CFEM: O maior desafio não é reajustar seu valor, mas ordenar sua gestão.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CFEM: O maior desafio não é reajustar seu valor, mas ordenar sua gestão."

Transcrição

1 A aplicação da Cfem, seja por força de lei ou de plano específico, desde que de forma ordenada, sustentada e compartilhada, poderá representar a salvaguarda das futuras gerações, frente a malversação dos recursos públicos amplamente verificada em nossos dias. CFEM Neilor S. Aarão CFEM: O maior desafio não é reajustar seu valor, mas ordenar sua gestão. NEILOR AARÃO 2011

2 2 SUMÁRIO Página Introdução: A CFEM Aspectos importantes A Natureza Jurídica da CFEM O Desafio A Questão Conclusão... 15

3 3 Introdução: A exploração mineral se faz presente em diversos municípios, uma vez que o Brasil é um dos maiores produtores minerais do mundo. Para se ter idéia, quando falamos somente em minério de ferro, nosso país ocupa o primeiro lugar no ranking mundial de exportação, sendo também o segundo maior produtor no mundo. Nossas reservas conhecidas correspondem a 11% do total mundial, colocando o país na quinta posição, atrás da Ucrânia, Rússia, China e Austrália. Deste total, os estados de Minas Gerais e do Pará contribuem com a maior parcela, 71% e 26%, respectivamente cada estado. Nossa Constituição Federal estabeleceu que recursos minerais são bens da União, e assegurou aos seus entes uma compensação financeira pela exploração destes recursos minerais. Este assunto vem ganhando destaque nestes últimos tempos, com vistas ao reajuste ou não da alíquota desta compensação. O embate que se dá entre representantes de municípios mineradores e empresas mineradoras, e nesta seara, pretendemos discorrer para além de seu reajuste, haja vista que em nosso entendimento, a maior importância e desafio residem na aplicação desta contribuição. Assim, buscaremos entender seus fundamentos, bem como a impreterível necessidade de se estabelecer mecanismos legais capazes de garantir sua correta aplicação, afinal, a pura sobrecarga ou aumento de impostos (neste caso contribuição), não representa na maioria das vezes, qualquer reflexo positivo, quer seja direto ou indireto na vida do cidadão.

4 4 1. A CFEM. A CFEM é uma contribuição que foi estabelecida pela Constituição Federal ( 1º do art. 20) 1, sendo devida e partilhada entre Estados, Distrito Federal, Municípios e órgãos da União, como forma de participação nos resultados da extração ou exploração 2, de petróleo, gás natural, recursos hídricos e outros recursos minerais, realizados em seus territórios. A exemplo, tomaremos de agora em diante, a atividade de extrativa de minério de ferro como foco principal a ser abordado. Para se ter idéia do tamanho deste mercado, em 2010 esta atividade cresceu 15,7% somente no Brasil, e estima-se que somente em 2011 os lucros das mineradoras brasileiras possam superar a cifra dos 40 bilhões de dólares. Não bastasse, o Plano Nacional de Mineração 2030, estima que os investimentos na área pelos próximos 20 anos possam somar US$ 350 bilhões, dos quais cerca de US$ 64,8 bilhões serão realizados já nos próximos cinco anos. A contribuição da qual tratamos, incide nas seguintes hipóteses sobre o bem mineral extraído: i) venda; ii) transformação industrial; ou, iii) consumo ou utilização, mesmo quando realizada pelo próprio minerador. No caso da venda do produto mineral, a CFEM é calculada sobre o valor do faturamento líquido, deduzindo-se deste os tributos que incidem na sua comercialização (ICMS, PIS/PASEP, COFINS, IOF, e ISS), acrescidos a estes as despesas com transporte e seguro. Quando não ocorrer a venda, mas o consumo ou a transformação do produto mineral, então se considera para efeito do cálculo, o valor da soma das despesas diretas e indiretas ocorridas até o momento da sua utilização. 1 Art. 20. (...) 1.º É assegurada, nos termos da lei, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, bem como a órgãos da administração direta da União, participação no resultado da exploração de petróleo ou gás natural, de recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica e de outros recursos minerais no respectivo território, plataforma continental, mar territorial ou zona econômica exclusiva, ou compensação financeira por essa exploração. 2 Exploração mineral: A exploração de recursos minerais consiste na retirada de substâncias minerais da jazida, mina, salina ou outro depósito mineral, para fins de aproveitamento econômico

5 5 Em outros países as alíquotas desta natureza (royalties) são bem diferenciadas das aplicadas aqui. Na Austrália, por exemplo, a alíquota do royalty varia de 5% a 7,5%. Já o Canadá, impõe alíquota de 10% a 18%, enquanto a África do Sul trabalha com um índice de 5%. Aqui no Brasil, os valores atuais das alíquotas para a cobrança da CFEM, incidem nas seguintes proporções: 3% (três por cento) para minérios de alumínio, manganês, sal-gema e potássio; 2% (dois por cento) para ferro, fertilizante, carvão e demais substâncias minerais; 0,2% (dois décimos por cento) para pedras preciosas, pedras coradas lapidáveis, carbonados e metais nobres, e; 1% (um por cento) para ouro, quando extraído por empresas mineradoras, e 0,2% (dois décimos por cento) nas demais hipóteses de extração. (Redação dada pela lei nº , de 2009). Os valores arrecadados com esta contribuição devem ser distribuídos na seguinte proporção 3 : 65% para o(s) Município(s); 23% para os Estado(s) e/ou Distrito Federal, 10% (dez por cento) para o Ministério de Minas e Energia, a serem integralmente repassados ao Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM, que destinará 2% 3 Lei n o 8.001, de 13 de março de 1990, com nova redação dada pela Lei nº 9.993, de 24/7/2000.

6 6 (dois por cento) desta cota-parte à proteção mineral em regiões mineradoras, por intermédio do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Ibama, e, 2% para o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, (criado pelo Decreto-Lei n o 719, de 31 de julho de 1969, e restabelecido pela Lei n o 8.172, de 18 de janeiro de 1991). 2. Aspectos importantes. Os recursos arrecadados pela CFEM estão impedidos legalmente de serem utilizados para pagamento de dívidas ou no quadro permanente de pessoal (artigo 8º da Lei 7.990/89 e parágrafo único do artigo 26 do Decreto 01/91). Salvo estas vedações impostas, a opção mais razoável para a aplicação destes recursos, deveria dar-se em benefício e melhoria da qualidade ambiental e de vida da comunidade envolvida, assegurando no futuro, a sobrevivência e sustentabilidade destas cidades. Nesta vereda, fica oportuno considerarmos dois pontos importantes: a previsibilidade de escassez destes recursos não renováveis, e a forte dependência econômica desta atividade, comumente verificada nestes municípios, que acabam por inibir o desenvolvimento de outras atividades, passando a adotar esta como sua principal matriz geradora de empregos. Os economistas definem a situação onde as cidades apresentam grande dependência econômica de uma única atividade, como enclave econômico. Nestas cidades, grande parte das pessoas vivem, dependem e trabalham direta ou indiretamente em apenas um setor, como por exemplo, o setor de extração mineral.

7 7 Alguns autores (Mello ; Martins ) acreditam até mesmo que a atividade mineral não gera um pólo de desenvolvimento, mas sim de dependência. Tal entendimento se justifica quando se verifica que o enclave econômico freqüentemente se caracteriza pela ausência de ligações entre a atividade principal (neste exemplo: atividade mineradora) e os outros setores econômicos da região no qual a empresa está inserida. Neste sentido, verificase a dificuldade ou impossibilidade de se desfrutar de um desenvolvimento auto-sustentado, diversificado e independente da atividade principal (extração mineral). Com efeito, um investimento planejado e sustentado na diversidade econômica e também cultural dos municípios afetados, certamente poderia se converter em benefício da comunidade, evitando o previsível colapso provocado pelo fim desta atividade. Claro, a mineração é uma atividade de exploração de bens naturais não renováveis, portanto, como não poderia ser diferente, verifica-se nesta atividade a questão da temporariedade, ou seja, as reservas minerais possuem um tempo previsível para se exaurirem, ou seja, são finitas. Desta forma, tão importante quanto a elaboração de um Plano de Recuperação de Áreas Degradadas - PRAD, por parte empreendedor, com vistas as questões ambientais e a previsibilidade do encerramento e reaproveitamento futuro da área explorada, também é impreterível um planejamento estratégico sócio-econômico, por parte do Poder Público, sobretudo local. No entanto, se por um lado o plano de fechamento da mina é exigido dos empreendedores, e prevê que as etapas de desativação e fechamento de mina sejam consideradas desde o início do desenvolvimento do seu projeto de 4 MELLO, Ediméia Maria Ribeiro, Mineração de Ferro e Enclave: Estudo de Caso da Companhia Vale do Rio Doce, IX Seminário da Economia Mineira, p. 5 MARTINS, Nildred Stael Fernandes, Dinâmicas Urbanas e Perspectivas de Crescimento Itabira-MG, Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR, p.

8 8 implantação, permitindo a sua constante reavaliação e atualização, por outro lado nada é exigido do Poder Público, que salvo raros exceções, não apresenta a menor condição de por sua livre iniciativa, desenvolver um plano de ações e metas capazes de preparar a cidade para sua reinserção social, econômica e cultural, para o novo contexto que certamente se apresentará com o fim desta atividade. O que temos visto, sobretudo pelos gestores públicos interessados no assunto, é uma discussão acerca dos interesses econômicos, colocando o homem (social) e o ambiente (ambiental) às margens da discussão, como se dissociados pudessem ser, do verdadeiro processo de desenvolvimento sustentável. Não bastasse, muitos destes quando remetem as questões sociais e ambientais ao contexto, o fazem por pura e simples conveniência, mais como justificativa para defenderem seus interesses imediatos, que em reconhecimento de sua importância futura. Claro, os interesses políticos que ora fazem coro, certamente são imediatistas e vivem aos arrepios do planejamento. Quando muito, se concentram ou se aguçam de quatro em quatro anos, de acordo com seus interesses, mormente eleitoreiros, partidários e pessoais. 3. A Natureza Jurídica da CFEM. A compensação financeira pela exploração de recursos minerais fora garantida pela Constituição Federal e instituída pela Lei nº 7.990/89, que veio disciplinar a CFEM e discorrer sobre a forma de se estabelecer seu valor, sendo posteriormente alterado pelo Decreto nº 01/91. Esta compensação financeira dá-se na forma de preço público 6 de caráter indenizatório e receita não-tributária, portanto, diferida do tributo prescrito no artigo 3º do Código Tributário Nacional. 6 Para Torres (2007, p. 188), preço público é o ingresso de caráter não-tributário devido ao Estado a título de contraprestação paga por um benefício.

9 9 Dado caráter não-tributário da CFEM, há que se interpretar que seu prazo prescricional para cobrança é decenal (10 anos), conforme bem dispõe o art. 205 do Código Civil, observada a regra de transição imposta pelo art do mesmo Código de Sua natureza jurídica indenizatória, se justifica como uma contraprestação a ser paga em função das despesas que sobrecarregam e oneram o Poder Público, principalmente em função das externalidades e pressões da atividade extrativista, que impactam diretamente nos equipamentos públicos, serviços de saúde, transporte, segurança, educação e meio ambiente. Os principais entendimentos sedimentados pela jurisprudência são: DIREITO FINANCEIRO. COMPENSAÇÃO PELA EXPLORAÇÃO DE RECURSOS MINERAIS. CONSTITUIÇÃO FEDERA, ART. 20, 1º, LEIS 7.990/89 E 8.001/90. RECEITA PATRIMONIAL E NÃO TRIBUTÁRIA. Os recursos minerais constituem patrimônio da União Federal e sua exploração por terceiros depende de autorização ou concessão estatal (176, 1º). A compensação financeira assegurada pelo 1º do artigo 20 da CF pela exploração dos recursos minerais constitui receita patrimonial, e não tributária, a ela não se aplicando, pois, os princípios constitucionais pertinentes aos tributos. Assim, impertinentes as alegações de ofensa ao princípio da não cumulatividade tributária e à exigência de lei complementar para sua instituição, do mesmo modo que válidos os critérios adotados pelo legislador para cálculo e distribuição de receita, ainda que merecedores de críticas. Apelação a que se nega provimento. TRF 1º REGIÃO Apelação Cível nº /DF Rel. Juiz Osmar Tognolo DJ. 17/05/1996. TRIBUTÁRIO. EXPLORAÇÃO DE RECURSOS MINERAIS. COMPENSAÇÃO FINANCEIRA PELA EXPLORAÇÃO. 7 Código Civil - Lei 10406/02: Art A prescrição ocorre em dez anos, quando a lei não lhe haja fixado prazo menor, e; Art Serão os da lei anterior os prazos, quando reduzidos por este Código, e se, na data de sua entrada em vigor, já houver transcorrido mais da metade do tempo estabelecido na lei revogada.

10 10 NATUREZA JURÍDICA. LEGALIDADE E CONSTITUCIONALIDADE. A compensação financeira para pela exploração de recursos minerais, prevista na Lei nº 7.990, de 28/12/89, não é ilegal nem inconstitucional. Sua cobrança representa apenas o cumprimento de um mandamento constitucional (art. 20, 1º). Não se trata de receita tributária, senão de uma receita patrimonial originária do Estado, como ressarcimento pela exploração mineral no seu território. Improvimento da apelação. TRF 1ª REGIÃO - Apelação Cível Nº /DF Rel. Juiz Olindo Menezes DJ. 09/05/1996. O sistema de direito constitucional positivo vigente no Brasil fiel à tradição republicana iniciada com a Constituição de 1934 instituiu verdadeira separação jurídica entre a propriedade do solo e a propriedade mineral (que incide sobre as jazidas, em lavra ou não, e demais recursos minerais existentes no imóvel) e atribuiu, à União Federal, a titularidade da propriedade mineral, para o específico efeito de exploração econômica e/ou de aproveitamento industrial. A propriedade mineral submete-se ao regime de dominialidade pública. Os bens que a compõem (...) [estão] constitucionalmente integrados ao patrimônio da União Federal. STF, Ag Rg no RE , j , Rel. Min. Celso de Mello, DJ. 06/06/1997 BENS DA UNIÃO (RECURSOS MINERAIS E POTENCIAIS HÍDRICOS DE ENERGIA ELÉTRICA). PARTICIPAÇÃO DOS ENTES FEDERADOS NO PRODUTO OU COMPENSAÇÃO FINANCEIRA POR SUA EXPLORAÇÃO (CF. ART. 20 E 1º). NATUREZA JURÍDICA. CONSTITUCIONALIDADE DA LEGISLAÇÃO DE REGÊNCIA. O tratar-se de prestação pecuniária compulsória instituída por lei não faz necessariamente um tributo da participação nos resultados ou da compensação financeira previstas no artigo. 20, 1º, CF, que configuram receita patrimonial. STF RE /DF Rel. Min. Sepúlveda Pertence DJ. 16/11/2001. Segundo o STF, a compensação financeira pela exploração de recursos minerais é um instrumento constitucional:

11 11 Compensação financeira pela exploração de recursos minerais. Leis 7.990/1989 e 8.001/1990. Constitucionalidade. Arts. 20, 1.º, 154, I, e 155, 3.º, da CF/1988. Precedentes: RE e MS STF, Ag Rg no Ag In , j Rel. Min. Gilmar Mendes DJ. 09/06/2006 Por fim, os Tribunais vêm expressando o entendimento de que a obrigação desta contribuição advém de uma atividade relacionada a exploração de um bem público, haja vista que o subsolo e seus recursos minerais constituem-se bens (patrimônio) da União 8 (art. 20, inciso IX); Portanto, o seu crédito vem a ser uma receita patrimonial. 4. O Desafio. Reconhecendo a suma importância da adequada aplicação desta contribuição, temos fortes motivos para crer que o simples fato de aumentar a alíquota da CFEM, não vai refletir em melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente das cidades mineradoras, motivos pelo qual passamos a expor. Certamente que os recursos financeiros arrecadados, por si só não geram os efeitos e benefícios pretendidos. No entanto a situação fica bem pior, quando verificamos a malversação destes, senão pela desonestidade dos gestores públicos, muito também pelo despreparo destes e dos que os cercam. Acrescente-se a isto a falta de planejamento, incapacidade de gestão e descomprometimento com coletivo, que teremos uma receita de fracasso. 8 Art. 20. São bens da União: (...) IX - os recursos minerais, inclusive os do subsolo;

12 12 A evasão em massa, desemprego, abandono habitacional, subutilização e desaparelhamento da cidade, são problemas previsíveis e algumas conseqüências nefastas de um investimento desordenado e mal planejado. Aplicar corretamente estes recursos pode significar a minimização dos problemas ocasionados pelas as externalidades negativas e efeitos deletérios causados pelos empreendimentos minerários. Ao contrário, a falta de fiscalização e transparência quanto a sua aplicação, podem gerar conseqüências danosas e irreversíveis, que em nada contribuirão para alcançar os propósitos e objetivos de sua instituição. O desafio não está somente na recuperação ambiental de áreas degradadas, prática obrigatória já adotada há algumas décadas, consubstanciada nos princípios da responsabilidade ambiental. O grande desafio, em mesmo grau e importância, é a incorporação das questões econômicas e sociais ao processo como todo, e não tratados isoladamente como acontece hoje, onde o poder público local consegue trilhar em passos largos, caminhos dissonantes do desenvolvimento sustentável e do interesse coletivos, em detrimento de suas visões imediatistas, sem a menor perspectiva de nosso futuro. Isto, por que não há que se falar em eficiência da administração pública, quando se verifica por um lado a falta de capacidade de seus gestores, e por outro, a falta de regulamentação, planejamento e fiscalização na aplicação destes recursos. Afinal muito se arrecada, mas o retorno positivo destes valores não se dá em mesma proporção em qualidade de vida da população, nem tampouco nos serviços públicos ou na infra-estrutura de nosso país. Para ser ter idéia de arrecadação, um estudo encomendado pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) à consultoria Ernst & Young, aponta a carga tributária incidente sobre as atividades minerais no Brasil é uma das três maiores do mundo, o que, por si só, já demonstra que as mineradoras (o setor privado) contribuem aos cofres públicos (o Estado) com valores de primeiro mundo, em que em muito excedem aqueles pagos a título de royalties. Então,

13 13 podemos verificar que a questão não se assenta somente na falta de recursos, mas, sobretudo, na sua gestão. A exemplo podemos citar Congonhas, cidade administrada pelo prefeito Anderson Costa Cabido (PT), que vive a expensas deste município, defendendo o aumento da Cfem em diversos cantos do país, puxando o coro dos prefeitos e representantes de cidades mineradoras. Ótimos motivos apresenta, não fosse a dura realidade da cidade administrada por ele: Quem não conhece Congonhas, pode até pensar que esta anda a mil maravilhas, pois vai abrigar um novo eldorado mínero-siderúrgico e receber um robusto investimento de ordem superior a 20 bilhões de reais do setor privado. Isto, sem contar que a cidade possui menos de 50 mil habitantes (2010) e vem batendo recordes de arrecadação nos últimos 6 anos. Espera-se que em breve a cidade passe a arrecadar mais de 1 milhão de reais por dia. Para se ter uma idéia, só em CFEM nos três primeiros meses de 2011, a cidade já acumulou mais de 10 milhões de reais (veja quadro). Arrecadação CFEM do Estado: MG e Ano: 2011 Cidade Jan. Fev. Mar. Total CONGONHAS , , , ,83 Fonte: https://sistemas.dnpm.gov.br/arrecadacao/extra/relatorios/arrecadacao_cfem_muni.aspx?ano=2011&uf=mg Neste sentido, quando se fala na (ex) histórica, hoje mineradora Cidade dos Profetas, espera-se encontrar uma cidade a altura de sua fama e arrecadação. No entanto, o que é notório e comumente verificado pelos visitantes ilustres, é que se trata de uma cidade mal cuidada, suja, empoeirada, com praças e parques abandonados, com a qualidade de vida bastante

14 14 questionável e uma população que segue angustiada, que mesmo beneficiada pelo alto índice de emprego, reflete um mórbido sentimento de abandono e infelicidade. Qual será então o problema? Certamente não se encontra aos olhos de nossos visitantes, nem tampouco nos cofres da cidade, mas certamente na gestão de seus recursos. O dinheiro que é desperdiçado por esta geração, poderá ser chorado pelas gerações futuras, pois neste rumo o fracasso é inevitável. 5. A Questão. Antes não, mas a lástima está na incapacidade dos gestores públicos, que seguem despreparados para executar uma verdadeira política pública. Gastam mal, tendo muito ou tendo pouco, tanto faz, e a questão pode ir além da incapacidade, se acumulando por vezes com a falta de caráter. Portanto, nosso entendimento de que aumentar a alíquota é importante, mas criar mecanismos legais, estabelecendo regras obrigatórias para sua correta aplicação, faz-se impreterível. Isto, para que possamos alcançar ao mais próximo possível, os objetivos e metas pretendidos com a instauração desta contribuição. Você pode até pensar que responsabilidade e competência para administrar e investir o dinheiro público não se dá por decreto ou lei, o que certamente concordaríamos, mas estas regulações legais podem reduzir as possibilidades de abuso ou desvios, podendo obrigar ou até mesmo apenar, àqueles que descumprirem a imposição legal ditada pelo ordenamento jurídico que tratar do assunto. Afinal a lei é dura, mas é lei - Dura lex, sed lex -, e na administração pública a lei é que obriga, rege e ordena, ou ao menos, é o que deveria ser.

15 15 Neste sentido, pelos motivos aqui já explicitados, também acreditamos que o planejamento e a aplicação destes recursos deve dar-se de forma compartilhada com a sociedade civil (gestão compartilhada), por meio de audiências ou conferências públicas, que teriam força para definir suas prioridades e aplicações. Afinal, não podemos nos esquecer de que estamos tratando da compensação por exploração de recursos naturais que pertencem a todos, tanto as gerações presentes quanto as gerações futuras. Assim, por acreditar no melhor aproveitamento do potencial de nosso país, tanto natural, quanto social e econômico, pela construção de um futuro melhor, este é nosso entendimento. 6. Conclusão A atividade extrativista mineral causa reflexos positivos e negativos nas cidades mineradoras, tanto precedentes a sua instalação, quanto posteriores ao seu término. A acomodação econômica do município dada abundância de arrecadação e geração de emprego, é uma cortina de fumaça que esconde a dependência econômica desta atividade, que não raras vezes, sufoca e inibe o surgimento de outras vocações econômicas. No entanto, sendo um recurso mineral não renovável e mensurável, é possível prever sua exaustão, a fim de se estabelecer um planejamento para que se proceda a essa transição, de maneira menos turbulenta, minimizando os impactos culturais, sociais, econômicos e ambientais. Assim, a Cfem foi instituída com intuito de que os municípios pudessem melhor se preparar para este enfrentamento e transição. Contudo, a má gestão destes recursos, por parte de seus gestores, que usam e abusam de uma discricionariedade inconseqüente e sem nenhum planejamento, colocam a sustentabilidade e o futuro das cidades mineradoras

16 16 em risco, rumo a um previsível colapso econômico, social e cultural, onde o fracasso será inevitável. Em tempo, estabelecer mecanismos legais para bem aplicar os valores arrecadados com a Cfem, através da gestão compartilhada de um fundo específico e bem organizado, pode ser a única alternativa para reduzir as possibilidades de abuso e malversação. Para tanto, concluímos ser de extrema importância, a adoção das seguintes medidas: i) A regulamentação legal para aplicação dos recursos originados com a contribuição financeira por exploração de recursos minerais (Cfem); ii) iii) A criação de um fundo específico a cada município, para receber os valores arrecadados com a Cfem (Fundo Municipal de Contribuição Financeira por Extração Mineral), estabelecendo normas de acesso, bem como áreas para sua aplicação, dentro de um plano de ações e metas previamente aprovado; Organizar a gestão compartilhada do fundo, através de um conselho paritário, consultivo e deliberativo (Conselho Municipal de Gestão da Cfem), que realizará audiências públicas anuais para prestar contas e definir a aplicação dos valores arrecadados, dentro do plano de ações e metas específico. Ante todo exposto, podemos perceber, que se não for estabelecido imediatamente, mecanismos capazes de inibir a malversação destes recursos, ao inverso da promoção de um desenvolvimento sustentável e sustentado, estaremos condenando as nossas cidades ao inevitável colapso social, econômico e ambiental, que irá corroborar com a impossibilidade das gerações futuras em suprirem suas próprias necessidades, das quais hoje desfrutamos em abundância e extremo desperdício.

17 17 Nota sobre o Autor: Neilor S. Aarão é ambientalista, presidente do Partido Verde de Congonhas, Bacharel em Direito, Pós-Graduado em Direito Impacto e Recuperação Ambiental, cursou como aluno especial da disciplina isolada de Tópicos Especiais em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PEA 521) pelo Mestrado em Engenharia Ambiental da UFOP, Doutorando em Ciências Jurídicas Sociais, com área de concentração em direito das futuras gerações. Contato: Lenin já afirmava no inicio do século XX, que o capitalismo não dá valor aquilo que não se pode medir.

Seminário Novo Marco Regulatório do Setor Mineral

Seminário Novo Marco Regulatório do Setor Mineral Instituto Brasileiro de Mineração IBRAM na Câmara dos Deputados Comissão de Minas e Energia Seminário Novo Marco Regulatório do Setor Mineral Painel 2: As possíveis alterações na Compensação Financeira

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º - Águas minerais são aquelas provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Compensação Financeira sobre a Exploração dos Recursos Minerais - CFEM

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Compensação Financeira sobre a Exploração dos Recursos Minerais - CFEM Compensação Financeira sobre a Exploração dos Recursos Minerais - CFEM 27/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA Agosto de 2007 Tópicos da Apresentação Questões tributárias já decididas pelo Judiciário Questões tributárias pendentes de apreciação

Leia mais

14 th Americas School of Mines

14 th Americas School of Mines Fundamentos básicos de tributação em empresas de mineração Palestrante: Juliana Rigo Agenda Introdução Principais tributos e particularidades do setor mineral IPI IRPJ/CSLL PIS/COFINS ICMS CFEM Incentivos

Leia mais

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DA MINERAÇÃO NO BRASIL

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DA MINERAÇÃO NO BRASIL O NOVO MARCO REGULATÓRIO DA MINERAÇÃO NO BRASIL Comissão Especial de Mineração da Câmara dos Deputados Brasília, 27 de agosto de 2013 I PANORAMA ATUAL DA MINERAÇÃO A) BRASIL NO MUNDO Area > 3 milhões km²

Leia mais

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL ABRIL/2011 1. RECEITA TRIBUTÁRIA A Receita Própria do município compõe-se de tributos de suas competências, definidos

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

A NATUREZA JURÍDICA DA COMPENSAÇÃO FINANCEIRA PELA EXPLORAÇÃO DOS RECURSOS MINERAIS - CFEM RESUMO

A NATUREZA JURÍDICA DA COMPENSAÇÃO FINANCEIRA PELA EXPLORAÇÃO DOS RECURSOS MINERAIS - CFEM RESUMO A NATUREZA JURÍDICA DA COMPENSAÇÃO FINANCEIRA PELA EXPLORAÇÃO DOS RECURSOS MINERAIS - CFEM Eliane Freitas Gonçalves * Tiago Martins da Silva * RESUMO A Compensação Financeira pela Exploração dos Recursos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL AGOSTO 2011 1. RECEITA TRIBUTÁRIA A Receita Própria do município compõe-se de tributos de suas competências, definidos

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Royalties do Petróleo: para além da mera disputa por recursos

Royalties do Petróleo: para além da mera disputa por recursos Royalties do Petróleo: para além da mera disputa por recursos Seminário Promovido pelo Observatório Celso Furtado para o Desenvolvimento Regional Flavio Erthal Serviço Geológico do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

0046 - Transferência da Cota-Parte dos Estados e DF Exportadores na Arrecadação do IPI (CF, Art. 159)

0046 - Transferência da Cota-Parte dos Estados e DF Exportadores na Arrecadação do IPI (CF, Art. 159) Programa 0903 - Operações Especiais: Transferências Constitucionais e as Decorrentes de Legislação Específica Número de Ações 22 0044 - Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal - FPE (CF,

Leia mais

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs)

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Curso de Atualização de Direito Tributário 2010 Módulo II 21 de agosto de 2010 Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Ricardo Maitto ricardomaitto@gmail.com Visão geral Base Constitucional

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa UNIDADE VII 1. IMPOSTOS a) definição legal (tributo não-vinculado) b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa c) pessoalidade, em regra

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

IBAM. Informa, ainda, que o Município tem na sua Lei Orgânica,

IBAM. Informa, ainda, que o Município tem na sua Lei Orgânica, PARECER Nº 1612/2010 1 - TB Tributação. Impossibilidade de aumento do IPTU que supere a inflação, por Decreto, com base em criação ou alteração da planta de valores. Possibilidade de a Câmara exercer controle

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins Comentários da prova ISS-SJC/SP Prof. Aline Martins 1 de 7 ANÁLISE DAS QUESTÕES DE DIREITO TRIBUTÁRIO ISS-SJC/SP Oi pessoal! Vou comentar abaixo as quatro questões de Direito Tributário da prova do concurso

Leia mais

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL JUNHO/2011 1. RECEITA TRIBUTÁRIA A Receita Própria do município compõe-se de tributos de suas competências, definidos

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

Regime jurídico das empresas estatais

Regime jurídico das empresas estatais Prof. Márcio Iorio Aranha Regime jurídico das empresas estatais 1) Submissão aos princípios gerais da Administração Pública (art. 37, caput legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência)

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br o palrimôniode afetação

Leia mais

Saiba Mais. Royalties

Saiba Mais. Royalties Saiba Mais Royalties Você sabe o que são royalties? Você sabia que toda empresa que explora recursos naturais, como minérios e água, deve recolher royalties? Você sabia que os recursos destes recolhimentos

Leia mais

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Imposto negado ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Pedro Melchior de Melo Barros Com efeito, o presente estudo cinge-se à discussão de aspectos relativos à inclusão dos valores arrecadados

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

Artigos incluídos ou alterados pela Proposta:

Artigos incluídos ou alterados pela Proposta: ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA ENVIADA AO CONGRESSO EM FEVEREIRO DE 2008 (SE REFERE AOS TÓPICOS DE INTERESSE DOS MUNICÍPIOS) Artigos incluídos ou alterados pela Proposta: Adv.

Leia mais

SENADO FEDERAL MINÉRIO DE FERRO A NECESSIDADE DE ELEVAR OS ROYALTIES SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL MINÉRIO DE FERRO A NECESSIDADE DE ELEVAR OS ROYALTIES SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL MINÉRIO DE FERRO A NECESSIDADE DE ELEVAR OS ROYALTIES SENADOR CLÉSIO ANDRADE APRESENTAÇÃO Em 25 de maio de 2011, apresentei o PLS (Projeto de Lei do Senado) nº 283, que aumenta de 2% para

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme97404 RgA-ER Diário da Justiça de 06/11/2006 10/10/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR : MIN. CEZAR PELUSO AGRAVANTE(S) : AXA SEGUROS BRASIL S/A ADVOGADO(A/S) : FRANCISCO CARLOS ROSAS GIARDINA

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº 2.559, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Institui a Taxa de Combate a Incêndios no município de Morrinhos e dá

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP) PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP) Estabelece o direito ao reembolso dos gastos efetuados por pessoas jurídicas para cumprimento de obrigações acessórias instituídas pela Secretaria

Leia mais

Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada*

Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada* Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada* Vários artigos sobre assunto já escrevemos. A única forma de acabar com as guerras fiscais deflagradas sob diferentes espécies incentivos fiscais

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll sajfâu PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 397 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAC>PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll Vistos,

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO TRIBUTÁRIO I. Sistema Tributário Nacional e Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar... 02 II. Tributos... 04 III. O Estado e o Poder de Tributar. Competência Tributária... 08 IV. Fontes

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 1.103, DE 2007 Dispõe sobre a desvinculação nas faturas de energia elétrica, dos valores relativos ao consumo mensal de energia e à contribuição de iluminação

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL QUESTÃO Nº 13 Gabarito divulgado: D Mantemos o gabarito apresentado na alternativa D. A candidata indicou a alternativa correta, ou seja a alternativa D. Recurso improcedente.

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MINERÁRIO E A ATUAÇÃO DA PGE-PA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MINERÁRIO E A ATUAÇÃO DA PGE-PA LICENCIAMENTO AMBIENTAL MINERÁRIO E A ATUAÇÃO DA PGE-PA Lilian Mendes Haber 2º Debate sobre Mineração (PUC/TJ/PA) Belém - Setembro -2011 1 Parte I O QUE É A PGE-PA 2 Procuradoria Geral do Estado do Pará

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Alegre esperança, atrai futuro feliz. Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Do mesmo modo que o escritor elabora o enredo de um romance. E constrói

Leia mais

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PROFISSIONAL Ponto 1 A instituição financeira A. A., sediada no município de São Paulo, foi surpreendida com o aumento de 9% para 15% da alíquota da contribuição social sobre o

Leia mais

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária 1 XI CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária Osvaldo Santos de Carvalho

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

CFEM FÁCIL Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais

CFEM FÁCIL Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Fundação Estadual do Meio Ambiente FÁCIL Fundação Estadual do Meio Ambiente Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - Sisema Secretaria

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº DE 2012

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº DE 2012 PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº DE 2012 Altera o 1º do art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para dar interpretação à DRU, excluindo de sua base de cálculo a transferência da

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL Registro nº. 6803/2013 PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 Parecer público. Retenção de tributos federais sobre o montante a ser pago pelo fornecimento de energia elétrica.

Leia mais

Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras?

Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras? Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras? Algumas pessoas têm me procurado sobre dúvidas quanto aos repasses feitos pelas prefeituras às câmaras. Em regra, queixam-se que os valores transferidos

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail. PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 2ª parte COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com SISTEMA TRIBUTÁRIO RIO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 2. Competência

Leia mais

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? É necessário começar a estudar Contabilidade e Direito Tributário, pois sem exceção, estas matérias entram no edital de todos

Leia mais

O pagamento de indenização pode ou não acarretar acréscimo patrimonial, dependendo da natureza do bem jurídico a que se refere.

O pagamento de indenização pode ou não acarretar acréscimo patrimonial, dependendo da natureza do bem jurídico a que se refere. Natureza da indenização: O pagamento de indenização pode ou não acarretar acréscimo patrimonial, dependendo da natureza do bem jurídico a que se refere. Contratos de concessão. Prazo 30 anos. O requerimento

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação Fl. 101 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 4 Data 6 de fevereiro de 2014 Origem DRF/BSB/DF (E PROCESSO Nº 10104.720008/2013 12) ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

tributo e suas espécies

tributo e suas espécies CAPÍTULO I Direito Tributário, tributo e suas espécies Sumário 1. Breve introdução ao Direito Tributário 2. Tributo 3. Espécies tributárias: 3.1. Impostos; 3.2. Taxas; 3.3. Contribuição de melhoria; 3.4.

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL Artigo 1 A Constituição Federal passa a vigorar com os seguintes artigos alterados ou acrescidos: Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal: XVI estabelecer

Leia mais

TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO

TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO X Congresso de Direito Tributário em Questão TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO Gramado, julho de 2011 André Luiz Barreto de Paiva Filho

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

É o relatório, passa-se a opinar.

É o relatório, passa-se a opinar. São Paulo, 18 de outubro de 2013. A ABMI ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DA MUSICA INDEPENDENTE Ref: Parecer EC75-2013 Transmitido para o endereço eletrônico: lpegorer@abmi.com.br Prezada Sra. Luciana, O breve parecer

Leia mais

Aspectos Tributários

Aspectos Tributários Aspectos Tributários Principais Tributos IMPOSTOS Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre serviços de qualquer natureza

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA.

NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA. NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA. PROFª UFPR NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO PIS/PASEP E DA COFINS

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA ART. 32. O IMPOSTO, DE COMPETÊNCIA DOS MUNICÍPIOS, SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA TEM COMO FATO GERADOR A PROPRIEDADE, O DOMÍNIO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )2( oãdróca atneme280815 DE-IA 17/05/2005 SEGUNDA TURMA EMB.DECL.NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 518.082-9 SANTA CATARINA RELATOR : MIN. CARLOS VELLOSO EMBARGANTE(S) : COMPANHIA MELHORAMENTO DE CAMBORIÚ - MARAMBAIA

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada*

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Muito se tem discutido acerca do alcance e conteúdo da não comutatividade do PIS/COFINS e PIS/COFINS-importação. Examinemos a questão à luz do 12,

Leia mais

NÃO INCIDÊNCIAS O imposto não incide sobre: I operações com livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão; II operações e

NÃO INCIDÊNCIAS O imposto não incide sobre: I operações com livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão; II operações e ICMS - IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual,

Leia mais

Controvérsias sobre o fato gerador do IPI

Controvérsias sobre o fato gerador do IPI Controvérsias sobre o fato gerador do IPI Kiyoshi Harada* Não há unanimidade na doutrina e na jurisprudência quanto ao fato gerador do IPI. Muitos doutrinadores sustentam que o produto industrializado

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário:

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Constitucionalidade 3 - Obrigação 3.1 - Estabelecimentos

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República subscrito, no uso de suas atribuições legais, em especial o disposto no art. 6º, XX, da Lei Complementar

Leia mais

Valdisio V. de Lacerda Filho)

Valdisio V. de Lacerda Filho) Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador REMESSA OFICIAL N. 073.2003.000954-9 RELATOR : JOÃO MACHADO DE SOUZA IMPETRANTES: Alexandre Fernandes Camelo e outros (Advs.

Leia mais

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa 2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa classificação, entretanto, apresentaremos a seguir aquela que

Leia mais

ANEXO PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA

ANEXO PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA ANEXO PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA QUADROS RESUMO DAS COMPETÊNCIAS TRIBUTÁRIAS, PARTILHAS E TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS VIGENTES E PROPOSTAS RESUMO DAS COMPETÊNCIAS TRIBUTÁRIAS UNIÃO, ESTADOS

Leia mais

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTOS FEDERAIS 1- IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO (II) É um tributo extrafiscal, pois sua finalidade principal não é arrecadar, mas sim controlar o comércio internacional (intervenção no domínio econômico)

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 4ª PARTE CARACTERÍSTICAS CONSTITUCIONAIS DOS IMPOSTOS Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com DOS IMPOSTOS DA UNIÃO Art. 153. Compete

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA. Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA. Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes I Da Exclusão do ISSQN da Base de Cálculo do PIS/COFINS Conforme prescrito nas Leis Complementares nº`s 07/70

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO TRIBUTÁRIO Questão 1 MÁRIO ROBERTO possui terreno limítrofe entre as zonas urbana e rural do município de Pedra Grande. No ano de 2009, ele recebeu o carnê do IPTU, emitido pela Secretaria de Fazenda de Pedra Grande,

Leia mais