Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min % 32 x x = 100.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100."

Transcrição

1 PERIODIZAÇÃO CURVA DE PERFORMANCE Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos VO2máx desejado: 40ml/kg/min x x Homens Treinados: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 69,7 - (0,62 x idade) Homens Sedentários: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 57,8 - (0,445 x idade) Mulheres Treinados: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 42,9 - (0,312 x idade) Mulheres Sedentárias: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 42,3 - (0,346 x idade) 98% 96% 94% 92% 88% 86% 84% 82% = = 40 distante do desejado Preparatório 32 Curva de Performance Básica 36 Especial 40 Transição 38

2 Fases Básica Iniciante Intermediário Avançado SISTEMAS DE MONTAGEM DE TREINAMENTO 1) Sistema de Montagem pela Variância das Cargas: Elaboração baseada em cálculos dos Valores Máximos e Mínimos do Treinamento definidos anteriormente, permitindo assim graduar matematicamente a carga de treino de forma progressiva. 1 o Passo: Definir o Volume Máximo e Mínimo, a Máxima e a Mínima e a Densidade inicial do Treinamento. Específica 2 o Passo: Calcular a Variância do Volume e da. 3 o Passo: Definir os Percentuais que serão utilizados no Microciclo. 4 o Passo: Definir as curvas e elaborar a montagem do microciclo. Variância % Variância pela Carga Limite Superior = 90 minutos Limite Inferior = 30 minutos % Carga de Treino = Variância = 60 minutos Carga de Treino = ( Limite Superior - Limite Inferior) x % Carga + Limite Inferior Carga de Treino = ( ) x + 30 Carga de Treino = ( 60 ) x + 30 Carga de Treino = = 54 minutos Carga de Treino = 54 minutos % Variância = ( Carga de Treino - Limite Inferior) x 100 Variância Limite Superior = 90 minutos Limite Inferior = 30 minutos Carga de Treino = 54min VARIÂNCIA = 60 % Variância = ( ) x 100 / 60 % Variância = ( 24 ) x 100 / 60 % Variância = 2400 / 60 = % Variância =

3 Índice Geral de Exigência (IGE) Expressa o nível de sobrecarga no treinamento IGE= %I x %V x VA % I = % %V = % Volume VA = Volume Absoluto Iliuta e Dumitrescu,1978 Exemplo: %I = %V = VA = 60 min IGE = 70 x 50 x 60 = MICROCICLOS Menor Estrutura da periodização, corresponde a aproximadamente 3 a 14 dias de treinamento. Segue normalmente calendário civil de 7 dias. Modelos de Distribuição da Carga : 1. Linear 2. Crescente 3. Decrescente 4. Variável 5. Misto Microciclo com Cargas Lineares Microciclo com Cargas Crescentes

4 Microciclo com Cargas Decrescentes Microciclo com Carga Variável Linear Microciclo com Carga Variável Linear com 3 Picos Microciclo com Carga Variável Crescente

5 Microciclo com Carga Variável Decrescente Microciclo com Carga Mista com 1 Pico Microciclo com Carga Mista com 2 Picos Proposta dos % da Variância para cada Microciclo MICROCICLOS Incorporação Ordinário Choque Controle Pré-Competitivo Competitivo Recuperativo % da Variância Volume até até até até 90 % até até até % da Variância até 41% até 56% até até até até 76% até 56%

6 INCORPORAÇÃO,Zagarov,1992 Ou Ajuste, Navarro,1993 Primeiro Microciclo da Periodização. Visa resgatar a condição perdida no Período de Transição. Baixo Volume, Baixa, Baixa Freqüência, Baixa Densidade. Volume: até da variância : até 41% da variância Microciclo de Incorporação Volume ORDINÁRIO,Zagarov,1992 Ou Carga, Navarro,1993 Microciclo mais utilizado na Fase Básica e nos Mesociclos Gerais e Períodos Preparatórios. Provoca adaptações fisiológicas de base. Resistência Aeróbia e Muscular Maior Duração, Menor, Maior Freqüência, Densidade Progressiva. Volume: até da variância : até 56% da variância Microciclo de Ordinário Volume

7 Microciclo de Choque Fase Básica CHOQUE,Zagarov,1992 Ou Impacto, Navarro,1993 Microciclo com mais alto nível de adaptação Limiar Máximo de tolerância do esforço. Acumulação Máxima da Fadiga. Pico máximo da Carga no Mesociclo. Atinge Volume Máximo na Fase Básica. Atinge Máxima na Fase Específica. Atinge a maior Freqüência Atinge a maior Densidade. Volume: até da variância : até da variância Volume Microciclo de Choque Fase Específica Volume CONTROLE Microciclo utilizado para avaliar a aptidão alcançada. Fundamental para o ajuste do Programa. Utilizado normalmente ao final de cada fase, período ou mesociclo. Volume Controlado Máxima nos dias de Teste ou Competição Volume: até da variância : até da variância

8 Microciclo de Controle através de Testes Microciclo de Controle através da Competição Volume Volume Força (1RM) VO2máx LimiarAnaeróbio Competição PRÉ-COMPETITIVO Microciclo que antecede o Microciclo Competitivo Assegura a performance atingida. Realiza pequenos ajustes. Treinos específicos com caráter competitivo. Volume e controlados para a recuperação. Volume: até da variância : até da variância Microciclo Pré-Competitivo Volume Competição

9 COMPETITIVO Microciclo da Competição Alvo Conduz o Atleta ao PEAK. Apresenta cargas decrescentes para favorecer a supercompensação. Estrutura flexível. Volume e s Decrescentes para Supercompensação Competitiva. Volume: até da variância : até 76% da variância Microciclo Competitivo Volume Competição RECUPERATIVO Assegurar a Restauração Completa das capacidades. Recuperação Metabólica e Psicológica. Utilizado após Microciclos Competitivos ou de Choque Utilizado normalmente no final do Mesociclo. Volume e reduzidos para Treinos Regenerativos Volume: até da variância : até 56% da variância Microciclo Recuperativo Volume

10 MESOCICLO Ozolin e Matveiev, 1977 ELEMENTO ESTRUTURAL IMEDIATAMENTE SUPERIOR AO MICROCICLO. PODERÁ TER A DURAÇÃO DE 3 a 5 MICROCICLOS REÚNE OBJETIVOS COMUNS. MICROCICLOS COM DIREÇÕES SIMILARES. VISA ADAPTAÇÕES E SUPERCOMPENSAÇÕES GRADATIVAS A MÉDIO PRAZO. POSSIBILITA O CONTROLE DA QUANTIDADE DE TREINAMENTO. TIPOS DE MESOCICLOS Zakharov e Gomes, ) Geral 2) Especial 3) Estabilizador 4) Controle 5) Pré-Competitivo 6) Competitivo 7) Recuperativo Verdugo e Leibar, ) Acumulação 2) Transformação 3) Realização Exemplo : Geral ou Acumulação Início do período preparatório. Busca adaptar ao retorno do atleta. Passagem do Período Transitório para o Preparatório. Prevalece os Microciclos Ordinários Duração : 2 a 6 Microciclos Incorporação / Ordinário 1 / Ordinário 2 / Recuperação Mesociclo Geral 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D Incorporção Ordinário 1 Ordinário 2 Recuperação

11 Especial ou Transformação: Utilizado na Fase Especifica. Treinamentos de Carga Específica. Prevalece os Microciclos de Choque. Alta. Duração : 2 a 6 Microciclos Exemplos : Ordinário / Choque 1 / Choque 2 / Recuperação Choque 1 / Choque 2 / Choque 3 / Recuperação Mesociclo Especial 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D Choque 1 Choque 2 Choque 3 Recuperação Estabilizador: Utilizado para consolidar, fixar as cargas anteriores. Quantidade controlada pelo mesociclo anterior. Utilizado apenas em ciclos com tempo disponível. Volume e mantido sem sobrecarga. Duração : 2 a 6 Microciclos Exemplos : Ordinário 1 / Choque / Ordinário 2 / Recuperação Ordinário 1 / Recuperação / Ordinário 2 / Recuperação Choque 1 / Recuperação / Choque 2 / Recuperação Mesociclo Estabilizador 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D Choque 1 Choque 2 Choque 3 Choque 4

12 Controle Utilizado ao final de cada fase ou período. Visa avaliar a aptidão alcançada. Indica o Grau de preparação. Fundamental para o ajuste do Programa. Duração : 2 a 4 Microciclos Exemplos : Choque 1 / Recuperação / Choque 2 / Recuperação Mesociclo Controle 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D Choque 1 Recuperação Choque 3 Recuperação Pré-Competitivo: Mesociclo utilizado antes da Competição Alvo. Visa conduzir o atleta a atingir o PEAK. Treinamentos com alto grau de especificidade com caráter competitivo. Volume ou elevado, dependerá das características específicas do esporte Duração : 3 a 5 Microciclos Exemplos : Mesociclo Pré-Competitivo 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D Choque 1 / Choque 2 / Choque 3 / Recuperação Choque 1 / Choque 2 / Recuperação / Recuperação Choque 1 Choque 2 Choque 3 Recuperação

13 Competitivo ou Realização: PERÍODO ONDE SE SITUA AS COMPETIÇÕES. Não possui estrutura rígida dependerá das Competições. Atinge Potencial Energético Pleno. Atinge ao PEAK. Volume e controlada para evitar o OVERTRAINING Duração : 2 a 6 Microciclos Exemplos : Mesociclo Competitivo 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D Choque 1 / Choque 2 / Pré-Competitivo / Competitivo Choque 1 Choque 2 Choque 3 Recuperação Recuperativo Recuperação ativa do atleta. Mesociclo Recuperativo Restauração Metabólica e Psicológica. Não deve ser confundido co Período de Transição. Utilizado quando tiver tempo disponível. Normalmente após Período Competitivo longo. Exemplos : Volume e reduzido Duração : 2 a 3 Microciclos Recuperação / Ordinário 2 / Recuperação Recuperação / Recuperação / Recuperação 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a S D Choque 1 Choque 2 Choque 3

14 SISTEMA TRADICIONAL INTERDEPENDENTE SISTEMA TRADICIONAL PROGRESSIVO % PERÍODOS Preparatório Competitivo Transição % PERÍODOS Preparatório Competitivo Transição Duração Duração SISTEMA MODERNO PROPORCIONAL DE DURAÇÃO PREDOMINANTE SISTEMA MODERNO PROPORCIONAL DE INTENSIDADE PREDOMINANTE % % PERÍODOS Preparatório Competitivo Transição PERÍODOS Preparatório Competitivo Transição Duração Duração

15 SISTEMA MODERNO DE INTENSIDADE SUPERIOR PROGRESSIVA E VOLUME INFERIOR PERMANENTE ESQUEMA ESTRUTURAL DE TREINAMENTO DE ALTO RENDIMENTO (Tschiene,1988) % PERÍODOS Preparatório Competitivo Transição - Caráter dominantemente Específico Relativa Eliminação das Fases Gerais do Treino - Elevada Magnitude do Volume do Treinamento: Unidades de Treinamento relativamente breves (menor Duração) Elevada das Cargas Duração - Alta Capacidade de Rendimento ao longo do Macrociclo Contrário a Teoria Geral de Matveiev % Carga ESQUEMA ESTRUTURAL (Tchiene,1985) Duração Estruturação Pendular do Treinamento Arosiev e Kalinin, 1971 Forteza e Gaberna, 1987 Forteza, Ideal para atletas que tenham que entrar e sair de sua Forma Competitiva várias vezes no decorrer do ano desportivo... Haverá sempre no decorrer da planificação : Preparatório 1 Competitivo 1 Preparatório 2 Competitivo 2 Transição - Um domínio da sobre a Duração. - Um domínio das Cargas específicas sobre as Cargas Gerais.

16 Estruturação Pendular do Treinamento Estrutura Pendular de Treinamento 100 Quanto menor for o pêndulo, maior será a Magnitude do Volume de Treinamento e menor será a capacidade de sustentar a Performance por mais tempo. % Microciclo 1 Microciclo 2 Microciclo 3 Microciclo Quanto maior for o pêndulo, menor será a Magnitude do Volume de Treinamento e maior será a capacidade de sustentar a Performance por mais tempo. % Microciclo 1 Microciclo 2 Microciclo 3 Microciclo 4 Duração Amplitude do Pêndulo SINOS ESTRUTURAIS Sinos Estruturais Ajuste da Estrutura Pendular (Arosiev e Kalinin, 1971) Segue o princípio da diferenciação entre as Cargas Gerais e as Especiais. M1 M2 M3 M4 Duração Duplo Sinos Cargas Especiais estarão sempre acima das Cargas Gerais. M5 M6 M7 Método de Comparação da Magnitude do Volume entre Mesociclos M % (Forteza, 1993)

17 PERIODIZAÇÃO TREINAMENTO CÁRDIORRESPIRATÓRIORIO Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : ZONA ALVO Criado para programas de reabilitação de cardíacos e condicionamento de sedentários preconizado pelo American College of Sports Medicine ( Pollock & Willmore, 1993). Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : ZONA ALVO Pode ser realizado por meio de diversos tipos de atividades físicas (correr, nadar, pedalar, remar, pular corda, danças, etc), pois o importante a manutenção da Freqüência Cardíaca dentro de uma faixa pré-estabelecida. Tem a finalidade o treinamento cárdiorrespiratório de atletas de Desportos terrestre coletivos acíclicos e não-atletas. VOLUME: 30 a 60 minutos de atividade dentro da zona alvo. (ACSM,1998)

18 Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : ZONA ALVO Determinação da ZONA ALVO: 1 o Passo: - Determinação da Freqüência Cardíaca Basal Registrada durante 3 dias, ao se acordar e antes de realizar qualquer movimento. Somar os três valores obtidos e dividir o total por três, calculando a média. 2 o Passo: - Determinação da Freqüência Cardíaca Máxima (FCmáx) A melhor forma seria através de um teste ergoespirométrico máximo na presença de um cardiologista com todo aparato médico de primeiros socorros. Autor População Média de Idade EQUAÇÃO Fcmáx Idade Astrand Homens Assintomáticos 50 (20-69) 211- (0,922 x e4) Bruce Homens Assintomáticos y= 210- (0,662 x idade) Cooper Homens Assintomáticos 43 (11-79) y= 217- (0,845 x idade) Ellestad Homens Assintomáticos (10-60) y= 197- (0,0556 x idade) Froelicher Homens Assintomáticos (28-54) y= 207- (0,64 x idade) Robinson Homens Assintomáticos 30 (6-76) y= 212- (0,775 x idade) Sheffield Homens Coronariopatas 39 (19-69) y= 216- (0,88 x idade) Bruce Homens Coronariopatas y= (1,07 x idade) Hammond Homens Coronariopatas y= (1 x idade) Morris Homens Assintomáticos 45 (20-72) y= 200- (0,72 x idade) Morris Homens Coronariopatas 57 (21-89) y= 196- (0,9 x idade) Ball State University HOMENS y= (0,8 x idade) MULHERES y= 209- (0,7 x idade) Brick (1995) MULHERES y= Idade Fernandez (1998) MULHERES y= 210- idade y= 200- (0,5 x idade) TREINADO y= 205- (0,41 x idade) Sheffield 43 (15-75) NÃO TREINADO y= 198- (0,41 x idade) Jones (1975) AMBOS OS SEXOS y= 210- (0,65 x idade) Jones CICLISMO y= 202- (0,72 x idade) Karvonen AMBOS OS SEXOS y= 220- idade Tanaka et al. AMBOS OS SEXOS y= 208- (0,7 x idade) Sally Edwards,2000 HOMENS p/ Ciclismo y= (0,5 x idade) - 5% Peso (lb) MULHERES p/ Ciclismo y= (0,5 x idade) - 5% Peso (lb) Adaptado de Froelicher et al, 1998; Fuente : Edwards, 1996 Retirado de João Carlos Bouzas Marins & Ronaldo Sérgio Giannichi Média 180 Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : ZONA ALVO Determinação da ZONA ALVO: 3 o Passo: - Determinação da Reserva de Freqüência Cardíaca É calculado pela fórmula: RFC = FC máxima FC basal Freqüência Cardíaca aca de Treino através s da Reserva de Frequência Cardíaca aca FCT = (RFC x % da ) ) + FC basal Faixa de : Regenerativo 66 a 73% Subaeróbico bico 74 a Superaeróbico 1 81 a 85% Superaeróbico 2 86 a 92% Anaeróbicos 93 a Adaptado do Max Miley

19 DETERMINAÇÃO DA ZONA ALVO Exemplo: 1 o Passo: : FC basal = 60 bpm 2 o Passo: : FC máxima m = 190 bpm 3 o Passo: : RFC = 190 bpm 60 bpm = 130 bpm 4 o Passo: : : Subaeróbio bio (74 a RFC) 5 o Passo: 6 o Passo: FCT Limite Inferior = (130 x 74%) + 60 = 156 bpm FCT Limite Superior = (130 x ) + 60 = 164 bpm Cálculos para Controle Total de Treinamento FIT (Sally Edwards,2002) FIT (Sally Edwards,2002) F = Frequency (número de unidades de treino por semana) TIPO DE ZONA Coração Saudável % FCMÁX a ZONA 1 Kcal/min 3 a 5 PSE 1-2 I = Intensity (valor da zona fisiológica de treino ) Temperada a 2 6 a T = Time (tempo em minutos dentro da zona fisiológica ) Aeróbia Limiar a a a a Linha Vermelha a 5 15 a

20 Cálculos para Controle Total de Treinamento FIT (Sally Edwards,2002) F = 5 dias por semana I = Zona 3 T = 30 minutos Proposta de Treinos para Indivíduos mal condicionados TREINO DE RECUPERAÇÃO Zona 1 VO2máx < 35 FIT = 5 x 3 x 30 = 450 HZT points ACSM preconiza: 3 vezes por semana, zona 2 a 4, 20 a 60 minutos Atletas: > 3000 hzt points/ semana Não Atleta: 100 a 1000 hzt points/ semana TREINO DE BASE Zona 2 Proposta de Treinos para Indivíduos menos condicionados Proposta de Treinos para Indivíduos bem condicionados TREINO DE RECUPERAÇÃO Zona 1 VO2máx 35 a 45 TREINO DE LIMIAR Zona 4 TREINO DE RECUPERAÇÃO Zona 1 VO2máx 45 a 55 TREINO DE ENDURANCE Zona 3 TREINO DE BASE Zona 2 TREINO DE ENDURANCE Zona 3 TREINO DE BASE Zona 2

21 Proposta de Treinos para Indivíduos muito condicionados TREINO ANAERÓBIO Zona 5 TREINO DE RECUPERAÇÃO Zona 1 VO2máx > 55 Cálculos para Controle Total de Treinamento Nível de Aptidão Objetivos Freqüência Zonas de Intensidad e FIT (Sally Edwards,2002) Tempo (minutos) FIT Iniciantes 2 a 4 1 a 2 20 a 40 < 400 TREINO DE LIMIAR Zona 4 TREINO DE ENDURANCE Zona 3 TREINO DE BASE Zona 2 Programas de Emagrecimento 4 a 6 1 a 2 20 a 90 Condicionados 3 a 5 1 a 4 20 a 60 Atletas de diversas Modalidades 6 a 12 1 a 5 > a a a 2000 Atletas de Fundo Maratonistas, Triatletas 6 a 18 1 a 5 >20 > 1500 CÁLCULO DE PRECISÃO DE ESFORÇO (CPE) Protocolo de Banister FC ÚTIL = FC TREINO FC REPOUSO Fator CPE = FC ÚTIL FC REPOUSO CPE = TEMPO DE TREINO (min) x Fator CPE CÁLCULO DE PRECISÃO DE ESFORÇO (CPE) Protocolo de Banister Exemplo: Treino 1: FC ÚTIL = 170 bpm 70 bpm = 100 bpm Fator CPE = 100 bpm / 70 bpm = 1,42 CPE = 30 min x 1,42 = 42,6 Treino 2: FC ÚTIL = 160 bpm 70 bpm = 90 bpm Fator CPE = 90 bpm / 70 bpm = 1,28 CPE = 40 min x 1,28 = 51,2

22 Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : Corrida Contínua VO 2 máx x Direto em Campo 1 o Passo: - Determinação do VO2máx Lactato em Campo Por meio de testes de laboratório (protocolos diretos) ou se utilizando testes em campo (protocolos indiretos). Os protocolos podem ser de natureza Submáxima, quando a intensidade do teste não ultrapassa aproximadamente 85% Fcmáx. E os protocolos Máximos quando se atinge Fcmáx. Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : Corrida Contínua 1 o Passo: - Determinação do VO2máx Protocolo de Campo Indireto Submáximo até 85% Fcmáx. Teste Caminhada de 2km - UKK Homens: VO2máx (ml/kg/min) = 184,9 - (4,65 x Tempo) - (0,22 x FC) - (0,26 x Idade) - (1,05 x IMC) Mulheres: VO2máx (ml/kg/min) = 116,2 - (2,98 x Tempo) - (0,11 x FC) - (0,14 x Idade) - (0,39 x IMC) Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : Corrida Contínua 1 o Passo: - Determinação do VO2máx Protocolo de Campo Indireto Máximo atinge FC máxima. Homens: Teste Corrida de Cooper de 12 minutos VO2máx (ml/kg/min) = distância (metros) 504,1 44,8

23 Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : Corrida Contínua 1 o Passo: - Determinação do VO2máx Protocolo de Campo Indireto Máximo atinge FC máxima. Homens e Mulheres: VO2máx (ml/kg/min) = Teste de Corrida de : Ribsl e Kachadorian (3200m) 114,496 - (0,04689 x Tempo (seg)) - (0,37817 x Idade) - (0,15406 x Peso) Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : Corrida Contínua 1 o Passo: - Determinação do VO2máx Protocolo de Campo Indireto Máximo atinge FC máxima. Homens: Teste de Corrida de : Weltman (3200m) VO2 máx (ml/kg/min) = 118,4 (4,774 x Tempo (min)) Mulheres: VO2máx (ml/kg/min) = 90,7 (3,25 x Tempo) + (0,04 x Tempo 2 ) Determinação do VO2máx pela Velocidade de Corrida VO 2 máxm CICLOERGÔMETRO VO2 máx = (V (m/min) x 0,2) + 3,5 VO2 máx = (V (km/h) x 3,4) + 3,5

24 CICLOERGÔMETRO Bicicleta Estacionária PROTOCOLO : Astrand (Submáximo) 5 minutos Homens : Carga Inicial a 150 Watts Mulheres: : Carga Inicial - 50 a 100 Watts Registrar a média m da FC no 4 o e 5 o minuto Mantê-la entre: 120 bpm e 170 bpm CICLOERGÔMETRO Bicicleta Estacionária Cálculo do VO 2 máx: HOMENS: VO 2 máx = x VO 2 CARGA FC média - 61 MULHERES : VO 2 máx = x VO 2 CARGA FC média - 72 VO2 CARGA = 0,014 x Carga (W) + 0,129 CICLOERGÔMETRO Bicicleta Estacionária Fator de Correção da Idade para Indivíduos acima 35 anos VO2máx = VO 2 máx Calculado x fator idade IDADE Fator IDADE Fator 35 a a a a a 65 0,87 0,86 0,83 0,82 0,81 0,78 0,77 0,75 0, a a ,74 0,73 0,72 0,71 0,70 0,69 0,68 0,66 CLASSIFICAÇÃO DO VO 2 máx Indivíduos Sedentários (CEMAFE/Unifesp/EPM) MASCULINO De 20 a 29 anos Muito Fraco Fraco Regular Bom Excelente < a a a 49 > 49 De 30 a 39 anos Muito Fraco Fraco Regular Bom Excelente < a a a 45 > 45 De 40 a 49 anos Muito Fraco Fraco Regular Bom Excelente < a a a 39 > 39 De 50 a 59 anos Muito Fraco Fraco Regular Bom Excelente < a a a 38 > 38

25 FEMININO CLASSIFICAÇÃO DO VO 2 máx Indivíduos Sedentários (CEMAFE/Unifesp/EPM) De 20 a 29 anos Muito Fraco Fraco Regular Bom Excelente < a a a 41 > 41 De 30 a 39 anos Muito Fraco Fraco Regular Bom Excelente < a a a 38 > 38 TABELA DE PRESCRIÇÃO ATRAVÉS DO PROTOCOLO DE Paffenberger, 1995 VO2máx %VO2máx Duracão Kcal Freqüência ml/kg/min (min) p/sessão dias/sem < a a a a 4 35 a a a a a 6 > a 85 > 40 > 400 > 6 De 40 a 49 / 50 a 59 anos Muito Fraco Fraco Regular Bom Excelente < a a a 34 > 34 Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : Corrida Contínua 2 o Passo: - Determinação da do trabalho através do VO 2 de treino VO 2 treino (ml/kg/min) = ( VO 2 máx x % ) Exemplo: Cálculo do VO2 treino (VO2 t) (Karvonen) VO 2 Treino(ml/kg/min) = [(VO 2 máx -VO 2 basal) x % ] + VO 2 basal VO 2 basal= 3,5 ml/kg/min Exemplo: VO2 máx = 50 % = 70 VO 2 treino (ml/kg/min) = ( 50 x ) VO 2 treino (ml/kg/min) = 35,0 VO 2 treino = ((50 3,5) x ) + 3,5 VO 2 treino = 36,0 ml/kg/min

26 Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : Corrida Contínua 3 o Passo: - Determinação da Duração do Exercício. do FATMÁX. INTENSIDADE %VO2máx VOLUME (minutos) 45 a a a a a a a a 25 Estélio Dantas, 1998 Tipos de Treinos Contínuo ou Ininterrupto Método : Corrida Contínua 4 o Passo: - Cálculo da Distância a ser percorrida Distância (metros) = ( VO2 treino 3,5 ) x Tempo (min) 0,2 Observação: Para a Natação, divida o resultado por 4 Cálculo de Determinação da Velocidade Protocolo de Cumming: VEL (km/h) = VO2 treino - 7,4 0,35 Exemplo: VO2 máx = 30 ml/kg/min = VO2 treino = 15 ml/kg/min VEL = 4,6 km/h

27 Cálculo de Determinação da Velocidade Protocolo ACSM: VEL (km/h) = VO2 treino - 3,5 3,3 Exemplo: VO2 máx = 50 ml/kg/min = VO2 treino = 30 ml/kg/min LIMIAR ANAERÓBIO VEL = 8,0 km/h MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DO LIMIAR ANAERÓBICO Accusport 1) INVASIVOS OU CRUENTOS Coleta de Microamostras de Sangue Lancetador Modelo Método Yellow Spring Modelo 23 L Kon tron medical modelo 640 Analox LM2 Bifok FIA 05 Accusport Boehringer Electro Enzimático Electro Enzimático Electro Enzimático Injeção de Fluxo Fotoenzimático Lanceta Medidor Bioquímico Fitas Reagentes

28 Níveis de Acúmulo Láctico L : (Sjodin e Jacobs,1981) Limiar Láctico Fixo = 4mM/L ( + 0,8) OBLA - onset of blood lactate accumulation (Farell, 1979) Limiar Aeróbico = 2mM/L (Limiar Catecolamínico) OPLA - onset of plasm lactate accumulation Protocolo de Weltman para Determinação da Velocidade de Corrida pelo Limiar Aeróbio e Anaeróbio Masculino: Limiar Aeróbio (2,0mmol/l) Velocidade (m/min) = 497,3 - (21,56 x Tempo nos 3200m) Limiar Anaeróbio (4,0mmol/l) Velocidade (m/min) = 509,5 - (20,82 x Tempo nos 3200m) Protocolo de Weltman para Determinação da Velocidade de Corrida pelo Limiar Aeróbio e Anaeróbio NATAÇÃO Feminino: Limiar Aeróbio (2,0mmol/l) Velocidade (m/min) = 469,45 - (25,17 x Tempo) + (0,43 x Tempo 2 ) Limiar Anaeróbio (4,0mmol/l) Velocidade (m/min) = 507,67 - (26,50 x Tempo) + (0,45 x Tempo 2 ) OBLA(4,0mM) = (1,047 X Vm 10 min (m/s) ) - 0,068 A FC Máxima e a FC Treino são: 10 a 13 bpm a menos do que na Corrida. (McArdle,1991e Berkeley Wellness Letter,1994)

29 VELOCIDADE AERÓBIA MÁXIMA (VAM) Determinação da VAM 1) Quantificação da Potência Aeróbia Máxima (kj/min) PAM (kj/min) = VO2 máx (l/min) x 20,92 Exemplo: VO2máx = 45,0 ml/kg/min Peso Corporal = 70 kg VO2 máx (l/min) = 45,0 x 70 = 3150 = 3,15 l/min PAM (kj/min) = 3,15 l/min x 20,92 = 65,8 kj/min Obs.: 1kcal = 4,185 kj logo, 65,8 kj/min 15,7 kcal/min Determinação da VAM 2) Quantificação da Potência Aeróbia Máxima (kj/kg/min) PAM (kj/kg/min) = PAM (kj/min) Peso Exemplo: PAM (kj/min) = 65,8 PESO = 70 kg PAM (kj/kg/min) = 65,8 kj/min = 0,94 kj/kg/min 70kg Obs.: Olhar tabela para determinar a VAM Determinação das Velocidades de Treino VAM = 13,1 km/h ZONAS REGENERATIVA AERÓBIO 1 AERÓBIO 2 AERÓBIO 3 MISTO LÁTICO 1 LÁTICO 2 % VAM a 64% 65% a 71% a 75% 76% a 85% 86% a 101% a 115% 116% a 145% Velocidade de Treino (km/h) 6,5 a 8,3 8,4 a 9,1 9,2 a 9,8 9,9 a 11,1 11,2 a 13,1 13,2 a 15,0 15,1 a 18,9

30 Coeficiente de Exercício = PAS x FC Tempo(min) (G.Fletcher ) Gasto Calórico através do VO2máx do METSmáx 1) Determinar a : %VO2máx 2) Calcular o VO2 treino Exemplo: Pré-Treino = 170mmHg x 150 bpm = min Pós-Treino = 160mmHg x 140 bpm = min 3) Calcular o METS treino 4) Calcular o kcal/min 5) Calcular o Gasto Calórico Total Retirado de Aptidão Física Esporte e Saúde Paulo Fernando Leite Gasto Calórico através do VO2máx do METSmáx 1) Determinar a : 2) Calcular o VO2 treino = VO2máx x Ex: 50 ml/kg/min x = 30 ml/kg/min 3) Calcular o METS treino = VO2 treino / 3,5 30 / 3,5 = 8,5 METS Gasto Calórico através do VO2máx do METSmáx 4) Calcular o kcal/min kcal/min = Mets treino x 1,25 x Peso /60 kcal/min = 8,5 x 1,25 x 70kg /60 = 12,3 5) Calcular o Gasto Calórico Total Kcal totais = Tempo x kcal/min Kcal totais = 45 min x 12,3 Kcal totais = 553 kcal

31 CURIOSIDADES... 1 REFRIGERANTE / DIA 150 Kcal X 365 dias = Kcal 1kg de Gordura = 7700 Kcal Kcal Engordaria 7 Kg/ano metros Caminhada/ dia Kcal Engordaria 4,7 Kg/ano E aí? É possível? É necessário? Custo/Benefício? Em quanto tempo...?

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5 CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Habilidade de realizar atividades físicas de caráter dinâmico que envolvam grande massa muscular com intensidade de moderada a alta por períodos prolongados (Fernandes Filho,

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas.

A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas. Mst.. Sandro de Souza A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas. Para a aptidão cardiorrespiratória,

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

Avaliação do VO²máx. Avaliação do VO²máx

Avaliação do VO²máx. Avaliação do VO²máx Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação do Consumo Máximo de O² Avaliação Cardiorrespiratória Ergômetros Ergo = trabalho Metro = medida Sendo assim, um ergômetro é basicamente um instrumento que

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet AVALIAÇÃO DO VO2 MAX O cálculo do Vo2max possibilita aos atletas, qualquer que seja o seu nível ou idade, a obtenção de melhores resultados

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

Prof.. Claudio Pavanelli

Prof.. Claudio Pavanelli Comparação de resultados de testes por posição em jogadores de futebol profisional Prof.. Claudio Pavanelli CEMAFE Universidade Federal de São Paulo - EPM Exigência Fisiológica no Futebol: Grau de intensidade

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS *

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * Marcos Gueths * Daniela Pontes Flor ** RESUMO Desde que Cooper desenvolveu os fundamentos dos exercícios aeróbicos, os mesmos multiplicaram-se em

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia 1. Introdução Organizar e colocar em prática o planeamento do treino requer a sua confirmação através de meios de avaliação.

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO A escolha do método de TF depende da qualidade física que vai ser trabalhada e da periodização do treinamento. Na fase básica, quando a ênfase é no volume, utiliza-se os métodos

Leia mais

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO...

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO... Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento Flávia Porto RELEMBRANDO... A mais importante característica do treinamento é sua divisão em fases e sua contínua adequação e periodização dos estímulos.

Leia mais

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado segundo uma adaptação da obra de Gilles Cometti, que nos propõe uma matriz inovadora

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso de Educação Física Disciplina: Fisiologia do Exercício. Ms. Sandro de Souza

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso de Educação Física Disciplina: Fisiologia do Exercício. Ms. Sandro de Souza UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso de Educação Física Disciplina: Fisiologia do Exercício Ms. Sandro de Souza Discutir alguns aspectos associados à medida do VO2máx. Conhecer os mecanismos envolvidos

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008 ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO Anos 30: PIHKALA (Finlândia) Variações no trabalho - recuperação: dias, semanas, meses e anos de treinamento; Diminuição progressiva do volume de treinamento,

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FRACIONADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FRACIONADO MÉTODOS DE TREINAMENTO FRACIONADO 1 INTRODUÇÃO O Treinamento Fracionado (TF) ocupa também um lugar relevante na metodologia do treinamento da resistência nas diferentes disciplinas esportivas. Começou

Leia mais

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D.

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. INTRODUÇÃO A proposta deste artigo é apresentar um plano de treinamento dos sistemas de energia nas provas de natação. As informações serão apresentadas

Leia mais

TREINAMENTO PERSONALIZADO

TREINAMENTO PERSONALIZADO TREINAMENTO PERSONALIZADO PROGRESSÃO E CONTROLE DA CARGA DE TREINO Prof. Jeferson Vianna, Msc. Dndo Ciência do Desporto- UTAD Periodização x Progressão Quais as informações científicas disponíveis sobre

Leia mais

Fisiologia do Esforço

Fisiologia do Esforço Fisiologia do Esforço Curso Desporto e BemEstar 3º Semestre 008/09 Capítulo II Bases da Bioenergética Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Leiria 7 Out 08 ATP-CP e energia O sistema ATP-CP

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

Check-up Performance

Check-up Performance A Saúde pelo Esporte é nosso lema maior. É o nosso ponto de partida e também nosso norteador. Dr. Felix Abuquerque Drummond Parceria REMOSUL O INSTITUTO O Instituto de Medicina do Esporte - IME é um centro

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO O fenômeno do personal trainer teve seu início na década de 90. Nesta mesma época, com os avanços tecnológicos como a internet, que permitiram que um grande número de estudos

Leia mais

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades.

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades. METODOLOGIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO I O que é? Organização dos conteúdos do treinamento através de métodos. Para que serve? - Melhorar aproveitamento das capacidades de performance dos indivíduos; -

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

Dr. Milton Mizumoto Diretor Médico da Corpore

Dr. Milton Mizumoto Diretor Médico da Corpore Manual do corredor n Este manual tem como objetivo orientar o corredor iniciante que pretende praticar corridas em busca de bem estar e condicionamento físico. n São dicas aprendidas em livros e observações

Leia mais

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS Tendo em conta o que foi descrito no artigo anterior, vamos então pôr em prática os conceitos necessários para tornar reais as adaptações benéficas ao treino e sobretudo

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA EVOLUÇÃO/DESENVOLVIMENTO DO JOVEM PRATICANTE Processo constante mas descontínuo, por ciclos

Leia mais

Frederico Menezes Costa Cardoso. Periodização: UMA REVISÃO CRÍTICA

Frederico Menezes Costa Cardoso. Periodização: UMA REVISÃO CRÍTICA Frederico Menezes Costa Cardoso Periodização: UMA REVISÃO CRÍTICA Belo Horizonte Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG 2010 1 Frederico Menezes Costa Cardoso Periodização:

Leia mais

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO:

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: Ed Burke, Phd. Fisiologista do Esporte da Universidade do Colorado (USA). DEFINIÇÃO: Causas de fadiga muscular: - Desidratação: Transpiração, respiração, produção de urina. -

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Treino em Circuito. O que é?

Treino em Circuito. O que é? Circuitando O que é? O trabalho em circuito foi idealizado por R.E.Morgan e G.T. Adamson em 1953, na Universidade de Leeds, na Inglaterra, como ofrma de manter os seus atletas em trabalho físico num espaço

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE Tiago de Oliveira Santos 1 ; Renato Aparecido de Souza 1 LAFIPE/Faculdade Educação

Leia mais

Apostila de atletismo. Técnicas de Revezamentos. O bastão. Passagem do Bastão. Revezamento 4 x 100 REVEZAMENTO

Apostila de atletismo. Técnicas de Revezamentos. O bastão. Passagem do Bastão. Revezamento 4 x 100 REVEZAMENTO REVEZAMENTO Apostila de atletismo Prof. Pablo Teixeira Salomão, Ms. CREF 008134 G / MG pablomestrado@yahoo.com.br Técnicas de Revezamentos Várias foram as provas de revezamento; Atualmente são realizadas

Leia mais

(Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 22-29. Ed. CEFD)

(Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 22-29. Ed. CEFD) (Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 2229. Ed. CEFD) Paulo Paixão Miguel Docente da Mestrando em Alto Rendimento Desportivo ramo Treino (conclusão da parte curricular) Centro Olímpico

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios??

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? RISCOS BENEFÍCIOS RISCO DE MORTE POR DOENÇAS 100 % CARDIOVASCULARES 80 Diminuição de 34% 66% 60 40 20 0 AGITA São Paulo Sedentário Pouco Ativo Ativo Muito

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

Consumo Máximo de Oxigênio

Consumo Máximo de Oxigênio Consumo Máximo de Oxigênio Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD BE066 Consumo Máximo de Oxigênio VO2max BE066 Sistema Portátil K4b 2 BE066 VO2max Definição: É a razão máxima de O2 que uma pessoa pode absorver,

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Antonio Carlos Fedato Filho Guilherme Augusto de Melo Rodrigues O Futebol está em uma constante evolução. Quando falamos

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo Asunción, PAR, 6 e 7/06/2015 Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Prof. Dr. Ricardo D Angelo Aspectos

Leia mais

BE066 - Fisiologia do Exercício. Consumo Máximo de Oxigênio

BE066 - Fisiologia do Exercício. Consumo Máximo de Oxigênio BE066 - Fisiologia do Exercício Consumo Máximo de Oxigênio Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos Conceituar Consumo Máximo de Oxigênio Descrever os Fatores que influenciam o VO2max Meios para determinação

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento Planilha de Controle de Resultados e Treinamento CONTROLE DE TREINAMENTO INFORMAÇÕES BÁSICAS DO ATLETA NOME COMPLETO Renato Santiago GÊNERO IDADE PESO (KG) ALTURA (m) IMC ATUAL Masc. 24 100,0 1,82 30,2

Leia mais

Avaliação Física e Prescrição de Exercício Prof. Dr. Wonder Passoni Higino

Avaliação Física e Prescrição de Exercício Prof. Dr. Wonder Passoni Higino Avaliação Física e Prescrição de Exercício Prof. Dr. Wonder Passoni Higino Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Muzambinho Atividade Física Exercício Físico

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

e dos testes de avaliação

e dos testes de avaliação TEMA 3 FILME 01 TEMA 3 Treino dos fatores físicos e dos testes de avaliação Documento bruno Boucher 1 e dos testes de avaliação Os tempos de referência O catálogo do treino O circuito II de musculação

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Exercício físico com doentes hemodialisados

Exercício físico com doentes hemodialisados Novo, André *#+ ;Travassos, Francisco ; Teixeira, Fernanda» ; Hernández Múrua, Aldo» ; de Paz Fernández, José» ; Nunes de Azevedo, José ; * Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança

Leia mais

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO Maria Cristina Andrade Lopes Graduada Educação Física pelo Unileste-MG. Carlos Augusto

Leia mais

Treinamento Concorrente

Treinamento Concorrente Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educação Física Fisioterapia e Terapia Ocupacional Especialização em Treinamento de Força e Musculação Treinamento Concorrente Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

4 edição. Conteúdo exclusivo com dicas e orientações para pedalar melhor

4 edição. Conteúdo exclusivo com dicas e orientações para pedalar melhor a 4 edição Conteúdo exclusivo com dicas e orientações para pedalar melhor Nanna Pretto Equipe técnica desta edição @ nannapr www.dicademae.com É sócia-diretora da agência GaP Conteúdo, que há mais de três

Leia mais

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Bioquímica da Atividade Motora Calorimetria Medida do Gasto Energético No Exercício Físico Objetivo da aula Medida do gasto energético no exercício

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA UIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA UTILIZAÇÃO DE ISTRUMETOS ÃO IVASIVOS A MOITORIZAÇÃO DA ADAPTAÇÃO À CARGA DE TREIO: PERCEPÇÃO DA CARGA DE TREIO SEMAAL (RTL) QUESTIOÁRIO

Leia mais

O Treino das Qualidades Físicas A Resistência

O Treino das Qualidades Físicas A Resistência O Treino das Qualidades Físicas A Resistência O desenvolvimento da resistência é uma tarefa complexa devido ao facto de, na maior parte das modalidades desportivas, existirem diferentes combinações das

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física Rodrigo Piano Rosa Preparação Física no Futebol: Seletividade e aplicação das cargas durante o período competitivo. Porto Alegre 2010

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

Plano de treino Triatlo de Cascais 2015

Plano de treino Triatlo de Cascais 2015 Plano de treino Triatlo de Cascais 2015 Coach Paulo Conde Ironconde Academy INTRODUÇÃO Esta planificação de treino para o triatlo é genérica, será dirigida a todas as pessoas que praticam triatlo de forma

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Licenciado em Educação Física; - Treinador Nível II em Futebol; - Treinador à 25 anos, passando por todos os escalões; - Treinou a Selecção Distrital de Leiria; - Passou pelo Marinhense, Marítimo, União

Leia mais

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira COMPARAÇÃ ÇÃO O DA RECUPERAÇÃ ÇÃO O ATIVA EM INDIVIDUOS TREINADOS E NÃO N O TREINADOS EM MEIOS AQUÁTICO E TERRESTRE Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira Orientador: Prof.Ms.

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs.

XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs. XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs. Judocas Seniores Coimbra, 6 de Outubro de 2012 Luís Monteiro INTRODUÇÃO OBJETIVOS

Leia mais