Gestão de Recursos Humanos nas Empresas Familiares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Recursos Humanos nas Empresas Familiares"

Transcrição

1 Gestão de Recursos Humanos nas Empresas Familiares INTRODUÇÃO As empresas familiares são entendidas genericamente como organizações em que as decisões relacionadas com a posse do seu capital (propriedade) e/ou as decisões de gestão cabem por inteiro ao seu Fundador e/ou a uma família ou famílias (Dyer, 1986). No presente texto e para os efeitos em questão, vamos entender a empresa familiar de tipo PME, isto é uma empresa com todas as características (volume de facturação, nº de trabalhadores, etc..) de uma pequena e média empresa, com a posse e/ou a gestão dependente de um ou mais membros de uma família. Par reforçar a importância deste tipo de Organização, e utilizando dados de 1994, 99,5% das empresas portuguesas eram PME s, ocupando cerca de 70% da população activa (Guerreiro, 1994). Dados do mesmo ano indicados pelo IMD Institute for Management Development (Martins, 1999) indicavam as seguintes percentagens estimativas de influência das empresa familiares na economia de alguns países: - Itália 98% - Estados Unidos 96% - Suíça 87% - Espanha - 80% - Reino Unido 75% - Portugal 70%. A gestão deste tipo de empresas é caracterizada por um grande nível de informalidade. Isto é, o planeamento a prazo, a definição antecipada de estratégias de acção, a definição de objectivos ajustados ao mercado, o desenvolvimento de iniciativas de comunicação e marketing, a avaliação periódica da actividade (balanços/scorecards) etc. não fazem, geralmente, parte das preocupações correntes dos gestores familiares.

2 A Gestão de RH não foge ao quadro reactivo e de informalidade antes mencionado, não existindo nestas empresas uma definição clara de políticas relevantes no campo da Gestão de RH, como sejam as políticas de Emprego, Remuneração, Valorização e Participação (tipologia de Boislandelle, 1988). As deficiências de acções de desenvolvimento dos recursos humanos neste tipo de empresas mormente ao nível da aplicação das novas tecnologias, cria problemas económicos graves e pode mesmo conduzir à falência, segundo Stahl, Nyhan e D Aloja (1993). Também Simões (1997) num estudo junto de 21 PME industriais portuguesas detecta sérias lacunas ao nível das políticas de recrutamento, formação e fixação. PROBLEMAS AO NÍVEL DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Em boa verdade, detectam-se problemas concretos na maioria destas empresas tais como: - Dificuldade de recrutamento e integração de profissionais altamente qualificados; - Dificuldade de motivação e retenção de novos trabalhadores com competências específicas; - Incapacidade de prever necessidades de pessoal e respectivas competências no médio /longo prazo; - Inexistência generalizada de planos de integração e acolhimento, bem como de planos de evolução para eventuais estagiários; - Sistemas de remuneração pouco criativos, com apostas inexistentes ou ténues na componente variável (em função do desempenho) dos salários; - Inexistência de sistemas de avaliação de desempenho ou atribuição de prémios com base em critérios objectivos; - Inexistência de formação interna com base em orçamento próprio (excessiva dependência de formação subsidiada); - Condições de trabalho, em termos de higiene e segurança e de ergonomia, muitas vezes insuficientes; - Quase total inexistência de quaisquer iniciativas de participação dos trabalhadores. Comentando sumariamente cada um dos problemas antes enunciados, podemos afirmar que as empresas familiares não dispõem de uma imagem institucional suficientemente atractiva para atrair 2

3 quadros ou outros trabalhadores altamente qualificados. Estes preferem outro tipo de organização, mormente as multinacionais ou grandes empresas nacionais. A gestão excessivamente informal, com pouco ou nenhum enfoque na delegação de poder e decisão, totalmente centrada na figura do fundador/proprietário ou família, é desmotivadora para eventuais novos trabalhadores, que tendem a não permanecer muito tempo nestas empresas, criando assim uma distorção de comportamento com os trabalhadores da velha guarda. O recrutamento de novos colaboradores é efectuado habitualmente de forma reactiva, em função das exigências que novas encomendas ou actividades colocam, não existindo qualquer programação antecipada. A integração de novos colaboradores não é normalmente acompanhada de um plano de formação inicial e os estagiários integrados têm muitas vezes o objectivo de suprir lacunas de pessoal temporárias, resultando quase sempre de planos apoiados pelo IEFP- Instituto do Emprego e Formação Profissional ou outras entidades oficiais, com benefícios financeiros para o empregador. A remuneração é habitualmente focada na componente fixa do salário e situa-se em níveis médio/baixos e baixos do mercado, o que torna as empresas familiares pouco competitivas nesta matéria, atendendo ainda ao facto de que a componente variável do salário é pouco praticada. A retribuição do mérito individual nas empresas familiares é feita com base em critérios pouco claros e que estão definidos, na maior parte dos casos apenas na cabeça do gestor familiar. Não são conhecidos nem divulgados e muito menos sistematizados e baseados numa estratégia coerente de avaliação. A (pouca) formação desenvolvida não é encarada como um investimento, mas antes como um custo e por tal motivo quase sempre é apenas concretizada quando apoiada por subsídios de diferente ordem, libertando a empresa do encargo financeiro respectivo. Paralelamente, a formação raramente surge associada a uma estratégia de melhoria da gestão da organização, surgindo amiúde mais avulsa e desenquadrada dos grandes objectivos organizacionais. OS DESAFIOS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NAS EMPRESAS FAMILIARES São reconhecidas as dificuldades que as empresas familiares enfrentam nos mercados onde actuam. Com capitais próprios limitados, estas empresas vivem muito dependentes do crédito das 3

4 instituições financeiras, mormente no que concerne aos seus projectos de inovação, desenvolvimento e investimento. Será pura utopia acreditar que as empresas familiares possam um dia ombrear com as grandes empresas ou as multinacionais em termos financeiros, permitindo-lhes concorrer com estas em matéria de gestão de recursos humanos, o assunto que aqui nos interessa. Por outro lado, assentes numa gestão centrada na figura tutelar do Fundador ou do Gestor Familiar, a empresa familiar acaba por assentar a sua política de recrutamento em membros da própria família ou pessoas destes conhecidos (networking pessoal), criando assim uma estrutura humana de confiança e de aparente facilidade de gestão. Aparente, porque numa boa parte dos casos estas pessoas são pouco mais do que indiferenciadas, pouco qualificadas, vivendo muito à sombra do negócio familiar, fundado pelo parente (progenitor ou não). As empresas familiares precisam, pois, hoje, e urgentemente, de importar qualificações e competências profissionais que a sua estrutura humana não dispõe. A actual crise económica, com ênfase nos elevados níveis de desemprego, cria hoje condições ímpares, nunca antes existentes, para as empresas familiares pesquisarem entre esta enorme mole de desempregados, uma boa fatia dos quais maduros, experientes e qualificados, os quadros e colaboradores competentes de que necessitam. Todavia, falta aqui encontrar o ponto certo de motivação destes profissionais, muitos deles dispensados das multinacionais e grandes organizações, para irem continuar a desenvolver a sua carreira num organização bastante diferente, com muito menor grau de autonomia e decisão e a partir de uma patamar salarial e de um estatuto socioprofissional inferiores. O espartilho financeiro já mencionado impõe naturalmente às empresas familiares limitações de intervenção no campo da gestão de recursos humanos, não apenas no recrutamento, como já vimos, mas também na formação e noutros instrumentos/ferramentas possíveis neste domínio. Nesta perspectiva, cabe às empresas familiares apostarem em questões hoje importantes para a maioria dos profissionais e que estes dificilmente encontram nas empresas multinacionais ou nas grandes empresas. Referimo-nos, por exemplo a: 4

5 - Possibilidade de conjugar equilibradamente a vida profissional e familiar (cumprimento mais escrupuloso de um horário de trabalho normal); - Vivência mais profunda do contexto organizacional, com a criação de momentos/eventos de cariz social, envolvendo os colaboradores e respectivas famílias (ex: jantares especiais de Natal ou Páscoa, piqueniques e outros convívios); - Criação de condições de apoio familiar como, por exemplo, acompanhamento dos filhos dos trabalhadores em creches próprias ou através de protocolos específicos com instituições próximas geograficamente; - Criação de equipamentos de apoio/recreação/desporto, tais como cantinas/refeitórios, campos desportivos, ginásios, piscinas, clubes desportivos das próprias empresas, etc.. No campo mais técnico, torna-se imprescindível, implementar esquemas de remuneração variável associados ao desempenho individual, fundamentais para atrair e manter bons profissionais que apesar de não poderem contar com um salário base ao nível daquilo a que estavam habituados ou que prevalece em termos médios no mercado, acabam por assim encontrarem o nível de desafio suficiente para poderem decidir-se afirmativamente pela entrada na empresa familiar. Por último, é urgente criar formas equitativas de pagamento e recompensa dos trabalhadores oriundos da família e dos não-familiares, possibilitando a estes últimos, inclusivé, a hipótese de um dia poderem aspirar a posições de gestão e, até, em última instância, de posse de uma parte ainda que inicialmente simbólica do capital da empresa. Este tipo de iniciativa pode ser a base de ancoragem definitiva para atrair e manter quadros qualificados e para salvaguardar os interesses futuros de sobrevivência da empresa familiar. Naturalmente, não podemos deixar passar em claro o aspecto mais fundamental da gestão de RH de uma empresa familiar que consiste na problemática da Sucessão (transição do período do Fundador para a 2ª Geração). Trata-se de um tema muito concreto e vasto, a justificar a produção de literatura específica para o efeito. CONCLUSÃO Existem alguns, embora poucos, estudos sobre a influência da gestão de recursos humanos no sucesso das empresas familiares. 5

6 Astrachan e Kolenko (1994) num estudo desenvolvido junto de CEO s de empresas familiares encontraram correlações positivas significativas entre as práticas de gestão de recursos humanos então consideradas com algumas variáveis de sucesso e sobrevivência das empresas familiares, como por exemplo a facturação global e os proveitos anuais da Administração. Também Martins (1999) num estudo efectuado com 75 empresas familiares portuguesas constata que os indicadores económico-financeiros considerados são objecto de contribuição de pelo menos um grupo das práticas de gestão de recursos humanos tidas em conta. Impõe-se, pois, às empresas familiares não negligenciarem esta realidade inquestionavelmente importante da sua gestão, sendo que é ao nível da melhoria das competências internas, da motivação /recompensa dos colaboradores e da equidade/justiça relativa entre membros familiares e não-familiares que se colocam os maiores desafios. No campo social e afectivo, as empresas familiares têm condições interessantes de atracção e retenção de colaboradores que não utilizam da forma mais eficaz e plena. E estas iniciativas podem, mesmo, se bem utilizadas, contribuir para um maior equilíbrio da sua balança de custos/proveitos e consequente diminuição da carga fiscal associada ao desenvolvimento do negócio. Porque não experimentar? Bibliografia Astrachan, J. H. e Kolenko, T.A. (1993) Major Findings of the Family Business Survey, Massachussets Mutual Life Insurance Company, Springfield. Boislandelle, H. M. (1988) Gestion des Ressources Humaines dans les PME, Ed. Economica, Paris. Dyer, Gibb W., Jr. (1986) Cultural Change in Family Firms: Anticipating and Managing Business and Family Transitions, San Francisco: Jossey-Bass Management Series and Jossey-Bass Social and Behavioral Science Series. 6

7 Guerreiro, M.D. (1994) Famílias na Actividade Empresarial Empresas Familiares em Portugal, Dissertação de Doutoramento em Sociologia, ISCTE, Lisboa. Simões, V. C. (1997) Inovação e Gestão em PME, Temas de Economia, GEPE Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, Lisboa. Stahl, T., Nyhan, B. e D Aloja, P. (1993) A Organização Qualificante, Comissão da Comunidade Eurpeia/Eurotecnet, Bruxelas. Martins, J. C. (1999) Empresas Familiares, GEPE Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia. José Coelho Martins Consultor e Responsável da I.D.O. - Inovação e Desenvolvimento Organizacional, Lda ética. 7

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009 Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 EMPRESAS E INOVAÇÃO Luísa Oliveira luisa.oliveira@iscte.pt Luísa Veloso

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos.

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Formada por uma Equipa de Consultores com uma consolidada e diversificada experiência, quer na área

Leia mais

CONHEÇA-NOS MELHOR. 2015 ASIDE - Consultoria e Formação. Todos os direitos reservados.

CONHEÇA-NOS MELHOR. 2015 ASIDE - Consultoria e Formação. Todos os direitos reservados. CONHEÇA-NOS MELHOR 2015 ASIDE - Consultoria e Formação. Todos os direitos reservados. Saber Ser Saber Fazer Saber Saber Saber Partilhar Saber Comunicar 02 www.aside.pt Saber Ser Saber Ser Sobre Nós Com

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa 24 e 25 de Março de 2011 1 Senhor

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

O empreendedorismo em Portugal

O empreendedorismo em Portugal O empreendedorismo em Portugal Hoje 1. Obter uma perspectiva geral sobre a actividade empreendedora em Portugal e no mundo 2. O empreendedorismo e a actividade económica 3. Determinantes nacionais do empreendedorismo

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL COMO FATOR ESTRATÉGICO. Praia, 20 Outubro 2015. Organização da Apresentação. Formação Profissional como fator estratégico;

FORMAÇÃO PROFISSIONAL COMO FATOR ESTRATÉGICO. Praia, 20 Outubro 2015. Organização da Apresentação. Formação Profissional como fator estratégico; 1 Apresentação 2ª edição EXPO RH FORMAÇÃO PROFISSIONAL COMO FATOR ESTRATÉGICO Praia, 20 Outubro 2015 Vargas Melo Presidente do Conselho de Administração Organização da Apresentação Enquadramento; Formação

Leia mais

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Um mar de oportunidades Mestrado em Gestão Portuária Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique A ENIDH é a Escola Superior pública portuguesa que assegura a formação de

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO 48º Congresso UIA 1 / 5 Setembro 2004 COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS EM PORTUGAL 3 Setembro 2004 Pedro Botelho Gomes (JPAB - José Pedro Aguiar-Branco & Associados)

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS POWER-RH Gestão estratégica a de mudança organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS PARA EMPRESAS - A Power-rh Somos peritos em gestão estratégica de mudança organizacional e desenvolvimento humano.

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

AGUIRRE NEWMAN Liderança baseada na inteligência emocional

AGUIRRE NEWMAN Liderança baseada na inteligência emocional Pág: 42 empresas de excelência para trabalhar em portugal Área: 19,00 x 26,00 cm² Corte: 1 de 6 AGUIRRE NEWMAN Liderança baseada na inteligência emocional Texto: Ana Leonor Martins Foto: Vítor Gordo A«A

Leia mais

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Análise da Michael Page sobre Recursos Humanos 27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Manter a motivação das equipas é o principal desafio das empresas portuguesas, sendo apontado por 42%

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Gestão da Inovação 4º Ano de Gestão

Gestão da Inovação 4º Ano de Gestão INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Universidade Técnica de Lisboa Gestão da Inovação 4º Ano de Gestão Ano Lectivo 2006/2007 2º Semestre Docente: Vitor Corado Simões PROGRAMA A. O que é a gestão da

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

O modelo de balanced scorecard

O modelo de balanced scorecard O modelo de balanced scorecard Existe um modelo chamado balanced scorecard que pode ser útil para medir o grau de cumprimento da nossa missão. Trata-se de um conjunto de medidas quantificáveis, cuidadosamente

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

Negociação e Gestão de Carreira Ray Human Capital

Negociação e Gestão de Carreira Ray Human Capital Negociação e Gestão de Carreira Ray Human Capital Março de 2011 Programa de Apresentação 1 2 3 4 Planear Etapas na Carreira Importância da Formação e Networking Tabelas e Valores Salariais Estratégias

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS EM CO-PROMOÇÃO AVISO N.º 0 / SI/ 0 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO A Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa - APCL propõe-se desenvolver um projecto, designado CLEAN, que consiste na criação de um Centro de Limpeza Ecológica de Automóveis

Leia mais

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha:

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha: Projecto GTBC Portugal: Edifício Taurus Campo Pequeno, 48 2º 1000-081 Lisboa Tel.: +351 217 921 920 Fax: +351 217 921 929 www.gtbc.pt info@gtbc.pt Espanha: CalleAtocha, 20, 2ªIzq 28012 Madrid Tel.: +34

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

driven by innovation first-global.com

driven by innovation first-global.com company profile driven by innovation Missão Contribuir para a melhoria dos processos e para o aumento de produtividade dos nossos clientes, adaptando as melhores tecnologias às necessidades reais do mercado.

Leia mais

Recursos Humanos e Qualidade

Recursos Humanos e Qualidade K Recursos Humanos e Qualidade na Gestão das Organizações do 3.º Sector S. Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009 S. l Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009_Isaque Dias O que é que fazem as Organizações

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Incentivos financeiros e benefícios fiscais 2012/2013

Incentivos financeiros e benefícios fiscais 2012/2013 www.pwc.pt/academy Incentivos financeiros e benefícios fiscais 2012/2013 Academia da PwC Os benefícios fiscais assumem hoje grande importância na gestão global das empresas, sendo reconhecidamente uma

Leia mais

Como delegar eficazmente?

Como delegar eficazmente? www.pwc.pt/academy Como delegar eficazmente? How to improve your skills? 21 e 22 de maio de 2013 Academia da PwC Delegar é um conceito aparentemente claro, mas que na prática, nem todos aplicam. A base

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Ganhar o Futuro com (a) Educação

Ganhar o Futuro com (a) Educação Começo por congratular todos os deputados, na pessoa da nossa Presidente, e, todos os membros do XI Governo, na pessoa do seu Presidente, certa que em conjunto faremos um trabalho profícuo para bem das

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro.

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro. NEWSLETTER 1 O IDIT O IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica é uma associação privada de utilidade pública, sem fins lucrativos, cujo objectivo primordial é contribuir para a modernização

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

Planeamento e gestão de recursos. Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011

Planeamento e gestão de recursos. Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011 Planeamento e gestão de recursos Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011 1 Componentes da Reforma da 2004 Administração Pública ADE LQIP EPD SIADAP 2007 PRACE SIADAP Revisão Estatuto

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2013. Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt

ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2013. Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2013 Healthcare Human Resources & Life Sciences Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt Human Resources Estudo de Remuneração 2013 Apresentamos-lhe os Estudos

Leia mais

EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. José Matias Alves

EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. José Matias Alves Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO José Matias Alves Norte Continente População 25-64 com 12º ano 22

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

S. I. Inovação Produtiva

S. I. Inovação Produtiva S. I. Inovação Produtiva Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na área de Inovação

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

LIDERAR COMO UM TREINADOR

LIDERAR COMO UM TREINADOR info@bizpoint.pt 21 828 09 57 www.bizpoint.pt LIDERAR COMO UM TREINADOR - A Liderança do Desporto para as Organizações - VALOR PROMOCIONAL até 15 Junho Lisboa 7 e 8 Julho 2015 Organização: Apresentação

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Recursos Humanos cynaracarvalho@yahoo.com.br Conceitos A gestão

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Regra geral uma grande parte das pessoas vive dia a dia, sem pensar no futuro, sem construir, sem saber como gerar riqueza.

Regra geral uma grande parte das pessoas vive dia a dia, sem pensar no futuro, sem construir, sem saber como gerar riqueza. 1.ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA A importância da formação financeira para os supervisores financeiros Antiga Igreja de S. Julião Sede do Banco de Portugal Lisboa,

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO As coisas importantes nunca devem ficar à mercê das coisas menos importantes Goethe Breve Evolução Histórica e Legislativa da Segurança e Saúde no Trabalho No

Leia mais