PEDIDO DE INSCRIÇÃO ESTADUAL OBRIGATÓRIA MANUAL DO CONTRIBUINTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PEDIDO DE INSCRIÇÃO ESTADUAL OBRIGATÓRIA MANUAL DO CONTRIBUINTE"

Transcrição

1 Secretaria de Estado de Fazenda Estado do Rio de Janeiro PEDIDO DE INSCRIÇÃO ESTADUAL OBRIGATÓRIA MANUAL DO CONTRIBUINTE Publicado em 14 de setembro de 2015

2 2 ÍNDICE BLOCO 01 5 PARTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Campo 08 Natureza do Pedido Campo 92 Estabelecimento junto a RFB Campo 10 Estabelecimento junto a SEFAZ Campo 09 Natureza do Contribuinte Campo 37 CNPJ do Estabelecimento Campo 93 CNPJ da Matriz Campo 12 Nome Empresarial Campo 13 Nome Fantasia (Título do Estabelecimento) Campo 14 CNPJ do Franqueador 6 PARTE 2 ENDEREÇO Campos UF (26), Município (25), Logradouro (15), Nome (16), Número (17), Complemento (18), Bairro (21), Distrito (22) e CEP (23) Campo 10 Código do Logradouro (IPTU/RJ) Campo 19 Telefone Campo 20 Fax Campo 27 Correio Eletrônico 7 BLOCO 02 ATIVIDADES Campo 29 CNAE da Atividade Principal Campo 31 CNAE da Atividade Secundária Campo 32 CNAE da Atividade Secundária Campo 30 Natureza do Estabelecimento 9 BLOCO 03 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Campo 301 Identifique o tipo de prédio do estabelecimento Campo 302 Existe autorização do proprietário do imóvel para sua utilização com fins comerciais 3.3. Campo 303 Existe outra empresa em funcionamento no mesmo endereço do estabelecimento? 3.4. Campo 304 Existe separação física dos espaços utilizados por cada uma das empresas estabelecidas no mesmo endereço? Campo 305 No estabelecimento haverá atendimento ao público? 10

3 3 BLOCO 04 CAPITAL E REGISTRO Campo 39 Capital Social Campo 33 NIRE (Junta Comercial) Campo 34 nº do último registro (Junta Comercial) Campo 35 nº do registro no RCPJ Campo 36 Data do registro do último ato legal 11 BLOCO PARTE 1 RESPONSÁVEIS Campo 50 Natureza do Pedido Campo 51 Data Evento ATENÇÃO! Alto índice de indeferimentos Campo 52 CPF/CNPJ Campo 96 Representante junto a SEFAZ 12 PARTE 2 DADOS PESSOAIS Campo 54 Vinculação ATENÇÃO! Alto índice de indeferimentos Campo 53 Nome Campo 58 Espólio Campo 71 Nacionalidade Campo 72 Domicílio Campo 59 CPF do Representante do Responsável 13 PARTE 3 ENDEREÇO Campos País (57), UF (68), Município (67), Tipo Logradouro (60), Nome do Logradouro (61), Número (62), Complemento (63), Bairro (64), CEP (65) Campo 69 Telefone Campo 70 Fax Campo 90 Correio Eletrônico 14 BLOCO 06 CONTABILISTA Campo 77 Natureza Jurídica Campo 75 CPF/CNPJ Campo 78 CRC Campo 76 Nome Campos UF(89), Município (88), Tipo de Logradouro (81), Nome (76), Número (83), Complemento (84), Bairro (85), CEP (86 15

4 Campo 79 Telefone Campo 80 Fax Campo 91 Correio Eletrônico 15 BLOCO 07 SIGNATÁRIO DO PEDIDO Campo 44 Vinculação Campo 49 CPF Campo 45 Nome Campo 97 Telefone Campo 47 Observação 16 OBSERVAÇÕES GERAIS 17 Instruções de uso após preenchimento do DOCAD 17 Validação do formulário 17 Geração do arquivo para transmissão 17 Transmissão e impressão do docad 17 Entrega da documentação 18 As informações não foram suficientes para sanar sua dúvida? 18

5 5 BLOCO 01 PARTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE 1.1. Campo 08 Natureza do Pedido: Inscrição Obrigatória 1.2. Campo 92 Estabelecimento junto a RFB: O estabelecimento será classificado como Matriz ou Filial, conforme cadastrado no CNPJ. 1.3 Campo 10 Estabelecimento junto a SEFAZ: O estabelecimento será classificado como: TIPO ÚNICO PRINCIPAL DEPENDENTE DESCRIÇÃO quando somente esse estabelecimento da empresa for inscrito; quando a empresa tiver mais de uma inscrição estadual e ele for designado como responsável perante o fisco estadual. quando a empresa tiver mais de uma inscrição estadual e ele não for designado como principal. A matriz da empresa será classificada como estabelecimento principal quando inscrita e habilitada no CAD- ICMS; caso contrário, qualquer filial da empresa com inscrição habilitada poderá ser classificada como principal. Caso o estabelecimento matriz da empresa esteja em outra unidade da Federação e existam filiais localizadas no Estado do Rio de Janeiro, com inscrição habilitada no CAD-ICMS, a matriz não deverá ser classificada como principal perante o fisco estadual. Sempre que for indicada uma inscrição como estabelecimento principal, o SICAD promoverá, automaticamente, as alterações cadastrais que se façam necessárias nas demais inscrições da empresa. Se existir um estabelecimento único baixado, então um novo pedido de inscrição estadual deverá possuir a classificação PRINCIPAL junto a SEFAZ.

6 Campo 09 Natureza do Contribuinte: Preencher com a natureza jurídica cadastrada no CNPJ e no Ato Legal arquivado na JUCERJA Campo 37 CNPJ do Estabelecimento: Preencher com o número de inscrição do estabelecimento no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda. Não será admitida mais de uma inscrição estadual por CNPJ na situação cadastral HABILITADA. Novos pedidos de inscrição serão aceito apenas se a inscrição anterior estiver em processo de baixa (Suspensa ou Baixada). Se o CNPJ do requerente não estiver cadastrado na base de dados da JUCERJA, o pedido de inscrição estadual será indeferido. O para atualização/cadastro do CNPJ na Junta Comercial é: será necessário informar CNPJ, NIRE e Nome Empresarial Campo 93 CNPJ da Matriz: Preencher conforme especificado na Receita Federal Campo 12 Nome Empresarial: Deve, sempre, conferir com o nome completo constante do Ato Constitutivo e da Receita Federal do Brasil (RFB). Abreviar quando necessário. Evite abreviar os dois primeiros e o último nome da razão social, além da expressão que designa o tipo societário. Se houver na JUCERJA ENQUADRAMENTO NO SIMPLES NACIONAL e o contribuinte for optante pelo SIMPLES NACIONAL junto à Receita Federal, a designação final ME ou EPP deve constar ao final do nome empresarial por força do art. 72 da LC 123/2006. Se houver a designação ME ou EPP e essa não constar do DOCAD de pedido de inscrição, o documento será indeferido Campo 13 Nome Fantasia (Título do Estabelecimento): Deverá ser informado o nome fantasia ou o título do estabelecimento, obrigatoriamente quando esta informação constar no Comprovante do CNPJ. Caso contrário, deixe em branco. Abreviar quando necessário Campo 14 CNPJ do Franqueador: Caso opere sob o regime de franquia, deverá informar o CNPJ da empresa franqueadora.

7 7 BLOCO 01 PARTE 2 ENDEREÇO Campos UF (26), Município (25), Logradouro (15), Nome (16), Número (17), Complemento (18), Bairro (21), Distrito (22) e CEP (23): Preencha com o endereço constante no Ato Constitutivo e o indicado no documento que comprove o uso do imóvel. Os dados incluídos no bloco endereço devem ser equivalentes aos constantes na Junta Comercial e na Receita Federal. Atenção ao informar o complemento, nº de apartamento ou nº de casa. Se verificado que se trata de unidade residencial multifamiliar, o pedido de inscrição será INDEFERIDO. É vedada a concessão de inscrição para esse tipo de endereço. Res. SEFAZ nº 720/2014, Parte II, Anexo I, art. 35, III e IV. Divergência de bairros: a SEFAZ-RJ utiliza a base de endereços da Prefeitura do Rio de Janeiro, enquanto a RFB e a JUCERJA utilizam a base dos Correios. Se houver divergência de bairros exclusivamente por esse motivo, o DOCAD não deve ser INDEFERIDO. Sugestão para o requerente: informar o problema no campo observação Campo 10 Código do Logradouro (IPTU/RJ): Consulte código logradouro no carnê do IPTU ou acesse a Consulta de Logradouros (Serviços online/iptu) em Se o logradouro informado não estiver na base do Programa SICAD, isto significa que a SEFAZ-RJ precisa atualizar sua base em relação aos dados constantes na Prefeitura do Rio de Janeiro. Nesse caso, envie e- mail para e informe o problema. Se o estabelecimento for localizado em endereço sem código de logradouro, em área de comunidade, por exemplo, deverá ser informado o código de logradouro da via principal mais próxima, e o endereço completo deverá ser preenchido no campo COMPLEMENTO do DOCAD. Quando houver esse problema, informar no campo OBSERVAÇÃO do DOCAD: não existência de código de logradouro Campo 19 Telefone: Esse campo é de importante preenchimento, pois facilita e viabiliza a comunicação informal entre a repartição fiscal e o Estabelecimento/Contribuinte. Preencha o número de telefone do estabelecimento com o código DDD. Não deverá constar neste campo número de celular, da residência de sócio, nem do Contabilista/Escritório de Contabilidade. Se o Estabelecimento/Contribuinte não tiver número de telefone, deixe o campo em branco Campo 20 Fax: campo opcional Campo 27 Correio Eletrônico: campo opcional

8 8 BLOCO 02 ATIVIDADES As atividades econômicas que obrigam quem as exercem a se inscreverem no CAD-ICMS estão listadas na Portaria SUCIEF nº 3/ Campo 29 CNAE da Atividade Principal: considerada a atividade de produção ou venda de mercadorias ou serviços que gerar maior receita operacional para o estabelecimento ou, no caso da circulação da mercadoria ocorrer dentro da própria empresa (entre seus estabelecimentos), o maior valor de transferência. Consulte os códigos de classificação nacional das atividades econômicas (CNAE) na página do IBGE: Os estabelecimentos deverão informar as atividades econômicas desenvolvidas no local, máximo de 3 (três). Os códigos CNAE informados deverão ser adequados às atividades econômicas desenvolvidas pelo contribuinte e corresponder ao objeto social constante no último ato registrado, bem como no Comprovante de CNPJ da RFB. A atividade cadastrada como principal no DOCAD deve coincidir OBRIGATORIAMENTE com a principal cadastrada na RFB e na JUCERJA. Se esse dado for divergente, o pedido de inscrição será INDEFERIDO. As atividades econômicas secundárias deverão ser classificadas por grau de importância, a critério do contribuinte, na forma do art. 7º do Anexo I, Pt. II, da Resolução SEFAZ nº 720/ Campo 31 CNAE da Atividade Secundária 1: outra atividade exercida no mesmo estabelecimento Campo 32 CNAE da Atividade Secundária 2: outra atividade exercida no mesmo estabelecimento.

9 Campo 30 Natureza do Estabelecimento: operacional ou auxiliar, conforme detalhado no quadro abaixo: TIPO DE UNIDADE Unidade operacional Unidade auxiliar a) Escritório administrativo b) Depósito fechado DESCRIÇÃO Unidades onde são realizadas as operações do contribuinte, ou seja, onde elas exercem atividades de produção ou venda de produtos ou prestam serviços; onde realizam operações reais ou escriturais de circulação de mercadorias ou de prestação de serviços; Também são unidades operacionais os pontos localizados em via ou logradouro público ou particular, em área de circulação de shopping center, prédio comercial, galeria ou assemelhado, ou em área delimitada no interior de outro estabelecimento ou de veículo de transporte marítimo ou ferroviário, ainda que somente realize transações comerciais sem saída de mercadoria ou que se limite a extrair pedidos. Importante! Estabelecimentos que comercializam mercadorias ou que prestam serviços de transporte, ainda que não possuam estoque nesses estabelecimentos ou que mantenham seus veículos em outros locais, devem ser classificados como unidades operacionais Deve ser classificado como unidade auxiliar o estabelecimento que, servindo apenas à própria empresa, exerce exclusivamente funções gerenciais ou de apoio administrativo ou técnico, direcionadas à criação das condições necessárias para o exercício das atividades operacionais dos demais estabelecimentos, não desenvolvendo atividade de produção ou de venda de mercadorias ou serviços. No CAD-ICMS existem dois tipos: a) escritório administrativo; b) depósito fechado. Importante! Ao incluir esse tipo de unidade, o contribuinte deverá possuir outro estabelecimento operacional inscrito e localizado no RJ. Exerce exclusivamente funções administrativas ou de gestão gerencial. Importante: ao incluir esse tipo de unidade, o contribuinte deverá possuir outro estabelecimento operacional inscrito e localizado no RJ. As unidades auxiliares escritório administrativo deverão ser cadastradas com os códigos CNAE correspondentes às atividades econômicas principais da empresa. Exerce exclusivamente a função de armazenagem de mercadorias próprias destinadas à comercialização e/ou industrialização. As unidades auxiliares depósito fechado deverão ser cadastradas com os códigos CNAE correspondentes às atividades econômicas: da(s) unidade(s) operacional(is) a que servem.

10 10 BLOCO 03 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO 3.1 Campo 301 Identifique o tipo de prédio do estabelecimento: Podem ser classificados como RESIDENCIAL UNIFAMILIAR; EXCLUSIVAMENTE COMERCIAL ou DE USO MISTO. É vedada a concessão de inscrição a estabelecimento de empresa localizado em edificação multifamiliar de uso exclusivamente residencial (condomínios residenciais verticais apartamentos; ou horizontais fechados casas de vilas ou condomínios). Somente podem constar como DE USO MISTO os prédios assim classificados pela Prefeitrura Campo 302 Existe autorização do proprietário do imóvel para sua utilização com fins comerciais: SIM ou NÃO 3.3. Campo 303 Existe outra empresa em funcionamento no mesmo endereço do estabelecimento? SIM ou NÃO 3.4. Campo 304 Existe separação física dos espaços utilizados por cada uma das empresas estabelecidas no mesmo endereço? SIM ou NÃO. Caso exista outro estabelecimento no mesmo endereço de empresa com a mesma atividade, somente será concedida a inscrição estadual se houver perfeita separação física de seus estoques e espaços utilizáveis Campo 305 No estabelecimento haverá atendimento ao público? SIM ou NÃO.

11 11 BLOCO 04 CAPITAL E REGISTRO 4.1 Campo 39 Capital Social: Escreva o valor do Capital Social expresso na moeda vigente na data de constituição ou de sua última alteração. Em se tratando de Autarquia, Fundação, Entidade Sem Fins Lucrativos ou Sociedade Civil, não é necessário preencher esse campo. Para estabelecimento classificado como dependente, o preenchimento desse campo é opcional. Se classificado como principal ou único, obrigatoriamente, deverá preencher o campo 39 com o valor global do Capital Social da empresa. A informação será verificada no Ato Legal na Junta Comercial do Rio de Janeiro ou na Receita Federal do Brasil Campo 33 NIRE (Junta Comercial): número de registro fornecido quando da constituição do estabelecimento na Junta Comercial Campo 34 nº do último registro (Junta Comercial): representa o número do último arquivamento apresentado na JUCERJA referente ao NIRE para o qual se solicita inscrição estadual. Se o único arquivamento na JUCERJA for o de constituição da empresa, o campo 34 ficará em branco. Quando se solicita inscrição estadual para filial, somente deverá ser informado o último número de arquivamento no campo 34, caso esse pertença ao NIRE da filial Campo 35 nº do registro no RCPJ: número de registro fornecido quando da constituição do estabelecimento no Registro Civil de Pessoas Jurídicas (cartório) Campo 36 Data do registro do último ato legal: Se o único arquivamento for a constituição da empresa, será a data do registro. Se houver averbações na JUCERJA, além do registro de constituição, será a data do último arquivamento.

12 12 BLOCO 05 PARTE 1 RESPONSÁVEIS 5.1 Campo 50 Natureza do Pedido: 18 Inclusão 5.2. Campo 51 Data Evento: representa a data de inclusão do responsável na sociedade, ou seja, a data do arquivamento que o registrou como responsável na JUCERJA. ALTO ÍNDICE DE INDEFERIMENTOS É comum que o requerente preencha este campo com a mesma data do último registro (Campo 36), mas muitas vezes esse dado não coincide com a data de entrada do responsável na empresa. Verifique a data de inclusão do responsável, ou seja, a data em que ele passou a fazer parte do quadro de responsáveis da empresa. Importante destacar que a SEFAZ-RJ não concede inscrição estadual para contribuintes qualificados como MEI. (Art. 35, XI, Anexo I, Parte II da Res. SEFAZ nº 720/2014). Se houver divergência de datas na JUCERJA, o pedido de inscrição será INDEFERIDO Campo 52 CPF/CNPJ: Preencher com o CPF ou CNPJ do responsável pessoa física ou pessoa jurídica, conforme o registrado na JUCERJA e na RFB Campo 96 Representante junto a SEFAZ: O responsável cadastrado será representante junto a SEFAZ? SIM ou NÃO.

13 13 BLOCO 05 PARTE 2 DADOS PESSOAIS 5.5. Campo 54 Vinculação: Preencher de acordo com a relação que o responsável tem com o estabelecimento. ALTO ÍNDICE DE INDEFERIMENTOS Para as Sociedades Limitadas, será classificado como SÓCIO ADMINISTRADOR aquele que possui poderes de administração da empresa conferidos por cláusula específica constante do Ato legal arquivado na JUCERJA. Os sócios que não possuem poderes de administração, e que não se tratem de pessoa jurídica, deverão ser classificados como SÓCIO PESSOA FÍSICA Campo 53 Nome: Preencher com o nome completo do responsável, de forma que constem, sem abreviação, o primeiro e o último nome Campo 58 Espólio: Preencher apenas quando o estabelecimento for integrar o patrimônio deixado pelo de cujus, e que serão partilhados, no inventário, entre os herdeiros ou legatários Campo 71 Nacionalidade: Preencher conforme o vínculo jurídico de direito público interno entre o responsável e o Estado Campo 72 Domicílio: Residência do responsável do estabelecimento. No caso de empresa cujo sócio seja pessoa física domiciliada no exterior ou pessoa jurídica com sede no exterior, será exigido procurador residente no Rio de Janeiro, cujo CPF deverá ser cadastrado no campo 59 do DOCAD Campo 59 CPF do Representante do Responsável: Preencher este campo somente quando exigido pelo tipo de vinculação (campo 54).

14 14 BLOCO 05 PARTE 3 ENDEREÇO Campos País (57), UF (68), Município (67), Tipo Logradouro (60), Nome do Logradouro (61), Número (62), Complemento (63), Bairro (64), CEP (65): Preencha com o endereço completo do responsável. Deve conferir com o domicílio do responsável, conforme registrado no ato legal arquivado no órgão de registro. Em nenhuma hipótese será aceito: Endereço que não seja a residência do responsável; Endereço do próprio estabelecimento, pois já existe campo próprio para essa informação; Endereço de outro estabelecimento do responsável; Endereço do Contabilista/Empresa Contábil, pois já existe campo próprio para essa informação Campo 69 Telefone: Preencher com o telefone referente ao responsável que se deseja incluir Campo 70 Fax: Campo opcional Campo 90 Correio Eletrônico: Campo opcional

15 15 BLOCO 06 CONTABILISTA Deseja indicar um Contabilista: SIM ou NÃO. Ao clicar em SIM, os campos abaixo deverão ser preenchidos. 6.1 Campo 77 Natureza Jurídica: Se contabilista sem empresa de contabilidade, preencher como Pessoa Física; se o requerente representa escritório de contabilidade, preencher como Pessoa Jurídica; e se contabilista empresário individual, preencher nessa natureza jurídica Campo 75 CPF/CNPJ: Se contabilista, preencher com CPF; se escritório de contabilidade, preencher com CNPJ Campo 78 CRC: Preencher com número do registro do responsável pela contabilidade do estabelecimento. Obrigatório CRC-RJ Campo 76 Nome: Preencher com o nome completo do contabilista ou do escritório de contabilidade Campos UF(89), Município (88), Tipo de Logradouro (81), Nome (76), Número (83), Complemento (84), Bairro (85), CEP (86): Preencha com o endereço completo do contabilista ou do escritório de contabilidade Campo 79 Telefone: Preencher com o telefone referente ao contabilista/escritório de contabilidade que se deseja incluir Campo 80 Fax: Campo opcional 6.8. Campo 91 Correio Eletrônico: Campo opcional O contabilista identificado como responsável pela escrituração de empresa sediada nesta unidade da Federação deverá possuir registro no Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro (CRC-RJ); O contabilista é obrigatório para empresas limitadas, salvo quando se tratar de produtor rural, conforme artigos a do Código Civil; também obrigatório para sociedade por ações, conforme Lei nº 6.404/76.

16 16 BLOCO 07 SIGNATÁRIO DO PEDIDO 7.1. Campo 44 Vinculação: Preencher de acordo com a relação que o signatário do pedido possui com o requerente da inscrição estadual Campo 49 CPF: Preencher com o CPF do signatário do pedido Campo 45 Nome: Preencher com o nome completo do signatário do pedido Campo 97 Telefone: Preencher com o telefone referente ao signatário do pedido Campo 47 Observação: Preencher quando o requerente deseja informar dados adicionais para o órgão de registro.

17 17 OBSERVAÇÕES GERAIS Para consulta aos documentos necessários para inscrição/alteração cadastral, visite a página da Secretaria de Fazenda em > Legislação > Resoluções > Tributária > 2014 > 720 > Parte II > Anexo I: Cadastro de Contribuintes do Estado do Rio de Janeiro. Para dúvidas, utilize o Para endereços e telefones das repartições fiscais, siga o caminho: Instituição > Quem Somos > Repartições Fazendárias > Endereços e Telefones. Os DOCADs são analisados em ordem cronológica, inicialmente os mais antigos. Não é permitido utilizar outro critério para análise que não seja a ordem de transmissão, nem mesmo por erro no preenchimento de DOCAD anterior. IMPORTANTE: Se o DOCAD foi indeferido por erro no preenchimento ou não comprovação dos dados informados, um novo DOCAD transmitido será o último na lista de análises. O objetivo desse manual é auxiliar o contribuinte no preenchimento correto do formulário de pedido de inscrição estadual e a redução não só dos indeferimentos, mas também do prazo de análise. INSTRUÇÕES DE USO APÓS PREENCHIMENTO DO DOCAD Após a instalação em seu computador do Programa Gerador do Formulário Eletrônico do DOCAD, o requerente deverá seguir os seguintes passos para preenchimento e impressão do DOCAD: Validar o preenchimento do formulário; Gerar arquivo para transmissão à SEFAZ; Transmitir o arquivo à SEFAZ e imprimir o DOCAD. VALIDAÇÃO DO FORMULÁRIO Concluída a digitação no aplicativo do Formulário Eletrônico do DOCAD, o usuário deverá clicar no botão VALIDAR, para verificar a existência de eventuais erros de preenchimento que inviabilizem a geração e a transmissão à SEFAZ do arquivo do DOCAD. Caso o DOCAD tenha sido corretamente preenchido, ao clicar nesse botão, o aplicativo emitirá uma mensagem neste sentido, e o interessado poderá passar à etapa seguinte, referente à Geração do Arquivo para Transmissão. Caso o formulário contenha incorreções de preenchimento, o aplicativo exibirá esta informação, permitindo ao usuário acessar e imprimir a tela Relação das Pendências, para providenciar as retificações indispensáveis à posterior geração e transmissão do arquivo. GERAÇÃO DO ARQUIVO PARA TRANSMISSÃO Ultrapassada no aplicativo a etapa de validação do formulário preenchido, o usuário deverá Gerar o Arquivo para Transmissão. Este procedimento gravará o arquivo, no formato adequado à sua transmissão pela Internet, em diretório de escolha do usuário. IMPORTANTE: Somente serão gerados arquivos que não contenham erros de preenchimento. TRANSMISSÃO E IMPRESSÃO DO DOCAD O arquivo do DOCAD deverá ser transmitido à SEFAZ, a partir do aplicativo em que foi gerado, ou diretamente através do seguinte caminho: > acesso rápido > DOCAD Transmissão (descer a barra de rolagem até o final e selecionar o arquivo para transmissão).

18 18 Após a transmissão, o DOCAD estará disponível para impressão e seu andamento poderá ser consultado apenas através da página Consultar Situação do DOCAD. IMPORTANTE: Lembramos que o DOCAD para impressão está em formato PDF. Para lê-lo será necessário dispor da instalação do software Acrobat Reader em seu equipamento. Para obtê-lo, acesse para fazer o download. Constará no DOCAD impresso, além das informações cadastrais prestadas pelo requerente, o número de protocolo para acompanhamento do trâmite do pedido de inscrição, e nos casos que não atendem ao processo simplificado de análise, a indicação da repartição de vinculação cadastral do usuário e a data limite para comparecimento à Repartição Fiscal. Link para acompanhamento: IMPORTANTE: O arquivo será criticado pelo SICAD no instante de sua transmissão e, caso sejam detectadas inconsistências, será imediatamente exibido no site o respectivo relatório. Para os casos em que não é exigida a entrega de documentação na repartição, caso o SICAD faça críticas ao pedido, não será aceita a transmissão do DOCAD, sendo exibido ao usuário exclusivamente o Relatório de Inconsistências. O usuário deverá, nesse caso, com a ajuda nas orientações do passo-a-passo disponível junto ao relatório, sanar todas as inconsistências detectadas pelo SICAD e retransmitir o DOCAD. Para os casos em que é exigida a entrega de documentação na repartição, mesmo que o SICAD faça críticas ao pedido, a transmissão do DOCAD será aceita, e o usuário poderá: providenciar, se possível, as retificações necessárias, e efetuar nova transmissão; dirigir-se à repartição fiscal indicada, portando os impressos do DOCAD e do Relatório de Inconsistências caso os acertos não possam ser efetuados pelo usuário, ou se precisar obter orientação; dar entrada no pedido na repartição fiscal, se assim desejar, independente da existência de inconsistências, estando sujeito ao seu indeferimento se não sanadas as irregularidades constatadas pelo SICAD. ENTREGA DA DOCUMENTAÇÃO Para os casos em que é obrigatória a apresentação de documentos, o interessado deverá comparecer à Repartição Fiscal indicada no formulário dentro do prazo previsto ou o arquivo transmitido perderá a validade, devendo ser retransmitido e impresso novo DOCAD. AS INFORMAÇÕES NÃO FORAM SUFICIENTES PARA SANAR SUA DÚVIDA? Em caso de dúvidas, envie para

19 19 CONTROLE DE VERSÕES DATA ALTERAÇÕES 14/09/2015 1ª Publicação

20 Secretaria de Estado de Fazenda Estado do Rio de Janeiro Coordenação de Cadastro da SEFAZ

PRÉ- REQUISITOS CADASTRO ELETRÔNICO

PRÉ- REQUISITOS CADASTRO ELETRÔNICO CADASTRO ELETRÔNICO Abaixo seguem as orientações sobre os serviços mais utilizados do Cadastro no efisco - ARE Virtual. OBS: Use sempre o navegador Internet Explorer para acessar o efisco - ARE Virtual

Leia mais

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 26

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 26 Requerimento Eletrônico Página 1 / 26 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO... 4 Novo Requerimento... 5 Dados da Pessoa Jurídica... 7 Qualificação dos Sócios e Administradores

Leia mais

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 51

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 51 Requerimento Eletrônico Página 1 / 51 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO... 4 Novo Requerimento de Constituição... 5 Dados da Pessoa Jurídica... 7 Qualificação dos Sócios e

Leia mais

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 21

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 21 Requerimento Eletrônico Página 1 / 21 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO... 4 Novo Requerimento de Constituição... 5 Dados da Pessoa Jurídica... 7 Qualificação dos Sócios e

Leia mais

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42 Pedido de Viabilidade Página 1 / 42 ÍNDICE Apresentação... 3 Pedido de Viabilidade para Inscrição de Primeiro Estabelecimento... 4 Solicitante e Pessoa Jurídica... 4 Quadro Societário... 8 Nome Empresarial,

Leia mais

Consulta de Viabilidade de Nome Empresarial. Guia do Usuário

Consulta de Viabilidade de Nome Empresarial. Guia do Usuário Consulta de Viabilidade de Nome Empresarial Guia do Usuário Curitiba - 2013 Índice 1. Consulta de Viabilidade...3 Guia do usuário...3 1.1. Descrição da Consulta de Viabilidade... 4 1.2. Passo a passo...

Leia mais

Introdução. Benefícios para todos

Introdução. Benefícios para todos Introdução Esta cartilha tem a finalidade de guiar as empresas na implantação da Nota Fiscal Eletrônica e demonstrar as facilidades e vantagens do sistema para o contribuinte e para a sociedade A Nota

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13.

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13. Página 1 / 15 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13 Página 2 / 15 APRESENTAÇÃO O que é: O Sistema de Registro

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 - Recadastramento 3. Capítulo 2 - Tabelas 24

SUMÁRIO. Capítulo 1 - Recadastramento 3. Capítulo 2 - Tabelas 24 1 SUMÁRIO Capítulo 1 - Recadastramento 3 INTRODUÇÃO 3 QUEM DEVE SE RECADASTRAR 3 PRAZO PARA O RECADASTRAMENTO 3 FLUXO 4 EMPRESA/ AUTÔNOMO 4 Orientações para o Recadastramento das EMPRESAS 4 Cadastro de

Leia mais

Como utilizar os serviços do portal Agênci@net

Como utilizar os serviços do portal Agênci@net Como utilizar os serviços do portal Agênci@net Clique nos serviços que deseja obter informações: Serviços disponíveis na área pública Solicitação de Inscrição no Cadastro do Distrito Federal Impressão

Leia mais

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Usuário Anônimo Versão 1.3 11/02/2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Objetivos... 3 1. Solicitação de CeC... 4 1.1. Cadastro de Pessoas Físicas... 6 1.1.1 Cadastro de

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE. 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais?

Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE. 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais? Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais? Desde o dia 21/10/2013, esta em operação o Módulo Estadual de Licenciamento

Leia mais

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 28

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 28 Requerimento Eletrônico Página 1 / 28 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO... 4 Novo Requerimento de Constituição... 5 Dados da Pessoa Jurídica... 7 Qualificação dos Sócios e

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PESSOA FÍSICA

MANUAL DO USUÁRIO PESSOA FÍSICA MANUAL DO USUÁRIO PESSOA FÍSICA 1 Índice DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de direitos autorais,

Leia mais

Consulta de Viabilidade

Consulta de Viabilidade Consulta de Viabilidade Descrição: A Consulta de viabilidade é um formulário eletrônico responsável por coletar as informações do empreendedor referentes ao empreendimento. São coletados: dados do endereço,

Leia mais

Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial

Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial FAQ Perguntas Frequentes versão 19/3/13 Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial 1. Quais são as modalidades de cadastro disponíveis para solicitação de CNPJ? No

Leia mais

Guia Rápido Registro Integrado/ES

Guia Rápido Registro Integrado/ES Guia Rápido Registro Integrado/ES O Registro Integrado/ES, através do sistema REGIN integra os órgãos públicos envolvidos no registro de empresas como Junta Comercial (JUCEES), Receita Federal (RFB), Secretaria

Leia mais

Manual do Usuário Alteração de Empresa

Manual do Usuário Alteração de Empresa Manual do Usuário Alteração de Empresa Empro - Tecnologia & Informação São José do Rio Preto, São Paulo Sumário Introdução... 3 Acesso... 4 Alteração de empresa... 6 Identificação... 7 Questionário sobre

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes versão 01/12/2013

FAQ Perguntas Frequentes versão 01/12/2013 - Jucergs Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial 1. Quais são as modalidades de cadastro disponíveis para solicitação de CNPJ? No site da Receita Federal do Brasil

Leia mais

Cartilha CT-e Conhecimento de Transporte Eletrônico

Cartilha CT-e Conhecimento de Transporte Eletrônico Cartilha CT-e Conhecimento de Transporte Eletrônico Introdução Esta cartilha tem o objetivo de orientar o contribuinte a implantar o sistema de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) em sua empresa

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO - TELAS E FUNCIONALIDADES...5. Informações da Pessoa Jurídica...6

ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO - TELAS E FUNCIONALIDADES...5. Informações da Pessoa Jurídica...6 Página 1 / 16 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO - TELAS E FUNCIONALIDADES...5 Informações da Pessoa Jurídica...6 Qualificação dos Sócios e Administradores QSA...8 Geração e

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes versão 19/08/2014

FAQ Perguntas Frequentes versão 19/08/2014 DÚVIDAS ADICIONAIS SOBRE DBE/CNPJ, PREVISTAS NESTE INFORMATIVO, DEVERÃO SER DIRIGIDAS À RECEITA FEDERAL, ATRAVÉS DE AGENDAMENTO DE HORÁRIO PELA INTERNET, PARA O SERVIÇO ORIENTAÇÕES CNPJ OU CONSULTADO A

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA 1 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA ANO 2012 2 Sumário 1 Nota Fiscal de Serviços eletrônica - NFS-e... 3 1.1 Considerações Iniciais... 3 1.2 Legislação... 3 1.3 Definição...

Leia mais

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO Abrir uma empresa As três formas jurídicas mais utilizadas são as Empresas de Sociedade Simples, Sociedade Empresária e Empresário Individual, é nelas que eu vou me basear para mostrar os procedimentos

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo

Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Manual de Preenchimento de Formulários de Avaliação Técnica Departamento de Fiscalização APRESENTAÇÃO Prezado Profissional da Contabilidade, O

Leia mais

Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 8

Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 8 Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 O QUE É GISSONLINE?... 6 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 6 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO... 3 TELA DE LOGIN... 4 TIPOS DE FAC EXISTENTE... 7 FAC DE PEDIDO DE BAIXA OU SUSPENSÃO FAC DE REATIVAÇÃO FAC DE ALTERAÇÃO

INTRODUÇÃO... 3 TELA DE LOGIN... 4 TIPOS DE FAC EXISTENTE... 7 FAC DE PEDIDO DE BAIXA OU SUSPENSÃO FAC DE REATIVAÇÃO FAC DE ALTERAÇÃO Sumário INTRODUÇÃO... 3 TELA DE LOGIN... 4 TIPOS DE FAC EXISTENTE... 7 FAC DE PEDIDO DE BAIXA OU SUSPENSÃO... 8 FAC DE REATIVAÇÃO... 10 FAC DE ALTERAÇÃO... 11 GRUPOS DE ATUALIZAÇÃO POSSIVEL... 11 TELAS

Leia mais

Help de NFSe. Credenciamento

Help de NFSe. Credenciamento Prestador 2 1 Help de NFSe Credenciamento Se for prestador do município, substituto ou empresas de outros municípios clique na opção credenciar Para acessar a tela de credenciamento do contador, clique

Leia mais

MANUAL DO. USUÁRIO DOCAD FORMULÁRIO ELETRÔNICO

MANUAL DO. USUÁRIO DOCAD FORMULÁRIO ELETRÔNICO MANUAL DO. USUÁRIO DOCAD FORMULÁRIO ELETRÔNICO 1. Informações Gerais 2. Atualização de Novas Versões do Programa Gerador do Formulário Eletrônico do DOCAD 3. Acesso ao Formulário Eletrônico do DOCAD 4.

Leia mais

NFE Nota Fiscal eletrônica. Versão 2.0 (07/2012)

NFE Nota Fiscal eletrônica. Versão 2.0 (07/2012) NFE Nota Fiscal eletrônica Versão 2.0 (07/2012) Sumário INTRODUÇÃO... 2 COMO OBTER AUTORIZAÇÃO PARA EMISSÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA... 3 2º VIA DE SOLICITAÇÃO/AUTORIZAÇÃO DE IMPRESSÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS...

Leia mais

Procedimentos para cadastrar no E-Process a solicitação de nomeação de fiel depositário em casos de TAD-e

Procedimentos para cadastrar no E-Process a solicitação de nomeação de fiel depositário em casos de TAD-e Procedimentos para cadastrar no E-Process a solicitação de nomeação de fiel depositário em casos de TAD-e Quando, na fiscalização do trânsito de mercadorias ou da respectiva prestação de serviço de transporte,

Leia mais

PROGAM Programa para a Governança Municipal Sistema Tributário on-line. Sistema Tributário On-line. Recadastramento

PROGAM Programa para a Governança Municipal Sistema Tributário on-line. Sistema Tributário On-line. Recadastramento Sistema Tributário On-line Recadastramento Introdução O PROGAM Programa de Governança Municipal desenvolveu o Sistema Tributário on-line com objetivo de aperfeiçoar a administração tributária no tocante

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS Versão 1.0 Nota Salvador NFS-e Versão do Manual: 1.0 pág. 2 Manual do Sistema da Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS ÍNDICE 1. Acessando

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes versão 19/01/2015

FAQ Perguntas Frequentes versão 19/01/2015 - Jucergs DÚVIDAS ADICIONAIS SOBRE DBE/CNPJ, PREVISTAS NESTE INFORMATIVO, DEVERÃO SER DIRIGIDAS À RECEITA FEDERAL, ATRAVÉS DE AGENDAMENTO DE HORÁRIO PELA INTERNET, PARA O SERVIÇO ORIENTAÇÕES CNPJ OU CONSULTADO

Leia mais

Certidão Online Manual do Usuário

Certidão Online Manual do Usuário JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Certidão Online Manual do Usuário Versão 3.1 Lista de Tópicos - Navegação Rápida CADASTRANDO O USUÁRIO... 3 ACESSANDO O SISTEMA... 5 CERTIDAO SIMPLIFICADA NADA

Leia mais

Help de NFSe. 2011 E&L Produções de Software LTDA. Contador

Help de NFSe. 2011 E&L Produções de Software LTDA. Contador Contador 2 1 Credenciamento Se for prestador do município, substituto ou empresas de outros municípios clique na opção credenciar Para acessar a tela de credenciamento do contador, clique na opção Contador

Leia mais

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE Guia do Usuário ÍNDICE ÍNDICE Setembro /2009 www.4rsistemas.com.br 15 3262 8444 IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 3 Sou localizado no município... 4 Não sou localizado no município... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 Tela

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA GERÊNCIA DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS CORDENAÇÃO DO CADASTRO

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA GERÊNCIA DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS CORDENAÇÃO DO CADASTRO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA GERÊNCIA DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS CORDENAÇÃO DO CADASTRO ÍNDICE SISTEMÁTICO DO MANUAL DO CADASTRO LISTA DE TELAS...

Leia mais

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 52

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 52 Pedido de Viabilidade Página 1 / 52 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 PEDIDO DE VIABILIDADE PARA INSCRIÇÃO DE PRIMEIRO ESTABELECIMENTO... 4 Dados do Solicitante e da Pessoa Jurídica... 5 Quadro Societário... 8

Leia mais

Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I.

Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I. Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I. Empro - Tecnologia & Informação São José do Rio Preto, São Paulo Sumário Introdução... 3 Acesso... 4 Abertura de M.E.I. - Consulta Prévia...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO MANUAL DO CANDIDATO Para participar do processo de credenciamento, acesse o site do Sebrae/SC em www.sebrae-sc.com.br, clique em Soluções deste Estado e depois clique em Seja consultor e/ou instrutor.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA VENÉCIA SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA VENÉCIA SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA VENÉCIA SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS FICHA DE CADASTRAMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO INTRODUÇÃO Esta Ficha de Cadastramento tem por objetivo propiciar mais informações ao

Leia mais

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Organização: Patrícia Bianchi Machado, membro da Secretaria Executiva do Comitê Gestor do Simples Nacional V 1.01-05.02.2010

Leia mais

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174 Versão Liberada A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível. A atualização da versão

Leia mais

E-Process para solicitar restituição de indébito do ICMS

E-Process para solicitar restituição de indébito do ICMS E-Process para solicitar restituição de indébito do ICMS O trâmite do processo de Restituição do ICMS é normatizado pelo Regulamento do ICMS-MT (Decreto 2.212/14) em sua Parte Processual Título II, Capítulo

Leia mais

Indice. O que é NFSe?... 5

Indice. O que é NFSe?... 5 DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de direitos autorais, contanto que as cópias sejam feitas

Leia mais

lnclusão de Solicitação de Cópia de Processo Físico anterior à adoção do E-Process Usuário: Contribuinte inscrito ou não inscrito

lnclusão de Solicitação de Cópia de Processo Físico anterior à adoção do E-Process Usuário: Contribuinte inscrito ou não inscrito lnclusão de Solicitação de Cópia de Processo Físico anterior à adoção do E-Process Solicitação de Cópia de Processo Físico Usuário: Contribuinte inscrito ou não inscrito O Documento de Arrecadação DAR-1/AUT,

Leia mais

Sistema de ISSQN Digital Declaração Municipal On-line

Sistema de ISSQN Digital Declaração Municipal On-line Sistema de ISSQN Digital Declaração Municipal On-line ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 FUNCIONALIDADES... 3 1. INÍCIO DA DECLARAÇÃO... 3 2. DADOS DO CONTRIBUINTE... 4 3. ENDEREÇO FISCAL... 5 4. TELEFONE PARA CONTATO...

Leia mais

18/03/2015. O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE

18/03/2015. O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE nacional, JUCEMG e Juntas Comerciais para a implantação da REDESIM no País. 1 O que o Projeto Integrar irá fazer? 1) Transferir tecnologia para

Leia mais

NFSE - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica 1

NFSE - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica 1 1 DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de direitos autorais, contanto que as cópias sejam feitas

Leia mais

Portal SERvirtual Concessão de Acesso

Portal SERvirtual Concessão de Acesso Portal SERvirtual Concessão de Acesso Paraíba abril de 2015. Estamos apresentando uma nova face da Secretaria de Estado da Receita, o Portal SERvirtual. Com um ambiente seguro e de fácil operação na rede

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

1ª FASE DE IMPLANTAÇÃO DA REDESIM NA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE GOIÁS

1ª FASE DE IMPLANTAÇÃO DA REDESIM NA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE GOIÁS 1ª FASE DE IMPLANTAÇÃO DA REDESIM NA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE GOIÁS O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE nacional, JUCEMG e Juntas Comerciais para a implantação da REDESIM no País.

Leia mais

Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE

Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE Sumário PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ETIQUETAS DE REPARO...3 Figura 1.0...3 Figura 2.0...4 Figura 3.0...5 Figura 4.0...5 1. Proprietário

Leia mais

Cadastro de Pessoa Jurídica

Cadastro de Pessoa Jurídica Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo Cadastro de Pessoa Jurídica CADASTRAMENTO NO NOVO SISTEMA Novembro/2012 2 Índice 1 Introdução 03 2 Entrando no sistema de cadastro 03 3 Cadastramento eletrônico

Leia mais

1 INFORMAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROTOCOLO ON-LINE DO CADASTRO MOBILIÁRIO

1 INFORMAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROTOCOLO ON-LINE DO CADASTRO MOBILIÁRIO 1 INFORMAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROTOCOLO ON-LINE DO CADASTRO MOBILIÁRIO Para dar mais agilidade ao processo de inscrição de alvará de localização e permanência no Município de Joinville, alguns procedimentos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo FAQ Perguntas Frequentes Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial 1. Quais são as modalidades de cadastro disponíveis para solicitação de CNPJ? No site da Receita

Leia mais

VIDE ORIENTAÇÕES ADICIONAIS AO FINAL DESTE PERGUNTAS E REPOSTAS, ITEM 23

VIDE ORIENTAÇÕES ADICIONAIS AO FINAL DESTE PERGUNTAS E REPOSTAS, ITEM 23 DÚVIDAS ADICIONAIS SOBRE DBE/CNPJ, PREVISTAS NESTE INFORMATIVO, DEVERÃO SER DIRIGIDAS À RECEITA FEDERAL, ATRAVÉS DE AGENDAMENTO DE HORÁRIO PELA INTERNET, PARA O SERVIÇO ORIENTAÇÕES CNPJ OU CONSULTADO A

Leia mais

Há apenas uma maneira de se efetuar a solicitação: acesse o site da Receita Federal do Brasil (RFB) através do Coleta Online.

Há apenas uma maneira de se efetuar a solicitação: acesse o site da Receita Federal do Brasil (RFB) através do Coleta Online. DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE EMISSÃO DE CNPJ NA JUCESP 1. Quais são as formas disponíveis para solicitação de CNPJ? Há apenas uma maneira de se efetuar a solicitação: acesse o site da Receita Federal do Brasil

Leia mais

Tribunal Regional Federal da 1 a Região

Tribunal Regional Federal da 1 a Região Tribunal Regional Federal da 1 a Região Sistema de Transmissão Eletrônica de Atos Processuais e-proc Manual do Usuário 1 1. Disposições Provisórias O Sistema de Transmissão Eletrônica de Atos Processuais

Leia mais

CARTILHA DO MEDIADOR

CARTILHA DO MEDIADOR CARTILHA DO MEDIADOR SISTEMA PARA ELABORAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE REGISTRO DE INSTRUMENTOS COLETIVOS INSTRUÇÕES INICIAIS - INTERNET a) O Sistema Mediador está disponível na Internet, no endereço eletrônico

Leia mais

NFSE - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica 1

NFSE - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica 1 1 DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de direitos autorais, contanto que as cópias sejam feitas

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012

INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012 INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012 Instruções de transmissão e preenchimento da Declaração da Movimentação de Produtos com ICMS Diferido - DMD Art. 1º Os contribuintes inscritos no cadastro

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

PORTAL EMPRESA SIMPLES Registro e Licenciamento de Empresas MANUAL RLE. Baixa Simplificada de Empresas

PORTAL EMPRESA SIMPLES Registro e Licenciamento de Empresas MANUAL RLE. Baixa Simplificada de Empresas PORTAL EMPRESA SIMPLES Registro e Licenciamento de Empresas MANUAL RLE Baixa Simplificada de Empresas 2 Sumário 1 Como preparar o computador para uso do certificado digital...04 2 Primeiro Acesso: Cadastro

Leia mais

Manual - Versão 1.2 1

Manual - Versão 1.2 1 Manual - Versão 1.2 1 2 Requisitos para emissão da Nota Fiscal de Consumidor eletrônica - Sistema Gerenciador Gestor Prime - Sistema Transmissor - Uninfe Instalado automaticamente pelo Gestor. - Internet

Leia mais

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO Documento de Utilização de Benefício Fiscal APRESENTAÇÃO Prezado Contribuinte, Instituído pela Resolução SEFAZ nº 180 de 05 de dezembro de 2008, o DUB-ICMS (Documento de Utilização de Benefício) é uma

Leia mais

Roteiro de geração do SPED

Roteiro de geração do SPED Roteiro de geração do SPED 1 Índice Introdução...3 Cadastro da Empresa...3 Histórico Padrão...4 Plano de Contas...4 Código de Aglutinação...5 Inserindo plano de contas de aglutinação de forma automática...5

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA MANUAL INTERNET ÍNDICE Sistema Integrado de Administração da Receita 1 INTRODUÇÃO GERAL... 4 2 INTRODUÇÃO AO... 4 2.1 OBJETIVOS... 4 2.2 BENEFÍCIOS... 4 2.3

Leia mais

Passo a Passo para preenchimento do Pedido de Viabilidade no Sistema de Registro Integrado REGIN. Empresários Requerentes Contadores

Passo a Passo para preenchimento do Pedido de Viabilidade no Sistema de Registro Integrado REGIN. Empresários Requerentes Contadores Passo a Passo para preenchimento do Pedido de Viabilidade no Sistema de Registro Integrado REGIN Empresários Requerentes Contadores Maio / 2011 ÍNDICE Introdução... 3 Pedido de Consulta da Viabilidade...

Leia mais

Comprei mercadoria com NF-e denegada. E agora?

Comprei mercadoria com NF-e denegada. E agora? Comprei mercadoria com NF-e denegada. E agora? Tomei conhecimento de um caso bastante comum sobre a Nota Fiscal Eletrônica. Um contador amigo enviou-me seguinte pergunta: Meu cliente recebeu uma mercadoria

Leia mais

Manual de Utilização. Sistema. Recibo Provisório de Serviço

Manual de Utilização. Sistema. Recibo Provisório de Serviço Manual de Utilização Sistema Recibo Provisório de Serviço Versão 1.0 17/08/2011 Sumário Introdução... 5 1. Primeiro Acesso... 7 2. Funções do e-rps... 8 2.1 Menu Superior... 8 2.1.1 Arquivo......8 2.1.2

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA [por tipo de requerimento]

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA [por tipo de requerimento] DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA [por tipo de requerimento] REQUERIMENTO DE EMISSÃO DE CLF [somente para matriz] (CLF-Certificado de Licença de Funcionamento) É o documento, com validade de um ano, que habilita

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Orientação Contribuinte NF e (versão de testes) 1 Objetivos do Projeto: O Projeto NF-e teve como objetivo a implantação de um modelo nacional de documento fiscal eletrônico visando

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema

Manual de Utilização do Sistema Manual de Utilização do Sistema 2013 Nota Control Nota Cuiabana Índice Parte I Informações Iniciais 1 Sobre o documento Parte II Apresentação 1 Menu Home 2 Menu Cadastro 3 Menu Já sou cadastrado 4 Menu

Leia mais

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1 Manual do Usuário Pré-Cadastro de Participantes 08.11.2004 Versão 1.1 Índice 1. Introdução ao Pré-Cadastro...3 1.1. Pré-Cadastro de pessoa Física...3 1.1.1. Termo...3 1.1.2. Dados de identificação...4

Leia mais

Manual Operacional de Adesão ao FIES Técnico Procedimentos da Mantenedora

Manual Operacional de Adesão ao FIES Técnico Procedimentos da Mantenedora Manual Operacional de Adesão ao FIES Técnico Procedimentos da Mantenedora Brasília, março de 2012 Versão 1.0 SUMÁRIO 1. CONFIGURAÇÕES RECOMENDADAS... 3 2. ACESSO AO SISTEMA... 4 3. ADESÃO AO FIES... 5

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É?

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É? ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É? A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras informações de interesse

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO RECAM ONLINE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO RECAM ONLINE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO RECAM ONLINE Tefefone: (16)37119000 email: recam@franca.sp.gov. Sumário 1. Endereço para acessar o sistema... 3 2. Tipos de acesso ao sistema... 3 3. Termo de acesso cadastrado

Leia mais

Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ

Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ Fundamentação legal: A entidade estará obrigada a atualizar no CNPJ qualquer alteração referente aos seus dados cadastrais até o último dia útil

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito Federal e o

Leia mais

DICAS DE PREENCHIMENTO DA FSCC-e

DICAS DE PREENCHIMENTO DA FSCC-e DICAS DE PREENCHIMENTO DA FSCC-e Para solicitar a Ficha Eletrônica de Solicitação de Cadastramento de Contribuinte do ICMS do Estado do Amazonas - FSCC-e, os campos de seleção obrigatórios devem ser preenchidos.

Leia mais

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual de Registro de Saída Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.0 Dezembro 2010 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO REGISTRO DE SAÍDA - SIARE... 3 2.1 SEGURANÇA... 4 2.2

Leia mais

Perguntas m ais frequent es (atualizada em 02/04/2012)

Perguntas m ais frequent es (atualizada em 02/04/2012) Processamento de Dados Perguntas m ais frequent es (atualizada em 02/04/2012) 1 - CADASTRO DO FORNECEDOR DE SISTEMA DE NATUREZA FISCAL 1.1) Quem pode ser Fornecedor de Sistema? Toda empresa que desenvolve

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes versão 01/02/2014

FAQ Perguntas Frequentes versão 01/02/2014 - Jucergs DÚVIDAS ADICIONAIS SOBRE DBE/CNPJ, PREVISTAS NESTE INFORMATIVO, DEVERÃO SER DIRIGIDAS À RECEITA FEDERAL, ATRAVÉS DE AGENDAMENTO DE HORÁRIO PELA INTERNET, PARA O SERVIÇO ORIENTAÇÕES CNPJ OU CONSULTADO

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Maio / 2008 Índice Introdução... 3 Pedido de Consulta da Viabilidade... 4 Acompanhamento do Pedido de Viabilidade... 11 Registro

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito Federal e o

Leia mais

Manual para geração do SINTEGRA Março/ 2010

Manual para geração do SINTEGRA Março/ 2010 As instruções que se seguem referem-se a geração do arquivo SINTEGRA para a Radio Extra. É importante esta informação pois as exigibilidades do SINTEGRA variam de acordo com tributação estadual incidente

Leia mais

e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais Eletrônicos

e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais Eletrônicos Página1 e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais Eletrônicos Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é o e-nota R?... 03 2. Configurações e Requisitos...

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão: 24/05/2010 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 20/10/2010.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 20/10/2010. REGIN Dúvidas Frequentes Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 20/10/2010. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 ROTEIRO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS 1 INTRODUÇÃO Segundo orientação presente no endereço eletrônico

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO WEB SIGAP - SISTEMA GESTOR DE ATENDIMENTOS E PROCESSOS

MANUAL DO USUÁRIO WEB SIGAP - SISTEMA GESTOR DE ATENDIMENTOS E PROCESSOS MANUAL DO USUÁRIO WEB SIGAP - SISTEMA GESTOR DE ATENDIMENTOS E PROCESSOS Sumario Sumario... 2 1 Introdução... 3 2 Eventos Gerais... 3 Trâmite dos Processos... 3 Consulta Ao Andamento do Processo... 4 Ícones

Leia mais

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio Fundap Fundação do Desenvolvimento Administrativo Programa de Estágio Programa de Estágio Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio Plano de Estágio Julho de 2008 SABE - Sistema

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO VIA FÁCIL BOMBEIROS SECRETARIA DO ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

MANUAL DO USUÁRIO VIA FÁCIL BOMBEIROS SECRETARIA DO ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Serviço de Segurança contra Incêndio MANUAL DO USUÁRIO versão atualizada em novembro de

Leia mais

Secretaria Municipal de Fazenda Diretoria de Receitas Divisão de Tributos. Manual do Site Acesso Geral MONTE CARMELO

Secretaria Municipal de Fazenda Diretoria de Receitas Divisão de Tributos. Manual do Site Acesso Geral MONTE CARMELO Secretaria Municipal de Fazenda Diretoria de Receitas Divisão de Tributos Manual do Site Acesso Geral MONTE CARMELO ÍNDICE Siat Online - Considerações Gerais Consulta Débito de IPTU Emitir Guias de ITPU

Leia mais

Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e. Introdução. Apresentação

Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e. Introdução. Apresentação Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e Manual do Usuário Prestador Introdução Este manual tem como objetivo apresentar a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) que será utilizado pelos contribuintes

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Janeiro / 2010 1 Índice ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 PEDIDO DE VIABILIDADE MATRIZ... 4 PEDIDO DE VIABILIDADE FILIAL... 10

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA BAIXA CADASTRAL ELETRÔNICA

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA BAIXA CADASTRAL ELETRÔNICA ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA BAIXA CADASTRAL ELETRÔNICA MANUAL DO CONTRIBUINTE Junho/2013 1. Apresentação O sistema da Baixa Cadastral Eletrônica foi desenvolvido com o intuito de facilitar a

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET I Sumário 1. Objetivo do Documento... 1 2. Início... 1 3. Cadastro de Pessoa Física... 3 3.1. Preenchimentos Obrigatórios.... 4 3.2. Acesso aos Campos

Leia mais