Projeto de Auditoria Clínica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Auditoria Clínica"

Transcrição

1 Projeto de Auditoria Clínica Resumo Unidade Curricular: Educação Clínica V (Outubro de 2011) Local: Hospital S. José Área: Fisioterapia nas Disfunções Neurológicas Docente Responsável: Prof. Gabriela Colaço Discente:, nº1592 Área a auditar e Objetivo do Projeto O projeto foi desenvolvido na área da reabilitação das disfunções ao nível dos membros inferiores e ao nível do equilíbrio em utentes com AVC, especificamente ao nível de actividades funcionais/independência funcional (sentar, sentado para a posição ortostática, permanecer na posição ortostática e marcha), em contexto hospitalar, na fase sub-aguda. O desenvolvimento do projeto deu-se nesta área, pois, para além do AVC ser uma das doenças com prevalência mais elevada em Portugal, o Hospital S. José foi o que recebeu mais utentes com AVC Via Verde em todo o distrito de Lisboa, recebendo 223 casos em 2010 (INEM, 2011). Desta forma, torna-se emergente auditar neste tema, tendo este projeto o objectivo de analisar a prática dos fisioterapeutas do Serviço de Medicina Física e Reabilitação do Hospital de S. José, responsáveis pela reabilitação pós-avc, relativamente à reabilitação do membro inferior e equilíbrio desses utentes, numa fase aguda da condição. Espera-se analisar especificamente as intervenções no âmbito da reabilitação da mobilidade (sentar, passar de sentado para a posição ortostática, permanecer na posição ortostática, marcha) e do equilíbrio, que contribui para a primeira, de forma a restaurar a máxima independência funcional do utente em contexto hospitalar. Com o cumprimento do objectivo, compreender-se-á se a prática da Fisioterapia neste hospital está de acordo com as recomendações clínicas baseadas na evidência científica, contribuindo para a manutenção ou melhoria da qualidade da prestação de serviços neste local. Recomendações e Critérios de Avaliação Recomendação Critério de Avaliação 1. O treino na plataforma de equilíbrio com feedback visual não é recomendado para os 1. Nº de utentes que realizaram treino na plataforma de equilíbrio com feedback visual; Página 1 de 8

2 tratamentos dos problemas da marcha, equilíbrio e mobilidade após AVC (Grau B) (SIGN, 2010); 2. O treino de força muscular é recomendado quando o objectivo específico do tratamento é melhorar a força muscular (Grau B) (SIGN, 2010). A espasticidade não deve limitar o uso de treino de força do membro inferior (CSS, 2010); 3. Sentar Praticar o alcance além do comprimento do Membro Superior, enquanto na posição de sentado com ajuda/supervisão, em pessoais com dificuldades na actividade do sentar (Grau B) (NSF, 2010). 2. Nº de utentes que realizaram treino de força muscular; 3. Nº de utentes, com dificuldades na actividade do sentar, que praticam o alcance nessa posição com ajuda/supervisão; 4. De sentado para a posição ortostática Praticar a actividade de passar de sentado para a posição ortostática, em pessoas com dificuldade em se levantarem de uma cadeira. (Grau A) (NSF, 2010). Para além dos utentes com essa dificuldade, este treino também é recomendado para pessoas com défices de equilíbrio (CSS, 2010). 4. Nº de utentes, com défices de equilíbrio e com dificuldades na passagem de sentado para a posição ortostática, que praticam essa actividade; 5. Permanecer na posição ortostática A prática da tarefa específica (posição ortostática) com feedback deve ser fornecida à pessoa com dificuldade em permanecer na posição. (Grau B) (NSF, 2010). 6. Marcha A. As pessoas com dificuldade na marcha devem realizar intervenções da marcha adaptadas e repetitivas (Grau A) (NSF, 2010). 5. Nº de utentes, com dificuldades em permanecer na posição ortostática, que praticam essa tarefa específica com feedback; 6. A. Nº de utentes, com dificuldades na marcha, que recebem intervenções adaptadas e repetitivas na marcha; Página 2 de 8

3 A repetição melhora a velocidade da marcha, a distância percorrida, a deambulação funcional e a capacidade de passar da posição de sentado para a posição ortostática e voltar a sentar (Grau B) (SIGN, 2010); B. Uma ou mais das seguintes intervenções podem ser utilizadas em adição ao treino de marcha convencional (NSF, 2010): - Treino da Cadência da Marcha (Grau B); - Biofeedback da posição articular (Grau C); C. Ortóteses Tibio-társica Pé, as quais devem ser adaptadas individualmente, podem ser utilizadas por pessoas com o pé equinovaro ( drop foot ) (Grau C) (NSF, 2010). O objectivo do tratamento é ter melhorias imediatas na velocidade, eficiência, padrão da marcha e na distribuição de peso (Grau C) (SIGN, 2010). D. O Treino Cardiovascular orientado para a Marcha deve ser implementado a todos os utentes avaliados como clinicamente estáveis e funcionalmente seguros para participar no mesmo, quando o objectivo de tratamento é melhorar a deambulação funcional (Grau A) (SIGN, 2010). De acordo com CSS (2010), este treino melhora ainda o equilíbrio, a velocidade da marcha, a resistência cardiovascular e os factores de risco para recorrências de AVC. E. Intensidade da Intervenção: quando considerado seguro, todas as oportunidades para aumentar a intensidade da terapia para melhorar a marcha devem ser consideradas B. Nº de utentes que recebem adicionalmente ao treino de marcha convencional uma das seguintes intervenções: treino da cadência da marcha ou biofeedback da posição articular; C. Nº de utentes, com pé equinovaro, que recebem ortóteses tíbio-társica pé adaptadas; D. Nº de utentes, com dificuldades na deambulação, que realizaram Treino Cardiovascular orientado para a Marcha, aquando da estabilidade clínica e da segurança funcional; E. Nº de utentes, quando considerado seguro, a quem foi aumentada a intensidade da terapia; Página 3 de 8

4 (Grau B) (SIGN, 2010). 7. Os utentes que demonstram alterações do equilíbrio devem integrar um programa de treino de equilíbrio (Grau C) (VA/DoD, 2010); 7. Nº de utentes, com défice de equilíbrio, que integraram um programa de treino de equilíbrio; A recolha de dados do projeto será realizada através das folhas de registo (Apêndice I), que servirão como instrumento de avaliação que integra os problemas dos utentes e as intervenções para esses mesmos problemas, através de respostas fechadas. Estas permitem uma colheita e análise facilitada dos dados relevantes para o objectivo do projecto de auditoria clínica. Referências Bibliográficas Canadian Stroke Strategy (CSS) (2010) Canadian Best Practice Recommendations For Stroke Care. Canadian Stroke Network, Heart & Stroke Foundation of Canada; Instituto Nacional de Emergência Médica (2011) Estatísticas Via Verde AVC. Retirado a Outubro, 28, 2011, de https://avc.inem.pt/avc/stats_avc_site/stats.asp?stat=12&codu=&distrito=lisboa&mes=&ano=2010; Ministério da Saúde (2004) Plano de Acção Para a Saúde 2004 Áreas prioritárias. Ministério da Saúde; National Stroke Foundation (2010) Clinical Guidelines for Stroke Management Stroke Foundation; Scottish Intercollegiate Guidelines Network (SIGN) Management of patients with stroke: Rehabilitation, prevention and management of complications, and discharge planning A national clinical guideline. NHS Quality Improvement Scotland; VA/DoD (2010) Management of Stroke Rehabilitation. The American Heart Association/ American Stroke Association. Página 4 de 8

5 APÊNDICES Página 5 de 8

6 Apêndice I Folha de Registos sobre a Intervenção realizada ao nível do Membro Inferior, Mobilidade e Equilíbrio Nº da Cama: Tipo de AVC: Serviço hospitalar: Data de Internamento no Serviço: / / Data de Alta Hospitalar: / / 1. O(a) utente encontra-se clinicamente estável? Sim Não 2. O(a) utente apresenta qual/quais dos seguintes problemas: - Défice de Equilíbrio - Diminuição da força muscular do membro inferior - Espasticidade ao nível do membro inferior - Alterações da mobilidade nas seguintes actividades: Sentar; Passar de sentado para a posição ortostática; Permanecer na posição ortostática; Marcha; - Pé Equinovaro Página 6 de 8

7 3. Que intervenções realiza junto do(a) utente? (Assinalar no quadro abaixo, juntamente com a data da intervenção) Data\ Intervenções Equilíbrio (convencional) Equilíbrio na plataforma com feedback visual Força Muscular Treino da Actividade Sentar Treino da Actividade de passar de sentado para a posição ortostática Treino da Actividade de permanece r na posição ortostática Marcha adaptado e repetitivo Marcha Treino da Cadência da Marcha Biofeedback Articular Treino Cardiovasc ular Orientado para a Marcha Aumentou a Intensidade da Intervenção? Assinatura do Fisioterapeu ta Página 7 de 8

8 Página 8 de 8

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Planeamento da Alta do Doente com AVC Intervenção dos Assistentes Sociais Nº: 7/DSPCS DATA: 28/04/04 Para: Contacto na DGS: Assistentes

Leia mais

para promover a Equidade, Efectividade e Eficiência

para promover a Equidade, Efectividade e Eficiência Beja,22 e 23 de Outubro 2009 Doença Crónica na Criança reorganizar para promover a Equidade, Efectividade e Eficiência - Experiência do Centro de Desenvolvimento Torrado da Silva - Mª José Fonseca Doença

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart Dados Pessoais: História Clínica: Nome: P.R. Idade: 54 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Fisioterapeuta Diagnóstico Médico: Fratura comitiva da rótula Utente de raça caucasiana, Fisioterapeuta,

Leia mais

3-7 Novembro 2014, Lisboa

3-7 Novembro 2014, Lisboa Curso Instrutor de Reabilitação Cardíaca fase 4 British Association for Cardiovascular Prevention and Rehabilitation (BACPR) 3-7 Novembro 2014, Lisboa Área(s) de Formação: 726- Terapia e Reabilitação Unidades

Leia mais

Sistemas de Informação na Saúde

Sistemas de Informação na Saúde Os Sistemas de Informação na Vanguarda da Reabilitação João Pimenta Centro de Medicina de Reabilitação do Sul Centro de Medicina de Reabilitação do Sul - Caracterização Capacidade Instalada Gabinetes de

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Nome(s) próprio(s) / Apelido(s) Teresa Pereira Gonçalves Morada(s) Rua António Silva, nº 31, 3º C, 2725-170 Mem-Martins (Portugal) Telemóvel 916038178 Endereço(s)

Leia mais

GARANTIAS DA ACREDITAÇÃO DOS CURSOS PARA OS AGENTES ECONÓMICOS Sérgio Machado dos Santos A3ES

GARANTIAS DA ACREDITAÇÃO DOS CURSOS PARA OS AGENTES ECONÓMICOS Sérgio Machado dos Santos A3ES PATROCINADORES OURO Lisboa 28 e 29 Junho 2011 Museu do Oriente GARANTIAS DA ACREDITAÇÃO DOS CURSOS PARA OS AGENTES ECONÓMICOS Sérgio Machado dos Santos A3ES Avaliação e Acreditação: processos em convergência

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Em fases que o utente necessite

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Programa Mexe com a Idade Efeitos da actividade física na saúde dos seniores

Programa Mexe com a Idade Efeitos da actividade física na saúde dos seniores Programa Mexe com a Idade Efeitos da actividade física na saúde dos seniores Considerando os objectivos convergentes entre a Autarquia e o Centro de Saúde do Barreiro na mobilização, envolvimento e participação

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Isabel Seixo, Dina Nunes, Alexandra Castro Serviço de Medicina Física e de Reabilitação Hospital Dona Estefânia Novembro 2011 Queimadura Agressão

Leia mais

CURSO DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE

CURSO DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE CURSO DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Em Portugal estão a abrir um conjunto muito vasto de equipamentos de saúde, nomeadamente unidades de cuidados continuados. Para este tipo de estabelecimento são necessários

Leia mais

Tecnologias de Computadores. Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656

Tecnologias de Computadores. Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656 Tecnologias de Computadores Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656 Este tema suscita interesse na medida em que a medicina é um dos principais

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) 1. Designação da Ação de Formação: 2. Formador: Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência Dr.ª Vera Berbereia 3. Razões

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NAS ALTERAÇÕES DE CONTROLO POSTURAL EM INDIVÍDUOS PÓS AVC

INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NAS ALTERAÇÕES DE CONTROLO POSTURAL EM INDIVÍDUOS PÓS AVC I as Jornadas Internacionais de Fisioterapia do Instituto Piaget Fisioterapia em Condições Especiais INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NAS ALTERAÇÕES DE CONTROLO POSTURAL EM INDIVÍDUOS PÓS AVC Beatriz Fernandes

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

AMA ajuda a promover Ensino à Distância

AMA ajuda a promover Ensino à Distância AMA ajuda a promover Ensino à Distância DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDOS DE ENSINO A DISTÂNCIA PARA TV DIGITAL, ATRAVÉS DE CANAIS ABERTOS E/OU CANAL DEDICADO Projecto Financiado pelo Compete Programa Operacional

Leia mais

O Papel. O Percurso do Papel. Os desafios actuais. Integração. Colaboração. Informação. Pessoas Processos Tecnologia

O Papel. O Percurso do Papel. Os desafios actuais. Integração. Colaboração. Informação. Pessoas Processos Tecnologia Electrónico:, e Informação O Papel Facilmente transportável A introdução dados é universal Conversas Fim Tar APDH/HOPE&FIH 11 Maio 2007 Cada profissional adapta o registo às suas preferências Registo dados

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Daniela da Maia José Marques de Carvalho Júnior Antonio Vinicius Soares 2010 INTRODUÇÃO É um laboratório especializado em análise biomecânica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO E ADAPTAÇÕES TECNOLÓGICAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES 2006 ÍNDICE 1. Nota Introdutória...

Leia mais

A VISIBILIDADE DO CUIDAR DE REABILITAÇÃO NO DOMICILIO CASOS PRÁTICOS

A VISIBILIDADE DO CUIDAR DE REABILITAÇÃO NO DOMICILIO CASOS PRÁTICOS Congresso Nacional Enfermagem de reabilitação A VISIBILIDADE DO CUIDAR DE REABILITAÇÃO NO DOMICILIO CASOS PRÁTICOS Célia Maria da Silva Mota Enfermeira Especialista em Enfermagem de Reabilitação HOSPITAL

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala

Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala A Perda Auditiva como um Problema de Saúde Pública em Angola Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala Sumário I. Introdução II. Objectivos

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo / Estabelecimento de Ensino: Agrupamento de Escolas: Nome: Data de Nascimento: Morada: Telefone: Nível de Educação ou Ensino: Pré-Escolar 1ºCEB 2º CEB 3ºCEB E.

Leia mais

Laboratório de Análise de Movimento: pilares técnico-científicos. Miguel Velhote Correia João Manuel R. S. Tavares Jorge G.

Laboratório de Análise de Movimento: pilares técnico-científicos. Miguel Velhote Correia João Manuel R. S. Tavares Jorge G. Laboratório de Análise de Movimento: pilares técnico-científicos Miguel Velhote Correia João Manuel R. S. Tavares Jorge G. Barbosa Sumário Motivação e objectivos do projecto Análise clínica da marcha Recursos

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Estagiário em âmbito de Educação Clínica integrada no Plano Curricular da ESS IPS: Principais atividades e

Estagiário em âmbito de Educação Clínica integrada no Plano Curricular da ESS IPS: Principais atividades e M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome GODINHO, BRUNO MIGUEL PEREIRA Morada Nº5 6ºC, Rua Pulido Valente, 2675 670 Odivelas, Odivelas Telefone 963277886 Fax Correio electrónico brunopgodinho@gmail.com

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR.

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. Quando ocorre uma fratura envolvendo o membro inferior, a reeducação do padrão de marcha normal até o nível da função anterior à

Leia mais

Promoção da Actividade Física nos Idosos Acção Integrada para um Objectivo Comum

Promoção da Actividade Física nos Idosos Acção Integrada para um Objectivo Comum Promoção da Actividade Física nos Idosos Acção Integrada para um Objectivo Comum 1. Introdução O envelhecimento é um fenómeno universal, irreversível e inevitável em todos os seres vivos. Psicológico Social

Leia mais

Lista de Produtos SALUS E AJUTEC / VITAE 2015 AJUDAS MÉDICAS 19968 AJUDAS TÉCNICAS PARA A COMUNICAÇÃO AJUDAS TÉCNICAS PARA A HIGIENE PESSOAL E ROUPAS

Lista de Produtos SALUS E AJUTEC / VITAE 2015 AJUDAS MÉDICAS 19968 AJUDAS TÉCNICAS PARA A COMUNICAÇÃO AJUDAS TÉCNICAS PARA A HIGIENE PESSOAL E ROUPAS AJUDAS MÉDICAS 19967 AJUDAS MÉDICAS AJUDAS TÉCNICAS PARA A COMUNICAÇÃO 19968 AJUDAS TÉCNICAS PARA A COMUNICAÇÃO 10439 APARELHOS DE SURDEZ 12798 ENSINO DE LINGUAGEM GESTUAL 13974 HARDWARE 14248 INTERCOMUNICADORES

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOTERAPIAS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOTERAPIAS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOTERAPIAS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Contratualização em Cuidados Continuados

Contratualização em Cuidados Continuados Um Outro Olhar sobre o Hospital Contratualização em Cuidados Continuados João Amado Santa Casa da Misericórdia de Portimão RNCCI o início O Decreto-Lei nº 101/2006 criou a Rede Nacional de Cuidados Continuados

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO Resumo A Reorganização Curricular formalmente estabelecida pelo Decreto-lei

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Intervenções de Enfermagem à pessoa submetida a amputação

Leia mais

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA TRAUMA 2010 III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS TRAUMA FAST TRACK ORGANIZAÇÃO DOS CUIDADOS HOSPITALARES URGENTES AO DOENTE TRAUMATIZADO - UMA VIA VERDE PARA O TRAUMA Carlos Mesquita

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR

EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR VINHAIS FEVEREIRO 2006 Berta Nunes SEDENTARISMO UM PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA O Sedentarismo e a obesidade são os principais factores de risco para várias doenças

Leia mais

Água e Resíduos. Que Futuro? No Mundo e em Portugal. António Jorge Monteiro a.j.monteiro@engidro.pt

Água e Resíduos. Que Futuro? No Mundo e em Portugal. António Jorge Monteiro a.j.monteiro@engidro.pt Água e Resíduos. Que Futuro? No Mundo e em Portugal António Jorge Monteiro a.j.monteiro@engidro.pt Evolução Recente do Setor em Portugal Evolução do setor da água em Portugal desde 1993 População com acesso

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

CERTIFICAÇÃO MATWORK APPI (ABR 2016) - LISBOA

CERTIFICAÇÃO MATWORK APPI (ABR 2016) - LISBOA PILATES CLíNICO MW2 CERTIFICAÇÃO MATWORK APPI (ABR 2016) - LISBOA O módulo Matwork 2 (Class Instructor) da Certificação Matwork da APPI aborda tudo aquilo que é necessário para conduzir uma classe de Pilates

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

ética rigor confiança

ética rigor confiança ELNOR PHARMA wherever you are we take care ética rigor confiança ELNOR PHARMA A Elnor Pharma é uma empresa privada de direito angolano, com sede em Luanda, vocacionada para a distribuição de Consumíveis,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MUSICOTERAPIA APLICADA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MUSICOTERAPIA APLICADA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular MUSICOTERAPIA APLICADA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Musicoterapia 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

De autocarro: 205 paragem Hospital de São João

De autocarro: 205 paragem Hospital de São João LIGADURAS FUNCIONAIS E ORTóTESES: COM ANTóNIO GASPAR (ABR 2015) - PORTO António Gaspar é um dos maiores nomes da fisioterapia nacional. Esta será uma oportunidade única de conhecer e beneficiar do seu

Leia mais

RACIOCÍNIO CLÍNICO NO CICLO DE INTERVENÇÃO

RACIOCÍNIO CLÍNICO NO CICLO DE INTERVENÇÃO iclo de Intervenção com o Utente. G. Ed. línica II RIOÍNIO ÍNIO NO IO E INTERVENÇÃO 1. valiação Utente. G., 39 anos, residente em aleizão, vive com esposa e filho, chefe de manutenção de uma fábrica, habilitações

Leia mais

OLGA ZANDIRA MENDES SEMEDO

OLGA ZANDIRA MENDES SEMEDO OLGA ZANDIRA MENDES SEMEDO PAPEL DO DIRECTOR DE TURMA NA ESCOLA SECUNDÁRIA PEDRO GOMES LICENCIATURA EM PLANEAMENTO E GESTÃO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO (ISE) Praia, 2006 OLGA ZANDIRA MENDES

Leia mais

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO 1 ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. Lincoln dos Santos Andrade 1 Lucas Camilo Richter Barbosa da Silva 1 Gisele Cristina Galli 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah Achour

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI As Tecnologias de Informação e Comunicação na monitorização

Leia mais

Foco Critérios de diagnóstico Dependente, não participa Necessita de ajuda de pessoa Necessita de equipamento Completamente independente

Foco Critérios de diagnóstico Dependente, não participa Necessita de ajuda de pessoa Necessita de equipamento Completamente independente Índice ANDAR... 2 ANDAR COM AUXILIAR DE MARCHA... 5 AUTOCONTROLO: CONTINÊNCIA URINÁRIA... 8 AUTOCONTROLO: CONTINÊNCIA INTESTINAL... 11 AUTOCUIDADO: ARRANJAR-SE... 13 AUTOCUIDADO: BEBER... 15 AUTOCUIDADO:

Leia mais

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Instrumento de avaliação A. Projecto da escola A.1. Apresentação do Projecto da escola Caros colegas da Comissão, No âmbito do processo de monitorização,

Leia mais

MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto. Resumo

MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto. Resumo MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto Virgínia Moreira Dias vmrmd@ddinis.net Sónia Rolland Sobral sonia@upt.pt Universidade Portucalense, Porto Resumo A integração

Leia mais

Projecto MAIOR. Movimento Autonomia Independência Oportunidade - Recuperação

Projecto MAIOR. Movimento Autonomia Independência Oportunidade - Recuperação Projecto MAIOR Movimento Autonomia Independência Oportunidade - Recuperação 1. Como nasceu o projecto 2. Projecto 3. O Arranque 4.Junte-se a nós! 1. Como nasceu o projecto Envelhecimento da População Envelhecimento

Leia mais

CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS. Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro

CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS. Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro Braga, 3 de Novembro de 2015 Programas de melhoria da qualidade e segurança Experiência internacional Reino Unido: Monitor

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 2015/2016

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 2015/2016 PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 015/016 Dias Horas MÓDULO I Funcionalidade e Envelhecimento I PROFESSOR Horas 6ªf 7 Mar 17h-1h Introdução à Gerontologia; Princípios Fundamentais

Leia mais

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09)

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09) R.N.C.C.I. Execução física até 31/12/2008 Capacidade da Rede Tipologia 2007 2008 Taxa Cresc. Convalescença 403 530 32,00% Média Duração e Reabilitação 646 922 43,00% Longa Duração e Manutenção 684 1325

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

OPTIMIZAR A INTERVENÇÃO EM ÁREAS DE SAÚDE E CONFORTO. Ordem dos Farmacêuticos (Rua da Sociedade Farmacêutica 18, 1169-075 Lisboa)

OPTIMIZAR A INTERVENÇÃO EM ÁREAS DE SAÚDE E CONFORTO. Ordem dos Farmacêuticos (Rua da Sociedade Farmacêutica 18, 1169-075 Lisboa) Título Farmácia Comunitária OPTIMIZAR A INTERVENÇÃO EM ÁREAS DE SAÚDE E CONFORTO Local Ordem dos Farmacêuticos (Rua da Sociedade Farmacêutica 18, 1169-075 Lisboa) Datas 26 de Março a 6 de Junho 2012 Organização

Leia mais

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy)

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Traduzido e adaptado por Sergio Marinzeck, Ft, M.Phty (Manip), MPAA

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO

MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO A nova aposta do Hospital SOERAD O novo serviço de Medicina Física e de Reabilitação do Hospital SOERAD já se encontra em funcionamento, dispondo de uma equipa multidisciplinar

Leia mais

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa OS CENTROS DE SAÚDE EM PORTUGAL Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma Uma Abordagem Qualitativa Instituição promotora e financiadora Missão para os Cuidados de Saúde

Leia mais

Envelhecimento saudável e ativo

Envelhecimento saudável e ativo Envelhecimento saudável e ativo Nídia Braz Universidade de Salamanca A população portuguesa envelhece e torna-se progressivamente mais frágil 2 Idosos Saudáveis Capazes de vida autónoma, relacionam-se

Leia mais

Material Ortopédico. O Centro. Especialidades. Formação. Consultas. Fisioterapia. Fisioterapia Pediátrica. Apresentação

Material Ortopédico. O Centro. Especialidades. Formação. Consultas. Fisioterapia. Fisioterapia Pediátrica. Apresentação O Centro Especialidades Formação Material Ortopédico Consultas Fisioterapia Apresentação A Equipa O Espaço Fisioterapia Pediátrica Osteopatia Terapia da Fala Terapia Ocupacional Objectivos Acordo Instema

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

ECOXXI Galardão 2013 MODOS DE TRANSPORTE SUAVES EM TORRES VEDRAS

ECOXXI Galardão 2013 MODOS DE TRANSPORTE SUAVES EM TORRES VEDRAS ECOXXI Galardão 2013 MODOS DE TRANSPORTE SUAVES EM TORRES VEDRAS LOCALIZAÇÃO DE TORRES VEDRAS POPULAÇÃO O Município de Torres Vedras localiza-se na costa oeste de Portugal e a sua cidade,torres Vedras,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJECTO TECNOLÓGICO DENATURAL

RELATÓRIO FINAL DO PROJECTO TECNOLÓGICO DENATURAL 13 de Junho de 2011 12º G RELATÓRIO FINAL DO PROJECTO TECNOLÓGICO DENATURAL Professor responsável: - André Ramos Realizado por: - Ana Silvestre - Natacha Domingos - Nicolau Cardoso - Priscila Domingos

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA

PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA Vera Lúcia Israel (PUCPR/Fisioterapia, UFSCar/PPG-EES/SP) *Maria Benedita Lima Pardo (UFSCar/SP) RESUMO O objetivo desta pesquisa foi

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

Jornada de Fisioterapia da APF Cuidados de Saúde Primários e Cuidados Continuados Integrados

Jornada de Fisioterapia da APF Cuidados de Saúde Primários e Cuidados Continuados Integrados Jornada de Fisioterapia da APF Cuidados de Saúde Primários e Cuidados Continuados Integrados Vigilância Epidemiológica das Raquialgias dos Adolescentes Emanuel Vital 28 - Março - 2009 Introdução Raquialgias

Leia mais

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas Apresentação da Solução Solução: Gestão de Camas Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros, 82-A, 1500-060

Leia mais

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES 2º SEMESTRE 2014 EXTENSÃO. A Extensão tem se constituído em importante atividade desenvolvida pelo UNIARAXÁ.

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES 2º SEMESTRE 2014 EXTENSÃO. A Extensão tem se constituído em importante atividade desenvolvida pelo UNIARAXÁ. CALENDÁRIO DE ATIVIDADES 2º SEMESTRE 2014 EXTENSÃO A Extensão tem se constituído em importante atividade desenvolvida pelo UNIARAXÁ. Articula o saber popular e as práticas sociais das comunidades com o

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

% de crianças identificadas por médico que necessitam realizar EG. % de crianças que efectuaram o EGS por inscrição em médico assistente.

% de crianças identificadas por médico que necessitam realizar EG. % de crianças que efectuaram o EGS por inscrição em médico assistente. Programa Regional de Unidade de Saúde da Ilha do Faial PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Int-USIF/2011/719 META1: Promover a Saúde da População Escolar da Ilha do Faial OBJECTIVO 1: Manter a vigilância de saúde

Leia mais

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM Óbidos, Novembro 2008 Maria da Saudade de Oliveira Custódio Lopes SUMÁRIO DE APRESENTAÇÃO A Política de Qualidade para as Instituições de Saúde:

Leia mais

2 Conceitos da qualidade em saúde

2 Conceitos da qualidade em saúde 2 Conceitos da qualidade Qualidade d em Saúde (Portugal) Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa Novas realidades na saúde : Organizações muito complexas e sofisticadas Grande aumento das expectativas

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais