Prof. Fellipe Araújo Aleixo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Fellipe Araújo Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br"

Transcrição

1 Prof. Fellipe Araújo Aleixo

2 A arquitetura Enterprise JavaBeans é uma arquitetura de componentes para o desenvolvimento e a implantação de aplicativos de negócio distribuídos baseados em componentes. Aplicativos escritos utilizando a arquitetura Enterprise JavaBeans são escalonáveis, transacionais e seguros com multiusuários. Esses aplicativos podem ser escritos uma vez e então implantados em qualquer plataforma de servidor que suporta a especificação Enterprise JavaBeans Sun Microsystems

3 Definição simplificada: Modelo padrão de componentes do lado do servidor para aplicativos de negócio distribuídos Modelo próprio para a construção de componentes do lado do servidor que representam processos do negócio Componentes distribuídos máquinas diferentes Distribuição de carga de processamento Maximização de confiabilidade

4 No EJB 3.0 a persistência deixou de fazer parte da plataforma, passando a ser especificada a parte Java Persistence API JPA JPA é uma abstração superior à API JDBC Os objetos são mapeados em tabelas de banco dados, de modo que possam ser consultados, carregados, atualizados ou removidos sem que necessário utilizar a API JDBC Mapeia objetos Java simples e comuns (POJOs Plain Old Java Objects) Beans de Entidade

5 Além do suporte a objetos distribuídos baseados em RMI, o EJB suporta também um sistema de mensagens assíncronas Uma mensagem é um pacote auto-contido de dados do negócio e cabeçalhos de roteamento de rede Mensagens assíncronas podem ser transmitidas entre um aplicativo e outro em uma rede, utilizando o Message-Oriented Middleware MOM O MOM assegura tolerância a falhas, escalabilidade, balanceamento de carga e suporte a transações

6 Embora cada fornecedor de um MOM utilize formatos e protocolos diferentes a semântica básica é a mesma e uma API Java é utilizada para criar, enviar e receber mensagens O EJB integra a funcionalidade do MOM ao seu modelo de componentes O EJB 3.0 suporta o sistema de mensagens assíncronas por meio do Java Message Service JMS Bean Orientados a Mensagens (MDB)

7 Java Connector Architecture JCA Um contêiner EJB 3.0 que suporta JCA 1.5 pode interagir com qualquer recurso compatível com a JCA 1.5 Contêiner EJB 3.0 MessageDrivenBean tipo XYZ JCA 1.5 Conector XYZ Sistema de Informações Corporativo Sistema de Mensagens XYZ

8 Tendência na computação distribuída Aplicativos modulares autodescritos e autocontidos que podem ser publicados, localizados e invocados pela Web Independentes de plataforma SOAP gramática XML para protocolo de aplicativo WSDL gramática XML para definição de interface O EJB 3.0 permite o desenvolvimento de Serviços Web através da API JAX-WS

9

10 Para a construção de aplicações corporativas inicialmente a de se compreender as arquiteturas propostas Beans de entidade Componente Enterprise Beans

11 Os beans de entidade na especificação Java Persistence 1.0 estão disponíveis como POJOs e são mapeados para tabelas de bancos de dados As entidades podem ser alocadas, serializadas e enviadas pela rede, diferentemente dos EJBs Os beans de entidade espelham os objetos do mundo real

12 Implementando um bean de entidade: Definir uma classe bean Qual atributo funcionará como identificador Chave primária (identificador) Fornece um identidade à classe bean Classe bean Pode conter lógica do negócio, mas normalmente define as informações necessariamente persistentes

13 A classe bean é um POJO que não tem de implementar nenhuma interface e nem mesmo ser serializável Deve ser sinalizada com a Deve ter um campo ou método acessador que é designado como a chave primária, com a

14 Para interagir com beans de entidade, a Java Persistence API fornece o EntityManager Todo acesso às entidades passa por este serviço Este, fornece uma API de consulta e métodos de ciclo de vida para a entidade A JPA pode ser utilizada independentemente do servidor de aplicação Enterprise Edition

15 ALUNO ) public class Aluno { private int id; private String nome; private String matric; @Column(name= ALUNO_ID ) public int getid() { return id; } public void setid(int id) { this.id = id; ALUNO_NOME ) public String getnome() { return nome; } public void setnome(string n) { this.nome = n; } ALUNO_MAT ) public String getmatricula() { return matric; } public void setmatricula(string mat) { matric = mat; }

16 Os beans de entidade são agrupados em um conjunto finito de classes chamado unidade de persistência O serviço EntityManager gerencia uma unidade de persistência específica Uma unidade de persistência deve estar associada a um banco de dados particular Informações essas armazenadas em um descritor de implantação (persistence.xml)

17 Dois tipos fundamentais: Beans de sessão session beans Acessados utilizando vários protocolos de objetos distribuídos (RMI-IIOP) São extensões do aplicativo que gerenciam processos ou tarefas Beans orientados a mensagens message-driven beans Processam mensagens assincronamente a partir de sistemas como o JMS

18 Interface Remota Define os métodos do bean de sessão que são acessíveis por aplicativos de fora do contêiner Interface Local Define os métodos do bean de sessão acessíveis apenas por outros beans executando na mesma JVM Interface endpoint Define os métodos de negócio que são acessíveis por aplicativos fora do contêiner por meio de SOAP

19 Interface message Define os métodos por meio dos quais os sistemas de troca de mensagens podem entregar mensagens Classe bean Contém a lógica do negócio e precisa ter pelo menor uma interface remota, local ou sessão sem sessão com estado

20 Exemplo - CalculadoraRemote: import public interface CalculadoraRemote { public int soma(int x, int y); public int subtrai(int x, int y); }

21 Exemplo - CalculadoraBean: import public class CalculadoraBean implements CalculadoraRemote { public int soma(int x, int y) { return x + y; } public int subtrai(int x, int y) { return x y; } }

22 De que maneira o contêiner EJB sabe como tratar a segurança, transações e demais serviços? (1) padrões (default) intuitivos (2) anotações (3) descritores de implantação em XML Exemplo de padrões: O atributo de transação é REQUIRED A semântica de segurança é UNCHECKED

23 Os clientes acessam os EJBs pelas interfaces: Remota de fora do contêiner Local executando na mesma JVM O contêiner conectar a interface à instância da classe bean em tempo de execução Exemplo: como funciona no JBoss? Proxy Stub instância com a qual o cliente interage Gerado dinamicamente em tempo de implantação Redireciona a invocação do método para o contêiner

24 Problema exemplo: locação de um filme (1) são utilizados beans de entidade representam os conceitos do domínio do problema Cliente Filme Locacao (2) o fluxo de tarefas é modelado com beans de sessão AgenteLocacao

25 O aplicativo cliente faz a locação de um filme... // Obtém os dados necessários da GUI String cartaocredito = textfield1.gettext(); int filme = Integer.parseInt(textField2.getText()); Cliente cliente = new Cliente(nome, endereco, fone); // Cria uma nova sessão AgenteLocacao (remote) AgLocacaoRemote agloc =... // acesso ao JNDI agloc.setcliente(cliente); agloc.setfilmeid(filme); // Utiliza o cartão de crédito para pagar a locação Locacao locacao = agloc.crialocacao(cartaocredito);

26 @Stateful public class AgenteLocacaoBean implements AgLocacaoRemote private EntityManager ProcessaPagamentoRemote caixa; private Cliente cliente; private Filme filme; public setcliente(cliente cliente) { entitymanager.persist(cliente); this.cliente = cliente; } public setfilmeid(int filmeid) { filme = entitymanager.find(filme.class, filmeid); } public Locacao crialocacao(string cartao) throws IncompleteConversationalState { if (cliente == null filme == null) { /* lança exceção */ } try { Locacao locacao = new Locacao(filme, cliente); entitymanager.persist(locacao); caixa.pagacredito(cliente,cartao, locacao.valor()); return locacao; } catch (Exception ex) { throw new EJBException(); } }

27 As referências ao EntityManager e ao EJB ProcessaPagamento são injetadas pelo contêiner A injeção é solicitada através Perceba a importância do controle de transação no método que cria a locação

28 Beans de sessão com informações de estado mantém o estado conversacional quando utilizador por um cliente O estado conversacional é mantido na memória O estado conversacional só é mantido pelo tempo em que o aplicativo cliente está ativamente utilizando o bean Para um beans de sessão sem informações de estado cada método é independente e só são utilizados os dados passados por parâmetro

29 O estado de um bean de sessão com informação de estado por ser salvo temporariamente em disco passivação Isto acontece se o contêiner necessitar de espaço para a alocação de novos EJBs Beans de sessão sem informação de estado fornecem um melhor desempenho e consomem menos recursos do servidor

30 Aplicando beans baseados em mensagem Servem de ponto de integração com outros aplicativos, até mesmo sistemas legados Cumprem o mesmo papel que os beans de sessão sem informações de estado gerenciar o fluxo de tarefas A tarefa é iniciada por uma mensagem assíncrona Método onmessage()

31 @MessageDriven public class ProcessaLocacao implements javax.jms.messagelistener private EntityManager ProcessaPagamentoRemote caixa; public void onmessage(message message) { try { MapMessage locacaomsg = (MapMessage) message; Cliente cliente = (Cliente) locacaomsg.getobject( cliente ); int filmeid = locacaomsg.getint( filmeid ); String cartao = locacaomsg.getstring( cartao ); } } entitymanager.persist(cliente); Filme filme = entitymanager.find(filme.class, filmeid); Locacao locacao = new Locacao(filme, cliente); entitymanager.persist(locacao); caixa.pagacredito(cliente, cartao, locacao.valor()); } catch (Exception ex) { throw new EJBException(); }

32 O contêiner EJB da mesma forma que o contêiner Web é um dos componentes de um servidor de aplicação JEE O contêiner EJB Gerencia o ciclo de vida dos beans Fornece serviços como transações, segurança, concorrência e atribuição de nomes em tempo de execução Implementa a interface javax.ejb.ejbcontext

33

34 Os servidores EJB gerenciam os recursos utilizados pelos beans Como utilizam a memória Threads Conexões de banco de dados Poder de processamento Entre outros...

35 Serviços primários suportados pelo servidor: (1) Concorrência (2) Gerenciamento de transação (3) Persistência (4) Distribuição de objetos (5) Atribuição de nomes (6) Segurança Serviços adicionais suportados: (i) sistema de mensagens assíncronas e (ii) serviço e temporização

36 Idéia de escala: Sistema corporativo milhares ou mesmo milhões de objetos em uso simultaneamente Mecanismos para gerenciar beans em execução: Pool de instâncias instâncias carregadas na memória, prontas para serem compartilhadas Ativação conservação de instâncias com estado Gerência de conexões Java EE Connector Architecture

37 Estados de um bean de sessão sem informações de estado: Sem estado ainda não foi instanciada Pooled foi instanciada pelo contêiner mas ainda não foi associada a uma solicitação EJB Ready (pronto) foi associada a uma solicitação EJB e está pronta para responder a invocações Como não guardam informações de estado podem ser compartilhados

38 MDBs e Pool de instâncias: Não guardam estado para uma solicitação específica, como os beans de sessão sem informação de estado Na maioria dos contêineres, cada tipo de bean baseado em mensagem tem o seu próprio pool de instâncias JMS-MDBs se inscrevem em um destino específico Um destino equivale a um endereço utilizado para enviar e receber mensagens Ao receber uma mensagem para um destino o contêiner EJB determina que JMS-MDB, que está no pool relativo aquele destino, irá tratar a mensagem

39 Mecanismo de ativação: Aplicado a beans de sessão com informações de estado manutenção do estado conversacional Se um bean de sessão com informações de estado for retirado da memória, o estado do mesmo é serializado e armazenado em disco passivação O cliente não tem a informação da passivação Ativar um bean é o ato da restauração do estado de uma instância de um bean que sofreu a passivação

40 Principais serviços gerenciados pelo contêiner: (1) Concorrência (2) Transações (3) Persistência (4) Objetos distribuídos (5) Sistema de mensagens assíncronas (6) EJB Timer Service (7) Atribuição de nomes (8) Segurança

41 Aspectos da especificação EJB 3.0: Como os servidores EJB tratam a concorrência, os métodos de um bean não precisam ser threadsafe Proíbe o uso da palavra-chave syncronized Proíbe que os beans criem seus próprios threads Os beans de sessão não suportam acesso concorrente

42 Concorrência com beans de entidade Representam dados que são compartilhados Para tornar possível o acesso concorrente o provedor de persistência precisa bloquear os dados Na especificação JPA é criada uma cópia da instância do bean por transação Concorrência com beans de mensagens Processamento de mais de uma mensagem por vez diferentes instâncias do MDB podem trabalhar simultaneamente

43 Conjunto atômico (indivisível) de tarefas Exemplo anterior: (a) criação de uma locação e (b) realização do pagamento da referida locação Gerenciadas automaticamente pelo contêiner, sem a necessidade de programação nenhuma Nos beans pode haver a declaração de atributos transacionais, usados em tempo de implantação O EJB provê também um mecanismo para o gerenciamento explícito de transações

44 Beans de entidade: São implementados como POJOs Tem o seu estado salvo em um banco de dados Podem ser criados fora do contêiner Gerenciados pelo EntityMananer Podem estar acoplados ao gerenciamento do contêiner ou desacoplados Uma vez desacoplados, podem ser novamente acoplados através do método merge alterações sincronizadas com o banco

45 O cliente tem acesso a um EJB através da interface remota ou interface endpoint Os demais elementos são abstraídos, inclusive o mecanismo de suporte a objetos distribuídos Na especificação EJB 3.0, os beans de sessão podem ser acessados através de RMI-IIOP Também é requerido o suporte ao SOAP 1.2 pela API JAX-RPC

46 O contêiner EJB rotea de forma confiável mensagens de clientes JMS para JMS-MDBs Mensagens corporativas podem ser serializadas e armazenadas em disco ao em banco de dados até que possam ser adequadamente entregues O armazenamento secundário das mensagens permite a tolerância a falhas, em caso de travamento do servidor EJB O sistema de mensagens assíncronas é transacional

47 Utilizado para agendar notificações a serem enviadas a beans Serviços de temporização são úteis em vários domínios de problemas: (a) vencimento de prestações, (b) expiração de cadastros de usuários e etc. Temporizadores podem ser configurados em todo o tipo de EJB, exceto beans de sessão com informação de estado

48 Fornece aos clientes um mecanismo para localizar recursos ou objetos distribuídos Serviços fornecidos: Vinculação de objeto Associação de um objeto distribuídos a um identificador API de pesquisa Fornece ao cliente uma interface para o sistema de atribuição de nomes No EJB é obrigatório o uso da JNDI suporta qualquer tipo de serviços de diretórios e de atribuição de nomes

49 Exemplo de utilização da API JNDI: javax.naming.context jndicontext = new javax.naming.initialcontext(); Object ref = jndicontext.lookup( AgLocacaoRemote ); AgLocacaoRemote agente = (AgLocacaoRemote) PortableRemoteObject.narrow(ref, AgLocacaoRemote.class); // o método acima não é mais necessário, mas ilustra // o momento da criação da classe Proxy Stub... Locacao locacao = agente.criarlocacao(...);

50 Os servidores Enterprise JavaBeans suportam três tipos de segurança: Autenticação Validar a identidade do usuário Suporte a várias mecanismos (tela de login, cartões de identificação digital, certificados de segurança, etc.) Autorização Diretivas definem o que os usuários podem, ou não, fazer Comunicação segura Definição de um canal de comunicação seguro

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Enterprise Java Beans

Enterprise Java Beans Enterprise Java Beans Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior DCC PUC Minas Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-O que é um Enterprise Java Bean? O Entertprise Java Bean (EJB) é um componente server-side

Leia mais

TDC2012. EJB simples e descomplicado, na prática. Slide 1

TDC2012. EJB simples e descomplicado, na prática. Slide 1 TDC2012 EJB simples e descomplicado, na prática Slide 1 Palestrantes Kleber Xavier Arquiteto Senior / Globalcode kleber@globalcode.com.br Vinicius Senger Arquiteto Senior / Globalcode vinicius@globalcode.com.br

Leia mais

Fundamentos da Plataforma Java EE. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br)

Fundamentos da Plataforma Java EE. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Fundamentos da Plataforma Java EE Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Como a plataforma Java EE trata o SERVIÇO DE NOMES Serviço de Nomes Num sistema distribuído os componentes necessitam

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) J2EE () Sumário Introdução J2EE () APIs J2EE Web Container: Servlets e JSP Padrão XML 2 J2EE é Uma especificação para servidores

Leia mais

PadrãoIX. Módulo II JAVA. Marcio de Carvalho Victorino. Servlets A,L,F,M

PadrãoIX. Módulo II JAVA. Marcio de Carvalho Victorino. Servlets A,L,F,M JAVA Marcio de Carvalho Victorino 1 Servlets 2 1 Plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068): Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado (não mantém sessão aberta) Funcionamento (simplificado):

Leia mais

Como criar um EJB. Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse

Como criar um EJB. Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse Como criar um EJB Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse Gabriel Novais Amorim Abril/2014 Este tutorial apresenta o passo a passo para se criar um projeto EJB no Eclipse com um cliente web

Leia mais

Mini-curso Gratuito Globalcode Slide 1

Mini-curso Gratuito Globalcode Slide 1 Mini-curso Gratuito Slide 1 Mini-curso Gratuito Introdução Enterprise Java Beans (EJB) 3.0 Slide 2 Agenda Plataforma Java EE Conceitos Iniciais (EJB) Session Bean Message-Driven Bean (MDB) Java Persistence

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA ENTERPRISE JAVABEANS NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DISTRÍBUIDAS

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA ENTERPRISE JAVABEANS NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DISTRÍBUIDAS UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA ENTERPRISE JAVABEANS NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DISTRÍBUIDAS ¹Lucas Martins de Andrade, ¹Jaime William Dias ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil lucasm748@gmail.com

Leia mais

UNIDADE IV ENTERPRISE JAVABEANS

UNIDADE IV ENTERPRISE JAVABEANS UNIDADE IV ENTERPRISE JAVABEANS MODELO J2EE COMPONENTES DE Camada de Negócios NEGÓCIOS JAVA SERVLET, JSP E EJB Nos capítulos anteriores, foi mostrado como desenvolver e distribuir aplicações servlet e

Leia mais

JPA: Persistência padronizada em Java

JPA: Persistência padronizada em Java JPA: Persistência padronizada em Java FLÁVIO HENRIQUE CURTE Bacharel em Engenharia de Computação flaviocurte.java@gmail.com Programação Orientada a Objetos X Banco de Dados Relacionais = Paradigmas diferentes

Leia mais

Message Driven Beans. Apresentação. Introdução Implementação de MDBs Deployment no JBoss Java Messaging Service Exemplo

Message Driven Beans. Apresentação. Introdução Implementação de MDBs Deployment no JBoss Java Messaging Service Exemplo Message Driven Beans Apresentação Introdução Implementação de MDBs Deployment no JBoss Java Messaging Service Exemplo 1 Introdução Message Driven Beans são EJBs que consomem mensagens enviadas para filas

Leia mais

J2EE. J2EE - Surgimento

J2EE. J2EE - Surgimento J2EE Java 2 Enterprise Edition Objetivo: Definir uma plataforma padrão para aplicações distribuídas Simplificar o desenvolvimento de um modelo de aplicações baseadas em componentes J2EE - Surgimento Início:

Leia mais

Curso de Linguagem Java

Curso de Linguagem Java Curso de Linguagem Java 1 Referência Bibliográfica: Enterprise JavaBeans 3.0 Bill Burke & Richard Monson Editora. Prentice Hall Tutorial do J2EE Bodoff Green Haase Jendrock - Pawlan Stearns Editora Campus

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

Arquitetura JEE Introdução à Camada de Negócios: Enterprise Java Beans (EJB) Marcos Kalinowski (kalinowski@ic.uff.br)

Arquitetura JEE Introdução à Camada de Negócios: Enterprise Java Beans (EJB) Marcos Kalinowski (kalinowski@ic.uff.br) Arquitetura JEE Introdução à Camada de Negócios: Enterprise Java Beans (EJB) (kalinowski@ic.uff.br) Agenda Arquiteturas Web em Java (Relembrando) Arquitetura Java EE Introdução a Enterprise Java Beans

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 6 EJB Enterprise Java

Leia mais

Enterprise Java Bean. Enterprise JavaBeans

Enterprise Java Bean. Enterprise JavaBeans Enterprise Java Bean Introdução Elementos do Modelo Enterprise JavaBeans A especificação do Enterprise JavaBeansTM (EJB) define uma arquitetura para o desenvolvimento de componentes de software distribuídos

Leia mais

EJB 3.1: A Community Update

EJB 3.1: A Community Update EJB 3.1: A Community Update Reza Rahman Autor, EJB 3 in Action Expert Group Member, Java EE 6 and EJB 3.1 Fundador, Cognicellence Julho de 2008 1 EJB 3.0: Revisão Breve > As grandes mudanças > EJB simplificado

Leia mais

Java 2 Enterprise Edition Fundamentos básicos de Transações

Java 2 Enterprise Edition Fundamentos básicos de Transações Java 2 Enterprise Edition Fundamentos básicos de Transações Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Objetivos Apresentar conceitos essenciais sobre transações em aplicações J2EE Este curso não aborda o

Leia mais

EJB ainda tem vez no Java EE 6? Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br

EJB ainda tem vez no Java EE 6? Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br EJB ainda tem vez no Java EE 6? Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Você Gosta do EJB? O EJB esteve por muito tempo na berlinda do mundo Java É pesado... É complicado... Código muito

Leia mais

Prova Específica Cargo Desenvolvimento

Prova Específica Cargo Desenvolvimento UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Centro de Educação Aberta e a Distância CEAD/UFPI Rua Olavo Bilac 1148 - Centro CEP 64.280-001 Teresina PI Brasil Fones (86) 3215-4101/ 3221-6227 ; Internet: www.uapi.edu.br

Leia mais

Componentes no Java EE

Componentes no Java EE Unidade III Componentes no Plataforma Java Enterprise Edition Adiciona ao Java suporte para: Desenvolvimento de Aplicações Web: JSP, Servlets e Componentes de Negócio: Interconexão com Sistemas Legados:

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação Remota Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Comunicação entre processos está no coração de todo sistema distribuído. Não tem sentido estudar sistemas distribuídos

Leia mais

Web Technologies. Tópicos da apresentação

Web Technologies. Tópicos da apresentação Web Technologies Tecnologias de Middleware 2004/2005 Hugo Simões hsimoes@di.fc.ul.pt 1 A Web Tópicos da apresentação Tecnologias Web para suporte a clientes remotos (Applets,CGI,Servlets) Servidores Aplicacionais

Leia mais

4 - Padrões da Camada de Integração. Introdução

4 - Padrões da Camada de Integração. Introdução Padrões de Projeto J2EE J931 Padrões da Camada de Integração Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br Introdução A camada de integração encapsula a lógica relacionada com a integração do sistema

Leia mais

Laboratório EJB e J2EE Uma aplicação completa

Laboratório EJB e J2EE Uma aplicação completa J530 - Enterprise JavaBeans Laboratório EJB e J2EE Uma aplicação completa Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br 1 Objetivos O objetivo deste módulo é construir e implantar uma aplicação J2EE

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Java 2 Enterprise Edition Uma aplicação J2EE completa

Java 2 Enterprise Edition Uma aplicação J2EE completa Java 2 Enterprise Edition Uma aplicação J2EE completa Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Objetivos O objetivo deste módulo é construir e implantar uma aplicação J2EE completa Inicialmente, será mostrada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA Sistemas Distribuídos Mestrado em Ciência da Computação 1o. Semestre / 2006 Prof. Fábio M. Costa fmc@inf.ufg.br www.inf.ufg.br/~fmc/ds-msc2006 Aula

Leia mais

Enterprise Java Beans (III)

Enterprise Java Beans (III) Enterprise Java Beans (III) Professor: Diego Passos UFF dpassos@ic.uff.br Baseado no material original cedido pelo Professor Carlos Bazilio Última Aula Disponibilização do EJB no container. Arquivo descritor.

Leia mais

Framework. Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes

Framework. Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes Framework Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes Sobre o seu surgimento A primeira versão do spring foi escrita por Rod Johnson em 2002, quando ele estava Lancando o seu livro Expert One-on-One

Leia mais

EJB. Session Beans. J2EE (C. Geyer) Introdução a SessionBean 1

EJB. Session Beans. J2EE (C. Geyer) Introdução a SessionBean 1 EJB Session Beans J2EE (C. Geyer) Introdução a SessionBean 1 Autores! Autores " Cláudio Geyer " Eduardo Studzinski Estima de Castro (EJB 3.0) " Gisele Pinheiro Souza (EJB 3.0) J2EE (C. Geyer) Introdução

Leia mais

Java 2 Enterprise Edition Session Beans

Java 2 Enterprise Edition Session Beans Java 2 Enterprise Edition Session Beans Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Session Beans São objetos de processo de negócio Implementam lógica de negócio, algoritmos, workflow Representam ações Uma

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

J530 - Enterprise JavaBeans. Introdução a EJB e Stateless. Session Beans. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org)

J530 - Enterprise JavaBeans. Introdução a EJB e Stateless. Session Beans. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org) J530 - Enterprise JavaBeans Introdução a EJB e Stateless Session Beans Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br 1 Componentes de um EJB Para que o container possa gerar o código necessário é preciso

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática 1ª ano / 2ª semestre

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática 1ª ano / 2ª semestre Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática 1ª ano / 2ª semestre Prática: 1 - A plataforma JEE (Java Enterprise Edition) UBI, DI, Paula Prata SDTF T01 1 Arquitectura

Leia mais

Entity Beans. Introdução Entity Beans BMP

Entity Beans. Introdução Entity Beans BMP Entity Beans Introdução Entity Beans BMP Agenda Conceitos básicos de persistência Definição de entity beans Recursos Conceitos de programação Típos de entity beans Exemplos de entity beans usando Bean-

Leia mais

4 Um Exemplo de Implementação

4 Um Exemplo de Implementação 4 Um Exemplo de Implementação Neste capítulo será discutida uma implementação baseada na arquitetura proposta. Para tanto, será explicado como a arquitetura proposta se casa com as necessidades da aplicação

Leia mais

Java Persistence API. Entity Entity Campos e Propriedades Entity Chaves Primárias Entity Associações

Java Persistence API. Entity Entity Campos e Propriedades Entity Chaves Primárias Entity Associações Java Persistence API Entity Entity Campos e Propriedades Entity Chaves Primárias Entity Associações Entity Manager Entity Manager API Java Persistence Query Language (JPQL) Persistence Units 1 Java Persistence

Leia mais

Mapeamento Lógico/Relacional com JPA

Mapeamento Lógico/Relacional com JPA Mapeamento Lógico/Relacional com JPA Elaine Quintino da Silva Doutora em Ciência da Computação pelo ICMC-USP/São Carlos Analista de Sistemas UOL PagSeguro Instrutora Globalcode Agenda! Persistência de

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA 1 Objetivos Apresentar de forma progressiva as diversas alternativas de persistência de dados que foram evoluindo na tecnologia Java, desde o JDBC, passando

Leia mais

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Introdução RMI Tecnologias Semelhantes Arquitetura RMI Funcionamento Serialização dos dados Criando Aplicações Distribuídas com RMI Segurança Exemplo prático Referências

Leia mais

Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda

Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda Agenda Apresentação Contexto do mercado Soluções para Java 5+ Soluções para Java 2 Conclusões Apresentação Saulo Arruda (http://sauloarruda.eti.br) Trabalha com

Leia mais

Aplicações Distribuídas Cliente/ Servidor Corporativas

Aplicações Distribuídas Cliente/ Servidor Corporativas Aplicações Distribuídas Cliente/ Servidor Corporativas Introdução Desenvolver e distribuir Servlets e aplicativos EJB. Desenvolver e distribuir aplicativos Enterprise JavaBeans (EJB). Introdução Simples

Leia mais

Tecnologias Web. Java Enterprise Edition

Tecnologias Web. Java Enterprise Edition Tecnologias Web Java Enterprise Edition Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução Java Enterprise Edition (JEE): Plataforma de tecnologias para o desenvolvimento de aplicações corporativas distribuídas. É uma

Leia mais

Capítulo 1 - Java EE 6 por alto - 1

Capítulo 1 - Java EE 6 por alto - 1 Capítulo 1 - Java EE 6 por alto - 1 Um pouquinho de história - 2 Padrões - 4 Arquitetura - 4 Componentes - 5 Contentores - 6 Serviços - 7 Protocolos de rede - 9 Empacotamento - 9 Java Standard Edition

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE PARA O JOGO DE XADREZ

INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE PARA O JOGO DE XADREZ INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE PARA O JOGO DE XADREZ Acadêmico: Antonio Carlos Bambino Filho Orientador: Prof. Marcel Hugo SUMÁRIO Introdução;

Leia mais

Arquitetura de Aplicações JSP/Web. Padrão Arquitetural MVC

Arquitetura de Aplicações JSP/Web. Padrão Arquitetural MVC Arquitetura de Aplicações JSP/Web Padrão Arquitetural MVC Arquitetura de Aplicações JSP/Web Ao projetar uma aplicação Web, é importante considerála como sendo formada por três componentes lógicos: camada

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 28 de abril de 2010 Principais suportes de Java RMI (Remote Method Invocation), da Sun Microsystems DCOM (Distributed Component Object Model), da

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Enterprise Java Beans (IV)

Enterprise Java Beans (IV) Enterprise Java Beans (IV) Professor: Diego Passos UFF dpassos@ic.uff.br Baseado no material original cedido pelo Professor Carlos Bazilio Última Aula Anotações. E como são usadas para implementar EJBs.

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

A interface de uma mensagem é extremamente flexível e permite várias formas de customização de conteúdo. Figura 1 - Tipos de Mensagens JMS

A interface de uma mensagem é extremamente flexível e permite várias formas de customização de conteúdo. Figura 1 - Tipos de Mensagens JMS Programando com Java Artigo http://mballem.wordpress.com/ Chat JMS com ActiveMQ Java Message Service Autor Marcio Ballem: é formado em Sistemas de Informação e possui certificação Oracle Certified Professional,

Leia mais

ruirossi@ruirossi.pro.br

ruirossi@ruirossi.pro.br Persistência Com JPA & Hibernate Rui Rossi dos Santos ruirossi@ruirossi.pro.br Mediador: Rui Rossi dos Santos Slide 1 Mapeamento Objeto-Relacional Contexto: Linguagem de programação orientada a objetos

Leia mais

Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink

Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink Vinicius Teixeira Dallacqua Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFTO AE 310 Sul, Avenida

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Serviço de Transação. Transação - Conceitos

Serviço de Transação. Transação - Conceitos Serviço de Transação Conceitos Tipos de Gerência de Transação JTA Transação - Conceitos Garantir as propriedades ACID Atomicidade Consistencia Isolamento Durabilidade Transações no modelo EJB Dois Tipos

Leia mais

Lista de Erros Discador Dial-Up

Lista de Erros Discador Dial-Up Lista de Erros Discador Dial-Up Erro Código Descrição Ok 1 Usuário autenticado com sucesso e conexão encerrada pelo usuário OK 11 Usuário autenticado com sucesso e discador terminado pelo usuário OK 21

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

JPA Passo a Passo. Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br. Globalcode Open4Education

JPA Passo a Passo. Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br. Globalcode Open4Education JPA Passo a Passo Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br 1 Palestrante Henrique Eduardo M. Oliveira (henrique@voffice.com.br) > Trabalha: Arquiteto JEE / Instrutor Java > Formação: Ciências

Leia mais

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS Elaborado por: Bruno Duarte Nogueira Arquiteto de Software Data: 05/03/2012 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tecnologias... 3 2.1. Web Tier... 3 2.1.1. Facelets 1.1.14...

Leia mais

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java FBV - Linguagem de Programação II Um pouco sobre Java História 1992: um grupo de engenheiros da Sun Microsystems desenvolve uma linguagem para pequenos dispositivos, batizada de Oak Desenvolvida com base

Leia mais

Padrão J2EE Data Access Object (DAO)

Padrão J2EE Data Access Object (DAO) Introdução CRUD DAO Exemplo Padrão J2EE Data Access Object (DAO) Prof. Enzo Seraphim Motivação para usar Componentes precisam acessar e armazenar informações em armazenamento persistente As APIs de armazenamento

Leia mais

Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation)

Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation) Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation) Programação com Objetos Distribuídos Um sistema de objetos distribuídos permite a operação com objetos remotos A partir de uma aplicação cliente

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informações Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 7 JPA A Persistência com JPA Para configurar o JPA

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Padrão Arquitetura em Camadas

Padrão Arquitetura em Camadas Padrão Arquitetura em Camadas Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Definição Estimula a organização

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Categorias de Padrões

Categorias de Padrões Categorias de Padrões Padrão Arquitetural ou Estilo Arquitetural Padrão de Design (Design Patterns) Idiomas Categorias de Padrões ESTILOS ARQUITETURAIS PADRÕES DE DESIGN IDIOMAS Padrões de Design Os subsistemas

Leia mais

Invocação de Métodos Remotos

Invocação de Métodos Remotos Invocação de Métodos Remotos Java RMI (Remote Method Invocation) Tópicos Tecnologia RMI Introdução Modelo de camadas do RMI Arquitetura Fluxo de operação do RMI Passos para implementação Estudo de caso

Leia mais

MÓDULO. Linguagem de Programação para Web 2

MÓDULO. Linguagem de Programação para Web 2 MÓDULO Linguagem de Programação para Web 2 Distribuição das Disciplinas de Programação para Web LPW 1: MVC Servlets JSP LPW2: Visão geral do JEE, JSF MVC, Facelets, PrimeFaces,... Padrões de projeto relacionadas

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Marcelo Lobosco DCC/UFJF Comunicação em Sistemas Distribuídos Aula 06 Agenda Modelo Cliente-Servidor (cont.) Invocação Remota de Método (Remote Method Invocation RMI) Visão Geral

Leia mais

Stateful Session Beans

Stateful Session Beans J530 - Enterprise JavaBeans Stateful Session Beans Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br 1 Stateful Session Beans Quando um cliente chama um método de um bean, ele está iniciando um diálogo

Leia mais

Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas

Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas Computação Paralela Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Outubro 2005 Principais aspectos a gerir pelo Middleware

Leia mais

Aplicação da Arquitetura Multicamadas Utilizando Java. Raquel Schlickmann Orientador: Marcel Hugo

Aplicação da Arquitetura Multicamadas Utilizando Java. Raquel Schlickmann Orientador: Marcel Hugo Aplicação da Arquitetura Multicamadas Utilizando Java Raquel Schlickmann Orientador: Marcel Hugo Roteiro Introdução Histórico da Arquitetura de Software Enterprise JavaBeans - EJB Voyager Implementação

Leia mais

Programação e Configuração de Aplicações JEE. Edilmar Alves

Programação e Configuração de Aplicações JEE. Edilmar Alves Programação e Configuração de Aplicações JEE Edilmar Alves Palestrante Sócio da InterSite Informática Professor Universitário Coordenador do JUGMS e membro do BrazilJUGs Fã de Linux, Java e outros softwares

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Artigo JavaMagazine (edição 58)

Artigo JavaMagazine (edição 58) 1 / JBoss Seam Simplicidade e produtividade no desenvolvimento de aplicações Web Aprenda a desenvolver aplicações Web utilizando a integração perfeita entre JSF e EJB 3 FÁBIO AUGUSTO FALAVINHA O JBoss

Leia mais

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA SUMÁRIO Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Eventos e Notificações 1.INTRODUÇÃO Middleware oferece: Transparência de localização Independência de protocolos

Leia mais

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Princípios de Sistemas Distribuídos Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Conceitos de comunicação entre processos Interprocess Communication (IPC) Sistemas distribuídos são construídos

Leia mais

Java Persistence API (JPA)

Java Persistence API (JPA) Java Persistence API (JPA) Você já percebeu que gravar informações num banco de dados usando puramente JDBC dá muito trabalho. Mas, não só você como também um grupo de pessoas já passaram pela mesma experiência

Leia mais

EXPLORE - UMA FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA EXPERIMENTAÇÃO PRÁTICA COM TRANSAÇÕES DISTRIBUÍDAS EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES

EXPLORE - UMA FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA EXPERIMENTAÇÃO PRÁTICA COM TRANSAÇÕES DISTRIBUÍDAS EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO EXPLORE - UMA FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA EXPERIMENTAÇÃO PRÁTICA COM TRANSAÇÕES DISTRIBUÍDAS EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES Aluno: Fábio Ottobeli Machado Orientador: Márcia Pasin

Leia mais

WebWork 2. João Carlos Pinheiro. jcpinheiro@cefet-ma.br

WebWork 2. João Carlos Pinheiro. jcpinheiro@cefet-ma.br WebWork 2 João Carlos Pinheiro jcpinheiro@cefet-ma.br Versão: 0.5 Última Atualização: Agosto/2005 1 Agenda Introdução WebWork 2 & XWork Actions Views Interceptadores Validação Inversão de Controle (IoC)

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 06: Threads Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o conceito de thread Discutir as APIs das bibliotecas de threads Pthreads, Win32

Leia mais

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB)

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB) Uma Introdução à Arquitetura Francisco C. R. Reverbel 1 Copyright 1998-2006 Francisco Reverbel O Object Request Broker (ORB) Via de comunicação entre objetos (object bus), na arquitetura do OMG Definido

Leia mais

Java EE 6. A revolução do. Um overview sobre as novidades da JSR 316. a r t i g o

Java EE 6. A revolução do. Um overview sobre as novidades da JSR 316. a r t i g o a r t i g o Pedro Henrique S. Mariano (pedro.mariano@caelum.com.br) técnologo em Análise e Desenvolvimento de Sofware pela FIAP, possui as certificações SCJP 6 e SCRUM master.trabalha como consultor e

Leia mais

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução Chamadas Remotas de Chamada Remota de Procedimento (RPC) ou Chamada de Função ou Chamada de Subrotina Método de transferência de controle de parte de um processo para outra parte Procedimentos => permite

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais