Nascia um novo nicho de mercado: o dos Ambientes Integrados de Desenvolvimento, ou IDEs (Integrated Development Environment).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nascia um novo nicho de mercado: o dos Ambientes Integrados de Desenvolvimento, ou IDEs (Integrated Development Environment)."

Transcrição

1 A6Entendend Ambiente de Desenvlviment Capítul 3 Intrduçã - A breve história d mercad de IDEs Até a década de 80, um desenvlvedr de sftware típic lidava cm uma diversidade de ferramentas para realizar seu trabalh: editres de códigs fntes, utilitáris de cmpilaçã e mntagem, prduts para depuraçã e lgging, dentre utrs. Esta descnexã de ferramentas aceitava e trnava frequente mesm s errs mais elementares, tais cm diretivas e caminhs (paths) inválids - um mund nada fácil para iniciantes. Cm advent das interfaces gráficas e ppularizaçã das tecnlgias Cliente/Servidr na década de 90, cmeçaram a surgir, finalmente, as aplicações d desenvlvedr. Fabricantes cm Micrsft, Brland e Sybase (PwerSft) intrduziram tais prduts que tmaram de assalt s departaments de TI pr simplificarem acess a resultad e aumentarem a prdutividade em geral. Nascia um nv nich de mercad: ds Ambientes Integrads de Desenvlviment, u IDEs (Integrated Develpment Envirnment). Lg seguids pela IBM e Oracle, s fabricantes líderes neste segment disputavam presença nas empresas mantend um valr médi de licença em trn de U$ 5.000,00 pr desenvlvedr (Opções mais baratas estavam dispníveis, mas cm restrições técnicas para us crprativ). Nada mal para estes frnecedres, cm mund em franca infrmatizaçã. Mas cm a demanda para desenvlviment Cliente/Servidr enclhend n final da década passada, eles tiveram que repsicinar suas IDEs para a tecnlgia Java. E fizeram praticand a mesma base de preçs tradicinal. Nvs players surgiram nesta fase, tais cm a BEA, IntelliJ e a própria Sun, de lh em um filã prmissr. Esta disputa entru pel sécul XXI tend na ferramenta JBuilder da Brland alguns sinais de liderança, seguida pel JDevelper da Oracle e pel WSAD da IBM. Mas as vendas eram ainda pífias. Cmunidades d incipiente mviment Open Surce cmeçavam a dispnibilizar alternativas na frma de editres de códig Java cm alguma inteligência que, apesar de nã serem IDEs cmpetitivas em funcinalidades, tinham na gratuidade apel suficiente para desacelerar vendas. Este nã seria ainda um advent ameaçadr para s frnecedres cas a IBM nã huvesse decidid dar núcle de seu ambiente de desenvlviment, WSAD, para a cmunidade Open Surce, batizad cm Eclipse Platafrm. O mercad terminu pr trná-l seu ambiente de desenvlviment preferencial cm mais de 80% de adesã em alguns pucs ans. Estava extint recém-criad mercad de IDEs! Cm uma pçã de qualidade e gratuita, as empresas puderam utilizar as smas ecnmizadas cm a nã aquisiçã de IDEs n desenvlviment de mais prjets e/u aument de sua prdutividade via aquisiçã, pel mesm cust, de uma sluçã muit mais abrangente. Pr exempl, englband framewrks, geradres de códig, metdlgias, ferramentas CASE, ambientes para desenvlviment em equipes etc. Cm seus prduts encalhads, s fabricantes tradicinais tiveram que tmar utrs rums: alguns mantiveram seus prduts para vendas fashin (pela marca), cmprand utras empresas para tentar agregar valr à sua pçã; utrs abriram códig de seus prduts e s daram para cmunidades Open Surce, cm tentativa de cncrrer cm Eclipse... Mas nada diss cnvenceu mercad u alteru seu market-share. A breve história d nasciment e cas d mercad de IDEs é uma grande demnstraçã prática d pder e benefícis d mviment OSS (Open Surce Sftware) para as empresas cmpradras de TI.

2 Capítul A3 A IDE Eclipse - Pr que Eclipse? O jcmpany utiliza Eclipse cm pçã principal de IDE, pr dis mtivs centrais: Sua larga margem preferencial n mercad, garantind cnheciment de base disseminad, pressã e massa crítica para prmver a cntinuidade da iniciativa; Sua arquitetura de altíssima flexibilidade, que permitiu à Pwerlgic custmizar ambiente de desenvlviment dtand- de cnheciments d prcess e ds framewrks utilizads na arquitetura jcmpany, alg especialmente difícil de se cnseguir nas IDEs de gerações anterires. Pel fat da única alternativa cnsiderável, Netbeans, ser capitaneada pela ex-sun, adquirida pela Oracle e de futur incert. Dit iss, é bm cmentarms que nada ns impede de utilizar framewrk de integraçã d jcmpany (cnsiderad seu principal cmpnente), seus utilitáris Maven e metdlgias, em qualquer utra IDE Java, mesm prprietária. Mas cm s plugins de geraçã de prjet, mapeaments e artefats Java EE nã estarã dispníveis, haverá perda de prdutividade. Pr este mtiv, us d Eclipse u de IDEs cmerciais baseadas em Eclipse (WSAD, MyEclipse, etc.) sã as pções mais recmendadas. O Eclipse n jcmpany - O Eclipse para desenvlviment Java EE A platafrma d Eclipse é cmpsta de váris subsistemas, cada um deles implementads utilizand-se um u mais plugins, cnfrme diagrama da Err! Fnte de referência nã encntrada. Figura A3.1. Subsistemas da Platafrma Eclipse. O subsistema primariamente utilizad para desenvlviment de aplicações é Eclipse Wrkbench (Bancada de trabalh Eclipse), sbre qual sã cnstruíds plugins para api a desenvlviment específic, em cada linguagem. Em utras palavras, Eclipse Wrkbench em si é uma infraestrutura de base que prvê funções genéricas de us cmum, em IDEs. Estas funções trazem mdels genérics para a criaçã, ediçã, gerenciament e navegaçã entre recurss em geral, mas descnhecem e nã cntém especialidades para nenhuma linguagem específica, que deve ser atendid através de um u mais plugins especializads, para cada linguagem. Exempl: Para desenvlviment Java, especialmente, a distribuiçã básica d Eclipse já vem cm um cnjunt de plugins batizads de JDT (Java Develpment Tls), que pssuem recurss para que editres d Wrkbench recnheçam a sintaxe Java, exibam marcas de errs aprpriadamente, permitam cmpilaçã just-in-time etc. Mas s plugins d JDT nã fram criads para desenvlviment de aplicações Java EE. Eles frmam apenas um substrat básic para desenvlviment em idima Java, mas nã recnhecem de frma

3 Entendend Ambiente de Desenvlviment inteligente e suficiente s demais artefats cm seus idimas própris, tais cm XHTML, XML, CSS, Javascript, etc. Pr este mtiv, para Java EE, utra camada de plugins precisará ser utilizada. Para este fim, jcmpany hmlga s cnjunts de plugins d WTP (Web Tls Prject), mantids pela própria cmunidade Eclipse, e d Red Hat Develper Studi *, mantids pela Red Hat - e que, pr sua vez, sã especializações ds plugins WTP. Para nã perderms fi da meada, vams recapitular as nssas camadas de desenvlviment Java n Eclipse: Cnjunt de plugins Objetiv JBss Tls WTP JDT Eclipse IDE (Wrkbench) Cnjunt de plugins que especializam WTP para recnhecerem arquivs de cnfiguraçã de framewrks de us cmum tais cm JSF e Hibernate/JPA, além de permitirem algum nível de ediçã visual em arquivs de markup (xhtml, html, jsp), dentre utrs Cnjunt de plugins implementads para desenvlviment de Java Enterprise Editin (Java EE), que especializam e adicinam a JDT recnheciment inteligente de artefats padrões EE tais cm arquivs.xhtml,.xml,.prperties, web.xml, além de técnicas de empactament (WAR e EAR) e de cnstruçã de Web-Services. Cnjunt de plugins implementads sbre Wrkbench, cntempland funções básicas para desenvlviment Java em geral. Framewrk para cnstruçã de ambientes integrads de desenvlviment para diverss prpósits e linguagens A Figura A3.2 já fi descrita em detalhes n capítul intrdutóri e ilustra a arquitetura de alt nível d ambiente Eclipse, cnsiderand-se as camadas de ediçã Java EE e também utrs plugins paralels, nã necessariamente empilhads sbre JDT u WTP. Figura A3.2. Arquitetura d ambiente de IDE d jcmpany, cm base n Eclipse. * O jcmpany utiliza apenas uma parte d ttal de plugins hje embalads em cnjunt pel Red Hat, cnhecids cm JBss Tls (versa Open Surce) u Red Hat Develper Studi - RHDS (versã cmercial). Basicamente, jcmpany se vale ds editres de Tiles e JSF/Struts, riginalmente criads pela empresa Exadel e adquirids pel jbss Grup. Neste livr, será utilizada a sigla RHDS, de frma simplificada, nã significand que este prdut esteja inteiramente dispnível.

4 Capítul A3 Hum... Se desenvlvedr fr um iniciante n mund Eclipse, já deverá estar percebend que, exatamente devid à sua arquitetura excepcinalmente flexível, pde-se demandar um bm temp para uma cmpreensã prfunda d mesm em tda sua amplitude. Felizmente, iss nã é necessári em um primeir mment! Pderems iniciar imediatamente a sua utilizaçã para nss prpósit, cm ba prdutividade, especialmente prque jcmpany vem cm um rteir de utilizaçã que apóia decisivamente s iniciantes, acinand s plugins aprpriads através de rteirs "pass a pass" que cnduzem até a btençã d resultad final para diversas situações cmuns. - Aprendend mais sbre Eclipse Neste livr, irems percrrer várias funções d Eclipse, e terminarems pr adquirir cnheciments básics a seu respeit. O cnceit de Perspectivas, criaçã de prjets e editres ds diverss plugins, acinament de rtinas externas, depuraçã e diversas dicas práticas serã vists ns tutriais que se seguem. Mas seria de grande incência cnsiderar este cnheciment suficiente para livrar desenvlvedr de tds s prblemas que irã surgir em seus prjets reais. Em algum mment, deve-se dedicar temp para aprfundament na IDE Eclipse e seus plugins - sã inúmeras as técnicas e recurss de prdutividade à dispsiçã, que fgem a fc central deste livr. Para esta finalidade, sugerims s seguintes passs e recurss: Acinament d menu Help Welcme, leitura e execuçã ds tutriais. Acess a e leitura de artigs e de base de cnheciment (nrmalmente em seções technical resurces ) relacinads a tema de interesse. Acess a e inscriçã ns Newsgrups u maillists (BIRT e WTP, n mínim). Figura A3.3. Acinand menu Overview para btençã de ajuda n Eclipse. - Os plugins hmlgads pel jcmpany Além d cnjunt de plugins JDT e WTP que pdems cnsiderar quase padrões para desenvlviment Java EE em ambiente Eclipse, existem diverss utrs plugins Open Surce de terceirs que sã hmlgads pel jcmpany, visand maximizar a prdutividade d desenvlvedr, para nã falar ds plugins própris. N que se refere as plugins de terceirs, trabalh realizad pela Pwerlgic n jcmpany envlve prspecçã, testes integrads cm s demais plugins e definiçã de seu papel junt a prcess de cnstruçã Java EE cm um td. A instalaçã e cnfiguraçã integradas também sã benefícis que estã debaix d cnceit de hmlgaçã d jcmpany, que traz para si a respnsabilidade de atualizá-ls, a lng d temp, eliminand esfrç de cntrle de versões e cnfigurações, neste âmbit. Cnfira a relaçã de tds s plugins Eclipse hmlgads n jcmpany: Plugins Hmlgads JDT e WTP Descriçã Já citads, sã cnsiderads parte d núcle Eclipse, d pnt de vista d jcmpany, e atualizads sempre em cnjunt cm atualizações de versã d própri Eclipse em si.

5 Entendend Ambiente de Desenvlviment jbss Tls Cm citad, cmplementam suprte principal d desenvlviment especializand WTP para que recnheça arquivs de cnfiguraçã de framewrks de us cmum tais cm JSF, Hibernate e JPA, ediçã visual de arquivs, dentre utrs. Imprtante: jcmpany traz cnfigurações especiais e refinadas nestes plugins, para permitir edições visuais de XHTMLs cntend Tags próprias d jcmpany, bem cm das Tags Apache Trinidad. Eclipse BIRT PMD Apache Derby Quantum DB Subclipse MyLyn Cnjunt de plugins mantids pela empresa Actuate para cnfecçã de relatóris WYSIWYG sfisticads, pdend incluir gráfics, quebras e ttalizações, exprtaçã de dads e geraçã em váris frmats. Este plugin permite verificaçã de códig de maneira estática, pdend apresentar errs de cmpilaçã para cdificações fra d padrã. O jcmpany nã realiza custmizações nem ativa cm padrã para s prjets criads. Uma utilizaçã mais sfisticada deste plugin é realizada pel prdut jcmpany QA Permite a criaçã de um serviç de banc de dads lcal, n escp d prjet, rapidamente acinável e que permite desenvlviments sem acess à rede, para prttipações u garantia de prtabilidade. Permite cnexã cm diverss SBGD-Rs via JDBC, manipulaçã de esquemas e dads. Plugin para perações de trabalh em equipe cm Subversin. Plug-in para integraçã cm ambiente de Gerenciament de Requisits, pdend ser utilizad de frma básica (cm vem n jcmpany) u especializad pel ecmpany Prcess Suite, quand desenvlvedr utiliza Pwerlgic jalm. - Os plugins própris d jcmpany O máxim resultad de prdutividade que uma IDE de desenvlviment pde dar smente é alcançad quand esta ferramenta passa a cnhecer efetivamente s padrões de arquitetura e d prcess de cnstruçã send utilizads. Este é um cenári de prdutividade excepcinal, mas bastante rar. Na prática, antes d Eclipse, puc se custmizava n nível das IDEs. Mesm cm Eclipse, a quase ttalidade ds plugins existentes nã pde pressupr us de uma arquitetura X u padrã Y ficand, prtant, bastante limitads quant a pder e abrangência ptenciais quand cmparads à sluçã integrada d jcmpany. É neste cenári que entram s plugins de criaçã d módul jcmpany IDE, chamads de jcmpany Artifact Generatr. Eles trazem diverss assistentes de criaçã que cnduzem desenvlvedr pels passs iniciais de cnstruçã da 1ª versã de tds s artefats envlvids em Cass de Us padrões da sua metdlgia e imediatamente ajustads à arquitetura d framewrk de integraçã. Após esta criaçã inicial, rteirs da metdlgia autmatizads via flhas de apntaments (Cheat- Sheets) d Eclipse cmandam a ediçã de cada um ds artefats gerads pels plugins jcmpany, em editres mais aprpriads para mdificações e cmplementações livres. Assim, trabalhams cm duas categrias de plugins: Os plugins de criaçã para btençã de uma primeira versã da sluçã pretendida, segund s padrões, arquitetura e metdlgia definids. Esta categria de plugins pressupõe us de determinada arquitetura, n cas, a prvida pel jcmpany FS Framewrk. Nte que estes plugins nã seriam de serventia, islads d framewrk, pr exempl - mas sã excepcinalmente melhres para a prduçã de uma primeira versã de resultad que siga melhres práticas. Os plugins de ediçã genérics, para cmplementaçã e ajustes livres que se façam necessáris, a partir daí. O seu prpósit é bem distint d primeir: permitirem uma elabraçã flexível e livre d que quer que se faça necessári ajustar, ns váris frmats de artefats Java EE, e cm flexibilidade exigida pr especificidades de cada Cas de Us. Esta categria de plugin é mais cmum n mercad - jcmpany, cm já vims, reutiliza para este fim s plugins WTP e da Red Hat.

6 Capítul A3 Figura A3.4. Plugin de criaçã d jcmpany, gerand primeira versã de arquivs Os plugins d jcmpany sã mantids n subdiretóri de plugins eclipse, abaix de [jcmpany_base]\eclipse\plugins. Figura A3.5. Diretóri de instalaçã ds plugins de criaçã d jcmpany (jcmpany Artifact Generatr) - Metdlgia de cnstruçã Java EE - Dcumentaçã n-line integrada (Tutrial) A Ajuda (Help) On-line d Eclipse é um utr subsistema da platafrma Eclipse também extensível, aceitand dcumentações de plugins cmplementares às pré-cnfiguradas. Tais dcumentações também cmpartilham de algumas vantagens em cmum ferecidas pr este subsistema, tais cm índice unificad e busca textual. Mas jcmpany faz uma utilizaçã bastante interessante da Ajuda On-Line d Eclipse, a dispnibilizar tda a dcumentaçã da metdlgia e base de cnheciment d suprte Pwerlgic dispnível neste frmat *. Deste md, desenvlvedr pssui acess via busca textual a quaisquer infrmações desde padrões e práticas de cnstruçã recmendads, até dúvidas frequentes respndidas. Aprender a utilizar bem a Ajuda On-Line é cm aprender a pescar cnheciments. Vams, prtant, exercitar um puc este acess cnfigurand a Ajuda On-line para ns permitir uma busca textual restrita à metdlgia e base de cnheciment d jcmpany, e fazend uma pesquisa-mdel: * Excet em cópias de avaliaçã.

7 Entendend Ambiente de Desenvlviment 1. Acine menu Help -> Help Cntents 2. Na página principal d Help On-Line, clique em Search Scpe. N diálg New Search List, digite Pwerlgic em List name e selecine tópic Pwerlgic jcmpany na lista, desmarcand item "Deprecated" (para nã indexar cnteúd antig) Figura A3.6. Cnfiguraçã de filtr para busca textual, sem cnteúd deprecated (depreciad, antig) 3. Selecine filtr da busca smente para jcmpany n diálg Select Scpe. Figura A3.7. Seleçã de filtr para que fique crrente (default). 4. Teste a busca restrita, digitand n camp Search. Deve-se reparar que nã smente aparecerã s váris capítuls nde crra term, mas que estarã rdenads pr númer de crrências e cm term em destaque à direita. Em nssa instalaçã, esta busca específica retrna * : Primeir Apêndice D - Exempls de Códig de Implementaçã, cntend exempls típics de cdificaçã. * O resultad pde depender da versã (e release) utilizada. Cópias de avaliaçã, pr exempl, pdem nã cnter a dcumentaçã cmpleta.

8 Capítul A3 Em segund Apêndice E Rteir de utilizaçã d jmnitr, já que um pde ser enviad n jcmpany através de appenders d Lg4j que enviam mensagens JMS e delegam este serviç para jcmpany Mnitr. O terceir capítul retrnad é B.6.2 Regras de Negóci Validaçã de Entrada, prque cntém referências sbre cm validar frmat de um camp d tip . O quart capítul é B.6.4. Flux de Aprvaçã. Exclusã Lógica e Versinament/Auditria, prque cntém explicações sbre cm enviar s ações de reprvaçã para lógicas de wrkflw. 5. E assim pr diante, seguind pr capítuls de menr relevância. Figura A3.8. Pesquisa pr retrnand capítuls da metdlgia e base de cnheciment 6. Eventualmente, cm s capítuls de dcumentaçã d jcmpany sã extenss, nã se encntrará s terms em destaque facilmente. Pr este mtiv, uma ba prática é sempre repetir a cnsulta utilizand-se cntrl+f sbre text d capítul. Figura A3.9. Pesquisa cm Cntrl+F dentr d capítul para achar terms. - Metdlgia de cnstruçã Java EE - Rteirs Cheat-Sheets Os métds e padrões de cnstruçã Java EE, além de base de cnheciment, dispníveis na Ajuda On- Line da IDE, cm vims, sã realmente de grande auxíli à prdutividade n dia a dia para situações de dúvidas adversas, quand bem utilizadas. Prém, para melhr cnduzir desenvlvedr pela implementaçã padrã para Cass de Us típics prevists na metdlgia, jcmpany utiliza um recurs ainda mais aprpriad d Eclipse: as flhas de Apntament u Cheat-Sheets". Os Cheat-Sheets, a cntrári de sua aparência inicial, pdem ser cnfundids cm as listas de tarefas (TO DO Lists), mas sã mais que iss. Vejams d que se tratam estas listas de tarefas simples que também estã presentes na IDE Eclipse, antes de entender s Cheat-Sheets. 1. A visã de Tasks (Tarefas pendentes d usuári u equipe) pde ser ativada, se já nã estiver, através da pçã de menu Windws -> Shw View -> Tasks (se nã existir a pçã Tasks, entre em Others e prcure na categria General ).

9 Entendend Ambiente de Desenvlviment Figura A3.10. Listas de pendências d usuári u equipe assciadas u nã a linhas de códigs fntes. 2. Nvas tarefas pdem ser criadas clicand cm btã direit d muse dentr da área da tarefa "Task" e após clicand em "Add Task...", cm na Figura A3.9, u simplesmente cmentand-se dentr de códigs fntes cm determinads prefixs padrões, tais cm TODO, FIXME e utrs que pdem ser definids. Já s Cheat-Sheets têm um bjetiv bem distint das Tasks, que é de rquestraçã * d prcess de desenvlviment. Os Cheat-Sheets sã definids através de rteirs cm ações de desenvlviment que pdem, em cada pass, acinar um plugin distint. Deste md, após uma sequência de passs discrets, desenvlvedr pde prduzir um resultad cmplex, tal cm a prduçã de um Cas de Us, passand pr dez u mais plugins distints, a td. Vams cnhecer funcinament de um Cheat-Sheet n próxim tópic, imprtand e liberand a aplicaçã de exempl rhdem. - Aprendend cm Exempl RH Dem Uma das frmas mais rápidas de se aprender cisas cmplexas (cm técnicas de desenvlviment de sistemas u tcar um instrument musical) é através de explraçã prática e bns exempls. Um bm exempl dispnível pde valer mais que muitas páginas de teria! Pr este mtiv, julgams essencial que desenvlvedres, especialmente iniciantes em um nv paradigma de desenvlviment, tenham em mãs - n mínim - um bm exempl funcinand para cmparações e estud. N jcmpany, este exempl é dispnibilizad através da aplicaçã rhdem. Neste livr, irems cnstruir uma aplicaçã similar (mas nã igual) à "RH Dem", chamada RH Tutrial (rhtutrial). Sugerims que, a partir daí, desenvlvedr mantenha n mínim estas duas aplicações sempre dispníveis em sua IDE Eclipse para rápidas prspecções. Vams entã cnfigurar a aplicaçã rhdem e deixá-la funcinal, aprveitand para aprenderms a utilizaçã ds Cheat-Sheets d jcmpany: 1. Acesse item de menu Help -> Cheat-Sheets. 2. Selecine rteir Imprtar prjet RHDEMO d cnjunt de rteirs d jcmpany. * O cnceit de rquestradr reside d fat de que, de frma similar a maestr cnduz a sua rquestra, s Cheat-Sheets cnduzem desenvlvedr para executar a atividade certa, na rdem certa e chamand plugin crret (mais aprpriad para a açã, segund prcess). Mas s rteirs d Cheat-Sheets em si nã cntém e nem executam nenhuma açã que nã seja de acinaments e explicações, assim cm maestr nã tca nenhum instrument.

10 Capítul A3 Figura A3.11. Acinament d rteir de imprtaçã d prjet RHDEMO. 3. Siga agra as instruções de cada pass d rteir, clicand em Click t Cmplete em seguida u cnfrme rientaçã da dcumentaçã d pass. Figura A3.12. Rteir cm instruções pass a pass. Figura A3.13. Opçã de imprtaçã de prjets existentes para a Wrkspace.

11 Entendend Ambiente de Desenvlviment Figura A3.14. Em "meus_prjets/referencia/rhdem", selecinar prjet rhdem. 4. A final, prjet rhdem deve estar dispnível n ambiente Eclipse e visível na visã Package Explrer d Eclipse. Figura A3.15. Prjet de demnstraçã da aplicaçã RH Dem, imprtad para Eclipse. 5. Agra vams acinar um segund rteir ds Cheat-Sheets, chamad Executand RH Dem. Certifique-se de estar cm prjet rhdem (u variações) selecinad e siga as instruções d rteir. Imprtante: Nã irems redundar as instruções d rteir neste livr, mas seguem abaix algumas dicas e exempls de ações chave n prcess, para cnferência: Nã mdifique arquiv de cnfiguraçã de pl, já que vams utilizar SGBD-R Apache Derby, para qual a cnfiguraçã já está prnta. Para ativar SGBD-R Apache Derby (que já vem pré-cnfigurad e dispnível para cada prjet, cm irems ver mais em detalhes em capítuls subsequentes), clique diret n prjet e, em seguida, em Apache Derby -> Start Derby Netwrk Server. Figura A3.16. Serviç Derby ativ, cm item de menu e mensagem de iniciaçã em destaque. Acine Tmcat smente após Derby estar ativ, através d ícne cm uma seta verde (Tmcat Sysde), e verifique se as últimas mensagens de lg na janela cnsle cntêm a prta d serviç Starting cyte HTTP / 1.1 n e indicadr de inicializaçã crreta, Server startup.... Estes sã sinais de sucess na ativaçã d serviç.

12 Capítul A3 Figura A3.17. Serviç Tmcat ativ, cm indicadres em destaque. 6. Execute a aplicaçã abrind qualquer navegadr e digitand cm usuári senha admin -> senha. Mais adiante, n módul B, irems cmpreender as cnfigurações d Tmcat e da segurança em mais detalhes. Figura A3.18. Página principal da aplicaçã rhdem 7. Navegue pelas pções da aplicaçã para bter uma impressã geral sbre padrões de interface e aparência ds Cass de Us dispnibilizads. Irems desenvlver uma aplicaçã similar neste livr, d zer abslut. Criand nvs prjets de desenvlviment - Entendend as mdalidades de prjet O jcmpany vem cm um plugin Eclipse própri para criaçã de prjets, capaz de criar diverss prjets Eclipse simultaneamente, para uma melhr mdularizaçã e viabilizaçã d reus. Além diss, ele realiza diversas cnfigurações lg de saída para Maven e Eclipse, gerand prjets "prnts para us". Tais prjets pdem ser custmizads, através da ediçã d que chamams de template INI (mdels de prjets iniciais). Imprtante: Através da custmizaçã destes templates para cntext específic da empresa, inserind preferências via camada Bridge u dentr d própri prjet mdel, nvas aplicações geradas pel plugin de prjet já virã cm aparência, lgtip, leiautes, menus e cnfigurações específicas d negóci. Neste capítul irems criar prjets utilizand uma das mdalidades pré-definidas n jcmpany, a saber: Prjet "Distribuid" (distribui as camadas MVC pr diverss prjets Eclipse): Deve ser utilizad para separar camadas MVC "de aplicaçã" (Visã e Cntrle) e "de negóci" (Mdel, Persistência e Dmíni). Facilita a distribuiçã de tarefas entre equipes diferentes nde cada uma se especializa em uma camada u mesm reus de regras de negóci de uma aplicaçã para utra (já que prjets "de negóci" sã empactads cm um JAR); Prjet Simples (tdas camadas MVC em um únic prjet Eclipse): Para iniciantes em Maven u mdularizaçã em geral. Cm neste cas tdas as camadas residem em um únic prjet, reus é dificultad e vilações da arquitetura MVC sã mais fáceis de ser cmetidas. Pr utr lad, pr ser um prjet únic, é mais fácil de ser cmpreendid. Um melhr entendiment sbre a arquitetura de desenvlviment MVC sugerida pel jcmpany será btid n próxim capítul. Pr hra, vams criar um prjet inicial que utilizarems ns tutriais deste livr, que prsseguem a partir d módul B.

13 Entendend Ambiente de Desenvlviment - Criand prjet JSF rhtutrial (Tutrial) Vams criar nss prjet JSF, através d rteir de Cheat-Sheet em Help -> Cheat-Sheet chamad Criand um nv prjet. 1. Siga as instruções d rteir, lend s texts dispníveis em cada pass d tutrial Cheat-Sheet. Figura A3.19. Diálg de criaçã d prjet rhtutrial (bs.: lg varia entre Jaguar e jcmpany) 2. Infrme s seguintes dads n frmulári de criaçã * : Prject Name: rhtutrial Directry: Deixar padrã sugerid Pacte Base: cm.empresa.rhtutrial Arquiv de template de prjets: Selecine a pçã "Prjet Distribuid" e essa pçã nã precisará de alterações. Figura A3.20. Diálg de criaçã d prjet rhtutrial, preenchid. E clique em Finish. * Repare que, na instalaçã d Eclipse padrã, idima "em inglês" irá pr vezes se misturar cm extensões e plugins "em prtuguês". Apesar de ser um prblema menr, pde-se minimizar estas diferenças instaland-se pacte de idima d eclipse para prtuguês. De qualquer md, cm grande parte ds plugins nã trazem as traduções para prtuguês, prblema nã fica ttalmente slucinad. Se crrer um err a usar nme rhtutrial (prque prjet rhtutrial já existe abaix d diretóri meus_prjets ), renmeie prjet existente para rhtutrialplc u use um utr nme n nv prjet, cm rhtutrial2. Ist é necessári prque, em alguns releases de demnstraçã, prjet rhtutrial cntend a aplicaçã desenvlvida neste livr já vem cnfigurad cm este nme.

14 Capítul A3 Obs.: Aguarde alguns instantes (30 segunds a alguns minuts, dependend da capacidade e cnfigurações da máquina) para prjet parent ser criad. Após ele ser criad deve-se imprtar(cnfrme ensinad anterirmente) cada subprjet MVC da pasta nde prjet fi criad. Após imprta-ls pde acntecer de prjet ser criad inicialmente cm err de dependências, que será reslvid cm a primeira liberaçã cmpleta pel M2Eclipse, plugin hmlgad que sincrniza dependências Maven (expressa ns arquivs pm*.xml) e d Eclipse. 3. O rteir abrirá, ns passs seguintes, arquivs de cnfiguraçã chaves para desenvlviment Java EE, a saber: Arquiv de cnfiguraçã de cntext da aplicaçã n Tmcat, incluind definiçã de um pl de cnexões JDBC n padrã DBCP. N cas, prjet mdel que vem cm jcmpany traz cnfiguraçã para acess a Apache Derby, que é que utilizarems neste tutrial. Este arquiv deve ser custmizad para SGBD-R preferencial da empresa em um cenári real. Deve-se ntar que nme da instância d banc padrã utilizada é banclcal e que jcmpany já inclui uma pçã create=true a final da url de cnexã, que facilitará a criaçã em plen vô das tabelas n SGBD-R Apache Derby, cm verems. Figura A3.21. Arquiv de cnfiguraçã de pl JDBC padrã para Tmcat (DBCP). Arquivs de cnfiguraçã d Maven. O rteir irá abrir para cnferência s arquivs de cnfiguraçã d Maven gerads, cnhecids cm POM (Prject Object Mdel). Obs.: O jcmpany utiliza um arquiv chamad prjet-pm.xml para prjet cm um td e um arquiv pm.xml para cada módul. Entenderems as dependências Maven definidas prtunamente. Pr enquant, nã sã recmendadas mdificações. Imprtante: Nte que s prjets sã criads cm errs n Eclipse (errs também pdem aparecer a se editar s arquivs Maven da primeira vez). Após uma liberaçã cmpleta, n entant, estes pderã ser reslvids pel M2Eclipse. 4. Após a criaçã d prjet imprte (um de cada vez) da pasta "Meus Prjets" tds s prjets MVC abaix da raiz " [jcmpany-base]\meus_prjets\rhtutrial_parent", para eclipse. A xx mstra cm ficará s prjets após serem imprtads: Figura A3.22. Prjet n "Package Explrer" após a imprtaçã ds prjets MVC. 5. É imprtante que se execute uma liberaçã cmpleta desta aplicaçã para Tmcat, tal cm fizems cm a aplicaçã Rh Dem, a fim de se atualizar as dependências entre Eclipse e repsitóri Maven e cnferir se esquelet geral d prjet está crret. Para tant, basta seguir as rientações de liberaçã d rteir Cheat- Sheet e cnferir se a página principal da aplicaçã abre n Tmcat, agra cm endereç (Utilize mesm usuári e senha admin e senha utilizads n rhdem ).

15 Entendend Ambiente de Desenvlviment Sumári Neste capítul, discutims a imprtância da IDE Eclipse, incluind s benefícis que truxe para mercad cm a eliminaçã de custs de aquisiçã neste segment e também seus mérits técnics que permitiram a criaçã d ferramental custmizad n jcmpany, ttalmente pré-cnfigurad e instalável em um únic acinament. Discutims ainda sbre cm jcmpany especializa Eclipse, trazend: plugins Open Surce hmlgads de terceirs e plugins Open Surce própris, além de dcumentaçã e rteirs Cheat- Sheets de sua metdlgia de cnstruçã integrads a IDE. Aprendems a explrar a busca textual da Ajuda On-Line e a peraçã básica de Cheat-Sheets, criand nss prjet rhtutrial, que será utilizad durante s capítuls subsequentes. N capítul 4 irems cmpreender a fund a arquitetura ds prjets gerads, tant d pnt de vista de estruturaçã interna (pactes, classes e artefats padrões), quant externa (dependências e visã geral da arquitetura MVC).

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

De fato, o caminho mais eficiente para se construir uma solução é não construí-la, reutilizando uma existente.

De fato, o caminho mais eficiente para se construir uma solução é não construí-la, reutilizando uma existente. A6Instaland jcmpany Capítul 2 Gerência de Cnfiguraçã em Java EE Open Surce - Reús x Geraçã de Códig A mairia ds arquitets e desenvlvedres de sftware atualmente busca salts de prdutividade e qualidade através

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Processo TCar Balanço Móbile

Processo TCar Balanço Móbile Prcess TCar Balanç Móbile Tecinc Infrmática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centr Cascavel PR 1 Sumári Intrduçã... 3 Funcinalidade... 3 1 Exprtaçã Arquiv Cletr de Dads (Sistema TCar)... 4 1.1 Funcinalidade...

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Event Viewer - Criando um Custom View

Event Viewer - Criando um Custom View Event Viewer - Criand um Custm View Qui, 06 de Nvembr de 2008 18:21 Escrit pr Daniel Dnda Cnhecend Event Viewer Muit imprtante na manutençã e mnitrament de servidres Event Viewer é uma ferramenta que gera

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

com jcompany Extensions Capítulo Expandindo o Poder do jcompany Developer Suite - Entendendo as melhores práticas de customização

com jcompany Extensions Capítulo Expandindo o Poder do jcompany Developer Suite - Entendendo as melhores práticas de customização A6Extensões Arquiteturais cm jcmpany Extensins Capítul 23 Expandind Pder d jcmpany Develper Suite - Entendend as melhres práticas de custmizaçã Exercitams em váris capítuls as pssibilidades de extensã

Leia mais

PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE. 3ª edição. com jcompany Developer Suite

PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE. 3ª edição. com jcompany Developer Suite PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE cm jcmpany Develper Suite 3ª ediçã Bel Hriznte Paul César Alvim Ottni 2010 Tirand Máxim d Java EE 6 Open Surce cm jcmpany Develper Suite 2010 Pwerlgic

Leia mais

Nascia um novo nicho de mercado: o dos Ambientes Integrados de Desenvolvimento, ou IDEs (Integrated Development Environment).

Nascia um novo nicho de mercado: o dos Ambientes Integrados de Desenvolvimento, ou IDEs (Integrated Development Environment). 6Entendendo o Ambiente de Desenvolvimento Capítulo 3 Introdução - A breve história do mercado de IDEs Até a década de 80, um desenvolvedor de software típico lidava com uma diversidade de ferramentas para

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

PDF Livre com o Ghostscript

PDF Livre com o Ghostscript PDF Livre cm Ghstscript Um tutrial para criaçã de um geradr de arquivs PDF em Windws, basead em ferramentas gratuitas. Márci d'ávila, 05 de mai de 2004. Revisã 8, 20 de setembr de 2007. Categria: Text

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Tutorial de criação de um blog no Blogger

Tutorial de criação de um blog no Blogger Tutrial de criaçã de um blg n Blgger Bem-vind a Blgger! Este guia pde ajudar vcê a se familiarizar cm s recurss principais d Blgger e cmeçar a escrever seu própri blg. Para cmeçar a usar Blgger acesse

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

Manual do Usuário. Interface do cliente. Copyright 2012 BroadNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22

Manual do Usuário. Interface do cliente. Copyright 2012 BroadNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22 Manual d Usuári Interface d cliente Cpyright 2012 BradNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22 INDICE INDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 REQUISITOS MÍNIMOS... 3 BENEFÍCIOS... 3 APLICAÇÕES... 4 INICIANDO O APLICATIVO...

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

BIRT Viewer. Capítulo. Entendendo o BIRT Viewer. - Visualizando o relatório em múltiplos formatos

BIRT Viewer. Capítulo. Entendendo o BIRT Viewer. - Visualizando o relatório em múltiplos formatos A6Utilizand jcmpany BIRT Viewer Capítul 20 Entendend BIRT Viewer - Visualizand relatóri em múltipls frmats N capítul anterir, quand realizams "Preview" d relatóri, vims em sua frma básica, em frmat HTML.

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION

WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO ISVs e cmputaçã em nuvem... 2 Breve visã geral d Windws Azure...

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

Shavlik Patch para Microsoft System Center

Shavlik Patch para Microsoft System Center Shavlik Patch para Micrsft System Center Guia d Usuári Para us cm Micrsft System Center Cnfiguratin Manager 2012 Cpyright e Marcas cmerciais Cpyright Cpyright 2014 Shavlik. Tds s direits reservads. Este

Leia mais

Mensagem do atendimento ao cliente

Mensagem do atendimento ao cliente ASSUNTO: Cisc WebEx: Patch padrã a ser aplicad em [[DATA]] para [[WEBEXURL]] Cisc WebEx: Patch padrã em [[DATA]] A Cisc WebEx está enviand esta mensagem para s principais cntats de negóci em https://[[webexurl]]

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Win Seta para baixo Win Seta para cima Win Shift Seta para baixo Win Shift Seta para cima Win Seta para direita Win Seta para esquerda Win Shift

Win Seta para baixo Win Seta para cima Win Shift Seta para baixo Win Shift Seta para cima Win Seta para direita Win Seta para esquerda Win Shift ATALHOS DO WINDOWS 1.1 Mvend e redimensinand a janela que está ativa 1.2 Win + Seta para baix Restaura a janela ativa (se estiver maximizada) u miniminiza (se estiver restaurada). Win + Seta para cima

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

Lumine Database Mapping for PHP. Treinamento Básico

Lumine Database Mapping for PHP. Treinamento Básico Lumine Database Mapping fr PHP Treinament Básic Cnhecend as características básicas de um ds framewrks de mapeament de banc de dads relacinais mais fáceis de ser utilizad. Hug Ferreira da Silva 13/12/2010

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual Lja Virtual Desenvlviment FrmigaNegócis Orçament: /2012 Cliente: Respnsável: Prjet: Lja virtual Telefne: Frmiga (MG), de de 2012 Intrduçã Segue abaix prjet para desenvlviment de nv website para lja Virtual

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Procedimento de Configuração de Ambiente

Procedimento de Configuração de Ambiente Ministéri da Saúde Nme d Prjet Respnsável d Prjet / Área E-mail Telefne e-sus Hspitalar suprteesus@datasus.gv.br Respnsável E-mail Telefne suprteesus@datasus.gv.br Prcediment de Cnfiguraçã de Ambiente

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

Formulários para Consulta Apenas

Formulários para Consulta Apenas 6Dispnibilizand Frmuláris para Cnsulta Apenas Capítul 11 Implementand UC003 Cnsultar/Imprimir Ficha Funcinal!" - Entendend Md de Visualizaçã de Dcument A cnsulta e impressã da Ficha Funcinal, nss próxim

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

API de Integração E-Zoop Documentação de uso

API de Integração E-Zoop Documentação de uso API de Integraçã E-Zp Dcumentaçã de us Data de Atualizaçã: 10/06/2015 Índice 1. Intrduçã... 1 2. Características... 2 Cadastr de características... 2 Exclusã de características... 4 Listagem de características...

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

IBOConsole Instalação e Configuração. Ferramenta para gerenciamento do banco de dados.

IBOConsole Instalação e Configuração. Ferramenta para gerenciamento do banco de dados. IBOCnsle Instalaçã e Cnfiguraçã Ferramenta para gerenciament d banc de dads. 2 IBOCnsle ÍNDICE INSTALAÇÃO IBOCONSOLE... 3 CONFIGURAÇÃO IBOCONSOLE... 6 Menu Cnsle... 6 Menu View... 8 Menu Server... 8 Menu

Leia mais

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Disciplina: Programação III Conteúdo: Programação Orientada a Objetos Linguagem JAVA Página: 184

Disciplina: Programação III Conteúdo: Programação Orientada a Objetos Linguagem JAVA Página: 184 Cnteúd: Prgramaçã Orientada a Objets Linguagem JAVA Página: 184 3.12 COMPONENTES GUI E O TRATAMENTO DE EVENTOS Origem: Capítul 11 Cmpnentes GUI: Parte 1. Livr: Java Cm Prgramar, Deitel & Deitel, 6ª. Ediçã;

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS Manual d Usuári Elabrad pela W3 Autmaçã e Sistemas Infrmaçã de Prpriedade d Grup Jmóveis Este dcument, cm tdas as infrmações nele cntidas, é cnfidencial e de prpriedade d Grup Jmóveis,

Leia mais

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE DAVID CHAPPELL OUTUBRO DE 2010 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO Pr que criar um nv mdel de prgramaçã?... 3 Três regras d mdel de prgramaçã d Windws

Leia mais

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FETAL ANEXO 1 TUTORIAL PARA EXPORTAÇÃO

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Mateiral de Apoio. TOP Mobilidade RM 11.83

Mateiral de Apoio. TOP Mobilidade RM 11.83 Mateiral de Api TOP Mbilidade RM 11.83 Índice 1. Mbilidade... 4 1.1. Avanç Físic... 4 1.1.1. Parâmetrs... 4 1.1.2. Cletres... 5 1.1.2.1. Cadastrs... 5 1.1.2.2. Prcesss de Desativaçã e Inativaçã de Cletres...

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO V2.04 S4 Página 1 de 14 INDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.04 DO SST...3 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.04...3 PRESTADOR...3 Relatóri de Metas...3 CLIENTE...4 Tela

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOS DOS CONVÊNIOS...

Leia mais

Casos de Uso Centrados em Dados (Primários)

Casos de Uso Centrados em Dados (Primários) B Módul Cass de Us Centrads em Dads (Primáris) A. Este é um módul prátic que traz tutriais cm passs para implementaçã de Cass de Us Padrões d jcmpany Develper Suite, incluind variações típicas (Inclusões

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Sistemas de Alarme. Anunciador de Alarmes Digital e.tool ME3011 view Manual de Software PRODUTOS SERIADOS

Sistemas de Alarme. Anunciador de Alarmes Digital e.tool ME3011 view Manual de Software PRODUTOS SERIADOS Sistemas de Alarme PRODUTOS SERIADOS Anunciadr de Alarmes Digital e.tl ME3011 view Manual de Sftware Manual e.tl ME3011 view 5.06.3_P r08 5.02.1 1/53 1 Infrmações Intrduçã 5 Cnsiderações 6 2 Instaland

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais