Mesa Redonda 4: Regionalização para o Desenvolvimento do Maranhão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mesa Redonda 4: Regionalização para o Desenvolvimento do Maranhão"

Transcrição

1 Seminário Nacional O PLANO MAIS IDH E O DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MARANHÃO Mesa Redonda 4: Regionalização para o Desenvolvimento do Maranhão Felipe de Holanda - IMESC/SEPLAN MA Stop Way Hotel, São Luís, 27 de janeiro de IMESC/SEPLAN MA 1

2 Ações Iniciais do IMESC no Plano de Ações Mais IDH AÇÃO 1 Construção do Banco de Dados dos 30 municípios do plano/ Elaboração de Diagnósticos Preliminar e Avançado / Elaboração de Atlas O que é: Dar subsídio estatístico e cartográfico ao planejamento e execução do Plano Mais IDH, possibilitando assim o monitoramento das suas ações. AÇÃO 2 Desenvolvimento do Sistema de Monitoramento de Indicadores O que é: Criar base de monitoramento de resultados das ações do Plano Mais IDH e seus impactos nos indicadores dos municípios-foco. (Indicadores de diagnóstico, de processo e de impacto). AÇÃO 3 Seminário O Plano Mais IDH e o Desenvolvimento Territorial do Maranhão (em parceria com a SEAP e a SEDIHPOP). O que é: Definir as diretrizes para o Programa de Desenvolvimento Integrado das Regiões do Plano MAIS IDH.

3 Metodologia do IDHM 2013 (com base nos dados censitários de 2010) Fonte: PNUD IMESC/SEPLAN MA 3

4 Ranking Ranking dos 30 municípios do Maranhão com menor IDHM Município Ano de Emancipação População estimada 2014 IDHM 2010 IDHM Renda 2010 IDHM Longevidade 2010 IDHM Educação Fernando Falcão ,443 0,417 0,728 0,286 2 Marajá do Sena ,452 0,400 0,774 0,299 3 Jenipapo dos Vieiras ,490 0,445 0,766 0,346 4 Satubinha ,493 0,450 0,720 0,369 5 Água Doce do Maranhão ,500 0,494 0,697 0,363 6 Lagoa Grande do Maranhão ,502 0,480 0,731 0,360 7 São João do Carú ,509 0,487 0,684 0,397 8 Santana do Maranhão ,510 0,445 0,758 0,394 9 Arame ,512 0,525 0,701 0,365 9 Belágua ,512 0,417 0,707 0,455 9 Conceição do Lago-Açu ,512 0,492 0,738 0,370 9 Primeira Cruz ,512 0,448 0,722 0, Aldeias Altas ,513 0,500 0,720 0, Pedro do Rosário ,516 0,475 0,696 0, São Raimundo do Doca Bezerra ,516 0,478 0,700 0, São Roberto ,516 0,475 0,738 0, São João do Soter ,517 0,486 0,711 0, Centro Novo do Maranhão ,518 0,508 0,717 0, Itaipava do Grajaú ,518 0,456 0,726 0, Santo Amaro do Maranhão ,518 0,454 0,738 0, Brejo de Areia ,519 0,507 0,677 0, Serrano do Maranhão ,519 0,440 0,735 0, Amapá do Maranhão ,520 0,503 0,688 0, Araioses ,521 0,497 0,709 0, Governador Newton Bello ,521 0,509 0,718 0, Cajari ,523 0,456 0,747 0, Santa Filomena do Maranhão ,525 0,461 0,722 0, Milagres do Maranhão ,527 0,465 0,764 0, São Francisco do Maranhão ,528 0,503 0,733 0, Afonso Cunha ,529 IMESC/SEPLAN MA 0,471 0,725 0,434 Fonte: PNUD/ IPEA/ FJP; Elaboração: IMESC/SEPLAN MA. 4

5

6 IMESC/SEPLAN MA 6

7 IMESC/SEPLAN MA 7

8 Da necessidade de Planejar territorialmente as ações do Plano de Ações Mais IDH Cerca de 140 municípios maranhenses se encontram em situações de pobreza/ exclusão social/ privação de capacidades de funcionamento de grande parte da população MUITO SEMELHANTES, em grande parte: menos de 20 mil habitantes; perfil rural; emancipados recentemente; e elevadíssima dependência de transferências fiscal-tributárias. Esta é mais uma razão para que consideremos no planejamento das ações a distribuição espacial desses municípios. Para que as ações em favor dos municípios mais precarizados do estado escapem da lógica tradicional, pontual e fragmentada, propõe-se a adoção de procedimentos de planejamento regional que considerem movimentos sucessivos, abrangentes e em profundidade.

9 Amapá do Maranhão Amapá do Maranhão, Centro Novo do Maranhão, São João do Carú, Governador Newton Belo Características Concentração de Reservas indígenas e unidades de conservação (REBIO do Gurupi); Baixa densidade demográfica; Pertencentes às bacias hidrográficas dos rios Grajaú, Turiaçu e Maracaçumé; Influência direta do Bioma Amazônico. Centro Novo do Maranhão Governador Newton Belo Atividades Agricultura de subsistência Pecuária extensiva Extrativismo mineral ouro (Empresa Jaguar Minning) São João do Carú Obstáculos ao desenvolvimento Dificuldade de acesso viário Extração Vegetal ilegal (desmatamento em reservas indígenas) 9

10 Cajari, Pedro do Rosário, Conceição do Lago Açú, Satubinha Características Pertencentes à Baixada Maranhense Pedro do Rosário Serrano do Maranhão Atividades Extrativismo pesqueiro fluvial (Lago Açú) Piscicultura Pecuária Bubalina Agricultura de subsistência Potencialidades Psicultura Potencial turístico histórico e cênico (Lagos Penalva e Viana) Cajari Serrano do Maranhão Satubinha Conceição do Lago Açú Existência de elevado número de comunidades quilombolas (também em Pedro do Rosário e Cajari) Extrativismo pesqueiro bem estruturado, com deficiências especialmente na comercialização 10

11 Araioses, Primeira Cruz, Água Doce e Santo Amaro do Maranhão rimeira Cruz Belágua Santo Amaro do Maranhã Água Doce Araioses Milagres do Maranhão Santana do Maranhão Características: Área de amortecimento do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses Cobertura vegetal de áreas de restingas e franjas de manguezais Principais atividades Potencial: Agricultura de subsistência, Turismo (Rota das Emoções) Extrativismo pesqueiro e vegetal Pecuária de pequeno porte (caprinos) Aproveitamento de energia eólica Obstáculos ao desenvolvimento Acesso viário, deficiências na infraestrutura urbana e de serviços Belágua, Santana do Maranhão, Milagres do Maranhão Características Cobertura vegetal transitória de cerrados, restingas e cocais. Atividades Agricultura de subsistência e extrativismo vegetal Área isoladas de silvicultura (eucaliptos) e de grãos IMESC/SEPLAN MA Obstáculos ao desenvolvimento Acesso rodoviário (Belágua), conflitos fundiários Potencial Desenvolvimento de avicultura, caprinocultura 11

12 Brejo de Areia Marajá do Sena Arame Lagoa Grande do Mara São Roberto São Raimundo do Doca Bezerra Itaipava do Grajaú Jenipapo dos Vieiras Fernando Falcão Santa Filomena do Maranhão Arame, Lagoa Grande do Maranhão, Marajá do Sena, Itaipava do Grajaú, Jenipapo dos Vieiras, São Raimundo do Doca Bezerra, Fernando Falcão, Brejo de Areia, São Roberto. Santa Filomena do Maranhão. Características: Concentração de Reservas Indígenas e Unidades de Conservação (Parque Estadual do Mirador) Área de cobertura vegetal transitória entre o Bioma Amazônico e sua influência com as matas de cocais e cerrado. Baixa densidade demográfica Atividades Pecuária extensiva Agricultura de subsistência Extrativismo vegetal Potencialidades: Obstáculos ao desenvolvimento Acesso viário precário Dificuldade no acesso aos serviços públicos Extrativismo Vegetal ilegal (desmatamento) Adensamento da cadeia da pecuária, couros e derivados. Turismo em área indígenas Polo Serras Guajajaras, Timbira e Kanela Arame, Fernando Falcão, Itaipava do Grajaú e Jenipapo 12 dos Vieiras

13 Codó Afonso Cunha Aldeias Altas Caxias Aldeias Altas, Afonso Cunha, São João do Sóter Características: Inseridos na bacia do rio Itapecuru Polarizados por Caxias e Codó e sob influência da R. M. de Teresina Presença relevante de comunidades quilombolas em Aldeias Altas e são João do Sóter São João do Sóter Timom Atividades: Agricultura de subsistência, Produção canavieira São Francisco do Maranhão Município pertencente a bacia do rio Parnaíba São Francisco do Maranhão Atividades Pecuária extensiva, agricultura de subsistência e extrativismo vegetal IMESC/SEPLAN MA 13

14 Premissas de grande relevância para referenciar a agenda do Desenvolvimento Territorial do Maranhão: a) Foco territorializado, considerando os municípios-alvo inseridos em territórios/regiões mais amplos, levando em consideração a hierarquia urbana, as identidades históricas, sociais e políticas, as articulações de transportes, as vocações e potencialidades econômicas, além das restrições e oportunidades ambientais; b) O esperado e desejável transbordamento do Plano Mais IDH, não apenas em termos de atores/ sujeitos sociais, mas como marco para o Planejamento Estadual inserido no PPA, e como referência para ações nos demais municípios e regiões do Estado do Maranhão; c) O delineamento de ações de médio e longo prazo, que se seguirão e aprofundarão as ações definidas inicialmente e serão definidos através da mobilização democrática e participativa dos poderes públicos estadual e municipais e das entidades da sociedade civil, considerando-se em especial aquelas ações com impacto na geração de renda e no adensamento das cadeias produtivas já existentes e potenciais.

15 Governo do Estado do Maranhão Comitê Gestor do Plano de Ações Mais IDH Grato! Felipe de Holanda IMESC/SEPLAN MA IMESC/SEPLAN MA 15

Plano de Ações MAIS IDH

Plano de Ações MAIS IDH Eu não tenho saúde. Eu não tenho água encanada. Eu não tenho uma fossa...então, eu não posso dizer que dentro desse lugar tem recurso pra nós, tem ajuda pra nós. Tem não senhor. (Aldenora Leite, 65 anos,

Leia mais

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Maranhão PERÍODO:

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Maranhão PERÍODO: Módulo introdutório de dos Orientadores de Estudo 2100055 ACAILANDIA MUNICIPAL 2100105 AFONSO CUNHA MUNICIPAL 2100154 AGUA DOCE DO MARANHAO MUNICIPAL 2100204 ALCANTARA MUNICIPAL 2100303 ALDEIAS ALTAS MUNICIPAL

Leia mais

CÓDIGOS DO MARANHÃO. Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001

CÓDIGOS DO MARANHÃO. Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001 CÓDIGOS DO Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001 UF MUNICÍPIO CÓDIGO DE ÁREA MA AÇAILÂNDIA 99 MA AFONSO CUNHA 98 MA ÁGUA DOCE DO 98 MA ALCÂNTARA 98 MA ALDEIAS ALTAS 99 MA ALTAMIRA DO 98 MA ALTO ALEGRE

Leia mais

Ensino Médio TEMPO INTEGRAL (3) Rural. Urbana

Ensino Médio TEMPO INTEGRAL (3) Rural. Urbana ANUAL DO FUNDO, POR ENTE GOVERNAMENTAL - - MARANHÃO ACAILANDIA 0,0 1.043,3 7.708 3.508 4.099 1.992 0 0,0 0,0 0,0 108,0 1.016,7 0,0 0,011396201009 18.898.740,41 AFONSO CUNHA 0,0 119,3 450 533 441 123 0

Leia mais

UF Município Micro-Região Classificação Tipo

UF Município Micro-Região Classificação Tipo MA Açailândia Imperatriz Média Renda Inferior Estagnada MA Afonso Cunha Coelho Neto Baixa Renda Estagnada MA Água Doce do Maranhão Baixo Parnaíba Maranhense Baixa Renda Estagnada MA Alcântara Litoral Ocidental

Leia mais

Total de homens Total de mulheres

Total de homens Total de mulheres Nome do população população 2100055 Açailândia 88.320 52.093 51.920 78.241 25.772 104.013 2100105 Afonso Cunha 4.680 3.001 2.956 3.272 2.685 5.957 2100154 Água Doce do Maranhão 9.703 6.026 5.564 3.124

Leia mais

Dados Socioeconômicos dos municípios

Dados Socioeconômicos dos municípios Dados Socioeconômicos dos municípios INSTITUTO MARANHENSE DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICO E CARTOGRÁFICO INSTITUTO MARANHENSE DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICO E CARTOGRÁFICO EXEMPLO DE INDICADORES PARA O PLANO PLURIANUAL

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA N o, DE DE DE 2015 Homologa o resultado da Revisão do Plano de Universalização Rural da Companhia Energética do Maranhão CEMAR e dá outras

Leia mais

A VELHA EXCLUSÃO SOCIAL NO MARANHÃO

A VELHA EXCLUSÃO SOCIAL NO MARANHÃO A VELHA EXCLUSÃO SOCIAL NO MARANHÃO Nesta seção, discute-se a situação do Maranhão, no contexto brasileiro, a partir de dados publicados no livro Atlas da exclusão social no Brasil - 10 anos depois, organizado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA FAMILIAR

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA FAMILIAR SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA FAMILIAR CONTEXTO NACIONAL E REGIONAL DE INSERÇÃO DA EXPERIÊNCIA MARANHÃO: 16º em PIB do país; 26º em IDH; 2º pior IDH do Brasil. Fonte: IPEA e PNUD, 2013 O governo

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

NÚMEROS PARA DISCUSSÃO NÚMEROS PARA DISCUSSÃO

NÚMEROS PARA DISCUSSÃO NÚMEROS PARA DISCUSSÃO NÚMEROS PARA DISCUSSÃO NÚMEROS PARA DISCUSSÃO Números para Discussão Objetiva se fomentar o debate e colher sugestões destacando se alguns números para discussão da comunidade de pesquisa. Nas tabelas

Leia mais

Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira;

Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira; Efervescência Cultural; Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira; Deserto de Areias brancas com

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento Ações de Prevenção e Controle do Desmatamento no Brasil: Amazônia, Cerrado e Caatinga Brasília, setembro

Leia mais

Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio

Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Geografia Ementa Possibilitar a compreensão do conceito, do histórico e contextualização da Geografia.

Leia mais

Departamento de Marketing Rede Mirante de Televisão

Departamento de Marketing Rede Mirante de Televisão Departamento de Marketing Rede Mirante de Televisão REDE MIRANTE DE TELEVISÃO ÁREA DE COBERTURA A Rede Mirante de Televisão é formada por cinco emissoras afiliadas à Rede Globo, com sedes em São Luís,

Leia mais

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima 8ª Semana de Integração Tecnológica - EMBRAPA 26/05/2015 Plano de Energia e Mudanças Climáticas Energia Cooperação internacional Processo Participativo Agricultura,

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Observando os Rios. Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica

Observando os Rios. Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica Observando os Rios Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica OBJETIVO: Capacitar cidadãos, usuários de água, sociedade

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo -

I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo - I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo - Itabuna - julho de 2015. 1/3 I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo Objetivo Geral: Fortalecer

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 066-C

FICHA PROJETO - nº 066-C FICHA PROJETO - nº 066-C CONSOLIDAÇÃO Grande Projeto LOGO Instituição Parceira 1) TÍTULO: Frutos do Cerrado - Fortalecimento Organizacional e Produção Sustentável de Agricultores Extrativistas do Tocantins

Leia mais

Saneamento Cachoeira Alta - GO

Saneamento Cachoeira Alta - GO ANEXO III INFORMAÇÕES PRELIMINARES DO MUNICÍPIO E DO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL Nome do Município/UF Cachoeira Alta- GO População 10.553habitantes Caracterização do sistema de saneamento Breve descrição

Leia mais

POTENCIALIDADES ECONÔMICAS DO ESTADO DO MARANHÃO Estudos de Regionalização n. 4

POTENCIALIDADES ECONÔMICAS DO ESTADO DO MARANHÃO Estudos de Regionalização n. 4 INSTITUTO MARANHENSE DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS E CARTOGRÁFICOS POTENCIALIDADES ECONÔMICAS DO ESTADO DO MARANHÃO Estudos de Regionalização n. 4 SÃO LUÍS-MA 2008 Reis, José Lucio Campos (Coord.) Potencialidades

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

CADERNOS DESIS Nº 10/2016 Estado do Maranhão

CADERNOS DESIS Nº 10/2016 Estado do Maranhão CADERNOS DESIS Nº 10/2016 Estado do Maranhão SUMÁRIO 1 Apresentação 5 2 Metodologia do ICV-M 7 3 Dados estatísticos do estado 9 4 Os indicadores do estado 11 5 O ICV-M do estado 13 6 Os municípios com

Leia mais

BACABEIRA BACURITUBA BREJO DE AREIA BURITI BRAVO BURITICUPU BURITIRANA CACHOEIRA GRANDE CAJAPIO

BACABEIRA BACURITUBA BREJO DE AREIA BURITI BRAVO BURITICUPU BURITIRANA CACHOEIRA GRANDE CAJAPIO UF MUNICÍPIO AFONSO CUNHA AGUA DOCE DO RANHAO ALCANTARA ALDEIAS ALTAS ALTAMIRA DO RANHAO ALTO ALEGRE DO RANHAO ALTO ALEGRE DO PINDARE ALTO PARNAIBA APA DO RANHAO ARANTE DO RANHAO ANAJATUBA ANAPURUS APICUM-ACU

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

ESTIMATIVA DO ADICIONAL DE 1% DO FPM MARANHÃO

ESTIMATIVA DO ADICIONAL DE 1% DO FPM MARANHÃO ESTIMATIVA DO ADICIONAL DE 1% DO FPM MARANHÃO François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de ESTIMATIVA DO ADICIONAL DE 1% DO FPM MARANHÃO François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Gestor

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

COMISSÃO AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL REQUERIMENTO Nº, DE 2012.

COMISSÃO AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL REQUERIMENTO Nº, DE 2012. 1 COMISSÃO AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL REQUERIMENTO Nº, DE 2012. Solicita a realização de Seminário no âmbito desta Comissão, para debate sobre a elaboração, implantação

Leia mais

Governo do Estado do Maranhão Secretaria de Estado do Planejamento e Orçamento - SEPLAN MARANHÃO REGIÕES DE PLANEJAMENTO

Governo do Estado do Maranhão Secretaria de Estado do Planejamento e Orçamento - SEPLAN MARANHÃO REGIÕES DE PLANEJAMENTO Governo do Estado do Maranhão Secretaria de Estado do Planejamento e Orçamento - SEPLAN MARANHÃO REGIÕES DE PLANEJAMENTO GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO -

Leia mais

RESULTADO DO IDH-M DAS UNIDADES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DA REGIÃO METOPOLITANA DE SÃO LUÍS

RESULTADO DO IDH-M DAS UNIDADES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DA REGIÃO METOPOLITANA DE SÃO LUÍS RESULTADO DO IDH-M DAS UNIDADES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DA REGIÃO METOPOLITANA DE SÃO LUÍS GOVERNADORA DO ESTADO DO MARANHÃO Roseana Sarney SECRETÁRIO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO João Bernardo

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Eixo Temático ET-05-018 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-018 - Meio Ambiente e Recursos Naturais Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 269 Eixo Temático ET-05-018 - Meio Ambiente e Recursos Naturais ANÁLISE DOS IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS EM MUNICÍPIOS

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Sumário Executivo Rio Longá

Sumário Executivo Rio Longá Sumário Executivo Rio Longá 2 SUMÁRIO EXECUTIVO Bacia Hidrográfica do Rio Longá recorte de atuação nas nascentes do Rio dos Matos e Rio Correntes, afluentes do Rio Longá. Mapa da bacia e do recorte espacial

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONSELHO ESTADUAL DE SAUDE CES/MA

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONSELHO ESTADUAL DE SAUDE CES/MA DATAS PARA REALIZAÇÃO DE CONFERÊNCIAS POR MACRO REGIÕES(POR MUNICÍPIO) PARA DIVULGAÇÃO 01 18 DE ITAPECURU MIRIM 1. Anajatuba 2. Arari 3. Belágua 4. Cantanhede 5. Itapecuru-Mirim - SEDE 6. Matões do Norte

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Perfil Territorial. Cocais - MA. Desenvolvimento Territorial. Dados Básicos do Território

Perfil Territorial. Cocais - MA. Desenvolvimento Territorial. Dados Básicos do Território Cocais - MA O Território da Cidadania Cocais - MA está localizado na região Nordeste e é composto por 17 municípios: Afonso Cunha, Aldeias Altas, Buriti Bravo, Caxias, Codó, Coelho Neto, Coroatá, Duque

Leia mais

O Futuro das Megacidades. São Paulo março de 2012

O Futuro das Megacidades. São Paulo março de 2012 São Paulo março de 2012 Rede Urbana Paulista Rede Urbana Paulista O território do Estado de São Paulo caracteriza-se pela presença de várias formas espaciais e de distintas escalas de urbanização. Rede

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Brasília, 21 de fevereiro de 2013 MAPA ESTRATÉGICO: Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO Sociedade

Leia mais

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização Política de Desenvolvimento Econômico Aula 2 Prof. Nivaldo Vieira Lourenço Organização da Aula Aspectos conceituais do desenvolvimento regional Mudanças no conceito de região Regionalização brasileira

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO

MINISTÉRIO DO TURISMO Informativo para Pactuação de Cursos FIC do Eixo Hospitalidade e Lazer e Eixo Desenvolvimento Educacional e Social Idiomas: inglês e espanhol Tendo em vista a preparação do Programa Nacional de Qualificação

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO

MINISTÉRIO DO TURISMO Informativo para Pactuação de Cursos FIC do Eixo Hospitalidade e Lazer e Eixo Desenvolvimento Educacional e Social Idiomas: inglês e espanhol Tendo em vista a preparação do Programa Nacional de Qualificação

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

CRONOGRAMA DE REUNIÕES

CRONOGRAMA DE REUNIÕES CRONOGRAMA DE REUNIÕES Cidades Regional Cidade do Evento Açailândia Bom Jesus das Selvas Buriticupu Cidelândia Itinga do Maranhão São Francisco do Brejão São Pedro da Água Branca Vila Nova dos Martírios

Leia mais

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA Caxias do Sul Rio Grande do Sul 96 km POA região nordeste, altitude média 760 m População: 404.187 hab.ibge 2010 território: 165.731,00 ha; urbano: 13.344,00

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

TESTE DE LONGA DURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DE WAIMEA PLANO DE TRABALHO. BLOCO BM-C-41, BACIA DE CAMPOS Processo IBAMA Nº 02022.

TESTE DE LONGA DURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DE WAIMEA PLANO DE TRABALHO. BLOCO BM-C-41, BACIA DE CAMPOS Processo IBAMA Nº 02022. TESTE DE LONGA DURAÇÃO E PLANO DE TRABALHO BLOCO BM-C-41, BACIA DE CAMPOS Processo IBAMA Nº 02022.000204/10 Volume 00 Revisão 02 Agosto/2011 RESPOSTA AO PARECER TÉCNICO CGPEG/DILIC/IBAMA Nº 330/11 Projeto

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

LISTA COMPLETA DE CIDADES ATENDIDAS PELA FEDEX

LISTA COMPLETA DE CIDADES ATENDIDAS PELA FEDEX LISTA COMPLETA DE CIDADES ATENDIDAS PELA FEDEX MUNICÍPIOS/ DISTRITOS UF Unidade FDX Marajá do Sena MA SLZ Água Doce do Maranhão MA SLZ Alcântara MA SLZ Altamira do Maranhão MA SLZ Alto Alegre do Maranhão

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos

Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos Maria Luiza B. Zacharias - IBGE, Brasil Segunda Reunião da Conferência de Estatística das Américas da Comissão Econômica

Leia mais

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Mosaicos de áreas protegidas Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Curso Introdução a Gestão de UCs Rio Branco, junho 2008 SNUC Art. 26. Quando existir um conjunto de unidades

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL DAS COMUNIDADES LINDEIRAS A PARQUES EÓLICOS

A SUSTENTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL DAS COMUNIDADES LINDEIRAS A PARQUES EÓLICOS BWP 2014 A SUSTENTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL DAS COMUNIDADES LINDEIRAS A PARQUES EÓLICOS TARCÍSIO BORIN JUNIOR DIRETOR DE SUSTENTABILIDADE CPFL RENOVÁVEIS CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

PPAG 2016-2019 EM DISCUSSÃO

PPAG 2016-2019 EM DISCUSSÃO PPAG 2016-2019 EM DISCUSSÃO EIXO: EDUCAÇÃO E CULTURA RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO TEMA: NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO O grupo discutiu o Programa 214 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O grupo entendeu

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs Instituto Sociedade, População e Natureza... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias para a conservação e uso sustentável do Cerrado (Mapas elaborados pelo

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015 Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia Belém 03 de Setembro de 2015 TURISMO NÁUTICO Caracteriza-se pela utilização de embarcações

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA CUIABÁ-SANTAR SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO INTERMINISTERIAL Decreto de 15 de março de 2004

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS NA SERRA DO MAR Contrato: IA-RBMA /CEPF 2005/2006 O MaB e as Reservas da Biosfera no Brasil 1991 (1992, 1993, 2000, 2002) RB

Leia mais

PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS

PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS AGOSTO, 2009 PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS Meios de Transportes Atrativo Turístico Necessidades do Turista Turista O turista compra direto com a rede de prestadores de serviços turísticos

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

Promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, ampliando as oportunidades de emprego e renda, a inclusão social, a preservação

Promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, ampliando as oportunidades de emprego e renda, a inclusão social, a preservação GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável MicrobaciasII OBJETIVO GERAL Promover o desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

SEGUNDA-FEIRA, 26 -SETEMBRO - 2005 D.O. PODER JUDICIÁRIO

SEGUNDA-FEIRA, 26 -SETEMBRO - 2005 D.O. PODER JUDICIÁRIO 94 SEGUNDA-FEIRA, 6 -SETEMBRO - 005 D.O. PODER JUDICIÁRIO Público do Estado do Maranhão, vem pelo presente aditivo fazer conhecido aos interessados que o edital nº0/005 de 9 de agosto de 005, passa a vigorar

Leia mais

InformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanej

InformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanej InformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanej amentopraticainformaçãopesquisaplanejamentopraticainformaçãopesquisaplanejamentopraticainformação PesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPrat

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial O Turismo é a atividade mais promissora para a promoção do desenvolvimento sustentável Entretanto...o modelo adotado de Turismo no litoral brasileiro tem

Leia mais

Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues

Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues 1- (UNICAMP) As figuras a seguir representam duas concepções geopolíticas de ocupação da Amazônia brasileira no período militar. Responda às perguntas: a) Quais

Leia mais

Nº 1. Estimativas do déficit habitacional brasileiro (2007-2011) por municípios (2010)

Nº 1. Estimativas do déficit habitacional brasileiro (2007-2011) por municípios (2010) Estimativas do déficit habitacional brasileiro (2007-2011) por municípios (2010) Bernardo Alves Furtado Vicente Correia Lima Neto Cleandro Krause Nº 1 Brasília, maio de 2013 Introdução Esta nota técnica

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais