SERIADO. Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERIADO. Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química."

Transcrição

1 2 Biologi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Estrngir Língu Portugus SERIADO Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Insrição nº:

2 01 N Bíli (Mt 5.13) é ito qu os ristãos são "o sl trr luz o muno". Ess pssgm tm um signifio ntropológio. Os pritos o ristinismo tivrm, lém um signifio ntropológio, um importnt ppl n formção morl o Oint, on s práols os vnglhos Bíli são tomos omo mnismos orintção vi ristã. Consirno sss informçõs, é orrto firmr qu éti ristã é utilitrist, um vz qu us ofrr os homns o mior quntum flii possívl, trvés rlizção s çõs qu prouzm s mlhors onsquênis. 02 Potimnt, o sl mtforiz o mr, s lágrims, forç vivr. Cstro Alvs, m su or poéti, lnç mão ss rurso pr unir rt ríti soil. Osrv os frgmntos: Frgmnto 1 - A Cnção o Afrino Lá, n úmi snzl, Snto n strit sl, Junto o rsiro, no hão, Ento o srvo o su nto, E o ntr orrm-lh m prnto Sus o su torrão honist, um vz qu prioriz os sptos mis frugis vi, omo vi omunitári, proup om o prpro trr o limnto. ontológi, um vz qu é ntr num imprtivo univrsl xtrío rzão pur, livr tos s inlinçõs sujtivs. ontrtulist, um vz qu omuni ristã ot pritos qu prouzm os rsultos rionis prtnios por toos. tológi, um vz qu os pritos orintors são xtríos fonts htrônoms, omo rvlçõs profis. Font: CASTRO ALVES, 1995, p Frgmnto 2 - O Nvio Ngriro Snhor Dus os sgrços! Dizi-m vós, Snhor Dus! S u liro... ou s é vr Tnto horror prnt os éus... Ó mr, por qu não pgs Co' sponj tus vgs D tu mnto st orrão?... Astros! noit! tmpsts! Roli s imnsis! Vrri os mrs, tufão!... Font: CASTRO ALVES, 1995, p Em rlção sss vrsos, é possívl firmr: I - O nto, s sus o prnto o srvo, no primiro frgmnto, são orrnts o tiviro rsultnt srvião, situção viltnt o sr humno. II - O horror prnt os éus qu s rfr o ulírio, no sguno frgmnto, orrspon o tráfio srvos, mául soiomorl qu nvrgonh o Brsil. III - Em mos os frgmntos, rul srvião s fz prsnt.

3 Está(ão) orrt(s) (s) firmtiv(s) 03 Aproximmnt 30 milhõs htrs o plnt são ftos por sis, 0,25 0,5 milhão htrs ár proutiv é prio no m função slinizção o solo. I pns. II pns. I II pns. III pns. I, II III. Font: FAO, 2002 pu Willino & Cmr,2010. (pto) A informção prsnt tm proupo griultors, mintlists psquisors. Em us novos ultivrs plnts pts solos om mior slini, psquisors o muno intiro stão intnsifino stuos sor spéis plnts hlófits, qu são nturlmnt pts lts onntrçõs sis no solo. Consirno-s os mnismos gris volução por slção nturl, prsntos por Drwin Wll, é possívl infrir: Futurmnt, tos s spéis ultivs strão pts o xsso sis no solo, pois, o longo o su rsimnto, inivíuo rlizrá quçõs mtólis profuns qu grntirão su sorvivêni. i à lt slini prmitino mior susso rproutivo os inivíuos portors ss mutção nos solos om lt slini, m omprção om quls inivíuos não portors mutção. Porão oorrr mutçõs spífis, uss plo xsso sis, qu srão irions pl plnt pr rsistêni à lt slini. É inútil prourr novs plnts pts à lt slini o solo lém s já onhis, pois s spéis são imutávis. 04 No Império Romno, o sl r um os funmntos triionis vi ultur. Ess háito prmnu ntr os uropus, psr sr onhio nos vários ontinnts, o sl não r usul n it os povos frinos ou inígns té o ontto mis sistmátio om os rnos, oorrio prtir o séulo XVI. Qul s situçõs históris sguir NÃO influiu no prosso ifusão ultur uropi no príoo? Expnsão mrítim Er Morn. Tráfio srvos Áfri pr Améri. Estlimnto missõs ruçõs pl Compnhi Jsus. Rvolução Glorios. Função forts lusitnos n Guiné n Cost o Mrfim. Pr qu s plnts s ptm solos om lt slini, st sumtê-ls lntmnt oss rsnts solução slin, stimulno oorrêni mutçõs qu s tornrão rsistnts. Porão oorrr mutçõs o so m rtos inivíuos, lgums ls onfrino rsistên 03

4 05 Txto Um os primiros rgistros qu s slins nturis o Norst rsiliro hmrm tnção os portuguss é o rlto um pitão-mor, Pro Colho, m Drroto por pirts frnss num tlh n srr Iip, no Crá, Colho ruou sus forçs pr o litorl nontrou n rgião on s loliz hoj o Muniípio Ari Brn xtnsõs sl sufiints pr rrotr muitos nvios. Em 1641, Gão Morritz, o hf gurnição tv no Crá, hgou às msms slins; prtir í, os holnss, qu m sus primiros nos no Norst importvm sl, trzio plos nvios Compnhi s Ínis Ointis, iniirm xtrção o minrl. O sl o Rio Grn o Nort só omçou sr omrilizo m outrs provínis prtir 1808, om suspnsão s proiiçõs por D. João VI. Com rlção o uso rursos linguístios nos txtos, ssinl V (vrir) ou F (fls) n(s) firmtiv(s) sguir. ( ) ( ) No Txto 1, tnto um pitão-mor ( l. 4) qunto o hf gurnição tv no Crá ( l ) funionm omo postos qu spifim os rgos oupos, rsptivmnt, por Pro Colho ( l. 4) Gão Morritz ( l. 11), mos sujitos ns orçõs. No Txto 1, m rlto um pitão-mor ( l. 3-4) xtrção o minrl ( l. 16), um pitão mor minrl são rprsntos omo gnts no ontxto. ( ) No Txto 2, os trvssõs qu intrlm r 50% ( l. 9) porim sr sustituíos por vírguls, sm infrção à norm-prão, onsirno-s msm rzão por qu pitl o Esto Uth ( l. 3) pr ntr vírguls. A squêni orrt é V V F. F F V. Font: O sl n históri. Disponívl m: Asso m: 01 go (pto) Txto 2 V F F. F V F É n trr o Tio Sm qu fi um s rgiõs mis ris o muno nss minrl. Slt Lk City, pitl o Esto Uth, stá à ir um os miors lgos slgos o plnt. Sort os mrinos, qu prism o sl pr muito mis o qu tmprr gulosims. Mnos 10% o sl qu os Estos Unios prouzm é ms, liás. A grn fti r 50% srv pr rrtr nv s strs no invrno. V F V. Font: PAIVA, U.; PENNA, M. Império o sl. Suprintrssnt. Disponívl m: Pulio m st

5 06 N vi omum, po hvr rros lirção ou rioínio prátio. Esss rros ostumm lvr julgmntos çõs rrs. Alguns rros rioínio lógio têm tmém um imnsão morl, omo flái o plo à utori, qu frquntmnt stá n s usos utori lgums forms ifrnição soil injusts. Qul os rgumntos sguir omt flái o plo à utori? O profssor Antônio Lvoisir firmou qu sóio é um mtl qu fz prt omposição o sl ozinh. Po-s onluir qu isso é vr, pois ss profssor é um spilist m quími. O profssor Antônio Lvoisir nlisou mostrs sl ozinh omum nos lortórios Quími UFSM onluiu qu ss sustâni é ompost priniplmnt por lorto sóio. S um mostr o sl ozinh omum, o sr nlis m lortórios Quími, mostrr não ontr sóio, po-s onluir qu o sl ozinh omum não é omposto priniplmnt por lorto sóio. Sguno spilists ligos o Ministério Sú, o onsumo xssivo sl é prjuiil à sú. Logo, é romnávl qu o onsumo xssivo ss sustâni sj vito. S toos omm sl rgulrmnt, ntão s po onluir qu não fz ml à sú. 07 Osrv figur: Consumo totl sl Prtiipção inústri no onsumo sl 13,80g 17,9% 2,47g Rsponsili inústri no onsumo sl 13,42g 14,9% 2,00g 12,90g 22,3% 2,88g 9,70g 29,6% 2,87g Font: Disponívl m: Asso m: 10 st Mrqu rspost orrt. 11,30g 22,1% 2,52g As rgiõs Nort Norst rgistrrm os mnors volums onsumo sl o pís. A prtiipção inústri limntção no onsumo sóio foi mior no Sust, on s loliz miori s inústris ss stor. A ingstão sóio é mis lt ns rgiõs mis ris o pís, vio o por quisitivo populção sss rgiõs. A rsponsili inústri no onsumo sl é htrogên ntr tos s rgiõs rsilirs. O sl é um limnto importnt pr sú ms ifíil sso à it limntr os rsiliros. 05

6 Pr rsponr às qustõs 08 09, li o txto sguir. Viv mlhor om mnos sl A humni pr tr um prolm rorrnt om o uso o sl [...]. O historior ritânio Flip Frnnz-Arnsto, Univrsi Notr Dm, nos Estos Unios, iz qu, s qu os primiros humnos ixrm sr nôms, houv um rsimnto xplosivo o uso o sl. A ingstão iári umntou ino ou sis vzs s o príoo plolítio om norm lrção ns últims és. A Amrin Hrt Assoition, qu rún os riologists mrinos, stim qu munçs no stilo vi provorm umnto 50% no onsumo sl s os nos Em o mi, grçs o onsumo omi inustriliz. A ulp plo uso o sl não v, porém, sr triuí somnt à inústri. A mior rsponsili o nosso plr. Os spilists ritm qu nturz grvou m nosso érro iruitos qu oniionm gostr sl prourr por l m rzão o sóio ssnil qu ontém. A inústri, ssim omo rt gstronômi, rspon o sjo humno. É provávl qu o sl sj tão prio porqu tm pi tivr o sistm rompns o nosso érro, iz o nurofisiologist rsiliro Ivn Arújo, filio à Univrsi Yl, nos Estos Unios. Isso signifi qu sl nos ix flizs [...]. Com s ns rprussõs ngtivs n sú púli, muitos méios têm flo m pimi slg promovio um movimnto similr àqul qu ntu s rstriçõs imposts o to o álool. Ds 2002, Orgnizção Munil Sú (OMS) fz mpnhs pr hmr tnção sor o xsso sl. O movimnto qu fn s rstriçõs o sl já hgou o Brsil. N sgun quinzn junho, runirm-s m Brsíli rprsntnts o mio êmio, inústri limntos, ténios o Ministério Sú, Agriultur Anvis, gêni frl qu rgulmnt vn omi inustriliz rméios. Como mt, isutiu-s pssr, m z nos, 12 grms pr pit sl por i pr os 5 grms romnos pl OMS. Ess munç juri ixr m 10% prssão rtril os rsiliros. Sri 1,5 milhão pssos livrs mição pr hiprtnsão, iz nfrologist Fri Plvnik, rprsntnt Soi Brsilir Hiprtnsão n runião. Sguno l, hvri qu 15% ns morts uss por rrms 10% nquls osions por infrto. Font: Épo. Sção Sú & Bm-str. 26 jul p (pto) 08 Assinl ltrntiv m qu sustituição propost mntém o sntio no txto stá oro om norm-prão. o onsumo (l. 15) por utilizção o sjo humno ( l. 24) por à vont s pssos àqul ( l. 34) por qul mpnh o Brsil ( l. 39) por no pís à inústri (l. 17) por à prossos inustriis 06

7 09 O txto fz prt um rportgm, gênro txtul s issrttiv qu, tipimnt, rún váris fonts onsults plo jornlist n fs lvntmnto informçõs. Com rlção o txto, onsir s firmtivs sguir. I - A informção sor o momnto m qu o onsumo sl plos srs humnos umntou é prsnt por mio um rlto triuío um historior ritânio. II - Um us prição s pssos plo sl é prsnt por mio itção triuí um nfrologist os Estos Unios. III - Dos sor um possívl iminuição morts rsiliros omo onsquêni rução o onsumo sl são triuíos um rprsntnt Soi Brsilir Hiprtnsão, rtom m Sguno l (l. 54). Está(ão) orrt(s) pns I. pns II. pns III. pns I III. I, II III. 10 Em 2011, o Ministério Sú firmou um oro om Assoição s Inústris Alimntção (Aio) visno um rução sóio nos limntos inustrilizos. A mt é umulr um rução tonls sóio nos próximos nos. Suponh qu rução nul sóio nos limntos inustrilizos, prtir 2012, sj pl squêni: (1.400, 2.000, 2.600,..., 5.600) Assim, ssinl vrir (V) ou fls (F) m um s firmçõs sguir. ( ) A squêni é um progrssão gométri rzão 600. ( ) A mt srá tingi m ( ) A rução sóio nos limntos inustrilizos umul té 2015 srá tonls. A squêni orrt é F V V. V F V. V V F. F V F. F F V. 07

8 11 O onsumo xgro sóio stá ssoio um séri onçs rônis não trnsmissívis (DCNT), omo s riovsulrs. Esss moléuls são rsponsávis por 72% s morts no Brsil, um trço ls oorr ntr pssos om mnos 60 nos. Font: Disponívl m: Asso m: 25 st Conform trho notíi trnsrito, o xsso sl n it, m spil o sl ozinh (lorto sóio), po snr prolms sú. Os trhos sguir prourm xplir rlção ntr qunti sóio no sngu, prssão snguín rgulção o funionmnto rnl. Avli um, olono vriro (V) ou flso (F). ( ) A ingstão limntos slgos lv o umnto tx sóio no sngu, o qu provo o umnto tonii. Ess tx po sr rquilir om ntr, por ingstão, mis águ n orrnt snguín, provono umnto prssão rtril. ( ) Quno o volum snguíno umnt, o rstlimnto os volums normis é onsguio pl iminuição n proução Hormônio Antiiurétio (ADH), sno prouzio mior volum urin (mis iluí). ( ) Quno prssão snguín iminui ou onntrção sóio no sngu umnt, os rins lirm rnin no sngu, qul tlis formção ngiotnsin qu, por su vz, provo vsoiltção, om onsqunt rução prssão rtril rução srção lostron. 12 C grm sl ozinh ontém 0,4 grm sóio, íon ssnil pr o orgnismo, pois filit rtnção águ. Porém, o onsumo xssivo sl po sorrrgr o sistm riovsulr. O Ministério Sú romn ingstão 5 grms sl por i, ntrtnto psquiss pontm qu os rsiliros onsomm, m méi, 10 grms sl irimnt. A tl sguir mostr qunti sóio (m miligrms) prsnt m lguns limntos. Bis Prtos Sormss Disponívl m: Asso m: 15 st (pto) Com s n tl, o númro rfiçõs om um i, um prto um sorms qu não ultrpss o limit iário sóio romno plo Ministério Sú é igul Rfrigrnt (1 opo) 10 mg Mrrão instntâno (1 pot) 1951 mg Pço (1 uni) 41 mg Águ oo (1 uni) 66 mg Hmúrgur om frits (1 porção) 1810 mg Sorvt floos (1 ol) 37 mg A squêni orrt é V V F. F F F. F F V. V F V. V V V. 08

9 13 A tl sguir mostr o númro intrnçõs hospitlrs populção ios (60 ou mis nos i), num trmin rgião, oro om s uss intrnção. Cuss Donçs rís Donçs rrovsulrs Donçs pulmonrs Donçs rnis Dits mlito Frturs fêmur ossos os mmros Hiprtnsão rtril Infção pl tio suutâno Pnumoni trin Úlr Nº intrnçõs Consir qu hiprtnsão rtril, onçs rnis, onçs rís ostoporos stão ssois o onsumo xssivo sóio qu s frturs fêmur ossos os mmros são uss pl ostoporos. Assim, proili um ioso intrno, solhio o so, tr omo ignóstio prinipl um onç ssoi o onsumo xssivo sóio, oro om tl, é igul Pi vrs, no mis íntimo o morpróprio [...]. Tso n ir, o Rngl stv tônito. D ç sptifou o Quirós; pois ogitou possiili um sstr qulqur, um or stv, ms ois fort, qu lvss li qul intruso. Nnhum or, n; o io pri vz mis lépio, to sl fsin por l. Font: MACHADO DE ASSIS, 1997, p. 86. A fin ontunnt nális qu Mho Assis ostum fzr sus prsongns frquntmnt pont pr s frquzs mzls o rátr humno. O trho vini qu Rngl mostr-s intrssiro, pois qul smnto sri um om ngóio, n mi m qu o ot Joninh r vultoso. sonhor, pois vingnç rnovr su srto sjo sr-s pr simplsmnt gozr s primíis o mor. snorto, pois mç rprsnt por Quirós o impi vivr s grnzs imgins om Joninh. 0,430. 0,370. mlnólio, pois não tinh forçs pr impir qu futur noiv foss ortj nm orgm pr fstr sus rivis. 0,365. rsoluto, pois, n squêni o onto, Rngl 0,325. fto s-s om Joninh, niquilno toos 0,230. os plnos su rivl. 09

10 15 N Itáli, n 2ª mt o séulo XIX, sssz rn o xsso polnt n it limntr osionrm grn númro sos snutrição plgr, sinis grv ris onômi qu ftv muito o stor mponês. Ess situção rtiulou-s om sguint rli rsilir, n msm épo: orgnizção um strutur onômi volt à proução limntos, onsquntmnt, mro onsumior intrno. 16 Cr 24,3% populção rsilir é hiprtns, quro qu po sr grvo plo onsumo xssivo sl. A vrição prssão snguín P (m mmhg) um rto inivíuo é xprss m função o tmpo por P(t) = os 8π 3 t on t é o m sgunos. C príoo ss função rprsnt um timnto río. políti inntivo à vin mão or uropi, om o propósito sustituir o trlho srvo ns fzns fé. ris o Esto Nionl o projto formção um populção suávl mstiç. nssi solos pr multiplir o Exérito nionl, fnr s frontirs grntir o omínio n Rgião o Prt. xpulsão os olonos s trrs o Sust o fvorimnto nov mão or pr grir pqun méi propri rurl. Anlis s firmtivs: I - A frquêni rí ss inivíuo é 80 timntos por minuto. II - A prssão m t = 2 sgunos é 110 mmhg. III - A mplitu função P(t) é 30 mmhg. Está(ão) orrt(s) pns I. pns I II. pns III. pns II III. I, II III. 10

11 17 Por qu mntis? Por qu mntis lvin l? S minh f páli sntis Quim pl fr, s minh vi Tu vis smir, por qu mntis? Aori ilusão, sós morrno Sinto n moi s gonis. Por tu us sspro morro... Lvin sm ó, por qu mntis? [...] Vê minh pliz fr lnt Ess fogo s pálprs somris... Pous mão no mu pito! Eu morro! u morro! Lvin sm ó, por qu mntis? 18 Dint o umnto onçs rlions à lt ingstão sóio, ivrss ntis têm lnço mpnhs pr rução o onsumo sl, viuls m ifrnts míis, omo xmplifim os txtos sguir. Txto 1 Font: ÁLVARES DE AZEVEDO, p. 87. Ain um vz us! [XVIII] Lrás porém lgum i Mus vrsos, 'lm rrnos, D'mrgo prnto nhos, Com sngu sritos; ntão Confio qu t omovs, Qu minh or t pi, Qu hors, não su, Nm mor, ompixão. Font: Disponívl m: Asso m: 31 jul Txto 2 Font: GONÇALVES DIAS, p Um litur omprtiv os xrtos prmit firmr qu os ois us-lírios sntm-s imprturos plo sntimnto moroso não orrsponio. rlizm o mor n su plnitu justmnt porqu sofrm om l. nsurm o sso om qu é trto su sntimnto moroso. xtrnm przr qunto o sntimnto moroso qu sprtm. sntm-s stisfitos om o sofrimnto moroso, psr or. Font: Disponívl m: Asso m: 31 jul

12 Os proutors sss txtos solhrm ifrnts rursos linguístios pr lrtr os litors sor o onsumo sl. Consir s firmtivs r sss rursos: I - No Txto 1, são uss us frss nominis uj isposição prmit infrir qu mlhor sú é onsquêni iminuição o onsumo sl. II - No Txto 2, s rtiênis, pois Esolh, srvm pr inir um intrrupção frs, nts opção om mnos sl, sinlizm o omplmnto frs intrrompi. III - No Txto 2, o uso os vros onsumimos, stá omprmos no moo initivo ontriui pr ompor um informção qu justifi o plo à litur o rótulo à solh proutos om mnos sl. Está(ão) orrt(s) Com s nsss informçõs, é orrto firmr qu solução é o tipo 20 ltrolíti onntrção o sl é 0,015 mol L -1. não ltrolíti onntrção o sl é 0,900 mol L -1. ltrolíti onntrção o sl é 0,900 mol L -1. não ltrolíti onntrção o sl é 0,154 mol L -1. ltrolíti onntrção o sl é 0,154-1 mol L. Consir s firmtivs sguir, osrvno s oniçõs limntrs uropis n I Morn. pns I. pns III. pns II III. I, II III. I - As spiris rm itns ulinários muito ros utilizos, spilmnt, pr rfinr os prtos onsumios plos qu tinhm mior onição pns I II. finnir. 19 Sl, vilão ou moinho? Sustâni imprsinívl o quilírio s funçõs orgânis, o lorto sóio po prouzir fitos insjos s onsumio m xsso. A mn nturl ss omposto fz om qu l suprss o ouro omo vlor strtégio foss s pr rmunrr o + - trlho. Tnto os íons N omo os Cl são ssniis pr mnutnção vi niml, ontrolno o volum líquios mnutnção prssão rtril. Font: Sintifi Amrin Brsil, Ano II, n. 16, p. 50, (pto) II - N flt outrs mnirs pr qu os limntos fissm prsrvos por mis tmpo, o mis usul r slg, sgm fumção. III - As spiris rm proutos onrosos, porqu provinhm rgiõs istnts, omo o nort Améri. IV - O ontto os uropus om os ntivos Améri possiilitou inlusão novos proutos n it o Vlho Muno. Está(ão) orrt(s) pns I. pns III. pns I, II IV. I, II, III IV. O sl prsnt inúmrs utilis, sno onsiro o mis ntigo itivo limntr. Dntr os usos o NCl, st-s o soro fisiológio, um solução 0,9 % lorto sóio. pns II IV. 12

13 21 O sulfto ário é um sl grn importâni n inústri frmêuti. El é utilizo omo ontrst m riogrfis o sistm igstório, prmitino qu o intstino prç no xm riográfio, visto qu ss sl sorv os Rios-X. 22 Em txtos instruionis, é frqunt o mprgo omnos o litor lrçõs qu os justifim. Osrv ss prinípio nos xrtos um txto sor s utilis o sl ozinh no mint oméstio (olun irit) ssoi-os os signifios orrsponnts (olun squr). Font: PERUZZO, Frniso M.; CANTO, Euro L. Quími n Aorgm o Cotiino. Vol. 2. São Pulo: Morn, p.438. (pto) O sulfto ário é inustrilmnt prouzio por mio rção sguir, sno o áio iiono m xsso pr grntir onvrsão totl pr o sl não tóxio (sulfto ário). Pr proução o sl, form misturos, no rtor, 2 mols ronto ário 5 mols áio sulfúrio. S-s qu o prouto soluili os sis é 8 x 10 (BCO 3) 1 x 10 ( BSO 4). Afirm-s, ntão: I - O sulfto ário é mnos solúvl qu o ronto ário. II - O volum CO 2 liro n proução o sl, ns oniçõs normis prssão tmprtur (CNTP), é igul 22,4 L. III - A mss áio sulfúrio m xsso, n proução o sl, é 294 g. Está(ão) orrt(s) BCO + H SO BSO + H O + CO (s) (l) (s) 2 (l) 2(g) (1) Comno ( ) O sl fst lguns instos qu pom sofrr sirtção o ntrrm (2) Dlrção m ontto om l. ( ) Prpr um solução sl om águ orrif nos ntos s. ( ) No no pi ozinh, jogu um pouo águ m slg. ( ) Com ss proimnto, são vitos ntupimntos usos plo úmulo gorur. ( ) No intrior os sptos, oloqu um pouo sl. ( ) Eliminm-s umi o mu hiro. A squêni orrt é pns I pns II pns I II pns I III pns II III. 13

14 23 Em ispositivos primiros soorros, os sis têm sio mprgos pr o trtmnto prolms musulrs m tlts. Esss ispositivos instntânos funionm por mio rçõs químis xotérmis ou notérmis. Em grl, pr omprsss qunts, utiliz-s lorto álio, pr omprsss fris, nitrto mônio. As rçõs nvolvis são: CCl (s) + H O (l) C (q) + 2Cl (q) Consirno 4,15 J. g. C águ 1 g.ml ΔH = - 83 kj.mol NH NO (s) + H O (l) NH (q) + NO (q) ΔH = + 26 kj.mol Font: PERUZZO, Frniso M.; CANTO, Euro L. Quími n Aorgm o Cotiino. Vol. 2. São Pulo: Morn, p.246. (pto) o lor spífio nsi, qul srá vrição tmprtur, m C, s form iionos 55,5 g lorto álio 100 ml águ, 20 C? 24 Em 2009, foi onstruío n Bolívi um hotl om sguint puliri: tos s sus prs são forms por loos sl ristlino. Um s rtrístis físis ss mtril é su onutivi térmi rltivmnt ix, igul 6 W/(m. C). A figur sguir mostr omo tmprtur vri trvés pr o préio. T (ºC) Intrior o préio Extrior o préio x (m) 2 Qul é o vlor, m W/m, o móulo o fluxo lor por uni ár qu trvss pr?

15 25 Um os métoos otnção sl onsist m rmznr águ o mr m grns tnqus rtos, moo qu xposição o sol promov vporção águ o rsíuo rstnt ontno sl poss sr, finlmnt, prosso. A rspito o prosso vporção águ, nlis s firmçõs sguir. I - A águ o tnqu vpor porqu su tmprtur lnç 100 C. II - Ao sorvr rição solr, nrgi inéti lgums moléuls águ umnt, prt ls sp pr tmosfr. III - Durnt o prosso, linhs onvção s formm no tnqu, grntino ontinui o prosso té qu to águ sj vpor. Está(ão) orrt(s) ( ) O sl in ntur não é istriuío o mro onsumior, pois pss por prosso rfino té hgr à ms populção. A squêni orrt é 27 V F F. F F V. V F V. Um s mnirs s otr sl ozinh é su xtrção prtir sítios sutrrânos. Pr rlizção muits s trfs minrção, são utilizs máquins térmis, qu pom funionr, por xmplo, omo motors pr loomotivs, oms águ r rfrigrors. A rspito s propris trmoinâmis s máquins térmis, qul s ltrntivs é INCORRETA? F V V. F V F. pns I. pns II. pns I II. I, II III. O rnimnto um máquin térmi funionno omo motor srá máximo quno mior prt nrgi rtir font qunt for pns III. rjit, trnsfrino-s pr font fri. 26 Osrv s figurs: Um máquin térmi funionno omo rfrigror trnsfr nrgi um font fri pr um font qunt mint rlizção trlho. Máquins térmis nssitm us fonts térmis om tmprturs ifrnts pr oprr. Font: Disponívl m: Asso m: 10 st Mrqu vrir (V) ou fls (F) ns sntnçs. ( ) Qunto mior vrição mré, mior srá qunti sl nto nos onntrors pós o prosso vporção. Dntr s onsquênis sgun li trmoinâmi, stá impossiili s onstruir um máquin térmi om rnimnto 100%. Tos s tps um máquin térmi oprno no ilo Crnot são rvrsívis. ( ) O sl, ujs árs xtrção lolizm-s grns istânis os lois onsumo ss minrl pl populção, torn-s, vio os ustos om trnsport, um prouto muito ro pr miori populção. 15

16 28 29 MARCOS ALVES MORATO/EDITPRAABRIL A igrj São Frniso (foto), onstruí m Ouro Prto no séulo XVIII, é um mro o rroo rquittur rsilir. O ontxto histório qu xpli rlizção ss or é rio plo() ris o sistm olonil losão s rvolts rgniis. slomnto o ntro ministrtivo Colôni pr i Ouro Prto. A or prsnt foi lor plo rtist rsiliro Vik Muniz. El utiliz m sus ors limntos, omo çúr, sl, gli, hoolt, xrop, mtriis rilávis sut. Tis mtriis são mprgos pr prouzir ors ls lnçr pssos omuns, xluís o iruito ulturl triionl. Consirno sss informçõs, é orrto firmr qu o przr stétio rivo ontmplção o lo tm, pr rtists omo Vik Muniz, um função Font: Disponívl m: http//vikmuniz.nt. Asso m: 10 st xplorção onômi s mins ouro onsolição griultur nviir. mtfísi, trvés nutrlizção o sofrimnto ou pzigumnto o suro vi. ilo minrção orrnt ivrsifição o sistm proutivo. istnimnto m rlção à utori olonil onsqunt mior lir xprssão. soiopolíti, sprtno inquitção ronhimnto prolms ssoios à vi otiin. mims ou imitção rli, visno prnr prfição hrmoni s forms nturis. stétio-forml, porqu ompt o rtist mnifstr lz sm nnhum tipo ompromtimnto om uss xtrns. soioonômi, um vz qu rt m grl tm ompromisso om prossos grção rn insrção soil. 16

17 30 Li tntmnt ltr músi Cnção o Sl : Trlhno o sl é mor é o suor qu m si Vou vivr ntno o i tão qunt qu fz Homm vr rinç usno onhinhs no mr Trlho o i intiro pr vi gnt lvr Águ vir sl lá n slin Qum iminuiu águ o mr Águ nfrnt sol lá n slin Sol qu vi quimno té quimr 31 Dois ngnhiros hgm à ntr um min xtrção sl qu s nontr m grn tivi. Um ls stá portno um ilímtro vrifi qu intnsi sonor é 115 iéis. Consirno s qulis fisiológis o som, qul é finição intnsi sonor? Vloi on por uni ár. Frquêni on por uni tmpo. Trlhno o sl pr vr mulhr s vstir E o hgr m s nontrr fmíli sorrir Filho vir sol prolm mior é o stur Qu é pr não tr mu trlho vi gnt lvr Potêni por uni ár frnt on. Amplitu por uni ár frnt on. Enrgi por uni tmpo. Autori: Milton Nsimnto, Intérprt: Elis Rgin - Álum: Elis (1966). Estilo: Músi Brsilir. Grvor: UNIVERSAL. Slo: Philips. D oro om músi, osrv s firmtivs: 32 Osrv o mp: I - Os trlhors rsim próximos às árs xtrção sl, sno possívl lvr os filhos o mint trlho on há rhs próxims à pri. II - A xtrção sl oorr m árs om lt insolção, pr qu o prosso vporção águ sj filito fiqu pns o minrl. III - A músi rlt form poéti s os oniçõs trlho ns slins, sno possívl ofrr um vi ign à fmíli, omo stuo os filhos. IV - A mão or fminin tornou-s possívl ns slins pós ivrss luts os movimntos fminists, qu rivinivm igul trlho slário pr s mulhrs. Font: OLIC, N. B.; SILVA, A. C; LOZANO, R. Gogrfi. Vol. únio. São Pulo: Morn, p Está(ão) orrt(s) pns I. pns II. pns II III. pns III IV. D oro om o mp os sus onhimntos, osrv s firmtivs: I - Os prinipis rursos minris rsiliros, omo frro, uxit mngnês, são utilizos omo pns I IV. ommoittis, ou sj, xportos in ntur pr inústris trnsformção no xtrior. 17

18 II - A mior prt xtrção minrl no Brsil oorr m árs suos ristlinos, vio à ivrsi minris rohs qu ompõm ss litologi. III - A xtrção sl m trritório rsiliro é totlmnt rliz m árs litorâns, qu stão m ontto om is simntrs. 17 IV - A minrção po sr onsir um s tivis humns qu mis usm imptos o mio mint. O sistm monopólio ronfigurv it os olonos, origno-os nonr os limntos triionis Portugl. Com inorporção o Rio Grn o Sul o Império português, it olonil inluiu mior qunti onsumo rn ovin. 34 Osrv o mp: Está(ão) orrt(s) pns I. pns III. pns II IV. pns I, II IV. I, II, III IV. Tromts Porto Vlho Mnus Mpá Sntn Blém Vil o Con São Luís Tuuruí Itqui Fortlz Ari Brn Ntl Clo Rif Sup Mió Arju Artu Slvor 33 Cuiá Cárs Pirpor Ilhéus Assim, pont firmtiv orrt, qunto à situção rsilir no príoo olonil. Comrilizvm-s limntos prouzios n rgião proutos importos [...]. Dntr os proutos prouzios n olôni, stvm-s frinh mnio, milho trigo, fijão, çúr, rpur, gurnt, touinho, hrqu rn frs [...] pix so frso. Dntr os proutos importos, os mior prour rm vingr, zit, vinho, lhu, zitons, pimnt-o-rino, spiris [...] sl. Font: BRAICK MOTA. Históri: s vrns o Triro Milênio. Vol. 2. São Pulo: Morn, p. 84. O omínio grn propri rurl onvivu om xistêni proução gríol m pqunos lots trrs. A strutur proutiv olonil r xlusivmnt volt pr tnr à mn uropi. Corumá Lário Turão Vitóri Group Co Frio Enhov Itguí Rio Jniro Angr os Ris Sntos São Sstião Prnguá São Frniso o Sul Lgun Imitu Porto rg grl Porto spilizo Guí Rio Grn Porto Algr Trmní Plots Font: OLIC, N. B.; SILVA, A. C; LOZANO, R. Gogrfi. Vol. únio. São Pulo: Morn, p. 40. D oro om o mp sus onhimntos, osrv s firmtivs: I - Os miors portos rsiliros pom sr lssifios omo portos rg grl. II - Entr os portos spilizos, st-s o Ari Brn, no Rio Grn o Nort, rio priniplmnt pr o trnsport sl mrinho. III - Os portos litorânos rsiliros possum mnor importâni m volum rg, m omprção om os portos hiroviários. Está(ão) orrt(s) Itjí Dvio o rátr omplmntr onomi olonil, r inxistnt um mro intrno n olôni. pns I. pns II. pns I II. pns II III. pns III. 18

19 35 Filósofos utilizm fruts (mçãs, xis, tomts) pr ilustrr sus toris. Num mçã, por xmplo, lguns filósofos firmrm qu é possívl sprr propris ou qulis sunáris (or, hiro, oçur) qulis primáris (omo xtnsão). Esss últims srvm suport às qulis sunáris. N mtfísi triionl, ss lmnto qu sustnt s qulis sunáris é o() sustâni. rionli. II - A mss spífi águ m B é mior o qu m C. III - O móulo o mpuxo xprimnto por um orpo ompltmnt sumrso m A é mior o qu m B. Está(ão) orrt(s) pns II. pns III. pns I II. pns I III. I, II III. int. nssi. 37 usli. 36 Um xpição intífi rliz no ono Pífio tv o propósito oltr os prssão águ m função profuni. Form solhios três lois istnts ntr si, on não hvi vnto o mr r lmo. Nos três sítios, vrifiou-s qu o móulo lrção grvitionl m omo tmprtur águ prsntrm os msmos vlors. Os rsultos otios são prsntos no gráfio sguir, on s rts A B são prlls. P (P) A B C A hm mré vrmlh é um fnômno rsultnt rproução m msi rtos grupos mirolgs mrinhs, m spil inoflglos, vntulmnt onfrino um olorção vrmlh à águ o mr. Outr nominção, pli tmém o fnômno m águs ontinntis, é florção. Com rlção tl fnômno, iniqu s s ltrntivs sguir são vrirs (V) ou flss (F). ( ) O spjo sgoto lixo ns águs é um onsquêni utrofizção. ( ) O loquio pssgm o sol pl m suprfiil mirolgs um florção po usr mort orgnismos fotossinttiznts, umntno qunti oxigênio liro umntno os miro-orgnismos proutors. ( ) Intoxiçõs srs humnos por ingstão frutos o mr pom sr onsquêni posição toxins m nimis filtrors, quno s florçõs são forms por lgs tóxis. 0 h (m) ( ) A rproução xssiv mirolgs po sr onsquêni utrofizção águ. Com s nsss rsultos, nlis s firmçõs A squêni orrt é sguir. F F V V. V V F F. I - A prssão tmosféri o nívl o mr m A é mior o qu m B. V F V F. F V F V. F V V V. 19

20 38 Um pisiultor ri lvinos m um tnqu 2500 litros. Pr grntir o snvolvimnto os pixs, o pisiultor nssit qu slini águ o tnqu sj 18 grms sl por litro. Nss tnqu, form misturs águ slor om 25,5 grms sl por litro águ o om 0,5 grm sl por litro. A qunti, m litros, águ slor o qu v str prsnt no tnqu é, rsptivmnt, Assinl ltrntiv qu omplt orrtmnt s luns o txto. hipotôni squilírio osmótio sorção xssiv águ hipotôni trnsport tivo minris pr for sus orpos sorção xssiv águ hiprtôni squilírio osmótio pr sis minris sirtção s spéis hiprtôni trnsport tivo minris pr ntro sus orpos sorção xssiv águ 2187,5 312,5. isotôni squilírio osmótio pr sis minris sirtção s spéis 1562,5 937, Um mnino pixono por pixs rsolvu montr um quário m su s. Em um loj, quiriu três spéis ifrnts, lvno m onsirção o spto visul: pix-plhço ( Amphiprion ollris, spéi mrinh), pix-njo-impror (Pomnthus imprtor, spéi mrinh) pixinho-ouro ( Crssius urtus, spéi águ o). Tos s spéis form olos no msmo quário, qu stv prnhio om águ tornir slor. As us spéis mrinhs inhrm morrrm rpimnt, pns o pix-ouro sorvivu. Dpois o oorrio, o mnino soriu qu os inivíuos s us spéis mrinhs morrrm, porqu águ o quário funionv omo um solução m rlção os sus fluios orporis, oorrno um qu usou o inhço por. O nionlismo litrário o Romntismo rsiliro tm n pros ininist su mior xprssão. Li tntmnt o xrto sguint mrqu vrir (V) ou fls (F) m firmtiv sor l. Irm, virgm os láios ml, qu tinh os los mis ngros qu s grún, mis longos qu su tlh plmir. O fvo jti não r o omo su sorriso; nm unilh rni no osqu omo su hálito prfumo. Mis rápi qu m slvgm, morn virgm orri o srtão s mts o Ipu, on mpv su gurrir trio, grn nção tjr. O pé gráil nu, ml roçno, lisv pns vr plúi qu vsti trr om s primirs águs. ( ) O nionlismo s truz, nss trho, pl solh o léxio, qu inorpor plvrs m tupi, por xmplo. ( ) Os triutos protgonist mtforizm o p- Font: ALENCAR, 1999, p

ÚNICO. Biologia. Física Geografia. História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química.

ÚNICO. Biologia. Física Geografia. História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química. 2 Biologi Físi Gogrfi ÚNICO Históri Língu Estrngir Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Insrição nº: 01 Está(ão) orrt(s) (s) firmtiv(s) Potimnt, o sl mtforiz o mr, s lágrims, forç vivr. Cstro Alvs,

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçmnto Emprsri Copyrit Prir, F. I. Pro. Isiro MINI CASE # 12

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Índia Até o bicho separa o lixo

Índia Até o bicho separa o lixo Opror Máquins Agríols Nº Insrição: Pró-Ritori Gstão Pssos Univrsi Frl Snt Mri Prt I Língu Portugus Pr rsponr às qustõs númros 01 10, li os txtos sguir. Txto I Txto II Txto III OBICHO Vi ontm um iho N imuníi

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. CARTÃO-RESPOSTA stino à mrção s rsposts s 56 qustõs ojtivs. 2. Confir su nom, númro insrição

Leia mais

Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa

Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa 1 Arts Biologi Eução Físi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Estrngir Língu Portugus SERIADO Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Soiologi Insrição nº: Vstiulno, o prov! 02 01 Consirno o trmo ultur omo um onito

Leia mais

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR-SC Srtri Muniipl Sú PROVA Crgo: AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS LIMPEZA PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA AUXILIAR

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 stmro 01 outuro 2010 ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA ÁGUA CONSUMIDA PELA POPULAÇÃO DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO VERMELHO-MG GABRIELA LÚCIA PINHEIRO 1, CELSO RICARDO CARVALHO 2 ; LÍVIA BOTELHO

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a m pgou n port s m ixou no sritório. ) Eu tinh bo sir s quno toou o lulr pri pr tnê-lo. Er mu hf, izno qu u stv trso pr um runião. Minh sort é qu nss momnto stv pssno um táxi. Ani pr l pouos minutos pois

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

3 PS1 2013 PS2 2014 S R. Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa

3 PS1 2013 PS2 2014 S R. Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa S R E I 3 PS1 2013 PS2 2014 A D O Arts Biologi Eução Físi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Soiologi Insrição nº: 2015 Txto Pr rsponr às qustõs númros 01 02, li o

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Dus DE DE Ministério Smors Plvr PG. = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =DOUTRINA

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

Germinação de Sementes

Germinação de Sementes Grminção Smnts Monootilôns Euiotilôns rminção pí rminção hipó Smnts nospémis Smnts não nospémis rof. Mrlo F. omplli Dr. m Fisioloi Vtl Fisioloi Vtl BO248 turm L1 hsolus vulris L. Z mys L. Grminção smnt:

Leia mais

Biologia Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva.

Biologia Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva. 2 Biologi Físi Gogrfi Históri Língu Estrngir Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Prov Sltiv Insrição nº: 02 Qustão 01 Com o vnço intífio o séulo XIX, m spil, om s sorts o químio iólogo frnês Louis

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Plnih01 ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Lot Itm Dsrição Uni 1 2 3 4 5 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m, Ppl rilo, 120 g/m² Nº ors: 4/0 ors. Qunti Rgistrr: 6.000 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m Ppl

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Homm PG. HOMEM. DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Ar Do io PG. io. DOUTRINA CRISTÃ ACERCA o 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A FONTE DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química

Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química 3 Biologi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Insrição nº: Pr rsponr às qustõs 01 02, li o txto sguir. Um rvolução m ino minutos 1 5 10 15 20 25 Usr tnologi pr onstruir

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação Trino Lirnç Sú Qutro Disiplins Essniis Prgunts Avlição Romnmos qu voê srv sus rsposts m um pço ppl pr qu voê poss pssr sus olgs trlho migos st urso. MÓDULO 1: INTRODUÇÃO 1. Qul os sguints são ojtivos prinipis

Leia mais

ÚNICO. Biologia. Física Geografia. História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química.

ÚNICO. Biologia. Física Geografia. História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química. 1 Biologi Físi Gogrfi ÚNICO Históri Língu Estrngir Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Insrição nº: Vstiulno, o prov! 02 01 C rgião rsilir possui háitos limntrs próprios prtos mlmátios, qu srvm

Leia mais

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012 Prova Discursiva Medicina 16/12/2012 Caderno de Prova Este caderno, com 16 páginas numeradas sequencialmente, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica dos Elementos

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO Anré Luís Polini Frits Esol Téni Frl Cmpos UNED Mé RJ mil: polini@unf.r v.5, n.3, p. 272-283, z. 1998 Hlr Goms

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6 GÁLATAS Cpítulo Pulo, póstolo nvio, não prt homns nm por mio psso lgum, ms por Jsus Cristo por Dus Pi, qu o rssusitou os mortos, toos os irmãos qu stão omigo, às igrjs Glái: A voês, grç pz prt Dus nosso

Leia mais

Biologia Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva.

Biologia Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva. 2 Biologi Físi Gogrfi Históri Língu Estrngir Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Prov Sltiv Insrição nº: 02 Qustão 01 Com o vnço intífio o séulo XIX, m spil, om s sorts o químio iólogo frnês Louis

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est oltim qustõs é onstituío : - Rção - 54 qustõs ojtivs. 2. Confir s, lém ss oltim

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

ANEXO II. (Ato da Mesa nº 98, de 2001) ÁREA I

ANEXO II. (Ato da Mesa nº 98, de 2001) ÁREA I NXO II (to da Mesa nº 98, de 2001) ÁR I IRITO ONSTITUIONL. PRINÍPIOS ONSTITUIONIS UNMNTIS, GRIS STORIIS. IRITOS GRNTIS UNMNTIS. STO IRITO STO IRITO MORÁTIO. POR ONSTITUINT: ORIGINÁRIO, RIVO ORRNT. MN,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a),

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a), 2013 QUSTONÁRO O RTOR Senhor(a) iretor(a), s avaliações do Sistema Nacional de valiação da ducação ásica (S) são compostas por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

Biologia Filosofia Física Geografia História Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva.

Biologia Filosofia Física Geografia História Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva. 3 Biologi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Prov Sltiv Insrição nº: Qustão 01 No omço o séulo XX, os Estos Unios Améri stnrm su ár influêni pr s Améris Cntrl o Sul,

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E 1ª limintóri 2012 Est tst é onstituío por 30 qustõs qu orm ivrss tmátis Biologi. Li s qustõs tntmnt slion opção orrt unimnt n Folh Rsposts, mrno- om um X no quro rsptivo. O tst tm urção máxim 90 minutos.

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR LÓRI ÚLTIM S Intro: ON HVI SURIÃO LUZ US M MIM RILHOU ON STV SO SUS ÁUS RRMOU MINH OR ULP SOR SI L LVOU UM NOVO NTINO M MUS LÁIOS OLOOU # U VOU, VOU LRR VOU TRNSOR LRI # PORQU LÓRI ÚLTIM S JÁ É MIOR QU

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA stino à

Leia mais

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS,

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, P á g i n a 57 LÓRI US (TOM: Ó) 4/4 PLO SOL QU RILH, LÓRI US PL LOR QU NS, LÓRI US PLOS MONTS LTOS, LÓRI US PLO MR TMÉM, LÓRI US PLOS PSSRINHOS, LÓRI US PL NOIT O I, LÓRI US PL RIS LR, LÓRI US QU LON VM,

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

MODALIDADE CATEGORIA SEXO FUTSAL INFANTO FEMININO

MODALIDADE CATEGORIA SEXO FUTSAL INFANTO FEMININO RÇÃO SRIPN SPORTOS SOLRS ILI ONRÇÃO RSILIR SPORTOS SOLRS Tel. (79) 9807-8088 / 8847-4387 / 9192-9367 -mail: fsde@fsde.com.br JOOS SOLRS TV SRIP 2015 UTSL MOLI TORI SXO UTSL INNTO MININO RUPO ÚNIO 1 - M

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia wwwsmorsplvromr Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Po PG PECADO DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO 03 I, PECADO, O QUE É? 04 II, O ROTEIRO DO PECADO,

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Orção PG. ORAÇÃO. DOUTRINA CRISTÃ DA 04 INTRODUÇÃO. 04 I, O QUE É ORAÇÃO CRISTÃ? 06 II, COMO

Leia mais

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS 1) VAMOS CLBRAR Autor:Piter di Laura/Maria duarda/carlos Tocco Intro: /# D9 A/C# /B A/C# /# D9 TODOS RUNIDOS NA CASA D DUS COM CANTOS D ALRIA RAND LOUVOR VAMOS CLBRAR OS FITOS DO SNHOR SUA BONDAD QU NUNCA

Leia mais

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ ДХILUIR P/ LRR RL_ R To l. er a l es. Num. QU M PRVR IOO P O RROR MIOR V R LMJ U: UZZR R 0 ILUIR P M PRLLO OM ONTTO O RL 0.u/ 00V V R 0 0 R 0 verm elho U: ULN00 U: LMJ 0 ULN00 U: LI/ LI RROR V N R 0u/

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS Flávi Bini Ni Mstro Ennhri Proução Univrsi Frl Fluminns Ru Psso Pátri, 5, São Dominos, CEP:

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. é, sem úv, o lmento refero e mutos ulsts. Estm-se que o onsumo áro no Brsl sej e, mlhão e s, seno o Esto e São Pulo resonsável or % esse

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física rsão rlmnr rl Nots ul Fís. ENOPI E SEGUN LEI EMOINÂMI... POESSOS EESÍEIS E IEESÍEIS... MÁUINS ÉMIS... Um máqun rnot... Eên um máqun rnot...6 EFIGEOES...6 EOEM E LUSIUS...7 SEGUN LEI EMOINÂMI...9 Enuno

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Soluções E-Procurement

Soluções E-Procurement Soluçõs -Procurm Móulos Vgs Aprsção Dspss Tomé A. Gl Jro/2003 Sumáro: Soluçõs - Procurm 2 Soluçõs - Procurm m xrp 3 Prcps Vgs 4 Solução 5 Móulo vgs 7 Móulo Rlóros Aprsção spss 8 Cls 9 Cocos Ús 10 www.scrgl.com

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

Pontos de Alagamento com Mais de 4 Ocorrências Anuais Período: 2005-2013

Pontos de Alagamento com Mais de 4 Ocorrências Anuais Período: 2005-2013 PSP local referencia Recorrências RÃO ORS V PRO OSQU SU V RÃO ORS V PRO S STOS R RÃO ORS V PRO S STOS R RÃO ORS V PRO S SVR R RÃO ORS V PRO US O V RÃO ORS V PRO RR R RÃO ORS V PRO U STO V RÃO ORS V PRO

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia Conxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não for suportao plo CD Softwar Doumntação, o Assistnt para

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Jsus Cristo CRISTO DESOBEDECESSE Ministério Smors Plvr PG. DOUTRINA CRISTÃ DE JESUS CRISTO.

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia onxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não or suportao plo CD Sotwar oumntação, o Assistnt para aiionar

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 2010 JUNHO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE - MÓDULO DISCURSIVO São curiosos os números. Às vezes é mis útil rredondá-los do que trblhr com seu vlor

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL LL LTVIST PRÂMTRO IMGM SÍNTS UNIONL NTORNO IDNTIIR RLÇÃO DO DIÍIO OM OS LMNTOS D NTORNO, ONSIDRNDO OS TRIUTOS DO LUGR - MSSS DIIDS, RLÇÕS D PROXIMIDD, DIÁLOGO, INTGRÇÃO OU UTONOMI LL DIGO RIVR LL LRO LL

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M //0 08:: Turma LGN 0 Semestre 0 IÊNI TNOLOGI MIO MINT QULI VI-60H IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN

Leia mais

Faturamento WEB IAMSPE v20130424.docx. Manual de Faturamento

Faturamento WEB IAMSPE v20130424.docx. Manual de Faturamento Fturmnto WEB IAMSPE v20130424.dox Mnul d Fturmnto Fturmnto WEB IAMSPE v20130424.dox ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 SUPORTE DA MEDLINK VIA LINK DÚVIDAS... 3 MOVIMENTO MANUAL... 3 IMPOSSIBILIDADE

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS 2º SEMESTRE DE 2016 1.º PERÍODO 2016/1 2º PERÍODO

HORÁRIO DE AULAS 2º SEMESTRE DE 2016 1.º PERÍODO 2016/1 2º PERÍODO HORÁRIO E ULS 2º SEMESTRE E 2016 1.º PERÍOO ISIPLIN INTROUÇÃO À IÊNI O IREITO IT 038 HISTÓRI O IREITO IT 039 NTROPOLOGI JURÍI IT 040 TEORI O ESTO I IP 039 EONOMI I EN 101 INTROUÇÃO À FILOSOFI: ÉTI FIL

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI C RSATAI A NOIVA - 1. L SHAAI F9 Bb9 C4 F9 L SHAAI, TOO POROSO ÉS F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, NÃO HÁ OUTRO US IUAL F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, OMÍNIO STÁ M SUAS MÃOS Bb9 C4 F9 POROSO L SHAAI C F9 MU ABA PAI PROVOR,

Leia mais

ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO

ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO LEIA COM ATENÇÃO: O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA

Leia mais

- SV22-92014 - SV22-92015 - SV22-92016 - SV22-92024

- SV22-92014 - SV22-92015 - SV22-92016 - SV22-92024 Funionlis 1 Suport lvtório 2 Artiulção o LCD 3 Elvor 5 (12,7 m) 4 Suprfíi trlho 5 Gvt loquio ltrónio utomátio 6 Tuliro inlinávl pr tlo poio pulso 7 Tuliro suport pr rto, irit/squr 8 Gstão os 9 Trvão lvção

Leia mais