Relatório de Pesquisa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Pesquisa"

Transcrição

1 Relatório de Pesquisa RP0502 junho, 2005 PESQUISA SOBRE A COMPETITIVIDADE NA CADEIA PRODUTIVA DA EMPRESA BRASILEIRA PARTE I Equipe do Processo Desenvolvimento FDC Coordenação Geral: Rosiléia Milagres Centro Alfa Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses Nova Lima, MG Brasil Tel.: Fax:

2 Agradecemos às empresas parceiras do CTE (Centro de Tecnologia Empresarial) pela parceria neste trabalho e apoio no desenvolvimento do conhecimento e formação de lideranças em empresas brasileiras FUNDAÇÃO DOM CABRAL FUNDAÇÃO DOM CABRAL DESENVOLVIMENTO VIMENTO DE EXECUTIVOS E EMPRESAS DESENVOLVIMENTO VIMENTO DE EXECUTIVOS E EMPRESAS

3 PESQUISA SOBRE A COMPETITIVIDADE NA CADEIA PRODUTIVA DA EMPRESA BRASILEIRA EQUIPE Diretor de Desenvolvimento Carlos Alberto Arruda de Oliveira Coordenação Geral Rosiléia Milagres Áreas de Pesquisa Desenvolvimento Sustentável Coordenação Cláudio Bruzzi Boechat Inovação Coordenação Luis Antônio Capanema Pedrosa Pesquisadores Linda Goulart Jordan Nassif Leonel Marketing Coordenação Mauro Calixta Tavares Pesquisador Luis Alexandre Simpson do Amaral Pesquisadores Maria Raquel Grassi Ferreira Marques Raimundo Soares Estratégia Coordenação Rosiléia Milagres Pesquisadores Edna do Nascimento Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos Gestão de Pessoas Coordenação Anderson de Souza Sant anna Pesquisadores Bernardo Vieira Coelho Fernanda Barrence Luciana Carvalho de Mesquita Ferreira Finanças Coordenação Virgínia Izabel de Oliveira Pesquisadores Guilherme Dornas José Antônio de Sousa Neto Tratamento Estatístico dos Dados Edna do Nascimento Apoio Executivo Bernardo Vieira Coelho Karina Carneiro Morais Ismael Dias Campos Leandro Soares Amorim Lucas Arantes Paulo Henrique Horta Nunes Rafael Wilber Kerr Revisão Técnica e Redação Ângela Melo Rodrigues Martins A equipe do Processo Desenvolvimento da FDC, coordenada pela professora Rosiléia Milagres, desenvolveu esta pesquisa com recursos provenientes do CTE (Centro de Tecnologia Empresarial). Copyright 2005, Fundação Dom Cabral. Para cópias ou permissão para reprodução, contatos pelo telefone ou Reproduções integrais ou parciais deste relatório somente com a autorização expressa da FDC. É permitida a citação de dados, tabelas, gráficos e conclusões, desde que indicada a fonte. 1

4 AGRADECIMENTOS Aos executivos e funcionários das empresas componentes do CTE, pela contribuição inestimável, sem a qual esta pesquisa não teria se realizado. Aos executivos e funcionários das empresas componentes da amostra, pela dedicação e espírito de colaboração. Aos colegas Antonio Batista da Silva Júnior e Matheus Cotta de Carvalho, pelo estímulo durante todo o percurso deste projeto. 3

5 PARTE I REFERENCIAL TEÓRICO 5

6 SUMÁRIO PARTE I REFERENCIAL TEÓRICO INTRODUÇÃO O conceito de sustentabilidade e o futuro das organizações A sociedade em rede e a economia do aprendizado Competitividade na cadeia produtiva A gestão da cadeia produtiva no âmbito da gestão de recursos humanos As mudanças da prática e conteúdo do marketing e a evolução das métricas Indicadores de finanças: benefícios diversos, propósitos distintos A evolução dos indicadores de performance O Balanced Scorecard A pesquisa DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Introdução Objetivos Cadeias produtivas, stakeholders e sustentabilidade Fundamentos A evolução do conceito de desenvolvimento sustentável O conceito de desenvolvimento sustentável Algumas iniciativas de governos, instituições e empresas Sustentabilidade e negócios Abordagem sistêmica Sistematização das relações com os stakeholders Medição como suporte à gestão Critérios para a definição de indicadores de sustentabilidade Traduzindo para a prática Os indicadores recomendados pelo Global Reporting Initiative Os estudos do Business in the Community Os indicadores Ethos Os indicadores do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas

7 Relatório de Pesquisa RP Os indicadores do Conselho Empresarial Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável CEBDS Conclusões sobre o referencial teórico Avaliação dos modelos de indicadores de sustentabilidade disponíveis Tendências vida e sustentabilidade ESTRATÉGIA Introdução A economia do aprendizado versus a economia do conhecimento Dados, informação e conhecimento Conhecimento tácito versus explícito Diferentes tipos de conhecimento e aprendizagem A importância da inovação Aprendendo com o ambiente externo A realidade estratégica da atualidade Discussão recente sobre estratégia A sociedade em rede A estratégia na sociedade em rede A experiência da Toyota na gestão da cadeia produtiva Criação de uma identidade de rede e compartilhamento de conhecimento Regras de rede para a proteção do conhecimento e apropriação de valor Criação de múltiplas rotinas de compartilhamento de conhecimento Riscos da rede Toyota e como a empresa tem lidado com eles Conclusões sobre o referencial teórico GESTÃO DE PESSOAS Introdução Do modelo de administração de recursos humanos ao modelo estratégico de gestão de pessoas Gestão de pessoas: da dimensão técnica à estratégica Modelo estratégico de gestão de pessoas: evidências empíricas de descritores de melhores práticas Conclusões sobre o referencial teórico INOVAÇÃO Introdução

8 5.2. Ciência versus tecnologia, invenção versus inovação Tipologia de inovação Os elementos da inovação Inovação em rede e na cadeia produtiva Caracterização da atividade inovadora sistema versus processo Indicadores de inovação organização e rede Conclusões sobre o referencial teórico MARKETING Introdução O conceito de orientação para o mercado Evolução do desenvolvimento de indicadores de performance no marketing O processo de combinação de métricas Métricas orientadas à cadeia produtiva Considerações finais sobre o referencial teórico FINANÇAS Introdução Evolução da área financeira A função financeira nas décadas de 20, 30 e A função financeira nas décadas de 50, 60 e A função financeira na década de A função financeira na década de A função financeira na década de A função da área financeira A decisão de investimento A decisão de financiamento A política de dividendos Os indicadores financeiros O ciclo operacional e o ciclo financeiro A geração de valor Opções reais Métodos clássicos de avaliação de projetos

9 Relatório de Pesquisa RP Valor em risco Conclusões sobre o referencial teórico PAINEL DE BORDO TEÓRICO Introdução Elaboração do Quadro Resumo Estratégico A visão As perspectivas estratégicas Os objetivos estratégicos Os objetivos predecessores Os indicadores de resultado Elaboração do Mapa Estratégico (ME) As ovais em suas perspectivas O Modelo Ampliado desenvolvido à luz dos pilares principais do Balance Scorecard Relações de causa e efeito do modelo LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS PARTE II ANÁLISE DE RESULTADOS PROCEDIMENTO METODOLÓGICO Introdução Objetivo da pesquisa Aspectos analisados Abordagem metodológica Metodologia da pesquisa de campo DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Introdução Pesquisa qualitativa Caracterização das empresas entrevistadas Resultados da pesquisa qualitativa Pesquisa quantitativa Caracterização das empresas entrevistadas Sustentabilidade na empresa Sustentabilidade na cadeia produtiva ESTRATÉGIA

10 11.1. Introdução Metodologia Resultados da pesquisa Caracterização da amostra Análise dos relacionamentos na cadeia produtiva Estratégia global da empresa Discussão dos resultados e conclusões GESTÃO DE PESSOAS Introdução Etapa qualitativa Caracterização das empresas pesquisadas Etapa quantitativa Caracterização das empresas pesquisadas Apresentação dos resultados INOVAÇÃO Introdução Pesquisa exploratória Características gerais da organização quanto à gestão da inovação Tipos de inovação gerados e freqüência de ocorrências Fontes de inovação Participantes nos processos de inovação Barreiras à inovação Características da gestão empreendedora Gestão de pessoas Origem de recursos Utilização de indicadores Pesquisa quantitativa Caracterização da amostra Objetivos estratégicos almejados para a atividade de inovação A utilização de indicadores relacionados à inovação Importância atribuída ao acompanhamento versus utilização de indicadores Conexão entre objetivos estratégicos e indicadores utilizados para monitorar a... evolução do desempenho na direção desses objetivos

11 Relatório de Pesquisa RP Relação entre a utilização de indicadores de inovação na empresa e na cadeia... produtiva e contingências da empresa MARKETING Introdução Caracterização da amostra Estratégia global das empresas Análise dos relacionamentos na cadeia produtiva Discussão FINANÇAS Introdução Análise dos resultados da pesquisa prévia Análise dos resultados da pesquisa quantitativa Caracterização das empresas pesquisadas Resultados da área de finanças Discussão CONCLUSÕES Desenvolvimento sustentável Resultado da pesquisa conceitual Resultado da pesquisa de campo qualitativa Resultados da pesquisa de campo quantitativa Cardápio de indicadores Alguns comentários Estratégia Amostra Fator de análise da estratégia de relacionamentos na cadeia produtiva Análise da estratégia de relacionamentos na cadeia produtiva Indicadores de relacionamentos utilizados pela empresa na cadeia produtiva Indicadores de relacionamentos na cadeia produtiva pelos quais os acionistas se.. interessam Análise da estratégia global da empresa e uso de algum medidor de acompanhamento Indicadores que os acionistas utilizam para acompanhar o desempenho da estratégia da empresa Possíveis interpretações para os resultados

12 Análise da empresa benchmarking Análise da estratégia global da empresa e uso de algum medidor de acompanhamento Os medidores utilizados para o acompanhamento das orientações estratégicas Gestão de pessoas Inovação Marketing Finanças CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

13 1. INTRODUÇÃO O ambiente competitivo tem sido objeto de crescente preocupação por parte de estudiosos e estrategistas em diferentes níveis de abordagem: organizações, setores e nações. A interdependência que se verifica entre essas várias perspectivas torna complexo qualquer tipo de análise que se pretenda mais abrangente. Há, contudo, algumas possibilidades que, mesmo tendo como foco uma dessas unidades, podem trazer, a partir da consideração dessa interdependência, contribuições ao aprimoramento da compreensão da competitividade. A empresa é uma dessas unidades. Algumas empresas atingiram uma amplitude de atuação tão expressiva que passaram a ser dependentes de recursos naturais, tecnológicos e de conhecimento, em escala planetária, para se manter competitivas. Outras, mesmo não tendo alcançado esse patamar, dependem de acesso a recursos críticos para se manter no mercado. Os contornos das fronteiras dessa interdependência tornam-se pouco definidos, e a tentativa de sua melhor compreensão terá pouco significado se não corresponder a conquistas de vantagens competitivas sustentáveis. A cadeia produtiva é o núcleo dessa interdependência, e sua compreensão será cada dia mais fundamental para a competitividade e sustentabilidade das empresas. Pode-se inferir que essa teia de inter-relações nucleadas na cadeia produtiva está conduzindo a um novo formato de organizações sociais e econômicas e suas configurações em rede. Um dos desafios que se coloca diante dessa nova sociedade em rede refere-se à compreensão e aprendizagem da nova economia para que sua dinâmica possa ser continuamente melhorada. Outro desafio refere-se à mensuração desse esforço. A crescente complexidade de inovações traz como conseqüência, em termos de mensuração, a inadequação das medidas financeiras tradicionais, atualmente em uso. Requer a inclusão de medidas não financeiras para que, combinadas às anteriores, possam produzir resultados mais satisfatórios e abrangentes. É dessa combinação de medidas de desempenho que trata o presente estudo. Busca contribuir para uma melhor compreensão desses aspectos que, gradualmente, vão se tornando essenciais à mensuração do sentido e do significado das ações empresariais para provocar impactos em um ambiente cada vez mais complexo e repleto de incertezas O conceito de sustentabilidade e o futuro das organizações A abordagem do conceito de sustentabilidade apóia-se na construção de dois cenários. Um otimista, no qual o ecossistema global estará protegido e produtivo, o clima da terra será estável e saudável, a população humana estará dentro da capacidade do planeta e todas as pessoas gozarão de segurança alimentar e de boa saúde. Ou seja, que as coisas boas foram preservadas e os problemas de hoje foram superados. O outro cenário, pessimista, decorre de uma descrença em nossa capacidade, como humanidade, de reverter formas de viver que resultam em desequilíbrios perigosos do ecossistema e da sociedade. A dúvida quanto à ocorrência do primeiro cenário prende-se à manutenção da dependência das economias dos países desenvolvidos dos recursos não renováveis produzidos em outras economias, e a degradação do ambiente provocada pela geração do valor econômico. Alguns desses processos são irreversíveis no mundo físico, como a destruição da camada de ozônio, a mineração predatória, o lixo tóxico, para citar alguns. Esses desequilíbrios ecológicos associados à má geração e distribuição de riquezas colocam em risco a espécie humana e outros organismos complexos, pois promovem a ameaça da rede ecológica natural de sustentação da vida, ao mesmo tempo em que provocam o crescimento da miséria, da criminalidade e o aumento da possibilidade de ocorrência de conflitos armados localizados e mundiais. Os desequilíbrios presentes decorrem, em grande parte, da falta da percepção de uma realidade viva e interconectada como é a natureza, inclusos aí o homem e suas 15

14 Relatório de Pesquisa RP0502 organizações. A falácia mais comum é imaginar que problemas dessa ordem seriam solucionados pelo progresso tecnológico. Visões decorrentes de interpretações científicas mais recentes de fenômenos sociais e naturais levaram à concepção de desenvolvimento sustentável e de redes, nas quais forças de auto-organização se manifestam e fazem emergir propriedades da rede não presentes nos elementos e sequer planejadas pelos mesmos, individualmente ou em conjunto. A expressão desenvolvimento sustentável surgiu em 1972, quando pela primeira vez se discutiu, em Estocolmo, o meio ambiente sob a mesma perspectiva global que gerou os Direitos Humanos. O processo para aumentar a compreensão das relações entre os seres vivos e o meio ambiente começou a ganhar intensidade. Nessa ocasião, iniciou-se o trabalho da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, encarregada de estabelecer uma base global de pensamento sobre o meio ambiente. Resultado desse esforço, o Relatório Brundtland estabeleceu a expressão desenvolvimento sustentável como uma espécie de desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente, sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem suas próprias necessidades, expressão que ainda hoje prevalece. O seu significado, contudo, tem sido ampliado: o termo sustentabilidade tem sido associado às preocupações econômicas, intrincadas com as preocupações sociais e ecológicas, considerando-se as futuras gerações. O conceito de desenvolvimento sustentável é dinâmico e tem exigido flexibilidade na sua aplicação, evoluindo para definições cada vez mais abrangentes. As últimas décadas têm testemunhado diversas iniciativas na busca de soluções para grandes problemas contemporâneos, como o surgimento de organizações nãogovernamentais ONGs, movimentos sociais, voluntariado, mobilizações governamentais e de empresas públicas e privadas, discutindo e promovendo alternativas para os principais desafios da sociedade pós-industrial. A dimensão empresarial tem sido também objeto dessas inquietações. Sua importância na sociedade tem sido crescente a partir do início do século 20. Em 1970, 70% dos recursos aplicados nos países em desenvolvimento eram provenientes de governos; hoje, a participação das empresas subiu para 80%. Chegamos ao final do século com um conjunto de 51 empresas entre as 100 maiores entidades econômicas do mundo, superando em muito as economias de vários países; as 200 maiores corporações concentram 25% da riqueza humana. Não há como escapar da compreensão de que, na esteira da intensificação da globalização, as empresas alcançaram novos níveis de poder e influência, carreando, em conseqüência, impactos sociais e ambientais crescentes. No entanto, nenhuma empresa é responsável pela sustentabilidade do todo, nem dominante de todos os fatores que colocam em risco sua própria sustentabilidade nos negócios. Empresas e seus fornecedores, distribuidores e consumidores compõem, dentro de redes sociais e ambientais mais amplas, cadeias produtivas regidas pelas regras de mercado e que sediam a produção de bens e serviços. Em uma cadeia produtiva, empresas relacionamse com fornecedores e clientes, desde a extração de insumos da natureza ou desde uma idéia original até o consumo de seus produtos e serviços. Em uma visão mais abrangente, estendem-se até o descarte ou a reciclagem do produto, ao final de sua vida útil. Por sua complexidade e natureza, questões relativas à sustentabilidade são diretamente relacionadas a questões de rede. Empresas são nós de redes de relações que envolvem outros atores da vida em sociedade. Stakeholder é a expressão que tem sido utilizada para designar esses atores, sendo comumente traduzida como parte interessada. A entrada dos stakeholders nos processos decisórios e de planejamento das empresas tem se dado, às vezes, por força de lei e, outras vezes, pela iniciativa espontânea das empresas. É, hoje, um desafio para as empresas estabelecer diálogo significativo com seus stakeholders. Para se estabelecerem condições de gerenciamento da sustentabilidade das empresas, é, portanto, necessário conhecer as redes em que vivem, com especial atenção ao fluxo produtivo constituído com fornecedores 16

15 e clientes. Os relacionamentos de empresas com fornecedores e clientes conformam os riscos inerentes aos processos, os quais, por sua vez, moldam os relacionamentos. Em cada transação comercial, as partes negociam a partilha equilibrada dos riscos. De forma mais ampla, uma cadeia produtiva sustentável e promotora de sustentabilidade equilibra riscos econômicos, sociais e ambientais. Por outro lado, se, para gerenciar, é necessário monitorar processos e resultados por meio de indicadores, então sérias dificuldades estão presentes, pois as relações com os diversos stakeholders comportam naturezas e dinâmicas diversas. Justamente por essa razão, a criação de indicadores que possibilitem o gerenciamento das questões que afetam as relações com os stakeholders tem exigido grande esforço. Em outras palavras, a sustentabilidade requer visualização, ou seja, controle da eficácia de toda a cadeia produtiva, tanto para estabelecer a capacidade global de enfrentamento de cadeias concorrentes ou novas, como para evitar riscos e danos ambientais e sociais que possam afetar a todos A sociedade em rede e a economia do aprendizado No contexto organizacional, o crescente número de parcerias tem levado ao fortalecimento e à ampliação da consciência da importância das redes de valor, de conhecimento, de suprimentos, configurando o que se convencionou chamar de sociedade em rede. As redes com maior evolução recente são as da informação, devido às tecnologias de informática e de telecomunicações. Esse movimento tem transformado o ambiente de negócios e se tornado variável de relevância estratégica, constituindo-se em fonte de diferenciação entre as empresas. Isso porque os limites das organizações, dos setores e das estruturas das indústrias, entre outros, deixaram de existir nos moldes até então conhecidos. A realidade do mundo de negócios tem mostrado que a maior parte do valor dos produtos e serviços é gerada em redes e não mais isoladamente, nos limites de uma única empresa. Com isso, os agentes econômicos precisam alterar seu comportamento na busca de compartilhamento de recursos. Entre esses se destaca o conhecimento, como aquele capaz de gerar vantagens competitivas sustentáveis. Tal afirmação é possível, tendo em vista que um outro elemento que marca a atual realidade das empresas é o fato de operarem em uma era caracterizada pelo aprendizado. A base dessa economia, portanto, não pode ser outra senão o conhecimento. Sabe-se, no entanto, que o desenvolvimento da humanidade esteve sempre marcado pelo saber. O que torna esta época particular é o fato de que a proporção de trabalho contida nos bens é menor do que a quantidade de produção, distribuição e processamento de conhecimento. O valor da parcela de conhecimento e informação contido nos bens tem crescido significativamente, assim como as atividades intensivas em conhecimento. São muitos os que afirmam que as empresas que sobrevivem no mercado globalizado têm o conhecimento como principal recurso estratégico. Mais ainda, adotam uma postura de aprendizagem intensiva e permanente como forma de buscar a competitividade e, em conseqüência, sua perenidade. Na economia do aprendizado, a habilidade de buscar novos conhecimentos e de aprender continuamente é condição essencial para a construção de novas competências e, mais do que isso, para o sucesso econômico das empresas. Essa necessidade não pode mais ser associada apenas aos setores intensivos em alta tecnologia, mas também aos setores tradicionais. Refere-se primordialmente à habilidade de aprender buscar o novo, mas também de esquecer, ou seja, abandonar o que se tornou obsoleto, inadequado. A aprendizagem organizacional é, ainda, um elemento central no alcance de vantagens competitivas. Porém, tendo em vista a velocidade das mudanças, a capacidade de aprendizagem da empresa vai além de sua capacidade como agente único. É preciso pensar no aprendizado no contexto da rede na qual a empresa está inserida, no qual todos os participantes são fontes primárias de inovações. A atividade de busca do saber fora da empresa torna-se, portanto, fundamental. 17

16 Relatório de Pesquisa RP0502 A empresa, nesse ambiente, deve desenvolver a capacidade de se posicionar como elemento de aglutinação e coordenação, desenvolvendo rotinas organizacionais que privilegiem o compartilhamento de conhecimento. A rede, que tem ênfase na geração de valor compartilhado, é formada por um amplo conjunto de organizações interconectadas, que influenciam positiva ou negativamente a geração desse valor. O interesse deste estudo é focar a rede constituída pela empresa e seus fornecedores, distribuidores, clientes e consumidores finais, ou seja, sua cadeia produtiva. Buscando um conceito trabalhado ao longo desta pesquisa pela área temática de desenvolvimento sustentável, a rede contempla ainda os principais stakeholders. Isto é, aquelas pessoas e organizações que podem causar impactos nos negócios da empresa ou sofrê-los devido às ações dessa: concorrentes, consultorias, universidades, centros de pesquisas, entre outros. Seu envolvimento, grau de participação e parte do valor que geram dependem da natureza, do porte e das estratégias das empresas envolvidas. Deve-se ressaltar, ainda, que as redes não devem ser entendidas apenas como teias de relacionamentos que promovem a difusão de inovações e normas de comportamento conjunto, e como arranjos de elos que facilitam o acesso à informação, mas também como fluxos de conhecimentos que atravessam as empresas, propiciando velocidade de chegada ao mercado, aumento de produtividade e inovação. A mensuração desses fluxos, por meio de indicadores, torna-se vital para que o desempenho da empresa, apoiada em sua cadeia produtiva, possa ser devidamente compreendido e para que sua perspectiva de sustentabilidade possa ser assegurada Competitividade na cadeia produtiva Como anteriormente mencionado, a abordagem da cadeia produtiva no presente estudo apóia-se no pressuposto de que a sociedade atual é baseada no conhecimento. Segundo esse pressuposto, defendido por muitos autores, as empresas que sobrevivem no mercado globalizado têm o conhecimento como principal recurso estratégico. Para esses autores, o conhecimento constitui fator crucial para a inovação e, portanto, para a dinâmica do sistema capitalista. Pode-se concluir, assim, que a chave para a competitividade não reside apenas nas políticas macroeconômicas do país, mas também nas ações microeconômicas das empresas que compõem cada setor da economia, sendo necessário o desenvolvimento de uma nova estrutura através da qual as vantagens competitivas do conhecimento e da aprendizagem possam ser sobrepostas às vantagens de recursos tradicionais como, por exemplo, capital e mãode-obra. Uma maneira de caracterizar esse novo ambiente de intensa competição é defini-lo como sendo a economia do aprendizado. A razão principal para o aprendizado ter se tornado mais importante é a dialética entre aprendizagem e mudança. Mudanças rápidas implicam a necessidade de aprendizagem rápida, e isso envolve mudanças no ambiente, nas pessoas e nas organizações. Nesse contexto, a geração compartilhada de conhecimento tem se destacado, sendo incluída na estratégia da organização, na busca do fortalecimento do conhecimento coletivo. Como conseqüência, a estratégia vem assumindo um papel de destaque. A estratégia é por definição o locus no qual os conhecimentos acumulados pelas empresas são avaliados, discutidos e analisados. É no contexto da reflexão estratégica que a empresa procura se apropriar e dar uso ao conhecimento, tornando-o útil e com significado. A capacidade da empresa de se posicionar em ambientes em constante mudança, de buscar os recursos adequados, de buscar se reinventar, de inovar para garantir lucros diferenciais é condição sine qua non para sua permanência no mercado. Cabe salientar, no entanto, que o entendimento da estratégia hoje passa pelo entendimento do processo de inovação na empresa. Cada vez mais, a estratégia e a inovação podem ser entendidas como dois lados de uma mesma moeda, uma vez que a estratégia é a busca do novo, é o momento da criação do inédito para 18

17 a empresa, é o momento da busca daquilo que surpreenderá o mercado. O processo estratégico e de inovação é interativo e realizado com a contribuição de vários agentes técnicos, econômicos e sociais, que possuem diferentes tipos de informação e conhecimento. Como conseqüência, observase um crescente número de alianças entre as organizações, o que tem propiciado a formação de verdadeiras redes, configurando o que se chama hoje de sociedade em rede. Observa-se que a capacidade de se ter acesso e de participar de redes intensivas em conhecimento e aprendizagem determinam hoje a posição socioeconômica dos indivíduos e o patamar competitivo das empresas. Algumas dessas redes são globais e se posicionam no topo da pirâmide. Outras são regionais ou locais e constituem a base. As redes se tornaram importantes variáveis estratégicas para as empresas, afetando toda a estrutura industrial e a forma de competição. Observa-se, hoje, que a maior parte do valor dos produtos das empresas é produzida nessas redes e não mais isoladamente por uma única empresa. Os recursos críticos para a competitividade da empresa, como o conhecimento, devem ser compartilhados, explorados e aplicados numa perspectiva de rede. Essas redes podem ser vistas como entidades formadas por uma diversidade de conhecimentos e competências críticas e fundamentais para as empresas participantes, o que confere às mesmas uma capacidade competitiva de adquirir, armazenar e renovar conhecimentos tácitos de uma forma mais dinâmica. Assim, para explorar o máximo da capacidade competitiva da rede, de forma que todos os participantes se beneficiem não só dos resultados comuns mas também dos resultados específicos, as empresas devem ser capazes de criar uma forte identidade de rede que possibilite o acesso rápido e fácil dos participantes ao conhecimento tácito produzido na rede A gestão da cadeia produtiva no âmbito da gestão de recursos humanos Na dimensão da gestão de pessoas, o presente estudo tem como objetivo identificar os principais indicadores dessa área. Esses indicadores deverão sinalizar a capacidade competitiva da empresa no que tange à gestão de pessoas, não somente considerando sua performance, mas também abordando a cadeia produtiva na qual se insere. Para tanto, a pesquisa relativa a essa área foi realizada em três diferentes etapas. A primeira delas consistiu no levantamento de bibliografia e, também, de práticas gerenciais. Esse amplo levantamento teve como objetivo observar a evolução do tema gestão de pessoas, tanto na literatura especializada como também no escopo empresarial. A evolução do tema é parte importante da pesquisa porque permite a construção do contexto no qual se insere o objetivo maior da pesquisa que é a identificação de indicadores de gestão de pessoas orientados à cadeia produtiva. Mais que isso, o levantamento permitiu que fossem identificados os indicadores e as práticas de mensuração que estão sendo adotados ou recomendados às organizações. Essa etapa demonstrou uma mudança significativa no que diz respeito à área de RH. O que se observa é uma demanda clara por uma atuação mais estratégica, assim como por uma postura mais proativa da função RH. Conseqüentemente, altera-se a forma de enxergar e gerenciar pessoas, mas, principalmente, implica rever as práticas de gestão de pessoas, inclusive no que se refere a performance e avaliação. Ainda que essa primeira etapa tenha contribuído fortemente para a argumentação e sustentação do objetivo proposto, o levantamento sinalizou a necessidade, também, de se aprofundar no conhecimento das práticas hoje utilizadas pelas empresas. Isso ocorreu, principalmente, pela dificuldade em se observar avanços na área de mensuração de indicadores na área de gestão de pessoas. Dessa forma, a segunda etapa da pesquisa consistiu na realização de uma pesquisa qualitativa junto à área de RH e profissionais de algumas empresas. Além de auxiliar no aprofundamento da temática, a coleta de dados qualitativa, possibilitada pela realização de entrevistas, serviu de base para a elaboração de um instrumento quantitativo de pesquisa, 19

18 Relatório de Pesquisa RP0502 utilizado na terceira etapa do trabalho. O objetivo desse instrumento foi o de verificar, de maneira ampliada, quais os indicadores de gestão de pessoas estão sendo utilizados pelas empresas. Mais que isso, averiguar também se na área de gestão de pessoas há preocupação em se abordar a cadeia produtiva As mudanças da prática e conteúdo do marketing e a evolução das métricas O marketing, ao longo de seu desenvolvimento, tanto prático como teórico, vem passando por inúmeras mutações. Um dos direcionadores dessas mudanças de sua prática e conteúdo são as turbulências ambientais. Webster Jr. (1994) prevê que o foco do papel do marketing na empresa será a gestão de parcerias e posicionamento estratégico entre clientes e fabricantes na cadeia de valores. Complementando, Day (1990) afirma que as empresas se desenvolverão gradualmente para uma forma híbrida de organização, combinando o melhor das características dos processos horizontais e das formas verticais funcionais, para se tornarem mais próximas de seus clientes. Essas percepções indicam a necessidade de desenvolvimento de temas e abordagens interdisciplinares que possam orientar na compreensão do sentido e do significado das mudanças organizacionais. Sugerem, por outro lado, a necessidade de estabelecimento de um núcleo para dar um sentido comum a esses temas e abordagens. A orientação para o mercado pode ser considerada como um dos enfoques recentes do marketing que mais atende a esse propósito. O conceito de orientação para o mercado vem se popularizando a partir da década de Decorre da evolução das relações da empresa com o mercado e possui um conjunto de desdobramentos. Entre esses, estão suas conseqüências na estrutura, nos processos, nas pessoas e na governabilidade. Esse último tem sido freqüentemente abordado sob a ótica das relações de poder e governabilidade organizacionais. Ao adotar o conceito de orientação para o mercado, a empresa usa primariamente seus clientes e consumidores como base para a reestruturação do desempenho organizacional, de maneira a tornar-se mais efetiva e sensível no atendimento às necessidades do seu mercado-alvo. Os estudos pioneiros sobre as possíveis orientações mercadológicas focaram a orientação para o produto. Seguiu-se a orientação para a venda, para o marketing e, mais recentemente, para o marketing societário (KOTLER, 2000). Ao longo do período em que essas modificações ocorreram, aflorou o questionamento sobre a adequação da estrutura do marketing na empresa e, posteriormente, da própria empresa, ao considerar a necessidade de reestruturação das atividades em redes interorganizacionais. Esse pode ser considerado o primeiro efeito que a orientação para o mercado desencadeou. Gradualmente, a atividade de marketing foi incorporando às suas funções a coordenação, ou, no mínimo, a sua influência nas atividades intra e interorganizacionais para a fabricação, desenvolvimento e gestão de toda a oferta empresarial, no sentido de torná-la mais íntima do cliente. Slater e Narver (1994) atribuem o declínio das fronteiras funcionais e a ascensão da equipe de trabalho na área de marketing à necessidade de se criar e disseminar o conhecimento dentro da empresa. O atendimento a essa primeira inadequação na atuação da empresa em face das necessidades ditadas pelo mercado trouxe novo desdobramento: o comportamento dos processos perante essa nova demanda. Nessa segunda questão relativa a processos, a perspectiva de equipes, conforme proposta, envolve o papel de coordenação interna das atividades de marketing relacionadas a outras, incluindo a inovação, a gestão do conhecimento, a sustentabilidade e os resultados financeiros. Com relação ao ambiente externo, esse tipo de relacionamento envolve a articulação de alianças com parceiros. Inclui tanto a interação vertical, por meio da cadeia produtiva e de redes, quanto a horizontal, como alianças co-marketing e co-branding. À medida que essa articulação de alianças ocorre, a intensificação nas relações dos integrantes da 20

19 área de marketing com parceiros externos torna-se mais acentuada e presente. Isso leva a uma mudança e ampliação de papéis da área de marketing, focando-os nos aspectos mais intangíveis desse relacionamento, correspondendo a um maior foco e alinhamento das competências essenciais da empresa com a cadeia de valor. Estrutura e processos, por sua vez, não podem estar desvinculados de pessoas. A terceira questão pessoas, demandada pela abordagem relacionada à orientação para o mercado, tem recebido atenção crescente, e seu foco se refere à cultura organizacional. Cultura organizacional pode ser definida como o padrão de valores e crenças compartilhados, que ajudam indivíduos a compreender o funcionamento organizacional e, assim, estabelecer normas para o seu comportamento na organização. É nesse plano que as questões anteriores são amalgamadas e podem ganhar uma organicidade necessária à sua dinâmica, que se constitui na quarta questão levantada pela orientação para o mercado. A quarta questão poder e governabilidade tem foco na natureza e qualidade do processo decisório das ações organizacionais destinado a produzir impactos interna e externamente. Entende-se que é nessa dimensão que o papel da liderança ganha relevo, tornando-se cada vez mais complexo, tendo em vista a própria complexidade crescente das atividades organizacionais inseridas em ambientes de turbulências e incertezas. Todas essas questões correspondem aos recursos intangíveis que contribuem para ampliar a efetividade das ações de marketing da empresa, otimizando seus resultados. Equivalem ainda ao reconhecimento de que as empresas podem utilizar, e utilizam, abordagens distintas das do mercado porque seus recursos e competências são diferentes. Em outras palavras, as organizações combinam suas peculiaridades no tocante a estrutura, processos, pessoas e governabilidade para apoiar e encorajar a coordenação interna e a adaptação externa, com o objetivo de proporcionar valor superior ao seu mercado-alvo, transformando-o em vantagem competitiva sustentável. Nesse contexto, um dos desafios que afloram para o marketing é a determinação de indicadores de performance que possam orientar a busca da excelência empresarial. Pretendese, ainda, que esses funcionem como ponto de partida para o estabelecimento de padrões de performance, que possibilitem a comparação da variação das ações de marketing conforme previstas e implementadas, e de seu impacto, tanto interno como externo, no sentido de contribuir para a construção de vantagens competitivas sustentáveis. O fator propulsor para o desenvolvimento de indicadores de marketing bem como dos demais indicadores do desempenho organizacional tem sido o aumento das demandas dos stakeholders, tanto com relação a informações sobre a qualidade do processo decisório como sobre a produtividade dos esforços das diversas áreas organizacionais nos resultados da atuação da empresa. Essas demandas são, em grande parte, decorrentes do aumento da complexidade do mundo empresarial. Sua natureza tem contribuído para estimular o surgimento de uma série de medidas e indicadores de mensuração das atividades empresariais. Na dimensão de marketing, a tônica das tentativas tem sido proporcionar indicadores de desempenho que possam satisfazer a necessidade dos stakeholders de conhecer o posicionamento mercadológico da empresa. A auditoria de marketing, sob a concepção de diagnóstico, pode ser considerada uma das primeiras tentativas de se mensurar o desempenho das atividades pertinentes a essa área. Em um patamar ligeiramente superior ao dos diagnósticos, em termos de objetividade e complexidade, encontram-se as medidas financeiras utilizadas para indicar a produtividade dos esforços de marketing e sua conseqüente contribuição ao fluxo de caixa e ao retorno sobre o investimento da empresa, e o PIMS Profit Impact of Marketing Strategies que analisa o impacto das estratégias mercadológicas no lucro. 21

20 Relatório de Pesquisa RP0502 Em um plano ainda mais elaborado, estão as medidas não tangíveis como satisfação, lealdade e valor do cliente, valor da marca e orientação para o mercado, entre outras. Finalmente, a combinação dessas medidas tem atraído a atenção de profissionais e especialistas em marketing. A partir dos pressupostos teóricos utilizados como apoio para uma melhor compreensão das métricas, foi realizada uma pesquisa em empresas brasileiras de grande porte para a constatação empírica do uso das métricas levantadas tidas como de importância e significado para o desempenho das atividades de marketing: aumento da participação de mercado; desenvolvimento de mercados; lançamento de novos produtos e otimização dos recursos de marketing Indicadores de finanças: benefícios diversos, propósitos distintos Ao longo da última década, a gestão financeira das empresas brasileiras foi marcada pela busca de indicadores que pudessem orientar de forma mais consistente as decisões, em face do enorme movimento de globalização da época. Mesmo os mais ardentes defensores de qualquer indicador de performance tendem a concordar que, talvez, não exista um único indicador que possa ser utilizado em todas as situações. A maioria das empresas acredita depender de um grande número de indicadores, cada um com benefícios diversos e servindo a diferentes propósitos. Na verdade, a utilização de múltiplas medidas de desempenho em uma mesma empresa pode provocar confusão na forma de administrar da equipe gerencial. O uso de terminologias diferentes e de padrões inconsistentes na mensuração de resultados pode levar a decisões que aparentemente agregam, mas que na realidade são verdadeiras ações de destruição de valor. Isso porque muitas dessas medidas de performance, mesmo parecendo inicialmente dar bons resultados, deixam de reconhecer os custos incidentes no processo, como o custo do capital próprio. A pesquisa básica da área de finanças consistiu na verificação empírica de quais são as técnicas de valoração de ativos e metodologias de gestão financeira adotadas por empresas brasileiras. Para esse propósito foi concebido um questionário abordando questões sobre a utilização e relevância dos indicadores financeiros tradicionais de avaliação de investimentos, precificação de ativos e gestão financeira de forma geral, além de três estudos de casos. Os resultados dessa pesquisa revelam que as margens foram medidas muito usadas na análise de performance corporativa por empresas brasileiras de diversos portes e dos mais diversos setores. Margem líquida, margem operacional e, sobretudo, EBITDA Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization tiveram ampla utilização. No entanto, as análises que utilizam as margens têm muitas limitações. Tais indicadores de performance corporativa não determinam o grau de eficiência com que a empresa usa seus ativos, ou seja, não evidenciam o esforço empreendido para gerar o lucro. A pesquisa mostra, por outro lado, que as empresas, em sua grande maioria, medem recorrentemente o retorno sobre o capital próprio, ou ROE Return on Equity. Quando se analisa a performance da rentabilidade de todos os investimentos realizados pela empresa, representados pelo seu ativo total, dois pontos estratégicos têm de ser observados: a margem líquida e o giro do ativo. Isso significa dizer que, se a empresa buscar maximizar o retorno de todo o capital investido, deverá preocupar-se em ter uma lucratividade líquida adequada, que passa pelo controle efetivo de seus custos (fornecedores) e pela geração de faturamento (clientes e fornecedores) condizente com o volume de aplicação de recursos na sua atividade. Essas duas estratégias trarão reflexos diretos no nível de remuneração do ativo. A literatura mostra que, a partir da visão crítica da análise do retorno do capital próprio que chamou a atenção para o fato de essa análise não avaliar os efeitos do risco financeiro 22

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Na teoria e na vida, FDC

Na teoria e na vida, FDC C T E C E N T R O D E T E C N O L O G I A E M P R E S A R I A L C T E C o o p e r a ç ã o e n t r e e m p r e s a s d e g r a n d e p o r t e Na teoria e na vida, FDC AF - 05-006 - CTE02 R.indd 2 7/10/07

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Av. Princesa Diana, 760 34000-000 Nova Lima MG Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Núcleo Comum Gestão Empresarial Administração Estratégica Planejamento e o BSC Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior INTRODUÇÃO O ato de planejar e gerenciar pertence ao cotidiano de grande parte dos

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br INTRODUÇÃO Histórico dos indicadores de desempenho BSC (e ferramentas semelhantes) BSC no setor sistema

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento De Luís Cláudio S. Pinho As organizações buscam continuamente gerar valor para maximizar a riqueza no longo prazo e, conseqüentemente,

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

OS ÍNDICES DA PERSPECTIVA FINANCEIRA DO BSC: EVA E MVA

OS ÍNDICES DA PERSPECTIVA FINANCEIRA DO BSC: EVA E MVA OS ÍNDICES DA PERSPECTIVA FINANCEIRA DO BSC: EVA E MVA Benjamim de Souza Siqueira 1 RESUMO Antigamente, medir desempenho empresarial era simples assim: o faturamento e o lucro cresceram? As dívidas caíram?

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC)

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gestão da Estratégia com uso do BSC Conteúdo para impressão Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) Brasília 2014

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia Balanced Scorecard Da estratégia às ações do dia-a-dia Perspectivas Em se tratando de gerenciamento de desempenho, perspectivas são os grandes vetores debaixo dos quais são agrupados objetivos, indicadores

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)?

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? 1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? Conceitualmente, o Balanced Scorecard, também conhecido como BSC, é um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzir a estratégia em objetivos operacionais

Leia mais

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado)

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 14 (Nova) -->Início Confirmado:05/07/2013 Mercados dinâmicos têm imposto desafios crescentes para as empresas:

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Master in Management for Human Resources Professionals

Master in Management for Human Resources Professionals Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com: Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com APG Um dos principais objectivos da Associação Portuguesa

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

EMENTAS PÓS-FLEX 2016 CÂMPUS PRAÇA OSÓRIO

EMENTAS PÓS-FLEX 2016 CÂMPUS PRAÇA OSÓRIO EMENTAS PÓS-FLEX 2016 CÂMPUS PRAÇA OSÓRIO ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Consiste em apresentar aos alunos conceitos de administração e de planejamento estratégico em organizações, analisando o processo de

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

GESTÃO DE RISCO NO CONFINAMENTO

GESTÃO DE RISCO NO CONFINAMENTO GESTÃO DE RISCO NO CONFINAMENTO Avaliação e redução do nível de incertezas O Workshop Gestão de Risco foi desenvolvido para atender às necessidades de inclusão da gestão de risco e análise de indicadores

Leia mais

6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010

6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010 6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010 Tel. 55 11 3862 1421 Pesquisa revela: fatores culturais afetam a eficácia dos cursos de inglês online por Paulo P. Sanchez* A BIRD Gestão Estratégica

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Marketing. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Marketing. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

I. Balanced Scorecard - BSC

I. Balanced Scorecard - BSC MBA em Controladoria e Gestão Financeira (Aula 3) Prof. Marcio Rodrigues Sanches marcio@mrsconsult.com.br I. Balanced Scorecard - BSC O que é o BSC? O Balanced Scorecard é uma ferramenta gerencial que

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais