HUMBERTO FERREIRA DA LUZ JUNIOR SOFTWARE PARA AVALIAÇÃO DE CASO DE USO E GERÊNCIA DE CHECKLISTS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HUMBERTO FERREIRA DA LUZ JUNIOR SOFTWARE PARA AVALIAÇÃO DE CASO DE USO E GERÊNCIA DE CHECKLISTS"

Transcrição

1 HUMBERTO FERREIRA DA LUZ JUNIOR SOFTWARE PARA AVALIAÇÃO DE CASO DE USO E GERÊNCIA DE CHECKLISTS LONDRINA - PARANÁ 2010

2 HUMBERTO FERREIRA DA LUZ JUNIOR SOFTWARE PARA AVALIAÇÃO DE CASO DE USO E GERÊNCIA DE CHECKLISTS Relatório Final de Estágio Obrigatório apresentado ao Curso de Computação, Departamento de Computação da Universidade Estadual de Londrina, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel, sob orientação do Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros. LONDRINA - PARANÁ 2010

3 HUMBERTO FERREIRA DA LUZ JUNIOR SOFTWARE PARA AVALIAÇÃO DE CASO DE USO E GERÊNCIA DE CHECKLISTS Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros Universidade Estadual de Londrina Prof. Dr. Mario Lemes Proença Jr. Universidade Estadual de Londrina Prof. Ms. Elieser Botelho Manhas Jr. Universidade Estadual de Londrina

4 RESUMO Atualmente na Fábrica de Projetos de Software e Tecnologia da Informação e Comunicação (GAIA) do Departamento de Computação da Universidade Estadual de Londrina todos os documentos de apoio às atividades de engenharia de software são hospedados e manipulados no Google Docs, algumas vezes em planilhas e outras como documentos de texto. Essa é uma boa solução para o desenvolvimento distribuído, porém muitas vezes torna o acesso às informações mais difícil, diminui a organização da documentação e não considera o relacionamento entre os documentos já que não foi criada para este fim. Durante o desenvolvimento deste trabalho foi desenvolvida uma aplicação Web que armazena os documentos de avaliação dos casos de uso. Esta ferramenta Web será desenvolvida utilizando a linguagem de programação Java EE 5, assim como também os frameworks EJB 3.0 (utilizado nas camadas de regra de negócio e persistência), Java Server Faces e Richfaces (camada web). Também foram utilizados o servidor de aplicação Jboss AS e o Sistema Gerenciador de Banco de Dados PostgreSQL 8.4. É importante destacar que este sistema faz parte de um projeto maior que implementa um ambiente de apoio ao processo de desenvolvimento de software e aborda funcionalidades não descritas neste trabalho.

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS MyEclipse IDE JBoss Application Server JDK Enterprise Javabeans Java Server Faces Richfaces PostgreSQL O Processo de Desenvolvimento GAIA e o seu Processo de Desenvolvimento de Software ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO Manter Checklist Descrição Fluxo Básico Fluxos Alternativos Requisitos especiais Precondições Pós-condições Pontos de Extensão Local View Definição dos atributos Protótipo da Interface Manter Histórico Descrição Fluxo Básico Fluxos Alternativos Requisitos especiais Precondições Pós-condições Pontos de Extensão Local View Definição dos atributos Protótipo da Interface Manter Revisão Descrição... 25

6 3.3.2 Fluxo Básico Fluxos Alternativos Requisitos especiais Precondições Pós-condições Pontos de Extensão Local View Definição dos atributos Protótipo da Interface DIAGRAMAS Diagrama de Arquitetura Diagrama de Entidade e Relacionamento Diagrama de Classes Diagramas de Atividade Manter Checklist Manter Revisão Manter Histórico RELATÓRIO DE TESTES Histórico da Revisão Introdução Ambiente Critérios de completeza Especificação dos testes Procedimentos de teste Casos de teste e Incidentes dos Testes Página Gerenciar Checklist Página Responder Checklist Página Visualizar Checklist Página Histórico Página Gerenciar Revisão Relatório resumido dos testes DESIGN DAS PÁGINAS CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA... 47

7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 2.1: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO FIGURA 3.1: LOCAL VIEW FIGURA 3.2: PROTÓTIPO DA INTERFACE FIGURA 3.3: PROTÓTIPO DA INTERFACE FIGURA 3.4: PROTÓTIPO DA INTERFACE FIGURA 3.5: LOCAL VIEW FIGURA 3.6: PROTÓTIPO DA INTERFACE FIGURA 3.7: LOCAL VIEW FIGURA 3.8: PROTÓTIPO DA INTERFACE FIGURA : DIAGRAMA DE ATIVIDADE 1... ANEXO FIGURA : DIAGRAMA DE ATIVIDADE 2... ANEXO FIGURA : DIAGRAMA DE ATIVIDADE 3... ANEXO FIGURA 6.1: DIAGRAMA DE CASO DE USO LISTA DE TABELAS TABELA 3.1: DEFINIÇÃO DOS ATRIBUTOS TABELA 3.2: DEFINIÇÃO DOS ATRIBUTOS TABELA 3.3: DEFINIÇÃO DOS ATRIBUTOS... 27

8 LISTA DE ABREVIATURAS AJAX - Asynchronous Javascript And XML ANSI - American National Standards Institute API - Application Programming Interface CRUD - Create, Retrieve, Update e Delete, que são operações relativas a Cadastro, Busca, Atualização e Exclusão CSS - Cascading Style Sheets EJB - Enterprise Javabeans HTML - HyperText Markup Language IDE - Integrated Development Environment JDK - Java Development Kit JSF - Java Server Faces JSP - Java Server Pages MPS-BR - Melhoria de Processos do Software Brasileiro PDS - Processo de Desenvolvimento de Software PMBOK - Project Management Body of Knowledge POJO - Plain Old Java Objects RUP - Rational Unified Process SGBD - Sistema Gerenciador de Banco de Dados SGBDOR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Objeto Relacional SQL - Structured Query Language UML - Unified Modeling Language V&V - Verificação e Validação XML - Extensible Markup Language

9 8 1 INTRODUÇÃO Qualidade de software de forma mais geral é a satisfação de requisitos funcionais e de desempenho explicitamente declarados, normas de desenvolvimento explicitamente documentadas e características implícitas que são esperadas em todo o software desenvolvido profissionalmente [3]. Para satisfazer todas as características esperadas no software, atividades de verificação e validação são necessárias. Verificação e validação é o nome dado aos processos de verificação e análise que asseguram que o software cumpra com suas especificações e atenda às necessidades dos clientes que estão pagando por ele. A verificação e validação constituem um processo de ciclo de vida completo, começando com as revisões dos requisitos e continuando com as revisões de projeto e as inspeções de código até chegar aos testes de produto. Deve haver atividades de V&V em cada estágio do processo de software. Essas atividades verificam se os resultados das atividades de processo estão conforme o especificado [8]. Dentro da área de conhecimento de Integração do PMBOK, o processo que se preocupa com a verificação e validação é tanto o de Monitoramento e controle do trabalho do projeto, como também o de Realização do controle integrado de mudanças. O primeiro processo inclui a coleta, medição e distribuição das informações de desempenho e a avaliação das medições e tendências para efetuar melhorias no processo. Além disso, uma de suas preocupações é a manutenção de uma base de informações precisas e oportunas a respeito do produto(s) do projeto e suas relativas documentações do início ao término do projeto. Já o segundo é o processo de revisão de todas as solicitações, aprovação e gerenciamento de mudanças em entregas, ativos de processos organizacionais, documentos de projeto e plano de gerenciamento de projeto, dentre as suas atividades está a de revisar, aprovar ou rejeitar todas as ações corretivas e preventivas recomendadas pelo processo de monitoramento e controle de projeto já citados. [9] Segundo Hrvoje & Filjar [2] as empresas de desenvolvimento de software deveriam organizar o trabalho em atividades de desenvolvimento de software de forma que possam obter sucesso no mercado global. Estas atividades variam de acordo com a metodologia de processo de desenvolvimento de software (PDS) utilizada.

10 9 Um dos PDSs mais tradicionais é o Rational Unified Process (RUP), que é um processo adaptável e iterativo que é centrado na arquitetura e orientado a riscos. Os processos do RUP são organizados em quatro fases: concepção, elaboração, construção e transição. [4] Dentro da fase de concepção os requisitos de negócio fundamentais são descritos por meio de casos de uso preliminares [3], já a fase de elaboração refina e expande os casos de uso preliminares que foram desenvolvidos a partir da fase de concepção. Um caso de uso de acordo com Brooch, G., et al [5] é uma descrição de um conjunto de sequências de ações, inclusive variantes, que um sistema executa para produzir um resultado de valor observável por um ator. Apesar de o RUP ser especialmente adequado à UML, ela é amplamente independente de processo, porém para obter o máximo proveito da UML, é preciso levar em consideração um processo que seja orientado a caso de uso, centrado na arquitetura, iterativo e incremental. Ser orientado a caso de uso quer dizer que eles serão utilizados para o estabelecimento do comportamento do sistema, para a verificação e validação da arquitetura do sistema, para a realização de testes e para a comunicação entre os participantes do projeto. Centrado na arquitetura significa que a arquitetura do sistema é utilizada como principal artefato para a conceituação, a construção, o gerenciamento e a evolução do sistema em desenvolvimento. Iterativo é aquele processo que gera versões executáveis em sequência, enquanto incremental quer dizer que essas versões executáveis serão integradas continuamente. [5] Uma das características principais que definem uma fábrica de software é a capacidade de obter feedback do que já foi realizado para reconhecer e lidar com oportunidades de melhoria do processo [6]. Este feedback é obtido através de métricas do projeto, que são medidas quantitativas do grau em que um sistema, componente ou processo possui um determinado atributo [10] e nos dão um modo sistemático de avaliar qualidade com base em um conjunto de regras claramente definidas [3], desta forma os problemas podem ser corrigidos antes que se tornem mais graves. Dentro da Fábrica de Software há documentos de avaliação que coletam estas métricas, dentre eles estão o documento de revisão de caso de uso e o plano de testes. Estes documentos são gerados iterativamente até que a qualidade mínima exigida seja obtida.

11 10 Devido à importância destes documentos surge a necessidade de automatizar esse processo, de forma que a criação e manutenção dos documentos seja facilitada e que também agilize a coleta de métricas para as próximas iterações do mesmo projeto, como também para outros projetos de software. Este trabalho esta dividido da seguinte forma: no Capítulo 2 estão descritos os procedimentos metodológicos incluindo as ferramentas de desenvolvimento utilizadas como também o processo de desenvolvimento de software adotado, no capítulo 3 são apresentados os três casos de uso implementados neste trabalho, no capítulo 4 são encontrados os diagramas criados no projeto, no capítulo 5 é descrita a situação corrente do trabalho, o capítulo 6 realiza as considerações finais e no último capítulo (7) é apresentada a bibliografia na qual esta dissertação se apoiou.

12 11 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS subseções seguintes: As ferramentas e tecnologias utilizadas neste trabalho estão descritas nas 2.1 MyEclipse IDE O MyEclipse é uma IDE java construída sobre a plataforma Eclipse que integra soluções proprietárias e open source no ambiente de desenvolvimento [12]. Dentre as vantagens agregadas pelo MyEclipse estão o suporte ao JSF e principalmente à engenharia reversa que ele faz sobre o projeto físico do banco de dados, gerando as classes de persistência e suas respectivas operações de manipulação do banco de dados, de forma que apenas algumas adaptações sejam necessárias nestas classes java. Atualmente este ambiente de desenvolvimento se encontra na versão 8.6, que foi lançada recentemente. Porém no desenvolvimento deste trabalho a versão 8.5 foi a selecionada para ser utilizada no projeto. 2.2 JBoss Application Server O JBoss Application Server (ou JBoss AS) é o servidor de aplicação Java mais utilizado no mundo atualmente. Ele é uma plataforma java EE para desenvolvimento e implantação de aplicações java empresariais para a web. Alguns dos serviços disponibilizados por ele estão a clusterização, caching, e persistência. Uma variedade de configurações muito grande é disponibilizada de modo que se aumente sua segurança e escalabilidade com facilidade. [11] A vantagem de sua utilização é a de poder utilizar os frameworks Enterprise Javabeans (EJBs) e Java Server Faces (JSF) sem a necessidade de configuração adicional. A única necessidade de configuração no JBoss AS é o arquivo data-source, que contém as configurações de conexão com o banco de dados. 2.3 Java Development Kit 1.5 A versão JDK 1.5 apresenta novas extensões para a linguagem de programação Java. Possui um número de classes muito maior do que as versões anteriores (mais de

13 ), além disso, inclui diversas alterações significativas à própria linguagem, tornando-a mais fácil para os programadores e fornecendo novos recursos já populares em outras linguagens. 2.4 Enterprise Javabeans 3.0 A tecnologia Enterprise Javabeans (EJB) é a arquitetura de componente do lado do servidor para a plataforma Java. A tecnologia EJB permite um desenvolvimento rápido e simplificado de aplicações distribuídas, transacionais, seguras e portáveis baseadas na tecnologia java. [10] O EJB 3.0 permite persistir dados no banco de dados sem o uso de SQL, trabalhando sempre com objetos java simples (POJOs) e utilizando session beans (também conhecidos como façades) para implementar as operações CRUD (Create, Retrieve, Update e Delete) de persistência. Essas classes podem implementar inclusive outras características das tabelas de bancos de dados, como por exemplo a de autogerar o identificador das tabelas e também a possibilidade de buscar um objeto de uma tabela e junto com ele todos os outros objetos de outras tabelas que tenham relacionamento com ele. 2.5 Java Server Faces Java Server Faces (JSF) é um framework java que traz o desenvolvimento rápido de interfaces web de usuário. Ele gerencia regras de navegação, validação e conversão de campos de formulários. [15] O JSF ainda é capaz ainda de se integrar ao EJB, mesmo que esta integração não seja com perfeição, já que é requerido mais código do que deveria ser necessário. O framework JBoss Seam foi criado para resolver este problema e unir o JSF e o EJB a um único bloco, porém este framework não é abordado nem utilizado neste trabalho. 2.6 Richfaces Richfaces é uma biblioteca de componentes para JSF e um framework avançado para integrar o AJAX às aplicações de negócio. Entres suas vantagens está o mecanismo chamado skinnability que permite que você altere o visual da sua aplicação

14 inteira modificando apenas uma linha de um arquivo, além disso ele também possui uma grande comunidade para suporte. [13] PostgreSQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados objeto relacional (SGBDOR) desenvolvido como projeto de código aberto. Sua vantagem é que além de ser gratuito, ele não possui limite no tamanho máximo do banco de dados, sua implementação está dentro do padrão ANSI-SQL92/99, possui suporte completo a sub-queries e diversas funcionalidades mais complexas que o deixa no mesmo nível de diversos SGBDs pagos. [14] 2.8 O Processo de Desenvolvimento O processo de desenvolvimento de software compreende um conjunto de atividades que engloba métodos, ferramentas e procedimentos, com o objetivo de produzir softwares que atendam aos requisitos especificados pelos usuários (clientes). A equipe de desenvolvimento de software possui uma missão: entregar software de qualidade, dentro do prazo e custo, que atenda aos requisitos do negócio e que seja flexível para acomodar as mudanças futuras nas necessidades dos usuários. O processo tem que ser customizável para não engessar a equipe numa forma de trabalho burocrática GAIA e o seu Processo de Desenvolvimento de Software Uma fábrica de software é uma organização que provê serviços de desenvolvimento de sistemas com alta qualidade, baixo custo e de forma rápida, utilizando um processo de desenvolvimento de software bem definido e tecnologia de ponta, além de algumas formas de feedback para reconhecer e lidar com oportunidades de melhoria do processo [16]. Basicamente, as Fábricas de Software podem ser classificadas em Fábricas de Programas, Fábricas de Teste e Fábricas de Projetos. As Fábricas de Programas caracterizam-se por atuarem em apenas uma porção do processo produtivo do software. Seu objetivo é codificar e testar programas conforme um acordo de níveis de serviços com

15 14 o cliente ou usuário. As Fábricas de teste atuam no teste do software verificando e validando se a codificação está em conformidade com a especificação de requisitos. E as Fábricas de Projetos, por sua vez, atuam com um pouco mais de abrangência no processo de produção, englobando além das atividades inerentes à Fábrica de Programas e à Fábrica de Testes, fases como modelagem de negócio, requisitos, análise e design. Tem-se também, a chamada Fábrica de Projetos de Software ou Fábrica de Projetos Ampliada que, além da abrangência da Fábrica de Projetos, atua também na arquitetura da solução. Seu objetivo é a conceituação do software, preocupando-se em projetar uma solução em que o software se caracteriza apenas como um dos componentes. O processo de desenvolvimento de software compreende um conjunto de atividades que engloba métodos, ferramentas e procedimentos, com o objetivo de produzir softwares que atendam aos requisitos especificados pelos usuários ou clientes. A Fábrica GAIA utiliza um processo de desenvolvimento baseado no Processo Unificado, iterativo e incremental [17], direcionado a casos de uso e centrado na arquitetura. A partir de uma perspectiva de gerenciamento baseada no PMBOK [18], o Processo de Desenvolvimento de Software da GAIA é dividido em seis fases, cada uma concluída por um marco principal. A Fig. 2.1 apresenta este Processo e a forma como a Gerência de Comunicação atua com o Processo GAIA, ou seja, em paralelo a este Processo. Cada fase do processo é composta por atividades, sendo que cada uma destas atividades são descritas por um fluxo de trabalho composto por tarefas a serem realizadas pelos atores do processo, gerando artefatos (atas, documentos, código fonte, planos de testes).

16 15 Figura 2.1: Processo de Desenvolvimento 1 Análise Inicial: reunião com o cliente para entendimento do problema e definição do escopo. O número de reuniões é definido pela equipe de analistas, visto que, por política organizacional [19], a GAIA investe na qualidade deste escopo, minimizando ao máximo problemas de falta de entendimento, insatisfações futuras do cliente pelo fato do sistema não atender suas necessidades, evitando com isso o retrabalho. O resultado deste investimento é a minimização dos riscos do projeto. Para cada reunião é gerada uma ata que deve ser assinada por todos os participantes, firmando o comprometimento de todos os envolvidos e para que os assuntos tratados sejam disponibilizados eletronicamente a todos os demais integrantes do desenvolvimento deste produto. Ao término desta etapa, tem-se uma proposta para o cliente, incluindo o escopo que é representado por uma Work Breakdown Structure (WBS), premissas, riscos, o prazo (em meses) para o desenvolvimento e o custo do projeto. Para estabelecimento dos prazos e custos utiliza-se um banco de dados histórico do desempenho da equipe em projetos similares; Análise e Planejamento: Após a aprovação da proposta, deve-se iniciar o planejamento do projeto, por meio da definição dos casos de uso e das respectivas especificações, dos riscos e prioridades de desenvolvimento, da expansão da WBS, da alocação de pessoas, da elaboração do cronograma, do estabelecimento de pontos de controle, do número de iterações e de quais casos de uso serão desenvolvidos em cada iteração. É gerado um artefato intitulado Plano de Projeto. Vale ressaltar que esta fase do processo de desenvolvimento da GAIA ocorre de maneira iterativa, ou seja, após

17 16 definirmos e iniciarmos a primeira iteração, no término da mesma, caso o desenvolvimento deva continuar, esta fase é disparada novamente. Nesta fase também ocorre o estabelecimento do grau de severidade para a aprovação ou não dos resultados das atividades pelo projeto. O grau de rigorosidade implica diretamente no controle da qualidade do projeto, ou seja, quanto menor a grau de rigorosidade, mais rígido é o processo de garantia de qualidade do projeto; Monitoramento e Controle: Paralelamente a Análise e Planejamento, deve-se iniciar o monitoramento e controle do projeto, buscando verificar se o que está sendo feito está de acordo com o planejado, tomando ações corretivas quando necessário. Esta verificação deverá ser feita nos pontos de controle indicados no artefato Plano de projeto; Execução: Nesta fase ocorre a especificação e a implementação dos respectivos casos de uso e os testes unitários. A especificação dos casos de uso deve ser verificada e validada. Caso ocorra uma quantidade igual ou superior de não conformidades aceitáveis para o projeto em questão, a iteração deve ser cancelada e um novo planejamento deve ser estabelecido levando-se em consideração os atrasos e as consequências dos mesmos. Após uma análise do resultado dos testes, decide-se, baseado também no grau de rigorosidade, por corrigir as não conformidades encontradas e realizar novamente os testes e partirmos para a próxima fase intitulada Entrega ou cancelarmos a iteração e voltarmos para a fase de Análise e Planejamento; Entrega: Esta fase está responsável por executar os testes de integração que, caso registre um resultado positivo, iniciará a entrega e implantação da parte do produto desenvolvida até a presente iteração. Se o projeto ainda não terminou, a fase de Análise e Planejamento é iniciada novamente. Do contrário, a fase de Finalização é iniciada; Finalização: Nesta faze é realizada um reunião de término do projeto, na qual são levantadas as lições aprendidas, sendo as mesmas registradas em ata para futuras consultas e melhorias no processo de desenvolvimento. É gerado um documento indicando o recebimento do produto pelo cliente e o término do projeto. Todas as fases do processo foram definidas com o propósito de ser o mais simples possível, porém mantendo o formalismo para garantir a qualidade do desenvolvimento nas nuvens.

18 17 3 ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO Nesta seção são apresentadas as especificações de caso de uso desenvolvidas durante a análise de requisitos. Um modelo de caso de uso consiste no conjunto de todos os casos de uso para o sistema, ou uma porção do sistema, junto com o conjunto de todos os atores que interagem com estes casos de uso, descrevendo assim a funcionalidade completa do sistema. Ele fornece um modelo das funções planejadas do sistema e seu ambiente, e pode servir como um contrato entre o cliente e os desenvolvedores. 3.1 Manter Checklist Descrição Caso de uso para cadastro, edição e remoção de checklists. Estas checklists nada mais são do que perguntas utilizadas para verificação e validação Fluxo Básico Este caso de uso é disparado pelo gerente de projeto que desejar inserir uma nova checklist à base de dados. Primeiramente os dados da nova checklist a ser inserida devem ser preenchidos no formulário. A seguir as perguntas associadas àquele checklist criado devem ser inseridas. Finalmente o botão de envio dos dados deve ser pressionado. Neste momento ocorre a validação dos dados, se a validação ocorrer com sucesso a checklist será salva na base de dados, caso contrário irá para o primeiro fluxo alternativo Fluxos Alternativos Formulário não é validado com sucesso : caso algum dos campos do formulário não seja preenchido corretamente, a mesma página será exibida novamente para que o ator faça a correção e possa realizar a submissão com sucesso. Ator deseja editar os dados de uma checklist: neste caso o ator seleciona uma das checklists disponíveis exibidas em formato de tabela, utilizando opcionalmente um dos filtros de busca, e clica na opção de edição da checklist correspondente. A seguir o

19 usuário edita os dados do formulário (incluindo o questionário da checklist) e os submete clicando em um botão. 18 Ator deseja excluir uma checklist: neste caso o ator seleciona uma das checklists exibidas em formato de tabela, utilizando opcionalmente um dos filtros de busca, e clica na opção de exclusão da checklist correspondente. Ator deseja apenas visualizar os dados de uma checklist: neste caso o ator seleciona uma das checklists exibidas em formato de tabela, utilizando opcionalmente um dos filtros de busca, e clica na opção de edição da checklist correspondente. Uma janela irá surgir com todos os dados da pergunta solicitada Requisitos especiais Este caso de uso não possui requisitos especiais Precondições Este caso de uso não possui pré-condições Pós-condições Este caso de uso não possui pós-condições Pontos de Extensão Este caso de uso não possui pontos de extensão Local View Figura 3.1: Local View

20 Definição dos atributos Nome da Tipo Limitações Descrição Interface Obrigatório variável idpergunta Integer - Identificador da pergunta s/interface, será Sim gerado automáticamente. enunciado String Até 200 Enunciado da pergunta Inputtext Sim caracteres. tipo char 1 caracter. Tipo da pergunta (múltipla escolha ou Dropbox Sim dissertativa) alternativas String[] Até 100 Alternativas de resposta (caso múltipla escolha) Datatable Não caracteres. resposta String Até 100 Resposta correta da múltipla escolha ou da Inputtext Sim caracteres. dissertativa data_hora Date - Horário em que a resposta foi submetida s/interface, será Sim gerado automáticamente. Tabela 3.1: Definição dos Atributos

21 Protótipo da Interface Protótipo para adicionar checklist: Figura 3.2: Protótipo da Interface Protótipo para adicionar perguntas dissertativas: Figura 3.3: Protótipo da Interface Protótipo para adicionar perguntas dissertativas: Figura 3.4: Protótipo da Interface

22 Manter Histórico Descrição Esse caso de uso destina-se a cadastrar, manter atualizado e excluir um histórico dos testes realizados em projetos de software Fluxo Básico O caso de uso é disparado pelo analista de sistemas que armazena no histórico uma ficha que está sendo persistida (de Revisão ou Checklist por exemplo). O ator preenche os dados requeridos (ver tabela na seção 8) e clica em salvar. Após isto ocorre a validação do formulário, se o formulário não for validado corretamente o sistema entrará no fluxo alternativo 2.2.2, caso contrário os dados serão persistidos na base de dados Fluxos Alternativos Alterar um histórico cadastrado: o ator pode alterar um histórico de uma revisão ou checklist já cadastrada através de uma tabela exibida na tela, clicando em seu respectivo botão de edição. Os dados deverão ser modificados, então validados e salvos. Se os dados não forem validados corretamente o fluxo irá para Formulário não validado: após a não validação a página será reexibida para a correção do preenchimento do formulário. Após a correção os dados serão validados novamente. Excluir um histórico cadastrado: o ator pode excluir um histórico já cadastrado através de uma tabela exibida na tela, clicando em seu respectivo botão de exclusão. Será mostrado um aviso informando que essa operação não poderá ser desfeita, oferecendo a opção de confirmar e de cancelar, selecionando-se a opção de Confirmar o sistema exclui o procedimento de teste selecionado.

23 Requisitos especiais Este caso de uso não possui requisitos especiais Precondições Antes da execução deste caso de uso o sistema deverá ter executado ao menos um dos seguintes casos de uso: Manter Casos de Teste; Manter Procedimentos de Teste; Manter Relatório Resumido; Manter Checklist; Manter Atas; Manter Revisão Pós-condições Este caso de uso não possui pós-condições Pontos de Extensão Este caso de uso não possui pontos de extensão Local View Figura 3.5: Local View

24 Definição dos atributos Nome da variável Tipo Limitações Descrição Interface Obrigatório iddocumento Integer - Id do documento em sua respectiva tabela (chave estrangeira) tipodocumento Char 1 caracter Indica a que tipo de documento o histórico se refere. idhistorico Integer - Id do histórico - Sim - Sim data Date - Data em que foram feitas alterações Calendar Sim versão String 1 a 10 caracteres Versão corrente do teste Campo de descrição String 1 a 100 caracteres Descrição do teste feito Campo de autor String 1 a 40 caracteres Autor do teste Campo de Tabela 3.2: Definição dos Atributos texto texto texto Sim Sim Sim

25 Protótipo da Interface Figura 3.6: Protótipo da Interface

26 Manter Revisão Descrição Esse caso de uso destina-se a cadastrar, manter atualizado e excluir um histórico dos testes realizados em projetos de software Fluxo Básico O caso de uso é disparado pelo analista de sistemas que armazena no histórico uma ficha que está sendo persistida (de Revisão ou Checklist por exemplo). O ator preenche os dados requeridos (ver tabela na seção 8) e clica em salvar. Após isto ocorre a validação do formulário, se o formulário não for validado corretamente o sistema entrará no fluxo alternativo 2.2.2, caso contrário os dados serão persistidos na base de dados Fluxos Alternativos Alterar um histórico cadastrado: o ator pode alterar um histórico de uma revisão ou checklist já cadastrada através de uma tabela exibida na tela, clicando em seu respectivo botão de edição. Os dados deverão ser modificados, então validados e salvos. Se os dados não forem validados corretamente o fluxo irá para Formulário não validado: após a não validação a página será reexibida para a correção do preenchimento do formulário. Após a correção os dados serão validados novamente. Excluir um histórico cadastrado: o ator pode excluir um histórico já cadastrado através de uma tabela exibida na tela, clicando em seu respectivo botão de exclusão. Será mostrado um aviso informando que essa operação não poderá ser desfeita, oferecendo a opção de confirmar e de cancelar, selecionando-se a opção de Confirmar o sistema exclui o procedimento de teste selecionado Requisitos especiais Este caso de uso não possui requisitos especiais.

JOSÉ ANDRÉ DORIGAN FERRAMENTA PARA GERÊNCIA DE TESTES EM SOFTWARE LONDRINA - PARANÁ 2010

JOSÉ ANDRÉ DORIGAN FERRAMENTA PARA GERÊNCIA DE TESTES EM SOFTWARE LONDRINA - PARANÁ 2010 1 JOSÉ ANDRÉ DORIGAN FERRAMENTA PARA GERÊNCIA DE TESTES EM SOFTWARE LONDRINA - PARANÁ 2010 2 JOSÉ ANDRÉ DORIGAN FERRAMENTA PARA GERÊNCIA DE TESTES EM SOFTWARE Relatório Final de Estagio Obrigatório apresentado

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Sistema Gerenciador de Hotel Adriano Douglas Girardello

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 CURITIBA Nov 2012 DJULLES IKEDA OSNIR FERREIRA DA CUNHA Sistema de Gestão Escolar PROJETO

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS Janderson Fernandes Barros ¹, Igor dos Passos Granado¹, Jaime William Dias ¹, ² ¹ Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí

Leia mais

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012 Fábrica de Software Dados do Projeto Nome do Projeto Data de Inicialização Responsáveis Autores Fingerprint Access Users 14/04/2012 Adriana Lima de Almeida, Espedito Alves Leal, Jaciel Dias de Souza, Samuel

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE IVY MARTINS SALLES SATCAR: SISTEMA DE GERÊNCIA DE UMA EMPRESA DE RASTREAMENTO VEICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE IVY MARTINS SALLES SATCAR: SISTEMA DE GERÊNCIA DE UMA EMPRESA DE RASTREAMENTO VEICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE IVY MARTINS SALLES SATCAR: SISTEMA DE GERÊNCIA DE UMA EMPRESA DE RASTREAMENTO VEICULAR NITERÓI 2010 IVY MARTINS SALLES SATCAR: SISTEMA DE GERÊNCIA DE UMA EMPRESA DE RASTREAMENTO

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz Especificação de FUNÇÃO Função: Analista Desenvolvedor Código: Cargo Função Superior CBO Analista de Informática Gerente de Projeto Missão da Função - Levantar e prover soluções para atender as necessidades

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Departamento de Eletrônica e de Computação. Sistema de controle de estoque doméstico

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Departamento de Eletrônica e de Computação. Sistema de controle de estoque doméstico Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e de Computação Sistema de controle de estoque doméstico Autor: Orientador: Examinador: Examinador: Alexandre Figueiredo

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª REGIÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SETI Versão 1.0 MANAUS-AM (2010) MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Sistema de Inteligência Patrimônial. Especificação dos Requisitos

Sistema de Inteligência Patrimônial. Especificação dos Requisitos Sistema de Inteligência Patrimônial Especificação dos Requisitos Especificação dos Requisitos Data Versão: 18 / 11 / 2015 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autor 23 / 11/ 2015 1.0 Versão Inicial

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes.

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

PRD Tecnologia de Gestão Ltda. Julho/2008

PRD Tecnologia de Gestão Ltda. Julho/2008 O Processo de Desenvolvimento Telescope Julho/2008 Página 1 Sumário Introdução...3 O desenvolvimento de software tradicional...3 O problema da produtividade...3 O problema da portabilidade...6 O problema

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS EDILBERTO SILVA 1, AQUILA ISRAEL (1316079) 2, CYNTHIA FERREIRA (1316079) 2, MARKO DE CASTRO (1316119) 2, RAFAELA ALMEIDA (1316189)

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate

Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate Luis Gustavo Zandarim Soares 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paraná PR Brasil luisgustavo@live.co.uk,

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

UC05 Manter Páginas. Diplomata CADASTRO. Versão 1.0

UC05 Manter Páginas. Diplomata CADASTRO. Versão 1.0 UC05 Manter Páginas Versão.0 Página / 0 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor.0 Criação do documento. Eduardo Gomes de Souza Página 3 / 0 SUMÁRIO. FINALIDADE... 4. REFERÊNCIAS... 4 3. GLOSSÁRIO...

Leia mais

Documento de Visão do Projeto

Documento de Visão do Projeto Documento de Visão do Projeto 1. Objetivo O propósito deste documento é coletar, analisar e definir as necessidades de alto-nível e características do projeto de software do Módulo Editor de Estruturas

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Gestão da Tecnologia da Informação DCSoft Sistema de Depreciação/Contábil PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO Equipe: Eduardo Rocha da Silva ERDS Bruno Cattany Martins

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R ENCARTE R Estimativa de de Software Estimativa de de Software: Contratação de Serviços de Fábrica de Software Página 1 de 10 SUMÁRIO 1 REFERÊNCIAS... 3 1 INTRODUÇÃO... 3 3.1 ESTIMATIVA PRELIMINAR... 4

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM MARÇO / 2015 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

Características do Software

Características do Software Questionamentos Por que tanta demora para entregar? Por que os prazos se atrasam? Por que os custos são altos? Por que não achar todos os erros antes de entregar? Por que dificuldade em medir o progresso

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

ANEXO 04 PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP. Processo de Desenvolvimento de Sistemas

ANEXO 04 PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP. Processo de Desenvolvimento de Sistemas ANEXO 04 PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP Processo de Desenvolvimento de Sistemas MDP - Metodologia de Desenvolvimento PROCERGS - é uma estrutura básica de definição de processos

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Renan Sales Barros 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN)

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Análise e Projeto Orientados a Objeto

Análise e Projeto Orientados a Objeto Análise e Projeto Orientados a Objeto com UML e Padrões Parte I Análise, Projeto, e Processo Baseado em Craig Larman 1 Aplicando UML, Padrões e APOO Objetivo Desenvolver habilidades práticas na utilização

Leia mais

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS Elaborado por: Bruno Duarte Nogueira Arquiteto de Software Data: 05/03/2012 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tecnologias... 3 2.1. Web Tier... 3 2.1.1. Facelets 1.1.14...

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP RUP Rational Unified Process ( Unificado de Desenvolvimento da Rational) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec Copyright 2007, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

Especificação dos Requisitos do Software. White Label

Especificação dos Requisitos do Software. White Label Ubee Especificação dos Requisitos do Software White Label Review 0.3 Autores: Airton Sampaio de Sobral (asds@cin.ufpe.br) Alan Gomes Alvino (aga@cin.ufpe.br) Glauco Roberto Pires dos Santos (grps@cin.ufpe.br)

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. O ambiente Delphi suporta o desenvolvimento de aplicações orientadas a objetos por meio da linguagem Object

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Uma Ferramenta para Geração Automática de Testes Funcionais e Protótipos de Interface a partir de Casos de Uso

Uma Ferramenta para Geração Automática de Testes Funcionais e Protótipos de Interface a partir de Casos de Uso Uma Ferramenta para Geração Automática de Testes Funcionais e Protótipos de Interface a partir de Casos de Uso Ernesto C. Brasil 1, Thiago C. de Sousa 2 1 Centro de Ensino Unificado de Teresina (CEUT)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage...

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... 12 Apresentação O Pitstop foi desenvolvido pela Interact com o objetivo

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais