Consultoria e gestão de mudanças em empresa familiar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Consultoria e gestão de mudanças em empresa familiar"

Transcrição

1 Consultoria e gestão de mudanças em empresa familiar Raquel Braga 1 Sheyla Rosane de Almeida Santos 2 RESUMO: O presente artigo visa discorrer acerca da mudança organizacional em uma empresa familiar. Para tal será abordada a atuação da consultoria, bem como sobre algumas dificuldades e interfaces nesses contextos. Será problematizada a atuação da consultoria em ações que convoquem mudanças organizacionais e as possíveis resistências delas decorrentes. As informações descritas nesse artigo, bem como a escolha por esse tema, tem origem em uma pesquisa, feita em uma marcenaria situada na capital de Belo Horizonte. Para a coleta de dados, foram feitas visitas iniciais para o reconhecimento da estrutura física da organização, entrevistas individuais com gestores e colaboradores, e aplicação do QDO* (Questionário de Diagnóstico Organizacional) e o IBACO* (Instrumento Brasileiro para a Avaliação da Cultura Organizacional). Palavras-Chave: Consultoria. Empresa familiar. Mudança organizacional. Resistência à mudança. 1 CONSULTORIA ORGANIZACIONAL A consultoria organizacional tem sido, na atualidade, um atrativo campo de mercado para diversos profissionais. Em tempos de constantes mudanças, cada vez mais, as empresas apresentam necessidade de adaptação, crescimento ou manutenção dos patamares já atingidos. De acordo com Oliveira (1999), Esta situação também tem ocorrido no Brasil, principalmente a partir de meados da década de 60, sendo que as principais causas são, primeiramente, o crescimento do parque empresarial e, em segundo lugar, a necessidade de conhecimento atualizado das técnicas e metodologias de gestão empresarial, para fazer frente ao novo contexto de concorrência entre as empresas, resultante da globalização da economia. (OLIVEIRA, 1999, p. 21) Há uma demanda crescente em entender e identificar problemas assim como se antever a eles e, nesses casos, faz-se fundamental o uso de um diagnóstico efetivo, aplicado por um profissional capacitado, que permita uma visão holística sobre a situação da empresa. Isso porque [...] a consultoria empresarial é um processo interativo de um agente de mudanças externo à empresa, que assume a responsabilidade de auxiliar as pessoas nas tomadas de decisões, não tendo, entretanto, o controle direto da situação. (OLIVEIRA, 1999, p. 30) Para tanto, faz-se necessário salientar a importância de um bom consultor, tendo em vista sua imparcialidade, uma vez que se trata de um agente externo, qualificado e atualizado (espera- -se) em relação às técnicas e metodologias pertinentes para atuação no campo organizacional. Como um agente externo à organização, ele deve trazer um olhar genuíno que possibilite verificar muitas variáveis que, até então, não haviam sido percebidas pelos que passam o dia dentro da empresa. Contudo, Oliveira (1999) enfoca que o consultor, tal como um agente externo de mudanças, não detém um controle direto sobre a situação não sendo, assim, o único elemento responsável pela implementação do apontado como necessário nas investigações feitas na empresa. Para tal, faz-se fundamental a ampla adesão, em primeira instância, daqueles que estão à frente da empresa. Enfatiza-se aqui a importância de estabelecer parcerias junto aos gestores, executivos e profissionais da referida empresa, tendo em vista que eles devem ser auxiliados a proporcionar melhorias na metodologia de trabalho, bem como nas técnicas e processos, possibilitando uma sustentação para a tomada das melhores decisões. Destaca-se ainda que o olhar clínico do consultor, que deve estar atento e apontar problemas e potencialidades da organização, possivelmente, já percebidos por aqueles que trabalham ou estão à frente da empresa. Entretanto, o que muda com a entrada desse estranho, conforme dito, é a presença de um olhar imparcial e técnico, possibilitando, assim, uma maior atuação estratégica. A ação do consultor deve também se estender ao auxílio de construções que possibilitem angariar e mobilizar recursos, disponíveis ou não, para sanar problemas ou investir em pontos fortes que, até então, não foram observados ou po- Revista de Psicologia 1

2 tencializados pela organização. Outro ponto fundamental, no que se refere à consultoria, refere-se aos limites impostos ao trabalho. Esses serão necessários, mas, em muitos casos, tratarão de sinalizar ao consultor o nível de desenvolvimento da empresa e de seus gestores para entenderem e consolidarem as mudanças apontadas como necessárias em uma análise diagnóstica. Oliveira (1999) destaca ainda que o consultor deve ser capaz de desenvolver competências e processos que possibilitem à empresa transacionar proativa e interativamente com os diversos fatores empresariais. Nesse caso, ressalta-se a importância de se fomentar a autonomia da empresa, tendo em vista que a consultoria deve ter objetivos, propostos a partir de um diagnóstico, que devem ser negociados cuidadosamente com os gestores. Tal consultoria será também perpassada pelo fator tempo uma vez que não se pode manter eternamente junto à empresa. E possui ainda, caráter emancipador, uma vez que deve possibilitar ao cliente um aprendizado que o auxilie a lidar com as situações que hoje demandam consultoria, em atuação autônoma, no futuro. Considerem-se, então, as palavras seguintes: O senso comum sustenta que a mudança, basicamente, é boa, além de ser um processo contínuo que não acaba. Entretanto, todos os projetos significativos têm começo, desenvolvimento e fim. Sem objetivo e sem etapas que possam ser avaliadas quantitativamente, os esforços de mudança feitos para melhorar o rendimento da empresa poderão converter-se em frases sem conteúdo. (HSM MA- NAGEMENT, 1998, p. 58; 59) Portanto, o consultor deve estar sensível aos muitos sinais que serão apresentados acerca do preparo disponível nas questões da empresa-cliente para as sugestões de mudanças propostas por ele. Ressalta-se aqui o viés interativo do processo de consultoria. Segundo Oliveira (1999, p. 21), como processo interativo, a consultoria é o conjunto estruturado de atividades sequenciais que desenvolvem ação recíproca, lógica e evolutiva, visando entender e, preferencialmente, suplantar as expectativas e necessidades dos clientes podendo ocasionar profundas mudanças e respectivas resistências. 2 MUDANÇA ORGANIZACIONAL Cada vez mais o indivíduo tem que se adaptar às transformações que incidem na sociedade, seja em função do mundo do trabalho, da escassez de tempo ou pela mudança nos atuais padrões familiares e relacionais. Enfim, a sociedade muda o homem 2 Revista de Psicologia e o homem por sua vez interfere diretamente nos padrões e na forma como a sociedade e a cultura se organizam. Nas empresas a situação não é diferente. Ou seja, As organizações, aqui no sentido amplo, evoluíram ao longo do tempo por variáveis dinamizadas dentro dos processos civilizadores. Dependendo da maior ou menor escala de influências impostas pela cultura, o comportamento e a tecnologia as organizações passaram por processos de mudança em decorrências maiores ou menores de tempo. A capacidade inovadora da sociedade foi fundamental à ruptura de paradigmas e, naturalmente à inflexão a novos padrões de modernidade. (VIEIRA, 2003, p. 102) As empresas estão, em sua totalidade, incluídas nessa esfera de constante mudança. As organizações que buscam longevidade e sobrevivência no mercado competitivo devem buscar se adaptar às oscilações da economia, além das mudanças nas demandas de seus clientes externos e internos, dentre outras variáveis. Adaptar- -se e, consequentemente, mudar passa a ter caráter quase que obrigatório para a sobrevivência. Todavia, as alterações estratégicas e programadas que têm como foco os processos e a estrutura das empresas, parecem ser de extrema valia para as organizações que desejam se antever aos problemas. Assim, Quem se adapta às mudanças apenas sobrevive. Para realmente obter sucesso, é preciso bem mais, como ter capacidade de prever as transformações e agir velozmente, além de fazer com que o maior número possível de pessoas participem do processo de transformação. (HSM MANA- GEMENT, 1998, p. 64) Cabe ressaltar ainda que um fator parece estar presente de forma quase total na incidência das mudanças: o agente humano. São as pessoas que, na maioria das vezes, demandam, aceitam, implantam, avaliam e rejeitam a mudança. (Não necessariamente nessa mesma ordem). Assim, poder contar com todos aqueles que compõem o contexto de mudança é fundamental para sua legitimação e sucesso na organização, porque A atividade empresarial mais importante da atualidade consiste em conceber e desenvolver mudanças em grande escala, a fim de melhorar o nível de rendimento. Hoje, mais do que nunca, as grandes organizações procuram adaptar-se rapidamente a um mundo em transformação, redefinindo fronteiras, remodelando processos, eliminando atividades não-estratégicas, buscando a participação de

3 clientes e fornecedores. A mudança ideal afeta a integridade da empresa e concentra-se na estratégia. Ela leva a um rendimento elevado, melhora os resultados e termina por criar diferenças palpáveis. Alimenta-se com a energia mais intensa e com as idéias mais criativas dos funcionários. (HSM MANAGEMENT, 1998, p. 58) As mudanças dentro das organizações são perpassadas por questões delicadas que, muitas vezes, se configuram como resistência à mudança. O fato tem caráter natural, tendo em vista a perturbação de um equilíbrio pré-estabelecido. Alterar o status quo, em muitos casos, é difícil, tendo em vista o desconforto gerado nas pessoas pela alteração de sua rotina de trabalho, formas de gerir, pensar, agir e se relacionar. As maneiras vigentes podem ter dado certo por muitos anos e, como tal, terem sido motivo de sucesso, lucro e reconhecimento. É claro que alterar isso parece, à primeira vista, muito complicado. Kurt Lewin apud Caldas e Hernandez (2001), descreve que: [ ] as organizações poderiam ser consideradas processos em equilíbrio quase estacionário, ou seja, a organização seria um sistema sujeito a um conjunto de forças opostas, mas de mesma intensidade que mantêm o sistema em equilíbrio ao longo do tempo. Esses processos não estariam em equilíbrio constante, porém mostrariam flutuações ao redor de um determinado nível. As mudanças ocorreriam quando uma das forças superasse a outra em intensidade, deslocando o equilíbrio para um novo patamar. Assim, a resistência à mudança seria o resultado da tendência de um indivíduo ou de um grupo a se opor às forças sociais que objetivam conduzir o sistema para um novo patamar de equilíbrio. (CALDAS; HERNADEZ, 2001, p.33) Conforme já tratado, a abertura ou resistência à mudança irá impor limites que, muitas vezes, apontarão para a limitação do desenvolvimento dos gestores, diretores ou colaboradores, além de envolver componentes emocionais dessas pessoas. Por tal motivo, faz-se necessária cautela e profissionalismo ao lidar com a resistência. O consultor deve ter extremado cuidado para lidar, conforme descrito por Block (2001), com algumas formas de manifestação da resistência, a começar pela excessiva demanda de detalhes e informações acerca de tudo que está sendo feito. O que é comum nesses casos. Ressalta-se a importância de o cliente estar em consonância e informado daquilo que será feito na empresa. Nesse caso, todavia, as perguntas se fazem excessivas, podendo comprometer o bom andamento das reuniões. O referido autor aponta também o fator tempo, mais precisamente a falta dele, por parte do cliente, como uma expressão de resistência. No caso, a possibilidade de agendar reuniões fica escassa e, quando elas acontecem, são permeadas por diversas interrupções, as quais nunca podem esperar. Block (2001) informa que a impraticabilidade, com que é vista as sugestões muitas vezes propostas pelos consultores, também se pode tratar de resistência. Será verificada aqui uma intensa demanda de desafio ao profissional acerca de como operacionalizar as suas sugestões. Pontuações como isso não se aplica aqui ou está fora da realidade da empresa hoje são também muito comuns. O ataque por parte do cliente também se trata de outra forma de resistência. Os gritos e demais reações pouco corteses ou até mesmo agressivas também dizem de uma dificuldade de a pessoa aceitar o que está posto ou sendo proposto. Consequentemente, tem-se uma explosão de cunho emocional. Block (2001) aponta ainda para a confusão, apresentada como um não entender o que está sendo exposto, independente de quantas vezes, ou das variadas formas, que a informação ou proposta tenha sido transmitida ao cliente. Não entender trata- -se aqui de um não querer saber que também é uma forma de resistir à mudança ou não apreender a sua necessidade. Outra perigosa forma de resistência, segundo o autor, é o silêncio. A ausência de questionamentos, objeções e apontamentos por parte do cliente nunca significará algo positivo para a implantação do projeto. Geralmente o silêncio vem acompanhado de uma discreta apatia e falta de envolvimento com o que está sendo proposto. A intelectualização pode também apresentar-se como forma de resistência, segundo Block (2001). O cliente buscará, através da elaboração de diversas teorias, entender o que está acontecendo. Compreender a situação é realmente importante, mas gastar excessivo tempo e energia teorizada acerca dos problemas da empresa, não. Nesse caso, trata-se de uma tentativa de evitar a angústia pela situação ou problema enfrentado pela empresa por parte dos gestores e diretores. Entra como resistência, ainda, a moralização que é o sentimento de superioridade em relação a pessoas que não fazem ou entendem as coisas como deveriam ser na empresa. Tal superioridade é uma estratégia de defesa para não encarar o problema, ou para não entender a situação como um problema. Outro tipo de resistência, possível de ser encontrada, segundo o autor, é a submissão. No caso o cliente concorda com tudo o que o consultor diz, acata todas as sugestões, parece valorizar o serviço e respeitar a experiência do profissional. Seria perfeito se não faltasse um componente da mudança organizacional: a resistência. Cabe ao consultor desconfiar desse tipo de postura, uma vez que a necessidade de mudança, em muitos casos, é oriunda de algo que não vai bem. Aceitar isso não é tarefa das mais fáceis, Revista de Psicologia 3

4 nem alterar os processos de trabalho ou a forma como a empresa está sendo gerida é confortável para aquele que está no controle da organização. A submissão, nesse caso, pode apontar o desejo de respostas e soluções rápidas (o que quase nunca ocorre) ou a transferência de total responsabilidade dos rumos que a empresa irá tomar ao profissional da consultoria. Para o sucesso das ações, deve haver o engajamento de todos e compreensão real da necessidade de agir e trabalhar de modo diferente. A discussão excessiva sobre a metodologia adotada pelo consultor também pode estar encobrindo a resistência. Questionamentos em demasia acerca dos instrumentos utilizados, que consomem muito o tempo da reunião, devem ser interpretados com cautela pelo profissional. Em muitos casos, irão servir para a mudança de foco do problema e das ações que visam solucioná-lo. Observa-se, contudo, a existência de fatores que podem auxiliar para que as mudanças necessárias possam contar com o engajamento, de todos os envolvidos no processo, bem como serem implementadas de forma a superar as possíveis resistências. A começar pela fase de comunicação às pessoas que atuam na empresa acerca das modificações e transformações vislumbradas pelos que estão à frente da organização. No que se refere a gestão da mudança organizacional, quando tal comunicação faz-se escassa torna-se uma considerável fonte de problemas: Alguns dos principais problemas relativos à gestão de mudança organizacionais intencionais identificados na literatura referem-se a dificuldades de: comunicar os objetivos da organização; tornar esses objetivos compreensíveis para as pessoas; e fazer com que as pessoas assimilem os objetivos e adotem as mudanças. (SILVA, VERGARA, 2003, p. 11) Assim, a comunicação acerca da mudança deve ser a mais assertiva possível, uma vez que se trata do primeiro passo para contar com o engajamento daqueles que farão com que as transformações propostas se tornem uma nova realidade a ser vivenciada. Segundo Block, (2001, p. 186), reunir pessoas é uma arte a qual ele chama de engajamento, ou seja, como alternativa ou melhoramento às estratégias de instalação. Nesses casos, angariar o apoio das pessoas faz-se tão importante quanto a obtenção dos demais recursos necessários para as transformações. São os colaboradores os responsáveis pela execução das estratégias elaboradas pela consultoria juntamente com gestores, diretores ou executivos. Block (2001) aponta a importância do apoio do público interno da empresa para a construção de um suporte que se faz fundamental para a implementação das mudanças propostas pelo consultor: Na verdade, a implementação não começa até que as pessoas que executam o trabalho decidam se irão fazer as mudanças reais ou simplesmente seguirão a maré. Mudanças reais requerem comprometimento real, e parte de sua função é ajudar a acender a fagulha. Para desenvolver seriamente o comprometimento interno entre aqueles que vivem no sistema onde você é apenas uma visita, precisamos antes dissipar as crenças convencionais que na realidade atrapalham o processo (BLOCK, 2001, p. 186). O autor ainda alerta para o risco que o consultor corre ao acreditar que convencendo os chefes, gerentes, diretores, em suma, os que estão à frente da organização, as ações transcorrerão naturalmente. Nesses casos, lembra que empresa nenhuma é administrada sozinha (Block, 2001). Outro perigo é a do consultor não compreender as limitações de sua atuação e ainda acreditar que depende somente de seu trabalho para que a empresa obtenha o sucesso resultante das mudanças Empresas familiares e gestão de mudanças Alguns aspectos culturais que tendem a se perpetuar ao longo do tempo em empresas familiares podem tornar-se dificultadores do processo de mudança. As mudanças, na maioria das vezes, são propostas pelo consultor trazendo um convite a uma quebra de paradigmas. Contudo, a adesão dessa mudança em empresas de gestão familiar esbarra em uma questão extremamente delicada: a de que a cultura de cada empresa diz do universo cultural de seus diretores e proprietários, o qual está amplamente presente no comportamento dos colaboradores. A cultura organizacional é assim: [...] um conjunto de crenças e valores que moldam o comportamento das pessoas na organização. O clima organizacional manifesta-se por um conjunto de características ou atributos relativamente constantes do ambiente interno que é experimentado por todos os seus integrantes e influencia significativamente o seu comportamento. É um fenômeno decorrente da interação dos vários elementos da cultura organizacional, por isso o estudo de ambos deve ser feito de maneira concomitante. (PEREIRA, 1999, p. 149) Desse modo, percebe-se que a adesão à mudança irá ser transpassada por valores pessoais, bem como temores e crenças individuais. Assim, a mudança só ocorre de modo efetivo caso aqueles que estejam à frente da organização estejam dispostos a rever alguns de seus padrões de interação com as pessoas, com o trabalho e com a empresa como um todo. Isso é fundamental, 4 Revista de Psicologia

5 uma vez que todos os membros da organização estão também imersos nessa cultura organizacional. Tais padrões de comportamentos são internalizados por todos porque tem caráter de um sistema, muitas vezes, velado. Vejam-se as palavras de Pinto & Souza (2007) sobre o tema: A transformação cultural é o último passo indicado para a implementação de um processo de mudança, porque demanda muito tempo para que seja efetiva. Os valores compartilhados são produto de muitos anos de experiência da organização e, portanto, diversos anos da nova experiência são necessários para que qualquer alteração seja consolidada. (PINTO; SOUZA; 2007, p. 14) Claro que o traquejo do consultor faz-se fundamental para balizar o processo, mas, se tratando de valores e crenças pessoais, algo sempre escapará ao profissional, tendo em vista que esse é um universo a que não se pode ter acesso caso não seja convidado. Daí nascem os desencontros e as resistências, que são, na maioria das vezes, transpassadas pelo não dito. Cabe ressaltar que, mesmo quando as primeiras negociações são feitas satisfatoriamente e a implementação figura-se como um acordo já fechado, as resistências ainda estarão presentes. O profissional deve estar sobremaneira atento a suas formas de se manifestar, porque A resistência não morre quando a decisão de prosseguir é tomada. Temos a esperança de que, se fizermos uma consultoria impecável durante os eventos preliminares, a resistência durante a implementação será reduzida. A resistência continuará lá, entretanto, especialmente naqueles que não foram envolvidos nas fases primárias do projeto. Tenha em mente que a resistência que você encontra durante a implementação nasce de preocupações idênticas que fundamentam as fases primárias perda de controle e vulnerabilidade. (BLOCK, 2001, p. 194) O consultor deve estar atento para tais resistências buscando vencê-las ao longo do processo. Saber manejá-las é importante, bem como manter bom relacionamento com todos que compõem a empresa. Outro aspecto, já trabalhado, que deve ser sempre alvo de atenção, é o fato dos limites que serão impostos à atuação do consultor. Atuar na quebra de resistência é importante, mas saber verificar o que é possível ao cliente, principalmente em um viés comportamental, tem caráter fundamental. Deve-se sempre lembrar que boa parte dos gestores que estão à frente das empresas familiares, nem sempre serão lideranças tão desenvolvidas como é possível esperar. As empresas crescem e nem sempre os gestores / proprietários conseguem-se profissionalizar ao mesmo passo. Há ainda uma tendência desses gestores em centralizar tarefas, o que também remete a uma insegurança vinda da perda de poder dentro da empresa. Têm-se aí gestores sobrecarregados e colaboradores, em muitos casos, extremamente capacitados, que não conseguem avançar em seu desenvolvimento dentro da empresa. O fato decorre da não delegação de importantes tarefas que fazem parte da empresa. Cabe também ao consultor, administrar possíveis conflitos decorrentes de impasses na tomada de decisões entre gestores de empresas familiares. 3 A EMPRESA OBJETO DA CONSULTORIA A empresa objeto deste estudo possui uma gestão familiar e atua no ramo de marcenaria, desde 1990, oferecendo soluções personalizadas em móveis e instalações, com atendimento personalizado e com projetos e orçamentos para serviços de qualquer porte. Atualmente, possui vinte e dois funcionários. Verifica-se que a empresa cresceu em número de colaboradores, na sua estrutura física, na experiência daqueles que a dirigem, no faturamento, mas também na demanda de novas responsabilidades e preocupações. Faz-se necessário manter a excelência do serviço prestado ao cliente, mas também a de seu relacionamento interno que impacta diretamente no externo, ou seja, na resposta que chega ao cliente. Justificou-se assim a importância do diagnóstico organizacional, que objetivou auxiliar nas práticas de gestão de pessoas. Para realização desta pesquisa, foram feitas visitas iniciais para o reconhecimento da estrutura física da organização, entrevistas individuais com gestores e colaboradores, e aplicação do QDO* (Questionário de Diagnóstico Organizacional) e o IBACO* (Instrumento Brasileiro para a Avaliação da Cultura Organizacional). O uso do IBACO teve como objetivo avaliar a cultura organizacional, por meio dos valores de seus gestores, além das práticas que a tipificam O diagnóstico organizacional Dentre os principais problemas apontados pela pesquisa do clima organizacional da citada empresa está a insatisfação com o sistema de recompensas e com a estrutura da mesma. No que se refere às recompensas, aproximadamente, metade dos colaboradores disseram estar insatisfeitos com o programa de salários e benefícios adotado, bem como, com o aprendizado, com o crescimento pessoal e profissional proporcionado pelo trabalho. Sobre a estrutura da empresa, também metade do corpo de colaboradores está insatisfeita com a organização do trabalho e com os aspectos físicos e tecnológicos. Revista de Psicologia 5

6 A partir da análise de entrevistas feitas com os colaboradores, foram apontados ainda alguns outros dificultadores. Os ajudantes de marcenaria representam 52% das queixas que se referem à falta de coordenação da empresa acerca da disponibilidade deles para auxiliar os marceneiros e necessidade de definição de critérios para tarefas que realmente necessitam de ajudantes. Os ajudantes, por sua vez, demonstram falta de motivação nas tarefas que possibilitariam sua profissionalização, uma vez que não podem desenvolver maiores aprendizados devido à rotatividade das funções. Os resultados apontam ainda que 23% dos colaboradores alegam que a direção da empresa deveria consultar, ou pelo menos ouvir, a equipe de trabalho antes de fechar boa parte dos prazos para entrega com clientes. Citaram ainda que ocorre acúmulo de serviço pelo fato de não haver organização de tempo para terminar um serviço antes de assumir novos. Afirmaram que esse fato compromete a qualidade final do produto, uma vez que eles próprios não conseguem terminar o que começaram. Aproximadamente 46% dos colaboradores disseram ser necessário haver melhorias no que se refere à interação, união e trabalho em equipe na empresa. Apontam como uma das principais causas da dificuldade de interação o clima de desconfiança existente dentro da equipe. Tal fato, segundo eles, decorre principalmente de ciúme existente dos profissionais com mais tempo de serviço em relação aos novatos. A situação torna-se mais evidente quando os últimos apresentam um bom rendimento. Outro ponto relatado diz de uma falta de receptividade para com os recém-chegados e o oferecimento de sugestões duvidosas ao trabalho do outro que, se executadas, ocasionam erros. Informam também um excesso de vigilância do trabalho alheio e a ausência de boas sugestões. Acreditam que o resultado de tal clima são as fofocas e o receio contra aqueles que realmente desejam ajudar, uma vez que acabam por ser ser mal interpretados. Cabe ressaltar que não são todos os colaboradores antigos que têm dificuldade em relacionar-se como os mais novos, sendo tais percepções aqui mencionadas foram também relatados por eles. De modo geral, 65% afirmam-se relacionar bem com os superiores. As ressalvas feitas pelos demais apontam para a falta de reconhecimento do trabalho quando é feito com excelência. Afirmam só receberem retorno de trabalhos que não foram considerados bons por parte da empresa. Outro ponto colocado trata da distância existente entre o diretor da empresa e os colaboradores. Afirmam que ele não tem estado presente e gostariam que se aproximasse mais. Sentem falta de confraternizações e mais reuniões, principalmente aquelas que têm como objetivo ouvir a opinião de toda a equipe. Citam ainda a necessidade de manter o que é decidido nas reuniões. 6 Revista de Psicologia De modo sucinto, como sugestões de intervenção propostas pela consultoria, propôs-se uma definição de processos e rotinas padronizadas e um maior acompanhamento do trabalho da equipe. O objetivo foi a organização da distribuição das tarefas, o tempo destinado a cada projeto e a possibilidade de os auxiliares poderem-se apropriar mais efetivamente do ofício. Outra sugestão refere-se à elaboração de um treinamento de integração para os colaboradores recém contratados, bem como um treinamento técnico que se sugeriu, inclusive, estender em um nível mais avançado aos funcionários antigos. Acerca dos problemas relacionados ao sistema de remuneração, sugeriu-se a estruturação de cargos e salários. Para tal, foi proposta a implantação da avaliação de desempenho e de um programa de renumeração variável. No que se refere à escassez dos momentos de confraternização e à possibilidade de maior estreitamento dos vínculos entre as pessoas da empresa, foi recomendada a criação de um cronograma de confraternizações para os aniversariantes do mês. Outros eventos também poderiam ocorrer com esse fim, desde que não necessitem de grande dispêndio de custo para a empresa. Outro apontamento foi a necessidade em haver mais reuniões com o diretor e sua presença nos momentos de confraternização, bem como em cafés informais. 3.2 A resistência à implementação das mudanças propostas Foi observado o quão difícil ainda é para as empresas familiares, em especial para as que cresceram rápido, se abrirem para certas mudanças ou sugestões de melhoria. Durante a negociação da implantação das sugestões, verificou-se a grande dificuldade da empresa em sair do status quo para ocupar um lugar de promoção de mudanças programadas que objetivavam sanar e antever os problemas. A consultoria encontrou obstáculos, também, na centralização do poder e funções em um dos diretores devido ao temor em delegar tarefas as quais, segundo ele, os colaboradores não dariam conta. Verificou-se, ainda, o quanto esse discurso retrata limitações no comportamento dele. Houve ainda vetos a sugestões como a descrição de cargos e salários sob o argumento de que não se aplica àquela empresa por ela ser ainda pequena. A questão foi exaustivamente problematizada, tendo em vista as queixas dos funcionários em relação ao salário, aos benefícios e da baixa expectativa em crescer e se desenvolver na organização. Contudo, não foi possível qualquer implantação nesse aspecto. A avaliação de desempenho, também não foi efetivada, uma vez que os responsáveis pela empresa acreditam que os colaboradores não possuem maturidade ou entendimento suficientes para serem submetidos ao processo.

7 A padronização das rotinas e acompanhamento, mais próximo dos marceneiros, na execução do trabalho, também não se fez interessante mesmo sendo mostradas diferentes formas de fazê-lo. O treinamento técnico, tanto para os novatos quanto para o aperfeiçoamento dos veteranos, também não foi aprovado. Ressalta-se ainda que foi implantado o treinamento de integração sugerido, com o formato de uma cartilha de boas-vindas e de uma tutoria dos funcionários mais novos pelos antigos. A inciativa poderá aproximar a equipe e auxiliar os novatos a se socializarem no ambiente de trabalho com a ajuda dos veteranos, bem como se apropriarem do espaço e do trabalho. Outra medida implantada foi a comemoração dos aniversariantes do mês toda última sexta- feira de cada mês. Houve ainda a implantação de um quadro de avisos como estratégia de endomarketing buscando um canal de comunicação mais direto e menos formal com os colaboradores. Tratou-se, através do quadro, de assuntos referentes à saúde e à segurança no trabalho, da divulgação de eventos culturais com entrada franca, de datas comemorativas e de prestação de homenagem aos funcionários do mês. 4 CONCLUSÃO A implementação das mudanças nesta consultoria esbarrou em crenças e valores inerentes à cultura da empresa, as quais, conforme já tratado, só abarcam mudanças que acontecem de forma lenta e gradual. Constata-se que a gestão de mudanças em empresas familiares com pouca profissionalização é impedida pelo controle excessivo dos gestores que se sentem ameaçados ante o medo da perda de controle. O trabalho foi um início de desenvolvimento nesse aspecto e tem-se a certeza de que nada impede que maiores transformações possam ocorrer futuramente. Conclui-se que o resultado do trabalho realizado pode não ter sido tão positivo como a consultoria e os funcionários almejaram, porém um novo olhar sobre a gestão das pessoas foi plantado nessa organização. Acredita-se que as problematizações e longas conversas acerca da gestão de pessoas ficarão de alguma forma registrada junto a todos que estão à frente da empresa. HSM MANAGEMENT. O Ambiente da Mudança. São Paulo: HSM Editora, OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebolças de. Manual de Consultoria Empresarial. 2 ed. São Paulo: Atlas p. PEREIRA, Maria José Lara de Bretas. Na cova dos Leões. 1 ed. São Paulo: Makron Books.1999 PINTO, Mauro Couto Soares; SOUZA, Cristina Lyra Couto de. Mudança Organizacional em Uma Empresa Familiar Brasileira: Um Estudo de Caso. XXXI ENCONTRO DA ANPAD. Rio de Janeiro SILVA, José Roberto Gomes da; VERGARA, Sylvia Constat. Sentimentos, Subjetividade e Supostas Resistências à Mudança Organizacional. REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. São Paulo, vol. 43, n. 3, p , Julho/ Setembro VIEIRA, Euripedes Falcão. Organizações e Desempenho: Inovação e Comportamento. Gestão. Org. Recife, vol 1, n. 2, p , Julho/Dezembro NOTAS DE RODAPÉ 1 Formanda do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. 2 Professora do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. REFERÊNCIAS BLOCK, Petter. Consultoria O Desafio da Liberdade. 2 ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil p. CALDAS, Miguel P.; HERNANDEZ, José Mauro da Costa. Resistência à Mudança: Uma Revisão Crítica. REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. São Paulo, vol. 14, n. 2, p , Abril / Junho HSM MANAGEMENT. É Preciso Mudar. São Paulo. HSM Editora, Revista de Psicologia 7

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações. Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP

Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações. Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP Conceito de Cultura Conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou descobriu ou desenvolveu ao aprender

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 PROBLEMAS PARA CLIENTES SÃO PROVOCADOS POR: PROPRIETÁRIOS GERENTES SUPERVISORES SINTOMAS DE MAU ATENDIMENTO VOCÊ PODE TER CERTEZA

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com. Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Alinhadas às Diretrizes

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

P R O P O S TA C O M E R C I A L

P R O P O S TA C O M E R C I A L P R O P O S TA C O M E R C I A L Joinville, 03 de setembro de 2014. Proposta para: treinamento líder coach Prezado, Temos o prazer de enviar a proposta do Treinamento Líder Coach, para sua análise e apreciação.

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio?

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Matheus Kfouri Marino Camila Dias de Sá* A competitividade do agronegócio brasileiro é incontestável e resulta em taxas expressivas

Leia mais

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo.

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. Nesta aula veremos o resumo de: O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. 1 VÍDEO 2 O INTRA-EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens.

PÚBLICO ALVO: Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens. 6. Gestão Empresarial 6.1 Inovando para crescer: turismo nos novos tempos INSTRUTOR(A): Carlos Silvério Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens. Proporcionar uma reflexão sobre o panorama

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial.

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. Governança Corporativa A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. A virtualização dos negócios tem impactado diretamente a condição de fazer negócio, conferindo

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Objetivos da aula. Definição de Consultoria 1. Processos Gerenciais

Objetivos da aula. Definição de Consultoria 1. Processos Gerenciais Processos Gerenciais Prof. Clóvis Luiz Galdino Módulo: Inovação e Continuidade Tema: Consultoria Empresarial Objetivos da aula Apresentar os pressupostos básicos da consultoria e suas definições; Discutir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar Betina Waihrich Teixeira 1 Sandra Maria do Nascimento de Oliveira 2 Resumo: O gestor escolar deve ter uma boa liderança de comunicação, sabendo interagir com sua

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Motivar pessoas para o foco da organização

Motivar pessoas para o foco da organização PORTWAY Motivar pessoas para o foco da organização Série 4 pilares da liderança Volume 3 4 pilares da liderança Motivar pessoas para o foco da organização E m Julho de 2014, fui procurado por algumas diretoras

Leia mais

Uma empresa especializada em empresas.

Uma empresa especializada em empresas. Sua equipe tem colaborado para que a empresa seja uma das mais competitivas i no mercado? Para avaliar quanto a sua equipe atual está dimensionada, preparada e motivada para os desafios do mercado, você

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção.

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção. Processo Seletivo O que é? O Processo Seletivo é um conjunto de técnicas e instrumentos, empregados para avaliação de materiais, técnicas ou candidatos visando identificar as habilidades, tendências e

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 26/08/2015. Módulo I Consultoria Organizacional. Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc

Vamos nos conhecer. Avaliações 26/08/2015. Módulo I Consultoria Organizacional. Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Módulo I Consultoria Organizacional Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística,

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva Gestão da Mudança nas Organizações Leila Oliva O roteiro Conduzir a mudança e o papel da liderança: Os papeis que vivemos; Jornada emocional da mudança. Conduzir a mudança organizacional: Os 8 passos do

Leia mais