REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA"

Transcrição

1 REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador São-carlense, 400 CEP São Carlos SP Resumo. Este artigo apresenta e discute a reestruturação curricular da habilitação de Engenharia de Produção Mecânica da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo. A reestruturação curricular desta habilitação, que vem sendo realizado pela nova comissão coordenadora de curso desde setembro de 2000, teve como estímulo principal as Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia. A estrutura curricular da graduação em Engenharia de Produção Mecânica da EESC será analisada em três momentos: (1) elaboração do projeto pedagógico, (2) reestruturação curricular e (3) planejamento estratégico do curso. Até o momento da elaboração do projeto pedagógico desta habilitação, prevaleceu um currículo marcado pela resoluções de currículo mínimo do MEC. No segundo momento de reestruturação curricular, criaram-se as disciplinas de Estágio Supervisionado e de Trabalho de Conclusão de Curso e reservou-se espaço significativo para a realização de atividades complementares, como o estágio supervisionado. No momento de planejamento estratégico deste curso de graduação, apresentamse mudanças curriculares que estão sendo discutidas para implantação futura, tais como a criação de ênfases, a expansão dos laboratórios, o estudo dos métodos de ensino das disciplinas e a forma de avaliação desta graduação. Palavras-chave: Projeto pedagógico, Estrutura curricular, Curso de graduação, Engenharia de produção. APP - 100

2 1. INTRODUÇÃO O principal estímulo para a realização desta reestruturação do curso de graduação em Engenharia Mecânica da Escola de Engenharia de São Carlos - EESC-USP tem sido o Anteprojeto da Resolução sobre Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia, da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação - SESu/MEC [1]. Ao contrário das Resoluções 48/76 [2] e 10/77 [3] do Ministério da Educação que estabeleceram a obrigatoriedade do oferecimento do currículo mínimo para os cursos de Engenharia, o Anteprojeto da Resolução sobre Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia da Secretaria de Ensino Superior do Ministério da Educação [1] propõe competências e habilidades a serem desenvolvidas nos cursos de Engenharia. Isto deve ocorrer por meio do oferecimento de disciplinas dos Núcleos de Conteúdo Básico em Engenharia e Núcleo de Conteúdo Profissionalizante em uma Engenharia específica, da realização de trabalhos de síntese e integração de conhecimento, tal como o projeto de final de curso, e de estágio supervisionado orientado individualmente por um docente. As diretrizes curriculares ainda propõem atividades complementares que possibilitem ao aluno de graduação a interação com a realidade prática dos projetos de Engenharia, assim como adquiram a capacidade de estarem continuamente renovando seus conhecimentos, habilidades e competências. Neste artigo, analisa-se a importância das diretrizes curriculares para a reestruturação curricular da graduação em Engenharia de Produção Mecânica da EESC-USP em três momentos específicos: (1) a elaboração do projeto pedagógico, (2) a reestruturação curricular e (3) o planejamento estratégico do curso. 2. ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO Em relação à atual estrutura curricular em implantação, que mantém princípios da legislação do currículo mínimo dos cursos superiores - Resoluções 48/76 e 10/77 do MEC, a principal função da Comissão Coordenadora do Curso de Graduação em Engenharia de Produção Mecânica neste ano de 2001 é a implementação dos princípios da nova lei de diretrizes curriculares, ainda em processo de aprovação, e, desta forma, propor modificações para de aperfeiçoar o currículo de graduação em Engenharia de Produção Mecânica da EESC-USP. Várias modificações de pequeno porte têm sido realizadas nos últimos anos, tais com a redução da carga horária total do curso e a atualização de disciplinas e a adaptação das disciplinas da Engenharia Mecânica, Hidráulica e de Estruturas para este curso. Como estímulo adicional para esta estruturação curricular do referido curso de graduação, que vem sendo realizado pela Comissão Coordenadora deste curso de graduação desde setembro de 2001, tem-se a Revalidação do Reconhecimento de todos os cursos de graduação que a USP iniciou em O primeiro passo para a reestruturação curricular é a elaboração do Projeto Pedagógico desta habilitação [4] que consiste do principal documento entregue para a Pró-Reitoria de Graduação da USP em janeiro de Neste projeto pedagógico, estão identificadas e apresentadas as competências do Engenheiro de Produção Mecânica da EESC-USP. Como classes de problemas que o curso de graduação em Engenharia de Produção Mecânica da EESC-USP visa capacitar os egressos para resolver, têm-se os concebidos pela Associação Brasileira de Engenharia de Produção [5], apresentados parcialmente a seguir: projetar, implementar e aperfeiçoar sistemas, produtos e processos, levando em consideração os limites e as características das comunidades envolvidas; dimensionar e integrar recursos físicos, humanos e financeiros a fim de produzir, com eficiência e ao menor custo, considerando a possibilidade de melhorias contínuas; prever e analisar demandas, selecionar tecnologias e know-how, projetando produtos ou melhorando suas características e funcionalidade; prever a evolução dos cenários produtivos, percebendo a interação entre as organizações e os seus impactos sobre a competitividade; acompanhar os avanços tecnológicos, organizando-os e colocando-os a serviço da demanda das empresas e da sociedade; Neste trabalho, adotam-se os Núcleos de Conteúdo das Diretrizes Curriculares para os cursos de Engenharia, ou seja, Básico em Engenharia, Profissionalizantes em Engenharia de Produção e em Engenharia Mecânica, de Aprofundamentos e Extensões e de Atividades Complementares. As matérias utilizadas no projeto pedagógico foram as concebidas pela Associação Brasileira de Engenharia de Produção [5]. 2.1 Núcleo de Conteúdo Básico em Engenharia As disciplinas do Núcleo de Conteúdo Básico estão apresentadas na Tabela 1. Quanto ao módulo de Metodologia Científica e Tecnológica, nenhuma disciplina em Metodologia Científica e Tecnológica é oferecida no currículo de Engenharia de Produção Mecânica da EESC-USP. Analogamente, nenhuma disciplina em Comunicação e Expressão é oferecida no currículo de Engenharia de Produção Mecânica da EESC. Porém os graduandos em Engenharia de Produção Mecânica são exigidos a se expressar APP - 101

3 verbalmente em 8 disciplinas obrigatórias e em 11 disciplinas optativas onde seminários são apresentados. Nesse contexto, a criação de disciplina que verse sobre técnicas de apresentação de seminários ou comunicação visual seria de grande importância para a capacitação dos alunos em comunicação verbal e visual. A comunicação escrita é requerida dos alunos para a elaboração de relatórios, além de todas disciplinas realizadas em laboratórios, em outras 17 disciplinas obrigatórias. Apesar da prática em comunicação verbal e escrita já ocorrer no curso de Engenharia de Produção, é de interesse da Área de Engenharia de Produção a criação de uma disciplina que explore os fundamentos teóricos da comunicação e de outra que garanta aos alunos o domínio dos fundamentos do Inglês. Além das disciplinas do módulo de Informática, o uso de computador ocorre em mais 12 disciplinas obrigatórias e em 5 disciplinas optativas. Tabela 1. Disciplinas do Núcleo do Conteúdo Básico em Engenharia NÚCLEO DE CONTEÚDO BÁSICO EM ENGENHARIA Módulo Disciplina do Curso - Currículo de 2001 Metodologia Científica e Tecnológica Comunicação e Expressão Informática Introdução à Ciência da Computação Linguagens e Técnicas de Programação e Aplicações Análise de Sistemas I e II Expressão Gráfica Matemática Física Fenômenos de Transporte Mecânica dos Sólidos Eletricidade Aplicada Química Ciência e Tecnologia dos Materiais Administração Economia Ciências do Ambiente Humanidades, Ciências Sociais e Cidadania Desenho Técnico Mecânico I e II Cálculo I, II e III Geometria Analítica Álgebra Linear Estatística I Equações Diferenciais Ordinárias Física I e II Laboratório de Física Geral I e II Fenômenos de Transporte para Engenharia de Produção Sistemas de Transporte de Fluidos Mecânica dos Sólidos I e II Eletricidade Química Geral e Tecnológica I e II Laboratório de Química Geral e Tecnológica I Materiais de Construção Mecânica Tratamentos Térmicos Evolução do Pensamento Administrativo Economia da Produção I Ciências do Ambiente para Engenharia Mecânica e Produção Humanidades e Ciências Sociais 2.2 Núcleo de Conteúdo Profissionalizante em Engenharia de Produção As disciplinas do Núcleo de Conteúdo Profissionalizante em Engenharia de Produção da estrutura curricular do ano de 2001 estão apresentadas na Tabela Núcleo de Conteúdo Profissionalizante em Engenharia Mecânica As disciplinas do Núcleo de Conteúdo Profissionalizante em Engenharia Mecânica estão apresentadas na Tabela Núcleo de Conteúdo de Aprofundamentos e Extensões As disciplinas do Núcleo de Aprofundamentos e Extensões consistem das disciplinas optativas (Tabela 4). Observa-se que não existem ênfases no curso de graduação em Engenharia de Produção da EESC. APP - 102

4 Tabela 2. Disciplinas do Núcleo do Conteúdo Profissionalizante em Engenharia de Produção NÚCLEO DE CONTEÚDO PROFISSIONALIZANTE EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Módulo Disciplina do Curso - Currículo de 2001 Engenharia do Produto Projeto do Produto Projeto da Fábrica Projeto da Fábrica Processos de Produção Sistemas de Produção Gerência da Produção Qualidade Pesquisa Operacional Engenharia do Trabalho Estratégia e Organizações Gestão Econômica Planejamento e Controle da Produção I e II Princípios de Metrologia Industrial Controle da Qualidade Delineamento de Experimentos Gestão e Garantia da Qualidade Métodos Numéricos para Engenharia I e II Pesquisa Operacional I e II Higiene e Segurança do Trabalho Gestão da Produtividade Administração de Recursos Humanos Organização de Empresas Economia da Produção II Engenharia Econômica e Análise de Viabilidade Custos Industriais e Orçamento Finanças 2.5 Projeto de Final de Curso Observa-se a inexistência da disciplina de Projeto de Final de Curso para a habilitação de Engenharia de Produção Mecânica da EESC. Lembra-se, porém, que, como estabelecido no Artigo 5 do Anteprojeto de Resolução de Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia de 05 de maio de 1999: deverão existir trabalhos de síntese e integração dos conhecimentos adquiridos ao longo do curso. Pelo menos um deles deverá se constituir em atividade obrigatória como requisito para a graduação. Tabela 3. Disciplinas do Núcleo do Conteúdo Profissionalizante em Engenharia Mecânica NÚCLEO DE CONTEÚDO PROFISSIONALIZANTE EM ENGENHARIA MECÂNICA Módulo Disciplina do Curso - Currículo de 2001 Mecânica Aplicada Mecanismos Estática Aplicada às Máquinas Dinâmica Aplicada às Máquinas Projeto Mecânico Elementos de Máquinas Complementos de Elementos de Máquinas I e II Controle Hidráulico e Pneumático Termodinâmica e Sistemas Térmicos Fundamentos Termodinâmicos Trocadores de Calor Análise de Sistemas de Refrigeração Processos de Fabricação Tecnologias de Produção I e II Práticas em Tecnologia de Produção A falta de contato do aluno com o mercado de trabalho, as empresas e instituições da sociedade civil é, de certa maneira, compensada pelas visitas a empresas realizadas em 13 disciplinas obrigatórias, pela apresentação de palestras em 14 disciplinas obrigatórias e pela elaboração de projeto e resolução de problemas em Engenharia de Produção Mecânica em 17 disciplinas obrigatórias. APP - 103

5 Tabela 4. Disciplinas do Núcleo de Aprofundamentos e Extensões NÚCLEO DE ATIVIDADES APROFUNDAMENTOS E EXTENSÕES Módulo Disciplina do Curso - Currículo de 2001 Engenharia do Produto Marketing e Desenvolvimento Projeto Assistido por Computador Mecânica de Autoveículos Projeto da Fábrica Sistemas e Técnicas de Movimentação e Armazenagem de Materiais Processos de Produção Gerência da Produção Teoria das Restrições Gerência de Manutenção Sistemas de Informação para Gestão da Produção Logística Integrada Programação e Controle de Sistemas Integrados de Produção Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos Qualidade Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional III Engenharia do Trabalho Comportamento Organizacional Ergonomia Conceitos de Conforto Humano Aplicado aos Ambientes de Trabalho Organização do Trabalho Estratégia e Organizações Gestão Estratégica de Operações Gestão de Pequenas Empresas As Funções do Executivo Tecnologia e Organização Industrial Economia Brasileira Gestão Econômica Gestão de Custos 2.6 Estágio Obrigatório Como estabelecido no Artigo 13 do Anteprojeto de Resolução de Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia de 05 de maio de 1999: os estágios curriculares deverão ser atividades obrigatórias, com uma duração mínima de 160 horas. Os estágios curriculares serão obrigatoriamente supervisionados pela instituição de ensino através de relatórios técnicos e de acompanhamento individualizado durante o período de realização da atividade. Porém a estrutura curricular do curso de Engenharia de Produção Mecânica tem como obrigatória a atividade em Estágio, preferencialmente no final do curso. Atualmente, a esta atividade estão 30 horas semestrais. Para que o estudante possa fazer seu estágio ele deve ter um supervisor de estágio pertencente ao quadro docente da Área de Engenharia de Produção. Atualmente, a área tem colocado apenas um professor como supervisor de todos os estágios. 2.7 Atividades Complementares A formação do estudante do curso de Engenharia de Produção Mecânica não pode e não deve se dar apenas através de suas atividades em salas de aula e estudos formais. Sua vida acadêmica deve abranger atividades complementares, ou seja, deve ser mais ampla permitindo a convivência com os mais diversos setores e agentes da Universidade. Neste sentido, as aulas expositivas e os estudos formais são também complementados por: visitas a empresas que ocorre em 13 disciplinas obrigatórias; apresentação de palestras que ocorre em 14 disciplinas obrigatórias; elaboração de projeto e resolução de problemas de Engenharia de Produção Mecânica, planejadas para 17 disciplinas obrigatórias. Desde os primeiros anos do curso, os estudantes são incentivados a participar de programas de iniciação científica, nos diversos projetos de pesquisa desenvolvidos na Área de Engenharia de Produção, permitindo, assim, uma maior proximidade entre a graduação e a pós-graduação. Muitos estudantes também participam de programas de iniciação científica no Departamento de Engenharia Mecânica e em outros Departamentos do Campus de São Carlos. APP - 104

6 Vários estudantes de graduação também participam de trabalhos e projetos de prestação de serviços solicitados por segmentos da Universidade, entre outros, através da Empresa Júnior - EESC-Junior - existente na Escola de Engenharia de São Carlos, gerenciada por alunos dos diversos cursos de graduação em Engenharia da EESC-USP. 2.8 Análise Global da Estrutura Curricular do Ano de 2001 A distribuição da carga horária nos núcleos e módulos do curso de graduação em Engenharia de Produção Mecânica está apresentada na Tabela 5. O peso elevado do Núcleo de Conteúdo Básico - 44,7% da carga horária total - que está associado ao desenvolvimento de um raciocínio abstrato e é de vital importância na característica habilidade para absorver e gerar novas tecnologias e conhecimentos. Tabela 5. Carga horária da estrutura curricular da Engenharia de Produção Mecânica da EESC do ano 2001 [4] MÓDULO / NÚCLEO CARGA HORÁRIA (horas-aula) PERCENTUAL DA CARGA HORÁRIA TOTAL Informática 210 5,3 Expressão Gráfica 120 3,0 Matemática ,0 Física 240 6,0 Fenômenos de Transporte 90 2,3 Mecânica dos Sólidos 120 3,0 Eletricidade Aplicada 90 2,3 Química 135 3,4 Ciência e Tecnologia dos Materiais 120 3,0 Administração 45 1,1 Economia 60 1,5 Ciências do Ambiente 45 1,1 Humanidades, Ciências Sociais e Cidadania 30 0,7 NÚCLEO DE CONTEÚDO BÁSICO ,7 Engenharia de Produto 60 1,5 Projeto da Fábrica 60 1,5 Processos de Produção 45 1,1 Gerência da Produção 180 4,5 Qualidade 255 6,5 Pesquisa Operacional 270 6,8 Engenharia do Trabalho 135 3,4 Estratégia e Organizações 105 2,6 Gestão Econômica 180 4, ,4 NÚCLEO DE CONTEÚDO PROFISSIONALIZANTE EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mecânica Aplicada 225 5,6 Projeto Mecânico 180 4,5 Termodinâmica e Sistemas Térmicos 165 4,1 Processos de Fabricação 135 3,4 NÚCLEO DE CONTEÚDO PROFISSIONALIZANTE EM ENGENHARIA MECÂNICA ,6 DISCIPLINAS OPTATIVAS 195 4,9 ESTÁGIO SUPERVISIONADO 15 0,4 CARGA HORÁRIA TOTAL APP - 105

7 Porém a eventual redução da carga horária do Núcleo de Conteúdo Básico poderia colaborar na criação de disciplinas de formação básica, que o curso de graduação em Engenharia de Produção Mecânica da EESC-USP tanto carece, tais como Metodologia de Solução de Problemas, Comunicação e Expressão, Fundamentos de Ética e Cidadania, de Pedagogia e de Psicologia. Analogamente, a carga horária do Núcleo de Conteúdo Profissionalizante em Engenharia de Produção objetiva capacitar o egresso na solução dos vários problemas com que o profissional egresso irá se defrontar, já mencionados anteriormente. Nota-se, porém, desequilíbrio da carga horária entre seus módulos, que advém, entre outros, da insuficiência de professores nos módulos de Engenharia de Produto e Projeto da Fábrica, Engenharia do Trabalho e Processos de Produção. Quanto à área de computação e informática, a informática e a utilização da mesma em problemas de Engenharia fazem parte da metodologia de ensino de várias outras disciplinas, principalmente nas presentes no módulo de Pesquisa Operacional. Várias ferramentas de informática já são introduzidas em aulas práticas, desde o primeiro ano do curso, fortalecendo os conhecimentos dos estudantes nesta área. Como importante projeto a ser realizado no currículo de Engenharia de Produção Mecânica da EESC-USP, temse a criação do Núcleo de Extensões e Aprofundamentos, onde existiriam módulos que os graduandos poderiam escolher de acordo com interesse de atuação profissional e vocação. Além disto, os atuais 13 créditos em disciplinas optativas, que os estudantes são obrigados a cursar, não necessariamente são cursados em disciplinas afins. Deve-se lembrar aqui o Artigo 10 do Anteprojeto de Resolução de Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia de 05 de maio de 1999: os currículos dos cursos de engenharia deverão ser complementados com extensões e aprofundamentos dos conteúdos do núcleo profissionalizante, bem como com outros conteúdos destinados a caracterizar modalidades. Estes conteúdos, constituindo o restante da carga horária total, serão propostos exclusivamente pelas IES (Instituições de Ensino Superior). Constituem-se em conhecimentos científicos, tecnológicos e instrumentais necessários para a definição das modalidades de engenharia. Tais conhecimentos devem garantir o desenvolvimento das competências e habilidades estabelecidas nestas diretrizes. 3. REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR PARA O ANO DE 2002 Num segundo momento, ocorre a reestruturação curricular para o ano de 2002 da habilitação de Engenharia de Produção Mecânica da Escola de Engenharia de São Carlos da USP [6] que visa atingir os seguintes objetivos: fornecer oportunidade ao aluno de realizar um trabalho de síntese e integração dos conhecimentos ao longo do curso. No caso do curso de graduação em Engenharia de Produção Mecânica da EESC-USP, propõe-se a criação das disciplinas Trabalho de Conclusão de Curso I e II ; fornecer oportunidade ao aluno de aplicar os conhecimentos fundamentais da Engenharia de Produção Mecânica no projeto, implementação e aperfeiçoamento de sistemas produtivos durante a realização das atividades de Estágio Supervisionado; propiciar que o aluno conclua, ao término do quarto ano do curso de graduação, as disciplinas profissionalizantes em Engenharia de Produção e Engenharia Mecânica, de forma a viabilizar a aplicação de seus conteúdos programáticos no Estágio Supervisionado e na elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso ; preservar o último ano do curso para o oferecimento de disciplinas de aprofundamento e extensão, atividades complementares e estágio; antecipar, sempre que possível, disciplinas da área de conhecimento de Engenharia de Produção, para os primeiros semestres do curso de graduação. A visualização destas mudanças da estrutura curricular curso de graduação em Engenharia de Produção Mecânica da EESC é viabilizada pela Tabela PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO Embora esta comissão já venha implementando modificações ao longo do tempo, é de vital importância que uma reflexão crítica seja feita sistematicamente, de modo a detectar falhas, bem como necessárias mudanças de rota originárias de alterações provocadas pelos novos avanços científicos, tecnológicos e gerenciais. Entre os principais pontos a serem tratados no próximo período, pode-se citar os de maior relevância, sem no entanto se fechar a outros que possam vir a ser levantados pela comunidade acadêmica responsável pelo curso de Engenharia Produção Mecânica: a sistematização da avaliação e reformulação desta graduação com a participação docente e discente, como de outros agentes acadêmicos e representantes da sociedade civil; estudo da possibilidade de redução da carga horária total do curso de graduação; estudo da possibilidade de redução da carga horária expositiva, privilegiando atividades de ensino/aprendizagem participativas; APP - 106

8 criação de disciplinas obrigatórias em Metodologia de Pesquisa aplicada à Engenharia (já criada como optativa para 2002), Comunicação e Expressão, Redação de Relatórios, Métodos e Técnicas para Apresentação de Seminários, Língua Inglesa, ou de aulas com estes conteúdos inseridas nas disciplinas existentes; criação de módulos do Núcleo de Extensões e Aprofundamentos como extensões dos atuais módulos do Núcleo Profissionalizante em Engenharia de Produção; equilíbrio da carga didática dos módulos do Núcleo Profissionalizante em Engenharia de Produção; avaliação da possibilidade de reestruturação do curso a partir dos princípios que fundamentaram a proposta de criação da grande área de Engenharia de Produção ; novas metodologias de ensino, entre elas as que estimulem a resolução de problemas, a iniciativa, a criatividade e o trabalho em equipe, e sua aplicabilidade no contexto do curso; sistematização, levantamento e atualização constante do acervo bibliográfico da Engenharia de Produção Mecânica; reestruturação dos atuais laboratórios da Área de Engenharia de Produção. Para o novo prédio da Área de Engenharia de Produção, a ser ocupado em meados de 2001, estão planejados os laboratórios de Engenharia de Produção de Ensino e Pesquisa, Desenvolvimento de Produto e da Fábrica, Administração, Pesquisa Operacional e Sistemas, Gerência da Produção, e Engenharia Econômica e Economia. Nestes laboratórios, pretende-se analisar a introdução e o aperfeiçoamento dos métodos de ensino e pesquisa em Engenharia de Produção na graduação e pósgraduação da EESC, aproximar as teorias das práticas em Engenharia de Produção e criar e intensificar aulas laboratoriais que apóiem a elaboração de projetos e a resolução de problemas em Engenharia de Produção. Tabela 6. Comparação da carga horária dos currículos dos anos de 2001 e 2002 PERÍODO NÚMERO DE CRÉDITOS CURRÍCULO 2001 NÚMERO DE CRÉDITOS CURRÍCULO Estágio Supervisionado + Trabalho Conclusão Curso I Trabalho Conclusão Curso II Total créditos em Disciplinas Obrigatórias Disciplinas Optativas Estágio Supervisionado 1 8 Trabalho Conclusão Curso 0 12 TOTAL DE CRÉDITOS Agradecimentos A apresentação deste trabalho tornou-se possível graças ao Auxílio à Participação em Reunião Científica/Tecnológica concedido pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Brasil. Ministério da Educação. Anteprojeto da Resolução sobre Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia da Secretaria de Ensino Superior - SESu/MEC de 05 de maio de [2] Brasil. Senado Federal. Resolução n o 48/76 de 21 de junho de Fixa os mínimos de conteúdo e de duração do curso de graduação em Engenharia, e, define suas áreas e habilitações. LEX: Coletânea de legislação e jurisprudência: São Paulo, [3] Brasil. Senado Federal. Parecer n o 860/77 de 10 de março de Habilitação Engenharia de Produção do curso de engenharia - Projeto de resolução que fixa mínimos de conteúdo e duração. LEX: Coletânea de legislação e jurisprudência: São Paulo, APP - 107

9 [4] F. C. A., Santos. Coordenador do Curso de Graduação em Engenharia de Produção Mecânica da EESC-USP. Projeto Pedagógico. In: Renovação do Reconhecimento do Curso de Graduação em Engenharia de Produção Mecânica da Escola de Engenharia de São Carlos - USP. São Carlos: EESC, [5] ABEPRO - Associação Brasileira de Engenharia de Produção. Engenharia de Produção: grande área e diretrizes curriculares. Porto Alegre: ABEPRO, [6] Comissão Coordenadora do Curso de Graduação em Engenharia de Produção Mecânica da EESC. Mudanças na estrutura curricular da habilitação de Engenharia de Produção Mecânica para o ano de São Carlos: EESC, CONSIDERAÇÕES FINAIS A apresentação dos momentos da reestruturação curricular do curso de graduação em Engenharia de Produção Mecânica da EESC evidencia a importância que as Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia tem para a reformulação dos cursos de graduação, tanto em termos de formas de gestão como de projeto de estrutura curricular. Acredita-se que esta saudável pressão sobre a graduação em Engenharia venha a gerar importantes mudanças no processo de formação dos profissionais, de forma a contrabalançar as pressões das atividades de pós-graduação e extensão, em especial as de caráter privado. APP - 108

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS Aprovado no CONGRAD de: 24.09.2013 Retificado no CONGRAD de: 13.05.2014 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/1 CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 CÓD.

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Matriz curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Produção da UFERSA a partir de 2011.2. (Adequada à Matriz curricular do Curso de Bacharelado em Ciência e Tecnologia) Período Disciplinas Obrigatórias

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã)

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã) MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Primeiro Semestre (Manhã) Cálculo I 90 h Básico - Experimental I 90 h Básico - Geometria Analítica 36 h Básico - Introdução à Engenharia de Controle

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 147/2012, que altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

FACULDADE SANTA RITA

FACULDADE SANTA RITA FACULDADE SANTA RITA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL BACHARELADO Matriz Curricular 1º SEMESTRE Introdução à Engenharia Geometria Analítica e Álgebra Linear 04 80 Cálculo I 04 80 Tópicos de Economia para Engenharia

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-479/2012,

Leia mais

III Integralização Curricular do Curso de Engenharia de Produção

III Integralização Curricular do Curso de Engenharia de Produção III Integralização Curricular do Curso de Engenharia de Produção 1º SEMESTRE Carga Horária PRÉ-REQUISITO 1. Álgebra e Geometria Analítica 60-60 04-2. Antropologia Teológica 45-30 02-3. Cálculo Diferencial

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais;

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 34/2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Química Industrial, Bacharelado,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MODALIDADE MECÂNICA, COM ÊNFASE EM AUTOMOBILÍSTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados)

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados) Mantenedora: Fundação Educacional Fausto Pinto da Fonseca - CNPJ : 04.149.536/0001-24 Av. Dom Cabral, 31 Centro - CEP: 35.519-000 - Nova Serrana - MG Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru Projeto Pedagógico e Estrutura Curricular Missão do Curso de Engenharia Elétrica da FE/Unesp/Bauru A formação continuada de Engenheiros

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ADMINISTRAÇÃO. CRÉDITOS Obrigatórios: 176 Optativos: 24. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ADMINISTRAÇÃO. CRÉDITOS Obrigatórios: 176 Optativos: 24. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:12:25 Curso : ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 132 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Antônio Cleber Gonçalves Tibiriçá tibirica@mail.ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

SALA DE REUNIÕES DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, em Manaus, 19 de março de 2013. JOSÉ ALDEMIR DE OLIVEIRA Presidente

SALA DE REUNIÕES DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, em Manaus, 19 de março de 2013. JOSÉ ALDEMIR DE OLIVEIRA Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N.º 18/2013 - CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de Controle e Automação, bacharelado, oferecido em Manaus e

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 88/2009

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 88/2009 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 88/2009 O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, considerando o deliberado na 80ª. Reunião Ordinária do CONSEPE, realizada

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA ADENDOS DO CURSO DE ZOOTECNIA AS

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 275/2014, que altera o Currículo do Curso de Engenharia Civil para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv. 132 ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO O curso de Elétrica da UFV propõe oferecer a seus estudantes

Leia mais

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Qualificação

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. COORDENADOR Luciano José Minette minetti@ufv.br

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. COORDENADOR Luciano José Minette minetti@ufv.br ENGENHARIA DE PRODUÇÃO COORDENADOR Luciano José Minette minetti@ufv.br 210 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro de Produção ATUAÇÃO O Curso de Engenharia de Produção da UFV visa preparar profissionais

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA - TEÓFILO OTONI CURSO DE GRADUAÇÃO - ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40 ESTRUTURA CURRICULAR DOS CURSOS O desenho curricular do curso de Engenharia de Energias segue as Diretrizes Gerais da UNILAB, as quais preveem os seguintes Núcleos de Formação nos cursos de graduação:

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia Informática Matemática Produção de Textos 2º Bimestre Cálculo I Física I Inglês Metodologia Científica 3º

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 006/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br 222 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da UFV visa fornecer a seus estudantes

Leia mais

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação TITULAÇÃO: Bacharel em Hotelaria CARGA HORÁRIA: 3.104 horas DURAÇÃO: 2 anos DIFERENCIAL 2 ANOS A Castelli ESH propõe-se a ofertar o Curso de Graduação em Hotelaria,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 96/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de Energias

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 092/07-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

Curso: Engenharia de Produção Mecânica. Escola de Engenharia de São Carlos

Curso: Engenharia de Produção Mecânica. Escola de Engenharia de São Carlos Curso: Engenharia de Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos Informações Básicas do Currículo Duração Ideal - 10 semestres Mínima - 8 semestres Máxima - 18 semestres Carga Horária Aula Trabalho Subtotal

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

FACULDADE DO SUL DA BAHIA 1º SEMESTRE DE 2014. PROVA FINAL PERÍODO DE APLICAÇÃO 07/07 segunda-feira 09/07 quarta-feira 10/07 quinta-feira

FACULDADE DO SUL DA BAHIA 1º SEMESTRE DE 2014. PROVA FINAL PERÍODO DE APLICAÇÃO 07/07 segunda-feira 09/07 quarta-feira 10/07 quinta-feira FACULDADE DO SUL DA BAHIA SEMESTRE DE 2014 PROVA FINAL PERÍODO DE APLICAÇÃO segunda-feira quarta-feira quinta-feira Horário 1ª AULA 18:50 às 20:30 2ª AULA 20:50 às 22:30 OBS.: NÃO HÁ SEGUNDA CHAMADA DE

Leia mais

A formação do licenciado em matemática

A formação do licenciado em matemática A formação do licenciado em matemática VIANA,P.A. Sobral Matemática Universidade Estadual Vale do Acaraú 6 de agosto de 2011 paty.alvi@hotmail.com pré-prints da Sobral Matemática no.2011-02 Editor Tarcisio

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR E DIMENSIONAMENTO DA CARGA HORÁRIA POR PERÍODO LETIVO (A CARGA HORÁRIA APRESENTADA NAS TABELAS REFEREM-SE À HORA AULA DE 50 MINUTOS)

MATRIZ CURRICULAR E DIMENSIONAMENTO DA CARGA HORÁRIA POR PERÍODO LETIVO (A CARGA HORÁRIA APRESENTADA NAS TABELAS REFEREM-SE À HORA AULA DE 50 MINUTOS) MATRIZ CURRICULAR E DIMENSIONAMENTO DA POR PERÍODO LETIVO (A APRESENTADA NAS TABELAS REFEREM-SE À HORA AULA DE 50 MINUTOS) PRIMEIRO SEMESTRE / 1 O ANO Leitura e Interpretação de Textos 2-40 Matemática

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL Profa. M.Sc. Jose Luiz Sansone Junho de 2011. Breve Histórico 1974 UTAM Primeiro Vestibular para Eng. Operacional Mecânica 1985 UTAM Primeiro Vestibular

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 12

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 12 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 12 Índice ANEXO 1: Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior....3 1. Introdução...3 2. Justificativa do projeto...3

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Habilitação: Bacharel em Sistemas de Informação Cálculo I - 90 6 Lógica - Programação I - 90 6 1º. Fundamentos de Sistemas de Informação - Metodologia da Pesquisa - 30 2 Comunicação Empresarial - 30 2

Leia mais

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Apresentação: Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 42/73

Faculdade Figueiredo Costa 42/73 42/73 CAPITULO VIII GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA AS ATRIBUIÇÕES, ÁREAS DE ATUAÇÃO E O MERCADO DE TRABALHO Engenharia Elétrica é o ramo da engenharia que estuda a energia elétrica, suas propriedades

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

FACULDADE STELLA MARIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO PRESENCIAL Estrutura Curricular (Janeiro 2010)

FACULDADE STELLA MARIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO PRESENCIAL Estrutura Curricular (Janeiro 2010) FACULDADE STELLA MARIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO PRESENCIAL Estrutura Curricular (Janeiro 2010) MÓDULO: COMUNICAÇÃO E GERÊNCIA EMPRESARIAL 1.º Período DC0130 Teoria Geral da Administração 60 -

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia 40 Informática 40 Matemática 80 Produção de Textos 40 2º Bimestre Cálculo I 80 Física I 80 Inglês 20 Metodologia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em Curso de Graduação Bacharelado em Administração O curso de Administração está enquadrado como uma ciência social aplicada. Estuda-se em profundidade técnicas e instrumentos analíticos, além de simulações

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Curso: Bacharelado em Informática Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Informações Básicas do Currículo Duração Ideal 8 semestres Mínima 6 semestres Máxima 14 semestres Carga Horária Aula

Leia mais

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a:

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a: CURSO: Graduação em Marketing ( graduação) Missão O Curso de Graduação em Marketing tem como missão formar profissionais com capacidade de criar, planejar, executar e controlar processos de marketing que

Leia mais