Universidade Federal de Uberlândia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Uberlândia"

Transcrição

1 PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve ter atraído Buell Quain, um homem criado pelas leis rígidas de um país ocidental. De identidade cambiante, um homem que andava em busca de si mesmo, encontrou ali uma possibilidade de encontrar-se, de se firmar. A ilha do Pacífico seria a configuração de uma espécie de paraíso, um mundo que o abrigava. B) Episódios que podem ser elencados: o candidato poderá referir-se ao espírito de aventura do antropólogo que o levou ao Pacífico, por exemplo, o fato de ele trancar a faculdade para tornar-se aprendiz de marinheiro. Na descoberta de coisas novas, a possibilidade de descobrir-se. O filme assistido por Buell Quain assistiu vidrado a uma história de amor no Pacífico Sul. A um amor proibido pelas leis de uma sociedade de nativos. Um amor condenado pelos deuses. Isto o fascinou, uma vez que Buell jamais se mostrou como homem realizado afetivamente. As fotografias e desenhos de próprio punho feitos por Buell dos índios negros do Pacífico Sul. A contraposição dos índios do Pacífico Sul, com toda a sua exuberância e peculiaridades, em relação aos indígenas do território brasileiro. Na ilha, um negro cantava canções para Buell adormecer, mas, com o nascer do sol, ele não estava mais lá, já o tinha abandonado. Este fato representa, também, os interditos sociais que impedem o indivíduo de completar-se amorosa e existencialmente. Distribuição dos pontos: LETRA A (9 a 10 pontos) Respostas adequadas e bem estruturadas, comprovando a leitura do romance, ao mesmo tempo em que focalizam o recorte salientado: a importância da ilha do Pacífico na constituição da personagem do antropólogo. (6 a 8 pontos) Respostas adequadas (vide tópico anterior), mas com problemas relevantes de construção e focalização do que é pedido no comando. (2 a 4 pontos) - Respostas irregulares, muitas vezes abrangentes, mas não totalmente sem foco. (0) Resposta de conteúdo vazio, demonstrando de forma explícita a não leitura do romance em questão. Obs. A oscilação/gradação das notas obedecerá à qualidade de elaboração da resposta em relação ao comando. LETRA B (9 a 10 pontos) Respostas adequadas, nas quais o vestibulando aponta e comenta pelo menos um episódio relevante ao que é pedido no comando: o fascínio de Buell pela ilha do Pacífico. (6 a 8 pontos) Respostas que atendem ao comando no que se refere a apontar um episódio, mas não desenvolvem um comentário a respeito do mesmo. (2 a 4 pontos) Respostas generalizadas ou respostas com exemplos do livro, mas que não se configuram em episódios adequados ao comando. 0 Respostas equivocadas, em que o candidato não aponta ou aponta equivocadamente os episódios. Obs. A oscilação/ gradação das notas obedecerá à qualidade de elaboração da resposta em relação ao comando.

2 SEGUNDA QUESTÃO O candidato deverá indicar alguns dos sentidos em relação às três metáforas solicitadas: o termo cegos metaforiza a inconsciência, a alienação dos homens, resultando em atitudes de egoísmo e de falta de solidariedade para com o outro; o termo animais pode ser lido como metáfora da bestialização, ou seja, da perda da consciência, da humanidade, da civilidade e da racionalidade; o termo horror alegoriza o caos, o grau máximo de alienação e de impotência do homem, num mundo em que faltam perspectivas humanas de sobrevivência. Tomando por base essas metáforas, pode-se dizer que a obra de Saramago faz uma reflexão sobre os valores que fundamentam a sociedade capitalista e sobre a fragilidade desses mesmos valores que a sustentam. Apesar do tom pessimista da narrativa, Saramago, ao final, instiga a superação dos problemas éticos, morais, entre outros próprios da natureza humana, quando o próprio texto, na frase Há que dar remédio a este horror, enuncia a necessidade de pôr fim àquele estado de coisas. Distribuição dos pontos: (VINTE pontos) - Se o candidato explicar o sentido conotativo das metáforas cegos, animais e horror, conforme solicitado no enunciado da questão. (14 pontos) - Se o candidato explicar o sentido conotativo das metáforas animais e horror, conforme solicitado no enunciado da questão. (13 pontos) - Se o candidato explicar o sentido conotativo das metáforas cegos e animais, conforme solicitado no enunciado da questão. (13 pontos) - Se o candidato explicar o sentido conotativo das metáforas cegos e horror, conforme solicitado no enunciado da questão. (12 pontos) - Se o candidato responder com algum(ns) exemplo(s) do romance o sentido das metáforas cegos, animais e horror. (10 pontos) Se o candidato responder o sentido metafórico dos termos solicitados, sem relacioná-los de uma forma específica. (9 pontos) - Se o candidato apenas aponta o sentido conotativo das metáforas animais e horror, sem explicar. (9 pontos) - Se o candidato apenas aponta o sentido conotativo das metáforas cegos, animais e horror, sem explicar. (8 pontos) - Se o candidato responder com algum(ns) exemplo(s) do romance o sentido das metáforas cegos e animais. (8 pontos) - Se o candidato responder com algum(ns) exemplo(s) do romance o sentido das metáforas cegos e horror. (8 pontos) - Se o candidato responder com algum(ns) exemplo(s) do romance o sentido das metáforas animais e horror. (7 pontos) - Se o candidato explicar o sentido conotativo de um dos termos animais ou horror. (6 pontos) - Se o candidato explicar apenas o sentido conotativo de cegos. (6 pontos) - Se o candidato apenas aponta o sentido conotativo das metáforas cegos e animais, sem explicar. (6 pontos) - Se o candidato apenas aponta o sentido conotativo das metáforas cegos e horror, sem explicar. (4 pontos) - Se o candidato responder com algum(ns) exemplo(s) do romance o sentido de apenas uma das metáforas solicitadas. (3 pontos) - Se o candidato aponta o sentido conotativo de apenas uma das metáforas, sem explicar. * O candidato deverá elaborar o texto com uma boa ortografia, de modo a evitar problemas de coesão e coerência que venham a obstacularizar o entendimento da resposta. A pontuação atribuída deverá variar de acordo com a gravidade do erro: (Zero) - quando é impossível o entendimento da resposta. (De 1 a 3 pontos) quando o candidato responde sem que a produção de sentido se apresente clara, mas ainda assim é possível o entendimento.

3 TERCEIRA QUESTÃO A) O candidato deverá explicitar os princípios básicos da prosa e da poesia tais como: sujeito lírico distanciado; predominância de elementos narrativos como cenário, personagens, enredo, diálogo na interlocução solitária do poeta com Deus e linguagem conotativa-denotativa sem a prevalência das metáforas que caracterizam o discurso poético; presença dos elementos poéticos, como: estrutura estrófica, versos longos, poucas rimas e musicalidade expressiva. B) O candidato deverá mencionar que o poeta retoma a história do dilúvio de forma parodística, subvertendo a intenção divina do ato, que era a de resgatar e proteger a espécie, inaugurando um novo mundo. O poeta se dirige a Deus indignado, pois a realidade continuou dura, e o sacrifício foi e continua sendo em vão: a escolha dos sobreviventes não resultou criteriosa, o sol nunca foi alcançado, o verde da esperança se converteu em espinho, trabalhamos arduamente a terra (o candidato deverá citar versos). Distribuição dos pontos: (Zero) Quando o candidato foge totalmente ao tema e não aborda nem de forma superficial as diferenças entre prosa e poesia e, ainda, não exemplifica nem explica a intertextualidade dos versos no poema. (3 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo incompleto. 2. Na alternativa B, quando ele explica a intertextualidade dos versos no poema de modo incompleto, mas (4 pontos) Na (5 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo. 2. Na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo completo, mas (6 pontos) Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto. (7 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo incompleto e, na 2. Na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo incompleto e exemplifica os versos do poema. (8 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo e, na 2. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios de uma das modalidades (prosa ou poesia) de modo completo e da outra de modo incompleto. (9 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto e, na alternativa B, quando o candidato explica parcialmente a intertextualidade dos versos no poema e não a explica. 2. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo e, na

4 (10 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo completo. 2. Na alternativa B, quando o candidato explica e exemplifica a intertextualidade dos versos no poema. 3. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo e, na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo completo, mas 4. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto e, na (11 pontos) Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto e, na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo completo, mas (12 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo e, na exemplifica os versos do poema. 2. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios de uma das modalidades (prosa ou poesia) de modo completo e da outra de modo incompleto e ainda na alternativa B, quando ele apenas exemplifica os versos do poema, sem explicar como ocorre a (13 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo completo e, na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo incompleto, mas 2. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo incompleto e, na alternativa B, quando o candidato explica e exemplifica a intertextualidade dos versos no poema. 3. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto e, na exemplifica os versos do poema. (14 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo completo e, na (15 pontos) 1. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo completo e, na alternativa B, quando o candidato explica a intertextualidade dos versos no poema de modo completo, mas 2. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa ou da poesia de modo completo e, na alternativa B, quando o candidato explica e exemplifica a intertextualidade dos versos no poema. 3. Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios de uma das modalidades (prosa ou poesia) de modo completo e da outra de modo incompleto e na alternativa B, quando ele explica a intertextualidade dos versos no poema de modo incompleto e exemplifica os versos do poema. (16 pontos) Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo incompleto e, na alternativa B, quando o candidato explica e exemplifica a intertextualidade dos versos no poema. (17 pontos) Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios da prosa e da poesia de modo completo e, na exemplifica os versos do poema.

5 (18 pontos) Na alternativa A, quando o candidato expõe os princípios de uma das modalidades (prosa ou poesia) de modo completo e da outra de modo incompleto e, na alternativa B, quando ele explica e exemplifica a intertextualidade dos versos no poema. (20 pontos) 10 pontos para o item A, quando o candidato explicitar os princípios básicos da prosa e da poesia tais como: sujeito lírico distanciado; predominância de elementos narrativos como cenário, personagens, enredo, diálogo na interlocução solitária do poeta com Deus e linguagem conotativadenotativa sem a prevalência das metáforas que caracterizam o discurso poético; presença dos elementos poéticos, como: estrutura estrófica, versos longos, poucas rimas e musicalidade expressiva. 10 pontos para o item B, quando ele mencionar que o poeta retoma a história do dilúvio de forma parodística, subvertendo a intenção divina do ato, que era a de resgatar e proteger a espécie, inaugurando um novo mundo. O poeta se dirige a Deus indignado, pois a realidade continuou dura, e o sacrifício foi e continua sendo em vão: a escolha dos sobreviventes não resultou criteriosa, o sol nunca foi alcançado, o verde da esperança se converteu em espinho, trabalhamos arduamente a terra (o candidato deverá citar versos).

6 QUARTA QUESTÃO A) O candidato aponta o verso é Mas quem sou eu? Não mereço ; que tanto pode ser seguido por me abismarei na contemplação de Deus e de sua glória, como precedido de Gostaria ainda de me avistar com o santo Francisco de Assis. B) Espera-se que o candidato aponte a atitude humilde que se revela no tratamento familiar e íntimo do tema da morte, sem solenidade. Deve apontar, ainda, que essa atitude humilde transparece também no tratamento da forma, com o uso de uma linguagem prosaica e coloquial, em que ressaltam os versos livres. Neste poema modernista, sua linguagem se liberta do estilo elevado do simbolismo ou do parnasianismo, de modo que a emoção alta e sublime é manifesta em palavras de todo dia. (Zero) foge totalmente ao tema, não aborda nem superficialmente as questões da forma e do tema. Não cita o verso solicitado, nem faz uma paráfrase. (2 pontos) Menciona algum aspecto, de forma superficial, da segunda parte da questão, mas não indica o verso, solicitado na primeira parte. (4 pontos) Responde apenas parcialmente um dos aspectos da segunda parte da questão e não menciona o verso solicitado na primeira parte. (6 pontos) Apenas aponta o verso que exprime a atitude humilde do poeta. (7 pontos) Aborda apenas a questão da forma ou do tema na segunda parte da questão de maneira completa, mas não aponta o verso solicitado na primeira parte. (8 pontos) Aponta corretamente o verso da primeira parte da questão e apenas menciona superficialmente algum aspecto referente à idéia a ser considerada na segunda parte da questão. (Dez pontos) Acerta a primeira parte da questão e aborda superficialmente a questão do tema ou da forma quanto à atitude humilde do poeta. (12 pontos) Acerta a primeira parte da questão e explicita parte de ambos os aspectos solicitados na segunda parte da questão, ou seja, forma e tema. (13 pontos) Acerta completamente a primeira parte da questão e na segunda parte esclarece completamente a questão da forma ou do tema. (14 pontos) Acerta completamente a segunda parte da questão e não aponta o verso solicitado na primeira parte, ou acerta parcialmente os aspectos solicitados na segunda parte e menciona o verso correto na primeira parte. (17 pontos) Aponta corretamente o verso da primeira parte da questão e esclarece sobre o tema ou forma completamente e forma ou tema parcialmente. (Vinte pontos) Aponta o verso Mas quem sou eu? Não mereço, que tanto pode ser seguido por me abismarei na contemplação de Deus e de sua glória, como precedido de Gostaria ainda de me avistar com o santo Francisco de Assis. Na segunda parte da questão, espera-se que o candidato aponte a atitude humilde que se revela no tratamento familiar e íntimo do tema da morte, sem solenidade. Deve apontar, ainda, que essa atitude humilde transparece também no tratamento da forma, com o uso de uma linguagem prosaica e coloquial, em que ressaltam os versos livres. Neste poema modernista, sua linguagem se liberta do estilo elevado do simbolismo ou do parnasianismo, de modo que a emoção alta e sublime é manifesta em palavras de todo dia.

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação I - Proposta de Redação INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação A proposta de redação do vestibular do ITA pode ser composta de textos verbais, não verbais (foto ou ilustração,

Leia mais

- Questão. Nos itens deverá: Item A. Quanto à distribuição de. pontos: 2 (dois) pontos. Item B. Caso responda só dois itens, obterá 10

- Questão. Nos itens deverá: Item A. Quanto à distribuição de. pontos: 2 (dois) pontos. Item B. Caso responda só dois itens, obterá 10 1 Nos itens A e B, além de relacionar os dois textos o jornalístico e a narrativa Ensaio sobre a cegueira -, o candidato deverá: Item A A1- Identificar o fenômeno ecológico como sendo a causa para o surgimento

Leia mais

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10.

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10. Question 1 Question Question LETRA: E Fácil Question 4 LETRA: A Fácil Question 5 Gabarito de Inglês Question 6 LETRA: D Difícil Question 7 LETRA: A Média Question 8 LETRA: C Difícil Question 9 Question

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO PROVA COMENTADA PELOS 1 Lya Luft apresenta, no 1º parágrafo do texto, sua tese acerca do que venha a ser o posicionamento ideal da família:...família deveria ser careta., i.e., humana, aberta, atenta,

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

Dissertar é expor determinada opinião em relação a um tema e defendê-la através de argumentos coerentes com a realidade.

Dissertar é expor determinada opinião em relação a um tema e defendê-la através de argumentos coerentes com a realidade. PROF. BRUNO AUGUSTO Dissertar é expor determinada opinião em relação a um tema e defendê-la através de argumentos coerentes com a realidade. Deve apresentar uma linguagem clara e condizente aopúblicoemqueotextoserádestinado.

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é:

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é: Tovadorismo 1 - (PUC-Camp - 2011) A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtures do cavaleiro. Nessa poesia, o amor cortês, referido no texto, pressupunha uma concepção mítica do amor, que

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Literatura

Processo Seletivo 2011-2 Literatura Literatura 1) Gabarito oficial definitivo sem distribuição dos pontos - Questão 1 O candidato deverá responder a questão em norma culta, com coesão, coerência e clareza, considerando o caráter metafórico

Leia mais

Teste de Avaliação n.º 1 - Correção

Teste de Avaliação n.º 1 - Correção I Teste de Avaliação n.º 1 - Correção 12.º CT / CSE setembro/2012 GRUPO I A. 1 d); 2 c); 3 c); c); 5 d); a); 7 b); 8 c); 9 a); 10 d). B. Características da poesia de Cesário Verde em Provincianas : - Poesia

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO Dennys Rodrigues de Sousa* (Graduando em psicologia pela Faculdades Metropolitanas de Maringá - UNIFAMMA, Maringá-PR, Brasil); André Henrique Scarafiz,

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo Comentário Geral Como sempre foi ressaltado em sala de aula, temas como Grécia, Idade Média, Revolução Francesa, Direitos Civis, refugiados,

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

LIDERANÇA ESPIRITUAL

LIDERANÇA ESPIRITUAL LIDERANÇA ESPIRITUAL Líder é uma pessoa que Deus usa para influenciar outras pessoas... Líderes são pessoas comuns, mas usadas por Deus... (Richard Blackaby) O sucesso da liderança espiritual depende da

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

1. As questões e as respostas esperadas

1. As questões e as respostas esperadas 1 Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007 Grade de Correção da Prova de Língua Portuguesa 1. As questões e as respostas esperadas Leia o texto Janela, de Carlos Drummond de Andrade e verifique

Leia mais

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo 1 O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton em 1924. Inserido

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS 2º ENSINO MÉDIO

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS 2º ENSINO MÉDIO LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS 2º ENSINO MÉDIO Leia a charge a seguir e responda as questões 01, 02 e 03 propostas. Disponível em: .

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Ivaiporã - PR Faculdades Integradas do Vale do Ivaí - UNIVALE COMISSÃO DO VESTIBULAR CONCURSO VESTIBULAR 2016 MATRÍCULA DOS APROVADOS NO VESTIBULAR A matrícula

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede:

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Português Leitura de texto 3 os anos Wilton fev/11 Nome: Nº: Turma: 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino escreve! No aconchego Do claustro, na

Leia mais

Turma: 3º ano FG e ADM

Turma: 3º ano FG e ADM COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 3º ano FG e ADM Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários 3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 1º. TRIMESTRE Tirinha Música Foco narrativo (sequência); Suporte de origem; Imagem desenhada; Histórias

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-1 tipo D-5 Língua Portuguesa (P-1) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Subsídios para O CULTO COM CRIANÇAS

Subsídios para O CULTO COM CRIANÇAS Subsídios para O CULTO COM CRIANÇAS O que é um culto infantil? O culto para crianças não tem o objetivo de tirar a criança de dentro do templo para evitar que essa atrapalhe o culto ou atrapalhe a atenção

Leia mais

Se Jesus ressuscitou, onde estão as testemunhas?

Se Jesus ressuscitou, onde estão as testemunhas? Se Jesus ressuscitou, onde estão as testemunhas? 1 Coríntios 15.1-11 1. Irmãos, quero lembrar-lhes o evangelho que lhes preguei, o qual vocês receberam e no qual estão firmes. 2. Por meio deste evangelho

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

POLÍTICA: A ARTE DO BEM COMUM

POLÍTICA: A ARTE DO BEM COMUM POLÍTICA: A ARTE DO BEM COMUM Tendo em vista as manifestações populares ocorridas em todo o Brasil, no ano passado, ao nos encontrarmos com toda nossa equipe no planejamento de julho, propusemos a todos

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 5 Lendo e vivendo poemas Recomendada para EF II ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Ler é um ato de recriação praticado

Leia mais

Antropologia Religiosa

Antropologia Religiosa Antropologia Religiosa Quem somos nós? De onde viemos? Para onde vamos? Qual é a nossa missão no universo? O que nos espera? Que sentido podemos dar a nossa vida? Qual o sentido da história e do mundo?

Leia mais

PORTUGUÊS EFICIENTE. Prof. Matheus Gustavo

PORTUGUÊS EFICIENTE. Prof. Matheus Gustavo PORTUGUÊS EFICIENTE Prof. Matheus Gustavo 10 Dicas simples do que NÃO FAZER em uma REDAÇÃO 1 FUGA DO TEMA Fugir ao tema solicitado pela prova é motivo para invalidar o texto, a FUVEST, por exemplo, informa

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara Denotação x Conotação Sentido denotativo: Meus alunos comeram uns doces. Sentido conotativo: Meus alunos são uns doces. Figuras

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade Fernanda Gabriela Soares dos Santos 1 Eu posso até parecer careta De perto ninguém é normal...

Leia mais

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5 1 Lc 5 AGUAS PROFUNDAS 1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos

Leia mais

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945)

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) Tarsila do Amaral, cartão-postal, 1929 1. Que elementos da natureza estão representados nessa obra? 2. Que aspectos da natureza brasileira Tarsila do Amaral escolheu

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

_Márcio Moreno, 28 Sou um rapaz comum da geração do raprockandrollpsicodeliahardcoreragga. marciomoreno.com

_Márcio Moreno, 28 Sou um rapaz comum da geração do raprockandrollpsicodeliahardcoreragga. marciomoreno.com 23 24 25 _Márcio Moreno, 28 Sou um rapaz comum da geração do raprockandrollpsicodeliahardcoreragga. marciomoreno.com 26 27 Joe Navalha, 2013 28 TEXTO POR CAIO BASTOS Restam duas opções, ao se deparar com

Leia mais

A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO

A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO CURSO A PRÁTICA DA FRATERNIDADE NOS CENTROS ESPÍRITAS A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO Vimos na videoaula anterior que nas diversas

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho Catálogo 2013 Uma História que cheira a Café Isabel Vilarinho e Vanda Novais Não Desprezes os Provérbios Abel de Carvalho Género: Romance N.º Páginas: 112 ISBN: 978-989-20-3065-4 Género: Prosa / Literatura

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português

endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Colégio Disciplina: Prova: português desafio nota: Texto para as questões de 1 a 3. Material: 1 xícara quase cheia de farinha

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 8 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

Diverso é o mundo, e ainda bem.

Diverso é o mundo, e ainda bem. LPLB ME 2 O CONCURSO VESTIBULAR/2001 PÁG. 23 LPLB Questões de 51 a 63 Diverso é o mundo, e ainda bem. (Adaptado de TOLEDO, Roberto Pompeu de. Revista VEJA. São Paulo: Abril, 28 de março de 2001.) PÁG.

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I Content Area Grade Quarter Língua 6ª Serie Unidade I Texto: parágrafos: descritivo/comparativo; reconto; resenha crítica, anedota, cartum, revista em quadrinhos Linguística: comunicação: elementos/códigos;

Leia mais

A amizade abana o rabo

A amizade abana o rabo RESENHA Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente ILUSTRAÇÕES: Marina relata, nessa história, seu encontro com cães especiais, que fazem parte de sua vida: Meiga, Maribel e Milord. A história

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

COMO SERÁ ELABORADA A PROPOSTA DE TEMA PARA A REDAÇÃO DO ENEM?

COMO SERÁ ELABORADA A PROPOSTA DE TEMA PARA A REDAÇÃO DO ENEM? COMO SERÁ ELABORADA A PROPOSTA DE TEMA PARA A REDAÇÃO DO ENEM? A proposta para a redação do Enem é elaborada de forma a possibilitar que os participantes, a partir dos subsídios oferecidos, realizem uma

Leia mais

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I:

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I: Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Unidade I: 0 Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Olá Alunos, Na unidade anterior conhecemos e discutimos um pouco a respeito

Leia mais

Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br

Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br 1 Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br Poesia é tudo aquilo Que a gente não entende; É como comprar um quilo, Daquilo que não se vende. QUADRAS (ESTROFES

Leia mais

O circo vai à escola

O circo vai à escola O circo vai à escola Não é nenhuma novidade trabalhar com atividades circenses em escolas, principalmente no Ensino Fundamental I - eu mesma já realizei esse trabalho há 10 anos - e o ano passado resolvi

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM

Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM 1. Psicologia de um vencido Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênese da infância, A influência má dos signos

Leia mais

Eu gostaria de falar agora de assédio sexual, que é uma forma bastante

Eu gostaria de falar agora de assédio sexual, que é uma forma bastante DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO, PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DO HIV-AIDS: A PERSPECTIVA DA OIT * Cleopatra Doumbia-Henry ** Eu gostaria de falar agora de assédio sexual, que é uma forma bastante

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário:

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário: A primeira frase do emissor do texto denota inicialmente sua intenção de se pôr em uma situação simétrica, e não submissa ou inferior, aos não índios. O código de vocês, adotado como contato e respeitado

Leia mais

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade Sugestões de atividades As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade 9 CIÊNCIAS 1 Ciências Naturais 1. Por que a Física é considerada uma ciência básica? 2. O que a Biologia estuda? 3. O que

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Semeadores de Esperança

Semeadores de Esperança Yvonne T Semeadores de Esperança Crônicas de um Convite à Vida Volume 11 Crônicas de um Convite à Vida Livre d IVI Convidados a Viver PREFÁCIO Estou comovida por escrever este prefácio : tudo o que se

Leia mais

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS Até onde vai a força da Motivação? Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Uma proposta criativa motivadora na sala de aula pode deixar o professor bem impressionado

Leia mais

Professora Sandra Bozza, você é a favor da alfabetização através do método fônico?

Professora Sandra Bozza, você é a favor da alfabetização através do método fônico? Professora Sandra Bozza, você é a favor da alfabetização através do método fônico? Não! A concepção de linguagem na qual acredito é a que tem como pressuposto que a linguagem (tanto oral, quanto escrita)

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais