TRIAGEM DE MANCHESTER SERVIÇO DE URGÊNCIA PEDIÁTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIAGEM DE MANCHESTER SERVIÇO DE URGÊNCIA PEDIÁTRICA"

Transcrição

1 TRIAGEM DE MANCHESTER SERVIÇO DE URGÊNCIA PEDIÁTRICA Rita Carneiro, Cláudio Alves Unidade Funcional Urgência/UCIEP. Chefe de Serviço: Helena Almeida Departamento de Pediatria. Directora: Helena Carreiro

2 1. Triagem Questões Gerais 2. História de Triagem no SUP 3. Implementação do PTM no SUP 4. Ao fim de dois anos 5. Casuistica

3 1. Triagem Questões Gerais TRIAGEM DE DOENTES - como começou TRIAR do francês Trier (significa seleccionar/escolher) TRIAGEM DE PRIORIDADES identificar critérios de gravidade, de forma objectiva e sistematizada, que indicam a prioridade clínica com que o doente deve ser atendido e o respectivo tempo alvo recomendado até a observação médica.

4 1. Triagem Questões Gerais TRIAGEM DE DOENTES Porquê?... Nº de Admissões Priorização dos Cuidados Necessidade de Segurança Correto Encaminhamento

5 1. Triagem Questões Gerais SISTEMA DE TRIAGEM estruturado Escala de triagem válida, reprodutível, auditável e útil ; Estrutura física, profissional, tecnológica e organizativa ; Modelo de qualidade que pode ser avaliado e melhorado deforma contínua.

6 1. Triagem Questões Gerais PaedCTAS 2001 revisão 2008 SISTEMAS DE TRIAGEM 1990s 1990s 2005 versão pediátrica 1990s

7 1. Triagem Questões Gerais SISTEMAS DE TRIAGEM ATS CTAS MTS ESI Escala de 5 níveis Estudos de concordância Estudos de validade Baseada em algoritmos clínicos Não Não Baseada em escalas de urgência predefinidas Não Não Formato electrónico??

8 1. Triagem Questões Gerais Escalas de 5 níveis > validade e reprodutibilidade ACEP/ENA Five-Level Triage Task Force The American College of Emergency Physicians (ACEP) and the Emergency Nurses Association (ENA) believe that quality of patient care would benefit from implementing a standardized emergency department (ED) triage scale and acuity categorization process. Based on expert consensus of currently available evidence, ACEP and ENA support the adoption of a reliable, valid five-level triage scale

9 TRIAGEM ESTRUTURA FÍSICA Admissão de doentes 1. Triagem Questões Gerais Triagem Sala de espera Triagem área de procedimentos área de gravidade baixa Fast-tracK

10 TRIAGEM Estrutura Profissional Quem pode fazer triagem 1. Triagem Questões Gerais Enfermeiro ou Médico > concordância -enfermeiros Experiência: pediatria e emergência Formação e treino: sistema triagem Capacidade comunicação organização trabalhar sob pressão Empático, paciente, discreto Recepção: doente e família Atribuição da área (obs. e/ou trat.) Informação: tempos de espera Reavaliação Doentes triados em espera Alteração do estado clínico Solicitação - doente ou família

11 1. Triagem Questões Gerais TRIAGEM Estrutura Organizativa Organização Triagem 24 horas por dia idealmente antes da inscrição Enfermeiro máximo 4 horas por turno não execer simulta// outras funções Apoiado pelo coordenador de triagem Coordenação Apoio - dúvidas na triagem Se espera para triagem - activar postos de triagem Se doentes triados em espera - activar Fast-track Gestão do fluxo de doentes

12 1. Triagem Questões Gerais TRIAGEM avançada Atitudes Diagnósticas e Terapêuticas Protocoladas Pedir exames complementares Rx, ecg, etc Administrar antipiréticos, análgésicos, solução de reidratação oral, oxigénio Outras controlo inicial de hemorragia; irrigação ocular, etc Iniciar manobras de suporte básico de vida

13 2. História de Triagem no SUP Em 1996 a urgência pediátrica inicia funções com o processo em suporte de papel

14 2. História de Triagem no SUP Baseada em fluxogramas criados pela equipa; Sustentada em procedimentos e protocolos.

15 2. História de Triagem no SUP O INÍCIO DA INFORMATIZAÇÃO Informatização PCE Episódio de urgência com registos Informatizados Sistema de priorização Triagem

16 2. História de Triagem no SUP Triagem Dificuldades Sistema de triagem sem base cientifica; Escrita Livre; Não auditável; Sem acesso á caracterização clínica da população; Influenciada pelo contexto, pela experiência profissional, etc NECESSIDADE DE MUDANÇA

17 2. História de Triagem no SUP MUDANÇA A ESCOLHA QUALIDADE EFICÁCIA SEGURANÇA PTM GESTÃO DA INFORMAÇÃO FINANCEIROS

18 3. Implementação do PTM no SUP PTM Base cientifica; Baseado na evidência; Reprodutível; Auditavel; Acesso a caracterização clínica dos utentes; Utilizado na Urgência Geral

19 3. Implementação do PTM no SUP MUDANÇA - As Implicações

20 Cycle IMPLEMENTAÇÃO Diagram - DIA D Alguns meses e muitas reuniões depois PTM

21 DIFICULDADES Primeiros dias Ligeiro aumento tempo espera; Algumas falhas do sistema informático; Relutância de alguns profissionais (médicos e enfermeiros) Reuniões diárias com equipas feedback. Reforço positivo; Mostrar Dados. Pressão com a DGTI melhoria da aplicação.

22 ASPECTOS FACILITADORES Envolvimento de profissionais chave ; Participação da equipa no desenvolvimento da implementação; Reuniões de feedback; Respostas da DGTI e da Direção de serviço; E dois anos depois uma nova aplicação

23

24

25

26 Critério Urg. Tempo Alvo Atendimento Emergente 0 Muito Urg. Urgente Pouco Urg. Não Urgente 10 min. 60 min. 120 min. 240 min.

27 4. Ao fim de dois anos Envolvidos num estudo multicêntrico europeu que visa a melhoria do PTM em pediatria. Triage Improvements Across General Emergency departments (TrIAGE) Participação em diversos trabalhos de investigação em triagem pediátrica com o Erasmus Medical Central Roterdão. -Improvements of the Manchester Triage System for paediatric emergency care: a multicentre observational study -Needs the MTS a neonatal flowchart?

28 A IMPLEMENTAÇÃO DO PTM NO SUP: Sistema com base cientifica, reprodutivel e auditavel Melhor gestão dos recursos nas decisões aplicadas a cada doente em concreto Conhecimento sobre a actividade, a complexidade e as necessidades do serviço gestão mais eficaz, melhor planeamento de recursos Indicadores de qualidade monitorizar o funcionamento do serviço e planificar ações de melhoria Linguagem comum entre serviços útil para comparar experiências Humanização; reduz a ansiedade e aumenta a satisfação das famílias.

29

30

31 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Nº Episódios / Mês Média: 5106, ,2 222,7 177 Nº Episódios / Dia Média: 167,9 142,7 166,1 154,9 133,1 112,1 146,1 180, ,

32 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Prioridade MTS Total % Emergente 217 0,35% Mto urgente ,18% Urgente ,91% Pouco Urgente ,61% Não Urgente 745 1,22% Branco ,40% N/D 200 0,33% Total %

33 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Prioridade MTS Total % ,35% ,18% ,91% Urgentes 37,44% ,61% ,22% ,40% N/D 200 0,33% Total %

34 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Prioridades MTS

35 % 70,00 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Prioridades MTS 60,00 50,00 52,27 53,94 54,50 54,00 58,64 59,94 57,95 57,75 61,68 61,23 57,60 53,05 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00

36 6000 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Prioridades / Variação Semanal Vermelho 3000 Laranja Amarelo Verde 2000 Azul Branco Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab

37 % ,03 55,62 55,67 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Prioridades / Variação Semanal 57,28 58,02 55,52 57,5 40 Vermelho 30 Laranja Amarelo Verde ,12 15,55 16,21 15,51 14,3 16,29 16,91 Azul Branco 0 Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab

38

39 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Episódios ano 168 Episódios/dia Variação Verão/Inverno Episódios/dia 100% Triagem MTS 38% Urgentes vs 62% Não urgentes Variação semanal Pico na 2ªf Sem significado no nº de doentes urgentes

40 Minutos Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF 30 Tempo Admissão-Triagem M: 8,8 min m: 7 min

41 Minutos Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF 30 Tempo Admissão-Triagem M 3,5 m 5 M 4 m 6 M 3,6 m 6 M 3,1 m 7 M 3,3 m 7 M 2,1 m 7

42 Minutos 12 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Tempo Triagem M: 3,3 min m: 2,9 min

43 Minutos 14 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Tempo Triagem M 3,5 m 3,0 M 4 m 3,7 M 3,6 m 3,2 M 3,1 m 2,7 M 3,3 m 2,9 M 2,1 m 1,8

44 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF

45 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF

46 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF MTS Quadros + Utilizados Infecções locais e abcessos Problemas urinários Feridas Problemas oftalmológicos T.C.E. Trauma crânio-encefálico Dor abdominal na criança (P) (em branco) Dor de garganta Problemas de ouvidos Criança que não se sente bem (P) Erupções cutâneas Pais preocupados (P) Diarreia e/ou vómitos Problemas nos membros Dispneia na criança (P) N = Quadros utilizados:

47 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF MTS: Quadros - Utilizados Doenças sexualmente transmissiveis Doença mental Gravidez Auto-agressão Grande traumatismo Lesão toraco-abdominal Embriaguez aparente Alergias Exposição a químicos Palpitações Hemorragia gastrointestinal Diabetes Hemorragia vaginal Sobredosagem e envenenamento Comportamento estranho Criança com dificuldade de locomoção (P)

48 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Quadros Pediátricos Criança com dificuldade de locomoção (P) Criança irritável (P) Bebé que chora (P) Total (34,5%) N = Dor abdominal na criança (P) Criança que não se sente bem (P) Pais preocupados (P) Dispneia na criança (P) 10413

49 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Tempo Triagem 1ª Observação Médica Prioridade Objectivo tempo de espera em minutos

50 Minutos 160 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Tempo Triagem - 1ª Observação M 12 m 7 M 18 m 10 M 31 m 17 M 42 m 26 M 45 m 25 M 36 m 23

51 Recursos Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF

52 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Avaliação laboratorial Vermelho 23,5% Laranja 18,0% Amarelo 17,6% Verde 9,0% Azul 7,8% Branco 16,2% Total: 12,7%

53 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Radiografia Vermelho 12,9% Laranja 30,2% Amarelo 28,6% Verde 23,8% Azul 18,6% Branco 13,1% Total: 25,4%

54 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Ecografia Vermelho 0% Laranja 1,10% Amarelo 1% Verde 0,50% Azul 0,67% Branco 1,90% Total: 0,77%

55 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF TAC Vermelho 0,50% Laranja 0,73% Amarelo 1,11% Verde 0,18% Azul 0,67% Branco 0,49% Total: 0,49%

56 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF ECG Vermelho 0,5% Laranja 0,8% Amarelo 1,6% Verde 0,5% Azul 0,4% Branco 0,6% Total: 0,8%

57 Serviço de Urgência Pediatria Terapêutica realizada 2012 HFF Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul PO Inal IM / EV Branco 0,00% 10,00% 20,00% 30,00% 40,00% 50,00% 60,00%

58 Minutos 400 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Tempo 1ª Observação Médica - Alta M 95 m 87 M 91 m 79 M 66 m 48 M 42 m 0 M 41 m 6 M 45 m 0

59 Minutos Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF 450 Tempo Permanência Total M 117 m 110 M 122 m 107 M 109 m 88 M 97 m 75 M 99 m 74 M 94 m 64

60 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Internamentos / Prioridades Total Internamentos % % do Total ,21% 1,88% ,33% 38,95% ,50% 33,37% ,52% 18,41% ,21% 0,31% ,60% 7,08% Total ,72% 100%

61 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Internamentos / Prioridades Total Internamentos % % do Total ,21% 1,88% Urgentes ,33% 38,95% 74,2% ,50% 33,37% ,52% 18,41% ,21% 0,31% ,60% 7,08% Total ,72% 100%

62 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Protocolo de Triagem de Manchester Identifica crianças de baixo risco Prioridade 4 / 5 nº de Internamentos necessidade de EAD necessidade de terapêutica no Hospital < Tempo de permanência no SU

63 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Protocolo de Triagem de Manchester Identifica crianças triadas como urgentes (1-3) Elevado peso no Internamento necessidade de EAD Laboratório e Radiografia convencional necessidade de terapêutica no Hospital > Tempo de permanência no SU

64 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Protocolo de Triagem de Manchester Cor branca Necessidade de revisão dos critérios utilizados no nosso SU

65 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Protocolo de Triagem de Manchester Inglaterra Holanda Áustria Noruega Suíça We are not allone!!!

66 Minutos 160 Serviço de Urgência Pediatria 2012 HFF Tempo Triagem - 1ª Observação M 12 m 7 M 18 m 10 M 31 m 17 M 42 m 26 M 45 m 25 M 36 m 23

67 Medicina é a arte de entreter a doença enquanto a mãe natureza faz o seu papel. PROVÉRBIO HINDU

68 Medicina é a arte de entreter a doença enquanto a mãe natureza faz o seu papel. PROVÉRBIO HINDU

69 Obrigado!!!

70

71

72

TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS?

TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS? TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS? Rita Carneiro, Cláudio Alves Unidade Funcional Urgência/UCIEP. Chefe de Serviço: Helena Almeida Departamento de Pediatria. Directora: Helena Carreiro TRIAGEM PEDIÁTRICA

Leia mais

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13 A emergência do Hospital Cristo Redentor é referência para atendimento ao trauma e neurocirurgia, atendendo sob os preceitos de acolhimento com classificação de risco. A classificação de risco deve se

Leia mais

Acolhimento com classificação de risco

Acolhimento com classificação de risco Acolhimento com classificação de risco V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-ACE-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

Classificação de Risco &

Classificação de Risco & Enfermagem em Trauma e Emergência Classificação de Risco & Protocolo de Manchester Tiziane Rogério UNIVERSO Objetivo: Compreender e aplicar o Acolhimento com Classificação de Risco e o Protocolo de Manchester.

Leia mais

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester.

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START 1- ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. Sistema de triagem inicial

Leia mais

SISTEMA MANCHESTER DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: COMPARANDO MODELOS. Welfane Cordeiro Junior Bárbara Lopes de Brito Torres Maria do Carmo Paixão Rausch

SISTEMA MANCHESTER DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: COMPARANDO MODELOS. Welfane Cordeiro Junior Bárbara Lopes de Brito Torres Maria do Carmo Paixão Rausch SISTEMA MANCHESTER DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: COMPARANDO MODELOS Welfane Cordeiro Junior Bárbara Lopes de Brito Torres Maria do Carmo Paixão Rausch Abril de 2014 1 SISTEMA MANCHESTER DE CLASSIFICAÇÃO DE

Leia mais

Protocolo de atendimento inicial ao trauma. José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE

Protocolo de atendimento inicial ao trauma. José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE Protocolo de atendimento inicial ao trauma José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE TRIAGEM Significa seleção, estratificação de risco Protocolo de Classificação de Risco para priorização dos

Leia mais

OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno

OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno O longo caminho da Triagem de Manchester 1996: 1.ª edição inglesa 2003: 1.ª edição portuguesa 2006: 2.ª edição inglesa 2010: 2.ª edição portuguesa

Leia mais

Organização e Gestão de Urgências Triagem de Urgências. Brasilia, Junho 2011

Organização e Gestão de Urgências Triagem de Urgências. Brasilia, Junho 2011 Organização e Gestão de Urgências Triagem de Urgências Brasilia, Junho 2011 Urgência - Complexidade Urgência (Intensidade) Complexidade Conceito de Urgência Situação clínica com capacidade para gerar deterioração

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 07/2014 DATA DA ENTRADA: 07 de janeiro de 2014 INTERESSADA: Sra. M. C. da S. CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO: classificação

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Classificação de risco, Enfermagem, Emergência.

PALAVRAS-CHAVE: Classificação de risco, Enfermagem, Emergência. PROTOCOLO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SETOR DE EMERGÊNCIA EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO DO NOROESTE PAULISTA Ariane das Graças Galati Discente UNILAGO Natália Sperli Geraldes Marin dos Santos Docente UNILAGO

Leia mais

CARTILHA DE INFORMAÇÃO DENGUE

CARTILHA DE INFORMAÇÃO DENGUE CARTILHA DE INFORMAÇÃO DENGUE VOCÊ SABIA? O PROTOCOLO DE MANCHESTER É COMPLETAMENTE ADAPTÁVEL EM CASOS DE EPIDEMIAS DE DENGUE E OUTRAS RECONHECIDAS. PRESSUPOSTOS PARA O USO DO SISTEMA MANCHESTER EM CASOS

Leia mais

DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA MANCHESTER DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOS PONTOS DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS

DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA MANCHESTER DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOS PONTOS DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA MANCHESTER DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOS PONTOS DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS COMO IMPLEMENTAR O SISTEMA DE MANCHESTER DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SUA

Leia mais

Valências Testadas no Simulacro HSEIT PEE1 LIVEX

Valências Testadas no Simulacro HSEIT PEE1 LIVEX Ativação dos Postos de Triagem Identificação Nominal das Vítimas Postos de Triagem Necessidade de criar 2 Postos Triagem (A e B) no nível III Previsão de sobrecarga de viaturas (Ambulâncias e Particulares)

Leia mais

Tempo de espera na Urgência e Emergência

Tempo de espera na Urgência e Emergência Tempo de espera na Urgência e Emergência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-ACE-02 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição

Leia mais

EMENTA: Protocolo de Manchester - Equívocos na sua aplicação - Como evitá-los para garantir equidade. CONSULTA

EMENTA: Protocolo de Manchester - Equívocos na sua aplicação - Como evitá-los para garantir equidade. CONSULTA PARECER N.º 2472/2014 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 29/2013 PROTOCOLO N. º 27261/2013 ASSUNTO: PROTOCOLO DE MANCHESTER PARECERISTA: CONS.ª KETI STYLIANOS PATSIS EMENTA: Protocolo de Manchester - Equívocos

Leia mais

Tatiana Gonçalves Trezena Christino (LATEC / UFF)

Tatiana Gonçalves Trezena Christino (LATEC / UFF) ISSN 1984-9354 Avaliação e Classificação de Risco baseada no Sistema de Triagem Sul-Africano adaptada em um modelo de serviço de emergência: um estudo descritivo e observacional em um hospital terciário

Leia mais

CARINE GRASIELA LÜCKE

CARINE GRASIELA LÜCKE MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA E PESQUISA EM SAÚDE ESCOLA GHC FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ FIOCRUZ INSTITUTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

Leia mais

30/03/2010 a 30/03/2011

30/03/2010 a 30/03/2011 POP ACCR 01 Abertura da Ficha do Usuário ASSUNTO: Padronizar o procedimento para abertura da ficha do usuário. Nº 01 Resultados esperados: Cadastros atualizados dos Usuários Este POP aplica-se na recepção

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

Emergências saem do preto e branco

Emergências saem do preto e branco Triagem Emergências saem do preto e branco Evolução dos prontos-socorros envolve a implantação da triagem, que utiliza cores para distinguir as prioridades de atendimento 26 A complicada situação dos prontos-socorros

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MINAS GERAIS

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MINAS GERAIS PARECER TÉCNICO Nº. 136 / 2011 REFERÊNCIA: Competência do enfermeiro para realizar a Classificação de Risco nos diversos pontos de atenção à saúde da população. HISTÓRICO Recebemos da Presidente do Coren-MG

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS ESCOLA DE ENFERMAGEM FRANCIELE ANZILIERO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS ESCOLA DE ENFERMAGEM FRANCIELE ANZILIERO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS ESCOLA DE ENFERMAGEM FRANCIELE ANZILIERO EMPREGO DO SISTEMA DE TRIAGEM DE MANCHESTER NA ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO: REVISÃO DE LITERATURA Porto Alegre 2011

Leia mais

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013)

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Damoiseaux RAMJ, Van Balen FAM, Leenheer WAM, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

ANAIS PRODUTIVIDADE DE UMA ASSISTÊNCIA MÉDICA AMBULATORIAL (AMA) DA REGIÃO SUL DA CIDADE DE SÃO PAULO EM 2012

ANAIS PRODUTIVIDADE DE UMA ASSISTÊNCIA MÉDICA AMBULATORIAL (AMA) DA REGIÃO SUL DA CIDADE DE SÃO PAULO EM 2012 PRODUTIVIDADE DE UMA ASSISTÊNCIA MÉDICA AMBULATORIAL (AMA) DA REGIÃO SUL DA CIDADE DE SÃO PAULO EM 2012 RÔMULO PARIS SOARES ( romulo.soares@einstein.br, soaresrp@live.com ) SOCIEDADE BRASILEIRA ISRAELITA

Leia mais

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09)

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09) R.N.C.C.I. Execução física até 31/12/2008 Capacidade da Rede Tipologia 2007 2008 Taxa Cresc. Convalescença 403 530 32,00% Média Duração e Reabilitação 646 922 43,00% Longa Duração e Manutenção 684 1325

Leia mais

O RESPEITO DOS DIREITOS DA CRIANÇA NO HOSPITAL Uma Iniciativa da Rede Internacional dos Hospitais Promotores de Saúde

O RESPEITO DOS DIREITOS DA CRIANÇA NO HOSPITAL Uma Iniciativa da Rede Internacional dos Hospitais Promotores de Saúde Ministério da Saúde Av. João Crisóstomo 9, 1º piso 1049062 Lisboa Tel: 21 330 0 00 Fax: 21 330 0 97 email: acs@acs.minsaude.pt O RESPEITO DOS DIREITOS DA CRIANÇA NO HOSPITAL Uma Iniciativa da Rede Internacional

Leia mais

ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA

ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO ENFERMAGEM DE RISCO EM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM EMERGÊNCIA

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO

SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO SERVIÇOS FARMACÊUTICOS SERVIÇO IMUNOHEMOTERAPIA SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO SERVIÇO RADIOLOGIA SERVIÇO CENTRAL ESTERILIZAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO 98 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO 1 Curso de educação continuada em odontologia Abordagem terapêutica dos pacientes com traumatismo

Leia mais

SISTEMA ADAPTATIVO DE TRIAGEM PARA URGÊNCIA DE MATERNIDADE

SISTEMA ADAPTATIVO DE TRIAGEM PARA URGÊNCIA DE MATERNIDADE SISTEMA ADAPTATIVO DE TRIAGEM PARA URGÊNCIA DE MATERNIDADE DR.ª GRAÇA BUCHNER CENTRO HOSPITALAR DO PORTO CENTRO MATERNO INFANTIL DO NORTE ÁREA: ACESSO E EQUIDADE EM SAÚDE CONTEXTUALIZAÇÃO 2 Sistema adaptativo

Leia mais

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica ETAPA DE MINIMIZAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica O Plano de Contingência dos Açores para a Pandemia da Gripe (PCA) prevê mecanismos para garantir

Leia mais

Espaço Saúde. Onde está o meu médico. Laqueação de trompas. Vasectomia. Porque chora o meu bebé? P Á G. 7 recomendações para evitar o cancro de pele

Espaço Saúde. Onde está o meu médico. Laqueação de trompas. Vasectomia. Porque chora o meu bebé? P Á G. 7 recomendações para evitar o cancro de pele PÁG. 4 Espaço Saúde N º 6 J U L H O A S E T E M B R O DE 2 0 1 3 Nesta altura do ano, saiba as principais P Á G. 7 recomendações para evitar o cancro de pele Laqueação de trompas VS Vasectomia Onde está

Leia mais

Médicos da idoneidade e da capacidade formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia.

Médicos da idoneidade e da capacidade formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia. Regulamento do Colégio de Subespecialidade de Neonatologia da Ordem dos Médicos para reconhecimento de Idoneidade e Capacidade Formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia - Versão

Leia mais

Portuguese. Como posso obter assistência médica em Londres?

Portuguese. Como posso obter assistência médica em Londres? Como posso obter assistência médica em Londres? O que é um GP? Para obter assistência médica em Londres deverá registar-se com um GP (Médico de Medicina Geral ou Médico de Família) no Centro de Saúde (General

Leia mais

Avaliação de uma implementação do Sistema de Triagem de Manchester: Que realidade?

Avaliação de uma implementação do Sistema de Triagem de Manchester: Que realidade? Avaliação de uma implementação do Sistema de Triagem de Manchester: Que realidade? Cátia Tatiana Pinto Moreira 2010 Mestrado de Informática Médica Faculdade de Ciências Faculdade de Medicina Universidade

Leia mais

Tecnologias de Computadores. Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656

Tecnologias de Computadores. Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656 Tecnologias de Computadores Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656 Este tema suscita interesse na medida em que a medicina é um dos principais

Leia mais

Preparação para emergências médicas

Preparação para emergências médicas 4 Preparação para emergências médicas Se o seu filho tiver uma emergência médica, telefone para o 911 ou dirija-se imediatamente ao serviço de urgência (pronto-socorro) do hospital mais próximo. Uma emergência

Leia mais

VIVÊNCIA NO SETOR DE TRIAGEM E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NO PRONTO SOCORRO DE ALTA COMPLEXIDADE

VIVÊNCIA NO SETOR DE TRIAGEM E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NO PRONTO SOCORRO DE ALTA COMPLEXIDADE VIVÊNCIA NO SETOR DE TRIAGEM E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NO PRONTO SOCORRO DE ALTA COMPLEXIDADE EXPERIENCE IN THE SECTOR SCREENING AND CLASSIFICATION OF RISK IN READY TO HELP HIGH COMPLEXITY Rebeca Barbosa

Leia mais

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand)

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos. (Jean Rostand) Pensamento Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand) AGRADECIMENTOS Os meus primeiros agradecimentos, vão para a minha mãe por estar sempre presente e acreditar em mim, para o meu pai, pelas

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 ÁREA DE ACTIVIDADE - SAÚDE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

O Novo Curso Europeu de Suporte de Vida Pediátrico

O Novo Curso Europeu de Suporte de Vida Pediátrico O Novo Curso Europeu de Suporte de Vida Pediátrico Miguel Félix Grupo de Reanimação Pediátrica Conselho Português de Ressuscitação ERC Paediatric Working Group Ensino de Suporte de Vida Conhecimento teórico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Rosane Paixão Schlatter ANÁLISE DO SISTEMA DE APOIO À DECISÃO PARA TRIAGEM DE PACIENTES EM SERVIÇO

Leia mais

Experiência: COMO UM PROTOCOLO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PODE QUALIFICAR O ENCAMINHAMENTO DOS PACIENTES NA EMERGÊNCIA

Experiência: COMO UM PROTOCOLO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PODE QUALIFICAR O ENCAMINHAMENTO DOS PACIENTES NA EMERGÊNCIA Experiência: COMO UM PROTOCOLO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PODE QUALIFICAR O ENCAMINHAMENTO DOS PACIENTES NA EMERGÊNCIA Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

O Sistema de Triagem de Manchester. e a pessoa com Acidente Vascular Cerebral

O Sistema de Triagem de Manchester. e a pessoa com Acidente Vascular Cerebral CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA O Sistema de Triagem de Manchester e a pessoa com Acidente Vascular Cerebral Marisa Sofia Monteiro Pereira Coimbra, outubro de 2014 CURSO DE MESTRADO EM

Leia mais

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA TRAUMA 2010 III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS TRAUMA FAST TRACK ORGANIZAÇÃO DOS CUIDADOS HOSPITALARES URGENTES AO DOENTE TRAUMATIZADO - UMA VIA VERDE PARA O TRAUMA Carlos Mesquita

Leia mais

CONVERSAS DE FIM DE TARDE

CONVERSAS DE FIM DE TARDE CONVERSAS DE FIM DE TARDE Rogério Correia A estrutura organizacional do Serviço Missão do SRS Promoção da Saúde Prestação de, Hospitalares e Continuados Prestação de actividades no âmbito da Saúde Pública

Leia mais

UNIDADE MÓVEL DE APOIO DOMICILIÁRIO UMAD

UNIDADE MÓVEL DE APOIO DOMICILIÁRIO UMAD IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO DE APOIO DOMICILIÁRIO IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO DE APOIO DOMICILIÁRIO Definir os responsáveis e suas competências; Aquisição de equipamento e material clínico; Dotação de Recursos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 009/CT/2015/PT Assunto: Acolhimento com Classificação de Risco I Fato: O Enfermeiro Gerente do Núcleo de Atenção à Saúde, o Gerente do Serviço de Enfermagem. do Hospital e o enfermeiro

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO Caros alunos, Estou encaminhando estes casos clínicos para estudo dirigido durante as supervisões. Em cada caso abaixo procure definir: 1. Hipóteses diagnósticas 2.

Leia mais

Qualidade dos Serviços Clínicos

Qualidade dos Serviços Clínicos X Qualidade dos Serviços Clínicos ÍNDICE SECÇÃO I SISTEMAS DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE...2 1. Sistema de Gestão da Qualidade...2 2. Sistema de Gestão Ambiental...3 3. Monitorização e avaliação dos

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

ENFERMAGEM NA EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR: Análise das ocorrências da SIV de Pombal em 2013

ENFERMAGEM NA EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR: Análise das ocorrências da SIV de Pombal em 2013 ENFERMAGEM NA EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR: Análise das ocorrências da SIV de Pombal em 2013 Amélia Oliveira 1 ; Ândrea Figueiredo 2 ; Rute Neves 3 ; Sérgio Gonçalves 4 ; Sílvia Domingues 5 1. INEM Ambulância

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor)

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) 1. Introdução A dor é uma perceção pessoal que surge num cérebro consciente, tipicamente em resposta a um estímulo nóxico provocatório,

Leia mais

Comissão Científica - Comunicações Livres/Pósteres

Comissão Científica - Comunicações Livres/Pósteres Comissão Científica - Comunicações Livres/Pósteres Nº ENTRADA TITULO DA COMUNICAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 1 A Unidade de Cuidados na comunidade (UCC) na reconfiguração dos Cuidados de Saúde Primários em Portugal:

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Sistemas de Informação na Saúde

Sistemas de Informação na Saúde Os Sistemas de Informação na Vanguarda da Reabilitação João Pimenta Centro de Medicina de Reabilitação do Sul Centro de Medicina de Reabilitação do Sul - Caracterização Capacidade Instalada Gabinetes de

Leia mais

Segurança dos Dados Clínicos do Utente

Segurança dos Dados Clínicos do Utente Segurança dos Dados Clínicos do Utente Francisco Parente Sessão de Abertura - Jornadas Saúde Coimbra, 14 de Junho - 2005 Introdução ao tema Evolução para o Processo Clínico Electrónico (PCE); Segurança

Leia mais

Jérémy Clapin CM FIPS VMVF C1 MAR14

Jérémy Clapin CM FIPS VMVF C1 MAR14 CM FIPS VMVF C1 MAR14 Jérémy Clapin Medicamento homeopático tradicionalmente utilizado nas perturbações atribuídas ao crescimento dos primeiros dentes. (dores, irritabilidade, face vermelha, diarreia)

Leia mais

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012)

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Gieteling MJ, Van Dijk PA, De Jonge AH, Albeda FW, Berger MY, Burgers JS, Geijer RMM, Eizenga WH traduzido do original em holandês

Leia mais

Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho

Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho PARTICIPANTES: Adelina Lopes Motta da Cruz Enfermeira Ana Sena Alvarenga Audiologista Eunice Soares - Pediatra Eusébio Gamez

Leia mais

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Da Prescrição à Administração do Medicamento Sofia Valongo Serviços Farmacêuticos 26-09-2015 OBJETIVO 2 Descrever o papel do Farmacêutico na implementação

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar Hotel Cinquentenário Fátima, 05 de Abril de 2008 Índice Abordagem por processos Requisitos da documentação Política

Leia mais

URO-VAXOM. Lisado bacteriano de Escherichia coli APSEN

URO-VAXOM. Lisado bacteriano de Escherichia coli APSEN URO-VAXOM Lisado bacteriano de Escherichia coli APSEN FORMA FARMACÊUTICA Cápsula gelatinosa APRESENTAÇÕES Cápsulas de 6 mg de lisado bacteriano de Escherichia coli. Caixas com 10 e 30 cápsulas USO ORAL

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Montelucaste Generis 10 mg Comprimidos Montelucaste de sódio Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento -Conserve este folheto. Pode

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA EM PEDIATRIA

FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA EM PEDIATRIA FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA EM PEDIATRIA 28 de Março a 12 de Dezembro de 2014 Patrocínio Apoio 28 de Março de 2014 1.º CURSO: FLUIDOTERAPIA ENDOVENOSA EM PEDIATRIA Augusto Ribeiro Augusto Ribeiro, Maria José

Leia mais

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA 2009/2010 COMISSÃO CIENTÍFICA Celínia Antunes Cristina Baião Fernanda Príncipe Henrique Dias Jorge Coelho José Alberto Martins José David Ferreira Marcos Pacheco Nuno Tavares Lopes Paulo Amorim Paulo Figueiredo

Leia mais

Dia 3, 10, 17 e 24 (segunda-feira) das 10:00~11:30

Dia 3, 10, 17 e 24 (segunda-feira) das 10:00~11:30 BOLETIM KOHO Nº 25 resumido AISHO COLUNA DA SAÚDE...SEMANA DE VACINA PREVENTIVA DE CRIANÇAS SEGURO NACIONAL DE SAÚDE...NÃO ESQUEÇA DOS TRÂMITES AVISO...PARA GRAVIDEZ E PARTO SAUDÁVEL CENTRO DE SAÚDE...ATIVIDADE

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido (s) / Nome (s) próprio (s) Morada (s) Telefone (s) Telemóvel: Correio (s) electrónico (s) Nacionalidade de nascimento Sexo Portuguesa Feminino Experiência

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E

M O D E L O E U R O P E U D E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Telefone 916355214 Rodrigues Morais Rua Frei Francisco de Macedo, N.º 120, 3020-521 Botão - Coimbra Correio electrónico

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

ANAMNESE. Prof. Ivan da Costa Barros

ANAMNESE. Prof. Ivan da Costa Barros ANAMNESE Prof. Ivan da Costa Barros 1 A HISTÓRIA CLÍNICA ou ANAMNESE Figura pela qual recordamos de coisa esquecida. Reminiscência, recordação. Informação acerca do princípio e evolução de determinada

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SOCIEDADE QUIXADAENSE DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA À MATERNIDADE E À INFÂNCIA HOSPITAL MATERNIDADE JESUS MARIA JOSÉ Av. Francisco Almeida Pinheiro 2268 Fone (0**88) 3412-0681 Caixa Postal 82 CEP 63.900-000

Leia mais

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O cérebro do bebé prematuro é particularmente frágil. Uma das complicações que pode ocorrer é a hemorragia. Felizmente esta hemorragia ocorre, não no tecido nervoso

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE 1º PERÍODO MODULOS TEÓRICA PRATICA TOTAL TOTAL Módulo 0:Introdução ao Curso Médico 80 h 08 h - 88 h Módulo I: Atenção à Família e a Comunidade Módulo II: Concepção e Embriogênese Módulo III: Nutrição e

Leia mais

Ambulatório. Circuito do Medicamento. Prescrição. Farmácia. Comunitária. Farmácia. Hospitalar. Validação Farmacêutica. Cirurgia de.

Ambulatório. Circuito do Medicamento. Prescrição. Farmácia. Comunitária. Farmácia. Hospitalar. Validação Farmacêutica. Cirurgia de. Farmácia Comunitária Farmácia Hospitalar Validação Farmacêutica Cirurgia de Monitorizações A ST+I tem como missão Ser uma referência Internacional de elevado valor, nos domínios da, garantindo a sustentabilidade

Leia mais

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos Patient Safety 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica Susana Ramos Junho 2008 : Projectos de Acreditação nos Hospitais 1999 Manual da Qualidade: Normas e Critérios área da Saúde Normas - Gestão

Leia mais

Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09

Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09 Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09 A EMPRESA A RIO EMERGÊNCIA treinamentos trata-se de uma empresa educacional, voltada ao ensino

Leia mais

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Açores 2015

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Açores 2015 Apresentação Formação Médica Contínua ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Açores 2015 S. Miguel Lagoa 25 a 28 de junho de 2015 Local: Escola Secundária de Lagoa Horários: 5ª feira: Tarde: 14h00 20h30m 6ª feira

Leia mais

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Ficha Informativa 2 Fevereiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Direito

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

Regulamento do Arquivo Clínico do Centro Hospitalar do Oeste Norte

Regulamento do Arquivo Clínico do Centro Hospitalar do Oeste Norte Centro Hospitalar do Oeste ÂMBITO: Todos os serviços clínicos do Centro Hospitalar do Oeste OBJECTIVOS: Definir as normas de funcionamento do Arquivo Clínico do CHON. RESPONSABILIDADES: Conselho de Administração

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

Normas de Orientação Clínica em Radiodiagnóstico

Normas de Orientação Clínica em Radiodiagnóstico Número Zero - Avaliação Cruzada MoniQuOr Política de Prescrição Ao ler o número zero da Revista "Qualidade em Saúde" verifico que no artigo sobre os resultados da avaliação cruzada do projecto MoniQuOr,

Leia mais

Transamin Ácido Tranexâmico

Transamin Ácido Tranexâmico Transamin Ácido Tranexâmico 250 mg Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos Bula do Paciente I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TRANSAMIN ácido tranexâmico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 250 mg. Embalagem

Leia mais