Moda Documenta: Museu, Memória e Design 2015 A MODA E SUA LINGUAGEM COMO AGENTE NA INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Moda Documenta: Museu, Memória e Design 2015 A MODA E SUA LINGUAGEM COMO AGENTE NA INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA"

Transcrição

1 A MODA E SUA LINGUAGEM COMO AGENTE NA INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA The Fashion and language as Agent in the Inclusion of People with Disabilities Renata Fambelio Gomes Mariano (EACH-USP) Resumo: A vestimenta surge como um elemento funcional, com o objetivo de proteção do homem em seu meio, com o passar da história a vestimenta evolui permeando gostos, atitudes num complexo sistema sociocultural e econômico conhecido como moda. Este artigo ressalta a importância dos signos da moda na sociedade e tem a função de comunicar. Portanto é capaz de ser um agente de inclusão social das pessoas com algum tipo de deficiência que querem e precisam fazer parte destes jogos de signos, pois também fazem parte desta sociedade. Palavras-chave: Moda, Comunicação, Pessoas com Deficiência. Abstract: The clothing comes as a functional element, with the objective to protect the man in their environment. Over the history of the garment evolves, permeating their tastes, attitudes in a complex socio-cultural and economic system known as fashion. This article highlights the importance of fashion signs in society and its communicator function capable of being an agent the social inclusion of people with a disability, who want and need to be part of these games signs, after all they are part of this society. Keywords: Fashion, Communication, People with Disability. O princípio do ato de se vestir vem da necessidade do homem de se proteger do frio usando pele de animais e trançados de fibras, usavam elementos para cobrir as partes intimas e partes sensíveis das agressões do clima. A indumentária se torna importante para o homem, pois é através de seus adornos e a possibilidade de caracterizá-la, torna-se possível a identificação de hierarquias, a diferenciação de tribos, e as demonstrações da cultura local, É a demonstração da linguagem não verbal representada pelas roupas, por meio das cores, adornos, comprimentos e quantidades de tecidos utilizadas, que funcionavam como símbolos. Cada período da história é caracterizado por um estilo, e conforme as civilizações iam alterando a sua necessidade de mudança a forma de vestir alterava também. Segundo Lipovetsky (1989), durante muitos milênios a vida no coletivo viveu sem a veneração da

2 novidade, fantasia, e efemeridade da moda como é atualmente. Somente a partir na Idade média no ocidente é possível reconhecer um sistema de mudanças, extravagâncias e a necessidade constante de se assemelhar a uma classe e se diferenciar de outras. Assim nasceu a moda. A palavra moda quando pensada no seu significado etimológico abrange um comportamento coletivo num determinado contexto social, apesar de ela estar instantaneamente relacionada a vestimenta. Porém, segundo o dicionário Houaiss: [...] maneira, gênero, estilo prevalecente (de vestuário, conduta etc.; conjunto de opiniões, gostos e apreciações críticas, assim como modo de agir, viver e sentir coletivos, aceitos por determinado grupo humano num dado momento histórico [...] A partir dessa definição é possível pensar na moda como um polvo, onde seus tentáculos atingem diferentes setores do comportamento social. O que a torna um fascinante objeto de estudos. Integrada num contexto social, a indumentária é capaz de identificar indivíduos, classes sociais, etnias e religiões. É por intermédio das roupas que é possível identificar uma época da história, um comportamento, um padrão de beleza, sendo assim, é possível pensar no vestuário como um sistema de códigos com inúmeros significados coletivos. Conforme Raslan, Dorinelles (2010) os códigos são criados de acordo com a cultura social se desenvolvendo naturalmente, sem que precise ser explicado, é como uma outra forma de linguagem, as autoras ainda citam Morim (1996), que afirma a interpretação desses símbolos como um processo de auto descoberta e compreensão, e esses símbolos não só apresentam significados diferentes para pessoas diferentes, mas também significados diferentes para uma mesma pessoa, em conformidade com as circunstâncias. E a moda como vestuário faz exatamente isso, uma tendência pode ser absorvida de diversas maneiras por diversas pessoas ou mesmo uma mesma peça de roupa pode ser usada de diversas maneiras diferentes, adquirindo muitos estilos para uma mesma pessoa dependendo das intenções, das combinações e das circunstâncias em que for usada. A moda, seus signos e significados Em concordância com as reflexões de Calefato (2004) a moda, apesar da sua efemeridade, está sempre fazendo referências ao imaginário social de um grupo específico.

3 Aproximando o público alvo com a sensação de identificação ao mesmo tempo gerando o desejo pelo fato de ser intangível. A sedução da moda se dá pelo desejo de fazer parte de um determinado grupo e ao mesmo tempo de se diferenciar. E neste jogo ambíguo as pessoas se agrupam com quem tem os mesmos pensamentos ideológicos, gostos sociais, crenças e comportamentos criando códigos de se vestir que oferece ao indivíduo uma sensação de pertencimento e ao mesmo tempo se diferenciar dos demais. Avaliando a sociedade contemporânea atual, é possível notar a importância cada vez maior da aparência visual. A moda torna-se um reflexo social. É possível estudar fatos e comportamentos, mudanças históricas através da indumentária, como por exemplo, o New Look da Dior, que se tornou um objeto de desejo, luxo e beleza no pós-guerra impulsionando a imitação, afinal, se a mulher não tinha dinheiro para comprar uma peça da Dior, ela poderia copiá-la adaptando-a de acordo com seu poder aquisitivo, trazendo a sensação de estar bem vestida e de pertencer a algo diferente da dura realidade do pós guerra. Ainda sob o ponto de vista histórico também é possível citar o movimento hippie nos anos 60, que refletia uma forma de viver mais livre, libertária e ideológica. Os hippies se opunham ao modo de vida americano dos anos 50 e a guerra que estava sendo feita no Vietnã. Este movimento influenciou não só o comportamento de uma geração assim como revolucionou a forma de vestir e esta influência perdura até os dias de hoje. A moda está entrelaçada a sociedade e seus movimentos. A funcionalidade da roupa perde espaço para os símbolos que ela pode transmitir, graças à globalização dos tempos atuais e ao avanço tecnológico dos meios de comunicação é possível saber o que está acontecendo no mundo quase instantaneamente. Devido seu sistema complexo e sua longa cadeia produtiva cada dia mais globalizada, a moda movimenta a economia de forma considerável, fazendo um breve resumo simplório desta forma de produção, podemos dizer que uma marca tem seu escritório no país de origem, produz em outro e revende para o resto do mundo adaptando seu produto com a cultura local sem perder seu apelo original, e assim tudo se torna mais fácil de ser homogeneizado, seus símbolos são reconhecidos no mundo todo, o que demanda uma busca constante pela novidade através da mistura o presente, passado e futuro. (AVELLAR, 2011, p. 82) O fenômeno da globalização alterou a forma como consumimos a moda, o símbolo adquire valor de mercado e a construção deste se dá através da imagem, a aquisição deste símbolo

4 insere o indivíduo em uma determinada classe econômica e também cultural, pois torna-se necessário um conhecimento prévio de outras referências para se dar o devido valor aquele objeto. É o exemplo da aquisição de um vestido da Chanel, é necessário saber sua importância histórica, circular em meios onde as pessoas irão reconhecer este vestido e admira-lo, este vestido também simboliza o poder aquisitivo e possivelmente a influência social da pessoa que o possui. De acordo com Featherstone (1995) uma vez que a dominância do valor de troca conseguiu suprimir a memória do valor de uso original dos bens as mercadorias ficam livres para adquirir uma ampla variedade de associações e ilusões culturais. Logo, podemos notar que moda está intrinsecamente ligada a cultura de consumo e esta por sua vez, se relaciona com os símbolos que a moda pode gerar. Uma alimenta a outra, num círculo até agora sem um limite [...] 3 perspectivas fundamentais sobre a cultura de consumo... A primeira tem como premissa a expansão de produção capitalista de mercadorias, que deu origem a uma vasta acumulação de cultura material na forma de bens e locais de compra e consumo. Isso resultou na proeminência cada vez maior do lazer e das atividades de consumo nas sociedades ocidentais contemporâneas, fenômenos que embora sejam bem vistos por alguns, na medida em que teriam resultado em maior igualitarismo e liberdade individual, são considerados por outros como alimentadores da capacidade de manipulação ideológica e controle sedutor da população, prevenindo qualquer alternativa "melhor" desorganização das relações sociais. Em Segundo Lugar, há a concepção mais estritamente sociológica de que a relação entre a satisfação proporcionada pelos bens e seu acesso socialmente estruturado é um jogo de soma zero, no qual a satisfação e o status dependem da exibição e da conservação das diferenças em condições de inflação. Nesse caso, focalizase o fato de que as pessoas usam as mercadorias de forma a criar vínculos ou estabelecer distinções sociais. Em terceiro lugar, há a questão dos prazeres emocionais do consumo, os sonhos e desejos celebrados no imaginário cultural do consumo e em locais específicos de consumo que produzem diversos tipos de excitação física e prazeres estéticos. (FEATHERSTONE, p. 31) Partindo do princípio de que a moda é um sistema de comunicação onde reflete o indivíduo na sociedade em que ele vive, é possível avaliar a importância da moda e seu papel nas relações sociais, ressaltando as diferenças e semelhanças dos indivíduos. Portanto se a moda tem força suficiente para influenciar e criar esses padrões, ela também pode ter uma forte influência na questão da inclusão de pessoas com deficiência, assumindo também um papel ativo nesta questão. Afinal o sujeito com deficiência faz parte desta sociedade, também tem desejos, sofre a mesma influência cultural.

5 Muitas vezes essas pessoas apresentam dificuldades em vestir sua própria vestimenta, dificuldades de escolha e dependência de compra. Eles não possuem a opção de adaptarem seus corpos para vestirem a roupa, mas a roupa pode como ser adaptada a esses corpos. A moda e sua sedutora mutabilidade, que através dos artifícios que ela possibilita, é capaz de transformar e camuflar o que se acredita ser imperfeito (RONCOLLETA, 2004) A relação entre o corpo e a roupa A questão que respondemos todos os dias de maneira inconsciente é sobre a forma como queremos expor o nosso corpo. Conforme Calefato (2004) diz, a aparência corporal como adesão estética é determinada pela roupa, música, literatura, cinema e rotinas diárias, ou seja, a moda está além da indumentária, está ligada ao comportamento, ao estilo de vida do indivíduo e seu grupo de convívio. Nos tempos atuais a aparência é essencial para o indivíduo e seu meio de convívio e a roupa é capaz de dar a sensação de poder, sucesso e bem estar. É o prazer que se tem em ver e ser visto pelas pessoas que circundam no seu ambiente social. É comunicar-se sem palavras. Bourdieu (2007, p. 112), afirma que onde todos têm acesso às inovações, a moda ainda pode indicar também posição social ou status, uma vez que pessoas emitem julgamentos a respeito da importância das outras de acordo com o que vestem. Apesar de toda a simbologia da indumentária, o seu suporte é o corpo, teoricamente é pra ele que a roupa é pensada, De acordo com Suzana Avelar (2011), que ressalta a relação entre a roupa e o corpo cumprindo um papel comportamental já que a moda se manifesta na roupa que é usada todos os dias, deixando a mostra nossos gostos e hábitos, fazendo parte do que somos, sugerindo nossa inserção social em determinados grupos. O corpo se torna um veículo de comunicação e a vestimenta assume um papel que vai além da proteção do corpo. Assim como a roupa imprime no corpo os signos o corpo imprime na roupa seus movimentos, numa relação que vai além do indivíduo refletindo uma influência no contexto social desta pessoa, assim como a sua posição neste meio. A roupa é a nossa segunda pele, por mais que muitas pessoas usem a mesma roupa nunca ficará igual, visto que, cada corpo se difere um do outro no aspecto físico e também na forma de se movimentar, de se comportar. Assim afirma Avellar (2011) que o elemento

6 fundamental da diferenciação é o corpo e a maneira como a cultura é incorporada a ele, por mais q se discuta a homogeneização da maneira de se vestir. As pessoas constroem seus mundos que muda constantemente de tempos em tempos, de acordo com seus interesses pessoais, culturais e econômicos. Assim moda por meio de seus códigos transmite ao indivíduo ferramentas pra ele compor esse mundo da maneira como ele quer ser visto, buscando uma aceitação social coletiva. O mesmo individuo, por intermédio do vestuário e intervenções no próprio corpo pode estar em busca de quebrar com padrões pré-estabelecidos, impondo a sua individualidade, criando novos paradigmas, influenciando e sendo influenciado, resultando num constante movimento da moda, que está se renovando constantemente. Nota-se que a moda é capaz de padronizar corpos, introduzindo regras em forma de tendências, que são amplamente difundidos pela grande mídia, e outros veículos de comunicação de massas, pode ser citado como exemplos de tendências os seios grandes, a magreza e a juventude eterna, resultando para pessoas fora dos padrões uma corrida para se chegar ao corpo perfeito, para isso muitas pessoas, vão além dos truques proporcionados pela roupa e recorrem a alterações físicas permanentes, na busca de uma aceitação social, do símbolo de beleza e bem estar. A mesma moda que muda rapidamente suas tendências apresenta com a mesma agilidade soluções para que seja possível seguir essas tendências, auxiliadas pela tecnologia, são apresentadas desde alterações superficiais como a maquiagem até intervenções cirúrgicas e implantações de próteses e membros, transformando os corpos, é o que afirma Roncolleta (2004). Mas não é de hoje que as alterações corporais são praticadas, o corpo é um suporte que pode ser utilizado para abrigar vários códigos. As pinturas, tatuagens, mutilações, alterações de volumes são realizadas há muitos anos e por muitas culturas, podem ser carregadas de significados ritualísticos, hierárquicos, sociais ou somente por uma questão estética é o caso de muitas tribos indígenas brasileiras que pintam seus corpos para rituais, festas e celebrações. Pode ser citada também a máfia japonesa yakuza, seus membros se tatuam quase o corpo todo com desenhos dos clãs a que pertencem, suas hierarquias e símbolos de proteções, além do fato de o próprio ato de se deixar tatuar e resistir a dor também tem seu significado dentro da máfia.

7 Na sociedade moderna as alterações corporais são vistas, a princípio, com um certo preconceito, pois estão fora dos padrões de beleza convencionais, a tatuagem por exemplo até os anos 90 era algo subversivo, hoje em 2015 é muito comum encontrar pessoas que tenham pelo menos uma pequena escondida pelo corpo. Porém antes dessas fugas de padrões serem absorvidas pela sociedade, ela serve de inspiração para os criadores de moda que com o olhar treinado para observar o que não é comum, se embriaga na forte das múltiplas maneiras que as pessoas são capazes de interferir em seus próprios corpos. Pensando nessas alterações corporais muitos estilistas foram além de moldar o tecido ao corpo, através da aplicação de volumes, são capazes de criar estruturas que transformam o corpo vestido alterando suas formas. Rei Kawakubo cria verdadeiras ilusões corporais, transcendendo suas formas se valendo de diversos materiais para criar estruturas ousadas. Como descreve Evans (2007), a grife Comme dês Garçon s de Rei Kawakubo em 1997 criou um Vestido que se torna Corpo, com acolchoado de pena almofadado assimetricamente no quadril e entre os ombros nas costas, causando a estranheza do corpo, apontando para questionamentos sobre a beleza e o corpo. Evans ainda reflete a mistura que ocorre nesta coleção entre o vestido e o corpo q o está vestindo, quem veste quem. O corpo personificando a moda por meio das extrapolações de volumes e interferências tecnológicas leva a observar até onde o corpo que conduz a criação da indumentária ou a indumentária conduz a estética do corpo. Essa questão vale ser estudada de forma mais profunda em outra oportunidade, para tanto essa observação resulta na seguinte reflexão, se por meio da indumentária podemos extrapolar formas de corpos normais, a mesma indumentária também pode redesenhar, ressaltar, e até mesmo complementar corpos que possuem algum tipo de deficiência física e/ ou sensorial, A moda na junção da indumentária com a tecnologia introduz a pessoa com deficiência ao seu universo fascinante de signos, desejos e sensações e pode ir além facilitando a vida dessas pessoas, oferecendo a elas mais autonomia na escolha e no vestir. A pessoa com deficiência, a sociedade e a Moda Entende-se como pessoa com deficiência, os indivíduos que apresentam algum problema de funcionamento motor ou sensitivo, falta de parte anatômica ou alguma anomalia congênita

8 que dificulta em vários níveis a locomoção, percepção, pensamento ou relação social. Essas pessoas representam 23,4% da população Brasileira total, segundo o censo de As deficiências podem ser congênitas ou adquiridas durante a vida, e isso dificulta a sua relação com a sociedade já que a mesma não está plenamente adaptada para inserir estes deficientes. Porém segundo a Declaração Universal dos Direitos Humanos do Homem, proclamada pela ONU, em 1948, aponta em seu artigo 1: Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos e, dotados que são de razão e consciência, devem comportar-se fraternalmente uns com os outros... Partir desta premissa, atualmente muitos setores da sociedade tem trabalhado para garantir esses diretos, e a moda com a sua importância sócio cultural não poderia se abster dessas iniciativas. Para Roncolleta (2004) só é possível a relação do universo da moda com a pessoa com deficiência a partir do momento em que este indivíduo começa a fazer parte desta sociedade de forma efetiva. Para que isto ocorra, a sociedade conta com estudos e tecnologias voltadas para esta inclusão na área da educação, design pensado para a acessibilidade em locais públicos, na área médica e psicológica, com o intuito de possibilitar ao deficiente o desenvolvimento de suas capacidades tornando-o produtivo e por isso mesmo reconhecido em seu meio. Todas essas iniciativas são muito recentes, no Brasil principalmente, no caso da moda é no fim dos anos 90 que se nota um interesse em desenvolver estudos e produtos direcionados para este público, inspirados em estilistas de outros países que se interessavam pela questão da deformidade do corpo. Alexande McQueen começou abordando em seus desfiles temas como o câncer de mama e a ausência de membros, é quando surge a vontade de extrapolar os conceitos de beleza estabelecidos pela sociedade. É o corpo estranho transformado e fora dos padrões que aguça a curiosidade. É também nos anos noventa que surge uma maior preocupação em criar uma indumentária ergonômica para este público. No entanto, segundo a pesquisa feita por Roncolleta (2004), no exterior a confecção pioneira neste segmento é a Silvert s. de origem Canadense que desde os anos 60 já criava produtos que facilitassem o ato de vestir e fossem confortáveis. Até hoje eles comercializam peças que podem ser adquiridas pela web. É citada

9 também a marca Able Apparel, Norte Americana, que é voltada para pessoas com dificuldades de mobilidade. No Brasil existem pouquíssimas marcas especializadas neste segmento. Havia a marca Urano que desenvolveu uma linha de roupas masculinas voltadas também para o deficiente visual. Hoje existem as marcas Adaptwear e Lado B, ambas tem loja virtual. Existem iniciativas que estimulam o estudo e a criação de peças ergonômicas que facilitam a vida dessas pessoas. É pensar a roupa dando ênfase a textura, conforto, adaptabilidade ao corpo e seus adornos (como próteses, cadeiras, bengalas) o uso de aviamentos que facilitem por e tirar peças, pensar na localização das costuras, e acesso a informações básicas das peças. Uma das referências no assunto é a professora e modelista Fátima Grave, que voltou seus estudos para desenvolver uma modelagem ergonômica, que facilita a vida de pessoas com dificuldades motoras. Em entrevista à Folha de São Paulo, Fátima ressalta pontos importantes em uma roupa ergonomicamente pensada: A ergonomia trata da linguagem do corpo, das suas formas e dos seus movimentos. Nesse conceito, buscamos resgatar as funções dos recortes e das costuras, a posição dos pontos e dos bolsos, valorizando a liberdade e levando em conta um ser que pensa que sente e que age. Não é apenas sair colocando velcros nas roupas, mas analisar como o indivíduo vai interagir com eles. Quase todo deficiente físico usa bolsas para carregar documento, dinheiro ou caneta, porque eles são ativos, mas acham o acessório feio. Aí aderimos ao utilitário, um bolso feito com o próprio tecido e com velcro, que pode ser fixado à roupa e tirado quando a pessoa quiser. É possível fazer uma modelagem ergonômica, uma roupa com caimento perfeito, elegante e que não prejudique o corpo. (Fátima Grave, entrevista 06/06/2003, para Folha de São Paulo/Folha Equilíbrio) Temos também iniciativas como o Rea Fashion, um desfile de moda exclusivo para deficientes que era realizado durante a Feira Internacional de Tecnologia em Reabilitação e Inclusão REATECH. Este evento teve duração de 2002 a 2012, era uma parceria entre a Modelista Fatima Grave, Fundação Selma, e a organização desta feira. Este evento chamou a atenção para estas pessoas e gerou novos frutos como o Concurso de Moda para o deficiente,

10 promovido pela Secretaria Estadual da Pessoa com Deficiência de São Paulo, que está no seu 7 ano, estimulando estudantes de moda a perceberem e estudarem este público. Estas iniciativas também impulsionam estudos acadêmicos, onde é possível investigar cada vez mais o universo desses deficientes, passando a conhecer suas dificuldades, desejos e pensando em possibilidades de tornar a moda acessível. Pode ser citado o grupo de estudos voltado para a questão da moda e a deficiência visual onde professores e alunos da USP, Unifesp, Anhembi Morumbi, em parceria com o Instituto Dorina Nowill e outros profissionais ligados a este interesse de estudos. Esses profissionais podem levantar questionamentos, aprofundando o conhecimento sobre os assuntos que envolvem a pessoa com deficiência. Tornando possível a aproximação da moda e seus signos, e buscando soluções para englobar a pessoa cega ou que apresente baixa visão no mundo da moda, oferecendo acessibilidade, independência e possibilidades de escolhas. Assim a moda pode auxiliar beneficamente os aspectos psicológicos e sócio culturais destes indivíduos. É pensar a moda como um agente comunicador unindo as pessoas e suas diversidades numa mesma sociedade. Considerações finais Tendo em vista os aspectos observados conclui-se que a moda ligada ao vestuário é um elemento de fundamental importância para a inclusão social de pessoas com deficiência, devido à importância social e cultural dos símbolos que ela proporciona e da forma múltipla como a moda é capaz de usar o corpo como suporte de expressão e comunicação não verbal. Esta possui ferramentas suficientes para se adaptar a essas pessoas através da ergonomia, substituições de aviamentos e tecidos tecnológicos, amplia-se o conceito social de normalidade e beleza, proporcionando bem estar, sensação de status, poder, conforto e integração social para essas pessoas assim como para todas as outras que compõem a sociedade contemporânea. Nota-se iniciativas tímidas mas de extrema importância, como desfiles, concursos, pesquisas acadêmicas, iniciativas de mercado pra que essa inclusão aconteça definitivamente. O deficiente pode e deve ser visto como um público-alvo, um nicho de mercado e um segmento

11 a ser estudado com a atenção devida. Afinal eles fazem parte da sociedade, tem os mesmo desejos e querem fazer parte ativamente do meio em que vivem. Uma sociedade que se adapta ao que é diferente do comum vive muito melhor, portanto, facilitando a vida dessas pessoas consequentemente facilitará a vida de todos. Referências Livros AVELAR, Suzana. Moda, globalização e novas tecnologias. 2a. ed. Rio de Janeiro: SENAC Rio, BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, CALEFATO, Patrizia. The Clothed Body. Oxford: Berg, 2004 EVANS, Caroline. Fashion at the Edge: Spectacle, modernity, and Deathliness London; Yale University Press, 2007 FEATHERSTONE, Mike. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995 GARCIA, Carol; MIRANDA, Ana Paula de. Moda é comunicação: experiências, memórias e vínculos. São Paulo: Anhembi Morumbi, LAVER, James. A Roupa e a Moda: Uma história Concisa. São Paulo: Editora Schwarcz, LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero. São Paulo: Companhia das Letras, SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS Cartilha do Censo 2010 Pessoas com Deficiência Brasil, 2012 Site Entrevista com Fátima Grave, Rede Saci, 06/06/2003. Disponível em : <http://saci.org.br/?modulo=akemi&parametro=5728 > Acesso em

12 DORNELLES, Beatriz C. P., RASLAN, Elaine M. S. A moda, como meio de comunicação, gera símbolos diferenciados de tecnologia, Caxias do Sul, RS, Conexão- Comunicação e Cultura, v.9 n17, Disponível em <http://www.coloquiomoda.com.br/anais/anais/7- ColoquiodeModa_2011/GT03/GT/GT89775_GT_Moda_no_contexto_da_comunicacao_na_hi permodernidade.pdf > Acesso em MENEZES, Manita. - MODA NO CONTEXTO DA COMUNICAÇÃO NA HIPERMODERNIDADE Paraná: VII Colóquio de Moda, Disponível em < Moda_2011/GT03/GT/GT89775_GT_Moda_no_contexto_da_comunicacao_na_hipermoderni dade.pdf > Acesso em Dissertação de Mestrado RONCOLETA, Mariana Rachel. Deformidades Formidáveis: A trajetória dos corpos transformados e da deficiência física pela moda. Dissertação (Tese de Mestrado). Faculdade Anhembi Morumbi. São Paulo f.

ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO

ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO Animal print and symbolic consumption explaining models Garcia, Maria Carolina; Doutora; Centro Universitário Belas Artes, maria.garcia@belasartes.br

Leia mais

Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP)

Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP) CONSUMO DE MODA, CULTURA E CIDADE: UM OLHAR PARA A VILA MADALENA (SP) Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP) Resumo Nunes, Luisa da Conceição; Graduando; Universidade

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1 1 1 INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA Terminologias e conceitos da área. Contextualização e processo de moda. Mercado. Ciência e. 2 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO Leitura analítica e crítica. Gêneros textuais.

Leia mais

ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA

ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA Delay in Neuro Psycho Motor development: accessibility in inclusive fashion Sartori, Bárbara Keoma; Graduada em Design de Moda

Leia mais

Possíveis inclusões sociais através da estética no design de calçados por Mariana Rachel Roncoletta 1

Possíveis inclusões sociais através da estética no design de calçados por Mariana Rachel Roncoletta 1 por Mariana Rachel Roncoletta 1 Introdução Este ensaio está divido em dois momentos: no primeiro uma rápida abordagem ao look la garçonne difundido por Chanel, considerada por SELLING (2000:99) uma das

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE MODA DA TRIBO DOS COSPLAYERS. Autor(a): Raissa Silva de Araujo Lima Email: rasinha_lima@hotmail.com

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE MODA DA TRIBO DOS COSPLAYERS. Autor(a): Raissa Silva de Araujo Lima Email: rasinha_lima@hotmail.com ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE MODA DA TRIBO DOS COSPLAYERS Autor(a): Raissa Silva de Araujo Lima Email: rasinha_lima@hotmail.com Introdução As tribos urbanas são constituídas por agrupamentos compostos por

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. PROJETO TALENTO PROFISSIONAL 2015 Projeto de Moda Inclusiva. Marca: Inclui+.

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. PROJETO TALENTO PROFISSIONAL 2015 Projeto de Moda Inclusiva. Marca: Inclui+. SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL PROJETO TALENTO PROFISSIONAL 2015 Projeto de Moda Inclusiva. Marca: Inclui+. ALUNOS: CÉSAR FELIPE MANNRICH CPF: 085.375.719-46 THAIS MOSER NASCIMENTO CPF: 099.108.629-56

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA Coleção de moda para o público infantil aliando Arte & Cultura à técnica de estamparia

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Concepção e desenvolvimento de desenho. Modelagem. Montagem. Técnicas de aprimoramento. Fichas técnicas. Processo de padronização. Mostruário.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO Erodíades Daboit Possamai¹ Resumo: Este trabalho visa mostrar as tecnologias na indústria do vestuário e a função dos profissionais responsáveis

Leia mais

ROUPAS INCLUSIVAS PARA CRIANÇAS COM ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR

ROUPAS INCLUSIVAS PARA CRIANÇAS COM ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR ROUPAS INCLUSIVAS PARA CRIANÇAS COM ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR ChothingIncluse for Childrenwithdelay in devenlopmentpsychomotor Sartori,BárbaraKeoma; Graduada em Design de Moda UTFPR; Pós

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

GESTÃO do DESIGN interrelacionada com GESTÃO do MARKETING

GESTÃO do DESIGN interrelacionada com GESTÃO do MARKETING 1. Gestão do design e a estratégia de marketing A gestão do design tem a função de controlar a criação e desenvolvimento do produto, estando sempre atento e observando as necessidades do mercado e a promoção

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA Caroline Yurie Kikuchi 1 ;

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Amanda Medeiros Cecília Aragão Mais importante do que a roupa é a vida que se vive dentro da roupa. A gente é mais bonita quando está feliz. Quem se

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO Maristela Gomes de Camargo Resumo: Este estudo discute os aspectos de usabilidade e ergonomia relacionados ao conforto térmico; e o

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

Inicialmente as questões que Barthes (2009) coloca sobre a moda enquanto sistema

Inicialmente as questões que Barthes (2009) coloca sobre a moda enquanto sistema - SEPesq KUNZLER, Lizandra Stechman Quintana 2 Uma reflexão sobre Comunicação e Moda 1 1. Introdução Neste trabalho aproximam-se Barthes (2009), Villaça (2010) e Lipovetsky (1989) entre outros autores,

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ PARTICIPANTES: AMANDA CAROLINE COLOGNI - 060.115.469-00 FRANCIELE PEREIRA ANTUNES - 067.639.869-39 NAIARA DA ROSA PIRES

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO ESTILO PESSOAL E DA MODA NAS ESCOLHAS DOS ELEMENTOS QUE AS MULHERES CONTEMPORÂNEAS ELEGEM PARA O SEU VISUAL

INTERFERÊNCIA DO ESTILO PESSOAL E DA MODA NAS ESCOLHAS DOS ELEMENTOS QUE AS MULHERES CONTEMPORÂNEAS ELEGEM PARA O SEU VISUAL INTERFERÊNCIA DO ESTILO PESSOAL E DA MODA NAS ESCOLHAS DOS ELEMENTOS QUE AS MULHERES CONTEMPORÂNEAS ELEGEM PARA O SEU VISUAL Autora: CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Todos os elementos de diferenciação

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Educação Física Inclusiva

Educação Física Inclusiva LUIZ HENRIQUE DE PAULA CONCEIÇÃO 1 RODRIGO HÜBNER MENDES 2 Educação Física Inclusiva O esporte para pessoas com deficiência teve seu início após a Primeira Guerra Mundial, como forma de tratamento de soldados

Leia mais

A RELAÇÃO CULTURA E MODA. Carmem Lúcia de Oliveira MARINHO, Faculdade Senac Pernambuco, Professora. carmemmarinho@yahoo.com.br.

A RELAÇÃO CULTURA E MODA. Carmem Lúcia de Oliveira MARINHO, Faculdade Senac Pernambuco, Professora. carmemmarinho@yahoo.com.br. A RELAÇÃO CULTURA E MODA Carmem Lúcia de Oliveira MARINHO, Faculdade Senac Pernambuco, Professora. carmemmarinho@yahoo.com.br. Introdução Vivemos em uma sociedade complexa, na qual grupos heterogêneos

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE 2008 Paulo Roberto Cardoso Pereira Júnior juniorcamamu@hotmail.com Tatiana Pereira Boureau tatiboureau@hotmail.com Raimundo Francisco Frank Ribeiro frank.ribeiro@terra.com.br

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

Funções de um objecto. na comunicação visual

Funções de um objecto. na comunicação visual Funções de um objecto na comunicação visual Na civilização em que vivemos estamos rodeados de objectos com as suas mensagens incorporadas. Se quiser-mos sistematizá-las, podemos referirmo-nos a elas consoante

Leia mais

A Dom Colletto é uma empresa de roupa de homem e mulher de inspiração italiana, com presença e expansão nacional e internacional.

A Dom Colletto é uma empresa de roupa de homem e mulher de inspiração italiana, com presença e expansão nacional e internacional. DOM COLLETTO: A certeza de um conceito A Dom Colletto é uma empresa de roupa de homem e mulher de inspiração italiana, com presença e expansão nacional e internacional. O sistema de franchising permite

Leia mais

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal CONCLUSÃO Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal afirmarmos que todos os objetivos da pesquisa foram atingidos. Mesmo porque o campo mostrou-se muito mais amplo e

Leia mais

one year DESIGN DE MODA

one year DESIGN DE MODA one year DESIGN DE MODA Coordenação Luiz Wachelke Início 05/10/2015 Término 10/2016 Carga horária 360 horas Idioma Português (summer opcional em Barcelona) Aulas Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 e

Leia mais

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 Fase Cod. Disciplina I II III IV Prérequisitos Carga Horária Teórica

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

O CHÃO DE FÁBRICA: relato de experiência vivenciada em uma indústria de confecção, durante o estágio supervisionado.

O CHÃO DE FÁBRICA: relato de experiência vivenciada em uma indústria de confecção, durante o estágio supervisionado. 1 O CHÃO DE FÁBRICA: relato de experiência vivenciada em uma indústria de confecção, durante o estágio supervisionado. SELMA MARIA BARBOSA DOS ANJOS; ANETE SALES DA PAZ RAMOS DA SILVA Introdução A moda

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

O Indivíduo em Sociedade

O Indivíduo em Sociedade O Indivíduo em Sociedade A Sociologia não trata o indivíduo como um dado da natureza isolado, livre e absoluto, mas como produto social. A individualidade é construída historicamente. Os indivíduos são

Leia mais

As imagens e suas implicações sociais

As imagens e suas implicações sociais As imagens e suas implicações sociais Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros 1) Os autores justificam que a busca por definições de padrões no que diz respeito ao corpo transforma- se numa corrida rumo ao consumo.

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é?

Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é? Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é? Para crescer profissionalmente não basta conhecer bem sua especialidade, é indispensável ser ético. De acordo com o dicionário

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: CULTURA E COMPORTAMENTO EM PAUTA

JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: CULTURA E COMPORTAMENTO EM PAUTA JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: CULTURA E COMPORTAMENTO EM PAUTA Fashion Journalism in Bahia: Culture and Behavior on question Alves, Larissa Molina; Estudante; Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

2014 Setembro Ed. 16 1

2014 Setembro Ed. 16 1 1 Editorial Caros assinantes, tudo o que fazemos na vida tem por objetivo nossa felicidade. Quando ajudamos outra pessoa sentimos um forte prazer, felicidade. A filosofia nos convida a refletir se fazemos

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

Entrevista Jornal Zero Hora (RS)

Entrevista Jornal Zero Hora (RS) Entrevista Jornal Zero Hora (RS) ZH: Grifes europeias estariam voltando seus olhos para emergentes como o Brasil em razão da crise em seus países de origem. Vamos ver abrir mais lojas de produtos de luxo

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

2º Semestre de MODA. - 9 Inscritos -

2º Semestre de MODA. - 9 Inscritos - 2º Semestre de MODA - 9 Inscritos - Tema: [Área 5]: Público Interno - Tema: 6. Valorização da diversidade Título: Inclusão do deficiente no mundo da Moda Aline Beletani de Almeida Débora de Souza de Brito

Leia mais

The Change in Style Every Click The immediate consumption of fashion trends.

The Change in Style Every Click The immediate consumption of fashion trends. 11º Colóquio de Moda 8ª Edição Internacional 2015 A MUDANÇA DE ESTILO A CADA CLICK- O CONSUMO IMEDIATO DAS TENDÊNCIAS DE MODA. The Change in Style Every Click The immediate consumption of fashion trends.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST DESIGN DE MODA MÓDULO I INTRODUÇÃO AO DESIGN EMENTA: Conceituação e dimensionamento do design, aspectos éticos, legais e postura profissional do designer. História do

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA, INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO ACESSO ÀS VESTIMENTAS. Denise B. Tavares 1 Zenilda V. Bruno 2

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA, INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO ACESSO ÀS VESTIMENTAS. Denise B. Tavares 1 Zenilda V. Bruno 2 GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA, INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO ACESSO ÀS VESTIMENTAS. Denise B. Tavares 1 Zenilda V. Bruno 2 RESUMO: A partir de um projeto de extensão universitária para a obtenção de dados que

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

PÚBLICO ALVO DO PROJETO ESTRUTURA E GÊNERO DRAMÁTICO

PÚBLICO ALVO DO PROJETO ESTRUTURA E GÊNERO DRAMÁTICO APRESENTAÇÃO A aparência é um manifesto de nossa personalidade. Através das roupas, penteados, acessórios, tatuagens etc. comunicamos ao resto do mundo uma infinidade de informações: do lugar social até

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

RESULTADOS DA CHAMADA CRIATIVA 04/12/12 A 28/01/13

RESULTADOS DA CHAMADA CRIATIVA 04/12/12 A 28/01/13 RESULTADOS DA CHAMADA CRIATIVA 04/12/12 A 28/01/13 229 IDEIAS POSTADAS ESPONTANEAMENTE 75% 17% 6% 2% 141 PARTICIPANTES 32% feminino 68% masculino 38% SÃO PAULO 16% BAHIA 14% BRASÍLIA 10% RIO DE JANEIRO

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 1 Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 Nas empresas existe uma estrutura específica que planeja, programa e controla as estratégias relativas à produção,

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Qualidade na Confecção dos Uniformes Andréia Garcia MISSÃO Criar moda para o mercado corporativo através de uniformes adequados e modernos para identificar, padronizar e promover a marca da empresa cliente.

Leia mais

FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS CAMILA APARECIDA CARNEIRO FERNANDES ENSINANDO O SURGIMENTO DA MINISSAIA COM MANEQUINS DE PAPEL

FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS CAMILA APARECIDA CARNEIRO FERNANDES ENSINANDO O SURGIMENTO DA MINISSAIA COM MANEQUINS DE PAPEL FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS CAMILA APARECIDA CARNEIRO FERNANDES ENSINANDO O SURGIMENTO DA MINISSAIA COM MANEQUINS DE PAPEL MONTE DE ALEGRE DE MINAS 09 DE FEVEREIRO DE 2011 FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING A Estillo Fashion Training se concentra em tudo o que você quer e precisa saber sobre como trabalhar com imagem pessoal e imagem corporativa. Nosso objetivo é a

Leia mais

O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura

O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura The little things world: prints for textile made with objects of sewing universe Cavalcante, Vanessa Peixoto;

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI janaegm@univali.br

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Brinquedoteca Virtual: um ambiente de aprendizagem com diversão

Mostra de Projetos 2011. Brinquedoteca Virtual: um ambiente de aprendizagem com diversão Mostra de Projetos 2011 Brinquedoteca Virtual: um ambiente de aprendizagem com diversão Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

CONTATOS: FASHION TEEN

CONTATOS: FASHION TEEN CONTATOS: FASHION TEEN End: QI 13 Bloco E Loja 08 Lago Sul Brasília DF Tel: + 55 61.3366.2277/ 61.8533.2515 E-mail: contato@fashionteen.com.br Web: www.fashionteen.com.br APRESENTAÇÃO CURSO FASHIONTEEN

Leia mais

Investigação da biônica como técnica criativa para problemas em design de produtos

Investigação da biônica como técnica criativa para problemas em design de produtos Investigação da biônica como técnica criativa para problemas em design de produtos Bionic investigation as a creative technique for problems in product design Age, Mônica Juergens; Acadêmica do curso de

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Attitude garment: urban tribe, fashion and behavior. Silveira, Lígia Mara Zanella; graduanda; Universidade de Sorocaba ligiachan15@gmail.

Attitude garment: urban tribe, fashion and behavior. Silveira, Lígia Mara Zanella; graduanda; Universidade de Sorocaba ligiachan15@gmail. Attitude garment: urban tribe, fashion and behavior Silveira, Lígia Mara Zanella; graduanda; Universidade de Sorocaba ligiachan15@gmail.com O texto resgata inicialmente e de forma breve, a moda e suas

Leia mais

Curso de Web Design MÓDULO I. Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL

Curso de Web Design MÓDULO I. Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL MÓDULO I Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL AULA 1 INTRODUÇÃO A PROGRAMAÇÃO VISUAL Objetivos: Na primeira aula de nosso curso, você entrará em contato com um novo mundo de curiosidades e criatividade,

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 A IMPORTÃNCIA DA ESTIMULAÇÃO ESSENCIAL DO DEFICIENTE VISUAL E O PAPEL DA FAMÍLIA NESTE PROCESSO Autor: Bárbara Zanini 1 Co-autor: Letícia Dal Forno 2 Universidade Federal de Santa Maria RESUMO A maioria

Leia mais

Palavras-chave: design, moda, responsabilidade social. Key words: design, fashion, social responsibility. Metodologia e Revisão Bibliográfica

Palavras-chave: design, moda, responsabilidade social. Key words: design, fashion, social responsibility. Metodologia e Revisão Bibliográfica Resumo Reflexões sobre Responsabilidade Social e Design de Moda Thoughts about social responsibility and fashion design Este artigo investiga as possíveis relações entre a responsabilidade social do design,

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS *

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * Joserlene Lima Pinheiro Universidade Estadual do Ceará Marcilia Chagas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL BELO, Milena Domingos - UNIFESP 1 milena_dbelo@hotmail.com PANIZZOLO, Claudia - UNIFESP 2 claudiapanizzolo@uol.com.br

Leia mais