DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Acadêmicos: Carlos Filipe Ferri Izzo Tatiana de Souza Guedes Professora orientadora: Donária Coelho Duarte, Dra. GURUPI TO MAIO 2009

2 2 CARLOS FILIPE FERRI IZZO TATIANA DE SOUZA GUEDES DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Relatório organizacional apresentado ao Centro Universitário UNIRG, como requisito parcial para a disciplina Estágio Supervisionado I. Orientador: Profa. Adm. Donária Coelho Duarte, Dra. GURUPI TO MAIO 2009

3 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTO DA PESQUISA TÉCNICAS DE PESQUISA ANÁLISE DE DADOS AMBIENTE INTERNO Aspectos estratégicos Aspectos financeiros Aspectos mercadológicos Aspectos de recusos humanos Aspectos de prestação de serviços AMBIENTE EXTERNO CONCLUSÃO SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA...27 REFERÊNCIAS... 29

4 4 1 INTRODUÇÃO O trabalho a ser realizado visa descrever e identificar os processos e métodos utilizados pela empresa estagiada, o SENAI. Dentro do disgnóstico a ser confeccionado podese observar os passos dos processos que são realizados dentro da organização, facilitando o controle e a supervisão, visando a importância do trabalho para o acadêmico que adquire experiência na área que deseja atuar dentro de uma organização. Este trabalho proporciona a empresa uma interação com a comunidade e o estagiário, visando atualizar a empresa com novas mentes e novas idéias, vindas dos novos funcionários e dos estagiários que na empresa tem a oportunidade de ganhar experiência. O trabalho está sendo realizado de acordo com os fundamentos ministrados em sala de aula, onde se consegue assimilar melhor a teoria, sendo ela ministrada pelos professores do Centro Universitário UNIRG. A elaboração do diagnóstico da empresa é de grande relevância e influência para a formação do acadêmico, o qual possibilitará conhecer de perto cada departamento da empresa. Este relatório possibilita agregrar valores para as duas partes envolvidas, o estagiário pode aplicar a teoria na prática e a empresa absorve novas idéias. O objetivo principal deste diagnósito consiste em conhecer todos os processos da empresa SENAI. Todo o embasamento teórico será mostrado para uma análise e verificação dos administradores, sendo este de grande relevância para a empresa, pois poderá ser auxiliado na identificação de erros no caso de haver falhas no sistema. O estágio foi realizado dentro dos moldes do SENAI, sempre atendendo as exigências do curso de administração do sexto período da disciplina de Estágio Supervisonado I, e tem como objetivo ampliar os conhecimentos do estagiário e do profissional, identificar quais os processos fluem melhor em relação aos outros, de acordo com a empresa e o que ela oferece em serviços. O pricipal objetivo da empresa para com o Relatório era de conhecer todos os seus porcessos e o funcionamente dos tais, o qual foi plenamente alcançado, sendo de importância fundamental para a empresa, pois proporciona a ela constatar erros de funcionamento, erros de processos, tempo gasto desnecessáriamente em certos processos, assim a satisfação da empresa com o relatório teve um grau elevado, obtendo assim sucesso na proposta sugerida pelos acadêmicos e pela professora orientadora.

5 5 Seguindo para o próximo assunto que refere-se aos procedimentos metodológicos, dentro do SENAI.

6 6 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O diagnóstico elaborado nos próximos capítulos tem como objetivo demonstrar os procedimentos utilizados e os dados coletados. Sendo isso feito através de algumas metodologias criadas por estudiosos para o auxílio e direcionamento de pesquisas. Entende-se que estes autores, Marconi e Lakatos (2002, p. 46), afirmam que a atividade científica é a obtenção da verdade, por intermédio da comprovação de hipóteses, que, por sua vez, são pontes entre a observação da realidade e a teoria científica. Segundo Oliveira (2004b, p. 114), o procedimento é um tipo de estudo que permite ao pesquisador a obtenção de uma melhor compreensão do comportamento de diversos fatores e elementos que influenciam determinado fenômeno Subsequente a esse capítulo será identificado a forma de delineamento que irá ser utilizado no processo metodológico, durante a realização do presente diagnóstico. 2.1 DELINEAMENTO DA PESQUISA Com a finalidade de identificar cada etapa do processo que está sendo avaliado, utilizar o delineamento de pesquisa é a maneira mais correta e segura de se chegar a tal ponto. Sendo utilizado na empresa o método indutivo para que se possa ter um outro ângulo de visão da organização. De acordo com Prestes (2003, p. 30), o método indutivo é aquele que se utiliza da indução, processo mental em que, partindo-se de dados particulares, devidamente constatados, pode-se inferir uma verdade geral ou universal não contida nas partes examinadas. Com o apoio de outros métodos a pesquisa descritiva foi utlizada com sucesso para captar dados sobre a empresa em determinados locais ou departamentos. Assim Marconi e Lakatos (1999, p. 64) comentam que pesquisa descritiva é um conjunto de processos ou preceitos que tem como finalidade servir como ciência ou arte; é a habilidade para usar esses preceitos ou normas, a parte prática. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção de seus propósitos. Utilizada em outras áreas foi utilizado o método de pesquisa descritiva. Conforme Prestes (2003, p. 26), diz que na pesquisa descritiva, se observam, registram, analisam,

7 7 classificam e interpretam os fatos, sem que o pesquisador lhes faça qualquer interferência. Assim, o pesquisador estuda os fenômenos do mundo físico e humano, mas não os manipula. Após a identificação do delineamento da pesquisa será apresentado as técnicas de pesquisa que serão utilizadas no processo de coleta de dados e formulação do relatório. 2.2 TÉCNICAS DE PESQUISA Umas das técnicas de coleta de dados empregada na realização do diagnóstico organizacional da empresa SENAI, foi pesuisa bibliográfica, com intúito de coletar mais informações importantes para o diagnóstico. De acordo com Prestes ( 2003, p. 26), Pesquisa bibliográfica é capaz de atender aos objetivos tanto do aluno, em sua formação acadêmica, quanto de outros pesquisadores, na construção de trabalhos inéditos que objetivem rever, reanalisar, interpretar e criticar considerações teóricas ou paradigmas, ou ainda criar novas preposições na tentativa de explicar a compreesão de fenômenos relativos às mais diversas áreas do conhecimento. Com uma observação não participante em grupo o diagnóstico foi construído com levantamento de dados através entrevistas com colaboradores, e o gerente regional. Conforme Marconi e Lakatos (2002, p. 46) a entrevista é um encontro de duas pessoas, a fim de que uma delas obtenha informações a respeito de determindado assunto, mediante a uma conversação de natureza profissional. Tendo finalizado as técnicas de pesquisas, será demonstrado o próximo assunte que se trata da análise de dados. 2.3 ANÁLISE DE DADOS Em busca do compreendimento parcial do melhor procedimento que se assemelha ao método científico que consiste em delinear um problema, o processo será analisado utilizando um método qualitativo por ser uma das formas mais adequadas de se compreender a natureza

8 8 de um fenômeno e decifrá-lo com base nas relações encontradas e fundamentadas nas inúmeras teorias existentes. De acordo com Richardson (1999, p. 231) Abordagem qualitativa permite entender a natureza de um fenômeno social, tendo como objetivo a análise de situações compleas, vidto que possibilitam um conhecimento em maior profundidade relacionado ao comportamento dos individuos envolvidos no processo. Após análise dos dados, o passo a seguinte no presente relatório é a caracterização da organização e do meio ambiente.

9 9 3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E DO MEIO AMBIENTE A empresa analisada localiza-se na Rua Joaquim Batista de Oliveira, 161, Vila Alagoana, Gurupi, CEP: , atuando no mercado há mais de 15 anos. O Senai é uma empresa sem fins lucrativos que visa a qualificação e o aperfeiçoamento profissional da comunidade, fornecendo cursos profissionalizantes em diversas áreas. Em seguida será apresentado o ambiente interno da empresa estagiada. 3.1 AMBIENTE INTERNO O ambiente interno é tudo o que ocorre entre processos, procedimentos entre outros acontecimentos dentro de uma organização. Ele envolve pessoas, locais, informações, metodologias e estratégias, sendo ele muito importante para identificar as características da empresa, suas qualidades e seus defeitos, em outras palavras seus pontos fortes e seus pontos fracos. No cotidiano desse ambiente deve impreterivelmente ser feita interações constantes entre os participantes desse meio e com o ambiente externo. Segundo Certo e Peter (1993. p.47), ambiente interno é o nivel de ambiente da organização que está dentro da organização e normalmente tem implicacao imediata e específica na administração da organização. Através desse contexto que será analisado os aspectos estratégicos, financeiros, mercadológicos Aspectos estratégicos O SENAI-DR/TO atua significativamente na Educação Profissional e contribui fortemente com a indústria e com acomunidade na pretação de Serviços Técnicos e Técnológicos. Ele oferece cursos profissionalisantes e cursos para iniciantes de aprendizagem para pessoas que tenham interesse em se especializar ou em aprender, tendo como ramo de negócio a Prestação de Serviços. O SENAI-DR/TO atua em 11 áreas profissionais, sendo elas, Alimentos e Bebidas, Automotiva, Construção Civil, Eletrodinâmica, Gestão, Madeira e Mobiliário, Metal

10 10 Mecânica, Refrigeração, Segurança do Trabalho, Tecnologia da Informação e Vestuário. Tendo como seu público alvo funcionários de empresas que solicitão cursos profissionalizantes ou são pessoas que desejam aprender novas profissoes ou aquelas que queiram se aperfeiçoar em determinada área. Em Las Casas, (2001, p.53) define público alvo como quem a empresa quer atingir, análise de ameaças e oportunidades poderá determinar quem serão os clientes de uma empresa. Fundada em 12 de agosto de 1938, CNI surgiu a partir da criação da Confederação Indústrial do Brasil, datada de 1938, uma iniciativa de quatro federações de Industrias: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro ( capital do Brasil na época). (SISTEMA FIETO, 2007). Diante do desafio de ajudar o país a superar os problemas gerados pela Segunda Guerra Mundial, nos anos 40, a entidade lançou as bases para a criação do: SENAI - Serviço Nacional de Apredizagem Indústrial em 1942 SESI Serviço Social da Indústria - em 1969 IEL Instituto Euvaldo Lodi - em 1969 Chegando aos 70 anos de atividade, a CNI defende as reformas institucionais, junto aos poderes constituídos, que levam o país a crescer com eficiência e inclusão. Criado em 22 de Janeiro de 1942, o SENAI surgiu para atender a necessidade da formação de mao de obra industrial básica. (SISTEMA FIETO, 2007). O SENAI-DR/TO foi criado em 1º de Julho de 1992, está permanentemente articulado com o Departamento Nacional do SENAI, em um movimento contínuo de renovação e modernização. No fim da década de 1950, o SENAI tornou-se referência em inovação e qualidade na área de formação profissional, servindo de modelo para a criação de instituições similares em outros países, como Chile Venezuela. O SENAI atualmente passa por um processo de expansão onde inicialmente havia 15mil alunos e atualmente são milhões de matriculas anualmente. Hoje existem 696 unidades operacionais distribuídas em todo o país, onde são oferecidos mais de 2000 cursos. Em 2007 foram prestados serviços de assessoria técnica, tecnológica e laboratorial as empresas que solicitaram esses serviços. (SISTEMA FIETO, 2007). Segundo Chiavenato (2001, p. 223), o planejamento estratégico é o planejamento mais amplo e abrange toda a organização. As diretrizes organizacionais do SENAI-DR/TO são orientadas pela estratégia, descritas no Mapa Estratégico do Sistema Fieto, onde todos colaboradores possuem acesso e

11 11 todas as informações permitidas. De acordo com Kotler (1986. p. 56). O planejamento estratégico é o processo administrativo de desenvolver e manter uma viabilidade entre os objetivos organizacionais e os recursos e as oportunidades de mercado em constante mutação. O alvo do planejamento estratégico é configurar e reconfigurar o negócio da empresa e seus produtos de forma que eles combinem produção de lucro e crescimento. O planejamento estratégico do SENAI avalia antecipadamente, os possíveis impactos que seriam acarretados no futuro pelas decisões tomadas no presente e ocupa-se das grandes questões e requer visão de futuro, pois cuida do que se deseja que aconteça num período de 4 (quatro) anos, em média. Trata-se de um processo que permite o direcionamento a ser seguido, estabelecendo-se a visão de futuro, a missão e um conjunto de objetivos, metas, indicadores e projetos estratégicos. Tendo em vista o alcance de seus objetivos o SENAI tem como missão promover a educação profissional e tecnológica, a inovação é a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. (SENAI, 2007). Segundo Chiavenato e Matos (2002, p. 34), na missão envolve os objetivos essenciais do negócio e está geralmente focalizada fora da empresa, ou seja, no atendimeto a demanda da sociedade, do mercado ou do cliente. O SENAI tendo como visão ser reconhecido como referência em educação profissional pela indútria tocantinense e oferecer serviços técnicos e tecnológicos alinhados as demandas do estado. (SENAI, 2007). Chiavenato e Matos (2002, p. 39), seguem afirmando que a visão é a imagem que a organização tem a respeito de si mesma e do seu futuro. Com esse pensamento correndo nas mentes dos colaboradores a empresa possibilita aos clientes formas de se aprimorarem e melhorarem suas expectativas de futuro visando uma melhor colocação dentro do mercado de trabalho. Os valores da instituição mencionados abaixo, servem como direcionamento para a empresa, fornecendo a ela parâmetros e sustentação, sendo eles: Qualidade - fornecer serviços que agradem os clientes beneficiados; Compromisso com Resultados persistência no cumprimento das metas gerando resultados que garantam o desenvolvimento e a continuidade do SENAI. Inovação motivação para mudanças, fazendo melhor a cada dia e agregando valos permanentemente para o SENAI.

12 12 Rigor na utilização de recursos busca da melhor utilização dos recuros disponíveis; Transparência clareza e visibilidade das estratégias ações e procedimentos, promovendo integridade e confiabilidade do SENAI-DR/TO; Humildade disposição de aprender permanentemente respeitando as diferenças de cada um e reconhecendo no outro o seu valor; Ética construção de um ambiente moralmente integro, no qual os valores essenciais da vida sejam respeitados e as pessoas possam aprender e desenvolver seus conhecimentos e virtudes, (SENAI, 2007). A instituição proporciona aos funcionários especializações para que os mesmos possam se aprimorar dentro de suas capacidades, sendo isso extremamente inportante para o crescimento do capital intelectual da empresa. Oliveira (2006, p. 89), diz que valores representam o conjunto dos princípios e crenças fundamentais de uma empresa, bem como fornecem sustentação a todas as suas principais decisões. Para alguns administradores a política da empresa proporciona parâmetros ou delimitações para que as atividades dentro da empresa possam fluir com naturalidade e sequêncialidade. Tendo como política de orientação, o SENAI se compromete a melhorar continuiamente os seus processos e atender com qualidade e rapidez as necessidades de seus clientes. (SENAI, 2007). Segundo Oliveira (1997, p.74). Política é a definição dos níveis de delegação, faixas de valores e/ou quantidadeslimites e de abrangência das ações para a consecução dos objetivos. A política fornece parâmetros ou orientações para a tomada de decisões. Corresponde a toda base de sustenção para o planejamento estratégico. Assim como as estratégias, normalmente são estabelecidos por áreas funcional da empresa, embora se ressalte que a política é um parâmetro ou orientação para a tomada de decisões pela empresa como um todo. Com uma estrututa organizacional bem definada e coordenada tanto a delegação de função quanto a hierarquia de cargos possibilitam uma gestão adequada ao perfil da empresa, obtendo uma maior eficiência em tudo o que for designado, sendo ela abaixo demosntrada na próxima página desse relatório:

13 13 Figura 1: Organograna da empresa SENAI 2009 Fonte: Dados primários (2009) Segundo Chiavenato (2001, p. 251), o organograma permite a visualização da estrutura do organismo de forma simples e direta. Ele é estático por definição sendo uma espécie de retrado do esqueleto organizacional da empresa. O organograma construido para o SENAI levou em conta as condições da organização e suas estruturas. Ele foi construído com a participação dos gerentes nacionais e a FIETO a (Federação Nacional das Indústrias do Tocantins), sendo as decisões tomadas em um consenso entre a alta Administração. Segundo Certo e Peter (1993, p. 86), uma parte significativa do trabalho de qualquer administrador envolve a tomada de decisão. O administrador que sabe quais os objetivos estabelecidos para a organização descobre que é mais fácil tomar decisões que garantam atingir os objetivos organizacionais. Tendo uma estrutura organizacional completa e adequada as estratégias da empresa, com quatro grupos de unidades organizacionais sendo eles: Alta Gestão do SENAI-DR/TO; Assessorias do Conselho e as Unidades;

14 14 Unidades de Gestão do SENAI-DR/TO; Unidades Operacionais do SENAI-DR/TO; Para Oliveira (1997, p.77), estrutura organizacional é o conjunto de responsabilidades, autoridades, comunicações e decisões das unidades organizacionais de uma empresa. Dentro da estrutura organizacional a tecnologia é largamente utilizada, através de acompanhamentos dentro dos departamentos que auxilia em cada atividade realizada. A empresa possui um sistema informação integrado que controla todos os passos da organização. Esse programa se intitula ZEUS, o qual foi criado sob incomenda pela ZEUS RESOLUTINS para que fosse implantado e utilizado pelo SENAI. Ele proporciona ao gerente ou administrador acompanhar o que está sendo realizado. De acordo com Oliveira (2002a, p. 40), sistema de informação é um sistema integrado homem-máquina que prevê informações para dar suporte as funções de operação, administração e tomada de decisões na empresa. O planejamento para aquisição ou renovação do sistema é feita anualmente, na elaboração do orçamento anual da Unidade. O departamento responsável pela sua manutenção é a UNISIS. A manutenção do sistema de informação é feito diariamente, visto que o mesmo atende a todo o DR-TO, não podendo assim apresentar qualquer defeito no decorrer do trabalho. Com o auxílio do ZEUS nos pedidos de compras discorre-se da seguinte maneira, primeiramente entra-se em conrato com três fornecedores, segundo: lança a solicitação de matérias no programa Zeus, terceiro: depois de autorizada a solicitação é gerado um processo, quarto: Após a autorização do processo é gerado um pedido que avalia a melhor cotação de varias formas como por exemplo: preço qualidade do produto entre outros em seguida o pedido e autorizado e é emitido para ser entregue ao fornecedor que entregará o material de acordo com o pedido, quinto: Ao receber o material o departamento de compras verifica se está de acordo com as exigências atesta o recebimento e fica com a nota fiscal, em seguida lança o registro desta nota no programa Zeus e confere se o material entrou no Almoxarifado após isso encaminha o pedido e a nota devidamente registrados ao departamento Financeiro. Além de facilitar o processo de compras, ele colabora no alcançe dos objetivos e metas fixados pela empresa, onde esses objetivos são: ser reconhecido como referência em educação profissional pela indústria tocantinense e oferecer serviços técnicos e tecnológicos alinhados às demandas do estado (SENAI, 2000).

15 15 As metas são lançadas de acordo com o estudo de mercado realizado, são aprovadas durante a realização orçamento gerencial para o ano de exercicio. (SENAI, 2000). Estes objetivos e metas são de conhecimento de todos os funcionários. Com base nas conexões descritas por Oliveira (2006, p. 78), metas corresponde aos passos ou etapas, claramente quantificados e com prazos para alcançar seus desafios e objetivos. Tendo como uma perspectiva de futuro ser reconhecido como referência em educação profissional pela indústria tocantinense e oferecer serviços técnicos e tecnológicos alinhados às demandas do estado até o ano de Conforme Oliveira (2006, p. 64), ponto forte é a diferenciação conseguida pela empresa variável controlável que-lhe proporciona uma vantagem operacional no ambiente empresarial. Identificados como sendo os pontos fortes da empresa SENAI os abaixo citados: Importância que a LDB dá à educação profissional. Demanda reprimida do Estado por educação profissional, com o desenvolvimento de competências profissionais vinculadas com os avanços tecnológicos; Demanda de atividades pelo Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda. Trabalhar com novas demandas. Altos índices de desemprego no estado, principalmente para a população mais jovem. Seguindo a mesma linha, Oliveira (2006, p.90), define pontos fracos como variáveis internas e controláveis que provocam um a situação desfavorável para a empresa, em relação a seu ambiente. Os pontos fracos identificados da empresa SENAI são os abaixo citados: Pouca divulgação dos cursos oferecidos pela instituição; Falta de estrutura para ministrar alguns cursos específicos, exemplo NR-10, um curso na área de eletricidade; Localização da instituição.

16 16 Visando sempre minimizar os pontos fracos e tentando transformá-los em oportunidades, a empresa busca através de investimentos e formulação de novos projetos melhorar as condições necessitadas, para que elas não interfiram no desenvolvimento da empresa. A empresa busca incentivar movimentos sociais através cursos profissionalizantes gratuitos que possibilitam a melhoria educacional da comunidade. O SENAI trabalha a responsabilidade social através das ações voltadas para a gratuidade, com curso de formação profissional e aprendizagem industrial para jovens de 14 a 24 anos. (SISTEMA FIETO, 2007). Para Etzel, Walter e Stanton (2001, p. 13), A responsabilidade social de uma empresa pode ser totalmente compatível com o conceito de marketing. A compatibilidade depende de duas coisas: quão amplamente uma empresa percebe seus objetivos de marketing e quanto tempo ela pretende esperar para atingir seus objetivos. Tendo finalizado os aspectos estratégicos, passará a ser descrito os aspectos financeiros da instituição demonstrando sua importância para a mesma Aspectos financeiros O SENAI possui um responsável pelo setor financeiro, onde sobre ele recai várias responsabilidades. Nesse cargo o ocupante necessita de formação específica na área, e tudo o que envolve o orçamento deve ser aprovado por ele, se isso não ocorrer o processo não pode ter continuidade. Gitman (2002, p. 4) afirma que: Administração financeira diz a respeito às responsabilidades do administrador financeiro numa empresa. Os administradores financeiros administram ativamente as finanças de todos os tipos de empresa financeiras ou não; desempenham uma variedade de tarefas tais como orçamentos, previsões financeiras, administração do caixa, administração do crédito, análise de investimentos e captação de fundos. Os demonstrativos são elaborados, analisados e aprovados pela UNIFIN Unidade Financeira, já quem audita as unidades regionais é a CGU Controladoria Geral da União, visto que a instituição recebe verba do governo federal através do Compulsório. Sendo feito o acompanhamento de cada investimento pelas auditorias internas e externas. Auditoria externa

17 17 permite estimar a participação de mercado de um produto com relação aos seus concorrentes, e pode indicar se essa participação esta caindo, mantendo-se ou subindo. (COBRA, 1992, p. 165). A auditoria externa é feita por um profissional totalmente independente da empresa auditada. O objetivo do auditor externo é emitir uma opinião (chamado parecer) sobre as demonstrações financeiras. Já a auditoria interna é feita por um funcionário da própria empresa, sempre seguindo orientações superiores. De acordo com Chiavenato (2001, p.361), na auditoria interna faz-se uma análise organizacional das condições internas para permitir uma avaliação dos principais pontos fortes que a organização possui. Com a constatação da normalidade dentro da organização o auditor constrói um relatório especificando cada item que foi auditado, sendo ele enviado para o departamento nacional, onde é elaborado o plano de contas ou elenco de contas. O plano de conta serve para nortear o trabalho contábil, objetivamente sendo utilizado como parâmetro para elaborações das demonstrações contábeis. (NYDUS, 2002). Servindo de base para tomada de decisões o plano de contas é utilizado para a elaboração do orçamento anual, sendo ele elaborado no decorrer do ano anterior ao de exercício, visando atender as necessidades de cada setor, com suas metas lançadas. Os valores orçados são lançados no programa gerencial ZEUS, que faz o controle das despesas e das receitas. Conforme Braga (1989, p.230), o sistema orçamentário traduz, em quantidades fiscais e valores monetários, o desenvolvimento e os resultados de todos os planos das unidades operacionais e órgãos administrativos da empresa. A empresa não possui contas a receber em aberto, pois todos os cursos ministrados são realizados através de matrículas e pagamentos adiantados, com isso o número de inadimplentes é bem próximo de zero. O procedimento que é utilizado na organização em relação a contas é apenas o de contas a pagar, pois é feito um acompanhamento de cada processo através do ZEUS, e todos os departamentos utilizam esse programa no cotidiano. Juntamente com a elaboração do planejamento orçamentário, é realizado o planejamento fiscal de acordo com o vigente. Segundo Ribeiro (2005, p. 56), planejamento fiscal é uma das principais metas de uma empresa, visa amenizar da melhor maneira possível, seus custos, principalmente no que se refere ao recolhimento de impostos.

18 18 Em reuniões realizadas periodicamente são apresentados os relatórios de controle do orçamento, sendo descriminadas receitas e despesas pelos relatórios gerados pelo ZEUS. A empresa não possui fluxo de caixa diário, uma vez que o orçamento é feito anualmente, onde os valores são gerados em épocas específicas de inicio dos cursos, com isso gera um fluxo de caixa periódico. De acordo com Gitman (2002), no fluxo de caixa é necessário atendo tanto o pagamento quanto ao recebimento, para verificar se há saldo suficiente para os pagamentos de futuras contas no seu vencimento. Afirma Gitman (2004, p.42): Capital de giro é o elemento integrante do patrimônio da empresa. A empresa sabeda importância e necessidade do capital de giro, facilitando para que o empresário,não venha a contrair dívidas ou empréstimo que acarretara ônus à empresa, e diminuindo a rentabilidade do negócio proposto, além de evitar que a reputação da empresa venha a ser abalada. Tendo terminado os aspectos financeiros, demonstrando seus passos e sua importância para as organizações, o próximo capítulo será os aspectos mercadológicos Aspectos mercadológicos De acordo com a necessidade mercadológica o responsável pelo departamento é um funcionário especializado na área e formado em jornalismo, tendo assim capacidade de melhorar essa função dentro da empresa. Segundo Kotler (1998, p. 27), marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de produtos de valor com outros. Utilizando alguns dados do departamento de marketing a empresa realiza a coleta de informações em uma pesquisa de mercado, objetivando descobrir as necessidades e desejos dos clientes. Kotler (1998, p. 4), diz que são as necessidades que resultam de situações de privação. Entre essas necessidades estão: necessidades físicas básicas de alimentação, vestuário, abrigo e segurança; necessidades sociais de bens e afeto; e necessidades individuais de conhecimento e auto-expressão.

19 19 Com a variação econômica ocorre o surgimento de novas idéias, novos produtos, inovações tecnológicas e isso gera o aparecimento de novos desejos, surgindo assim uma demanda que precisa ser suprida pelas empresas. Conforme Kotler (1998. p. 4), desejos são formas que as necessidades humanas assumem quando são particularizados por determinada cultura e pela personalidade individual. Para demonstrar as atividades que a empresa proporciona a divulgação através de rádio, TV, carro de som e panfletagem, com o objetivo de atingir as metas lançadas. O resultado deste trabalho é visto pelo número inscritos nos cursos divulgados. Conforme Cobra (1992, p. 595), a propaganda é uma das quatro maiores ferramentas que uma organização pode utilizar para, através de uma comunicação persuasiva, levar as pessoas a comprarem um produto, um serviço, ou mesmo uma idéia. Periódicamente a empresa utiliza através do canal de televisão e rádio como canal de divulgação e obtém resultado positivo. Dentro do SENAI não existe departamento responsável pela distribuição, visto que a natureza da empresa não proporciona isso. Conforme Cobra (1992, p. 127), a distribuição são aliados da empresa para colocação de seus produtos no mercado, prestando ainda serviços de estocagem, promoção e transporte.os preços são estabelecidos de acordo com os custos do serviço, visto que a instituição é sem fins lucrativos. Segundo Cobra (1992, p. 468), preço é o valor justo pela posse de um bem ou um serviço. Utilizando algumas formas de diferenciação como prazo e descontos na quitação das matrículas, o SENAI disponibiliza aos seus clientes preços e prazos diferenciados para cada cliente. Para o setor industriário tem um desconto de 10% e no comerciário de 5% do valor total. De acordo com Kotler (1998, p. 254), diferenciação é o ato de desenvolver um conjunto de diferenças significativas para distinguir a oferta da empresa das ofertas concorrentes de seus concorrentes. A empresa utiliza agentes de mercado, que fazem visitas periódicas nas empresas, o comércio eletrônico é utilizado para possíveis clientes de outras localidades. Para Kotler (1998, p. 36), o conceito de venda assume que os consumidores, se deixados sozinhos, normalmente, não comprarão o suficiente dos produtos da organização. Assim, a organização deve empregar um esforço agressivo de venda e de

20 20 promoção. Existem metas para os agentes de mercado, que são estipuladas no momento do planejamento do orçamento. O controle do atingimento destas metas são controladas por um programa eletrônico SGRM (sistema gerenciador de relações com mercado), onde são lançados todas as visitas realizadas no período. Quando se tem o início de um processo de lançamento de um novo produto, a empresa realiza a pesquisa de mercado tendo noção de que esse lançamento necessita de dotação orçamentária. Sempre buscando manter seus clientes satisfeitos a empresa mantém um banco de dados onde estão armazenados as informações dos clientes, as quais são utilizadas pela empresa para melhoria no atendimento e exclusividade aos clientes. O cadastro é feito no programa gerenciador SGRM, que conta com todos os dados referente ao cliente, suas necessidades e perspectivas. Conforme Kotler (1998, p. 618), fidelização ou marketing de relacionamento acontece quando a empresa está interessada em conquistar um cliente específico para atendêlo durante muito tempo. Sendo concluído os aspectos mercadológicos será abordado na sequência os aspectos de recursos humanos da empresa Aspectos de recusos humanos Tendo como responsável pelo departamento de recuros humanos um profissional formado na área de psicologia e com experiência de mercado devido a um trabalho que desenvolveu em outra organização. Através disso suas funções se estendem a prepação de questionários para as entrevistas, formula também um questionário que é passado aos funcionários para que respondam, e com isso temos a possibilidade de constatar a sua satisfação em relação a empresa e quais suas necessidades. Na visão da organização o profissional que deve ser contrato deve obter as mesmas características dos funcionários que já trabalham na empresa, que são persistência, criatividade e transparência. Para facilitar a relação interpessoal entre colaboradores o SENAI estabelece normas de pardronização e organização nas atividades da empresa, uso de uniformes e

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 01 Finanças e Empresas Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO Finanças e Empresas... 3 1. Introdução a Administração Financeira... 3 2. Definições... 3 2.1. Empresas...

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 244 ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 1 Entrevista com Francisco Diretor de Articulação Nacional da ABRAIC, sobre a profissão de analista de inteligência competitiva

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI A) Área de Administração Geral ÁREAS E ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagiário desta área de interesse deverá participar de atividades essenciais de uma empresa, tais como: marketing, produção,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO ELABORANDO O PLANO DE NEGÓCIOS 16h Entendendo o negócio Perfil do Empreendedor de Sucesso Visão e missão do Negócio Características do Plano de Negócios Plano de Investimento

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Pós Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Público - alvo Pós Graduação em Organizacional Integrada Indicado para profissionais de comunicação organizacional, relações públicas, assessores de comunicação, gestores de comunicação, bem como para

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SET / 2013. INTRODUÇÃO O presente documento visa proporcionar ao aluno inscrito no Estágio Supervisionado do Curso

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

REGULAMENTO Prêmio IEL de Estágio 2014

REGULAMENTO Prêmio IEL de Estágio 2014 REGULAMENTO Prêmio IEL de Estágio 2014 Curitiba, Fevereiro de 2014 Sumário 1. O PRÊMIO... 3 2. OBJETIVOS... 4 3. CATEGORIAS DE PREMIAÇÃO... 5 4. ETAPAS DE AVALIAÇÃO... 5 5. PREMIAÇÃO... 5 6. PARTICIPAÇÃO/INSCRIÇÃO...

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais