de uma volta completa da circunferência. Conseqüentemente, a volta completa na circunferência compreende um ângulo de 360 o - Figura 7.1(a).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de uma volta completa da circunferência. Conseqüentemente, a volta completa na circunferência compreende um ângulo de 360 o - Figura 7.1(a)."

Transcrição

1 Cpítulo 7 Trigonometri 71 Introdução O número π Dd um circunferênci de rio r, diâmetro d = r, o número π é denido como rzão do comprimento C d circunfeênci pelo seu diâmetro d, isto é, π = C d = C r O comprimento de um circunferênci Pel denição do número π n equção 71) oservmos que o comprimento d circunferênci é ddo por Medid de ângulos Existem uniddes usuis 1 pr medid de ângulos 71) C = π d = π r 7) Gru: 1 gru, denotdo 1 o, é um ângulo correspondente 1 60 de um volt complet d circunferênci Conseqüentemente, volt complet n circunferênci compreende um ângulo de 60 o - Figur 71) Rdino: 1 rdino, denotdo 1 rd, é um ângulo correspondente um rco de mesmo comprimento do rio d circunferênci - Figur 71) 90 o 180 o 0 o ou 60o 1 rd r s = r 70 o ) A denição de gru ) A denição de rdino Figur 71: Medids de ângulo 1Um outr medid, menos usul, pr ângulos é o grdo 1 grdo corresponde 1 de um volt complet d circunferênci 00

2 O comprimentro de um rco Em um circunferênci de rio r, sej θ um ângulo qulquer, medido em rdinos, e s o rco correspondente - Figur 7) O vlor s do comprimento do rco é otido por um regr de simples 1 rd r = θ rd s s = r θ Conversão gru-rdino Determinmos o vlor do ângulo, em rdinos, pr um volt complet n circunferênci por um regr de simples 1 rd = x rd x = π r π r Isto é, um volt complet n circunferênci corresponde um ângulo de medid π rdinos - Figur 7) θ rd r s = r θ 180o = π rd 90 o = π rd θ 0 o = 0 rd ou 60 o = π rd ) O comprimento de um rco 70 o = π rd ) Conversão gru-rdino Figur 7: Comprimento de rco e conversão gru-rdino Ddo um ângulo θ em grus, su medid x em rdinos é otid por um regr de simples π rd 180 o = x rd θ o x = θ 180 π rd Exemplo 71 Determine medid do ângulo 155 o em rdinos π rd 180 o = x rd 155 o x = π = 1 5 π rd Exemplo 7 Determine medid do ângulo π rd em grus π rd 180 o = π rd x x = π 180 π = 15o Clssicção de triângulos Triângulo é um polígono com ângulos internos, logo ldos Podemos clssicá-los de dus mneirs: qunto os tmnhos dos ldos: equilátero - ldos de mesmo comprimento, isóceles - ldos de mesmo comprimento, escleno - ldos de comprimentos diferentes; qunto às medids dos ângulos: 5

3 cutângulo - ângulos gudos menores que 90 o grus), retângulo - 1 ângulo reto 90 o grus), otusângulo - 1 ângulo otuso mior que 90 o grus) 7 Triângulo retângulo 71 Teorem de Pitágors Em um triângulo retângulo, Figur 7), os ldos que formm o ângulo reto são denomindos ctetos e o ldo oposto o ângulo reto é chmdo hipotenus Os comprimentos d hipotenus e dos ctetos estão relciondos pelo Teorem de Pitágors = + c 7) c c ) Um triângulo retângulo c c c ) O Teorem de Pitágors Figur 7: Triângulo retângulo e o Teorem de Pitágors Um prov stnte simples do Teorem de Pitágors pode ser otid trvés d Figur 7): áre do qudrdo externo é igul à som d áre do qudrdo interno mis áre dos triângulos retângulos, isto é: + c = + c) + c = + c + c = + c 7 Rzões trigonométrics no triângulo retângulo Pr cd ângulo gudo de um triângulo retângulo dene-se 6 rzões trigonométrics conhecids como seno, cosseno, tngente, cotngente, secnte e cossecnte) d seguinte mneir seno = cosseno = cteto oposto hipotenus cteto djcente hipotenus tngente = cotngente = cteto oposto cteto djcente cteto djcente cteto oposto secnte = cossecnte = cteto hipotenus djcente cteto hipotenus oposto A Figur 7 ilustr s 6 rzões trigonométrics pr os ângulos α e β de um triângulo retângulo Rzões trigonométrics de lguns ângulos notáveis N Figur 75) trçmos digonl de um qudrdo de ldo e então determinmos s rzões trigonométrics pr o ângulo de 5 o otido: cos5 o ) = = 1 =, sen5 o ) = = 1 = 6, tg5 o ) = = 1

4 seno: senα) = c senβ) = β c α cosseno: tngente: cotngente: secnte: cossecnte: cosα) = tgα) = c ctgα) = c secα) = cscα) = c cosβ) = c tgβ) = c ctgβ) = c secβ) = c cscβ) = Figur 7: As rzões trigonométrics N Figur 75) trçmos ltur de um triângulo equilátero de ldo e então determinmos s rzões trigonométrics pr os ângulos de 0 o e 60 o otidos: cos0 o ) = / =, sen0 o ) = / = 1, tg0 o ) = / / = 1 = cos60 o ) = / = 1 A tel 71 resume estes resutdos, sen60 o ) = / = ângulo 0 o 5 o 60 o 1 sen cos 1 tg 1, tg60 o ) = / / Tel 71: Vlores de seno, cosseno e tngente dos ângulos 0 o, 5 o e 60 o = 5 o ) Ângulo de 5 o 60 o 0 o / / c ) Ângulos de 0 o e 60 o Figur 75: Ângulos notáveis 7

5 7 Algums identiddes trigonométrics N Figur 7 temos que = cosα) e c = senα); otemos então s seguintes identiddes: tgα) = c = senα) cosα) tgα) = senα) cosα) 7) cotgα) = c = cosα) senα) secα) = = cscα) = c = Usndo o Teorem de Pitágors otemos cotgα) = cosα) senα) cosα) secα) = 1 cosα) senα) cscα) = 1 senα) + c = cos α) + sen α) = [ cos α) + sen α) ] = 7) 7c) 7d) donde cos α) + sen α) = 1 7e) A identidde 7e) é chmd de identidde fundmentl: o qudrdo do cosseno mis o qudrdo do seno de qulquer ângulo é sempre igul um A prtir d identidde fundmentl otemos outrs dus importntes identiddes: cos α) + sen α) cos α) cos α) + sen α) sen α) = = 1 cos α) 1 + sen α) cos α) = 1 cos α) 1 + tg α) = sec α) 1 sen α) cos α) sen α) + 1 = 1 sen α) cotg α) + 1 = csc α) 7f) 7g) Exemplo 7 Pr um ddo ângulo θ se-se que cosθ) = 1 5 Determine s outrs rzões trigonométrics pr θ D identidde fundmentl otemos Logo: ) 1 + sen θ) = 1 sen θ) = pel identidde 7): tgθ) = 6/5 1/5 = = 6; pel identidde 7): cotgθ) = 1/5 6/5 = 1 5 pel identidde 7c): secθ) = 1 1/5 = 5; 5 = ; senθ) = 5 = 6 5 pel identidde 7d): cscθ) = 1 6/5 = Triângulos quisquer 71 A Lei dos Cossenos Vimos que pr triângulos retângulos s medids dos ldos estão relciondos pelo Teorem de Pitágors Pr triângulos quisquer os comprimentos dos ldos estão relciondos pel Lei dos Cossenos Figur 76) A demostrção d Lei dos Cossenos pr o ângulo α pode ser otid prtir d Figur 77 No triângulo retângulo d esquerd temos cosγ) = x x = cosγ) 8 75)

6 β c γ α Pr o ângulo α: Pr o ângulo β: Pr o ângulo γ: Figur 76: A Lei dos Cossenos = + c c cosα) = + c c cosβ) c = + cosγ) No triângulo retângulo d direit temos Sustituindo 75) e 75) em 75c) otemos = x + H H = x c = H + x) = H + x + x 75) 75c) que é Lei dos Cossenos pr o ângulo γ c = x + cosγ) + x c = + cosγ) c H γ x Figur 77: A demostrção d Lei dos Cossenos pr o ângulo γ 7 A Lei dos Senos Outr relção entre os comprimentos dos ldos e os ângulos de um triângulo qulquer é Lei dos Senos Figur 78), cuj demonstrção c crgo do leitor Prolem Teórico 71) β c γ α senβ) Figur 78: A Lei dos Senos = senα) = senγ) c 75 Círculo Trigonométrico e Funções Circulres Círculo trigonométrico é o circulo de rio unitário e centro n origem do sistem crtesino - Figur 79) No triângulo OP Q d Figur 79) lemrndo que OP = 1 ) oservmos que cosθ) = OQ/OP = x/1 = x e senθ) = P Q/OP = OR/OP = y/1 = y, Um termo mis proprido seri circunferênci trigonométric, ms o termo círculo trigonométrico é trdicionlmente utilizdo n litertur e vmos mntê-lo 9

7 y 1, 0) x R P x, y) θ O Q ) O circulo trigonométrico ) Seno e cosseno Figur 79: O seno e o cosseno no círculo trigonométrico de modo que s coordends crtesins do ponto P são dds por P = x, y) = ) cosθ), senθ) Rciocinndo no sentido inverso, sej P x, y) um ponto qulquer sore o círculo unitário e θ o ângulo correspondente, medido no sentido nti-horário prtir do semi-eixo positivo ds scisss Denimos o cosseno deste ângulo como o vlor d sciss de P e seu seno como o vlor d ordend de P Est denição do seno e cosseno no círculo trigonométrico nos permite clculr os vlores ds rzões trigonométrics pr ângulos ddos por qulquer número rel, e não pens pr ângulos gudos como no cso de triângulos retângulos A Figur 710 ilustr este rciocínio pr ângulos no segundo, terceiro e qurto qudrntes P x, y) Q O R θ P x, y) Q θ O R θ O R Q P x, y) ) Ângulo no o qudrnte ) Ângulo no o qudrnte c) Ângulo no o qudrnte Figur 710: cosθ) = OQ = x e senθ) = OR = y Sinl do seno e cosseno se 0 < θ < π então senθ) > 0 e cosθ) > 0 - Figur 79); se π < θ < π então senθ) > 0 e cosθ) < 0 - Figur 710); se π < θ < π então senθ) < 0 e cosθ) < 0 - Figur 710); se π < θ < π então senθ) < 0 e cosθ) > 0 - Figur 710c) 0

8 751 As funções circulres A função seno Sej x um ângulo vriável no círculo trigonométrico A cd vlor de x ssocimos um único vlor pr seu seno, denotdo senx) Denimos então função fx) = senx), cujo gráco, chmdo senóide, é mostrdo n Figur 711 A Figur 711 exie dus proprieddes importntes d função senx): é periódic de período T = π; isto signic que sus imgens se repetem de π em π rdinos, isto é, x R temos que senx) = senx + π); é limitd entre 1 e 1, isto é, x R temos que 1 senx) 1 senx) 1 x -1 π π π π 0 π π π π Figur 711: Senóide senx) A função cosseno De modo nálogo o seno, sej x um ângulo vriável no círculo trigonométrico A cd vlor de x ssocimos um único vlor pr seu cosseno, denotdo cosx) Denimos então função fx) = cosx), cujo gráco é mostrdo n Figur 71 A Figur 71 exie dus proprieddes importntes d função cosx): é periódic de período T = π; isto signic que sus imgens se repetem de π em π rdinos, isto é, x R temos que cosx) = cosx + π); é limitd entre 1 e 1, isto é, x R temos que 1 cosx) 1 cosx) 1 x -1 π π π π 0 π π π π Figur 71: Senóide cosx) 1

9 76 Mis identiddes trigonométrics Simetris As identiddes de simetri estelecem o efeito d sustituição de α por α Pel Figur 71 temos R α O Q α senα) = sen α) cosα) = cos α) tgα) = tg α) S Figur 71: Simetris do seno, cosseno e tngente senα) = QR = QS = sen α) senα) = sen α) 76) cosα) = OQ = cos α) cosα) = cos α) 76) Ests identiddes tmém podem ser fcilmente oservds ns Figurs 711 e 71 respectivmente Finlmente tgα) = senα) cosα) = sen α) = tg α) tgα) = tg α) 76c) cos α) Deslocmentos trnslções) horizontis α R α + π R S P O α π Q S P O α Q ) Ângulos α e α π ) Ângulos α e α + π Figur 71: Ângulos deslocdos trnslddos) As identiddes de trnslção estelecem o efeito d sustituição de α por α π e de α por α + π Pel congruênci dos triângulos d Figur 71) oservmos que ) OR = OQ senα) = cos, 76d) e α π OP = OS cosα) = sen α π ) 76e)

10 De modo nálogo, pel Figur 71) oservmos que OQ = OR cosα) = sen α + π ) 76f) e OS = OP senα) = cos α π ) 76g) Cosseno d diferenç Inicimos deduzindo fórmul do cosseno d diferenç Clculndo o qudrdo d distânci entre os pontos P e Q d Figur 715 temos: P Q = [ cosα) cosβ) ] + [ senα) senβ) ] = cos α) cosα)cosβ) + cos β) + sen α) senα)senβ) + sen β) = cos α) + sen α) + cos β) + sen β) cosα)cosβ) senα)senβ) = cosα)cosβ) senα)senβ) = [ cosα)cosβ) + senα)senβ) ] Q = cosα), senα) α β P = cosβ), senβ) O α β Figur 715: O cosseno d diferenç: cosα β) Aplicndo Lei dos Cossenos no triângulo OP Q d Figur 715 temos: P Q = OP + OQ OP OQ cosα β) = cosα β) = cosα β) Igulndo os resultdos otidos pr P Q otemos o cosseno d diferenç cosα β) = cosα)cosβ) + senα)senβ) Cosseno d som O cosseno d som pode gor ser otido usndo um rtifício lgérico engenhoso - sustituímos som por um diferenç e plicmos o cosseno d diferenç cosα + β) = cos [ α β) ] = cosα)cos β) + senα)sen β) e então plicmos s identiddes 76) e 76) pr otermos o cosseno d som cosα + β) = cosα)cosβ) senα)senβ)

11 Seno d diferenç Pr otermos o seno d diferenç, inicilmente usmos identidde 76d) pr escrever senα β) = cos α β π ) [ = cos α e seguir plicmos o cosseno d diferenç no memro direito Ms, pelo cosseno d som e pel identidde 76f) Assim o seno d diferenç é ddo por β + π senα β) = cosα)cos β + π ) + senα)sen )] β + π cos β + π ) ) ) π π = cosβ)cos senβ)sen = senβ) sen β + π ) = cosβ) senα β) = senα)cosβ) cosα)senβ) Seno d som O seno d som pode ser otido pelo mesmo rtifício plicdo n dedução do cosseno d som - sustituímos som por um diferenç e plicmos o seno d diferenç senα + β) = sen [ α β) ] = senα)cos β) cosα)sen β) e então plicmos s identiddes 76) e 76) pr otermos o seno d som Sumário ds fórmuls d som e diferenç Sumrizmos qui os resultdos otidos: senα + β) = senα)cosβ) + cosα)senβ) cosα β) = cosα)cosβ) + senα)senβ) cosα + β) = cosα)cosβ) senα)senβ) senα β) = senα)cosβ) cosα)senβ) senα + β) = senα)cosβ) + cosα)senβ) 77 Redução o Primeiro Qudrnte Os eixos coordendos dividem o plno crtesino em qudrntes: 1 o qudrnte: 0 < θ < π ; qudrnte: o π π < θ < o π qudrnte: < θ < π; o π qudrnte: ) ; < θ < π 76h) 76i) 76j) 76k) Ddo um ângulo θ, reduzi-lo o primeiro qudrnte consiste em determinr um ângulo no primeiro qudrnte que possu s mesms rzões trigonométrics de θ, menos de um sinl Devemos considerr csos

12 θ P R π θ O Q θ P R O S Q θ π R O Q S θ π θ ) Do o o 1 o qudrnte ) Do o o 1 o qudrnte c) Do o o 1 o qudrnte Figur 716: Redução o primeiro qudrnte Redução do segundo o primeiro qudrnte N Figur 716) oservmos que se π < θ < π então su redução o primeiro qudrnte é π θ Temos que senθ) = OR = senπ θ) cosθ) = OP = OQ = cosπ θ) Conseqüentemente tgθ) = tgπ θ) ctgθ) = cotgπ θ) secθ) = secπ θ) cscθ) = cscπ θ) Exemplo 7 O ângulo 5π 6 está no segundo qudrnte, pois π < 5π 6 < π Assim su redução o primeiro qudrnte é π 5π 6 = π 6 Logo ) ) 5π π sen = sen = e ) ) 5π π cos = cos = 6 6 Redução do terceiro o primeiro qudrnte N Figur 716) oservmos que se π < θ < π então su redução o primeiro qudrnte é θ π Temos que senθ) = OS = OR = senθ π) cosθ) = OP = OQ = cosθ π) Conseqüentemente tgθ) = tgθ π) ctgθ) = cotgθ π) secθ) = secθ π) cscθ) = cscθ π) Exemplo 75 O ângulo 5π está no terceiro qudrnte, pois π < 5π < π Assim su redução o primeiro qudrnte é 5π π = π Logo ) ) 5π π sen = sen = e ) ) 5π π cos = cos = 5

13 Redução do qurto o primeiro qudrnte N Figur 716c) oservmos que se π < θ < π então su redução o primeiro qudrnte é π θ Temos que senθ) = OS = OR = senπ θ) cosθ) = OQ = cosπ θ) Conseqüentemente tgθ) = tgπ θ) ctgθ) = cotgπ θ) Exemplo 76 O ângulo 5π está no qurto qudrnte, pois π < 5π qudrnte é π 5π = π Logo ) ) 5π π sen = sen = e secθ) = secπ θ) cscθ) = cscπ θ) < π Assim su redução o primeiro ) ) 5π π cos = cos = 1 78 Equções trigonométrics Um equção trigonométric é quel que envolve s funções trigonométrics - seno, cosseno, tngente, cotngente, secnte, cossecnte - e sus respectivs inverss Resolver um equção trigonométric signic encontrr os vlores do ângulo que veric Pr este propósito Tel 7, que nos dá os vlores do seno, cosseno e tngente dos ângulos notáveis do 1 o qudrnte, será de grnde uxílio θ senθ) cosθ) tgθ) π 6 π π π Tel 7: Seno, cosseno e tngente dos ângulos notáveis do 1 o qudrnte 1 A Tel 7 nos fornece os vlores de seno, cosseno e tngente pens pr os ângulos notáveis do 1 o qudrnte A Figur 717 mostr os ângulos nos segundo, terceiro e qurto qudrntes redutíveis os notáveis do primeiro qudrnte Exemplo 77 Resolver equção senx) = 0 Solução: pel Tel 7 temos que x = 0 Oservndo Figur 717 temos que x = π tmém é um solução d equção dd Além disto, qulquer rco côngruo estes tmém são soluções, de modo que solução gerl é d form x = kπ, k Z Exemplo 78 Resolver equção senx) = cosx) Solução: pel Tel 7 temos que x = π Oservndo Figur 717 temos que x = 5π simétrico de π em relção à origem) tmém é um solução d equção dd Além disto, qulquer rco côngruo estes tmém são soluções, de modo que solução gerl pode ser dd como x = π + kπ, k Z 6

14 π π π π π 5π 6 π 6 π 0 7π 6 5π π π 5π 7π 11π 6 Figur 717: Ângulos redutíveis os notáveis Exemplo 79 Resolver equção cosx) 1 = 0 Solução: temos que cosx) = 1, e pel Tel 7 temos que x = π Oservndo Figur 717 oservmos que x = 5π = π simétrico de π em relção o eixo horizontl) tmém é um solução d equção dd Além disto, qulquer rco côngruo estes tmém são soluções, de modo que solução gerl pode ser dd como x = kπ ± π, k Z 79 Prolems Propostos Prolem 71 [Mck-SP] A medid de um ângulo é 5 o Determine su medid em rdinos Prolem 7 [Fuvest-SP] Qul o vlor do ângulo gudo formdo pelos ponteiros de um relógio à 1 hor e 1 minutos Prolem 7 [UF-PA] Quntos rdinos percorre o ponteiro dos minutos de um relógio em 50 minutos? Prolem 7 A ltur de um triângulo equilátero mede cm Determine seu perímetro e su áre Prolem 75 A digonl de um qudrdo mede 6 cm Determine seu perímetro e su áre Prolem 76 [PUC-SP] Se ltur de um trpézio isóceles medir 8 dm e sus ses medirem, respectivmente, 7 dm e 15 dm, determine medid de sus digonis Prolem 77 No triângulo ddo determine s medids x e y = 5 c = 1 x y = 6 Prolem 78 No triângulo ddo se-se que c = 5, y = e ldo de comprimento é perpendiculr o ldo de comprimento c Determine e x 7

15 c x Prolem 79 Em um triângulo retângulo um dos ctetos mede 5 e su projeção sore hipotenus mede Determine: ) o comprimento do outro cteto; ) o comprimento d hipotenus; y c) seu perímetro; d) su áre Prolem 710 Em um triângulo hipotenus mede 10 e rzão entre os comprimentos dos ctetos é Determine os comprimentos ds projeções dos ctetos sore hipotenus Prolem 711 [PUC-SP] O perímetro de um losângo mede 0 cm e um de su digonis mede 8 cm Qunto mede outr digonl? Prolem 71 Num triângulo retângulo ltur reltiv à hipotenus mede 1 cm e projeção de um dos ctetos sore hipotenus mede 16 cm Determine o comprimento dos ctetos deste triângulo Prolem 71 Determine o perímetro e áre do triângulo ddo 5 ọ Prolem 71 Os ldos de um triângulo medem =, = e c = 1 + Determine s medids de seus ângulos Prolem 715 Um triângulo tem seus vértices nos pontos A, B e C Se-se que AC = e BC = ) Sendo-se que AB = 7 e α é o ângulo oposto o ldo BC, determine cosα); ) É possível que o ângulo oposto o ldo AC sej de 60 o? Explique Prolem 716 Um terreno têm form de um prlelogrmo cujos ldos medem 0 m e um dos ângulo internos mede 10 o Seu proprietário irá cercá-lo e tmém dividi-lo o meio com um cerc com os de rme Determine quntidde de rme ser utilizd Prolem 717 [ITA-SP] Os ldos de um triângulo medem, e c centímetros Qul o vlor do ângulo interno deste triângulo, oposto o ldo que mede centímetros, se forem stisfeits s seguintes relções: = 7c e = 8c Prolem 718 [ITA-SP] Num losângo ABCD som ds medids dos ângulos otusos é o triplo d som ds medids dos ângulos gudos Se su digonl menor mede d, determine su rest Prolem 719 [Universidde Gm Filho - RJ] Clculr os vlores de k que vericm simultnemente s igulddes: senθ) = k 1 e cosθ) = k Prolem 70 Pr cd rzão trigonométric dd utilize s identiddes d Seção 7 pr determinr s outrs cinco 8

16 ) senα) = 5 ) cosβ) = 1 7 c) tgγ) = d) cotgδ) = e) cosɛ) = 5 f) tgθ) = 1 g) cscφ) = h) secσ) = Prolem 71 Um pesso n mrgem de um rio vê, so um ângulo de 60 o, o topo de um torre n mrgem opost Qundo el se fst 0 m perpendiculrmente à mrgem do rio, esse ângulo é de 0 o ) Qul lrgur do rio? Prolem 7 Verique vercidde ds igulddes seguir senα) ) 1+cosα) + 1+cosα) senα) = cscα) ) sen β) cos β) tg β) = c) tgγ) 1+tg γ) = senγ)cosγ) d) secθ)+senθ) cscθ)+cosθ) = tgθ) e) sec φ)csc φ) = tg φ) + cotg φ) + f) [ tgσ) senσ) ] + [ 1 cosσ) ] = [ secσ) 1 ] Prolem 7 Explique por quê s igulddes dds são inválids ) Qul ltur d torre? ) senα) = ) cosα) = 5 c) secα) = 1 d) cscα) = Prolem 7 Dois ângulos α e β são ditos complementres se α+β = π Use Figur 7 pr se convencer dos seguintes ftos: ) o seno de um ângulo é igul o cosseno de seu complementr; ) o cosseno de um ângulo é igul o seno de seu complementr; c) tngente de um ângulo é igul à cotngente de seu complementr; d) cotngente de um ângulo é igul à tngente de seu complementr; e) secnte de um ângulo é igul à cossecnte de seu complementr; f) cossecnte de um ângulo é igul à secnte de seu complementr Prolem 75 Os ldos de um prlelogrmo medem e e sus digonis x e y Mostre que x + y = + ) Prolem 76 [Cescem-SP] Em quis qudrntes estão os ângulos α, β e γ tis que: senα) < 0 e cosα) < 0; cosβ) < 0 e tgβ) < 0; senγ) > 0 e cotgγ) > 0, respectivmente Prolem 77 [FECAP-SP] Determine o vlor d expressão: senπ/) + cosπ/) + cosπ/ + π/) Prolem 78 [Snt Cs-SP] Sej função f, de R em R denid por fx) = 1 + senx) Determine o intervlo do conjunto imgem dess função Prolem 79 [UFP-RS] Qul o intervlo do conjunto imgem d função f, R em R denid por fx) = senx) Prolem 70 [FC Chgs-BA] Pr quis vlores de s sentençs senx) = e cosx) = 1 são verddeirs pr todo x rel 9

17 Prolem 71 [Univ Gm Filho-RJ] Clculr os vlores de k que vericm simultnememnte s igulddes: senx) = k 1 e cosx) = k Prolem 7 [UF São Crlos-SP] Clcule o vlor d expressão: sen x) cos x) tg x) Prolem 7 [FGV-RJ] Determine funçõ trigonométric equivlente secx)+senx) cossecx)+cosx) senx) Prolem 7 [PUC-RS] Determine iguldde d expressão: 1+cosx) + 1+cosx senx) Prolem 75 [FEP-PA] No círculo trigonométrico um ângulo é tl que seu seno vle 5 e encontr-se no segundo qudrnte Clcule o vlor d tngente deste ângulo Prolem 76 [Edson Queiroz-CE] Sendo que secx) = e tgx) < 0, clcule senx) Prolem 77 [ITA-SP] Clcule o vlor d expressão y = tnx) 1 tn x) qundo cosx) = 7 e tnx) < 0 Prolem 78 [PUC-RS] Sendo tgx) = 7 7 e π < x < π, clcule senx) Prolem 79 [PUC-SP] Quis os vlores de x stisfzem equção cosx π 5 ) = 0 Prolem 70 [Cesce-SP] Determine som ds rízes d equção 1 cos x) = 0 compreendids entre 0 e π Prolem 71 [AMAN-RJ] Determine os vlores de x que stisfzem equção cosx) = 1 Prolem 7 [FC Chgs-BA] Determine o número de soluções d equção cosx) =, 1 no intervlo [ π, π] Prolem 7 [Mck-SP] Determine os vlores de x pr que senx) = senx + π), no intervlo 0 x π Prolem 7 [Osec-SP] Determine o conjunto solução d equção cosx) = cos π x), sendo 0 < x < π Prolem 75 [UF Uerlândi-MG] Determine o conjunto solução d equção tgx + 1) cotgx) 1 = 0 no intervlo [0, π] Prolem 76 [Fc Bels Artes-SP] Determine os vlores de x n equção tgx) + cotgx) = Prolem 77 [Mck-SP] Determine os vlores de x n equção sen x) = 1+cosx), no intervlo [0, π] Prolem 78 [Metodist-SB do Cmpo-SP] Determine os vlores de x n equção sec x) + tg x) = no intervlo[0, π] Prolem 79 [Cesgrnrio-RJ] Determine s rizes d equção cos x) sen π x) = 1 no intervlo [0, π] Prolem 750 [Cesgrnrio-RJ] Determine som ds qutro rizes d equção sen x) + sen x) = 0, no intervlo [0, π] 1 Prolem 751 [CESESP-PE] Determine o conjunto solução d equção 1+senx) senx) = 1 cos x) Prolem 75 [Mck-SP] Determine expressão gerl dos rcos x pr os quis [ cosx) + secx) ] = 5 Prolem 75 [FGV-RJ] Determine solução d equção: [ 1 cosx) ] = sen x) Prolem 75 [FGV-SP] Determine som ds rízes d equção no intervlo [0, π] sen x) sen x)cosx) + senx)cos x) cos x) = 0 0

18 Prolem 755 [Mck-SP] Sendo senx) = 1 1 e seny) = 5, 0 < x, y < π, determine senx y) Prolem 756 [FEI-SP] Se cosx) = 5, clcule senx π ) Prolem 757 [F S Juds-SP] Se senx) = e x um rco do segundo qudrnte, então clcule senx π )cosx π ) tgx) Prolem 758 [UC-MG] Prove que 1+tg x) é idêntic senx) Prolem 759 [UF-GO] Se senx) = 6, clcule cosx) Prolem 760 [F S Juds-SP] Se senx) = e x um rco do primeiro qudrnte, então clcule senx) Prolem 761 [UCP-PR] Sendo que cos6 o ) = 1+ 5, clcule cos7 o ) Prolem 76 [AMAN-RJ] Determine os vlores de x que stisfzem inequção: cos5x) 1 Prolem 76 [FGV-SP] Determine solução d inequção cos x) > cosx) no intervlo [0, π] 1 Prolem 76 [UF São Crlos-SP] Determine o conjunto solução d inequção 0 x π Prolem 765 [Mck-SP] Determine solução d inequção cosx) senx) cosx)+senx), pr 0 < x < π Prolem 766 [PUC-SP] Determine solução d inequção cossecx) 1 secx) > 0, pr senx) cosx)+cosx 1) > 0, no conjunto 0 x π Prolem 767 [ITA-SP] Ddo o polinômio P denido por Px) = senθ) tgθ)x + sec θ)x, determine os vlores de θ no intervlo [0, π] tis que P dmit somente rízes reis Prolem 768 Use s identiddes 76i) e 76k) pr deduzir tngente d som tgα + β) = tgα) + tgβ) 1 tgα)tgβ) Prolem 769 Use s identiddes 76h) e 76j) pr deduzir tngente d diferenç tgα β) = tgα) tgβ) 1 + tgα)tgβ) Prolem 770 Fórmuls do ângulo duplo) ) Use identidde 76i) pr mostrr o cosseno do ângulo duplo sugestão: fç α = α + α) cosα) = cos α) sen α) ) Use identidde 76k) pr mostrr o seno do ângulo duplo senα) = cosα)senα) Prolem 771 Fórmuls do ângulo metde) Use identidde fundmentl e o cosseno do ângulo duplo pr deduzir o cosseno e o seno do ângulo metde cos α) = 1 sen α) = 1 [ ] 1 + cosα) [ ] 1 cosα) Prolem Teórico 71 Demonstre Lei dos Senos Figur 78) 710 Resposts dos Prolems Propostos - Cpítulo 7 1

19 71 págin 7) 5π 7 págin 7) 6 o 7 págin 7) 5π 7 págin 7) perímetro = cm e áre = cm 75 págin 7) perímetro = 1 cm e áre = 7 cm 75 págin 7) 505 dm 77 págin 7) x = e y = 78 págin 7) = 0 e x = págin 8) ) 15 ) 5 ; ; 710 págin 8) 18 5 e págin 8) 6 cm 71 págin 8) 15 cm e 0 cm c) 15; d) págin 8) perímetro = 6 + e áre = 9 71 págin 8) 0 o, 5 o e 105 o 715 págin 8) ) cosα) = 1; ) Não, pois terímos um ângulo cujo seno é mior que págin 8) 600 m de rme 717 págin 8) 60 o 718 págin 8) d 719 págin 8) k = 70 págin 8) ) cosα) = 5, tgα) =, cotgα) =, secα) = 5, cscα) = 5 ) senβ) =, tgβ) =, cotgβ) =, 7 1 secβ) = 7, senβ) = 7 1 c) cosγ) = 17, senγ) = 16 17, cotgγ) = , secγ) = 17, cscγ) = d) cosδ) = 10, senδ) = 10, tgδ) = , secα) = 10, cscα) = 10 e) senɛ) = 5, tgɛ) =, cotgɛ) =, secɛ) = 5, cscɛ) = 5 f) cosθ) = 5, senθ) = 5, cotgθ) =, 5 5 secθ) = 5, cscθ) = 5 g) cosφ) =, senφ) = 1, tgφ) =, cotgφ) =, secφ) = h) cosσ) = 1, senσ) =, tgσ) =, cotgσ) =, cscσ) = 71 págin 9) ) 0 m 76 págin 9) o, o e 1 o 77 págin 9) 78 págin 9) [, 5] 79 págin 9) [ 5, 1] 70 págin 9) = 1 71 págin 0) k = 7 págin 0) 7 págin 0) tgx) 7 págin 0) cossecx) 75 págin 0) / 76 págin 0) 77 págin 0) págin 0) 79 págin 0) 7π 0 + k π 70 págin 0) π ) 0 m 71 págin 0) kπ + π 7 págin 0) : π, π, π, π 7 págin 0) 0, π, π 7 págin 0) π 6, 7π 6 75 págin 0) π e π 76 págin 0) π + kπ 77 págin 0) 78 págin 0) π 6, 5π 6, 7π 6, 11π 6 79 págin 0) π 6, 5π págin 0) 7π 751 págin 0) Não existe 75 págin 0) kπ ± π 75 págin 0) x = k60 o 75 págin 0) π 755 págin 1) págin 1) págin 1) 0, págin 1) págin 1) págin 1) págin 1) kπ + pi x kπ + π págin 1) 0 x < π ou π < x π 76 págin 1) S = voltr nest 765 págin 1) S = 0 < x < π 766 págin 1) π < x < 5π 767 págin 1) π θ < π ou π < θ π

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

PRODUTOS NOTÁVEIS. Duas vezes o produto do 1º pelo 2º. Quadrado do 1º termo

PRODUTOS NOTÁVEIS. Duas vezes o produto do 1º pelo 2º. Quadrado do 1º termo PRODUTOS NOTÁVEIS QUADRADO DA SOMA DE DOIS TERMOS ( + y) = + y + y Qudrdo d som de dois termos Dus vezes o produto do º pelo º Eemplo : ) ( + y) = +..(y) + (y) = + 6y + 9y. ) (7 + ) = c) ( 5 +c) = d) m

Leia mais

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M.

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 Eercícios Introdutórios Eercício 10. Três ilhs

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVET VETIBULAR 00 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. Q-7 Um utomóvel, modelo flex, consome litros de gsolin pr percorrer 7km. Qundo se opt pelo uso do álcool, o utomóvel consome 7 litros

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

APOSTILA. Matemática Aplicada. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR. Lauro César Galvão

APOSTILA. Matemática Aplicada. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR. Lauro César Galvão POSTIL Mtemátic plicd Universidde Tecnológic Federl do Prná UTFPR Césr Glvão Índices SISTEMTIZÇÃO DOS CONJUNTOS NUMÉRICOS...-. CONJUNTOS NUMÉRICOS...-.. Conjunto dos números nturis...-.. Conjunto dos números

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA DEZESSETE: GEOMETRIA BÁSICA

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA DEZESSETE: GEOMETRIA BÁSICA 1 Olá, migos! UL DEZESSETE: GEOMETRI ÁSI Novmente pedimos desculps por não ter sido possível presentrmos est ul 17 n semn pssd. Dremos hoje início um novo ssunto: GEOMETRI! omo de prxe, presentremos muits

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificado

RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificado Sérgio Crvlho Weer Cmpos RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificdo Volume ª edição Revist, tulizd e mplid Mteril Complementr PRINCIPAIS CONCEITOS E FÓRMULAS DO LIVRO RACIOCÍNIO SIMPLIFICADO - Vol. www.editorjuspodivm.com.r

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

Trigonometria - Primeira Parte

Trigonometria - Primeira Parte Cpítulo 7 Trigonometri - Primeir Prte 7 Introdução Triângulo é um polígono om ângulos internos, logo ldos Podemos lssiá-los de dus mneirs: qunto os tmnhos dos ldos: equilátero - ldos de mesmo omprimento,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB.

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB. MÚLTIPL ESCOLH NOTÇÕES C : conjunto dos números compleos. Q : conjunto dos números rcionis. R : conjunto dos números reis. Z : conjunto dos números inteiros. N {0,,,,...}. N* {,,,...}. : conjunto vzio.

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidde Federl d Bhi Instituto de Mtemátic DISCIPLINA: MATA0 - CÁLCULO B UNIDADE II - LISTA DE EXERCÍCIOS Atulizd 008. Coordends Polres [1] Ddos os pontos P 1 (, 5π ), P (, 0 ), P ( 1, π ), P 4(, 15

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Matemática Fascículo 02 Manoel Benedito Rodrigues

Matemática Fascículo 02 Manoel Benedito Rodrigues Mtemáti Fsíulo 0 Mnoel Benedito odrigues Índie Geometri Pln esumo Teório...1 Eeríios... Dis...5 esoluções...6 Geometri Pln esumo Teório Prinipis Fórmuls Lei dos Senos sen sen sen Lei dos Cossenos = + os

Leia mais

SOMESB Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia S/C Ltda. FTC-EAD Faculdade de Tecnologia e Ciências Ensino a Distância

SOMESB Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia S/C Ltda. FTC-EAD Faculdade de Tecnologia e Ciências Ensino a Distância Cálculo II CÁLCULO II SOMESB Sociedde Mntenedor de Educção Superior d Bhi S/C Ltd. Presidente Gervásio Meneses de Oliveir Vice-Presidente Willim Oliveir Superintendente Administrtivo e Finnceiro Smuel

Leia mais

Números Reais intervalos, números decimais, dízimas, números irracionais, ordem, a reta, módulo, potência com expoente racional.

Números Reais intervalos, números decimais, dízimas, números irracionais, ordem, a reta, módulo, potência com expoente racional. UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA UNIDADE DE APOIO EDUCACIONAL UAE MAT 099 - Tutori de Mtemátic Tópicos: Números Rcionis operções e proprieddes (frções, regr de sinl, som, produto e divisão de frções, potênci

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Algumas Demonstrações Geométricas

Algumas Demonstrações Geométricas Algums Demonstrções Geométrics Mtemátic A 10º Ano Tem I Nos novos progrms, d Mtemátic A refere- se que: No ensino secundário, o estudnte deverá ser solicitdo frequentemente justificr processos de resolução,

Leia mais

Matemática. Prova: 05/08/12. Questão 1. Questão 2. Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere também os seguintes conjuntos:

Matemática. Prova: 05/08/12. Questão 1. Questão 2. Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere também os seguintes conjuntos: Prov: 05/08/ Mtemátic Questão Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere tmbém os seguintes conjuntos: A= ( ) ( ) B= ( ) D= ( ) ( ) Ds lterntivs bixo, que present elementos que pertencem

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

Há uma equivalência entre grau e radiano: π radianos equivalem a 180 graus (π é uma constante numérica equivalente a 3,14159...).

Há uma equivalência entre grau e radiano: π radianos equivalem a 180 graus (π é uma constante numérica equivalente a 3,14159...). 9. TRIGONOMETRIA 9.1. MEDIDAS DE ÂNGULOS O gru é um medid de ângulo. Um gru, notdo por 1 o, equivle 1/180 de um ângulo rso ou 1/360 de um ângulo correspondente um volt complet em torno de um eixo. Outr

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Determinntes p. (Unifor-CE) Sejm os determinntes A, B e C. Nests condições, é verdde que AB C é igul : ) c) e) b) d) A?? A B?? B C?? C AB C ()? AB C, se i,

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS NA GEOMETRIA MARCIO COHEN COLÉGIO PONTO DE ENSINO marciocohen@superig.com.br

NÚMEROS COMPLEXOS NA GEOMETRIA MARCIO COHEN COLÉGIO PONTO DE ENSINO marciocohen@superig.com.br NÚMEROS COMPLEXOS NA GEOMETRIA MARCIO COHEN COLÉGIO PONTO DE ENSINO mrciocohen@superigcomr + = EQUAÇÃO DA RETA: k cte (onde k e cte têm seus significdos geométricos evidencidos n demonstrção ixo) Sej um

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

Aula 4 Movimento em duas e três dimensões. Física Geral I F -128

Aula 4 Movimento em duas e três dimensões. Física Geral I F -128 Aul 4 Moimento em dus e três dimensões Físic Gerl I F -18 F18 o Semestre de 1 1 Moimento em D e 3D Cinemátic em D e 3D Eemplos de moimentos D e 3D Acelerção constnte - celerção d gridde Moimento circulr

Leia mais

Fernanda da Costa Diniz Nogueira Belo Horizonte, junho de 2007.

Fernanda da Costa Diniz Nogueira Belo Horizonte, junho de 2007. Un i ve r si d d e F e de r l d e M in s G e r i s Institu to de C iê nc i s E t s Dep r t me n t o d e M t e m á t ic E n sin o M éd io e Un iver sit ár io: d ifer ent es bor d gen s n con st r ução d

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1;

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1; Curso Teste - Eponencil e Logritmos Apostil de Mtemátic - TOP ADP Curso Teste (ii) cso qundo 0 < < 1 EXPONENCIAL E LOGARITMO f() é decrescente e Im = R + 1. FUNÇÃO EXPONENCIAL A função f: R R + definid

Leia mais

ENEM EM FASCÍCULOS - 2012 MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

ENEM EM FASCÍCULOS - 2012 MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS ENEM EM FSÍULOS - 0 MTEMÁTI E SUS TENOLOGIS 8 Fscículo RO LUNO, necessidde de compreender o comportmento de fenômenos, descrever regulriddes, estelecer relções de interdependênci, qulificr, quntificr e

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

MATEMÁTICA TRIGONOMETRIA

MATEMÁTICA TRIGONOMETRIA MATEMÁTICA TRIGONOMETRIA 1. UFGO Considere segmentos de reta AE e BD, interceptando-se no ponto C, os triângulos retângulos ABC e CDE, e o triângulo BCE, conforme a figura abaixo. 1 Sabendo-se que as medidas

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

1 Áreas de figuras planas

1 Áreas de figuras planas Nome: n o : Ensino: Médio érie: ª. Turm: Dt: Professor: Mário esumo 1 Áres de figurs plns 1.1 etângulo h. h 1. Qudrdo 1. Prlelogrmo h. h 1.4 Trpézio h B h B 1.5 Losngo d Dd. D 1.6 Triângulos 1.6.1 Triângulo

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

Assunto: Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo. 1) Calcule o seno, o co-seno e a tangente dos ângulos indicados nas figuras:

Assunto: Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo. 1) Calcule o seno, o co-seno e a tangente dos ângulos indicados nas figuras: Assunto: Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo 1) Calcule o seno, o co-seno e a tangente dos ângulos indicados nas figuras: b) 15 5 α α 1 resp: sen α =/5 cos α = /5 tgα=/ resp: sen α = 17 cos α

Leia mais

2.4. Função exponencial e logaritmo. Funções trigonométricas directas e inversas.

2.4. Função exponencial e logaritmo. Funções trigonométricas directas e inversas. Cpítulo II Funções Reis de Vriável Rel.. Função eponencil e logritmo. Funções trigonométrics directs e inverss. Função eponencil A um unção deinid por nome de unção eponencil de bse. ( ), onde, > 0 e,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA Reitor Prof. Msc. Pe. José Romualdo Desgaperi

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA Reitor Prof. Msc. Pe. José Romualdo Desgaperi UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA Reitor Prof. Msc. Pe. José Romuldo Desgperi UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA VIRTUAL Diretor Gerl d UCB Virtul Prof. Dr. Frncisco Vill Ulhô Botelho Diretori de Cursos

Leia mais

y ax b y x Cálculo I Limite de uma função Sartori, C. S. 01 Revisão - Funções: - Definição:

y ax b y x Cálculo I Limite de uma função Sartori, C. S. 01 Revisão - Funções: - Definição: Cálculo I Limite de um função Srtori, C. S. Revisão - Funções: - Definição: Lemrndo que um função é um relção entre dois conjuntos que oedecem às restrições: ) Est relção envolve um elemento do primeiro

Leia mais

VESTIBULAR DA UNICAMP 2010 1 a e 2 a Fase Provas de Matemática RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia.

VESTIBULAR DA UNICAMP 2010 1 a e 2 a Fase Provas de Matemática RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia. VESTIBULAR DA UNICAMP e Fse Provs de Mtemátic Professor Mri Antôni Gouvei QUESTÕES DA FASE Segundo o IBGE, nos próximos nos, prticipção ds gerções mis velhs n populção do Brsil umentrá O gráfico o ldo

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Curso Wellington Matemática Trigonometria Lei dos Senos e Cossenos Prof Hilton Franco

Curso Wellington Matemática Trigonometria Lei dos Senos e Cossenos Prof Hilton Franco 1. A figura a seguir apresenta o delta do rio Jacuí, situado na região metropolitana de Porto Alegre. Nele se encontra o parque estadual Delta do Jacuí, importante parque de preservação ambiental. Sua

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

MATRIZES E DETERMINANTES

MATRIZES E DETERMINANTES Professor: Cssio Kiechloski Mello Disciplin: Mtemátic luno: N Turm: Dt: MTRIZES E DETERMINNTES MTRIZES: Em quse todos os jornis e revists é possível encontrr tbels informtivs. N Mtemátic chmremos ests

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão Carlos, Luís e Sílvio tinham, juntos, 00 mil reais para investir por um ano. Carlos escolheu uma aplicação que rendia 5% ao ano. Luís, uma que rendia 0% ao ano. Sílvio aplicou metade de seu dinheiro

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

PROFESSOR RIKEY FELIX

PROFESSOR RIKEY FELIX PROFESSOR RIKEY FELIX Mtemátic Instrumentl Introdução noções de medids numérics, rzão e proporção, porcentgem e princípio de equivlênci. Professor Rikey Pulo Pires Feli, Licencido em Mtemátic pel Universidde

Leia mais

TRIGONOMETRIA/GEOMETRIA 1 Arcos e ângulos

TRIGONOMETRIA/GEOMETRIA 1 Arcos e ângulos Nome: n o : Ensino: Médio érie: ª. Turm: Dt: rofessor: Márcio esumo TIGNMETI/GEMETI rcos e ângulos. Elementos: C: centro d circunferênci CB = C = : rio d circunferênci CB ˆ : ângulo centrl B : rco. Medid

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana.

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana. INTEGRAL DEFINIDO O oneito de integrl definido está reliondo om um prolem geométrio: o álulo d áre de um figur pln. Vmos omeçr por determinr áre de um figur delimitd por dus rets vertiis, o semi-eio positivo

Leia mais

LISTÃO DE EXERCÍCIOS DE REVISÃO IFMA PROFESSOR: ARI

LISTÃO DE EXERCÍCIOS DE REVISÃO IFMA PROFESSOR: ARI 01.: A figura mostra um edifício que tem 15 m de altura, com uma escada colocada a 8 m de sua base ligada ao topo do edifício. comprimento dessa escada é de: a) 12 m. b) 30 m. c) 15 m. d) 17 m. e) 20 m.

Leia mais

UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO. Hugo de Oliveira Motta Serrano 1, Eugenia Brunilda Opazo Uribe

UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO. Hugo de Oliveira Motta Serrano 1, Eugenia Brunilda Opazo Uribe Encontro de Ensino, Pesquis e Extensão, Presidente Prudente, 5 de outuro, 01 64 UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO Hugo de Oliveir Mott Serrno 1, Eugeni Brunild Opzo Urie Universidde Federl

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Se conhecemos a taxa de variação de uma quantidade em relação a outra, podemos determinar a relação entre essas quantidades?

Se conhecemos a taxa de variação de uma quantidade em relação a outra, podemos determinar a relação entre essas quantidades? UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA DCET / CAMPUS I DISCIPLINA: Cálculo II (MAT 089 CH: 75 PROFESSOR: Adrino Ctti SEMESTRE: 0. ALUNO: APOSTILA 0: INTEGRAL INDEFINIDA

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2011.1

Vestibular Comentado - UVA/2011.1 estiulr Comentdo - UA/0. Conecimentos Específicos MATEMÁTICA Comentários: Profs. Dewne, Mrcos Aurélio, Elino Bezerr. 0. Sejm A e B conjuntos. Dds s sentençs ( I ) A ( A B ) = A ( II ) A = A, somente qundo

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

M1 - Geometria Métrica Plana

M1 - Geometria Métrica Plana M - Geometri Métric Pln (UL-P) Tome um folh de ppel em form de qudrdo de ldo igul cm e nomeie os seus vértices,,,, conforme figur. seguir, dobre-, de mneir que o vértice fique sobre o ldo (figur ). ej

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

Elementos de Matemática

Elementos de Matemática Elementos de Mtemátic Trigonometri do Triângulo Retângulo Roteiro no.5 - Atividdes didátics de 2007 Versão compild no di 9 de Mio de 2007. Deprtmento de Mtemátic - UEL Prof. Ulysses Sodré E-mil: ulysses@mtemtic.uel.br

Leia mais

Material Teórico - Números Inteiros e Números Racionais. Números Inteiros e Operações. Sétimo Ano. Prof. Angelo Papa Neto

Material Teórico - Números Inteiros e Números Racionais. Números Inteiros e Operações. Sétimo Ano. Prof. Angelo Papa Neto Mteril Teórico - Números Inteiros e Números Rcionis Números Inteiros e Operções Sétimo Ano Prof. Angelo Pp Neto 1 Introdução os números inteiros Vmos começr considerndo seguinte situção: Pedro tinh R$

Leia mais

Aplicações da Integral

Aplicações da Integral Módulo Aplicções d Integrl Nest seção vmos ordr um ds plicções mtemático determinção d áre de um região R do plno, que estudmos n Unidde 7. f () e g() sejm funções con-, e que f () g() pr todo em,. Então,

Leia mais