Universidade Federal de Uberlândia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Uberlândia"

Transcrição

1 PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve ter atraído Buell Quain, um homem criado pelas leis rígidas de um país ocidental. De identidade cambiante, um homem que andava em busca de si mesmo, encontrou ali uma possibilidade de encontrar-se, de se firmar. A ilha do Pacífico seria a configuração de uma espécie de paraíso, um mundo que o abrigava. B) Episódios que podem ser elencados: o candidato poderá referir-se ao espírito de aventura do antropólogo que o levou ao Pacífico, por exemplo, o fato de ele trancar a faculdade para tornar-se aprendiz de marinheiro. Na descoberta de coisas novas, a possibilidade de descobrir-se. O filme assistido por Buell Quain assistiu vidrado a uma história de amor no Pacífico Sul. A um amor proibido pelas leis de uma sociedade de nativos. Um amor condenado pelos deuses. Isto o fascinou, uma vez que Buell jamais se mostrou como homem realizado afetivamente. As fotografias e desenhos de próprio punho feitos por Buell dos índios negros do Pacífico Sul. A contraposição dos índios do Pacífico Sul, com toda a sua exuberância e peculiaridades, em relação aos indígenas do território brasileiro. Na ilha, um negro cantava canções para Buell adormecer, mas, com o nascer do sol, ele não estava mais lá, já o tinha abandonado. Este fato representa, também, os interditos sociais que impedem o indivíduo de completar-se amorosa e existencialmente. Distribuição dos pontos: LETRA A (9 a 10 pontos) Respostas adequadas e bem estruturadas, comprovando a leitura do romance, ao mesmo tempo em que focalizam o recorte salientado: a importância da ilha do Pacífico na constituição da personagem do antropólogo. (6 a 8 pontos) Respostas adequadas (vide tópico anterior), mas com problemas relevantes de construção e focalização do que é pedido no comando. (2 a 4 pontos) - Respostas irregulares, muitas vezes abrangentes, mas não totalmente sem foco. (0) Resposta de conteúdo vazio, demonstrando de forma explícita a não leitura do romance em questão. Obs. A oscilação/gradação das notas obedecerá à qualidade de elaboração da resposta em relação ao comando. LETRA B (9 a 10 pontos) Respostas adequadas, nas quais o vestibulando aponta e comenta pelo menos um episódio relevante ao que é pedido no comando: o fascínio de Buell pela ilha do Pacífico. (6 a 8 pontos) Respostas que atendem ao comando no que se refere a apontar um episódio, mas não desenvolvem um comentário a respeito do mesmo. (2 a 4 pontos) Respostas generalizadas ou respostas com exemplos do livro, mas que não se configuram em episódios adequados ao comando. 0 Respostas equivocadas, em que o candidato não aponta ou aponta equivocadamente os episódios. Obs. A oscilação/ gradação das notas obedecerá à qualidade de elaboração da resposta em relação ao comando.

2 SEGUNDA QUESTÃO O candidato deverá indicar alguns dos sentidos em relação às três metáforas solicitadas: o termo cegos metaforiza a inconsciência, a alienação dos homens, resultando em atitudes de egoísmo e de falta de solidariedade para com o outro; o termo animais pode ser lido como metáfora da bestialização, ou seja, da perda da consciência, da humanidade, da civilidade e da racionalidade; o termo horror alegoriza o caos, o grau máximo de alienação e de impotência do homem, num mundo em que faltam perspectivas humanas de sobrevivência. Tomando por base essas metáforas, pode-se dizer que a obra de Saramago faz uma reflexão sobre os valores que fundamentam a sociedade capitalista e sobre a fragilidade desses mesmos valores que a sustentam. Apesar do tom pessimista da narrativa, Saramago, ao final, instiga a superação dos problemas éticos, morais, entre outros próprios da natureza humana, quando o próprio texto, na frase Há que dar remédio a este horror, enuncia a necessidade de pôr fim àquele estado de coisas. Distribuição dos pontos: (VINTE pontos) - Se o candidato explicar o sentido conotativo das metáforas cegos, animais e horror, conforme solicitado no enunciado da questão. (14 pontos) - Se o candidato explicar o sentido conotativo das metáforas animais e horror, conforme solicitado no enunciado da questão. (13 pontos) - Se o candidato explicar o sentido conotativo das metáforas cegos e animais, conforme solicitado no enunciado da questão. (13 pontos) - Se o candidato explicar o sentido conotativo das metáforas cegos e horror, conforme solicitado no enunciado da questão. (12 pontos) - Se o candidato responder com algum(ns) exemplo(s) do romance o sentido das metáforas cegos, animais e horror. (10 pontos) Se o candidato responder o sentido metafórico dos termos solicitados, sem relacioná-los de uma forma específica. (9 pontos) - Se o candidato apenas aponta o sentido conotativo das metáforas animais e horror, sem explicar. (9 pontos) - Se o candidato apenas aponta o sentido conotativo das metáforas cegos, animais e horror, sem explicar. (8 pontos) - Se o candidato responder com algum(ns) exemplo(s) do romance o sentido das metáforas cegos e animais. (8 pontos) - Se o candidato responder com algum(ns) exemplo(s) do romance o sentido das metáforas cegos e horror. (8 pontos) - Se o candidato responder com algum(ns) exemplo(s) do romance o sentido das metáforas animais e horror. (7 pontos) - Se o candidato explicar o sentido conotativo de um dos termos animais ou horror. (6 pontos) - Se o candidato explicar apenas o sentido conotativo de cegos. (6 pontos) - Se o candidato apenas aponta o sentido conotativo das metáforas cegos e animais, sem explicar. (6 pontos) - Se o candidato apenas aponta o sentido conotativo das metáforas cegos e horror, sem explicar. (4 pontos) - Se o candidato responder com algum(ns) exemplo(s) do romance o sentido de apenas uma das metáforas solicitadas. (3 pontos) - Se o candidato aponta o sentido conotativo de apenas uma das metáforas, sem explicar. * O candidato deverá elaborar o texto com uma boa ortografia, de modo a evitar problemas de coesão e coerência que venham a obstacularizar o entendimento da resposta. A pontuação atribuída deverá variar de acordo com a gravidade do erro: (Zero) - quando é impossível o entendimento da resposta. (De 1 a 3 pontos) quando o candidato responde sem que a produção de sentido se apresente clara, mas ainda assim é possível o entendimento.

3 TERCEIRA QUESTÃO A) O candidato deverá explicitar os princípios básicos da prosa e da poesia tais como: sujeito lírico distanciado; predominância de elementos narrativos como cenário, personagens, enredo, diálogo na interlocução solitária do poeta com Deus e linguagem conotativa-denotativa sem a prevalência das metáforas que caracterizam o discurso poético; presença dos elementos poéticos, como: estrutura estrófica, versos longos, poucas rimas e musicalidade expressiva. B) O candidato deverá mencionar que o poeta retoma a história do dilúvio de forma parodística, subvertendo a intenção divina do ato, que era a de resgatar e proteger a espécie, inaugurando um novo mundo. O poeta se dirige a Deus indignado, pois a realidade continuou dura, e o sacrifício foi e continua sendo em vão: a escolha dos sobreviventes não resultou criteriosa, o sol nunca foi alcançado, o verde da esperança se converteu em espinho, trabalhamos arduamente a terra (o candidato deverá citar versos). Distribuição dos pontos: (Zero) Quando o candidato foge totalmente ao tema e não aborda nem de forma superficial as diferenças entre prosa e poesia e, ainda, não exemplifica nem explica a intertextualidade dos versos no poema. (3 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo incompleto. 2. Na alternativa B, quando ele explica a intertextualidade dos versos no poema de modo incompleto, mas (4 pontos) Na (5 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo. 2. Na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo completo, mas (6 pontos) Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto. (7 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo incompleto e, na 2. Na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo incompleto e exemplifica os versos do poema. (8 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo e, na 2. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios de uma das modalidades (prosa ou poesia) de modo completo e da outra de modo incompleto. (9 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto e, na alternativa B, quando o candidato explica parcialmente a intertextualidade dos versos no poema e não a explica. 2. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo e, na

4 (10 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo completo. 2. Na alternativa B, quando o candidato explica e exemplifica a intertextualidade dos versos no poema. 3. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo e, na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo completo, mas 4. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto e, na (11 pontos) Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto e, na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo completo, mas (12 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo e, na exemplifica os versos do poema. 2. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios de uma das modalidades (prosa ou poesia) de modo completo e da outra de modo incompleto e ainda na alternativa B, quando ele apenas exemplifica os versos do poema, sem explicar como ocorre a (13 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo completo e, na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo incompleto, mas 2. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo incompleto e, na alternativa B, quando o candidato explica e exemplifica a intertextualidade dos versos no poema. 3. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto e, na exemplifica os versos do poema. (14 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo completo e, na (15 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo completo e, na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo completo, mas 2. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo e, na alternativa B, quando o candidato explica e exemplifica a intertextualidade dos versos no poema. 3. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios de uma das modalidades (prosa ou poesia) de modo completo e da outra de modo incompleto e na alternativa B, quando ele explica a intertextualidade dos versos no poema de modo incompleto e exemplifica os versos do poema. (16 pontos) Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto e, na alternativa B, quando o candidato explica e exemplifica a intertextualidade dos versos no poema. (17 pontos) Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo completo e, na exemplifica os versos do poema.

5 (18 pontos) Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios de uma das modalidades (prosa ou poesia) de modo completo e da outra de modo incompleto e, na alternativa B, quando ele explica e exemplifica a intertextualidade dos versos no poema. (20 pontos) 10 pontos para o item A, quando o candidato explicitar os princípios básicos da prosa e da poesia tais como: sujeito lírico distanciado; predominância de elementos narrativos como cenário, personagens, enredo, diálogo na interlocução solitária do poeta com Deus e linguagem conotativadenotativa sem a prevalência das metáforas que caracterizam o discurso poético; presença dos elementos poéticos, como: estrutura estrófica, versos longos, poucas rimas e musicalidade expressiva. 10 pontos para o item B, quando ele mencionar que o poeta retoma a história do dilúvio de forma parodística, subvertendo a intenção divina do ato, que era a de resgatar e proteger a espécie, inaugurando um novo mundo. O poeta se dirige a Deus indignado, pois a realidade continuou dura, e o sacrifício foi e continua sendo em vão: a escolha dos sobreviventes não resultou criteriosa, o sol nunca foi alcançado, o verde da esperança se converteu em espinho, trabalhamos arduamente a terra (o candidato deverá citar versos).

6 QUARTA QUESTÃO A) O candidato aponta o verso é Mas quem sou eu? Não mereço ; que tanto pode ser seguido por me abismarei na contemplação de Deus e de sua glória, como precedido de Gostaria ainda de me avistar com o santo Francisco de Assis. B) Espera-se que o candidato aponte a atitude humilde que se revela no tratamento familiar e íntimo do tema da morte, sem solenidade. Deve apontar, ainda, que essa atitude humilde transparece também no tratamento da forma, com o uso de uma linguagem prosaica e coloquial, em que ressaltam os versos livres. Neste poema modernista, sua linguagem se liberta do estilo elevado do simbolismo ou do parnasianismo, de modo que a emoção alta e sublime é manifesta em palavras de todo dia. (Zero) foge totalmente ao tema, não aborda nem superficialmente as questões da forma e do tema. Não cita o verso solicitado, nem faz uma paráfrase. (2 pontos) Menciona algum aspecto, de forma superficial, da segunda parte da questão, mas não indica o verso, solicitado na primeira parte. (4 pontos) Responde apenas parcialmente um dos aspectos da segunda parte da questão e não menciona o verso solicitado na primeira parte. (6 pontos) Apenas aponta o verso que exprime a atitude humilde do poeta. (7 pontos) Aborda apenas a questão da forma ou do tema na segunda parte da questão de maneira completa, mas não aponta o verso solicitado na primeira parte. (8 pontos) Aponta corretamente o verso da primeira parte da questão e apenas menciona superficialmente algum aspecto referente à idéia a ser considerada na segunda parte da questão. (Dez pontos) Acerta a primeira parte da questão e aborda superficialmente a questão do tema ou da forma quanto à atitude humilde do poeta. (12 pontos) Acerta a primeira parte da questão e explicita parte de ambos os aspectos solicitados na segunda parte da questão, ou seja, forma e tema. (13 pontos) Acerta completamente a primeira parte da questão e na segunda parte esclarece completamente a questão da forma ou do tema. (14 pontos) Acerta completamente a segunda parte da questão e não aponta o verso solicitado na primeira parte, ou acerta parcialmente os aspectos solicitados na segunda parte e menciona o verso correto na primeira parte. (17 pontos) Aponta corretamente o verso da primeira parte da questão e esclarece sobre o tema ou forma completamente e forma ou tema parcialmente. (Vinte pontos) Aponta o verso Mas quem sou eu? Não mereço, que tanto pode ser seguido por me abismarei na contemplação de Deus e de sua glória, como precedido de Gostaria ainda de me avistar com o santo Francisco de Assis. Na segunda parte da questão, espera-se que o candidato aponte a atitude humilde que se revela no tratamento familiar e íntimo do tema da morte, sem solenidade. Deve apontar, ainda, que essa atitude humilde transparece também no tratamento da forma, com o uso de uma linguagem prosaica e coloquial, em que ressaltam os versos livres. Neste poema modernista, sua linguagem se liberta do estilo elevado do simbolismo ou do parnasianismo, de modo que a emoção alta e sublime é manifesta em palavras de todo dia.

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação I - Proposta de Redação INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação A proposta de redação do vestibular do ITA pode ser composta de textos verbais, não verbais (foto ou ilustração,

Leia mais

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10.

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10. Question 1 Question Question LETRA: E Fácil Question 4 LETRA: A Fácil Question 5 Gabarito de Inglês Question 6 LETRA: D Difícil Question 7 LETRA: A Média Question 8 LETRA: C Difícil Question 9 Question

Leia mais

- Questão. Nos itens deverá: Item A. Quanto à distribuição de. pontos: 2 (dois) pontos. Item B. Caso responda só dois itens, obterá 10

- Questão. Nos itens deverá: Item A. Quanto à distribuição de. pontos: 2 (dois) pontos. Item B. Caso responda só dois itens, obterá 10 1 Nos itens A e B, além de relacionar os dois textos o jornalístico e a narrativa Ensaio sobre a cegueira -, o candidato deverá: Item A A1- Identificar o fenômeno ecológico como sendo a causa para o surgimento

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é:

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é: Tovadorismo 1 - (PUC-Camp - 2011) A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtures do cavaleiro. Nessa poesia, o amor cortês, referido no texto, pressupunha uma concepção mítica do amor, que

Leia mais

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários 3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 1º. TRIMESTRE Tirinha Música Foco narrativo (sequência); Suporte de origem; Imagem desenhada; Histórias

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede:

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Português Leitura de texto 3 os anos Wilton fev/11 Nome: Nº: Turma: 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino escreve! No aconchego Do claustro, na

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Ivaiporã - PR Faculdades Integradas do Vale do Ivaí - UNIVALE COMISSÃO DO VESTIBULAR CONCURSO VESTIBULAR 2016 MATRÍCULA DOS APROVADOS NO VESTIBULAR A matrícula

Leia mais

Turma: 3º ano FG e ADM

Turma: 3º ano FG e ADM COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 3º ano FG e ADM Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Teste de Avaliação n.º 1 - Correção

Teste de Avaliação n.º 1 - Correção I Teste de Avaliação n.º 1 - Correção 12.º CT / CSE setembro/2012 GRUPO I A. 1 d); 2 c); 3 c); c); 5 d); a); 7 b); 8 c); 9 a); 10 d). B. Características da poesia de Cesário Verde em Provincianas : - Poesia

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

1. As questões e as respostas esperadas

1. As questões e as respostas esperadas 1 Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007 Grade de Correção da Prova de Língua Portuguesa 1. As questões e as respostas esperadas Leia o texto Janela, de Carlos Drummond de Andrade e verifique

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 Módulo 1- O GOSTO PELA AVENTURA Tema 1 - A atracção ao desconhecido Experiência de aventuro. (Situações que exprimem experiências de aventura como a condução de veículos, iniciação

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade Fernanda Gabriela Soares dos Santos 1 Eu posso até parecer careta De perto ninguém é normal...

Leia mais

Diverso é o mundo, e ainda bem.

Diverso é o mundo, e ainda bem. LPLB ME 2 O CONCURSO VESTIBULAR/2001 PÁG. 23 LPLB Questões de 51 a 63 Diverso é o mundo, e ainda bem. (Adaptado de TOLEDO, Roberto Pompeu de. Revista VEJA. São Paulo: Abril, 28 de março de 2001.) PÁG.

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho Catálogo 2013 Uma História que cheira a Café Isabel Vilarinho e Vanda Novais Não Desprezes os Provérbios Abel de Carvalho Género: Romance N.º Páginas: 112 ISBN: 978-989-20-3065-4 Género: Prosa / Literatura

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Literatura

Processo Seletivo 2011-2 Literatura Literatura 1) Gabarito oficial definitivo sem distribuição dos pontos - Questão 1 O candidato deverá responder a questão em norma culta, com coesão, coerência e clareza, considerando o caráter metafórico

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I Content Area Grade Quarter Língua 6ª Serie Unidade I Texto: parágrafos: descritivo/comparativo; reconto; resenha crítica, anedota, cartum, revista em quadrinhos Linguística: comunicação: elementos/códigos;

Leia mais

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo 1 O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton em 1924. Inserido

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

Distribuição Gratuita Venda Proibida

Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan 2009 www.estudosdabiblia.net Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan Introdução

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

Formação de Português 2013/2014

Formação de Português 2013/2014 Formação de Português 2013/2014 Oficina de formação: Ler para compreender, interpretar, reagir e apreciar 6.ª sessão Objetivos do ensino da leitura de poesia Alimentar o gosto pela sonoridade da língua

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

Professora Sandra Bozza, você é a favor da alfabetização através do método fônico?

Professora Sandra Bozza, você é a favor da alfabetização através do método fônico? Professora Sandra Bozza, você é a favor da alfabetização através do método fônico? Não! A concepção de linguagem na qual acredito é a que tem como pressuposto que a linguagem (tanto oral, quanto escrita)

Leia mais

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO PROVA COMENTADA PELOS 1 Lya Luft apresenta, no 1º parágrafo do texto, sua tese acerca do que venha a ser o posicionamento ideal da família:...família deveria ser careta., i.e., humana, aberta, atenta,

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS 2º ENSINO MÉDIO

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS 2º ENSINO MÉDIO LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS 2º ENSINO MÉDIO Leia a charge a seguir e responda as questões 01, 02 e 03 propostas. Disponível em: .

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 MOTIVO ALEGADO PELO CANDIDATO: A questão

Leia mais

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Caro(a) Aluno(a) A prova da 2ª fase da UFBA exige, além dos pré-requisitos da primeira fase(conhecimento do conteúdo programático aliado a habilidades de analisar, comparar, julgar, fazer generalizações,

Leia mais

Romeu e Julieta na poesia de José Saramago: uma lição de rebeldia 1

Romeu e Julieta na poesia de José Saramago: uma lição de rebeldia 1 Romeu e Julieta na poesia de José Saramago: uma lição de rebeldia 1 BORGES, Suellen (G. Letras/UNIOESTE). CHAVES, Regina (G. Letras/UNIOESTE). SIBIN, Elisabete Arcalá (Mstª Orient. Letras/UNIOESTE). RESUMO:

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

POLÍTICA: A ARTE DO BEM COMUM

POLÍTICA: A ARTE DO BEM COMUM POLÍTICA: A ARTE DO BEM COMUM Tendo em vista as manifestações populares ocorridas em todo o Brasil, no ano passado, ao nos encontrarmos com toda nossa equipe no planejamento de julho, propusemos a todos

Leia mais

LER a partir dos 6 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL. Histórias a rimar. para ler e brincar ALEXANDRE PARAFITA. Ilustrações de Elsa Navarro

LER a partir dos 6 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL. Histórias a rimar. para ler e brincar ALEXANDRE PARAFITA. Ilustrações de Elsa Navarro LER a partir dos 6 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL Histórias a rimar para ler e brincar ALEXANDRE PARAFITA Ilustrações de Elsa Navarro Apresentação da obra Trata-se de um conjunto de poemas curtos,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 1295 Honra-vos terdes escolhido,

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM

Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM 1. Psicologia de um vencido Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênese da infância, A influência má dos signos

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-1 tipo D-5 Língua Portuguesa (P-1) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

OFICINA DAS MENINAS. O homem sonha, Deus quer e a obra nasce. F. Pessoa.

OFICINA DAS MENINAS. O homem sonha, Deus quer e a obra nasce. F. Pessoa. OFICINA DAS MENINAS O homem sonha, Deus quer e a obra nasce. F. Pessoa. O fruto de experiências vividas por anos de trabalho na rede social de Araraquara, legou-nos uma bagagem de inquietações que foram

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL.

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. Tema 4: A participação e o empoderamento das comunidades locais conduzem a uma

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

O teatro lírico de Hilda Hilst

O teatro lírico de Hilda Hilst O teatro lírico de Hilda Hilst Cristyane Batista LEAL (FL/CAPES) cristyaneleal@hotmail.com Solange Fiúza Cardoso YOKOZAWA (Orientadora) solyokozawa@bol.com.br Palavras-chave: Teatro Hilda Hilst drama lírico

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 5 Lendo e vivendo poemas Recomendada para EF II ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Ler é um ato de recriação praticado

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário:

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário: A primeira frase do emissor do texto denota inicialmente sua intenção de se pôr em uma situação simétrica, e não submissa ou inferior, aos não índios. O código de vocês, adotado como contato e respeitado

Leia mais

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Renato Dias PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Escrever não é olhar para a superfície, mas para dentro. Não me interessa descrever se o personagem

Leia mais

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945)

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) Tarsila do Amaral, cartão-postal, 1929 1. Que elementos da natureza estão representados nessa obra? 2. Que aspectos da natureza brasileira Tarsila do Amaral escolheu

Leia mais

Sumário. Parte I As exigências básicas das provas discursivas

Sumário. Parte I As exigências básicas das provas discursivas Sumário Prefácio à 2 a edição, revista e atualizada Apresentação XVII XXI Parte I As exigências básicas das provas discursivas Introdução 2 I. Itens mais gerais estipulados pelas bancas 2 II. Dois editais

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

CORRA, BERNARDO, CORRA!

CORRA, BERNARDO, CORRA! SINOPSE Bernardo precisa sair do prédio onde mora o mais rápido possível, mas o elevador não funciona, e então ele precisa descer as escadas. Como o garoto conhece quase todo mundo no prédio, os moradores

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 8 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara Denotação x Conotação Sentido denotativo: Meus alunos comeram uns doces. Sentido conotativo: Meus alunos são uns doces. Figuras

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

Através do presente encaminhamos-lhe abaixo as respostas elaboradas pelos professores acerca das questões recursadas por candidatos, conforme segue:

Através do presente encaminhamos-lhe abaixo as respostas elaboradas pelos professores acerca das questões recursadas por candidatos, conforme segue: Alta Floresta MT, 28 de dezembro de 2009 À Banca Examinadora de Recursos do Concurso Público BERCP NOVA BANDEIRANTES MATO GROSSO. Estimadas Senhoras, REF. ATENDIMENTO DOS QUESTIONAMENTOS DE CANDIDATOS

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IRMÃ DULCE SILVANA MARIA DE LARA ENSINO RELIGIOSO

ESCOLA MUNICIPAL IRMÃ DULCE SILVANA MARIA DE LARA ENSINO RELIGIOSO ESCOLA MUNICIPAL IRMÃ DULCE SILVANA MARIA DE LARA ENSINO RELIGIOSO O MEIO AMBIENTE É SAGRADO Há quem passe pelo bosque e só veja lenha para a fogueira." Leão Tolstoi SÃO JOSÉ DOS PINHAIS 2012 ESTE PROJETO

Leia mais

Dissertar é expor determinada opinião em relação a um tema e defendê-la através de argumentos coerentes com a realidade.

Dissertar é expor determinada opinião em relação a um tema e defendê-la através de argumentos coerentes com a realidade. PROF. BRUNO AUGUSTO Dissertar é expor determinada opinião em relação a um tema e defendê-la através de argumentos coerentes com a realidade. Deve apresentar uma linguagem clara e condizente aopúblicoemqueotextoserádestinado.

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

Estudos na Palavra de Deus. Jovens

Estudos na Palavra de Deus. Jovens Estudos na Palavra de Deus Jovens Grandes Santos de Deus Jovens programação Jovens Sirvo a um Deus preciso Richard Roger (1550-1618) Jovens Família Igreja Sociedade Jovens CTB Os Puritanos Juliano Heyse

Leia mais

LIDERANÇA ESPIRITUAL

LIDERANÇA ESPIRITUAL LIDERANÇA ESPIRITUAL Líder é uma pessoa que Deus usa para influenciar outras pessoas... Líderes são pessoas comuns, mas usadas por Deus... (Richard Blackaby) O sucesso da liderança espiritual depende da

Leia mais

Antropologia Religiosa

Antropologia Religiosa Antropologia Religiosa Quem somos nós? De onde viemos? Para onde vamos? Qual é a nossa missão no universo? O que nos espera? Que sentido podemos dar a nossa vida? Qual o sentido da história e do mundo?

Leia mais

CURSO Pedagogia. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

CURSO Pedagogia. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2003/1 LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA CURSO Pedagogia Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. 2. Esta prova contém dez questões,

Leia mais

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Escritor brasileiro Dados de Identificação: Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Turma: 201 Professora: Ivânia Lamb Romancista brasileiro nascido em São

Leia mais

Projeto: O cinema vai à escola Do enredo à trilha sonora: os desafios da linguagem cinematográfica

Projeto: O cinema vai à escola Do enredo à trilha sonora: os desafios da linguagem cinematográfica Projeto: O cinema vai à escola Do enredo à trilha sonora: os desafios da linguagem cinematográfica Profª Mariana Villaça SESC-SP, 23/5/2013 Elementos da linguagem cinematográfica: identificando o enredo

Leia mais

Planificação periódica 8ºano

Planificação periódica 8ºano EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação periódica 8ºano Língua Portuguesa Ano lectivo 2010/2011 Agrupamento de Escolas de Aveiro E S C O L A 2 º E 3 º C I C L O S J O Ã O A F O N S O D E A V E I R O

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de Goiás Regional Catalão Departamento Editorial EDITAL Nº 001/2014

Serviço Público Federal Universidade Federal de Goiás Regional Catalão Departamento Editorial EDITAL Nº 001/2014 EDITAL Nº 001/2014 CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CONTOS E POEMAS 1º CONCURSO NACIONAL DE CONTOS & POEMAS - ANTOLOGIA 2015 Prêmio FLOR DO IPÊ O DEPECAC d o C a m p u s Catalão da e o Departamento de Letras

Leia mais

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Atividade 1 Antes de você iniciar a leitura

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS Escola Básica 2/3 de Pedrouços Planificação de Português 7. 7ºano de escolaridade Ano letivo 2012/2013 Expressão oral Compreensão oral 1. o Período (+-64 aulas ) ))))))))646464+66666646

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

RUTE, UMA HISTÓRIA DE AMOR

RUTE, UMA HISTÓRIA DE AMOR Bíblia para crianças apresenta RUTE, UMA HISTÓRIA DE AMOR Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Lyn Doerksen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem INTRODUÇÃO A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem Quero tocar as estrelas Mas já sei Que não poderei Senti-las Pois a viagem É sem volta. Nash Ngaïve,

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais