Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso"

Transcrição

1 Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Marcus Vinicius Cruz Xavier Rascunho do trabalho de conclusão de curso Título provisório: Adaptação do ambiente de execução Telis para computação móvel Orientação: Luiz Fernando Bier Melgarejo Florianópolis abril de 2006

2 Resumo Assim como o interesse pelo desenvolvimento de aplicações para Internet explodiu há alguns anos atrás, o interesse pelo desenvolvimento de aplicações para celular está aumentando sensivelmente, e como no caso da Internet, o desenvolvimento de software para celulares requer também um razoável domínio de conceitos e técnicas. Telis é uma linguagem de programação que surgiu anos atrás para simplificar o aprendizado e o desenvolvimento de aplicações para Internet, sem perder seu potencial, e o objetivo deste trabalho é adaptar o ambiente de execução e a linguagem Telis para que seus programas possam ser executados em dispositivos móveis, mais especificamente telefones celulares. Desta forma estudantes de computação sem conhecimento prévio de programação poderão usufruir de um ambiente de facílimo aprendizado para gerar aplicações para telefones celulares, como hoje o fazem os alunos de graduação com suas aplicações para Internet. 2

3 1. Introdução A rede Internet, tal como evoluiu nos últimos anos, permitiu inúmeros exemplos de trabalho cooperativo à distância. Tecnologias recentes (como Java), abriram novas perspectivas nessa direção, uma vez que possibilitam um ainda maior dinamismo e interação utilizando a rede. Infelizmente, o domínio produtivo dessas novas tecnologias exige um longo tempo de aprendizagem, pela complexidade dos pré-requisitos conceituais envolvidos, sejam aqueles intrínsecos, sejam aqueles relativos ao ambiente de execução e comunicação (Orientação a Objetos, TCP/IP, etc) [http://twiki.edugraf.ufsc.br/bin/view/telis/programandonainternet]. Com o objetivo de diminuir a curva de aprendizado de programação, em especial no ambiente da Internet, surgiu Telis. Desenvolvida pela equipe do Edugraf, laboratório de software educacional UFSC CTC INE, que é coordenada pelo professor Luiz Fernando Bier Melgarejo, esta linguagem de programação baseia-se em antecessores poderosos e simples como Forth e Logo, e mantém características de distribuição e execução semelhantes a Ágora. A idéia de portar a simplicidade e o poder de Telis para o desenvolvimento de aplicações para celular surgiu acompanhando a própria demanda. Telis é utilizada hoje nas primeiras fases do curso de Bacharelado em Ciências da Computação da UFSC, como uma introdução à programação. A idéia básica é que logo na primeira fase o aluno consiga desenvolver e publicar um programa na Internet, despertando assim o seu interesse. Assim, o intuito passa a ser que, logo na primeira fase e sem conhecimento prévio de linguagens e técnicas de programação, um aluno possa desenvolver aplicativos para celulares. Telis oferece segurança e robustez, além de recursos avançados de programação, como reflexão, por exemplo. Os operadores pós-fixos usados em Telis, que a princípio são criticados pela maioria dos programadores experientes, oferecem aos usuários leigos uma certa familiaridade ao uso de algumas calculadoras de bolso. Essas e outras características fazem de Telis uma linguagem propícia a ser usada no aprendizado de programação. As ferramentas utilizadas em Telis são totalmente desenvolvidas em Java o que propicia uma redução no custo de sua adaptação. Mas ainda há um abismo a ser vencido, que é a diferença entre a capacidade computacional dos computadores pessoais e dos dispositivos móveis. Uma aplicação executada em um navegador instalado em um PC dispõe de recursos computacionais em abundância: processadores rápidos, grandes quantidades de memória e de armazenamento, conexões de redes confiáveis, monitores de alta resolução 3

4 e bilhões de cores. O universo dos celulares é totalmente diferente: processadores lentos, displays pequenos, pouquíssima memória e às vezes nenhuma capacidade de armazenamento. Além destas diferenças, temos que ressaltar ainda a diferença que existe entre a versão completa de Java e a versão disponibilizada para dispositivos móveis, que será vista com mais profundidade mais adiante. 2. Java para celulares A tecnologia Java é composta por três partes distintas: a linguagem Java, a máquina virtual Java (JVM) e as bibliotecas. O conjunto formado por estes componentes é o que caracteriza a tecnologia Java para um determinado ambiente. A comunidade Java através do JCP (Java Community Process), especifica três plataformas para tecnologia Java: Java SE (Standard Edition) voltada para aplicações em computadores pessoais, Java EE (Enterprise Edition) voltada para servidores e Java ME (Micro Edition) voltada para dispositivos móveis. Esta última é a que concerne o desenvolvimento de softwares para celulares e PDAs, e é a plataforma de destino da migração de Telis. A JME, como é conhecida à versão atual da plataforma Java ME, é o conjunto de especificações das tecnologias envolvidas no processo de desenvolvimento, distribuição e execução de softwares em dispositivos móveis em Java: a máquina virtual, as alterações na linguagem Java, as bibliotecas envolvidas no núcleo da linguagem, e as bibliotecas adicionais denominadas Profiles, além de conjuntos de bibliotecas opcionais denominadas optional packages. A especificação do núcleo das tecnologias envolvidas é chamada de configuração. Uma configuração abrange a especificação da máquina virtual, da linguagem, das bibliotecas de núcleo (java.lang.* e java.util.*) e das bibliotecas de entrada e saída (java.io.*) e dos recursos que envolvem segurança, redes e internacionalização. Duas configurações são definidas pela JME: a CDC (Connected Device Configuration) que abrange os PDAs com grande capacidade computacional e a CLDC (Connected Limited Device Configuration) que abrange os dispositivos que possuem recursos escassos, entre eles os telefones celulares, foco deste trabalho. Adiante segue um breve aprofundamento dos recursos citados. 2.1 Máquina Virtual Java (JVM) A JVM (Java Virtual Machine) foi inicialmente projetada para ser executada em dispositivos móveis (PDAs) sob a sigla de KVM (K Virtual Machine). Isto faz com que o esforço atual de migração de Java para dispositivos móveis seja considerado uma volta às raízes. 4

5 As máquinas virtuais que as empresas disponibilizam em seus aparelhos, seguindo as especificações da CLDC, são chamadas KVM, como as primeiras máquinas desenvolvidas para Java. Para cada configuração, é escolhido um subconjunto de instruções ou todo o conjunto, dependendo da disponibilidade de recursos de cada dispositivo. Desta forma o código interpretado pela JVM não é totalmente intercambiáveis entre plataformas. A CLDC é um subconjunto da CDC que por sua vez é um subconjunto da JVM completa. Entre os recursos eliminados da JMV na CLDC estão: Carregadores de classe definidos pelo usuário (eliminação dos recursos de reflexão) Thread groups and daemon threads TRADUZIR ISSO Finalização de instâncias. Erros e exceções assíncronas. Dessas características que foram reduzidas ou eliminadas, a maior preocupação é quanto à reflexão, uma vez que o interpretador de Telis chama as primitivas e agendas através deste recurso. Duas abordagens foram discutidas: eliminar a reflexão através de uma inversão no fluxo de execução. Criando um compilador Telis que gerasse código Java a partir do código Telis, eliminar-se-ia também a necessidade de um interpretador, otimizando recursos. O outro método discutido foi do fazer do modo tradicional, criando tabelas de métodos e fazendo espalhamento dos nomes, o que tomaria muito menos tempo. 2.2 Core libraries Como citado, a CLDC especifica as bibliotecas do núcleo da plataforma Java. São os pacotes java.lang.*, java.util.* e as bibliotecas de entrada e saída java.io.* As bibliotecas oferecidas são um subconjunto das bibliotecas disponibilizadas na JSE, sendo definido que se uma classe está presente ela deve ser idêntica ou um subconjunto da classe equivalente distribuída na JSE. 5

6 Nenhum novo recurso pode ser adicionado e a semântica dos métodos e atributos deve permanecer a mesma, se existirem. Além dos subconjuntos da JSE a CLDC possui algumas classes exclusivas, que são referentes ao GCF (Generic Connection Framework). O GCF surgiu na necessidade de homogeneizar a comunicação de dados através dos diferentes meios e protocolos. Suas classes estão definidas no pacote java.,microedition.io.*, e oferecem um framework para desenvolvimento de bibliotecas de comunicação. 2.3 MIDP É um erro bastante comum confundir JME com MIDP. Os desenvolvedores confundem os termos, pois hoje praticamente todo desenvolvimento para celulares em Java é feito sob o MIDP. MIDP (Mobile Information Device Profile) é o primeiro conjunto de bibliotecas (daqui pra frente chamados de profiles) construído e terminado sobre o CLDC, e é praticamente um padrão. Mas como vimos JME é muito mais do que apenas o MIDP. Outros profiles desenvolvidos sobre o CLDC são: KittyHawk, PDAP (extensão do MIDP, ainda não terminado), i-appli (desenvolvido antes do MIDP). Porém, apesar de existirem outros profiles, como já foi dito, MIDP é quase um padrão para este tipo de desenvolvimento e é sobre ele que se pretende portar Telis. MIDP dispõe bibliotecas para os seguintes escopos: Apresentação em monitores de tamanho limitado Meios para leitura de dados e ações de usuários Armazenamento persistente Envio e recebimento de mensagens Comunicação de dados Telefonia sem fio 3.0 A implementação de Telis Telis é totalmente implementada em Java. As aplicações (ou apliques) feitas em Telis são Applets Java que rodam dentro de um navegador que possua uma JVM embutida. O escopo das aplicações Telis é basicamente exibir e movimentar objetos gráficos e colher entradas de usuários, para que possa haver interação. Estes são requisitos típicos de jogos e simuladores, as duas áreas mais exploradas pelos alunos quando estudando Telis. Este parece ser também a principal área de desenvolvimento em celulares, dadas as limitadas capacidades deste tipo de ambiente. 6

7 Para este fim, de saída gráfica em tela e entrada de dados, Telis utiliza a biblioteca AWT, que não é compatível com a CLDC. No lugar da AWT, todo o código deve ser substituído por classes das bibliotecas disponibilizadas pelo MIDP. É claro que estas são muito mais limitadas que a AWT e este é um dos primeiros desafios a serem vencidos nesta migração. O pacote disponível para interface com usuário é o lcdui em javax.microedition.lcdui. Este pacote sofreu um razoável aperfeiçoamento da versão 1.0 do MIDP para a versão 2.0, chegando mesmo a possuir um pacote especial para desenvolvimento de jogos. Além da interface, como já citado anteriormente, Telis utiliza reflexão para gerar as chamadas das primitivas. Para tratar deste problema, duas abordagens foram propostas: A primeira seria inverter o fluxo da execução do aplique, fazendo um compilador que gere código Java a partir do código do aplique Telis e este código execute as chamadas das primitivas. Este método é eficiente, pois libera todo o ambiente da necessidade de um interpretador e um executor, otimizando uso de memória e processamento. Em compensação é custoso demais, e pode demandar mais tempo que o disponível para a execução do trabalho, e, além disso, exigiria que fossem eliminadas as características de reflexão da própria linguagem Telis. A outra seria a abordagem tradicional de eliminar a reflexão criando uma tabela de espalhamento com os nomes das primitivas associados aos métodos a serem chamados. Esta abordagem tem um custo muitíssimo inferior ao da outra e não exigiria mudanças na linguagem Telis, mas não consumiria ainda mais recursos do que a abordagem atual. Esta abordagem será adotada inicialmente, podendo haver alterações. Como dito anteriormente, a estrutura de um aplique Telis é composta por um interpretador que roda em um applet Java em um navegador. O interpretador carrega o código Telis que está gravado em um arquivo XML. Não há uma biblioteca de parsing XML disponível na JME, mas existem diversas opções de bibliotecas de código aberto que rodam sobre o MIDP. Será necessário escolher uma e adaptar todo o código de leitura dos apliques. Como observamos o trabalho de análise e implementação é extenso e será também compartilhado com outros membros do Edugraf. 7

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Uma Introdução ao J2ME Computação Móvel (MAC5743/MAC330) DCC-IME-USP Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Visão Geral do Java 2 (1) A plataforma Java 2 engloba três elementos:

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus Java ME e suas principais tecnologias de conectividade Gracieli Begia Mateus Telefones Celulares no Mundo Fonte: UIT e Wireless Intelligence (Ovum/GSM Association) Posição do Brasil no Mundo Principais

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

Como dito anteriormente, a JCP especificou dois grupos para a J2ME conforme as necessidades dos dispositvos, chamadas Configurações:

Como dito anteriormente, a JCP especificou dois grupos para a J2ME conforme as necessidades dos dispositvos, chamadas Configurações: 1 TECNOLOGIA J2ME A J2ME, Java Micro Edition, é uma tecnologia que permite o desenvolvimento de aplicações Java para dispositivos com poder de processamento, vídeo e memória limitados. Possui uma coleção

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Roteiro. Linguagens, plataformas e ambientes de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Aplicações para DM. Java. Linguagem C

Roteiro. Linguagens, plataformas e ambientes de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Aplicações para DM. Java. Linguagem C Desenvolvimento de Aplicações para Dispositivos Móveis José de Ribamar Martins Bringel Filho Mestre em Ciência da Computação (UFC) bringel@cenapadne.br Roteiro Overview das Plataformas e Linguagens J2ME

Leia mais

SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados

SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados Acadêmico: Bernardo Marquardt Müller Orientador: Prof. Dr. Mauro Marcelo Mattos Roteiro

Leia mais

Manual de Operação Aplicativo ClickIt

Manual de Operação Aplicativo ClickIt Manual de Operação Aplicativo ClickIt Rev. 1.1 Agosto/2010 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460 Telefone: (51)3026-0945 / (51)3287-2167

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Pizzaria Manão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Pizzaria Manão UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Pizzaria Manão Emilio Gonçalves 41281 Fabrício Luís Santos da Silva 50293 Filipe Ribeiro Nalon 50295

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Java 2 Micro Edition (J2ME)

Java 2 Micro Edition (J2ME) Java 2 Micro Edition (J2ME) por Filipe Gonçalves Barreto de Oliveira Castilho Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal fgonc@student.dei.uc.pt Resumo: Apresenta-se

Leia mais

Interfaces Dinâmicas e Adaptativas para Celulares

Interfaces Dinâmicas e Adaptativas para Celulares Interfaces Dinâmicas e Adaptativas para Celulares Flavio Henrique Cardoso de Freitas, Silvano Maneck Malfatti Faculdade Católica do Tocantins (FACTO) Palmas TO Brasil {flaviohcf,silvanomalfatti}@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA*

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA* PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS EM JAVA* Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Fev/2014 *Adaptado de PACHECO, R C S & RIEKE, R N INE UFSC Disponível em: http://wwwstelaufscbr/~pacheco/dsoo/htm/downloadshtm

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Orientação a Objetos com Java

Orientação a Objetos com Java Orientação a Objetos com Java Julio Cesar Nardi julionardi@yahoo.com.br 2011/2 Aula 01: Começando com Java Objetivos: Compreender o que é Java, OO e suas vantagens; Entender os procedimentos para criação

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO Ramon R. Rabello, Pedro J. Treccani, Thienne M Johnson Universidade da Amazônia, Av Alcindo Cacela, 287, Belém, PA CEP 66092-010 ramon.rabello@gmail.com,

Leia mais

Tutorial Java ME. Deixe o JME surpreender você também! Porque programar com 1 GB de RAM é fácil!! Neto Marin

Tutorial Java ME. Deixe o JME surpreender você também! Porque programar com 1 GB de RAM é fácil!! Neto Marin Deixe o JME surpreender você também! Porque programar com 1 GB de RAM é fácil!! Neto Marin Apresentação Experiência com Java desde 2002 (SCJP): Atuando com mobilidade desde 2005 P&D do Mobile Sys da Softway

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres. Módulo I - Introdução Aula 2 Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.com Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010 Graduado em Ciência da Computação pela UFC, Brasil

Leia mais

J2ME, Uma Platarfoma de programação para Dispositivos Móveis

J2ME, Uma Platarfoma de programação para Dispositivos Móveis J2ME, Uma Platarfoma de programação para Dispositivos Móveis Jesseildo F. Gonçalves 07/10/2010 Jesseildo F. Gonçalves () 07/10/2010 1 / 50 1 Introdução ao J2ME História Arquitetura do J2ME MIDLets 2 RMS:

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Programação em Java. Subtítulo

Programação em Java. Subtítulo Programação em Java Subtítulo Sobre a APTECH A APTECH é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras em

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO Fred Paulino Ferreira, Leonardo Couto, Renato Maia, Luiz G. Montanha Departamento

Leia mais

Prime: uma solução Java para acesso móvel a informações utilizando GSM/GPRS

Prime: uma solução Java para acesso móvel a informações utilizando GSM/GPRS Prime: uma solução Java para acesso móvel a informações utilizando GSM/GPRS RENATO BARBOSA MIRANDA VALESKA PIVOTO PATTA MARCONDES Inatel - Instituto Nacional de Telecomunicações ICC - Inatel Competence

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Móveis em Java com J2ME/MIDP. Jorge H. C. Fernandes

Desenvolvimento de Sistemas Móveis em Java com J2ME/MIDP. Jorge H. C. Fernandes Desenvolvimento de Sistemas Móveis em Java com J2ME/MIDP Jorge H. C. Fernandes Desenvolvimento J2ME/MIDP Agenda Plataforma e Edições Java 2 J2ME - Java 2 Micro Edition MIDP - Mobile Information Device

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME

UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME Júlio César Jardim Júnior 1, Elio Lovisi Filho (Orientador) 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rua Palma Bageto Viol, s/n Barbacena - MG.

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME Ana Paula A. ZANELATO 1 Eliezer Gomes Paraganba FILHO 2 Emerson Silas DÓRIA 3 RESUMO: Este artigo pretende apresentar a tecnologia J2ME (linguagem

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android (Organização do Ambiente) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus

Leia mais

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Java & OpenJDK Thiago S. Gonzaga Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Tópicos Sobre a Sun Microsystems Algumas tecnologias da Sun Linguagem de Programação Ciclo de Desenvolvimento O que é Java?

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

O objetivo desta prática é ensinar como usar a máquina chamada computador visível ou vc0, um simulador de computador de von Neumann escrito em Java.

O objetivo desta prática é ensinar como usar a máquina chamada computador visível ou vc0, um simulador de computador de von Neumann escrito em Java. Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Computação Básica - 2004.1 Roteiro de Laboratório #1 Usando o Computador Visível Professor Jorge Henrique Cabral Fernandes 0. Objetivo O objetivo

Leia mais

Java Laboratório Aula 1. Divisões da Plataforma. Introdução a Plataforma Java. Visão geral da arquitetura da

Java Laboratório Aula 1. Divisões da Plataforma. Introdução a Plataforma Java. Visão geral da arquitetura da Java Laboratório Aula 1 Programação orientada a objetos Profa. Renata e Cristiane Introdução a Plataforma Java O que é Java? Tecnologia Linguagem de Programação Ambiente de Execução (JVM) Tudo isso é a

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS PARA CELULAR JAVA 2 MICRO EDITION

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS PARA CELULAR JAVA 2 MICRO EDITION DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS PARA CELULAR JAVA 2 MICRO EDITION Robison Cris Brito Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Unidade de Pato Branco robison@pb.cefetpr.br RESUMO Engana-se quem acha

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES Célia Hirata Aoki - celia@unisalesiano.edu.br Prof. M.Sc. Anderson Pazin - pazin@unisalesiano.edu.br RESUMO As fortes expansões

Leia mais

BrokerCell: programando celular com J2ME para cotar papéis na Bovespa

BrokerCell: programando celular com J2ME para cotar papéis na Bovespa BrokerCell: programando celular com J2ME para cotar papéis na Bovespa Nairon Neri Silva 1, Luís Augusto Mattos Mendes(Orientador) 1 1 Ciência da Computação - Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Disciplina: Computação Móvel Professor: Mauro Nacif Rocha Data: 27/02/2007 Hadriel Toledo Lima 50290 Juliana Pinheiro Campos 47683 Luis Felipe Hussin Bento

Leia mais

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor José Jesse Gonçalves Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de São Paulo - UNESP, de Presidente Prudente (1995), com especialização em Análise de Sistemas (1999) e mestrado

Leia mais

Programação Gráfica Parte 1 Versão em Java 2006 PUCPR Tutoria de Jogos 1º Ano

Programação Gráfica Parte 1 Versão em Java 2006 PUCPR Tutoria de Jogos 1º Ano Programação Gráfica Parte 1 Versão em Java 2006 PUCPR Tutoria de Jogos 1º Ano Paulo V. W. Radtke pvwradtke@gmail.com http://www.ppgia.pucpr.br/~radtke/jogos/ AVISO IMPORTANTE!! Esta versão é dedicada exclusivamente

Leia mais

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Introdução à Linguagem Java Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Breve Histórico Sun Microsystems, 90/91: projeto de uma linguagem de programação pequena que pudesse ser usada em dispositivos

Leia mais

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2 Estrutura de Repetição. Ex. 2 A ESTRUTURA Enquanto faça{} É MELHOR UTILIZADA PARA SITUAÇÕES ONDE O TESTE DE CONDIÇÃO (V OU F) PRECISA SER VERIFICADO NO INÍCIO DA ESTRUTURA DE REPETIÇÃO.

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0 Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho Florianópolis - SC 2005/1 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Denição do Problema 3 3 Trabalhos Correlatos 4 4 Solução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Xen Hypervisor Glauco Neves 07132022 Guilherme Pacheco 07232063 INE 5412-0432

Leia mais

Acadêmico: Marciane Schotten Prof. Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja

Acadêmico: Marciane Schotten Prof. Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja PROTÓTIPO DE UMA APLICAÇÃO MÓVEL PARA LOCAÇÃO DE VEÍCULOS UTILIZANDO J2ME Acadêmico: Marciane Schotten Prof. Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Célia Hirata Aoki Anderson Pazin

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Célia Hirata Aoki Anderson Pazin JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Célia Hirata Aoki Anderson Pazin LINS SP 2009 2 JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS RESUMO As fortes expansões do mercado de desenvolvimento de softwares,

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

Proposta de PFC. Desenvolvimento de uma biblioteca para envio de Nota Fiscal Eletrônica através de dispositivos móveis usando a tecnologia Java ME.

Proposta de PFC. Desenvolvimento de uma biblioteca para envio de Nota Fiscal Eletrônica através de dispositivos móveis usando a tecnologia Java ME. Proposta de PFC Desenvolvimento de uma biblioteca para envio de Nota Fiscal Eletrônica através de dispositivos móveis usando a tecnologia Java ME. Aluno: Vitor Gobato Orientador: Fábio Nogueira 1 1. Introdução

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br Java Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br 3. Considere as instruções Java abaixo: int cont1 = 3; int cont2 = 2; int cont3 = 1; cont1 += cont3++; cont1 -= --cont2; cont3 = cont2++; Após a

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Engenharia da Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Dados Pessoais Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto MSc. em ciência da computação (UFPE) rosalvo.oliveira@univasf.edu.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL (PDA) USANDO A TECNOLOGIA J2ME E BANCO DE DADOS

PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL (PDA) USANDO A TECNOLOGIA J2ME E BANCO DE DADOS PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL (PDA) USANDO A TECNOLOGIA J2ME E BANCO DE DADOS Acadêmico: Robson Luis da Silva Orientador: Alexander R. Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A 2 Digifort Mobile - Versão 1.0 Índice Parte I Bem vindo ao Manual do Digifort Mobile 1.0 5 1 Screen... Shots 5 2 A quem... se destina este manual 5 3 Como utilizar...

Leia mais

Programação em JAVA. Subtítulo

Programação em JAVA. Subtítulo Programação em JAVA Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras em

Leia mais

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Primeira Dica Afirmação O que é Java? Características do Java Como Java Funciona Plataforma Java Edições Java Java SE Java EE Java ME

Leia mais

AP_ Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS

AP_ Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS AP_ Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS Manual de Instalação Tempro Software StavTISS Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3. INSTALAÇÃO... 4 4.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

Tutorial J2ME Parte 3

Tutorial J2ME Parte 3 Introdução Tutorial J2ME Parte 3 Como pudemos aprender nos tutoriais anteriores, os dispositivos celulares podem implementar em seu sistema o KVM, a máquina virtual que roda aplicações J2ME. A API de programação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

TuGA: Um Middleware para o Suporte ao Desenvolvimento de Jogos em TV Digital Interativa

TuGA: Um Middleware para o Suporte ao Desenvolvimento de Jogos em TV Digital Interativa TuGA: Um Middleware para o Suporte ao Desenvolvimento de Jogos em TV Digital Interativa David de Almeida Ferreira Cidcley Teixeira de Souza 1 NASH Núcleo Avançado em Engenharia de Software Distribuído

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

A mais avançada plataforma de soluções de mobilidade do mercado, com diversas opções de aplicativos móveis para suas necessidades!

A mais avançada plataforma de soluções de mobilidade do mercado, com diversas opções de aplicativos móveis para suas necessidades! soluções de mobilidade do mercado, com diversas opções de aplicativos móveis para suas necessidades! EMPRESA: TREVISAN TECNOLOGIA Quem é a Trevisan Tecnologia? 17 anos de existência e 12 anos de experiência

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 28 de abril de 2010 Principais suportes de Java RMI (Remote Method Invocation), da Sun Microsystems DCOM (Distributed Component Object Model), da

Leia mais

Linguagem Java. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento Prof. Anderson Augustinho Uniandrade

Linguagem Java. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento Prof. Anderson Augustinho Uniandrade Linguagem Java de Desenvolvimento Máquina Virtual Um código intermediário, chamado de bytecode, é gerado quando um programa Java é compilado. Este bytecode é interpretado pelas máquinas virtuais java (JVMs)

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Computação Móvel J2ME

Computação Móvel J2ME Computação Móvel J2ME Java 2 Platform (1) Java 2 Standard Edition (J2SE) Desktop applications Java 2 Enterprise Edition (J2EE) Server applications Java 2 Micro Edition (J2ME) Handheld/embedded devices

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Aluno: Fábio Bicalho de Araujo Orientador: Marco Antonio Grivet Matoso Maia Introdução Um fato da atualidade: o mundo está se tornando cada vez mais

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

ANÁLISE DOS PADRÕES DE PROJETOS QUE SÃO APLICADOS NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA DA PLATAFORMA J2ME

ANÁLISE DOS PADRÕES DE PROJETOS QUE SÃO APLICADOS NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA DA PLATAFORMA J2ME Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Edvangno Costa Santos ANÁLISE DOS PADRÕES DE PROJETOS QUE SÃO APLICADOS

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais