélica das Áreas de Implantação das Barragens das Usinas Hidrelétricas Capim Branco I e Capim Branco II, na Bacia do Rio Araguari, no Município de Uberlândia MG. Fauna flebotomínica em áreas de transmissão de Leishmaniose Tegumentar Americana, na bacia do Rio Araguari, no Município de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil - um estudo de Geografia Médica. Fonte: Data de acesso: agosto de Organização: João Carlos de Oliveira, 2012.

19 19 O profissional em Agente de Combate às Endemias possuirá habilidades e competências para fazer um levantamento dos ambientes propícios para a presença e desenvolvimento de vetores responsáveis, ou não, a determinadas doenças, bem como as relações que se estabelecem com as ações antrópicas, identificando alguns problemas advindos do mau uso em determinado lugar. Dessa forma, o projeto pedagógico/plano do curso de formação inicial e continuada em Agente de Combate às Endemiasvem atender à solicitação de qualificação e formação das pessoas, gerando mão de obra qualificada, melhoria na qualidade dos serviços prestados e procurar solucionar os problemas locais e/ou regionais com a possibilidade de manter as pessoas no seu ambiente com menos riscos e vulnerabilidade. Os avanços conquistados pelosagentes de Combate em Endemias ao longo desses 20 anos de SUS mostram, por um lado, a capacidade de organização dessa categoria e, por outro, a importância que eles adquiriram no sistema como um todo. Houve um tempo, por exemplo, em que bastava saber ler e escrever para estar apto a realizar o trabalho dos agentes. Hoje, existe proposto pelos Ministérios da Saúde e da Educação e formalizado pelo Conselho Nacional de Educação, um curso técnico de Agente de Combate às Endemias (ACE). Em 2002, eles conseguiram fazer a sua atividade virar profissão, com a promulgação da Lei N Em 2006, outra lei, a de N , criou o processo seletivo público especificamente para Agente Comunitário de Saúde (ACS) e Agente de Combate às Endemias, atendendo alguns contextos conceituais, tais como: Ator Social; Determinantes Sociais; Distrito Sanitário; Doença Emergente; Doenças Reemergentes; Ecossistemas; Empoderamento; Endemia; Epidemia; Pandemia; Enfoque Clínico; Enfoque Epidemiológico; Enfoque Estratégico-Situacional; Enfoque Social; Fluxos; Incidência; Prevalência; Indicadores de Saúde; Integralidade; Equidade; Modelos Assistenciais; Necessidades Sociais de Saúde; Objetos Geográficos; Participação Social; Planejamento e a Programação Local em Saúde; Práticas de Saúde; Problemas de Saúde; Promoção da Saúde; Salubridade Ambiental; Saneamento Ambiental; Saúde; Segregação Espacial; Território; Vigilância Ambiental; Vigilância Epidemiológica; Vigilância Sanitária.

20 20 4. CARACTERIZAÇÃO DO CÂMPUS A Escola Técnica de Saúde da Universidade Federal de Uberlândia localizada no Bloco 4K e 6 X do Campus Umuarama. Foi criada em 1972, e oferece os cursos técnicos subsequentes ao ensino médio em Enfermagem, Análises Clínicas, Prótese Dentária, Saúde Bucal, Controle Ambiental e na modalidade PROEJA, o curso Técnico em Meio Ambiente.

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS Cleci Teresinha Noara Assistente Social Fundação Agência

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) LÍDERES Curso Internacional sobre Saúde, Desastres e Desenvolvimento Brasília DF 26 de novembro a 07 de dezembro de 2007 Ministério da Saúde

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania

PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania 2010 PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania Mogi Guaçu/SP PROJETO CHICO MENDES CICLOS DA VIDA: AMBIENTE, SAÚDE E CIDADANIA Equipe FMPFM Prof. Ms. Glauco Rogério Ferreira Desenvolvimento

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF Preocupados com inúmeros questionamentos recebidos pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a CNSPV/CFMV vem por

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE D I R E T O R I A D E S A Ú D E 05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE Em 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e nesse ano o foco está voltado para as Mudanças Climáticas com o tema

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

AGENTE DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL

AGENTE DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM AGENTE DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL EIXO TECNOLÓGICO:Ambiente e Saúde Carga Horária: 160 horas CATALÃO GO JANEIRO- 2014 SUMÁRIO 1- Justificativa ( Inserir

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA

SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo: Este trabalho tem como objetivo fazer algumas considerações sobre o projeto de saneamento rural Água

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Respostas às Emergências em Saúde Pública Setembro /2013 Evolução do conceito de vigilância em

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) 1 1. Apresentação do Projeto O presente documento tem por finalidade apresentar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Código: ENF - 301 Pré-requisito: Nenhum Período

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo SANEAMENTO RURAL Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo FOTO: Edmar Chaperman/Funasa O campo brasileiro é marcado por profundas desigualdades sociais e econômicas, que incidem diretamente

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Carga Horária: 72 horas/aula

PLANO DE ENSINO. Carga Horária: 72 horas/aula PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Farmácia Professores: Dinamar aparecida Gomes dinamar_gomes@hotmail.com Período/ Fase: 1º Semestre:

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

A contribuição da ciência geográfica na campanha de prevenção contra a Dengue

A contribuição da ciência geográfica na campanha de prevenção contra a Dengue A contribuição da ciência geográfica na campanha de prevenção contra a Dengue Lélia de Fátima Tomé 1 lelia.tome@seduc.gov.br Iris Maria Tomé 2 iristome7@gmail.com RESUMO O presente texto tem a intenção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SÁUDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SÁUDE 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SÁUDE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CUIDADOR DE INFANTIL NA MODALIDADE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE TRABALHADORES FIC PELO PRONATEC UBERLÂNDIA 2012

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Ana Iva Corrêa Brum Barros 1 Rayana de Carvalho Freitas 2 Prof. Esp. Gilmar dos Santos Soares

Leia mais

Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo?

Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo? Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo? A Coleção Verdeamarelo é composta por material institucional de apoio pedagógico, elaborado na forma de HQ Histórias em Quadrinhos coloridos, para serem

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Saúde Coletiva INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Profª Ma. Andressa Menegaz e Profª Ma. Ana Cássia Lira de Amorim O que é EPIDEMIOLOGIA?

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80.

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80. Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental 1. Evolução do movimento ambientalista Durante os últimos 30 anos tem se tornado crescente a preocupação da sociedade com a subsistência, mais precisamente

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

MINUTA DE PROJETO DE LEI

MINUTA DE PROJETO DE LEI MINUTA DE PROJETO DE LEI DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL E O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE PENÁPOLIS O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PENÁPOLIS, no uso de suas atribuições

Leia mais

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA Figueredo Silva Monteiro, Silvana Patrícia; Carvalho Santos, Maria Francisca;

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CCADCFSPEX01 Construindo novas relações: Projeto de Educação Ambiental com estudantes de ensino público na cidade de Areia - PB Jaciara Bomfim dos Santos (1); Thiago Bernardino de Sousa Castro (2); Josilene

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CARGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE - ACS LÍNGUA PORTUGUESA 1. Interpretação de textos

Leia mais