CARREIRAS E REMUNERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARREIRAS E REMUNERAÇÃO"

Transcrição

1 CARREIRAS E REMUNERAÇÃO Diretoria Central de Carreiras e Remuneração Superintendência Central de Política de Recursos Humanos Subsecretaria de Gestão de Pessoas Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão

2 CARREIRAS E REMUNERAÇÃO Leis de reestruturação das carreiras Promoção x Progressão pela regra geral Promoção por Escolaridade Adicional Reposicionamento Adicional de Desempenho

3 REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS Breve Histórico Implantação do Choque de Gestão por meio da Emenda Constitucional n. 57, 15/07/2003. Decreto , 09/ Estabeleceu diretrizes que nortearam processo de reestruturação e implementação dos Planos de Carreira dos órgãos, autarquias e fundações do Poder Executivo. Publicadas 16 leis, entre agosto de 2004 e janeiro de 2005, que instituíram os novos Planos de Carreiras.

4 LEIS DE REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS 1. As leis das carreiras definiram: estruturas de carreiras quantitativo de cargos de provimento efetivo, regras de ingresso nas carreiras, atribuições gerais dos cargos, promoção e a progressão, fixação de jornada de trabalho, regras de movimentação dos servidores entre os órgãos e entidades regras pertinentes à transformação, criação e extinção de cargos; tabelas de vencimento com variação média de 3% entre os graus e 22% entre os níveis.

5 POSICIONAMENTO NA ESTRUTURA DA CARREIRA Para o posicionamento dos servidores observou-se a compatibilidade entre os cargos de origem e destino, no que diz respeito à natureza e à complexidade das atribuições correspondentes. Nesse momento foi considerada a escolaridade exigida para o cargo ocupado, e não a escolaridade do servidor, nem o tempo de serviço. Escolaridade do servidor - Promoção por escolaridade adicional Tempo de serviço - Reposicionamento Os servidores foram posicionados no nível inicial da carreira e no grau com vencimento básico imediatamente maior ao que percebia.

6 PROGRESSÃO Progressão é a passagem do servidor do grau em que se encontra para o grau subsequente, no mesmo nível da carreira a que pertence. Requisitos: efetivo exercício; cumprir o período de 02 anos de efetivo exercício no mesmo grau; ter recebido 02 ADI s satisfatórias desde a sua progressão anterior. NÍVEL DE GRAU A B C D E F G H I J ESCOLARIDADE NÍVEL Médio I 636,69 655,79 675,47 695,73 716,60 738,10 760,25 783,05 806,54 830,74 Médio II 776,77 800,07 824,07 848,79 874,26 900,49 927,50 955,32 983, ,50 Superior III 955,04 983, , , , , , , , ,11 Superior IV 1.165, , , , , , , , , ,26 Lato / Stricto Sensu V 1.421, , , , , , , , , ,71

7 ATENÇÃO 1ª Progressão dar-se-á após a conclusão do estágio probatório. (Nível I/ Grau B) Não há necessidade de aprovação da Câmara de Coordenação Geral, Planejamento, Gestão e Finanças para a progressão

8 PROMOÇÃO Promoção é a passagem do servidor do nível em que se encontra para o nível subsequente, na carreira a que pertence. Requisitos: efetivo exercício; ter cumprido o período de 05 anos de efetivo exercício no mesmo nível; 05 ADI s satisfatórias, desde a sua promoção anterior; comprovar a ESCOLARIDADE mínima exigida para o nível ao qual pretende ser promovido. NÍVEL DE GRAU A B C D E F G H I J ESCOLARIDADE NÍVEL Médio I 636,69 655,79 675,47 695,73 716,60 738,10 760,25 783,05 806,54 830,74 Médio II 776,77 800,07 824,07 848,79 874,26 900,49 927,50 955,32 983, ,50 Superior III 955,04 983, , , , , , , , ,11 Superior IV 1.165, , , , , , , , , ,26 Lato / Stricto Sensu V 1.421, , , , , , , , , ,71

9 Promoção A contagem do prazo para fins da primeira promoção e da segunda progressão terá início após a conclusão do estágio probatório, desde que o servidor tenha sido aprovado anos do estágio probatório + 05 anos de efetivo exercício no mesmo nível Lembrete: O posicionamento do servidor no nível para o qual for promovido dar-se-á no primeiro grau cujo vencimento básico seja superior ao percebido pelo servidor no momento da promoção. NÍVEL DE GRAU A B C D E F G H I J ESCOLARIDADE NÍVEL Médio I 636,69 655,79 675,47 695,73 716,60 738,10 760,25 783,05 806,54 830,74 Médio II 776,77 800,07 824,07 848,79 874,26 900,49 927,50 955,32 983, ,50 Superior III 955,04 983, , , , , , , , ,11 Superior IV 1.165, , , , , , , , , ,26 Lato / Stricto Sensu V 1.421, , , , , , , , , ,71

10 ATENÇÃO No caso de a promoção em carreira do Poder Executivo acarretar variação do valor do vencimento básico inferior a 3%, a progressão seguinte ocorrerá após o servidor ter cumprido o interstício de 01 ano de efetivo exercício no mesmo grau e ter recebido duas avaliações de desempenho individual satisfatórias desde a sua última progressão, nos termos das normas legais pertinentes. (art. 57 da Lei de 27/10/2005).

11 ATENÇÃO Para a Promoção e Promoção por escolaridade adicional é imprescindível a aprovação do impacto financeiro. O relatório de impacto deve ser encaminhado à Superintendência Central de Coordenação Geral, que encaminhara para análise e aprovação da Câmara de Coordenação Geral, Planejamento, Gestão e Finanças

12 PERDA DO DIREITO À PROMOÇÃO E À PROGRESSÃO Perderá o direito à progressão e à promoção o servidor que, no período aquisitivo: Sofrer punição disciplinar em que seja: a) suspenso; b) exonerado ou destituído de cargo de provimento em comissão ou função gratificada que estiver exercendo. OBS: Nessa hipótese o servidor perderá o direito à promoção e progressão se, no período aquisitivo, sofrer punição disciplinar. Em outras palavras, a punição ZERA o período aquisitivo. Afastar-se das funções específicas de seu cargo, excetuados os casos previstos como de efetivo exercício nas normas estatutárias vigentes e em legislação específica. OBS: Nessa hipótese o servidor terá o período aquisitivo suspenso, ou seja, será considerado para fins de promoção e progressão o período anterior ao afastamento. Não há perda do período aquisitivo para à promoção e progressão

13 CASOS PREVISTOS COMO DE EFETIVO EXERCÍCIO Art. 88 da Lei n. 869/52 Estatuto do Servidor I - férias e férias-prêmio; II - casamento, até oito dias; III - luto pelo falecimento do cônjuge, filho, pai, mãe e irmão até oito dias; IV - exercício de outro cargo estadual, de provimento em comissão; V - convocação para serviço militar; VI - júri e outros serviços obrigatórios por lei; VII - exercício de funções de governo ou administração em qualquer parte do território estadual, por nomeação do Governador do Estado; VIII - exercício de funções de governo ou administração em qualquer parte do território nacional, por nomeação do Presidente da República; IX - desempenho de mandato eletivo federal, estadual ou municipal; X - licença ao funcionário acidentado em serviço ou atacado de doença profissional; XI - licença à funcionária gestante; XII - missão ou estudo de interesse da administração, noutros pontos do território nacional ou no estrangeiro, quando o afastamento houver sido expressamente autorizado pelo Governador do Estado.

14 PROMOÇÃO POR ESCOLARIDADE ADICIONAL Decreto n , de 07/04/2008, contempla: Tributação, Fiscalização e Arrecadação Defesa Social Agricultura e Pecuária, Seguridade Social, Ciência e Tecnologia, Cultura, Desenvolvimento Econômico e Social Transporte e Obras Públicas, Gestão, Planejamento, Tesouraria e Auditoria e Político-Institucionais Agente de Segurança Penitenciário, Agente de Segurança Socioeducativo, Técnico Fazendário de Administração e Finanças, Analista Fazendário de Administração e Finanças Advogado Autárquico do Grupo de Atividades Jurídicas

15 Promoção por escolaridade adicional Requisitos: a. Conclusão do estágio probatório, com comprovação da aptidão do servidor para o desempenho do cargo; b. 02 ADI s satisfatórias, concluídas até 31 de dezembro de 2007; OBS: Serão considerados os resultados obtidos pelo servidor nas últimas 02 ADI s concluídas até a data prevista para a PEA. c. CONCLUSÃO ou MATRÍCULA em curso que constitua formação superior àquela exigida para o nível em que estiver posicionado na respectiva carreira; d. Efetivo exercício do cargo.

16 Promoção por escolaridade adicional Requerimento, preenchido pelo servidor, da promoção junto à unidade de recursos humanos do órgão ou entidade de lotação : Conclusão do curso até o dia 31 de dezembro de 2007, para fazer jus à promoção por escolaridade adicional com vigência a partir de 1º de janeiro de 2008; Matrícula no curso até o dia 31 de dezembro de 2007, para fazer jus à promoção por escolaridade adicional com vigência a partir de 30 de junho de 2009 ou 30 de junho de 2010.

17 PROCEDIMENTOS Encaminhamento, pelo dirigente de órgão ou entidade de relatório para a Câmara de Coordenação Geral, Planejamento, Gestão e Finanças. Impacto financeiro decorrente da PEA dos servidores lotados no respectivo órgão ou entidade. Relação nominal de servidores aptos para obtenção da PEA no respectivo órgão ou entidade, com a identificação para cada servidor, do nível de escolaridade correspondente ao título apresentado.

18 ATENÇÃO Serão concedidas novas promoções a cada dois anos de efetivo exercício no mesmo nível, ATÉ que o servidor seja promovido ao nível da carreira cujo requisito de escolaridade seja equivalente ao do referido título (art. 3º, inciso II, do Decreto /08). O reconhecimento do título de conclusão de curso para PEA com vigência a partir de 01/01/2008, impede o aproveitamento de um novo título para o mesmo fim. ( 3º do art. 6º do Decreto nº /2008).

19 REPOSICIONAMENTO POR TEMPO DE SERVIÇO Decreto nº , de 30/12/2009 Alterações posteriores: Decreto nº , de 29/06/2010 e Decreto nº , 31/08/2010.

20 Reposicionamento por Tempo de Serviço REGRAS GERAIS: Contagem de tempo de efetivo exercício para efeito de reposicionamento: Inicial: a partir da data do último ato de posicionamento na classe, progressão ou promoção na carreira antiga. Para maioria das carreiras novembro de 1994 (data, constante no SISAP, do posicionamento efetuado pelo Decreto nº /94). Final: data da vigência do posicionamento na nova carreira: a) até 01/09/2005 para os servidores dos grupos de atividades de Educação Básica, Educação Superior e Saúde; b) até 01/01/2006 para os demais grupos de atividades.

21 Reposicionamento por Tempo de Serviço REGRAS GERAIS: Para mudança de nível será necessário preencher o requisito de escolaridade, sendo considerados cursos concluídos até: 31 de janeiro de 2010 O servidor que não possuir a escolaridade exigida para o nível em que ocorreria seu reposicionamento, será reposicionado no nível da carreira compatível com a respectiva escolaridade e o saldo de tempo de serviço será aproveitado para progressões nesse nível. O servidor que tiver pelo menos 01 ano de efetivo exercício na carreira antiga, mas não for beneficiado com a aplicação das regras de reposicionamento terá direito a UMA progressão OU se já estiver no último grau daquele nível o servidor receberá UMA promoção, desde que possua escolaridade para próximo nível.

22 Reposicionamento por Tempo de Serviço INFORMAÇÕES GERAIS: PROGRESSÃO E PROMOÇÃO X REPOSICIONAMENTO POR TEMPO DE SERVIÇO PROGRESSÃO: O servidor que tiver uma progressão em virtude da aplicação das regras do Decreto nº /2009 terá direito a uma nova progressão 02 anos após a vigência do reposicionamento, desde que cumpridos os demais requisitos previstos em lei. PROMOÇÃO: O servidor que tiver alteração do nível de posicionamento em virtude da aplicação das regras do Decreto nº /2009 terá direito à promoção, pela regra geral, cinco anos após a vigência do reposicionamento, desde que cumpridos os demais requisitos previstos em lei.

23 Reposicionamento por Tempo de Serviço INFORMAÇÕES GERAIS: a) A progressão, promoção ou PEA na carreira previstas para janeiro de 2010 deverá ter sido processada normalmente; b) Para o servidor que teve direito à progressão em 30 de junho de 2010, primeiramente deverá ter sido concedida a progressão, para depois aplicar as regras de reposicionamento; c) Para o servidor que teve direito à promoção por escolaridade adicional em 30 de junho de 2010, primeiramente deverá ter sido concedida a promoção por escolaridade adicional, para depois aplicar as regras de reposicionamento.

24 Reposicionamento por Tempo de Serviço Terá direito a continuidade da PEA o servidor que não alcançar com o reposicionamento por tempo de serviço o nível da carreira com requisito de escolaridade equivalente ao título utilizado para efeito da referida promoção. O período para a próxima etapa da PEA será contado: conforme as regras previstas nos Decretos caso o reposicionamento por tempo de serviço não implique mudança no nível de posicionamento do servidor; a partir da data de vigência do reposicionamento por tempo de serviço, caso esse benefício implique mudança no nível de posicionamento do servidor.

25 1º Exemplo Promoção e Progressão pela regra geral Reposicionamento SEM mudança de nível

26 1º Exemplo - Promoção e Progressão pela regra geral Reposicionamento sem mudança de nível Data Mecanismo de evolução Nível e grau 01/01/2006 Posicionamento II/A 01/01/2008 Progressão II/B Nesta data o servidor não havia concluído o curso superior 01/01/2010 Progressão II/C 04 anos no mesmo nível - Conclusão curso superior 30/06/2010 Reposicionamento II/J O reposicionamento não implicou na mudança de nível 01/01/2011 PROMOÇÃO III/D 01/01/2006 a 01/01/ O servidor permaneceu no nível II, ou seja, 05 anos de efetivo exercício. 01/01/2013 Progressão III/E 01/01/2015 Progressão III/F 01/01/2016 PROMOÇÃO IV/B Requisitos 05 anos de efetivo exercício - OK 05 ADIs OK Escolaridade (nível IV pós graduação) NÃO 01/01/2017 Progressão III/G OBS NÍVEL DE ESCOLARIDADE GRAU NÍVEL A B C D E F G H I J Médio I 636,69 655,79 675,47 695,73 716,60 738,10 760,25 783,05 806,54 830,74 Superior II 776,77 800,07 824,07 848,79 874,26 900,49 927,50 955,32 983, ,50 Superior III 955,04 983, , , , , , , , ,11 Lato / Stricto Sensu IV 1.165, , , , , , , , , ,26 Lato / Stricto Sensu V 1.421, , , , , , , , , ,71

27 2º Exemplo Promoção e Progressão pela regra geral Reposicionamento COM mudança de nível 07/11/2012

28 2º Exemplo - Promoção e Progressão pela regra geral Reposicionamento com mudança de nível Data Mecanismo de evolução Nível e grau OBS 01/01/2006 Posicionamento II/C 01/01/2008 Progressão II/D 01/01/2010 Progressão II/ E Concluiu Curso de pós graduação em Março de /06/2010 Reposicionamento III/H Reposicionamento implicou na mudança de nível, razão pela qual aquela data será considerada para as próximas etapas da promoção e progressão. 30/06/2012 Progressão III/I 30/06/2014 Progressão III/J 30/06/2015 PROMOÇÃO IV/E 30/06/2017 Progressão IV/F NÍVEL DE ESCOLARIDADE GRAU NÍVEL A B C D E F G H I J Superior I 1.819, , , , , , , , , ,55 Superior II 2.146, , , , , , , , , ,78 Lato sensu III 2.532, , , , , , , , , ,92 Lato / Stricto Sensu IV 2.988, , , , , , , , , ,81 Lato / Stricto Sensu V 3.610, , , , , , , , , ,58

29 3º Exemplo Promoção e Progressão pela regra geral Requisitos: efetivo exercício e ADI com datas distintas 07/11/2012

30 3º Exemplo - Promoção e Progressão pela regra geral Requisitos - efetivo exercício e ADI com datas distintas Evolução da carreira O servidor concluiu curso de pós-graduação em 02/04/2010 ADIs a que foi submetido tiveram resultados satisfatórios. Data Mecanismo de evolução Nível e grau 15/09/2006 Posse e exercício I/A 15/09/2009 1ª Progressão fim do estágio probatório I/B NÍVEL DE ESCOLARIDADE GRAU NÍVEL A B C D E F G H I J Superior I 1.819, , , , , , , , , ,55 Superior II 2.146, , , , , , , , , ,78 Lato sensu III 2.532, , , , , , , , , ,92 Lato / Stricto Sensu IV 2.988, , , , , , , , , ,81 Lato / Stricto Sensu V 3.610, , , , , , , , , ,58 Stricto Sensu VI 4.360, , , , , , , , , ,91 15/09/ inicia-se o interstício para 1ª promoção e da 2ªprogressão.

31 3º Exemplo Vejamos: Data Nível e OBS Grau 15/09/2009 1ª Progressão fim do estágio probatório I/B 31/12/2009 SEM ADI Menos de 150 dias de efetivo exercício 15/09/ ano de efetivo exercício 31/12/2010 1ª ADI 15/09/ anos de efetivo exercício 1ª requisito - OK 31/12/2011 2ª ADI 2º requisito - OK 01/01/2012 2ª progressão II/C Serão utilizadas as ADIs dos anos de 2010 e 2011 NÍVEL DE ESCOLARIDADE GRAU NÍVEL A B C D E F G H I J Superior I 1.819, , , , , , , , , ,55 Superior II 2.146, , , , , , , , , ,78 Lato sensu III 2.532, , , , , , , , , ,92 Lato / Stricto Sensu IV 2.988, , , , , , , , , ,81 Lato / Stricto Sensu V 3.610, , , , , , , , , ,58 Stricto Sensu VI 4.360, , , , , , , , , ,91

32 4º Exemplo Promoção por escolaridade adicional Carreira nível médio Título apresentado conclusão curso superior 07/11/2012

33 4ª Exemplo Promoção por escolaridade adicional - Carreira nível médio - Título apresentado conclusão de curso superior. Data Mecanismo de Nível e evolução grau OBS 31/12/2007 Requerimento da I/C concluiu curso superior em 2007; PEA já havia completado o período de estágio probatório e possuía 02 ADI s satisfatórias. 01/01/2008 PEA II/A 01/01/2010 PEA III/A Primeiro nível que exige o título apresentado - fim da PEA 30/06/2010 Reposicionamento IV/C 30/06/2012 Progressão IV/D NÍVEL DE ESCOLARIDADE GRAU NÍVEL A B C D E F G H I J Médio I 636,69 655,79 675,47 695,73 716,60 738,10 760,25 783,05 806,54 830,74 Médio II 776,77 800,07 824,07 848,79 874,26 900,49 927,50 955,32 983, ,50 Superior III 955,04 983, , , , , , , , ,11 Superior IV 1.165, , , , , , , , , ,26 Lato / Stricto Sensu V 1.421, , , , , , , , , ,71

34 4º Exemplo Lembrete: O reconhecimento do título de conclusão de curso para PEA com vigência a partir de 01/01/2008, impede o aproveitamento de um novo título para o mesmo fim. ( 3º do art. 6º do Decreto nº /2008). Promoção para NÍVEL V Ocorrerá em 30/06/2015, desde que o servidor comprove haver concluído curso de pós-graduação lato sensu. Caso não possua referido título, esse servidor terá apenas progressões.

35 5º Exemplo Promoção por escolaridade adicional Carreira nível médio Título apresentado pós-graduação Escolaridade do último nível da carreira: Superior 07/11/2012

36 5ª Exemplo - Promoção por escolaridade adicional - Carreira nível médio - Título apresentado pós-graduação - Escolaridade do último nível da carreira: Superior Data Mecanismo de evolução Nível e grau 31/12/2007 II/C MATRICULADO curso de pós-graduação em 31/12/2007; já havia completado o período de estágio probatório e possuía 03 ADI s satisfatórias. 01/01/2008 Progressão II/D Servidor fazia jus a PEA em 01/01/2008 com base no título de conclusão do curso superior, no entanto optou pelo conclusão da pós-graduação lato sensu. 30/06/2009 PEA III/A 05/01/ Conclusão do curso de pós-graduação lato sensu, razão pela qual em 30/06/2009 PEA. 30/06/2010 Reposicionamento IV/B 30/06/2012 PEA V/A O título de pós-graduação apresentado para fins de PEA é superior à titulação exigida para o Nível V da carreira, razão pela qual será concedida mais uma etapa. NÍVEL DE ESCOLARIDADE GRAU NÍVEL A B C D E F G H I J Médio I 840,44 865,65 891,62 918,37 945,92 974, , , , ,58 Médio II 1.025, , , , , , , , , ,83 Médio III 1.250, , , , , , , , , ,15 Superior IV 1.526, , , , , , , , , ,22 Superior V 1.861, , , , , , , , , ,29

37 ADICIONAL DE DESEMPENHO - ADE Legislação: Lei n , de 30/07/2003, Lei n , de 10/01/2007 e Lei n , de 09/08/2011. Decreto n , de 18/04/2007, Decreto n , de 25/02/2008 e Decreto nº , de 21/08/2012. Quais servidores poderão perceber o ADE? Servidores efetivos (que tenham ingressado após a promulgação da Emenda à Constituição n. 57, de 15 de julho de 2003, ou que tenham feito a opção prevista no art. 115 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição do Estado) e detentores de função pública. Periodicidade do pagamento Mensal Quando o servidor começará a perceber o ADE? Após a conclusão do estágio probatório, sendo necessário a obtenção de resultado satisfatório na Avaliação Especial de Desempenho AED ou na Avaliação de Desempenho Individual ADI. O que é resultado satisfatório na AED e ADI? O resultado igual ou superior a 70% (setenta por cento) na ADI ou na AED.

38 Adicional de Desempenho - ADE ADE O ADE será concedido mensalmente e terá valor variável de 6% a 70% o vencimento básico do servidor: AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Acordo de Resultados 30% corresponderão ao resultado da Avaliação de Desempenho Institucional decorrente do Acordo de Resultados de que trata a Lei nº , de 1º de julho de 2008 AED/ADI 70% corresponderão ao resultado obtido pelo servidor na AED ou ADI e ao número de resultados satisfatórios obtidos pelo servidor nessas avaliações.

39 Adicional de Desempenho - ADE A apuração dos resultados das avaliações - AED, ADI e AI -, e determinação da vigência de seus efeitos financeiros, será feita: na data de conclusão do período de estágio probatório no primeiro dia do mês subsequente ao protocolo do requerimento de opção pelo ADE, na hipótese de opção do servidor pelo ADE anualmente, no dia 1º de outubro, para fins de atualização do valor do ADE

40 ATENÇÃO Para fins de cálculo do ADE, considera-se Avaliação de Desempenho Institucional o resultado de segunda etapa do Acordo de Resultados vigente na data de apuração. Para fins de apuração da Avaliação de Desempenho Institucional, considera-se o resultado desta última avaliação concluída até a data de apuração do ADE, atribuído ao último órgão ou entidade em que o servidor estiver em exercício no período de que trata o art. 2º da Lei nº /2008. Na hipótese do órgão ou entidade em que o servidor estiver em efetivo exercício não for submetido à Avaliação de Desempenho Institucional, ou acaso signatário de Acordo de Resultados, não tiver finalizado o primeiro período do processo de Avaliação de Desempenho Institucional, será atribuída a nota 70 (setenta) para fins de apuração da parcela do ADE.

41 Porcentagem para Cálculo do Valor Máximo do ADE Número de ADI s ou AED s satisfatórias Porcentagem do vencimento básico 6% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% Digo: o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia João Guimarães Rosa

42 Equipe Fernanda de Siqueira Neves Subsecretária de Gestão de Pessoas Alvimar José Tito Superintendente Central de Políticas de Recursos Humanos Luciana Meireles Ribeiro Diretora Central de Carreiras e Remuneração Equipe Técnica: Beatriz Eufrasio Trindade Danielle Novaes de Abreu Domingues Gabriela Carneiro Lima Gustavo Pace Helen Nunes Ronaldo Félix Araújo Rodrigo Franklin Marques

REPOSICIONAMENTO POR TEMPO DE SERVIÇO

REPOSICIONAMENTO POR TEMPO DE SERVIÇO Governo do Estado de Minas Gerais REPOSICIONAMENTO POR TEMPO DE SERVIÇO Belo Horizonte, 12 de janeiro de 2010 1 SUMÁRIO 1. Previsão legal 2. Regulamentação 3. Contagem de tempo 3.1. Marco inicial 3.2.

Leia mais

LEI DELEGADA Nº 16/2005. Institui as carreiras do Grupo de Atividades de Gestão Previdenciária e dá outras providências.

LEI DELEGADA Nº 16/2005. Institui as carreiras do Grupo de Atividades de Gestão Previdenciária e dá outras providências. LEI DELEGADA Nº 16/2005. Institui as carreiras do Grupo de Atividades de Gestão Previdenciária e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Uberaba, no uso das atribuições que lhe confere o art. 88,

Leia mais

ADE. ADICIONAL DE DESEMPENHO Perguntas e respostas para esclarecer dúvidas sobre a concessão do Adicional de Desempenho

ADE. ADICIONAL DE DESEMPENHO Perguntas e respostas para esclarecer dúvidas sobre a concessão do Adicional de Desempenho ADE ADICIONAL DE DESEMPENHO Perguntas e respostas para esclarecer dúvidas sobre a concessão do Adicional de Desempenho Sumário 1. O que é o Adicional de Desempenho? 2. Qual legislação dispõe sobre o ADE?

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais LEI 15304 2004 Data: 11/08/2004 REESTRUTURA A CARREIRA DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL E INSTITUI A CARREIRA DE AUDITOR INTERNO DO PODER EXECUTO. Reestrutura a carreira de

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de atribuição que lhe confere o inciso VII do art. 90, da Constituição do Estado, DECRETA:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de atribuição que lhe confere o inciso VII do art. 90, da Constituição do Estado, DECRETA: DECRETO Nº 44.769, de 7 de abril de 2008 Dispõe sobre a promoção por escolaridade adicional do servidor das carreiras dos Grupos de Atividades do Poder Executivo que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

LEI 15464 2005 O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Art. 1º - Ficam instituídas, na forma desta Lei, as seguintes carreiras:

LEI 15464 2005 O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Art. 1º - Ficam instituídas, na forma desta Lei, as seguintes carreiras: LEI 15464 2005 Institui as carreiras do Grupo de Atividades de Tributação, Fiscalização e Arrecadação do Poder Executivo e as carreiras de Técnico Fazendário de Administração e Finanças e de Analista Fazendário

Leia mais

INSTITUI CARREIRAS DO GRUPO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO

INSTITUI CARREIRAS DO GRUPO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO 15463 2005 Data: 13/01/2005 INSTITUI CARREIRAS DO GRUPO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PODER EXECUTIVO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS O Povo do Estado de Minas

Leia mais

O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou, e eu, em seu nome, promulgo a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou, e eu, em seu nome, promulgo a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS LEI 15.469 2005 Data: 13/01/2005 Institui as carreiras do Grupo de Atividades de Transportes e Obras Públicas do Poder Executivo. O Governador do Estado de Minas Gerais O Povo do Estado de Minas Gerais,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos LEI N. 2.265, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Estabelece nova estrutura de carreira para os servidores públicos estaduais da Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009

LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 Reestrutura as carreiras de Analista Universitário e Técnico Universitário, integrantes do Grupo Ocupacional Técnico- Específico, criado pela Lei nº 8.889, de 01

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR 81 2004 Data: 10/08/2004 Institui as carreiras do Grupo de Atividades Jurídicas do Poder Executivo. O Governador do Estado de Minas Gerais O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes,

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de avaliação do servidor recém-nomeado para cargo efetivo, correspondente

Leia mais

Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório

Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório Belém/ Pará. Junho, 2013.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOS SERVIDORES DA ÁREA DE ATIVIDADES DE TRIBUTAÇÃO, ESTABELECE A RESPECTIVA TABELA DE VENCIMENTO E DISPÕE SOBRE O QUADRO ESPECIAL DA SECRETARIA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares TEXTO DOCUMENTO PROJETO DE LEI Consolida o Plano de Carreira e Cargo de Professor Federal e dispõe sobre a reestruturação e unificação das carreiras e cargos do magistério da União, incluídas suas autarquias

Leia mais

LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011.

LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011. LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011.) Dispõe sobre o plano de cargos e carreira e remuneração dos servidores

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

PROPOSTA DA ASTHEMG PARA O PLANO DE CARGOS E CARREIRAS

PROPOSTA DA ASTHEMG PARA O PLANO DE CARGOS E CARREIRAS CARTILHA Proposta para mudança do Plano de Cargos e Carreira 02 PROPOSTA DA ASTHEMG PARA O PLANO DE CARGOS E CARREIRAS O Plano de Cargos e Carreira do Estado, criado em 2005 pela Lei 15.462, já previa

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 7 DE MARÇO DE 2007

PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 7 DE MARÇO DE 2007 PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 7 DE MARÇO DE 2007 A PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA E OS PRESIDENTES DOS TRIBUNAIS SUPERIORES, DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, DO CONSELHO

Leia mais

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre o Grupo Ocupacional Fisco e dá outras providencias. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012 EMENTA: Estabelece critérios e procedimentos, no âmbito

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431 LEI N.º 761/93 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público municipal de Alto Araguaia. O Prefeito Municipal de Alto Araguaia, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, faço saber que

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS COM INTERESSE EM PARTICIPAR DE TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EM NÍVEL DE EDUCAÇÃO FORMAL - QUALIFICAÇÃO A PRAD e o Departamento de Pessoal

Leia mais

Serviço de Administração de Pessoal. Seape

Serviço de Administração de Pessoal. Seape Serviço de Administração de Pessoal Seape Considerações da Lei 8.112/1990 e Outras Orientações aos Candidatos Classificados Carlos Viana Chefe do Serviço de Administração de Pessoal PROVIMENTO Requisitos

Leia mais

considerando a necessidade de conceder incentivos ao estudo de idioma estrangeiro para os servidores ativos da Anvisa, resolve:

considerando a necessidade de conceder incentivos ao estudo de idioma estrangeiro para os servidores ativos da Anvisa, resolve: Nº21 29/04/2013 Boletim de Serviço 19/164 PORTARIA Nº 763/ANVISA, DE 29 DE ABRIL DE 2013 Dispõe sobre limites e procedimentos para concessão de bolsa de estudo de idioma estrangeiro aos servidores ativos

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANAÃ DOS CARAJÁS

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANAÃ DOS CARAJÁS LEI Nº 625/2014. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Servidores Públicos da Prefeitura Municipal de Canaã dos Carajás PA, estabelece normas gerais de enquadramento e dá outras providências.

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso II do 4 do art. 40 da Constituição Federal, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial ao servidor público titular de cargo efetivo

Leia mais

Reajusta os valores das tabelas de vencimento básico das carreiras do Poder Executivo que menciona e dá outras providências.

Reajusta os valores das tabelas de vencimento básico das carreiras do Poder Executivo que menciona e dá outras providências. LEI Nº 18.802, DE 31 DE MARÇO DE 2010. Reajusta os valores das tabelas de vencimento básico das carreiras do Poder Executivo que menciona e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS,

Leia mais

O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou, e eu, em seu nome, promulgo a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou, e eu, em seu nome, promulgo a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 15961, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2005 Estabelece as tabelas de vencimento básico das carreiras do Poder Executivo que especifica, dispõe sobre a Vantagem Temporária Incorporável - VTI - e sobre o posicionamento

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL LEI Nº 5.106, DE 3 DE MAIO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014

ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014 ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014 A SCAP, no uso das atribuições conferidas pelo art. 36 do Decreto nº 46.557, de 11 de julho de 2014, e considerando o disposto nos arts. 152 a 155 e 211, da Lei

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.704, DE 26 DE JANEIRO DE 2006 Estabelece pisos salariais para os novos cargos criados nesta lei, concede reajuste salarial aos servidores públicos civis, militares, ativos, inativos e pensionistas

Leia mais

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/065/2014 Regulamenta o processo de afastamento para capacitação de Docentes da UEPB. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB,

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC LEI COMPLEMENTAR Nº 034, de 13 de dezembro de 2005. Institui o Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos do Pessoal do Poder Legislativo do Município de Bombinhas e dá outras providências.. Júlio César Ribeiro,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de atribuição que lhe confere o inciso VII

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de atribuição que lhe confere o inciso VII DECRETO 44503, DE 18/04/2007 - TEXTO ORIGINAL Regulamenta a concessão do Adicional de Desempenho - ADE, no âmbito da administração pública direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo. O GOVERNADOR

Leia mais

PROPOSTA DO GOVERNO DE MINAS PARA A EDUCAÇÃO

PROPOSTA DO GOVERNO DE MINAS PARA A EDUCAÇÃO PROPOSTA DO GOVERNO DE MINAS PARA A EDUCAÇÃO O Governo propõe as seguintes medidas visando melhorar o padrão remuneratório de todos os servidores públicos da educação de Minas Gerais. Implantar, na área

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 Institui a Política de Remoção dos servidores detentores de cargo efetivo no âmbito do Instituto

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO ATO Nº 20/2005 (Revogado pelo Ato nº 56/2012) Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 10, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio Grande do

LEI COMPLEMENTAR N.º 10, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio Grande do LEI COMPLEMENTAR N.º 10, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. Dispõe sobre o Plano de Carreira dos Servidores Municipais da Educação Infantil. Sul. PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio Grande do FAÇO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Procuradoria-Geral de Justiça

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Procuradoria-Geral de Justiça MINIST ÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Procuradoria-Geral de Justiça LEI Nº 5891, DE 17 DE JANEIRO DE 2011 Dispõe sobre o Quadro Permanente dos Serviços

Leia mais

http://www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=65585&voltar=voltar

http://www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=65585&voltar=voltar Page 1 of 11 Voltar Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." LEI Nº 11.374 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 Ver também: Decreto 14.488 de 23 de maio de 2013 - Regulamenta

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006.

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006. ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006. Institui o Plano de Carreiros Cargos e Vencimentos do Quadro de Pessoal da Secretaria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 012, DE 20 DE MAIO DE 2014 Estabelece normas para o afastamento de servidores

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.252, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. Publicado no Diário Oficial nº 3.039 Institui o Quadro de Servidores Auxiliares da Defensoria Pública do Estado do Tocantins e o respectivo Plano de Cargos, Carreira

Leia mais

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 Integração Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 André Luís dos Santos Lana O que é Regime Jurídico? O regime jurídico é a lei com base na qual são definidos os direitos, deveres garantias, vantagens,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: MEDDA PROSÓRA N o 46, DE 25 DE JUNHO 2002. Dispõe sobre a reestruturação da Carreira Auditoria do Tesouro Nacional, que passa a denominar-se - ARF, e sobre a organização da Carreira Auditoria-Fiscal da

Leia mais

Licença e afastamento SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO. Licenças não remuneradas: Licenças: 12/11/2012

Licença e afastamento SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO. Licenças não remuneradas: Licenças: 12/11/2012 Licença e afastamento Hipóteses em que o servidor não presta serviço, sem perder o cargo. Há 7 hipóteses de licença e 4 hipóteses de afastamento. SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO Paula Freire Licenças:

Leia mais

Esclarecimentos sobre subsídio. Quem terá o direito de optar por receber subsídio. O que é incorporado para compor o subsídio

Esclarecimentos sobre subsídio. Quem terá o direito de optar por receber subsídio. O que é incorporado para compor o subsídio N.º 24 20/01/2011 www.sindutemg.org.br (31) 3481-2020 sindute@sindutemg.org.br Esclarecimentos sobre subsídio Os 47 dias de greve em 2010 tiveram como principal objetivo modificar o salário dos trabalhadores

Leia mais

DECRETO Nº 15.299, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

DECRETO Nº 15.299, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 DECRETO Nº 15.299, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Regulamenta a concessão de licença para capacitação e do afastamento para estudo ou missão no exterior, o afastamento de servidores para participação em curso

Leia mais

LEI Nº 3.593, DE 04/07/2012.

LEI Nº 3.593, DE 04/07/2012. LEI Nº 3.593, DE 04/07/2012. DISPÕE SOBRE A GRATIFICAÇÃO DE PRODUTIVIDADE PARA OS ADVOGADOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

Prefeitura Municipal do Natal Gabinete da Prefeita

Prefeitura Municipal do Natal Gabinete da Prefeita PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Cria e implanta o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Profissionais da Área de Saúde, Servidores Estatutários da Secretaria Municipal de Saúde, revoga a Lei nº 4.127,

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 1.955, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 (D.O.M. 29.12.2014 N. 3.560 Ano XV)

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 1.955, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 (D.O.M. 29.12.2014 N. 3.560 Ano XV) LEI Nº 1.955, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 (D.O.M. 29.12.2014 N. 3.560 Ano XV) INSTITUI o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração PCCR dos servidores da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010 PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010 EMENTA: Dispõe sobre a participação de servidores ocupantes de cargos

Leia mais

Câmara Municipal de Curitiba

Câmara Municipal de Curitiba Câmara Municipal de Curitiba PROPOSIÇÃO N 005.00164.2014 Projeto de Lei Ordinária Redação para 2º turno EMENTA Institui o Plano de Carreira do Profissional do Magistério de Curitiba. CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 320, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

LEI COMPLEMENTAR N 320, DE 30 DE JUNHO DE 2008. LEI COMPLEMENTAR N 320, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Publicado no D.O.E de 30/06/2008. Autor: Poder Executivo Dispõe sobre alteração do Plano de Carreira dos Docentes da Educação Superior da Universidade do

Leia mais

Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão. Superintendência Central de Política de Recursos Humanos

Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão. Superintendência Central de Política de Recursos Humanos Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Superintendência Central de Política de Recursos Humanos Diretoria Central de Gestão do Desenvolvimento do Servidor Deliberação CCGPGF nº 01 de Março de 2014

Leia mais

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores da Administração Direta, das Autarquias e Fundações Públicas do Município de Vitória da Conquista, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 449/2011

LEI COMPLEMENTAR Nº 449/2011 LEI COMPLEMENTAR Nº 449/2011 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Profissionais do Magistério da Educação Básica da Rede Municipal de Ensino de Uberaba, e dá outras providências. O povo do

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Criação de cargos de Analista Técnico de Políticas Sociais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Criação de cargos de Analista Técnico de Políticas Sociais PROJETO DE LEI Dispõe sobre a criação da Carreira de Desenvolvimento de Políticas Sociais, sobre a criação de cargos de Analista Técnico e de Agente Executivo da Superintendência de Seguros Privados -

Leia mais

PLANO DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS E MUDANÇA DO PADRÃO REMUNERATÓRIO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO

PLANO DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS E MUDANÇA DO PADRÃO REMUNERATÓRIO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PLANO DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS E MUDANÇA DO PADRÃO REMUNERATÓRIO DOS SERVIDORES

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 100, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 - D.O. 11.01.02.

LEI COMPLEMENTAR N 100, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 - D.O. 11.01.02. 1 LEI COMPLEMENTAR N 100, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 - D.O. 11.01.02. Autor: Poder Executivo Dispõe sobre o Plano de Carreira dos Professores da Educação Superior da Fundação Universidade do Estado de Mato

Leia mais

PROPOSTAS SIND SAUDE. Lei Nº. 15.462/2005 PROPOSTA SIND-SAÚDE

PROPOSTAS SIND SAUDE. Lei Nº. 15.462/2005 PROPOSTA SIND-SAÚDE Lei Nº. 15.462/2005 PROPOSTAS SIND SAUDE PROPOSTA SIND-SAÚDE Art. 9 Os servidores que, após a publicação desta lei, ingressarem em cargo de carreira instituída por esta lei terão as seguintes cargas horárias

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO LEI Nº516/2012- DE 09 DE ABRIL DE 2012 Altera a Lei Municipal nº 280, de 30 de março de 2004, que dispõe sobre o Estatuto Geral do Servidores Públicos do Município de São José do Povo. JOÃO BATISTA DE

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 8916, DE 02 DE JUNHO DE 2010. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Servidores do Quadro Permanente da Função Saúde da Administração Pública Municipal

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 Dispõe sobre o reajuste, direitos e deveres dos empregados do Conselho Federal de Psicologia. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 25/2014 Regulamenta a política de afastamento para qualificação e capacitação do Pessoal Técnico- Administrativo,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 LEI COMPLEMENTAR NÚMERO 015, de 10 de novembro de 2011. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Profissionais da Educação Básica do Município de Sabará, estabelece normas de enquadramento,

Leia mais

O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 2.859, DE 30 DE ABRIL DE 2014. Publicada no Diário da Oficial nº 4.120 Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Profissionais da Educação Básica Pública, e adota outras providências.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 05/12/2014 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.268, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009. (publicada no DOE nº 204, de 23 de outubro de 2009) Estabelece Plano de Carreira

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 68, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 68, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 68, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto, fixa os valores dos Preços Públicos dos demais serviços prestados pela DAE S/A Água

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004;

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004; ATO DO CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE Resolução Nº xx, de xx de xxx de 2015 Regulamenta o afastamento de docentes efetivos da UFRA, para fins de estudo e cooperação. O Reitor da Universidade

Leia mais

Adicional de Pós-Graduação. Conceito

Adicional de Pós-Graduação. Conceito Adicional de Pós-Graduação Conceito A concessão do APG está condicionada à realização de curso de pós-graduação nos níveis de Especialização, Mestrado e Doutorado, que se enquadrem nas normas dos Conselhos

Leia mais

RESOLVE: TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLVE: TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Dispõe sobre os procedimentos internos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, referentes ao Estágio Probatório, nos termos do Art. 41 4.º da Constituição da República Federativa do Brasil.

Leia mais

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS O SINTFUB entende que o servidor que está para aposentar tem de ter esclarecimento sobre os tipos e regras para aposentadorias hoje vigentes antes de requerer esse direito.

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários;

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários; RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009 Regulamenta o afastamento do serviço para capacitação dos Agentes Universitários da Carreira Técnica Universitária e dá outras providências. CONSIDERANDO a implantação do Plano

Leia mais

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte:

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte: 1. Da legislação que prevê o direito às férias - previsão constitucional e infraconstitucional Preconiza o artigo 7º da Constituição Federal que o trabalhador possui direito a férias anuais, com um adicional

Leia mais

I - a Lei 1.533, de 29 de dezembro de 2004; II - a Lei 1.640, de 28 de dezembro de 2005; III - a Lei 2.141, de 3 de setembro de 2009;

I - a Lei 1.533, de 29 de dezembro de 2004; II - a Lei 1.640, de 28 de dezembro de 2005; III - a Lei 2.141, de 3 de setembro de 2009; LEI Nº 2.885, DE 24 DE JUNHO DE 2014. Publicada no Diário Oficial nº 4.157 Dispõe sobre a revisão geral anual da remuneração dos Profissionais da Educação Básica, e adota outra providência. Faço saber

Leia mais

Diário Oficial Estado de São Paulo

Diário Oficial Estado de São Paulo Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 227 DOE de 03/12/11 Seção 1 - p.1 LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 1.609, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005. Publicado no Diário Oficial nº 2.012 *Dispõe sobre o Plano de Cargo, Carreira e Remuneração - PCCR do Auditor Fiscal da Receita Estadual - AFRE, da Secretaria da

Leia mais

ETEC JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA

ETEC JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA MANUAL DE INTEGRAÇÃO ENDEREÇO Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek de Oliveira Rua Guarani, 735 - Bairro Conceição Cidade Diadema - SP CEP:09991-060 Telefone:4044-6431 Fax: 4056-1302 Site: EQUIPE

Leia mais

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 56/2012 Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA:

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA: Prof.: Clayton Furtado LEI 8.112/90 clayton_furtado@yahoo.com.br 1ª AULA 1 - Introdução: a. Histórico: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA

Leia mais

PORTARIA-CONJUNTA Nº 85/2006

PORTARIA-CONJUNTA Nº 85/2006 Publicação:20/09/06 PORTARIA-CONJUNTA Nº 85/2006 Regulamenta a avaliação especial de desempenho do servidor em estágio probatório no âmbito da Secretaria do Tribunal de Justiça e da Justiça de Primeira

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE RESOLUÇÃO PROJETO DE RESOLUÇÃO ESTABELECE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PARA FINS DE PROGRESSÃO E PROMOÇÃO NA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições

Leia mais