Cobras, Tartarugas e Lagartos Silvestres da PVSuL. - Os Répteis -

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cobras, Tartarugas e Lagartos Silvestres da PVSuL. - Os Répteis -"

Transcrição

1 Cobras, Tartarugas e Lagartos Silvestres da PVSuL - Os Répteis -

2 Cobras, lagartos e tartarugas são animais incríveis!! Apesar de muitos terem medo das cobras, elas nos fascinam por caminharem sem terem pernas, subirem em árvores sem terem braços ou mãos. Alguns lagartos, como a pequena lagartixa ou o grande teiú, podem ser facilmente encontrados perto (ou dentro) de casas. As tartarugas d água, apesar de serem mais difíceis de ver, também são bem conhecidas de muitos. No Centro de Eventos Palavra da Vida-Sul existem diversas espécies de cobras, lagartos e tartarugas d água, todas silvestres. Cada espécie tem sua importância dentro da Natureza, e esse é o motivo de não matarmos nehum desses animais. Nessa pasta, apresentamos as espécies que encontramos aqui na propriedade ou na região até hoje. Todas as fotos foram tiradas por nós. Lembre-se: respeite essas espécies e o lugar onde vivem, sempre tomando especial cuidado com aquelas espécies de cobras que são peçonhentas. Aliás, só três espécies de cobras aqui na região possuem peçonha capaz de provocar acidentes mais sérios. Nenhum lagarto ou tartaruga silvestre no Brasil possui veneno. E um último pedido: JAMAIS mate um desses animais. Isso será mais seguro prá você, e garantirá que a espécie sobreviva por aqui. Quando ver algum deles, avise alguém da PVsul. Teremos alegria em explicar mais sobre a espécie. Bom divertimento! Equipe PVSul

3 Nome popular: Cobra-cipó, caninana verde Nome científico: Chironius bicarinatus É perigosa? Não possui veneno, mas para se se defender costuma morder Tamanho: Grande, até 1,70m. Alimentação: Sapos, lagartos e aves. Ecologia: Ativa durante o dia. Seu corpo, fino e comprido, auxilia na locomoção sobre árvores e arbustos, o que dá origem aos seu nome popular. É ovípara (põem ovos).

4 Nome popular: Cobra-dágua Nome científico: Helicops infrataeniatus É perigosa? Não possui veneno, mas para se se defender costuma morder Tamanho: Médio, até 1 metro. Alimentação: Peixes e sapos. Ecologia: Ativa durante o dia e à noite. Vive na água, possuindo um sistema de fechamento da narina prá que não entre água quando a cobra mergulha. É comum em açudes, onde caça peixes. É vivípara (dá à luz diretamente a filhotes).

5 Nome popular: Cobrinha-de-banhado, cobra-verde Nome científico: Liophis poecilogyrus É perigosa? Não possui veneno e normalmente não é agressiva Tamanho: Médio, até 70 centímetros Alimentação: Sapos (adultos, ovos e girinos) e peixes. Ecologia: Espécie comum, é ativa durante o dia e raramente também à noite. Vive em banhados e próximo a arroios. É ovípara (põem ovos).

6 Nome popular: Corredeira, cobra-espada Nome científico: Tomodon dorsatus É perigosa? Não possui veneno, mas costuma dar muitos botes e mordidas Tamanho: Médio, até 60 centímetros Alimentação: Lesmas Ecologia: É ativa durante o dia e à noite e vive em campos e matas. É vivípara (dá à luz diretamente a filhotes). Pode ser confundida com a jaraca e a cruzeira, apesar das diferenças de cor e de escamas da cabeça.

7 Nome popular: Parelheira, papa-pinto Nome científico: Philodryas patagoniensis É perigosa? Não possui veneno, mas quando ameaçada costuma dar botes Tamanho: Grande, até 1 metro e meio Alimentação: Peixes, sapos, lagartos, pássaros, mamíferos e outras serpentes, inclusive venenosas Ecologia: É ativa durante o dia, ovípara (põem ovos) e vive em campos e beiras de matas. Quando em perigo, pode se achatar, dar botes ou se fingir de morta.

8 Nome popular: Corredeira-do-mato Nome científico: Echinanthera cyanopleura É perigosa? Não possui veneno e normalmente não é agressiva Tamanho: Médio, até 90 centímetros Alimentação: Sapos e lagartos Ecologia: É ativa durante o dia, ovípara (põem ovos) e vive em matas. Quando em perigo, se movimenta rapidamente, daí seu nome popular.

9 Nome popular: Dormideira Nome científico: Sibynomorphus cf. neuwiedi É perigosa? Não possui veneno e não é agressiva Tamanho: Médio, até 70 centímetros Alimentação: Lesmas e caracóis Ecologia: É ativa durante a noite, vive em matas e campos e é ovípara (põem ovos). Pode ser confundida com a jaraca e a cruzeira, apesar das diferenças de cor e de escamas da cabeça.

10 Nome popular: Cobrinha-de-campo Nome científico: Liophis almadensis É perigosa? Não possui veneno e não é agressiva Tamanho: Médio, até 60 centímetros Alimentação: Sapos, lagartos e camundongos Ecologia: Vive em matas e campos e é ovípara (põem ovos).

11 Nome popular: Cobra-cipó, cipó-listrada, cobra-verde. Nome científico: Philodryas olfersii É perigosa? Possui saliva potencialmente tóxica, apesar de seus dentes não serem tão especializados para injetar veneno como os das espécies peçonhentas (jararaca, cascavel). Tamanho: Grande, até 1,50m. Alimentação: Pequenos roedores, sapos, lagartos e aves. Ecologia: Ativa durante o dia. Vive em matas e áreas abertas mas com árvores, inclusive perto de casas. Seu corpo, fino e comprido, auxilia na locomoção sobre árvores e arbustos. É ovípara (coloca ovos).

12 Nome popular: Jararaca, jararaca-do-rabo-branco Nome científico: Bothropoides jararaca (anteriormente Bothrops jararaca) É perigosa? Sim! Possui veneno que pode ser letal. Tamanho: Grande, até 1,20 m. Alimentação: Sapos (filhotes os atraem com a ponta do rabo branca), lagartos, camundongos e ratos. Ecologia: É ativa principalmente ao entardecer, quando sai para caçar, e pela manhã, quando costuma ficar perto de seu refúgio em algum lugar ao sol. É vivípara (dá à luz diretamente a filhotes) e vive principalmente em matas. A única forma adequada de tratar mordida de cobras peçonhentas é recebendo o soro no hospital. Jamais faça torniquete (amarrar o local)!

13 Nome popular: Cruzeira, Urutu Nome científico: Rhinocerophis alternatus (anteriormente Bothrops alternatus) É perigosa? Sim! Possui veneno que pode ser letal. Tamanho: Grande, até 1,50 m. Alimentação: Sapos, lagartos, camundongos e ratos. Ecologia: É ativa principalmente ao entardecer, quando sai para caçar, e pela manhã, quando costuma ficar perto de seu refúgio em algum lugar ao sol. É vivípara (dá à luz diretamente a filhotes) e vive principalmente em campos. A única forma adequada de tratar mordida de cobras peçonhentas é recebendo o soro no hospital. Jamais faça torniquete (amarrar o local)!

14 Nome popular: Dormideira-rajada Nome científico: Sibynomorphus ventrimaculatus É perigosa? Não possui veneno e não é agressiva Tamanho: Médio, até 65 centímetros Alimentação: Lesmas e caracóis Ecologia: É ativa durante a noite, vive em matas e campos e é ovípara (põem ovos). Pode ser confundida com a jaraca e a cruzeira, apesar das diferenças de cor e de escamas da cabeça. O ventre tem muitas manchas, o que a diferencia da outra dormideira (Sibynomorphus cf. neuwiedi).

15 Nome popular: Corredeira-do-campo Nome científico: Thamnodynastes hypoconia É perigosa? Não possui veneno e não é agressiva Tamanho: Até 70 centímetros Alimentação: Rãs e lagartos Ecologia: Vive nos campos e banhados, onde encontra suas presas. Essa espécie é semelhante à cobraespada, mas a cor do ventre e a cor rosada da boca (é preta na cobra-espada) ajudam a diferenciar as duas. Não coloca ovos, dando à luz filhotes dentro de finas membranas.

16 Foto: Cecília Mallmann Nome popular: Coral-verdadeira, cobra-coral Nome científico: Micrurus altirostris É perigosa? Sim! Possui o veneno mais potente, mas é rara e portanto causa pouquíssimos acidentes. Tamanho: Chega a mais de um metro Alimentação: Cobras-cegas, cobras e lagartos Ecologia: Na nossa região é rara. É ativa durante o dia, e vive em locais abertos, se escondendo debaixo da terra, dentro de troncos podres e dentro de cupinzeiros. Os anéis pretos, brancos e vermelhos que são sua característica dão a volta em todo o corpo, incluindo o ventre ( barriga ). A falsa-coral, apesar de possuir as mesmas cores, tem o ventre branco, ou seja, os anéis não dão a volta completa. Coloca ovos (ovípara). A única forma adequada de tratar mordida de cobras peçonhentas é recebendo o soro no hospital. Jamais faça torniquete (amarrar o local)!

17 Nome popular: Falsa-coral Nome científico: Oxyrhopus rhombifer É perigosa? Não possui veneno e não é agressiva Tamanho: Médio, até 1 metro Alimentação: Lagartos, camundongos e ratos. Ecologia: É ativa principalmente à noite. Vive em campos e é ovípara (coloca ovos). Pode ser confundida com a coral-verdadeira, apesar de possuir a barriga branca, sem os anéis vermelhos e pretos típicos da coral-verdadeira.

18 Nome popular: Teiú, tejuaçú, lagarto-do-papo-amarelo Nome científico: Tupinambis merianae É perigoso? Não possui veneno e só é agressivo se capturado. Nenhuma espécie de lagarto no Brasil é venenosa. Tamanho: Grande, até 1,40 m. Alimentação: Insetos, caracóis, peixes, sapos, serpentes, aves, ratos, frutas. Ecologia: É ativo principalmente de dia. Vive em campos e matas e é ovíparo (põem ovos).

19 Nome popular: Lagartixa-comum Nome científico: Hemidactylus mabouia É perigoso? Não possui veneno mas é agressiva, podendo morder. Nenhuma espécie de lagarto no Brasil é venenosa. Tamanho: Pequena, até 13 cm. Alimentação: Insetos e aranhas. Ecologia: É ativa durante a noite e vive dentro ou perto de casas, raramente em locais mais afastados. É ovípara (coloca ovos). Pode mudar a cor do corpo, ficando parecida com a cor da superfície sobre a quel está. Possui estruturas nos dedos que a capacitam a caminhar em superfícies lisas e mesmo de cabeça para baixo.

20 Nome popular: Cobra-de-vidro Nome científico: Ophiodes sp. É perigoso? Não possui veneno e não é agressiva. Nenhuma espécie de lagarto no Brasil é venenosa. Tamanho: Pequeno, até 40 cm. Alimentação: Insetos e aranhas Ecologia: Vive em campos e bordas de mata, é ativo principalmente durante o dia e é ovíparo (põem ovos). Esse lagarto, por não possuir patas, é muitas vezes tido como serpente. Todavia, pode soltar o rabo em vários pedaços, o que dá origem ao seu nome popular, e consegue piscar, o que é normal para lagartos mas não para cobras.

21 Nome popular: Lagartinho-verde Nome científico: Teius oculatus É perigoso? Não possui veneno e não é agressivo. Nenhuma espécie de lagarto no Brasil é venenosa. Tamanho: Pequeno, até 40 cm. Alimentação: Insetos. Ecologia: É ativo de dia. Vive em campos e locais pedregosos. É ovíparo (coloca ovos).

22 Nome popular: Cágado pescoço-de-cobra Nome científico: Hydromedusa tectifera É perigosa? Pode morder e arranhar se capturada. Nenhuma espécie de tartaruga no mundo é venenosa. Tamanho: Até 30 cm de casco Alimentação: Peixes, insetos, caracóis, sapos e crustáceos (lagostins, camarões e caranguejos) Ecologia: Vive em rios, lagos e açudes. È ativa durante o dia e à noite. Todas as tartarugas são ovíparas (põem ovos). Prender, vender ou comprar animais silvestres é crime e prejudica a natureza!

23 Nome popular: Tigre dágua, tartaruga verde-amarela Nome científico: Trachemys dorbigni É perigosa? Pode morder e arranhar se capturada. Nenhuma espécie de tartaruga no mundo é venenosa. Tamanho: Até 30 cm de casco Alimentação: Peixes, insetos, plantas, caracóis, sapos, carniça e crustáceos (lagostins, camarões e caranguejos) Ecologia: Vive em rios, lagos e açudes e é ativa durante o dia e à noite. Todas as tartarugas são ovíparas (põem ovos). Pode viver até 30 anos. Prender, vender ou comprar animais silvestres é crime e prejudica a natureza!

RASTROS E VESTÍGIOS. Animais Silvestres da PV Sul

RASTROS E VESTÍGIOS. Animais Silvestres da PV Sul RASTROS E VESTÍGIOS De Animais Silvestres da PV Sul Muitos animais são vistos só RARAMENTE. Isso porque aprenderam a evitar o ser humano, que os caça ou assusta de alguma outra forma, ou porque são mais

Leia mais

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Alguns, encobertos pela água. Outros, ativos à noite. A maioria, raramente vista. Os peixes e crustáceos presentes no PV-Sul representam dois grupos de animais presentes

Leia mais

Série Didática Número 5

Série Didática Número 5 Animais Peçonhentos: Serpentes_ Serpentes são animais vertebrados que pertencem ao grupo dos répteis. Seu corpo é coberto de escamas, o que Ihes confere um aspecto às vezes brilhante, às vezes opaco, ou

Leia mais

Sapos e rãs da PVSuL (e região) - Os anfíbios

Sapos e rãs da PVSuL (e região) - Os anfíbios Sapos e rãs da PVSuL (e região) - Os anfíbios Misteriosos Sapos e rãs são animais extraordinários, e fazem parte do grupo dos anfíbios junto com as salamandras e as cecílias (ou cobra-cegas ). Muitas espécies

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS RÉPTEIS CARACTERÍSTICAS GERAIS Répteis do latim REPTARE= RASTEJAR. Têm cerca de 7 mil espécies. Surgiram há cerca de 300 milhões de anos. Vivem em ambientes terrestres (secos) ou alguns são aquáticos.

Leia mais

SERPENTES PEÇONHENTAS Família Elapidae Micrurus corallinus - Cobra-coral* Micrurus frontalis - Cobra-coral

SERPENTES PEÇONHENTAS Família Elapidae Micrurus corallinus - Cobra-coral* Micrurus frontalis - Cobra-coral SERPENTES Família Elapidae Micrurus corallinus - Cobra-coral* Micrurus frontalis - Cobra-coral Família Viperidae Bothrops alternatus - Urutu* Bothrops atrox - Jararaca do norte Bothrops bilineata - Jararaca

Leia mais

truta - sapos - rãs - tartaruga - serpente - garça - andorinha - morcego - macaco

truta - sapos - rãs - tartaruga - serpente - garça - andorinha - morcego - macaco PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 3º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== 01- Marque com um (X) a(s) alternativa(s)

Leia mais

COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques

COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques Classificar as cobras como venenosas ou não venenosas é um equívoco, já que todas apresentam veneno, sendo este sua saliva capaz de degradar a

Leia mais

Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios

Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios Disciplina: Ciências Série: 6ª - 3º BIMESTRE Professor: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Anfíbios e Répteis Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios Anfíbio é um termo que significa vida dupla, ou

Leia mais

Os animais. Eliseu Tonegawa mora com a família - a. www.interaulaclube.com.br. nova

Os animais. Eliseu Tonegawa mora com a família - a. www.interaulaclube.com.br. nova A U A UL LA Os animais Atenção Eliseu Tonegawa mora com a família - a esposa, Marina, e três filhos - num pequeno sítio no interior de São Paulo. Para sobreviver, ele mantém algumas lavouras, principalmente

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A.

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. AFUGENTAMENTO E RESGATE DE FAUNA NA ÁREA DE SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO DA UNIDADE INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE CELULOSE DO MARANHÃO INTRODUÇÃO Atividades de resgate de fauna são normatizadas

Leia mais

Não ficam longe da água. Respiram também pela pele. Ajudam a controlar a população de moscas e mosquitos. primeiras vítimas do desequilíbrio.

Não ficam longe da água. Respiram também pela pele. Ajudam a controlar a população de moscas e mosquitos. primeiras vítimas do desequilíbrio. Não ficam longe da água. Respiram também pela pele. Ajudam a controlar a população de moscas e mosquitos. primeiras vítimas do desequilíbrio. Brasil: 776 espécies no total. O Rio Grande do Sul: 95 espécies

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 08 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP 0 Intenção sem ação é ilusão. Ouse fazer e o poder lhe será dado

Leia mais

SOCIEDADE PAULISTA DE ZOOLÓGICOS

SOCIEDADE PAULISTA DE ZOOLÓGICOS LEVANTAMENTO DE RÉPTEIS DO PARQUE MUNICIPAL MANOEL PEDRO RODRIGUES, ALFENAS-MG. Autores Ribeiro Júnior, M.A. marcoantonio@unisol.org.br 1 Leal, L.M.C. liliam.leal@ig.com.br 2 Brandão, A.A.A. andreabrandao@pitnet.com.br

Leia mais

JORNAL ANIMAL TIRINHAS

JORNAL ANIMAL TIRINHAS JORNAL ANIMAL 26 DE SETEMBTO DE 2011 ESTE JORNAL FOI PRODUZIDO PELOS ALUNOS DOS 2os ANOS DA ESCOLA MUNICIPAL 25 DE MARÇO COM AUXÍLIO DAS PROFESSORAS MÁRCIA E LUCIANE. O OBJETIVO DESTE TRABALHO É INCENTIVAR

Leia mais

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO I Unidade 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO UNIDADE I: A VIDA EM NOSSO PLANETA Introdução A ciência se faz com observação da natureza, perguntas e busca de respostas. Você já observou como o Planeta Terra

Leia mais

A Diversidade da Floresta

A Diversidade da Floresta A Diversidade da Floresta por Rhett Butler, Janeiro 2008 Uroplatus fimbriatus lagarto em Madagascar. (Foto de R. Butler) A Arte da Desilusão: Mimetismo e Camuflagem MIMETISMO Existem três formas de mimetismo

Leia mais

Apresentação. Giselle Agostini Cotta Coleção Científica de Serpentes Fundação Ezequiel Dias

Apresentação. Giselle Agostini Cotta Coleção Científica de Serpentes Fundação Ezequiel Dias Apresentação Os acidentes ocasionados por serpentes, escorpiões, aranhas e abelhas constituem um grave problema de saúde pública no Brasil. Assim, a disponibilização deste guia pretende contribuir para

Leia mais

- ENSINO. Texto 1. selva. Esse. Tempo. 1) feroz bravo.

- ENSINO. Texto 1. selva. Esse. Tempo. 1) feroz bravo. PROFESSOR: EQUIPEE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 2 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ======== ========= ========= ========= ========= ========= ======== ======== ========= == Texto 1 OLHA

Leia mais

O sábio sempre sabe do sítio, da sinuosidade e do sono das serpentes. Luiselza Pinto. Guia de identificação de serpentes do Bairro Guapiruvu, Brasil

O sábio sempre sabe do sítio, da sinuosidade e do sono das serpentes. Luiselza Pinto. Guia de identificação de serpentes do Bairro Guapiruvu, Brasil O sábio sempre sabe do sítio, da sinuosidade e do sono das serpentes. Luiselza Pinto Guia de identificação de serpentes do Bairro Guapiruvu, Brasil Guia de identificação de serpentes do Bairro Guapiruvu,

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza Moluscos Animais de corpo mole Os moluscos são os animais de corpo mole, habitam ambientes terrestres e aquáticos. Representantes: ostra, lula, polvo, sépia, lesma e caracol.

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES PROFESSOR DISCIPLINA TURMA DEISE MENEZES CIÊNCIAS 201 ALUNO SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br Questão 1 Numere: ( 1 )

Leia mais

A ema vive no cerrado onde existem muitos arbustos e capim. O terreno é plano com pequenas ondulações. Há longos períodos de seca.

A ema vive no cerrado onde existem muitos arbustos e capim. O terreno é plano com pequenas ondulações. Há longos períodos de seca. 12 EMA CUXIÚ 1 A ema vive no cerrado onde existem muitos arbustos e capim. O terreno é plano com pequenas ondulações. Há longos períodos de seca. Este macaco é com certeza muito engraçado. A cauda mais

Leia mais

Assustadores e Venenosos

Assustadores e Venenosos Assustadores e Venenosos Assustado e chocado com as plantas tóxicas? Agora o temor e o choque serão ainda maiores. Nos próximos slides, os três animais peçonhentos mais famosos e perigosos que existem

Leia mais

Aracnideos da PVSul. Aranhas, Escorpiões e opiliões

Aracnideos da PVSul. Aranhas, Escorpiões e opiliões Aracnideos da PVSul Aranhas, Escorpiões e opiliões Temidos! As aranhas, opiliões e escorpiões são, geralmente, pouco conhecidos, mas muito temidos! Algumas poucas espécies realmente podem ser perigosas

Leia mais

DIVERSIDADE DE RÉPTEIS EM UMA ÁREA DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

DIVERSIDADE DE RÉPTEIS EM UMA ÁREA DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL DIVERSIDADE DE RÉPTEIS EM UMA ÁREA DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL DIVERSIDADE DE RÉPTEIS EM UMA ÁREA DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Reptiles diversity in an area of the

Leia mais

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Além do vegetais outros organismos habitavam o ambiente terrestre Organismos de corpo mole como moluscos e anelídeos Organismos com cutícula redução da

Leia mais

Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!!

Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!! anguezal Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!! EDITORIAL Pelas páginas desta revista, você encontrará muitos

Leia mais

Leia os textos sobre estes animais ameaçados de extinção.

Leia os textos sobre estes animais ameaçados de extinção. PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 2 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ==================================================================== Leitura ANIMAIS EM EXTINÇÃO Texto

Leia mais

Muitos animais se alimentam da

Muitos animais se alimentam da A U A UL LA Animais caçadores e herbívoros Atenção Aumento de pragas Muitos animais se alimentam da quilo que é produzido pelo homem. Várias espécies de roedores, por exemplo, vivem principalmente de grãos

Leia mais

Baleia. Aranha. Iuri. Malcom

Baleia. Aranha. Iuri. Malcom Aranha Baleia A aranha é um aracnídeo. O habitat das aranhas é nas florestas ou em casas. Mas ela mora em uma teia que ela mesma faz. Depressa ela se pendura na teia e enrola insetos nessa teia para se

Leia mais

3ºano. 4º período 1.3 CIÊNCIAS. 5 de dezembro de 2013. 1. Leia o texto abaixo. Em seguida, faça o que lhe é solicitado. Que bicho é esse?

3ºano. 4º período 1.3 CIÊNCIAS. 5 de dezembro de 2013. 1. Leia o texto abaixo. Em seguida, faça o que lhe é solicitado. Que bicho é esse? 3ºano 1.3 CIÊNCIAS 4º período 5 de dezembro de 2013 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado na

Leia mais

Esse raciocínio é correto e não serve apenas para a espécie humana. Todas as espécies de seres vivos realizam a reprodução para a continuação da vida.

Esse raciocínio é correto e não serve apenas para a espécie humana. Todas as espécies de seres vivos realizam a reprodução para a continuação da vida. Você sabe qual é a importância da reprodução humana? Se alguém lhe perguntasse isso você responderia rapidamente: Para a manutenção ou perpetuação da espécie. Esse raciocínio é correto e não serve apenas

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri

Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ESCORPIONISMO Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ESCORPIÕES DE IMPORTÂNCIA MÉDICA: Os escorpiões são animais invertebrados. Apresentam

Leia mais

Os seres vivos e o ambiente

Os seres vivos e o ambiente Nas teias alimentares, certos organismos podem ser, ao mesmo tempo, consumidores primários, secundários, etc., dependendo da cadeia alimentar que for selecionada. A eliminação de alguns organismos de uma

Leia mais

Gestão Ambiental da BR-116/392RS Programa de Monitoramento de Fauna Bioindicadores Álbum de Fotos - Répteis

Gestão Ambiental da BR-116/392RS Programa de Monitoramento de Fauna Bioindicadores Álbum de Fotos - Répteis Gestão Ambiental da BR-116/392RS Programa de Monitoramento de Fauna Bioindicadores Álbum de Fotos - Répteis Nome Popular: falsa-coral Nome Científico: Oxyrhopus rhombifer rhombifer Status de Conservação:

Leia mais

Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO. 3º trimestre

Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO. 3º trimestre Ciências/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºcie303r Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO 3º trimestre O que estudamos no terceiro trimestre? No terceiro trimestre finalizamos nosso estudo

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES Ciências Aluno (a): 2º ano: Turma: Professora: Valor: 20 pontos Nota: Conteúdo Programático Unidade 1 Ambiente Unidade 2 Animais Unidade 3 Plantas Unidade 4 _Ser

Leia mais

Vivendo na Terra. Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre?

Vivendo na Terra. Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre? Vivendo na Terra Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre? Transição para o ambiente terrestre Peixes com características

Leia mais

Passa_Palavras_Ed.52_Miolo.indd 1 20/01/2015 09:23:31

Passa_Palavras_Ed.52_Miolo.indd 1 20/01/2015 09:23:31 ANFÍBIOS Constituem uma CLASSE de animais VERTEBRADOS, pecilotérmicos que não possuem BOLSA AMNIÓTICA agrupados na classe AMPHIBIA. A característica mais MARCANTE dos seres vivos da classe é o seu ciclo

Leia mais

NOME DA DUPLA: ELIS E RAFAEL

NOME DA DUPLA: ELIS E RAFAEL 2 ano C - Unidade I 2015 NOME: LOBO-GUARÁ PESO: 20 A 25 KG TAMANHO: ENTRE 70 E 90 CM ONDE VIVE: FLORESTAS ABERTAS ALIMENTAÇÃO: ORNÍVORO TEMPO DE VIDA: 20 ANOS TEMPO DE GESTAÇÃO: 62 A 66 DIAS NÚMERO DE

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 1) Observe esta figura e identifique as partes do vegetal representadas nela. Posteriormente, associe as regiões identificadas às funções

Leia mais

Esse cogumelo é comestível?

Esse cogumelo é comestível? Cogumelos da PVSul Esse cogumelo é comestível? Essa é talvez a primeira pergunta que a gente faz quando vê um cogumelo. E a resposta só os especialistas podem dar. Cogumelos são difíceis de identificar,

Leia mais

RESGATE EMBARCADO DA FAUNA TERRESTRE

RESGATE EMBARCADO DA FAUNA TERRESTRE RESGATE EMBARCADO DA FAUNA TERRESTRE SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. MATERIAL UTILIZADO... 2 3. EQUIPE... 2 4. PROCEDIMENTO OPERACIONAL... 3 5. RESULTADOS OBTIDOS... 5 1. INTRODUÇÃO A presente etapa do resgate

Leia mais

Cantigas e parlendas

Cantigas e parlendas Cantigas e parlendas Professora Carolina Nome: 1 Alfabetário 2 A vela Isabel Cristina O pato viu a vela e ficou com medo do fogo. O gato viu a vela e gostou do fogo. A foca viu a vela e ficou com medo

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 7º ANO

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 7º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 7º ANO 2010 Questão 1 O reino Animalia, ou reino dos

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS Será que todos nós conhecemos os animais peçonhentos comuns no Estado de São Paulo? m Dependendo da espécie, uma picada pode tornar-se extremamente

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula VIDA DE BICHO. Ensino Fundamental / Anos Iniciais. 4º ano. Ciências. Vida e Ambiente 2 aulas (50 min cada) Educação Presencial

TÍTULO: Plano de Aula VIDA DE BICHO. Ensino Fundamental / Anos Iniciais. 4º ano. Ciências. Vida e Ambiente 2 aulas (50 min cada) Educação Presencial Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: VIDA DE BICHO Nível de Ensino: Ano/Semestre de estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: Ensino Fundamental / Anos Iniciais 4º ano Ciências

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2008 2º SEMESTRE 3º ANO UME. Nome. 3º ano N. Professor(a)

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2008 2º SEMESTRE 3º ANO UME. Nome. 3º ano N. Professor(a) AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2008 2º SEMESTRE 3º ANO UME Nome 3º ano N. Professor(a) O BOTO Os botos vivem dentro d água, mas não são peixes! O corpo desse animal é comprido, podendo chegar até a 2,5 metros de

Leia mais

Software. GUIA DO PROFESSOR Conquista do meio terrestre e adaptações

Software. GUIA DO PROFESSOR Conquista do meio terrestre e adaptações Conquista do meio terrestre e adaptações Conteúdos: Tempo: Objetivos: Conquista do meio terrestre e adaptações 1 hora-aula de 50 minutos Mostrar como os processos evolutivos podem transformar os seres

Leia mais

Sistema COC de Educação Unidade Portugal

Sistema COC de Educação Unidade Portugal Sistema COC de Educação Unidade Portugal Ribeirão Preto, de de 2007. Nome: 2º ano (1ª série) AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VII 3º BIMESTRE Eixo temático Aprendendo e relacionando Disciplina/Valor Português

Leia mais

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 7 o ano Unidade 8

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 7 o ano Unidade 8 Sugestões de atividades para avaliação Ciências 7 o ano Unidade 8 5 Nome: Data: UniDaDE 8 1 Com relação às suas características gerais, podemos dizer que os vertebrados possuem exclusivamente: I. patas.

Leia mais

ATIVIDADES: 1. Apresentar numa folha de papel pardo a seguinte afirmativa: A VIDA é tão importante que todos os seres vivos possuem meios de defesa.

ATIVIDADES: 1. Apresentar numa folha de papel pardo a seguinte afirmativa: A VIDA é tão importante que todos os seres vivos possuem meios de defesa. Lar Fabiano de Cristo Geras/Educação Moral Religiosa Faixa etária: 12 a 14 anos Unidade: DEUS Sub-Unidade: Existência de Deus História: Sabedoria da Natureza PLANO DE AULA: CONTEÚDO: A organização da vida

Leia mais

PROJETO BICHOS DE JARDIM T3A E T3B - 2010

PROJETO BICHOS DE JARDIM T3A E T3B - 2010 PROJETO BICHOS DE JARDIM T3A E T3B - 2010 PROFESSORAS: PAULA TRES ARAUJO E PRISCILA SILVA ESTAGIÁRIAS: CAROLINA E LEILA COMPREENDENDO O ESTUDO APRESENTAÇÃO DO PROJETO ESTES BICHOS PEQUENINOS, QUE FICAM

Leia mais

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Página 1 de 5 1 O número concreto Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Como surgiu o número? Alguma vez você parou para pensar nisso? Certamente você

Leia mais

O manguezal. Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente

O manguezal. Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente A U A UL LA O manguezal Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente já viu pela estrada algumas pessoas vendendo caranguejos. Esses animais tornam-se verdadeiras iguarias nos restaurantes. Muitos

Leia mais

Bromelias e epifitas da Pvsul

Bromelias e epifitas da Pvsul Bromelias e epifitas da Pvsul Plantas......não são todas iguais! Quando caminhamos em uma mata ou campo, e vemos todo o verde à nossa volta, muitas vezes só o que vemos é capim e mato. Não temos idéia

Leia mais

SERPENTES DE INTERESSE MÉDICO DA AMAZÔNIA

SERPENTES DE INTERESSE MÉDICO DA AMAZÔNIA SERPENTES DE INTERESSE MÉDICO DA AMAZÔNIA BIOLOGIA, VENENOS E TRATAMENTO DE ACIDENTES Maria Cristina dos Santos Marcio Martins Antônio Luiz Boechat Raymundo Pereira de Sá Neto M. Ermelinda Oliveira IMPORTANTE

Leia mais

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Trabalho realizado por: João Rabaça 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Introdução Animais em vias de extinção - O que são? - O que é a extinção? -O cachalote -O Lince Ibérico

Leia mais

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE MANGARATIBA, RJ. Palavras-chave: Animais peçonhentos; Acidentes. Mangaratiba. Rio de Janeiro.

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE MANGARATIBA, RJ. Palavras-chave: Animais peçonhentos; Acidentes. Mangaratiba. Rio de Janeiro. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2012, v. 15, edição especial, p. 07 15 ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE MANGARATIBA, RJ CARDOSO, Carlos Ferreira de Lima 1 SOARES, Marcelo de Araújo

Leia mais

Laboratório Especial de Ecologia e Evolução, Instituto Butantan

Laboratório Especial de Ecologia e Evolução, Instituto Butantan Laboratório Especial de Ecologia e Evolução, Instituto Butantan O município de São Paulo possui elevada diversidade de répteis, com registros de ocorrência em todas as regiões. As espécies mais abundantes

Leia mais

RÉPTEIS PROF. MARCELO MIRANDA

RÉPTEIS PROF. MARCELO MIRANDA RÉPTEIS Padrões evolutivos Surgimento dos amniotas Âmnio: membrana que envolve completamente o embrião e delimita uma cavidade cheia de líquido que protege contra choques mecânicos e evita o ressecamento

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 3.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 3.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 3.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

A origem do nome réptil (do latim, reptare = rastejar) deve-se ao modo de locomoção desses animais: possuem quatro pernas (exceto as cobras), cinco

A origem do nome réptil (do latim, reptare = rastejar) deve-se ao modo de locomoção desses animais: possuem quatro pernas (exceto as cobras), cinco CLASSE DOS RÉPTEIS A origem do nome réptil (do latim, reptare = rastejar) deve-se ao modo de locomoção desses animais: possuem quatro pernas (exceto as cobras), cinco dedos com unhas e suportam o corpo

Leia mais

Animais incríveis! Equipe PVSul. A diversidade, tamanho e hábitos dos mamíferos os tornam um grupo muito especial de animais.

Animais incríveis! Equipe PVSul. A diversidade, tamanho e hábitos dos mamíferos os tornam um grupo muito especial de animais. mamiferos da PVSuL Animais incríveis! A diversidade, tamanho e hábitos dos mamíferos os tornam um grupo muito especial de animais. Baleia, anta, golfinho, tatu, preguiça, ouriço, gambá, tamanduá, macaco,

Leia mais

Felipe. Antonella. Valinhos, 29 de abril 2014. Caro Dr. Bicudo

Felipe. Antonella. Valinhos, 29 de abril 2014. Caro Dr. Bicudo Valinhos, 29 de abril 2014. Caro Dr. Bicudo Eu sou o Mico Leão Dourado, um animal vertebrado. Vivo na Mata Atlântica. Me alimento de frutos e pequenos animais invertebrados. Meu corpo é revestido de pelos,

Leia mais

espinhas. O que são as espinhas do peixe? 1 Classifique os animais abaixo em vertebrados ou invertebrados.

espinhas. O que são as espinhas do peixe? 1 Classifique os animais abaixo em vertebrados ou invertebrados. 1 Classifique os animais abaixo em vertebrados ou invertebrados. Siede Preis/Photodisc/ID/ES G.K. Hart/Photodisc/ID/ES 2 Quando comemos peixe, temos de tomar cuidado para não engolir as espinhas. O que

Leia mais

Os anfíbios. Cobertura e temperatura do corpo

Os anfíbios. Cobertura e temperatura do corpo Os anfíbios Nas proximidades de riachos, lagoas, açudes, banhados e outras áreas alagadas, você pode escutar os sons dos anfíbios - sapos, rãs, pererecas. O que são anfíbios, afinal? A palavra anfíbio,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro CONTEÚDO: CAP. 1, 2 e 3 EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA Professora: Alexsandra Ribeiro 1. O esquema abaixo nos mostra como a vida está organizada no planeta. A complexidade da

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Artrópodes. Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas.

Artrópodes. Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas. Artrópodes Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas. Todos os artrópodes possuem um exoesqueleto (esqueleto externo), uma carapaça formada

Leia mais

Produçaõ de peixes. Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979)

Produçaõ de peixes. Adaptado de: Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin (FAO, 1979) Produçaõ de peixes Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979) Onde pôr seu tanque de peixes 1. Você tem que escolher um lugar bom para sua tanque. 2. Lembra

Leia mais

PROJETO BICHOS DE JARDIM

PROJETO BICHOS DE JARDIM PROJETO BICHOS DE JARDIM T3A E T3B - 2011 PROFESSORAS: PRISCILLA OLIVEIRA ITO E PAULA TRES ARAUJO ESTAGIÁRIAS: CAROLINA BORTOLETTO E JULIA SANTOS COMPREENDENDO O ESTUDO APRESENTAÇÃO DO PROJETO ESTES BICHOS

Leia mais

AULA 20: ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. No Brasil há cerca de 250 espécies de serpentes, porém cerca de 20% dessas são perigosas.

AULA 20: ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. No Brasil há cerca de 250 espécies de serpentes, porém cerca de 20% dessas são perigosas. AULA 20: ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS 1- ACIDENTE OFÍDICO No Brasil há cerca de 250 espécies de serpentes, porém cerca de 20% dessas são perigosas. No Brasil estima-se que ocorre, anualmente, cerca

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VII Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 4 o ano (3 a série) Período: MANHÃ Data: 18/8/2010 PORTUGUÊS

Leia mais

Aspectos morfológicos gerais e taxonomia de répteis, aves e mamíferos

Aspectos morfológicos gerais e taxonomia de répteis, aves e mamíferos I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS Aspectos morfológicos gerais e taxonomia de répteis, aves e mamíferos Msc. Andreza Amaral Bióloga NO BRASIL: 6 PAÍS COM MAIOR

Leia mais

Evolução e diversidade de Amphibia. Prof. André Resende de Senna

Evolução e diversidade de Amphibia. Prof. André Resende de Senna Evolução e diversidade de Amphibia Prof. André Resende de Senna Significado: Do Grego: amphi = ambos, dupla ; bios = vida. Generalidades: Sapos, salamandras e cobras-cegas; Incorretamente tidos como intermediários

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

Coordenação Geral Biól. M.Sc. Adriano Souza Cunha CRBio 9021-03 Biól. Juliano Ferrer dos Santos CRBio 53089-03

Coordenação Geral Biól. M.Sc. Adriano Souza Cunha CRBio 9021-03 Biól. Juliano Ferrer dos Santos CRBio 53089-03 PROGRAMAS DE MONITORAMENTO, SALVAMENTO E RESGATE DE FAUNA DE VERTEBRADOS TERRESTRES E MONITORAMENTO E LEVANTAMENTO DA ENTOMOFAUNA, E CONSERVAÇÃO DE ESPÉCIES AMEAÇADAS E ENDÊMICAS FAUNA Relatório da Primeira

Leia mais

Serpentes de Viçosa e região (Minas Gerais)

Serpentes de Viçosa e região (Minas Gerais) Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais O (), da é um centro de referência em estudos com a fauna de vertebrados da região Sudeste. As coleções do constituem um dos mais significativos

Leia mais

Projeto de Ciências. Arara- Azul

Projeto de Ciências. Arara- Azul GRUPO 1 Projeto de Ciências Arara- Azul Arara- Azul Local onde vive: Buri+zais, matas ciliares e cerrado adjacente. Caracterís>cas: As araras têm um bico forte, língua carnosa e cauda longa com forma de

Leia mais

- Tem importância nos mecanismos de evolução e Seleção Natural dos seres vivos; - Mantém o equilíbrio ecológico e alimentar de um habitat;

- Tem importância nos mecanismos de evolução e Seleção Natural dos seres vivos; - Mantém o equilíbrio ecológico e alimentar de um habitat; A reprodução: - Tem importância nos mecanismos de evolução e Seleção Natural dos seres vivos; - Mantém o equilíbrio ecológico e alimentar de um habitat; - E, principalmente, ajuda a perpetuar uma espécie

Leia mais

Atividade 7: Em busca dos répteis perdidos. Grupos/espécies. Legenda de pistas

Atividade 7: Em busca dos répteis perdidos. Grupos/espécies. Legenda de pistas Atividade 7: Em busca dos répteis perdidos. O professor deverá recortar as pistas e os cartões das 3 espécies de répteis presentes neste jogo. As pistas deverão ser colocadas em envelopes marcados de acordo

Leia mais

Ciências OS MAMÍFEROS. A principal característica dos mamíferos é a presença de glândulas

Ciências OS MAMÍFEROS. A principal característica dos mamíferos é a presença de glândulas Ciências OS MAMÍFEROS A principal característica dos mamíferos é a presença de glândulas mamárias, endotermia e pêlos. CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MAMÍFEROS São animais endotérmicos. Em condições normais

Leia mais

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos:

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos: A UU L AL A Cerrado e caatinga Compare estas duas fotos: cerrado caatinga Observando as duas figuras, a característica que mais nos chama a atenção é que os dois ambientes parecem muito secos. Nesta aula,

Leia mais

Unidade Portugal. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã. AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE. Borboletas Urbanas

Unidade Portugal. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã. AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE. Borboletas Urbanas Unidade Portugal Ribeirão Preto, de de 2011. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE Eixo temático - Natureza amiga Disciplina/Valor Português 3,0 Matemática 3,0 Hist/Geo 3,0 Ciências

Leia mais

Pacote Seringueira (02 dias / 01 noite)

Pacote Seringueira (02 dias / 01 noite) Pacote Seringueira (02 dias / 01 noite) / cinza, e pesca de piranha. Jantar às 19h00. Após o Jantar focagem de jacarés e observação de animais noturnos. 2º dia: 05h30 - Observação do nascer do sol e pássaros.

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Picadas de escorpião

Picadas de escorpião Semana de 19 a 23 de maio de 2014. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do livro LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 3 ano Leia o texto para fazer as lições de Português da semana. 3º ano A, B e C Sexta-feira

Leia mais

PROGRAMA DE AFUGENTAMENTO E RESGATE DE FAUNA DURANTE A IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO NO BIOMA MATA ATLÂNTICA - SP

PROGRAMA DE AFUGENTAMENTO E RESGATE DE FAUNA DURANTE A IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO NO BIOMA MATA ATLÂNTICA - SP PROGRAMA DE AFUGENTAMENTO E RESGATE DE FAUNA DURANTE A IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO NO BIOMA MATA ATLÂNTICA - SP Amanda Santos Oehlmeyer 1,2, Juliana Narita 1,3, Joan Ricardo Vetev Lima 1,4 e Francisco

Leia mais

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características O que são artrópodes? Para que servem? Onde podem ser encontrados?

Leia mais

RÉPTEIS CONTINENTAIS DO MUNICÍPIO DE RIO GRANDE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

RÉPTEIS CONTINENTAIS DO MUNICÍPIO DE RIO GRANDE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL 180 QUINTELA, F. M.; LOEBMANN, D. & GIANUCA, N. M. ZOOLOGIA RÉPTEIS CONTINENTAIS DO MUNICÍPIO DE RIO GRANDE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Fernando Marques Quintela 1 Daniel Loebmann 2 Norton Mattos Gianuca

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A A Distribuição Geográfica das Espécies 2011 Aula 1 Objetivos Discutir os principais conceitos de biogeografia e conhecer seus campos de estudos. Compreender a influência de fatores

Leia mais

REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES

REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES Reprodução: Mecanismo pelo qual os seres vivos se multiplicam. Duas modalidades de reprodução: SEXUADA ASSEXUADA REPRODUÇÃO SEXUADA Eventos fundamentais:

Leia mais

Ciências LIVRO 4 Unidade 1 Capítulo 2 Animais

Ciências LIVRO 4 Unidade 1 Capítulo 2 Animais Ludmila foi ao zoológico numa ecursão da escola. Ela e seus colegas de classe ficaram fascinados com a variedade de animais que viram e com seus modos de vida. Yolanda Alvarez/Archivo SM/ID/ES Na aula

Leia mais

Se você fosse um bicho, qual deles você seria?

Se você fosse um bicho, qual deles você seria? Se você fosse um bicho, qual deles você seria? PREGUIÇA DE COLEIRA BEIJA-FLOR-DE-TOPETE ONÇA-PINTADA MANDAGUARI-AMARELO SAPO-DE-CHIFRE JEQUITIRANABOIA TUCANO-DE-BICO-VERDE JACARÉ-DE-PAPO-AMARELO MURIQUI

Leia mais