DESPORTO ESCOLAR ATLETISMO CURSO DE JUIZES DE ESCOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESPORTO ESCOLAR ATLETISMO CURSO DE JUIZES DE ESCOLA"

Transcrição

1 DESPORTO ESCOLAR ATLETISMO CURSO DE JUIZES DE ESCOLA

2 DESPORTO ESCOLAR CURSO DE JUIZES DE ESCOLA ATLETISMO O ATLETISMO É COMPOSTO POR PROVAS DE PISTA, ESTRADA E CORTA- MATO AS PROVAS DE PISTA ESTÃO DIVIDIDAS EM: CORRIDAS, CONCURSOS E PROVAS COMBINADAS AS CORRIDAS PODEM SER DE: VELOCIDADE E BARREIRAS CADA ATLETA É OBRIGADO A SAIR DE BLOCOS DE PARTIDA E A MANTER-SE ATÉ FINAL NO CORREDOR QUE LHE FOI SORTEADO EM LINHA, COM E SEM OBSTÁCULOS - OS ATLETAS APÓS A ORDEM DE PARTIDA PODEM TOMAR A CORDA DE ESTAFETAS A DISTÂNCIA TOTAL É PERCORRIDA POR QUATRO ATLETAS DUMA MESMA EQUIPA OS CONCURSOS PODEM SER: SALTOS EM COMPRIMENTO, EM ALTURA, TRIPLO-SALTO E COM VARA LANÇAMENTOS DE PESO, DE DARDO, DE DISCO E DE MARTELO PROVAS COMBINADAS JUNÇÃO DE CORRIDAS COM CONCURSOS NUMA MESMA PROVA A PISTA OFICIAL DE ATLETISMO - TEM 8 CORREDORES COM 1,22 METROS DE LARGURA, CADA - A PISTA N.º 1 TEM 400 METROS MEDIDOS A 30 CM. DA CALHA, DENOMINANDO-SE DE CORDA - A LINHA DE PARTIDA FAZ PARTE DAS CORRIDAS E A LINHA DE CHEGADA NÃO FAZ PARTE DAS CORRIDAS (NOÇÃO DAS IMPLICAÇÕES) - ZONAS OU LOCAIS DE CONCURSOS 2

3 FUNÇÕES DOS JUIZES OS JUIZES CUMPREM VÁRIAS FUNÇÕES, TAIS COMO: - JULGAR CADA ENSAIO FEITO; MEDIR E REGISTAR OS ENSAIOS VÁLIDOS - DAR ORDEM DE PARTIDA NAS CORRIDAS - FISCALIZAR A CORRIDA - CRONOMETRAR TODOS OS ATLETAS - REGISTAR A CLASSIFICAÇÃO E O RESULTADO DE TODOS OS ATLETAS NOS BOLETINS DE PROVA - FAZER CUMPRIR O REGULAMENTO TÉCNICO DE CADA DISCIPLINA - CRIAR AS CONDIÇÕES ÓPTIMAS PARA QUE OS ATLETAS POSSAM COMPETIR ESCALÕES ETÁRIOS INFANTIL INICIADO JUVENIL JÚNIOR IDENTIFICAÇÃO DOS ATLETAS PEITORAIS E DORSAIS REGULAMENTO TÉCNICO CORRIDAS DE VELOCIDADE SEM E COM BARREIRAS MATERIAL NECESSÁRIO NECESSÁRIO JUIZES DE PARTIDA E JUIZES CRONOMETRISTAS: COMO É FEITA A COMUNICAÇÃO ENTRE ESTES JUIZES, QUANDO A PARTIDA É DADA COM APITO OU COM PISTOLA 3

4 QUANDO SÃO ACCIONADOS OS CRONÓMETROS: AO SOM DO APITO, COINCIDENTE COM O BAIXAR RÁPIDO DO BRAÇO SINALIZADOR AO VISUALIZAR O FUMO QUE SAI DA PISTOLA FUNCIONAMENTO DO CRONÓMETRO: ACCIONAR (APÓS TIRAR A FOLGA) PARAR, VOLTAR A ZERO, TIRAR DOIS OU MAIS TEMPOS E COMO LER OS TEMPOS TIRADOS ONDE ESTÃO E COMO DEVEM ESTAR OS JUIZES CRONOMETRISTAS: DEVEM COLOCAR-SE NO ENFIAMENTO DA LINHA DE CHEGADA, AFASTADOS DA PISTA CERCA DE 5 METROS E EM ESCADA OU UNS ATRÁS DOS OUTROS QUANDO SÃO PARADOS OS CRONÓMETROS: NO MOMENTO EM QUE A LINHA DOS OMBROS ALCANÇA O PLANO DA LINHA DE META COMO SÃO LIDOS OS TEMPOS MANUAIS: OS TEMPOS SÃO LIDOS EM DÉCIMOS DE SEGUNDO, ARREDONDANDO- SE POR EXCESSO (POR EX. DE 9,41 A 9,49 DEVE LER-SE 9,5) VOZES DO JUIZ DE PARTIDA. SE A CORRIDA TIVER BLOCOS DE PARTIDA OU NÃO: AOS SEUS LUGARES, PRONTOS E APITO (OU TIRO), NO PRIMEIRO CASO AOS SEUS LUGARES E APITO (OU TIRO), NO SEGUNDO CASO O QUE É FALSA PARTIDA: QUANDO UM ATLETA SE MEXE APÓS A VOZ DE PRONTOS, OU SE PARTE ANTES DO SINAL DE PARTIDA 4

5 FORMAS DE DESCLASSIFICAÇÃO: À PRIMEIRA FALSA PARTIDA DA CORRIDA E SEGUINTES SAIR DO SEU CORREDOR, ATRAPALHANDO O OUTRO ATLETA CADA ATLETA DEVERÁ TER UM NÚMERO BEM VISÍVEL, COLOCADO NAS COSTAS (DORSAL) NA CORRIDA COM BARREIRAS, ACRESCENTA-SE: NÃO TRANSPOR A BARREIRA NÃO TRANSPOR A SUA BARREIRA PASSAR PELO NÍVEL INFERIOR DA BARREIRA DERRUBAR INTENCIONALMENTE A BARREIRA IDENTIFICAÇÃO DOS ATLETAS CADA ATLETA DEVERÁ TER UM NÚMERO BEM VISÍVEL, COLOCADO NA PARTE DE TRÁS DO CORPO ( DORSAL ) REGRAS DE SEGURANÇA CORRIDAS DE ESTAFETAS TUDO IDÊNTICO À CORRIDA DE VELOCIDADE PARA O PRIMEIRO ESTAFETA DESCLASSIFICAÇÃO DE UMA EQUIPA: SE ALGUM ATLETA DUMA EQUIPA SAIR DO SEU CORREDOR, TIRANDO VANTAGEM DESSA ACÇÃO, OU PREJUDICANDO OUTRO(S) ATLETA(S) O TESTEMUNHO NÃO SER TRANSMITIDO DENTRO DA ZONA DE TRANSMISSÃO (20 METROS) TOMAR BALANÇO PARA LÁ DA ZONA DESTINADA PARA O EFEITO (10 METROS ATRÁS DA DE TRANSMISSÃO) NÃO CHEGAR COM O TESTEMUNHO À META 5

6 PARTICULARIDADES: A PISTA TEM MARCADA UMA ZONA DE BALANÇO (10 METROS) QUE PODE OU NÃO SER UTILIZADA POR QUALQUER ATLETA, QUE ANTECEDE A ZONA DE TRANSMISSÃO (20 METROS, SENDO 10 M PARA A FRENTE E 10 M PARA TRÁS DA LINHA QUE PERFAZ A DISTÂNCIA) ONDE É OBRIGATÓRIA A PASSAGEM DE MÃO PARA MÃO DO TESTEMUNHO QUANDO O TESTEMUNHO CAIR, É O ATLETA QUE O TRANSPORTAVA QUE DEVERÁ APANHÁ-LO, CONTINUANDO A CORRER OU TRANSMITINDO-O SE FOR CASO DISSO CORRIDA DE MEIO FUNDO MATERIAL NECESSÁRIO NECESSÁRIO JUIZ DE PARTIDA E JUIZES CRONOMETRISTAS COMO É FEITA A COMUNICAÇÃO ENTRE ESTES JUIZES, QUANDO A PARTIDA É DADA COM APITO OU COM PISTOLA QUANDO SÃO ACCIONADOS OS CRONÓMETROS: AO SOM DO APITO, COINCIDENTE COM O BAIXAR RÁPIDO DO BRAÇO SINALIZADOR AO VISUALIZAR O FUMO QUE SAI DA PISTOLA VOZES DO JUIZ DE PARTIDA: AOS SEUS LUGARES E SINAL DE PARTIDA (APITO OU TIRO) FALSA PARTIDA QUANDO UM ATLETA PARTE ANTES DO SINAL DE PARTIDA 6

7 IDENTIFICAÇÃO DO ATLETA: CADA ATLETA DEVERÁ TER UM NÚMERO BEM VISÍVEL, COLOCADO NA FRENTE DO CORPO ( PEITORAL ) CONTADOR DE VOLTAS: TODOS OS ATLETAS DEVERÃO SER INFORMADOS, A CADA PASSAGEM NA META, DE QUANTAS VOLTAS LHES FALTAM PARA TERMINAREM A CORRIDA LANÇAMENTO DO PESO MATERIAL NECESSÁRIO PARA O CONCURSO JUIZES NECESSÁRIOS: PELO MENOS JUIZ-CHEFE (QUE AVALIA A VALIDADE DO LANÇAMENTO, LÊ E REGISTA O RESULTADO) E O JUIZ AUXILIAR (QUE IDENTIFICA O SÍTIO EXACTO ONDE CAIU O ENGENHO E COLOCA O ZERO DA FITA- MÉTRICA NO PONTO MAIS PRÓXIMO DO CÍRCULO DE LANÇAMENTO, DA MARCA DEIXADA PELO PESO) VOZES DO JUIZ-CHEFE (NA AUSÊNCIA DE MARCADOR): PARA CADA LANÇAMENTO DEVERÁ, DE FORMA PERCEPTÍVEL, INDICAR QUEM LANÇA DE SEGUIDA E QUEM DEVERÁ PREPARAR PARA LANÇAR DEPOIS (LANÇA N.º..., PREPARA N.º...) QUANTOS LANÇAMENTOS TÊM DIREITO, CADA ATLETA, NUMA PROVA: TODOS TÊM DIREITO A 3 ENSAIOS, SENDO QUE OS 8 MELHORES (APÓS O 3º ENSAIO) TÊM DIREITO A MAIS 3 LANÇAMENTOS. ORDEM DE LANÇAMENTOS MUDA, SENDO QUE O MELHOR ATÉ ESTA FASE SERÁ O ÚLTIMO A LANÇAR HÁ PROVAS COM REGRAS ESPECIAIS (NO NÚMERO DE LANÇAMENTOS) 7

8 COMO É FEITA A MEDIÇÃO DO LANÇAMENTO: O ZERO DA FITA É COLOCADO NA MARCA DEIXADA PELO PESO (NO PONTO MAIS PRÓXIMO DO CÍRCULO DE LANÇAMENTO), E A LEITURA É FEITA NO BORDO EXTERIOR DO CÍRCULO DE LANÇAMENTO OU NO BORDO INTERIOR DA ANTEPARA (CASO HAJA) O QUE É NECESSÁRIO PARA QUE UM LANÇAMENTO SEJA VÁLIDO: O PESO TEM QUE SER LANÇADO COM UMA SÓ MÃO O PESO TEM QUE SER EMPURRADO A PARTIR DO PESCOÇO (NÃO PODE SER ATIRADO) O PESO TEM QUE CAIR DENTRO DO SECTOR DE QUEDA, NÃO TOCANDO AS LINHAS O ATLETA NÃO PODE PISAR OU SAIR PELA FRENTE (METADE) DO CÍRCULO DE LANÇAMENTO NÃO EXCEDER O TEMPO LIMITE REGULAMENTAR QUEM É O VENCEDOR DO CONCURSO: GANHA, O ATLETA QUE TIVER O LANÇAMENTO MAIS LONGO. EM CASO DE EMPATE, VAI VER-SE O SEGUNDO MELHOR LANÇAMENTO E ASSIM SUCESSIVAMENTE PESO DOS ENGENHOS POR ESCALÃO ETÁRIO E SEXO INFANTIL INICIADO JUVENIL JUNIOR SENIOR FEMININO 2 Kg 3 Kg 3 Kg 4 Kg 4 Kg MASCULINO 3 Kg 4 Kg 5 Kg 6 Kg 7,257Kg PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE COMPETIÇÃO: MOSTRAR, DESENHANDO NO QUADRO, UM BOLETIM SIMPLIFICADO. REGRAS DE SEGURANÇA 8

9 SALTO EM COMPRIMENTO MATERIAL NECESSÁRIO PARA O CONCURSO JUIZES NECESSÁRIOS: NECESSÁRIO PELO MENOS O JUIZ-CHEFE (QUE AVALIA A VALIDADE DO SALTO, LÊ E REGISTA O RESULTADO) E O JUIZ AUXILIAR (QUE IDENTIFICA O LOCAL EXACTO ONDE O ATLETA DEIXOU MARCA MAIS ATRÁS, COM QUALQUER PARTE DO CORPO E COLOCOU AÍ O ZERO DA FITA) A AREIA DA CAIXA DE SALTOS DEVERÁ ESTAR BEM LISA (SEM MARCAS DO SALTO ANTERIOR) PARA FACILITAR A MEDIÇÃO DO SALTO VOZES DO JUIZ-CHEFE (NA AUSÊNCIA DE MARCADOR): PARA CADA SALTO DEVERÁ, DE FORMA PERCEPTÍVEL, INDICAR QUEM SALTA DE SEGUIDA E QUEM DEVERÁ PREPARAR PARA SALTAR LOGO DEPOIS (SALTA N.º..., PREPARA N.º...) A QUANTOS SALTOS TEM DIREITO CADA ATLETA NUMA PROVA: TODOS OS ATLETAS TÊM DIREITO A 3 ENSAIOS, SENDO QUE OS 8 MELHORES (APÓS O 3º ENSAIO) TÊM DIREITO A MAIS 3 ENSAIOS. ORDEM DE SALTOS MUDA, SENDO QUE O MELHOR ATÉ ESTA FASE SERÁ O ÚLTIMO A SALTAR HÁ PROVAS COM REGRAS ESPECIAIS (NO NÚMERO DE SALTOS) COMO É FEITA A MEDIÇÃO DO SALTO: O ZERO DA FITA É COLOCADO NA MARCA DEIXADA PELO ATLETA, NO PONTO MAIS PRÓXIMO DA TÁBUA DE CHAMADA. A FITA MÉTRICA É ESTICADA E A LEITURA É FEITA NO FINAL DA TÁBUA DE CHAMADA O QUE É NECESSÁRIO PARA UM SALTO SER VÁLIDO: O ATLETA TEM QUE FAZER A IMPULSÃO APENAS COM UM PÉ 9

10 O ATLETA NÃO PODE FAZER UM MORTAL (CAMBALHOTA NO AR), PARA REALIZAR O SALTO O ATLETA SÓ PODE FAZER A CHAMADA PARA O SALTO ATÉ AO LIMITE DA TÁBUA DE CHAMADA FAZER A CHAMADA DENTRO DAS MARGENS LATERAIS DA TÁBUA DE CHAMADA O ATLETA TEM QUE SAIR DA CAIXA DE AREIA PARA A FRENTE DO LOCAL ODE CAIU NÃO EXCEDER O TEMPO LIMITE REGULAMENTAR QUEM É O VENCEDOR DO CONCURSO: GANHA, O ATLETA QUE TIVER O SALTO MAIS LONGO. EM CASO DE EMPATE VAI VER-SE O SEGUNDO MELHOR SALTO, E ASSIM SUCESSIVAMENTE PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE COMPETIÇÃO: MOSTRAR, DESENHANDO NO QUADRO, UM BOLETIM SIMPLIFICADO. REGRAS DE SEGURANÇA SALTO EM ALTURA MATERIAL NECESSÁRIO PARA O CONCURSO JUIZES NECESSÁRIOS: NECESSÁRIO, PELO MENOS, UM JUIZ-CHEFE (QUE AVALIA A VALIDADE DO SALTO, MEDE AS ALTURAS E REGISTA SE O ATLETA DERRUBA OU PASSA A FASQUIA) E UM JUIZ AUXILIAR COMO É MEDIDA UMA DETERMINADA ALTURA : PROCURA-SE QUE A FASQUIA ESTEJA EM AMBOS OS APOIOS À MESMA ALTURA, A RÉGUA É COLOCADA NO MEIO DA FASQUIA, VERIFICANDO- 10

11 SE (LENDO) POR CIMA DESTA SE ESTÁ CONFORME O REGISTADO NO BOLETIM DE COMPETIÇÃO COMO COLOCAR A FASQUIA NOS APOIOS: ANTES DE CADA SALTO O JUIZ-CHEFE DEVERÁ VERIFICAR SE A FASQUIA ESTÁ CORRECTAMENTE COLOCADA NOS APOIOS: BEM APOIADA, SEM TREMER E COM ESPAÇO DE UM CENTÍMETRO AFASTADA DE CADA POSTE A QUANTOS SALTOS TEM DIREITO CADA ATLETA NUMA PROVA: TODOS OS ATLETAS TÊM DIREITO A 3 TENTATIVAS A UMA MESMA ALTURA O QUE É O ACTO DE PRESCINDIR : TODOS OS ATLETAS PODEM PRESCINDIR (NÃO TENTAR SALTAR) DETERMINADA ALTURA, FICANDO COM DIREITO ÀS 3 TENTATIVAS DA ALTURA SEGUINTE; OU PRESCINDIR DA 2ª OU 3ª TENTATIVA APÓS DERRUBE, FICANDO COM 2 OU 1 TENTATIVA RESPECTIVAMENTE, PARA TENTAR PASSAR A ALTURA SEGUINTE O QUE É NECESSÁRIO PARA UM SALTO SER VÁLIDO: O ATLETA TEM QUE FAZER A IMPULSÃO APENAS COM UM PÉ A FASQUIA TEM QUE FICAR NOS APOIOS ATÉ QUE O JUIZ-CHEFE VALIDE O SALTO O ATLETA NÃO PODE PASSAR COM QUALQUER PARTE DO CORPO PARA LÁ DO PLANO DOS POSTES, A NÃO SER TENTANDO PASSAR POR CIMA DA FASQUIA NÃO EXCEDER O TEMPO LIMITE REGULAMENTAR QUEM É O VENCEDOR DO CONCURSO: O ATLETA QUE SALTAR MAIS ALTO. EM CASO DE EMPATE, AQUELE QUE TIVER MENOS DERRUBES NA ÚLTIMA ALTURA TRANSPOSTA. SE SE 11

12 MANTIVER O EMPATE, SOMAM-SE TODOS OS DERRUBES DO CONCURSO E GANHA AQUELE QUE TIVER MENOS SO HÁ LUGAR À FORMA DE DESEMPATE PARA APURAR O 1º LUGAR PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE COMPETIÇÃO: MOSTRAR, DESENHANDO NO QUADRO, UM BOLETIM SIMPLIFICADO. REGRAS DE SEGURANÇA PROVAS COMBINADAS O QUE SÃO PROVAS COMBINADAS: SÃO COMPETIÇÕES ONDE CADA ATLETA TEM, OBRIGATORIAMENTE, DE TOMAR PARTE EM TODAS AS PROVAS PREVIAMENTE ESTABELECIDAS (EX. TRIATLO CORRIDA DE VELOCIDADE, MAIS SALTO EM COMPRIMENTO, MAIS LANÇAMENTO DO PESO) QUAIS SÃO OS REGULAMENTOS QUE REGEM CADA PROVA: OS REGULAMENTOS SÃO IGUAIS AOS DAS PROVAS INDIVIDUAIS, COM DUAS EXCEPÇÕES: - APENAS 3 ENSAIOS (PARA TODOS) NOS LANÇAMENTOS E NO SALTO EM COMPRIMENTO - TODO O GRUPO DE ATLETAS TEM DIREITO A FAZER UMA FALSA PARTIDA NAS CORRIDAS - O SALTO EM ALTURA NÃO NECESSITA DE DESEMPATE COMO É ENCONTRADA A CLASSIFICAÇÃO FINAL (AS TABELAS): A CLASSIFICAÇÃO É OBTIDA ATRAVÉS DO TOTAL DE PONTOS ALCANÇADO EM TODA A COMPETIÇÃO, SENDO VENCEDOR O ATLETA QUE SOMAR MAIS PONTOS. CADA RESULTADO É COTADO POR UMA TABELA 12

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA A. Homologação de Recordes de Portugal 1. GENERALIDADES Para que uma marca possa ser

Leia mais

6.1. História da Modalidade

6.1. História da Modalidade 6.1. História da Modalidade VI. Unidade Didáctica de Atletismo O Atletismo é a modalidade desportiva mais antiga que se conhece. A história do Atletismo, e o seu aparecimento, confunde-se com o da própria

Leia mais

Regras e Regulamentos IPC-Atletismo 2014-2015. 16-11-2014 Federação Portuguesa de Atletismo 1

Regras e Regulamentos IPC-Atletismo 2014-2015. 16-11-2014 Federação Portuguesa de Atletismo 1 Regras e Regulamentos IPC-Atletismo 2014-2015 Federação Portuguesa de Atletismo 1 Atletismo para pessoas com Deficiência Federação Portuguesa de Atletismo 2 Jogos Paralímpicos A modalidade está no programa

Leia mais

Projeto Mini Craque. Juventude Vidigalense

Projeto Mini Craque. Juventude Vidigalense Projeto Mini Craque Telefone: 244 833 799 Telemóveis: 912 727 166 ou 961 701 645 E-mail: geral@juventudevidigalense.org Prof. Nataniel Lopes: 913 091 989 E-mail: nataniel-lopes@juventudevidigalense.org

Leia mais

A. Disposições Gerais

A. Disposições Gerais FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ATLETISMO Direcção Técnica Nacional Sector juvenil Versão de 29 de Maio de 2008 REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES NORMAS RELACIONADAS COM OS ESCALÕES DO ATLETISMO JUVENIL A. Disposições

Leia mais

2014-2015. DSRLVT Coordenação Local do Desporto Escolar de Lisboa Cidade. Regulamento de Perícias e Corridas de Patins

2014-2015. DSRLVT Coordenação Local do Desporto Escolar de Lisboa Cidade. Regulamento de Perícias e Corridas de Patins 2014-2015 DSRLVT Coordenação Local do Desporto Escolar de Lisboa Cidade Regulamento de Perícias e Corridas de Patins 1 INTRODUÇÃO Pretende-se que os eventos sejam momentos especiais de convívio entre alunos

Leia mais

MÓDULO 8. Desportos Individuais- ATLETISMO

MÓDULO 8. Desportos Individuais- ATLETISMO 1. Origem, evolução e tendências de desenvolvimento da modalidade 1.1. Contextos organizacionais e formas de prática 1.2. Aspetos demográficos e geográficos da prática 1.3. Tendências de desenvolvimento

Leia mais

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%)

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%) Teste Escrito 1 Educação Física 3º CEB 1.º Período 2011/2012 Nome: Turma : N.º O Professor Encarregado de Educação Avaliação Lê atentamente as afirmações e as opções de resposta. De seguida, assinala na

Leia mais

Associação de Atletismo de Braga

Associação de Atletismo de Braga Hora Inicio Associação de Atletismo de Prova sábado, 5 de Junho de 2010 15:30 400 Metros Marcha SEN F Serie 15:30 400 Metros Marcha SEN M Serie 15:30 Salto em Altura JUV a SEN F Final + (1,00-1,05-1,10

Leia mais

Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO. Fase escolar

Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO. Fase escolar Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO Fase escolar Introdução O Programa de Formação Esportiva Escolar tem como premissas a democratização do acesso ao esporte, o incentivo da

Leia mais

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO Corridas Especialidades Velocidade Meio-Fundo Fundo Barreiras Estafetas Provas 60m, 100m, 200m, 400m 800m, 1500m,

Leia mais

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05.

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05. Índice: A Proposta da IAAF 03 Campeonato para 3-5 anos de idade 03 Formato da Competição 04 Organização da Competição 05 Resultados 06 Arbitragem necessária para o Evento 07 Preparação do Equipamento Necessário

Leia mais

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO LANÇAMENTO DO PESO REGRAS DO LANÇAMENTO DO PESO Local da Competição A prova do lançamento do peso disputa-se num local específico da pista de atletismo, que deverá ter um círculo de lançamentos com 2,135

Leia mais

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PESO 220 DISCIPLINA: PESO DOMÍNIO DAS TÉCNICAS (LANÇADORES DESTROS) FASE III APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Adquirir noções gerais do lançamento do peso, através de

Leia mais

Enquadramento... 1. Objetivos... 1. Alunos... 1. Professores estagiários... 1. Recursos... 1. Humanos... 1. Temporais... 2. Espaciais...

Enquadramento... 1. Objetivos... 1. Alunos... 1. Professores estagiários... 1. Recursos... 1. Humanos... 1. Temporais... 2. Espaciais... i Índice Enquadramento... 1 Objetivos... 1 Alunos... 1 Professores estagiários... 1 Recursos... 1 Humanos... 1 Temporais... 2 Espaciais... 2 Materiais... 2 Procedimentos de planeamento e organização...

Leia mais

FEDERAÇÃO EQUESTRE PORTUGUESA REGULAMENTO NACIONAL DE TREC PERCURSO EM TERRENO VARIADO - PTV. Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS

FEDERAÇÃO EQUESTRE PORTUGUESA REGULAMENTO NACIONAL DE TREC PERCURSO EM TERRENO VARIADO - PTV. Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS 3 a 5 ramos baixos não fixos de 3 a 5 cm de diametro distância entre os ramos: 1.00 metro largura 1.80 a 2.00 metros altura acima do garrote iniciação e juvenis: 30

Leia mais

XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016

XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016 XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016 REGULAMENTO DE ATLETISMO 1º - As provas de Atletismo serão realizadas no Estádio do Caldas de São Jorge Sport Clube, nos dias 9 e 10 de Julho

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SETÚBAL

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SETÚBAL ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SETÚBAL ------------------------------- REGULAMENTOS APROVADOS PARA A ÉPOCA 2011/2012 -------------------------------- CONVÍVIO BENJAMINS A TROFÉU REGIONAL DE BENJAMINS B CAMPEONATO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES

REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES Aprovado na Assembleia Geral de 21 e 22 de Setembro de 2013 A. Disposições Gerais... 3 Artigo 1º - INSCRIÇÕES... 3 Artigo 2º - PARTICIPAÇÃO NAS COMPETIÇÕES... 3 Artigo

Leia mais

III FESTIVAL DE ATLETISMO ESCOLAR DE SANTARÉM

III FESTIVAL DE ATLETISMO ESCOLAR DE SANTARÉM PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTARÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E DESPORTO SEMED ASSESSORIA DE ESPORTE E LAZER Av. Borges Leal, n o 2.561D CEP 68.040-080 Santarém-PA Fone: (93) 3522-2594 CGC 05.182.233/0010-67

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA Questão: Como projectar um escorrega para um parque aquático, de um, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina?

Leia mais

CAMPEONATOS DE PORTUGAL EM PISTA COBERTA E CAMPEONATO NACIONAL DE SUB-23 EM PISTA COBERTA

CAMPEONATOS DE PORTUGAL EM PISTA COBERTA E CAMPEONATO NACIONAL DE SUB-23 EM PISTA COBERTA CAMPEONATOS DE PORTUGAL EM PISTA COBERTA E CAMPEONATO NACIONAL DE SUB-23 EM PISTA COBERTA 1. NOTA INTRODUTÓRIA Nos Campeonatos de Portugal Absolutos de Pista Coberta serão atribuídos os títulos individuais

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE Em vigor a partir de 27 de Janeiro de 2010 INDICE 1. CAMPEONATO NACIONAL DE REGATAS EM LINHA... 3 2. DEFINIÇÃO... 3 3.

Leia mais

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol Bateria de Medidas e Testes Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol 2004 Nota Introdutória A bateria de medidas e testes a ser aplicada nos centros de formação resulta de um conjunto

Leia mais

Corrida com Barreiras

Corrida com Barreiras 1 Corrida com Barreiras Mário Paiva (*) e Sara Fernandes (**) Esta corrida de velocidade associa a aptidão de percorrer determinada distância o mais rápido possível à capacidade de transpor obstáculos

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO ATLETISMO

REGULAMENTO TÉCNICO ATLETISMO 1. A competição de atletismo não obriga a existência de espaço formal para o Atletismo; 2. É uma competição inclusiva que não exige rigores técnicos: correr, saltar e lançar, são os desafios; 3. A competição

Leia mais

Regulamento Individual de cada Jogo JOGO LOUCO

Regulamento Individual de cada Jogo JOGO LOUCO Regulamento Individual de cada Jogo JOGO LOUCO OBJECTIVO: Efetuar um percurso de ida e volta, num total de cerca de 40 metros, no menor tempo possível. PARTICIPANTES: 6 elementos de cada Equipa. DESENVOLVIMENTO:

Leia mais

AS REGRAS DO VOLEIBOL

AS REGRAS DO VOLEIBOL AS REGRAS DO VOLEIBOL NÚMERO DE JOGADORES Cada equipa é composta, no máximo, por 12 jogadores inscritos no boletim de jogo. Apenas 6 jogadores ocupam o terreno de jogo ( 6 efectivos e 6 suplentes ). O

Leia mais

VII MEETING INTERNACIONAL DE LEIRIA

VII MEETING INTERNACIONAL DE LEIRIA VII MEETING INTERNACIONAL DE LEIRIA PROGRAMA HORÁRIO E REGULAMENTO Hora Limite Confirmação Câmara de Chamada Entrada na Pista hora Disciplina Sexo 14:30 14:55 15:05 15:30 Lançamento do Dardo Masculino

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental

EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental ATLETISMO - Corridas A prática das corridas envolvem basicamente o bom condicionamento físico do atleta. Nas provas oficiais as corridas dividem-se

Leia mais

AS REGRAS DO BASQUETEBOL

AS REGRAS DO BASQUETEBOL AS REGRAS DO BASQUETEBOL A BOLA A bola é esférica, de cabedal, borracha ou material sintéctico. O peso situa-se entre 600 g e 650g e a circunferência deve estar compreendida entre 75 cm e 78 cm. CESTOS

Leia mais

COLÉGIO MATER DEI MANUAL DE TESTES DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA

COLÉGIO MATER DEI MANUAL DE TESTES DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA CLÉG ATER DE AUAL DE TESTES DE AVALAÇÃ EDUCAÇÃ FÍSCA 2015 1 SUÁR 1-EDDAS DE CRESCET CRPRAL...03 assa corporal (Peso)...03 Estatura (Altura)...03 Índice de assa Corporal (C)...04 2-TESTES DE APTDÃ FÍSCA

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO BTT - XCO. (Revisto em Setembro 2014)

REGULAMENTO ESPECÍFICO BTT - XCO. (Revisto em Setembro 2014) REGULAMENTO ESPECÍFICO BTT - XCO 2013 2017 (Revisto em Setembro 2014) Índice 1. Introdução 2 2. Escalões Etários e variantes da Modalidade 3 2.1. Escalões Etários 3 2.2. Variantes da modalidade 3 3. Constituição

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

Índice. I Introdução. II Apresentação do Laser Run. III Formato Outdoor. IV Formato Indoor. V O segmento de Tiro. VI O segmento de Corrida

Índice. I Introdução. II Apresentação do Laser Run. III Formato Outdoor. IV Formato Indoor. V O segmento de Tiro. VI O segmento de Corrida O Projecto Desportivo - Época 2015 Índice I Introdução II Apresentação do Laser Run III Formato Outdoor IV Formato Indoor V O segmento de Tiro VI O segmento de Corrida VII Regras Gerais das Provas de Laser

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELECÇÃO PARA COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS. Época de 2013

CRITÉRIOS DE SELECÇÃO PARA COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS. Época de 2013 CRITÉRIOS DE SELECÇÃO PARA COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS Época de 2013 Federação Portuguesa de Atletismo, Março 2013 39º CAMPEONATO MUNDO DE CORTA MATO Bydgoszcz, Polónia 24 Março MASCULINOS FEMININOS Seniores

Leia mais

CAMPEONATOS REGIONAIS DE INICIADOS E JUNIORES

CAMPEONATOS REGIONAIS DE INICIADOS E JUNIORES ASSOCIAÇÃO DE ATLETISO DE ÉVORA Bairro da Cruz da Picada lote 5 R/C Dtº - 7000-772 ÉVORA Telefone / Fax 266708425 e-mail: ass.atletismo.evora@sapo.pt / http:/www.atletismo-evora.pt CAPEONATOS REGIONAIS

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

ATLETISMO. Alyne Rayane

ATLETISMO. Alyne Rayane ATLETISMO Alyne Rayane O QUE É ATLETISMO? O atletismo é um conjunto de esportes constituído por três modalidades: corrida, lançamentos e saltos. ATLETISMO QUANDO SURGIU? Atletismo tempo dos ancestrais;

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

Minas Olímpica/ Jogos de Minas 2015

Minas Olímpica/ Jogos de Minas 2015 Minas Olímpica/ Jogos de Minas 2015 Regulamento Específico Ciclismo Art. 1º - A competição de ciclismo do Minas Olímpica/Jogos de Minas obedecerá as regras da Confederação Brasileira de Ciclismo e Federação

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ATLETISMO Conselho de Arbitragem

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ATLETISMO Conselho de Arbitragem ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO DA IAAF 2006/2007 APROVADAS PELO CONGRESSO DA IAAF, HELSINQUIA (FIN) O 45º Congresso da IAAF, reunido no passado dia 4 de Agosto de 2005, em Helsínquia, Finlândia, aprovou a alteração

Leia mais

Regulamento de Prova de Tiro Numero 1/2013. Duelo 20 segundos

Regulamento de Prova de Tiro Numero 1/2013. Duelo 20 segundos Regulamento de Prova de Tiro Numero 1/2013 Duelo 20 segundos FINALIDADE Regulamentar a Prova de Tiro Duelo 20 segundos no âmbito do Estande de Tiro do 2º Batalhão de Policia do Exercito. MODALIDADE Tiro

Leia mais

CAMPEONATO DE ESTRADA DO FAIAL

CAMPEONATO DE ESTRADA DO FAIAL 1 INDICE Competição Pág. CAMPEONATO DE ESTRADA DO FAIAL 3 TAÇA ADIF VEL/BARR E TAÇA ADIF SALTOS 4 1ª PROVA OBSERVAÇÃO INVERNO ADIF + TORNEIO DE BENJAMINS 6 CAMPEONATO CORTA-MATO DO FAIAL 1ª 7 TORNEIO DE

Leia mais

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE MENORES XXXIII Masculino e Feminino R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 Emitido em 15/02/06 Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE MENORES têm por

Leia mais

UM EVENTO EM EQUIPA PARA CRIANÇAS

UM EVENTO EM EQUIPA PARA CRIANÇAS ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DAS FEDERAÇÕES DE ATLETISMO IAAF UM EVENTO EM EQUIPA PARA CRIANÇAS GUIA PRÁTICO PARA ANIMADORES DE EVENTOS 1 Grupo de Trabalho de Atletismo Juvenil IAAF Björn Wangemann (IAAF)

Leia mais

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR INTRODUÇÃO O Atleta na Escola tem como premissas a democratização do acesso ao esporte e o incentivo da prática esportiva na escola. Neste ano, o Programa de Formação

Leia mais

NORMAS DE ATUAÇÃO ADMINISTRATIVA ÉPOCA 2015-2016

NORMAS DE ATUAÇÃO ADMINISTRATIVA ÉPOCA 2015-2016 CONTEÚDOS 1. Filiações a. Formulários b. Escalões c. Inscrições Iniciais d. Renovações e. Transferências f. Taxas de Filiação g. Contratos Plurianuais 2. Atletas Estrangeiros 3. Filiações de Atletas Portugueses

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Ginástica de Solo Prova Prática ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Tempo de realização: 45m A prova é composta por

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

XXXIV MEIA-MARATONA INTERNACIONAL DA NAZARÉ XIII VOLTA À NAZARÉ III CAMINHADA VIII MEIA do FUTURO REGULAMENTO GERAL

XXXIV MEIA-MARATONA INTERNACIONAL DA NAZARÉ XIII VOLTA À NAZARÉ III CAMINHADA VIII MEIA do FUTURO REGULAMENTO GERAL XXXIV MEIA-MARATONA INTERNACIONAL DA NAZARÉ XIII VOLTA À NAZARÉ III CAMINHADA VIII MEIA do FUTURO REGULAMENTO GERAL Artigo 1º Artigo 2º Artigo 3 Numa organização da Meia Maratona Internacional da Nazaré-Associação

Leia mais

1º TRIATLO DA FLORESTA (Integrado na Expo Mortágua)

1º TRIATLO DA FLORESTA (Integrado na Expo Mortágua) REGULAMENTO DA PROVA 1º TRIATLO DA FLORESTA (Integrado na Expo Mortágua) APRESENTAÇÃO A ABAADV Associação Beira Aguieira de Apoio ao Deficiente Visual, propõe-se realizar uma prova desportiva a que deu

Leia mais

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO DE MINI-TRAMPOLIM

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO DE MINI-TRAMPOLIM CÓDIGO DE PONTUAÇÃO * * * * MINI-TRAMPOLIM 2001/2004 1 MINI-TRAMPOLIM A. REGRAS GERAIS 1. COMPETIÇÃO INDIVIDUAL 1.1. Uma competição de Mini-Trampolim consiste em três saltos (3 elementos técnicos). 1.1.1.

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

Evento de corridas, saltos e lançamentos REGULAMENTO 3. COMPOSIÇÃO DAS EQUIPAS 8. RECEPÇÃO DAS EQUIPAS 13. CENTRAL DE INFORMAÇÃO

Evento de corridas, saltos e lançamentos REGULAMENTO 3. COMPOSIÇÃO DAS EQUIPAS 8. RECEPÇÃO DAS EQUIPAS 13. CENTRAL DE INFORMAÇÃO Kids athletics Evento de corridas, saltos e lançamentos REGULAMENTO 1. 6. REGRAS TREINADOR 11. EQUIPAMENTOS 2. QUADRO COMPETITIVO 7. INSCRIÇÃO DOS ATLETAS 12. SEGUROS 3. COMPOSIÇÃO DAS EQUIPAS 8. RECEPÇÃO

Leia mais

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT REGRAS OFICIAIS 1. O CAMPO 1.1. A área de jogo é um rectângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este rectângulo será

Leia mais

REGULAMENTO RELATIVO À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA

REGULAMENTO RELATIVO À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA REGULAMENTO RELATIVO À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA Página 1 de 16 A. Homologação de Recordes de Portugal

Leia mais

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO XV JOGOS ARI DE SÁ Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO ABERTURA 1. DIA: 26/09/2015 ( Sábado ) 9h 2. LOCAL: Manhã Ginásio 2.1 - Concentração Manhã: galeria do Ensino Fundamental I 2.2 - Desfile de abertura

Leia mais

Art. 3º - Os Campeonatos são disputados anualmente, podendo ser realizados em várias etapas.

Art. 3º - Os Campeonatos são disputados anualmente, podendo ser realizados em várias etapas. Art. 1º - Os CAMPEONATOS ESTADUAIS CAIXA DE ATLETISMO MIRIM têm por propósito básico a integração estadual, a difusão do Atletismo e a verificação do desenvolvimento de seu estágio técnico nos diversos

Leia mais

1. ÂMBITO DE PARTICIPAÇÃO

1. ÂMBITO DE PARTICIPAÇÃO 1. ÂMBITO DE PARTICIPAÇÃO O PRORIVER ADVENTURE CHALLENGE é um evento aberto a todos os maiores de 18 anos. A prova é direccionada exclusivamente para equipas de dois elementos. As equipas poderão ser masculinas,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol Secundário Andebol Conhecer o objectivo e campo do jogo; Conhecer as seguintes regras do jogo: duração do jogo, constituição das equipas, golo, lançamento de saída, guarda-redes, área de baliza, violação

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE CICLISMO JERNS 2014

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE CICLISMO JERNS 2014 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO, DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA COORDENADORIA DE DESPORTOS DESPORTO ESCOLAR CODESP REGULAMENTO ESPECÍFICO DE CICLISMO JERNS 2014 Art.1º- As competições

Leia mais

A Direção de Tiro pode proceder à verificação da composição dos cartuchos, sendo punida toda a infração.

A Direção de Tiro pode proceder à verificação da composição dos cartuchos, sendo punida toda a infração. REGULAMENTO INTERNACIONAL DE TIRO ÀS FAN32 O presente regulamento é adotado pela F.E.D.E.C.A.T. para as competições internacionais, juntando-se a determinados artigos, algumas NOTAS, visando, tanto quanto

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CICLISMO COMUNICADO PISTA 2013

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CICLISMO COMUNICADO PISTA 2013 COMUNICADO PISTA 2013 Informações Gerais: - O uso de capacete rígido é obrigatório para todos os corredores dentro da pista e deve estar sempre abotoado, mesmo no aquecimento. - Os corredores não podem

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES ESCALÕES JOVENS

REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES ESCALÕES JOVENS REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES ESCALÕES JOVENS 01 de Janeiro de 2013 Regulamento Geral de Competições Escalões Jovens Página 1 de 19 NORMAS REGULAMENTARES PARA OS ESCALÕES JOVENS (BENJAMIM A JUVENIL)

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLISMO DE INICIAÇÃO. Atualizado a 11/12/2013

REGULAMENTO DO CICLISMO DE INICIAÇÃO. Atualizado a 11/12/2013 REGULAMENTO DO CICLISMO DE INICIAÇÃO 2014 Atualizado a 11/12/2013 Com o objetivo de uniformizar a atividade desportiva dos praticantes dos escalões de Benjamins, Iniciados, Infantis e Juvenis, e tendo

Leia mais

MARCAS DE QUALIFICAÇÃO NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2016/2017

MARCAS DE QUALIFICAÇÃO NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2016/2017 NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2016/2017 Condições de aceitação de marcas de qualificação: A. O prazo de obtenção de marcas de qualificação nas competições que o exijam é compreendido entre o dia 16 de

Leia mais

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização A pista O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos

Leia mais

Reis do Drible. Realização: 20 de Dezembro de 2015 Local: Rio de Janeiro

Reis do Drible. Realização: 20 de Dezembro de 2015 Local: Rio de Janeiro Reis do Drible Realização: 20 de Dezembro de 2015 Local: Rio de Janeiro As Regras para o evento Reis do Drible, foram formatadas e adaptadas a partir das regras originais do Futsal Brasileiro. ÍNDICE 01

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL CENTRO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

Exercícios sobre Movimentos Verticais

Exercícios sobre Movimentos Verticais Exercícios sobre Movimentos Verticais 1-Uma pedra, deixada cair do alto de um edifício, leva 4,0 s para atingir o solo. Desprezando a resistência do ar e considerando g = 10 m/s 2, escolha a opção que

Leia mais

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun 2014 Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun Departamento Técnico Associação de Atletismo do Porto Introdução O Circuito de Torneios de Atletismo em Pavilhão tem como propósito o combate dos modelos

Leia mais

Campeonato de TPV Técnicas de Progressão Vertical

Campeonato de TPV Técnicas de Progressão Vertical Campeonato de TPV Técnicas de Progressão Vertical Federação Portuguesa de Espeleologia Prova de Valongo 30 de Junho e 1 de Julho de 2012 A Federação Portuguesa de Espeleologia (FPE) pretende abrir novas

Leia mais

I DUATLO BTT DE SANTANA 2015 I DUATLO JOVEM BTT DE SANTANA 2015

I DUATLO BTT DE SANTANA 2015 I DUATLO JOVEM BTT DE SANTANA 2015 I DUATLO BTT DE SANTANA 2015 I DUATLO JOVEM BTT DE SANTANA 2015 Sábado, 24 de Outubro de 2015 Distância Sprint: 5kms Corrida / 16 kms BTT / 2.5 kms Corrida Distância S.Sprint: 2.5kms Corrida / 8 kms BTT

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE S. MIGUEL

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE S. MIGUEL ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE S. MIGUEL Instituição de Utilidade Pública Pessoa Colectiva n.º 512019673 Fundada em 26.03.86 Filiada na Federação Portuguesa Atletismo RUA PINTOR DOMINGOS REBELO N.º 4 TELEFONE

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque.

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque. REGRAS OFICIAIS 1. A QUADRA 1.1. A área de jogo trata-se de um retângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este retângulo será dividido na sua metade por uma rede, formando em

Leia mais

A BICICLETA E O EQUIPAMENTO DO CICLISTA

A BICICLETA E O EQUIPAMENTO DO CICLISTA A BICICLETA E O EQUIPAMENTO DO CICLISTA NOVAS REGRAS DE POSICIONAMENTO PARA 2014 - Apenas a bike será verificada (Não é mais necessário o ciclista); - O ciclista estará livre para escolher uma das duas

Leia mais

A. Disposições Gerais

A. Disposições Gerais FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ATLETISMO Direção Técnica Nacional Sector juvenil Versão Final - ALTERAÇÕES EM 29/09/2012 Entrada em vigor: 1 de Janeiro de 2013 REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES NORMAS REGULAMENTARES

Leia mais

CORRIDA CIDADE DE BEJA 17 Maio 2015-09.30H BEJA

CORRIDA CIDADE DE BEJA 17 Maio 2015-09.30H BEJA CORRIDA CIDADE DE BEJA 17 Maio 2015-09.30H BEJA REGULAMENTO A CORRIDA DA CIDADE É um evento de corrida e caminhada inserido nas comemorações do dia da cidade, organizado pela Câmara Municipal de Beja em

Leia mais

XXVII JOGOS ESCOLARES MUNICIPAIS JEMs 2013 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO ATLETISMO

XXVII JOGOS ESCOLARES MUNICIPAIS JEMs 2013 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO ATLETISMO REGULAMENTO ESPECÍFICO DO ATLETISMO Art. 1º - As competições serão regidas pelas Regras Oficiais da Federação Internacional de Atletismo Amador e da Confederação Brasileira de Atletismo em tudo que não

Leia mais

Regulamento da Prova Funcional do Mangalarga Marchador

Regulamento da Prova Funcional do Mangalarga Marchador Regulamento da Prova Funcional do Mangalarga Marchador Art. 1º - A Prova Funcional do Mangalarga Marchador é uma prova técnica e ao cronômetro, reconhecida oficialmente pela ABCCMM, sendo composta por

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

2 CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO

2 CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO 1 CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS E CONFIGURAÇÃO DOS JOGOS O número de praticantes desportivos por equipa que podem ser inscritos no boletim de jogo é os seguintes: 2º Ciclo: 4 jogadores (Jogos 2x2); 3º Ciclo

Leia mais

TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI

TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI 1 DOS TESTES 1.1 Os Testes de Aptidão Física, de caráter eliminatório, serão aplicados no dia e horários indicados no telegrama de convocação, individualmente

Leia mais

Artigo 1.º (Regime Supletivo) Ao Torneio Inter-Regional de Sevens Feminino aplicam-se as normas do Regulamento Geral de Competições em tudo o que não

Artigo 1.º (Regime Supletivo) Ao Torneio Inter-Regional de Sevens Feminino aplicam-se as normas do Regulamento Geral de Competições em tudo o que não REGULAMENTO DO TORNEIO INTER-REGIONAL DE SEVENS FEMININO 2014/2015 Artigo 1.º (Regime Supletivo) Ao Torneio Inter-Regional de Sevens Feminino aplicam-se as normas do Regulamento Geral de Competições em

Leia mais

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal O essencial sobre Autor: Francisco Cubal 1 Qual a história do Voleibol? Em 1895 o professor de Educação Física G. Morgan, nos Estados Unidos, criou uma modalidade desportiva que, devido ao seu toque no

Leia mais

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Treino com Jovens - Jogos Lúdicos

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Treino com Jovens - Jogos Lúdicos Escola Superior de Desporto de Rio Maior Treino com Jovens - Jogos Lúdicos Docentes: António Graça Paulo Paixão Miguel Discentes: Turma 1 e 2 da UC de Teoria e Metodologia do Treino Rio Maior, 2009_10

Leia mais