UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: Vantagem competitiva com a gestão do conhecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: Vantagem competitiva com a gestão do conhecimento"

Transcrição

1 UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: Vantagem competitiva com a gestão do conhecimento Marcelo Simioni 1 Tarcisio Campanholo 2 Resumo Este artigo tem como objetivo analisar o conceito, surgimento, evolução, aplicabilidade e importância da educação corporativa, através da Gestão do Conhecimento nas Universidades Corporativas. As organizações estão inseridas em um ambiente globalizado, de extrema competitividade e com necessidade contínua de aprendizado e excelência, onde o desenvolvimento organizacional torna-se um diferencial competitivo sólido, capaz de transformar a atitude e o resultado das empresas. Diante desta nova realidade, ações educacionais embasadas na criação do conhecimento, assim como a utilização do conceito BA, transformam ações práticas e comportamentais em solidez, continuidade e bons resultados. As principais conclusões convergem para o desafio, diante do paradoxo, da aplicabilidade do conhecimento, como caminho para a busca de melhores resultados futuros. Palavras-chave: Gestão do Conhecimento. Conhecimento Tácito e Explicito. Universidade Corporativa. INTRODUÇÃO Nas organizações, a busca da melhoria constante tem exigido modificações em práticas e processos organizacionais, particularmente nas áreas que dependem de competências individuais ou coletivas. O esforço por promover o conhecimento nas organizações acabou convergindo para o conceito de Gestão do Conhecimento (GC) que encontrou apoio tanto no ambiente acadêmico quanto no empresarial. Este apoio veio caracterizado na diversidade de estudos, quer mostrando o valor ou a localização do conhecimento organizacional, quer empreendendo um esforço de sua criação, desenvolvimento, compartilhamento e difusão (SOUZA, 2006). 1 Graduado em Administração de Empresas pela Faculdade Politécnica de Uberlândia. Especialista em Gestão Empresarial, Marketing e Recursos Humanos pela UNIESSA. 2 Doutorando em Administração pela Universidad de La Empresa - UDE - Montevidéo - Uruguay. Mestrado em Biotecnologia e Gestão Industrial pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Pós Graduação em Segurança da Informação pela União Educacional de Minas Gerais. Graduado em Ciências Contábeis pela Faculdade de Itapiranga-FAI.

2 A educação é um processo contínuo de evolução, que proporciona, nesta era da velocidade da informação e da utilização do conhecimento, capacitação, inovação e resultado. As grandes empresas sabem que a transformação do ambiente externo, turbulento e instável, bem como a potencialização da motivação e da competitividade do seu maior ativo, que é o capital humano, só é possível graças à criação de mecanismos de treinamento e desenvolvimento. Tal qualificação traz consigo um ganho imensurável no nível pessoal e profissional, a partir do momento em que torna as pessoas mais criativas, críticas em relação à qualidade do seu trabalho, pró-ativas, auto-geridas, eficazes e conscientes da importância contínua de seu crescimento. As grandes organizações, motivadas pela exigência da nova realidade, estão investindo cada vez mais no desenvolvimento de seus profissionais. Através das Universidades Corporativas (UCs), realizam um controle próprio do aprendizado, conseguem adaptar seus programas de aprendizagem de acordo com as suas necessidades, formando assim, um vínculo real diante dos objetivos e resultados almejados. Uma alternativa sólida para a continuidade da organização, com uma visão diferente do modelo tradicional, onde o colaborador é visto como fonte de aprendizado, ou seja, toda a experiência adquirida ao longo do tempo é fonte valiosa de informação que, posteriormente é reciclada, ajustada e adaptada ao cenário vigente. Novas idéias e soluções transformam-se em eficácia prática para o alcance dos resultados traçados. Neste sentido o artigo tem como objetivo analisar o conceito, surgimento, evolução, aplicabilidade e importância da educação corporativa, através da GC nas Universidades Corporativas. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Para Maximiano (2004), uma organização é uma combinação de esforços individuais que têm por finalidades, realizar propósitos coletivos. As organizações atingem objetivos que seriam impossíveis ser atingidos se realizados apenas por uma pessoa. Para atingi-los, as organizações contam com a ajuda de seus colaboradores, que recebem em troca a possibilidade de alcançar seus próprios objetivos, além de seu crescimento profissional. Druker (1999), um dos maiores estudiosos do mundo dos negócios, afirma que os resultados oriundos do conhecimento, serão os ativos mais valiosos do século XXI. Assim sendo,

3 o grande desafio das organizações será, cada vez mais, o entendimento, o aprimoramento e o desenvolvimento do capital humano, potencial detentor desta fonte de recurso inesgotável. Eboli (2004) coloca o conhecimento como fonte de vantagem competitiva para as empresas que visam um desenvolvimento sustentável. Gerar e transferir conhecimento na empresa é sempre um processo de aprendizagem organizacional; conhecimento não é coleção, é conexão, mais importante do que gerar novos conhecimentos é fazer conexões com conhecimentos já existentes, ampliando a rede de relacionamentos internos e externos da organização.a aprendizagem, bem como sua aplicabilidade, é um tema que vem sendo amplamente discutido pelos acadêmicos e profissionais especializados. A busca pela aprendizagem é uma tendência mundial, individual e organizacional e as empresas sabem que a passividade intelectual apresenta-se como uma ameaça ao seu ambiente de atuação. Assim sendo, as pessoas entendem que adquirir e renovar o conhecimento promove agilidade de adaptação e inovação. Segundo Dodgson (1993, p. 378), a aprendizagem organizacional é uma busca proposital com o objetivo de reter e incrementar a competitividade, a produtividade, e a inovação em circunstâncias de incerteza tecnológica e de mercado [pois], quanto maiores as incertezas, maior a necessidade de aprender. Fleury (1997, p.20) ressalta que aprendizagem é o processo de mudança, resultante de prática ou experiência anterior, que pode vir, ou não, a manifestar-se em uma mudança perceptível de comportamento. Por meio da aprendizagem as pessoas podem adaptar-se ao meio em que vivem, fazendo com que haja maior adaptabilidade e flexibilidade diante dos inúmeros cenários. Para Lacombe (2003), as organizações que aprendem são aquelas com capacidade para criar, adquirir e transferir o conhecimento, bem como para modificar seu comportamento para refletir novos conhecimentos. Tarapanoff (2006, p.1218) defende que, em longo prazo, a única fonte permanente de vantagem competitiva da organização é a capacidade de aprender mais depressa do que os concorrentes, e que nenhuma força externa pode lhe subtrair o ímpeto dessa vantagem. Segundo Freire (2003), ensinar não é transferir conhecimento, mas criar possibilidades para a sua própria produção. No ambiente empresarial, ensinar é disponibilizar práticas educacionais de fácil uso e acesso, intensificar a comunicação e a interação, ampliar e qualificar a rede de relacionamentos entre os públicos interno e externo; descobrir meios de estimular e

4 qualificar a aprendizagem, colocando em prática ações gerenciais que motivem as pessoas a gerar, assimilar, comunicar e aplicar os conhecimentos adquiridos (EBOLI, 2004). Em contrapartida, aprender significa compreender o conhecimento transmitido, contextualizá-lo na sua função dentro da empresa, executá-lo na prática; criar soluções originais para novos e constantes problemas que surgirão, e compartilhá-lo (CONTE, 2003). Segundo Carvalho (2001), muitas empresas testemunharam uma redução radical no prazo de validade do conhecimento e começaram a perceber que não mais podiam depender das instituições de ensino superior para desenvolver sua força de trabalho e assegurar sua própria sobrevivência no futuro. Eboli (2004) comenta sobre esta necessidade das empresas de implantar sistemas educacionais que foquem o desenvolvimento de atitudes, postura e habilidades específicas para seu negócio. Surge assim o conceito de Universidade Corporativa na prática. De acordo com Mundim & Ricardo (2004), a educação corporativa é a chave para reter o capital intelectual de organização, de modo a qualificar, especializar, atualizar e até formar os colaboradores da organização de maneira a garantir vantagem competitiva de mercado. Para Eboli (2004), este conceito represente um sistema em desenvolvimento de pessoas pautado pela gestão de competências, sendo incorporado e assimilado como um princípio organizacional. Os cursos formais criados e disponibilizados pelas UCs, não se restringem apenas à administração e gerência. Ao contrário, abrangem todas as áreas consideradas vitais para o tipo de negócio da empresa, como, por exemplo, informática, engenharia, logística, produção etc. Meister (1999) acrescenta que tal iniciativa também se deve à frustração com a qualidade e o conteúdo da educação pós-secundária. Este direcionamento para a aprendizagem procura tornar produtivo o empregado, preparando-o para promover a inovação e contribuir para a formação e desenvolvimento de vantagens competitivas da organização à qual pertence. Para ter sucesso na convergência entre o desenvolvimento de talentos e as estratégias do negócio, o projeto de educação corporativa deve identificar, formar e mobilizar as competências críticas (ver figura 1), no sentido de agregar valor ao negócio e assim aumentar a competitividade (EBOLI, 2004).

5 Figura 1. Educação Corporativa: articulando conceitos de competências. Fonte: Adaptado de Eboli (2004) Costa (2001) relata ainda que educar corporativamente é fazer as pessoas pensarem criticamente, envolverem-se, auto-gerenciarem e emocionarem-se [...] Educar corporativamente é humanizar o ser, a empresa, a sociedade, o meio ambiente e acrescenta que a educação corporativa não é apenas virtual, mas sim, relacional, de modo que os seres humanos criam vínculos e, através desses, constroem valores e a partir daí, estabelecem uma cultura. A educação corporativa é mais do que treinamento empresarial ou qualificação de mãode-obra. Trata-se de articular coerentemente as competências individuais e organizacionais no contexto mais amplo da empresa. Nesse sentido, práticas de educação corporativa estão intrinsecamente relacionadas ao processo de inovação nas empresas e ao aumento da competitividade de seus produtos (bens ou serviços). Eboli (2004) diz que a participação e a mobilização das lideranças e suas equipes são fundamentais para que o sistema de educação corporativa ganhe vida, e assim atinja os objetivos propostos. É de suma importância responsabilizar líderes e gestores pelo processo de gestão de conhecimento e aprendizagem. Covey (apud CALVOSA, 2006) sugere que o papel do líder no século XXI não é gerenciar a mudança, mas sim criar o próprio futuro dentro do panorama que se está

6 modificando em um conceito que ele determina como liderar a mudança. O gestor da empresa deve estar sempre atento às mudanças do mundo empresarial. As suas múltiplas habilidades, tanto de natureza comportamental quanto técnicas, ancoradas em valores e atitudes, lhe permita lidar adequadamente com ambigüidades (VERGARA, 1999). Para Calvosa et al (2005), um ambiente propício à troca de idéias, opiniões, informações é a base onde se ganha a batalha do conhecimento e da liderança, e o núcleo de liderança afirma-se pela capacidade de liberar o potencial intelectual de cada pessoa que faz parte da sua equipe. Vergara (1999) complementa que o líder forma outros líderes com cujos seguidores compartilham a visão, missão, objetivos, metas, estruturas, tecnologia e estratégias. Assim, a figura do líder é fundamental para a implementação e disseminação desta ferramenta gerencial. 2.1 UNIVERSIDADE CORPORATIVA O termo Universidade Corporativa passou a ser conhecido a partir de 1955, com o lançamento do Crotonville Management Development Institute, pela General Eletric. As UCs surgiram com o objetivo principal de viabilizar e atingir os objetivos estratégicos organizacionais, através do desenvolvimento das competências essenciais (empresariais e humanas). A partir da identificação e desenvolvimento destas competências que agregam valor ao negócio, obtém-se competitividade organizacional. Braga (2005) apresenta algumas competências necessárias para a evolução do projeto de Universidades Corporativas - UCs: Aprendendo a aprender; Comunicação / colaboração; Raciocínio criativo / resolução de problemas; Conhecimento tecnológico; Conhecimento de negócios globais; Liderança; Auto-gerenciamento da carreira Eboli (1999) conceitua Universidade Corporativa como um sistema eficaz de desenvolvimento de competências e talentos humanos nas empresas. Segundo Tarapanoff (2006,

7 p. 1219), a Universidade Corporativa surgiu como um desdobramento ou aprofundamento das atividades de treinamento dos departamentos de Recursos Humanos nas empresas. No início ela era um pouco mais do que centros destinados a melhorar as habilidades dos seus técnicos. Após os anos 80 passou-se a TR como características principais uma estrutura mais horizontalizada e flexível, com tomada de decisão descentralizada (opondo-se a estruturas organizacionais rígidas). A consequência foi a guinada de foco para o desenvolvimento das capacidades individuais de forma contínua, de modo a manter útil e eficiente o seu capital intelectual. Alguns fatores contribuíram para a migração do conceito tradicional da área de treinamento, para a nova visão corporativa, que busca o desenvolvimento intelectual: falta de uma preparação direcionada para o mercado de trabalho; evolução dos conceitos mercadológicos; necessidade de adequação dos cargos e funções à estratégia organizacional, de acordo com as metas a serem atingidas; possibilidade de desenvolvimento profissional e do nível de conhecimento das pessoas que estão envolvidas nas etapas de crescimento da empresa. Segundo Eboli (1999) o que evidencia a relação das chamadas UCs e o sucesso obtido pelas empresas, é o impacto positivo nos resultados dos negócios, decorrente da adoção dos sistemas educacionais competitivos, que privilegiam o desenvolvimento de atitudes, posturas e habilidades, e não apenas conhecimento técnico e instrumental dos colaboradores. Elas também criam oportunidades de aprendizagem ativa e contínua, que oferecem suporte para a empresa atingir seus objetivos críticos do negócio, e isso é fundamental para a competitividade empresariam em qualquer ramo de atividade, no próximo milênio. Vergara (2000) considera que as UCs agregam aos tradicionais programas de treinamento e desenvolvimento a crença de que a educação é um processo contínuo, que a empresa precisa ter uma cultura forte e coesa para poder enfrentar as ameaças do ambiente e se manter competitiva, e que o desenvolvimento das pessoas precisa estar alinhado com as estratégias da empresa. Um estudo desenvolvido pela Quality Dynamics uma consultoria norte-americana constatou que em 1988 existiam 400 instituições nos Estados Unidos. Em 1999 o número de UCs cresceu para quase (MEISTER, 1999). No Brasil, a partir da década de 90, inúmeras

8 empresas, devido à globalização, viram-se diante da necessidade de qualificar seus colaboradores continuamente, como um recurso de sobrevivência, um diferencial competitivo. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) o Brasil conta com cerca de 100 empresas, estatais e privadas, com algum tipo de iniciativa de educação corporativa. Participam da Oficina as empresas: ABM, Algar, Banco do Brasil, Banco Real, Bank Boston, Brasil Telecom, Caixa Econômica Federal, Correios, Eletronorte, Embratel, Facchini, Fiat, Hospital Albert Einstein, Itaipu Binacional, Motorola, Natura, Petrobrás, Sadia, Unimed, Visa, Vivo e Xerox. Também estão presentes representantes da CNI/SESI, Confea, Instituto Genius, Ministério da Educação (MEC), Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e Secretaria de Ciência e Tecnologia de Goiás (SECTEG). Segundo Freitas (2003), as primeiras UCs brasileiras buscavam modelos virtuais que as tornassem capazes de levar o conhecimento a toda a sua clientela espalhada pelo país. Conforme Eboli (2006), os principais problemas e desafios das UCs no Brasil são: criar uma conexão entre Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento; estender as ações educacionais aos demais públicos (cadeia produtiva e comunidade); mensurar adequadamente os resultados obtidos; promover o envolvimento da média / alta gerência; promover o envolvimento dos stakeholders. Para que o aprendizado seja captado e disseminado com eficácia na organização, deve ser feito, inicialmente, um levantamento do nível de conhecimento e experiência dos colaboradores. Posteriormente e com o auxílio de profissionais especializados, a preparação de treinamentos específicos e direcionados, de acordo com cada área determinada e com os objetivos estratégicos a serem alcançados. A política de composição dos professores para ministrar estes cursos de treinamento é variável. Algumas UCs entendem que apenas professores universitários titulados podem ministrar aulas; outras utilizam executivos da empresa e/ou consultores externos como professores; e outras ainda valem-se dos próprios profissionais da empresa, depois de submetidos a treinamento para a aquisição de habilidades didáticas.

9 De acordo com Eboli (1999), as experiências mais bem sucedidas nessa área envolvem parcerias com instituições de ensino superior que podem de alguma maneira, agregar valor com conhecimentos críticos ao negócio. Algumas Universidades Corporativas contam com instalações próprias, e outras contam com as instalações de instituições de ensino superior tradicionais em regime de parceria. Esta parceria motiva também a participação do funcionário, que, além de estar inserido em um ambiente de aprendizado, tem a possibilidade de receber o seu diploma através da instituição que tem poder de chancela. Os cursos e treinamentos podem extrapolar os limites da empresa e serem estendidos a clientes, fornecedores, franqueados, outras empresas, e até mesmo à comunidade externa em geral. Investimentos consideráveis são necessários e, como seus resultados não são facilmente mensuráveis, em geral, apenas grandes empresas desenvolvem o projeto de universidade corporativa. 2.2 UNIVERSIDADES CORPORATIVAS E A GESTÃO DO CONHECIMENTO Para Swan e Scarbrough (2001), foi a apenas uma década que GC começou a ser pronunciado como discurso gerencial. Esta perspectiva evoluiu a partir de uma visão organizacional embasada em recursos, na qual a diversidade, qualidade e inovação dos recursos internos proporcionavam uma melhor, mais flexível e duradoura base para a definição de estratégias do que os produtos ou serviços gerados destes recursos. A noção de conhecimento como um recurso e fonte de estratégia competitiva, tem levado ao reconhecimento de que ele deve ser gerenciado mais judiciosamente, mais eficientemente e de forma sistemática (QUINTAS et.al.,1997). De acordo com Turban et al (2004), a GC representa o processo que auxilia as empresas a identificar, selecionar, organizar, distribuir e transferir informação e conhecimento especializado que está presente na memória da empresa, de forma não-estruturada. Quanto mais específica é a utilização do conhecimento e do capital humano em relação à organização, mais ele se tornará seu ativo estratégico, ou seja, vantagem competitiva sólida e melhores níveis de aprendizado e competência para a organização. Segundo Davenport e Prusak (1998) existe confusão na definição de conhecimento, em razão da utilização de termos como dado e informação, normalmente associados ao vernáculo

10 conhecimento propriamente dito. Conhecimento não é dado e também não se traduz em informação. Os autores assumem que os dados se configuram em um conjunto de fatos distintos e objetivos, relativos a eventos, sendo armazenados, por exemplo, pelos departamentos de Marketing, finanças ou contabilidade. A informação por sua vez, tem a finalidade de mudar a maneira como o destinatário enxerga determinada situação, visando fazer alguma diferença na perspectiva deste. Conhecimento explícito pode ser expresso em palavras, números ou sons e compartilhado na forma de dados, fórmulas científicas, recursos visuais, fitas de áudio, especificações de produtos ou manuais. O conhecimento explícito pode ser rapidamente transmitido aos indivíduos, formal e sistematicamente. O conhecimento tácito, por outro lado, não é facilmente visível e explicável. Pelo contrário, é altamente pessoal e difícil de formalizar, tornando-se de comunicação e compartilhamento dificultoso. As intuições e os palpites subjetivos estão sob a rubrica do conhecimento tácito. O conhecimento tácito está profundamente enraizado nas ações e na experiência corporal do indivíduo, assim como ideais, valores ou emoções que ele incorpora (TAKEUCHI E NONAKA, 2008). Outro conceito importante para a GC é a do BA, que é a criação de meios que façam as pessoas se sentirem à vontade no ambiente de trabalho, para que ofereçam sugestões e ideias. É a disponibilização de espaços e contextos capacitantes. (ALVARENGA, 2009). Para Fayard (2010), o BA se manifesta como a consciência coletiva dos indivíduos que compõem uma comunidade de interações. Uma orientação que favoreça o surgimento coletivo de novos conhecimentos. Para Takeuchi e Nonaka (2008) uma organização cria e utiliza conhecimento convertendo o conhecimento tácito em conhecimento explícito, e vice-versa. Estes autores explicam que a criação do conhecimento inicia com a socialização e passa através de quatro modos de conversão do conhecimento, formando uma espiral. O conhecimento é amplificado passando pelos quatro modos de conversão, que podem ser descritos como a seguir: 1. Socialização: Compartilhar e criar conhecimento tácito através de experiência direta. 2. Externalização: Articular conhecimento tácito através do diálogo e da reflexão. 3. Combinação: Sistematizar e aplicar o conhecimento explícito e a informação. 4. Internalização: Aprender e adquirir novo conhecimento tácito na prática.

11 A espiral também é amplificada à medida que passa para os níveis ontológicos, do indivíduo para o grupo e, então, para a organização. Cada modo do processo envolve uma combinação diferente das entidades de criação do conhecimento, como mostrado abaixo: Figura 2. Espiral do Conhecimento Fonte: Adaptado de Takeuchi e Nonaka (2008) As abordagens utilizadas pelas empresas japonesas e ocidentais diferem-se em relação à criação do conhecimento organizacional. Segundo Takeuchi e Nonaka (2008), a forma dominante de conhecimento no Ocidente é o conhecimento explícito, que pode ser rapidamente transmitido, formal e sistematicamente aos indivíduos. As práticas administrativas ocidentais enfatizam o conhecimento explícito, criado através de habilidades analíticas e de formas concretas de apresentação oral e visual, como documentos, manuais e bases de dados computacionais. Os japoneses, no entanto, encaram o conhecimento explícito apenas como a ponta do iceberg. Consideram o conhecimento como principalmente tácito isto é, algo que não é facilmente visível e exprimível, que é altamente pessoal e difícil de formalizar, obtido através do uso de metáforas ou pinturas, algo profundamente enraizado na ação e na experiência do indivíduo. A organização é considerada como um organismo vivo. De acordo com Eboli (2004) e como observado na Figura 3 a seguir, há um ciclo específico para a Gestão do Conhecimento, através de um processo sequencial: pesquisa para

12 gerar conhecimento; educar para as pessoas compreenderem conceitos e técnicas que permitam desenvolver determinada atividade; divulgar o conhecimento estimulando a comunicação para levar à inteligência empresarial e aplicar para as pessoas colocarem em prática os conhecimentos, gerando resultados. Figura 3 Ciclo de Gestão do Conhecimento Fonte: Adaptado de Eboli (2004) A emergência da organização não-hierárquica, enxuta e flexível com capacidade de dar respostas rápidas ao turbulento ambiente empresarial; o conhecimento como nova base para a formação de riqueza, e a sua rápida obsolescência; o foco na empregabilidade e não emprego para toda vida, geraram um impacto no perfil de colaboradores, gestores e empresas. Essas tendências apontaram para um novo aspecto na criação de vantagem competitiva: o comprometimento da empresa com a educação de seus colaboradores (MEISTER, 1999). Para Eboli (2004) o conceito de Universidade Corporativa surgiu a partir da necessidade das empresas de implantar sistemas educacionais que foquem o desenvolvimento de atitudes, postura e habilidades específicas para seu negócio. Segundo Pagnozzi (2002), cada vez mais, as empresas vêm sentindo a necessidade de desenvolver um sistema educacional próprio, totalmente orientado para o mercado, bem como aprimorar suas relações com os clientes, fornecedores e comunidades em geral.

13 Margerison (1992) aponta que um número considerável de organizações criou a sua própria business school, motivadas pela convicção de que interessa à empresa integrar o trabalho e a aprendizagem de maneira mais consistente, como forma de ampliar as habilidades de seus recursos humanos, visando à continuidade da prestação de um serviço de qualidade para a empresa. Meister (1998) reforça esta afirmação, ao apontar que a proliferação destes cursos formais pelas próprias organizações é conseqüência do crescente interesse organizacional pelo desenvolvimento permanente dos empregados capacitados. Greenspan (1999) corrobora tal afirmação, discorrendo que o aumento da demanda por serviços educacionais, particularmente on-the-job-training, impulsiona a proliferação das então denominadas Universidades Corporativas. Para Eboli (1999), a missão da Universidade Corporativa é formar e desenvolver os talentos humanos na gerência dos negócios, promovendo a Gestão do Conhecimento Organizacional (incluindo geração, assimilação, difusão e aplicação), o principal objetivo é o desenvolvimento e a instalação das competências profissionais, técnicas e gerenciais consideradas essenciais para a viabilização das estratégias da organização. Entretanto, a empresa deve identificar qual é a sua competência empresarial, aquela que realmente constituirá seu diferencial competitivo e será responsável pelo seu sucesso. A educação corporativa surgiu e está evoluindo rapidamente, a partir da necessidade do desenvolvimento contínuo do capital intelectual e da criação de uma vantagem competitiva sólida para as organizações. Neste contexto, observamos a utilização da GC como uma ferramenta que contribui decisivamente para a captação, transformação e capacitação dos colaboradores e dos resultados das empresas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Durante o estudo percebeu-se que algumas organizações dão aos seus colaboradores uma oportunidade valorosa de evolução e desenvolvimento do seu conhecimento e aprendizado. Isto acontece através das Universidades Corporativas, que, diferentemente da área de treinamento e desenvolvimento, através de uma avaliação prévia das necessidades da organização, bem como dos resultados estratégicos almejados por ela, garantem um processo contínuo e duradouro de engrandecimento do nível cultural, pessoal e profissional.

14 Este projeto requer um valor considerável de investimento e deve ser feito de forma consistente e eficaz, com gestores capacitados e metas organizacionais bem definidas, para que as pessoas se desenvolvam, tragam resultados e sintam-se motivadas a prosperar e buscar um crescimento conjunto à organização. Tão importante quanto a evolução e o desenvolvimento do projeto, deve-se adotar mecanismos de avaliação e mensuração dos resultados, para posteriores ajustes e correções. A geração do conhecimento corporativo é o processo de incentivo para que as pessoas contribuam com ideias, assim a empresa identifica o conteúdo desejado e a geração conhecimento pode ocorrer através dos conhecimentos dos colaboradores sobre o negócio. A geração do conhecimento também pode se dar através da análise externa e descrição do ambiente da empresa. Assim, a Universidade Corporativa cria e incentiva o aprendizado personalizado e competente dos seus colaboradores, através da formação de um ambiente favorável, como instrumento para a distribuição do conteúdo apurado, através da geração e do desenvolvimento do conhecimento adquirido pela organização (LACOMBE, 2003). É fundamental o envolvimento dos líderes e gestores em todas as etapas do processo de desenvolvimento corporativo, colocando-os como responsáveis, verdadeiros educadores e multiplicadores de conhecimento de suas equipes. Uma dos objetivos da universidade corporativa é desenvolver nos colaboradores o sentimento de necessidade de buscar o conhecimento a todo instante, como ferramenta para a evolução. Apesar da dificuldade de mensuração, observa-se que as empresas apresentam resultados positivos em termos de apresentação (imagem) e competitividade junto ao mercado. Na maioria dos casos, a Universidade Corporativa consegue complementar com muita competência a lacuna deixada pela universidade tradicional, ou seja, prepara e capacita profissionais para atuar em setores da economia de forma específica. Finalmente, o desenvolvimento organizacional obtido através da evolução do nível de conhecimento, promove melhorias profundas nas pessoas (mentalidade, postura, atitude, cultura), assim como na organização (ambiente, visão sistêmica, resultado). Referências BRAGA, Fausto de Bessa. As principais influências da educação corporativa na gestão de negócios. Niterói, RJ: UFF, f. Monografia (Pós-graduação, MBA, em Gestão Estratégica em Negócios). Universidade Federal Fluminense, 2005.

15 CALVOSA, Marcello Vinicius Dória, Um Modelo Atual de Liderança entre os Estudantes de Administração da UFRRJ: estudo exploratório sobre a posição credora / devedora da relação líder-seguidor. Dissertação de Mestrado. Curso de Pós-Graduação em Administração, Gestão e Estratégia em Negócios. Rio de Janeiro:Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, p.102. CALVOSA, Marcello Vinicius Dória, SOUZA NETO, S.P., CORREA, F.L. Em Busca de um Modelo de líder para o Século XXI: Liderança Empresarial X Gerenciamento Eficaz. Anais do Congresso: CONVIBRA 05 Congresso Virtual Brasileiro de Administração CARVALHO, R. P. Universidade Corporativa: Uma nova estratégia para a aprendizagem organizacional. Universidade Federal de Santa Catarina, dissertação de pós-graduação na área de Engenharia de Produção, Florianópolis, CONTE, A. C. P. Educação Corporativa Empresa, lugar de trabalhar e crescer. Universidade Gama Filho, artigo de pós-graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos, COSTA, Ana Claudia Athayde da. Educação corporativa: um avanço na gestão integrada do desenvolvimento humano. Rio de Janeiro: Qualitymark, p. Bibliografia. DRUCKER, Peter. Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira, COVEY, Stephen R. Os sete hábitos das pessoas altamente eficazes. São Paulo : Best Seller, ª edição p DAVENPORT, T., PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Tr. Lenke Peres. Rio de Janeiro: Ed. Campus, ; PRUSAK, Laurence. Conhecimento Empresarial: Como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier, ª. reimpressão. DODGSON, Mark. Organizational learning: a rewiew o some literatures. Organization Studies, v. 14, n. 3, p , 1993 DRUCKER, Peter. Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira, EBOLI, Marisa. Educação corporativa no Brasil: mitos e verdades. São Paulo: Editora Gente, p. Bibliografia. EBOLI, Marisa. (coordenadora) ET AL. Coletânia Universidades Corporativas Educação para as empresas do século XXI. São Paulo: Editor Adolfo Schmukler ISBN

16 EBOLI, Marisa. Educação Corporativa Desenvolvendo a Excelência Profissional e Organizacional. Palestra ministrada na Escola de Governo Goiás, jun FAYARD, Pierre. O Inovador modelo Japonês de Gestão do Conhecimento. Tr. Patrícia C. Ramos Reuillard. Porto Alegre: Bookman, FLEURY, Afonso; LEME, Maria Teresa. Aprendizagem e inovação organizacional: as experiências de Japão, coréia e Brasil. 2 ed. São Paulo, Atlas, FLEURY, M.T., LACOMBE, B. A Gestão por Competências e a Gestão de Pessoas: um balanço preliminar de resultados de pesquisa no contexto brasileiro. In: Iberoamerican Academy of Management, FREIRE, P. Política e Educação. (Coleção Questões da Nossa Época). São Paulo: Editora Cortez, ª edição. p FREITAS, Maria do Carmo Duarte. Educação corporativa: um método de apoio à decisão para implantação nas organizações empresariais Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. GALER, G.; VAN DER HEIJDEN, K. The learning organization: how planners create organizational learning. Marketing Intelligence & Planning, v. 10, n. 6, GREENSPAN, A. The interaction of education and economic change. The Region, v. 13, n. 1, p. 6-10, Mar MARGERISON, Charles. The rise of the corporate business school. Target Management Development Review, Bradford, v. 5, n. 6, p , MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Introdução à administração. 6. ed. São Paulo, Atlas, MEISTER, Jeanne. Corporate Quality Universities: lessons in building a world-class work force. New York: McGraw-Hill, Educação corporativa: a gestão do capital intelectual através das Universidades Corporativas. São Paulo: Makron Books, MUNDIM, Ana Paula Freitas; RICARDO, Eleonora Jorge. Educação corporativa: fundamentos e práticas. Rio de Janeiro: Qualitymark, p. Bibliografia. NONAKA, I., TAKEUCHI, H. Gestão do conhecimento. Tr. Ana Thorell. Porto Alegre: Bookman, PAGNOZZI, L. Gestão do Conhecimento: Programa de Educação Corporativa como diferencial competitivo na formação continuada de docentes. Universidade Federal de Santa Catarina, dissertação de mestrado na área de Engenharia de Produção, Florianópolis, 2002.

17 QUINTAS, P., LEFRERE, P., JONES, G. Knowledge management: a strategic agenda. Long Range Planning, 30, , SOUZA, Célio A.A., HENDRIKS, Paul H.J. The diving bell and the butterfly: the need for grounded theory in developing a knowledge-based view of organizations. Organizational Research Methods; vol. 9, nº 3. Jul, 2006, p SWAN, J., SCARBROUGH, H. Knowledge management: concepts and controversies. Journal of Management Studies, 38, , TARAPANOFF, Kira. Educação Corporativa. In: GECIC I Congresso Ibero-Americano de Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva, Curitiba. Anais. Curitiba:2006. TURBAN, E., MCLEAN, E., WETHERBE, J. Tecnologia da informação para gestão. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, VERGARA, S.C. Gestão de Pessoas. São Paulo: Atlas, , Universidade Corporativa: a parceria possível entre empresa e universidade tradicional. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, v.34, n.5, p , set./out

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Aula 15 O desenvolvimento das pessoas e a Educação Corporativa.

Aula 15 O desenvolvimento das pessoas e a Educação Corporativa. Aula 15 O desenvolvimento das pessoas e a Educação Corporativa. Objetivos da aula: Conhecer uma nova área que está surgindo no mercado empresarial e que irá prover inúmeras melhorias no desenvolvimento

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Graduação. Caderno. Marister de Oliveira 1 Adriana Mollica 2

Graduação. Caderno. Marister de Oliveira 1 Adriana Mollica 2 Caderno UNIVERSIDADE CORPORATIVA COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: estudo de caso com uma funcionária da agência do Banco de Brasil de Guarani Graduação ISSN: Consultar em revista.fagoc.br

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

Índice. Grupo 7.4 - Módulo 17

Índice. Grupo 7.4 - Módulo 17 GRUPO 7.4 MÓDULO 17 Índice 1. Aspectos gerais das universidades corporativas (continuação)...3 2. Educação corporativa, gestão do conhecimento e gestão por competência: uma articulação de conceitos...3

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade

Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade Fausto de Bessa Braga, MBA Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro fausto.bessa@amrj.mar.mil.br Nélio Domingues Pizzolato, Ph.D

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

UNIVERSIDADE CORPORATIVA UMA PROPOSTA PARA O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Ângela Sá Guimarães Cardoso Werneck

UNIVERSIDADE CORPORATIVA UMA PROPOSTA PARA O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Ângela Sá Guimarães Cardoso Werneck UNIVERSIDADE CORPORATIVA UMA PROPOSTA PARA O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO por Maria Ângela Sá Guimarães Cardoso Werneck Monografia de conclusão do Curso de Pós- Graduação em Administração

Leia mais

Educação corporativa: principais influências na gestão de pessoas na organização.

Educação corporativa: principais influências na gestão de pessoas na organização. Educação corporativa: principais influências na gestão de pessoas na organização. RESUMO 2006 Este artigo apresenta as influências da Educação Corporativa na gestão de pessoas. No mercado competitivo e

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

A Gestão do Conhecimento em uma Organização Bancária: competências profissionais num contexto de mudanças

A Gestão do Conhecimento em uma Organização Bancária: competências profissionais num contexto de mudanças A Gestão do Conhecimento em uma Organização Bancária: competências profissionais num contexto de mudanças Enise Barth Teixeira (UNIJUI) enise@unijui.tche.br Maira Fátima Pizolotto (UNIJUI) mairafp@mksnet.com.br

Leia mais

1 Este subtítulo se reporta ao texto de Antonio Gramsci: Homens ou Máquinas, que na qual o autor nos fala

1 Este subtítulo se reporta ao texto de Antonio Gramsci: Homens ou Máquinas, que na qual o autor nos fala 1 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE NAS UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: CRIAÇÃO DE MONSTROS ÁRIDOS, DE OLHOS ÁGEIS E MÃOS FIRMES 1? RIBEIRO, Nayla Cristine Ferreira FIOCRUZ GT-09: Trabalho e Educação Agência

Leia mais

Educação Corporativa: as Vantagens da Implantação de um Projeto de Universidade Corporativa

Educação Corporativa: as Vantagens da Implantação de um Projeto de Universidade Corporativa 1 Renata Almeida dos Santos 1 Marcello Vinicius Calvosa 2 renatinha.sol@oi.com.br mvcalvosa@yahoo.com.br 1. Graduada / UFRRJ 2. Mestre / UFRRJ RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar o conceito

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA: UM ESTUDO DE CASO REALIZADO NO BANCO CENTRAL DO BRASIL

EDUCAÇÃO CORPORATIVA: UM ESTUDO DE CASO REALIZADO NO BANCO CENTRAL DO BRASIL FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FASA CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EDUCAÇÃO CORPORATIVA: UM ESTUDO DE CASO REALIZADO NO BANCO CENTRAL DO BRASIL PEDRO BRANDÃO DE CASTILHO

Leia mais

Participantes: Bruna, Luize e Tatiane. Apresentação para o Grupo de Estudos de T&D 1º Semestre da ABRH RS.

Participantes: Bruna, Luize e Tatiane. Apresentação para o Grupo de Estudos de T&D 1º Semestre da ABRH RS. Participantes: Bruna, Luize e Tatiane Apresentação para o Grupo de Estudos de T&D 1º Semestre da ABRH RS. Apresentação Queremos apresentar e promover uma discussão acerca de temas relevantes do contexto

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

EAD COMO MODALIDADE FACILITADORA PARA CAPACITAÇÃO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

EAD COMO MODALIDADE FACILITADORA PARA CAPACITAÇÃO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 1 EAD COMO MODALIDADE FACILITADORA PARA CAPACITAÇÃO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS Lajeado RS 05/2015 Monica de Lourdes Gottardi - Faculdade da Serra Gaucha FSG

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão

Práticas de Apoio à Gestão Práticas de Apoio à Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Organizações de Aprendizagem Learning Organization Conceitos Organizações de Aprendizagem

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

FACULDADE DELTA INSTITUTO CONSCIÊNCIA GO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MBA EM GESTÃO EDUCACIONAL E EMPRESARIAL DISCIPLINA:

FACULDADE DELTA INSTITUTO CONSCIÊNCIA GO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MBA EM GESTÃO EDUCACIONAL E EMPRESARIAL DISCIPLINA: FACULDADE DELTA INSTITUTO CONSCIÊNCIA GO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MBA EM GESTÃO EDUCACIONAL E EMPRESARIAL DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA E DO TRABALHO CIENTÍFICO E ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA PARA A VANTAGEM COMPETITIVA DAS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA PARA A VANTAGEM COMPETITIVA DAS ORGANIZAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA PARA A VANTAGEM COMPETITIVA DAS ORGANIZAÇÕES Viviane Möller de CARVALHO (PG Universidade Federal Fluminense - UFF) RESUMO Cada vez mais, as organizações passaram a

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA:

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES NO ENANPAD ENTRE OS ANOS DE 010 014. Ronaldo Maciel Guimarães 1. RESUMO Como o mercado vem sofrendo

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Retenção do Conhecimento Vantagem Competitiva nos SI Introdução As organizações têm demonstrado uma crescente demanda por informações

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento

O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento Carlos Cesar Cavalcante Dias (UNIP/UNIFIEO) carlos.cesar@unifieo.br Dra. Irenilza

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

www.fernando.parreiras.nom.br

www.fernando.parreiras.nom.br Análise comparativa de processos de desenvolvimento de software à luz da gestão do conhecimento: um estudo de caso de empresas mineiras Fernando Silva Parreiras Gilzirene Simone Oliveira Contexto A engenharia

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Tópicos da aula GESTÃO DA INFORMAÇÃO GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL TOMADA DE DECISÃO ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Sistemas de Informações Ondas de transformação da humanidade Revolução Agrícola

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO Priscila Gomez Soares de Moraes 1 Fabrício Ziviani 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo questionar

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Palavras-chave: Conhecimento; Gestão do Conhecimento; Gestão de Pessoas.

Palavras-chave: Conhecimento; Gestão do Conhecimento; Gestão de Pessoas. O PAPEL DO SETOR DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO GAIA, Lilian Fátima BENTO, Karina Gomes dos Reis RESUMO Com a globalização e a abertura dos mercados, a

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

GESTÃO PARTICIPATIVA E O PAPEL DA LIDERANÇA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

GESTÃO PARTICIPATIVA E O PAPEL DA LIDERANÇA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO PARTICIPATIVA E O PAPEL DA LIDERANÇA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2º SEMESTRE FABIANO LIMA MONTEIRO BELO HORIZONTE 2007 1 Resumo Este artigo trata das experiências dos

Leia mais

Gestão do conhecimento: uma visão transdisciplinar no contexto empresarial

Gestão do conhecimento: uma visão transdisciplinar no contexto empresarial Gestão do conhecimento: uma visão transdisciplinar no contexto empresarial Alexey Carvalho Programa de Pós-Graduação - Centro Paula Souza CEETEPS E-mail: alexey@abcsolucoes.com.br 1. Introdução Resumo

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

.:..:. Apresentação da Disciplina.:. Educação Corporativa. Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br

.:..:. Apresentação da Disciplina.:. Educação Corporativa. Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br .:..:. Apresentação da Disciplina.:. Educação Corporativa Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br Cronograma das aulas e conteúdo Aula Data Tema Tópicos principais 1 17/09 Evoluçãoe conceitos

Leia mais

CGBA Certificate in Global Business Administration

CGBA Certificate in Global Business Administration CGBA Certificate in Global Business Administration Desafios Internacionais, Líderes Globais O CERTIFICATE IN GLOBAL BUSINESS ADMINISTRATION O Certificate in Global Business Administration (CGBA), criado

Leia mais

O E-LEARNING COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O TREINAMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS E ORGANIZAÇÕES.

O E-LEARNING COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O TREINAMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS E ORGANIZAÇÕES. O E-LEARNING COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O TREINAMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS E ORGANIZAÇÕES. Patrícia Cunha Fernandes Especialista em Marketing patifernandescontato@gmail.com Resumo: No século

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL Antonia Maria Gimenes 1, Renato Nogueira Perez Avila 2 Cleiton Riz Aleixo 3, Jakeline da Silva 4 Thayane C. Anjos Afonso 5 RESUMO Este estudo

Leia mais

VIII-014 GESTÃO DO CONHECIMENTO COMPARTILHANDO EXPERIÊNCIAS. Curso de especialização em Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas FGV.

VIII-014 GESTÃO DO CONHECIMENTO COMPARTILHANDO EXPERIÊNCIAS. Curso de especialização em Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas FGV. 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VIII-014 GESTÃO DO CONHECIMENTO COMPARTILHANDO EXPERIÊNCIAS (estudo de caso) Walter Sigollo

Leia mais

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO EM PROJETOS DE INOVAÇÃO COM FOCO NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA NO CENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA. Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento e do Capital Intelectual Anhanguera Educacional Unidade FACNET Curso: MBA em Gestão de Pessoas Disciplina: Aula 01 08/02/2014 Professor: Rodrigo Porto Agenda 1º encontro 08/02/2014 Parte 1 Curso e Apresentações

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO AS POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS: EM FOCO O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Maíza Petita Barbosa - UEM 1 RESUMO: O presente estudo tem por objetivo apresentar

Leia mais

Educação corporativa - Uma experiência Natura

Educação corporativa - Uma experiência Natura Educação corporativa - Uma experiência Natura Denise Asnis* *Gerente de Treinamento da Natura Desde a sua criação, em 1969, a Natura, principal empresa de cosméticos brasileira, cultiva a crença de que

Leia mais

A educação corporativa como forma de desenvolver talentos por meio da aprendizagem no contexto atual das organizações

A educação corporativa como forma de desenvolver talentos por meio da aprendizagem no contexto atual das organizações A educação corporativa como forma de desenvolver talentos por meio da aprendizagem no contexto atual das organizações Nivaldo Pereira da Silva (UTFPR) nivaldopsilva@ig.com.br Antonio Carlos de Francisco

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais