O ensino da competência gramatical na prática pedagógica na aula de. Espanhol como LE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ensino da competência gramatical na prática pedagógica na aula de. Espanhol como LE"

Transcrição

1 O ensino da competência gramatical na prática pedagógica na aula de Espanhol como LE Profa. Ms. Valéria Jane Siqueira Loureiro (UGF/ UniFOA/ FERLAGOS/ CCAA) La lengua es la que manda sobre las reglas que pretenden explicarla, y nunca al revés. Si los ejemplos no encajan en una explicación gramatical, hay que rechazarla (o revisarla para que los acoja). No hay otra opción (GÓMEZ DEL ESTAL VILLARINO, 2004, p. 776). Introdução Nos últimos anos se suscitou a temática sobre a necessidade ou não de ensinar-se gramática nas aulas de línguas estrangeiras, sobre até que ponto o ensino do conteúdo gramatical leva os estudantes a serem falantes eficazes e a desenvolverem a competência lingüístico-gramatical suficiente para que se comuniquem na LE. A partir do enfoque comunicativo, no âmbito do ensino de línguas estrangeiras, os conteúdos gramaticais sofreram as repercussões dessa temática teórica. Há os que defendam o ensino explícito da gramática e os que a reprovem, assim essa postura afeta diretamente os programas de ensino, os materiais didáticos e a própria prática docente. O ensino da gramática tende a ser enfocado como um elemento a mais no desenvolvimento da habilidade comunicativa, cujo objetivo é praticar a língua no seu uso comunicativo. Isso reflete a posição de que a gramática está a serviço da comunicação e não deve nunca ser ensinada por si só e fora de contexto situacional. 3388

2 Segundo alguns teóricos, por exemplo, Gelabert e outros (2002), García García (2001) e Martín Peris (2004), a gramática 1 já não protagoniza as aulas de LE, entretanto, resulta um fator importante e indispensável que atua como um mecanismo possibilitador pelo qual os estudantes se aproximam do sistema da língua-meta e alcançam uma competência não só lingüística, mas também sociolingüística, discursiva e pragmática. Sendo assim, surge a questão de como tratar o componente gramatical nas aulas de espanhol como língua estrangeira para que não se trate de um estudo preocupado só pela forma, desconectado do significado, sem ser um elemento que permita compreender e manejar a comunicação. 1. Que gramática se ensina? Freqüentemente se escuta a palavra gramática no dia-a-dia. Contudo, a palavra gramática costuma se associar ao uso de três acepções muito diferentes, entretanto não excludentes. Primeiramente se define como um conjunto de regras implícitas de um sistema lingüístico ou princípio de organização interna própria de uma determinada língua: o que alguns lingüistas denominam de competência lingüística. Uma segunda acepção define-a como a argumentação explícita de normas que respondem a um registro específico de uma língua: conhecimento reflexivo das regularidades ou normas de uma língua. Por último, se entende por gramática como o manual ou livro que corresponde a uma visão ou enfoque sobre a língua ou ponto de vista particular sobre o saber gramatical próprio de uma língua: determinada escola de pensamento, determinada teoria sobre o funcionamento interno da língua. No âmbito do ensino/ aprendizagem de línguas estrangeiras, em particular do espanhol, se uma análise detalhada é feita nas três acepções apresentadas, estas nos levam a refletir sobre por que e para que se ensina gramática nas aulas de E/LE. Ser usuário de uma língua equivale a dispor de una série de conhecimentos e 3389

3 habilidades lingüísticas de forma inconsciente. Os falantes nativos de uma língua dispõem de um conhecimento instrumental ou procedimental, sabem usar de forma espontânea um complexo sistema de regras gramaticais e de redes de palavras e significados para transmitir suas mensagens no transcurso das suas inter-relações comunicativas. Esse conhecimento se distingue do declarativo, o conhecimento sobre a língua, e nem todos os que falam uma língua possuem esse conhecimento sobre a mesma. Ao observar os dois tipos de conhecimentos gramaticais, se estabelece a questão do tratamento didático do componente gramatical na sala de aula de LE que leva os professores a deslocarem o foco do conhecimento declarativo da aquisição da competência comunicativa. A controvérsia sobre ensinar ou não gramática dá lugar a duas interrogações que são objeto de investigação no cenário da metodologia de E/LE: Como o ensino gramatical favorece a aprendizagem de uma língua? E como elaborar e realizar atividades em que se conjuguem gramática e comunicação? 2. O trabalho com a gramática na aula de E/LE A partir da chamada revolução comunicativa os conteúdos gramaticais passam por uma mudança radical, e as repercussões desse debate teórico entre os que defendem o ensino explícito da gramática e os que a rechaçam afetaram diretamente os programas de ensino, os materiais didáticos e a própria prática docente. A competência gramatical ainda é o foco oferecido pelos professores nas aulas de LE, seja porque se inserem numa tradição metodológica baseada no ensino gramatical, seja porque têm uma dependência em utilizar materiais didáticos que na sua grande maioria se baseiam na gramática. Sabe-se que a gramática realiza a descrição e a explicação do sistema da língua, que se ocupa dos elementos 3390

4 morfológicos e sintáticos e que deixa o léxico para a semântica e os sons para a fonética. [ ] según algunos gramáticos, la Gramática comprende sólo la Morfología y la Sintaxis; según otros, abarca también el plano fónico, es decir, el de los sonidos y los fonemas. [ ] La Semántica, rama lingüística que se ocupa de los significados, no es una parte de la Gramática, pero se tiene en cuenta para el control de los procedimientos formales que se aplican en la Sintaxis y para la explicación de muchos fenómenos sintácticos [ ] (GÓMEZ TORREGO, 1998, p. 14). Nessa perspectiva de gramática, o estudo lingüístico-gramatical apresenta um problema fundamental no momento de responder a uma concepção mais ampla em relação ao ensino de língua, que não seja simplesmente a de um conjunto de regras de natureza nocional, mas que também seja um instrumento de comunicação. A análise gramatical está no nível da sintaxe oracional e, por isso, exclui todos os elementos da língua que implicam uma análise no nível do discurso ou do texto. 3. O ensino e a aprendizagem da gramática: para quê? Sabe-se que ensinar gramática é muito mais que explicar regras e normas morfossintáticas. Os tempos atuais exigem que nos detenhamos em aspectos discursivos e pragmáticos, e isso não só por fazer as devidas honras às novas correntes metodológicas e lingüísticas, mas porque o papel desempenhado pela gramática na aula de LE é mais amplo, depois do conceito de competência comunicativa. A competência comunicativa se divide em cinco outras competências: a competência lingüística, que se define como o grau de capacidade que um aluno de um curso de espanhol possui para interpretar e formular frases corretamente em um sentido habitual e conveniente (uso adequado de regras gramaticais, vocabulário, pronunciação, entonação e formação de palavras e orações); a competência 3391

5 pragmática, que se refere à habilidade para utilizar os elementos lingüísticos corretamente num contexto situacional; a competência discursiva, que se refere à habilidade que tem o falante para unir elementos lingüísticos soltos de forma coerente (saber atuar em nível superior ao da frase); a competência estratégica, que se refere à habilidade de remediar possíveis falhas nas anteriores competências; e a competência sociocultural, que se refere ao conhecimento de mundo que vai unido à língua (gestos, comportamento etc.). Para o enfoque comunicativo, a gramática é um componente indispensável, assim como são indispensáveis o componente pragmático, discursivo, estratégico e sociocultural para o ensino/ aprendizagem da língua. A proposta do desenvolvimento da competência gramatical, em que se considere a comunicação para descrever e explicar as normas de funcionamento da língua, se concebe para que se integre descrição e explicação gramatical com os distintos níveis de ensino da língua para que resulte em mais ajuda tanto a docentes quanto a discentes da LE. 4. Proposta de prática pedagógica de gramática na aula de E/LE No processo de ensino/ aprendizagem de LE, o conhecimento reflexivo das normas características de uma língua desenvolve a competência lingüística, que, entretanto, muitas vezes, leva a que não haja o desenvolvimento das habilidades discursivas, imprescindíveis para a ampliação da competência comunicativa dos estudantes. A tarefa de se transformar as aulas de E/LE em um espaço no qual se proporcione estruturas gramaticais e informações metadiscursivas em atividades de tipo processual (leitura e compreensão oral) e de tipo produtiva (expressão oral e escrita) que capacitem o aluno para a comunicação, desde o ponto de vista pedagógico, acontece quando se dá importância ao processo de aquisição da língua. 3392

6 No enfoque comunicativo, a importância de oferecer aos estudantes os componentes gramaticais e os funcionais para que os leve à comunicação passa por desenvolver as estratégias de compreensão e de expressão em LE. Nessa visão, o uso de textos selecionados a partir de situações argumentativas, publicados nos jornais e revistas, é o uso de um material acessível, de fácil manejo, de onde se extrai, de uma situação discursiva, o texto, além das estruturas gramaticais, as intenções comunicativas e seus expoentes funcionais da língua. O trabalho com a competência gramatical na aula de LE passa pelo critério da integração do conteúdo gramatical com as habilidades discursivas (GÓMEZ CASAÑ, 1996, p ). Assim, a integração entre as habilidades que se desenvolve nas atividades didáticas, nesse caso de produção oral e de produção escrita, mediada pela compreensão leitora, tenta desenvolver as noções gramaticais nos alunos de maneira inconsciente. A proposta se desenvolve em três etapas. Na primeira etapa, os estudantes sem nenhum tipo de input e sem incentivos para a negociação de significados, lêem o texto previamente escolhido pelo professor na aula. A partir da leitura, os alunos e os professores refletem sobre o elemento gramatical, previamente preparado pelo professor, destacando o que se quer ensinar para os estudantes. Depois da leitura, os estudantes inferem os aspectos semânticos e pragmáticos do tema gramatical em questão e ativam as regras morfossintáticas, funcionais e semânticas no nível textual. Na segunda etapa, através do debate sobre o tema oferecido pelo texto, os estudantes tentam empregar o tópico gramatical estudado que foi levado à aula. Nessa etapa, os estudantes têm o input dos textos selecionados que partem de situações discursivas e têm a leitura como atividade prévia, o debate se converte em uma ferramenta para a construção da orientação discursiva oral dos alunos. Na terceira e última etapa, se desenvolvem as condições semelhantes às da segunda etapa, no sentido de que se oferecem os mesmos inputs. Porém, apesar 3393

7 das semelhanças das condições pedagógicas oferecidas, os estudantes têm indiretamente acesso às informações metadiscursivas conseguidas pelo trabalho precedido da leitura e do debate com a integração da escrita. Na utilização da habilidade escrita, se espera que os alunos alcancem um nível de adequação maior do uso da competência gramatical frente ao que apresentam no debate, já que nessa etapa os discentes tiveram a oportunidade de contornar as dúvidas e dificuldades que apresentavam antes do trabalho baseado no texto, assim o docente verifica se houve o fim do processo de transferência da L1 à LE. 2 Nas três etapas de trabalho, durante o processo de integração das habilidades, se objetiva desencadear um processo de inferência de informações metadiscursivas sobre os elementos gramaticais que funcionam no texto em nível discursivo, que os manuais de E/LE, na maioria das vezes, não descrevem ou explicam. Sendo assim, através da situação comunicativa proposta, o texto, o estudante infere os possíveis empregos e funções do tópico abordado, deduzindo suas intenções comunicativas e seus expoentes funcionais. Nessa proposta, a leitura foi o ponto de partida para a atividade de expressão oral e escrita. Entretanto, no processo de integração entre as habilidades para contornar as possíveis ausências de descrição e explicação gramaticais, se possibilita ter outro tipo de habilidade como ponto de partida, como partir da expressão escrita dos estudantes e integrá-la à oral. A integração das habilidades para o ensino implícito de um tema gramatical permite adequar o que se quer ensinar às necessidades apresentadas pelos distintos grupos de estudantes. A abertura dessa proposta de trabalho leva o professor a analisar a realidade pedagógica na qual se insere para determinar quais as habilidades integrar e como integrá-las entre si. 5. Considerações finais 3394

8 O ensino da competência gramatical é um dos desafios fundamentais que os professores de espanhol como língua estrangeira encontram na sua prática cotidiana. O processo de ensino/ aprendizagem dessa competência sempre recebeu e ainda recebe um especial destaque por parte de todos os métodos de ensino de LE, inclusive o de enfoque comunicativo. O estudante aprende as normas e o funcionamento dos elementos da LE, contudo a questão é como proporcionar uma aprendizagem da competência gramatical na língua estrangeira que capacite os alunos a transferirem as estratégias gramaticais específicas que possuem na L1 à LE. A partir das diferentes contribuições gramaticais se faz uma reflexão sobre o papel da competência gramatical no ensino/ aprendizagem de língua estrangeira, no caso, o espanhol. O desenvolvimento de estratégias de ensino da gramática, que extrapole as fronteiras das informações morfossintáticas e metalingüísticas a nível oracional, leva à inclusão do desenvolvimento das habilidades de organização discursiva/ textual que se faz necessário para que os alunos consigam alcançar a competência comunicativa. Proporcionar uma aprendizagem mais implícita do conteúdo gramatical passa por ensinar aos estudantes o aspecto discursivo e textual tanto escrito quanto oral, levando-os a reconhecer as estruturas concretas de cada uma das destrezas através da integração da gramática e das destrezas lingüísticas. Referências ALONSO BELMONTE, Isabel. La enseñanza de la gramática de español como lengua extranjera: diferentes aportaciones. Madrid: SGEL, ALONSO RAYA, Rosario. Cómo cambiar tu vida con la gramática. Algunos consejos para tener éxito con los ejercicios gramaticales. In: ENCUENTRO PRÁCTICO DE PROFESORES DE E/LE, 12. Actas Barcelona: International House/ Difusión Centro 3395

9 de Investigación y Publicaciones de Idiomas, Disponible en: <http://www.encuentro-practico/talleres-2003.html>. GARCÍA GARCÍA, Sonsoles. El papel y el lugar de la gramática en la enseñanza de E/LE. Forma 1, p. 9-21, GOMEZ CASAÑ, Pilar; MARTÍN VIAÑO, María del Mar. La expresión escrita: de la frase al texto. In: VVAA. Didáctica de las segundas lenguas: estrategias y recursos básicos. Madrid: Santillana, p GÓMEZ DEL ESTAL VILLARINO, Mario. Los contenidos lingüísticos o gramaticales. La reflexión sobre la lengua en el aula de E/LE: criterios pedagógicos, lingüísticos y psicolingüísticos. In: SÁNCHEZ LOBATO, J.; GARGALLO, I. Santos (Org.). Vademécum para la formación de profesores enseñar español como segunda lengua (L2)/ lengua extranjera (LE). Madrid: SGEL, p GÓMEZ TORREGO, Leonardo. Gramática didáctica del español. Madrid: SM, MARTÍN PERIS, Ernesto. La subcompetencia lingüística o gramatical. In: SÁNCHEZ LOBATO, Jesus; GARGALLO, Isabel Santos (Org.). Vademécum para la formación de profesores enseñar español como segunda lengua (L2)/ lengua extranjera (LE). Madrid: SGEL, p MIKI KONDO, Clara. Hacia una gramática para el uso no nativo: replanteamiento y definición de la gramática pedagógica. In: Cuadernos del Tiempo Libre, p (Colección Expolingua (E/LE 5)). 3396

10 Notas 1 Neste trabalho se entende por gramática o raciocínio explícito de normas que respondem a um registro específico de uma língua ou saber de caráter mais ou menos metódico sobre a língua. 2 Característica que faz parte do processo de aquisição de língua estrangeira nos estudantes, principalmente pelo fato de se tratar do português, língua tão semelhante ao espanhol. 3397

O ENSINO GRAMATICAL NA AQUISIÇÃO DE E/LE: DA GRAMÁTICA NORMATIVA A FUNCIONALISTA Valéria Jane Siqueira Loureiro (UFS) vjsloureiro@yahoo.com.

O ENSINO GRAMATICAL NA AQUISIÇÃO DE E/LE: DA GRAMÁTICA NORMATIVA A FUNCIONALISTA Valéria Jane Siqueira Loureiro (UFS) vjsloureiro@yahoo.com. O ENSINO GRAMATICAL NA AQUISIÇÃO DE E/LE: DA GRAMÁTICA NORMATIVA A FUNCIONALISTA Valéria Jane Siqueira Loureiro (UFS) vjsloureiro@yahoo.com.br RESUMO A gramática se apresenta como conteúdo inerente no

Leia mais

PROFESSOR RESPONSÁVEL: Patrícia Roberta de Almeida Castro Machado

PROFESSOR RESPONSÁVEL: Patrícia Roberta de Almeida Castro Machado MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS NOME DA DISCIPLINA: Estágio 2 (espanhol) PROFESSOR RESPONSÁVEL: Patrícia Roberta de Almeida Castro Machado CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

Leia mais

A COMPETENCIA GRAMATICAL NAS AULAS DE ESPANHOL COMO LINGUA ESTRANGEIRA

A COMPETENCIA GRAMATICAL NAS AULAS DE ESPANHOL COMO LINGUA ESTRANGEIRA A COMPETENCIA GRAMATICAL NAS AULAS DE ESPANHOL COMO LINGUA ESTRANGEIRA Bruna de Souza Fraga (UFS) Monize Batista de Jesus (UFS) INTRODUÇÃO A gramática, por muito tempo foi um dos instrumentos mais utilizados

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL 30/2014 PROCESSO SELETIVO. Valor Bolsa. Pré-requisitos/ Titulação

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL 30/2014 PROCESSO SELETIVO. Valor Bolsa. Pré-requisitos/ Titulação PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL 30/2014 PROCESSO SELETIVO A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal do Triângulo Mineiro torna público que estarão abertas as inscrições para a realização do Processo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS PROVAS As provas do processo seletivo simplificado

Leia mais

TRATAMIENTO DE LOS ASPECTOS CONFLICTIVOS DEL ESPAÑOL PARA LUSOHABLANTES. Centro de Formação Continua de Professores FLUC

TRATAMIENTO DE LOS ASPECTOS CONFLICTIVOS DEL ESPAÑOL PARA LUSOHABLANTES. Centro de Formação Continua de Professores FLUC TRATAMIENTO DE LOS ASPECTOS CONFLICTIVOS DEL ESPAÑOL PARA LUSOHABLANTES Acão de Formação nº18 de 2012/2013 (CCPFC/ACC-73656/13) Centro de Formação Continua de Professores FLUC Formadoras: Mestre Elena

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

APRENDENDO O ESPANHOL ATRAVÉS DA RÁDIO: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR

APRENDENDO O ESPANHOL ATRAVÉS DA RÁDIO: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR 1 APRENDENDO O ESPANHOL ATRAVÉS DA RÁDIO: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR AMANDA JOSE DANTAS SILVA Introdução De acordo com Houaiss (2001), a interação é a ação recíproca de dois ou mais corpos; é a

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E LITERATURAS ESTRANGEIRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E LITERATURAS ESTRANGEIRAS 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL LÍNGUA ESTRANGEIRA 1 ESPANHOL EMENTA: Introdução às práticas de compreensão e produção orais e escritas da língua através do uso de estruturas e funções comunicativas elementares.

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira

O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira Cleide Coelho MARTINS 1, Lucielena Mendonça de LIMA 2 cleidecmartins@gmail.com INTRODUÇÃO Quando aprendemos ou ensinamos uma

Leia mais

O%ENSINO%DA%PROSÓDIA%DO%ESPANHOL%COMO%LÍNGUA% ESTRANGEIRA%NAS%ESCOLAS%ESTADUAIS%DE%CURITIBA'

O%ENSINO%DA%PROSÓDIA%DO%ESPANHOL%COMO%LÍNGUA% ESTRANGEIRA%NAS%ESCOLAS%ESTADUAIS%DE%CURITIBA' ISSN: 2318-1028REVISTA VERSALETE ' OENSINODAPROSÓDIADOESPANHOLCOMOLÍNGUA ESTRANGEIRANASESCOLASESTADUAISDECURITIBA' SPANISHASAFOREIGNLANGUAGE:TEACHINGPROSODYIN PUBLICSCHOOLSINCURITIBA PolliannaMilan 1 '

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

A LITERATURA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE LE

A LITERATURA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE LE A LITERATURA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE LE Carina de Jesus Mota CONSIDERAÇÕES INICIAIS A importância da literatura no ensino/aprendizagem de uma língua estrangeira é um ponto que deve ser analisado

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

Aspectos fonéticos nas produções orais de alunos brasileiros aprendizes. de espanhol

Aspectos fonéticos nas produções orais de alunos brasileiros aprendizes. de espanhol Aspectos fonéticos nas produções orais de alunos brasileiros aprendizes de espanhol Maria Sílvia Barbosa (UNESP/ UNIFRAN/ Uni-FACEF) Ucy Soto (UNESP) Em nossa prática docente percebemos, muitas vezes,

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Curso de Especialização em METODOLOGIA DO ENSINO DA LINGUA PORTUGUESA E ESPANHOLA

Curso de Especialização em METODOLOGIA DO ENSINO DA LINGUA PORTUGUESA E ESPANHOLA Curso de Especialização em METODOLOGIA DO ENSINO DA LINGUA PORTUGUESA E ESPANHOLA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação e Espanhol. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Ensino de

Leia mais

Denominação do curso: ESPANHOL APLICADO A SERVIÇOS TURÍSTICOS BÁSICO

Denominação do curso: ESPANHOL APLICADO A SERVIÇOS TURÍSTICOS BÁSICO 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Denominação do curso: ESPANHOL APLICADO A SERVIÇOS TURÍSTICOS BÁSICO Eixo Tecnilógico: Apoio Educacional Local de oferta: IFBA Campus Ilhéus Modalidade: Presencial Turno de oferta:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS PROVAS 1. As provas do Concurso Público de Provas e

Leia mais

ANÁLISE DE PROPOSTAS DE ATIVIDADES ORAIS PARA O CURSO BÁSICO DE ESPANHOL

ANÁLISE DE PROPOSTAS DE ATIVIDADES ORAIS PARA O CURSO BÁSICO DE ESPANHOL ANÁLISE DE PROPOSTAS DE ATIVIDADES ORAIS PARA O CURSO BÁSICO DE ESPANHOL Jessica Alves Prata (UFS/GEMADELE) 1 Nayane Silva Santos (UFS/GEMADELE/PIBIX) 2 Valéria Jane Siqueira Loureiro (UFS/GEMADELE) 3

Leia mais

Com base no texto acima, a língua espanhola, no contexto atual, é. De acordo com o texto acima, assinale a opção correta. A B

Com base no texto acima, a língua espanhola, no contexto atual, é. De acordo com o texto acima, assinale a opção correta. A B Un/ESPE SEU/E 8 QUESTÃO 31 O processo de ensino-aprendizagem da língua espanhola no rasil é uma realidade nos dias atuais, porém foram diversos fatores que fizeram que o espanhol tivesse a importância

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município:Garça Eixo Tecnológico: Mecatrônica Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica Qualificação: Técnico

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA A PARTIR DO TRABALHO COM ELEMENTOS SOCIOCULTURAIS PRESENTES NAS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS

O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA A PARTIR DO TRABALHO COM ELEMENTOS SOCIOCULTURAIS PRESENTES NAS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA A PARTIR DO TRABALHO COM ELEMENTOS SOCIOCULTURAIS PRESENTES NAS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS Jacqueline de SOUZA Lucielena Mendonça de LIMA Universidade Federal de Goiás GO jackshantala@hotmail.com

Leia mais

Palavras-Chave: Ensino de espanhol, ensino de geografia, atividade integrada.

Palavras-Chave: Ensino de espanhol, ensino de geografia, atividade integrada. O PASSAPORTE COMO INSTRUMENTO DA INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE ESPANHOL E GEOGRAFIA Leonardo Terra Messias 1 Caroline Gonçalves Feijó 2 Jonas dos Santos 3 Mara Belém da Silva 4 Cristina Pureza Duarte Boéssio

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Gestão de Turismo FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( x ) tecnólogo

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA EM AULAS DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA EM UMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL: PERCEPÇÕES E REFLEXÕES

A PRÁTICA DA LEITURA EM AULAS DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA EM UMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL: PERCEPÇÕES E REFLEXÕES A PRÁTICA DA LEITURA EM AULAS DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA EM UMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL: PERCEPÇÕES E REFLEXÕES GT7 Educação, Linguagens e Artes Antônio Carlos Silva Júnior¹ Resumo O presente

Leia mais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Renise Cristina Santos (UFMG) 1 Introdução Este trabalho apresenta dados parciais da pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida

Leia mais

A gramática no ensino de língua espanhola: um estudo reflexivo na sua aplicação

A gramática no ensino de língua espanhola: um estudo reflexivo na sua aplicação A gramática no ensino de língua espanhola: um estudo reflexivo na sua aplicação Manuella Pereira Carvalho¹, Mª Pía Sassi², Janaína Dos Santos Sória³ ¹ Faculdade de Letras Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA PARTIR DAS OCN S

REFLEXÕES ACERCA DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA PARTIR DAS OCN S REFLEXÕES ACERCA DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA PARTIR DAS OCN S Katia Aparecida da Silva Oliveira UFTM As discussões acerca da implantação do ensino obrigatório de língua espanhola

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: IDIOMA: PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior. En este

Leia mais

CARVALHO, Maria Adelaide Pinto dos Santos, Programação com Excel para Economia & Gestão, Lisboa: FCA. COELHO, Pedro, Criar e publicar páginas Web

CARVALHO, Maria Adelaide Pinto dos Santos, Programação com Excel para Economia & Gestão, Lisboa: FCA. COELHO, Pedro, Criar e publicar páginas Web CARVALHO, Maria Adelaide Pinto dos Santos, Programação com Excel para Economia & Gestão, Lisboa: FCA. COELHO, Pedro, Criar e publicar páginas Web depressa & Bem, Lisboa: FCA. ELIAS, Ana, Curso Avançado

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos.

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. (Wrigley 1996: 13) Desafios para a formação de profissionais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU - EXTENSÃO AGUDOS Código: 135.01 D Município: AGUDOS Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Componente Curricular:

Leia mais

Ajudar a ler em ciências

Ajudar a ler em ciências Ajudar a ler em ciências sociais 1 79 Beatriz Aisenberg p ara muitos alunos costuma ser difícil ler textos de ciências sociais, até mesmo quando são escritos especialmente para eles sejam manuais escolares

Leia mais

Guia do professor. Introdução

Guia do professor. Introdução Guia do professor Introdução Essa atividade oferece aos professores do Ensino Fundamental II, de Língua Espanhola e de Língua Portuguesa, novos recursos didáticos em forma de módulos, pois eles podem vir

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Cursos livres de língua Italiana

Cursos livres de língua Italiana Cursos livres de língua Italiana Descontos 10% para alunos da CURSOS DE LÍNGUA Os cursos da não visam somente o ensino da língua, mas transmitem também elementos de cultura e tradição. Através dos vários

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E P U B L I C A Ç Ã O R E S O L U Ç Ã O N.º 143/2011 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 27/08/2012. João Carlos Zanin, Secretário

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba

Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba EDITAL EXTERNO Nº 007/2015 DE OFERECIMENTO DE AULA POR TEMPO DETERMINADO PARA A DO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA. A Diretora da faz saber ao Corpo Docente desta Faculdade que estão

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO

O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO Luciana de Carvalho 1 Este estudo propõe refletir sobre o funcionamento discursivo

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Qualificação: Sem certificação

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Qualificação: Sem certificação Plano de Trabalho Docente 010 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte Código: 135 Município: Bauru/SP Área Profissional: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Jurídico

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

PROFESSORES DE ESPANHOL CONTEXTUALIZAM A LÍNGUA EM SALA DE AULA?

PROFESSORES DE ESPANHOL CONTEXTUALIZAM A LÍNGUA EM SALA DE AULA? PROFESSORES DE ESPANHOL CONTEXTUALIZAM A LÍNGUA EM SALA DE AULA? Clezia de Castro Lima (PIO DÉCIMO) INTRODUÇÃO Os discentes desejam aprender um novo idioma na escola regular. Não almejam conhecer apenas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS Abril 2015 2ºCiclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 06/2015 Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos + 15 minutos

Leia mais

CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA

CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA MISSÃO O curso de Letras - Licenciatura em Língua Portuguesa deve ter o compromisso de promover no estudante um processo contínuo de reflexão sobre o papel

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC DE SUZANO Código: Município: SUZANO Área Profissional: Secretariado Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Qualificação:

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC de Nova Odessa Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança no Trabalho Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAROLINA MICHAËLIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAROLINA MICHAËLIS Conhecimentos e Competências Saber, Saber Fazer Atitudes e Comportamentos Saber Estar 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico Ano Letivo 2013/2014 Os professores dos grupos disciplinares de línguas estrangeiras

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012

INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

Antonio Ferreira da Silva Júnior (CEFET/RJ)

Antonio Ferreira da Silva Júnior (CEFET/RJ) O ENSINO DE LÍNGUAS O TRABALHO DO PROFESSOR DE ESPANHOL INSTRUMENTAL: INCENTIVADOR DA LEITURA OU REPRODUTOR DE ESTRUTURAS GRAMATICAIS? Antonio Ferreira da Silva Júnior (CEFET/RJ) Este trabalho tem por

Leia mais

111 ENSINO FUNDAMENTAL

111 ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO FUNDAMENTAL 111 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO 112 O Sistema Público Municipal de Ensino de Viana, acompanhando as mudanças educacionais de ordem político-pedagógica

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO

GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO Analine Bueno Scarcela Cuva Faculdade da Alta Paulista, Tupã/SP e-mail: analine.bueno@gmail.com Pôster Pesquisa Concluída Introdução Toda disciplina

Leia mais

Jornadas da APEESP 2014

Jornadas da APEESP 2014 Jornadas da APEESP 2014 Programa Completo RETIFICADO (a partir de Taller 7) 1ª Jornada 23 de agosto de 2014 Taller 1 10h 13h Aquí, ali, allá y en todas las clases: construyendo propuestas didácticas para

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

língua espanhola neste nível de ensino (geralmente por assumir um caráter instrumental)

língua espanhola neste nível de ensino (geralmente por assumir um caráter instrumental) 1 O USO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ELE (ESPANHOL/ LÍNGUA ESTRANGEIRA) NO ENSINO TÉCNICO 1 RESUMO: Eliane Santos Leite da Silva 2 IFBAIANO- Campus Governador Mangabeira Propõe-se, com o presente

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O USO DE RECURSOS DIDÁTICOS DIVERSIFICADOS PARA DINAMIZAR O PROCESSO EDUCATIVO

O USO DE RECURSOS DIDÁTICOS DIVERSIFICADOS PARA DINAMIZAR O PROCESSO EDUCATIVO O USO DE RECURSOS DIDÁTICOS DIVERSIFICADOS PARA DINAMIZAR O PROCESSO EDUCATIVO Luzinete Maria da Silva 1 José Rodrigues de Mesquita Neto 2 RESUMO O presente trabalho intitulado O uso de recursos didáticos

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo 5 METODOLOGIA Este capítulo descreve a metodologia utilizada neste estudo visando verificar de que maneira os livros didáticos analisados estão incluindo gêneros discursivos em suas atividades de leitura

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Inglês básico.

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Inglês básico. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

Assimilação natural x Estudo formal

Assimilação natural x Estudo formal Escolhemos adaptar este texto para inaugurar o novo site do CEI porque ele apresenta duas abordagens do aprendizado de idiomas como sendo propostas contrastantes. No entanto, acreditamos que o ensino na

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DA OFICINA PARA ALUNOS DO 3º ANO

ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DA OFICINA PARA ALUNOS DO 3º ANO ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DA OFICINA PARA ALUNOS DO 3º ANO Alayse Alcântara de Oliveira 3 (UFS) Márcia de Jesus Araujo 4 (UFS) CONSIDERAÇÕES INICIAIS O referido trabalho é fruto do grupo de pesquisa intitulado

Leia mais

A realidade atual da licenciatura em Letras Espanhol no Brasil

A realidade atual da licenciatura em Letras Espanhol no Brasil A realidade atual da licenciatura em Letras Espanhol no Brasil Adriana Quadros Matos 1 Soraia C. E. K. Salerno 2 Resumo Esta comunicação visa apresentar nossa pesquisa acadêmica cujo objetivo é conhecer

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Informação - Prova de Equivalência à Frequência Formação: Específica Inglês (cont.) 12º Ano Código 358 2015 1 - Introdução: O presente documento visa

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS PEF 367 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS TIPO DE PROVA DURAÇÃO Teórico/prática 90 Minutos (escrita) +25 Minutos (oral) X Escrita Com tolerância de 30 minutos X Oral X Sem tolerância 11º ANO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD LETRAS CURRÍCULO 4 Matriz Curricular 2014/2 Mariana Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO PER LET701 Estudos Clássicos

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIOVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIOVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES PROGRAMA: 1. Las variedades lingüísticas del español. 2. Las teorías de adquisición de una segunda lengua en la clase de E/LE. 3. Las similitudes y las diferencias morfosintácticas y semánticas entre las

Leia mais