Sistema Expectativas de Mercado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Expectativas de Mercado"

Transcrição

1 Direoria de Políica Econômica Deparameno de elacionameno com Invesidores e Esudos Especiais Sisema Expecaivas de Mercado com informações aé março de 2015 S é r i e Pergunas Mais Frequenes

2 Sisema Expecaivas de Mercado Ese exo inegra a série Pergunas Mais Frequenes (PMF), ediada pelo Deparameno de elacionameno com Invesidores e Esudos Especiais (Gerin) do Banco Cenral do Brasil, abordando emas econômicos de ineresse da sociedade. Com essa iniciaiva, o Banco Cenral do Brasil vem presar esclarecimenos sobre diversos assunos da nossa realidade, buscando aumenar a ransparência na condução da políica econômica e a eficácia na comunicação de suas ações.

3 Sumário 1. O que são as informações coleadas pelo Sisema Expecaivas de Mercado? Qual a imporância das expecaivas de mercado? Como é coleada a informação do mercado e quem pode paricipar do Sisema? Há especificidades para cada variável, ou odas seguem o mesmo padrão? 3 5. Quando foi implanado o Sisema Expecaivas de Mercado? Quais os principais produos divulgados? Que informações provê o Focus elaório de Mercado? Alerações na mediana de um indicador anual são sempre causadas por alerações nas projeções dos paricipanes da pesquisa? O que é a inflação suavizada nos próximos 12 meses? Quem paricipa como provedor de informações? É possível consular informações individuais (de cada insiuição)? Qual é o incenivo fornecido para que as insiuições manenham as expecaivas aualizadas? Qual a validade dos dados regisrados no Sisema? Os paricipanes êm a obrigação de prover informações? O que são daas de referência? Com relação aos Top 5, como são classificadas as insiuições, para que variáveis e em que horizones? Há alguma condicionane para que as insiuições paricipem dos Top 5? O que aconece quando uma insiuição deixa de informar suas projeções? Quais são as fórmulas de cálculo usadas na elaboração dos rankings Top 5 de curo prazo? Quais são as fórmulas de cálculo usadas na elaboração dos rankings Top 5 médio e longo prazo?... 13

4 21. Quais são as fórmulas de cálculo usadas na elaboração dos rankings Top 5 anuais (curo e médio prazo)?... 15

5 Sisema Expecaivas de Mercado 1. O que são as informações coleadas pelo Sisema Expecaivas de Mercado? São projeções elaboradas por insiuições que auam no mercado financeiro, ais como bancos, gesoras de recursos e consulorias e, em alguns casos, empresas do seor real, que possuem equipes especializadas que projeam as principais variáveis macroeconômicas, com o inuio de assessorar a omada de decisões ano por profissionais da própria insiuição, como por seus clienes exernos. As projeções, em muios casos com o auxílio de modelagem economérica, são realizadas para variáveis relacionadas à aividade econômica, às axas de juros e de câmbio, à variação dos índices de preços, ao Balanço de Pagamenos e ao seor fiscal da economia brasileira. Expecaivas de inflação podem ser coleadas de diversas maneiras, ais como a realização de pesquisas juno a profissionais de mercado ou a consumidores, ou a parir de informações exraídas de aivos financeiros, como íulos indexados à inflação. O Sisema Expecaivas de Mercado, desenvolvido pelo BCB, é um sisema de colea de projeções juno a economisas de mercado. 2. Qual a imporância das expecaivas de mercado? As expecaivas de mercado são subsídio imporane para as decisões de políica moneária. Além disso, a disponibilização das esaísicas de expecaivas ao público em geral, por meio da página do Banco Cenral na inerne, possibilia que as empresas e os cidadãos enham conhecimeno sobre o que os agenes de mercado esão projeando, consiuindo dessa forma ferramena imporane para o planejameno de suas ações de curo, médio e longo prazos. 3. Como é coleada a informação do mercado e quem pode paricipar do Sisema? O Deparameno de elacionameno com Invesidores e Esudos Especiais (Gerin) do Banco Cenral do Brasil (BCB) é o responsável pela adminisração do Sisema Expecaivas de Mercado, uma inerface web, em que insiuições financeiras, consulorias e empresas do seor não-financeiro previamene auorizadas informam suas expecaivas para diversas variáveis macroeconômicas. Todo dia úil, às 17 horas, as informações são consolidadas e diversas esaísicas são geradas médias, medianas, desvios-padrão, coeficienes de variação, valores mínimos e máximos das projeções regisradas pelos paricipanes. O Sisema Expecaivas de Mercado é uma ferramena online, que pode ser acessada por meio do link resrio ao Gerin e às insiuições previamene cadasradas. Novas insiuições só podem ser incluídas na pesquisa pelos adminisradores do sisema a parir da informação dos respecivos dados cadasrais e da aribuição de login específico e senha. Em princípio, qualquer enidade (bancos e demais insiuições financeiras, empresas não-financeiras, consulorias, 2

6 associações de classe, universidades, ec) pode soliciar paricipação na pesquisa, exigindo-se apenas que enha equipe especializada em projeções macroeconômicas e regularidade nas projeções fornecidas. O Sisema compora as projeções de crescimeno real do PIB geral e por seor, variação da produção indusrial do mês em relação ao mesmo mês do ano anerior, mea para a axa Selic, axa de câmbio, índices de preços (IPCA, IPCA-15, INPC, IPC- Fipe, IGP-DI, IGP-M, IPA-DI, IPA-M e preços adminisrados), variáveis do Balanço de Pagamenos (comércio exerior, saldo em cona correne e invesimeno esrangeiro direo) e do seor fiscal (resulado primário, resulado nominal e razão dívida/pib) da economia brasileira. O sisema possui ambém soluções de consisência e robusez. Deerminadas variáveis podem ser informadas direamene ou calculadas a parir de ouras variáveis. Por exemplo, a expecaiva para o saldo comercial pode ser informada ou calculada pelo Sisema a parir das expecaivas para exporação e imporação no mesmo período. Se esses dados iverem sido previamene inseridos, o sisema calcula o saldo comercial e bloqueia a projeção dessa variável, para garanir a coerência das informações. 4. Há especificidades para cada variável, ou odas seguem o mesmo padrão? A Tabela 1 apresena as variáveis cujas projeções são coleadas pelo Sisema de Expecaivas. Como se pode perceber, o sisema recebe um número limiado de projeções mensais, rimesrais e/ou anuais de cada variável. Além disso, o ipo de informação inserida no sisema varia. 3

7 Tipo de variável Índice de preços Aividade Econômica Tabela 1 Variáveis com Projeções Coleadas pelo Sisema de Expecaivas [a] Como pare das soluções de consisência inerna, o campo relaivo à projeção anual é calculado auomaicamene, caso exisam informações para odos os meses. Nesse caso, o sisema calculará a projeção anual a parir dos resulados efeivos já divulgados e das projeções informadas a parir de enão. Caso não sejam inseridas odas as projeções mensais/rimesrais aé o final do ano correne, o campo da projeção anual referene ao mesmo ano permanecerá habiliado para a insiuição informar o valor projeado. [b] m/m % = variação em relação ao mês imediaamene anerior, sem ajuse sazonal. [c] a/a % = variação em relação ao [mesmo período do] ano anerior, sem ajuse sazonal. [d] A informação mensal relaiva a dezembro (ou ao úlimo mês do ano em que haja reunião do Copom, no caso da Selic) é auomaicamene aribuída ao fim de período anual, e vice-versa, e a média anual é calculada no caso de consarem odas as expecaivas mensais relevanes. [e] A parir do momeno em que se conhece o calendário de reuniões do Copom para o ano seguine, é impedido o fornecimeno de projeções para a axa Selic para os meses nos quais não há reuniões. [f] A enrada de dados de exporação e imporação elimina a necessidade das informações para o saldo comercial. [g] A parir de Abril de 2015, inclusive, essa variável será subsiuída por "Invesimeno Direo no País". Para mais dealhes, consular meodologia em hp:// Índices de Preços Variável a ser projeada Trimesrais Campos de projeções mensais Campos de projeções rimesrais/anuais IGP-DI, IGP-M, IPA-M, IPA-DI, IPCA, IPCA-15 ou INPC [a] m/m % [b] a/a % [c] Preços adminisrados a/a % [c] Produção indusrial [a] a/a % [c] a/a % [c] PIB, PIB Agropecuário, PIB Indusrial ou PIB Serviços Número de projeções coleadas pelo Sisema Mensais [a] a/a % [c] Taxa no úlimo Taxa no úlimo dia do Taxa de Pax - fim do período 18 [d] 0 5 dia do mês ano Câmbio Taxa média no ($/US$) Pax - média do período período Selic Mea para a axa Over-Selic 18 [d] [e] 0 5 Taxa Selic Taxa Selic Exporação ou Imporação Valor em bilhões de Seor Exerno Saldo Comercial [f] dólares Balanço de Saldo em Transações Correnes Valor em bilhões de pagamenos Invesimeno Esrangeiro Direo [g] dólares esulado Primário do seor público consolidado esulado nominal do seor Percenual em Fiscal público consolidado relação ao PIB Dívida líquida do seor público Anuais Tipo de informação inserida no sisema Os indicadores de inflação IGP-DI, IGP-M, IPA-DI, IPA-M, IPCA, IPCA-15, INPC e IPC-Fipe seguem as mesmas regras, como mosrado na Tabela 1. Como pare das soluções de consisência inerna, o campo relaivo à projeção anual para o ano correne é calculado auomaicamene, caso exisam informações mensais para odos os meses. Nesse caso, o sisema calculará a inflação acumulada no ano a parir dos resulados efeivos já divulgados e das projeções informadas a parir de enão e gravará o resulado na projeção anual. Caso não sejam inseridas odas as projeções mensais aé o final do ano correne, o campo da projeção anual referene ao mesmo ano permanecerá habiliado para a insiuição informar o valor projeado. É imporane desacar que as esaísicas para a inflação anual podem divergir das esaísicas de inflação mensal, acumuladas no ano, já que as amosras podem ser diferenes, endo em visa que algumas insiuições fazem somene as projeções anuais, ouras apenas as mensais, e não há obrigaoriedade de se informar odos os 4

8 meses. Assim, os universos de insiuições que informam cada projeção mensal e cada projeção anual são diferenes. Além disso, o acúmulo das medianas mensais não eria que ser necessariamene igual à respeciva mediana anual, ainda que os universos fossem os mesmos. Aividade Econômica De maneira semelhane ao que ocorre com índices de preços, para o PIB (e Produção Indusrial), a projeção para o ano correne é auomaicamene calculada, se as expecaivas rimesrais (mensais) forem informadas. Caso conrário, o campo da projeção anual referene ao ano correne permanecerá habiliado para a insiuição informar o valor projeado. À medida que os dados rimesrais (mensais) efeivos forem divulgados, passam a alimenar o cálculo do resulado anual para o respecivo ano. Para as duas variáveis, são informadas as projeções para as variações percenuais em relação ao mesmo período do ano anerior. Câmbio e Selic Para esses indicadores, a informação mensal relaiva a dezembro (ou ao úlimo mês do ano em que haja reunião do Copom, no caso da Selic) é auomaicamene aribuída ao fim de período anual, e vice-versa, e a média anual é calculada no caso de consarem odas as expecaivas mensais relevanes. A parir do momeno em que se conhece o calendário de reuniões do Copom para o ano seguine, é impedido o fornecimeno de projeções para a axa Selic para os meses nos quais não há reuniões. Seor Exerno A enrada de dados de exporação e imporação elimina a necessidade das informações para o saldo. 5. Quando foi implanado o Sisema Expecaivas de Mercado? A pesquisa de expecaivas de mercado foi iniciada em maio de Nesse período, a área econômica do Banco Cenral desenvolvia os esudos e modelos economéricos para a projeção da inflação e de ouras variáveis macroeconômicas, com o objeivo de fornecer o insrumenal écnico necessário para a implemenação formal, em junho de 1999, do regime de meas para a inflação. As expecaivas de mercado para a inflação mosravam, enão, fore disparidade, em função do quadro de incerezas que se seguiu ao colapso da âncora cambial. Inicialmene, cerca de cinquena insiuições financeiras e consulorias eram conaadas e o Banco Cenral obinha as resposas por elefone, fax ou correio elerônico para as projeções anuais dos principais índices de preços (IGP-DI, IGP-M e IPA), além do crescimeno do PIB. Poseriormene, a pesquisa de expecaivas de mercado se sofisicou, ano pelo maior número de insiuições pesquisadas, quano pela incorporação à pesquisa de novas variáveis (ouros indicadores de inflação, axa de câmbio, axa de juros, dados fiscais e variáveis do Balanço de Pagamenos), e ainda pela colea de dados mensais ou rimesrais, além dos anuais. 5

9 Com a crescene imporância do moniorameno das expecaivas para a políica moneária, foi criada em novembro de 2001 a página na inerne do Sisema Expecaivas de Mercado ( endo como principais objeivos garanir maior agilidade e segurança no processo de colea e minimizar a ocorrência de erros de informação. Os dados passaram a ser providos online, a qualquer momeno, pelas insiuições previamene habiliadas com senha específica de acesso. Em 2010, novo conjuno de melhorias rouxe ainda mais inegridade ao Sisema, a parir da conjugação de seus módulos numa única plaaforma de TI, com processameno único, ampliando a agilidade de raameno e manendo a confiabilidade de suas roinas. 6. Quais os principais produos divulgados? A parir dos dados coleados, o sisema pode calcular em empo real as esaísicas da amosra, gerando relaórios diários para a Direoria Colegiada. Além disso, é gerado semanalmene o "Focus - elaório de Mercado" ("Marke eadou"), disponibilizado ao público na página do Banco Cenral na inerne em poruguês e em inglês. As esaísicas produzidas pelo sisema e divulgadas pelo Banco Cenral incluem a mediana, a média, o desvio-padrão, o coeficiene de variação, o máximo e o mínimo para odas as variáveis coleadas, incluindo as dos grupos de insiuições Top 5, para os horizones possíveis aé 18 meses, 6 semesres ou cinco anos à frene, conforme o caso. Por ser menos sujeia a oscilações dos exremos, a mediana das expecaivas é a esaísica moniorada com maior aenção e divulgada (incluindo a evolução gráfica recene) no "Focus - elaório de Mercado" oda segunda-feira, regularmene às 8h30, com os dados coleados aé a sexa-feira anerior. As séries hisóricas das esaísicas esão disponíveis desde janeiro de 2000 (dependendo da variável) na página do Banco Cenral na inerne em hps://www3.bcb.gov.br/expecaivas/publico/consula/serieesaisicas, ambém aualizadas semanalmene às segundas-feiras, juno com a divulgação do "Focus - elaório de Mercado". Para o público, são ambém gerados relaórios mensais e anuais que razem as melhores insiuições classificadas quano ao acero de suas projeções (os Top 5) e o Focus Disribuições de Frequência, que compara em rês momenos recenes a conformação das disribuições de frequência relaiva das projeções para o IPCA anual e para a axa Selic doze meses à frene. Esses relaórios são disponibilizados na página do Banco Cenral na inerne em hp:// e hp://www4.bcb.gov.br/pec/gci/pot/focus/distfeq/index.asp, respecivamene. Ouros relaórios, de uso da Direoria Colegiada do Banco Cenral do Brasil, são gerados periodicamene. 7. Que informações provê o Focus elaório de Mercado? O elaório de Mercado raz as seguines informações, acompanhadas da evolução gráfica dos indicadores e do comporameno semanal: 6

10 A mediana das expecaivas de mercado para a inflação nos próximos 12 meses, suavizada, para IPCA, IGP-DI, IGP-M e IPC-Fipe; A mediana das expecaivas de mercado para o próximo mês para o qual IPCA e IGP-DI não enham sido ainda divulgados e para o mês subsequene (IPCA, IGP- DI, IGP-M, IPC-Fipe, axa de câmbio de fim de período e mea para a axa Selic); A mediana das expecaivas para o próximo ano para o qual IPCA e IGP-DI não enham sido ainda divulgados e para o ano subsequene (IPCA, IGP-DI, IGP-M, IPC-Fipe, axas de câmbio média e de fim de período, meas para a axa Selic média e de fim de período, dívida líquida do seor público/pib, crescimeno do PIB real, crescimeno da produção indusrial, saldo em cona correne do Balanço de Pagamenos, saldo da Balança Comercial, invesimeno esrangeiro direo líquido e variação dos preços adminisrados); A média e a mediana das expecaivas das insiuições Top 5 de curo e médio prazos para o próximo mês para o qual IPCA e IGP-DI não enham sido ainda divulgados e para o mês subsequene (IPCA, IGP-DI, IGP-M, IPC-Fipe, axa de câmbio de fim de período e mea para a axa Selic); A média e a mediana das expecaivas das insiuições Top 5 de curo e médio prazos para o próximo ano para o qual IPCA e IGP-DI não enham sido ainda divulgados e para o ano subsequene (IPCA, IGP-DI, IGP-M, IPC-Fipe, axa de câmbio de fim de período e mea para a axa Selic). 8. Alerações na mediana de um indicador anual são sempre causadas por alerações nas projeções dos paricipanes da pesquisa? Não. Quando um indicador mensal ou rimesral efeivo é divulgado, o Sisema Expecaivas passa a incorporar esse valor no cálculo do indicador anual a parir do dia da divulgação, para cada paricipane, e porano afeando as esaísicas daquele dia. Assim, mesmo que nenhum paricipane alere suas projeções mensais no dia da divulgação do indicador mensal, o indicador anual será alerado individualmene e auomaicamene, ano mais quano maior for a diferença enre o valor efeivo divulgado e a projeção do paricipane. Isso ocorre para odas as insiuições que enham odas as projeções mensais para os meses remanescenes do ano, e a esaísica anual se alera consequenemene. Exemplificando, suponhamos que, em deerminado dia de divulgação do IPCA, uma insiuição projeava 0,5% para a variação do índice para o mês anerior (que seria divulgado nesse dia), que essa insiuição ivesse projeções para odos os meses remanescenes do ano em curso, e que sua variação anual projeada para o ano em curso fosse 5%, calculada pelo Sisema em função dos resulados efeivos conhecidos aé enão e das projeções da insiuição para os meses remanescenes do ano. Suponhamos ainda que o índice efeivo divulgado seja diferene do projeado, digamos 1,5% em vez de 0,5%. O Sisema, ao fim desse dia, recalcula a projeção anual dessa insiuição subsiuindo no cálculo a projeção mensal de 0,5% pelo 1,5% efeivo, resulando projeção anual maior que a anerior, mesmo que a insiuição não alere nenhuma projeção mensal para qualquer dos ouros meses do ano em curso. A mesma coisa ocorre para odas as insiuições que se enquadrem no mesmo caso, ou seja, que enham projeções mensais para odos os meses remanescenes do ano em curso. Assim, médias, medianas e demais esaísicas anuais se aleram. Dessa 7

11 forma, quando há surpresa em variável mensal, como os índices de preços e a produção indusrial, a respeciva variação anual projeada pode ser alerada em proporção ão grande quano essa surpresa, ainda que nenhuma aleração individual enha havido nas projeções mensais das insiuições, referenes aos meses remanescenes do ano. O mesmo ocorre para variáveis rimesrais, como o crescimeno do PIB. Além disso, comporameno similar ocorre para as médias anuais projeadas da axa de câmbio e da mea para a axa Selic, e para a inflação acumulada doze meses à frene, no caso dos índices de preços. 9. O que é a inflação suavizada nos próximos 12 meses? A inflação para os próximos doze meses é calculada acumulando-se as inflações mensais das insiuições que enham projeções para odos os doze meses do período considerado. A cada publicação do respecivo índice de preço, o período móvel de doze meses muda, e o mês divulgado deixa de compor o conjuno de doze meses originais, sendo subsiuído pela projeção seguine ao 12º mês do período original (que seria, assim, o 13º mês com relação ao período original). Como muias vezes é significaiva a diferença enre a projeção para o mês que saiu e a projeção para o mês que vai enrar no cálculo, o resulado acumulado em doze meses pode dar um salo, e a evolução gráfica da inflação projeada para os próximos doze meses apresenar degraus, ão maiores quano maiores forem aquelas diferenças. Para suavizar esses salos, disribui-se a diferença pró-raa enre o dia de publicação de um indicador mensal e o dia de publicação do mesmo indicador para o mês seguine. O resulado é a inflação suavizada doze meses à frene. Exemplificando para o IPCA, suponhamos que esejamos em 10 de janeiro de 2011, e que a úlima informação divulgada pelo IBGE enha sido a variação do índice em dezembro de 2010, 0,63%, publicada em 7 de janeiro, e que a próxima divulgação, do índice de janeiro, se dê em 8 de fevereiro. Vamos supor ainda que sejam as seguines as projeções de uma deerminada insiuição para as variações dos próximos 13 meses, de janeiro de 2011 a janeiro de 2012: 0,77, 0,89, 0,31, 0,30, 0,40, 0,40, 0,40, 0,35, 0,30, 0,30, 0,35, 0,35 e 0,50, odos em percenuais. A inflação acumulada para os próximos doze meses, segundo as projeções dessa insiuição, seria o produório dessas variações, em formao decimal (1+(variação/100)), do 0,77 aé o 0,35 (12º mês à frene), que resula 5,2397. Na próxima publicação do IPCA, em 8 de fevereiro, o período de doze meses se modifica (sai janeiro de 2011 e enra janeiro de 2012); considerando a manuenção das expecaivas dessa insiuição como na daa de hoje (ainda supondo que esamos em 10/1/11), essa mudança implicaria a subsiuição de um percenual de 0,77 por um de 0,50 (e o acumulado passaria, nesse dia 8/2, de 5,2397 para 4,9577, causando um salo na série hisórica). A inflação suavizada disribui esse salo enre as daas de publicação consecuivas, pró-raa, aé que oda a mudança eseja incorporada no dia 8/2. Elimina-se assim, o salo, sem que haja perda de informação. 10. Quem paricipa como provedor de informações? Aualmene, esão habiliados cerca de 120 logins, majoriariamene bancos, gesores de recursos, disribuidoras e correoras, além de consulorias e ouras empresas nãofinanceiras. Do universo de insiuições habiliadas, boa pare alera suas expecaivas semanalmene. O acesso pode ser feio a qualquer momeno, não havendo 8

12 periodicidade pré-definida para as aualizações. Enreano, dados informados após as 17 horas só sensibilizam as esaísicas produzidas pelo Sisema no dia úil seguine. 11. É possível consular informações individuais (de cada insiuição)? Não. O sigilo das informações é garanido. Apenas a própria insiuição, além do Gerin, como adminisrador do Sisema, em acesso aos dados individuais. 12. Qual é o incenivo fornecido para que as insiuições manenham as expecaivas aualizadas? Para incenivar o aprimorameno da capacidade prediiva dos paricipanes da pesquisa e reconhecer seu esforço analíico, o Banco Cenral elabora o ranking Top 5, sisema de classificação das insiuições baseado no índice de acero de suas projeções de curo, médio e longo prazo, disponível em link na Quesão 5. As medianas e médias das variáveis projeadas pelas cinco insiuições que mais aceram (as Top 5) são divulgadas no "Focus - elaório de Mercado" ver Quesão Qual a validade dos dados regisrados no Sisema? O sisema só considera os dados informados nos úlimos rina dias. Ou seja, se deerminada insiuição não reinformar suas expecaivas no prazo de rina dias, o sisema auomaicamene guarda os dados na base, mas as esaísicas não mais são sensibilizadas por ais expecaivas. O objeivo é eviar que as esaísicas carreguem previsões desaualizadas. Assim, mesmo que as expecaivas não enham sofrido modificação, a insiuição habiliada deverá confirmar o dado no inervalo de rina dias para manê-la aiva no cálculo das esaísicas. Após rina dias sem aualização, as expecaivas permanecem no sisema, com acesso por meio de série hisórica para o Gerin e para a insiuição paricipane, mas não mais sensibilizam as esaísicas. 14. Os paricipanes êm a obrigação de prover informações? Não há obrigaoriedade de presação das informações. Há insiuições paricipanes que se especializam em projear algumas variáveis e não fornecem projeções para as demais. 15. O que são daas de referência? Nos casos de variáveis sujeias aos rankings Top 5 (IPCA, IGP-DI, IGP-M, axa de câmbio e axa Selic), o erro ou desvio em relação aos valores efeivos dessas variáveis é calculado com base nas projeções em daas específicas: as chamadas daas de referência. Nessas daas, é, porano, obrigaório que haja projeções válidas, ou seja, informadas nos úlimos 30 dias, havendo penalidades caso essa condição não se verifique. Além disso, a ausência de rês projeções mensais e uma anual válidas na úlima daa de referência de cada período (ou par de daas nos casos de câmbio e Selic) implica a exclusão do paricipane do respecivo ranking mensal. Consequenemene, há maior frequência de aualização de informações pelos paricipanes nessas daas de referência. As daas de referência são as seguines: 9

13 IPCA: úlimo dia úil anerior à daa da divulgação do IPCA-15; IGP-DI: úlimo dia úil anerior à daa da divulgação do IGP-M 2º decêndio; IGP-M: úlimo dia úil anerior à daa de divulgação do IGP-M 1º decêndio; Taxa de Câmbio: úlimo dia úil do mês anerior e úlimo dia úil anerior ou igual ao dia 15 do mês correne; Taxa Selic: úlimo dia úil anerior ou igual à quara-feira da semana anerior à reunião do Copom do período de referência e úlimo dia anerior ou igual à 4a. quara-feira anerior à reunião do Copom do período de referência. Para serem consideradas em deerminada daa, de referência ou não, as projeções êm que ser incluídas no Sisema Expecaivas anes das 17 horas dessa daa, horário de Brasília, impreerivelmene. Às 17 horas as esaísicas são geradas e o regisro de dados a parir desse momeno é permiido, mas com daa do dia úil seguine. 16. Com relação aos Top 5, como são classificadas as insiuições, para que variáveis e em que horizones? Mensalmene, são divulgados rankings Top 5 de curo e médio prazos. No ranking de curo prazo, avalia-se a precisão das projeções com defasagem de um mês em relação à publicação do indicador, nos úlimos 6 meses (Figura 1). Figura 1 Top 5- Curo Prazo mês: n-5 n-4 n-3 n-2 n-1 n projeções (peso): ocorrido: O ranking de médio prazo considera a precisão média das projeções de rês períodos consecuivos de 4 meses em relação aos resulados efeivos de rês meses o mês de referência e os dois meses que o anecedem (Figura 2). Figura 2 Top 5- Médio Prazo mês: n-5 n-4 n-3 n-2 n-1 n projeções (peso): ocorrido: 10

14 O ranking de longo prazo considera a precisão das projeções informadas em 12 meses para o indicador anual publicado no mês de janeiro subsequene (Figura 3). Para os rankings de curo, médio e longo prazos, as esaísicas referenes às cinco insiuições com melhor classificação (ou mais insiuições, se houver empaes) compõem as séries hisóricas divulgadas na página do Banco Cenral do Brasil sob a referência insiuições Top 5. Figura 3 Top 5- Longo Prazo mês: jan fev mar abr mai jun jul ago se ou nov dez ANO projeções (peso): ocorrido: Desde janeiro de 2009, são elaborados rankings anuais de curo e médio prazos, considerando, para cada insiuição, ransformação linear dos desvios uilizados para os cálculos mensais dos rankings de curo e médio prazos, de al sore que à insiuição que obém o menor desvio absoluo mensal em deerminado ranking, para uma deerminada variável, e em deerminado prazo, é aribuída noa 10; à insiuição que obém o maior desvio absoluo mensal no mesmo ranking, para a mesma variável e o mesmo prazo, é aribuída noa zero; às demais insiuições é aribuída noa inerpolada enre zero e 10, calculando-se a média das noas mensais para o ano civil que se encerrou. Para serem consideradas nesses rankings, as insiuições devem er sido classificadas em pelo menos seis rankings mensais no ano calendário (ou quaro, no caso da axa Selic), em cada horizone (endo iniciado suas projeções, por consequência, aé o úlimo dia do sexo mês do período de doze meses) e ainda: a) no caso do curo prazo, os desvios das parcelas do cálculo de cada ranking mensal são iguais ao desvio absoluo médio das insiuições paricipanes para cada uma das daas aneriores ao início de suas projeções, calculando-se a parir daí qual desvio seria aribuído a essas insiuições caso esivessem incluídas no cálculo do ranking de cada um desses meses - a ransformação linear para o novo ranking segue o padrão já mencionado; e b) no caso do médio prazo, em lugar do desvio absoluo médio, é uilizado o desvio absoluo máximo. Dessa forma, é manida coerência com os procedimenos de cálculo uilizados para os Top 5 mensais de curo e médio prazos. Assim, para cada um dos 12 meses (ou 8 reuniões, para a Selic) do ano calendário, variável (IPCA, IGP-DI, IGP-M, Taxa de Câmbio e Taxa Selic) e prazo (curo e médio), as insiuições êm noas variando enre zero e 10 e a média dessas noas é a variável base para o cálculo do ranking anual. No caso da axa Selic, em vez de doze meses (e mínimo de seis paricipações), devem ser consideradas oio reuniões (e mínimo de quaro paricipações). As parcelas inermediárias para os cálculos dos desvios e as noas médias são sempre arredondadas aé a quara casa decimal. 11

15 17. Há alguma condicionane para que as insiuições paricipem dos Top 5? Alguns criérios aplicáveis a odos os ipos de classificação das insiuições paricipanes foram definidos com o propósio de impor penalidades às insiuições que não cumprem com requisios mínimos de empesividade e ransparência na aualização de suas projeções: no cálculo do ranking mensal, são excluídas as insiuições que não iverem confirmado ou aualizado, no período de 30 dias aneriores à úlima daa de referência (ou em cada uma das daas que compõem o úlimo par de daas de referência, nos casos das axas de câmbio e Selic - dealhes abaixo), pelo menos rês projeções mensais e uma anual. Exemplificando, no cálculo do ranking de curo prazo da axa de câmbio de janeiro de 2007, que é divulgado em fevereiro de 2007, não são classificadas as insiuições que não enham projeções válidas nas duas daas que compõem o úlimo par de daas de referência relaivas a janeiro, ou seja, em 29 de dezembro (úlimo dia úil do mês anerior) e em 15 de janeiro de Se o Sisema idenificar, para alguma insiuição, que não há projeção válida nessas daas, essa insiuição não paricipa desse ranking, para essa variável. Enendam-se por projeções válidas em deerminado dia as que consem no Sisema Expecaivas naquele dia e que enham sido confirmadas ou aualizadas no período de 30 dias corridos aneriores. 18. O que aconece quando uma insiuição deixa de informar suas projeções? O Gerin verifica periodicamene a frequência de aualização das informações providas pelos paricipanes do Sisema e bloqueia a enrada de dados dos que esiverem há pelo menos seis meses sem aividade. Dessa forma, o evenual reorno do paricipane ao Sisema dependerá de conao específico soliciando o reingresso. 19. Quais são as fórmulas de cálculo usadas na elaboração dos rankings Top 5 de curo prazo? Equações para o Cálculo dos Desvios Mensais Curo Prazo Cada insiuição recebe uma penalidade ψ CP, que é uma média simples das penalidades recebidas em cada um dos seis meses considerados no ranking Top 5 de Curo Prazo. As insiuições no ranking mensal de curo prazo são classificadas com base em CP, como definido na Equação 1. ψ 12

16 Equação 1: N ψ CC = (ppppp. méddd) d 1 j d + j d =N 5 (ppppp. máxxxx) d 1 k d + E d τ τ k d 6 onde: ψ CP = penalidade aribuída à insiuição ; = mês para o qual o desvio é calculado; N= mês referene à úlima daa de referência do período de cálculo; d = daa de referência de τ no mês ; E d = projeção da insiuição que seja válida em d para (no caso das axas de câmbio e Selic, há duas daas de referência); = resulado ocorrido da variável pesquisadaτ no mês ; (penal. média) d = desvio absoluo médio das projeções válidas em d, para, em relação ao resulado ocorrido no mês ; (penal. máxima) d = desvio absoluo máximo das projeções válidas em d, para, em relação ao resulado ocorrido no mês ; k d = 0, quando a insiuição não em projeção válida em d ; 1, quando a insiuição em projeção válida em d ; j d = 0, se d for anerior ao dia em que a insiuição gravou pela primeira vez suas projeções para τ, mesmo que projeções em branco; 1, se d for igual ou poserior ao dia em que a insiuição esava habiliada a informar suas projeções para τ. 20. Quais são as fórmulas de cálculo usadas na elaboração dos rankings Top 5 médio e longo prazo? Equações para o Cálculo dos Desvios Mensais Médio Prazo No ranking mensal de médio prazo, as insiuições são classificadas com base em MP, como definido na Equação 2. ψ 13

17 Equação 2: N ψ MM = (N + 1) =N 3 3 (ppppp. máxxxx) d w+1 1 k d w+1 w=1 + E d w+1 τ N w+1 τ N w+1 k d w+1 30 em que ψ MP= penalidade aribuída à insiuição ; = mês para o qual o desvio é calculado; N= mês referene à úlima daa de referência do período de cálculo; w= grupo de projeções para um mesmo indicador mensal; d -w + 1 = daa de referência de τ no mês -w+1; E d-w + 1 N -w+ 1 = projeção da insiuição que seja válida em d -w + 1 para τ N w+ 1 (no caso das axas de câmbio e Selic, há duas daas de referência); τ N w+1 = resulado ocorrido da variável pesquisada τ no mês N-w+1; (penal. máxima) d-w = desvio absoluo máximo das projeções válidas em d + 1 -w + 1, para τ N w+1, em relação ao resulado ocorrido; k = 0, quando a insiuição não em projeção válida em d -w d + 1 -w + ; 1 1, quando a insiuição em projeção válida em d -w + 1. Longo Prazo No ranking anual de longo prazo, as insiuições são classificadas com base em LP, como definido na Equação 3. Equação 3: N ψ LL = (N + 1) (ppppp. máxxxx) d 1 k d + E d τ τ k d =N onde: ψ LP= penalidade aribuída à insiuição ; = mês para o qual o desvio é calculado; N= mês referene à úlima daa de referência do período de cálculo; d = daa de referência de τ no mês ; E d τ = projeção da insiuição que seja válida em d para τ (no caso das axas de câmbio e Selic, há duas daas de referência); ψ 14

18 τ = resulado anual ocorrido da variável pesquisada τ ; (penal. máxima) d = desvio absoluo máximo das projeções válidas em d, para τ, em relação ao resulado ocorrido; k d = 0, quando a insiuição não em projeção válida em d ; 1, quando a insiuição em projeção válida em d. 21. Quais são as fórmulas de cálculo usadas na elaboração dos rankings Top 5 anuais (curo e médio prazo)? Equações para o Cálculo das Noas dos ankings Anuais Curo Prazo As insiuições no ranking anual de curo prazo são classificadas com base em NB CP, conforme definido na Equação 5, para cada variável pesquisada τ. Equação 4: NN CC = 10 NN CC NNNNNín [NNNNNáx NNNNNín] Equação 5: 12 NN CC = (NNNN CCC) 12 m=1 Equação 6: NNNN [ψ CCC ψψψψψáx] CCC = 10 [ψψψψψín ψψψψψáx] Onde: NBCPmáx= máximo de NBCP, enre odas as insiuições, NBCPmín= mínimo de NBCP, enre odas as insiuições, ψ CPm= penalidade aribuída à insiuição, para o mês m, conforme Equação 1; ψ CPmmáx= penalidade máxima das insiuições, para o mês m, conforme Equação 1; ψ CPmmín= penalidade mínima das insiuições, para o mês m, conforme Equação 1. No caso de não exisir ψ CPm para algum mês m no período de 12 meses (ou 8 reuniões, no caso da Taxa Selic), deve ser uilizado, para esse mês m, definido como se segue: Equação 7: N ψ CCC = (pppaa. méddd) d 6 =N 5 onde: = mês para o qual o desvio é calculado; * ψ CPm, 15

19 N= mês referene à úlima daa de referência do período de cálculo; d = daa de referência da variável pesquisadaτ no mês ; (penal. média) d = desvio absoluo médio das projeções válidas em d, para, em relação ao resulado ocorrido no mês. Médio Prazo As insiuições no ranking anual de médio prazo são classificadas com base em NB MP, conforme definido na Equação 9, para cada variável pesquisadaτ. Equação 8: NN MM = 10 [NN MM NNNNNáx] [NNNNNín NNNNNáx] Equação 9: 12 NN MM = (NNNN MMM) 12 m=1 Equação 10: NNNN MMM = 10 [ψ MMM ψψψψψáx] [ψψψψψín ψψψψψáx] onde: NBMPmáx= máximo de NBMP, enre odas as insiuições, NBMPmín= mínimo de NBMP, enre odas as insiuições, e: ψ MPm= penalidade aribuída à insiuição, para o mês m, conforme Equação 2; ψ MPmmáx= penalidade máxima das insiuições, para o mês m, conforme Equação 2; ψ MPmmín= penalidade mínima das insiuições, para o mês m, conforme Equação 2. No caso de não exisir ψ MPm para algum mês m no período de 12 meses (8 reuniões, no caso da Taxa Selic), deve ser uilizado, para esse mês m, definido como se segue: Equação 11: N 3 ψ MMM = (N + 1) (ppppp. máxxxx) d w+1 30 =N 3 w=1 * ψ MPm, onde: = mês para o qual o desvio é calculado; N= mês referene à úlima daa de referência do período de cálculo; w= grupo de projeções para um mesmo indicador mensal; d -w + 1 = daa de referência de τ no mês -w+1; (penal. máxima) d-w = desvio absoluo máximo das projeções válidas em d + 1 -w + 1, para τ N w+1, em relação ao resulado ocorrido. 16

20 Série Pergunas Mais Frequenes Banco Cenral do Brasil 1. Juros e Spread Bancário 2. Índices de Preços no Brasil 3. Copom 4. Indicadores Fiscais 5. Preços Adminisrados 6. Gesão da Dívida Mobiliária, Operações de Mercado Abero e Swap Cambial 7. Sisema de Pagamenos Brasileiro 8. Conas Exernas 9. isco-país 10. egime de Meas para a Inflação no Brasil 11. Funções do Banco Cenral do Brasil 12. Depósios Compulsórios 13. Sisema Expecaivas de Mercado Direor de Políica Econômica Luis Awazu Pereira da Silva Coordenação Equipe André Barbosa Couinho Marques Carolina Freias Pereira Mayrink Henrique de Godoy Moreira e Cosa Luciana Valle osa oppa Luiza Beina Peroll odrigues Manuela Moreira de Souza Maria Cláudia Gomes P. S. Guierrez Márcio Magalhães Jano enao Jansson osek Criação e edioração: Deparameno de elacionameno com Invesidores e Esudos Especiais Brasília-DF Ese fascículo faz pare do Programa de Educação Financeira do Banco Cenral do Brasil 17

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

Metodologia de Cálculo dos Valores Nominais Atualizados. Maio/08

Metodologia de Cálculo dos Valores Nominais Atualizados. Maio/08 eodologia de Cálculo dos Valores Nominais Aualizados aio/8 eodologia de Cálculo dos Valores Nominais Aualizados aio/8 A produção e difusão de informações esaísicas é uma imporane aividade desenvolvida

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Instituições Top 5 Classificação Anual para as Categorias Curto e Médio Prazo e Consolidação da Metodologia

Instituições Top 5 Classificação Anual para as Categorias Curto e Médio Prazo e Consolidação da Metodologia Insiuições Top 5 Classificação Anual para as Caegorias Curo e Méio Prazo e Consoliação a Meoologia O coneúo ese ocumeno é informaivo. Não resringe as ações e políica moneária e cambial o Banco Cenral o

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Cartilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

Cartilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Carilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Capíulo I Aspecos Insiucionais O Governo anunciou em novembro de 1999 um conjuno de 21 medidas desinadas a incremenar a liquidez do mercado secundário

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Focus - Relatório de Mercado

Focus - Relatório de Mercado Inflação nos próximos 12 meses suavizada Mediana - agregado IPCA (%) 6,30 6,04 6,00 (1) IGP-DI (%) 5,80 5,66 5,61 (2) IGP-M (%) 5,79 5,79 5,68 (2) IPC-Fipe (%) 5,33 5,11 4,98 (2) * comportamento dos indicadores

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Trabalhos para Discussão. Preços Administrados: projeção e repasse cambial

Trabalhos para Discussão. Preços Administrados: projeção e repasse cambial ISSN 59-028 Preços Adminisrados: projeção e repasse cambial Paulo Robero de Sampaio Alves, Francisco Marcos Rodrigues Figueiredo, Anonio Negromone Nascimeno Junior e Leonardo Pio Perez Março, 203 Trabalhos

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13 CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD Noa Técnica Auarial 024/13 Julho/2013 0 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 2 2 MODALIDADE DOS BENEFÍCIOS... 3 2.1 BENEFÍCIOS PREVISTOS PELO PLANO... 3 2.2 INSTITUTOS... 3

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Ozawa Gioielli Sabrina P.; Gledson de Carvalho, Anônio; Oliveira Sampaio, Joelson Capial de risco

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas)

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas) 2.1 Previsão de emanda Conceios básicos Méodos de Previsão iscussão Formulação do Problema emanda: disposição ao consumo emanda versus Vendas Faores que afeam a emanda (Vendas) Economia, Mercado, Preços,

Leia mais

O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária

O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária André Marques Março de 2015 I. Histórico II. Características Principais III. Relatórios IV. Uso no Processo de Política Monetária

Leia mais

Estrutura a Termo das Taxas de Juros Estimada e Inflação Implícita Metodologia

Estrutura a Termo das Taxas de Juros Estimada e Inflação Implícita Metodologia Esruura a Termo das Taxas de Juros Esimada e Inflação Implícia Meodologia Versão Abril de 2010 Esruura a Termo das Taxas de Juros Esimada e Inflação Implícia Meodologia SUMÁRIO 1. ESTRUTURA A TERMO DAS

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Úlima revisão: JANEIRO 00 A reprodução e a disribuição dese manual fora do Modal sem a devida auorização é erminanemene proibida e consiui uma violação da políica de conroles

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR)

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) Edilean Kleber da Silva Douorando em Economia Aplicada pela UFRGS Rua Duque de Caxias, 1515, apo. 402.

Leia mais

Boletim Económico Inverno 2006

Boletim Económico Inverno 2006 Boleim Económico Inverno 2006 Volume 12, Número 4 Disponível em www.bporugal.p Publicações BANCO DE PORTUGAL Deparameno de Esudos Económicos Av. Almirane Reis, 71-6.º andar 1150-012 Lisboa Disribuição

Leia mais

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise 4 O Papel das Reservas no Cuso da Crise Nese capíulo buscamos analisar empiricamene o papel das reservas em miigar o cuso da crise uma vez que esa ocorre. Acrediamos que o produo seja a variável ideal

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN INSIDER TRADING E GOVERNANÇA CORPORATIVA: O PERFIL E PRÁTICA DOS INSIDERS DE EMPRESAS DE GOVERNANÇA

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros Matemática Financeira Aula 03 Taxa Real de Juros Inflação É o fenômeno conhecido como o aumento persistente dos preços de bens e serviços Fatores: Escassez de produtos, déficit orçamentário, emissão descontrolada

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15.

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15. Economia e Finanças Públicas Aula T21 6.3 Resrição Orçamenal, Dívida Pública e Susenabilidade 6.3.1 A resrição orçamenal e as necessidades de financiameno 6.3.2. A divida pública 6.3.3 A susenabilidade

Leia mais

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Eficácia das Inervenções do Banco Cenral do Brasil sobre a Volailidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Fernando Nascimeno de Oliveira, Alessandra Plaga Conens: Keywords: 1. Inrodução; 2. Dados; 3.

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Julho 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Crisóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.p

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33 RENDA VARÍAVEL O Ibovespa principal indicador da bolsa de valores brasileira fechou o mês de março em queda (-0,84%). A Bovespa segue bastante vulnerável em meio à desaceleração econômica e a mudança de

Leia mais

Câmbio de Equilíbrio

Câmbio de Equilíbrio Câmbio de Equilíbrio Seção 1 Meodologia do cálculo do câmbio...4 Seção 2 - Passivo Exerno... 11 Seção 3 Susenabilidade do Passivo Exerno... 15 Seção 4 - Esimaivas... 17 Seção 5 - Conclusão... 20 2 Inrodução

Leia mais

OPERAÇÕES DE CASH-AND-CARRY ARBITRAGE NA BM&F: UMA DESAGREGAÇÃO DOS CUSTOS GUSTAVO DE SOUZA E SILVA; PEDRO VALENTIM MARQUES; ESALQ/USP

OPERAÇÕES DE CASH-AND-CARRY ARBITRAGE NA BM&F: UMA DESAGREGAÇÃO DOS CUSTOS GUSTAVO DE SOUZA E SILVA; PEDRO VALENTIM MARQUES; ESALQ/USP XLIV CONGRESSO DA SOBER Quesões Agrárias, Educação no Campo e Desenvolvimeno OPERAÇÕES DE CASH-AND-CARRY ARBITRAGE NA BM&F: UMA DESAGREGAÇÃO DOS CUSTOS GUSTAVO DE SOUZA E SILVA; PEDRO VALENTIM MARQUES;

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

Depósitos Compulsórios

Depósitos Compulsórios Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais Depósitos Compulsórios com informações até março de 2015 S é r i e Perguntas Mais Frequentes Depósitos

Leia mais

Regras de Cálculo dos Índices PSI

Regras de Cálculo dos Índices PSI Regras de Cálculo dos Índices PSI Seembro 2003 Versão 3.0 EURONEXT Sede : Praça Duque de Saldanha, nº 1 5º A - 1050-094 Lisboa Tel: 21 790 00 00 Fax: 21 795 20 19 Inerne: www.euronex.com REGRAS DE CÁLCULO

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

Teste de estresse na ligação macro-risco de crédito: uma aplicação ao setor doméstico de PFs. Autores: Ricardo Schechtman Wagner Gaglianone

Teste de estresse na ligação macro-risco de crédito: uma aplicação ao setor doméstico de PFs. Autores: Ricardo Schechtman Wagner Gaglianone Tese de esresse na ligação macro-risco de crédio: uma aplicação ao seor domésico de PFs Auores: Ricardo Schechman Wagner Gaglianone Lieraura: ligação macrorisco de crédio Relação macro-volume de crédio

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil O impaco de requerimenos de capial na ofera de crédio bancário no Brasil Denis Blum Rais e Silva Tendências Márcio I. Nakane Depep II Seminário Anual sobre Riscos, Esabilidade Financeira e Economia Bancária

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças Área de Ineresse: Área 3 Macroeconomia, Economia Moneária e Finanças Tíulo: NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO E REGRAS DE CONDUTA: O PAPEL DA ROTATIVIDADE DOS DIRETORES DO COMITÊ DE POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Integração na criação de frangos de corte na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco

Integração na criação de frangos de corte na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco Inegração na criação de frangos de core na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco Adelson Marins Figueiredo Pedro Anônio dos Sanos Robero Sanolin Brício dos Sanos Reis Resumo:

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul

Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul Federação das Indúsrias do Esado do Rio Grande do Sul PRÁTICAS DIFERENCIADAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA: DO PROBLEMA DA SELEÇÃO ADVERSA NO MERCADO ACIONÁRIO AOS IMPACTOS SOBRE A VOLATILIDADE DAS AÇÕES Igor

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA, CUSTO DE CAPITAL E RETORNO DO INVESTIMENTO NO BRASIL

GOVERNANÇA CORPORATIVA, CUSTO DE CAPITAL E RETORNO DO INVESTIMENTO NO BRASIL GOVERNANÇA CORPORAIVA, CUSO DE CAPIAL E REORNO DO INVESIMENO NO BRASIL ARIGO FINANÇAS Pablo Rogers Mesre em Adminisração pela FAGEN-UFU. Douorando em Adminisração na FEA-USP. Professor de Finanças e Conabilidade

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais