Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21 ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais a partir de Demandas judiciais ,00 anulação de dotação ,00 Dívidas em processo de reconhecimento Abertura de créditos adicionais a partir de ,00 anulação de dotação ,00 Epidemias, enchentes ou outras situações de calamidade Abertura de créditos adicionais a partir de ,00 anulação de dotação ,00 Sub-total ,00 Sub-total ,00 DEMAIS RISCOS FISCAIS PASSIVOS PROVIDÊNCIAS Frustração de Arrecadação ,00 Limitação de empenho ,00 Aumento do salário mínimo que possa gerar ,12 Redução de despesas em diversos setores da ,12 impacto nas despesas com pessoal Prefeitura. Revisão de vencimentos de servidores conforme ,13 Abertura de créditos adicionais a partir de ,13 inciso X, art. 37 da CF. anulação de dotação Sub-total ,25 Sub-total ,25 Total ,25 Total ,25

22 TABELA 2 - DEMONSTRATIVO I METAS FISCAIS DEMONSTRATIVO I METAS ANUAIS LRF, ART. 4º, 1º Valor corrente (a) 2013 Valor constante %PIB (a/pib)x100 Valor corrente (b) Valor constante %PIB (b/pib)x100 Valor corrente (c) Valor constante ESPECIFICAÇÃO Receita Total , , , , , ,48 Receitas Primárias (I) , , , , , ,49 Despesa Total , , , , , ,48 Despesas Primárias (II) , , , , , ,94 Resultado Primário (I - II) , , , , , ,44 Resultado Nominal , , , , , ,92 Dívida Pública Consolidada , , , , , ,56 Dívida Consolidada Líquida , , , , , ,62 %PIB (c/pib)x100 Nota: O cálculo das metas acima descritas foi realizado considerando-se o seguinte cenário macroeconômico: VARIÁVEIS PIB real (crescimento percentual anual) 3,70% 3,70% 3,70% Inflação média (% anual) projetada com base em índice de inflação 6,50% 6,50% 6,50% Total 10,20% 10,20% 10,20% Projeção do PIB do Estado - R$ milhares (*) * Deixamos de preencher as colunas % PIB, conforme orientação do STN na pág. 39 do Manual, porque o IBGE nem o Estado divulgaram as projeções.

23 TABELA 3 - DEMONSTRATIVO II AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS DO EXERCÍCIO ANTERIOR LRF, ART. 4º, 2º, INCISO I 2013 II - METAS VARIAÇÃO (II-I) ESPECIFICAÇÃO I - METAS PREVISTAS EM REALIZADAS EM 2011 VALOR % 2011 (a) (b) c = (b) -(a) (c/a)*100 Receita Total , , ,06-1,53 Receitas Primárias (I) , , ,71-2,55 Despesa Total , , ,55-0,49 Despesas Primárias (II) , , ,55-0,61 Resultado Primário (III)= (I - II) , , ,16-1,95 Resultado Nominal ,28 0, ,28-100,00 Dívida Pública Consolidada ,00 0, ,00-100,00 Dívida Consolidada Líquida ,00 0, ,00-100,00

24 TABELA 4 - DEMONSTRATIVO III METAS FISCAIS ATUAIS COMPARADAS COM AS FIXADAS NOS TRÊS EXERCÍCIOS ANTERIORES LRF, ART. 4º, 2º, INCISO II 2013 ESPECIFICAÇÃO VALORES A PREÇOS CORRENTES % 2012 % 2013 % 2014 % 2015 % Receita Total , ,00 4, ,00 20, ,00 10, ,00 10, ,24 10,20 Receitas Primárias (I) , ,00 4, ,00 19, ,40 10, ,23 10, ,20 10,20 Despesa Total , ,00 4, ,00 20, ,00 10, ,00 10, ,24 10,20 Despesas Primárias (II) , ,00 4, ,00 19, ,00 10, ,26 10, ,74 10,20 Resultado Primário (III)= (I -II) , ,00 0, ,00-0, ,60 0, ,03 0, ,55 0,00 Resultado Nominal , ,28-614, ,00-105, , , ,95-254, ,11-103,58 Dívida Pública Consolidada , ,00 136, ,00 117, ,19-10, ,34-10, ,23-10,20 Dívida Consolidada Líquida , ,00-106,02 0,00-100, ,19 #DIV/0! ,76-154, ,65-10,20 ESPECIFICAÇÃO VALORES A PREÇOS CONSTANTES % 2012 % 2013 % 2014 % 2015 % Receita Total , ,00 4, ,00 20, ,00 9, ,20 10, ,48 10,20 Receitas Primárias (I) , ,00 4, ,00 19, ,45 9, ,85 10, ,49 10,20 Despesa Total , ,00 4, ,00 20, ,00 9, ,20 10, ,48 10,20 Despesas Primárias (II) , ,00 4, ,00 19, ,18 9, ,97 10, ,94 10,20 Resultado Primário (III)= (I -II) , ,00 0, ,00-0, ,73 0, ,12 0, ,44 0,00 Resultado Nominal , ,92-614, ,60-105, , , ,67-254, ,92-103,58 Dívida Pública Consolidada , ,00 136, ,70 117, ,82-10, ,84-10, ,56-10,20 Dívida Consolidada Líquida , ,60-106,02 0,00-100, ,13 #DIV/0! ,54-154, ,62-10,20 Inflação anos Percentuais de inflaçao 6,00% 6,00% 6,00% 6,50% 6,50% 6,50%

25 TABELA 5 - DEMONSTRATIVO IV EVOLUÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2013 LRF, ART. 4º, 2º, INCISO III PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2011 % 2010 % 2009 % Patrimônio/Capital ,96 47,05% ,85 46,90% ,24 47,16% Reservas 0,00% 0,00% 0,00% Resultado Acumulado ,61 52,95% ,80 53,10% ,11 52,84% Total ,57 100,00% ,65 100,00% ,35 100,00% REGIME PREVIDENCIÁRIO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2011 % 2010 % 2009 % Patrimônio Reservas Lucros ou Prejuízos Acumulados Total NÃO HÁ RPPS

26 TABELA 6 - DEMONSTRATIVO V ORIGEM E APLICAÇÃO DOS RECURSOS OBTIDOS COM A ALIENAÇÃO DE ATIVOS LRF, ART. 4º, 2º, INCISO III 2013 RECEITAS REALIZADAS RECEITA DE CAPITAL 0,00 0, ,00 Receita de Alienação de Ativos 0,00 0, ,00 Alienação de Bens Móveis ,00 Alienação de Bens Imóveis TOTAL (I) 0,00 0, ,00 DESPESASEXECUTADAS APLICAÇÃO DOS RECURSOS DA ALIENAÇÃO DE ATIVOS 0,00 0, ,00 DESPESAS DE CAPITAL 0,00 0, ,00 Investimentos ,00 Inversões Financeiras Amortização da Dívida DESPESAS CORRENTES DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA 0,00 0,00 0,00 Regime Geral de Previdência Social Regime Próprio de Previdência dos Servidores TOTAL (II) 0,00 0, ,00 SALDO FINANCEIRO DO EXERCÍCIO (III)=(I-II) 0,00 0,00 0,00

27 TABELA 7 - DEMONSTRATIVO VI AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS RECEITAS E DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS DO RPPS LRF, ART. 4º, INCISO IV, ALÍNEA A 2013 RECEITAS PREVIDENCIÁRAS RECEITAS PREVIDENCIÁRAS - RPPS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 0,00 0,00 RECEITAS CORRENTES 0,00 0,00 0,00 Receita de Contribuições dos Segurados Pessoal Civil Outras Receitas de Contribuições Receita Patrimonial Receita de Serviços Outras Receitas Correntes 0,00 0,00 0,00 Compensação Previdenciária do RGPS para o RPPS Outras Receitas Correntes RECEITA DE CAPITAL 0,00 0,00 0,00 Alienação de Bens, Diretos e Ativos Amortização de Empréstimos Outras Receitas de Capital (-)DEDUÇÕES DE RECEITAS RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS - RPPS (INTRA- 0,00 0,00 0,00 ORÇAMENTÁRIAS) (II) RECEITAS CORRENTES 0,00 0,00 0,00 Receita de Contribuições 0,00 0,00 0,00 Patronal Pessoal Civil Cobertura de Déficit Atuarial Regime de Débitos e Parcelamentos Receita Patrimonial Receita de Serviços Outras Receitas Correntes RECEITA DE CAPITAL 0,00 0,00 0,00 (-) DEDUÇÕES DA RECEITA TOTAL DAS RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS (III) = (I+II) 0,00 0,00 0,00 DESPESAS PREVIDENCIARIAS DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS - RPPS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (IV) ADMINISTRAÇÃO 0,00 0,00 0,00 Despesas Correntes Despesas de Capital PREVIDÊNCIA 0,00 0,00 0,00 Pessoal Civil Outras Despesas Previdenciárias 0,00 Compensação Previd.do RPPS para o RGPS Demais Despesas Previdenciárias DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS - RPPS (INTRA- ORÇAMENTÁRIAS) (V) 0,00 ADMINISTRAÇÃO 0,00 0,00 0,00 Despesas Correntes Despesas de Capital TOTAL DAS DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS (VI) = 0,00 0,00 0,00 (IV + V) RESULTADO PREVIDENCIÁRIO(VII) = (III - VI) 0,00 0,00 0,00 APORTES DE RECURSOS PARA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DO SERVIDOR TOTAL DOS APORTES PARA O RPPS Plano Financeiro #REF! 0,00 0,00 Recursos para Cobertura de Insuficiências Financeiras Recursos para Formação de Reserva Outros Aportes para o RPPS Plano Previdenciário 0,00 0,00 0,00 Recursos para Cobertura de Déficit Financeiro Recursos para Cobertura de Déficit Atuarial Outros Aportes para o RPPS RESERVA ORÇAMENTÁRIA DO RPPS BENS E DIREITOS #REF! #REF! #REF!

28 2013 TABELA 8 PROJEÇÃO ATUARIAL DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES LRF, art. 4º, 2º, inciso IV, alínea a DESPESAS RECEITAS PREVIDENCIÁRIA RESULTADO SALDO FINANCEIRO PREVIDENCIÁRIAS S PREVIDENCIÁRIO DO EXERCÍCIO (a) (b) (c) = (a-b) (d) = (d Exercício EXERCÍCIO Anterior) + (c) NÃO HÁ RPPS

29 TABELA 9 - DEMONSTRATIVO VII ESTIMATIVA E COMPENSAÇÃO DA RENÚNCIA DE RECEITA LRF, ART. 4º, 2º, INCISO V 2013 ISENÇÕES, ANISTIAS, BENEFÍCIOS DE NATUREZA FINANCEIRA, TRIBUTÁRIA E CREDITÍCIA QUE DECORRAM RENÚNCIA DE RECEITA DESCRIÇÃO DO BENEFÍCIO RECEITA TRIBUTÁRIA MEDIDAS DE COMPENSAÇÃO Desconto de até 20% (vinte por cento) para pagamentos à vista IPTU O desconto incentivará maior número de contribuintes a quitar seus débitos, reduzindo a inadimplência. A renúncia foi considerada na estimativa de receita e não afetará a execução da despesa fixada na proposta orçamentária. VALOR ESTIMADO ANUAL DE RENÚNCIA DE RECEITA IMPACTO ORÇAMENTÁRIO FINANCEIRO NO PERÍODO DE2013 A ,00 Não Não haverá haverá Não haverá Desconto de até 20% (vinte por cento) ISS O desconto incentivará maior 700,00 Não Não Não número de contribuintes a quitar haverá haverá haverá seus débitos, reduzindo a inadimplência. A renúncia foi considerada na estimativa de receita e não afetará a execução da despesa fixada na proposta orçamentária. Desconto de até 20% (vinte por cento). Desconto de até 20% (vinte por cento) Multas e Juros da Dívida Ativa do IPTU Multas e Juros da Dívida Ativa do ISS O desconto incentivará maior número de contribuintes a quitar seus débitos, reduzindo a inadimplência. A renúncia foi considerada na estimativa de receita e não afetará a execução da despesa fixada na proposta orçamentária. O desconto incentivará maior número de contribuintes a quitar seus débitos, reduzindo a inadimplência. A renúncia foi considerada na estimativa de receita e não afetará a execução da despesa fixada na proposta orçamentária. 200,00 Não haverá 100,00 Não haverá Não haverá Não haverá Não haverá Não haverá

30 2013 TABELA 10 - DEMONSTRATIVO VIII MARGEM DE EXPANSÃO DAS DESPESAS OBRIGATÓRIAS DE CARÁTER CONTINUADO LRF, ART. 4º, 2º, INCISO V EVENTO MARGEM DE EXPANSÃO INATIVOS E PENSIONISTAS , , ,00 AMORTIZAÇÕES E ENCARGOS , , ,00 SENTENÇAS JUDICIAIS , ,00 0,00 INDENIZAÇÕES , , ,00 OUTRAS 0,00

31 2013 TOTAL DAS RECEITAS PREVISÃO - R$ ESPECIFICAÇÃO RECEITAS CORRENTES , , ,09 Receita Tributária , , ,25 Receita de Contribuições , , ,58 Receita Patrimonial , , ,26 Receita Agropecuaria 0,00 0,00 0,00 Receita Industrial 0,00 0,00 0,00 Receita de Serviços , , ,39 Transferências Correntes , , ,44 Outras Receitas Correntes , , ,73 Dedução da Receita Corrente , , ,56 RECEITAS DE CAPITAL , , ,15 Operações de Crédito 0,00 0,00 0,00 Amortização de empréstimo 0,00 0,00 0,00 Alienação de Ativos 0,00 0,00 0,00 Transferência de Capital , , ,15 Outras Receitas de Capital 0,00 0,00 0,00 TOTAL , , ,24

32 2013 TOTAL DE DESPESAS CATEGORIA ECONÔMICA E GRUPO DE NATUREZA DE DESPESA 2013 R$ DESPESAS CORRENTES (I) , , ,17 Pessoal e Encargos Sociais , , ,15 Juros e Encargos da Dívida (-) 1.102, , ,27 Outras Despesas Correntes , , ,75 DEPESAS DE CAPITAL (II) , , ,68 Investimentos , , ,45 Inversões Financeiras 0,00 0,00 0,00 Amortização Financeira , , ,22 RESERVA DE CONTINGÊNCIA(III) , , ,39 TOTAL (IV) = (I+II+III) , , ,24

33 2013 META FISCAL RESULTADO PRIMÁRIO ESPECIFICAÇÃO RECEITAS CORRENTES (I) , , , , , ,09 Receita Tributária , , , , , ,25 Receita de Contribuições , , , , , ,58 Receita Patrimonial , , , , , ,26 Aplicação Financeira(II) , , , , , ,04 Outras Receitas Patrimoniais , , , , , ,21 Receita Agropecuária 0,00 0,00 0,00 0,00 Receita Industrial 0,00 0,00 0,00 0,00 Receita de Serviços , , , , , ,39 Transferências Correntes , , , , , ,44 Outras Receitas Correntes , , , , , ,73 Deduções da Receita Corrente , , , , , ,56 RECEITAS FISCAIS CORRENTES (III) = (I-II) , , , , , ,05 RECEITAS DE CAPITAL(IV) , , , , , ,15 Operações de Crédito (V) 0,00 0,00 0,00 0,00 Amortização de empréstimo(vi) 0,00 0,00 0,00 0,00 Alienação de Ativos (VII) 0,00 0,00 0,00 0,00 Transferências de Capital , , , , , ,15 Outras Receitas de Capital 0,00 0,00 0,00 0,00 Receitas Fiscais de Capital (VIII) = (IV-V-VI-VII) , , , , , ,15 RECEITAS PRIMÁRIAS (IX) = ( III + VIII) , , , , , ,20 DESPESAS CORRENTES (X) , , , , , ,17 Pessoal e Encargos Sociais , , , , , ,15 Juros e Encargos da Dívida (XI) 1.000, , , ,27 Outras Despesas Correntes , , , , , ,75 DESPESAS FISCAIS CORRENTES (XII) = (X-XI) , , , , , ,90 DEPESAS DE CAPITAL (XIII) , , , , , ,68 Investimentos , , , , , ,45 Inversões Financeiras 0,00 0,00 0,00 0,00 Amortização da Dívida (XIV) , , , , , ,22 DESPESAS FISCAIS DE CAPITAL (XV) = (XIII XIV) , , , , , ,45 RESERVA DE CONTINGÊNCIA (XVI) , , , ,39 DESPESAS PRIMÁRIAS (XVII) =(XII + XV+ XVI) , , , , , ,74 RESULTADO PRIMÁRIO (IX XVII) , , , , , ,55 Notas: * Os dados relativos às receitas e despesas foram extraídos das metas estabelecidas para as mesmas, conforme demonstrado anteriormente. * O cálculo da Meta de Resultado Primário obedeceu à metodologia estabelecida pelo Governo Federal, através das Portarias expedidas pela STN, relativas às normas de contabilidade pública.

34 V METODOLOGIA E MEMÓRIA DE CÁLCULO DAS METAS ANUAIS PARA O MONTANTE DA DÍVIDA PÚBLICA DA PREFEITURA Dívida Pública Consolidada é o montante total apurado: - das obrigações financeiras do ente da Federação, inclusive as decorrentes de emissão de títulos, assumidas em virtude de leis, contratos, convênios ou tratados; - das obrigações financeiras do ente da Federação, assumidas em virtude da realização de operações de crédito para amortização em prazo superior a doze meses ou que, embora de prazo inferior a doze meses, tenham constado como receitas no orçamento. - dos precatórios judiciais emitidos a partir de 5 de maio de 2000 e não pagos durante a execução do orçamento em que houverem sido incluídos. 4E+06 Não são incluídas as obrigações entre cada município e seus respectivos fundos, autarquias, fundações e empresas estatais dependentes ou entre estes, isto é, deve ser apurada sem duplicidade. Nessa linha devem ser informados os valores esperados para a Dívida Pública Consolidada do exercício financeiro a que se refere a LDO e também para os dois exercícios seguintes. Em atendimento ao artigo 4º, 2º, inciso II da Lei de Responsabilidade Fiscl - LRF, fazemos, a seguir, uma explanação a respeito da memória e metodologia de cálculo das metas anuais para o Montante da Dívida Pública, para o exercício financeiro a que se refere a LDO e para os dois subsequentes. Dívida Consolidada Líquida corresponde à dívida pública consolidada deduzidas as disponibilidades de caixa, as aplicações financeiras e os demais haveres financeiros. Nessa linha devem ser informados os valores esperados para a Dívida Consolidada Líquida do exercício financeiro a que se refere a LDO e para os dois exercícios seguintes.

35 2013 META FISCAL - RESULTADO NOMINAL Em atendimento ao art. 4º, 2º, inciso II da LRF, encontra-se a seguir explanação a respeito da memória e metodologia de cálculo das metas de resultado nominal para o exercício orçamentário a que se refere a LDO e para os dois subsequentes. META FISCAL RESULTADO NOMINAL ESPECIFICAÇÃO (b) (c ) (d) (e) (f) (g) DÍVIDA CONSOLIDADA (I) , , , , , ,23 DEDUÇÕES (II) , , , , , ,88 Ativo disponível , , , , , ,40 Haveres Financeiros , , , , , ,88 (-)Restos a Pagar Processados ( ,00) ( ,00) - ( ,00) , ,60 DÍVIDA CONSOLIDADA ( ,28) , ,19 ( ,76) ( ,65) LÍQUIDA (III) = (I II) RECEITA DE PRIVATIZAÇÕES (IV) PASSIVOS RECONHECIDOS (V) , , , , , ,23 DÍVIDA FISCAL LÍQUIDA (III + IV V) ( ,28) ( ,00) ( ,00) (25.497,00) ( ,10) ( ,88) RESULTADO NOMINAL (b-a*) (c-b) (d-c) (e-d) (f-e) (g-f) ( ,78) ,28 (35.490,00) ,19 ( ,95) ,11 Nota: O cálculo das Metas Anuais relativas ao Resultado Nominal foi efetuado em conformidade com metodologia estabelecida pelo Governo Federal, normatizada pela STN. (*) Refere-se ao valor da Dívida Consolidada Líquida do exercício financeiro anterior ao demonstrado na coluna

36 2013 META FISCAL MONTANTE DA DÍVIDA ESPECIFICAÇÃO DÍVIDA CONSOLIDADA (I) , , , , , ,23 Dívida Mobiliária 0,00 0,00 0,00 Outras Dívidas , , , , , ,23 DEDUÇÕES (II) , , , , , ,88 Ativo Disponível , , , , , ,40 Haveres Financeiros , , , , , ,88 (-)Restos a Pagar Processados , ,00 0, , , ,60 DÍVIDA CONSOLIDADA LÍQUIDA (III) = (I II) , ,00 0, , , ,65

37

38

39 ANEXO I PRIORIDADES E METAS 2013 PROGRAMAS AÇÕES FINALIDADE DA AÇÃO PRODUTO DA AÇÃO UNIDADE DE MEDIDA META Vias Urbanas Asfaltamento de Diversas Ruas Melhoria das Vias Urbanas Melhorar o fluxo de veículos e M² mobilidade das pessoas Calçamento em Briquet Hexagonal em Diversas Ruas e Melhoria das Vias Urbanas Melhorar o fluxo de veículos e M² Avenidas mobilidade das pessoas Transporte Escolar Construção de cobertura para abrigo de veículos do Abrigar Veículos Veículos protegidos, livre da ação M² transporte escolar do sol e chuva Educação Básica Ampliação e Reforma da Escola Municipal Pedra Verde Preservação do Patrimônio Ampliar a oferta de vagas Unid. 1 Estradas Encascalhamento de trechos críticos de Estradas vicinais Melhoria das Estradas Vicinais Melhorar o fluxo de veículos e mobilidade das pessoas km 10

SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO SEMANÁRIO OFICIAL João Pessoa, 27 de julho de 212 * n 1332 ESPECIAL * Pág. 11/66 SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO Pág. 12/66 * n 1332 ESPECIAL * João Pessoa, 27 de julho de 212 SEMANÁRIO OFICIAL

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação - RREO O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

II - QUADROS ORÇAMENTÁRIOS CONSOLIDADOS

II - QUADROS ORÇAMENTÁRIOS CONSOLIDADOS II - QUADROS ORÇAMENTÁRIOS CONSOLIDADOS 1 - QUADROS CONSOLIDADOS DA RECEITA E DA DESPESA Receita e Despesa dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social segundo Categorias Econômicas Quadro 1A - Receita

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos.

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Vamos ao nosso assunto de hoje! Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO: A LDO é

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ LEI Nº 5456, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Sumaré para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências.- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ seguinte

Leia mais

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO 2014/ BIMESTRE NOVEMBRODEZEMBRO RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº 4.

Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº 4. PREVIDENCIA SOCIAL DO MUN. DE CAMPINA GRANDE DO SUL ESTADO DO PARANÁ Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACOBINA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACOBINA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO ABRIL 2015/ BIMESTRE MARÇOABRIL RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) R$ 1,00 RECEITAS PREVISÃO

Leia mais

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO REVISÃO 2006 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO REVISÃO 2006 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO REVISÃO 2006 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES PORTARIA Nº 633, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 A Portaria nº 633, 30 agosto 2006, foi publicada no Diário

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO Aplicado à União e aos Estados, Distrito Federal e Municípios 5ª edição atualizada Permitida a reprodução total

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA LEI Nº 875/2009 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA ELABORAÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA PARA O EXERCÍCIO DE 2010, E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE JURANDA,, faz saber a todos os

Leia mais

Capacitação em Elaboração e Análise dos Demonstrativos Fiscais no Setor Público. de Contabilidade

Capacitação em Elaboração e Análise dos Demonstrativos Fiscais no Setor Público. de Contabilidade Capacitação em Elaboração e Análise dos Demonstrativos Fiscais no Setor Público Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade Abril 2011 Atendimento ao Disposto Legal LRF Art. 64 1º

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO Aplicado à União e aos Estados, Distrito Federal e Municípios 4ª edição atualizada Permitida a reprodução total

Leia mais

Metodologia de Elaboração dos Demonstrativos do Relatório de Gestão Fiscal RGF

Metodologia de Elaboração dos Demonstrativos do Relatório de Gestão Fiscal RGF Metodologia de Elaboração dos Demonstrativos do Relatório de Gestão Fiscal RGF 3º Quadrimestre/2008 Centro Administrativo do Governo Rodovia SC 401 - km. 5, nº 4600 Saco Grande II - Florianópolis - SC

Leia mais

Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem

Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem Módulo 10 - Resultado Primário e Resultado Nominal

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTARIA E FINANCEIRA EM SAÚDE

GESTÃO ORÇAMENTARIA E FINANCEIRA EM SAÚDE GESTÃO ORÇAMENTARIA E FINANCEIRA EM SAÚDE LDO: CARACTERÍSTICAS GERAIS E A LRF Prof. Dr. Áquilas Mendes METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA: ao final desta disciplina, o especializando será capaz de conhecer

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00243-2009 do Executivo Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício de 2010. A Câmara Municipal de São Paulo D E C R

PROJETO DE LEI 01-00243-2009 do Executivo Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício de 2010. A Câmara Municipal de São Paulo D E C R PROJETO DE LEI 01-00243-2009 do Executivo Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício de. A Câmara Municipal de São Paulo D E C R E T A: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Em

Leia mais

ANEXO I METAS FISCAIS LDO 2015

ANEXO I METAS FISCAIS LDO 2015 ANEXO I METAS FISCAIS LDO 2015 LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO I METAS FISCAIS ANEXO I.1 DEMONSTRATIVO DE METAS FISCAIS E MEMÓRIA DE CÁLCULO ( 1º, art.4º da Lei Complementar Federal nº 101,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DA TRANSPARÊNCIA DA GESTÃO FISCAL Art. 48. São instrumentos

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA CAPITULO III CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO DIRETA 31 3 CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3.1 DOS BALANÇOS 3.1.1 - Resultado Financeiro do Exercício Considerando que a receita arrecadada

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS DO 1º QUADRIMESTRE/2006

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS DO 1º QUADRIMESTRE/2006 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE CONTABILIDADE GERAL DCOG GERÊNCIA DE ESTUDOS E NORMATIZAÇÃO CONTÁBIL - GENOC ANÁLISE E AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS DO

Leia mais

Total 420.044.577,42 Total 420.044.577,42

Total 420.044.577,42 Total 420.044.577,42 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 1.324.567,17 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PÁGINA: 1 BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO - 2005 ANEXO 14 ATIVO ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL 450.323.096,72 CAIXA 47.294,31 BANCOS CONTA MOVIMENTO 210.194.091,20

Leia mais

30/06/2015 IPSAS. Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP MCASP. Lucy Fátima de Assis Freitas. 6ª Edição - 2015 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS

30/06/2015 IPSAS. Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP MCASP. Lucy Fátima de Assis Freitas. 6ª Edição - 2015 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS CONVERGÊNCIA CONTÁBIL SETOR PUBLICO BRASILEIRO Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP Lucy átima de Assis reitas Plano de Implantação Procedimentos Contábeis Patrimoniais Regulamenta o art. 13 da Portaria

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

ANEXO I QUADROS CONSOLIDADOS

ANEXO I QUADROS CONSOLIDADOS ANEXO I QUADROS CONSOLIDADOS Demonstrativo das Receitas e Despesas por Categoria Econômica Estimativa a e Compensação da Renúncia de Receita Demonstrativo do Efeito das Isenções e Outros Benefícios Fiscais

Leia mais

Descrição da Ação Criada, Expandida ou Aperfeiçoada Despesa Aumentada 1º ano 2º ano 3º ano

Descrição da Ação Criada, Expandida ou Aperfeiçoada Despesa Aumentada 1º ano 2º ano 3º ano ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Art. 16, Inciso I e 4º, inciso I, da LC 101/2000 Estudo da adequação orçamentária e financeira para a finalidade de Reposição Salarial com Aumento Real, em cumprimento

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO ATIVO REAL DO FUNDO - FEVEREIRO DE 2009

COMPOSIÇÃO DO ATIVO REAL DO FUNDO - FEVEREIRO DE 2009 I COMPOSIÇÃO DO ATIVO O Ativo Real corresponde ao somatório dos valores do Ativo Financeiro mais o Ativo Não-Financeiro, evidenciando as alterações patrimoniais ocorridas durante o exercício. COMPOSIÇÃO

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS V - AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO PARÁ RPPS A Emenda Constitucional nº 20, de 15

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA

INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA Resumo de Contabilidade Pública Assunto: INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA Autor: SÉRGIO LUIZ RAMOS 1 ÍNDICE: 1. NOÇÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA 1.2 SISTEMAS 1.3 RESTOS A PAGAR 1.4 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS

Leia mais

Diário Oficial. Prefeitura Municipal de Ichú Ba. Ano VI - Edição Ordinária n º. 480 26 de março de 2015- Pg1/23 PREFEITURA MUNICIPAL ICHU - BAHIA

Diário Oficial. Prefeitura Municipal de Ichú Ba. Ano VI - Edição Ordinária n º. 480 26 de março de 2015- Pg1/23 PREFEITURA MUNICIPAL ICHU - BAHIA Diário Oficial Prefeitura Municipal de Ichú Ba Ano VI - Edição Ordinária n º. 480 26 de março de 2015- Pg1/23 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 021/2015 DE 26 DE MARÇO DE 2015. Reajusta os vencimentos dos cargos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

DESPESA COM PESSOAL LIQUIDADAS

DESPESA COM PESSOAL LIQUIDADAS - CONSOLIDADO DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL MAIO/2014 A ABRIL/2015-1º QUADRIMESTRE/2015 (JANEIRO A ABRIL) RGF - ANEXO 1 (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") R$ 1,00 DESPESAS EXECUTADAS JANEIRO A

Leia mais

Análise de Balanços. Flávia Moura

Análise de Balanços. Flávia Moura Análise de Balanços Flávia Moura 1 Tópicos para Reflexão O que é análise de balanços? A análise de balanços consiste em proceder a investigações dos fatos com base nos dados Para que serve a análise de

Leia mais

Pessoal Inativo e Pensionistas 159.580.361,44 - 9.915.970,42 DESPESA TOTAL COM PESSOAL (IV) = (III a + III b)

Pessoal Inativo e Pensionistas 159.580.361,44 - 9.915.970,42 DESPESA TOTAL COM PESSOAL (IV) = (III a + III b) Prefeitura de São Luís (MA) Relatório de Gestão Fiscal Demonstrativo da Despesa de Pessoal Poder Executivo Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social Publicação: Diário Oficial do Município nº 21 Referência:

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA Página 1 de 28 ESTADO DE GOIÁS PÁG: 001 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO RREO ANEXO 1 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas a e b do inciso II e 1º) R$ RECEITAS PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS NO BIMESTRE % ATÉ BIMESTRE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana

Prefeitura Municipal de Santana Segunda 30 de janeiro de 2012 Prefeitura Municipal de Santana 6 Bimestre e 3 de 2011 http://www.tribunanet.com.br/?tipo=1&gs=2&cidade=20&anos=&imagefield.x=51&imagefield.y=17 Prefeitura Municipal de Santana

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Prefeitura Municipal de Iaçu-BA

Prefeitura Municipal de Iaçu-BA ANO. 2015 Prefeitura Municipal de IaçuBA DO MUNICÍPIO DE IAÇU BAHIA ANO.V EDIÇÃO Nº 00450 A Prefeitura Municipal de Iaçu, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. 1 Este documento

Leia mais

5,50% ESPECIFICAÇÃO. Notas: Notas: Notas: LRF, art. 4º, 2º, inciso II ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO. ÍNDICES DE INFLAÇÃO 2010 5,91% Fonte: IBGE e BACEN

5,50% ESPECIFICAÇÃO. Notas: Notas: Notas: LRF, art. 4º, 2º, inciso II ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO. ÍNDICES DE INFLAÇÃO 2010 5,91% Fonte: IBGE e BACEN Umuarama, quartafeira 9 de dezembro de 202 PREFEITURA MUNICIPAL DE UMUARAMA PR ANEXO DE METAS FISCAIS METAS ANUAIS EXERCÍCIO DE LRF, art. 4º, º R$,00 204 205 Valor Valor % PIB Valor Valor % PIB Valor Valor

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO FISCAL

RELATÓRIO DA GESTÃO FISCAL PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA IA GERAL DO MUNICÍPIO RELATÓRIO DA GESTÃO FISCAL II QUADRIMESTRE DE 2004 AGOSTO DE 2004 SECRETÁRIO MUNICIPAL DA

Leia mais

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Prefeitura Municipal de Vitória Controladoria Geral do Município RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Nome da Iniciativa ou Projeto Portal de Transparência Vitória Caracterização da situação anterior O Portal

Leia mais

DEMONSTRATIVOS FISCAIS DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS

DEMONSTRATIVOS FISCAIS DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação - CCONF Gerência de Normas e Procedimentos de Gestão Fiscal - GENOP DEMONSTRATIVOS FISCAIS DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS Apresentação das alterações

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

DESPESA TOTAL COM PESSOAL - DTP (IV) = (lila + 111b) 26.013.142,93

DESPESA TOTAL COM PESSOAL - DTP (IV) = (lila + 111b) 26.013.142,93 PREFEITURA MUNICIPAL DE PEIXOTO DE AZEVEDO DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL Maio/2013 a Abril/2014 - Consolidado RGF - Anexo I (LRF, art. 55, inciso I alinea

Leia mais

Novas Portarias da STN: Alterações nos Demonstrativos Fiscais da LRF

Novas Portarias da STN: Alterações nos Demonstrativos Fiscais da LRF Novas Portarias da STN: Alterações nos Demonstrativos Fiscais da LRF Edson Ronaldo Nascimento (edson.nascimento@fazenda.gov.br) José Carlos Gerardo (jose.gerardo@fazenda.gov.br) Este texto expressa as

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CRC-DF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Domingos Poubel de Castro Brasília/DF, 18 de Maio de 2012 NECESSIDADES PERMANENTES DO GESTOR INFORMAÇÕES CONTROLE Cenário Externo 0800 570 0800

Leia mais

DEMONSTRATIVO CONSOLIDADO DA DESPESA COM PESSOAL

DEMONSTRATIVO CONSOLIDADO DA DESPESA COM PESSOAL DEMONSTRATIVO CONSOLIDADO DA DESPESA COM PESSOAL JANEIRO/2014 A DEZEMBRO/2014 RGF ANEXO 1 (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") DESPESA BRUTA COM PESSOAL (I) DESPESAS COM PESSOAL DESPESAS EXECUTADAS (Últimos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre-BA

Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre-BA ANO. 2015 Prefeitura Municipal de Capela do Alto AlegreBA DO MUNICÍPIO DE CAPELA DO ALTO ALEGRE BAHIA ANO. V EDIÇÃO Nº 00652 A Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre, Estado Da Bahia Visando a Transparência

Leia mais

Diário Oficial ÓRGÃO OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO

Diário Oficial ÓRGÃO OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO Diário Oficial R$ 0,50 ÓRGÃO OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO PUBLICAÇÃO DA SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL ANO IV - EDIÇÃO N. 116-2 de abril de 2014 www.pmnf.rj.gov.br Saúde Bucal

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2014 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2015 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 28.393.390.678,55 RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 28.527.468.836,27 RECEITAS 13.532.898.028,40 ORÇAMENTÁRIA 13.532.898.028,40 DESPESA ORÇAMENTARIA 10.266.008.652,65

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO

ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO Aplicado à União e aos Estados, Distrito Federal e Municípios 7ª edição atualizada Permitida a reprodução total

Leia mais

Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014

Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014 Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014 Introdução Este relatório apresenta os principais resultados da gestão orçamentária

Leia mais

20/07/2015. Receitas. Receitas. Receitas

20/07/2015. Receitas. Receitas. Receitas Em sentido amplo, os ingressos de recursos financeiros nos cofres do Estado denominam-se receitas públicas, registradas como receitas orçamentárias, quando representam disponibilidades de recursos financeiros

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL L O A EXERCÍCIO DE 2016. 1 de 13

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL L O A EXERCÍCIO DE 2016. 1 de 13 L O A DE 1 de 13 NOME DO ESTADO NOME DO MUNICÍPIO NOME DO PREFEITO(A) CARGO NOME CARGO CADASTRO DE DADOS DO MUNICÍPIO ESTADO DE GOIÁS JARDE SEBBA PREFEITO MUNICIPAL ABRANTE SILVERIO DE SOUZA CONTADOR CADASTRO

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Documento gerado em 25/05/2015 15:12:26 Página 1 de 13

Documento gerado em 25/05/2015 15:12:26 Página 1 de 13 RGF-Anexo 01 Tabela 1.0 - Demonstrativo da Despesa com Pessoal Padrao Despesa Executada com Pessoal Despesa com Pessoal Despesas Executadas - Últimos 12 Meses DESPESAS LIQUIDADAS (a) DESPESAS INSCRITAS

Leia mais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3.953.236.822,66 RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3.320.180.698,63 RECEITAS 1.684.972.053,82 ORÇAMENTÁRIA 1.684.972.053,82 DESPESA ORÇAMENTARIA 3.044.151.183,85

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2013 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2014 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

II - original ou cópia autenticada da autorização legislativa específica para a realização da operação;

II - original ou cópia autenticada da autorização legislativa específica para a realização da operação; Portaria n o 4, de 18 de janeiro de 2002. Dispõe sobre os procedimentos de formalização de pedidos de contratação de operações de crédito externo e interno dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA CLASSIFICAÇÃO DAS DESPESAS Atualizado em 14/10/2015 CLASSIFICAÇÕES DA DESPESA ESFERA ORÇAMENTÁRIA A classificação por esfera orçamentária tem por finalidade identificar

Leia mais

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978.

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978. Dispõe sobre as normas e procedimentos para contabilização e elaboração de demonstrações financeiras, relativas a ajustes decorrentes da avaliação de investimento relevante de companhia aberta em sociedades

Leia mais

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA ANEXO II VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MFDF ao Plano de

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL PERÍODO DE REFERÊNCIA: JANEIRO A AGOSTO DE 2015 EXERCÍCIO DE 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL PERÍODO DE REFERÊNCIA: JANEIRO A AGOSTO DE 2015 EXERCÍCIO DE 2015 PERÍODO DE REFERÊNCIA: JANEIRO A AGOSTO DE 2015 Elaborado conforme instruções contidas na Portaria STN nº 553, de 22 de setembro de 2014. EXERCÍCIO DE 2015 PORTARIA Nº 153/15 - SEPLAN DE 29 DE SETEMBRO

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL Art. 54 e 55 Lei Complementar nº. 101 de 04/05/00

RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL Art. 54 e 55 Lei Complementar nº. 101 de 04/05/00 Publicado no Órgão Oficial do Estado jornal Minas Gerais Diário do Executivo em 28/05/2015, páginas 03 a 05. Art. 54 e 55 Lei Complementar nº. 101 de 04/05/00 Em cumprimento ao que dispõem os artigos 54

Leia mais

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 Balanço Financeiro Período: 01/01/2012 a 31/12/2012 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO Exercício Anterior

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.306, DE 16 DE MAIO DE 2006 Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2006. O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público QUEM ATUALIZOU AS DEMONSTRAÇÕES?

Leia mais

Regras para Ordenar Despesas

Regras para Ordenar Despesas COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Regras para Ordenar Despesas Interpretação dos Art. 15 e 16 da LRF

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

OS DADOS SE REFEREM A UMA REPUBLICAÇÃO? (1 = SIM 2 = NÃO)

OS DADOS SE REFEREM A UMA REPUBLICAÇÃO? (1 = SIM 2 = NÃO) OS DADOS SE REFEREM A UMA REPUBLICAÇÃO? (1 = SIM = NÃO) UNIÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO/006

Leia mais

Assunto: Demonstrativos em atendimento à Portaria STN nº 72/2012.

Assunto: Demonstrativos em atendimento à Portaria STN nº 72/2012. A P O Autoridade Pública Olímpica Brasília, 28 de março de 2013. NOTA TÉCNICA Nº 004/2013SGC/DE/APO Assunto: Demonstrativos em atendimento à Portaria STN nº 72/2012. Senhor Presidente, 1. A partir do ano

Leia mais

RECEITA. Despesas Correntes, sob forma: Tributária Patrimonial Industrial Recursos financeiros Outras. Tributo: Definição: Receita derivada,

RECEITA. Despesas Correntes, sob forma: Tributária Patrimonial Industrial Recursos financeiros Outras. Tributo: Definição: Receita derivada, RECEITA Definição : receita recebida de pessoa de direito público Definição: Receita recebida de pessoas de direito público ou privado, ou privado, para atender despesas classificáveis em para atender

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

Análise Contábil do Relatório de

Análise Contábil do Relatório de Análise Contábil do Relatório de Controle Interno Gerência de Contabilidade Centralizada Diretoria de Contabilidade Geral Flávio van GEORGE Rocha Sir. Flávio van GEORGE Rocha Composição do Relatório: 1.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação aos arquivos publicados em 10/11/2014: Item alterado/incluído Evento 1.9 Evento 2.20.8 Evento 2.72.13 Motivo Obs: Os créditos relativos à Dívida Ativa podem ser registrados somente

Leia mais

37.899.634,30 PASSIVO CIRCULANTE CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTO CONCEDIDOS

37.899.634,30 PASSIVO CIRCULANTE CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTO CONCEDIDOS MUNICÍPIO DE CALDAS NOVAS ESTADO DE GOIAS Balanço Financeiro Anexo 1 (Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP)Portaria STN nº 37/2012 5a edição BALANÇO GERAL DO EXERCICIO DE 201 PERÍODO(MÊS)

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais