REDES E GESTÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS: ANÁLISE DAS RELAÇÕES DOS ATORES DE TURISMO DA CIDADE DE OURO PRETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDES E GESTÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS: ANÁLISE DAS RELAÇÕES DOS ATORES DE TURISMO DA CIDADE DE OURO PRETO"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de REDES E GESTÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS: ANÁLISE DAS RELAÇÕES DOS ATORES DE TURISMO DA CIDADE DE OURO PRETO Raoni de Oliveira Inácio (UFOP) Maurinice Daniela Rodrigues (UFMG) Thiago Reis Xavier (UFSM) SICELO ALEXANDRE D EOLIVEIRA INÁCIO (UFOP) A redes são estudadas há muitos anos. Entretanto há uma década o mundo descobriu que as redes sestão presentes em nosso dia-a-dia fazendo que estudiosos se debruçassem a compreendê-las como uma metodologia, uma fórmula para resolver inúmeroos problemas desde pessoais a empresariais. Na verdade as redes podem vir a ser estruturas estratégicas para a gestão de inúmeros ambientes, inclusive um destino turístico. Porém, só isto não irá milagrosamente resolver todos os problemas. É necessário um alinhamento aos novos paradigmas para se tornarem mais competitivos. O presente artigo é fundamentado sobre dados da pesquisa de modelização topológica da rede de turismo da cidade de Ouro Preto durante os anos de 2008 e Para isso, através do método de levantamento, houve a aplicação de 600 questionários, através dos quais obtiveram-se as informações analisadas, utilizou-se da técnica quantitativa de estatística inferencial, e sua análise se deu por meio dos programas Excel e XMGRACE. Os resultados dos questionários indicaram quais seriam os principais atores de turismo da cidade. Palavras-chaves: Redes; Redes complexas; Turismo.

2 1 1. Introdução As redes são estruturas presentes nos mais diversos ambientes em que atuam as pessoas, elas conseguem moldar a realidade dos mais diversos processos sociais, biológicos, físicos etc. Apesar dessa onipresença e importância em praticamente todos os processos que são realizados pelas pessoas, os mecanismos básicos que regem seu funcionamento ainda são pouco conhecidos. A ligação entre dois ou mais pontos, sendo permeada pela informação passou a ser um fator preponderante em um mundo globalizado. Essas estruturas estratégicas denominadas redes, fomentam-se a partir de um objetivo abrangente, da coletividade. Desenvolvimento de clusters, arranjos produtivos locais, redes neurais, integrações verticais e horizontais etc.,vem sendo vastamente estudados nos últimos anos. Essas relações intensas ou não que tem em sua base a denominação redes, são caracterizadas por diversos fatores, entre eles está também o ambiente inserido e também pelas particularidades de cada tipo deste modelo de sistema. A ocorrência de cooperação nos agrupamentos também pode ser observada como um instrumento estratégico nas redes de determinada região geográfica. No caso do turismo, identificar valores (culturais, sociais, econômicos, etc.) de determinado público, pode ser um diferencial. A partir da cooperação de informações desse público, a rede melhor esta preparada para o recebimento do turista. As decisões e planejamento de cidades turísticas, com base em agrupamentos, podem gerar uma vantagem competitiva, uma vez que na existência de um fluxo mais eficiente de informação, tecnologia e conhecimento entre as cidades agrupadas, há um compartilhamento de decisões, o que minimiza os erros e reforça as ações. Esse estudo teve como ponto de partida o resultado da aplicação de 600 questionários do projeto de pesquisa de Redes Complexas: Modelização da Estrutura Topológica e das Interações dos Agentes de Turismo da Cidade de Ouro Preto nos anos de 2008/2009. Buscase, com este trabalho, uma aplicação dos modelos de redes no estudo das interações entre atores do turismo da cidade. Através dos dados parciais da pesquisa foram identificados os hubs - pontos altamente conectados da rede de atores do turismo, além do perfil do turista que visita cada ambiente. Nesse contexto destacam-se também os esforços na busca intencional de bibliografias informativas, que são fundamentais para a compreensão das diferentes teorias e métodos de abordagem do tema. Para assim poder se ter um embasamento diante da aplicabilidade em campo. A partir desse delineamento, o artigo exposto irá ser organizado em cinco itens e da seguinte forma: Primeiramente apresenta-se uma base conceitual. No segundo item são apontadas as características e a importância da informação em uma rede, em seguida será realizada a comparação propriamente dita da pesquisa. Em um quarto momento mostra-se a metodologia empregada, e a posteriori dispõe-se as considerações finais. Logo, acredita-se que esse trabalho será uma importante contribuição para este ano de 2009, devido a essa análise de todo esse período de pesquisa existente a respeito de redes na cidade de Ouro Preto. Além da importância do confronte de dados, que pode ser utilizado no estudo de fomentação de políticas públicas para o setor de turismo da cidade. 2

3 O presente artigo está organizado em quatro partes. Primeiramente, apresenta-se uma base conceitual contextualizando o tema, especificamente sobre redes complexas e redes do turismo. No segundo item são apontados os procedimentos metodológicos, em seguida demonstra-se a apresentação de análise dos resultados. E finalmente, são expostas as considerações finais. 2. Referencial Teórico 2.2 Redes Castells (2003) defende que as redes são estruturas abertas, ou seja, qualquer um pode se conectar a rede desde que sustente uma ligação, mantendo fluxos de informações, produtos ou serviços. Para Angelis (2005) as redes podem ser estudadas através de suas características físicas, como o número total de ligações de um mesmo nó. Elas podem ter um grafo regular ou irregular. O primeiro é aquele em que todo nó possui o mesmo número de ligações, já no segundo, seus nós apresentam diferentes números de ligações. Nos últimos anos os pesquisadores descobriram que vários sistemas complexos possuem uma arquitetura governada por princípios organizacionais idênticos e compartilhados por todos (KELLER, 2005). Em algumas delas, os nós podem ter um número médio de conexões descrito por uma distribuição de Poisson (que mostra que tal rede possui uma escala definida, uma vez que a grande maioria dos nós apresenta um número de conexões próximo a uma conexão média). É importante frisar que nessa rede todos os nós têm uma mesma probabilidade de ligação a ser feita. Por outro lado, existem redes em que essa mesma distribuição segue uma lei de potência (ALBERT-LÁSZLÓ BARABÁSI, 2002). Nesse caso têm-se pouquíssimos nós fazendo um grande número de ligações e uma vasta maioria fracamente conectada. Neste tipo de redes não há uma conectividade média que represente todos os nós, uma vez que todas as conectividades estão presentes com um determinado grau, por isso elas são denominadas redes sem escala (KELLER, 2005). Especificamente no turismo pode ser feita uma analogia com os atores de destinos turísticos, pois alguns são mais frequentados que os outros, assumindo assim uma configuração de redes sem escala. As redes sem escala são aquelas que não seguem um padrão regular. Essas redes podem ser estáticas, quando não existe variação no número de vértices, arestas ou mesmo na configuração das ligações, ou dinâmicas, sendo que neste caso, é possível modelar o seu crescimento pela análise da variação de sua estrutura no tempo (RODRIGUES, 2007). Segundo Albert e Barabási (2002), as redes sem escala são denominadas de RIE (Redes Invariantes por Escala). As características do algoritmo de criação de uma RIE podem, então, serem descritas por um crescimento que parte-se de um número mínimo de n nós totalmente conectado e a cada passo um novo nó adicionado à rede é conectado a nós já existentes, e a conexão preferencial, que ao escolher os nós ao qual o novo nó se conecta, assume-se que a probabilidade com que o nó i seja escolhido depende de sua conectividade k i. Já para uma rede aleatória as características de seus algoritmos quanto ao crescimento se baseiam na existência de um número fixo de nós, e na conexão cada nó é adicionado a outro com uma probabilidade p. Como a rede de atores de Ouro Preto se apresentou como uma rede sem escala, acredita-se que os pontos turísticos mais visitados têm maior probabilidade de receber cada vez mais turistas, em detrimento dos atrativos menos visitados. De acordo com Costa e Martinho (2003) as redes agregam em si, ainda, pré-requisitos como princípios democráticos, inclusivos e emancipatórios, ou seja, princípios deliberados pela 3

4 liberdade na forma de pensar e cooperar, ou seja, baseados no associativismo e na solidariedade, dentro do propósito de cada rede. Então, sua estrutura se formará a partir de uma conectividade entre seus pontos ou nós, baseada não em noções primárias de disposição geográfica e quantidade, mas sim na capacidade e dinâmica produzida por esse tipo de sistema, que são: não linearidade; laço de realimentação; capacidade de regular a si mesma; multiplicação de ações; dinâmica do relacionamento horizontal e; interdisciplinaridade, assegurada no pensamento sistêmico e nas teorias da complexidade. Outro principio das redes é a voluntariedade. A voluntariedade, a autonomia e o objetivo em comum, delineado pela rede ou não (rede formal ou informal), são preceitos básicos de operacionalização do sistema, pois os recursos oferecidos por cada nó têm o propósito de uma participação ativa em prol da eficácia da rede. É importante pontuar que essa característica é gerada sem prejudicar a interdependência de cada nó. Segundo Keller (2005), o sistema formado por redes aleatórias é extremamente democrático, pois a maioria dos nós terá aproximadamente o mesmo número de ligações, além de ser extremamente raro encontrar nós que tenham significativamente mais ou menos ligações que a média. Diante do modelo de redes livre de escala, Barabási e Albert fizeram uma proposição que consiste na adição de novos nós através do mecanismo de atração preferencial, denominado modelo BA (BARABÁSI e ALBERT, 2002). Em uma rede pode-se supor que existam relações mais fracas ou relações mais fortes. Como o modelo BA não demonstra como as interações se dispõem na rede, fora desenvolvido um modelo posterior. A inovação teórica considera mecanismos que abordam as relações presentes na rede, relevam também o peso e associam a força de cada nó. Tal modelo é conhecido como BBV (BARRAT, BARTHÉLEMY e VESPIGNANI, 2004). Já Wang et al (2005) apresentaram um modelo que representa as dinâmicas contidas em uma rede, como a adição de novos nós e a sua relação para com os nós já existentes. Dessa maneira, demonstrase que o estudo das redes está em constante evolução. O setor de turismo pode ter, através da aplicabilidade da teoria de redes complexas, uma importante contribuição para seu estudo. Através das redes podem-se analisar fatores como as interligações e dependência dos diferentes agentes, e ainda, quais são as características de uma possível rede turística. 2.2 Redes e Turismo Conforme Novelli et al (2007), o desenvolvimento do turismo, em diversos países, é feito através de parcerias, a fim de obter um melhor resultado social e econômico para a sociedade, e muitas dessas parcerias são formalizadas através do conceito de redes. A forma sistêmica com que as redes podem organizar o turismo em países, regiões e localidades, contribui para identificar as questões comuns, os problemas e as soluções. Na rede do turismo, os atores mantêm uma relação intensa de dependência, fomentando uma interligação de todos os seus componentes, resultando assim em um grupo denominado de rede turística (CHON, 2003). A formação das redes de cooperação representa um papel muito importante na identidade regional, pois significa que os habitantes de um lugar procuram incorporar ao seu próprio sistema cultura, os símbolos, os valores e as aspirações mais profundas da sua região, contribuindo para o fomento de uma atividade turística planejada, afirma Bernardes et al (2006). Relata Nordin (2003, pág.16): 4

5 Em um típico cluster do turismo, por exemplo, a qualidade de uma experiência do visitante depende não só do apelo da principal atração, mas também sobre a qualidade e a eficiência das empresas complementares, tais como hotéis, restaurantes, lojas, instalações e transporte. Porque os membros do cluster são mutuamente dependentes, por um bom desempenho pode impulsionar o sucesso dos outros. Complementaridades vêm em muitas formas. Portanto, para uma melhor compreensão da rede de turismo, é necessário considerar o significado de oferta turística que abrange os meios de hospedagem, alimentação, entretenimento, agenciamento, informações e outros serviços voltados para o atendimento aos turistas. Subdivide-se em equipamentos e serviços turísticos e infra-estrutura de apoio turístico. A infra-estrutura de apoio turístico compreende o sistema de comunicações, transportes e serviços urbanos (OLIVEIRA, 2000). Já os atrativos turísticos podem ser subdivididos em culturais, naturais, eventos, lazer e entretenimento, como afirma Goeldner (2002). Todos estes componentes do turismo estão inter-relacionados e fortemente interdependentes, formando um grupo denominado de rede turística (CHON, 2003). Em um sistema de turismo, cada destino poderá determinar suas estratégias, utilizar recursos, definir seus produtos ou implantar seus planos da mesma forma. Independentemente de ser uma cidade, região ou país, o destino apresenta uma história, cultura, política e lideranças diferentes, e sua própria maneira de lidar com as relações entre o setor público e privado. As possíveis estratégias para o turismo fomentadas em rede com todos os participantes envolvidos e com base em uma excelência gerencial fortalecem a qualidade do serviço a ser prestado por determinado agrupamento, pois permite a geração de inovações, e pode potencializar as ações já existentes, além de sua importância para possibilitar o usufruto da imagem de um lugar. 3. Procedimentos Metodológicos Este trabalho fora desenvolvido ao longo do primeiro semestre de 2009 pelo Núcleo de Pesquisa e Estudos Avançados em Turismo (NUPETUR), através de um grupo interdisciplinar composto por professores de diferentes áreas, tais como a física, administração, e turismo. Este grupo identificou uma rede do setor turístico de Ouro Preto, observando que determinados atores da rede eram mais conectados que outros. O presente trabalho apresenta através da técnica quantitativa de estatística descritiva a mensuração dos dados abordados. Tal análise fora possível, pois se utilizou o procedimento de estatística inferencial quando se estimou a rede de atores do turismo de Ouro Preto. A pesquisa tem um caráter descritivo, pois há a descrição dos dados referentes ao perfil da amostra colhida, e exploratório, quando se utilizam bibliografias para analisar e confrontar os dados. Para tanto, o presente estudo se enquadra na técnica de amostra não probabilística de amostragem estratificada, pois fora o plano estatístico mais indicado, já que o universo da população (turistas/excursionistas) não tem a mesma probabilidade de serem entrevistados, devido aos pontos estabelecidos para a abordagem (centro histórico da cidade de Ouro Preto). A coleta de dados foi através da aplicação de 600 questionários. O questionário fora elaborado de forma específica para essa pesquisa e teve como base as pesquisas anteriores a respeito da rede de atores de turismo na cidade de Ouro Preto nos anos de 2005/2006 e 2007/2008. As duas primeiras questões do questionário (dicotômicas, contendo duas respostas: sim ou não) estabeleceram os filtros da pesquisa, e procuravam excluir moradores de Ouro Preto e 5

6 pessoas já entrevistas para a pesquisa. A terceira questão, também filtro, tinha por objetivo identificar o turista, questionando a finalidade da viagem, oferecendo três opções de resposta. As questões seguintes eram fechadas, e perguntavam sobre o uso de determinado serviço turístico (hospedagem, restaurante, bar, loja de artesanato e joalheria, atrativos) pelo turista, oferecendo somente duas respostas: sim ou não; além das alternativas não respondeu e não sabe. Em caso de resposta afirmativa, perguntava-se o nome do estabelecimento (alternativa a) e quem o indicou (alternativa b). Para se obter maior confiabilidade, cruzaram-se os dados com informações referentes à condição econômica dos turistas, grau de escolaridade, idade e gênero. Isso, porque todos estes têm uma relação direta com as expectativas, percepções e ambições do turista. Conhecer o perfil da demanda de determinado destino ou serviço é primordial para o sucesso da análise de qualquer demanda e oferta. A aplicação dos questionários ocorreu entre os dias 10 e 12 de abril; 01 e 03 de maio; 05 e 07 de junho; e 03 e 05 de julho de Foram aplicados, em média, 50 questionários ao dia, divido por três aplicadores, totalizando os 600 questionários. Os pontos de aplicação definidos foram: Praça Tiradentes, Rua Direita e Feira de Pedra e Sabão, devido ao maior fluxo de turistas nesses espaços, já que consiste no centro histórico da cidade. As respostas obtidas tornaram possível mapear a rede de atores de turismo de Ouro Preto, na qual, o turista (agente de ligações), destacou diversos estabelecimentos prestadores de serviços turísticos (nós, atores) e quais destes, em cada categoria (meios de hospedagem, restaurantes, bares, lojas de artesanato e joalherias), recebeu o maior número de conexões (citações). A rede caracterizada considera o processo de interação entre os nós a partir das ligações realizadas pelos turistas. Para a tabulação dos dados utilizou-se o programa Excel e para construir a rede de forma computacional utilizou-se o programa XMGRACE. Como o objetivo de tal pesquisa era a abordagem somente de turistas e/ou excursionistas foi implementado no início do questionário três filtros: a diferenciação dos moradores e de turistas; a finalidade da visita e; a não redundância quanto a um individuo ser entrevistado mais de uma vez. 4. Apresentação e Análise dos dados De acordo com a estrutura do questionário aplicado a turistas na cidade de Ouro Preto, pôdese identificar, e montar novamente duas redes diferentes. A primeira rede identificada consiste na rede de fluxo. O turista é o ator que possibilita a ligação e as interações contidas entre os nós (pontos turísticos) da cidade. De acordo com a figura (1), se um turista qualquer fora em determinados pontos A, B, C e D, há a possibilidade de formar interações entre esses nós, apresentando na rede as ligações: A-B, A-C, A-D, B-C, B-C, B-D, D-C. Nesta figura foi possível verificar ainda que os nós menos conectados se encontram perifericamente, enquanto os mais conectados se agrupam no centro. Estas ligações e interações são possíveis na medida em que se observa a dinâmica proporcionada pelo turista ao visitar tais atrativos. Outro fator a se considerar é a potência das ligações, ou seja, a medida de fluxo desta rede, que é calculada pela maior intensidade de ligações entre os atores. Com a presente pesquisa, percebeu-se que o Museu da Inconfidência é o nó mais conectado, seguido pela Praça Tiradentes e Igreja São Francisco de Assis. A outra rede encontrada, que é a rede de indicação, fora montada entre os mesmo indivíduos 6

7 da rede de fluxo e foi possível o seu mapeamento, através da relação entre quem ou o que indicou o turista/visitante aos nós da rede, como pode ser visualizado na figura (2). Nessa rede fora identificado 734 ligações referentes a escolhas individuais. Dados primários, 2009 Figura 1: Rede de Fluxo Dados primários, 2009 Figura 2: Rede de Indicação A rede de fluxo encontrada de acordo com a figura (3) demonstra no eixo das ordenadas [P(k)] a frequência dos pontos da rede. Decaindo esta frequência, observa-se no eixo das coordenadas k, um aumento do grau de conectividade dos agentes na rede. Pode-se inferir, através da pesquisa, que esta rede de fluxo sofre influencia de fatores como a indicação, fatores geográficos etc. que são determinantes no processo de escolha do fluxo de turistas na cidade. Nota-se que o hub da rede de fluxo é o Museu da Inconfidência, com 303 links. Pode-se ainda afirmar que tal rede não é uma rede livre de escala e nem aleatória, devido a sua distribuição de conectividade. 7

8 Figura 3: Rede de Fluxo Através da rede de fluxo identificou-se que a Rua Direita, o Museu da Inconfidência, a Feira de Pedra Sabão e a Igreja de São Francisco de Assis, é o percurso que mais concentra fluxo turístico na cidade consequentemente localização dos principais hubs. Percebeu-se ainda que nessa rede o Museu da Inconfidência é o nó com o maior número de chegada de visitantes, com 303 links e que a Rua Direita é o nó com maior número de saída de visitantes, com 181 links comprovando assim que também que 10% das ligações da rede se encontram unidirecionalmente da Rua Direita para o Museu da Inconfidência. A rede de indicação, conforme demonstrada no figura (4) se comportou como uma rede sem escala onde os nós mais indicados aparecem com menor frequência, enquanto nós com pouca conectividade aparecem com maior frequência na rede. Através de uma lei de potência, observa-se que não há uma conectividade média e sim alguns nós altamente freqüentados e outros fracamente conectados. Figura 4: Indicação e indicado 4.1 Perfil da Amostra 8

9 Constatou-se que 504 (84%) entrevistados organizaram suas viagens de forma individual, enquanto 96 (15%) utilizaram as agências de viagens para tal finalidade. Os demais entrevistados (4)- que se referem a 1% da amostra- não sabiam ou não responderam à pergunta. No que diz respeito às fontes de informações as duas mais citadas pelos respondentes foram: informações de amigos (240 pessoas) e Internet (150 pessoas). Figura 5: Fontes de informação utilizadas pelos turistas Os entrevistados que organizaram sua viagem através de agências não foram questionados sobre as fontes de informações, não fazendo, portanto, parte dessa amostra Meios de Hospedagem Quando questionados sobre os meios de hospedagem utilizados (Figura 6), 330 pessoas questionadas não se hospedaram em Ouro Preto, sendo que o meio de hospedagem mais citado foi a pousada (138 pessoas). Figura 6: Utilização dos meios de hospedagem em Ouro Preto 9

10 Foram mencionados um total de 44 serviços de hospedagem diferentes (quadro 1), dentre os quais, os mais citados (mais conectados) foram: Pousada do Mondego com 8%, Hotel Solar Nossa Senhora do Rosário, Pousada Solar da Ópera e Pousada Vila Rica com 7%, e Hotel Mirante com 5%. Pousada Arcádia Mineira Albergue da Juventude Brumas Pousada Minas Gerais Hotel Colonial Hotel Solar Nossa Senhora do Grande Rosário Hotel Pousada Arcanjo Pousada Ouro Preto Pouso dos Viajantes Luxor Ouro Preto Pousada Pousada Tiradentes Pousada Ouvidor Pousada Solar da Ópera Pousada dos Bandeirantes Pousada Vila Rica Pousada São Francisco Hotel Boroni Estalagem Minas Gerais Hotel Mirante Pousada Clássica Repúblicas Hotel Pousada Casa Grande Hotel Priskar da Barra Pousada Mondego Hotel Solar das Lajes Pousada dos Ofícios Hotel Imperial Taberna Luxor Pousada do Pilar Pouso do Chico Rei Pousada Recanto das Minas Pousada Itacolomi Pousada Imperatriz Pousada Inconfidência Pousada São Mineira Francisco de Albergue Sorriso Paula do lagarto Pousada dos Inconfidentes Hotel Casa dos Contos Pousada Flávia Helena República Nau Sem Rumo República Aquarius República Pif-Paf República Lilith República Reino de Baco Restaurantes Tabela 1: Estabelecimentos de hospedagem de Ouro Preto citados Dentre os turistas respondentes, 444 (74%) foram a algum restaurante, e 156 pessoas não freqüentaram nenhum restaurante. Podem-se destacar, de um total de 37 restaurantes citados pelos respondentes (Tabela 2), o Restaurante Forno de Barro (18%), o Restaurante Casa dos Contos (10%), o Restaurante Quinto do Ouro (7%) e o Restaurante Adega Ouro Preto (6%); sendo estes aqueles que receberam o maior número de conexões (mais visitados). Restaurante Casa do Churrascaria Quase Tudo no Ouvidor Espeto Piacere Restaurante Chafariz Restaurante Bené da Flauta REMOP Restaurante Café & Cia. Restaurante Quinto do Ouro Casa dos Contos Restaurante Vide Gula Restaurante O Passo Restaurante O Sotão Restaurante Maximus Restaurante Tudo à Kilo Chooperia Real Colonial Restaurante Forno de Barro Restaurante Caldos de Minas Restaurante Terra de Minas Restaurante Casa dos Bar do Thomás Restaurante São Judas Contos Restaurante Deguste Satélite Tadeu Restaurante Gastrô 58 Restaurante Adega Ouro Restaurante Ponte dos Contos Restaurante Chalé dos Preto Restaurante O Profeta Restaurante La Cave Caldos Restaurante Caldos de Minas 10

11 Restaurante Spaguetti Piacere Rocalha Boteco do Chopp Restaurante Relicário 1800 Camineto Grill Tabela 2: Restaurantes de Ouro Preto citados Bares Dentre os turistas entrevistados, 180 (30%) responderam que frequentaram algum bar, enquanto 420 (70%) não utilizaram esta categoria de serviço Foram mencionados pelos entrevistados um total de 14 bares diferentes (quadro 3), sendo que os mais conectados (visitados) foram: Bar Barroco (27%), Bar Satélite (18%), Buteco do Chopp (14%) e Chooperia Real (10%). Restaurante Forno de Barro Biz & Biu Bar Restaurante Acaso 85 Satélite Barroco Café Geraes Boteco do Chopp Chooperia Real Bar do Pedro (Quase Tudo no Espeto) Doce Sabor Lampeão/Maria Bonita Chooperia Raro Restaurante O Passo Bar da Mildes Lojas de Artesanato e Joalherias Tabela 3: Bares de Ouro Preto citados Dentre os entrevistados, 180 (30%) disseram que foram a alguma loja de artesanato e/ou joalheria, enquanto 420 (70%) disseram que não utilizaram estes serviços. Foram mencionadas um total de 15 lojas de artesanato e joalherias diferentes (Tabela 4), sendo que os mais mencionados foram: Filhos de Gandhi (15%), Amsterdam Sauer e Feira de Pedra e Sabão (12%), e Casa das Pedras (11%). Vale ressaltar que a Feira de Pedra e Sabão também fora citada por outros respondentes em outra categoria: atrativo turístico. Filhos de Gandhi Artesanato Barroco Barrocarte Feira de Pedra Sabão Brasil Gemas Garimpo Mine Joalheria Amazônia Vila Rica Gemas Fábrica Arte Jóias Casa das Pedras Diamond Rocalha Ouro Preto Artes Amsterdam Sauer Bem Brasil Atrativos visitados Tabela 4: Lojas de artesanato e joalherias de Ouro Preto citados No que diz respeito aos atrativos turísticos fora solicitado aos respondentes que citassem, no máximo, três lugares diferentes. Dentre os 36 atrativos turísticos citados pelos turistas (Tabela 5), os mais conectados foram: Museu da Inconfidência (18%), Praça Tiradentes (13%), Igreja São Francisco de Assis (12%), Feira de Pedra Sabão (9%), Casa dos Contos (8%) e Igreja do Pilar (7%). Bar Barroco Repúblicas Estudantis Cinema Feira de Pedra Sabão Igreja Nossa Sra. Das Mercês Horto Botânico 11

12 Museu da Inconfidência Museu do Aleijadinho Ruas Históricas Igreja Nossa Senhora do Carmo Museu do Oratório CAEM Igreja São Francisco de Assis Mina do Chico Rei Capela Taquaral Igreja São Francisco de Paula Praça Tiradentes Teatro Igreja do Pilar Trem da Vale Municipal Rua Direita Capela do Padre Faria Parque Estadual do Itacolomi Rua das Flores Casa dos Contos UFOP Igrejas Museu de Ciência e Técnica Escola de Minas Centro de Artes e Convenções da UFOP Casarões Históricos Igreja Nossa Senhora da Conceição Escola de Farmácia Procissão Igreja Nossa Senhora Do Rosário Casarão FIEMG Joalheria Tabela 5: Atrativos turísticos de Ouro Preto citados Renda do Turista Dentre os pesquisados constatou-se que 40% são do sexo feminino, e 60% do sexo masculino; com renda familiar mensal R$ 500,01 e R$1500,00 (a maioria), conforme mostra a tabela 6 abaixo: Renda (R$) Até 500,00 500,01 a 1500,00 500,01 a 2500,00 500,01 a 3500,00 500,01 a 5000, ,01 a 8000,00 Mais de 8000,01 % 20% 22% 14% 16% 21% 4% 0% 3%. Tabela 6: Renda Familiar dos Entrevistados Não possui renda No que diz respeito á escolaridade, obteve-se os seguintes resultados, conforme demonstra a tabela 7: Escolaridade Porcentagem (%) Fundamental Incompleto Fundamental Completo 2% 4% Médio Incompleto 8% Médio Completo 13% Superior Incompleto 20% Superior Completo 35% Pós-graduação Incompleta 5% Pós-graduação Completa 13% 5. Conclusões Tabela 1: Grau de Escolaridade dos Entrevistados Através desse trabalho, podem-se compreender as dinâmicas de interação entre os atores do 12

13 turismo da cidade de Ouro Preto. A pesquisa utilizada pode contribuir de maneira efetiva para a gestão da cidade, já que abordou seu fluxo turístico e sua rede de indicação, propiciando aos gestores maiores informações quanto ao planejamento do turismo na cidade. É necessário ressaltar que são utilizados dados parciais da pesquisa, uma vez que esta ainda se encontra em andamento. A participação ativa dos membros, indicada nas pesquisas anteriores (2005/2006 e 2007/2008), apontou para uma complementação e continuidade das mesmas, além do que com os resultados observados nas simulações, não retrata de maneira fiel a realidade. A complementação se deu através do acréscimo de indicadores e a continuidade, devido à análise de possíveis alterações na rede. Dessa forma, em um estudo futuro, será possível a comparação entre as simulações desta pesquisa e das pesquisas anteriores. Outras possibilidades de estudos futuros seriam delimitar o foco da pesquisa nos hubs, ou em um hub, identificados nestas redes. A busca pela aplicabilidade da metodologia de redes para o setor de turismo é propositalmente discutida, a fim de explorar novos fatores que podem contribuir para o desenvolvimento do setor. Através desse trabalho, pode-se sugerir que o turismo exige um forte processo de coesão para o seu incremento, sendo identificada dois tipos de redes do turismo que propiciam o entendimento das interações entre os atores do setor e que podem contribuir para o encontro de estratégias de gestão (redes de fluxo e de indicação), dentre outras possibilidades de pesquisas e análises futuras. Finalmente, as implicações deste estudo das redes na cidade de Ouro Preto e seus desdobramentos no turismo comprovam que esse fenômeno não ocorre de maneira isolada, necessitando de uma política de coesão entre seus agentes e não de políticas isoladas. Assim, percebe-se que a competitividade de um destino turístico, bem como seus produtos podem ser otimizados com a instauração de sistemas em rede e com isso aumentar o valor do serviço para diminuir a insegurança do mercado. Referências Bibliográficas ALBERT, R.; BARABÁSI, A.-L. Statistical mechanics of complex networks. Rev. Mod. Phys., American Physical Society, vol. 74, 1 ed. Janeiro ANGELIS, André Franceschi de. Tutorial: Redes Complexas BERNARDES, A. T. et al. Redes complexas: interações dos atores do setor do turismo na cidade de Ouro Preto. Relatório de Pesquisa de Iniciação Científica. Universidade Federal de Ouro Preto UFOP/CNPq. Julho, Não publicado CASTTELS, José Manuel. A Sociedade em Rede. 8 ed. São paulo: Paz e Terra.2003 CHON, K. S. Hospitalidade: conceito e aplicações. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, COSTA, Larissa; MARTINHO, Cássio. Redes: Uma Introdução às Dinâmicas da Conectividade e da Auto- Organização. Brasília: WWF/Brasil, GOELDNER, Charles R. Turismo: princípios, práticas e filosofias. Porto Alegre: Bookman, 2002, 8ª ed. KELLER, E. Fox. Revisiting "scale-free" networks NORDIN, Sara. Tourism Clustering and Innovation NOVELLI, Marina; SCHMITZ; SPENCER Birte Trisha. Networks, clusters and innovation in tourism: A UK experience, Elsevier OLIVEIRA, Antônio Pereira. Turismo e desenvolvimento: planejamento e organização. São Paulo: Atlas, 2000, 2ª ed. RODRIGUES, Francisco A. Caracterização, classificação e análise de redes complexas. Tese apresentada ao 13

14 Instituto de Física de São Carlos, WANG,W.X.,Wang; B.H., Hu, B.; Yan. G.; Ou. Q. Phys. Rev. L, 94: ,

Potencialidades para a formação de uma rede de turismo no município de Ouro Preto/MG/Brasil

Potencialidades para a formação de uma rede de turismo no município de Ouro Preto/MG/Brasil Vol. 10 Nº 5 págs. 605-618. 2012 www.pasosonline.org Potencialidades para a formação de uma rede de turismo no município de Ouro Preto/MG/Brasil Thiago Reis Xavier i Raoni de Oliveira Inácio ii Milton

Leia mais

Redes e o Turismo: Um Estudo de Caso Na Cidade de Ouro Preto

Redes e o Turismo: Um Estudo de Caso Na Cidade de Ouro Preto Redes e o Turismo: Um Estudo de Caso Na Cidade de Ouro Preto Autoria: Raoni de Oliveira Inácio, Thiago Reis Xavier, Maurinice Daniela Rodrigues, Sicelo Alexandre de Oliveira Inácio RESUMO Redes de interações

Leia mais

1. Descrição da Cidade

1. Descrição da Cidade 1. Descrição da Cidade 2. Top Atrações da Cidade 2.1 - Atração Teatro Municipal de Ouro Preto 2.2 - Atração Igreja Matriz de N. S. do Pilar 2.3 - Atração Igreja São Francisco de Assis de Ouro Preto 2.4

Leia mais

PERÍODO DE 22 À 26/10/14

PERÍODO DE 22 À 26/10/14 BELO HORIZONTE + CONGONHAS + TIRADENTES + SÃO JOÃO DEL REI + MARIANA + OURO PRETO Viagem no Túnel do tempo para conhecer parte da História do nosso Brasil e vivenciar pessoalmente tudo aquilo que está

Leia mais

TRABALHO DE CAMPO / VIAGEM DE ESTUDO DO MEIO CIDADES HISTÓRICAS MINEIRAS

TRABALHO DE CAMPO / VIAGEM DE ESTUDO DO MEIO CIDADES HISTÓRICAS MINEIRAS TRABALHO DE CAMPO / VIAGEM DE ESTUDO DO MEIO CIDADES HISTÓRICAS MINEIRAS 2013 Tiradentes, São João Del Rei, Ouro Preto, Mariana, Congonhas, Cordisburgo e Belo Horizonte 30 / 04 a 05 / 05 / 2013 Colégio

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS. Pesquisa de Demanda - 2011

SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS. Pesquisa de Demanda - 2011 SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS Pesquisa de Demanda - 2011 Ficha técnica Realização: Governo do Estado de Minas Gerais Governador Antônio Augusto Junho Anastasia Secretaria de Estado de

Leia mais

MINAS GERAIS: BELO HORIZONTE, INHOTIM, VALE VERDE, SABARÁ, CERVEJARIAS ARTESANAIS. TIRADENTES, SÃO JOÃO DEL REI, CONGONHAS, MARIANA, OURO PRETO.

MINAS GERAIS: BELO HORIZONTE, INHOTIM, VALE VERDE, SABARÁ, CERVEJARIAS ARTESANAIS. TIRADENTES, SÃO JOÃO DEL REI, CONGONHAS, MARIANA, OURO PRETO. MINAS GERAIS: BELO HORIZONTE, INHOTIM, VALE VERDE, SABARÁ, CERVEJARIAS ARTESANAIS. TIRADENTES, SÃO JOÃO DEL REI, CONGONHAS, MARIANA, OURO PRETO. SERRA DO CIPÓ (PASSEIO DE CAIAQUE, SUP, CAMINHADAS), SANTUÁRIO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto

Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto Sumário 1. Apresentação e Justificativa... 3 2. Método de Monitoramento nas Entradas da Cidade... 3 3. Método Misto de Ocupação Hoteleira e

Leia mais

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE)

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE) ISSN 1984-9354 OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS MEDIANTE USO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO SOBRE A NECESSIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA EMPRESA DE ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS ENERGÉTICOS NA CIDADE DE

Leia mais

LISTA DE HOTÉIS E POUSADAS EM OURO PRETO/HOSPEDAGEM

LISTA DE HOTÉIS E POUSADAS EM OURO PRETO/HOSPEDAGEM LISTA DE HOTÉIS E POUSADAS EM OURO PRETO/HOSPEDAGEM Hotel Pousada Casa Grande de Ouro Preto Endereço: Rua Conselheiro Quintiliano, 96, Lajes - Ouro Preto Telefone /Fax : (31)3551-4314 / (31)3551-4775 Homepage:

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE DUAS PESQUISAS REALIZADAS NO INVERNO DE 2003 EM GRAMADO,RS: PERFIL DO VISITANTE E SATISFAÇÃO NOS RESTAURANTES.

ESTUDO COMPARATIVO DE DUAS PESQUISAS REALIZADAS NO INVERNO DE 2003 EM GRAMADO,RS: PERFIL DO VISITANTE E SATISFAÇÃO NOS RESTAURANTES. ESTUDO COMPARATIVO DE DUAS PESQUISAS REALIZADAS NO INVERNO DE 2003 EM GRAMADO,RS: PERFIL DO VISITANTE E SATISFAÇÃO NOS RESTAURANTES. Me. Sandra Ferrapontoff Lemos 1 Resumo Este estudo visa cruzar e analisar

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta

Leia mais

PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL

PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL Luis Carlos Morente 1 PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL 1 Gerente de Políticas e Programas de Desenvolvimento do Turismo da Fundação de Turismo, MS - FUNDTUR. Rua desembargador Leão Neto do Carmo, s/nº,

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM TURISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (RJ) 1

A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM TURISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (RJ) 1 A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM TURISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (RJ) 1 Maria da Penha Lacerda de Santana 2 Teresa Cristina Viveiros Catramby 3 IM/UFRRJ Resumo: Este trabalho tem como objetivo levantar

Leia mais

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010 Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre Outono 2010 Pesquisa realizada pela SMTur, em parceria com a FARGS e com apoio da Infraero e da Veppo. 22 a 28 de abril Aeroporto área de embarque

Leia mais

P+L Como um Diferencial Competitivo do Produto: A Óptica do Consumidor

P+L Como um Diferencial Competitivo do Produto: A Óptica do Consumidor P+L Como um Diferencial Competitivo do Produto: A Óptica do Consumidor MORAES, W. L. a.b*, BAUDEL, R.M. a, PONTES, V.R. a, LIMA, S.C. b a. UNIBRATEC, Recife b. IMI Instituto de Pesquisa e Marketing Integrado,

Leia mais

Pesquisa de. Dia dos Namorados

Pesquisa de. Dia dos Namorados ASSESSORIA ECONÔMICA Pesquisa de Dia dos Namorados 2013 Pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio de Pesquisa - IFEP Relatório elaborado pela Assessoria Econômica Fecomércio-RS PESQUISA DIA DOS NAMORADOS

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências Probabilidade Introdução Tabelas Estatísticas População, Amostra e Variáveis Gráficos e Distribuição de Freqüências Renata Souza Conceitos Antigos de Estatística stica a) Simples contagem aritmética Ex.:

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

METROLOGIA 2013 HOSPEDAGENS. - Valores calculados em Reais (R$) por Apartamento e Sujeito a reajustes;

METROLOGIA 2013 HOSPEDAGENS. - Valores calculados em Reais (R$) por Apartamento e Sujeito a reajustes; METROLOGIA 2013 HOSPEDAGENS - Valores por diária em apartamento categoria STD; - Incluso café da manhã e taxas. Importante: - Valores calculados em Reais (R$) por Apartamento e Sujeito a reajustes; - Valores

Leia mais

1. Descrição da Cidade

1. Descrição da Cidade 1. Descrição da Cidade 2. Top Atrações da Cidade 2.1 - Atração Ilha do Pelado 2.2 - Atração Ilha do Araujo 2.3 - Atração Pouso de Cajaíba 2.4 - Atração Vila de Trindade 3. Top Restaurantes da Cidade 3.1

Leia mais

APL DE TURISMO E ARTESANATO DE BONITO SERRA DA BODOQUENA

APL DE TURISMO E ARTESANATO DE BONITO SERRA DA BODOQUENA APL DE TURISMO E ARTESANATO DE BONITO SERRA DA BODOQUENA CONTEXTUALIZAÇÃO Contempla os municípios de Bodoquena, Bonito e Jardim; O Turismo e a Pecuária são as principais eixos de desenvolvimento; Possui

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

Roteiros Turísticos. [arte colonial]

Roteiros Turísticos. [arte colonial] Roteiros Turísticos [arte colonial] Ouro Preto [Arte Colonial] A Praça Tiradentes é o ponto central da cidade, como se fosse um divisor. A partir dela, podem-se programar as visitas. Como Ouro Preto possui

Leia mais

Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6

Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6 Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6 `` Scale Free Networks Virgílio A. F. Almeida Outubro de 2009 D d Ciê i d C ã Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

EMPRESÁRIO. Impacto econômico. São Joaquim

EMPRESÁRIO. Impacto econômico. São Joaquim Um dos roteiros turísticos de Santa Catarina é sua região serrana. Composta por uma série de pequenos municípios, os atrativos da Serra Catarinense vão além do inverno de frio intenso e belezas naturais,

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA Alexandro Ferreira Reis Carlos Eduardo Brasil Campos Rossana Souza Almeida, Esp. (Orientadora) Este estudo tem como objetivo

Leia mais

INTERCÂMBIO INTERNACIONAL NA UFMG

INTERCÂMBIO INTERNACIONAL NA UFMG UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DRI INTERCÂMBIO INTERNACIONAL NA UFMG Sou do mundo, sou Minas Gerais... Milton Nascimento I. Intercâmbio Internacional na UFMG

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

A Construção do Planejamento Estratégico de Turismo de Juiz de Fora

A Construção do Planejamento Estratégico de Turismo de Juiz de Fora A Construção do Planejamento Estratégico de Turismo de Juiz de Fora * Resumo Promover o progresso e o desenvolvimento auto-sustentável por meio da geração de emprego e renda e da melhoria do meio ambiente

Leia mais

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Siems Forte, Ana Maria A C, vol. 3, núm. 3, 2003, pp. 7-13 Universidade Federal do Rio de Janeiro Río de Janeiro, Brasil

Leia mais

O Processo Sucessório em uma Empresa Familiar de Pequeno Porte

O Processo Sucessório em uma Empresa Familiar de Pequeno Porte Copyright Todos os direitos reservados Revisado em Junho 2013 Aceito em Agosto 2013 O Processo Sucessório em uma Empresa Familiar de Pequeno Porte Kethelyn P. Gasparoni¹, Taynara E. G. Chaves 1, Marcelo

Leia mais

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS Autores: Alexandre Costa Quintana Daniele Pereira Mesquita RESUMO A forma de estruturação das demonstrações contábeis é fundamental

Leia mais

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA TÍTULO: O USO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DOS ALUNOS JÁ FORMADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA DE GESTÃO EFICAZ - Projeto Via Turismo 1.1 Histórico da Prática Eficaz Descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O Projeto Via Turismo

Leia mais

A Análise de Redes Sociais como Ferramenta Estratégica de Desenvolvimento Regional: O Caso do Município de Silva Jardim, no Rio de Janeiro.

A Análise de Redes Sociais como Ferramenta Estratégica de Desenvolvimento Regional: O Caso do Município de Silva Jardim, no Rio de Janeiro. A Análise de Redes Sociais como Ferramenta Estratégica de Desenvolvimento Regional: O Caso do Município de Silva Jardim, no Rio de Janeiro. 1 Maria Beatriz da S. Almeida 2 Claudio D Ipolitto 3 mariabea16@hotmail.com

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo apresenta-se a pesquisa realizada, abrangendo o tipo de pesquisa, os critérios para a seleção de sujeitos, o processo de coleta de dados e o tratamento de dados. 3.1. Tipo

Leia mais

Uma Perspectiva dos Hóspedes da Hotelaria de Pequeno e Médio Porte de Aracaju-SE 1

Uma Perspectiva dos Hóspedes da Hotelaria de Pequeno e Médio Porte de Aracaju-SE 1 Uma Perspectiva dos Hóspedes da Hotelaria de Pequeno e Médio Porte de Aracaju-SE 1 Marlyana Dias NASCIMENTO 2 Rafaela Santana OLIVEIRA 3 Matheus Pereira Matos FELIZOLA 4 Universidade Federal de Sergipe,

Leia mais

PORTIFOLIO DE PASSEIOS

PORTIFOLIO DE PASSEIOS GOIÂNIA GO Embora com uma história recente, oferece uma diversidade de atrativos que encantam seus moradores e visitantes. Cidade aberta, ecumênica, bela, multicultural, de gente bonita e empreendedora,

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro

SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º e 9º andares Centro Rio de Janeiro RJ CEP: 20030-041 Presidente do Conselho Deliberativo

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

Pesquisa sobre Turismo Receptivo e Estudo da Demanda Turística da 46ª AGROPEC

Pesquisa sobre Turismo Receptivo e Estudo da Demanda Turística da 46ª AGROPEC Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado de Turismo SETUR Companhia Paraense de Turismo - PARATUR Pesquisa sobre Turismo Receptivo e Estudo da Demanda Turística da 46ª AGROPEC Belém PA 2012 GOVERNO

Leia mais

CONTEÚDO - TEMAS ABORDADOS NO MANUAL

CONTEÚDO - TEMAS ABORDADOS NO MANUAL O manual inclui um detalhado plano de ação, estruturado para garantir a melhor eficácia das atividades pedagógicas de extensão (ver página 5) realizadas no Núcleo Histórico de Sabará e no Parque Ecopedagógico

Leia mais

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE Perfil da Amostra Especificações Técnicas Objetivo Levantar o perfil sócio demográfico, origem-destino e atitudinal em relação a turismo de negócios e de lazer. Buscou também

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Projeto Verde Catas Altas Área Temática de Desenvolvimento Regional Resumo O projeto Verde Catas Altas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA

AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA JANEIRO DE 2010 INTRODUÇÃO Este relatório contém os resultados de um estudo realizado pela MDA PESQUISA junto aos turistas em 19 Circuitos

Leia mais

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local -

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local - Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais - Desenvolvimento Local - CURITIBA, MARÇO DE 2010 Capacitação para gestores de Associações Comerciais e Empresariais 1 A ASSOCIAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM

AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM Lidiane Nazaré da Silva Dias Instituto de Estudos Superiores da Amazônia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza.

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza. 7CCSADFCOUT1 CONTROLE FINANCEIRO: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DOS SALÕES DA ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DA BELEZA Jannielly Krystianne Laurentino dos Santos (1) ; Luzivalda Guedes Damascena

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

ANÁLISE PRÉVIA DO PERFIL DA DEMANDA DE TURISTA DE CRUZEIROS EM FERNANDO DE NORONHA-PE

ANÁLISE PRÉVIA DO PERFIL DA DEMANDA DE TURISTA DE CRUZEIROS EM FERNANDO DE NORONHA-PE ANÁLISE PRÉVIA DO PERFIL DA DEMANDA DE TURISTA DE CRUZEIROS EM FERNANDO DE NORONHA-PE Armando José Santos Camilla Moro Piekarski Paulo Afonso Pinheiro RESUMO: A atividade turística e seus segmentos vêm

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo MEIOS DE HOSPEDAGEM DO PARANÁ 2000 2007 HOTELARIA O segmento hoteleiro provoca no turismo um efeito multiplicador na geração de empregos (diretos e indiretos)

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

A COMPOSIÇÃO DO GASTO TURÍSTICO NOS MUNICÍPIOS DE CANELA E GRAMADO - RIO GRANDE DO SUL / RS Ms. Caroline Ciliane Ceretta 1

A COMPOSIÇÃO DO GASTO TURÍSTICO NOS MUNICÍPIOS DE CANELA E GRAMADO - RIO GRANDE DO SUL / RS Ms. Caroline Ciliane Ceretta 1 A COMPOSIÇÃO DO GASTO TURÍSTICO NOS MUNICÍPIOS DE CANELA E GRAMADO - RIO GRANDE DO SUL / RS Ms. Caroline Ciliane Ceretta 1 RESUMO: O presente estudo objetiva descrever e analisar a composição dos gastos

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS Alexandre Milkiewicz Sanches (UTFPR) riversonic@ibestvip.com.br Profª. Dra. Isaura Alberton de Lima (UTFPR)

Leia mais

Redes de Educação Ambiental: uma proposta para promoção de educação, cidadania e sustentabilidade

Redes de Educação Ambiental: uma proposta para promoção de educação, cidadania e sustentabilidade Redes de Educação Ambiental: uma proposta para promoção de educação, cidadania e sustentabilidade Paulo André Ferreira Macedo Palavras-chave: Redes sociais. Rede de EA. Políticas públicas. 1 Introdução

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

Demanda e Marketing Turísticos em Áreas Rurais

Demanda e Marketing Turísticos em Áreas Rurais Demanda e Marketing Turísticos em Áreas Rurais Retrato do Turismo Rural no Brasil, com foco nos Pequenos Negócios Perfil Empresarial Andrea Faria da Silva 1 Resumo: O estudo objetiva a geração de insumos,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

turístico: a oferta e a demanda turísticas

turístico: a oferta e a demanda turísticas 2 Mercado turístico: a oferta e a demanda turísticas Meta da aula Apresentar os conceitos e o funcionamento do mercado turístico, especialmente a oferta e a demanda turística. Objetivos Esperamos que,

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

Plano Horizonte e seu potencial de ordenamento/reordenamento do território turístico de Belo Horizonte

Plano Horizonte e seu potencial de ordenamento/reordenamento do território turístico de Belo Horizonte Plano Horizonte e seu potencial de ordenamento/reordenamento do território turístico de Belo Horizonte Alícia Maricel Oliveira Ramos 1 Universidade Federal de Minas Gerais Resumo: Este artigo procurou

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA EXPECTATIVA DE CONSUMO PARA O DIA DAS CRIANÇAS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA EXPECTATIVA DE CONSUMO PARA O DIA DAS CRIANÇAS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA EXPECTATIVA DE CONSUMO PARA O DIA DAS CRIANÇAS OUTUBRO/2013 2 FECOMERCIO/TO Hugo de Carvalho Presidente Anselmo da Silva Moraes Vice Presidente Silmara Lustosa Ribeiro Superintendente

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Relatório Pesquisa Quantitativa

Relatório Pesquisa Quantitativa Pesquisa Quantitativa Estou Seguro_1_ 28 de fevereiro de 2011 Relatório Pesquisa Quantitativa Projeto Estou Seguro Pesquisa Quantitativa Estou Seguro_2_ > Rio de Janeiro 28 de fevereiro de 2011 Adriana

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Segmentação do mercado Caracterização dos entrevistados Percepções sobre o turismo no Brasil V. Hábitos e comportamentos sobre turismo VI. VII. VIII. Prioridade de investimento

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO REGIONAL DE TURISMO: PROPOSTA DE UM MODELO ESTRUTURAL PARA ANÁLISE DE RELAÇÕES

ARRANJO PRODUTIVO REGIONAL DE TURISMO: PROPOSTA DE UM MODELO ESTRUTURAL PARA ANÁLISE DE RELAÇÕES ARRANJO PRODUTIVO REGIONAL DE TURISMO: PROPOSTA DE UM MODELO ESTRUTURAL PARA ANÁLISE DE RELAÇÕES Rodrigo de Barros (UTFPR) rodrigodebarros1@gmail.com Luis Mauricio Resende (UTFPR) lmresende@utfpr.edu.br

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DESENVOLVIMENTO DE AGUARDENTE DE GOIABA: TESTE DE CONCEITO LUCAS SILVEIRA TAVARES 1, JOSÉ GUILHERME LEMBI FERREIRA ALVES 2 AMANDA OLIVERI SOARES 3, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 4, RENATO SILVA LEAL 5, DANIEL

Leia mais