PROJETOS EXPERIMENTAIS EM RELAÇÕES PÚBLICAS ESTUDO DE CASO - CHORE-TIME LTDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETOS EXPERIMENTAIS EM RELAÇÕES PÚBLICAS ESTUDO DE CASO - CHORE-TIME LTDA"

Transcrição

1 PROJETOS EXPERIMENTAIS EM RELAÇÕES PÚBLICAS ESTUDO DE CASO - CHORE-TIME LTDA APRESENTAÇÃO As empresas necessitam cada vez mais de ações que fortaleçam seu conceito e criem um clima organizacional adequado a sua realidade. Depois de passar por mudanças organizacionais e reestruturações, a venda da matriz Chore-Time Brock Inc.(CTB Inc.) e a transição econômica em que o Brasil se encontra, a Chore-Time Ltda. viu que a necessidade de alcançar, com segurança, o sucesso de seus negócios ia, além de conquistar clientes, conquistar seus próprios colaboradores. As estratégias de Relações Públicas contribuem para alcançar esse conceito favorável: fidelização de colaboradores e clientes. Utilizando estratégias que valorizem o capital humano e trabalhando de forma planejada, ordenada e articulada, a atividade de Relações Públicas cria um clima de motivação entre os colaboradores, alcançando os benefícios que essas ações podem gerar. As organizações estão percebendo a necessidade de repensarem suas estratégias e suas políticas de comunicação. Cabe a estas adotar um sistema de comunicação franca e constante com todos os envolvidos na organização, para evitar que haja surpresas ou que a empresa encontre-se num estágio irreversível. A função de um profissional de Relações Públicas num momento de crise é o de defender, proteger e, reconstruir o conceito da empresa em que está inserido. O profissional de Relações Públicas se depara constantemente com novas realidades e tendências presentes nas empresas, obrigando-se a lidar com diversas variáveis ao mesmo tempo e a demonstrar claramente a importância estratégica de seu trabalho. Este trabalho consiste em um estudo de caso sobre a cultura organizacional em meio a mudanças e crises na Chore-Time Ltda, uma subsidiária da multinacional americana Chore-Time Brock Inc. produtora de equipamentos avícolas e suínos, instalada em Londrina desde Para tanto foi feita uma pesquisa institucional e de clima organizacional para conhecer a realidade da empresa frente à crise interna que estava enfrentando devido a influências macroeconômicas e a venda da Chore Time Brock Inc. nos EUA. Também foi feita uma análise das aspirações dos colaboradores por meio de conversas informais. Para tanto, esse trabalho aborda a Chore Time Ltda, enfatizando sua cultura e clima organizacional e as transformações pelas quais a empresa passou, mostrando a relação entre sua cultura e a mudança organizacional. Palavras Chave: Comunicação, cultura organizacional, crises, Relações Públicas, mudança e motivação. EVOLUÇÃO EMPRESARIAL DA CHORE-TIME LTDA. Com a II Guerra Mundial, observou-se a necessidade de destinar a oferta de carnes vermelhas para os soldados em combate, por isso foi preciso aumentar a produção de carnes alternativas, de preferência de pequenos animais, que estivessem prontas para consumo num curto espaço de tempo. Então, os EUA começaram a desenvolver pesquisas no sentido de obter novas linhagens, rações e alimentos que atendiam as necessidades nutricionais das aves e medicamentos específicos para a avicultura. Neste cenário surgiu a empresa Chore-Time Brock Inc., em 1952, uma multinacional americana, localizada em Milford, Indiana, EUA, focalizada na automação da criação de frangos e suínos agilizando o processo de crescimento e engorda. Em 1989, a Chore-Time Brock Inc.veio para a América Latina especificamente para Montevidéu, no Uruguai, sendo denominada Chore-Time S/A. Em razão do grande

2 número de vendas no mercado brasileiro, surgiu a Chore-Time Ltda. em novembro de 1996, com sede em Londrina, PR., no Brasil. A indústria de frangos e suínos é liderada por grandes e poucas empresas, no qual, ao mesmo tempo, coexistem pequenos e médios abatedouros, vários clandestinos, principal ameaça ao crescimento da empresa no país. Porém, mesmo com este obstáculo a empresa investiu na abertura de mercado brasileiro e apostou na sua capacidade como empresa líder no seu segmento. Os avanços tecnológicos na criação de frangos têm acontecido desde o design de novas peças (bebedouro, alimentadores, etc.) até o desenvolvimento de novos conceitos e alternativas. A idéia é obter o potencial genético máximo das aves com custos cada vez mais reduzidos, seja pela eliminação dos desperdícios ou pela redução de mão-de-obra. Nos incubatórios, além dos avanços conseguidos com materiais e design de peças, a automação dos controles tem tido papel fundamental no aperfeiçoamento da tecnologia. A HISTÓRIA DA CHORE-TIME LTDA O interesse da CTB Inc. pelo Brasil foi despertado na década de 90, num período de profundas transformações para a economia brasileira. Observou-se no Brasil, nos primeiros anos dessa década, um movimento na direção de maior abertura aos fluxos de comércio internacional, liberalização da conta de capitais e desregulamentação econômica. Em 1994, o ministro da fazenda Fernando Henrique Cardoso, do governo Itamar Franco, lança o Plano Real, que se destaca por buscar a estabilização sem medidas tradicionais, como o congelamento de preços e salários. A proposta básica era conter os gastos públicos, acelerar o processo de privatização das estatais, controlar a demanda por meio da elevação dos juros e pressionar diretamente os preços pela facilitação das importações. A médio e longo prazo, o programa previa a continuação da abertura econômica do país e medidas de apoio à modernização das empresas. No mesmo ano, a produção mundial de carnes de aves totalizou 41,5 milhões de toneladas, sendo os EUA os maiores produtores com 15 milhões de toneladas. Com este crescimento das vendas e do mercado consumidor a Chore-Time Brock Inc. depara-se com uma nova missão, conhecer o novo mercado consumidor em expansão na América do Sul. O interesse da empresa americana voltou-se para o mercado brasileiro devido aos incentivos fiscais à importação da nova Lei Complementar de O imposto não incidia sobre as operações e prestações que destinam ao exterior mercadorias, inclusive produtos primários e produtos industrializados semi-elaborados. Logo, a CTB Inc. percebeu que se a disponibilidade de mão-de-obra, custos acessíveis, estrutura educacional, como escolas, universidades existentes e em funcionamento, seriam fatores decisórios na escolha do local no Brasil. Então, no ano de 1996, Douglas Win, um responsável da CTB Inc. embarca num vôo para o Brasil com o objetivo de conhecer São Paulo, a maior cidade da América Latina, e encontrar um local propício para a abertura de uma subsidiária. Durante a viagem, encontrou-se com um brasileiro, Anderson Guedes, estudante de Economia na Universidade Estadual de Londrina, que havia adiado seus estudos para trabalhar nos EUA e estava retornando ao Brasil após alguns anos. O rapaz começou a relatar como era a sua cidade, Londrina, as universidades, estrutura física, entre outros. Despertado o interesse pela cidade, mudou então o seu destino. Após visitar Londrina e conhecer a cidade, o local ideal para a instalação da subsidiária foi decidido. A Chore-Time Ltda nasce da união de cinco pessoas, na qual Anderson Guedes estava inserido, uma unidade social intencionalmente construída, a fim de atingir objetivos 2 1 OLIVEIRA, Juarez de. Código Tributário Nacional. São Paulo: Saraiva, 2000.

3 específicos, além de aumentar o número de vendas de equipamentos na América Latina e oferecer suporte técnico atendendo ao mercado brasileiro e ao mercado do Cone Sul. A estrutura da empresa foi estabelecida inicialmente no Armazém 2 da Rua Bem-te-vi, mas com o aumento das vendas, houve a necessidade de mudança devido à dificuldade de ampliação no local onde estava instalada. Em 1998 a Administração da Chore-Time Ltda. mudou-se para a Rua Condor, 715, no Parque das Indústrias Leves e a Chore-Time Ltda. Manufacturing para a Av. 10 de Dezembro, 5700, onde estão instalados até os dias de hoje. Inicialmente, a Chore-Time Ltda. preocupava-se com investimentos que resultassem em lucro em cinco anos. Porém, a mudança na estrutura econômica do país fez com que mudassem o foco. A Chore-Time Ltda. foi afetada pela instabilidade econômica do país, a troca de controle acionário na matriz CTB Inc. e uma reestruturação interna local. As influências microeconômicas, baseadas na situação política-economico-financeira, deixaram a empresa num momento delicado de espera e não de investimentos, o que também retardou a possibilidade de apresentação de lucros consideráveis. Com seis anos de existência no Brasil, percebe-se que a história da Chore Time Ltda., não era conhecida a fundo por todos os atuais colaboradores, mas que pôde ser detalhada com a ajuda de uma pesquisa de Levantamento Histórico, detectando dados que enfatizavam os passos, tanto da empresa como dos seus colaboradores, buscando opiniões de quem está hoje ou que já esteve na colaboração da empresa aqui no Brasil. O Levantamento Histórico de uma empresa necessita de uma documentação que não seja necessariamente formal, o que é fundamental e que irá gerar uma base de dados interessantes para prospecções de atuações da empresa no mercado e nas ações internas, é o contato direto com os colaboradores que estiveram envolvidos na construção dessa história. Apesar de ser nova no Brasil, a Chore-Time Ltda. é uma empresa de bastante influência no ramo que atua, já que sua matriz, a Chore-Time INC. está há cinqüenta anos no mercado e é considerada líder dentro do seu segmento. A história das duas empresas não se funde, mas tem relação direta. Sendo assim, era de fundamental importância para a Chore-Time Ltda. constituir seu histórico institucional, apresentar aos seus diversos públicos quem é a empresa, suas estratégias, objetivos, metas e perspectivas de trabalho. Na medida em que se procura estruturar uma área de comunicação dentro da empresa, passa-se a armazenar naturalmente informações sobre ela, que foram geradas para os seus públicos. Isso vai acumulando um acervo fundamental para a elaboração do memorial da empresa; porém, em razão do curto espaço de tempo, este memorial não foi construído, mas o resgate histórico começou a despertar interesse dos colaboradores, que sugeriram a matéria para o Infor-time, jornal interno criado como projeto de Relações Públicas, para facilitar a troca de informações entre os colaboradores e a empresa. A HIPÓTESES DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA GLOBALIZAÇÃO O cenário internacional do início dos anos 90 foi marcado pela crescente hegemonia do ideário neoliberal como modelo de ajuste estrutural das economias e pela afirmação do domínio político e militar dos EUA. É a partir desses acontecimentos que a Chore-Time Ltda. foi formada no Brasil, juntamente com sua cultura, que foi influenciada pelos acontecimentos globais que marcaram o Brasil. É decorrente dessa transformação mundial a interferência socio-cultural no universo empresarial. Para Kunsch 2 é exatamente no âmbito desses cenários mutantes e 3 2 artigo Comunicação Organizacional: Convergência entre o público e o privado

4 complexos que as organizações operam, lutam para se manter e para cumprir sua missão e visão, e para cultivar seus valores. Cabe à comunicação um papel relevante neste contexto. Com a globalização e revolução tecnológica, que estabelece um mundo sem fronteiras, com amplas oportunidades de compra e venda, a comunicação, mais especificamente, a atividade de Relações Públicas, está se tornando uma área estratégica dentro da empresa. Muitas organizações têm procurado maneiras de se relacionar melhor, abrindo novos canais de comunicação com seus públicos em busca de resultados positivos. Sabe-se da necessidade da implantação de um trabalho de comunicação integrado e planejado que venha a interagir com todas as áreas da empresa com o intuito de alavancar novos negócios e novas oportunidades de mercado. Baseado nisso, é possível questionar se a atividade de Relações Públicas pode interagir com o departamento de vendas da empresa, gerando resultados favoráveis e impulsionando novos negócios para a mesma. Pensando em elucidar esta questão, surgem algumas hipóteses: o profissional de Relações Públicas pode atuar na prospecção de novos clientes e utilizar-se das ferramentas de Marketing para gerar lucratividade; a função do profissional de Relações Públicas restringe-se a atuação na área de comunicação, não podendo o mesmo atuar em outros setores da empresa; o profissional de Relações Públicas é um vendedor de sua própria imagem, da imagem de sua empresa e dos produtos e serviços que ela desenvolve; não existe interação entre a atividade de Relações Públicas e o Departamento de Vendas. É possível administrar a imagem da empresa perante uma crise; como o profissional de Relações Públicas pode contribuir para o aumento das vendas depois de um período em crise. Baseado nisso tudo, este trabalho pode comprovar a importância das Relações Públicas na promoção de vendas, tendo em vista suas funções e atividades tão essenciais para o êxito das empresas; ressaltar a importância da atuação das Relações Públicas como geradora efetiva de lucros nas organizações; apontar ações que o profissional de Relações Públicas pode desenvolver, as quais venham servir como âncora na manutenção e no desenvolvimento de novas oportunidades de mercado e comprovar que o trabalho em conjunto das Relações Públicas e do Departamento Comercial pode impulsionar o crescimento econômico das empresas. Tal comprovação visa ratificar a necessidade da utilização das Relações Públicas como elo na prospecção e desenvolvimento de novas oportunidades de mercado. Por meio das técnicas, funções e atividades das Relações Públicas, o profissional dessa área poderá torna-se indispensável na interação efetiva com o Departamento de Vendas. O desenvolvimento de projetos especiais, eventos e produtos específicos por esse profissional, poderá contribuir efetivamente para o aumento do faturamento da organização onde atua. No caso da Chore-Time Ltda, o primeiro passo foi a estruturação interna, criando um clima de confiança e motivação, para então partir para estratégias externas. ESTRATÉGIAS DE PRODUTOS A Chore-Time trabalha principalmente com sistemas de transporte automático de rações e de alimentação de suínos e frangos, bebedouros automáticos para aves, sistemas de ventilação e, como atividade acessória, porém não menos importante, a produção de silos de armazenagem de alimentos a granel Chore-Time. Devido a essa dependência da matriz norte-americana, a Chore-Time Ltda. não apresenta condições de modificar ou lançar novos produtos no mercado. Os produtos Chore-Time são vantajosos para os criadores de aves e suínos, pois além da redução de mão-de-obra a qualidade da carne animal é maior, já que a alimentação é balanceada, pontual e muito higiênica. Para o produtor os desperdícios são quase 4

5 extintos e a produtividade é um diferencial para os que possuem um equipamento dessa marca. Sua estratégia mercadológica é a de oferecer sempre a melhor qualidade e tecnologia nos seus produtos, além da manutenção constante dos equipamentos, mesmo que isso os encareçam.desse modo, nenhum fator influenciará a perda dessa qualidade, como diminuição do prazo de entrega ou do preço do produto. Contudo, os criadores de frangos e suínos, com uma mentalidade relacionada ao artesanal, tornam-se receosos em investir em equipamentos com tamanha tecnologia e de alto preço, passando a investir em produtos de concorrentes com nível tecnológico muito abaixo, porém, acima do artesanal. Sendo este um dos grandes problemas que a Chore Time Ltda. enfrentai no Brasil. E por seguir a cultura da matriz CTB Inc., não há a possibilidade de criação de produtos de segunda linha que barateiem os custos, nem da criação de novos equipamentos que atendam especificamente o mercado da América do Sul. Esse quadro faz com que a empresa seja líder de mercado em qualidade, mas não em vendas. O que um cliente gasta com a compra dos equipamentos, é economizado em outras partes do sistema de criação, como no aproveitamento de espaço, não desperdício de ração, mão-de-obra dentre outros, além de garantir a qualidade no desenvolvimento dos animais e do produto final. Para garantir as vendas de um produto desse porte é preciso um trabalho de conscientização sobre a economia em longo prazo e não imediata como esperam os produtores, para isso o papel do profissional de Relações Públicas é o de divulgar cada uma das vantagens do produto, mostrando para o cliente que o preço é o resultado de valores agregados. Para que a atuação do profissional de Relações Públicas tenha êxito nas organizações, cada vez mais competitivas este deve agir estrategicamente, antecipando problemas e projetando soluções; liderar equipes na condução de projetos que visem resultados positivos e, por fim, tornar-se um vendedor apto a auxiliar na produção e cumprimento de metas do Departamento de Vendas CLIMA ORGANIZACIONAL O clima é um conjunto de comportamentos e atitudes que os colaboradores evidenciam nos seus conteúdos profissionais. De acordo com Chiavenato 3, o clima organizacional está ligado ao moral e a satisfação das necessidades dos participantes da organização O clima é constituído de fatores estruturais como, o tipo de organização, a tecnologia, suas políticas, metas, regulamentos e também as atitudes e comportamentos que cercam os envolvidos. O trabalho de Relações Públicas cria e assegura um relacionamento de credibilidade entre a empresa e os seus públicos, é um trabalho em longo prazo que requer atividades como pesquisa, para conhecer, diagnosticar e avaliar o grau de relacionamento entre a organização e seus públicos, planejamento a participação programada. A análise do clima organizacional objetiva determinar as aspirações de seu público, seus valores e comportamentos por meio da medição do grau de motivação dos membros da empresa, analisando o "estado de saúde" da organização. Dado este fato, nota-se a importância de aprofundar estas análises e realizar a pesquisa de clima organizacional. Por meio dela se mapeia e analisa a situação em que a Chore Time Ltda. se encontra, detectando os pontos de carência na empresa que são base para as ações corretivas. A pesquisa de clima organizacional contempla todas as áreas, o que propicia um diagnóstico preciso sobre a situação empresarial. 5 3 CHIAVENATO, Idalberto, Administração: teoria, processo e prática. 3. ed. São Paulo: Markon Books

6 Com o diagnóstico 4 pode-se identificar as oportunidades para melhorias no relacionamento, as metas, objetivos e diretrizes da empresa, detectando as necessidades e o espaço para desenvolver uma ação que efetivamente resulte em maior satisfação de todos, estabelecendo a Cultura Organizacional. Para que o diagnóstico seja preciso e atinja os objetivos, dentre os vários tipos de pesquisas existentes, o profissional de Relações Públicas utiliza-se da Pesquisa Institucional e da pesquisa de Clima Organizacional para conhecer o público da organização e fundamentar o Planejamento de Relações Públicas. Na Chore Time Ltda., a pesquisa institucional foi realizada por meio entrevistas com seus dirigentes, e a opinião do público-alvo (colaboradores) foi verificada por meio de pesquisas e entrevistas. O trabalho de Relações Públicas na aplicação desta pesquisa iniciou-se com a conscientização dos níveis hierárquicos superiores, pois estes deveriam estar totalmente comprometidos com a Pesquisa de Clima Organizacional acreditando nela e incentivando todos a participar para que esta realmente tenha credibilidade por parte dos colaboradores. A Gerência Geral achou importante a execução da pesquisa, já que a empresa passava por momentos de dúvidas com relação ao seu futuro; poderia ser possível verificar a credibilidade da empresa junto dos colaboradores. O próximo passo foi comunicar antecipadamente o público-alvo, sobre a pesquisa bem como seus objetivos e forma de aplicação. A Pesquisa de Clima Organizacional serviu como estimulo a motivação e a integração dos colaboradores, por meio de um sistema que analisa e sugere ações efetivas para a manutenção de um clima organizacional favorável ao desenvolvimento da empresa. Deste modo, os colaboradores puderam expressar sua satisfação ou insatisfação com determinadas ações tomadas pela empresa. O objetivo principal desta pesquisa foi realizar um diagnóstico da situação, da cultura e do clima organizacional, identificando os interesses, necessidades e expectativas da empresa e seus colaboradores. A pesquisa de clima organizacional mostrou que os colaboradores da Chore Time Ltda. estão sempre focalizados nas metas advindas da matriz e no trabalho que deve ser realizado. Isso não faz, porém, com que deixem de criar um clima descontraído e aprazível no local de trabalho. As decisões gerais são tomadas em unidade com todos, buscando sempre o consenso que vise o bem estar da organização. Assim como para as decisões de cada setor busca-se a opinião de todos. A pesquisa contribuiu para confirmar a hipótese da necessidade da mudança cultural. Foi possível conhecer o clima existente na organização, o que facilitou o diagnóstico da importância de uma mudança, principalmente na estrutura interna, criando bases e diretrizes que conduzam todos em uma única direção. O questionário respondido contemplou questões de um maior número possível de áreas, como: liderança, trabalho em equipe, comunicação interpessoal, comunicação organizacional, benefícios, desenvolvimento profissional, expectativas de crescimento, treinamento, valores empresariais e outros. Estes aspectos abordados são justificáveis, pois, ao se refletir sobre a existência de uma empresa indagamos qual o objetivo de sua fundação, o que ela contribui para a sociedade e qual será sua verdadeira identidade. A identidade de uma organização está centrada nos seu conjunto de valores, sua missão e visão. Estes fatores fazem com que todos os colaboradores tenham o mesmo rumo, contribuindo para o sucesso da empresa. 6 4 Processo de Relações Públicas, frisado no livro de Waldyr G. Fortes. Relações públicas: processo, funções, tecnologia e estratégias. Londrina: UEL, 1998.

7 Os valores são os princípios adotados por uma empresa, ou seja, o que é mais importante para ela, como se tratam, como conduzem seus negócios, etc. Foi constatado, como mostra os Gráfico 1, que os valores e princípios da Chore-Time não são facilmente identificados, pois não estão claramente expostos aos colaboradores. Como mostra o gráfico abaixo, no qual a maioria mais discorda do que concorda. Gráfico 1 - Os valores e princípios da Chore-Time estão claramente expostos aos colaboradores? DISCORDO TOTALMENTE 3 MAIS CONCORDO QUE DESCORDO 1 CONCORDO TOTALMENTE 0 1 Este fato é preocupante, pois exibe a falta de direção e perspectiva dos colaboradores no momento vivido pela empresa. Portanto, era necessário que a empresa fizesse um levantamento dos valores e os tornasse conhecidos, tanto na teoria como na prática. Para isso, seria realizado um projeto chamado Bases e Diretrizes que visava estabelecer a missão, os valores e a visão da Chore-Time com a participação de todos os colaboradores nesta elaboração. Os valores bem definidos exprimem o complexo organizacional de uma forma ordenada e sincronizada com todos os integrantes da mesma. Essa definição deve ser buscada por todos da organização para que haja unidade nas decisões. O Gráfico 2 a seguir mostra quais são os principais valores da Chore-Time Ltda. considerados pelos colaboradores, dentre eles estão: a transparência, honestidade, ética e competência Gráfico 2 - o que você considera hoje como os principais valores da Chore-Time Ltda.?

8 8 1 TRANSPARENCIA 7 2 ETICA 4 3 MORALIDADE 1 4 INTEGRIDADE 2 5 HONESTIDADE 5 6 RESPEITO HUMANO 1 7 COMPETENCIA 4 8 RESPONSABILIDADE SOCIAL DINAMISMO 10 EMPREENDEDORISMO 11 INCENTIVO A VIDA SAUDAVEL 12 DISCIPLINA 2 13 COOPERAÇAO JUSTIÇA 15 AMBIÇAO 16 "NADA" - ITEM INEXISTENTE NA PESQUISA 1 1 Estes valores demonstram a identidade da empresa, na qual todas as relações são levadas com muita transparência e competência, atribuindo credibilidade à Chore-Time Ltda.. A honestidade é outro fator de credibilidade que somado à ética forma o perfil ideal de uma empresa cidadã. Também foi abordada a questão do diálogo e da autonomia de cada colaborador, pois o estabelecimento deste a preocupação com sua satisfação é essencial para que se crie um clima agradável. O bom desempenho da comunicação interna é fundamental para que os colaboradores se comprometam com o sucesso desta e para isso precisam estar constantemente informados sobre os objetivos e metas da organização, e ainda terem autonomia para exercitar escolhas e opções. As pessoas são o recurso-chave numa organização e são responsáveis por ela, por isso suas opiniões e sugestões são importantes, já que estes conhecem os pontos fracos e fortes da empresa, que muitas vezes não são vistos da mesma forma pelos dirigentes. Quanto à valorização de suas idéias e sugestões pela empresa, alguns colaboradores estão satisfeitos, mas a maioria gostaria que suas idéias fossem mais bem aproveitadas, como mostra o Gráfico 3. Gráfico 3 - em termos de sentir que s suas idéias e sugestões são ouvidas pela empresa, você está:

9 9 1 MUITO SATISFEITO 0 2 SATISFEITO 3 3 MAIS OU MENOS SATISFEITO 5 4 POUCO SATISFEITO MUITO POUCO SATISFEITO 6 NÃO SABE 2 Após a tabulação, os colaboradores tiveram o interesse de ler o relatório da pesquisa, assim, alguns gráficos e observações foram expostos no mural. COMUNICAÇÃO E CULTURA A cultura e a comunicação mantêm uma relação de influência mútua. Para Marchiori 5, o estudo da cultura organizacional reafirma a centralização do comportamento comunicativo na organização. Cultura é comunicação e comunicação é cultura. A relação entre cultura e comunicação refere-se ao comportamento das pessoas no dia-adia da empresa. Analisando o estilo da comunicação, pode-se inferir importantes características da cultura organizacional. Desta forma, torna-se mais fácil conduzir a comunicação de modo que atinja os seus objetivos. A IMPORTÂNCIA DA CULTURA ORGANIZACIONAL Durante os primeiros anos de existência da Chore-time Ltda no Brasil, a empresa buscou desenvolver-se por meio de diretrizes voltadas para o crescimento das vendas de seus equipamentos, sem estruturar sua missão, metas, objetivos, estratégias de comunicação e sociais, desorientando a sua cultura organizacional. Por definição a cultura organizacional 6 é um conjunto de hábitos, crenças, valores e tradições que direcionam a empresa e seus colaboradores. As mudanças na conduta de uma organização são comuns quando se percebe que os objetivos de surgimento da mesma não estão sendo alcançados, seja por causa da estrutura da organização, ou pela conduta atual da empresa em conduzir os colaboradores num mesmo caminho. Assim como cada empresa tem cultura, que se reflete nas suas estratégias e nas suas posições competitivas, a Chore-Time Ltda. possui uma cultura própria, uma maneira de agir e interagir. E essas culturas, por sua vez, são afetadas pelos fatos ocorridos no passado, pelo clima do presente, pela tecnologia adotada e pelo produto ou serviço que presta e, muito especialmente, pela característica do quadro de pessoal que nela trabalha" (Kunsh, 1990, p. 71). O estudo da cultura organizacional é importante porque tem relação direta com os resultados da empresa. Quando a cultura de uma organização é conhecida, torna-se muito mais fácil trabalhar com as variáveis intervenientes que podem prejudicar ou 5 Comunicação é cultura e Cultura é comunicação, disponível em 6 TAVARES, Maria das Graças Pinho, Cultura organizacional uma abordagem antropológica da mudança, Qualitymark editora, Rio de Janeiro, 2002.

10 potencializar as metas e objetivos. Sobretudo nos processos de mudança em que pode haver rupturas no relacionamento entre a organização e os colaboradores, é fundamental conhecer a cultura da organização para evitar barreiras e aproveitar oportunidades. MISSÃO ORGANIZACIONAL E DIRETRIZES DA CHORE-TIME Uma missão organizacional definida significa, conforme Kotler 7, senso único de propósito, direção à empresa e oportunidade. Ter um senso único de propósito significa, ter o discernimento em conformidade com todos, com a intenção de buscar os principais objetivos que cercam a organização. Visto isto a empresa não sairá da sua direção, e poderá aproveitar as oportunidades que surgem para o futuro. Para a sua criação deve ser descrita em forma de enunciado claro conciso e encorajador, enfocando a singularidade da empresa. Mesmo sendo uma multinacional, com valores e princípios sólidos, a Chore-Time Ltda. não possuía uma missão bem estabelecida. A empresa preocupa-se com sua sobrevivência no mercado e em alcançar sua meta de aumentar o número de vendas consideravelmente. 10 IMAGEM E CONCEITO EMPRESARIAL Algumas formas de agir da empresa podem condicionar a sua imagem e garantir um bom conceito frente a seus públicos, como; pela forma adequada de relacionamento de seus colaboradores com o público externo, pela fabricação de produtos e prestação de serviços com qualidade, pela atuação profissional dentro de princípios éticos, pela consciência de seu papel social e da sua influência na vida das comunidades nas quais atua e no país no qual está instalada. Deste modo, percebe-se a grande necessidade de trabalhar a imagem corporativa para a obtenção de um conceito sólido, criando um programa de relacionamento contínuo com todos os públicos da organização. A Chore-Time Ltda. possui em seu nicho de mercado uma imagem de alta qualidade nos produtos, o que para uma cultura americana é excelente, mas para o Brasil é sinônimo de preço alto, tornando difícil dominar o mercado nacional. Com a promoção de atividades que divulguem as qualidades, com custo-benefício melhor que outras marcas, que a empresa possui e tudo o que pode oferecer para seus clientes a imagem empresarial da Chore-Time Ltda. pode ganhar um novo sentido, até mesmo em culturas, como a brasileira, de sempre buscar o produto com custo mais baixo. Para iniciar o processo de definição do público como formador de opinião, foi feita uma identificação e apreciação do público-alvo 8 da Chore-Time Ltda. e do ambiente. Na classificação de público para a Chore Time Ltda vale ressaltar algumas características especiais. Os representantes, assim como alguns colaboradores e seus familiares, residem em outras cidades, possuindo, portanto, necessidades diferentes dos colaboradores que residem em Londrina. Detectou-se que a Chore-Time Ltda possui em média 1080 clientes, considerados como público externo 9, que possuem contatos esporádicos com a empresa, a maior parte para a manutenção de equipamentos e não para maiores investimentos. Assim, fazia-se necessário estabelecer estratégias de relacionamento com este público, ampliando e fortificando o conceito já existente e conquistando novos clientes. COMUNICAÇÃO E MUDANÇA 7 Administração de Marketing, ª e 2ª fases do processo de Relações Públicas enfatizadas no livro de Fortes, Waldyr Gutierrez, Relações públicas, processo, funções, tecnologia e estratégias, Ed. UEL Classificação de públicos proposta por Andrade. Op cit.

11 Considerando que a cultura organizacional no cotidiano é formada pelo público interno, quando há a necessidade de mudança dos padrões culturais, a comunicação é que vai trazer elementos para que os colaboradores compreendam a situação e a importância da mudança. Cabe ao profissional de Relações Públicas dar forma a esse pensamento, moldando a organização de acordo com os diferentes momentos e tendências do mercado. Mas ter uma idéia brilhante não garante o sucesso. Uma idéia requer uma estratégia bem articulada. É preciso pensar em mudanças, reconhecer o que está errado e projetar soluções. O'Toole 10 considera que os fatores-chave em uma mudança cultural são os de que a mudança seja construída sobre as forças e os valores da organização e que haja participação em todos os níveis. O processo de mudança não deve ser considerado apenas como um problema de tecnologias, estruturas, processos e motivação dos colaboradores. Deve-se também considerar o impacto destas mudanças nos valores da empresa, prevendo quais serão os comportamentos desejados na nova situação e descobrir como desenvolvê-los. MUDANÇA E MOTIVAÇÃO A motivação como tópico deixa de ser um conceito científico para ajudar a entender o homem na sua constituição individual, e se transforma numa ferramenta prática que influencia o comportamento do indivíduo perante as mudanças dentro e fora das organizações 11. Os seres humanos são diferentes uns dos outros, desde suas informações genéticas, experiências pessoais no ambiente familiar como cidade, escola, dentro do chamado Determinismo Ambiental, 12 pelo qual cada pessoa passa. Nas organizações, a disposição em melhorar o nível de motivação dos colaboradores, passa pela identificação dos fatores de Motivação pessoais, de uma equipe, de um grupo e do time organizacional como um todo. Não sendo possível querer satisfazer motivacionalmente um espectro tão grande de pessoas diferentes com as mesmas razões e estímulos. Em detrimento a estes fatos, pesquisas informais foram realizadas para identificação de fatores de Motivação pessoais, valorizando e ouvindo a opinião de todos os colaboradores. Assim, foi possível conhecer cada colaborador, seus hobbies, o que faziam nas horas de lazer, características individuais, as quais foram compartilhadas com os outros colaboradores no Jornal Infor-Time e também no Jornal Mural como forma de entrosamento. Também como fator de motivação pessoal e valorização do indivíduo, realizou-se no dia 14 de Dezembro de 2002 o evento de confraternização da Chore-Time. Este já acontecia anualmente com o objetivo de reunir todos os colaboradores, familiares, representantes da empresa e alguns convidados. Neste ano, foi aplicada uma pesquisa informal por meio de para conferir que tipo de evento os colaboradores gostariam que fosse, e por unanimidade foi escolhido o churrasco. O objetivo era o de reunir os colaboradores fora do local de trabalho para que pudessem descansar e esquecer dos problemas no qual a empresa estava inserida e a crise do momento. Desse modo, optou-se por não realizar nenhum tipo de dinâmica de grupo ou atividade recreativa, já que os mesmo foram para descansar texto Cultura Organizacional e Mudança acesso em 24/08/02 16:26 11 Bergamini, Cecília W. Motivação. São Paulo: Atlas, p 25, Broxado, Sílvio, A verdadeira Motivação na Empresa, colação recursos humanos, Qualitymark, Rio de Janeiro, 2001.

12 Para a realização do evento foi alugada a chácara Itaúna, na cidade de Cambé. A chácara contava com uma estrutura física adequada às atividades que os colaboradores gostam de fazer em seus horários de descanso, como campo de futebol, quadra de voleibol, mesa de sinuca, mesa de pimbolim e piscina. Foi contratado um churrasqueiro para servir os colaboradores, familiares e convidados. Todos se sentiram à vontade no local e desfrutaram de um dia agradável. O churrasco teve inicio às 9:00 horas, encerrando por volta das 21:00 horas. O Evento foi divulgado no Infor-Time e no Jornal Mural, e com antecedência foi feita a escolha e reserva do local, e a confirmação dos participantes para então começar os preparativos, como as compras de materiais, escolha e confecção das lembranças e dos cartões de natal, como mostra a Figura 3, escolha e confecção dos cartões de agradecimento aos convidados e familiares, contratação do churrasqueiro e a compra de alimentos e bebidas. No inicio da confraternização, antes que os convidados chegassem, foi feito a organização do local, e assim que foram chegando começou o tradicional futebol com os colaboradores e representantes. Logo após o almoço foi feita a distribuição das lembranças para todos os presentes, juntamente com os cartões de natal para colaboradores e cartões de agradecimento para os familiares e representantes.o Jogo de vôlei aconteceu após a entrega das lembranças, com todos os convidados participando. Após o evento foi feito uma pesquisa informal com os colaboradores para a avaliação do evento, e constatou-se que todos se divertiram muito, foi um momento agradável e que vai ficar na memória de todos como a última confraternização da empresa, as lembranças também agradaram se tornando objeto de decoração da mesa de todos os colaboradores. Como forma de despedida e recordação as fotos juntamente com uma matéria sobre o churrasco foram publicas no Info-time, distribuído para os colaboradores no dia 05/01/03. Também enviou-se um de agradecimento pela presença dos colaboradores, familiares e representantes. E com as fotos tirados no evento foi confeccionado um portifolio personalizado, como mostra a figura tal, para cada família que estava presente. O Evento foi organizado em um mês, com todos os colaboradores participando da sua organização e dando sugestões sobre o que poderia ser feito no dia. Após a conclusão do projeto de Relações Públicas, o profissional deve estar atento às mudanças que as atividades executadas proporcionaram para o público alvo desse trabalho. Logo, observou-se que o objetivo do evento de confraternização foi atingido, já que todos os colaboradores puderam ter um dia agradável, acompanhados de seus familiares, esquecendo dos problemas e das tarefas do dia a dia. Houve a interação de todos os colaboradores na realização das atividades. RELAÇÕES PÚBLICAS E MUDANÇA ORGANIZACIONAL Para mudar com sucesso é preciso envolver todos os colaboradores nas decisões, no planejamento e na implementação da mudança. O processo de mudança com participação não depende apenas da boa vontade das pessoas, chefes e subordinados. Seu sucesso depende da maneira como é conduzido, o que exige competências específicas: técnicas de análise e resolução de problemas, de trabalho em equipe, de modelagem de sistemas, de mudança de atitudes e comportamentos, de gerenciamento da cultura organizacional. Estas competências definem o perfil profissional dos agentes de mudança. A Chore-Time Ltda. passa hoje por mudanças mercadológicas e comportamentais, portanto, para que essas mudanças ocorram de forma satisfatórias é importante alguns passos básicos: adaptabilidade, ou seja ser flexível; senso de identidade, que nada mais é que o conhecimento do passado por todos os integrantes da empresa; capacidade de 12

13 diagnosticar e compreender o meio ambiente; e integração entre os colaboradores, para que a empresa trabalhe em unidade como um todo orgânico e integrado. A melhor postura que pode ser adotada é a de convencer o público interno da importância de sua participação nas decisões que devem ser tomadas e demonstrar que a sua vontade de apoiar a mudança é fundamental para a sobrevivência da empresa. Desse modo, todos evoluirão num mesmo sentido. O trabalho de comunicação interna deve ser constante, e não apenas realizado ou intensificado durante os processos de mudança acentuada. Philip Lesly 13 afirma que o uso de Relações Públicas como um fator estabilizador do ambiente de trabalho é de caráter preventivo assim como remediador, quando é usada de maneira contínua em vez de apenas quando há ameaças graves. A comunicação deve ser um valor cultural, desenvolvida constantemente pela organização. Desta forma, terá maior efetividade e credibilidade junto ao público interno, funcionando como um fator estratégico nos processos de mudança. SITUAÇÃO ATUAL DA CHORE TIME LTDA. A busca da perfeição e retorno rápido e alto, adotado pela cultura capitalista e neoliberal dos Estados Unidos, se confronta com a realidade latino-americana, mais especificamente o Brasil, onde tudo é em longo prazo e o atrativo se tornou os preços baixos, ficando a qualidade em segundo plano, diferente da cultura americana. Pela incerteza do mercado brasileiro, principalmente causado pelas eleições, e necessidade de amadurecimento rápido exigido pela cultura norte-americana, a Chore- Time Ltda. sofreu graves pressões de retorno do investimento alto que foi feito na empresa brasileira. Mas esses lucros não aconteciam por que os equipamentos da Chore- Time Ltda. são de alta qualidade e, conseqüentemente, alto preço, dificultando as vendas no Brasil. Infelizmente a consciência do criador de aves e suíno brasileiro não é como a dos americanos, que procuram investir em custo-benefício. Aqui no Brasil o comum é investir em equipamentos mais baratos, mesmo que estes não dêem o mesmo retorno financeiro. Em detrimento a estes aspectos a Chore-Time Ltda sentia a necessidade de realizar uma campanha de conscientização com criadores e associações de criadores, mostrando o custo-benefício dos equipamentos Chore-Time e a qualidade que seria agregada ao produto final, pois com uma alimentação balanceada, controlada e planejada, a carne dos animais seria muito mais saudável, os desperdícios diminuiriam e a mão-de-obra seria reduzida consideravelmente, já que apenas um funcionário é capaz de manter um galpão de 50 mil frangos. Neste contexto, a formalização de uma missão organizacional era o que iria somar todos os esforços dos colaboradores fazendo com que saíssem do individualismo e buscassem a união com o todo organizacional, mas uma decisão norte-americana mudaria todo o rumo da empresa. Desde agosto de 2002 quando as ações da Chore-Time Inc. foram postas à venda, uma nova estratégia seria implantada com relação a América Latina. Foi quando a ameaça de fechamento da empresa começou a tumultuar o clima interno e o rendimento dos colaboradores. A partir de então os colaboradores passaram por um cansativo momento de espera desgastando todos e dificultando o relacionamento interno da empresa, principalmente com o diretor geral, os colaboradores estavam apreensivos sem saber o futuro. Presenciando esta mudança dos ânimos, foi iniciado um projeto imediato de motivação individual, com o objetivo de valorizar cada um e colaborar com sua motivação, assim, os colaboradores foram presenteados e homenageados na confraternização com Lesly Philip, Os fundamentos de Relações Públicas e da Comunicação. Pioneira, 1999.

14 lembranças e cartões com algumas mensagens. E para os que aniversariavam nos meses de dezembro e de janeiro também foram presenteados. Em meados de dezembro, diretores norte-americanos vieram ao Brasil para dar a decisão final: o fechamento da subsidiária americana no Brasil. Depois de um longo período de espera e sem muitas atividades, os colaboradores viram-se imersos de resoluções a serem tomadas e providências para que o fechamento da empresa pudesse acontecer. O projeto de Bases e Diretrizes já estava em andamento, com o jornal impresso demonstrado cases sobre a importância de uma missão claramente estabelecida para todos, assim como exemplos de missão, importância da definição dos valores individuais e da empresa, exemplo de visão e outros. No jornal mural, matérias curtas e rápidas sobre empresas que caminham com seus funcionários tendo um mesmo rumo e matérias de motivação. Tudo isso movimentando e estimulando a empresa para a confecção da sua missão. Entretanto, visto essa nova realidade, uma missão não seria mais apropriada, pois com o fechamento da empresa perde o significado e os colaboradores não estavam dispostos a realizar reuniões para formulação de uma missão morta, e com o encerramento da empresa as atividades triplicaram deixando todos sobrecarregados. Sendo assim, iniciou-se um trabalho de motivação com os funcionários para a reposição destes no mercado, valorizando suas aptidões e sustentando a alta estima. Com jornal impresso foi divulgada oportunidade oferecida pelo Sebrae quanto à formação de uma nova empresa e matérias de valorização profissional, já que murmúrios surgiram sobre a abertura de uma outra organização, uma sociedade anônima ou uma cooperativa de equipamentos agrícolas para aves e suínos totalmente desligada da Chore-Time. O jornal mural reafirmou as matérias do impresso com textos mais curtos e diretos. Para incentivo aos colaboradores foi trabalhado o valor pessoal de cada um, para que esses, quando estiverem em busca de uma nova atividade, se autovalorize. Os valores individuais são a força motivadora que influencia intensamente uma pessoa em sua vida. Nesta nova etapa, os erros cometidos pela multinacional americana pretendem ser apagados da nova empresa que surgirá. Entre eles está o fato da empresa fabricar um produto de primeira linha, de custo elevado e não adapta-lo a realidade brasileira. De acordo com os auditores americanos designados a vir ao Brasil prestar esclarecimentos, para a empresa não compensaria criar um produto de segunda linha e ganhar o mercado brasileiro, já que a sua política de produtos ha mais de trinta anos garante à Chore-Time o primeiro lugar no ranking mundial de equipamentos agrícolas na questão de qualidade e venda. Sendo assim, as práticas de relacionamento com os públicos deixaram de ser importantes para a Chore-Time Brock Inc, pois empresas multinacionais assessoradas por departamentos de relações públicas sempre se adaptam as condições do país em que estão se instalando. Infelizmente esta multinacional não tem esta visão, e por conseqüência deste ato podem, num futuro próximo, perder um mercado gigantesco como o brasileiro, que com uma pequena adaptação e uma campanha de conscientização poderia e será um imenso mercado consumidor. De agora em diante ficará sob responsabilidade dos representantes da cidade de Toledo PR a distribuição dos equipamentos da Chore-Time Brock no Brasil, assim como a manutenção dos já existentes. Os colaboradores receberão além dos benefícios trabalhistas legais, uma indenização pelo fato da empresa estar fechando no Brasil, seguro desemprego, plano de saúde familiar (este podendo ser pago em dinheiro) e uma bonificação pelos anos dedicados ao crescimento da empresa no Brasil. Com os acontecimentos atuais foi proposto um projeto para motivar os colaboradores a abrir uma nova empresa, desenvolvendo atividades como palestras e cursos de formação com o Sebrae. Assim como matérias na segunda edição do jornal que dizem respeito à 14

15 formação de empresas e dinâmicas de cooperativas. Este projeto está em andamento e vai auxiliar os colaboradores nessa nova realidade que estão vivendo. Está em andamento um projeto para reestruturação profissional dos colaboradores da Chore-Time proposto pela direção geral da empresa no qual o objetivo é a criação de uma nova empresa, na mesma área de atuação, porém com produtos adequados a realidade brasileira, com utilização de matéria-prima de qualidade, mas com fabricação 100% nacional. Serão planejadas e realizadas palestras com profissionais do Sebrae e BNDES (Banco para o Desenvolvimento de pequenas e médias empresas) para que fique clara a idéia dos recursos necessários para se abrir uma empresa no Brasil. Nessas palestras serão discutidos planos de negócios para a abertura da empresa, suas diretrizes, políticas, valores, missão organizacional, objetivos e estratégias, produtos e métodos de trabalho. Aos colaboradores que não se interessarem por entrar nessa nova sociedade que surgirá do fechamento da Chore-Time Ltda, fica a abertura para sugestões sobre que áreas preferem atuar, estando a empresa à disposição para auxiliar no que for possível. Para todos os colaboradores foi mostrada importância do planejamento e de estratégias direcionadas a cada público dentro de uma organização. Foram elaboradas matérias para o Jornal Infor-Time e para o Jornal Mural, abrindo caminho para outros profissionais de relações públicas atuarem em empresas que estes colaboradores criarem ou estejam trabalhando. RELAÇÕES PÚBLICAS EM TEMPO DE CRISE Em tempo de crises sabe-se que as oportunidades surgem tanto quanto as dificuldades. Porém, nesta hora, todos os passos dados pela empresa devem ser cuidadosamente calculados. A pior reação nestes momentos é o silêncio. O "nada a declarar" é a própria declaração de culpa, e num momento desses, a empresa não pode se dar ao luxo de deixar de ser fonte de informação. "Uma organização deve informar o público da maneira mais rápida e completa possível sobre uma ocorrência prejudicial, a fim de acalmar os nervos, acabar com os boatos e restaurar a confiança"14 Para este fim, foi planejada, junto à Administração, uma carta dirigida aos clientes da Chore-Time, a qual explicava os motivos do fechamento de sua subsidiária, e como seria a manutenção oferecida a todos os clientes, para que intrigas e perturbações surgissem. A crise exige, em relação ao mercado, uma comunicação mais dirigida, mais setorial, uma dinâmica de grupo.15 Ao profissional de Relações Públicas cabe elaborar um esquema de comunicação com o público como um todo, o fornecedor, o cliente, o governo e outros; e ainda com os colaboradores. Assim, a integração de Relações Públicas com outras áreas da empresa deve ocorrer, não só na comunicação com o público externo, mas também com o público interno, focalizando suas ações para que este não sai prejudicado ou com uma má imagem da empresa. 15 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho teve como base à pesquisa institucional na Chore-Time Ltda. para diagnosticar os setores, seus ramos de trabalho e aspirações dos públicos, possibilitando uma análise e reconhecimento geral da empresa. Com base nos dados coletados pela pesquisa institucional, a proposta inicial deste trabalho aplicar estratégias de Relações Públicas na cultura organizacional e na 14 CORRADO, F. A força da comunicação. São Paulo: Makron Books, Edith Negraes, A Utilidade De Relações Públicas Em Tempo De Crise disponível em

16 formação do conceito empresarial da Chore Time Ltda, integrando empresa e colaboradores, lembrando que a sua boa aplicação refletiria no atendimento aos clientes foi modificada de acordo com as necessidades da empresa. A Pesquisa de Clima Organizacional e o Levantamento Histórico da Chore-Time Ltda, serviu para que identificássemos as aspirações dos colaboradores e pudéssemos direcionar a execução de novos projetos que auxiliaram a empresa no cenário em que se encontrava. Com o objetivo de proporcionar maior integração entre os colaboradores da Chore-Time Ltda, foi realizada a confraternização de final de ano da empresa, na qual todos participaram na organização e execução do evento. O projeto Bases e Diretrizes tinha o objetivo de criar a missão organizacional, suas bases e diretrizes de trabalho, bem como políticas e valores da empresa. Este foi inviabilizado devido a situação de conturbação em que a Chore-Time Ltda. se encontrava e ao desfecho que a crise acarretou: o fechamento da empresa no Brasil. Ainda encontra-se em andamento o projeto de Reestruturação Profissional, o qual tem como principal objetivo a constituição de uma nova empresa, formada pelos colaboradores que deixarão a Chore-Time Ltda. devido ao encerramento de suas atividades no Brasil, atuando na mesma área de atividade da Chore-Time Brock Inc. Deste modo, procurou-se frisar a importância da atividade de Relações Públicas assim como o planejamento estratégico para o sucesso da nova organização. Pode-se observar que, a medida que mudavam os objetivos e as tendências da Chore- Time Ltda., o trabalho também foi modificado, utilizando as estratégias necessárias para melhorar a comunicação na empresa, bem como o clima organizacional. A atividade de Relações Públicas busca justamente esse enfoque: fazer com que a organização siga os melhores caminhos para alcançar seus objetivos, se utilizando da comunicação excelente e sempre ligada a todas as áreas da empresa, seja em momentos de ascensão ou crise. 16 BIBLIOGRAFIA ANDRADE, Cândido Teobaldo de Souza. Dicionário profissional de relações públicas e comunicação. 2 ed. São Paulo: Summus, Para entender relações públicas. 4. ed. São Paulo: Loyola, BERGAMINI, Cecília W. Motivação. São Paulo: Atlas, BRAGA, Felipe, A carne Suína, artigo disponível em acessado em 30 de julho de 2002 BROXADO, Sílvio, A verdadeira Motivação na Empresa, colação recursos humanos, Qualitymark, Rio de Janeiro, CONSUL, Júlio Cezar, FRAGA Cristina Kologeski, Cultura Organizacional da brigada militar: algumas considerações pertinentes, artigo disponível em acessado em 3 de agosto de CHIAVENATO, Idalberto, Administração: teoria, processo e prática. 3. ed. São Paulo: Markon Books

17 JAFFE, Glenne R, TODE Dennis T. SCOTY Cynthia, B, Visão valores e missão organizacional, construindo a organização do futuro Qualitymark Editora, Rio de Janeiro, FELIPPE Júnior, Bernardo, Mídias eletrônicas, impressas e alternativas, o que são e como utilizar, Brasília, Ed SEBRAE, FORTES, Waldyr Gutierrez. Pesquisa institucional: diagnóstico organizacional. São Paulo: Loyola, Relações públicas: processo, funções, tecnologia e estratégias. Londrina: UEL, Transmarketing: estratégias avançadas de relações públicas no campo de marketing. São Paulo: Summus, FREITAS, Ricardo Ferreira, LOPES, Luciane, Desafios Contemporâneos em Comunicação. Summus Editora, São Paulo, GAJ, Luís. Tornando a administração estratégica possível. São Paulo: McGraw-Hill, 1990 LESLY, Philip, Os fundamentos de Relações Públicas e da Comunicação. Pioneira, São Paulo, MASIEIRO, Gilmar, Introdução à Administração de Empresas, Ed Atlas, São Paulo, 1996 NEVES, Roberto de Castro, Imagem Empresarial, como as organizações e as pessoas podem proteger e tirar partido do seu maior patrimônio, RJ, Muad, 2 Ed comunicação empresarial integrada, como gerenciar imagem, questões públicas e crises empresariais, Ed. Muad, 2 Ed. Rio de Janeiro, PENTEADO, José Roberto W. Relações públicas nas empresas modernas. Lisboa: Centro do Livro Brasileiro, PERSONA, Mário, Artigo: Gestão de mudanças em tempo de crises, disponível em acessado em 17 de novembro de ROSA, Mário, A Síndrome de Aquiles, como lidar com as crises de imagem, 2 Edição. Ed. Gente, São Paulo, SOUSA, Rejane Assunção, A relação entre cultura, poder e organização na gestão empresarial, disponível em acessado em 7 de julho de KOONSTZ & O DONNEL, Princípios de Administração, Pioneira, KUNSCH, Margarida Maria Krohling, Relações Públicas e Modernidade, 3 Edição. Ed Summus , Obtendo Resultados com Relações Públicas, 17

18 TAVARES, Maria das Graças Pinho, Cultura organizacional uma abordagem antropológica da mudança, Qualitymark editora, Rio de Janeiro, TORQUATO, Gaudêncio, Cultura, poder, comunicação e imagem, fundamentos da nova empresa, Ed. Pioneira, São Paulo, KOTTER John P. O coração da mudança, transformando a empresa com a força das emoções, ed campus, Rio de Janeiro, Consulta On-line acesso constante, último acesso, 02 de Janeiro de acesso constante, último acesso, 05 de Janeiro de acessado em 11 de novembro de acessado em 23 de novembro de acessado em 26 de setembro de acessado em 20 de novembro de acessado em 28 de novembro de acessado em 28 de novembro de acessado em 28 de novembro acessado em 29 de novembro acessado em 29 de novembro acessado em 29 de novembro

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1

Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1 Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1 Marcio José ARIAS 2 Adriana Simões ESTEVES 3 Ana Aline da SILVA 4 Aline Cristina da ROCHA 5 Mariana de Souza FIGUEIREDO 6 Natalia

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fabiane Silveira GOMES 2 Claudia Nociolini REBECHI 3 Universidade Metodista de São Paulo - UMESP, São Paulo, SP RESUMO Em posse de dados cruciais

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution GTI Solution Código de Ética: GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA 1. INTRODUÇÃO A GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS CATEGORIA:

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

QUALIDADE NA EDUCAÇÃO

QUALIDADE NA EDUCAÇÃO QUALIDADE NA EDUCAÇÃO Flavia Donel 1, Denise P. Botega 2, Raquel C. Scher 2, João Helvio Righi de Oliveira 3 Engenharia de Produção UFSM 1 Tuiuti, 19/ Santa Maria; RS donel@bol.com.br Universidade Federal

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Papel da comunicação interna nas organizações

Papel da comunicação interna nas organizações Papel da comunicação interna nas organizações Ana Gabriella BARRETO 1 Isabela MAIA 2 Jaqueline REGINA 3 Nathália MORAIS 4 Vinícius BERNARDO 5 A comunicação interna é uma ferramenta de grande importância

Leia mais

Palavras-chave: comunicação interna; relacionamento, relações públicas; stakeholder

Palavras-chave: comunicação interna; relacionamento, relações públicas; stakeholder Comunicação Interna na Gestão do Relacionamento com os Funcionários 1 Mestranda Vera Elisabeth Damasceno Corrêa PPGCOM/UFRGS 2 e Professora do Curso de Relações Públicas das Faculdades Integradas de Taquara

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

XI Inic EPG - UNIVAP 2011. Top Business Magazine: a linguagem empresarial da região Alan Douglas Batista, Profª Msc. Vânia Braz de Oliveira

XI Inic EPG - UNIVAP 2011. Top Business Magazine: a linguagem empresarial da região Alan Douglas Batista, Profª Msc. Vânia Braz de Oliveira XI Inic EPG - UNIVAP 2011 Top Business Magazine: a linguagem empresarial da região Alan Douglas Batista, Profª Msc. Vânia Braz de Oliveira Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP/ Faculdade de Ciências

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

Processo Único de Federação- PUF

Processo Único de Federação- PUF Processo Único de Federação- PUF 1 1. O que é a FEJEPAR? A Federação das Empresas Juniores do Estado do Paraná FEJEPAR, fundada no ano de 1996 na cidade de Curitiba, é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

Liderança com foco em resultados

Liderança com foco em resultados Liderança com foco em resultados Como produzir mais, em menos tempo e com maior qualidade de vida. Introdução O subtítulo deste texto parece mais uma daquelas promessas de milagres. Independentemente de

Leia mais

O EMPREENDEDOR INTERNO

O EMPREENDEDOR INTERNO Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Centro de Ciências da Comunicação.: Habilitação Relações Públicas Seminário Avançado em Relações Públicas Poliana dos Santos Fraga O EMPREENDEDOR INTERNO

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU E I X O T E C N O L Ó G I C O : G E S T Ã O E N E G Ó C I O S O F I C I N A 1 : M O D E L O D E G E S T Ã O D E S U C E S S O Consultora e Educadora: Elisabete

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais