USO DE AGENTES COMPUTACIONAIS NO DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS PARA GERENCIAMENTO DE CURSOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA RESUMO SUMMARY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DE AGENTES COMPUTACIONAIS NO DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS PARA GERENCIAMENTO DE CURSOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA RESUMO SUMMARY"

Transcrição

1 USO DE AGENTES COMPUTACIONAIS NO DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS PARA GERENCIAMENTO DE CURSOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 131 ELAINE QUINTINO DA SILVA (*) JOÃO BENEDITO DOS SANTOS JUNIOR (**) HARRISSON FERREIRA GOMES (***) JÉSLER SANTOS (***) RICHARD GEHARDT DA SILVA (***) CLÁUDIO LOPES (***) HUDSON DE PÁDUA MELO (***) JAMERSON JARDEL NERE (***) LEANDRO ALVARENGA ANDRADE (***) RAMON BORGES LOPES (***) RESUMO Este trabalho apresenta a descrição do projeto de um conjunto de ferramentas que se aplica às tarefas de gerenciamento de materiais didáticos apresentados no ambiente WWW. A proposta deste trabalho está centrada no desenvolvimento de mecanismos para a interação entre as entidades aluno e professor com o curso disponibilizado através do ambiente WWW, utilizando-se da tecnologia de agentes de software. O uso do conceito de agentes de software neste trabalho é justificado pela necessidade de isolamento dos professores e alunos das tarefas computacionais do gerenciamento. Em adição, é importante ressaltar que o desenvolvimento das ferramentas envolve a utilização da linguagem JAVA, o que reforça a facilidade de intercâmbio de informações com outras aplicações, por exemplo com ferramentas de autoria de materiais didáticos em ambientes multiplataforma. DESCRITORES: Educação a distância, agentes de software, gerenciamento de cursos, WWW, JAVA, HTML, XML, XSL, XQL. SUMMARY USE OF SOFTWARE AGENTS IN THE DEVELOPMENT OF TOOLS FOR MANAGEMENT OF COURSES IN DISTANCE EDUCATION This paper presents the project description of a set of tools to management teaching materials presented in the WWW environment. The objective of this work is the development of mechanisms to interaction between the entities student and teacher with a course on the WWW environment, trought the use of the software agents technology. The use of software agents concept is justified by need of transparency in complex computational tasks for both teachers and students. Furthermore, is important to observe which the development of the tools involve the use of the JAVA programming language, what improve the information interchange with another application, such as didactic materials authoring tools in multiplatform. KEY WORDS: Education at a distance, software agents, course management, WWW, JAVA, HTML, XML, XSL, XQL. 1. INTRODUÇÃO A proliferação dos computadores pessoais e popularização da Internet aumentaram o nível de comunicação entre os usuários, criando uma variedade de serviços oferecidos através desta rede heterogênea de ambientes, sistemas e plataformas. Neste contexto, merece destaque a aplicação das tecnologias da informação à educação que levaram a um crescimento no interesse por pesquisas ligadas à implementação de ferramentas e aplicações voltadas para o ambiente de ensino (Keegan, 1996). De modo especial, a Internet apresenta-se como um fator a ser explorado no contexto do ensino através do ambiente WWW (World Wide Web) (Lucena, 1998). A publicação de materiais didáticos neste ambiente surge como um novo canal a ser explorado na criação de Programas de Ensino à Distância, programas esses que constituem uma forma de ensino planejada e que envolve uma distância (física ou de tempo) entre o professor e o aluno, bem como a necessidade de utilização de mecanismos para a comunicação e técnicas especiais de projeto e gerenciamento de cursos. Genericamente, o processo de realização de um curso no ambiente WWW pode ser dividido em três etapas: autoria, disponibilização e gerenciamento. Atualmente, as etapas de autoria e disponibilização têm sido apoiadas através de ferramentas e ambientes próprios para o desenvolvimento de materiais * Mestranda em Ciência da Computação (ICMC-USP) ** Professor do Curso de Bacharelado em Ciência da Computação (UNIFENAS) C.P. 23, CEP Alfenas-MG ***Acadêmicos do Curso de Bacharelado em Ciência Computação (UNIFENAS), bolsistas de iniciação científica.

2 132 E. Q. da SILVA et al. didáticos. Por outro lado, a etapa de gerenciamento, que deve fornecer mecanismos de interação entre alunos e professores, ainda constitui uma tarefa pouco explorada em virtude da carência de ferramentas e aplicações apropriadas. gerenciamento que permite o acompanhamento das atividades do aluno de um curso específico Contexto 2. DESENVOLVIMENTO O ambiente WWW permite a publicação de hiperdocumentos construídos de acordo com a linguagem HTML (HTML, 1992). Esses hiperdocumentos podem ser incrementados através da inserção de applets JAVA e Scripts, além de ser permitido o acesso a bases de dados relacionais, utilizando-se para isto recursos como JDBC (Java DataBase Connectivity) (Sun,1996). Os autores do ambiente WWW têm hoje à sua disposição diversas ferramentas de autoria e publicação que, apesar de exigirem algum conhecimento especializado em informática (especialmente em JAVA e tecnologias afins), são muito poderosas e versáteis. Como exemplos comerciais, tem-se o FrontPage da Microsoft (Microsoft, 1999), o Composer da Netscape (Netscape, 1998), dentre outras. No mundo acadêmico, várias ferramentas têm sido desenvolvidas com o objetivo de apoiar a elaboração de material didático, observando-se principalmente a autoria pelo professor e a navegação do estudante no material didático apresentado. Como exemplos, pode-se citar o ambiente WebCT (WebCT, 1999), o ambiente AulaNet (AulaNet, 1998), TopClass (TopClass, 1999), e as ferramentas do ambiente (Santos Jr, 1998), e WebCourse (Scapin & Garcia Neto, 1997). O ambiente WebCT, desenvolvido na University of British Columbia, Canadá, em 1996, é baseado em documentos HTML, tanto para o aluno quanto para o autor, e é apresentado através de um documento principal com links para conteúdo dos cursos, características e ferramentas. Este ambiente é destinado a facilitar a criação de ambientes educacionais sofisticados no ambiente WWW. Ao professor são apresentadas ferramentas para a autoria e disponibilização do material didático e para o gerenciamento do curso, tais como a verificação do progresso do aluno, elaboração e correção automática de testes, controle de estudantes, dentre outras. Ao aluno são apresentadas ferramentas para a interação com o curso, tais como cadastro do aluno, quadro de notas, entrega de trabalhos, calendários e outras. A Figura 1 apresenta uma interface com uma tarefa de Figura 1. Ferramenta de gerenciamento do ambiente WebCT que visa o acompanhamento das atividades do aluno em um curso específico Devido a estas características, o ambiente WebCT tem sido considerado, atualmente, como um dos mais completos pacotes para desenvolvimento de cursos no ambiente WWW, fornecendo a maioria dos recursos necessários para a realização de um curso à distância via Internet. Além do ambiente WebCT, o ambiente AulaNet é outro bom exemplo para autoria e disponibilização de material didático para o ambiente WWW. Desenvolvido no Laboratório de Informática da PUC-RIO, é um ambiente para criação de cursos direcionados ao público leigo (AulaNet, 1998). O objetivo do ambiente é adotar a Web como ambiente educacional, criando uma transição da sala de aula convencional para a sala de aula virtual e oferecendo a oportunidade de se reusar o material educacional existente. Figura 2 Interface de um curso no ambiente AulaNet, mostrando uma barra de ferramentas de interação do aluno que estão disponíveis para o curso.

3 USO DE AGENTES COMPUTACIONAIS NO DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS O ambiente AulaNet oferece vários serviços necessários para a realização de um curso via ambiente WWW, incluindo também, ferramentas para o gerenciamento do curso, tais como cadastro do aluno, chat, agenda, notícias do curso, grupos de discussão, provas, questionários, exercício, mas visa, de modo especial, a autoria e apresentação do material. A Figura 2 apresenta a interface de um curso do ambiente AulaNet com as ferramentas que o professor selecionou para a interação do aluno. No contexto de documentos didáticos estruturados, pode-se citar como exemplos as ferramentas do ambiente (Santos Jr, 1998). A ferramenta Jobus se destina ao desenvolvimento de exercícios a serem inseridos no material didático, oferecendo a possibilidade de utilização de recursos multimídia como textos e imagens. A ferramenta é utilizada para a criação de questionários com questões de vários tipos, tais como falso/verdadeiro, múltipla escolha e dissertativas. Finalmente, a ferramenta concentra todo o projeto, sendo destinada à criação e disponibilização do material didático. Nesta ferramenta, o professor pode criar um documento HTML com o material do curso e inserir questionários e exercícios criados com a utilização das ferramentas Jobus e No contexto do uso da informática na educação, pode-se observar a existência de diferentes ferramentas, onde a preocupação maior está relacionada à modelagem, autoria e disponibilização do material didático, salvo algumas exceções como os ambientes WebCT, AulaNet e O projeto de desenvolvimento de ferramentas de gerenciamento torna-se relevante no sentido de que essas ferramentas devem apresentar características abertas e estruturadas que permitam a sua utilização em cursos criados através de outras ferramentas de autoria. De modo especial, essas ferramentas devem complementar as capacidades de criação e disponibilização de materiais didáticos, sem, contudo, o conjunto formar uma aplicação monolítica e indivisível Tecnologias aplicáveis em ambientes de ensino à distância O uso da Internet em ambientes educacionais contribui para um novo paradigma de ensino à distância que tem usufruído do desenvolvimento tecnológico da grande rede mundial. Muitas tecnologias têm sido propostas e estudadas, no sentido de aprimorar as técnicas existentes e permitir o desenvolvimento de aplicações cada vez mais complexas e poderosas (Moreira & Walczowski, 1997). Dentre estas tecnologias, destacam-se os agentes computacionais, que pelos dicionários comuns são definidos como sendo alguém que realiza alguma tarefa. No contexto da computação, a definição do termo é bem mais ampla e não existe um único conceito que seja aplicável a todas as situações, sendo que cada autor fornece a definição que melhor se adapta ao seu contexto. No entanto, deve-se conservar a característica principal do agente, que é a sua capacidade de cooperação com outras aplicações para a solução de problemas complexos. Dessa variedade de definições pode-se extrair algumas propriedades que diferem agentes computacionais de programas e que permitem a classificação dos agentes. Estas propriedades são relativas ao ambiente em que os agentes estão inseridos, sendo que este ambiente constitui o meio do qual o agente obtém informação e sobre o qual o agente pode atuar. Algumas propriedades são (Franklin, & Graesser, 1996): reatividade: capacidade do agente de reagir ao ambiente através de um comportamento baseado em estímulo/resposta; adaptação: capacidade dos agentes se adaptarem às mudanças que ocorrem no ambiente; pró-atividade: capacidade de tomar iniciativa e não ser conduzido somente pelos eventos; autonomia: capacidade dos agentes agirem sem intervenção humana direta ou qualquer outra intervenção, tendo controle sobre o seu estado; mobilidade: capacidade dos agentes de se moverem no ambiente, inclusive de uma máquina para outra; capacidade social: capacidade de comunicar com outros agentes utilizando uma linguagem de comunicação de agentes. Através destas propriedades e da função exercida pelos agentes, é possível classificá-los em: agentes de informação: são agentes capazes de obter informação requerida por um agente humano; agentes de entretenimento: são agentes que simulam e animam personalidades artificiais, normalmente em mundos virtuais destinados ao entretenimento; agentes de aconselhamento: são agentes que ajudam as pessoas na execução de certas tarefas dando conselhos e sugerindo caminhos de resolução; agentes assistentes: são os que executam tarefas para o agente humano;

4 134 E. Q. da SILVA et al. agentes de interface: são os agentes destinados a interagir com os agentes humanos. No contexto do trabalho aqui reportado, os agentes assistentes constituem o tipo de agente que melhor se adapta às aplicações propostas, uma vez que devem fornecer apoio ao aluno e ao professor na realização das tarefas de um curso. O agente é responsável pela realização das tarefas de baixo nível do gerenciamento, enquanto alunos e professores utilizam-se de interfaces gráficas para dar entrada às informações solicitadas pelo agente. Além disso, é importante ressaltar que os agentes envolvidos neste trabalho não possuem inteligência, mas cooperam entre si, cada um com a sua funcionalidade, para a realização de uma tarefa específica e complexa. Além dos agentes de software, outra tecnologia importante para o contexto do ensino, principalmente pela utilização do ambiente WWW, é o uso de hiperdocumentos estruturados. Esses hiperdocumentos são formatados com o uso de uma linguagem de markups, como HTML (Hypertext Markup Language) e visualizados através de um browser. Nos hiperdocumentos podem ser apresentados textos formatados, imagens estáticas e em movimento (vídeos), áudio, além de tabelas de dados e características de layout, o que reforça a sua aplicação em ambientes de ensino. <GERÊ NCIA_CURSO> <CURSO> <NOM E_CURSO> Sistemas Operacionais </NOM E_CURSO> <PROFESSOR> Dilvan de Abreu Moreira</PROFESSOR> <ALUNOS> <ALUNO> <IDENTIFICAÇÃO_CURSO> 003 </IDENTIFICAÇÃO_CURSO> <N O M E> José da Silva </N O M E> <MATRICULA> </M ATRÍCULA> <EM A IL> icm c.sc.usp.br </EM A IL> < H O M EPA G E> w w.icm c.sc.usp.br/~josé < /H O M EPA G E> <NOTAS> <NOTA> 5.0 </NOTA> <NOTA> 4.0 </NOTA> <NOTA_FINAL> 4.5</NOTA_FINAL> </NOTAS> </ALUNO> </ALUNOS> </CURSO> </GERÊNCIA_CURSO> Figura 3. Trecho de documento XML para o domínio Gerência de Curso De um modo geral, a linguagem HTML, derivada da meta-linguagem SGML (Standart Generalized Markup Language), é mais utilizada para a formatação de hiperdocumentos devido à sua simplicidade e à capacidade de visualização nos browsers existentes. Por outro lado, a linguagem XML (Extensible Markup Language), também derivada de SGML, surgiu como uma importante linguagem de formatação de hiperdocumentos, principalmente devido à característica marcante de separação entre conteúdo e forma de apresentação. Outro fator positivo que impulsiona o uso de XML é a liberdade de adequação às aplicações, uma vez que os elementos (constituídos por <></>) podem ser definidos de acordo com a necessidade do usuário. A estrutura de um documento XML pode ser definida através de um DTD (Document Type Definition) que especifica o nome, os atributos e os tipos dos elementos do documento. A Figura 4a apresenta a Formatação de um DTD. Esta especificação de documento pode, então, ser utilizada para verificar a sintaxe do documento XML. <! Este D TD descreve as inform ações necessárias para a gerência de um curso disponível no ambiente W W W --!> <!ELEM ENT GERÊNCIA_CURSO> <!ELEMENT CURSO (NOME_CURSO, PROFESSOR, ALUNOS)> <!ELEM ENT NOM E_CURSO (#PCDATA)> <!ELEMENT PROFESSOR (#PCDATA)> <!ELEMENT ALUNOS (ALUNO+)> <!ELEMENT ALUNO (IDENTIFICACAO_CURSO, NOME, ?, HOMEPAGE?, NOTAS) <!ELEMENT IDENTIFICAÇÃO_CURSO (#PCDATA)> <!ELEM ENT NOM E (#PCDATA)> <!ELEM ENT (#PCDATA)> <!ELEM ENT HOMEPAGE (#PCDATA)> <!ELEMENT NOTAS (NOTA+, NOTA_FINAL)> <!ELEMENT NOTA (#PCDATA)> <!ELEM ENT NOTA_FINAL (#PCDATA)> <xsl:tem plate m atch= "Page"> <DT> Homepage: </DT> <DD> <BR> < A > < xsl:attribute nam e="href"> <xsl:valu e-o f select= "."/> < /xsl:attribute> < xsl:attribute nam e="target"> "_new " < /xsl:attribute> < xsl:value-o f select= "."/> < /A > </DD> < /xsl:tem plate> Figura 4 (a). DTD para o documento XML da Figura 3 (b). trecho de documento XSL para formatar o elemento homepage como um link para o seu conteúdo Devido à capacidade de definição de elementos, XML pode ser utilizada para a definição de bases de dados simplificadas. Como complemento à linguagem XML, apresenta-se a tecnologia XSL (Extended Style Language) que é utilizada tanto para definir as formas de apresentação do documento XML quanto para realizar buscas simplificadas no conteúdo do documento (Connoly, 1997; Johnson, 1999; Santos Jr., 1998). A Figura 4b apresenta um trecho de documento XSL utilizado para formatar o elemento homepage (do documento XML da Figura 3) como links para o conteúdo destes elementos. Assim, para o browser, o que estiver dentro da tag homepage será apresentado como um link. Complementando, assim como XML pode ser utilizada para armazenamento de dados (funcionando como base de dados), a tecnologia XQL (XML Query Language) pode ser utilizada para a realização de buscas no documento. XQL é baseada em queries, semelhantes à linguagem SQL (Structured Query Language) (ISO, 1986), que podem ser realizadas sobre um documento XML (Robie et. al., 1998). O uso destas e outras tecnologias está sendo investigado visando definir os melhores métodos

5 USO DE AGENTES COMPUTACIONAIS NO DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS para o desenvolvimento do conjunto de ferramentas para as tarefas de gerenciamento de cursos a distância, contexto no qual este trabalho está inserido Ferramentas de Gerenciamento Um ambiente educacional convencional, caracterizado pela sala de aula, lousa e giz, envolve uma grande variedade de ações e tarefas devido à proximidade entre alunos e professores. Em um ambiente virtual, as ações e tarefas envolvidas na realização do curso à distância precisam ser muito bem planejadas e selecionadas, de modo que aluno e professor possam estar o mais próximo possível de sua realidade. Conforme citado, o ambiente WebCT é considerado um dos mais completos ambientes para autoria, apresentação e gerenciamento de material didático, oferecendo um vasto conjunto de ferramentas que permite realizar as mais variadas tarefas envolvidas no oferecimento de um curso. Por outro lado, por ser totalmente baseado em hiperdocumentos do ambiente WWW, a estrutura dos cursos é bastante proprietária, o que dificulta o intercâmbio de informações com outras aplicações. Desta forma, é válido ressaltar que o uso de JAVA para a implementação das ferramentas estende o escopo de utilização das mesmas, em virtude da facilidade de integração com outras aplicações, o que permite a utilização das ferramentas de gerenciamento em conjunto com materiais didáticos criados por qualquer ferramenta de autoria já existente. As ferramentas que compõe este projeto visam estabelecer meios de interação entre alunos, professores e o curso. A Figura 5 apresenta a arquitetura do projeto. As ferramentas foram selecionadas considerando o lado do aluno e o lado do professor. Como ferramentas que servem ao aluno, tem-se: Join / Info: através destas ferramentas, o estudante é capaz de se cadastrar no curso fornecendo as informações necessárias à sua participação. Quando o estudante se cadastrar, a ferramenta deve obter as informações e gerar o ambiente do aluno. FTP / MailFTP Manager: estas ferramentas devem ser utilizadas para que o aluno possa transferir arquivos para o ambiente do curso, podendo criar homepages, receber arquivos do professor (quando específicos para o aluno) ou enviar arquivos para o professor, como no caso de entrega de trabalhos. Group Manager: esta ferramenta visa a manutenção de grupos de alunos, para o caso em que o professor definir o desenvolvimento de alguma atividade que deva ser realizada por mais de uma pessoa. Com esta ferramenta, o aluno pode criar e remover grupos, editar os grupos para alteração de integrantes e associar o grupo ao trabalho a ser desenvolvido. Autor (Professor) Produz Hiperdocumento no padrão HTM L Autoria e D isponibilização Gerenciamento Autor (professor) Enviar hiperdocumento Usuário (estudantes) Browser Ferramenta para interação do aluno Figura 5. Arquitetura básica para os componentes do conjunto de agentes de gerenciamento.

6 136 E. Q. da SILVA et al. Como ferramentas que servem ao professor, tem se: New Course Manager: a tarefa mais difícil no gerenciamento de um curso é criar o ambiente, configurando as propriedades do curso, as áreas de alunos, de trabalhos, definir datas e outras atividades. Estas tarefas poderão ser facilmente realizadas através da utilização deste agente que tem por objetivo extrair informações do professor para o ambiente de gerenciamento através de componentes gráficos e preparar este ambiente de acordo com as definições do professor. Basicamente, todas as características e atividades do curso devem ser especificadas nesta ferramenta. Por esta razão, esta ferramenta deve apresentar uma interface gráfica adequada, de forma que possa ser utilizada por professores com pouca habilidade computacional. Replication Manager: esta ferramenta é útil para que o professor crie novas edições de ambientes de gerenciamento para novos cursos a partir de um ambiente existente. Assim, caso o professor ofereça dois cursos diferentes (por exemplo, duas disciplinas ministradas pelo mesmo professor), ele pode utilizar as mesmas características para o ambiente de gerenciamento nos dois cursos, sendo que as informações específicas (tais como alunos, diretórios de alunos, dentre outras) do curso de origem não são consideradas na criação do novo curso. Course Properties Manager: após a criação do curso, e mesmo durante a sua realização, o professor pode desejar alterar propriedades definidas na criação do curso. Assim, todas as informações do curso são centralizadas nesta ferramenta, de modo que o professor possa entrar e alterá-las. Students Control: esta ferramenta permite ao professor controlar os alunos do curso, inclusive as operações de exclusão e bloqueio de alunos. Neste caso, o agente deve procurar por todas as informações sobre o aluno e removê-las. Nesta ferramenta, o professor ainda pode entrar com as notas das provas e trabalhos do aluno. Mirroring Manager: esta ferramenta deve permitir que o professor faça espelhos de um curso. Assim, se o servidor que hospeda o curso estiver fora do ar por algum motivo, o aluno tem a opção de acessar o curso em outros servidores. 3. CONCLUSÕES O conjunto de agentes de gerenciamento de cursos à distância apresentados neste trabalho concentra-se nas atividades mais comuns realizadas em um curso convencional. Através destas ferramentas, o professor cria o ambiente do curso, considerando que o material didático do curso (hiperdocumentos e outros materiais necessários) já existe, estabelecendo as suas propriedades e metodologias, podendo alterálas posteriormente.o aluno, por sua vez, tem acesso ao material e pode interagir com o curso e com o professor. Este projeto abrange um problema importante no contexto do ensino à distância via Internet, uma vez que este tipo de atividade torna-se complexo devido à falta dos elementos convencionais como as salas de aulas, a lousa e o giz. 4.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AULANET. Ajudando Professores a Fazer seu Dever de Casa. WWW: Disponível on-line, aulanet.les.inf.puc-rio.br/aulanet. Visitado em 20 de Junho de CONNOLOY, D. XML Principles, Tools and Techniques. World Wide Web Journal. O Reilly. v.2, Issue 4, FRANKLIN S. & GRAESSER A. Is it na Agent or just a Program?: A Taxonomy for Autonomos Agents. Third Workshop on Agent Theories, Architectures and Languages, WWW: Disponível on-line: ~franklin/agentprog.html. HTML Specification. WWW: Disponível on-line, Visitado em 10 de novembro de ISO/IEC IS Information Processing Text and Office Systems Standards Generalized Markup Language (SGML), JAVA Tutorial. WWW: Disponível on-line, em 10 de novembro de JONHSON, M.. XML for the Absolute Beginners. WWW: Disponível on-line, abril KEEGAN, D. The Foundations of the Distance Education. London, ed. Croom Helm, LUCENA, C.J.P. de. Curso sobre Sociedade da Informação. WWW: Disponível on-line, Visitado em 10 de novembro de 1998.

7 USO DE AGENTES COMPUTACIONAIS NO DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS MICROSOFT Homepage. WWW: Disponível online, Visitado em 10 de novembro de MOREIRA, D. A.; WALCZOWSKI, L. T. Using Software Agents to Generate VLSI Layouts. IEEE Expert Intelligent Systems,p Novembro/dezembro de NETSCAPE Homepage. WWW: Disponível on-line, Visitado em 10 de novembro de ROBIE, J. et al. (1998, Setembro). XML Query Language (XQL). WWW: Disponível online, SANTOS JR, J.B. dos. Documentos Estruturados para o Domínio de Aplicação Ensino: Modelagem, Autoria e Apresentação no Ambiente WWW. São Carlos, Dissertação (Mestrado) Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação, Universidade de São Paulo. SCAPIN, R. H.; GARCIA NETO, A. Desenvolvimento de uma Ferramenta para Criação e Correção Automática de Provas na World Wide Web. Anais do VIII Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, v.1, p São José dos Campos, novembro de TOPCLASS HomePage. WWW: Disponível on-line, gallery.html. Visitado em 5 de março de WEBCT Homepage. WWW: Disponível on-line, Visitado em 5 março de 1999.

USO DE MULTIMEIOS EM EDUCAÇÃO ASSISTIDA POR MEIOS INTERATIVOS RESUMO SUMMARY

USO DE MULTIMEIOS EM EDUCAÇÃO ASSISTIDA POR MEIOS INTERATIVOS RESUMO SUMMARY 139 USO DE MULTIMEIOS EM EDUCAÇÃO ASSISTIDA POR MEIOS INTERATIVOS JOÃO BENEDITO DOS SANTOS JUNIOR (*) HELENA LÚCIA ELIAS RIBOLI (**) LINA SANDRA BARRETO (***) CÁSSIO CAMPOS SILVA (****) CLAUDINEI DONISETE

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Automatização Computacional do Processo de Avaliação da Gestão Escolar Baseado nas Diretrizes da Secretaria Executiva do CONSED

Automatização Computacional do Processo de Avaliação da Gestão Escolar Baseado nas Diretrizes da Secretaria Executiva do CONSED Automatização Computacional do Processo de Avaliação da Gestão Escolar Baseado nas Diretrizes da Secretaria Executiva do CONSED Carlos E. A. Machado 1, Sofiane Labidi 1, Nilson S. Costa 2, Pedro B. Neto

Leia mais

Modelagem e implementação do SEL - Software de Ensino de Lógica Proposicional

Modelagem e implementação do SEL - Software de Ensino de Lógica Proposicional Modelagem e implementação do SEL - Software de Ensino de Lógica Proposicional Cristiane Gato 1, Isabel Dillmann Nunes 1 1 Departamento de Informática Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ) Caixa Postal 858

Leia mais

ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM *

ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM * ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM * Diego Lemos de Souza ** Graçaliz Pereira Dimuro *** Antônio Carlos da Rocha Costa **** Raquel Mello de Miranda

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Utilização de um Software para Criação e Gerenciamento de Cursos Online num Curso para Professores da Rede Pública

Utilização de um Software para Criação e Gerenciamento de Cursos Online num Curso para Professores da Rede Pública Utilização de um Software para Criação e Gerenciamento de Cursos Online num Curso para Professores da Rede Pública Rafael Humberto Scapin Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Av.

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Documentos IMAGEM. Sistema Web para Cadastro de Funcionários da Embrapa Pecuária Sul: Manual do Usuário. ISSN 1982-5390 Agosto, 2009

Documentos IMAGEM. Sistema Web para Cadastro de Funcionários da Embrapa Pecuária Sul: Manual do Usuário. ISSN 1982-5390 Agosto, 2009 Documentos ISSN 1982-5390 Agosto, 2009 82 Sistema Web para Cadastro de Funcionários da Embrapa Pecuária Sul: Manual do Usuário IMAGEM ISSN 1982-5390 Agosto, 2009 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância

Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância Tânia Martins Preto 85 Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância Tânia Martins Preto (Mestre) Curso de Tecnologia em Processamento de Dados - Universidade Tuiuti do Paraná 86 Considerações

Leia mais

O sucesso da WWW. Atualização de Hiperdocumentos. Atualização de Hiperdocumentos. Cuidados. Exemplo. Passos. Motivos :

O sucesso da WWW. Atualização de Hiperdocumentos. Atualização de Hiperdocumentos. Cuidados. Exemplo. Passos. Motivos : Atualização de Hiperdocumentos Links Estrutura lógica Estruturas de apresentação Conteúdo (textual, imagens paradas, imagens em movimento e sons) Conclusões O sucesso da WWW Motivos : Facilidade de utilização

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Uma Integração entre Ferramentas de Gerência de Projetos Utilizando XML

Uma Integração entre Ferramentas de Gerência de Projetos Utilizando XML Uma Integração entre Ferramentas de Gerência de Projetos Utilizando XML Edson Leandro de Araújo Silva 2, Adailton Magalhães Lima 1,2, Ernani de Oliveira Sales 1, Anderson Jorge Serra da Costa 2 1 Laboratório

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa Aplicativos Web e Webdesign Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa 1 Roteiro Apresentação da disciplina e Introdução ao HTML Desenvolvimento de Web sites e Sistemas Web; Projeto de sites web; 2 Quem é

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

3 Ferramentas de busca

3 Ferramentas de busca 3 Ferramentas de busca A Internet se transformou em um vasto repositório de informações. Podemos encontrar sites sobre qualquer assunto, de futebol a religião. O difícil, porém é conseguir encontrar a

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Internet Internet é o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam entre si Internet não é sinônimo de WWW (World Wide

Leia mais

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Aula 2. Programa. Arquitectura da camada de interface.! Programação Web - 1! Engenharia de Aplicações Sistemas Interactivos 2010/11!

Aula 2. Programa. Arquitectura da camada de interface.! Programação Web - 1! Engenharia de Aplicações Sistemas Interactivos 2010/11! Aula 2 Arquitectura da camada de interface.! Programação Web - 1! Mestrado em Engenharia Informática Universidade do Minho! 44! Programa Métodos! &! Tecnologias!! Conceitos de IHC!! Programação web client

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados O Uso da Internet e seus Recursos Ana Paula Terra Bacelo anapaula@cglobal.pucrs.br Faculdade de Informática /PUCRS Sumário Introdução Internet: conceitos básicos Serviços da Internet Trabalhos Cooperativos

Leia mais

Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso

Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso Lourival dos Santos Pires Júnior, Tony Carlos Bignardi dos Santos, Amaury Antônio de Castro Junior, Carlos Alberto da Silva, Leila Lisiane Rossi

Leia mais

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Renan Sales Barros 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN)

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL

REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL Adja F. de Andrade 1 Beatriz Franciosi Adriana Beiler 2 Paulo R. Wagner Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

APEP - UM AMBIENTE DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL

APEP - UM AMBIENTE DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL APEP - UM AMBIENTE DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL André Luiz Vizine Pereira Universidade Católica de Santos Brasil Prof. do Departamento de Computação Centro de Informática e Tecnologia vizine@unisantos.br

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Conceitos Web Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011 Tecnologias Web jgw@unijui.edu.br Conceitos Básicos Sistema

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Lucas Indrusiak, Renato Azevedo, Giovani R. Librelotto UNIFRA Centro Universitário Franciscano Rua dos Andradas, 1614 97.010-032 Santa

Leia mais

Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia. Unidade I:

Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia Engenharia de Websites Por que realizar uma Engenharia de websites: Devemos seguir Princípios básicos de Engenharia (passos bem definidos); Websites

Leia mais

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Motivação extensible Markup Language W3C: World Wide Web Consortium http://www.w3.org 1.0 W3C Recommendation, 10/Fev/1998 (inicial) W3C Recommendation, 04/Fev/2004, 3

Leia mais

Sistemas de gerenciamento de aprendizagem: uma metodologia de avaliação

Sistemas de gerenciamento de aprendizagem: uma metodologia de avaliação Sistemas de gerenciamento de aprendizagem: uma metodologia de avaliação Mário Vasconcelos Andrade Universidade Tiradentes, Brasil mario_andrade@yahoo.com Francisco Vilar Brasileiro Universidade Federal

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

Correção de cartões de respostas utilizando análise e processamento de imagens digitais

Correção de cartões de respostas utilizando análise e processamento de imagens digitais Correção de cartões de respostas utilizando análise e processamento de imagens digitais Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Samuel Pereira DIAS² ¹ Tecnólogos em Análise

Leia mais

Formalismos de Grafos de Interação (Surveys)

Formalismos de Grafos de Interação (Surveys) Formalismos de Grafos de Interação (Surveys) Disciplina:Tópicos em IHC II- Interação 3D Professor :Alberto Raposo Tópicos Motivação Fontes de Pesquisa Breve Descrição Conclusões Tópicos Motivação Fontes

Leia mais

A importância da Informática na Educação

A importância da Informática na Educação A importância da Informática na Educação AGUIAR, Juliana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais FAEG - Rua das Flores, 740 Bairro Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Programação para Web Artefato 01. AT5 Conceitos da Internet

Programação para Web Artefato 01. AT5 Conceitos da Internet Programação para Web Artefato 01 AT5 Conceitos da Internet Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 24/10/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Instrutor Hélio Engholm Jr Livros publicados

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH Anderson Clavico Moreira Profª. Ms. Deise Deolindo Silva short_acm@hotmail.com deisedeolindo@hotmail.com Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML

Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML Ricardo Alexandre G. C. Martins, José Carlos Ramalho, and Pedro Rangel Henriques \{ram,jcr,prh\}@di.uminho.pt Departamento de Informática

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA O USO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA COMPARTILHAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE INFORMAÇÃO EM AMBIENTES DE ENSINO COOPERATIVOS DISTRIBUÍDOS

UM FRAMEWORK PARA O USO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA COMPARTILHAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE INFORMAÇÃO EM AMBIENTES DE ENSINO COOPERATIVOS DISTRIBUÍDOS 117 UM FRAMEWORK PARA O USO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA COMPARTILHAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE INFORMAÇÃO EM AMBIENTES DE ENSINO COOPERATIVOS DISTRIBUÍDOS RESUMO JOÃO BENEDITO DOS SANTOS JUNIOR (*) ELCIRLENE

Leia mais

Aula 03 Internet. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 03 Internet. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 03 Internet Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Agenda da Aula Internet O que é a Internet? A Internet é: Rede mundial de computadores interconectados; Serve

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR 1º SEMESTRE P101 Desenvolvimento Web 80 CE05 CE06 P102 Língua Portuguesa 40 CG08 CG13 P103 Algoritmos e Lógica de Programação 80

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 PID - Projeto de Interoperabilidade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

HTML. Leandro Sorgetz, Roberto Pretto

HTML. Leandro Sorgetz, Roberto Pretto HTML Leandro Sorgetz, Roberto Pretto Faculdades de Informática de Taquara Curso de Sistemas de Informação Fundação Educacional Encosta Inferior do Nordeste Av. Oscar Martins Rangel, 4500 Taquara RS Brasil

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico

Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico Sidnei de Souza Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA 24º Congresso Brasileiro de Microbiologia Brasília, 04 de outubro de 2007

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Gabriel

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle PL/SQL Developer é um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) que foi especialmente destinado ao desenvolvimento de programas armazenados em

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem 266 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem Naidú Gasparetto de Souza1, Sidnei Renato

Leia mais

Mirela Campos do Amaral

Mirela Campos do Amaral Desenvolvimento de conteúdo para um Programa de Capacitação na utilização de um ambiente de autoria fundamentado no conceito de micro conteúdo para plataforma móvel Mirela Campos do Amaral Abstract. This

Leia mais

UMA FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DISTRIBUÍDO DE PROJETOS

UMA FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DISTRIBUÍDO DE PROJETOS UMA FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DISTRIBUÍDO DE PROJETOS Fabiane Barreto Vavassori Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Rua Uruguai, 458 CEP: 88302-202 - Itajaí/SC. Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3 REFLEXÃO 3 Módulos 0771, 0773, 0774 e 0775 1/5 18-02-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0771 - Conexões de rede, 0773 - Rede local - instalação,

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia 1 da Informaçao 2 Figura: Tela do IBM Mainframe Fonte: Arquivo próprio

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO HÍBRIDA PARA SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES. Andréa Aparecida Konzen andrea@polaris.unisc.br Autora

UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO HÍBRIDA PARA SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES. Andréa Aparecida Konzen andrea@polaris.unisc.br Autora UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO HÍBRIDA PARA SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES Andréa Aparecida Konzen andrea@polaris.unisc.br Autora Rejane Frozza frozza@dinf.unisc.br Orientadora UNISC Universidade de Santa Cruz

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física

Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física Fábio Luiz P. Albini 1 Departamento de Informática, Instituto Federal do Paraná (IFPR) Curitiba, Paraná 81520-000, Brazil. fabio.albini@ifpr.edu.br

Leia mais

Descrevendo as Ferramentas Disponíveis no Ambiente de Ensino, Ensinet

Descrevendo as Ferramentas Disponíveis no Ambiente de Ensino, Ensinet IX Taller Internacional de Software Educativo TISE 2004 Descrevendo as Ferramentas Disponíveis no Ambiente de Ensino, Ensinet Diego Lemos de Souza, Antônio Carlos da Rocha Costa, Graçaliz Pereira Dimuro

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes

Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes Em Abril de 2005, as duas maiores gigantes em desenvolvimento de software de web, gráfico e multimídia design se juntaram: a Adobe

Leia mais

Manual do Professor versão 2.0. FTD Sistema de Ensino

Manual do Professor versão 2.0. FTD Sistema de Ensino Manual do Professor versão 2.0 FTD Sistema de Ensino Plataforma Digital do FTD Sistema de Ensino Concepção Fernando Moraes Fonseca Jr Arquitetura e coordenação de desenvolvimento Rodrigo Orellana Arquitetura,

Leia mais

Helder da Rocha. Criação de. Web Sites I. Web e Internet Web design Tecnologias de apresentação. Rev.: CWS1-03-2000/01 A4

Helder da Rocha. Criação de. Web Sites I. Web e Internet Web design Tecnologias de apresentação. Rev.: CWS1-03-2000/01 A4 Helder da Rocha Criação de Web Sites I Web e Internet Web design Tecnologias de apresentação Rev.: CWS1-03-2000/01 A4 Copyright 2000 por Helder Lima Santos da Rocha. Todos os direitos reservados. Os direitos

Leia mais