FACESI EM REVISTA Ano 5 Volume 5, N ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACESI EM REVISTA Ano 5 Volume 5, N.1 2013 - ISSN 2177-6636"

Transcrição

1 A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL DO PROFISSIONAL DE RECURSOS HUMANOS: UM ESTUDO EM EMPRESAS DE GRANDE PORTE DE UMA CIDADE NO NORTE DO PARANÁ Lilian de Lima Pires Pós Graduação em Gestão Contemporânea de Recursos Humanos - Universidade Estadual de Londrina UEL, Graduação em Administração Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR, RESUMO O objetivo geral da pesquisa foi analisar a consciência ambiental de profissionais de recursos humanos que atuam em grandes empresas de uma cidade do norte do Paraná para verificar seu nível de comprometimento com o meio ambiente. A pesquisa é de natureza quantitativa, com informações viabilizadas por meio de um levantamento do tipo survey, através de um questionário desenvolvido por Gonçalves-Dias et al. (2009). Os resultados apontaram maiores níveis de preocupação ambiental com alguns aspectos como destinação do lixo e no âmbito doméstico; já questões referentes à mobilização e consumo engajado demonstraram que os profissionais não apresentam uma postura proativa. Concluiu-se que a área de recursos humanos é fator essencial para o engajamento da organização nas questões ambientais para que haja compromisso efetivo de todos os escalões da empresa de forma permanente e estruturada, ou não passará de discurso todos os esforços empreendidos para tornar a organização ambientalmente responsável. Palavras-chave: Gestão ambiental, recursos humanos, comportamento ambiental. ABSTRACT The main purpose of this study was to analyze the environmental awareness of human resource professionals, who work in large companies in the city located in northern Paraná, to check their level of commitment to the environment. The research is quantitative, through the use of the scale developed by Gonçalves-Dias et al (2009). The survey results showed higher levels of environmental concern with some aspects such as garbage disposal and domestic environment, for matters relating to mobilization and conscious purchasing demonstrated that professionals do not have a proactive attitude. It was concluded that the area of human resources is vital to the organization's engagement in environmental issues so that there is effective commitment from all levels of the company, in a structured and permanently way, or it will be in vain all the efforts to make a company environmentally responsible. Keywords: environmental management, human resources, environmental behavior. INTRODUÇÃO Segundo Dias (2009), o nível de competitividade de uma empresa está relacionado a um conjunto de fatores mutuamente dependentes, como custos, qualidade de produtos e serviços, capital humano, tecnologia e capacidade de inovação. Nos últimos anos, a gestão ambiental tem adquirido cada vez mais posição de destaque em termos de competitividade devido aos benefícios que traz para o processo produtivo como um todo e devido a alguns fatores em particular que são potencializados. A gestão ambiental é a resposta natural das empresas ao novo cliente, o consumidor verde e ecologicamente correto. A empresa verde é sinônimo de bons negócios e no futuro será a única forma de empreender negócios de maneira duradoura e lucrativa. Em outras palavras, o quanto antes as organizações começarem a enxergar o meio ambiente como seu principal desafio e como oportunidade competitiva maior será a chance de que sobrevivam (TACHIZAWA, 2004).

2 Quanto às organizações empresariais, nota-se atualmente, ao menos em nível de discurso, certa valorização da gestão ambiental como instrumento para avanço no desempenho socioambiental das empresas. A própria Norma ISO ressalta a importância dos processos de conscientização como um dos elementos centrais para a implementação de um sistema de gestão ambiental (VILELA JUNIOR; DEMAJOROVIC, 2006). Por isso, não se questiona mais a importância da consciência dos indivíduos e da gestão ambiental dentro das organizações, mas ainda há vários desafios para essa área (GONÇAVES-DIAS et al., 2009). Um dos desafios é alinhar as políticas de recursos humanos às práticas de gestão ambiental, considerando que é por meio dessa área que é possível disseminar esses valores aos funcionários, tendo em vista que as atitudes e ações do indivíduo serão influenciadas se este possuir valores que se preocupem com o meio ambiente (BANSAL; ROTH, 2000 apud BACCARO et al., 2012). O desenvolvimento de políticas de gestão de recursos humanos adequadas à gestão ambiental é fator fundamental, visto que são os próprios funcionários que possuem o melhor conhecimento sobre suas atividades e, consequentemente, podem recomendar as soluções mais apropriadas para a melhoria do desempenho ambiental da empresa (MAY e FLANNERY, 1995). A gestão de recursos humanos deve fomentar a difusão dos princípios da gestão ambiental por toda a organização a fim de identificar as competências e talentos necessários para sua efetivação (BOUDREAU E RAMSTAD apud JABBOUR, 2007). Assim, o objetivo geral da pesquisa é analisar a consciência ambiental de profissionais de recursos humanos, que atuam em grandes empresas de uma cidade do norte do Paraná, para verificar seu nível de comprometimento com o meio ambiente. Para alcançar os objetivos da pesquisa, de natureza exploratória, foi realizada uma pesquisa de natureza quantitativa, com informações viabilizadas por meio de um levantamento do tipo survey. Foi utilizado questionário desenvolvido por Gonçalves-Dias et al. (2009) com 34 afirmações de caracterização do perfil, o qual foi respondido por profissionais de Recursos Humanos de grandes empresas de uma cidade situada no norte do Paraná. 2 GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Com o passar das últimas décadas, após a Revolução Industrial, e sob o subsídio da crescente tecnologia, consolidou-se um modelo econômico pautado em uma globalização crescente e no consumismo desenfreado, o que implicou a criação de instâncias como a Organização Mundial de Comércio (OMC) e das multinacionais, nem sempre preocupadas com o bem comum da grande massa ou com as questões ambientais, a não ser no sentido de garantir a saúde da máquina produtiva (VILELA JUNIOR; DEMAJOROVIC, 2006). Apesar de as discussões relacionadas ao meio ambiente não serem recentes, foi apenas a partir dos anos 1990 que o consumidor, ao tomar consciência dos problemas ambientais e sociais causados pelo homem, passou a querer interagir com organizações que sejam éticas, que tenham boa imagem institucional no mercado e que atuem de forma social e ambientalmente responsável (TACHIZAWA; ANDRADE, 2008). Nesse período, os consumidores começaram a expressar mais intensamente seus interesses em proteger o planeta e a si mesmos, iniciando uma tendência chamada consumerismo ambiental (OTTMAN, 1994). Para atender a essa nova demanda, cumprir com as regulamentações ambientais, ou mesmo suprir o seu próprio anseio de causar menos impacto ambiental, as empresas precisam se adaptar e repensar processos, fontes de recursos e formas de descarte (DIAS, 2009). A estratégia corporativa, atrelada à inovação de processos e produtos verdes, passou a ser fonte de vantagem competitiva, colocando as empresas pioneiras na vitrine e causando boa

3 imagem institucional (DONAIRE, 2009). Nesse sentido, as organizações que se recusam a se adaptar e têm seu nome ligado a desastres ambientais, ou mesmo ao desrespeito com o meio ambiente e com a sociedade como um todo correm o risco de sofrer sanções do governo, perder mercado e ainda sofrer boicotes por parte dos consumidores (DIAS, 2009; DONAIRE, 2009). Nesse âmbito, algumas empresas passaram a considerar a dimensão ambiental em suas atividades e a ter uma atitude proativa, de forma corporativa e mais explícita, para as questões ambientais, com uma integração do meio ambiente em todas as suas atividades, havendo a internalização de custos ambientais (ativos e passivos) e uma explícita preocupação com a responsabilidade social. Em consonância com Barbieri (2007), gestão ambiental diz respeito às diretrizes e atividades administrativas e operacionais, tais como planejamento, direção, controle, alocação de recursos e outras realizadas com a finalidade de obter efeitos positivos sobre o meio ambiente, quer reduzindo ou eliminando os danos ou problemas causados pelas ações humanas, quer evitando que eles surjam. O nível de competitividade de uma empresa está atrelado a um conjunto de fatores, variados e complexos, que se inter-relacionam e são mutuamente dependentes, tais como capacidade de inovação, custos, capital humano, qualidade dos produtos e serviços, nível de controle de qualidade e tecnologia. Acontece que nos últimos anos a gestão ambiental tem alcançado cada vez mais uma posição destacada, em termos de competitividade, devido aos benefícios que proporciona ao processo produtivo como um todo e a alguns fatores específicos que são potencializados. Kotler et al (2010, p.4) enfatizam que: Cada vez mais os consumidores estão em busca de soluções para satisfazer seu anseio de transformar o mundo globalizado num mundo melhor. Em um mundo confuso, eles buscam empresas que abordem suas mais profundas necessidades de justiça social, econômica e ambiental em sua missão, visão e valores. Buscam não apenas satisfação funcional e emocional, mas também satisfação espiritual nos produtos que escolhem. De acordo com Aligleri; Aligleri; e Kruglianskas (2009), o público passou a expressar suas preocupações com o comportamento socioambiental das empresas, determinando maior envolvimento na solução dos problemas, questionando, de certa maneira, o papel da empresa na sociedade. Isso fez com que cada vez mais os consumidores demandassem das empresas a produção de produtos e serviços consistentes com os valores ambientais e sociais. Essa perspectiva cria exigências e leva as empresas a mudarem seus propósitos e valores organizacionais, tornando-os mais consistentes com as expectativas da sociedade. Pode-se afirmar que as relações entre as empresas e a sociedade baseiam-se em um contexto social que evolui segundo as mudanças sociais e as expectativas da sociedade (BORGER, 2001). Nesse sentido, a gestão empresarial que atende somente aos interesses dos acionistas torna-se insuficiente. Os gestores são induzidos a buscar uma imagem legítima, de modo que muitas empresas têm implantado estratégias até pouco tempo atrás desnecessárias e negligenciadas. Isso desafia as empresas a reduzir os resíduos de sua produção e praticar uma postura de interação e diálogo com diferentes públicos de relacionamento, procurando novas soluções economicamente viáveis para questões socioambientais. Nesse contexto, muitos investidores já consideram as questões ambientais em suas decisões, pois sabem que os passivos ambientais estão entre os principais fatores que podem corroer a rentabilidade e a substância patrimonial das empresas. O crescimento do número de consumidores que preferem comprar produtos e serviços que respeitem a natureza é o outro fator que impulsiona o tratamento estratégico das questões ambientais (BARBIERI, 2007).

4 Muitas empresas já se mobilizaram e estruturaram projetos voltados para uma gestão ambiental. Apesar de essas iniciativas proporcionarem resultados positivos, na maioria das vezes são ações pontuais, que não estão ligadas à visão, missão, planejamento estratégico e posicionamento da empresa, por isso não expressam um compromisso efetivo para o desenvolvimento sustentável. Essa contribuição é relevante, porém quando é tratada isoladamente, direciona o foco da ação para fora da empresa e não tem poder para influenciar a comunidade empresarial a outro tipo de contribuição, de grande importância para a sociedade: a gestão dos impactos ambientais, econômicos e sociais provocados por decisões estratégicas, práticas de negócio e processos operacionais (ETHOS, 2005). Uma empresa ambientalmente responsável potencializa a reutilização e reciclagem de materiais, o que tem impacto significante na eco-eficiência e suscita ambientes participativos e mais criativos, com o uso de alternativas inteligentes de consumo. Além disso, uma gestão ambientalmente responsável pode agregar valor à marca, que vai além do produto tangível, associando a si valores positivos, gerando relacionamentos mais duradouros com consumidores e impactando em imagem e vendas (ETHOS, 2005). Portanto, tornar-se uma empresa ambientalmente responsável significa engajar-se profundamente no novo modo de ver e fazer as coisas. A integração parcial na perspectiva ambiental não se converterá em vantagem competitiva a médio e longo prazo, quando muito a curto prazo poderá ocorrer melhoria na convivência social da organização com outros agentes sociais, que será dissipada com o passar do tempo, quando se tornar claro que as intenções foram somente de maquiar a realidade, e não transformá-la (DIAS, 2009). 2.1 RECURSOS HUMANOS E QUESTÕES AMBIENTAIS Apesar de alguns autores defenderem a importância da gestão de recursos humanos para que ocorra um efetivo engajamento das organizações no que tange a questões ambientais, a literatura especializada em gestão ambiental empresarial é escassa no tocante à gestão de recursos humanos e a sua importância nesse processo (PATO, 2004). E como observa Rothenberg (apud Jabbour, 2007), embora a maioria dos pesquisadores em gestão ambiental ressalte a importância de recursos humanos no alcance de um desempenho superior, pouco se sabe sobre a dinâmica dessa relação. A análise de algumas das principais obras referentes à gestão ambiental na organização (DONAIRE, 2009; BARBIERI, 2007; TACHIZAWA, 2004) revela que há ênfase, apenas, na gestão de recursos humanos como responsável pelo treinamento em matéria ambiental. Na área de estudo que trata da gestão de recursos humanos, verifica-se que o tema da gestão ambiental empresarial não é devidamente abordado. A carência de maior avanço no conhecimento dessa área de pesquisa é frequentemente ressaltada pelos seus principais autores. Como exemplo, Daily e Huang (apud Jabbour, 2007) afirmam que em termos práticos e empíricos, há pouca sistematização sobre como a gestão de pessoas pode contribuir para a efetividade da gestão ambiental. Brío, Fernándes e Junquera (2007) reafirmam que tal tema de pesquisa não vem recebendo a merecida atenção, e que pesquisas que contemplem a combinação de métodos são necessárias, a fim de se construir conhecimento válido. Donaire (2009) salienta a importância das práticas de recursos humanos para a efetiva gestão ambiental: O desempenho de uma organização está fortemente associado à qualidade de seus recursos humanos. Se uma empresa pretende implantar a gestão ambiental em sua estrutura organizacional, deve ter em mente que seu pessoal pode transformar-se na maior ameaça ou no maior potencial para que os resultados esperados sejam alcançados.

5 Assim, a área ambiental deve desenvolver com a área de recursos humanos intenso programa de conscientização, visto que a atividade de meio ambiente inicia-se e concretiza-se alterando o comportamento das pessoas que a integram. Como o público pode acreditar na boa intenção da empresa em relação ao meio ambiente, se o pessoal interno não estiver convencido e motivado para contribuir de forma positiva na questão ambiental? (DONAIRE, 2009, p.102). Conforme Donaire (2009), um aspecto fundamental da área de recursos humanos diz respeito ao treinamento para a gestão ambiental e ao desenvolvimento de competências para lidar com essa questão. Nesse contexto, além da necessidade de conceder informações específicas referentes ao conhecimento da área ambiental, das ações tomadas e de seus reflexos na preservação do meio ambiente, reveste-se de maior relevância a ênfase no treinamento que promova mudança de atitude por parte dos gerentes e subordinados, para que estes possam, em consonância, desenvolver adequado comportamento ambiental em sua atividade diária. A área de recursos humanos e os dirigentes organizacionais devem passar a definir parâmetros de desempenho organizacionais que vão além dos resultados financeiros para compreender aqueles concernentes aos pressupostos da sustentabilidade. Considerando que a adequada gestão ambiental é elemento necessário para o alcance da sustentabilidade, pode-se enunciar que a gestão de recursos humanos passa a ser um dos principais agentes pró-gestão ambiental na empresa (BOUDREAU e RAMSTAD apud JABBOUR, 2007). O engajamento do público interno revela a qualidade da inserção do tema na cultura organizacional. Ou seja, uma organização não consegue consolidar a sua identidade sem que seus colaboradores mais diretos o façam em suas relações cotidianas. Por isso, a gestão ambiental na empresa não pode ser atribuída somente ao nível institucional, mas deve ser ratificada pelo público interno que reconstrói um contexto organizacional mais inclusivo. A gestão de recursos humanos tem um papel essencial nisso. Aligleri; Aligleri; Kruglianskas (2009) postulam que uma gestão responsável e sustentável é construída pelas pessoas, acrescentando que a maneira como a empresa se relaciona com seus colaboradores pode impactar mais no empenho, comprometimento e satisfação do que altos salários. Um bom ambiente de trabalho e a forma como as organizações interagem com as pessoas, tanto o público interno quanto a sociedade em geral, geram oportunidades para o crescimento e sustentabilidade dos negócios. Assim, um dos grandes desafios enfrentados pelas empresas na adoção de programas gerenciais ambientalmente responsáveis é favorecer, nas relações internas e externas, valores culturais que contribuem para um novo comportamento organizacional. Sendo a cultura a forma correta de perceber, sentir e pensar, ela condiciona o que se aprende, a maneira como se aprende e os resultados dessa aprendizagem para a organização. Por conseguinte, é fundamental reconhecê-la como um dos agentes que podem dificultar ou facilitar a aprendizagem do modelo de gestão responsável a fim de evitar a implantação de estratégias preocupadas apenas com o processo e com caminhos e padrões pré-fixados (ALIGLERI; KRUGLIANSKAS, 2009). Essa nova perspectiva demanda novas respostas para a teoria e prática da gestão de pessoas. Para que aconteça o engajamento da organização como um todo nas questões ambientais, a área de recursos humanos precisa internalizar comportamentos éticos e comprometidos junto aos colaboradores. A associação desses conceitos à gestão dos negócios deve necessariamente expressar o compromisso efetivo de todos os escalões da empresa de forma permanente e estruturada. De acordo com Vilela Junior e Demajorovic (2006), em grande parte das iniciativas, os programas de conscientização ambiental se concretizam sob três formatos diferentes. Em primeiro lugar, a partir de eventos pontuais, que são muito comuns em empresas que

6 restringem seus programas de educação ambiental às palestras que envolvem funcionários que ouvem passivamente algum palestrante que aborda temas como água ou resíduos sólidos. Ainda citando Vilela Junior e Demajorovic (2006), uma segunda abordagem empregada pelas empresas é ater seus programas de educação ambiental às ações desenvolvidas com o público externo, como palestras em escolas, apoio à realização de programas de coleta seletiva e gincanas, atividades vendidas como parte integrante do compromisso socioambiental das empresas. Enfim, uma terceira e última forma de desenvolver a educação ambiental nas empresas é aquela destinada a preparar a organização para cumprir corretamente os procedimentos estabelecidos pela Norma ISO É importante salientar que as três abordagens citadas não deixam de constituir iniciativas importantes, até enquanto elementos fundamentais de possíveis programas de educação ambiental nas empresas, mas é preciso que essa abordagem simplificada de adoção de estratégias nas empresas seja revista (VILELA JUNIOR; DEMAJOROVIC, 2006). Quando a organização resolve implementar a gestão socioambiental estratégica ou outro programa que envolva suas competências internas, nota-se grande resistência a mudanças por parte dos colaboradores e dos empregadores. Segundo Nascimento; Lemos e Mello (2008), conseguir a adesão de todos os que fazem parte da organização e participam, tanto operacionalmente quanto em nível decisório, é a premissa básica para o sucesso da gestão socioambiental estratégica. Dessa forma, pensar na responsabilidade ambiental da empresa significa não somente investir em passiva transmissão de conhecimentos e informações sobre a temática ambiental ou política ambiental da empresa, mas implica sensibilizar, gerar sentidos de corresponsabilidade, proporcionar a descoberta de potencialidades em cada profissional em todos os níveis hierárquicos, proporcionar abertura ao diálogo e a compreensão dos processos envolvidos. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Para responder à questão da pesquisa e alcançar os objetivos propostos foi realizada uma pesquisa de natureza quantitativa, com informações viabilizadas por meio de um levantamento do tipo survey. Destaca-se que a pesquisa apresentada é de natureza exploratória, pois o objetivo é proporcionar maior familiaridade com o problema. Para a coleta de dados, foi utilizado um questionário desenvolvido e validado por Gonçalves-Dias et al. (2009) que contempla 34 afirmações referentes à mensuração de consciência ambiental e questões de caracterização do perfil do entrevistado. O questionário foi respondido por profissionais de recursos humanos de grandes empresas de uma cidade do norte do Paraná. O questionário possui 34 afirmações em uma escala de diferencial semântico de 7 pontos, sendo 1 nunca e 7 sempre, englobando questões de: consumo de produtos e serviços de empresas; cuidados com alimentação saudável; disposição de lixo no lar; disposição de lixo em áreas públicas; economia de energia elétrica; economia de água; reutilização de produtos; participação em iniciativas de defesa ao meio ambiente; e reação diante de posturas ambientalmente incorretas de terceiros (GONÇALVES DIAS et al, 2009, não paginado). Conforme orientação de Hair Jr. e outros (2005), foram combinadas múltiplas respostas referentes aos seguintes temas: consumo de produtos e serviços de empresas; preocupação com alimentação saudável; acondicionamento de lixo na residência; disposição de lixo em áreas públicas; economia de energia elétrica e água; reutilização de produtos;

7 participação em iniciativas de defesa do meio ambiente; e reação diante de posturas ambientalmente incorretas de terceiros. Uma escala diferencial semântica de 7 pontos (1 = Nunca e 7 = Sempre) foi empregada para alcançar o posicionamento dos respondentes. A mensuração do nível de consciência ambiental é representada pelas médias mais altas; entretanto, algumas questões tiveram suas afirmações invertidas, e as médias mais baixas indicam maior consistência ambiental. De acordo com Gonçalves-Dias et al. (2009), a solução final da análise fatorial apontou cinco fatores utilizando o critério do autovalor superior a 1,0: Consumo Engajado, Preocupação com o Lixo, Boicote via Consumo, Mobilização e Ambiente Doméstico. A Tabela 1, a seguir, apresenta as variáveis agrupadas em seus respectivos fatores predominantes utilizados para avaliar os resultados da pesquisa. Tabela 1 Agrupamento das variáveis em dimensões Dimensão 1: Consumo Engajado Eu já paguei mais por produtos ambientalmente corretos. Eu procuro comprar produtos feitos de material reciclado. Eu já convenci outras pessoas a não comprarem produtos que prejudicam o meio ambiente. As preocupações com o meio ambiente interferem na minha decisão de compra. Leio o rótulo atentamente antes de decidir a compra. Compro comida sem me preocupar se tem conservantes ou agrotóxicos. Procuro me alimentar com comidas naturais. Dimensão 2: Preocupação com o Lixo Quando não tem lixeira por perto, guardo o papel que não quero mais no bolso. Jogo latas de cerveja ou refrigerante vazias no chão. Evito jogar papel no chão. Ajudo a manter as ruas limpas. Dimensão 3: Boicote via Consumo Compro produtos de uma empresa mesmo sabendo que ela polui o meio ambiente. Evito usar produto fabricado por empresa que polui o meio ambiente. Dimensão 4: Mobilização Chamo a atenção de pessoas que jogam papel no chão. Falo sobre a importância do meio ambiente com outras pessoas. Já denunciei quem polui o meio ambiente Mobilizo as pessoas para a conservação dos espaços públicos. Procuro reduzir o meu consumo de recursos naturais escassos. Dimensão 5: Ambiente Doméstico Deixo a torneira aberta enquanto escovo os dentes. Na minha casa eu separo o lixo conforme seu tipo. Tomo banho demorado. Fico com a geladeira aberta muito tempo, olhando o que tem dentro. Quando estou em casa, deixo as luzes acesas em ambientes que não são usados. Gonçalves-Dias et al. (2009) sublinham que as dimensões do comportamento ambiental podem ser agrupadas da seguinte maneira, como se ilustra no Quadro 1, a seguir. Quadro 1 Dimensões do comportamento ambiental DIMENSÃO DESCRIÇÃO Consumo Engajado Responsável pela maior parte da variância dos dados, agrupa variáveis relativas às atitudes dos respondentes quanto ao consumo. Expressam o nível de conscientização dos indivíduos sobre as questões ambientais que envolvem a postura dos fabricantes e também um caráter mais ativo na procura de opções de produtos ecologicamente

8 Preocupação com o Lixo Boicote via Consumo Mobilização Ambiente Doméstico corretos. Reuniu variáveis ligadas à atitude dos indivíduos quanto ao lixo e limpeza de ambientes domésticos e públicos. Também aglutinou variáveis comportamentais relacionadas ao consumo, todavia o caráter da postura dos indivíduos indica maior propensão a penalizar produtos e serviços ecologicamente incorretos. Agregou variáveis comportamentais relacionadas a uma postura proativa na busca da sensibilização de outros indivíduos no que se refere às questões ambientais. Agrupou variáveis ligadas ao comportamento do indivíduo na vida domiciliar. As variáveis estão relacionadas ao uso cotidiano de recursos naturais, como energia elétrica e água. A estratégia de construir o modelo fatorial e, posteriormente, aglomerar os dados é adotada por uma série de estudos em Administração (FURSE, PUNJ, STEWART, apud Gonçalves-Dias et al., 2009) e se mostrou bastante útil para avançar na compreensão do comportamento ecológico de graduandos em Administração. A descrição das dimensões do comportamento ambiental descritas por Gonçalves Dias et al. (2009) orientam a avaliação dos resultados da pesquisa. 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram respondidos 34 questionários por profissionais de Recursos Humanos de grandes empresas de uma cidade no norte do Paraná, cujas empresas foram selecionadas a partir do Cadastro das Indústrias 2013, catálogo editado pelo CIN/PR Centro Internacional de Negócios do Paraná, em sua 15ª edição. Os questionários foram encaminhados por , no período de 14 de fevereiro a 8 de março de 2013, as 57 empresas cadastradas no catálogo. Aguardou-se a devolutiva dos profissionais interessados em responder à pesquisa, obteve-se um retorno de 34 questionários respondidos; assim, aceitaram participar da pesquisa 59,65% das empresas selecionadas. Os resultados obtidos por meio dos questionários recebidos foram transcritos em forma de tabelas para análise de acordo com o agrupamento das variáveis em dimensões do comportamento ambiental. Tabela 2 Consumo engajado Questão Consumo engajado Total nunca As preocupações com o meio ambiente interferem na minha decisão de compra Compro comida sem me preocupar se tem conservantes ou agrotóxicos Eu já convenci outras pessoas a não comprarem produtos que prejudicam o meio ambiente Eu já paguei mais por produtos ambientalmente corretos Eu procuro comprar produtos feitos de material reciclado Procuro me alimentar com comidas naturais sempre 07 Na dimensão consumo engajado, a pesquisa revela que a maioria dos respondentes não está sempre preocupada com o meio ambiente ao fazer suas compras, apenas 9% consideram as questões ambientais em todas as compras. Observou-se também que boa parte desses profissionais não está disposta a pagar mais caro por produtos ambientalmente corretos, 51% dos entrevistados assinalaram entre 1 e 3 as escalas mais baixas de concordância com a

9 afirmação. Já o item procuro me alimentar com comidas naturais foi a afirmativa que representou maior preocupação dos entrevistados, representando 65% dos respondentes. Tabela 3 Preocupações com o lixo Questão Preocupações com o lixo Total nunca Evito jogar papel no chão Jogo latas de cerveja ou refrigerante vazias no chão Quando não tem lixeira por perto, guardo o papel que não quero mais no bolso Ajudo a manter as ruas limpas sempre 07 Os resultados obtidos no grupo preocupações com o lixo reuniu variáveis relacionadas à atitude dos indivíduos quanto ao lixo e limpeza de espaços domésticos e públicos; essa dimensão representou um grande nível de preocupação dos entrevistados, já que 100% dos respondentes afirmaram que evitam jogar papel no chão, 91% guardam papel no bolso e 72% assinalaram as opções entre 5 e 7 no que diz respeito ao item ajudo a manter as ruas limpas. A análise desse grupo revelou que esses profissionais têm alto nível de preocupação com a destinação do lixo. Tabela 4 Boicote via consumo Questão Boicote via consumo Total nunca Evito usar produto fabricado por empresa que polui o meio ambiente Compro produtos de uma empresa mesmo sabendo que ela polui o meio ambiente sempre 07 Os entrevistados atribuíram notas mais baixas ao quesito compro produtos de uma empresa, mesmo sabendo que ela polui o meio ambiente, o que significa que a maioria das pessoas que responderam ao questionário evita comprar de empresas que não demonstram responsabilidade ambiental. A maior parte dos respondentes adota uma postura ativa no quesito evito usar produto fabricado por empresa que polui o meio ambiente, as médias mais altas representaram 62%. Tabela 5 Mobilização Questão Mobilização Total 2 9 nunca Chamo a atenção de pessoas que jogam papel no chão Falo sobre a importância do meio ambiente com outras pessoas Já denunciei quem polui o meio ambiente Procuro reduzir o meu consumo de recursos naturais escassos Mobilizo as pessoas para a conservação dos espaços públicos sempre 07 Na dimensão mobilização, os respondentes adotaram uma postura mediana; em algumas questões, como procuro reduzir o meu consumo de recursos naturais escassos e falo sobre a importância do meio ambiente com outras pessoas. 76% dos entrevistados afirmaram que nunca denunciaram quem polui o meio ambiente ou mobilizaram pessoas para a conservação de espaços públicos. A análise desse quesito aponta que os profissionais não apresentam uma postura proativa no tocante à sensibilização de outros indivíduos para causas ambientais.

10 Tabela 6 Ambiente doméstico Questão Ambiente doméstico Total nunca Sempre 07 4 Deixo a torneira aberta enquanto escovo os dentes Fico com a geladeira aberta muito tempo, olhando o que tem dentro Na minha casa eu separo o lixo conforme seu tipo Quando estou em casa, deixo as luzes acesas em ambientes que não são usados Tomo banho demorado Quanto ao ambiente doméstico, 74% dos respondentes afirmam que não deixam a torneira aberta enquanto escovam os dentes e 79% dos entrevistados atribuíram maiores médias no quesito na minha casa eu separo o lixo conforme seu tipo. E a maior parte dos entrevistados assegura que não fica com a geladeira aberta por muito tempo, deixa as luzes acesas ou toma banho demorado. Esse âmbito da pesquisa revelou que os respondentes tomam ações favoráveis ao meio ambiente no âmbito de sua vida doméstica. Dos 34 profissionais que responderam ao questionário, 62% são do gênero feminino e 38% do masculino; vale lembrar que a maior parte dos profissionais de recursos humanos é do gênero feminino; desse público, 32% têm entre 18 e 24 anos e 47% têm entre 25 e 34 anos, o que mostra que os respondentes são, em sua maioria, pessoas jovens. Quando questionados sobre o interesse pelo meio ambiente, foi solicitado que se atribuísse uma nota de 1 a 7 e 88% dos respondentes atribuíram notas entre 5 e 7, o que representa um grande interesse dos profissionais entrevistados pelas questões ambientais. O fator de interesse dos profissionais de recursos humanos pelo meio ambiente é essencial para o efetivo engajamento do público interno e da inserção do tema na cultura organizacional. Observou-se também que pessoas que declaram ter estudado sobre meio ambiente apresentaram médias superiores nas afirmações, demonstrando maior comprometimento ambiental; 85% dos profissionais declararam que já estudaram sobre meio ambiente, e destes, 15% estudaram no Ensino Fundamental, 32% no Ensino Médio, 35% na graduação e 18% na pós-graduação. Conforme estudo realizado por Gonçalves-Dias et al. (2009), a pesquisa suporta a proposição de que a transformação do comportamento ecológico não é efetivamente alterada através de estratégias pedagógicas genéricas, já que a maioria dos entrevistados teve a formação ambiental e boa parte realizou trabalhos acadêmicos na área. A presente pesquisa suporta a proposição de que o acesso ao tema ambiental ou até mesmo a própria formação ambiental no ambiente escolar ou universitário não provoca o avanço da consciência ambiental. Os homens demonstraram maior preocupação com as questões ambientais nas dimensões ambiente doméstico e preocupação com o lixo; nos grupos consumo engajado e boicote via consumo as mulheres atribuíram as maiores notas. Quanto à mobilização, homens e mulheres obtiveram baixas médias, com diferença mínima entre os gêneros. Quanto ao estado civil, observou-se que pessoas casadas demonstraram maior preocupação com o meio ambiente que as solteiras, o que suporta o estudo de Iseri, Silva e Silva (2011) referente ao consumo consciente e Baccaro et al. (2012) sobre consciência ambiental; nesses estudos, foi verificado que as pessoas casadas tendem a possuir comportamentos ambientais mais conscientes se comparadas às solteiras.

11 5 CONCLUSÕES O principal propósito desta pesquisa foi analisar a consciência ambiental de profissionais de recursos humanos em uma cidade norte paranaense para verificar seu nível de comprometimento com o meio ambiente. Considerando que é por meio dessa área que os valores de responsabilidade ambiental são disseminados para os funcionários, levando em conta que as ações e atitudes dos indivíduos são estimuladas, uma vez que estes possuam valores que se preocupem com o meio ambiente. Apesar de alguns autores destacarem a importância da área de recursos humanos para o efetivo engajamento da organização quanto às questões ambientais, a análise de algumas das principais obras referentes à gestão ambiental na organização mostra que há ênfase, somente, da gestão de recursos humanos como responsável pelo treinamento sobre educação ambiental. Os resultados desta pesquisa apontaram que os respondentes demonstram alto nível de preocupação com a destinação do lixo e que tomam ações favoráveis ao meio ambiente no âmbito de sua vida doméstica. Na esfera denominada boicote via consumo, o caráter da postura dos indivíduos indica maior propensão a penalizar produtos e serviços ecologicamente incorretos. Contudo, a análise dos resultados a partir das dimensões do comportamento ambiental mobilização e consumo engajado revela que os profissionais não apresentam uma postura proativa no que tange à sensibilização de outros indivíduos para causas ambientais e que não demonstram grande preocupação com a responsabilidade ambiental ao realizar suas compras. Os entrevistados revelaram grande interesse pelas questões ambientais; o fator de interesse dos profissionais de recursos humanos pelo meio ambiente é essencial para o efetivo engajamento do público interno e da inserção do tema na cultura organizacional. Notou-se também que pessoas que declaram ter estudado sobre meio ambiente apresentaram médias superiores nas afirmações, demonstrando maior comprometimento ambiental. Conclui-se que para que a cultura de responsabilidade ambiental seja incorporada pela organização é necessário que os horizontes sejam ampliados, implicando que uma nova cultura seja estabelecida. Além dos treinamentos para funcionários, ao lidar com pessoas é necessário considerar suas individualidades, valores, crenças histórias de vida e culturas, isto é, hábitos que determinam comportamentos e consolidam um cenário muito mais complexo que demanda ações tanto no ambiente interno quanto no ambiente externo da empresa. Também se faz necessário considerar a área de recursos humanos como fator estratégico e essencial para que haja o engajamento da organização como um todo nas questões ambientais. A gestão de recursos humanos tem um papel fundamental ao favorecer a internalização de comportamentos éticos e comprometidos junto aos colaboradores. A associação desses conceitos à gestão dos negócios deve necessariamente expressar o compromisso efetivo de todos os escalões da empresa, de forma permanente e estruturada, ou não passará de discurso todos os esforços empreendidos para tornar a organização ambientalmente responsável. REFERÊNCIAS ALIGLERI, Lilian; ALIGLERI, Luiz A.; KRUGLIANSKAS, Isak. Gestão Socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas, BACCARO, Thais Accioly; GALÃO, Fabiano Palhares; GROSS, Geovani. O profissional de recursos humanos e sua consciência ambiental: um estudo em uma universidade do norte do Paraná. XV Semead, outubro de 2012.

12 BARBIERI, José Carlos. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva, BORGER, F. G. Responsabilidade social: efeitos da atuação social na dinâmica empresarial. São Paulo, Tese (Doutorado em Administração). Programa de Pós Graduação em Administração. Departamento de Administração, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. BRÍO, J.A.; FERNÁNDEZ, E.;JUNQUERA, B. (2007). Management and employee involvement in achieving and environmental action-based competitive advantage: an empirical study. The International Journal of Human Resource Management, v.18 n.4, p BRUNO, Giuliana Ortega; URSINI, Tarcila Reis. A Gestão para a Responsabilidade Social e o Desenvolvimento Sustentável. Instituto Ethos. Disponível em: <www.ethos.org.br>. Acesso em: 14 fevereiro Cadastro das Indústrias Disponível em: <http://www.cadastrosindustriais.com.br/pr/pr_home.aspx>. Acesso em: 14 de fevereiro de DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 1. ed. São Paulo: Atlas, DONAIRE, Denis. Gestão ambiental na empresa. São Paulo: Atlas, GONÇALVES-DIAS, S.L.F.; TEODÓSIO, A.S.S.; CARVALHO, S.; SILVA, H.M. R. (2009) Consciência ambiental: um estudo exploratório sobre suas implicações para o ensino da administração. RAE-eletrônica, v. 8, n. 1, jan-jun. HAIR JUNIOR, J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, ISERI, S. S.; SILVA, L. P. M.; SILVA, M. A. C. (2011) Consumo consciente a percepção de acadêmicos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). An.Sciencult, Paranaíba, v. 3, n.1, p JABBOUR, C. J. C. (2007) Contribuições da gestão de recursos humanos para a evolução da gestão ambiental: survey e estudo de múltiplos casos f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, KOTLER, P. et al. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier, MAY, D. R.; FLANNERY, L. B. (1995). Cutting waste employee involvement teams. Business Horizons. v.38, n.5, p NASCIMENTO, Luís Felipe; LEMOS, Ângela Denise Cunha; MELLO, Maria Celina Abreu. Gestão Socioambiental Estratégica. Porto Alegre: Editora Bookman, OTTMAN, Jacquelyn A. Marketing Verde: desafios e oportunidades para a nova era do marketing. São Paulo: Makron Books, PATO, C. M. L.. Comportamento ecológico: relações com valores pessoais e crenças ambientais, f. Tese (Doutorado em Psicologia), UnB, Brasília, TACHIZAWA, Takeshy. Gestão ambiental e responsabilidade social coorporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. São Paulo: Atlas, TACHIZAWA, Takeshy; ANDRADE, Rui Otávio B. Gestão socioambiental: estratégias na nova era da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Elsevier, VILELA JUNIOR, Alcir; DEMAJOROVIC, Jaques (organizadores). Modelos e ferramentas de gestão ambiental: desafios e perspectivas para as organizações. São Paulo: Senac, 2006.

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações Ítalo Camilo da Silva Nogueira Faculdade Nossa Senhora Aparecida /GO - italocamilo@hotmail.com Karlla Junara Cintra Azambuja Soares

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade

A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade Realização Patrocínio Objetivo da pesquisa Captar a perspectiva dos gestores e professores de gestão da qualidade sobre: 1. Os conceitos de sustentabilidade

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE SAÚDE, SEGURANÇA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA EMPRESA DE MINERAIS NÃO METÁLICOS DA PARAÍBA

DIAGNÓSTICO SOBRE SAÚDE, SEGURANÇA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA EMPRESA DE MINERAIS NÃO METÁLICOS DA PARAÍBA DIAGNÓSTICO SOBRE SAÚDE, SEGURANÇA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA EMPRESA DE MINERAIS NÃO METÁLICOS DA PARAÍBA Isabel Cristina Farias QUIRINO 1, Vera Lúcia Meira de Morais SILVA 2, Lígia Maria Ribeiro LIMA

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Mirella Paiva 1 e Flora Tucci 2 Em uma sociedade marcada pela globalização, pelo dinamismo e pela competitividade, atingir

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental.

Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental. Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental. Edna Veloso de Medeiros - prof_edna@yahoo.com.br Centro Estadual de

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL Rafael Antônio Nunes COURA³;Milena Alves da Silva SOUZA³; Isabela Fatima Silveira MARTINS³; Cássia Maria Silva NORONHA¹ e Eriks Tobias VARGAS².

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

PROPOSTA DE SEMINARIO: PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS

PROPOSTA DE SEMINARIO: PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS PROPOSTA DE SEMINARIO: PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS Vitória 2006 1. JUSTIFICATIVA O mundo começa a respirar ares novos de cidadania. Um número cada vez maior de empresas se engajam no aprimoramento

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais