CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GEOLOGIA SEDIMENTAR E AMBIENTAL APLICADA A AMBIENTES ANTIGOS E RECENTES IVO LÚCIO SANTANA MARCELINO DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GEOLOGIA SEDIMENTAR E AMBIENTAL APLICADA A AMBIENTES ANTIGOS E RECENTES IVO LÚCIO SANTANA MARCELINO DA SILVA"

Transcrição

1 Universidade Federal de Sergipe de Sergipe Fundação de Apoio a Pesquisa e Extensão CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GEOLOGIA SEDIMENTAR E AMBIENTAL APLICADA A AMBIENTES ANTIGOS E RECENTES IVO LÚCIO SANTANA MARCELINO DA SILVA RELATÓRIO DE EXCURSÃO A ROTEIRO GEOLÓGICO EM AMBIENTES RECENTES FLUVIAIS E COSTEIROS NO BAIXO CURSO, FOZ E PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE SERGIPE E ALAGOAS (BRASIL) INSTRUTORES: Dr. Manuel Edgardo Latrubesse Universidade Nacional de La Plata Argentina Dr. José Maria Domingues Landim Universidade Federal da Bahia Brasil MSc. Luiz Carlos da Silveira Fontes Universidade Federal de Sergipe Brasil MSc. Ana Carolina Nowatzki - Universidade Federal de Sergipe Brasil Aracaju (SE), dez./2006

2 IVO LÚCIO SANTANA MARCELINO DA SILVA RELATÓRIO DE EXCURSÃO A ROTEIRO GEOLÓGICO EM AMBIENTES RECENTES FLUVIAIS E COSTEIROS NO BAIXO CURSO, FOZ E PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE SERGIPE E ALAGOAS (BRASIL) Relatório da Excursão de Campo realizada no Baixo Curso, Foz e Planície Costeira do Rio São Francisco nos estados de Sergipe e Alagoas (Brasil), referente à Disciplina Seminário de Campo em Ambientes Recentes Fluviais e Costeiros, ministrada pelos Professores Dr. Manuel Edgardo Latrubesse e Dr. José Maria Domingues Landim. Aracaju-SE, dez./2006

3 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Bacia hidrográfica do Rio São Francisco... 6 Figura 2 Reservatórios e usinas hidro elétricas no submédio (B) e baixo curso (A) do Rio São Francisco... 7 Figura 3 Compartimentos geomorfológicos (I, II, III, IV e V) no baixo curso do Rio São Francisco Figura 4 Rio São Francisco a jusante da UHE de Xingó/SE-AL, na prainha artificial de Canindé do São Francisco/SE (margem direita) a jusante da UHE de Xingó/SE-AL, sem vestígios de carga sedimentar em suspensão que fica totalmente retida pela barragem, e a montante (E) e a jusante (D) da cidade de Piranhas/AL (margem esquerda), acerca de 10 km rio abaixo, correndo encaixado dentro do canyon esculpido em rochas ígneas précambrianas, que não permitem ao rio reagir aos impactos das barragens, a não ser transportar as areias depositadas em suas margens Figura 5 Barras fluviais no Rio São Francisco vistas da cidade de Gararú/SE (margem direita), acerca de 90 km a jusante da UHE de Xingó/SE-AL, sendo fixadas pela vegetação, o que indica ausência de enchentes periódicas devido a regularização das vazões e artificialização do rio pela barragem, e a não existência de carga sedimentar em suspensão para deposição, que fica retida pela barragem Figura 6 Lagoa marginal ou lagoa de várzea remanescente no Rio São Francisco vista do Hotel Velho Chico na cidade de Própria/SE (margem direita), acerca de 120 km a jusante da UHE de Xingó/SE-AL, onde a turbidez da água provocada pela carga sedimentar em suspensão é de origem local (remobilização do material do fundo ou carreado por águas pluviais) e não por material trazido pelo rio Figura 7 Erosão da margem esquerda do Rio São Francisco formada atualmente por barra de acreção lateral, acerca de 3 km a jusante da ponte Porto Real de Colégio/AL-Própria/SE, devido a perda de competência do rio e as oscilações diárias do nível do rio provocada pelo aumento da vazão liberada pela UHE Xingó/SE-AL, para atender as demandas de pico de energia do sistema, associadas a subida das marés, com o solapamento da base e desmoronamento do material, criando perfis (paredes) verticais Figura 8 Ilha em processo de desertificação no Rio São Francisco, próxima ao Projeto Irrigado Cotinguiba-Pindoba no município de Propriá/SE (margem direita), devido a ausência de enchentes periódicas e de carga sedimentar em suspensão transportada pelo rio, um efeito inverso ao verificado em Gararú/SE, onde as barras arenosas estão sendo fixadas pela vegetação, evidenciando que o comportamento da dinâmica fluvial e os ajustes do rio às agressões provocadas pela construção de barragens se dá de forma diferenciada em cada um dos compartimentos geomorfológicos Figura 9 Deslocamento do talvegue do rio com erosão da margem direita do Rio São Francisco e construção de dique de proteção do Projeto irrigado Cotinguiba-Pindoba, no município de Própria/SE, para tentar conter o avanço do rio Figura 10 Rio Marituba encaixado na planície deltaica Pleistocênica acompanhando as falésias da Formação Barreiras (linha de costa há

4 iii A.P., máximo da penúltima transgressão), e pedreira de seixos provenientes da Fm. Barreiras, retrabalhados pelas ondas, que se concentram na base de depósitos praiais, na estrada Penedo- Piaçabuçu/AL Figura 11 Paleo laguna inter dunas em terraços pleistocênicos na estrada Penedo-Piaçabuçu/AL (margem esquerda), destacando-se, na linha do horizonte, as falésias da Formação Barreiras (linha de costa há A.P.), no máximo da penúltima transgressão), Figura 12 Recuo da linha de costa com destruição planície deltaica e formação de mangue seco na foz do Rio São Francisco/SE (margem direita), acerca de 180 km a jusante da UHE de Xingo/SE, no início do ajuste geomorfológico progressivo provocado pelo mar, devido a ausência de carga sedimentar em suspensão transportada pelo rio, após a construção das grandes barragens ( ) Figura 13 Dunas eólicas na foz do Rio São Francisco/AL (margem esquerda), acerca de 180 km a jusante da UHE de Xingo/SE, ainda preservada da destruição pelo mar em seu ajuste geomorfológico da planície deltaica, ao contrário do que ocorre do outro lado do rio (margem direita), em parte devido ao sentido NE-SW da corrente litorânea Figura 14 Paleo laguna Holocênica entre dunas e o rio Betume (afluente da margem direita) encaixado na planície deltaica Pleistocênica e acompanhando as falésias da Formação Barreiras, na estrada Brejo Grande-Pacatuba/SE Figura 15 Vista da planície deltaica da Foz do rio São Francisco (margem direita) a partir de falésia da Formação Barreiras, na entrada da cidade de Pacatuba/SE

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO ROTEIRO GEOLÓGICO NO BAIXO CURSO E FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO O Baixo Curso do Rio São Francisco O ambiente fluvial A planície deltaica COMENTÁRIOS FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE A PROGRAMAÇÃO GERAL E INSTRUÇÕES... 25

6 5 RELATÓRIO DE EXCURSÃO A ROTEIRO GEOLÓGICO EM AMBIENTES RECENTES FLUVIAIS E COSTEIROS NO BAIXO CURSO, FOZ E PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE SERGIPE E ALAGOAS (BRASIL) 1 INTRODUÇÃO Este relatório tenta retratar as atividades desenvolvidas durante a excursão de campo na Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco no trecho denominado de Baixo São Francisco, na divisa dos Estados de Alagoas e de Sergipe (Brasil), mais especificamente entre o Reservatório da UHE Usina Hidro Elétrica de Xingó e a foz do Rio São Francisco, no período de 13 a Ele é parte integrante da avaliação da disciplina Seminário de Campo em Ambientes Fluviais e Costeiros Recentes, ministrada pelos Professores Dr. Manuel Edgardo Latrubesse e Dr. José Maria Domingues Landim, com a coordenação do Professor MSc. Doutorando Luiz Carlos da Silveira Fontes e participação da Professora MSc. Doutoranda Ana Carolina Nowatzki. O roteiro geológico visitado constou de paradas previamente selecionadas pela Coordenação do Curso para atender as especificações do seminário de campo cujo objetivo principal era fazer com que os alunos participantes tivessem contato com uma bacia hidrográfica no caso a do Rio São Francisco (Figura 1) - e pudessem observar a geomorfologia fluvial e deltaica, a hidrologia fluvial, a formação de depósitos fluviais (ilhas), dos terraços marinhos, dos manguezais, dos campos de dunas eólicas e os efeitos dos processos erosivos nas margens do rio e de sua planície deltaica - de idade Pleistocênica e Holocênica ou seja, recentes, quando o regime de fluxo natural de sedimentos transportados pelo rio é cortado pela construção de reservatórios (barragens) em seu leito. Para um maior embasamento sobre o assunto, todo o material observado e registrado no campo - inclusive as explanações dos professores - durante o roteiro executado no dia - em cada um dos pontos visitados, foram motivos de discussões pelo grupo à noite, no hotel de pernoite.

7 6 2 A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO A Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco - o qual possui uma extensão de cerca de km - é uma bacia federal com área de drenagem de km² (Figura 1) cobrindo 8% do território nacional, com 503 municípios e parte do Distrito Federal, distribuídos por sete estados, e uma população de habitantes (IBGE, Censo 2000). CARACTERIZAÇÃO GERAL Rch. São Pedro # Juazeiro Rch. Caraíba Rio Moxotó Rio Ipanema Pernambuco (10,6%) Alagoas (2,3%) Vda. Pimenteira Rio Preto Rio Salitre Penedo # Sergipe (1,1%) Rio Verde Rio Grande Barreiras # Rio das Éguas ou Correntinha Rio Corrente Rio Paramirim Rio Santo Onofre Bahia (47,2%) DF (0,2%) Rio Formoso Rio Carinhanha Rio Gorutuba Rio Verde Pequeno Rio Preto Goiás s (0,4%) Rio Paracatu Rio Abaeté Rio do Sono Rio Indaiá Rio das Velhas Montes Claros # Minas Gerais (38,2%) Belo Horizonte # ANA, 2004 Fonte: Medeiros, Figura 1 Bacia hidrográfica do Rio São Francisco Considerado como sendo o rio da integração nacional - por ser navegável em sua maior parte nos sete estados que atravessa - a partir de 1949, com a instalação da Usina Piloto para geração de energia elétrica, no município de Paulo Afonso/BA, teve o seu regime hidrológico natural cada vez mais modificado com a construção de novos reservatórios e usinas geradoras (Figura 2) principalmente no seu submédio e baixo curso, sendo a mais recente a de Xingó em 1994, no município de Canindé/BA, sendo prevista mais uma em Pão de Açúcar/AL. Tal é a magnitude dessas alterações na biota que os ambientalistas que defendem a sua revitalização, e são contrários ao Projeto do Governo Lula de transpor parte de suas águas para o

8 7 nordeste setentrional, o chamem agora de o Novo Chico - um rio regularizado e artificializado - em contraposição ao Velho Chico que era um rio natural com enchentes e secas - como carinhosamente é chamado pelos ribeirinhos. Fonte: Projeto GEF São Francisco, Figura 2 Reservatórios e usinas hidro elétricas no submédio (B) e baixo curso (A) do Rio São Francisco 3 ROTEIRO GEOLÓGICO NO BAIXO CURSO E FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO O roteiro geológico visitado constou de aproximadamente 12 paradas principais, sendo seis (6) no ambiente fluvial e as restantes no ambiente deltaico/costeiro, com deslocamentos terrestre e fluvial, nos compartimentos geomorfológicos identificados pelo Projeto GEF São Francisco Subprojeto 2.4, um grupo de pesquisa internacional para a bacia do Rio são Francisco, patrocinado pelo Fundo Mundial para o Meio Ambiente, um Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. 3.1 O Baixo Curso do Rio São Francisco O Rio São Francisco em seu baixo curso, ou seja, no trecho compreendido entre a cidade de Paulo Afonso no estado da Bahia e a sua foz, na divisa dos Estados de Sergipe e Alagoas, atravessa rochas cristalinas e metasedimentares pré-

9 8 cambrianas, sedimentares mesozóicas e quaternárias, em compartimentos geomorfológicos distintos, que vão controlar o nível de erosão de seu leito e margens e de deposição de sua carga sedimentar transportada. Segundo o GEF São Francisco (Fontes et al, 2002) esses compartimentos denominados de I, II, III, IV e V (Figura 3), de montante para jusante, apresentam as seguintes características: Compartimento I - Paulo Afonso/BA a Belo Monte/AL rio em canal único encaixado em um canyon esculpido em rochas ígneas pré-cambrianas, o qual se alarga antes a partir de Pão de Açúcar/AL, circundado por um pediplano; Compartimento II - Belo Monte/AL a Lagoa do Monte/AL - rio ainda correndo em canal único esculpido agora em rochas metamórficas dobradas, circundado por um relevo acidentado proveniente da erosão diferencial; Compartimento III rio com planície aluvial pouco desenvolvida formando ilhas e barras arenosas correndo ainda em terrenos pré-cambrianos metamórficos; Compartimento IV - Porto Real do Colégio/AL e Propriá/SE a Penedo/AL e Neópolis/SE rio apresentando um padrão multicanal entrelaçado com ilhas e barras arenosas, correndo em terrenos sedimentares mesozóicos da Bacia Sergipe/Alagoas, circundado por tabuleiros costeiros; Compartimento V - Penedo/AL e Neópolis/SE a sua Foz/SE-AL - rio correndo em planície deltaica formada por sedimentos aluviais e litorâneos quaternários. Fonte: Projeto GEF São Francisco, Figura 3 Compartimentos geomorfológicos (I, II, III, IV e V) no baixo curso do Rio São Francisco.

10 O ambiente fluvial Parada 1 Usina Hidro Elétrica (UHE) de Xingó/SE-AL (Compartimento I) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 4 Rio São Francisco a jusante da UHE de Xingó/SE-AL, na prainha artificial de Canindé do São Francisco/SE (margem direita) a jusante da UHE de Xingó/SE-AL, sem vestígios de carga sedimentar em suspensão que fica totalmente retida pela barragem, e a montante (E) e a jusante (D) da cidade de Piranhas/AL (margem esquerda), acerca de 10 km rio abaixo, correndo encaixado dentro do canyon esculpido em rochas ígneas précambrianas, que não permitem ao rio reagir aos impactos das barragens, a não ser transportar as areias depositadas em suas margens.

11 10 Parada 2 Orla da cidade de Gararú/SE (Compartimento III) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 5 Barras fluviais no Rio São Francisco vistas da cidade de Gararú/SE (margem direita), acerca de 90 km a jusante da UHE de Xingó/SE-AL, sendo fixadas pela vegetação, o que indica ausência de enchentes periódicas devido a regularização das vazões e artificialização do rio pela barragem, e a não existência de carga sedimentar em suspensão para deposição, que fica retida pela barragem.

12 11 Parada 3 Hotel do Velho Chico na cidade de Propriá/SE (Compartimento IV) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 6 Lagoa marginal ou lagoa de várzea remanescente no Rio São Francisco vista do Hotel Velho Chico na cidade de Própria/SE (margem direita), acerca de 120 km a jusante da UHE de Xingó/SE-AL, onde a turbidez da água provocada pela carga sedimentar em suspensão é de origem local (remobilização do material do fundo ou carreado por águas pluviais) e não por material trazido pelo rio.

13 12 Parada 4 Margem esquerda do Rio São Francisco/AL (Compartimento IV) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 7 Erosão da margem esquerda do Rio São Francisco formada atualmente por barra de acreção lateral, acerca de 3 km a jusante da ponte Porto Real de Colégio/AL-Própria/SE, devido a perda de competência do rio e as oscilações diárias do nível do rio provocada pelo aumento da vazão liberada pela UHE Xingó/SE-AL, para atender as demandas de pico de energia do sistema, associadas a subida das marés, com o solapamento da base e desmoronamento do material, criando perfis (paredes) verticais.

14 13 Parada 5 Ilha no Rio São Francisco (Compartimento IV) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 8 Ilha em processo de desertificação no Rio São Francisco, próxima ao Projeto Irrigado Cotinguiba-Pindoba no município de Propriá/SE (margem direita), devido a ausência de enchentes periódicas e de carga sedimentar em suspensão transportada pelo rio, um efeito inverso ao verificado em Gararú/SE, onde as barras arenosas estão sendo fixadas pela vegetação, evidenciando que o comportamento da dinâmica fluvial e os ajustes do rio às agressões provocadas pela construção de barragens se dá de forma diferenciada em cada um dos compartimentos geomorfológicos.

15 14 Parada 6 Projeto Irrigado Continguiba-Pindoba (Compartimento IV) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 9 Deslocamento do talvegue do rio com erosão da margem direita do Rio São Francisco e construção de dique de proteção do Projeto irrigado Cotinguiba-Pindoba, no município de Própria/SE, para tentar conter o avanço do rio.

16 A planície deltaica Parada 7 Estrada Penedo-Piaçabuçu/AL (Compartimento V) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 10 Rio Marituba encaixado na planície deltaica Pleistocênica acompanhando as falésias da Formação Barreiras (linha de costa há A.P., máximo da penúltima transgressão), e pedreira de seixos provenientes da Fm. Barreiras, retrabalhados pelas ondas, que se concentram na base de depósitos praiais, na estrada Penedo-Piaçabuçu/AL.

17 16 Parada 8 Estrada Penedo-Piaçabuçu/AL (Compartimento V) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 11 Paleo laguna inter dunas em terraços pleistocênicos na estrada Penedo- Piaçabuçu/AL (margem esquerda), destacando-se, na linha do horizonte, as falésias da Formação Barreiras (linha de costa há A.P.), no máximo da penúltima transgressão),

18 17 Parada 9 Foz do Rio São Francisco/SE (Compartimento V) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 12 Recuo da linha de costa com destruição da planície deltaica e formação de mangue seco na foz do Rio São Francisco/SE (margem direita), acerca de 180 km a jusante da UHE de Xingo/SE, no início do ajuste geomorfológico progressivo provocado pelo mar, devido a ausência de carga sedimentar em suspensão transportada pelo rio, após a construção das grandes barragens ( ).

19 18 Parada 10 Foz do Rio São Francisco/AL (Compartimento V) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 13 Dunas eólicas na foz do Rio São Francisco/AL (margem esquerda), acerca de 180 km a jusante da UHE de Xingo/SE, ainda preservada da destruição pelo mar em seu ajuste geomorfológico da planície deltaica, ao contrário do que ocorre do outro lado do rio (margem direita), em parte devido ao sentido NE-SW da corrente litorânea.

20 19 Parada 11 Estrada Brejo Grande-Pacatuba/SE (Compartimento V) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 14 Paleo laguna Holocênica entre dunas e o rio Betume (afluente da margem direita) encaixado na planície deltaica Pleistocênica e acompanhando as falésias da Formação Barreiras, na estrada Brejo Grande-Pacatuba/SE.

21 20 Parada 12 Entrada da cidade de Pacatuba/SE (Compartimento V) Fonte: Fotos do autor, nov./2006. Figura 15 Vista da planície deltaica da Foz do rio São Francisco (margem direita) a partir de falésia da Formação Barreiras, na entrada da cidade de Pacatuba/SE. 4 COMENTÁRIOS FINAIS O Rio São Francisco a jusante da Usina Hidro Elétrica-UHE de Xingó/SE-AL, em que pese os efeitos do barramento, com a diminuição da sua vazão e do confisco da sua carga sedimentar em suspensão, continua sendo um grande rio e a sua reação a esses impactos, o seu ajuste a esse novo regime hidrológico a que é submetido, se dá de modo complexo e diferenciado em cada um dos compartimentos geomorfológicos que percorre desde o reservatório até a sua foz. Segundo Latrubesse (2007) o que se passa num grande sistema fluvial, como se espacializa a

22 21 sua reação à jusante de uma grande represa é algo muito complexo, principalmente no ajuste da dinâmica do talvegue, no processo e re-acomodação dos sedimentos (informação verbal). A jusante do reservatório de Xingó/SE-AL, a depender do compartimento geomorfológico atravessado pelo rio, ora pode predominar a erosão ora a sedimentação ou ocorrer ambos. No canyon a litologia ígnea pré-cambriana não permite ao rio fazer ajustes a não ser o de erodir e transportar as areias depositadas pré-barragem em suas margens. Ao deixar o canyon, ainda correndo em substrato ígneo e mesmo ao penetrar no domínio das rochas metamórficas dobradas também pré-cambrianas, ele começa a depositar essas areias carreadas do compartimento anterior. No compartimento seguinte, já na planície e domínio dos sedimentos da Bacia Sergipe-Alagoas, passa a erodir de forma intensa as margens, com a migração sem retorno do talvegue em direção a uma das margens. Ao chegar a foz, no domínio dos sedimentos quaternários do seu delta, sequer consegue mais protege-la da ação destruidoras das ondas, que está provocando o recuo da linha de costa na margem direita. Mui provavelmente, tal recuo só deverá cessar quando a costa voltar a ser retilínea, ou seja, atingir o seu novo perfil de equilíbrio, o que implicará também na destruição da sua margem esquerda, uma vez que o rio jamais voltará a ter carga sedimentar em suspensão suficiente para voltar ao seu status quo anterior a construção das barragens, seja para a sua reconstrução e/ou manutenção. A UHE Xingo/SE-AL de acordo com Fontes (2007) trabalha no horário de pico para atender a demanda gerando mw e provoca diariamente uma flutuação artificial do nível do rio com o aumento na vazão da ordem de m 3 /s, atualmente. Esse volume liberado de forma concentrada num determinado horário do dia gera, no verão, onde a demanda é maior, uma elevação artificial de 1 metro em Piranhas/AL, acerca de 3 km a jusante da barragem, e de 20 centímetros na região de Própria, acerca de 120 km abaixo, aonde esse volume já chega diluído (informação verbal).

23 22 Essa oscilação diária do nível do rio pequenas enchentes - somada ao efeito da migração do talvegue que não mais flutua de um lado para outro, de uma margem para a outra, com as cheias quando o rio era natural, está acelerando o processo erosivo das margens através do solapamento de suas bases. Ainda de conformidade com Fontes, ao gerar mais mw, ou seja, ao funcionar a plena carga com o restante de suas turbinas instaladas, a usina praticamente dobraria essa flutuação para 2 metros em Piranhas/AL e 40 centímetros em Própria/SE, e isso seria o golpe fatal para o Velho Novo Chico, o seu atestado de óbito. A argumentação de que a energia é necessária, daí ser necessária a construção de mais uma barragem em Pão de Açúcar/AL, para regularizar a vazão da UHE de Xingó/SE-AL, trará ainda mais complicações para o meio ambiente já altamente fragilizado, a sua biota e o fim do delta, caso não se renuncie ao aproveitamento dessa disponibilidade hídrica para geração de mais energia.

24 23 REFERÊNCIAS BITTENCOURT, Abílio Carlos Silva Pinto; DOMINGUEZ, Jose Maria Landim e FERREIRA, Yeda Andrade. Dados preliminares sobre a evolução do delta do rio São Francisco (SE/AL) durante o Quaternário: influência das variações do nível do mar. Atas do IV Simpósio do Quaternário no Brasil: 49-68, Disponível em: <http://horizon.documentation.ird.fr/exl-doc/pleins_textes/pleins_textes_ 6/b_fdi_35-36/41925.pdf> Acesso em: 6 nov BRASIL. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR Informação e documentação Trabalhos acadêmicos - Apresentação. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas, CARVALHO, Newton de Oliveira et al. Guia de práticas sedimentométricas. Brasília: ANEEL, CHESF. Companhia Hidro Elétrica do São Francisco. Dados técnicos: dados técnicos da bacia hidrográfica do Rio São Francisco. Disponível em: <http://www.chesf.gov.br/riosaofrancisco_dadostecnicos.shtml> Acesso em: 5 nov DNPM. Mapa geológico do estado de Sergipe. Rio de Janeiro cm x 95 cm. Escala 1: DOMINGUEZ, José Maria Landim. Ambientes costeiros. Aracaju: Slides, color. DOMINGUEZ, José Maria Landim; FONTES, Luiz Carlos da Silveira e NOWATZKI, Ana Carolina. Roteiro de campo - Ambientes modernos fluviais e costeiros: baixo curso, foz e planície costeira do Rio São Francisco. Tema 3: planície deltaica do Rio São Francisco. Aracaju: UFS, p. FONTES, Luiz Carlos da Silveira et al. Projeto GEF São Franciscoo Subprojeto Estudo do processo erosivo nas margens do baixo São Francisco e dos impactos das barragens na dinâmica fluvial. Aracaju: UFS, Guimarães, Junia Kacenelenbogen e DOMINGUEZ, José Maria Landim. Relação morfodinâmica entre orientação da linha de costa e deriva litorânea na evolução do delta do Rio São Francisco. Disponível em: <http://www.abequa2005.geologia.ufrj.br/nukleo/pdfs/0169_rsm_abequa6.pdf> Acesso em: 6 nov

25 24 LATRUBESSE, Manuel Edgardo. Ambientes fluviais. Aracaju: Slides, color. LATRUBESSE, Manuel Edgardo et al. Grandes sistemas fluviais: geologia, geomorfologia e paleoidrologia. In: SOUZA, Célia Regina de Gouveia et al. (Ed.). Quaternário do Brasil, Cap. 13, p Associação Brasileira de Estudos do Quaternário. Ribeirão Preto: Holos, MEDEIROS, Yvonilde. Gestão de recursos hídricos. Aracaju: Slides, color. SERGIPE. Governo do Estado de Sergipe. Secretaria de Estado do Planejamento e da Ciência e da Tecnologia. Superintendência de Recursos Hídricos. Atlas digital sobre recursos hídricos CD-ROM.

26 25 APÊNDICE A PROGRAMAÇÃO GERAL E INSTRUÇÕES UFS - GRUPO GEOLOGIA SEDIMENTAR E HIDROAMBIENTAL DA UFS 1. PROGRAMAÇÃO GERAL E INSTRUÇÕES Dia Segunda-feira. Trajeto rodoviário ARACAJU (SE) CANINDÉ (SE) PIRANHAS (AL). Manhã. SAÍDA DE ARACAJU. LOCAL SAIDA: HIPER G. BARBOSA-SUL (07:00 h). PONTOS DE PARADA: Ponto 1 Av. Saneamento - Posto Shell/GBarbosa. Ponto 2 Av. Hermes Fontes - Posto São Judas Tadeu (esquina com rua Nestor Sampaio). Ponto 3 Av. de Contorno Supermercado Makro. Ponto 4 Av. de Contorno - em frente à Rodoviária Nova (posto de combustível em reforma). Trajeto rodoviário ARACAJU (SE) ITABAIANA (SE) CANINDÉ (SE): Rápidas paradas ao longo da rodovia para observações das feições geomorfológicas. Horário previsto de chegada à Canindé: 11:00 h. Trajeto rodoviário CANINDÉ (SE) - PIRANHAS (AL). Ponte sobre o Rio São Francisco (SE/AL). Mirante da CHESF (Usina Hidrelétrica de Xingó). Estação Fluviométrica da A.N.A. Piranhas (AL). Reservatório da UHE XINGÓ. Almoço em restaurante na beira do lago. Tarde e Noite. XINGÓ PARQUE HOTEL. Exposição sobre a Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, geomorfologia fluvial e hidrologia fluvial nos períodos pré e pós-barragens (professores Edgardo Latrubesse e Luiz Carlos Fontes). Apresentação dos seminários sobre Sistema Fluvial (alunos). Jantar no hotel. Dia Terça-feira Trajeto rodoviário CANINDÉ (SE) - GARARU (SE) PRÓPRIA (SE). Manhã Trajeto rodoviário Canindé (SE) - Porto da Folha (SE) - Gararu (SE) Propriá (SE): observações nos Compartimentos Geomorfológicos I (Canyon), II e III.

27 26 Almoço em restaurante na cabeceira da ponte de Própria (SE) Porto Real de Colégio (AL). Tarde. Trajeto rodoviário Propriá (SE) - Perímetro Irrigado Continguiba-Pindoba (SE): observações do processo erosivo nas margens fluviais e das obras de contenção. Noite. Hotel Velho Chico. Complementação das apresentações dos seminários (ambientes fluviais). Jantar no hotel. Dia Quarta-feira Trajeto PROPRIÁ (SE) PENEDO (AL). Manhã e Tarde. Trajeto de barco Propriá (SE) Penedo (AL): observações de depósitos e processos fluviais nas margens, ilhas e bancos arenosos e prática de obtenção de dados fluviométricos. Almoço - lanche no barco. Noite. Apresentação dos Seminários de Geologia Costeira (HOTEL SÃO FRANCISCO) em Penedo (AL). Jantar em restaurante na orla fluvial. Dia Quinta-feira Trajeto PENEDO (AL) - PIACABUÇU (AL) - FOZ (AL/SE). Manhã e Tarde. Trajeto rodoviário Penedo (AL) Piaçabuçu (SE): observações de depósitos Pleistocênicos e Holocênicos na planície deltaíca do Rio São Francisco (SE/AL). Trajeto de barco Piacabuçu (AL) Foz (SE/AL): observações de terraços marinhos, depósitos fluviais (ilhas), manguezais, campo de dunas eólicas e dos efeitos dos processos erosivos na foz. Noite. Complementação das apresentações dos seminários em Geologia Costeira (HOTEL SÃO FRANCISCO) em Penedo (AL). Dia Sexta-feira Trajeto rodoviário PENEDO (AL) - BREJO GRANDE (AL) PACATUBA (SE) - ARACAJU (SE). Manhã.

28 27 Trajeto rodoviário Penedo (AL) Neopólis (SE) Perímetro Irrigado de Betume (SE) - Ilha das Flores (SE) - Brejo Grande (SE) - Saramen (SE). Almoço em Brejo Grande (SE). Tarde. Trajeto rodoviário Brejo Grande (SE) Pacatuba (SE). Deslocamento para Aracaju (SE). 1.1 INSTRUÇÕES Recomenda-se aos alunos levar os seguintes materiais: máquina fotográfica, caderneta/caderno de campo; lupa de bolso; régua ou trena; prancheta; boné; protetor solar, short/bermuda (para uso nos trajetos com barcos). Telefones para contato: (Luiz Mário) (Luiz Carlos). 1.2 AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA A atividade para avaliação desta disciplina de campo consistirá na apresentação de um relatório a ser elaborado por equipes compostas por 3 alunos, com prazo de entrega em 20 de dezembro. O relatório deverá abordar os temas 2 e 3. A estruturação do relatório deverá seguir as instruções dada pelos professores durante o seminário de campo.

ppt_monumentos_catarat_7quedas_pafonso_vggrande COMPARANDO QUATRO DOS MAIORES MONUMENTOS FLUVIAIS NOS RIOS IGUAÇU, PARANÁ, SÃO FRANCISCO E XINGU

ppt_monumentos_catarat_7quedas_pafonso_vggrande COMPARANDO QUATRO DOS MAIORES MONUMENTOS FLUVIAIS NOS RIOS IGUAÇU, PARANÁ, SÃO FRANCISCO E XINGU ppt_monumentos_catarat_7quedas_pafonso_vggrande COMPARANDO QUATRO DOS MAIORES MONUMENTOS FLUVIAIS NOS RIOS IGUAÇU, PARANÁ, SÃO FRANCISCO E XINGU 1. O médio rio Iguaçu abre as numerosas cataratas ao cair

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA MÉDIA ENTRE 1.400 m 3 /s E 2.

INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA MÉDIA ENTRE 1.400 m 3 /s E 2. COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS

Leia mais

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL.

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. Lucas Araujo Costa 1 ; Renato Rodriguez Cabral Ramos 2 ; Fábio Ferreira Dias 3

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

SEMINÁRIO Curso: Geografia Disciplina: Hidrogeográfia Professor: Felipe Brasil 4 Período / UNESA Bacia Hidrográfica Rio São Francisco 2 semestre de 2011 Graduandos: Alexandre Graciniano Mª de Lourdes 1

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Thiago Morato de Carvalho * Introdução O rio Tocantins é bastante peculiar desde o ponto de vista

Leia mais

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA DERROCAMENTO DE PEDRAIS PARA DESOBSTRUÇÃO E ALARGAMENTO DA FAIXA NAVEGÁVEL DO RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE SOBRADINHO E JUAZEIRO-BA/PETROLINA-PE ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES. PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho

I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES. PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho Luana F. Gomes de Paiva ; Giovanni C. L. Acioli RESUMO Este trabalho

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

Figura 3.5 Perfil longitudinal do rio São Francisco da cabeceira ao rio Carinhanha e principais contribuintes da margem direita. Fonte: CETEC, 1983.

Figura 3.5 Perfil longitudinal do rio São Francisco da cabeceira ao rio Carinhanha e principais contribuintes da margem direita. Fonte: CETEC, 1983. 3.2. Hidrografia Lagoa da Prata pertence a bacia hidrográfica do rio São Francisco, esta se estende por uma área de cerca de 634.000km 2, drenando cerca de 8% do território nacional, abrange os estados

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais O Brasil é atingido por : Planalto da Guianas, Cordilheira dos Andes e Planalto Brasileiro; É pobre em formações mas rico em rios; Ocorrem rios permanentes e temporários; ainda que

Leia mais

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira Hidrografia no Brasil Luciano Teixeira Hidrografia Brasil Características da Hidrografia Brasileira Pobre em lagos Drenagem Exorréica Predomínio de foz em estuário Predomínio de rios de planaltos Bacias

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Semi-árido Brasileiro - População Eixo Norte PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMI-ÁRIDO E DA BACIA

Leia mais

Distribuição relativa das águas doces no planeta

Distribuição relativa das águas doces no planeta Água no mundo Distribuição relativa das águas doces no planeta Aquífero do Guarani Aqüífero Guarani é o maior manancial de água doce subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

MODELAGEM HIDRODINÂMICA DO BAIXO RIO SÃO FRANCISCO PARA AVALIAÇÃO DOS ESCOAMENTOS E CENÁRIOS DE VAZÕES ECOLÓGICAS

MODELAGEM HIDRODINÂMICA DO BAIXO RIO SÃO FRANCISCO PARA AVALIAÇÃO DOS ESCOAMENTOS E CENÁRIOS DE VAZÕES ECOLÓGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E ESTUDOS EM RECURSOS NATURAIS MODELAGEM HIDRODINÂMICA DO BAIXO RIO SÃO FRANCISCO PARA AVALIAÇÃO DOS ESCOAMENTOS

Leia mais

TÍTULO DA REDE : ESTUDO DO REGIME DE VAZÕES ECOLÓGICAS PARA O BAIXO CURSO DO RIO SÃO FRANCISCO: UMA ABORDAGEM MULTICRITERIAL

TÍTULO DA REDE : ESTUDO DO REGIME DE VAZÕES ECOLÓGICAS PARA O BAIXO CURSO DO RIO SÃO FRANCISCO: UMA ABORDAGEM MULTICRITERIAL TÍTULO DA REDE : ESTUDO DO REGIME DE VAZÕES ECOLÓGICAS PARA O BAIXO CURSO DO RIO SÃO FRANCISCO: UMA ABORDAGEM MULTICRITERIAL TÍTULO DO PROJETO : PROJETO 1.2 Modelagem dos processos e parâmetros hidrossedimentológicos

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais 1 Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 Bruno Ferraz Bartel 2 Christiane

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO -GGH GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDAÚLICA - GGH IMPACTOS NA GERAÇÃO DE ENERGIA,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): EDVALDO DE OLIVEIRA Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

!"# $ % &"' ( $ "' (

!# $ % &' ( $ ' ( !"# $ % &"'( $ "'( )*+,-./0,"123*45,!! " # $ % # & '( ) ) ))*#+ ## $,#-. /% 012 3 / 1/ # # # #/ 4 4 56 # $ -. /% 3 / 7 # /+ $ /+%# 3 8 1 6# $ "! # #9 : %;< # %3 1 6=%, -. /% 0 # : #/ " 66!96)6 # $, >=?@A?BC

Leia mais

BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASIL

BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASIL BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASIL Partes do rio 1 1 2 2 3 1 Vertente 2 Margem 3 Talvegue-Leito Bacias hidrográficas Corresponde à área drenada por um rio principal e uma rede de afluentes 1 1 1 3 9 6. Margem

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Carvalho, A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA, IGC/UFMG) ; Raposo, A.A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA,

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ;

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ; Estudo da Dinâmica Costeira da Praia de Piratininga em Niterói (RJ), analisando a relação homem-natureza através da intervenção da sociedade em um ambiente praial. SILVA, Mariana da Costa 1 ; COSTA, Bruno

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO NOVEMBRO 2013 ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE SOBRE O RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE OS MUNICÍPIOS DE PENEDO/AL E NEÓPOLIS/SE 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE

Leia mais

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Bacia do São Francisco Irrigação na bacia do rio Potencial irrigável cerca de 1 milhão de hectares Efetivamente irrigados cerca de 340 mil hectares e em constante

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

ENCHENTE DE 1979: IMPACTO NO LUGAR BAIRRO NOSSA SENHORA APARECIDA

ENCHENTE DE 1979: IMPACTO NO LUGAR BAIRRO NOSSA SENHORA APARECIDA ENCHENTE DE 1979: IMPACTO NO LUGAR BAIRRO NOSSA SENHORA APARECIDA Resumo Daniella Souza de Mendonça Graduanda em Geografia pela Universidade Estadual de Montes Claros dasinal7@hotmail.com A cidade: políticas

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS. Profº. Neto

RECURSOS HÍDRICOS. Profº. Neto RECURSOS HÍDRICOS Profº. Neto A DINÂMICA DA HIDROSFERA Distribuição global de água DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS ÁGUAS DOCES Disponibilidade de água (2000 e 2050) UTILIZAÇÃO DA ÁGUA O sistema hidrológico

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL HIDROGRAFIA PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL CRISTA OU INTERFLÚVIO CRISTA OU INTERFLÚVIO VERTENTE VERTENTE MARGEM RIO MARGEM LEITO TALVEGUE IMPORTÂNCIA DOS RIOS ABASTECIMENTO TRANSPORTE NAVEGAÇÃO

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS Aracy Losano Fontes¹; Aracy Losano Fontes Correia²; Neise Mare de Souza Alves³; Débora Barbosa da Silva 4 aracyfontes@yahoo.com.br

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 1. Um pesquisador visitou as cidades de Salvador, Brasília e Manaus para caracterizar o compartimento geomorfológico de cada uma delas. Ao final do trabalho

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Mudanças. climáticas. globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO. Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe

Mudanças. climáticas. globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO. Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe Mudanças climáticas globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe 32 CiênCia Hoje vol. 46 nº 272 As mudanças climáticas globais atraem hoje a atenção

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTAR DO RIO PARAGUAI NO SEGMENTO ENTRE O POÇO DO RENATO A BAÍA DA INHAROSA

DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTAR DO RIO PARAGUAI NO SEGMENTO ENTRE O POÇO DO RENATO A BAÍA DA INHAROSA DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTAR DO RIO PARAGUAI NO Almeida, J.C. 1 ; Silva, V.N. 2 ; Souza, C.A. 3 ; Souza, I.C. 4 ; 1 UNEMAT Email:jennyfercarla18@hotmail.com; 2 UNEMAT Email:vinicius.k99@gmail.com;

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA DO RIO TIETÊ A ENERGIA E SUAS POSSIBILIDADES

ANÁLISE ENERGÉTICA DO RIO TIETÊ A ENERGIA E SUAS POSSIBILIDADES ANÁLISE ENERGÉTICA DO RIO TIETÊ A ENERGIA E SUAS POSSIBILIDADES Matheus Henrique Soares Zanqueta¹; Antonio Carlos Caetano de Souza² UFGD-FAEN, C. Postal 533, 79804-970 Dourados-MS, E-mail: matheuszanqueta@outlook.com

Leia mais

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS Andrade, J.H.R. 1 ; Maia, C.E. 2 ; Cavalcante, A.A. 3 ; Sousa, D.M.M. 4 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO - UFERSA Email:hamilton.meioambiente@yahoo.com.br;

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Para a região da foz do Itajaí-Açu Melhoramento fluvial ao longo do rio Itajaí; Canal extravasor; Melhoramento fluvial

Leia mais

ANEXO II - TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II - TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II - TERMOS DE REFERÊNCIA 1. CONTEXTO A bacia do rio São Francisco é a terceira bacia hidrográfica do Brasil e a única totalmente brasileira. Drena uma área de 640.000 km² e ocupa 8% do território

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL 3.1 CONSIRAÇÕES INICIAIS O meio natural representa um dos grandes bens da humanidade, pois sobre ele o homem desencadeia suas ações e se apropria de acordo

Leia mais

AHE SALTO PILÃO. Estações Hidrológicas Implantadas em Atendimento à Resolução 396/98. Revisão 0

AHE SALTO PILÃO. Estações Hidrológicas Implantadas em Atendimento à Resolução 396/98. Revisão 0 AHE SALTO PILÃO Estações Hidrológicas Implantadas em Atendimento à Resolução 396/98 Revisão 0 Serviços contratados junto a FUNDAGRO Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Rural Sustentável do Estado de Santa

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

Dia 07.07.2011 (Quinta-feira) Encontrar-nos-emos no Aeroporto de Aracaju/SE (Com horário a combinar), onde realizaremos nosso Check In com destino ao

Dia 07.07.2011 (Quinta-feira) Encontrar-nos-emos no Aeroporto de Aracaju/SE (Com horário a combinar), onde realizaremos nosso Check In com destino ao Dia 07.07.2011 (Quinta-feira) Encontrar-nos-emos no Aeroporto de Aracaju/SE (Com horário a combinar), onde realizaremos nosso Check In com destino ao Aeroporto de Manaus/AM. Após desembarque seguiremos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos É na faixa litorânea em que se encontra situada uma parcela significativa dos bens públicos, uma vez que, por disposição contida na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

5º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO

5º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

DINÂMICA DA PAISAGEM NA FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO A PARTIR DE IMAGENS LANDSAT E CBERS. ALMEIDA, J. A. P. de 1 ; GOMES, L. J. 2

DINÂMICA DA PAISAGEM NA FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO A PARTIR DE IMAGENS LANDSAT E CBERS. ALMEIDA, J. A. P. de 1 ; GOMES, L. J. 2 DINÂMICA DA PAISAGEM NA FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO A PARTIR DE IMAGENS LANDSAT E CBERS ALMEIDA, J. A. P. de 1 ; GOMES, L. J. 2 RESUMO: Nos últimos anos, uma série de impactos ambientais tem sido relatados

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA

HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA Prof. Jutorides Elementos de um Rio Rede Hidrográfica; Bacia hidrográfica; Divisor de Água; Vertente; Curso: Retilíneo e Meândrico; Alto Curso, Médio Curso e Baixo Curso;

Leia mais

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Águas do Planeta

Leia mais

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES UHE ROSAL CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Realização de inspeção

Leia mais

infraestrutura hídrica

infraestrutura hídrica infraestrutura hídrica A ENGECORPS é uma empresa de engenharia consultiva pronta a responder a todos os desafios de crescimento do país e globalização da economia. Interessada em manter-se bem colocada

Leia mais

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa Hidrografia - Brasil Professora: Jordana Costa As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado em relação a disponibilidade de água; Possui cerca de 12% de água doce do planeta em

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ 10 de novembro de 2009 DAS CHEIAS ÀS INUNDAÇÕES Em meados do século XIX, surgem os primeiros registros da transformação

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

DOMÍNIO E DEFINIÇÃO DOS HABITATS AQUÁTICOS E MARGINAIS LEGALMENTE PROTEGIDOS

DOMÍNIO E DEFINIÇÃO DOS HABITATS AQUÁTICOS E MARGINAIS LEGALMENTE PROTEGIDOS Sistema Nacional e Estadual de Gerenciamento das Águas DOMÍNIO E DEFINIÇÃO DOS HABITATS AQUÁTICOS E MARGINAIS LEGALMENTE PROTEGIDOS Domínios Os bens referidos na Constituição Federal (art. 20 e 26) podem

Leia mais

Bacias Hidrográficas

Bacias Hidrográficas Bacias Hidrográficas Objetivos Conceituar bacias hidrográficas; Entender o funcionamento das bacias; Conhecer as principais bacias brasileiras; Conhecer a legislação. Introdução A água encontra-se disponível

Leia mais

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico Hidrografia Relevo oceânico Bacias hidrográficas no mundo BACIA HIDROGRÁFICA: Corresponde à área de captação de água superficial e subsuperficial para um canal principal e seus afluentes; portanto, é uma

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

A racaju oferece, além das alternativas ligadas às praias, um roteiro básico partir da praia do Saco chega-se a lha da Sogra, a Ilha do Sossego, ao Pontal, ao que inclui visitas ao Palácio Museu Olímpio

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre os projetos do Governo Federal para revitalização da bacia do rio São Francisco e sua integração com as bacias dos rios

Perguntas e Respostas sobre os projetos do Governo Federal para revitalização da bacia do rio São Francisco e sua integração com as bacias dos rios Sustentável Perguntas e Respostas sobre os projetos do Governo Federal para revitalização da bacia do rio São Francisco e sua integração com as bacias dos rios intermitentes do semi-árido do Nordeste

Leia mais

Aula2 MACROUNIDADES DO RELEVO BRASILEIRO. Debora Barbosa da Silva

Aula2 MACROUNIDADES DO RELEVO BRASILEIRO. Debora Barbosa da Silva Aula2 MACROUNIDADES DO RELEVO BRASILEIRO META Identificar as características das macrounidades do relevo do Brasil. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Reconhecer as principais características

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

O Caminho das Águas - Lagoas e Mares do Sul e Costa dos Corais

O Caminho das Águas - Lagoas e Mares do Sul e Costa dos Corais O Caminho das Águas - Lagoas e Mares do Sul e Costa dos Corais 04 dias e 03 noites no litoral de Alagoas 1º dia Maceió / Barra de São Miguel É fácil gostar de Maceió. Lazer, cultura, gastronomia, turismo,

Leia mais

Cruzeiros Fluviais pelo Rio São Francisco

Cruzeiros Fluviais pelo Rio São Francisco Cruzeiros Fluviais pelo Rio São Francisco Descrição Operacionalizar a exploração comercial da navegação turística ao longo dos 250 km do Baixo São Francisco, envolvendo 13 municípios alagoanos e promovendo

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL FÍSICO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU COMO SUBSÍDIO AO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL NA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DE SERGIPE

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL FÍSICO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU COMO SUBSÍDIO AO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL NA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DE SERGIPE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL FÍSICO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU COMO SUBSÍDIO AO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL NA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DE SERGIPE FONTES, Aracy Losano Universidade Federal de Sergipe. Núcleo de Pós-Graduação

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Impactos ambientais das hidrelétricas na Amazônia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Amazônia: alguns dados A Região Amazônica compreende a maior

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM Manaus 21 de Novembro de 2012 LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM 1. INTRODUÇÃO Por solicitação da Câmara dos Vereadores da cidade de Manaus,

Leia mais

PROJETO RIO ECOBARREIRA

PROJETO RIO ECOBARREIRA 1 PROJETO RIO ECOBARREIRA RESUMO: O RIO ECOBARREIRA é um projeto de pesquisa aplicada na área de desenvolvimento sustentável. O projeto envolve a análise da sustentabilidade sócio-econômica e ambiental

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais