noventa e quatro, no Salão Portinari do Palácio Gustavo Capanema, no Rio de presidência de Glauco Campello, Presidente do Instituto do Patrimônio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "noventa e quatro, no Salão Portinari do Palácio Gustavo Capanema, no Rio de presidência de Glauco Campello, Presidente do Instituto do Patrimônio"

Transcrição

1 ATA DA 7" PATRIM~NXO CULTURAL REUNIÃO DO CONSELHO CONSULTIVO DO d AS quatorze horas e trinta minutos do dia sete de dezembro de mil novecentos e noventa e quatro, no Salão Portinari do Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro, reuniu-se o Consefho Consultivo do Patnmônio Cultural sob a presidência de Glauco Campello, Presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Presentes os Conselheiros Augusto Carlos da Silva Telles, Francisco Iglésias, Gilberto João Carlos Ferrez, ftalo Campofiorito, Maria da Conceigão de Moraes Coutinho Beltrão, Maurício Roberto, Max Justo Guedes - representantes da sociedade civil - e Carlos Alberto Cerqueira Lemos - representante do Instituto de Arquitetos do Brasil. / Ausentes, por motivo justificado, os Conselheiros Ângelo Oswaldo de Araújo Santos, Germano de Vasconcellos Coelho, Jaime Lemer, José Ephirn Mindlin, Maria do Carmo de Me110 Franco Nabuco, Modesto Souza Barros Cârvalhosa, Roberto Cavalcanti de Albuquerque - representantes da sociedade civil -, Amaldo Campos dos Santos Coelho, representante do Museu Nacional -, Femanda Cecília Nobre Ribeiro da Luz Colagrossi - representante do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios - e José Silva Quintas - representante do

2 Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Abrindo a sessão, o Presidente manifestou o seu prazer e honra em presidi-la; apresentou o Conselheiro Silva Telles, designado para substituir o Conselheiro Eduardo Kneese de Mello e referiu-se ao novo representante do DAMA - José Silva Quintas, e ao seu suplente - Wanderbilt Duarte de Barros, ausentes em Wde de compromissos anteriores. Prosseguindo, enumerou como principais realizações, no mandato de um ano que lhe fora coafiado, as seguintes ações: 1) restauração do nome da Instituição; 2) recuperação da visão conceitual e dos valores históricos do IPHAN, particularmente nas Areas da restauração dos monumentos históricos, dos arquivos, das bibliotecas, dos inventários e das questões de referência cultural; 3) revitalização da Casa com o aperfeiçoamento técnico dos profissionais e com a conquista de novos enfoques. Em seguida, homenageou a museóloga Lygia Martins Costa, pelos 80 anos que completaria brevemente e pelos 54 anos de trabalho dedicados ao IPHAN, com o qual, na qualidade de Assessora da Presidência, continua a colaborar com a competência e o entusiasmo que sempre a caracterizaram. Continuando, regisírou as presenças do Prefeito de Cataguases, Sr. Tarcísio HeKiques Filho, e do Sr. Francisco Inácio Peixoto Filho - que desenvolveram um trabalho extraordinário pela preservação dos bens culturais daquela cidade - e do Sr. Bemardo Novaes

3 da Mata Machado, Secretário Adjunto de Cultura do Município de Belo Horizonte. Passando a ordem do dia, concedeu a palavra ao Conselheiro Silva Telles para que relatasse a proposta de tombamento do Conjunto I-Iistórico, Arquitetônico e Paisagístico de Penedo, Alagoas, contida no Processo no T-86. Inicialmente, o Conselheiro desejou lembrar o seu antecessor - Eduardo Kneese de Mello. Referiu-se a sua atividade de criador e coordenador do primeiro Curso de Formação de Arquitetos em Preservação, na FAU, em ; à sua dedicação ao L4B e a sua qualidade de fotógrafo exímio, da qual resultou uma coieção preciosíssíma. Passando a questão de Penedo, impossibilitado pelo excesso de claridade de apresentar os diapositivos que trouxera, explicou aos demais membros do Conselho as foto&ranas incluídas no processo e leu o parecer transcrito a seguir: "O relatório apresentado por nosso Colega José Leme Galvão Júnior de justificativa, estudo mofiológico e demarcação da área a ser tombada como conjunto paisagístico, urbanístico e arquitetônico da cidade de Penedo, Alagoas, está bem documentado, analisado e justificado. Em 1986, a Assembléia Legislativa do Estado de Alagoas solicitou o tombamento, em nível federal, do conjunto urbanístico de Penedo. O Diretor Regional, nosso Colega Ayrton de Almeida Carvalho, julgou que tal tombamento não seria necessário, já que o conjunto estava protegido em nível

4 estadual, conforme a Lei no 4450 de 3 de outubro de 1983 e, bem assim, pela existência de um elemento agressivo a paisagem do conjunto urbano, representado pelo Hotel São Francisco. Assim, o processo foi analisado pelo Setor de Tombamento da antiga DTC da SPHAN, em 1987, que descartou a hipótese do tombamento do conjunto em nível federal, mas sugeriu a inscrição, nos Livros do Tombo, do Teatro Sete de Setembro, localizado na Praça Floriano Peixoto, nas imediações da Igreja de São Gonçalo Garcia, e onde se localiza um conjunto de sobrados, de real valor arquitetônico. Agora, a comunidade, através de um abaixo-assinado, encaminhado pelo Prefeito Municipal, volta a se manifestar, solicitando ser o núcleo histórico de Penedo tombado em nível federal. Analisando o processo, entendemos ser válido o atendimento do pedido, pelas razões expostas {extra-oficialmente), da ausência de atenção por parte do Governo Estadual, e pelo real valor histórico, paisagístico e urbanístico da referida cidade. Realmente, Penedo, localizada as margens do Rio São Francisco, assentada, inicialmente, sobre uma elevação, uma penedia, ai existente, apresenta uma vista fiontal sobre o rio, de excepcional valor paisagístico. Sua trama &ma ainda é a original, demarcada pela Igreja de São Gonçalo, a oeste, pela Rua Damaso do Monte e Praça Rui Barbosa - onde se localizam a Igreja de Nossa Senhora da Corrente e a Igreja

5 5 Matriz - a leste, o Convento de Nossa Senhora dos Anjos, ao norte, e o Rio São Francisco ao sul. O casario existente nos logradouros que foxmam sua trama urbana, aparentemente retanguiar, guardam, ainda, bons exemplares dos Séculos XVIU e XIX, juntamente com outros, do ecietismo, e poucos, de uma arquiteima recente, de caráter comercial. Os bens já tombados por este Instituto ainda sobressaem no conjunto urbano: Igrejas da Corrente, de São Gonçalo, Convento de Nossa Senhora dos Anjos e Igreja dos Terceiros anexa. A essas edificações devem ser acrescidos: o conjunto de sobrados da Rua Damaso do Monte, onde se destacam a Casa do Imperador e a que foi do Barão de Penedo; o prédio da Câmara Municipal, o da Prefeitura (esta descaracterizada, mas que guarda duas ótimas portadas de calcário), a Igreja Matriz e o Oratória que, segundo a tradição, servia aos condenados a forca, na Praça Rui Barbosa; os conjuntos edificados da Avenida Duque de Caxias (beira-no), e da Praça Floriano Peixoto, com o Teatro Sete de Setembro, e o Mercado Municipal; o acervo de consú-uções das Ruas Sete de Setembro, Siqueira Campos e da Avenida Nilo Peçanha - edificações do século XIX e do início deste. Acrescente-se a isto, a sequência de casas em meio de seus jardins na Rua Barão do Rio Branco, e, principalmente, na Avenida Getitlio Vargas, entrada da cidade para quem vem da BR 101 e da AL 101 Sul. Sugerimos, no entanto, a

6 retirada do conjunto de casas localizadas na Rua Joaquim Nabuco, aos fundos da Igreja de São Gonçalo, da área a ser inscrita nos Livros do Tombo, por se tratar de um acervo de casas térreas, geminadas, semelhantes as encontradas em um. sem número de cidades brasileiras, e por se tratar de um' apêndice ao conjunto histórico. De qualquer forma, essas edificações continuarão na área de entorno. Com esta alteração, o perímetro demarcatório da zona a ser inscrita sofreria uma pequena alteração, no sentido de serem ligados diretamente os pontos S ao X, isto é a linha que sai do ponto R seguirá pelos fundos da Igreja de São Gonçalo até o ponto Z, a margem do Rio São Francisco. Outro aspecto que propomos a análise e decisão deste Conselho, é o de definir que a edificação do Hotel São Francisco que representa uma agressão violenta a paisagem urbana, pelo seu volume - largura e altura - e pelo seu colorido, rosa, seja considerado elemento não integrante do acervo tombado. Assim, poderá ele, a critério dos proprieíários, da municipalidade, ou das autoridades governamentais, ser suprimido, ou alterado, de forma a melhor se enquadrar na paisagem da cidade de Penedo. Tais alterações, se forem viáveis, deverão, no enfanto, ser previamente submetidas a apreciação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, como elemento localizado nas imediações de bem tombado. Quanto a área de entorno que circunda o perímetro do núcleo a

7 ser tombado, inclui: o bairro do Camartelo, a jusante do rio São Francisco e aos fundos da igreja de São Gonçalo; a várzea e a área do Quebra-Frasco, ao sul da Avenida Getúlio Vargas; a área da elevação ao norte da mesma avenida; a Lagoa do Catamnho e o Barro Vermelho, a montante do Rio São Francisco. Inclui, igualmente, uma faixa fi-onteíra a cidade do leito do próprio Rio São Francisco. Concluindo este reiatório, voto pelo tombamento federal do centro histórico de Penedo com as indicações das alterações que acima estamos propondo ao estudo apresentado pelos técnicos do Instituto do Patntnônio Histórico e Artístico Nacional." Colocado em discussão, foi indagado se a exclusão de alguns imóveis, proposta pelo Relator, não poderia ocasionar fuimas demolições e o surghento de constnições mais agressivas ao conjunto que se pretende preservar. O Conselheiro Silva TelIes, esclarecendo que as edificações em tela não integram o núcleo do conjunto, mas constituem apêndice, lembrou a necessidade da concordância do IPHAN para qualquer intervenção a ser realizada no entorno de um bem tombado. Colocado em votação, o parecer foi aprovado por un-dade. O Presidente, em seguida, solicitou ao Consetheiro Maurício Roberto o seu pronunciamento sobre a proposta de tombamento do Conjunto Urbdstico e Arquitetônico da Orla da Pampulha, em Belo Horizonte, Minas Gerais, contida no Processo no T-

8 94. O Conselheiro manifestou-se inteiramente favorável e leu o seguinte parecer: "Em meados da década de 30, a nova arquitetura brasileira deslanchou. Muito poucos arquitetos, com muito poucas obras, espalhadas aqui e ali, realizaram este milagre e espantaram o mundo. Um mundo que, diante da iminência da guerra, estava parado, atento e assustado. Em 1942, no entorno de uma pequena lagoa, no interior de ma importante cidade, Belo Horizonte, surgem os quatro edifícios principais da Pampulha: a Igreja, o Baile, o Clube e o Cassino. E não é só isso. Complementando os prédios aparecem obras magníficas de PortinaIi, Pauío Werneck, Ceschiatti e Zé Pedrosa. Ainda mais. Surgem, lindos, os jardins de Roberto Burle Manr. Essa contribuigão - quatro obras no mesmo local, a qualidade aliada a proximidade - foi fundamental para a afirmação daquela arquitetura que estava aparecendo. Desde aquele ano, 1942, os prédios da Pampulha passaram a fizer parte dos marcos da arquitetura brasileira. Marcos reconhecidos não só aqui como, também, por todos que, no mundo, se interessam por cultura. Pampulha é importantissima para Belo Horizonte e para o Estado de Minas Gerais, que já comprovaram isso. Mas, sobretudo, a Pampulha é fúndamental para a cultura brasileira. Na minha opinião de veiho arquiteto militante e, agora, membro deste Conselho Consultivo, a Pampulha já devia estar tombada há muito tempo pelo IPHAN".

9 Iniciados os debates, o Conselheiro Carlos Lemos, declarando desconhecer o processo, considerou indispensáveis um mapa com a indicação precisa da área proposta para tombamento e uma relação dos bens a serem atingidos pela medida, e indagou se a Casa do Presidente Juscelino Kubitschek e os Estádios Magalhães Pinto e Felipe Drummond estariam ali incluídos. O Conselheiro Ítalo Campofiorito opinou que a aprovação da proposta de tombamento implicaria no controle e na preservação do entorno, evitando-se assim o prosseguimento das intervenções prejudiciais aquele patximônio. A Conselheira Maria Beltrão julgou necessária a especifícação das dimensões da área a ser tombada. O Presidente do Conselho sugeriu que a arquiteta Lídia Avelar Estanislau, da 13" Coordenaçiio Regional - PHAN, Minas Gerais, prestasse os esclarecimentos solicitados. A citada técnica informou que a Regional, a pedido da Prefeitura, desenvolveu estudos na região da Pampulha, quando foram hx..izados 59 bairros, dos quais cerca de 19 são favelas. Visando deter o adensamento da população e a verticalização daquela área, foi fixado um perímetro, indicado no mapa existente no processo com a cor rosa, dentro do qual estão situados os Estádios Magalhães Pinto e Felipe Drummond, para os quais, entretanto, não foi sugerido o tratamento de monumento tombado isoladamente, somente indicado para os quatro monumentos situados na orla, para a Casa do Presidente

10 Kubitschek e para o monumento a Iemanjá. Quanto ao Restaurante Redondo, considerou-se que, embora tenha significação para a história da cidade, seria suficiente a proteção municipal. Informou ainda o desenvolvimento de estudos por técnicos da 13 a Coordenação Regional - IPHAN, do Instituto Estadual do PatriInônio Histórico - IEPHA - e da Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte visando a elaboração de um Plano Diretor a ser encaminhado a Câmara Municipal, no qual a Pampdha passaria a ser considerada uma ADE - Área de Diretrizes Especiais - tratamento especial destinado a proteger o seu patrùnônio cultural e mbiental. Indagado pelo Presidente se julgava satisfatórias as explicações, o Conselheiro declarou não haver divergência, apenas um problema técnico para que ficassem definidos os limites da vegetagão, a prohdidade da água e a extensão da mancha a serem preservados, julgando insuficiente a apreciação de idéias, de conceitos, sem o conhecimento preciso da matéria a ser votada. O Conselheiro Ítalo Campofiorito, observando a impossibilidade dos membros do Conseiho percorrerem todo o processo, reiterou a necessidade de urn documento muito claro, no qual a visibilidade e a integridade dos quatro monumentos fiquem assegurados em termos de entorno, procedimento que consta da tradição da Casa. O Conselheiro Maurício Roberto ponderou que a visibilidade é subjetiva,

11 dependendo do ponto de vista do observador. Previu reações negativas por parte dos proprietários das edificações de alto valor situadas um pouco distantes da orla da lagoa, na hipótese de um tombamento mais extenso. O Presidente sugeriu que o Conselho votasse a indicação para o tombamento, cujo mérito é indiscutivel, de acordo com o parecer do Conselheiro Maurício Roberto, ficando para futura reunião do Conselho o exame da delimitação precisa da área a ser protegida, proposta aprovada por unanimidade. A palavra foi então concedida ao Conselheiro Ítalo Campofiofito para pronunciar-se sobre a proposta de tombamento do Centro Histórico de Cataguases, Minas Gerais, incluindo bens culturais imóveis, móveis e integrados, contida no Processo no T-94. O Conseíúeiro inicialmente leu a parte do seu parecer transcrita a seguir: 'Examinei o processo em pauta e quero demonstrar a maior admiraçilo pelo trabalho conjunto dos tbcnicos deste Instituto, com participação solidária da Prefeitura Municipal e da comunidade local em todos os níveis em que foi ouvida e memorizada. A idomação histó&a, arb'stica, cartografica, as citações selecionadas e, sobretudo, o convincente panorama do universo visual envolvido - tudo me pareceu o melhor possível. Trata-se de tsmbar o 'centro histórico', eu diria meihor: o sítio histórico central da cidade de Cataguases, na Zona da Mata, Estado de Minas Gerais. A proteção seria alcançada pelo

12 arrolamento de dezesseis bens imóveis, sete dos quais acompanhados por bens móveis e integrados que lhes pertencem. Ao contexto wbadstico que identifica as relações históricas e artísticas entre os referidos indivíduos arquitetônicos - justamente considerado, nas palavras dos técnicos do IPHAN, 'área de interesse cultural' - é que se chamaria de sítio ou 'centro histórico' para um tombamento devidamente amenizado, a fun de que a fiscalização administrativa do IPW fique reduzida ii proteção dos bens tombados, e, além disso, as demolições, reformas ou novas construções sejam subordinadas 'tão somente, as posturas municipais'. Basta ler o farto relatório técnico para convencer-se do valor excepcional do conjunto para a história da arte moderna brasileira. O valor geral 6 mais do que excepcional, é único. É arte moderna no mais amplo sentido da expressão, abrangendo poesia, prosa e edição gráfica de literatura; arquitetura, painéis murais, revestimentos, mobiliário, quadros, esculturas e arquitetura de jardins; e mais o cinema do Ciclo de Cataguases. Vale dizer, manifestações da melhor arte moderna brasileira, acontecidas entre as décadas de 20 e 40, na maior densidade verificada no pais em qualquer época. É impossível referir tudo aqui, mas sei que se trata de velhos conhecidos nossos, alguns em pleno gênio, ou vigor criativo, como Oscar Niemeyer, Francisco Bologna e Anísio Medeiros, por exemplo. Os outros, que já partiram, deixaram-nos em tal força de

13 modernidade, que, culturalmente, ainda vivem entre nós. Sobretudo neste Palácio da Cultura, onde há lembranças de todos eles: Portinari, Bmo Giorgi, Roberto Burle Mm e Carios Peny, Goeldi e Guignard, Jan Zach e Pedrosa, Marcier, Joaquim Temiro e Carlos Werneck. Integram-se, assim, em Cataguases, à arquitetura de Niemeyer, de Aídary Toledo ou dos irmãos Roberto, os murais, azulejos e mosaicos de Portinari, Anísio e Werneck; os Jardins de Roberto e Perry, as esculturas de Bruno, Zach e Pedrosa. No caso particular da Casa Peixoto, que visitei há alguns anos, no âmbito dos presentes estudos, o que se vê é, pelo menos no Brasil, inaudito. Duas gerações mantiveram a casa que Niemeyer projetou em 1940, com o equipamento e a ambientação interior originais, intactos. Não só a estrutura e o espaço -jovem, moderno e vernacular a um tempo, com seus pilares brancos e teihas vãs -, mas os revestimentos de madeira e os quadros nas paredes, como se tivessem sido pendurados ontem. Devem ser um testemunho raríssimo, no mundo do gosto e do zeitgerst modernistas. Mas, além da arquitetwa e das obras de arte, houve a Revista Verde e o Ciclo Cinematográfico de Cataguases, ainda na década de vinte. Tmbkm no caso da Revista Verde, nomes como Enrique de Rese& e Rosario Fusco ou de seus padrinhos, Mario e Oswald de Andrade, são velhos amigos. 'Verde, Revista Moderna', disse Mario de Andrade. Com ela

14 comunicaram-se Manuel Bandeira, Cassiano Ricardo, Blaise Cendrars, Guillaume Apollinaire... Quanto ao Ciclo Cinematográfico de Cataguases, é proeza ainda maior do que a da arquitetura ou das artes trazidas do Rio, ou mesmo do que a Verde dos jovens literatos que se dispersaram, ainda em botão, nos anos 30 ('quando Verde não saiu mais, quando os meninos se espalharam...' - diz Marques Rebelo, N1 'Cataguases 1937', p do vol. 2, deste processo). O 'surto' de produção cinematográfica que revelou Hwnberto Mauro, Pedro Comello e Eva Nil é, na verdade, o primeiro capítulo, e não o menor, da história da 7a arte no Brasil. Confirma-se, portanto, que há em Cataguases um 'lugar da modemidade' que se deve proteger, comemorar e reviver. Daí o tombamento solicitado, que eu proponho que se aprove hoje. Sabemos todos que, ao tombar, preservamos valores, mas o que arrolamos nos livros são objetos sólidos que aqueles valores tingem ou 'cavalgam', como dizem os axiólogos. Por isso, proponho que esse tombamento seja enunciado na ordem inversa da que vem no esplêndido relatório do arquiteto Antonio Luiz Dias de do vol. 2, deste processo). Em vez de um 'centro histórico', como ele diz numa livre extensão semântica, e em cujo interior se destaçariam os imóveis de valor individual, e depois de ler suas profundas consideragões sobre a complexidade cultural e urbanistica em causa - eu prefiro pensar,

15 primeiro, nos bens sólidos (imóveis, móveis e integrados) tombados no Livro Histórico, para posterior exame de quais também merecem ir ao Livro das Belas Artes. E quanto ao contexto urbano, dehdo pelos técnicos do IPHAN, concordo em preservá-lo, sim, e, nos termos do relatório, como 'Área de Interesse Cultural' e 'Lugar da Modernidade'. Ou seja, não como núcleo de um desenvolvimento urbano em diferentes épocas históricas (a imagem de Olinda, São João de1 Rei, Florença ou Roma), mas como trecho de escrita urbana, segmento, ou sítio central. do tecido urbano, aonde há sinais, traços, pegadas, possíveis releituras da modernidade que se quer preservar. Creio que só a noção de um ecomuseu levaria, no âmbito do perúnetro protegido, a continuidade e revitalização permanente dessa memória. Em sua concepgão mais avançada, o ecomuseu será, justamente, a celebragão cotidiana, intelectual e lúdica, comunitária e cidadã, do bairro cultural central, do cor modernista de Cataguases. Proponho, então, de acordo com a mdestaqão do Departamento de Proteção a fls. 3 e 4 do vol. 1 e nos termos do relatório do arquiteto Antonio Luiz Dias de Andrade, que transcrevo ipsis Zitíeris, a descrição do perímetro a ser protegido, bem como a lista de bens imóveis, móveis e integrados que se seguem:..." Pedindo licencia para omitir a descriqgo da área urbanci, rua por rua, preferiu distibuir entre os membros do Conselho um mapa com as

16 indicações necessárias e quatro pranchas de reproduções coloridas das obras de arte modernistas existentes em um pequeno trecho da cidade. Esclareceu que no seu voto subdividiu a área em três zonas, especificando a importância e os limites de cada uma delas. Comunicou que os estudos, dos quais resultou a proposta contida no processo, foram elaborados ao longo de vários anos com a colaboração da comunidade local - intelectuais e instituições - e a aprovação do Prefeito da cidade, presente a reunião. Atribuindo importância a esses prédios nem sempre da melhor qualidade arquitetônica, mas que, em conjunto, formam uma gestalt ou seja uma forma total que tem qualidades que as formas parciais não possuem, opinou que devem ser conservados para manter viva a lembrança da poesia, do cinema e de outras manifestações que ali se desenvolveram. Especificou os bens culturais móveis, imóveis e integrados, além da atual pavimentação das ruas e avenidas, da escrita urbana onde se pode recordar aquilo que milagrosamente aconteceu naquela cidade. Falou sobre o Colégio de Cataguases, risco original de Oscar Niemeyer, depois modificado, e sobre o painel de Portinari, atualmente exposto no Memoria1 da América Latina. Concluindo, retomou a leitura da parte final do seu parecer: "...No interior do perímetro acima descrito, devem ser tombados individualmente os seguintes bens culturais imóveis, móveis e integrados, além da atual pavimentação das

17 ruas e avenidas: 1. Colégio Cataguases, atual Colégio Estadual Manoel Ignácio Peixoto; Chácara Granjaria; arquiteto: Oscar Niemeyer; Paisagismo de Roberto Burle Marx; Escultura - O Pensador - de Jan Zach; Painel de pastilhas de Paulo Werneck; Mobiliário original de Joaquim Tenreiro; Propriedade: Governo do Estado de Minas Gerais. 2. Residência Francisco Inácio Peixoto; Rua Major Vieira, no 154; arquiteto: Oscar Niemeyer; Paisagismo de Roberto Burle Marx; Mobiliário original de Joaquim Tenreiro; Propriedade: Espólio Francisco Inácio Peixoto. 3. Residência A. O. Gomes; Av. AstoKo Dutra, no 176; arquiteto Francisco Bologna; Painel de Azulejos (fachada externa) - Festa Nordestina - de Anísio Medeiros; Mesco -A lenda sobre o rapto das Sabinas - de ErneRc Marcier; Mobiliário original de Joaquim Temiro; Propriedade: Nanzita Ladeira Salgado Alvim Gomes. 4. Residemia de Joséiia Peixoto Medeiros; Av. Astolfo Dutra, n"46; arquiteto: Aldary Hennques Toledo; Paisagismo de Francisco Bologna; Propriedade: Josélia Peixoto Medeiros. 5. Residência Miia Peixoto; Av. AstoEo Dutra, no 116; arquiteto: Edgard I Guimarães do Vale; Paisagismo de Francisco Bologna; Propriedade: Nélia Peixoto. 6. Hotel Cataguases; Rua Major Vieira, no 56; arquitetos: Aldary Henriques Toledo e Gilberto Lemos; Paisagismo de Carlos Perry; Escultura - Mulher - de Jan Zach; Mobiliário original de Jan Zach; Propriedade: Hotel

18

19 Companhia Força e Luz Cataguases-Leopoldina. 15. Edifício do Antigo Grupo Escolar Coronel Vieira, atual Escola Estadual Coronel Vieira; Av. AstoKo Dutra, no 303; Propriedade: Governo do Estado de Minas Gerais. 16. Educand4rio Dom Silvério; Rua Dr. Lobo Filho, no 270; Painel (fachada externa) de Anísio Medeiros; Afiesco (Capela)- Genesis - de Emeric Marcier; Propriedade: limãos Carmelitas." Colocado em discussão e não havendo manifestações contrárias, o parecer foi aprovado por unanimidade. O Presidente comentou que, além das propostas de tombamento de conjuntos dos períodos colonial e modernista, gostaria de ter submetido ao Conselho a proposta de tombamento da Estação da LUZ, em São Paulo, para incluir também uma obra do periodo do eçletismo, lamentando que os estudos não tivessem sido concluídos em tempo hábil. Consultado, o Conselheiro Carlos Lemos concordou em relatar a citada proposta. Em seguida, solicitou e obteve do Conselheiro Max Justo Guedes a sua anuência para analisar a proposta de regulamentação do entorno da Fortaleza de São José do Macapá, no Amapá. Prosseguindo, submeteu ao Conselho, para ratificação, as autorizações obtidas através de consulta telefônica referente aos processos de empréstimos de obras de arte a instituições internacionais contidas nos processos a seguir relacionados: Proc. No 809-T-68, vol. 98; Proc. No 809-T-68, vol. 100; Proc. N" 809-T-68, vol.

20 101, Proc. No 860-T-72, vol. 35; Proc. No 860-T-72, vol. 36; Proc. No 898-T- 74, vol. IX; Pfoc. No 001-A-94mPHAN/RJ7 todas ratificadas por unanimidade., Após a aprovação e a assinatura da Ata da 6" Reunião do Conselho Consultivo, o Presidente comunicou que, embora não constasse da pauta, o Conselheiro Silva Telles, entusiasmado com o trabalho, manifestou o desejo de relatar o "Projeto Piloto - Sítio Histórico de Tiradentes / Fundamentos e Proposta de Critérios e Normas de Intervenção", elaborado por técnicos do Depariameto de Identificação e Documentação e da 13" Coordenação Regional - PHAN. O Conselheiro iniciou a sua fala informando que tivera conhecimento do trabalho em um Seminario sobre Preservação Arquitetônica realizado em Curitiba, onde foi apresentado pela arquiteta Lia Motta. Explicou que o íinico trabalho anterior desse tipo, no âmbito do IPHAN, fora elaborado pelo arquiteto José Vital Pessoa de Mello, para a cidade de Olinda. Destacou a qualidade e a importância desse Projeto-Piloto para os técnicos, que passariam a dispor de critérios definidos, a serem transmitidos a Prefeitura e aos proprietários dos imóveis, a h de coibir os fatos consumados. Concluindo, leu o seu parecer: "O Projeto Piloto elaborado pelos técnicos do Departamento de Identificação e Documentação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artistico Nacional, coordenado pela Colega Lia Motta, propõe, para a definição de critérios

21 referentes ao parcelamento das áreas existentes e das características de novas edificações no núcleo histórico de Tiradentes, a divisão do mesmo em 8 (oito ) setores. Inicialmente, são apresentados regras gerais, que deçiem: 1) a proibição de abertura de novos logradouros; 2) a restrição de desmembramentos, Iímitados a condíqão de os novos lotes terem acesso direto por rua existente, vedado o uso de acesso pelos becos, e pelos Largos do Chafariz e do Rosário; 3) proibição de desmontes e aterros que possam comprometer a topografia atual; 4) definição de que todas as divisórias, inclusive as frontais, isto no caso de ediiicações recuadas do alinhamento, sejam em muros de alvenarias pintados de bramo, com altura máxima de 1,60 m, ou em sebe viva; 5) obrigatoriedade de todos os telhados serem de telhas cerâmicas e de, nas edificações feitas sobre o alinhamento, suas fenestrações seguirem as proporções e o ritmo das edifícações da quadra; da mesma forma, os telhados deverão seguir a inclinação e a altura da cumeeira das edificações vizinhas; 6) obrigatoriedade de todos os projetos de novas edificações ou de alteração das existentes serem apresentadas ao IPHAN, de acordo com o que prescreve o Decreto-Lei no 25 de 1937; 7) proibição de os projetos de saneamento comprometerem os rios e córregos. - O Setor 1 compreende a parte central da cidade, desde a Ma- ao sul, até o córrego Santo Antônio, ao norte,

22 passando seu limite por trás da Casa do Padre Toledo; o córrego Santo Antônio e a Rua Gabríel Passos formam o limite oeste, até o Largo do ChaFariz; deste até a Matriz, fonna-se o limite sudeste. Neste setor são definidos critérios para o preenchimento dos vazios, onde existiram edificações; estas serão térreas e deverão fimdarnentar-se em pesquisas arqueológicas. Para as grandes áreas, seu desmembramento somente poderá ser feito, com lotes mínimos de 600,OO m2 e com acesso direto por logradouro existente. Nestes casos as novas edificações serão implantadas em centro dos lotes, com afastamentos frontal e lateral, envoitas por arborização. Somente serão admitidas construç6es de sobrados, a partir da existência de documentação fotográfica que comprove ter havido, no local, edíticação de tal porte. - O Setor 2 refere-se ao acesso e ao Largo da Igreja da Santíssima Trindade; para a área, são definidos lotes múllmos de 400,OO m2, podendo ser desmembradas áreas de, no mínimo, 800,OO m2. Novas edifícações, somente se térreas e de volumebria compatível com as existentes. - O Setor 3 refere-se a faixa de ocupação recente entre a Rua Gabriel Passos e o córrego de Santo Antonio. Neste setor são vedados os desmembramentos e as novas edificações serão terreas. - O Setor 4 abrange o outeiro onde se locaiiza a Capela de São Francisco, as áreas em torno da Praça das Mercês e o Largo do Chafariz. Nesta área são passíveis desmembramentos, apenas para os lotes de

23 mais de 6.000,OO m2, e os lotes resultantes terão um mínimo de 3.000,OO m2 e acesso por logradouros existentes; as edificações novas serão térreas. - O Setor 5 refere-se a área localizada atrás da Igreja de Santo Antônio, e configura o hdo paisagístico do núcleo histórico. Assim, os lotes passíveis de desmembramento deverão ter, no mínimo, ,OO m2, e os lotes resultantes, deverão ter área maior do que 5.000,00 m2. As edificações serão térreas e, além disto, seus projetos deverão merecer uma análise detida, pelo IPHAN, quanto a integração na paisagem. - O Setor 6 refere-se a área localizada entre a estrada que sai da Rua Gabriel Passos e do Largo do O, e segue para São João de1 Rei, e as margens do córrego de Santo Antônio. Neste setor o lote minimo passível de desmembramento deverá ter área de 2.400,00 m2, e os lotes resultantes não poderão ter menos de 1.200,00 m2. Nas áreas mais próximas dos setores 1 e 2, entre as Ruas Frei Veloso, Frederico Ozanan e o Beco do Pacú, as novas edi6icações serão térreas; nas áreas restantes, serão admitidas construções com dois pisos. - O Setor 7 refere-se a área de ocupação mais recente, a partir dos limites dos setores 1 e 4, até as margens do Rio das Mortes. São admitidos lotes com área minima de 300,OO m2, edificações com dois pisos, exceto nas imediações da Capela de Santo Antônio da Canjica, onde as edificações serão térreas. - O Setor 8 localiza-se na margem esquerda do Rio das Mortes, em

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer Laura Regina Xavier Justificativa Escolhemos o tema Patrimônio, tendo em vista a nossa realidade profissional,

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN PAC CIDADES HISTÓRICAS Natal /RN INTRODUÇÃO O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciado em 2007, é uma inciativa do governo federal coordenada pelo Ministério do Planejamento que promoveu a

Leia mais

Consulta Pública sobre as Normas de Preservação do Sítio Histórico de Ouro Preto. Memória de Reuniões

Consulta Pública sobre as Normas de Preservação do Sítio Histórico de Ouro Preto. Memória de Reuniões Consulta Pública sobre as Normas de Preservação do Sítio Histórico de Ouro Preto Memória de Reuniões 1.0-Sobre as Normas de Preservação para o Conjunto Tombado de Ouro Preto O Departamento do Patrimônio

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

R E G I M E N T O. Preâmbulo

R E G I M E N T O. Preâmbulo R E G I M E N T O Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 115/97, de 19 de setembro) e de acordo com as alterações introduzidas

Leia mais

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira A ARQUITETURA Professor H. Oliveira Quando os primeiros colonizadores portugueses fortificaram o litoral brasileiro e as ordens religiosas construíram os conventos e as igrejas, a arquitetura figurou como

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA.

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Aos quatro (04) dias do Mês de Março (03) do ano de Dois Mil e Treze (2013), às 17:35 horas, com a presença de nove (09) vereadores,

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO A Lei n.º 159/99, de 14 de setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES

CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES QUADRIÉNIO 2006/2009 ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL 2009/08/05 ÍNDICE REUNIÃO DE 2009/08/05 JUSTIFICAÇÃO DE FALTA 5 APROVAÇÃO DA ACTA DA REUNIÃO DE 29/07/2009

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco, órgão colegiado permanente, consultivo e

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA 1 REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA ACTA Nº 10/2008 - MAIO --- DATA DA REUNIÃO: Vinte de Maio de dois mil e oito. -------------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO: Sala das

Leia mais

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados,

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados, Dircurso proferido Pela Dep. Socorro Gomes, na Sessão da Câmara dos Deputados do dia 08 de novembro de 2006 acerca da 19ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

SECRETARIA DE OBRAS E PLANEJAMENTO URBANO

SECRETARIA DE OBRAS E PLANEJAMENTO URBANO III CONCURSO DE ESTUDANTES DA FAU FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila - LORENA Concurso de projetos para Praças da área urbana, da cidade de Lorena - SP Apresentação: A Prefeitura Municipal de Lorena,

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas.

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas. IPHAE SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO Av. Borges de Medeiros, 1501, 21º andar- Porto Alegre-RS - Cep:90110-150 Fone/Fax: (051)3225.3176 e-mail: iphae@via-rs.net

Leia mais

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU Ano: 2015 Edital nº 01/2015 Temas: energia elétrica;

Leia mais

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 Anexo 1.12 Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rio de Janeiro RJ, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: 1912. Data da Construção: 1913. Área do Terreno: não foram

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

EDITAL - REGULAMENTO LICITAÇÃO PÚBLICA MODALIDADE CONCURSO ARTÍSTICO (FOTOGRAFIAS) TEMA: LIVRE

EDITAL - REGULAMENTO LICITAÇÃO PÚBLICA MODALIDADE CONCURSO ARTÍSTICO (FOTOGRAFIAS) TEMA: LIVRE EDITAL - REGULAMENTO LICITAÇÃO PÚBLICA MODALIDADE CONCURSO ARTÍSTICO (FOTOGRAFIAS) TEMA: LIVRE A PREFEITURA MUNICIPAL, inscrita no CNPJ Nº 05.121.991/0001-84 e estabelecida na Avenida Barão do Rio Branco

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º As atividades culturais e artísticas desenvolvidas pela POIESIS reger-se-ão pelas normas deste Regimento Interno e pelas demais disposições

Leia mais

Excelentíssimo Embaixador Fernando Igreja, Chefe do Cerimonial do Ministério das Relações Exteriores;

Excelentíssimo Embaixador Fernando Igreja, Chefe do Cerimonial do Ministério das Relações Exteriores; Palavras do presidente da Funag, embaixador Sérgio Eduardo Moreira Lima, na ocasião da abertura do Seminário Palácio Itamaraty 50 Anos, realizado na Sala San Tiago Dantas, Palácio Itamaraty, Brasília,

Leia mais

Manuel Lima Soares Filho Presidente do CEG/FDID. Anastácio Jorge Matos de Souza Marinho Conselheiro - PGE

Manuel Lima Soares Filho Presidente do CEG/FDID. Anastácio Jorge Matos de Souza Marinho Conselheiro - PGE 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 Aos oito dias do mês de janeiro de dois mil e sete, às nove horas,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 65, de 2012 (Projeto de Lei nº 1.263, de 2003, na origem), de autoria do Deputado Leonardo Monteiro,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Capitulo I Da Sede. Fórum. Denominação e Finalidades Art. 1º - A Liga de Diabetes da Universidade de Uberaba é um órgão

Leia mais

Havendo número legal, o senhor Presidente declarou aberta a Sessão. Deu as boas vindas aos presentes, registrou com alegria a presença dos

Havendo número legal, o senhor Presidente declarou aberta a Sessão. Deu as boas vindas aos presentes, registrou com alegria a presença dos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO, REALIZADA NO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS Ministério da Cultura IPHAN INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL Escritório Técnico II - São João del Rei Rua Hermíllo Alves n.º 52 Centro São João del-rei Minas Gerais CEP 36.307-328

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA O Decreto-Lei nº7/2003, de 15 de Janeiro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto, retificada pela

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 15 de 27 de abrilde 2006.

LEI COMPLEMENTAR N 15 de 27 de abrilde 2006. -~--' -, Praça Barão do Rio Branco, 12 Fax (31) 3559 3205 LEI COMPLEMENTAR N 15 de 27 de abrilde 2006 Altera a Lei Comp1emelÚtlr n 02/1005, modifica a denonúnaçílo da Secretaria Municipal de Turismo, IndÚstria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ KL Serviços e Engenharia S/C PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO LEI Nº Dispõe sobre o sistema Viário do Município de Quixadá e dá outras

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Considerando que: 1. A experiência do Conselho Local de Educação em Palmela procurou fomentar a valorização da educação como motor de desenvolvimento do local,

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008

LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008 Autoria: Poder Executivo LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008 Reestrutura o Conselho Municipal de Turismo COMTUR e cria o Fundo Municipal do Turismo de Lucas do Rio Verde e da outras providências. O Prefeito

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N. 1.022, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Institui o Sistema Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e o Conselho Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e dá outras providências." O GOVERNADOR

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade.

DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade. LEI N. 120/1952 DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade. Faço saber que a Câmara Municipal de Soledade,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Bens preservados em destaque: A. Igreja e Cemitério de Parelheiros B. Igreja e Cemitério de Colônia C. Vila e Estação Ferroviária Evangelista

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

ACTA DA VIGÉSIMA SÉTIMA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONDIM DE BASTO, REALIZADA NO DIA 20 DE DEZEMBRO DE 2010.

ACTA DA VIGÉSIMA SÉTIMA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONDIM DE BASTO, REALIZADA NO DIA 20 DE DEZEMBRO DE 2010. ACTA DA VIGÉSIMA SÉTIMA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONDIM DE BASTO, REALIZADA NO DIA 20 DE DEZEMBRO DE 2010. --------------------------------------- Aos Vinte dias do mês de Dezembro do ano

Leia mais

2.2.3 Casos de Imóveis preservados

2.2.3 Casos de Imóveis preservados 2.2.3 Casos de Imóveis preservados Em Sorocaba o tombamento municipal é a base da política de preservação adotada em nível local. Em entrevista para o Jornal Cruzeiro do Sul a presidente do CMDPH, Maria

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade. local 1

Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade. local 1 Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade local 1 Rodrigo Modesto Nascimento Mestre Unesp de Assis O tombamento do Teatro São Vicente 2 de Assis foi solicitado pela Prefeitura

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto Regulamento Conselho Municipal de Desporto 30.abril.2015 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO Preâmbulo Considerando que as autarquias, pela sua proximidade com a população, são

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA - 1 - CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. A Associação Nacional de Pesquisadores em Dança, associação sem fins lucrativos

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

CONPLAM Conselho de Planejamento Urbano e Meio Ambiente de Natal

CONPLAM Conselho de Planejamento Urbano e Meio Ambiente de Natal PEDIDO DE VISTAS Conselheiro WILSON LUIZ CARDOSO (Clube de Engenharia do RN) PROCESSO: Nº. 00000.022525/2008-73 (SEMURB) Cadastrado em 02/07/2008 ASSUNTO: Solicita Análise do CONPLAM sobre o substitutivo

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

PRÊMIO SOLUÇÕES CRIATIVAS

PRÊMIO SOLUÇÕES CRIATIVAS Edital e Regulamento do Concurso Prêmio Talento Inovador Com a preocupação com os novos talentos e o incentivo a criatividade surgiu à idéia do PRÊMIO SOLUÇÕES CRIATIVAS em parceria do Grupo Modular com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Segundo semestre de 2013: segundas e terças-feiras das 14h às 18h no Estúdio 4

Segundo semestre de 2013: segundas e terças-feiras das 14h às 18h no Estúdio 4 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE PROJETO GRUPO DE DISCIPLINAS DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AUP 0154 - ARQUITETURA - PROJETO 4 Segundo semestre de 2013: segundas

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Barroco Mineiro Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Mapa da Estrada Real, por onde escoava o ouro encontrado pelos bandeirantes paulistas em 1692. O Caminho Velho iniciava NO Rio de Janeiro

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007.

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. Cria o Fundo Municipal de Microcrédito e Apoio à Economia Solidaria-FUMAES e Institui o Conselho Gestor do FUMAES e da outras providências.

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

CONSELHO ACADÊMICO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO ATA DA 26ª REUNIÃO

CONSELHO ACADÊMICO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO ATA DA 26ª REUNIÃO Aos dezessete dias do mês de maio de dois mil e doze, às oito horas e trinta minutos, na sala de 5 10 15 20 25 reuniões da Reitoria, teve início a 26ª Reunião do Conselho Acadêmico de Ensino de Graduação

Leia mais

Rerratificação do tombamento Conjunto Arquitetônico e Urbanístico na Cidade de Icó

Rerratificação do tombamento Conjunto Arquitetônico e Urbanístico na Cidade de Icó Rerratificação do tombamento Conjunto Arquitetônico e Urbanístico na Cidade de Icó Preâmbulo Inicio este parecer agradecendo a indicação da Presidenta Jurema Machado para relatar o pedido de rerratificação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHEIRO MACHADO. Secretaria Municipal da Administração

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHEIRO MACHADO. Secretaria Municipal da Administração PROJETO DE LEI Nº 31, DE 15 DE JULHO DE 2015 Autoriza a Concessão de Direito Real de Uso Gratuito de Imóveis do Município Art 1º Fica o Poder Executivo Municipal autorizado a firmar contrato administrativo

Leia mais

DECRETO 7451 DE 03 DE MARÇO DE 1988. No uso de suas atribuições legais, Tendo em vista o que consta do processo 10/34.039/87 e de seus apensos e,

DECRETO 7451 DE 03 DE MARÇO DE 1988. No uso de suas atribuições legais, Tendo em vista o que consta do processo 10/34.039/87 e de seus apensos e, DECRETO 7451 DE 03 DE MARÇO DE 1988 DETERMINA o tombamento definitivo dos bens culturais que menciona e delimita sua área de entorno. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, No uso de suas atribuições

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

ATA DA DÉCIMA TERCEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA

ATA DA DÉCIMA TERCEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA ATA DA DÉCIMA TERCEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA, realizada no dia dez do mês

Leia mais

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é 3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é tombada em nível estadual, apenas um bem é tombado pela

Leia mais