PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS

2 SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde Lucro Presumido 12 5 Comparação: Lucro Presumido X Simples Nacional 15 6 Equiparação a Hospital 24 7 Conclusão 31 2

3 1 INTRODUÇÃO O sistema tributário brasileiro é muito complexo. O Brasil está entre os 30 países em que mais se pagam impostos no mundo. Existe um grande número de impostos e exigências tributárias que fazem necessária a gestão organizada e cautelosa por parte das empresas e outros tipos de organização para que os negócios tenham sustentabilidade financeira e operem dentro da lei. 3

4 1 INTRODUÇÃO Para o médico e outros profissionais da área da saúde não é diferente - e pode ser ainda mais complexo. Um dos fatores que complica ainda mais a gestão dos tributos por parte de médicos, dentistas e outros profissionais de saúde é que grande parte atende seus pacientes em um consultório particular e, também, em outros locais como hospitais e clínicas de terceiros. CONSULTÓRIO Dessa forma, o profissional de saúde possui mais de uma fonte de renda e cada uma destas fontes realiza o pagamento de forma diferente: Recibo de Profissional Autônomo (RPA), Nota Fiscal, outros tipos de Recibo ou até mesmo sem qualquer tipo de documento. Neste cenário, sem o conhecimento sobre tributos e informações relevantes sobre seu funcionamento, o médico acaba perdendo, principalmente, dinheiro. Diante dessa dificuldade em saber como pagar menos impostos legalmente, compilamos um material completo para ajudá-lo a planejar e lidar com os tributos do seu consultório. 4

5 2 PLANEJAMENTO O primeiro passo é, necessariamente, planejar. Fazer o planejamento tributário significa analisar todas as formas possíveis para que você não fique sujeito a problemas com a Receita Federal. Isso porque os processos de fiscalização da Receita - a famosa malha fina - podem gerar multas altíssimas devido ao erro na apuração ou pagamento indevido dos seus impostos. IR? IR? COFINS?? COFINS?? INSS? PIS INS? PIS 5

6 2 PLANEJAMENTO VANTAGENS DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Análise sobre oportunidades de economia fiscal: o seu consultório está sendo tributado de modo que você pague menos imposto legalmente? Consultórios em que há a distribuição correta da despesa evitam uma distribuição de lucros alta, minimizando a probabilidade de fiscalização. Identificação dos erros nas apurações: Quando o valor dos seus impostos é calculado errado, ao ser fiscalizado, além do imposto devido gerar multas e correções, vale lembrar que hoje em dia a fiscalização ocorre através dos programas de Sped. Processo preventivo: evitar que existam incoerências nas contas do consultório, minimizando os riscos de cair na malha fina. Se você declara que teve um valor de retirada no seu Consultório e no Imposto de Renda de sua Pessoa Fisica o valor está a menor ou maior, você será sujeito ao fisco. Antecipar-se a fiscalização: erradicar problemas quando das fiscalizações da Receita Federal e necessidade de pagamento de multas. Sped: Os Sped s são programas do governo que nos obrigam a enviar os dados, sendo que a fiscalização não é mais in loco. De repente, você recebe a notificação da mesma. 6

7 2 PLANEJAMENTO Para falarmos de planejamento tributário, primeiro é necessário saber qual o perfil do consultório médico ou do profissional autônomo: A PROFISSIONAIS AUTÔNOMOS Podemos ter o profissional da saúde trabalhando como autônomo, ou seja, aquele que atende em um consultório e terá que obrigatoriamente fazer o Imposto de Renda (IR) anual, pagando mensalmente o Carnê Leão e registrando ao longo do mês suas operações financeiras em um Livro Caixa. Para estes profissionais, existem algumas regras e dicas que também tratamos de forma muito completa em nosso Guia do Imposto de Renda para Médicos. BAIXE GRATUITAMENTE B CLÍNICA OU CONSULTÓRIO COMO PESSOA JURÍDICA (PJ) Vamos considerar que o consultório do profissional de saúde contribuinte seja inscrito como Pessoa Jurídica (PJ). Através de exemplos práticos, analisaremos o melhor regime tributário, sendo que para isso será necessário conhecer a realidade de cada caso. Os regimes tributários mais indicados - e consequentemente os mais comuns - para consultórios, clínicas e profissionais da saúde são o Lucro Presumido e o Simples Nacional. Descreveremos abaixo como funcionam estes regimes em detalhes. 7

8 3 SIMPLES NACIONAL com a inclusão de novas categorias desde Desde Janeiro de 2015, as empresas com atividades médicas podem se enquadrar no Simples Nacional, onde a alíquota inicial é de 16,93% até 22,45% variando conforme o faturamento anual. Alíquota: É a porcentagem ou valor fixo que será aplicado para o cálculo de um tributo. 8

9 3 SIMPLES NACIONAL Para enquadramento do consultório no Simples, é necessário avaliar algumas situações como, por exemplo, a quantidade de funcionários (se o consultório possuir muitos funcionários, pode compensar aderir ao Simples devido ao não recolhimento do INSS Patronal, de aproximadamente 28%). INSS: Contribuição Social devida ao Instituto Nacional da Seguridade Social. VANTAGEM DO SIMPLES NACIONAL Um recolhimento mensal, quando não há funcionário; Redução do valor do INSS sobre a folha de pagamento (exceto se incluído no anexo IV); Isenção de determinadas contribuições lançadas pelo governo; Clínicas de fisioterapia Anexo III (alíquota inicial de 6% até 17,42%). DESVANTAGEM DO SIMPLES NACIONAL Limite baixo; Participação em outras empresas, limitadas a receita bruta do limite do Simples (R$ ,00 anual); Não se enquadra no simples nacional, sócio domiciliado no exterior ou sócio pessoa jurídica. 9

10 3 SIMPLES NACIONAL As tabelas de aliquotas dos Simples são organizadas por atividade profissional, separadas por tabelas do Anexo I ao VI. Para a área da saúde, as especialidades que constam no Simples estão nos Anexos III e VI. ANEXO III - FISIOTERAPIA RECEITA BRUTA EM 12 MESES ALÍQUOTA SIMULAÇÃO RECEITA MENSAL VALOR A PAGAR POR MÊS R$ ,00 6% R$ ,00 R$ 900,00 R$ ,00 a R$ ,00 8,21% R$ ,00 R$ 2.463,00 R$ ,00 a R$ ,00 10,26% R$ ,00 R$ 4.617,00 outras faixas R$ a R$ ,00 17,42% R$ ,00 R$ ,00 10

11 3 SIMPLES NACIONAL ANEXO VI - SERVIÇOS MÉDICOS E OUTROS RECEITA BRUTA EM 12 MESES ALÍQUOTA SIMULAÇÃO RECEITA MENSAL VALOR A PAGAR POR MÊS R$ ,00 16 % R$ ,00 R$ 2.539,50 R$ ,00 a R$ ,00 17,72 % R$ ,00 R$ 5.316,00 R$ ,00 a R$ ,00 18,43 % R$ ,00 R$ 8.293,50 outras faixas R$ a R$ ,00 22,4 % R$ ,00 R$ ,00 11

12 4 LUCRO PRESUMIDO No Lucro Presumido, a margem de lucro, presumida em lei, substitui o lucro efetivo da clínica. Margem de lucro: corresponde ao valor percentual ou quantia do preço de venda de um bem ou serviço subtraído de seus custos de produção. 12

13 4 LUCRO PRESUMIDO Os impostos (IR e CSLL) são calculados levando em conta somente o percentual de 32% sobre a Receita Bruta. CSLL: Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. 32 % % IR/CSLL Como exemplo, imaginemos que seu consultório tem uma receita bruta de R$ ,00. Dessa forma, os impostos (IR e CSLL) somente incidirão sobre o valor R$ ,00, o restante da receita bruta R$ ,00 serão isentas. $ Receita bruta: é o valor recebido pela venda de produtos ou serviços antes da dedução, ou seja, subtração dos respectivos impostos. 13

14 4 LUCRO PRESUMIDO VANTAGEM DO LUCRO PRESUMIDO Teto de faturamento anual até R$ ,00; Melhor para empresas com margens maiores (poucas despesas); O IR e CSLL pode ser pago trimestralmente, reduzindo o impacto no fluxo de caixa nos dois meses anteriores. DESVANTAGEM DO LUCRO PRESUMIDO Caso o seu lucro seja menor que o Presumido (32%), você está incidindo em mais impostos. Por exemplo, uma empresa tem faturamento de R$ ,00 e despesas antes da distribuição de lucro em valores acima de R$68.000,00, assim o valor do lucro é menor que R$32.000,00, Nesse regime não existe a hipótese de aproveitamento de credito de PIS, COFINS - o que é muito importante para empresas de grande porte. PIS: Contribuição para o Programa de Integração Social. COFINS: Contribuição para o financiamento da Seguridade Social. 14

15 5 COMPARAÇÃO: LUCRO PRESUMIDO X SIMPLES A CONSULTÓRIO INDIVIDUAL Vamos imaginar que o seu consultório possui um faturamento mensal de R$20.000,00 e você possui apenas uma secretária que recebe a quantia de R$1.500,00 mensais: CONSULTÓRIO R$ ,00 R$ 1.500,00 15

16 5 COMPARAÇÃO: LUCRO PRESUMIDO X SIMPLES CONSULTÓRIO - 1 FUNCIONÁRIO RECEITA MENSAL R$ ,00 FOLHA DE PAGAMENTO R$ 1.500,00 PRESUMIDO SIMPLES TRIBUTO ALÍQUOTA REDUZIDA VALOR A PAGAR TRIBUTO ALÍQUOTA REDUZIDA VALOR A PAGAR IR 4,8% R$ 960,00 Simples 17,7% R$ 3.544,00 IR Adicional 0,00% R$ 0,00 CSLL 2,88% R$ 576,00 PIS e COFINS 3,65% R$ 730,00 ISS 3,00% R$ 600,00 INSS 27,80% R$ 417,00 TOTAL R$ 3.283,00 TOTAL R$ 3.544,00 Neste caso o Lucro Presumido é uma melhor opção devido ao valor menor dos tributos. 16

17 5 COMPARAÇÃO: LUCRO PRESUMIDO X SIMPLES ISS varia por município de 2% a 5%, sendo o mais comum o valor de 3%. Aliquota reduzida: É a aliquota que deve incidir sobre o valor presumido, ou seja, o que incide sobre a Receita Bruta. EXEMPLO Faturamento: R$ ,00, Base de cálculo do lucro presumido: R$ ,00 IR de 15% da base de cálculo ( x 15% = 4.800) ou ( x 4,8% = 4.800), portanto concluímos que se utilizarmos a base de cálculo usamos a aliquota normal, se utilizarmos a Receita Bruta usamos a aliquota reduzida. ISS: Imposto sobre Serviço de qualquer natureza. 17

18 5 COMPARAÇÃO: LUCRO PRESUMIDO X SIMPLES B CONSULTÓRIO PEQUENO Neste caso, imaginemos um faturamento de R$80.000,00 e 3 secretárias que recebem R$1.500,00 por mês cada: R$ ,00 R$ 1.500,00 R$ 1.500,00 R$ 1.500,00 18

19 5 COMPARAÇÃO: LUCRO PRESUMIDO X SIMPLES CONSULTÓRIO - 3 FUNCIONÁRIOS RECEITA MENSAL R$ ,00 FOLHA DE PAGAMENTO R$ 4.500,00 PRESUMIDO SIMPLES TRIBUTO ALÍQUOTA REDUZIDA VALOR A PAGAR TRIBUTO ALÍQUOTA REDUZIDA VALOR A PAGAR IR 4,8% R$ 3.840,00 Simples 19,9% R$ ,00 IR Adicional 3,15% R$ 2.520,00 CSLL 2,88% R$ 2.304,00 PIS e COFINS 3,65% R$ 2.920,00 ISS 3,00% R$ 2.400,00 INSS 27,80% R$ 1.251,00 TOTAL R$15.235,00 TOTAL R$ ,00 Neste caso o Lucro Presumido continua sendo a melhor opção devido ao valor menor dos tributos. 19

20 5 COMPARAÇÃO: LUCRO PRESUMIDO X SIMPLES C CONSULTÓRIO MÉDIO Agora vamos supôr que sua clínica tenha 10 funcionários, oito secretárias, uma supervisora e um administrador da clínica, totalizando R$15.000,00 de despesas com a Folha de Pagamento e faturamento de R$ ,00: R$ ,00 R$ ,00 20

21 5 COMPARAÇÃO: LUCRO PRESUMIDO X SIMPLES CONSULTÓRIO - 10 FUNCIONÁRIOS RECEITA MENSAL R$ ,00 FOLHA DE PAGAMENTO R$ ,00 PRESUMIDO SIMPLES TRIBUTO ALÍQUOTA REDUZIDA VALOR A PAGAR TRIBUTO ALÍQUOTA REDUZIDA VALOR A PAGAR IR 4,8% R$ 7.200,00 Simples 21,9% R$ ,00 IR Adicional 3,15% R$ 4.725,00 CSLL 2,88% R$ 4.320,00 PIS e COFINS 3,65% R$ 5.475,00 ISS 3,00% R$ 4.500,00 INSS 27,80% R$ 4.170,00 TOTAL R$ ,00 TOTAL R$ ,00 O Lucro Presumido continua sendo a melhor opção devido ao valor menor dos tributos. 21

22 5 COMPARAÇÃO: LUCRO PRESUMIDO X SIMPLES D CONSULTÓRIO GRANDE Por fim, imaginemos sua clínica com 30 funcionários, totalizando o dobro do exemplo anterior de Folha, R$60.000,00 e faturamento de R$ ,00: R$ ,00 R$ ,00 22

23 5 COMPARAÇÃO: LUCRO PRESUMIDO X SIMPLES CLÍNICA - 30 FUNCIONÁRIOS RECEITA MENSAL R$ ,00 FOLHA DE PAGAMENTO R$ ,00 PRESUMIDO SIMPLES TRIBUTO ALÍQUOTA REDUZIDA VALOR A PAGAR TRIBUTO ALÍQUOTA REDUZIDA VALOR A PAGAR IR 4,8% R$ ,00 Simples 22,5% R$ ,00 IR Adicional 3,15% R$ 8.820,00 CSLL 2,88% R$ 8.064,00 PIS e COFINS 3,65% R$ ,00 ISS 3,00% R$ 8.400,00 INSS 27,80% R$ ,00 TOTAL R$ ,00 TOTAL R$ ,00 Neste caso, devido ao grande número de funcionários, é mais vantajoso ao profissional de saúde optar pelo Simples Nacional. 23

24 6 EQUIPARAÇÃO A HOSPITAL Clínicas que se equipararem a hospital poderão reduzir a base de imposto de 32% para 8% (IR) e 12% (CSLL). Para isso, deverão estar enquadradas no artigo 30 da Instrução Normativa da RFB nº 1540 de 05 de Janeiro de Art. 30. Para os fins previstos nesta Instrução Normativa, são considerados serviços hospitalares aqueles que se vinculam às atividades desenvolvidas pelos hospitais, voltados diretamente à promoção da saúde, prestados pelos estabelecimentos assistenciais de saúde que desenvolvem as atividades previstas nas atribuições 1 a 4 da Resolução RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002, da Anvisa. 24

25 6 EQUIPARAÇÃO A HOSPITAL ATRIBUIÇÕES DA ANVISA Atribuição 1: prestação de atendimento eletivo de promoção e assistência à saúde em regime ambulatorial e de hospital dia; Atribuição 2: prestação de atendimento imediato de assistência à saúde; Atribuição 3: prestação de atendimento de assistência à saúde em regime de internação; Atribuição 4: atividades fins da prestação de atendimento de apoio ao diagnóstico e terapia. 25

26 6 EQUIPARAÇÃO A HOSPITAL VEJAMOS ALGUMAS SIMULAÇÕES ABAIXO: A CLÍNICAS NÃO EQUIPARADAS A HOSPITAL, com receita mensal de R$ ,00 NÃO EQUIPARADO A HOSPITAL TRIBUTO ALÍQUOTA REDUZIDA RECEITA MENSAL BASE DE CÁLCULO VALOR A PAGAR POR MÊS IR 4.8% R$ 100, R$ 32, R$ 1, IR Adicional 3.15% R$ 1, CSLL 2.88% R$ PIS e COFINS 3.65% R$ 100, R$ 3, ISS 3.00% R$ 3, TOTAL R$ ,60 26

27 6 EQUIPARAÇÃO A HOSPITAL B CLÍNICAS EQUIPARADAS A HOSPITAL, com receita mensal de R$ ,00 EQUIPARADO A HOSPITAL TRIBUTO ALÍQUOTA REDUZIDA RECEITA MENSAL BASE DE CÁLCULO VALOR A PAGAR POR MÊS IR 1.2% R$ 100, R$ 32, R$ IR Adicional 0.75% R$ CSLL 1.08% R$ PIS e COFINS 3.65% R$ 100, R$ 3, ISS 3.00% R$ 3, TOTAL R$ 7.619,60 27

28 6 EQUIPARAÇÃO A HOSPITAL ATENÇÃO! Como você pôde observar, existem diversas opções de formatação da sua clínica. Devemos considerar todas estas oportunidades da legislação tributária para tomar a melhor decisão possível do ponto de vista legal e econômico. Vale observar que existe risco em um enquadramento mal feito, pois o fisco poderá cobrar o período passado em um novo enquadramento. Por esta razão, é de extrema importância a assessoria de especialistas na área de tributos para tornar este risco mínimo. 28

29 6 EQUIPARAÇÃO A HOSPITAL DICAS IMPORTANTES PRÓ-LABORE: Termo oriundo do latim que significa pelo trabalho - é devido aos sócios que são administradores da empresa, podendo ser estipulado um valor que não seja menor que o salário mínimo ou mínimo do sindicato) sobre o mesmo incide 20% (INSS empregador e 11% INSS do sócio) e até 27,5% (IR, conforme a tabela progressiva), concluímos portanto que o valor pago a titulo de Pró- Labore não deve ser muito alto. DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS: A distribuição de lucros pressupõe lucro na empresa, após a apuração e abatido todos os impostos, poderá ser distribuída aos seus sócios, geralmente conforme as cotas previstas no Contrato Social, caso seja inclusa clausula de distribuição antecipada de lucros no Contrato Social, pode ser feita mensal ou trimestral, desde que não ultrapasse o valor do lucro. Incide apenas a tributação da PJ, aproximadamente 14,34%, observamos que a Receita Federal tem solicitado que distribuições de lucro acima de 32% do faturamento, seja acompanhada de todos os documentos contabilizados. 29

30 6 EQUIPARAÇÃO A HOSPITAL SIMPLES NACIONAL: A opção pelo Simples Nacional deve ser feita sempre no mês de Janeiro, até o último dia útil. PAGAMENTO DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE: Ao remunerar outro profissional da saúde através de sua empresa (PJ) em que o mesmo não seja sócio, deve-se ter o cuidado de receber uma nota fiscal da prestação de serviços que será lançada como despesa na sua empresa ou fazer um RPA com incidência tributária como a seguir: RECIBO DE PROFISSIONAL AUTÔNOMO - RPA TRIBUTO ALÍQUOTA RECEITA MENSAL BASE DE CÁLCULO VALOR A PAGAR INSS 11,0% R$ ,0 R$ 4.663,75 R$ 513,01 IR 27,50% R$ 9.486,99 R$ 1.745,56 Imposto a recolher Parcela a deduzir do IR = R$869,36 O maior recolhimento do INSS é de R$513,01 R$ 2.258,57 No exemplo acima, caso a clínica pague através de recibo RPA, incidirá o INSS de 20% patronal, sendo portanto mais vantajoso pagar seus prestadores de serviços e parceiros através de nota fiscal. 30

31 7 CONCLUSÃO Esse trabalho apresentou de forma simplificada os regimes tributários adequados para os negócios da saúde. Aqui, descrevemos alguns pontos importantes a respeito do Simples Nacional e do Lucro Presumido e algumas simulações didáticas. Gostaríamos de deixar claro a importância de analisarmos cada caso e suas particularidades. Este é um tema que está em constante mudança em nossa legislação, sendo assim necessário o acompanhamento constante da legislação brasileira. Algumas mudanças são benéficas, facilitando o processo. Entretanto, outras dificultam e oneram mais as empresas. Apresentamos também, a equiparação a Hospitais, que é uma ótima solução de redução de impostos, mas algumas clínicas tem feito essa equiparação afim de redução dos tributos sem a adequação ou as atribuições exigidas em lei, e após a fiscalização por parte do governo tem tido um enorme prejuízo - o fisco retoma os 5 últimos anos para a cobrança dos tributos em desacordo com o regime tributário. Diante dessa realidade, é necessário procurarmos um profissional competente (assessor contábil) que possa acompanhar de perto as mudanças e adequações do caso específico da sua clínica, melhorando a sustentabilidade de seu negócio e garantindo que você pague menos impostos dentro dos termos da lei. 31

32 O iclinic é um software online para gestão de clínicas e consultórios. Em sua constante missão de deixar clínicas e consultórios mais organizados e eficientes, a empresa representa a nova geração de software em saúde, oferecendo uma solução em nuvem, extremamente bonita e fácil de usar, acessível de qualquer lugar e a qualquer momento. Você pode experimentar o iclinic gratuitamente clicando aqui.

33 A NTW Contabilidade Unidade BH Sul, é uma empresa segmentada na área da saúde, além de sua contabilidade tradicional apoia a decisão do gestor e traz o crescimento do seu negócio, nos tornando parceiros e não apenas prestadores de serviços. Oferecemos contabilidade e gestão financeira com o lema: Cuide das pessoas que nós cuidamos das suas contas! Somos profissionais com experiência em Gestão na área da saúde. Conte com quem é especialista em saúde. Clique aqui e conheça nossos serviços.

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Tributação na Corretagem de Seguros e a Responsabilidade Tributária.

Tributação na Corretagem de Seguros e a Responsabilidade Tributária. Tributação na Corretagem de Seguros e a Responsabilidade Tributária. Prof. Dr. Affonso d Anzicourt e Silva Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação,

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

RETENÇÕES SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA

RETENÇÕES SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA RETENÇÕES SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA 2013 Visando esclarecer os procedimentos devidos para retenção dos tributos e contribuições sobre serviços contratados de Pessoas Físicas não assalariadas

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Imposto sobre a Renda. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Imposto sobre a Renda. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Imposto sobre a Renda Objetivos O presente curso tem por objetivo apresentar um estudo sobre o Imposto sobre a Renda, características, conceito, competência, fato gerador, sujeito ativo e passivo, base

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e 130729 SUMÁRIO EMISSÃO DE NFS-E... 2 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA... 2 ACESSANDO O SISTEMA... 2 ACESSO AO SISTEMA... 3 SELEÇÃO DA EMPRESA... 4 CONFERÊNCIA DOS DADOS E EMISSÃO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

Guia Prático de Registro e Tributação do Advogado

Guia Prático de Registro e Tributação do Advogado PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO NA OAB/MG A sociedade deve elaborar contrato atendendo à Lei 8.906/94 e ao Regulamento Geral do Estatuto da OAB, bem como ao Provimento do Conselho Federal 112/06, com as alterações

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia A advocacia foi inserida no Simples Nacional por meio da Lei Complementar

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES

MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES SINCOR - ES Cleber Batista de Sousa MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES Estrutura Básica de uma GESTÃO ADMINISTRATIVA ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Gestão Operacional; Gestão de Pessoas; Gestão Financeira; Gestão

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES Sinduscon Ceará - Agosto / 2014 DIAS OBRIGAÇÕES DESCRIÇÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 05 (terça-feira) IRRF RETIDO NA FONTE Recolher até o 3º dia útil após o último decêndio do mês anterior, os fatos gerados a

Leia mais

Empresas. prestadoras de serviços

Empresas. prestadoras de serviços 2011 Empresas prestadoras de serviços Material de uso exclusivo da Contabilidade Sistema, colaboradores e clientes Desenvolvido pelo Depto. Fiscal. Versão: 01/03/2011 SUMÁRIO - O QUE É LUCRO PRESUMIDO...

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão IMPOSTO DE RENDA Distribuição Gratuita Pessoa Física É hora de acertar as contas com o Leão CONTRATE UM PROFISSIONAL E EVITE PROBLEMAS Entre em contato conosco 47 3028-1483 contabilize@contabilizesc.com.br

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 5 5. Referências... 5 6. Histórico de alterações... 5 2 1.

Leia mais

NOSSO GUIA DO ADVOGADO CONTRIBUINTE

NOSSO GUIA DO ADVOGADO CONTRIBUINTE NOSSO GUIA DO ADVOGADO CONTRIBUINTE NOSSO GUIA DO ADVOGADO CONTRIBUINTE O conteúdo deste guia foi elaborado para orientar os advogados registrados que buscam a OAB para esclarecer suas dúvidas em relação

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011.

RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011. RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011. Orienta os procedimentos necessários para o pagamento de honorários aos professores dos cursos de Pós-Graduação promovidos pelo IEDUCORP

Leia mais

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o programa de incentivo fiscal (Programa de Apoio à Inclusão e

Leia mais

Empresário Empreendedor

Empresário Empreendedor Empresas x Tributação Empresário Empreendedor Carga Tributária Obrigações acessórias Receita Federal Receita Estadual Previdência Social Receita Municipal Situação Tributária do Negócio Para o Empresário

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

Aquisição ou venda feita em 2014 deve ser informada à Receita. Dica é conhecer

Aquisição ou venda feita em 2014 deve ser informada à Receita. Dica é conhecer Informativo Abril/2015 edição 20 Aquisição ou venda feita em 2014 deve ser informada à Receita. Dica é conhecer detalhes para evitar a malha fina. A declaração de imóveis no Imposto de Renda requer uma

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência Março de 2013 Especial IRPF 2013 Chegou a hora de declarar o IR2013 >> Fique por dentro >> Onde informar

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Gestão da Carga Tributária Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Âmbitos: Federal Estadual Municipal Previdenciário e Trabalhista A Carga Tributária Brasileira Produção Normativa Nos últimos 25 anos,

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector O brasileiro é um povo sem memória, que esquece seus feitos e seus heróis...

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO.

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. Porto Alegre, 17 de fevereiro de 2012 Sr. Cliente: CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. No período de 01 de março até 30 de abril de 2012, a RFB estará recepcionando as Declarações do Imposto

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

Configuração de Acumuladores

Configuração de Acumuladores Configuração de Acumuladores Os acumuladores são cadastro usados pelo Módulo Domínio Sistemas Fiscal para permitir a totalização dos valores lançados nos movimentos de entradas, saídas, serviços, outras

Leia mais

Manual do Usuário 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2

Manual do Usuário 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2 1 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2 5.1 Digitações dos Sócios...2 5.1.1 Campo CPF...2 5.1.1.a Campo Saldo Anterior...3 5.1.1.b Campo Saldo...3 5.1.1.c Campo Isento...3 5.1.1.d Campo Tributado...3

Leia mais

Inferior ou igual a 2 anos 35% Superior a 2 anos e inferior ou igual a 4 anos 30% Superior a 4 anos e inferior ou igual a 6 anos 25%

Inferior ou igual a 2 anos 35% Superior a 2 anos e inferior ou igual a 4 anos 30% Superior a 4 anos e inferior ou igual a 6 anos 25% Perguntas e respostas 1- Como funciona a Tabela Regressiva dos Planos de Previdência Complementar? R A Tabela Regressiva foi prevista a partir da Lei nº 11.053, de 29 /12 /2004. Em vigor desde 01/01/2005,

Leia mais

Gerar EFD Contribuições Lucro Presumido

Gerar EFD Contribuições Lucro Presumido Gerar EFD Contribuições Lucro Presumido 1º Acesse o menu Controle, opção Parâmetros, clique na guia Impostos, e certifique-se de que estão incluídos os impostos do regime 4- Pis e 5 Cofins. Na guia Federal,

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Objetivo: Realizar um estudo comparativo entre as Sistemáticas de Apuração

Leia mais

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Legislação Conforme instituído pela Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010, sujeitam à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

CIRURGIÕES DENTISTAS: FORMAS DE ESCRITURAÇÃO, TRIBUTAÇÃO E NF-e

CIRURGIÕES DENTISTAS: FORMAS DE ESCRITURAÇÃO, TRIBUTAÇÃO E NF-e CIRURGIÕES DENTISTAS: FORMAS DE ESCRITURAÇÃO, TRIBUTAÇÃO E NF-e Contador: Mardonedes Camelo de Paiva CRC/DF 010925-O-1 Contadora: Ozineide Paiva CRC/DF 024791/P-2 Bacharel: Pedro Henrique Brasília-DF /

Leia mais

Treinamento. Uniodonto Maceió

Treinamento. Uniodonto Maceió Treinamento Uniodonto Maceió Contabilidade Contabilidade é a ciência que tem como objeto de estudo o patrimônio das entidades, seus fenômenos e variações, tanto no aspecto quantitativo quanto no qualitativo,

Leia mais

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL Décimo Terceiro Salário Nesta orientação, vamos apresentar como deve ser preenchida a declaração do SEFIP Sistema

Leia mais

DJAZIL. Informativo. Organize pagamentos e a Declaração do IRPF. Inicie seu ano com o planejamento tributário

DJAZIL. Informativo. Organize pagamentos e a Declaração do IRPF. Inicie seu ano com o planejamento tributário Informativo DJAZIL Informativo Djazil Nº150 Ano XIII JANEIRO/FEVEREIRO 2014 Data para pagamento do IPTU é alterada para março Adesão ao Simples Nacional deverá ter novo teto Página 3 Página 2 Inicie seu

Leia mais

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA Prezado Credenciado, A Postal Saúde Caixa de Assistência e Saúde dos Empregados dos Correios, pessoa jurídica de direito privado, associação sem fins lucrativos, operadora de plano de saúde na modalidade

Leia mais

TÍTULO: O BENEFÍCIO DA SUBSTITUIÇÃO DE DIVIDENDOS E DA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO DE SÓCIOS DIRIGENTES PELOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - JCP

TÍTULO: O BENEFÍCIO DA SUBSTITUIÇÃO DE DIVIDENDOS E DA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO DE SÓCIOS DIRIGENTES PELOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - JCP IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O BENEFÍCIO DA SUBSTITUIÇÃO DE DIVIDENDOS E DA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO DE SÓCIOS DIRIGENTES PELOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - JCP AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA

Leia mais

Boletim Mensal - Setembro/2015

Boletim Mensal - Setembro/2015 Boletim Mensal - Setembro/2015 Fiscal Contábil RH Notícias Calendário Obrigações Fiscal Estado quer recuperar até R$ 1,3 bilhão com parcelamento de dívidas. Para aumentar a cobrança de créditos tributários

Leia mais

Previdência Complementar

Previdência Complementar Cartilha Previdência Complementar Guia Fácil de Tributação TRATAMENTO TRIBUTÁRIO BÁSICO A primeira informação que deve ser observada na escolha de um plano de previdência que tenha como propósito a acumulação

Leia mais

EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual

EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial de São Paulo ANPEI Associação

Leia mais

na modalidade Contribuição Definida

na modalidade Contribuição Definida 1 DIRETORIA * Estruturados DE PREVIDÊNCIA na modalidade Contribuição Definida legislação Conforme a Legislação Tributária vigente*, aplicável aos Planos de Previdência Complementar modelados em Contribuição

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção INSS por Contribuinte Individual

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção INSS por Contribuinte Individual 12/05/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009... 4 3.2 Exemplo

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica 19/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

Boletim Mensal - Novembro/2015

Boletim Mensal - Novembro/2015 Boletim Mensal - Novembro/2015 Fiscal Contábil RH Notícias Calendário Obrigações Fiscal Fisco irá cruzar informações de bancos com o Imposto de Renda e apertar contribuinte. A partir de janeiro de 2016,

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Avaliação Estratégica a partir da nova carga fiscal nas corretoras de seguros

Avaliação Estratégica a partir da nova carga fiscal nas corretoras de seguros Avaliação Estratégica a partir da nova carga fiscal nas corretoras de seguros I) Introdução Francisco Galiza O objetivo deste trabalho foi avaliar a nova carga fiscal das corretoras de seguros em função

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por:

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: 2014 PRIMEIRA PARTE: DEFINIÇÃO E VANTAGENS O que é a industrialização por encomenda? É uma forma de ganhar eficiência

Leia mais

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS CARTILHA Previdência Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS Índice 1. Os planos de Previdência Complementar e os Regimes Tributários... Pág. 3 2. Tratamento tributário básico... Pág. 4 3. Características próprias

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

1. Cadastro de Funcionários

1. Cadastro de Funcionários Autônomo 1. Cadastro de Funcionários... 2 1.1. Tela Dados... 2 1.2. Tela Ident. Adm.... 3 1.3. Tela Outros... 4 2. Eventos dos Autônomos... 5 3. Digitação... 6 4. Autônomo Transportador (Carreteiro)...

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCRITA FISCAL A nota eletrônica é melhor do que a nota em papel? Sim a nota eletrônica não possui custo para emissão, necessitando apenas de um computador, um certificado digital

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência Boletim de Relacionamento Previdência Imposto de Renda Sul América Previdência Prezado Participante, Desenvolvemos um guia para que você, que possui um Plano de Previdência PGBL ou Tradicional ou um Plano

Leia mais

ESPECIAL. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? Fique por dentro. Prazos e multas. As novidades de 2014. Tire suas dúvidas.

ESPECIAL. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? Fique por dentro. Prazos e multas. As novidades de 2014. Tire suas dúvidas. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? de 0 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Vida e. Março de 0 de 0 Foi dada a largada para o acerto de contas

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE

GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE ÍNDICE Conceito... 3 Quais os itens Considerados para a Apuração... 3 Formas de Cálculo de Lucratividade... 3 Parâmetro do Sistema... 4 Time Sheet... 4 Que Percentual

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega...

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega... Índice 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais