Desenvolvimento Orientado a Comportamento com Testes Automatizados utilizando JBehave e Selenium

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento Orientado a Comportamento com Testes Automatizados utilizando JBehave e Selenium"

Transcrição

1 Desenvolvimento Orientado a Comportamento com Testes Automatizados utilizando JBehave e Selenium Rafael B. Chiavegatto¹, Lidiane V. da Silva², Andréia Vieira², William R. Malvezzi¹ ¹Centro de Pós-Graduação e Extensão (CPGE) Faculdade FUCAPI Manaus AM Brasil ²Fundação Desembargador Paulo dos Anjos Feitoza (FPF) Manaus AM Brasil {rafael.chiavegatto, lidiane.silva, Abstract. With a view to the continuous improvement of the software development process, this paper presents the application of the technique of test automation using frameworks to optimize the execution of the process activities, implementing the methodology Behavior Driven Development (BDD), aiming at the common language, participatory collaboration between those involved in the process of developing quality software. Resumo. Tendo em vista a melhoria contínua do processo de desenvolvimento de software, este artigo apresenta a aplicação da técnica de automatização de testes utilizando frameworks para otimizar as atividades de execução do processo, implementando a metodologia Behavior Driven Development (BDD), visando à colaboração participativa em linguagem comum, entre os envolvidos no processo de desenvolvimento de software qualitativo. 1. Introdução A partir do final dos anos 90 do século passado, as empresas que desenvolvem software vêm buscando a garantia da qualidade dos sistemas desenvolvidos, por meio de estudos sobre técnicas e metodologias a fim de aplicá-las para melhoria do processo de desenvolvimento, objetivando a qualidade dos seus produtos. [...] teste de Software é uma área que tem crescido significativamente nos últimos tempos, em especial a técnica de automatização de testes. Esta abordagem está cada vez mais em evidência devido à agilidade, eficácia, baixo custo de implementação e manutenção, funcionando como um bom mecanismo para controlar a qualidade dos sistemas [...]. (BERNARDO, 2011). Todavia, é necessário o mínimo de conhecimento sobre a área para evitar falhas comuns no processo de desenvolvimento das atividades, como erros na escrita dos scripts dificultando sua manutenibilidade. Quando os testes automatizados são de baixa qualidade, tendem a não contribuir para o controle da qualidade de um sistema e geram uma demanda maior de esforço na fase de testes. Com intuito de suprir essas necessidades, este artigo apresenta a adoção da técnica de automatização no processo de teste de software (criação, manutenção e Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

2 gerenciamento dos casos de testes automatizados), utilizando a metodologia Behavior Driven Development (BDD), fazendo com que cada um dos envolvidoss contribua para melhoria contínua da qualidade, com a finalidade de tornar o processo de teste mais eficiente e produtivo. 2. Referencial teórico 2.1. Teste e Qualidade de Software No processo de desenvolvimento de software, testar deve tornar-se um hábito, de forma a garantir a qualidade dos produtos desenvolvidos. A atividade está ligada diretamente à qualidade, pois, para obtenção de um software de que atenda as expectativas do cliente, é necessário que seja realizado um conjunto de testes específicos. Schwaber e Beedle afirmam que metodologias de desenvolvimento ágeis como Scrum, recomendam que todas as pessoas envolvidas em um projeto trabalhem controlando a qualidade do produto todos os dias e a qualquer momento, pois baseiam-se na ideia de que prevenir defeitos é mais fácil e barato que identificá-los e corrigi-los a posteriori. (apud BERNARDO, 2001). Inthurn (2001) ainda complementa, teste de software tem como objetivo aprimorar a produtividade e fornecer evidências de confiabilidade, em complemento a outras atividades de garantia de qualidade ao longo do processo de desenvolvimento do software. Dessa forma, testar é um processo de repetição contínua de passos para analisar se os requisitos e as condições funcionais e não funcionais especificadas, foram implementadas de fato, bem como detectar erros e identificar falhas. Sommerville (2003) afirma que, [...] os testes constituem uma fase dispendiosa e trabalhosa do processo [...]. A execução manual de um caso de teste é rápida e efetiva, mas a execução e repetição de um vasto conjunto de testes é uma tarefa árdua e cansativa. Dado esse cenário, utilizar meios automáticos para execução desta etapa de desenvolvimento pode agregar ganho de tempo para a Organização. Devido a tal fato, a automatização de testes vem sendo utilizada como uma forma de evitar esse problema, com a substituição parcial dos testes manuais, diminuindo os custos de produção do software através da agilidade que os testes automatizados proporcionam Automatização de testes A introdução de testes automatizados no processo de desenvolvimento remete a iniciativa de melhoria da qualidade dos software. A automatização de testes possui o objetivo de apoiar o processo, reduzindo ou eliminando gargalos no tempo de execução, entretanto esse processo vai além da escolha de uma ferramenta. Segundo Maldonado et al (2007), A técnica de automação é voltada principalmente para melhoria da qualidade, baseia-se fortemente na teoria de Teste de software, para aplicar as recomendações dos testes manuais na automação dos testes. Os testes automatizados tendem a ter uma maior produtividade, onde é necessário um esforço inicial que é compensando na execução a longo prazo. O teste Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

3 manual não pode ser eliminado, deve sim, ser reduzido ao máximo possível e focado naquilo que é muito caro automatizar. (MOLINARI, 2010). A automatização de testes é uma prática ágil e eficaz para melhorar a qualidade dos software, porém inicialmente a adoção da técnica é mais custosa, pois, demanda um esforço maior de tempo e de mão de obra qualificada. É necessário conhecimento, organização e experiência para evitar que a aplicação dessa técnica não seja utilizada de forma incorreta, e para que não haja redução no custo-benefício dessa prática no desenvolvimento de software Behaviour Driven Development Behaviour Driven Development (BDD) é uma das técnicas ágeis para desenvolvimento de software que estimula a colaboração entre os participantes de um projeto, trabalhando a comunicação de forma ubíqua, a fim de que os envolvidos falem a mesma linguagem e consigam compreender e contribuir para que os requisitos constantemente estejam atualizados, especificando estórias referentes às funcionalidades que futuramente poderão ser executadas. É considerado que BDD é um aprimoramento de Test Driven Development (TDD). A principal diferença é a mudança de foco: de teste para comportamento. Ao invés de escrever testes para verificar se um método faz o esperado, o desenvolvedor escreve especificações descrevendo o comportamento que a funcionalidade deve possuir. (ASTELS, 2006). O BDD visa minimizar a falha de comunicação entre os stakeholders envolvidos no projeto (cliente e equipe de desenvolvimento), uma vez que utilizando uma linguagem livre de termos típicos de teste. Os termos são comuns e unificados, propondo a descrição e atualização dos requisitos. Há uma gama de ferramentas para apoiar o processo de BDD, para diversas linguagens de programação, todas seguindo a mesma abordagem. Dentre elas estão RSpec, Cucumber, JDave, BDoc e JBehave, que será utilizada nesse artigo JBehave O JBehave é um framework de desenvolvimento orientado a comportamento, que permite criar especificações em linguagem natural ou seja, é possível escrever cenários exemplificando cada funcionalidade de modo que os envolvidos compreendam os critérios de aceitação dos cenários de teste, focando no comportamento do software. Baseia-se em um arquivo texto projetado para conter os cenários de uma estória de um determinado usuário. Essas estórias são descritas em formato de passos detalhados, de forma que um usuário que não detenha conhecimento e perfil técnico sobre software possa compreender, conforme Figura 1. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

4 Figura 1. Exemplo de Especificação de cenário no JBehave Os cenários são compostos pelas seguintes notações: Narrativa: Descrição da estória Cenário: Descrição do cenário para estória Dado que (Given) São as pré-condições para executar o cenário Quando (When) São os testes (passos) para execução do cenário Então (Then) É o resultado esperado da execução dos passos. O JBehave em si é um plugin do JUnit (framework de testes de unidade) e as especificações criadas para os passos devem ser mapeadas para testes de unidade reais. (SANTOS, 2010). Em nível de especificação de cenários, o mapeamento serve para parametrização de passos, o que facilita na reutilização para a criação de novos arquivos de texto ou outros cenários de teste. A especificação é salva em um arquivo com extensão.story, que posteriormente será interpretado pelo JBehave seguindo o mapeamento realizado. O mapeamento instrui como o JBehave deve ler o arquivo de especificação e como criar um teste a partir dele. Para cada arquivo de cenários (.story), deve existir um arquivo.java contendo o respectivo mapeamento. Para ser elaborado é necessário à utilização As palavras chaves parametrizadas iniciadas com o símbolo: $, significam que será passado por parâmetro o valor (destacados em vermelho no arquivo.story da Figura 1) para o método correspondente no arquivo.java, conforme mostra Figura 2: Figura 2. Classe.java contendo o mapeamento dos cenários no JBehave Depois de realizado o mapeamento é possível utilizar um framework de testes para a execução dos cenários, nesse caso será utilizado o JUnit. O JBehave possui uma Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

5 classe própria para essa associação, bastando criar uma classe e estendê-la à classe JUnitStory. Ao executá-la como JUnit Test serão executados os testes dos cenários elaborados. A classe de configuração possui: o idioma que deve ser interpretado os cenários, a localização de onde estão os cenários especificados e o formato que será gerado os relatórios, conforme exibido na Figura 3. Figura 3. Exemplo de arquivo de configuração do JBehave O JBehave é um framework muito utilizado pela comunidade Java, sua documentação é bem vasta e de fácil entendimento. Muitos blogs e fóruns de discussões fornecem informações sobre sua utilização e configuração Selenium Conforme visto, as funcionalidades do sistema são representadas por estórias e dessas são extraídos os testes de aceitação, que são automatizados por um framework de automatização de testes. O Selenium é um framework open source, utilizado para automatização de testes funcionais em aplicações web. [...] os testes podem ser executados em praticamente todos os navegadores existentes e uma vantagem é que eles podem ser escritos em diversas linguagens de programação, tais como: Java, C#, Python, PHP, Perl, HTML e Ruby. (Gonçalves, 2011) JUnit O JUnit é um framework open source para utilização de testes unitários em Java, sendo possível criar classes de testes que podem ter um ou mais métodos para execução. Os testes podem ser executados sequencialmente ou de forma modularizada, dessa forma, os sistemas podem ser testados em partes ou de uma única vez. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

6 Conforme Hunt e Thomas (2003), Em 1998, Kent Beck e Erich Gamma desenvolveram o arcabouço JUnit para a linguagem Java, inspirado no SUnit. Desde então a prática de testes automatizados vem sendo disseminada dentre as equipes de desenvolvimento de software adeptas a automatização. De forma geral seu funcionamento se dá através da verificação dos métodos de uma classe, constatando se os mesmos funcionam da maneira esperada, exibindo de forma visual o resultado da execução positiva ou negativa dos testes (Passed or Fail). 3. Estudo de Caso: Utilização de BDD com frameworks para automatização de testes Nesse estudo de caso será utilizado um sistema para soluções hospitalares composto de nove módulos. O mesmo encontra-se em produção, porém continua sofrendo alterações em suas funcionalidades e constantemente é necessário passar por testes de regressão. Entretanto, por se tratar de um sistema grande e complexo, o esforço com esses testes tem sido custoso demandando esforço e tempo da equipe. O cenário atual dos testes do sistema ocorre através de execução manual. São elaborados casos de teste funcionais, baseados nas especificações dos requisitos, conforme Figura 4. Figura 4. Especificação de Caso de teste A especificação dos casos de testes, não fornece todas as informações detalhadas para execução, pois o responsável pela elaboração já possui conhecimento prévio sobre a aplicação. Isso poderia dificultar a execução se, o executor dos testes não for o mesmo que elaborou. Essa problemática pode ser resolvida com a utilização da metodologia BDD, pois sua especificação é voltada a comportamento, sendo exemplificados detalhadamente todos os passos para execução do cenário, como mostra a Figura 5. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

7 Figura 5. Especificação de cenário de teste com BDD Para agilizar a atividade de execução de testes foi utilizada a técnica de automatização, com intuito de reduzir o esforço empenhado nessa etapa, especialmente quando são necessários testes de regressão, vinculando a metodologia BDD com o propósito de criar documentação em uma linguagem natural, simplificando a manutenção e assimilação dos envolvidos. Para aplicar a metodologia BDD, foi utilizado o framework JBehave e para automatização dos cenários, as ferramentas de teste Selenium e JUnit. 3.1 Aplicação BDD e automatização A primeira atividade realizada nesse processo de aplicação de BDD com automatização é o levantamento e especificação dos cenários que são agrupados em estórias. Cada estória (.story) é composta por cenários, como se fossem os casos de testes, porém elaboradas de forma exemplificada baseadas em comportamentos do sistema, conforme visto na Figura 5. Nesse estudo de caso será apresentado um dos cenários especificados para o módulo de triagem de pacientes. A Figura 6 ilustra o arquivo.story que contém o cenário levantado para ser automatizado, juntamente com uma parte do arquivo.java com seu respectivo mapeamento e seus métodos implementados com o framework Selenium, que por sua vez irá automatizar os passos descritos no cenário. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

8 Figura 6. À esquerda: especificação dos cenários, à direita: steps mapeados no JBehave Após a implementação dos métodos dos cenários, foi implementada a classe de configuração. Essa classe possui: quais canditatesteps devem ser executados, o idioma que o.story será interpretado e o formato que será gerado o relatório, como mostra a Figura 7. Figura 7. Arquivo de configuração do JBehave Elaborada a classe de configuração, é utilizada a ferramenta JUnit, que permite executar a classe como JUnit Test e gerar os relatórios que o próprio framework do JUnit e do JBehave disponibilizam. No relatório são indicados os métodos que falharam (fail) e os métodos que não tiveram performance (Not performed), porque não foram executados devido falhas. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

9 4. Resultados obtidos Conforme visto anteriormente, o sistema de soluções hospitalares possui nove módulos com vários fluxos principais e alternativos. Dessa totalidade, dois módulos foram automatizados. O critério de escolha dos módulos para automatizar foi relacionado aos que apresentavam maiores problemas em produção, em função de mudanças que ocorrem constantemente, requerendo testes de regressão. A aplicação da metodologia BDD junto à técnica de automatização agregou os seguintes benefícios ao processo de testes: facilidade de elaboração e entendimento dos cenários de testes por todo o time, e redução de esforço com a execução de testes. Na fase de elaboração dos casos de testes, estórias foram especificadas, contendo um conjunto de cenários em uma linguagem natural, sem termos técnicos e exemplificadas, onde os envolvidos conseguiam contribuir e assimilar o que estava sendo desenvolvido, sem ambiguidade e melhorando a comunicação. Os testes de regressão, que antes eram custosos e executados manualmente, passaram a ser executados de forma automática. Inicialmente, a automatização é mais custosa que a execução manual, entretanto ganha-se benefícios ao longo das suas execuções, obtendo ganho considerável na agilidade dessa atividade. Com a junção da técnica de automatização e a metodologia de BDD, é possível ter um alto índice de reaproveitamento na implementação dos cenários, facilitando a manutenção nos scripts gerados. O quadro abaixo faz um comparativo entre um cenário de processo de desenvolvimento tradicional versus orientado a comportamento. Quadro 1. Comparativo entre o processo Tradicional e com aplicação de BDD Processo de Desenvolvimento Tradicional Esforço = Elaboração de caso de teste + execução de testes Durante a execução dos testes, alguns requisitos podem ter sido esquecidos Alteração de requisito = problemas na reutilização Baixa automatização de testes, dificuldade para testes de regressão Dificuldade de manutenibilidade de casos de teste Linguagem propensa à ambiguidade Processo de Desenvolvimento Orientado a Comportamento Esforço = Levantamento de cenários + desenvolvimento das estórias Maior facilidade por todos para visualizar o que está sendo desenvolvido Alteração de requisito = facilidade trazida pelo framework (dicionário de passos) Alta automatização de testes, facilidade para execução de testes de regressão (aumento na qualidade) Facilidade na manutenção dos cenários e scripts de teste Linguagem ubíqua 5. Conclusão É notável que as organizações valorizam a garantia da qualidade de software, isso justifica a disposição em implantar em seu processo de teste a técnica de automatização, visando à agilidade na execução do processo. Com uso de ferramentas e metodologias, é possível otimizar esforço e tempo, além de aproximar os testes automatizados à Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

10 documentação do sistema, utilizando uma linguagem única e fluente entre todos os envolvidos no projeto, inclusive o cliente. Com o uso de Behavior Driven Development (BDD), é possível notar um ganho significativo na reutilização de código para a implementação de novos testes automatizados, além do auxílio na manutenção contínua e produtiva do código e dos requisitos, onde os testes tornam-se a documentação do sistema escrita em uma linguagem comum sendo documentados naturalmente, atrelando requisito ao código ou seja, o código é gerado a partir de uma descrição textual. É importante ter o conhecimento de boas práticas e padronizações estabelecidas, favorecendo a escrita e manutenção de testes automatizados de qualidade. Para alcançar êxito nesse processo, é necessário ter cuidado ao adotá-lo, sempre focando em: construir sistemas de qualidade de forma ágil, que atendam as necessidades do cliente, devendo não só fazer corretamente o que o foi solicitado, mas também fazê-lo com segurança e eficiência. Referências Astels, D. (2006). A new look at test-driven development. Disponível em: <http://blog.daveastels.com/files/bdd_intro.pdf > Acessado em Bernardo, P., C. (2011) Padrões de testes automatizados. Dissertação Universidade de São Paulo apud Schwaber, K., e Beedle M. (2001) Agile Software Development with SCRUM, New Jersey, Prentice Hall. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/.../testesautomatizados_paulocheque> Acessado em: Gonçalves, H., N. (2011) Geração de Testes Automatizados Utilizando Selenium, Trabalho de Conclusão de Universidade de Pernambuco. Escola Politécnica de Pernambuco. Disponível em: <tcc.ecomp.poli.br/20111/monografia_hiroshi.doc> Acessado em: Hunt, A., Thomas, D. (2003) Pragmatic Unit Testing in Java with JUnit. The Pragmatic Programmers v.2. Disponível em: < QEp6ruIAC&redir_esc=y> Acessado em Inthurn, C. (2001) Qualidade & teste de Software. Visual Books, Florianópolis. Maldonado, J., C., Delamaro, M., E., e Jino, M. (2007) Introdução ao Teste de Software. Editora: Elsevier, Campus. Molinari, L. (2010) Inovação e Automação de Testes de Software 1ª Edição. São Paulo-SP. Santos, R., L. (2010) Emprego de Test Driven Development no desenvolvimento de aplicações. Monografia Universidade de Brasília Disponível em: <monografias.cic.unb.br/dspace/bitstream/ /258/1/monografia.pdf> Acessado em: Sommerville, I. (2003) Engenharia de Software. 6ª Edição. São Paulo SP. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

Especificação e Automação Colaborativas de Testes utilizando a técnica BDD

Especificação e Automação Colaborativas de Testes utilizando a técnica BDD Especificação e Automação Colaborativas de Testes utilizando a técnica BDD Rafael Chiavegatto¹, Vanilton Pinheiro¹, Andréia Freitas Vieira¹, João Clineu¹, Erbett Hinton Oliveira¹, Ellen Barroso¹, Alexandre

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO Robson L. Nascimento 1, Késsia R. C. Marchi¹ 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil robsonluisn@yahoo.com.br,

Leia mais

Experiência em Automação do Processo de Testes em Ambiente Ágil com SCRUM e ferramentas OpenSource

Experiência em Automação do Processo de Testes em Ambiente Ágil com SCRUM e ferramentas OpenSource Experiência em Automação do Processo de Testes em Ambiente Ágil com SCRUM e ferramentas OpenSource Eliane F. Collins 1, Luana M. de A. Lobão 1, 2 1 Instituto Nokia de Tecnologia (INdT) Caixa Postal 7200

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Leme Nazário, Ricardo Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil renazariorln@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Héstia Ferramenta de Apoio a Teste de Software com Base em Casos de Uso

Héstia Ferramenta de Apoio a Teste de Software com Base em Casos de Uso Héstia Ferramenta de Apoio a Teste de Software com Base em Casos de Uso Eduardo Pletsch Manini 1, Guilherme Silva Lacerda 2 1, 2 Centro Universitário Ritter dos Reis 90.840-440 Porto Alegre RS Brasil edumanini@gmail.com,

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse

Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse Jorge Diz Globalcode 57 Encontro do SPIN-SP Slide 1 Instrutor Jorge Alberto Diz ( 95 Mestre em Eng. Elétrica (UNICAMP ( 89 Bach. em Ciência da Computação

Leia mais

UMA PROPOSTA DE UM PROCESSO DE TESTE EM UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

UMA PROPOSTA DE UM PROCESSO DE TESTE EM UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE UMA PROPOSTA DE UM PROCESSO DE TESTE EM UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE Juliano Barbosa Prettz, Cristiano Bertolini (Orientador) Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Educação Superior do Norte

Leia mais

Pesquisa sobre código limpo (clean code) 09-05-2014 Por: Tarik Boschi http://boschi.com.br

Pesquisa sobre código limpo (clean code) 09-05-2014 Por: Tarik Boschi http://boschi.com.br Pesquisa sobre código limpo (clean code) 09-05-2014 Por: Tarik Boschi http://boschi.com.br 1. QUESTIONÁRIO O presente questionário foi disponibilizado para o levantamento sobre práticas de código limpo

Leia mais

1. Introdução. fymoribe@gmail.com

1. Introdução. fymoribe@gmail.com Aplicação em cenário empresarial da utilização das metodologias de teste de software Fábio Yoshiaki Moribe¹ ¹ Departamento de Informática - Universidade Estadual de Maringá (UEM) fymoribe@gmail.com Abstract.

Leia mais

Análise de ferramentas de teste automatizado de software

Análise de ferramentas de teste automatizado de software Análise de ferramentas de teste automatizado de software Thyago Peres Carvalho 1, Joslaine C. Jeske de Freitas 1 1 Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Jataí (CAJ) Caixa Postal 03 75.801-615 Jataí

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas

Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Luciano Gomes Helvinger, Rodrigo Prestes Machado Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdade

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

Testes de Software. Por quê testar? 3/28/2011. Andrew Diniz da Costa. andrew@les.inf.puc-rio.br. Manter alta qualidade. Prevenir e encontrar defeitos

Testes de Software. Por quê testar? 3/28/2011. Andrew Diniz da Costa. andrew@les.inf.puc-rio.br. Manter alta qualidade. Prevenir e encontrar defeitos Testes de Software Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br Por quê testar? Manter alta qualidade Prevenir e encontrar defeitos Ganhar confiança sobre o nível de qualidade e prover informações.

Leia mais

Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation

Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation Um artigo de: Doron Drusinsky (Cupertino, CA) Apresentado por: Charles-Edouard Winandy Disciplina: CSE310-4 Engenharia de Software

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT Jaqueline Rissá Franco email: jaquerifr@gmail.com Karla Marturelli Mattos Luciano Mathias Doll João Almeida Resumo: Este artigo mostra novas abordagens na

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos em Scrum baseado em Test Driven Development

Gerenciamento de Requisitos em Scrum baseado em Test Driven Development Gerenciamento de Requisitos em Scrum baseado em Test Driven Development Rafael Soares 1, Thiago Cabral 1, Fernanda Alencar 1,2 1 Programa de Pós Graduação em Engenharia da Computação, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE COM XP. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

TESTE DE SOFTWARE COM XP. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com TESTE DE SOFTWARE COM XP Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto Inúmeros processos de software Evolução das formas/metodologias de desenvolvimento de software Dificuldades encontradas

Leia mais

ANEXO VII PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP. Processo de Desenvolvimento de Sistemas

ANEXO VII PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP. Processo de Desenvolvimento de Sistemas ANEXO VII PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP Processo de Desenvolvimento de Sistemas MDP - Metodologia de Desenvolvimento PROCERGS - é uma estrutura básica de definição de processos

Leia mais

Teste de Software Apresentação

Teste de Software Apresentação Teste de Software Apresentação Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Agenda Teste de Software VV&T e Defeitos de Software Inspeção de Software Teste

Leia mais

2 Medição e Acompanhamento

2 Medição e Acompanhamento 2 Medição e Acompanhamento Para verificar a eficácia da aplicação da técnica de desenvolvimento dirigido por testes, foram usadas algumas métricas para determinar se houve melhoria ou degradação no processo

Leia mais

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

MPSP Projeto ALM/Scrum. Diretoria de Sistemas de Informação

MPSP Projeto ALM/Scrum. Diretoria de Sistemas de Informação MPSP Projeto ALM/Scrum Diretoria de Sistemas de Informação Agenda O que é ALM? Objetivo do Projeto Atividades Desenvolvidas Indicadores Dúvidas O que é ALM? ALM Application Lifecycle Management Gerenciamento

Leia mais

ANEXO 04 PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP. Processo de Desenvolvimento de Sistemas

ANEXO 04 PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP. Processo de Desenvolvimento de Sistemas ANEXO 04 PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP Processo de Desenvolvimento de Sistemas MDP - Metodologia de Desenvolvimento PROCERGS - é uma estrutura básica de definição de processos

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO

TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO Jaime William Dias 12, Dener Barranco 1, Douglas Delapria 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) 2 Universidade Estadual de Maringá (UEM) Paranavaí PR Brasil dener_barranco@hotmail.com,

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Alcides Vaz da Silva 1 Luiz Gustavo Galves Mählmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo apresenta o projeto de desenvolvimento de um Sistema de Informação

Leia mais

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Projeto de Dissertação de Mestrado FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum Eric de Oliveira

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Linha Silk: a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar

Linha Silk: a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar Linha : a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar Leve Criado apenas com a funcionalidade que você precisa Barato Do uso gratuito ao licenciamento flexível Eficiente Software fácil de usar e

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2013-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2013-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2013-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO BOOK PLUS: UM AMBIENTE DE

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software

Gerenciamento de Projetos de Software Gerenciamento de Projetos de Software Framework Ágil, Scrum Prof. Júlio Cesar da Silva Msc. 2º Encontro Ementa & Atividades Aula 1: Fundamentos do Gerenciamento de Projetos (p. 4) 30/abr (VISTO) Aula 2:

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico

Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico Wagner da Costa Araújo 1, José Flávio Gomes Barros 2 1 Bacharel em Sistemas de

Leia mais

Criando Frameworks Inteligentes com PHP. Uma abordagem prática: vantagens, aplicações e procedimentos.

Criando Frameworks Inteligentes com PHP. Uma abordagem prática: vantagens, aplicações e procedimentos. Criando Frameworks Inteligentes com PHP Uma abordagem prática: vantagens, aplicações e procedimentos. Apresentação Equipes ao redor do mundo utilizam diferentes padrões de projeto, de acordo com suas necessidades

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 CURITIBA Nov 2012 DJULLES IKEDA OSNIR FERREIRA DA CUNHA Sistema de Gestão Escolar PROJETO

Leia mais

OPORTUNIDADES: Analista de Sistemas

OPORTUNIDADES: Analista de Sistemas OPORTUNIDADES: Analista de Sistemas - Experiência em metodologias ágeis de desenvolvimento, - Experiência em desenvolvimento de sistemas com plataforma Microsoft.Net, - Experiência em banco de dados Microsoft

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Tópicos abordados. Testes de Software (Capítulo 8 Sommerville) 2/2/2015. Testes de desenvolvimento. Desenvolvimento dirigido a testes

Tópicos abordados. Testes de Software (Capítulo 8 Sommerville) 2/2/2015. Testes de desenvolvimento. Desenvolvimento dirigido a testes Testes de Software (Capítulo 8 Sommerville) slide 569 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tópicos abordados Testes de desenvolvimento Desenvolvimento dirigido a testes Testes de release

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse

FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse Teresina, 28 de maio de 2008 1 Sumário 1. Introdução...03 2. Conceitos Iniciais 2.1 O que é Teste de Software?...04 2.2

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 04 FERRAMENTAS DE AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 04 Automação de testes funcionais Ferramentas

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Daniel Wildt -dwildt@gmail.com

Daniel Wildt -dwildt@gmail.com Metodologias Ágeis e Software Livre Daniel Wildt -dwildt@gmail.com Bacharel em Informática (PUCRS) Professor Universitário (FACENSA) Mais de 10 anos de experiência em Desenvolvimento de Software, hoje

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

Automação do Teste de Sanidade para Dispositivos Móveis com o Auxílio da Ferramenta Robotium

Automação do Teste de Sanidade para Dispositivos Móveis com o Auxílio da Ferramenta Robotium Automação do Teste de Sanidade para Dispositivos Móveis com o Auxílio da Ferramenta Robotium Lucas de B. Gomes 1, Erbett Hinton R. Oliveira 2, Kátia Cilene N. da Silva 1 1 Departamento de Computação Fundação

Leia mais

MasterTool Extended Edition

MasterTool Extended Edition Descrição do Produto O software MasterTool Extended Edition é a ferramenta de configuração e programação de equipamentos ALTUS (Série Grano, Série Ponto, Série PX e AL-2004), incluindo CPs e remotas. Esta

Leia mais

ANDRESSA GARCIA BARBOSA DESENVOLVIMENTO DE UM FRAMEWORK PARA APLICAÇÃO DE TESTE UNITÁRIO ORIENTADO A DADOS

ANDRESSA GARCIA BARBOSA DESENVOLVIMENTO DE UM FRAMEWORK PARA APLICAÇÃO DE TESTE UNITÁRIO ORIENTADO A DADOS FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANDRESSA GARCIA BARBOSA DESENVOLVIMENTO DE UM FRAMEWORK PARA

Leia mais

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Melhores práticas de gerenciamento de ativos de software JUNHO DE 2013 Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo John Fulton CA IT Business Management

Leia mais

SELENIUM 28/03/2011. Márcio Delamaro Harry Trinta

SELENIUM 28/03/2011. Márcio Delamaro Harry Trinta 1 SELENIUM 28/03/2011 Márcio Delamaro Harry Trinta O que é a Selenium? Selenium é uma ferramenta desenvolvida para a automação de testes em aplicações Web Suporta diversos browsers: Firefox Internet Explorer

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Guilherme Augusto de Assis

Guilherme Augusto de Assis Guilherme Augusto de Assis Analista de Sistemas Pleno da empresa CPqD guiassys@gmail.com Resumo Possui graduação em Sistemas de Informação pela Faculdade de Administração e Ciências Contábeis de Hortolândia

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Nelson Ribeiro de Carvalho Júnior 1 RESUMO Atualmente o cenário mundial cuja dependência do software está cada vez mais evidente requer que

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE MARCIO ANGELO MATTÉ

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE MARCIO ANGELO MATTÉ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE MARCIO ANGELO MATTÉ TESTES DE SOFTWARE: UMA ABORDAGEM DA ATIVIDADE DE TESTE

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

Desenvolvimento de uma ferramenta de apoio à automação de testes de sistema

Desenvolvimento de uma ferramenta de apoio à automação de testes de sistema Perquirere, 12 (2): 142-157, dez. 2015 Centro Universitário de Patos de Minas http://perquirere.unipam.edu.br Desenvolvimento de uma ferramenta de apoio à automação de testes de sistema Development of

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Curso de Especialização em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Curso de Especialização em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Curso de Especialização em Desenvolvimento de Sistemas para Web Estudo da Ferramenta Selenium IDE para Testes Automatizados de Aplicações Web

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS Janderson Fernandes Barros ¹, Igor dos Passos Granado¹, Jaime William Dias ¹, ² ¹ Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí

Leia mais

Mini-Curso Agile Testing

Mini-Curso Agile Testing Mini-Curso Agile Testing Como funciona na prática? contato@qualister.com.br (48) 3285-5615 twitter.com/qualister facebook.com/qualister linkedin.com/company/qualister Instrutor Elias Nogueira

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 03 FERRAMENTAS DE AUTOMAÇÃO DE TESTES Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 03 O que é automação de testes? Conceitos de automação de

Leia mais

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL 232 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL Stevan D. Costa1, Alexandre T. Lazzaretti1, Anubis

Leia mais

3 Estudo de Ferramentas

3 Estudo de Ferramentas 3 Estudo de Ferramentas Existem diferentes abordagens para automatizar um processo de desenvolvimento. Um conjunto de ferramentas pode ser utilizado para aperfeiçoar o trabalho, mantendo os desenvolvedores

Leia mais

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw- Hill. Ano: 2001. Edição: 5 Introdução Sommerville, Ian. SW Engineering. Editora: Addison Wesley. Ano: 2003. Edição:

Leia mais

Teste Funcional 3. Arndt von Staa Departamento de Informática PUC-Rio Março 2015

Teste Funcional 3. Arndt von Staa Departamento de Informática PUC-Rio Março 2015 Teste Funcional 3 Arndt von Staa Departamento de Informática PUC-Rio Março 2015 Especificação Objetivo desse módulo Apresentar uma modalidade de geração de casos de teste a partir de casos de uso Justificativa

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Testes de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Introdução Teste é um conjunto de atividades que pode ser planejado antecipadamente

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Metodologia Baseada No CMM Para o Centro de Processamento de Dados do Centro Universitário Franciscano

Metodologia Baseada No CMM Para o Centro de Processamento de Dados do Centro Universitário Franciscano Metodologia Baseada No CMM Para o Centro de Processamento de Dados do Centro Universitário Franciscano Marcos André Storck 1, Walkiria Helena Cordenonzi 1 1 Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) Rua

Leia mais

Engenharia de software para desenvolvimento com LabVIEW: Validação

Engenharia de software para desenvolvimento com LabVIEW: Validação Engenharia de software para desenvolvimento com LabVIEW: Orientação a Objetos, Statechart e Validação André Pereira Engenheiro de Vendas (Grande São Paulo) Alexsander Loula Coordenador Suporte Técnico

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 02 Planejamento dos Testes Plano de Teste Análise de Risco

Leia mais

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Curso de Verão Centro de Competência em Software Livre Departamento de Ciência da Computação - IME / USP Realização: AgilCoop Verão Ágil 2010 Copyleft

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado Na parte final da demonstração, Jan, nossa testadora, usará o IBM Rational Functional Tester ou RFT para registrar um novo script de teste. O RFT está integrado ao IBM Rational Software Delivery Platform

Leia mais

Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação

Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação Denise Santiago (FURB) denise@senior.com.br Maurício Capobianco Lopes (FURB) mclopes@furb.br Resumo. Este artigo apresenta

Leia mais