FACESI EM REVISTA Ano 5 Volume 5, N ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACESI EM REVISTA Ano 5 Volume 5, N.1 2013 - ISSN 2177-6636"

Transcrição

1 A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL DO PROFISSIONAL DE RECURSOS HUMANOS: UM ESTUDO EM EMPRESAS DE GRANDE PORTE DE UMA CIDADE NO NORTE DO PARANÁ Lilian de Lima Pires Pós Graduação em Gestão Contemporânea de Recursos Humanos - Universidade Estadual de Londrina UEL, Graduação em Administração Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR, RESUMO O objetivo geral da pesquisa foi analisar a consciência ambiental de profissionais de recursos humanos que atuam em grandes empresas de uma cidade do norte do Paraná para verificar seu nível de comprometimento com o meio ambiente. A pesquisa é de natureza quantitativa, com informações viabilizadas por meio de um levantamento do tipo survey, através de um questionário desenvolvido por Gonçalves-Dias et al. (2009). Os resultados apontaram maiores níveis de preocupação ambiental com alguns aspectos como destinação do lixo e no âmbito doméstico; já questões referentes à mobilização e consumo engajado demonstraram que os profissionais não apresentam uma postura proativa. Concluiu-se que a área de recursos humanos é fator essencial para o engajamento da organização nas questões ambientais para que haja compromisso efetivo de todos os escalões da empresa de forma permanente e estruturada, ou não passará de discurso todos os esforços empreendidos para tornar a organização ambientalmente responsável. Palavras-chave: Gestão ambiental, recursos humanos, comportamento ambiental. ABSTRACT The main purpose of this study was to analyze the environmental awareness of human resource professionals, who work in large companies in the city located in northern Paraná, to check their level of commitment to the environment. The research is quantitative, through the use of the scale developed by Gonçalves-Dias et al (2009). The survey results showed higher levels of environmental concern with some aspects such as garbage disposal and domestic environment, for matters relating to mobilization and conscious purchasing demonstrated that professionals do not have a proactive attitude. It was concluded that the area of human resources is vital to the organization's engagement in environmental issues so that there is effective commitment from all levels of the company, in a structured and permanently way, or it will be in vain all the efforts to make a company environmentally responsible. Keywords: environmental management, human resources, environmental behavior. INTRODUÇÃO Segundo Dias (2009), o nível de competitividade de uma empresa está relacionado a um conjunto de fatores mutuamente dependentes, como custos, qualidade de produtos e serviços, capital humano, tecnologia e capacidade de inovação. Nos últimos anos, a gestão ambiental tem adquirido cada vez mais posição de destaque em termos de competitividade devido aos benefícios que traz para o processo produtivo como um todo e devido a alguns fatores em particular que são potencializados. A gestão ambiental é a resposta natural das empresas ao novo cliente, o consumidor verde e ecologicamente correto. A empresa verde é sinônimo de bons negócios e no futuro será a única forma de empreender negócios de maneira duradoura e lucrativa. Em outras palavras, o quanto antes as organizações começarem a enxergar o meio ambiente como seu principal desafio e como oportunidade competitiva maior será a chance de que sobrevivam (TACHIZAWA, 2004).

2 Quanto às organizações empresariais, nota-se atualmente, ao menos em nível de discurso, certa valorização da gestão ambiental como instrumento para avanço no desempenho socioambiental das empresas. A própria Norma ISO ressalta a importância dos processos de conscientização como um dos elementos centrais para a implementação de um sistema de gestão ambiental (VILELA JUNIOR; DEMAJOROVIC, 2006). Por isso, não se questiona mais a importância da consciência dos indivíduos e da gestão ambiental dentro das organizações, mas ainda há vários desafios para essa área (GONÇAVES-DIAS et al., 2009). Um dos desafios é alinhar as políticas de recursos humanos às práticas de gestão ambiental, considerando que é por meio dessa área que é possível disseminar esses valores aos funcionários, tendo em vista que as atitudes e ações do indivíduo serão influenciadas se este possuir valores que se preocupem com o meio ambiente (BANSAL; ROTH, 2000 apud BACCARO et al., 2012). O desenvolvimento de políticas de gestão de recursos humanos adequadas à gestão ambiental é fator fundamental, visto que são os próprios funcionários que possuem o melhor conhecimento sobre suas atividades e, consequentemente, podem recomendar as soluções mais apropriadas para a melhoria do desempenho ambiental da empresa (MAY e FLANNERY, 1995). A gestão de recursos humanos deve fomentar a difusão dos princípios da gestão ambiental por toda a organização a fim de identificar as competências e talentos necessários para sua efetivação (BOUDREAU E RAMSTAD apud JABBOUR, 2007). Assim, o objetivo geral da pesquisa é analisar a consciência ambiental de profissionais de recursos humanos, que atuam em grandes empresas de uma cidade do norte do Paraná, para verificar seu nível de comprometimento com o meio ambiente. Para alcançar os objetivos da pesquisa, de natureza exploratória, foi realizada uma pesquisa de natureza quantitativa, com informações viabilizadas por meio de um levantamento do tipo survey. Foi utilizado questionário desenvolvido por Gonçalves-Dias et al. (2009) com 34 afirmações de caracterização do perfil, o qual foi respondido por profissionais de Recursos Humanos de grandes empresas de uma cidade situada no norte do Paraná. 2 GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Com o passar das últimas décadas, após a Revolução Industrial, e sob o subsídio da crescente tecnologia, consolidou-se um modelo econômico pautado em uma globalização crescente e no consumismo desenfreado, o que implicou a criação de instâncias como a Organização Mundial de Comércio (OMC) e das multinacionais, nem sempre preocupadas com o bem comum da grande massa ou com as questões ambientais, a não ser no sentido de garantir a saúde da máquina produtiva (VILELA JUNIOR; DEMAJOROVIC, 2006). Apesar de as discussões relacionadas ao meio ambiente não serem recentes, foi apenas a partir dos anos 1990 que o consumidor, ao tomar consciência dos problemas ambientais e sociais causados pelo homem, passou a querer interagir com organizações que sejam éticas, que tenham boa imagem institucional no mercado e que atuem de forma social e ambientalmente responsável (TACHIZAWA; ANDRADE, 2008). Nesse período, os consumidores começaram a expressar mais intensamente seus interesses em proteger o planeta e a si mesmos, iniciando uma tendência chamada consumerismo ambiental (OTTMAN, 1994). Para atender a essa nova demanda, cumprir com as regulamentações ambientais, ou mesmo suprir o seu próprio anseio de causar menos impacto ambiental, as empresas precisam se adaptar e repensar processos, fontes de recursos e formas de descarte (DIAS, 2009). A estratégia corporativa, atrelada à inovação de processos e produtos verdes, passou a ser fonte de vantagem competitiva, colocando as empresas pioneiras na vitrine e causando boa

3 imagem institucional (DONAIRE, 2009). Nesse sentido, as organizações que se recusam a se adaptar e têm seu nome ligado a desastres ambientais, ou mesmo ao desrespeito com o meio ambiente e com a sociedade como um todo correm o risco de sofrer sanções do governo, perder mercado e ainda sofrer boicotes por parte dos consumidores (DIAS, 2009; DONAIRE, 2009). Nesse âmbito, algumas empresas passaram a considerar a dimensão ambiental em suas atividades e a ter uma atitude proativa, de forma corporativa e mais explícita, para as questões ambientais, com uma integração do meio ambiente em todas as suas atividades, havendo a internalização de custos ambientais (ativos e passivos) e uma explícita preocupação com a responsabilidade social. Em consonância com Barbieri (2007), gestão ambiental diz respeito às diretrizes e atividades administrativas e operacionais, tais como planejamento, direção, controle, alocação de recursos e outras realizadas com a finalidade de obter efeitos positivos sobre o meio ambiente, quer reduzindo ou eliminando os danos ou problemas causados pelas ações humanas, quer evitando que eles surjam. O nível de competitividade de uma empresa está atrelado a um conjunto de fatores, variados e complexos, que se inter-relacionam e são mutuamente dependentes, tais como capacidade de inovação, custos, capital humano, qualidade dos produtos e serviços, nível de controle de qualidade e tecnologia. Acontece que nos últimos anos a gestão ambiental tem alcançado cada vez mais uma posição destacada, em termos de competitividade, devido aos benefícios que proporciona ao processo produtivo como um todo e a alguns fatores específicos que são potencializados. Kotler et al (2010, p.4) enfatizam que: Cada vez mais os consumidores estão em busca de soluções para satisfazer seu anseio de transformar o mundo globalizado num mundo melhor. Em um mundo confuso, eles buscam empresas que abordem suas mais profundas necessidades de justiça social, econômica e ambiental em sua missão, visão e valores. Buscam não apenas satisfação funcional e emocional, mas também satisfação espiritual nos produtos que escolhem. De acordo com Aligleri; Aligleri; e Kruglianskas (2009), o público passou a expressar suas preocupações com o comportamento socioambiental das empresas, determinando maior envolvimento na solução dos problemas, questionando, de certa maneira, o papel da empresa na sociedade. Isso fez com que cada vez mais os consumidores demandassem das empresas a produção de produtos e serviços consistentes com os valores ambientais e sociais. Essa perspectiva cria exigências e leva as empresas a mudarem seus propósitos e valores organizacionais, tornando-os mais consistentes com as expectativas da sociedade. Pode-se afirmar que as relações entre as empresas e a sociedade baseiam-se em um contexto social que evolui segundo as mudanças sociais e as expectativas da sociedade (BORGER, 2001). Nesse sentido, a gestão empresarial que atende somente aos interesses dos acionistas torna-se insuficiente. Os gestores são induzidos a buscar uma imagem legítima, de modo que muitas empresas têm implantado estratégias até pouco tempo atrás desnecessárias e negligenciadas. Isso desafia as empresas a reduzir os resíduos de sua produção e praticar uma postura de interação e diálogo com diferentes públicos de relacionamento, procurando novas soluções economicamente viáveis para questões socioambientais. Nesse contexto, muitos investidores já consideram as questões ambientais em suas decisões, pois sabem que os passivos ambientais estão entre os principais fatores que podem corroer a rentabilidade e a substância patrimonial das empresas. O crescimento do número de consumidores que preferem comprar produtos e serviços que respeitem a natureza é o outro fator que impulsiona o tratamento estratégico das questões ambientais (BARBIERI, 2007).

4 Muitas empresas já se mobilizaram e estruturaram projetos voltados para uma gestão ambiental. Apesar de essas iniciativas proporcionarem resultados positivos, na maioria das vezes são ações pontuais, que não estão ligadas à visão, missão, planejamento estratégico e posicionamento da empresa, por isso não expressam um compromisso efetivo para o desenvolvimento sustentável. Essa contribuição é relevante, porém quando é tratada isoladamente, direciona o foco da ação para fora da empresa e não tem poder para influenciar a comunidade empresarial a outro tipo de contribuição, de grande importância para a sociedade: a gestão dos impactos ambientais, econômicos e sociais provocados por decisões estratégicas, práticas de negócio e processos operacionais (ETHOS, 2005). Uma empresa ambientalmente responsável potencializa a reutilização e reciclagem de materiais, o que tem impacto significante na eco-eficiência e suscita ambientes participativos e mais criativos, com o uso de alternativas inteligentes de consumo. Além disso, uma gestão ambientalmente responsável pode agregar valor à marca, que vai além do produto tangível, associando a si valores positivos, gerando relacionamentos mais duradouros com consumidores e impactando em imagem e vendas (ETHOS, 2005). Portanto, tornar-se uma empresa ambientalmente responsável significa engajar-se profundamente no novo modo de ver e fazer as coisas. A integração parcial na perspectiva ambiental não se converterá em vantagem competitiva a médio e longo prazo, quando muito a curto prazo poderá ocorrer melhoria na convivência social da organização com outros agentes sociais, que será dissipada com o passar do tempo, quando se tornar claro que as intenções foram somente de maquiar a realidade, e não transformá-la (DIAS, 2009). 2.1 RECURSOS HUMANOS E QUESTÕES AMBIENTAIS Apesar de alguns autores defenderem a importância da gestão de recursos humanos para que ocorra um efetivo engajamento das organizações no que tange a questões ambientais, a literatura especializada em gestão ambiental empresarial é escassa no tocante à gestão de recursos humanos e a sua importância nesse processo (PATO, 2004). E como observa Rothenberg (apud Jabbour, 2007), embora a maioria dos pesquisadores em gestão ambiental ressalte a importância de recursos humanos no alcance de um desempenho superior, pouco se sabe sobre a dinâmica dessa relação. A análise de algumas das principais obras referentes à gestão ambiental na organização (DONAIRE, 2009; BARBIERI, 2007; TACHIZAWA, 2004) revela que há ênfase, apenas, na gestão de recursos humanos como responsável pelo treinamento em matéria ambiental. Na área de estudo que trata da gestão de recursos humanos, verifica-se que o tema da gestão ambiental empresarial não é devidamente abordado. A carência de maior avanço no conhecimento dessa área de pesquisa é frequentemente ressaltada pelos seus principais autores. Como exemplo, Daily e Huang (apud Jabbour, 2007) afirmam que em termos práticos e empíricos, há pouca sistematização sobre como a gestão de pessoas pode contribuir para a efetividade da gestão ambiental. Brío, Fernándes e Junquera (2007) reafirmam que tal tema de pesquisa não vem recebendo a merecida atenção, e que pesquisas que contemplem a combinação de métodos são necessárias, a fim de se construir conhecimento válido. Donaire (2009) salienta a importância das práticas de recursos humanos para a efetiva gestão ambiental: O desempenho de uma organização está fortemente associado à qualidade de seus recursos humanos. Se uma empresa pretende implantar a gestão ambiental em sua estrutura organizacional, deve ter em mente que seu pessoal pode transformar-se na maior ameaça ou no maior potencial para que os resultados esperados sejam alcançados.

5 Assim, a área ambiental deve desenvolver com a área de recursos humanos intenso programa de conscientização, visto que a atividade de meio ambiente inicia-se e concretiza-se alterando o comportamento das pessoas que a integram. Como o público pode acreditar na boa intenção da empresa em relação ao meio ambiente, se o pessoal interno não estiver convencido e motivado para contribuir de forma positiva na questão ambiental? (DONAIRE, 2009, p.102). Conforme Donaire (2009), um aspecto fundamental da área de recursos humanos diz respeito ao treinamento para a gestão ambiental e ao desenvolvimento de competências para lidar com essa questão. Nesse contexto, além da necessidade de conceder informações específicas referentes ao conhecimento da área ambiental, das ações tomadas e de seus reflexos na preservação do meio ambiente, reveste-se de maior relevância a ênfase no treinamento que promova mudança de atitude por parte dos gerentes e subordinados, para que estes possam, em consonância, desenvolver adequado comportamento ambiental em sua atividade diária. A área de recursos humanos e os dirigentes organizacionais devem passar a definir parâmetros de desempenho organizacionais que vão além dos resultados financeiros para compreender aqueles concernentes aos pressupostos da sustentabilidade. Considerando que a adequada gestão ambiental é elemento necessário para o alcance da sustentabilidade, pode-se enunciar que a gestão de recursos humanos passa a ser um dos principais agentes pró-gestão ambiental na empresa (BOUDREAU e RAMSTAD apud JABBOUR, 2007). O engajamento do público interno revela a qualidade da inserção do tema na cultura organizacional. Ou seja, uma organização não consegue consolidar a sua identidade sem que seus colaboradores mais diretos o façam em suas relações cotidianas. Por isso, a gestão ambiental na empresa não pode ser atribuída somente ao nível institucional, mas deve ser ratificada pelo público interno que reconstrói um contexto organizacional mais inclusivo. A gestão de recursos humanos tem um papel essencial nisso. Aligleri; Aligleri; Kruglianskas (2009) postulam que uma gestão responsável e sustentável é construída pelas pessoas, acrescentando que a maneira como a empresa se relaciona com seus colaboradores pode impactar mais no empenho, comprometimento e satisfação do que altos salários. Um bom ambiente de trabalho e a forma como as organizações interagem com as pessoas, tanto o público interno quanto a sociedade em geral, geram oportunidades para o crescimento e sustentabilidade dos negócios. Assim, um dos grandes desafios enfrentados pelas empresas na adoção de programas gerenciais ambientalmente responsáveis é favorecer, nas relações internas e externas, valores culturais que contribuem para um novo comportamento organizacional. Sendo a cultura a forma correta de perceber, sentir e pensar, ela condiciona o que se aprende, a maneira como se aprende e os resultados dessa aprendizagem para a organização. Por conseguinte, é fundamental reconhecê-la como um dos agentes que podem dificultar ou facilitar a aprendizagem do modelo de gestão responsável a fim de evitar a implantação de estratégias preocupadas apenas com o processo e com caminhos e padrões pré-fixados (ALIGLERI; KRUGLIANSKAS, 2009). Essa nova perspectiva demanda novas respostas para a teoria e prática da gestão de pessoas. Para que aconteça o engajamento da organização como um todo nas questões ambientais, a área de recursos humanos precisa internalizar comportamentos éticos e comprometidos junto aos colaboradores. A associação desses conceitos à gestão dos negócios deve necessariamente expressar o compromisso efetivo de todos os escalões da empresa de forma permanente e estruturada. De acordo com Vilela Junior e Demajorovic (2006), em grande parte das iniciativas, os programas de conscientização ambiental se concretizam sob três formatos diferentes. Em primeiro lugar, a partir de eventos pontuais, que são muito comuns em empresas que

6 restringem seus programas de educação ambiental às palestras que envolvem funcionários que ouvem passivamente algum palestrante que aborda temas como água ou resíduos sólidos. Ainda citando Vilela Junior e Demajorovic (2006), uma segunda abordagem empregada pelas empresas é ater seus programas de educação ambiental às ações desenvolvidas com o público externo, como palestras em escolas, apoio à realização de programas de coleta seletiva e gincanas, atividades vendidas como parte integrante do compromisso socioambiental das empresas. Enfim, uma terceira e última forma de desenvolver a educação ambiental nas empresas é aquela destinada a preparar a organização para cumprir corretamente os procedimentos estabelecidos pela Norma ISO É importante salientar que as três abordagens citadas não deixam de constituir iniciativas importantes, até enquanto elementos fundamentais de possíveis programas de educação ambiental nas empresas, mas é preciso que essa abordagem simplificada de adoção de estratégias nas empresas seja revista (VILELA JUNIOR; DEMAJOROVIC, 2006). Quando a organização resolve implementar a gestão socioambiental estratégica ou outro programa que envolva suas competências internas, nota-se grande resistência a mudanças por parte dos colaboradores e dos empregadores. Segundo Nascimento; Lemos e Mello (2008), conseguir a adesão de todos os que fazem parte da organização e participam, tanto operacionalmente quanto em nível decisório, é a premissa básica para o sucesso da gestão socioambiental estratégica. Dessa forma, pensar na responsabilidade ambiental da empresa significa não somente investir em passiva transmissão de conhecimentos e informações sobre a temática ambiental ou política ambiental da empresa, mas implica sensibilizar, gerar sentidos de corresponsabilidade, proporcionar a descoberta de potencialidades em cada profissional em todos os níveis hierárquicos, proporcionar abertura ao diálogo e a compreensão dos processos envolvidos. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Para responder à questão da pesquisa e alcançar os objetivos propostos foi realizada uma pesquisa de natureza quantitativa, com informações viabilizadas por meio de um levantamento do tipo survey. Destaca-se que a pesquisa apresentada é de natureza exploratória, pois o objetivo é proporcionar maior familiaridade com o problema. Para a coleta de dados, foi utilizado um questionário desenvolvido e validado por Gonçalves-Dias et al. (2009) que contempla 34 afirmações referentes à mensuração de consciência ambiental e questões de caracterização do perfil do entrevistado. O questionário foi respondido por profissionais de recursos humanos de grandes empresas de uma cidade do norte do Paraná. O questionário possui 34 afirmações em uma escala de diferencial semântico de 7 pontos, sendo 1 nunca e 7 sempre, englobando questões de: consumo de produtos e serviços de empresas; cuidados com alimentação saudável; disposição de lixo no lar; disposição de lixo em áreas públicas; economia de energia elétrica; economia de água; reutilização de produtos; participação em iniciativas de defesa ao meio ambiente; e reação diante de posturas ambientalmente incorretas de terceiros (GONÇALVES DIAS et al, 2009, não paginado). Conforme orientação de Hair Jr. e outros (2005), foram combinadas múltiplas respostas referentes aos seguintes temas: consumo de produtos e serviços de empresas; preocupação com alimentação saudável; acondicionamento de lixo na residência; disposição de lixo em áreas públicas; economia de energia elétrica e água; reutilização de produtos;

7 participação em iniciativas de defesa do meio ambiente; e reação diante de posturas ambientalmente incorretas de terceiros. Uma escala diferencial semântica de 7 pontos (1 = Nunca e 7 = Sempre) foi empregada para alcançar o posicionamento dos respondentes. A mensuração do nível de consciência ambiental é representada pelas médias mais altas; entretanto, algumas questões tiveram suas afirmações invertidas, e as médias mais baixas indicam maior consistência ambiental. De acordo com Gonçalves-Dias et al. (2009), a solução final da análise fatorial apontou cinco fatores utilizando o critério do autovalor superior a 1,0: Consumo Engajado, Preocupação com o Lixo, Boicote via Consumo, Mobilização e Ambiente Doméstico. A Tabela 1, a seguir, apresenta as variáveis agrupadas em seus respectivos fatores predominantes utilizados para avaliar os resultados da pesquisa. Tabela 1 Agrupamento das variáveis em dimensões Dimensão 1: Consumo Engajado Eu já paguei mais por produtos ambientalmente corretos. Eu procuro comprar produtos feitos de material reciclado. Eu já convenci outras pessoas a não comprarem produtos que prejudicam o meio ambiente. As preocupações com o meio ambiente interferem na minha decisão de compra. Leio o rótulo atentamente antes de decidir a compra. Compro comida sem me preocupar se tem conservantes ou agrotóxicos. Procuro me alimentar com comidas naturais. Dimensão 2: Preocupação com o Lixo Quando não tem lixeira por perto, guardo o papel que não quero mais no bolso. Jogo latas de cerveja ou refrigerante vazias no chão. Evito jogar papel no chão. Ajudo a manter as ruas limpas. Dimensão 3: Boicote via Consumo Compro produtos de uma empresa mesmo sabendo que ela polui o meio ambiente. Evito usar produto fabricado por empresa que polui o meio ambiente. Dimensão 4: Mobilização Chamo a atenção de pessoas que jogam papel no chão. Falo sobre a importância do meio ambiente com outras pessoas. Já denunciei quem polui o meio ambiente Mobilizo as pessoas para a conservação dos espaços públicos. Procuro reduzir o meu consumo de recursos naturais escassos. Dimensão 5: Ambiente Doméstico Deixo a torneira aberta enquanto escovo os dentes. Na minha casa eu separo o lixo conforme seu tipo. Tomo banho demorado. Fico com a geladeira aberta muito tempo, olhando o que tem dentro. Quando estou em casa, deixo as luzes acesas em ambientes que não são usados. Gonçalves-Dias et al. (2009) sublinham que as dimensões do comportamento ambiental podem ser agrupadas da seguinte maneira, como se ilustra no Quadro 1, a seguir. Quadro 1 Dimensões do comportamento ambiental DIMENSÃO DESCRIÇÃO Consumo Engajado Responsável pela maior parte da variância dos dados, agrupa variáveis relativas às atitudes dos respondentes quanto ao consumo. Expressam o nível de conscientização dos indivíduos sobre as questões ambientais que envolvem a postura dos fabricantes e também um caráter mais ativo na procura de opções de produtos ecologicamente

8 Preocupação com o Lixo Boicote via Consumo Mobilização Ambiente Doméstico corretos. Reuniu variáveis ligadas à atitude dos indivíduos quanto ao lixo e limpeza de ambientes domésticos e públicos. Também aglutinou variáveis comportamentais relacionadas ao consumo, todavia o caráter da postura dos indivíduos indica maior propensão a penalizar produtos e serviços ecologicamente incorretos. Agregou variáveis comportamentais relacionadas a uma postura proativa na busca da sensibilização de outros indivíduos no que se refere às questões ambientais. Agrupou variáveis ligadas ao comportamento do indivíduo na vida domiciliar. As variáveis estão relacionadas ao uso cotidiano de recursos naturais, como energia elétrica e água. A estratégia de construir o modelo fatorial e, posteriormente, aglomerar os dados é adotada por uma série de estudos em Administração (FURSE, PUNJ, STEWART, apud Gonçalves-Dias et al., 2009) e se mostrou bastante útil para avançar na compreensão do comportamento ecológico de graduandos em Administração. A descrição das dimensões do comportamento ambiental descritas por Gonçalves Dias et al. (2009) orientam a avaliação dos resultados da pesquisa. 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram respondidos 34 questionários por profissionais de Recursos Humanos de grandes empresas de uma cidade no norte do Paraná, cujas empresas foram selecionadas a partir do Cadastro das Indústrias 2013, catálogo editado pelo CIN/PR Centro Internacional de Negócios do Paraná, em sua 15ª edição. Os questionários foram encaminhados por , no período de 14 de fevereiro a 8 de março de 2013, as 57 empresas cadastradas no catálogo. Aguardou-se a devolutiva dos profissionais interessados em responder à pesquisa, obteve-se um retorno de 34 questionários respondidos; assim, aceitaram participar da pesquisa 59,65% das empresas selecionadas. Os resultados obtidos por meio dos questionários recebidos foram transcritos em forma de tabelas para análise de acordo com o agrupamento das variáveis em dimensões do comportamento ambiental. Tabela 2 Consumo engajado Questão Consumo engajado Total nunca As preocupações com o meio ambiente interferem na minha decisão de compra Compro comida sem me preocupar se tem conservantes ou agrotóxicos Eu já convenci outras pessoas a não comprarem produtos que prejudicam o meio ambiente Eu já paguei mais por produtos ambientalmente corretos Eu procuro comprar produtos feitos de material reciclado Procuro me alimentar com comidas naturais sempre 07 Na dimensão consumo engajado, a pesquisa revela que a maioria dos respondentes não está sempre preocupada com o meio ambiente ao fazer suas compras, apenas 9% consideram as questões ambientais em todas as compras. Observou-se também que boa parte desses profissionais não está disposta a pagar mais caro por produtos ambientalmente corretos, 51% dos entrevistados assinalaram entre 1 e 3 as escalas mais baixas de concordância com a

9 afirmação. Já o item procuro me alimentar com comidas naturais foi a afirmativa que representou maior preocupação dos entrevistados, representando 65% dos respondentes. Tabela 3 Preocupações com o lixo Questão Preocupações com o lixo Total nunca Evito jogar papel no chão Jogo latas de cerveja ou refrigerante vazias no chão Quando não tem lixeira por perto, guardo o papel que não quero mais no bolso Ajudo a manter as ruas limpas sempre 07 Os resultados obtidos no grupo preocupações com o lixo reuniu variáveis relacionadas à atitude dos indivíduos quanto ao lixo e limpeza de espaços domésticos e públicos; essa dimensão representou um grande nível de preocupação dos entrevistados, já que 100% dos respondentes afirmaram que evitam jogar papel no chão, 91% guardam papel no bolso e 72% assinalaram as opções entre 5 e 7 no que diz respeito ao item ajudo a manter as ruas limpas. A análise desse grupo revelou que esses profissionais têm alto nível de preocupação com a destinação do lixo. Tabela 4 Boicote via consumo Questão Boicote via consumo Total nunca Evito usar produto fabricado por empresa que polui o meio ambiente Compro produtos de uma empresa mesmo sabendo que ela polui o meio ambiente sempre 07 Os entrevistados atribuíram notas mais baixas ao quesito compro produtos de uma empresa, mesmo sabendo que ela polui o meio ambiente, o que significa que a maioria das pessoas que responderam ao questionário evita comprar de empresas que não demonstram responsabilidade ambiental. A maior parte dos respondentes adota uma postura ativa no quesito evito usar produto fabricado por empresa que polui o meio ambiente, as médias mais altas representaram 62%. Tabela 5 Mobilização Questão Mobilização Total 2 9 nunca Chamo a atenção de pessoas que jogam papel no chão Falo sobre a importância do meio ambiente com outras pessoas Já denunciei quem polui o meio ambiente Procuro reduzir o meu consumo de recursos naturais escassos Mobilizo as pessoas para a conservação dos espaços públicos sempre 07 Na dimensão mobilização, os respondentes adotaram uma postura mediana; em algumas questões, como procuro reduzir o meu consumo de recursos naturais escassos e falo sobre a importância do meio ambiente com outras pessoas. 76% dos entrevistados afirmaram que nunca denunciaram quem polui o meio ambiente ou mobilizaram pessoas para a conservação de espaços públicos. A análise desse quesito aponta que os profissionais não apresentam uma postura proativa no tocante à sensibilização de outros indivíduos para causas ambientais.

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações Ítalo Camilo da Silva Nogueira Faculdade Nossa Senhora Aparecida /GO - italocamilo@hotmail.com Karlla Junara Cintra Azambuja Soares

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NAS EMPRESAS: SUSTENTABILIDADE COMO FOCO.

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NAS EMPRESAS: SUSTENTABILIDADE COMO FOCO. RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NAS EMPRESAS: SUSTENTABILIDADE COMO FOCO. CARLA C. P. PUCHARELLI * ALINE C. SOUZA** RESUMO As mudanças ocorridas nas últimas décadas transformaram o modo de agir das empresas,

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Gestão ambiental no curso de administração: a percepção dos futuros gestores

Gestão ambiental no curso de administração: a percepção dos futuros gestores Gestão ambiental no curso de administração: a percepção dos futuros gestores Aparecida Rodrigues Rebouças 1 Luana Lacaze de C. Casella 2 RESUMO As questões ambientais, tão discutidas neste novo século,

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas?

Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas? Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas? Larissa Kvitko kvitko.la@hotmail.com FURB Alex Vilvert comercial@acessoeditoracao.com.br FURB Resumo:A sustentabilidade

Leia mais

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Mirella Paiva 1 e Flora Tucci 2 Em uma sociedade marcada pela globalização, pelo dinamismo e pela competitividade, atingir

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Eixo Temático ET-13-025 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-025 - Educação Ambiental 546 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-13-025 - Educação Ambiental AVALIAÇÃO DO CONSUMO CONSCIENTE DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS RESUMO ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Ana Paula Fleig Saidelles,

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 RESUMO O marketing é uma função da administração que

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Cândido Ferreira da Silva Filho (UNISAL) candido.silva@am.unisal.br Gideon Carvalho de Benedicto

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS 1 GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS Murilo Fortunato Dropa (UTFPR) mfdropa@hotmail.com Ivanir Luiz

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

A Gestão do Conhecimento em uma Organização Bancária: competências profissionais num contexto de mudanças

A Gestão do Conhecimento em uma Organização Bancária: competências profissionais num contexto de mudanças A Gestão do Conhecimento em uma Organização Bancária: competências profissionais num contexto de mudanças Enise Barth Teixeira (UNIJUI) enise@unijui.tche.br Maira Fátima Pizolotto (UNIJUI) mairafp@mksnet.com.br

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA 2º Forum Internacional de Resíduos Sólidos julho2009 EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA Autores: Letícia de Oliveira Silveira, Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Luterana

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh TEMA: PARQUES TECNOLÓGICOS MODELANDO NOVAS CIDADES AUTOR: Andreici Daiani Vitor Vedovatto RESUMO ESTRUTURADO: Frente

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial Rosângela de Fátima Stankowitz Penteado-(UTFPR) zanza2007@gmail.com João Luiz Kovaleski - (UTFPR) kovaleski@utfpr.edu.br Resumo: O presente trabalho

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n 1,n Faculdade Anhanguera de São José/ Pós-graduação em

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

FATORES QUE DEFINEM O CLIMA ORGANIZACIONAL ENTRE OS SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS DO CEFET BAMBUÍ

FATORES QUE DEFINEM O CLIMA ORGANIZACIONAL ENTRE OS SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS DO CEFET BAMBUÍ Bambuí/MG - 2008 FATORES QUE DEFINEM O CLIMA ORGANIZACIONAL ENTRE OS SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS DO CEFET BAMBUÍ Regina Kátia Aparecida SILVA (1); Myriam Angélica DORNELAS (2); Washington Silva

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS Wagner José de Aguiar 1 ; Fernando Joaquim Ferreira Maia 2 Núcleo Multidisciplinar

Leia mais

Contribuição do Sistema de Gestão Integrado para empresas prestadoras de serviços

Contribuição do Sistema de Gestão Integrado para empresas prestadoras de serviços 1 Contribuição do Sistema de Gestão Integrado para empresas prestadoras de serviços RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar a contribuição que o Sistema de Gestão Integrado(SGI) proporciona

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O curso de especialização Gestão de Pessoas tem por meta desenvolver gestores para atuarem em empresas que estejam inseridas no processo de globalização

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL

RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Programa de Pós-Graduação em Administração RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL Programas

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR E NA PÓS- GRADUAÇÃO.

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR E NA PÓS- GRADUAÇÃO. FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR E NA PÓS- GRADUAÇÃO. Vilma M. Marcassa Barra NIMAD/ UFPR O conceito de Educação Ambiental mais aceito hoje em dia estabelece que esta é

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS RESUMO DIADOSK, A.; FERREIRA, A. H. Valendo-se da real mudança de valores, as empresas estão engajadas à ideia de desenvolvimento sustentável e à preservação

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA:

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES NO ENANPAD ENTRE OS ANOS DE 010 014. Ronaldo Maciel Guimarães 1. RESUMO Como o mercado vem sofrendo

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL. Raquel da Silva PEREIRA 1. Mestrado Profissional em Administração, UNINOVE, São Paulo, SP, Brasil

MARKETING AMBIENTAL. Raquel da Silva PEREIRA 1. Mestrado Profissional em Administração, UNINOVE, São Paulo, SP, Brasil MARKETING AMBIENTAL Raquel da Silva PEREIRA 1 Mestrado Profissional em Administração, UNINOVE, São Paulo, SP, Brasil 1 Administradora, professora e pesquisadora no Centro Universitário Nove de Julho Uninove.

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 SILVEIRA, J.F²; BRANDT, B. O²; CORRÊA, D. M. W²; POTRICH, A. C. G³; ROHDE, C. L. C 4. 1 Trabalho de Pesquisa 2 Psicóloga,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 06/08/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais

Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental.

Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental. Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental. Edna Veloso de Medeiros - prof_edna@yahoo.com.br Centro Estadual de

Leia mais