DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Acadêmicos: Carlos Filipe Ferri Izzo Tatiana de Souza Guedes Professora orientadora: Donária Coelho Duarte, Dra. GURUPI TO MAIO 2009

2 2 CARLOS FILIPE FERRI IZZO TATIANA DE SOUZA GUEDES DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Relatório organizacional apresentado ao Centro Universitário UNIRG, como requisito parcial para a disciplina Estágio Supervisionado I. Orientador: Profa. Adm. Donária Coelho Duarte, Dra. GURUPI TO MAIO 2009

3 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTO DA PESQUISA TÉCNICAS DE PESQUISA ANÁLISE DE DADOS AMBIENTE INTERNO Aspectos estratégicos Aspectos financeiros Aspectos mercadológicos Aspectos de recusos humanos Aspectos de prestação de serviços AMBIENTE EXTERNO CONCLUSÃO SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA...27 REFERÊNCIAS... 29

4 4 1 INTRODUÇÃO O trabalho a ser realizado visa descrever e identificar os processos e métodos utilizados pela empresa estagiada, o SENAI. Dentro do disgnóstico a ser confeccionado podese observar os passos dos processos que são realizados dentro da organização, facilitando o controle e a supervisão, visando a importância do trabalho para o acadêmico que adquire experiência na área que deseja atuar dentro de uma organização. Este trabalho proporciona a empresa uma interação com a comunidade e o estagiário, visando atualizar a empresa com novas mentes e novas idéias, vindas dos novos funcionários e dos estagiários que na empresa tem a oportunidade de ganhar experiência. O trabalho está sendo realizado de acordo com os fundamentos ministrados em sala de aula, onde se consegue assimilar melhor a teoria, sendo ela ministrada pelos professores do Centro Universitário UNIRG. A elaboração do diagnóstico da empresa é de grande relevância e influência para a formação do acadêmico, o qual possibilitará conhecer de perto cada departamento da empresa. Este relatório possibilita agregrar valores para as duas partes envolvidas, o estagiário pode aplicar a teoria na prática e a empresa absorve novas idéias. O objetivo principal deste diagnósito consiste em conhecer todos os processos da empresa SENAI. Todo o embasamento teórico será mostrado para uma análise e verificação dos administradores, sendo este de grande relevância para a empresa, pois poderá ser auxiliado na identificação de erros no caso de haver falhas no sistema. O estágio foi realizado dentro dos moldes do SENAI, sempre atendendo as exigências do curso de administração do sexto período da disciplina de Estágio Supervisonado I, e tem como objetivo ampliar os conhecimentos do estagiário e do profissional, identificar quais os processos fluem melhor em relação aos outros, de acordo com a empresa e o que ela oferece em serviços. O pricipal objetivo da empresa para com o Relatório era de conhecer todos os seus porcessos e o funcionamente dos tais, o qual foi plenamente alcançado, sendo de importância fundamental para a empresa, pois proporciona a ela constatar erros de funcionamento, erros de processos, tempo gasto desnecessáriamente em certos processos, assim a satisfação da empresa com o relatório teve um grau elevado, obtendo assim sucesso na proposta sugerida pelos acadêmicos e pela professora orientadora.

5 5 Seguindo para o próximo assunto que refere-se aos procedimentos metodológicos, dentro do SENAI.

6 6 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O diagnóstico elaborado nos próximos capítulos tem como objetivo demonstrar os procedimentos utilizados e os dados coletados. Sendo isso feito através de algumas metodologias criadas por estudiosos para o auxílio e direcionamento de pesquisas. Entende-se que estes autores, Marconi e Lakatos (2002, p. 46), afirmam que a atividade científica é a obtenção da verdade, por intermédio da comprovação de hipóteses, que, por sua vez, são pontes entre a observação da realidade e a teoria científica. Segundo Oliveira (2004b, p. 114), o procedimento é um tipo de estudo que permite ao pesquisador a obtenção de uma melhor compreensão do comportamento de diversos fatores e elementos que influenciam determinado fenômeno Subsequente a esse capítulo será identificado a forma de delineamento que irá ser utilizado no processo metodológico, durante a realização do presente diagnóstico. 2.1 DELINEAMENTO DA PESQUISA Com a finalidade de identificar cada etapa do processo que está sendo avaliado, utilizar o delineamento de pesquisa é a maneira mais correta e segura de se chegar a tal ponto. Sendo utilizado na empresa o método indutivo para que se possa ter um outro ângulo de visão da organização. De acordo com Prestes (2003, p. 30), o método indutivo é aquele que se utiliza da indução, processo mental em que, partindo-se de dados particulares, devidamente constatados, pode-se inferir uma verdade geral ou universal não contida nas partes examinadas. Com o apoio de outros métodos a pesquisa descritiva foi utlizada com sucesso para captar dados sobre a empresa em determinados locais ou departamentos. Assim Marconi e Lakatos (1999, p. 64) comentam que pesquisa descritiva é um conjunto de processos ou preceitos que tem como finalidade servir como ciência ou arte; é a habilidade para usar esses preceitos ou normas, a parte prática. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção de seus propósitos. Utilizada em outras áreas foi utilizado o método de pesquisa descritiva. Conforme Prestes (2003, p. 26), diz que na pesquisa descritiva, se observam, registram, analisam,

7 7 classificam e interpretam os fatos, sem que o pesquisador lhes faça qualquer interferência. Assim, o pesquisador estuda os fenômenos do mundo físico e humano, mas não os manipula. Após a identificação do delineamento da pesquisa será apresentado as técnicas de pesquisa que serão utilizadas no processo de coleta de dados e formulação do relatório. 2.2 TÉCNICAS DE PESQUISA Umas das técnicas de coleta de dados empregada na realização do diagnóstico organizacional da empresa SENAI, foi pesuisa bibliográfica, com intúito de coletar mais informações importantes para o diagnóstico. De acordo com Prestes ( 2003, p. 26), Pesquisa bibliográfica é capaz de atender aos objetivos tanto do aluno, em sua formação acadêmica, quanto de outros pesquisadores, na construção de trabalhos inéditos que objetivem rever, reanalisar, interpretar e criticar considerações teóricas ou paradigmas, ou ainda criar novas preposições na tentativa de explicar a compreesão de fenômenos relativos às mais diversas áreas do conhecimento. Com uma observação não participante em grupo o diagnóstico foi construído com levantamento de dados através entrevistas com colaboradores, e o gerente regional. Conforme Marconi e Lakatos (2002, p. 46) a entrevista é um encontro de duas pessoas, a fim de que uma delas obtenha informações a respeito de determindado assunto, mediante a uma conversação de natureza profissional. Tendo finalizado as técnicas de pesquisas, será demonstrado o próximo assunte que se trata da análise de dados. 2.3 ANÁLISE DE DADOS Em busca do compreendimento parcial do melhor procedimento que se assemelha ao método científico que consiste em delinear um problema, o processo será analisado utilizando um método qualitativo por ser uma das formas mais adequadas de se compreender a natureza

8 8 de um fenômeno e decifrá-lo com base nas relações encontradas e fundamentadas nas inúmeras teorias existentes. De acordo com Richardson (1999, p. 231) Abordagem qualitativa permite entender a natureza de um fenômeno social, tendo como objetivo a análise de situações compleas, vidto que possibilitam um conhecimento em maior profundidade relacionado ao comportamento dos individuos envolvidos no processo. Após análise dos dados, o passo a seguinte no presente relatório é a caracterização da organização e do meio ambiente.

9 9 3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E DO MEIO AMBIENTE A empresa analisada localiza-se na Rua Joaquim Batista de Oliveira, 161, Vila Alagoana, Gurupi, CEP: , atuando no mercado há mais de 15 anos. O Senai é uma empresa sem fins lucrativos que visa a qualificação e o aperfeiçoamento profissional da comunidade, fornecendo cursos profissionalizantes em diversas áreas. Em seguida será apresentado o ambiente interno da empresa estagiada. 3.1 AMBIENTE INTERNO O ambiente interno é tudo o que ocorre entre processos, procedimentos entre outros acontecimentos dentro de uma organização. Ele envolve pessoas, locais, informações, metodologias e estratégias, sendo ele muito importante para identificar as características da empresa, suas qualidades e seus defeitos, em outras palavras seus pontos fortes e seus pontos fracos. No cotidiano desse ambiente deve impreterivelmente ser feita interações constantes entre os participantes desse meio e com o ambiente externo. Segundo Certo e Peter (1993. p.47), ambiente interno é o nivel de ambiente da organização que está dentro da organização e normalmente tem implicacao imediata e específica na administração da organização. Através desse contexto que será analisado os aspectos estratégicos, financeiros, mercadológicos Aspectos estratégicos O SENAI-DR/TO atua significativamente na Educação Profissional e contribui fortemente com a indústria e com acomunidade na pretação de Serviços Técnicos e Técnológicos. Ele oferece cursos profissionalisantes e cursos para iniciantes de aprendizagem para pessoas que tenham interesse em se especializar ou em aprender, tendo como ramo de negócio a Prestação de Serviços. O SENAI-DR/TO atua em 11 áreas profissionais, sendo elas, Alimentos e Bebidas, Automotiva, Construção Civil, Eletrodinâmica, Gestão, Madeira e Mobiliário, Metal

10 10 Mecânica, Refrigeração, Segurança do Trabalho, Tecnologia da Informação e Vestuário. Tendo como seu público alvo funcionários de empresas que solicitão cursos profissionalizantes ou são pessoas que desejam aprender novas profissoes ou aquelas que queiram se aperfeiçoar em determinada área. Em Las Casas, (2001, p.53) define público alvo como quem a empresa quer atingir, análise de ameaças e oportunidades poderá determinar quem serão os clientes de uma empresa. Fundada em 12 de agosto de 1938, CNI surgiu a partir da criação da Confederação Indústrial do Brasil, datada de 1938, uma iniciativa de quatro federações de Industrias: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro ( capital do Brasil na época). (SISTEMA FIETO, 2007). Diante do desafio de ajudar o país a superar os problemas gerados pela Segunda Guerra Mundial, nos anos 40, a entidade lançou as bases para a criação do: SENAI - Serviço Nacional de Apredizagem Indústrial em 1942 SESI Serviço Social da Indústria - em 1969 IEL Instituto Euvaldo Lodi - em 1969 Chegando aos 70 anos de atividade, a CNI defende as reformas institucionais, junto aos poderes constituídos, que levam o país a crescer com eficiência e inclusão. Criado em 22 de Janeiro de 1942, o SENAI surgiu para atender a necessidade da formação de mao de obra industrial básica. (SISTEMA FIETO, 2007). O SENAI-DR/TO foi criado em 1º de Julho de 1992, está permanentemente articulado com o Departamento Nacional do SENAI, em um movimento contínuo de renovação e modernização. No fim da década de 1950, o SENAI tornou-se referência em inovação e qualidade na área de formação profissional, servindo de modelo para a criação de instituições similares em outros países, como Chile Venezuela. O SENAI atualmente passa por um processo de expansão onde inicialmente havia 15mil alunos e atualmente são milhões de matriculas anualmente. Hoje existem 696 unidades operacionais distribuídas em todo o país, onde são oferecidos mais de 2000 cursos. Em 2007 foram prestados serviços de assessoria técnica, tecnológica e laboratorial as empresas que solicitaram esses serviços. (SISTEMA FIETO, 2007). Segundo Chiavenato (2001, p. 223), o planejamento estratégico é o planejamento mais amplo e abrange toda a organização. As diretrizes organizacionais do SENAI-DR/TO são orientadas pela estratégia, descritas no Mapa Estratégico do Sistema Fieto, onde todos colaboradores possuem acesso e

11 11 todas as informações permitidas. De acordo com Kotler (1986. p. 56). O planejamento estratégico é o processo administrativo de desenvolver e manter uma viabilidade entre os objetivos organizacionais e os recursos e as oportunidades de mercado em constante mutação. O alvo do planejamento estratégico é configurar e reconfigurar o negócio da empresa e seus produtos de forma que eles combinem produção de lucro e crescimento. O planejamento estratégico do SENAI avalia antecipadamente, os possíveis impactos que seriam acarretados no futuro pelas decisões tomadas no presente e ocupa-se das grandes questões e requer visão de futuro, pois cuida do que se deseja que aconteça num período de 4 (quatro) anos, em média. Trata-se de um processo que permite o direcionamento a ser seguido, estabelecendo-se a visão de futuro, a missão e um conjunto de objetivos, metas, indicadores e projetos estratégicos. Tendo em vista o alcance de seus objetivos o SENAI tem como missão promover a educação profissional e tecnológica, a inovação é a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. (SENAI, 2007). Segundo Chiavenato e Matos (2002, p. 34), na missão envolve os objetivos essenciais do negócio e está geralmente focalizada fora da empresa, ou seja, no atendimeto a demanda da sociedade, do mercado ou do cliente. O SENAI tendo como visão ser reconhecido como referência em educação profissional pela indútria tocantinense e oferecer serviços técnicos e tecnológicos alinhados as demandas do estado. (SENAI, 2007). Chiavenato e Matos (2002, p. 39), seguem afirmando que a visão é a imagem que a organização tem a respeito de si mesma e do seu futuro. Com esse pensamento correndo nas mentes dos colaboradores a empresa possibilita aos clientes formas de se aprimorarem e melhorarem suas expectativas de futuro visando uma melhor colocação dentro do mercado de trabalho. Os valores da instituição mencionados abaixo, servem como direcionamento para a empresa, fornecendo a ela parâmetros e sustentação, sendo eles: Qualidade - fornecer serviços que agradem os clientes beneficiados; Compromisso com Resultados persistência no cumprimento das metas gerando resultados que garantam o desenvolvimento e a continuidade do SENAI. Inovação motivação para mudanças, fazendo melhor a cada dia e agregando valos permanentemente para o SENAI.

12 12 Rigor na utilização de recursos busca da melhor utilização dos recuros disponíveis; Transparência clareza e visibilidade das estratégias ações e procedimentos, promovendo integridade e confiabilidade do SENAI-DR/TO; Humildade disposição de aprender permanentemente respeitando as diferenças de cada um e reconhecendo no outro o seu valor; Ética construção de um ambiente moralmente integro, no qual os valores essenciais da vida sejam respeitados e as pessoas possam aprender e desenvolver seus conhecimentos e virtudes, (SENAI, 2007). A instituição proporciona aos funcionários especializações para que os mesmos possam se aprimorar dentro de suas capacidades, sendo isso extremamente inportante para o crescimento do capital intelectual da empresa. Oliveira (2006, p. 89), diz que valores representam o conjunto dos princípios e crenças fundamentais de uma empresa, bem como fornecem sustentação a todas as suas principais decisões. Para alguns administradores a política da empresa proporciona parâmetros ou delimitações para que as atividades dentro da empresa possam fluir com naturalidade e sequêncialidade. Tendo como política de orientação, o SENAI se compromete a melhorar continuiamente os seus processos e atender com qualidade e rapidez as necessidades de seus clientes. (SENAI, 2007). Segundo Oliveira (1997, p.74). Política é a definição dos níveis de delegação, faixas de valores e/ou quantidadeslimites e de abrangência das ações para a consecução dos objetivos. A política fornece parâmetros ou orientações para a tomada de decisões. Corresponde a toda base de sustenção para o planejamento estratégico. Assim como as estratégias, normalmente são estabelecidos por áreas funcional da empresa, embora se ressalte que a política é um parâmetro ou orientação para a tomada de decisões pela empresa como um todo. Com uma estrututa organizacional bem definada e coordenada tanto a delegação de função quanto a hierarquia de cargos possibilitam uma gestão adequada ao perfil da empresa, obtendo uma maior eficiência em tudo o que for designado, sendo ela abaixo demosntrada na próxima página desse relatório:

13 13 Figura 1: Organograna da empresa SENAI 2009 Fonte: Dados primários (2009) Segundo Chiavenato (2001, p. 251), o organograma permite a visualização da estrutura do organismo de forma simples e direta. Ele é estático por definição sendo uma espécie de retrado do esqueleto organizacional da empresa. O organograma construido para o SENAI levou em conta as condições da organização e suas estruturas. Ele foi construído com a participação dos gerentes nacionais e a FIETO a (Federação Nacional das Indústrias do Tocantins), sendo as decisões tomadas em um consenso entre a alta Administração. Segundo Certo e Peter (1993, p. 86), uma parte significativa do trabalho de qualquer administrador envolve a tomada de decisão. O administrador que sabe quais os objetivos estabelecidos para a organização descobre que é mais fácil tomar decisões que garantam atingir os objetivos organizacionais. Tendo uma estrutura organizacional completa e adequada as estratégias da empresa, com quatro grupos de unidades organizacionais sendo eles: Alta Gestão do SENAI-DR/TO; Assessorias do Conselho e as Unidades;

14 14 Unidades de Gestão do SENAI-DR/TO; Unidades Operacionais do SENAI-DR/TO; Para Oliveira (1997, p.77), estrutura organizacional é o conjunto de responsabilidades, autoridades, comunicações e decisões das unidades organizacionais de uma empresa. Dentro da estrutura organizacional a tecnologia é largamente utilizada, através de acompanhamentos dentro dos departamentos que auxilia em cada atividade realizada. A empresa possui um sistema informação integrado que controla todos os passos da organização. Esse programa se intitula ZEUS, o qual foi criado sob incomenda pela ZEUS RESOLUTINS para que fosse implantado e utilizado pelo SENAI. Ele proporciona ao gerente ou administrador acompanhar o que está sendo realizado. De acordo com Oliveira (2002a, p. 40), sistema de informação é um sistema integrado homem-máquina que prevê informações para dar suporte as funções de operação, administração e tomada de decisões na empresa. O planejamento para aquisição ou renovação do sistema é feita anualmente, na elaboração do orçamento anual da Unidade. O departamento responsável pela sua manutenção é a UNISIS. A manutenção do sistema de informação é feito diariamente, visto que o mesmo atende a todo o DR-TO, não podendo assim apresentar qualquer defeito no decorrer do trabalho. Com o auxílio do ZEUS nos pedidos de compras discorre-se da seguinte maneira, primeiramente entra-se em conrato com três fornecedores, segundo: lança a solicitação de matérias no programa Zeus, terceiro: depois de autorizada a solicitação é gerado um processo, quarto: Após a autorização do processo é gerado um pedido que avalia a melhor cotação de varias formas como por exemplo: preço qualidade do produto entre outros em seguida o pedido e autorizado e é emitido para ser entregue ao fornecedor que entregará o material de acordo com o pedido, quinto: Ao receber o material o departamento de compras verifica se está de acordo com as exigências atesta o recebimento e fica com a nota fiscal, em seguida lança o registro desta nota no programa Zeus e confere se o material entrou no Almoxarifado após isso encaminha o pedido e a nota devidamente registrados ao departamento Financeiro. Além de facilitar o processo de compras, ele colabora no alcançe dos objetivos e metas fixados pela empresa, onde esses objetivos são: ser reconhecido como referência em educação profissional pela indústria tocantinense e oferecer serviços técnicos e tecnológicos alinhados às demandas do estado (SENAI, 2000).

15 15 As metas são lançadas de acordo com o estudo de mercado realizado, são aprovadas durante a realização orçamento gerencial para o ano de exercicio. (SENAI, 2000). Estes objetivos e metas são de conhecimento de todos os funcionários. Com base nas conexões descritas por Oliveira (2006, p. 78), metas corresponde aos passos ou etapas, claramente quantificados e com prazos para alcançar seus desafios e objetivos. Tendo como uma perspectiva de futuro ser reconhecido como referência em educação profissional pela indústria tocantinense e oferecer serviços técnicos e tecnológicos alinhados às demandas do estado até o ano de Conforme Oliveira (2006, p. 64), ponto forte é a diferenciação conseguida pela empresa variável controlável que-lhe proporciona uma vantagem operacional no ambiente empresarial. Identificados como sendo os pontos fortes da empresa SENAI os abaixo citados: Importância que a LDB dá à educação profissional. Demanda reprimida do Estado por educação profissional, com o desenvolvimento de competências profissionais vinculadas com os avanços tecnológicos; Demanda de atividades pelo Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda. Trabalhar com novas demandas. Altos índices de desemprego no estado, principalmente para a população mais jovem. Seguindo a mesma linha, Oliveira (2006, p.90), define pontos fracos como variáveis internas e controláveis que provocam um a situação desfavorável para a empresa, em relação a seu ambiente. Os pontos fracos identificados da empresa SENAI são os abaixo citados: Pouca divulgação dos cursos oferecidos pela instituição; Falta de estrutura para ministrar alguns cursos específicos, exemplo NR-10, um curso na área de eletricidade; Localização da instituição.

16 16 Visando sempre minimizar os pontos fracos e tentando transformá-los em oportunidades, a empresa busca através de investimentos e formulação de novos projetos melhorar as condições necessitadas, para que elas não interfiram no desenvolvimento da empresa. A empresa busca incentivar movimentos sociais através cursos profissionalizantes gratuitos que possibilitam a melhoria educacional da comunidade. O SENAI trabalha a responsabilidade social através das ações voltadas para a gratuidade, com curso de formação profissional e aprendizagem industrial para jovens de 14 a 24 anos. (SISTEMA FIETO, 2007). Para Etzel, Walter e Stanton (2001, p. 13), A responsabilidade social de uma empresa pode ser totalmente compatível com o conceito de marketing. A compatibilidade depende de duas coisas: quão amplamente uma empresa percebe seus objetivos de marketing e quanto tempo ela pretende esperar para atingir seus objetivos. Tendo finalizado os aspectos estratégicos, passará a ser descrito os aspectos financeiros da instituição demonstrando sua importância para a mesma Aspectos financeiros O SENAI possui um responsável pelo setor financeiro, onde sobre ele recai várias responsabilidades. Nesse cargo o ocupante necessita de formação específica na área, e tudo o que envolve o orçamento deve ser aprovado por ele, se isso não ocorrer o processo não pode ter continuidade. Gitman (2002, p. 4) afirma que: Administração financeira diz a respeito às responsabilidades do administrador financeiro numa empresa. Os administradores financeiros administram ativamente as finanças de todos os tipos de empresa financeiras ou não; desempenham uma variedade de tarefas tais como orçamentos, previsões financeiras, administração do caixa, administração do crédito, análise de investimentos e captação de fundos. Os demonstrativos são elaborados, analisados e aprovados pela UNIFIN Unidade Financeira, já quem audita as unidades regionais é a CGU Controladoria Geral da União, visto que a instituição recebe verba do governo federal através do Compulsório. Sendo feito o acompanhamento de cada investimento pelas auditorias internas e externas. Auditoria externa

17 17 permite estimar a participação de mercado de um produto com relação aos seus concorrentes, e pode indicar se essa participação esta caindo, mantendo-se ou subindo. (COBRA, 1992, p. 165). A auditoria externa é feita por um profissional totalmente independente da empresa auditada. O objetivo do auditor externo é emitir uma opinião (chamado parecer) sobre as demonstrações financeiras. Já a auditoria interna é feita por um funcionário da própria empresa, sempre seguindo orientações superiores. De acordo com Chiavenato (2001, p.361), na auditoria interna faz-se uma análise organizacional das condições internas para permitir uma avaliação dos principais pontos fortes que a organização possui. Com a constatação da normalidade dentro da organização o auditor constrói um relatório especificando cada item que foi auditado, sendo ele enviado para o departamento nacional, onde é elaborado o plano de contas ou elenco de contas. O plano de conta serve para nortear o trabalho contábil, objetivamente sendo utilizado como parâmetro para elaborações das demonstrações contábeis. (NYDUS, 2002). Servindo de base para tomada de decisões o plano de contas é utilizado para a elaboração do orçamento anual, sendo ele elaborado no decorrer do ano anterior ao de exercício, visando atender as necessidades de cada setor, com suas metas lançadas. Os valores orçados são lançados no programa gerencial ZEUS, que faz o controle das despesas e das receitas. Conforme Braga (1989, p.230), o sistema orçamentário traduz, em quantidades fiscais e valores monetários, o desenvolvimento e os resultados de todos os planos das unidades operacionais e órgãos administrativos da empresa. A empresa não possui contas a receber em aberto, pois todos os cursos ministrados são realizados através de matrículas e pagamentos adiantados, com isso o número de inadimplentes é bem próximo de zero. O procedimento que é utilizado na organização em relação a contas é apenas o de contas a pagar, pois é feito um acompanhamento de cada processo através do ZEUS, e todos os departamentos utilizam esse programa no cotidiano. Juntamente com a elaboração do planejamento orçamentário, é realizado o planejamento fiscal de acordo com o vigente. Segundo Ribeiro (2005, p. 56), planejamento fiscal é uma das principais metas de uma empresa, visa amenizar da melhor maneira possível, seus custos, principalmente no que se refere ao recolhimento de impostos.

18 18 Em reuniões realizadas periodicamente são apresentados os relatórios de controle do orçamento, sendo descriminadas receitas e despesas pelos relatórios gerados pelo ZEUS. A empresa não possui fluxo de caixa diário, uma vez que o orçamento é feito anualmente, onde os valores são gerados em épocas específicas de inicio dos cursos, com isso gera um fluxo de caixa periódico. De acordo com Gitman (2002), no fluxo de caixa é necessário atendo tanto o pagamento quanto ao recebimento, para verificar se há saldo suficiente para os pagamentos de futuras contas no seu vencimento. Afirma Gitman (2004, p.42): Capital de giro é o elemento integrante do patrimônio da empresa. A empresa sabeda importância e necessidade do capital de giro, facilitando para que o empresário,não venha a contrair dívidas ou empréstimo que acarretara ônus à empresa, e diminuindo a rentabilidade do negócio proposto, além de evitar que a reputação da empresa venha a ser abalada. Tendo terminado os aspectos financeiros, demonstrando seus passos e sua importância para as organizações, o próximo capítulo será os aspectos mercadológicos Aspectos mercadológicos De acordo com a necessidade mercadológica o responsável pelo departamento é um funcionário especializado na área e formado em jornalismo, tendo assim capacidade de melhorar essa função dentro da empresa. Segundo Kotler (1998, p. 27), marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de produtos de valor com outros. Utilizando alguns dados do departamento de marketing a empresa realiza a coleta de informações em uma pesquisa de mercado, objetivando descobrir as necessidades e desejos dos clientes. Kotler (1998, p. 4), diz que são as necessidades que resultam de situações de privação. Entre essas necessidades estão: necessidades físicas básicas de alimentação, vestuário, abrigo e segurança; necessidades sociais de bens e afeto; e necessidades individuais de conhecimento e auto-expressão.

19 19 Com a variação econômica ocorre o surgimento de novas idéias, novos produtos, inovações tecnológicas e isso gera o aparecimento de novos desejos, surgindo assim uma demanda que precisa ser suprida pelas empresas. Conforme Kotler (1998. p. 4), desejos são formas que as necessidades humanas assumem quando são particularizados por determinada cultura e pela personalidade individual. Para demonstrar as atividades que a empresa proporciona a divulgação através de rádio, TV, carro de som e panfletagem, com o objetivo de atingir as metas lançadas. O resultado deste trabalho é visto pelo número inscritos nos cursos divulgados. Conforme Cobra (1992, p. 595), a propaganda é uma das quatro maiores ferramentas que uma organização pode utilizar para, através de uma comunicação persuasiva, levar as pessoas a comprarem um produto, um serviço, ou mesmo uma idéia. Periódicamente a empresa utiliza através do canal de televisão e rádio como canal de divulgação e obtém resultado positivo. Dentro do SENAI não existe departamento responsável pela distribuição, visto que a natureza da empresa não proporciona isso. Conforme Cobra (1992, p. 127), a distribuição são aliados da empresa para colocação de seus produtos no mercado, prestando ainda serviços de estocagem, promoção e transporte.os preços são estabelecidos de acordo com os custos do serviço, visto que a instituição é sem fins lucrativos. Segundo Cobra (1992, p. 468), preço é o valor justo pela posse de um bem ou um serviço. Utilizando algumas formas de diferenciação como prazo e descontos na quitação das matrículas, o SENAI disponibiliza aos seus clientes preços e prazos diferenciados para cada cliente. Para o setor industriário tem um desconto de 10% e no comerciário de 5% do valor total. De acordo com Kotler (1998, p. 254), diferenciação é o ato de desenvolver um conjunto de diferenças significativas para distinguir a oferta da empresa das ofertas concorrentes de seus concorrentes. A empresa utiliza agentes de mercado, que fazem visitas periódicas nas empresas, o comércio eletrônico é utilizado para possíveis clientes de outras localidades. Para Kotler (1998, p. 36), o conceito de venda assume que os consumidores, se deixados sozinhos, normalmente, não comprarão o suficiente dos produtos da organização. Assim, a organização deve empregar um esforço agressivo de venda e de

20 20 promoção. Existem metas para os agentes de mercado, que são estipuladas no momento do planejamento do orçamento. O controle do atingimento destas metas são controladas por um programa eletrônico SGRM (sistema gerenciador de relações com mercado), onde são lançados todas as visitas realizadas no período. Quando se tem o início de um processo de lançamento de um novo produto, a empresa realiza a pesquisa de mercado tendo noção de que esse lançamento necessita de dotação orçamentária. Sempre buscando manter seus clientes satisfeitos a empresa mantém um banco de dados onde estão armazenados as informações dos clientes, as quais são utilizadas pela empresa para melhoria no atendimento e exclusividade aos clientes. O cadastro é feito no programa gerenciador SGRM, que conta com todos os dados referente ao cliente, suas necessidades e perspectivas. Conforme Kotler (1998, p. 618), fidelização ou marketing de relacionamento acontece quando a empresa está interessada em conquistar um cliente específico para atendêlo durante muito tempo. Sendo concluído os aspectos mercadológicos será abordado na sequência os aspectos de recursos humanos da empresa Aspectos de recusos humanos Tendo como responsável pelo departamento de recuros humanos um profissional formado na área de psicologia e com experiência de mercado devido a um trabalho que desenvolveu em outra organização. Através disso suas funções se estendem a prepação de questionários para as entrevistas, formula também um questionário que é passado aos funcionários para que respondam, e com isso temos a possibilidade de constatar a sua satisfação em relação a empresa e quais suas necessidades. Na visão da organização o profissional que deve ser contrato deve obter as mesmas características dos funcionários que já trabalham na empresa, que são persistência, criatividade e transparência. Para facilitar a relação interpessoal entre colaboradores o SENAI estabelece normas de pardronização e organização nas atividades da empresa, uso de uniformes e

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO ELABORANDO O PLANO DE NEGÓCIOS 16h Entendendo o negócio Perfil do Empreendedor de Sucesso Visão e missão do Negócio Características do Plano de Negócios Plano de Investimento

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SUPERMERCADO E CASA DE CARNES ARAGUAIA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SUPERMERCADO E CASA DE CARNES ARAGUAIA FUNDAÇÃO UNIRG FACULDADE UNIRG MUNICÍPIO DE GURUPI RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SUPERMERCADO E CASA DE CARNES ARAGUAIA Acadêmico: Nilton Augusto Figueiras Fagundes Professor

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SET / 2013. INTRODUÇÃO O presente documento visa proporcionar ao aluno inscrito no Estágio Supervisionado do Curso

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI A) Área de Administração Geral ÁREAS E ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagiário desta área de interesse deverá participar de atividades essenciais de uma empresa, tais como: marketing, produção,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre. Questões Comentadas:

Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre. Questões Comentadas: Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre Questões Comentadas: 1 - Q120630 ( Prova: FUNRIO - 2010 - FURP-SP - Assistente Financeiro / Administração Geral / Planejamento; ) De acordo com autor

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO 1 LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO Elisângela de Aguiar Alcalde (Docente MSc. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Linda Jennyfer Vaz (Discente do 2º ano do curso de Administração-

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS CATEGORIA:

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP Autores: Antonio Carlos Gola Vieira Aluno da Faculdade

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação ORÇAMENTO 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) MARIANA HEREMAN Orientador(es) ELAINE DIAS 1. Introdução As empresas estão buscando sempre atingir seus objetivos por meio de um bom planejamento

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES TÍTULO DO CARGO: Diretor Comercial Garantir as melhores condições de rentabilidade para a empresa, na prospecção, desenvolvimento, contratação de obras e serviços. Superior

Leia mais

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS 2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS Para Cobra (1994, p.46) a estruturação da força de vendas divide-se em quatro funções da administração: planejamento, organização, direção e controle. Abaixo segue os

Leia mais

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado)

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 14 (Nova) -->Início Confirmado:05/07/2013 Mercados dinâmicos têm imposto desafios crescentes para as empresas:

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 118 MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Diogo Xavier

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 01 Finanças e Empresas Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO Finanças e Empresas... 3 1. Introdução a Administração Financeira... 3 2. Definições... 3 2.1. Empresas...

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Letícia Baggio (UTFPR) leticia@uniao.edu.br Isaura Alberton de Lima, Dra (UTFPR) alberton@utfpr.edu.br

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS SUMÁRIO INTERATIVO ENTENDENDO SOBRE O PROGRAMA TELECURSO TEC... 3 ÁREAS DE ESTUDO DO TELECURSO

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

Histórico. Missão. Visão

Histórico. Missão. Visão Histórico Fundada em 1996 na cidade de Mossoró/RN, a Índice Consultores Associados atua em serviços de consultoria empresarial para os mais diversos segmentos (Comércio, Industria e Serviço) sendo pioneira

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Etec Paulino Botelho Rua Marechal Deodoro 3183 Vila Nery São Carlos SP (16) 3371 1027 -www.etepb.com.br. Plano de Trabalho Docente 2ºsem / 2015

Etec Paulino Botelho Rua Marechal Deodoro 3183 Vila Nery São Carlos SP (16) 3371 1027 -www.etepb.com.br. Plano de Trabalho Docente 2ºsem / 2015 Plano de Trabalho Docente 2ºsem / 2015 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 ÁREAS DE NEGÓCIOS E ENGENHARIA O Programa Pós-Flex da Universidade Positivo possui 15 cursos voltados para

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS

GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS Alexandre Costa Quintana 1 Cristiane Gularte Quintana 2 professorquintana@hotmail.com Resumo O presente estudo é resultado de um projeto

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI-DR/TO

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI-DR/TO PREFEITURA MUNICIPAL DE GURUPI FUNDAÇÃO UNIRG FACULDADE UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI-DR/TO Acadêmico: Cecília Regina da Silva Professor

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS Titulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Capítulo I Dos Fundamentos Art. 1º. Este Regulamento rege as Atividades de Estágio

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais