Tudo Muda, mas Nada Muda?! O Discurso sobre a Imagem da Mulher nas Organizações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tudo Muda, mas Nada Muda?! O Discurso sobre a Imagem da Mulher nas Organizações"

Transcrição

1 RESUMO Tudo Muda, mas Nada Muda?! O Discurso sobre a Imagem da Mulher nas Organizações Autoria: Aline Pereira Sales, Rodrigo Cassimiro de Freitas, Sâmara Borges Macedo, Marco Antonio Villarta-Neder O presente artigo se propõe investigar os principais aspectos sobre a imagem midiática da mulher executiva nas organizações. Para isso foram escolhidas duas matérias jornalísticas em uma reconhecida revista de negócios em espaços temporais no intervalo de 15 anos. O objetivo foi compreender, por meio da Análise Crítica de Discurso da tradição de Fairclough, a evolução dos principais argumentos da inserção da mulher nos postos de direção nas empresas. Os resultados demonstram que, apesar do significativo desenvolvimento socioeconômico do país na última década, poucas mudanças puderam ser observadas sobre o imaginário e as principais lutas da mulher executiva nas organizações. 1

2 1. Introdução O ambiente organizacional é um espaço de relações de dominação assimétricas, na qual a mulher e outros grupos são historicamente marginalizados e segregados do controle de recursos e distribuição de poder. Por outro lado, os últimos dois séculos foram marcados por mudanças significativas na sociedade, tanto no ambiente econômico quanto no cultural, fazendo com que essa realidade, impulsionada pela transformação das relações produtivas e dos avanços tecnológicos, implicasse em delineamentos específicos na realidade feminina nas organizações. A mobilidade nessas esferas promoveu para a mulher uma situação diferenciada a partir de um discurso de libertação e emancipação de uma condição de supressão. Diante deste cenário, os debates sobre a presença da mulher no espaço organizacional, anteriormente dominados pela figura masculina, têm despertado o interesse de estudiosos. A maioria dos trabalhos empíricos se debruça sobre pesquisas comportamentais in loco, diferentemente dessa investigação, que pretende analisar o discurso jornalístico como reflexo de práticas sociais. Nessa esteira, a problemática desse trabalho se propõe indagar: Os argumentos do discurso jornalístico sobre a imagem da mulher executiva nas organizações se transformaram nos últimos 15 anos ou permanecem com mesmo pano de fundo? Este tipo de investigação se faz relevante à medida que congrega a oportunidade de análise da realidade feminina nas organizações, a viabilidade de desenvolvimento técnico frente à tradição da Análise de Discurso Crítica (ADC) e a importância da mulher nas organizações e na sociedade como um todo. Além disso, espera-se que este trabalho contribua para a discussão do assunto, que ainda continua sendo tratado como um tabu, refletindo assim a necessidade de uma transformação nas estruturas sociais e no agenciamento humano como forma de promover espaços de poder menos assimétricos para a realidade feminina. Fica esclarecido que esse trabalho não seguirá uma orientação de colocar os conceitos encaixotados, o que quer dizer que não se pretende com este trabalho realizar uma análise pela análise, mas sim promover desdobramentos para modificação da realidade, o que foi denominado por Fairclough (1991) como mudança social por meio das práticas discursivas. 2. Análise de Discurso Crítica A Análise de Discurso Crítica (ADC) consiste em uma planta baixa que permite identificar os meandros da construção das relações sociais entre os sujeitos interconectados simbolicamente (MCCRACKEN, 2003). Esse construto permite desvendar as relações que existem entre os fatos sociais (práticas sociais) e linguagem (práticas discursivas) a partir da teoria desenvolvida por Norman Fairclough O conceito de Discurso para a ADC O conceito de Discurso é o centro de sustentação para os demais conceitos relacionados nesse estudo. A partir dele as relações ascendentes e descendentes são constituídas. Para a tradição Crítica da Análise de Discurso o conceito de discurso está intimamente relacionado às práticas sociais e discursivas enquanto dimensões de uma perspectiva dialética historicamente posicionada. Para tecer a trama teórica será utilizada a interpretação feita por Resende e Ramalho (2011) sobre o enquadre teórico proposto por Nornan Fairclough. A ADC trabalha com o conceito de discurso distribuído em 3 dimensões, a saber: texto, práticas discursivas e prática social. O texto e a prática social são dimensões micro e macro, respectivamente dos eventos discursivos, que são mediadas pela prática discursiva. Em analogia à Teoria de Conjuntos, o texto está contido na prática discursiva, e essa última contida na prática social (RESENDE, RAMALHO, 2011). 2

3 O texto, então, serve à prática discursiva como função de sentido, ao passo que está referendado em uma prática social permeada por relações hegemônicas e ideológicas. Vale lembrar que esse movimento de detalhar as dimensões do Discurso tem apenas uma função didática, para operacionalização da análise diante da proposta da interferência discursivas na realidade e para promover as mudanças sociais defendida por Fairclough (2003), pois, na realidade, essas dimensões estão dispersas (RESENDE, RAMALHO, 2011). A prática discursiva enquanto dimensão analítica é composta de fatores discursivos relacionados à produção (quem e o que produz e para quem); à distribuição (via quais mecanismos, a forma de organização); ao consumo (por quem e como é consumido); ao contexto em que se localizam os argumentos discursivos; com que força e coerência os enunciados são veiculados e a intertextualidade argumentativa do discurso. Por outro lado, a prática social se refere aos aspectos ideológicos de sentido, pressuposições e metáforas e ao quadro ideológico que preconiza as relações macroestruturais econômicas, sociais, políticas, culturais e ideológicas (RESENDE, RAMALHO, 2011). Esses compostos da prática social serão discutidos separadamente nas sessões posteriores. Nesse sentido, delimitam-se as dimensões conceituais do discurso, denominado como estruturado e estruturante dialeticamente posicionado em espaço e tempo distintos, diante das dimensões do texto, práticas discursivas e práticas sociais. Para orientar a análise das peças jornalísticas serão trabalhados os conceitos de Gênero, Estilo e Modalidade discursiva Gêneros Discursivos Para contribuir com a operacionalização da análise do discurso, Fairclough (1991) orienta que os gêneros discursivos são trajetórias para a construção do sentido discursivo enquanto uma imagem emoldurada em interações sociais. Para esse autor, um mesmo discurso pode apresentar diversas tipologias de gêneros discursivos para alcançar determinado efeito de sentido. O gênero consiste, no entendimento de Fairclough (1991), na moldura do discurso e de seus argumentos. Dessa forma, a organização e os recursos textuais são aspectos relacionados ao gênero, ou seja, esse último diz respeito à estrutura organizativa dos argumentos ou narrativas no texto e os recursos conectivos que são utilizados para promover sentido ao discurso (FAIRCLOUGH, 1991). O importante nesse trabalho é compreender que o gênero discursivo servirá para identificar aspectos organizativos e conectivos similares e/ou distintos em argumentos e narrativas do discurso. Esse conceito enriquece o corpus teórico e delimita uma trajetória didática para compreender os estilos e modalidades no discurso, tratados nas sessões seguintes Estilos de Discurso em ADC Estilo discursivo consiste no espectro que identifica uma forma de ser característica de determinado Discurso, denominado por qualidades específicas. Isso quer dizer que os estilos são aspectos discursivos do modo de ser, para Fairclough (1991), identidades discursivas. Nesse sentido, as principais relações se constroem em torno do que é, como é, que redação, a partir de que olhar se percebe a realidade e como se movimenta no espaço e tempo. O estilo pode ser conceituado como a denominação dada a determinado gênero discursivo, ou seja, enquanto o gênero configura como a organização e estrutura dos argumentos discursivos, os estilos consistem na nominação dessas características (FAIRCLOUGH, 1991). Por exemplo, as características da redação e dos argumentos científicos textuais são denominados como Estilo Científico de Discurso, mas ao investigar a estrutura argumentativa e a sua organização estamos falando do gênero discursivo. 3

4 Há uma grande variedade de acepções sobre o termo identidade, relacionado aqui ao estilo discursivo, no entanto, esse é um conceito extremamente complexo na visão de Fairclough (1991) e, nesse sentido, julga-se que demandaria uma revisão teórica a parte, não justificada pelos objetivos dessa pesquisa A Modalidade no Discurso A modalidade no discurso, assim como os conceitos anteriores, tem a função de fazer uma identificação contextual do discurso. A modalidade, assim como a avaliação no discurso, se refere à maneira pela qual o autor se compromete com aquilo que é verdadeiro e necessário, desejável e indesejável, bom ou ruim (FAIRCLOUGH, 1991). A relação nesse processo de análise está relacionada com o conceito de Hegemonia, uma vez que o comprometimento está constrito pela sociedade e por suas forças dominantes de regulação e padronização. Segundo Fairclough (1991) a modalidade está contextualizada historicamente e pode sofrer transformações em função das relações de sentido envolvidas, como a transformação de um discurso no qual o enunciador toma uma posição de defesa de uma ideia e, em outro momento, contraria ou se abstém dessa postura. Essas mudanças podem gerar impactos políticos discursivos significativos. As mudanças de modalidade podem estar contidas em pequenas mudanças de vocabulário, de reposicionamentos e intensidade de uma mesma mensagem, mas objetivando efeitos de sentido extremamente distintos A intertextualidade manifesta e a interdiscursividade constitutiva como dimensões do interdiscurso O interdiscurso é um dos conceitos poderosos para a Análise de Discurso anglo-saxã. Esse construto permite que sejam vislumbradas determinadas conexões que se mantém encobertas pelo manto da naturalidade de determinadas estruturas socioculturais hegemônicas. Em outras palavras, possibilitará verificar como os discursos são organizados, ou seja, de onde, como, pra que, quem e para onde os argumentos discursivos estão direcionados. Fairclough (2001) recupera Kristeva considerando que o discurso traz em si a história e é absorvido por ela, ou seja, o texto resgata argumentos que estão no passado e ao mesmo tempo molda a história inserindo-se como a perspectiva interpretativa daquilo que foi utilizado como prática discursiva. O interdiscurso é um instrumento conceitual que permite afirmar que o discurso é estruturante e estruturado e que está diretamente relacionado com a mudança social discursiva. Percebe-se que a intertextualidade permite que remontem-se estruturas hegemônicas baseadas em interpretações contemporâneas do passado (FAIRCLOUGH, 2001). As relações interdiscursivas podem ser horizontais (dialógicas), nas quais os discursos são respondidos ou interpelados por outros textos em curto espaço de tempo. Por outro lado, as relações interdiscursivas verticais, os discursos estão localizados em contextos e espaços temporais específicos e espaçados. Segundo Fairclough (2001) as relações intertextuais podem ser manifestas ou constitutivas. Uma relação intertextual manifesta é aquela que existem enunciados explicitamente marcados no texto. A relação intertextual constitutiva diz respeito às convenções da moldagem do discurso que se reporta a textos anteriores, sem necessariamente explicitá-los. Para Fairclough (2001) do ponto de vista da intertextualidade existem 3 tipologias: sequencial, encaixada e mista. A primeira diz respeito a inserções sequenciais de fragmentos de outros discursos no corpo do texto, a segunda destaca a importação de outro(s) texto (s) no interior da matriz do discurso original e, por último, a mista que consiste em um construto 4

5 mais complexo, do ponto de vista da percepção, de até que ponto há intertextualidade sequencial ou encaixada, e qual é mais significativa e fica mais explicita. 3. Hegemonia e Ideologia nas Organizações A sociedade é formada por diversos grupos unidos por laços de afinidade, semelhança física (etnia, sexo) e/ou intelectual, dentre outros. Esses grupos disputam recursos e poder, o que cria um estado de divisão assimétrica desses fatores. As organizações são formadas por sujeitos que estão inseridos nesse contexto social, no qual essas posturas naturalizadas se estendem nas organizações como um reflexo da realidade social. Entende-se que a produção e reprodução das tipologias de violência simbólica nas organizações nada mais são do que um espelho fidedigno daquilo que está naturalizado na sociedade na qual esses sujeitos se localizam. Por esse motivo, defende-se que a organização não é um lugar privilegiado de violência simbólica, mas sim uma extensão das relações de poder que estão no seio da sociedade. Para Clegg (2007) as identidades não são construídas a partir das escolhas dos indivíduos, mas sim através de um movimento de estimulo à adoção de posturas socialmente aceitáveis. Na mesma esteira, o trabalho de Bourdieu é esclarecedor ao mostrar que as relações de dominação se estabelecem como um poder invisível que dispõe os sujeitos na estrutura organizacional e de poder que são socializadas e mantidas a partir do modus operandi das organizações (ROSA & BRITO, 2009). Por outro lado, limita-se a uma análise somente das relações de dominação e violência simbólica e não aponta para estratégias de modificação das realidades. Assim, os críticos de seu trabalho acrescentam o discurso das formas de resistência como um meio para desconstrução dessa realidade perversa. Defende-se neste trabalho a postura de Rosa e Brito (2009), que aborda a produção e reprodução da violência simbólica nas organizações enquanto forma perversa de dominação. Neste sentido, entende-se que as organizações são formadas por sujeitos que estão inseridos em um contexto social, onde posturas naturalizadas se estendem nas organizações como reflexo da realidade social. 4. Trajetória Histórica da Mulher no Mercado de Trabalho A história é o que acontece, a sequência dos fatos, das mudanças, das revoluções, das cumulações que tecem o devir das sociedades. Mas é também o relato que se faz de tudo isso (PERROT, 2007, p. 16). A definição apresentada por Michele Perrot em sua obra Minha História de Mulheres é uma provocação ao silêncio e esquecimento em que as mulheres estiveram confinadas durante muito tempo. Durante anos os espaços públicos foram os únicos locais considerados dignos de interesse e relato. Estes, porém, eram pouco frequentados por mulheres, que jaziam presas em suas casas e às tarefas do lar. Não eram vistas, logo, pouco se falava sobre elas. Desejavelmente invisíveis e caladas, para muitas sociedades esta situação representava a garantia da ordem e tranquilidade local, pois, aparições femininas em grupo causavam medo (PERROT, 2007). E assim, até a década de 60, a identidade feminina esteve relacionada ao casamento perfeito e à maternidade, cabendo a elas atividades leves e delicadas, restritas à esfera privada do lar, e que exigiam pouco esforço físico e mental. A privação da vida pública à mulher correspondia não apenas à exclusão delas no mercado de trabalho, como também à supressão do acesso a cargos políticos e de direção, à educação e cultura e aos espaços de socialização e lazer. Àquelas que ousavam circular livremente pelas ruas e espaços sociais, 5

6 restava a condenação moral, as perseguições policiais, dentre outras formas de violência física (RAGO, 2004). Com a modernização socioeconômica intensificada na década de 70 e a pressão do movimento feminista por uma redefinição do lugar da mulher na sociedade, o mercado de trabalho passou a atrair milhares de trabalhadoras, levando a mudanças culturais e mentais consideráveis. A mulher do século XX ganha, então, o direito à existência e o espaço público passa a ser invadido por mulheres, enfraquecendo a ideologia de domesticidade e a vinculação entre a mulher e a maternidade (RAGO, 2004). Por outro lado, os cargos de comando permaneceram inacessíveis para a grande maioria das mulheres e o conservadorismo fez com que muitas delas se tornassem coronelas reprodutoras das relações de poder que o próprio movimento feminista buscava combater. (RAGO, 2004). Com o passar do tempo, a desqualificação por parte das categorias masculinas das características consideradas tipicamente femininas passaram a ser desestabilizadas pela teoria feminista e pela prática cotidiana das mulheres, além de terem sofrido o impacto da falência dos próprios modos masculinos de organização e gestão social. Desde então, viu-se emergir uma cultura mais filógina (amiga das mulheres) e o mundo passou a ser mais aberto para elas. Estas, por sua vez agora independentes econômica, emocional e sexualmente deixam de dedicar-se com exclusividade ao crescimento profissional do marido ou à satisfação sexual dele, para se voltar aos seus próprios desejos (RAGO, 2004). Porém, até os anos 90, as atividades de que as mulheres se ocuparam permaneceram marcadas por traços domésticos e femininos atividades cujo corpo e aparência são relevantes ou cujas qualidades atribuídas ao gênero são necessárias, como devotamento, prestatividade e simpatia. Os homens, por sua vez, não se opuseram a este processo, pois passaram a perceber que as mulheres não lhes ameaçavam enquanto concorrentes (PERROT, 2007). Apenas após este período, com a revolução cibernética, é que o mercado de trabalho sofreu alterações na distribuição sexual dos empregos, o que não significou o fim das desigualdades e nem a superação de todos os desafios dentre eles o dicotomismo profissional x afetivo (RAGO, 2004; PERROT, 2007). No ano de 1991, Maria lrene Stocco Betiol e Maria José Tonelli publicaram um artigo sobre as relações de trabalho da mulher executiva brasileira da época. Constataram através do estudo empírico que as mulheres pertencentes às classes econômicas mais baixas se inseriram no mercado de trabalho por motivos econômicos, de caráter pessoal e familiar e aquelas pertencentes às classes mais altas eram atraídas pela busca de reconhecimento e igualdade. As autoras perceberam também que as mulheres ainda enfrentavam grandes barreiras para serem aceitas dentro da organização, que eram justificados pela maior dificuldade feminina em se mover geograficamente e por questão de confiabilidade, relacionada à dupla jornada (empresa e lar). O sucesso, naquela época, não era uma exigência social à mulher (ao contrário do que era para os homens), que encontrava respaldo e até mesmo apoio para voltar ao lar e vivenciar a maternidade. Porém, conforme ressaltado pelas autoras, as mulheres não eram indiferentes a esta situação, sentiam-se intimamente feridas. A executiva de sucesso nesta época precisaria, então, de algo além da competência: era preciso investimento na organização, que significa abnegação àquela mulher de outros tempos, que colocava a família em primeiro plano. O sucesso, por assim dizer, implicou para estas mulheres um trade off entre vida pública e vida privada, que se estendia por longos anos até que este prazo de investimento cessasse e a mulher finalmente houvesse alcançado a confiança e pago o preço do sucesso. Ora, se aquela mulher do passado deveria ser deixada para trás, seus atributos e habilidades femininas também não teriam espaço dentro das organizações. Conforme destacam as autoras, as mulheres passaram a atuar dentro das organizações segundo padrões masculinos de comportamento, fazendo com que as relações organizacionais permanecessem 6

7 praticamente inalteradas. Relações inalteradas, discriminação permanente: todas as entrevistas revelaram às autoras sofrer algum tipo de discriminação; os homens, por sua vez, não se consideraram discriminadores, mas assumiam as organizações como tais. Dezenove anos após a publicação do estudo de Betiol e Tonelli, os autores Antonio Moreira de Carvalho Neto, Betania Tanure e Juliana Andrade publicaram um estudo sobre os desafios enfrentados pelas executivas do século XXI. Interessante observar que o termo investimento no trabalho permaneceu o mesmo, assim como sua relação dicotômica com a família. Para se ter uma ideia, 40,5% das entrevistadas no topo da carreira não tinha filhos e 42,7% tinha apenas um filho valores bastante discrepantes dos referentes ao sexo masculino (19,3% e 28,9%, respectivamente). A mulher executiva também enfrenta mais problemas para encontrar um parceiro amoroso ou manter relações duradouras. Interessante observar que este último aspecto não havia sido abarcado no texto de Betiol e Tonelli em Permaneceu ainda o discurso de que a mulher no topo da hierarquia organizacional ainda é um fenômeno raro e a crença de que ela só atingiu o topo da hierarquia devido ao fato de esta se comportar segundo padrões considerados masculinos (p.12). O preconceito também se mostrou persistente nos ambientes organizacionais, que muitas vezes ainda são vistos como inadequados para as mulheres como no caso das fábricas. Este não seria um retrato do pensamento masculino sobre a mulher no século passado? A mulher continua sendo a principal apoiadora da carreira masculina: as autoras destacaram na pesquisa que quanto maior o cargo do executivo, menor a taxa de esposas destes que trabalham fora. Nota-se ainda que a mesma responsabilização da mãe pelo cuidado dos filhos, característico do século passado, ainda se faz presente na atualidade, levando as mães a um sentimento de culpa em relação aos filhos que é, segundo os autores, praticamente inexistente no caso do sexo masculino. Os autores então traçam o perfil da executiva de sucesso no século XXI: A mulher executiva continua se desdobrando, e tem sofrido com a sobrecarga imposta por ela mesma e por seus diversos papéis de mulher, mãe e profissional. Muitas vezes ainda se submete ao homem, se sobrecarregando com o cuidado rotineiro da casa e dos filhos, se cobrando por estar bonita, magra, fazendo atividade física, com a pele, as unhas e os cabelos bem cuidados, e por ter sucesso profissional, e, ainda por cima, tomando cuidado para não ofuscar o sucesso do seu par amoroso (CARVALHO NETO, TANURE & ANDRADE, 2010, p.16). Pergunta-se, então: será que em quase duas décadas não houve nenhum avanço em prol da maior igualdade de oportunidades e condições de trabalho entre homens e mulheres nas organizações? Primeiro, pode-se dizer, de acordo com o estudo de Carvalho Neto, Tanure e Andrade (2010), que as mulheres estão conseguindo chegar ao topo da carreira mais cedo (40,7% delas têm menos de 30 anos de idade). Talvez, fazendo uso das considerações de Betiol e Tonelli (1991), isso signifique que a mulher tem obtido maior credibilidade no espaço organizacional, no sentido conseguir a almejada confiança da organização em um tempo menor e, consequentemente, ascendendo hierarquicamente ainda jovem. Este pressuposto parece coerente se consideramos que essa relativa confiabilidade foi adquirida ao longo do tempo pelas diversas executivas organizacionais. Em segundo lugar, ainda que de maneira bastante incipiente, executivos mais jovens (de 30 a 35 anos) já passam a considerar a ideia de negociação com as esposas nas tarefas com os filhos. As executivas do século XXI, em sua maioria, precisam da ajuda de babás, motoristas e domésticas para auxiliar na conciliação entre vida pública e privada. Terceiro, ao contrário do discurso de Betiol e Tonelli (1991) sobre o abandono recorrente das mulheres das atividades públicas em detrimento da dedicação à vida privada, as executivas do século XXI não pensam da mesma forma. O estudo de Carvalho Neto, Tanure e 7

8 Andrade (2010, p.17) revelou que essas executivas gostam do trabalho que exercem e não estariam dispostas a abandonar o seu trabalho para se dedicar à família. Por fim, os autores encerram o texto com a ressalva de que as mudanças significativas só passarão a acontecer a partir da ação das empresas e das próprias executivas que não devem esperar esforços de mudança por parte dos homens, que se encontram em posição confortável. Fica claro com este trecho que os autores reconhecem que pouca coisa mudou em relação ao passado e que as mulheres precisam romper com a postura coronela (reprodutora dos padrões masculinos de comportamento) apontada por Rago (2004) em relação às mulheres da década de 70, percebida por Betiol e Tonelli (1991) na década de 90 e ainda persistente no novo século. Além disso, é destacada a importância, ainda que custosa, da renegociação dos papéis entre homens e mulheres no ambiente familiar, como um caminho para o tão almejado equilíbrio entre vida pública e privada. Extrapolando estas discussões, Hirata e Kergoat (2007) ressaltam que, embora a participação feminina em profissões executivas de nível superior tenha, de fato, crescido vertiginosamente e aumentado o capital econômico, cultural e social destas mulheres, não se deveria desconsiderar que, por trabalharem cada vez mais no setor privado e pela persistente desvalorização do trabalho doméstico têm-se recorrido cada vez mais àquelas mulheres que permanecem em situação precária para realizar este tipo de atividade. Desta forma, parte-se de um modelo tradicional, no qual cabia à mulher o cuidado da família e das tarefas domésticas e ao homem o provimento do lar, para um modelo conciliador, no qual é atribuída, quase que exclusivamente à mulher, a responsabilidade pela conciliação entre vida pública e privada. Neste sentido, continua sendo uma incumbência estritamente feminina o cuidado com a família e com o lar, mas, neste momento, estes passam a dividir espaço com o investimento no trabalho. Recai-se então, sobre o dilema conciliação x delegação, ou seja, o repasse dos cuidados familiares e domésticos a terceiras, na tentativa de equilibrar público e privado, fazendo emergir um modelo de sobreposição ao antigo: o modelo de delegação. Assim, fazendo uso do termo apresentado por Hirata e Kergoat (2007), tem-se a impressão que a evolução histórica da mulher no mercado de trabalho se apresenta como um fenômeno em que tudo muda, mas nada muda. Porém, o que se percebe é que algumas atitudes e comportamento explícitos de preconceito contra a mulher foram, ao longo do tempo, se lapidando e se tornando sutis, quase invisíveis. Dentro das organizações esse tipo de barreira foi percebido ainda na década de 80, vindo a receber o nome de teto de vidro por sua transparência e sutileza, mas, ao mesmo tempo, por sua força para impedir a ascensão feminina aos níveis mais altos da hierarquia (STEIL, 1997). Conforme observado em estudos recentes (Bruschini e Puppin, 2004; Bruschini, 2007; Hirata e Kergoat, 2007; Carvalho Neto, Tanure e Andrade, 2010), este tipo de barreira ainda existe ainda que não seja assumida ou até mesmo que não seja percebida, por estarem tão profundamente incutidas nos valores e na cultura social. Assim, a mulher participa mais do mercado, mas ainda ganha menos (cerca de 72,3% do rendimento masculino) e é exceção em postos de comando. Além disso, ainda se deparam com dilemas como comportamento masculino x feminilidade, dedicação à família x investimento no trabalho (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012; CARVALHO NETO, TANURE E ANDRADE, 2010). Este é o motivo de se falar aqui em trajetória, e não em evolução, pois, muito já se percorreu rumo à verdadeira distribuição de papéis, mas muitos passos ainda precisam ser dados antes de se chegar a este destino. 8

9 5. A Análise Discursiva pelo enquadre da Análise Crítica de Discurso: Gêneros, Estilos e Modalidades como sustentação ideológica de práticas sociais hegemônicas nas organizações Para tornar a análise didaticamente compreensível, o percurso metodológico será encaminhado da seguinte forma: 1 analisar a luz dos conceitos de gênero, estilo e modalidade do discurso em Fairclough (1991) como forma de identificar estruturas argumentativas para produção de efeitos sentido; 2 verificar em cada texto como o discurso se encaixa em ideologias; 3 analisar comparativamente os itens anteriores iluminados pelo conceito de Hegemonia e perspectivas da mudança social em Fairclough (2003) como forma de interferir nas práticas sociais Análise: Banqueiros de batom e salto alto A Matéria da Revista Exame Banqueiros de batom e Salto Alto, publicada em 17 de janeiro do ano de 1996, configura como um dos objetos da análise comparativa desse trabalho sobre a imagem da mulher nas organizações, construídas por revistas de negócios. Considerando que a matéria foi escrita em um período de estabilidade econômica, promovida pelo Plano Real com expansão do parque industrial nacional, pode-se considerar que essa conjuntura culminou em um maior estado de confiança, levando à abertura de caminhos do comando para as mulheres no setor financeiro de um banco nacional. Além disso, a análise da conjuntura demonstra não somente a historicidade das lutas da mulher para ocupar determinados espaços de poder, mas, como essa luta é interpretada pela sociedade e suas organizações. A reflexividade, apontada por Resende e Ramalho (2001) como um dos desdobramentos da modernidade tardia tratada por Fairclough (1991), pode ser observado, nesse artigo da Revista Exame, a partir dos argumentos apresentados como vozes e expressões do interdiscurso no interior do texto. O estilo discursivo desta matéria é predominantemente jornalístico, o que significa que ele trabalha com a finalidade de apresentar uma notícia sobre determinado assunto para públicos e leitores específicos, nesse caso, pessoas interessadas no mundo dos negócios. A estrutura de organização dos argumentos dessa matéria se esforça em descrever como as mulheres têm ocupado espaços de dominação até então masculinos. Já os gêneros discursivos são organizados de acordo com os efeitos de sentidos almejados. Notou-se que a ironia, enquanto recurso lingüístico utilizado, criou um pano de fundo baseado na dualidade semântica. Apenas com a leitura completa do texto e a identificação de seu argumento central, é que se percebe que a autora utiliza a sátira para questionar o patriarcado hegemônico nas instituições financeiras nacionais, a fim de demonstrar que a ocupação de espaços de poder pela mulher se configura como uma realidade inerente ao atual desenvolvimento social, a saber: Em janeiro de 1994, o 4º andar do edifício-sede do Banco Boavista, no Rio de Janeiro, foi todo remodelado. Não se tratava de uma obra para modernização das instalações que abrigam parte da diretoria do Boavista. O motivo, acredite se quiser, era bem prosaico, mas cheio de simbolismo: a construção de um banheiro feminino, o primeiro destinado a executivas de primeiro escalão [...]. Um dos últimos bastiões do Clube do Bolinha que reinava no mercado financeiro até pouco tempo atrás, o banco carioca rende-se a uma tendência inexorável dos dias de hoje. De aves raras, as mulheres passaram a povoar os postos de comando nas empresas do setor.[grifo nosso]. O estilo jornalístico, aqui denominado a partir dos gêneros discursivos, não é suficiente para defender postura sobre diversos assuntos sem se reportar a outros discursos, gêneros e vozes para reforçar sua base argumentativa. Por isso, a matéria jornalística faz uso 9

10 do gênero cientifico de argumentação, demonstrando através de provas e estatísticas um dado cientificamente comprovado como, por exemplo: De acordo com o Dieese, a categoria dos bancários é formada por pessoas. Desse total, 40% são mulheres. O interessante, porém, é o crescimento do número de mulheres ocupando cargos executivos. No Ibef, Instituto Brasileiro de Executivos Financeiros, por exemplo, até 1994 apenas 0,5% dos associados cariocas era do sexo feminino. No ano passado, elas já representavam 5% dos 750 membros. Além disso, a forma de construção da estrutura argumentativa revela que a autora não se compromete diretamente, ou seja, a modalidade não é auto-referenciada. Por outro lado, a autora destaca no texto os principais perfis de mulheres no comando, sem deixar sua opinião explicita. Para atingir esse objetivo ela descrever 4 dimensões que explicam como determinadas mulheres alcançaram os postos de comando e poder nas organizações, sendo elas: a) A estrategista: perfil de mulher que optou pela carreira como projeto de vida: Rita mantém uma jornada de 12 horas por dia, de segunda a sexta-feira. Nos fins de semana, [...], ela acrescenta pelo menos mais 10 horas de trabalho [...]. Essa dedicação ao trabalho cobrou-lhe um preço no campo afetivo. Casada aos 20 anos, separou-se dois anos depois. Filhos? Nem pensar. "Não se pode servir a dois senhores ao mesmo tempo", diz Rita [...]. b) A cinderela: tipo de executiva que concilia a vida afetiva com a vida profissional, sendo apresentada no texto como uma mulher sonhadora. [...] Cinthia, então com 20 anos, casada com um militar e mãe de um menino de 2 anos, conseguiu emprego de secretária [...]. Quinze anos depois, [...] foi promovida a sócia-gerente, a única mulher entre os doze sócios do banco.[...] Sua rotina não é muito diferente da de outras executivas do mercado financeiro. Chega cedo e não sai para almoçar. Quando sai do trabalho, Cinthia começa a relaxar no momento em que pega seu Passat e vai em direção ao bairro da Urca, onde vive com a família [...]. Se analisarmos a fábula da Cinderela será possível perceber que ela está atravessada por diversos discursos machistas sobre o papel da mulher. A mulher é aquela figura da casa, do interno e do privado, responsável pelo trabalho doméstico, pelo bem estar da família e criação dos filhos, que estão sob a égide do homem provedor, externo e público. Em outras palavras, essa narrativa demonstra, por meio da interdiscursividade e as convenções argumentativas, que ainda que a mulher tenha uma vida profissional externa, há uma busca pelo homem que tornará sua vida completa e satisfatória. O ponto de inflexão interdiscursivo da análise fica representativo e explícito com machismo contido na matéria, quando são apresentadas as outras categorias de executivas pela autora. É ressaltado o papel daquelas mulheres que mergulham de cabeça na carreira, que adotam características extremamente masculinas para se sentirem aceitas no ambiente organizacional, ao passo que abdicam de uma vida pessoal e amorosa. A sugestão que se faz é que existem dois caminhos para as mulheres nas empresas, de um lado, aquele no qual a mulher ocupa seu espaço no ambiente organizacional, tutelada pela figura masculina do companheiro, desde que cumpra suas atividades de mulher. Ou seja, assume o papel da mulher completa feliz e realizada. E, do outro lado, existe a mulher que não aceita ser tutelada, mas, que para ser aceita precisa se despir de suas características femininas e passa adotar uma postura firme, masculina, de coronela com frustrações pessoais e mal amada. Tanto de um lado quanto do outro o discurso não deixa de ser machista. Neste contexto, pode-se depreender que esta Cinderela apresentada, é aquela que nunca chega ao final da história, pois, continua escrava do trabalho sem possibilidade de aproveitar o baile e o seu príncipe. Ou seja, depois de um dia de trabalho a Cinderela volta 10

11 para casa e continua atarefada com os serviços domésticos e o cuidado dos filhos, sem o glamour do baile, vestido e carruagem do conto de fadas. Somente um apontamento, que segundo Fairclough (2001), a interdiscursividade e a intertextualidade manifesta têm o fundamento de trazer determinados enunciados do passado para referendar discursos atuais e confirmar planos hegemônicos, o que se percebe nas matérias. Além disso, há esforços no sentido de criar uma linguagem sedutora que transforma os leitores em consumidores de realidade por meio de adequações contemporâneas, ou seja, o interdiscurso nessa e na outra matéria da Revista Exame atendem exatamente a essa premissa, pois recuperam discursos no passado reformulados que poderiam ser proferidos por leitores/consumidores. c) Palavrões: mulheres que buscam áreas majoritariamente composta por mulheres. Áreas de apoio como a jurídica costumam ser um reduto preferido pelas mulheres no setor financeiro. Outra, ainda mais concorrida, é a área de análise e pesquisa. [...] "Acho que as mulheres se adaptam melhor porque, ao contrário das áreas de corretagem e bolsa, aqui ninguém grita ou diz palavrões" [...]. d) Mergulhar de cabeça: mulheres que buscam superar os desafios da conciliação entre profissão e a família. A capacidade de conciliar a carreira com a vida particular é um desafio constante para as executivas financeiras. Muitas fazem uma opção clara e mergulham de cabeça na profissão. Outras, aparentemente em menor número, tentam ser mães e chefes ao mesmo tempo. Quando está no escritório, ela [Paola] administra as babás e empregadas por telefone. Paola tenta não levar trabalho para casa. "Ser mulher e ter família não é empecilho para a carreira de ninguém hoje em dia", diz Paola. Assim, ao passo que recupera outras vozes explicitamente no corpo do artigo, percebese que as vozes e o discurso empresarial se reforçam no gênero jornalístico, apontando-se para outro gênero e estilo discursivo, denominado como empresarial, além da presença da intertextualidade e interdiscurso. Como Fairclough (1991) menciona, há flexibilidade de surgimento de outras tipologias de gêneros e estilos discursivos o que nos permite dizer que o discurso empresarial possui características especificas. Percebe-se ainda pela argumentação que a autora privilegia perfis femininos que abdicam da vida pessoal em função da vida profissional, em detrimento àquelas que optam pela conciliação entre o trabalho e a família, sendo estas ultimas tratadas como sonhadoras. Outro fator é o tratamento de segmentação das mulheres que não se adéquam e não optam por adotar posturas masculinas de comando, vindo a migrar para áreas organizacionais específicas e menos agressivas. O efeito de sentido é aderente ao argumento apresentado pela autora, que consiste em retratar a presença das mulheres nas organizações como uma receita de bolo. Na realidade, o título demonstra que não são mulheres no comando, mas sim homens de saia e batom. Corrobora-se, nesse sentido, que o patriarcado hegemônico e suas ideologias são muito claros, mas, abre concessões que não descaracterizem suas bases nas práticas sociais de dominação masculina, ou seja, se uma mulher almeja ocupar espaços de poder, ela terá que apresentar uma postura masculina. Reflete-se que, pelos exemplos escolhidos, fica evidente a postura da autora de confirmar que o espaço das mulheres nas organizações é puramente simbólico e não representa de fato mudança nas estruturas das organizações e nas praticas sociais no seio da sociedade brasileira. A sessão seguinte apresentará as análises da reportagem Sai uma, senta outra na cadeira de CEO, publicada na mesma revista em 25 de maio de Desta forma, tornar-se- 11

12 á possível a comparação fundada na Análise Crítica de Discurso, com espaço temporal de 15 anos. A busca pela identificação contextual das diferenças e similaridades discursivas entre as reportagens nesse intervalo de tempo se justifica pela necessidade de analisar o momento de abertura dos espaços de poder para a presença rara da mulher. O que se questiona é se esses avanços são apenas simbólicos, leia-se, como concessões da racionalidade hegemônica para controlar insurreições femininas, ou se realmente configura como uma alteração das estruturas das práticas sociais no seio da sociedade brasileira Análise Sai uma, senta outra na cadeira de CEO Antes de adentrar na análise de fato e de seus meandros operacionais, vale destacar que o segundo artigo jornalístico é menos extenso e, por esse motivo, não estende exemplificando descritivamente cada argumento, como realizado no artigo da década de 90. Entretanto, esta reportagem não foi descartada porque promove os instrumentos necessários para a comparação discursiva. Percebe-se também que a autoria não permanece e que o primeiro não está relacionado ao segundo de forma intencional pela Revista Exame. Em momento algum há referência de um pelo outro em uma perspectiva temporal. Nesta reportagem a autora utiliza-se do humor e da perplexidade para questionar o porquê de as mulheres ainda não terem alcançado grandes avanços nas organizações e como a ocupação de determinados cargos ainda é motivo de espanto: A troca de uma mulher por outra no comando de grandes empresas no Brasil, como aconteceu na J&J e na General Motors, chama a atenção por ainda ser exceção. Nota-se ainda que a autora da segunda reportagem não se dedica a uma revisão extensa sobre exemplos práticos para corroborar seus argumentos discursivos. Pelo contrário, ela demonstra apenas dois acontecimentos para reforçar e promover efeitos de sentido no leitor. Inicialmente, ela discute esses exemplos para, posteriormente, demonstrar dados estatísticos amparados no discurso científico. Em relação à argumentação, ao que se percebe, esta reportagem é bastante similar à primeira (por exemplo, o gênero e estilo jornalísticos são predominantes no artigo, assim como o anterior). Todavia, ainda que com mesma estrutura, os efeitos de sentido são diferentes entre as reportagens. Pois, enquanto o primeiro texto quer demonstrar caminhos para mulher alcançar o poder, o segundo questiona por que ainda que se fale que houve mudanças, elas continuam sendo insignificantes do ponto de vista dos avanços no espaço temporal. Assim, se o primeiro texto orienta uma adequação e reformulação das estruturas organizacionais e sociais para inclusão da mulher em uma base patriarcal de sustentação, o segundo questiona determinados pontos que demonstram a necessidade de uma transformação nessas estruturas e não uma simples reformulação. Também ao contrário do artigo anterior, a autora não se ocupa de contextualizar a trajetória e as principais dificuldades enfrentadas por essas mulheres como uma trajetória árdua. Ela privilegia a formação dessas mulheres e como têm alcançado postos de comando nas organizações, ainda na juventude, como discutido abaixo: À frente de marcas como Band-Aid, Sundown e Neutrogena, Duda, como é mais conhecida, assumiu a responsabilidade por uma área vital para uma das maiores empresas de consumo do país e se tornou, aos 29 anos de idade, a mais jovem profissional na história do comitê executivo da J&J. Percebe-se que ao analisar a modalidade e a avaliação discursiva na matéria, a autora avalia e se compromete de forma implícita, demonstrando que as mulheres estão relegadas aos cargos de menor impacto e poder, o que justifica que ainda seja simbólica e exceção a presença das mulheres na divisão de poder nas organizações, corroborando assim a ideologia de dominação masculina e hegemonia patriarcal. Nesse escopo de atuação discursiva, autora 12

13 afirma que: As duas mudanças [mulheres no comando das organizações e mulheres substituindo mulheres nestes altos cargos] são simbólicas do avanço da presença das mulheres no ambiente de negócios do país. Embora ainda sejam minoria, elas avançam com consistência, sobretudo na base. Ao passo que descreve que ainda são tímidos os avanços desde as primeiras ocupações de mulheres nos espaços de poder, a autora demonstra por meio de estatísticas e pesquisas essa realidade: É o que mostra uma pesquisa exclusiva realizada pela consultora Betania Tanure, especializada em comportamento organizacional. [...] Hoje, 5% dos cargos de presidência de grandes empresas são ocupados por executivas. Uma década atrás, havia apenas uma mulher em 100 presidentes. Nos postos de média gerência, elas já são 41% do total de executivos antes 22% em Quando se trata de trainees, homens e mulheres têm participação praticamente igual. A autora ainda demonstra que mesmo sendo as oportunidades de inserção do mercado de trabalho praticamente as mesmas, as mulheres ainda não conseguem alcançar paritariamente os postos de comando nas organizações. Isso reforça o que foi discutido no texto anterior, em que a ideologia e a base hegemônica realizam concessões para promover equilíbrio e acomodar insurreições femininas nas organizações e na sociedade. 6. Contextualização e Identificação das Dimensões do Discurso da Imagem da Mulher na Revista Exame Os discursos presentes nas reportagens analisadas se convergem com o que tem sido revelado pelas pesquisas científicas. Na primeira delas, logo no título já é possível observar pelo tom irônico da redatora a relação conflituosa entre masculino e feminino nas organizações. Ao se referir às mulheres como banqueiros de batom e salto alto fica evidente este traço de atitude e comportamento masculino presente nas mulheres executivas, da qual Rago (2004), Betiol e Tonelli (1991) e Carvalho Neto, Tanure e Andrade (2010) fizeram menção. Conforme ressaltado pelos autores, é através dessa postura que as mulheres conseguem ascender hierarquicamente, porém, é também através desta postura que as relações de poder são mantidas no ambiente organizacional, perpetuando o preconceito e a discriminação nestes espaços. Em seguida é discutido um rompimento com o reduto machista. Algumas passagens subsequentes também procuram corroborar esta ideia de superação e rompimento de barreiras. Entretanto, o que se observa pela análise dos discursos apresentados é que não se trata de um rompimento, pois, alguns padrões machistas ainda permanecem inalterados. Até mesmo a autora fala no final do texto em tendência, o que sugere que este rompimento não chegou a acontecer de fato. Quando Jacqueline Breitinger se refere à ocupação exclusivamente masculina do mercado financeiro como Clube do Bolinha e afirma que estes reinavam no mercado financeiro até pouco tempo atrás, fica clara a posição de dominação deste grupo sobre o sexo feminino que é colocado na situação de subalternos deste reinado durante longos anos. A autora ainda utiliza da expressão senhores do universo para se referir ao gênero masculino, mais uma vez como uma forma de ironia ao controle e dominação dos cargos de comando por parte deste grupo. A declaração apresentada na reportagem, feita pelo escritor Tom Wolfe: "É um mundo de machos, muito ríspido para as mulheres" corrobora com o pressuposto de que o ambiente organizacional ainda continua sendo visto por muitos como inadequado para as mulheres. Neste sentido, se Carvalho Neto, Tanure e Andrade (2010) falam dos ambientes industriais, o texto de Jacqueline nos revela que no setor financeiro esta situação não é diferente. 13

14 Com a ocupação por parte de algumas mulheres dos postos de comando, esta situação é modificada, e estas executivas passam a ser aves raras dentro das organizações, o que sugere a visão da mulher enquanto um animal que, por sua situação minoritária, inspira cuidados e ações direcionadas. A própria autora reconhece essa situação enquanto sendo uma novidade, pois, até o momento as mulheres ocupavam apenas posições inferiores da hierarquia organizacional. Os depoimentos presentes no texto de Jacqueline evidenciam a perenidade do conflito vida privada x vida pública no cotidiano feminino. Nesta relação desarmônica, muitas optam exclusivamente pela vida profissional como forma de alcançar a tão almejada confiabilidade organizacional. A fala de uma das executivas mencionadas no texto deixa clara essa posição: Filhos? Nem pensar. Não se pode servir a dois senhores ao mesmo tempo. Estas mulheres optam, portanto, pela sua carreira e sucesso profissional, trabalhando de 10 a 12 horas por dia (inclusive finais de semana), abdicando de seus relacionamentos afetivos, muitas vezes das suas férias e até mesmo da maternidade, como falado anteriormente. Conforme observado por Carvalho Neto, Tanure e Andrade (2010), a maternidade, quando ocorre, vem de maneira tardia se comparado com as mulheres do século XX vindo a acontecer após os 30 anos de idade. Essas mulheres (presentes nas organizações em número reduzido) até tentam se encaixar em um modelo de conciliação, mas o que se percebe, fazendo uso das palavras de uma executiva, é que se trata de uma organização das prioridades e, a carreira de acordo com o discurso apresentado é certamente a primeira delas. Desta forma, emerge o modelo de delegação, e então passa-se a administrar as babás e empregadas por telefone. Observa-se também, através dos casos relatados na reportagem, que a entrada das mulheres no mercado de trabalho se deu sempre através dos chamados cargos caracteristicamente femininos ou dos cargos de baixo nível hierárquico organizacional: estagiárias, trainees e secretárias. A partir de então, inicia-se uma luta pela obtenção de espaço e confiança no ambiente de trabalho, de forma a superar obstáculos, como o teto de vidro, onde há transparência nos processos, mas a barreira invisível para o topo impede que as mulheres alcancem espaços de poder com as mesmas perspectivas masculinas. Esta superação pode ser apoiada por ações afirmativas que lhes garante certa prioridade nas contratações e promoções. As oportunidades, porém, não estão presentes em todos os lugares: geralmente estão disponíveis apenas nas empresas filiais. Ora, então o controle masculino não continua sendo centralizado nas matrizes e as mulheres submissas a este controle? Algumas admitiram na época que esta realidade estaria se modificando e que o cargo estivesse passando a ser valorizado em detrimento da pessoa que o ocupa (até mesmo para fins salariais). A pesquisa realizada por Carvalho Neto, Tanure e Andrade (2010) mostrou que isso não aconteceu de fato, mas, o que será que os discursos da revista exame quinze anos depois irão dizer? Deste o início da reportagem, escrita por Marianna Aragão, já se começa a observar traços comuns aos do texto de Jacqueline Breitinger. A presença de mulheres nos postos de comando ainda continua sendo exceção e o fato de estas atingirem estas posições ainda jovens continuam causando estranhamento. O discurso de que os números continuam aumentando, embora as mulheres ainda sejam minoria permanece indicando, conforme dito por Hirata e Kergoat (2007), que nos espaços organizacionais a trajetória da mulher representa um fenômeno em que tudo muda, mas nada muda. 7. Considerações Finais 14

15 Embora as reportagens analisadas pertençam a espaços temporais distintos, percebe-se que a realidade via discurso jornalístico da mulher nas organizações não sofreu alterações significativas. A hegemonia da dominação masculina discutida por Bourdieu (1999) é bastante emblemática e explicita diante da análise minuciosa da ideologia contida nas matérias. Nota-se ainda que os processos de transformação ou mesmo de reformulação das relações e divisão dos espaços de poder nas organizações continuam assimétricas em relação à mulher e à imagem da mídia jornalística dela, que continua ofuscada por processos de acomodação. Além disso, a estratégia ideológica de dissimulação e de negação da ausência da mulher nos espaços de poder nas organizações como, por exemplo, os eufemismos de raridade e triunfalismos da mulher, não configuram como uma divisão de fato dos espaços de poder. Pois, entende-se que uma mulher que adota posturas masculinas não está sendo aceita pelos bastiões do falocentrismo organizacional. Pelo contrário, compreende-se que essa mulher está sendo hierarquizada e relegada aos espaços de poder desprestigiados. Ou seja, o aceite dessa realidade é a denominação da corroboração da dominação patriarcal. Enquanto pesquisadores, acreditamos que a alternativa para interferência nessa realidade, com finalidade de estimular transformações nas práticas discursivas, a partir do conceito de Mudança Social (FAIRCLOUGH, 2003), se perfaz pelo ato de denunciar essa realidade perversa e suas estratégias de manutenção. Ainda que as concessões sejam importantes, acredita-se que ainda não ultrapassaram metas puramente simbólicas. As implicações desse trabalho estão orientadas para a realidade organizacional, para o ambiente acadêmico e para sociedade, pois acredita-se que a transformação de qualquer realidade se faz dialeticamente por meio da interação de diversas dimensões do fenômeno social abordado. Nesse sentido, lutas contra-hegemônicas discursivamente orientadas em duplas partidas com foco na ação humana (prática discursiva) e na estrutura (práticas sociais) são urgentes para mudança social das posições e relações hierárquicas organizacionais, nas quais as mulheres estão suprimidas em função de atender uma agenda de ideologias patriarcais amparadas em um enquadre hegemônico de dominação masculina nas organizações. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAGÃO, M. Sai uma, senta outra na cadeira de CEO. Revista Exame, Disponível em: <http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/0992/noticias/sai-uma-entra-outra>. Acesso em: 07 de julho de BETIOL, M. I. S.; TONELLI, M.J. A Mulher Executiva e suas Relações de Trabalho. Revista de Administração de Empresas, v. 31, n. 4, out.-dez BOURDIEU, P.; KÜHNER, M. H. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, BREITINGER, J. Banqueiros de batom e salto alto. Revista Exame, Disponível em: <http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/0601/noticias/banqueiros-de-batom-e-saltoalto-m >. Acesso em: 07 de julho de CARRIERI, A. de P. Análise do discurso em estudos organizacionais. Curitiba: Juruá, CARVALHO NETO, A. M. de.; TANURE, B.; ANDRADE, J. Executivas: carreira, maternidade, amores e preconceitos. Revista de Administração de Empresas, v. 9, n. 1, jan.-jun

16 CLEGG, S. R.; COURPASSON, D. The end of history and the futures of power. 21st Century Society, v. 2, n. 2, p , jun FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. Londres: Routledge, Discurso e mudança social. MAGALHÃES, I. (Coordenação, tradução, revisão e prefácio). Brasília: Universidade de Brasília, GRISCI, C. L. I. Trabalho imaterial, controle rizomático e subjetividade no novo paradigma tecnológico. Revista de Administração de Empresas, v.7, n. 1, jan.-jun HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v.37, n.132, p , set.-dez Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mulher no mercado de trabalho: perguntas e respostas. IBGE, Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/mulher _Mercado_Trabalho_Perg_Resp_2012.pdf>. Acesso em: 04 de julho de PERROT, M. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, p. RAGO, M. Ser mulher no século XXI. In: VENTURINI, G.; RECAMAN, M.; OLIVEIRA, S. (Orgs). A mulher brasileira nos espaços públicos e privados. São Paulo: Fundação Perseu Abiamo, RESENDE, V. de M.; RAMALHO, V. Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto, ROSA, A.R.; BRITO, M.J. Ensaio sobre violência simbólica nas organizações. Organizações & Sociedade, v.16, n.51, p , out.-dez

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO Conceição Garcia Martins 1 Nanci Stancki da Luz 2 Marília Gomes de Carvalho 3 1 Introdução Na tradicional divisão sexual do trabalho, às mulheres sempre coube a

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

MERCADO DE AÇÕES MULHERES

MERCADO DE AÇÕES MULHERES MULHERES NA BOLSA 32 REVISTA RI Março 2011 Está ficando para trás o tempo em que a Bolsa de Valores era um reduto identificado com o gênero masculino. Hoje esse espaço também já é ocupado pelas mulheres

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

CULTURA, VALORES E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER RESUMO

CULTURA, VALORES E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER RESUMO CULTURA, VALORES E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER Wilma Pimentel de Moraes Carvalho¹; Ângela Maria Ribeiro da Silva²; Carla Utin Toledo²; Ireni Aparecida de Oliveira Pimentel Siqueira². Veralúcia Pinheiro³;

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal CONCLUSÃO Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal afirmarmos que todos os objetivos da pesquisa foram atingidos. Mesmo porque o campo mostrou-se muito mais amplo e

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

5. A pesquisa. 5.1. Sujeitos

5. A pesquisa. 5.1. Sujeitos 65 5. A pesquisa As dificuldades envolvidas na conciliação da maternidade com a vida profissional têm levado muitas mulheres a abandonar até mesmo carreiras bem-sucedidas, frutos de anos de dedicação e

Leia mais

Assunto Investimentos femininos

Assunto Investimentos femininos Assunto Investimentos femininos SOPHIA MIND A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO: DESIGUALDADES SALARIAIS ENTRE GÊNEROS NA ATUALIDADE.

MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO: DESIGUALDADES SALARIAIS ENTRE GÊNEROS NA ATUALIDADE. Anais do IV Seminário Eniac 2012 IV Encontro Da Engenharia Do Conhecimento Eniac IV Encontro De Iniciação Científica Eniac PROJETO DE PESQUISA MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO: DESIGUALDADES SALARIAIS ENTRE

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO No início do século

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 1. Tema As relações interpessoais na atualidade. 2. Delimitação do tema As relações humanas e a socialização. 3. Problema Qual a importância das relações interpessoais

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução O SER MULHER, MÃE E TRABALHADORA: a maternidade sob a ótica da mulher atual Márcia Marrocos Aristides Barbiero Orientadora: Katia Fernanda Alves Moreira RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo estudar

Leia mais

difusão de idéias UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO

difusão de idéias UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO Maria Rosa Lombardi: Em geral, essa discriminação não é explícita, o que torna mais difícil

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS.

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. Silva, Ligia M. da (1) ; Marchi, Maria Eugenia V. (1) ; Granja, Rafael C. (1) ; Waisman, J. (2) Escola Politécnica da USP, Av. Prof. Almeida Prado Travessa

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum Prefeitura Municipal de Joinville 152.andreia@gmail.com Introdução e Fundamentação Teórica Nos últimos anos, as Salas de Recursos Multifuncionais

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima

Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima Helen Peters e Rob Kabacoff A Hewlett Packard tem uma mulher por presidente; a ex-primeira dama norte-americana [Hillary Clinton] é, hoje,

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente INTRODUÇÃO Basta ficar atento ao noticiário para ver que o assunto mais citado nos últimos tempos varia entre os temas de estresse, equilíbrio e falta de tempo. A Qualidade de Vida está em moda no mundo

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas)

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO ANGELA MARIA RUIZ (MBA em marketing e gestão de pessoas) MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) NILDA APARECIDA NUNES DOS REIS (MBA em marketing e gestão

Leia mais

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento.

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. AUTORES ALVES, Felipe Alberto Martins¹; ANDRADE, Beatriz Rodrigues². ¹Universidade Federal do Ceará.

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Homofobia Como Fator De Exclusão Escolar 1

Homofobia Como Fator De Exclusão Escolar 1 Homofobia Como Fator De Exclusão Escolar 1 Joaquim Clemente da Silva NETO 2 Aline Paiva dos SANTOS 3 Eliana da Silva LOPES 4 Marta Bezerra PEREIRA 5 Clivia Andriely Cardoso Silva 6 Antonio Carlos SARDINHA

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação.

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação. 5 INTRODUÇÃO O terceiro setor é composto por uma grande diversidade de organizações do setor privado que realizam atividades para o público em geral, isto é, para a sociedade. Estas organizações não têm

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA SUMÁRIO 1 ÉTICA...03 2 APRESENTAÇÃO...04 3 APLICAÇÃO...05 4 FINALIDADES...06 5 DEFINIÇÕES...07 6 CULTURA ORGANIZACIONAL...08 6.1 MISSÃO...08 6.2 VISÃO...08 6.3 VALORES...08 6.4

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio Patrocínio Institucional Parcerias Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail. Título: Desafios da Orientação Profissional Um caso prático no SPA da UERJ Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.com

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Desafios da guarda compartilhada: (des)construções sobre a paternidade e a parentalidade no Brasil Carolina de Campos Borges 1

Desafios da guarda compartilhada: (des)construções sobre a paternidade e a parentalidade no Brasil Carolina de Campos Borges 1 1 Desafios da guarda compartilhada: (des)construções sobre a paternidade e a parentalidade no Brasil Carolina de Campos Borges 1 Este trabalho discute um dos desafio que se impõe à aplicação da guarda

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais