O ImpactodaUniversalização dosimplesnacionalnaarecadação FederalBrasileira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ImpactodaUniversalização dosimplesnacionalnaarecadação FederalBrasileira"

Transcrição

1 InstitutoBrasileiro de PlanejamentoeTributação O ImpactodaUniversalização dosimplesnacionalnaarecadação FederalBrasileira Marçode2014 GilbertoLuizdoAmaral OthondeAndradeFilho CosmoRogériodeOliveira

2 INSTITUTO BRASILEIRO DE PLANEJAMENTO E TRIBUTAÇÃO O IMPACTO DA UNIVERSALIZAÇÃO DO SIMPLES NACIONAL NA ARRECADAÇÃO FEDERAL BRASILEIRA CURITIBA PR / MARÇO DE 2014

3 ÍNDICES Títulos 1. CRESCIMENTO DA ARRECADAÇÃO Arrecadação total Arrecadação do Simples Nacional A representatividade das empresas por porte e das empresas que podem se enquadrar no Simples Nacional pela condição do valor do faturamento Mensuração do impacto da universalização do Simples Nacional CASO: ESCRITÓRIOS CONTÁBEIS ANTES E DEPOIS DO SIMPLES NACIONAL Emprego Número de escritórios contábeis e arrecadação da Cofins e PIS da atividade CONCLUSÕES Autores Tabelas, gráficos e anexos Tabela 1 Arrecadação da Receita Federal valores em milhões de reais... 4 Tabela 2 - Participação da arrecadação do Simples Nacional - valores em milhões de reais... 5 Tabela 3 - Resumo da arrecadação do Simples Nacional - valores em milhões de reais... 5 Tabela 4 Empresas brasileiras por porte e nível de faturamento... 6 Tabela 5 Participação das empresas nos diversos setores da economia... 6 Tabela 6 Faturamento anual das empresas conforme o porte (2012)... 7 Tabela 7 Distribuição da Perda de Arrecadação em Padrão ABC - Valores em R$ milhões... 8 Tabela 8 Progressão do número de empregos na atividade de contabilidade ( ) Gráfico 1 Análise histórica da arrecadação do PIS e da Cofins comparado com PIB e empresas. Atividade: contabilidade. Período de 2000 a 2012 real e projetado entre 2013 e Anexo 1 Classificação abc das atividades analisadas... 15

4 1. CRESCIMENTO DA ARRECADAÇÃO 1.1 Arrecadação total A arrecadação de todos os tributos administrados pela Receita Federal tem crescido ano a ano, saltando de 602 bilhões em para 1,02 trilhão em 2012 e 1,14 trilhão em Tabela 1 Arrecadação da Receita Federal valores em milhões de reais PERÍODO Receita União (R$) Crescimento anual (%) 13,75% 1,84% 15,40% 20,37% 6,12% 10,60% Fonte: IBPT Preços correntes Unidade: R$ milhões. O crescimento da arrecadação federal com impostos foi de 10,6% e 6,12%, para os períodos de e , respectivamente. A média do crescimento anualizado da série histórica de 2007 a 2013 foi de 11,34%. Para efeito de comparação, o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) no período de está em 2,3%. O crescimento médio do PIB no mesmo período da série temporal é de 3,49%. Dessa forma, é possível verificar que a arrecadação tem crescimento em ritmo superior ao crescimento do PIB, o que demonstra um verdadeiro desequilíbrio em termos reais da atual carga tributária Arrecadação do Simples Nacional A arrecadação do Simples Nacional representa apenas 3,64% da arrecadação tributária total em 2013 e tem crescido ano a ano em representatividade, saltando de R$ 17,6 bilhões em 2008 (União) para R$ 35,2 bilhões de reais em 1 O Simples Nacional teve início em agosto de Para uma análise melhor estruturada é necessário corrigir o efeito da variação cambial sobre a mensuração do PIB, haja vista os números serem apresentados em USD (dólar americano). 4

5 2012, com uma arrecadação recorde de R$ 41,4 bilhões em 2013, conforme a Tabela 3. Tabela 2 - Participação da arrecadação do Simples Nacional valores em milhões de reais * Simples Nac. União Cresc. anual (%) 21,6% 12,9% 34,0% 19,5% 10,5% 17,5% Simples Nac. Estados Cresc. anual (%) 14,1% 2,5% 24,6% 13,9% 5,1% 14,2% Receita Fed. União Participação Simples (%) 1,00% 2,57% 2,85% 3,31% 3,29% 3,43% 3,64% Fonte: IBPT Preços correntes Unidade: R$ milhões. *Agosto a Dezembro. O número de empresas que aderem ao programa do Simples Nacional também apresenta crescimento expressivo, com média de crescimento anual de 16,3% desde o seu lançamento. O crescimento médio da arrecadação de impostos federais foi de 19,3% contra 12,4% e 22,8% para os estados e municípios, respectivamente. Considerando todos os impostos (federais, estaduais e municipais), a arrecadação do Simples Nacional cresceu 18,3% contra 16,3% (2% superior) do crescimento médio do número de empresas. Desta forma, é possível inferir que houve melhoria qualitativa na arrecadação, além do simples crescimento em função do volume de empresas. Portanto, houve crescimento de empresas com maior poder contributivo em escala. Tabela 3 Resumo da arrecadação do Simples Nacional valores em milhões de reais ANO Qtde. de DAS AV (%) União AV (%) Estados AV (%) Municípios AV (%) Total Geral AV (%) * ,8% ,6% ,1% ,1% ,3% ,5% ,9% ,5% ,0% ,9% ,9% ,0% ,6% ,7% ,4% ,4% ,5% ,9% ,1% ,0% ,3% ,5% ,1% ,5% ,9% ,8% ,5% ,2% ,6% ,0% Média(%) 16,3% 21,6% 12,4% 22,8% 18,3% Fonte: Receita Federal do Brasil Preços correntes Unidade: R$ milhões. *Agosto a dezembro. 5

6 1.3 A representatividade das empresas por porte e das empresas que podem se enquadrar no Simples Nacional pela condição do valor do faturamento Dados tributários de arrecadação e de mercado monitorados pelo IBPT demonstram que, no Brasil, 2% das empresas são responsáveis por 82% de toda a arrecadação federal e por todos o faturamento realizado no país. Tabela 4 Empresas brasileiras por porte e nível de faturamento PORTE % FATURAMENTO ANUAL (R$) Grande 2,07 Acima de 48 milhões Médio 14,79 Acima de 3,6 mi até 48 milhões Pequeno 10,78 Acima de 360 mil a 3,6 milhões Microempresa 41,88 Até 360 mil MEI 21,47 Até 60 mil Entidades pub. e privadas 9,01 Independente de faturamento TOTAL 100,00 Fonte: IBPT (2013). Só as empresas de grande porte, de acordo com cálculos do IBPT, representam 63% de toda a arrecadação. A Receita Federal, em várias matérias divulgadas pela imprensa mostra número muito aproximado, 61%, evidenciando a assertividade dos cálculos do IBPT que, além dos tributos federais, leva em conta os estaduais, municipais, inclusive os sindicais. Tabela 5 Participação das empresas nos diversos setores da economia SETOR 30/09/2013 NÚMERO DE EMPRESAS % Serviços ,19 Comércio ,79 Indústria ,17 Agronegócio ,24 Financeiro ,31 Serviços públicos ,29 TOTAL ,00 Fonte: IBPT (2013). No total são, atualmente, 16 milhões de empresas no Brasil, das quais 7,9 milhões de já estão inscritas no Simples Nacional. 6

7 São 447 mil empresas que não estão no Simples Nacional hoje, em virtude do faturamento e que seriam efetivamente beneficiadas caso a universalização do regime tributário venha a ocorrer. Tabela 6 Faturamento anual das empresas conforme o porte (2012) PORTE FATURAMENTO ANUAL EM R$ Grande ,57 Médio ,81 Pequeno ,06 Microempresa ,29 MEI ,20 Entidades públicas e privadas ,38 TOTAL ,31 Estimativa do IBPT com base na arrecadação de tributos federais, estaduais e municipais do ano de Mensuração do impacto da universalização do Simples Nacional Atualmente, 232 atividades encontram-se impossibilitadas de aderir ao programa do Simples Nacional, mesmo que sua receita anualizada esteja abaixo de R$ 3,6 milhões, conforme preconiza a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de Das 232 atividades (CNAES) excluídas do programa, foram desconsiderados no estudos as atividades do segmento financeiro, comércio atacadista, seguradoras, dentre outras. Após o filtro de seleção, a análise do estudo se fundamentou em 140 atividades, em razão do número de empresas, nível de empregabilidade e faturamento. A Tabela 7 evidencia os dados organizados, de acordo com o padrão ABC do IBPT. O padrão ABC considera que as empresas com classificação A apresenta grande valor em faturamento, porém com número reduzido de empresas participantes. Por outro lado, as empresas com classificação C são aquelas com grande número em participação e baixo valor de faturamento. Já as empresas com classificação B se encontram no nível intermediário. 7

8 Tabela 7 Distribuição da Perda de Arrecadação em Padrão ABC - valores em milhões de reais Padrão Perda Total (R$ milhões) AV (%) Faturamento (R$ milhões) AV (%) Qtde. Empresas AV (%) Qtde. CNAES AV (%) C 335,3 34,2% ,6 34,2% ,1% ,7% B 329,5 33,6% ,6 33,6% ,8% 10 7,1% A 316,6 32,3% ,6 32,3% ,1% 3 2,1% Total 981,3 100,0% ,8 100,0% ,0% ,0% Fonte: Receita Federal do Brasil Preços correntes Unidade: R$ milhões. De forma geral, é possível classificar de maneira qualitativa o impacto da Universalização do Simples Nacional, tendo como único critério de seleção o valor do faturamento das empresas, atualmente limitado a R$ 3,6 milhões anualizados. Caso o benefício seja estendido às 140 atividades, a perda de arrecadação e o alcance da medida seria distribuída da seguinte maneira: i. Classificação C: impacto de R$ 335,3 milhões na arrecadação, correspondente a 34,2% da perda total projetada, com atendimento a 242 mil empresas pertencentes a 127 atividades; ii. Classificação B: impacto de R$ 329,5 milhões na arrecadação, correspondente a 33,6% da perda total projetada, com atendimento a 111 mil empresas pertencentes a 10 atividades; iii. Classificação A: impacto de R$ 316,6 milhões na arrecadação, correspondente a 32,3% da perda total projetada, com atendimento a 95 mil empresas pertencentes a 3 atividades. O faturamento seccionado em função do Padrão ABC do IBPT é de R$ 16,1 bilhões, R$ 15,8 bilhões e R$ 15,2 bilhões para as atividades dos grupos C, B e A, respectivamente. O total da arrecadação contempla 447 mil empresas, distribuídas nas 140 atividades é de R$ 47,1 bilhões. Notadamente, com uma perda de R$ 335,3 milhões é possível estender o benefício a 54,1% do número total de empresas, correspondente a 90,7% das atividades e avaliadas. 8

9 Ressaltamos que a arrecadação do Simples Nacional cresceu R$ 7,8 bilhões e R$ 4,2 bilhões, para os períodos e , respectivamente. Apenas com relação aos impostos federais, o crescimento foi de R$ 6,2 bilhões e R$ 3,3 bilhões na mesma comparação. 9

10 2. CASO: ESCRITÓRIOS CONTÁBEIS ANTES E DEPOIS DO SIMPLES NACIONAL Um caso clássico do impacto social, de crescimento de arrecadação e de formalização de empresas, é o de escritórios contábeis no Brasil. Até 2008 esta atividade possuía vedação de enquadramento no Simples Nacional. Com a alteração da legislação, ocorreu significativo aumento no número de empresas, na geração de empregos e no crescimento da arrecadação do Simples Nacional. Nada obstante, o mais relevante é que a arrecadação dos tributos PIS e COFINS das empresas daquele CNAE não sofreu redução. Veja nos quadros abaixo. 2.1 Emprego Com a abertura do Simples Nacional verifica-se expressivo crescimento na geração de empregos. Assim como ocorreu com as demais atividades, os escritórios contábeis aumentaram em 61,8% o número de empregados formais entre 2009 e Tabela 8 Progressão do número de empregos na atividade de contabilidade ( ) Atividades de contabilidade CNAE Número de empregos No período de crescimento de empregos Crescimento percentual no número de empregos = 61,89% Fonte: IBPT (2013). Isso ocorre em razão da redução do peso do INSS patronal cobrado das empresas sobre o salário, o que incentiva o empresário a correr menos riscos com o empregado trabalhando na informalidade. Ao registrar o empregado, o trabalhador tem retido de seu salário a contribuição previdenciária, passando a reduzir o déficit da previdência social. 10

11 Observe que falamos de 61% de crescimento do número de empresas que passam a contribuir com a previdência social. A previdência social também recebe parte do Simples Nacional, que lhe é repassado, sendo calculado sobre o faturamento. 2.2 Número de escritórios contábeis e arrecadação da Cofins e PIS da atividade Os escritórios contábeis tiveram expressivo crescimento em número de empresas e geração de empregos com a abertura da opção do Simples Nacional para esta atividade, conforme evidencia o gráfico abaixo. Gráfico 1 Análise histórica da arrecadação do PIS e da Cofins comparado com PIB e empresas. Atividade: contabilidade. Período de 2000 a 2012 real e projetado entre 2013 e 2016 Num primeiro momento ocorreu uma queda na arrecadação do PIS e da COFINS, que foi transferida para o Simples Nacional. Importante ressaltar que o Simples Nacional registrou aumento de arrecadação de 11% naquele ano e que, além de ter sido elevada a arrecadação daquele tributo, o PIS e a COFINS, 11

12 atualmente, já estão bem próximos da arrecadação registrada em 2008 para esta atividade. Em 2010 a arrecadação do Simples já cresceu 32% em relação ao ano anterior. Em seguida registrou-se um crescimento significativo de 34% do número de empresas já no primeiro ano. Nesta atividade, as empresas são predominantemente microempresas. Com crescimento de empregos a uma taxa de 11% e crescimento em número de empresas de 5%, a arrecadação atual do PIS e da COFINS desta atividade já foi retomada e atualmente tem a taxa de 4% ao ano. 12

13 3. CONCLUSÕES Considerando a existência de 7,9 milhões de micro e empresas de pequeno porte do Brasil, ou seja, aquelas que faturam menos de 3,6 milhões por ano, 447 mil empresas ainda não fazem parte do regime do Simples Nacional, por optarem pelo lucro presumido ou porque são integrantes das 232 atividades com vedação à aderência ao programa. Tendo como parâmetro para o estudo o faturamento dessas empresas por porte, a média de alíquotas e arrecadação a que estarão sujeitas por ocasião da universalização do Simples Nacional; considerando o valor dos tributos por elas pago em razão de seu faturamento e, levando-se em conta o regime tributário adotado atualmente, após simular a arrecadação do Governo Federal com a adoção do regime tributário do Simples Nacional para estas 447 mil empresas, como se tivesse ocorrido no próprio ano de 2013, CONCLUÍMOS que o Governo Federal teria uma perda projetada de R$ 981,3 milhões na arrecadação, que seriam compensados com a expressiva taxa de crescimento de formalização de novos negócios, geração de empregos, pagamento de INSS pelos novos empregados e empreendedores, assim como a melhoria significativa de indicadores econômicos. Ressaltamos, ainda, que de acordo com estatísticas do IBGE existem hoje 6 milhões de empreendedores informais, muitos dos quais profissionais que não abrem seus negócios por não se enquadrarem no regime do Simples Nacional, número este que vem crescendo com a formação de novos profissionais, graças a programas de sucesso de financiamento estudantil do próprio Governo Federal. O benefício concedido a título de renúncia fiscal corresponde a apenas R$ 2 mil por empresa, em média, ao longo de 365 dias. Já o impacto na arrecadação corresponderia a 0,073% do total de arrecadação previsto para 2013, aplicando-se este número a 2014 e anos vindouros. 13

14 Autores Gilberto Luiz do Amaral Presidente do Conselho Superior e Coordenador de Estudos do IBPT Othon de Andrade Filho Diretor de Inteligência do IBPT Cosmo Rogério de Oliveira Pesquisador do IBPT, professor, mestre, doutorando em contabilidade 14

15 Anexo 1 Classificação ABC das atividades analisadas CNAE DESCRIÇÃO NÚMERO DE CURVA EMPRESAS ATIVIDADES DE ORGANIZACOES ASSOCIATIVAS PROFISSIONAIS 19 C CENTROS DE APOIO A PACIENTES COM CANCER E COM AIDS 3 C ATIVIDADES ASSOCIATIVAS NAO ESPECIFICADAS ANTERIORMENTE 11 C ATIVIDADES DE ORGANIZACOES ASSOCIATIVAS LIGADAS A CULTURA 57 C E A ARTE ATIVIDADES DE ORGANIZACOES RELIGIOSAS 12 C ADMINISTRACAO DE CAIXAS ESCOLARES 4 C ATIVIDADES DE BANCOS DE LEITE HUMANO 4 C ATIVIDADES DE ASSISTENCIA A DEFICIENTES FISICOS, 32 C IMUNODEPRIMIDOS E CONVALESCENTES ATIVIDADES DE ASSOCIACOES DE DEFESA DE DIREITOS SOCIAIS 199 C SERVICOS DE BANCOS DE CELULAS E TECIDOS HUMANOS 2 C SERVICOS DE LIQUIDACAO E CUSTODIA 3 C ATIVIDADES DE CENTROS DE ASSISTENCIA PSICOSSOCIAL 115 C REGULACAO DAS ATIVIDADES DE SAUDE, EDUCACAO, SERVICOS 26 C CULTURAIS E OUTROS SERVICOS SOCIAIS SERVICOS DE ASSISTENCIA SOCIAL SEM ALOJAMENTO 229 C SERVICOS DE LITOTRIPSIA 5 C ATIVIDADES DE ASSISTENCIA SOCIAL PRESTADAS EM RESIDENCIAS 169 C COLETIVAS E PARTICULARES NAO ESPECIFICADAS ANTERIORMENTE ATIVIDADES DE TERAPIA DE NUTRICAO ENTERAL E PARENTERAL 17 C ADMINISTRACAO DA INFRA-ESTRUTURA PORTUARIA 12 C ATIVIDADES DE REPRODUCAO HUMANA ASSISTIDA 13 C EDUCACAO PROFISSIONAL DE NIVEL TECNOLOGICO 118 C CLINICAS E RESIDENCIAS GERIATRICAS 383 C SERVICOS DE HEMOTERAPIA 46 C ATIVIDADES DE ASSISTENCIA PSICOSSOCIAL E A SAUDE A 416 C PORTADORES DE DISTURBIOS PSIQUICOS, DEFICIENCIA MENTAL E DEPENDENCIA QUIMICA NAO ESPECIFICADAS ANTERIORMENTE TRANSPORTE FERROVIARIO DE PASSAGEIROS INTERMUNICIPAL E 32 C INTERESTADUAL SERVICOS DE QUIMIOTERAPIA 37 C DESCONTAMINACAO E OUTROS SERVICOS DE GESTAO DE RESIDUOS 91 C SERVICOS DE RADIOTERAPIA 52 C ATIVIDADES DE ACUPUNTURA 50 C SERVICOS MOVEIS DE ATENDIMENTO A URGENCIAS, EXCETO POR UTI 70 C MOVEL CRIACAO DE ESTANDES PARA FEIRAS E EXPOSICOES 144 C TRATAMENTO E DISPOSICAO DE RESIDUOS PERIGOSOS 46 C EDUCACAO SUPERIOR - POS-GRADUACAO E EXTENSAO 367 C ATIVIDADES DO CORREIO NACIONAL 75 C ATIVIDADES DE PODOLOGIA 102 C EDUCACAO SUPERIOR - GRADUACAO 478 C UTI MOVEL 114 C AGENTE DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL 195 C EDUCACAO SUPERIOR - GRADUACAO E POS-GRADUACAO 585 C ATIVIDADES DE ARTISTAS PLASTICOS, JORNALISTAS INDEPENDENTES E 437 C ESCRITORES CORRETORAS DE CONTRATOS DE MERCADORIAS 75 C SERVICOS DE DIALISE E NEFROLOGIA 139 C GESTAO DE REDES DE ESGOTO 74 C SERVICOS DE VACINACAO E IMUNIZACAO HUMANA 140 C LEILOEIROS INDEPENDENTES 175 C TRANSPORTE MARITIMO DE CABOTAGEM - PASSAGEIROS 39 C TRATAMENTO E DISPOSICAO DE RESIDUOS NAO-PERIGOSOS 104 C ATIVIDADES AUXILIARES DA JUSTICA 295 C ATIVIDADES DE TERAPIA OCUPACIONAL 174 C FABRICACAO DE MALTE, INCLUSIVE MALTE UISQUE 13 C DESIGN 714 C 15

16 ATIVIDADES DE APOIO A EDUCACAO, EXCETO CAIXAS ESCOLARES 1338 C FABRICACAO DE FILTROS PARA CIGARROS 1 C AGENCIAMENTO DE PROFISSIONAIS PARA ATIVIDADES ESPORTIVAS, 996 C CULTURAIS E ARTISTICAS ADMINISTRACAO DE OBRAS 1611 C AUDITORIA E CONSULTORIA ATUARIAL 163 C ATIVIDADES DE APOIO A GESTAO DE SAUDE 406 C PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EXPERIMENTAL EM CIENCIAS SOCIAIS 382 C E HUMANAS OPERADOR DE TRANSPORTE MULTIMODAL - OTM 151 C TRANSPORTE POR NAVEGACAO DE TRAVESSIA, INTERMUNICIPAL 116 C ATIVIDADES RELACIONADAS A TELEVISAO POR ASSINATURA, EXCETO 66 C PROGRAMADORAS PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EXPERIMENTAL EM CIENCIAS FISICAS E 559 C NATURAIS CONSULTORIA EM PUBLICIDADE 1069 C FABRICACAO DE POLVORAS, EXPLOSIVOS E DETONANTES 48 C ATIVIDADES DE ESTUDOS GEOLOGICOS 572 C PESQUISAS DE MERCADO E DE OPINIAO PUBLICA 1420 C ATIVIDADES VETERINARIAS 3246 C ATIVIDADES DE INVESTIGACAO PARTICULAR 936 C ATIVIDADES DE PROFISSIONAIS DA NUTRICAO 810 C ATIVIDADES DE CONSULTORIA E AUDITORIA CONTABIL E TRIBUTARIA 1952 C FORNECIMENTO E GESTAO DE RECURSOS HUMANOS PARA TERCEIROS 670 C REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE 329 C JORNAIS, REVISTAS E OUTRAS PUBLICACOES PERITOS E AVALIADORES DE SEGUROS 551 C ATIVIDADES DE ATENDIMENTO EM PRONTO-SOCORRO E UNIDADES 1452 C HOSPITALARES PARA ATENDIMENTO A URGENCIAS SERVICOS DE PERICIA TECNICA RELACIONADOS A SEGURANCA DO 997 C TRABALHO ATIVIDADES DE ENFERMAGEM 1417 C ATIVIDADES DE ATENCAO AMBULATORIAL NAO ESPECIFICADAS 1534 C ANTERIORMENTE COMISSARIA DE DESPACHOS 537 C OUTRAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS, CIENTIFICAS E TECNICAS NAO 5303 C ESPECIFICADAS ANTERIORMENTE SERVICOS DE AGRONOMIA E DE CONSULTORIA AS ATIVIDADES 4809 C AGRICOLAS E PECUARIAS TRANSPORTE RODOVIARIO COLETIVO DE PASSAGEIROS, COM 1284 C ITINERARIO FIXO, INTERESTADUAL ATIVIDADES DE FONOAUDIOLOGIA 1229 C REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE 2085 C VEICULOS AUTOMOTORES TESTES E ANALISES TECNICAS 1657 C ATIVIDADES DE SERVICOS DE COMPLEMENTACAO DIAGNOSTICA E 1584 C TERAPEUTICA NAO ESPECIFICADAS ANTERIORMENTE ORGANIZACAO LOGISTICA DO TRANSPORTE DE CARGA 661 C ATIVIDADES DE INTERMEDIACAO E AGENCIAMENTO DE SERVICOS E 6249 C NEGOCIOS EM GERAL, EXCETO IMOBILIARIOS ATIVIDADE MEDICA AMBULATORIAL COM RECURSOS PARA 2018 C REALIZACAO DE PROCEDIMENTOS CIRURGICOS ATIVIDADES DE AGENCIAMENTO MARITIMO 745 C TERMINAIS RODOVIARIOS E FERROVIARIOS 905 C ORGANIZACAO DE EXCURSOES EM VEICULOS RODOVIARIOS 2308 C PROPRIOS, INTERMUNICIPAL, INTERESTADUAL E INTERNACIONAL FABRICACAO DE CERVEJAS E CHOPES 165 C ATIVIDADES DE PRATICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM 2677 C SAUDE HUMANA REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE PECAS E 3265 C ACESSORIOS NOVOS E USADOS PARA VEICULOS AUTOMOTORES ATIVIDADE MEDICA AMBULATORIAL COM RECURSOS PARA 2723 C REALIZACAO DE EXAMES COMPLEMENTARES ATIVIDADES DE ATENDIMENTO HOSPITALAR, EXCETO PRONTO C SOCORRO E UNIDADES PARA ATENDIMENTO A URGENCIAS SERVICOS DE CARTOGRAFIA, TOPOGRAFIA E GEODESIA 2746 C ATIVIDADES DE PSICOLOGIA E PSICANALISE 3019 C 16

17 AGENCIAMENTO DE CARGAS, EXCETO PARA O TRANSPORTE 1273 C MARITIMO FABRICACAO DE MOTOCICLETAS 124 C ATIVIDADES DE DESPACHANTES ADUANEIROS 1268 C TRANSPORTE RODOVIARIO COLETIVO DE PASSAGEIROS, COM 3510 C ITINERARIO FIXO, INTERMUNICIPAL, EXCETO EM REGIAO METROPOLITANA REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE 1244 C INSTRUMENTOS E MATERIAIS ODONTO-MEDICO-HOSPITALARES SERVICOS DE TRADUCAO, INTERPRETACAO E SIMILARES C ATIVIDADES DE PROFISSIONAIS DA AREA DE SAUDE NAO 3891 C ESPECIFICADAS ANTERIORMENTE TRANSPORTE RODOVIARIO COLETIVO DE PASSAGEIROS, COM 3990 C ITINERARIO FIXO, INTERMUNICIPAL EM REGIAO METROPOLITANA ATIVIDADES TECNICAS RELACIONADAS A ENGENHARIA E 3325 C ARQUITETURA NAO ESPECIFICADAS ANTERIORMENTE FABRICACAO DE CIGARRILHAS E CHARUTOS 26 C SERVICOS ADVOCATICIOS 9637 C FABRICACAO DE AUTOMOVEIS, CAMIONETAS E UTILITARIOS 34 C FABRICACAO DE REFRIGERANTES 373 C FABRICACAO DE VINHO 375 C FABRICACAO DE OUTRAS AGUARDENTES E BEBIDAS DESTILADAS 460 C ATIVIDADES DE FISIOTERAPIA 6240 C LOCACAO DE MAO-DE-OBRA TEMPORARIA 5419 C AGENCIAS DE PUBLICIDADE C SERVICOS DE ARQUITETURA 7425 C TRANSPORTE RODOVIARIO COLETIVO DE PASSAGEIROS, SOB REGIME 8920 C DE FRETAMENTO, INTERMUNICIPAL, INTERESTADUAL E INTERNACIONAL REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE 3313 C MATERIAS-PRIMAS AGRICOLAS E ANIMAIS VIVOS SELECAO E AGENCIAMENTO DE MAO-DE-OBRA 8546 C FABRICACAO DE CIGARROS 42 C REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE 3621 C COMBUSTIVEIS, MINERAIS, PRODUTOS SIDERURGICOS E QUIMICOS CORRETAGEM NO ALUGUEL DE IMOVEIS 8202 C ATIVIDADE ODONTOLOGICA C REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE 4181 C MAQUINAS, EQUIPAMENTOS, EMBARCACOES E AERONAVES CONSULTORIA EM TECNOLOGIA DA INFORMACAO C REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE 4315 C ELETRODOMESTICOS, MOVEIS E ARTIGOS DE USO DOMESTICO CORRETAGEM NA COMPRA E VENDA E AVALIACAO DE IMOVEIS 9982 C REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE 4861 B MEDICAMENTOS, COSMETICOS E PRODUTOS DE PERFUMARIA ATIVIDADE MEDICA AMBULATORIAL RESTRITA A CONSULTAS B CAPTACAO, TRATAMENTO E DISTRIBUICAO DE AGUA 262 B FABRICACAO DE AGUARDENTE DE CANA-DE-ACUCAR 1609 B SERVICOS DE ENGENHARIA B INCORPORACAO DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS B REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE 9801 B MADEIRA, MATERIAL DE CONSTRUCAO E FERRAGENS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS, DE PLANOS DE PREVIDENCIA B COMPLEMENTAR E DE SAUDE REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE TEXTEIS, B VESTUARIO, CALCADOS E ARTIGOS DE VIAGEM REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE B PRODUTOS ALIMENTICIOS, BEBIDAS E FUMO ATIVIDADES DE CONSULTORIA EM GESTAO EMPRESARIAL, EXCETO A CONSULTORIA TECNICA ESPECIFICA OUTROS REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO A ESPECIALIZADO EM PRODUTOS NAO ESPECIFICADOS ANTERIORMENTE REPRESENTANTES COMERCIAIS E AGENTES DO COMERCIO DE A MERCADORIAS EM GERAL NAO ESPECIALIZADO Fonte: IBPT (2013). 17

18 Entre em contato com o IBPT e encomende um estudo de acordo com as suas necessidades. Acesse nosso site em ou utilize as informações abaixo. IBPT Matriz R. Gen. Aristides Athayde Júnior, nº , Curitiba/PR Telefone: (41) IBPT - Unidade Regional Londrina Av. Tiradentes, nº 501, Sala 1501, Torre , Londrina/PR Telefone: (43)

Subclasse CNAE 2.0 DENOMINAÇÃO

Subclasse CNAE 2.0 DENOMINAÇÃO Anexo I da Resolução CGSN nº 6, de 18 de junho de 2007 - Códigos previstos na CNAE impeditivos ao Simples Nacional (Vigência a partir de 1º de dezembro de 2010) Subclasse CNAE 2.0 DENOMINAÇÃO 0910-6/00

Leia mais

ATIVIDADES IMPEDITIVAS AO SIMPLES NACIONAL

ATIVIDADES IMPEDITIVAS AO SIMPLES NACIONAL CNAE ATIVIDADES IMPEDITIVAS AO Para verificar se a ME ou EPP atende aos requisitos pertinentes quando da opção ao Simples Nacional, serão utilizados os códigos de atividades econômicas previstos na Classificação

Leia mais

DENOMINAÇÃO 0910-6/00 ATIVIDADES DE APOIO À EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 1111-9/02 FABRICAÇÃO DE OUTRAS AGUARDENTES E BEBIDAS DESTILADAS

DENOMINAÇÃO 0910-6/00 ATIVIDADES DE APOIO À EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 1111-9/02 FABRICAÇÃO DE OUTRAS AGUARDENTES E BEBIDAS DESTILADAS Anexo I da Resolução CGSN nº 6, de 18 de junho de 2007 - Códigos previstos na CNAE impeditivos ao Simples Nacional (Vigência a partir de 1º de dezembro de 2010) Subclasse CNAE 2.0 DENOMINAÇÃO 0910-6/00

Leia mais

ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0

ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0 ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0 Código Descrição 1830-0/03-00 REPRODUCAO DE SOFTWARE EM QUALQUER SUPORTE 6190-6/01-00 PROVEDORES DE ACESSO AS REDES

Leia mais

ANEXO III AUTORIZAÇÃO PARA GERAÇÃO DA NFSE A PARTIR DE 01/02/2015. Descrição do Código CNAE 2.0

ANEXO III AUTORIZAÇÃO PARA GERAÇÃO DA NFSE A PARTIR DE 01/02/2015. Descrição do Código CNAE 2.0 7740-3/00 Gestão de ativos intangíveis não-financeiros 03.02 9311-5/00 Gestão de instalações de esportes 03.03 8211-3/00 Serviços combinados de escritório e apoio administrativo 03.03 8230-0/02 Casas de

Leia mais

Anexo I - Códigos previstos na CNAE impeditivos ao Simples Nacional

Anexo I - Códigos previstos na CNAE impeditivos ao Simples Nacional 1 de 6 Anexo I - Códigos previstos na CNAE impeditivos ao Simples Nacional Subclasse CNAE 2.0 Denominação 0162-8/01 Serviço de inseminação artificial em animais 0230-6/00 Atividades de apoio à produção

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

Simples Nacional - Atividades permitidas e vedadas no sistema

Simples Nacional - Atividades permitidas e vedadas no sistema Simples Nacional - Atividades permitidas e vedadas no sistema Sumário 1. Atividades expressamente vedadas 2. Atividades expressamente admitidas Sumário 1. Atividades expressamente vedadas Preliminarmente,

Leia mais

Simples Nacional. Repercussão jurídico-econômica de sua adesão frente às novas categorias/atividades incluídas e a tributação pelo lucro presumido

Simples Nacional. Repercussão jurídico-econômica de sua adesão frente às novas categorias/atividades incluídas e a tributação pelo lucro presumido Simples Nacional Repercussão jurídico-econômica de sua adesão frente às novas categorias/atividades incluídas e a tributação pelo lucro presumido Gramado RS 27 de junho de 2015 O SIMPLES Nacional é um

Leia mais

TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006. Até 180.000,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25%

TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006. Até 180.000,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25% ... Informativo 0 Página 0 Ano 2015 TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006 Alíquotas e Partilha do Simples Nacional Comércio Receita Bruta em 12 meses (em

Leia mais

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e Jorge Pereira de Souza Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 PROGRAMA A INTRODUÇÃO DO SUPER SIMPLES PARA OS SERVIÇOS DE

Leia mais

Notas Fiscais de Serviços contratados de terceiros CUIDADOS GERAIS

Notas Fiscais de Serviços contratados de terceiros CUIDADOS GERAIS CIRCULAR Nº 30/2012 São Paulo, 16 de Agosto de 2012. Notas Fiscais de Serviços contratados de terceiros CUIDADOS GERAIS Prezado Cliente, Nesta circular constam alguns procedimentos muito importantes relacionados

Leia mais

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013 Edição n 1165

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013 Edição n 1165 ANEXO ÚNICO DA LEI MUNICIPAL Nº 1.501 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013 3011-3/01 Construção de embarcações de grande porte 3311- Manutenção e reparação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras, 2/00 exceto

Leia mais

ATIVIDADES PERMITIDAS EM ESCRITÓRIO VIRTUAL

ATIVIDADES PERMITIDAS EM ESCRITÓRIO VIRTUAL 3011-3/01 Construção de embarcações de grande porte 3250-7/06 Serviços de prótese dentária 3311-2/00 Manutenção e reparação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras, exceto para veículos 3312-1/01

Leia mais

Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) - Verificação de códigos de atividades econômicas para fins da opção

Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) - Verificação de códigos de atividades econômicas para fins da opção Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) - Verificação de códigos de atividades econômicas para fins da opção 1. Introdução O Comitê Gestor mediante a publicação da Resolução CGSN nº 6/2007,

Leia mais

ANEXO II - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/11/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0

ANEXO II - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/11/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0 ANEXO II - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/11/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0 Código Descrição 0161-0/99-00 ATIVIDADES DE APOIO A AGRICULTURA NAO RELACIONADOS 7732-2/02-00 ALUGUEL DE ANDAIMES

Leia mais

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL Gilberto Luiz do Amaral INTRODUÇÃO A REFERÊNCIA PRINCIPAL deste trabalho

Leia mais

Instrução Normativa nº. 01/2012

Instrução Normativa nº. 01/2012 Instrução Normativa nº. 01/2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade da emissão e utilização da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e), instituída pelo Decreto nº. 319, de 04 de outubro de 2011, para as

Leia mais

R. Gen. Aristides Athayde Junior, 350. 80730-370. Bigorrilho. Curitiba. Paraná Telefone: 41 3053-3219. www.ibpt.org.br

R. Gen. Aristides Athayde Junior, 350. 80730-370. Bigorrilho. Curitiba. Paraná Telefone: 41 3053-3219. www.ibpt.org.br DESONERAÇÃO DO IPI PARA AUTOMÓVEIS E VEÍCULOS LEVES Em 2009 iniciou a desoneração do IPI Imposto sobre Produtos Industrializados para automóveis e veículos comerciais leves. No ano anterior, a arrecadação

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Filiais ativas por Atividade Econômica

Filiais ativas por Atividade Econômica Os números exibidos abaixo foram atualizados em 28/01/2014. Filiais ativas por Atividade Econômica Atividade Econômica 2012 VARIAÇÃO 2012-2013 Empresas ativas até 2013 VARIAÇÃO 2013-2014 28/01/2014 REPRESENTAÇÃO

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013

EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013 EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL 28 de agosto de 2013. 1 EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSN 20, DE 15 DE AGOSTO DE 2007 (DOU DE 16.08.2007)

RESOLUÇÃO CGSN 20, DE 15 DE AGOSTO DE 2007 (DOU DE 16.08.2007) RESOLUÇÃO CGSN 20, DE 15 DE AGOSTO DE 2007 (DOU DE 16.08.2007) Altera as Resoluções CGSN nº 04 e nº 05, ambas de 30 de maio de 2007, nº 06, de 18 de junho de 2007, nº 10, de 28 de junho de 2007, nº 15,

Leia mais

Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro. Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno (2005-2015)

Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro. Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno (2005-2015) Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro (2005-2015) 1 Súmario 02 03 05 10 anos de Impostômetro trabalhados para pagar tributos Evolução

Leia mais

Fabricação de artigos do vestuário, produzidos em malharias e tricotagens, exceto meias

Fabricação de artigos do vestuário, produzidos em malharias e tricotagens, exceto meias CNAE Grupo CNAE Descrição CNAE Grau de risco 4.-8 4 Confecção de roupas íntimas 4.-6 4 Confecção de peças do vestuário, exceto roupas íntimas 4.3-4 4 Confecção de roupas profissionais 4.4-4 Fabricação

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07/2007. O SECRETÁRIO DA FAZENDA DO ESTADO DO CEARÁ, no uso de suas atribuições legais, e

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07/2007. O SECRETÁRIO DA FAZENDA DO ESTADO DO CEARÁ, no uso de suas atribuições legais, e Republicada no DOE em 17/08/2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07/2007 Estabelece procedimentos de inscrição e de enquadramento de contribuintes do ICMS no Regime Especial de Arrecadação de Tributos e Contribuições

Leia mais

Atividades impedidas ao Simples Nacional por CNAE

Atividades impedidas ao Simples Nacional por CNAE Atividades impedidas ao Simples Nacional por CNAE Subclasse Códigos previstos na CNAE impeditivos ao Simples Nacional 0910-6/00 ATIVIDADES DE APOIO À EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 1111-9/01 FABRICAÇÃO

Leia mais

TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro

TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro Prestação de Serviços e Comércio varejista Início Atividade de indústria Início TI e TIC exclusivamente:

Leia mais

A Desoneração tributária na Construção Civil

A Desoneração tributária na Construção Civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 06 abril de 2014 Organização:

Leia mais

Simples Nacional CNAEs Impeditivos e Ambiguos Para 2012 (Lei Complementar 139 de 2011 e Resolução CGSN 94 de 2011)

Simples Nacional CNAEs Impeditivos e Ambiguos Para 2012 (Lei Complementar 139 de 2011 e Resolução CGSN 94 de 2011) Simples Nacional CNAEs Impeditivos e Ambiguos Para 2012 (Lei Complementar 139 de 2011 e Resolução CGSN 94 de 2011) RELAÇÃO DOS CNAEs IMPEDITIVOS E AMBIGUOS À OPÇÃO PELO SIMPLES A relação de CNAEs IMPEDITIVOS

Leia mais

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/12/1958 - Distância da capital: 128 km - Área: 130 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Borborema Potiguar - População: 4.217 (IBGE/2007)

Leia mais

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes :

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes : Retenção de Tributos e Contribuições Federais nos pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e pela prestação de serviços Dr. Fabiano Gama Ricci* 1.Considerações

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo.

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo. SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CHEFE DO CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR DE PREVISÃO E ANÁLISE Raimundo Eloi

Leia mais

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Ainda que a pessoa jurídica esteja submetida ao regime de incidência não-cumulativa, as receitas constantes do art. 8º da Lei nº 10.637, de 2002,

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS O setor de serviços é, tradicionalmente, a principal porta de entrada no mercado de trabalho. Responsável por aproximadamente 60% do produto interno

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Mendes Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella RESPONSABILIDADE

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae)

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais feitas em abril de 2015. Análise da base de dados do Microempreendedor Individual

Leia mais

QUANTITATIVO - EMPRESAS ATIVAS MINAS GERAIS 2010. Leonardo Faria Lima

QUANTITATIVO - EMPRESAS ATIVAS MINAS GERAIS 2010. Leonardo Faria Lima QUANTITATIVO - EMPRESAS ATIVAS MINAS GERAIS 2010 Leonardo Faria Lima Belo Horizonte 2010 2 O Estado de Minas Gerais encerrou o ano de 2010 com o total de 756.273 1 empresas ativas segundo os dados estáticos

Leia mais

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013 Edição n 1165

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013 Edição n 1165 LEI MUNICIPAL Nº 1.501 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. Dispõe sobre o funcionamento de escritórios virtuais no Município de Lauro de Freitas, na forma que indica e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM Serviços/Atividades - PJ Prestadora de Serviços Adiantamento (por conta de aquisições de bens ou prestação de serviços para entrega futura) Administração de bens ou negócios Administração de obras, elaboração

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010 II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010 Base 2010 Coordenação de Contas Nacionais (São Paulo, 19 de junho de 2013) 1 MUDANÇA DE BASE Por que uma mudança na série? Atualização de pesos não faz

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 21 DE JANEIRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 21 DE JANEIRO DE 2014. REGULAMENTA O REQUERIMENTO DE ADESÃO AO PROGRAMA DE DOMICÍLIO FISCAL, QUE SE REFERE À LEI COMPLEMENTAR Nº 66, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013. JOHN KENNEDY

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamentos

Desoneração da Folha de Pagamentos Desoneração da Folha de Pagamentos Legislação Constituição Federal Art. 195, 12 e 13 Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991 Art. 22, inciso I e III Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011 Como isso funciona

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamentos

Desoneração da Folha de Pagamentos Desoneração da Folha de Pagamentos janeiro/2013 Vicente Sevilha Junior Forma de tributação do INSS Tradicional: No modelo tradicional de tributação do INSS, as empresas (exceto SIMPLES) recolhem 20% do

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

b) agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual;

b) agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual; Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009 DOU de 17.11.2009 O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 261 do Regimento Interno

Leia mais

Custo das empresas para litigar judicialmente

Custo das empresas para litigar judicialmente Fevereiro 2014 Custo das empresas para litigar judicialmente COORDENAÇÃO Gilberto Luiz do Amaral Letícia Mary Fernandes do Amaral Cristiano Lisboa Yazbek ESTUDO: CUSTO DAS EMPRESAS PARA LITIGAR JUDICIALMENTE

Leia mais

36,6% dos empresários gaúchos julgam que o. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que. 66,0% das empresas contempladas pela medida a

36,6% dos empresários gaúchos julgam que o. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que. 66,0% das empresas contempladas pela medida a 36,6% dos empresários gaúchos julgam que o faturamento é a melhor base tributária para a contribuição patronal. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que a medida contribuirá parcialmente ou será fundamental

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSN Nº 77 DE 13/09/2010 DOU de 15/09/2010

RESOLUÇÃO CGSN Nº 77 DE 13/09/2010 DOU de 15/09/2010 COMITÊ GESTOR DO SIMPLES NACIONAL (CGSN) RESOLUÇÃO CGSN Nº 77 DE 13/09/2010 DOU de 15/09/2010 Altera a Resolução CGSN nº 6, de 18 de junho de 2007. O COMITÊ GESTOR DO SIMPLES NACIONAL (CGSN), no uso das

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS DIAS E ANOS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS DURANTE A VIDA DO BRASILEIRO

ESTUDO SOBRE OS DIAS E ANOS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS DURANTE A VIDA DO BRASILEIRO ESTUDO SOBRE OS DIAS E ANOS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS DURANTE A VIDA DO BRASILEIRO GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL VIGGIANO EM 2008 BRASILEIRO NASCE CONDENADO

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

VENDAS DE CONSÓRCIOS ULTRAPASSAM UM MILHÃO DE NOVAS COTAS E CONTEMPLAÇÕES SUPERAM MEIO MILHÃO, DE JANEIRO A MAIO

VENDAS DE CONSÓRCIOS ULTRAPASSAM UM MILHÃO DE NOVAS COTAS E CONTEMPLAÇÕES SUPERAM MEIO MILHÃO, DE JANEIRO A MAIO ASSESSORIA DE IMPRENSA VENDAS DE CONSÓRCIOS ULTRAPASSAM UM MILHÃO DE NOVAS COTAS E CONTEMPLAÇÕES SUPERAM MEIO MILHÃO, DE JANEIRO A MAIO Volume de negócios atinge mais de R$ 30 bilhões em cinco meses A

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

TABELA DE CNAE FISCAL CLASSIFICADOS POR SUBÍTEM DA LISTA DE SERVIÇOS, ALÍQUOTAS DO ISS, LOCAL DA TRIBUTAÇÃO E DEDUÇÃO DE MATERIAIS

TABELA DE CNAE FISCAL CLASSIFICADOS POR SUBÍTEM DA LISTA DE SERVIÇOS, ALÍQUOTAS DO ISS, LOCAL DA TRIBUTAÇÃO E DEDUÇÃO DE MATERIAIS TABELA DE CNAE FISCAL CLASSIFICADOS POR SUBÍTEM DA LISTA DE SERVIÇOS, ALÍQUOTAS DO ISS, LOCAL DA TRIBUTAÇÃO E MATERIAIS *Na hipótese de Prestação dos Serviços dos Códigos (000401 a 000423) ao SUS (Tomador

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO NACIONAL ART. 17 Parágrafo 1º - As vedações relativas a exercício das atividades previstas no caput não se aplica as

Leia mais

PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA São Paulo 2009 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA... 3 1.1 O segmento... 3 1.2 As empresas... 6 1.3 - Postos de trabalho

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES)

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES) A s s e s s o r i a C o n t á b i l Av. Maruípe, 2.260, 2º andar - Itararé - Vitória/ES. Cep: 29.047-475 Em frente ao Supermercado Pontes Telefax: (27) 3315-1599 - e-mail: adrianofigueiredo@terra.com.br

Leia mais

Importância da Lei Geral e do Simples Nacional para o Desenvolvimento. SEBRAE. Curitiba, 24 de janeiro de 2012. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.

Importância da Lei Geral e do Simples Nacional para o Desenvolvimento. SEBRAE. Curitiba, 24 de janeiro de 2012. 0800 570 0800 / www.sebrae.com. Importância da Lei Geral e do Simples Nacional para o Desenvolvimento. Curitiba, 24 de janeiro de 2012 REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 7 milhões de negócios formais (99%) e 10 milhões

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 Comércio Varejista 2000 Comércio a Varejo e por Atacado de VeículosAutomotores 50 Manutenção e Reparação de VeículosAutomotores

Leia mais

APOIO: AGRADECIMENTOS:

APOIO: AGRADECIMENTOS: RELATÓRIO ANUAL - 2013 APOIO: AGRADECIMENTOS: BOLETIM DO COMÉRCIO Relatório Anual - 2013 Pág. 2 RELATÓRIO ANUAL - 2013 Prezados Comerciantes, Esse boletim é uma edição especial sobre o comportamento do

Leia mais

Erros nas contratações geram tributos excessivos

Erros nas contratações geram tributos excessivos A parte de imagem com identificação de relação rid38 não foi encontrada no arquivo. Login: Senha: Esqueci minha senha. O Portal da Arquitetura, Engenharia e Construção Quem somos Contato Anuncie Login

Leia mais

I561120300 - Lanchonetes, casas de chá, de sucos e similares - em caráter obrigatório a partir de 01.07.2009:

I561120300 - Lanchonetes, casas de chá, de sucos e similares - em caráter obrigatório a partir de 01.07.2009: "ANEXO ÚNICO À PORTARIA Nº 323, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 - em caráter obrigatório a partir de 15.09.2008: P851120000 - Educação infantil - creche P851210000 - Educação infantil - pré-escola P851390000 -

Leia mais

1,5 % - Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) 1 % - Contribuição Social (C.S.L.L) 3% - Cofins 0,65 % - Programa de Integração Social (P.I.

1,5 % - Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) 1 % - Contribuição Social (C.S.L.L) 3% - Cofins 0,65 % - Programa de Integração Social (P.I. 1 CONTAJURIS ASSESSORIA EMPRESARIAL S/C LTDA Rua Sady de Marco, 52-D Bairro Jardim Itália Chapecó SC www.contajuris.com.br - Fone: 49 3323-1573 / 3323-0388 A partir de Fevereiro/2004 as empresas de serviços

Leia mais

COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MINISTÉRIO DA FAZENDA COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE RESOLUÇÃO Nº 6, DE 18 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre os códigos de atividades econômicas previstos na Classificação

Leia mais

Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura,

Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura, Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura, exceto morango 0122-9/00 Cultivo de flores e plantas

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Noroeste Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS POR PESSOA JURÍDICA APLICAÇÃO: SETOR PRIVADO E PÚBLICO 1 - INCIDÊNCIA 2 - SERVIÇOS ABRANGIDOS 2.1 - LISTA DE SERVIÇOS 2.2 FACTORING E ASSEMELHADOS

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012

CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012 CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL 04 de março de 2013. CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA BATE NOVO RECORDE HISTÓRICO EM 2012 - PIB de

Leia mais

PERFIL EMPRESARIAL BRASILEIRO 30 de setembro de 2013

PERFIL EMPRESARIAL BRASILEIRO 30 de setembro de 2013 Outubro 2013 PERFIL EMPRESARIAL BRASILEIRO 30 de setembro de 2013 COORDENAÇÃO Gilberto Luiz Do Amaral João Eloi Olenike Letícia Mary Fernandes Do Amaral SUPERVISÃO Geraldo Magela F do Nascimento Othon

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA. Eliane Valcam

DESONERAÇÃO DA FOLHA. Eliane Valcam DESONERAÇÃO DA FOLHA Eliane Valcam DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO O que é a desoneração da folha de pagamento? É a substituição da contribuição patronal previdenciária (20% sobre a folha de pagamento

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

SUMÁRIO EMPRESÔMETRO CENSO DAS EMPRESAS E ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS BRASILEIRAS. 3 QUANTIDADE DE EMPREENDIMENTOS EM ATIVIDADE NO BRASIL...

SUMÁRIO EMPRESÔMETRO CENSO DAS EMPRESAS E ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS BRASILEIRAS. 3 QUANTIDADE DE EMPREENDIMENTOS EM ATIVIDADE NO BRASIL... 1 SUMÁRIO EMPRESÔMETRO CENSO DAS EMPRESAS E ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS BRASILEIRAS. 3 QUANTIDADE DE EMPREENDIMENTOS EM ATIVIDADE NO BRASIL... 4 QUANTIDADE DE EMPREENDIMENTOS POR ESTADO... 4 QUANTIDADE

Leia mais

Empresário Empreendedor

Empresário Empreendedor Empresas x Tributação Empresário Empreendedor Carga Tributária Obrigações acessórias Receita Federal Receita Estadual Previdência Social Receita Municipal Situação Tributária do Negócio Para o Empresário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 6/07

INSTRUÇÃO NORMATIVA 6/07 INSTRUÇÃO NORMATIVA 6/07 Define contribuintes do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Mensal- escrituração eletrônica mensal do livro fiscal, a ser realizada por

Leia mais

OSuplemento de Produtos e Serviços da Pesquisa Anual de Serviços

OSuplemento de Produtos e Serviços da Pesquisa Anual de Serviços Principais produtos e serviços 2005 OSuplemento de Produtos e Serviços da Pesquisa Anual de Serviços - PAS 2005 foi aplicado nas empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas 1, à exceção do Suplemento de Serviços

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal;

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; Guia do Supersimples ENQUADRAMENTO E RESTRIÇÕES I - Enquadramento e Restrições OSupersimples ou Simples Nacional, instituído pela Lei Complementar 123/06, que entrou em vigor no dia 1º de julho de 2007,

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais