Sem standard, mas não sem princípio 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sem standard, mas não sem princípio 1"

Transcrição

1 Sem standard, mas não sem princípio 1 Palavras-chave: standard, dispositivo, princípio, uno, múltiplo Romildo do Rêgo Barros Depois os homens de Galaad tomaram a Efraim os vaus do Jordão, de maneira que, quando um fugitivo de Efraim dizia Deixai-me passar, os galaaditas lhe perguntavam: És efraimita?. Se dizia Não, lhe respondiam: Então dize Chibolet. Ele dizia Sibolet, porque não conseguia pronunciar de outro modo. Então o agarravam e o matavam nos vaus do Jordão. Caíram naquele tempo quarenta e dois mil homens de Efraim. Juízes, 12: 5, 6 A dupla negativa do título, não sem, lembra imediatamente a afirmação lacaniana em O seminário, livro 10 2, segundo a qual a angústia não é sem objeto, mesmo se não sabemos muito bem qual é. Do mesmo modo, diante de um standard, devemos nos interrogar sobre que princípio o inspirou ou dele se pode deduzir, mesmo que se apresente, como ocorre freqüentemente, como uma degradação desse princípio. Não sem é uma afirmativa, mas deixa algo indeterminado. Se a proposição fosse sem standard, mas com princípio ou em lugar de standard, princípio, teríamos certa equivalência. Eles estariam em um mesmo plano, de tal modo que, a rigor, seria possível escolher um dos dois. Com não sem, indica-se que, quando um princípio passa à prática, algo dele fica de fora, não se exprime por meio da modalidade. Esse é, aliás, o problema do standard: por meio dele não se consegue, por maior esforço que se faça, exprimir uma parte, talvez a essencial, do princípio. Algo lhe escapa. Isso não impede que seja considerado uma modalidade do 1 Conferência na mesade abertura do Congresso da EBP. Belo Horizonte, 1 de maio de Lacan, Jacques. O seminário, livro 10: a angústia, aula de 19 de dezembro de Inédito. 1

2 princípio, apesar de, no absoluto, seu triunfo corresponder à morte do princípio. Assim, a questão não é exatamente escolher entre standard e princípio, mas demonstrar em que uma modalidade prática ou, para chamá-la por seu nome, um dispositivo é ou não coerente com o princípio que a inspira, ou capaz de relançar ou mobilizar esse princípio. Enumerarei alguns pontos que podem ser úteis a essa discussão. 1. A aplicação de um princípio tende a engendrar modelos, e a reprodução desses modelos, a se impor como norma universal Como escreveu Marco Focchi, os standards [...] respondem a princípios, mas, como sempre depois de Rômulo vem Numa Pompílio, depois do fundador, do criador, do inventor vem o administrador, possivelmente sábio, que ante a necessidade de definir as normas da prática, arrisca tornar opaca a ponta inovadora do início 3. O standard tem mais de um sentido, dependendo do registro em que o tomamos. Se o consideramos uma configuração, análoga à imagem unitária do corpo, significa modelo ou protótipo. Em nosso caso, o standard como modelo é representado pelos comportamentos rituais ou por signos que, tomados em conjunto, permitem reconhecer um psicanalista e situá-lo em um coletivo. Se o encaramos como legalidade, significa a norma que eleva o modelo ao plano de regra universal. Aqui, o standard é um mandamento que tem efeito de exclusão: quem não o cumpre não pode pertencer ao grupo que se reconhece no standard. Não é possível separar inteiramente esses dois aspectos: qualquer modelo básico acaba operando como norma, isto é, exprimindo-se por meio da alternativa deve-se / não se deve. Há uma passagem permanente do modelo à norma, de tal maneira que a reprodução em um, dois, três, muitos exemplares de um objeto termina se constituindo num imperativo universal, como, por exemplo, em Abaixo de quatro sessões por semana não há psicanálise, mas psicoterapia. O limite traçado em torno das quatro sessões semanais, cuja origem foi 3 Focchi, Marco. Regularidade e surpresa no tratamento, Papers do Comitê de Ação da Escola Una, n. 1, lista EBP-Veredas, 10 de fevereiro de

3 contingente 4, torna-se uma regra universal, e o significante ideal psicanálise passa a excluir todos os que praticam o tratamento em, por exemplo, duas ou três sessões por semana. Como afirma Esthela Solano-Suarez, esse padrão adquire assim a função do Um graças ao qual se torna possível construir um conjunto homogêneo, aquele de todos os praticantes que a ele se conformam 5. Um standard, portanto, não é só uma convenção, um acordo celebrado por determinado grupo, mas também uma disciplina. Tampouco é a simples estereotipia de uma prática ou opinião, uma espécie de hábito consagrado e desgastado pela repetição, mas sim um padrão de conduta. Na oposição entre standard e princípio em psicanálise, o primeiro representa o que se repete sem invenção, a reprodução do mesmo, enquanto o segundo se refere à singularidade, ao caráter único e irrepetível de um objeto ou ato. O ideal último do standard é um princípio que passe por inteiro à modalidade, a ponto de já não se distinguir dela. Para usar um termo de Walter Benjamin no célebre artigo sobre a obra de arte publicado na segunda metade dos anos , o princípio está de alguma maneira ligado à aura do objeto, isto é, àquilo que faz com que cada objeto seja único. A autenticidade, para Benjamin, é representada por esse caráter único do objeto: À mais perfeita reprodução faltará sempre uma coisa: o hic et nunc da obra de arte a unicidade de sua existência no lugar em que se encontra [...]. O hic et nunc do original constitui o que se chama sua autenticidade [...]. Tudo o que diz respeito à autenticidade escapa à reprodução 7. Há, naturalmente, uma diferença entre a unicidade ou autenticidade de 4 [ ] sou obrigado a dizer expressamente que essa técnica se mostrou ser a única adequada à minha individualidade; não me atrevo a pôr em dúvida que uma personalidade médica de constituição bem diversa possa ser levada a preferir outra atitude diante dos pacientes e das tarefas por solucionar (Freud, Sigmund. Consejos al médico sobre el tratamiento psicoanalítico (1912). Em: Obras completas, vol. XII. Buenos Aires: Amorrortu, 1974, p. 111). 5 Solano-Suarez, Esthela. Seguir um fio, Papers do Comitê de Ação da Escola Una, n. 3, lista EBP- Veredas, 04 de fevereiro de Benjamin, Walter. L oeuvre d art: dernière version (1939). Em: Oeuvres III. Paris: Gallimard, 2000, p Benjamin define aura como a única aparição do longínquo, por mais próximo que esteja (ibid. p. 278). 7 Ibid., p

4 Benjamin e a do ato analítico. Enquanto para ele a experiência da unicidade é um resíduo da função mágica ou ritual que a obra de arte desempenhou em sua origem remota 8, a aura do ato analítico está no ponto de passagem do psicanalisante a psicanalista. Em uma frase conhecida, Lacan chama esse ponto de passagem de sombra espessa que recobre esse raccord 9 do qual me ocupo aqui, esse raccord no qual o psicanalisante passa a psicanalista eis o que nossa Escola pode se entregar a dissipar 10. O que o standard dissimula, ou seja, o que, como sombra espessa, recobre, é o fato de que a passagem que define o ato analítico, de psicanalisante a psicanalista, implica, se posso manter a metáfora hidráulica do raccord, uma mudança de calibre: feita essa passagem, já não se é mais o mesmo. A sombra espessa que dissimula a hiância por sobre a qual se dá a passagem faz crer que esta se faz em continuidade, sem ruptura. A única autenticidade do analista, contrariamente àquela perseguida como ideal na cultura e sintetizada na fórmula eu sou igual a mim mesmo (cuja contrapartida patológica, segundo Alain Ehrenberg, é a atual importância social da depressão 11 ), vem do fato de que o prefixo autós representa não a interioridade, mas, ao contrário, um afastamento da pessoa, exatamente como na constatação lacaniana segundo a qual o analista só se autoriza de si mesmo. Nesse aforismo, a presença de dois termos que aparentemente dizem respeito ao eu, autós e si mesmo, não impede que a frase vise, como nenhuma outra, à superação da interioridade. Jacques-Alain Miller expressou bem essa exigência quando definiu o analista como aquele que está disponível ao uso que se fizer dele. 8 O valor único da obra de arte autêntica se funda nesse ritual (religioso ou mágico) que foi o valor de uso original e primeiro (ibid., p. 280). 9 Raccord, segundo o Petit Larousse Illustré: adaptação de duas partes que apresentam alguma diferença//peça metálica que permite juntar dois canos//demão que preenche uma solução de continuidade em uma pintura. Em português, no vocabulário da hidráulica, raccord se diz redução. 10 Lacan, Jacques. Proposition du 9 Octobre 1967 sur le psychanalyste de l École (1967). Scilicet, n. 1. Paris: Seuil, p Ehrenberg, Alain. La fatigue d être soi: dépression et société. Paris: Odile Jacob Poches, 2000, p

5 2. O standard mantém com o princípio uma relação complexa, ao mesmo tempo de proteção e negação O standard pode servir para proteger o princípio, isto é, para que os conceitos não se percam, mesmo que não se considerem as implicações práticas e éticas desses conceitos. Uma das vertentes da crítica de Lacan à IPA vai nesse sentido. À maneira dos obsessivos ou da religião 12, produz-se uma espécie de encapsulamento do real, que permanece, mas denegado. O efeito é a eliminação da contingência e da surpresa. Podemos ilustrar a relação complexa entre standard e princípio, ao mesmo tempo de proteção e negação, com um exemplo extraído da propaganda. Trata-se do comercial do Peugeot 206 atualmente veiculado na televisão, e que pode ser resumido em três cenas principais. Na primeira, um rapaz do Terceiro Mundo (aparentemente da Índia) arrebenta seu carro, de modelo antigo e formato clássico: investe contra um muro, faz um elefante se sentar sobre a lataria, opera uma solda elétrica Notamos que sua intenção é achatar o carro, mudar sua forma, ou seja, trata-se não de destruição, mas de transformação. Na segunda, o rapaz desdobra um pôster no qual se vê uma grande fotografia do Peugeot 206. Sua forma ovóide explicita melhor a intenção do personagem. Finalmente, na terceira, acompanhado de amigos, dirige seu velho carro transformado, vagamente parecido com o Peugeot 206 uma versão Flinstones, digamos. Nesse ponto, entendemos que todo seu trabalho visava à conquista de certa garota, para a qual ele agora olha orgulhoso ao volante de seu novo/velho carro, enquanto se balança ao som de uma música animada. Esse comercial consegue mostrar algo que é um constante desafio para a publicidade: como vender um produto standard, isto é, construído para o consumo universal, que não leva em conta o sintoma particular de cada um, tentando 12 Cf. Lacan, Jacques. La science et la vérité (1966). Em: Écrits. Paris: Seuil, em particular a p

6 convencer o consumidor de que é no acesso ao standard que ele alcançará a singularidade. Ou, dito de outra maneira, a publicidade ensina que se pode fazer o standard equivaler ao objeto único que se encontra na fantasia, e ao qual o comercial oferece um correspondente metonímico, à disposição de qualquer um que possa pagar por ele. O personagem do comercial não percebe e é isso que lhe dá tom humorístico, além do fato de que, como ensinou Freud, fazer rir escamoteia o fundo superegóico da injunção que sua verdadeira façanha não é ter produzido um objeto parecido com o Peugeot 206, a ponto de quase substituí-lo, mas sim ter escavado uma diferença máxima. O anúncio preserva o princípio (no caso, a singularidade e a criação), mas o desloca para a fantasia, cujo objeto, justamente por ser único, não passa ao coletivo. Da mesma forma, a contingência se desloca para a fantasia: o velho carro se transforma no novo modelo ideal, ou seja, é por meio do velho objeto que o novo se torna singular. A verdadeira criação, ensina o anúncio com certo cinismo que a comicidade tempera em parte, se acha na adesão ao standard. 3. O standard pretende estabelecer uma igualdade universal, mas ao preço da denegação da causa do desejo O standard é um estandarte, como atesta a etimologia, isto é, uma bandeira coletiva atrás da qual se abrigam grupos coesos. Andy Wharol, ao pintar uma lata de sopa Campbell exatamente como era na realidade, a extraiu do conjunto de latas de sopa e fundou uma exceção. A exceção não está em nenhum atributo da lata são todas iguais, mas no fato de que foi extraída do conjunto. As latas se repetem, o que há de único é a extração. Como exceção, a lata de sopa é produto de um ato irrepetível, e não das indústrias Campbell. Algo semelhante ocorre com Pierre Menard, o personagem de Borges com o qual Jacques-Alain Miller ilustrou recentemente um comentário sobre a autonomia 6

7 do significante: o mesmo significante em um outro contexto tem outro sentido 13. Após escrever D. Quixote exatamente com as mesmas palavras de Cervantes, Pierre Menard inventa no final algo novo. Explica Borges: Compor o Quixote no começo do século XVII era uma empresa razoável, necessária, talvez fatal; no começo do século XX, quase impossível. Não em vão transcorreram trezentos anos, carregados de complexíssimos fatos. Entre eles, para mencionar um só: o mesmo Quixote 14. Outra passagem vai no mesmo sentido: O estilo arcaizante de Menard estranho, no fim das contas padece de alguma afetação. Não assim o do precursor, que maneja com desenfado o espanhol corrente de sua época 15. Isso significa que entre o Quixote de Cervantes e o de Pierre Menard imprimiu-se uma marca no real, representada pela própria presença do texto de Cervantes na cultura. Entre os dois emerge uma diferença que faz com que a repetição literal possa ser um ato de criação. No fundo, há três Quixotes: o primeiro, escrito por Miguel de Cervantes há trezentos anos; o terceiro, atual, de autoria de Pierre Menard; e, entre os dois, um sulco que atravessou a cultura durante os três séculos e que também tem por nome Quixote. Este último é a causa de desejo que permite a Pierre Menard ser ao mesmo tempo literal e diverso. Reunindo e articulando os três, opera um dispositivo ficcional que atende pelo nome de Borges. Na análise, o diferencial é o desejo do analista como causa. Em meu entender, isso está contido nas palavras de Jésus Santiago: Talvez se possa dizer que a prática lacaniana é o avesso do standard na medida em que toma o inconsciente como relativo ao desejo do analista, relativo porque aquele apenas se realiza como invenção de saber, segundo meios que se mostrem orientados pelo real inerente ao momento de concluir Miller, Jacques-Alain. O último ensino de Lacan. Opção Lacaniana, n. 35. São Paulo, janeiro de 2003, p Borges, Jorge Luis. Pierre Menard, autor del Quijote, Ficciones (1944). Em: Obras completas Buenos Aires: Emecé, 1974, p Ibid., p Santiago, Jésus. O princípio temporal da prática lacaniana, Papers do Comitê de Ação da Escola Una, n. 1, lista EBP-Veredas, 10 de fevereiro de

8 Isso significa que no standard não há inconsciente? Não, significa que o inconsciente se produz nos tropeços do standard e em suas falhas, onde e quando menos se espera. 4. Um princípio, levado à prática, tende ao standard O único princípio que não pode ser standardizado é aquele, como costumamos dizer em nosso jargão, que aponta para o real, já que o standard é um dispositivo de evitação do real. Para exemplificar, me servirei do texto com o qual Oscar Ventura abre os Papers: sabemos que o ato analítico, quando está à altura do desejo, não é sem conseqüências, a lógica que o orienta tem por destino abrir no real o sulco devido, o made in lacanian capaz de despertar o sujeito, não tanto de seu sonho, como daquele que ele crê que é sua vigília 17. Essa frase, que me parece particularmente apropriada, nos autoriza a pensar que, no fundo, a verdadeira escolha passa entre o ato analítico e o standard. Se não podemos dizer ou standard, ou princípio, uma vez que o standard é uma modalidade do princípio, certamente podemos dizer ou standard, do registro do necessário, ou ato analítico, contingente. 5. É preciso distinguir o standard como posição prática do analista, isto é, como modus operandi que obedece ao modelo característico de determinado coletivo, e o standard como forma de garantia As duas acepções estão ligadas, naturalmente, mas há uma diferença importante: a primeira situa o psicanalista diretamente no social, enquanto a segunda implica a instituição da qual o psicanalista se reclama. A primeira vai do psicanalista ao público, a segunda parte da instituição. O dispositivo standard, como forma de garantia, é chamado a fazer uma mediação entre a instituição e o público. É uma maneira de a instituição dizer que seus profissionais são confiáveis, e que os pacientes não estarão sujeitos a caprichos, pois aqueles que ela forma se referem 17 Ventura, Oscar. Papers online, Papers do Comitê de Ação da Escola Una, n. 1, lista EBP-Veredas, 10 de fevereiro de

9 unanimemente a um protocolo anteriormente comprovado. O grande problema, que não pode ser resolvido nos limites do standard, é que a garantia contra o capricho é, no caso, a mesma que opera contra o desejo do analista. É precisamente porque o standard é uma forma de garantia que Graciela Brodsky, em sua apresentação dos Papers 18, nos leva a imaginar uma situação nem tão imaginária assim na qual os analistas lacanianos, supostamente liberados do standard, nos veríamos sujeitos ao olhar e mesmo à inquirição de um Outro de má vontade que não se deixa convencer por nossas belas palavras, não acredita em nossa extraterritorialidade, não volta mais tarde se pedimos que a secretária lhe diga o doutor está ocupado e se dá o direito de exigir explicações precisas e compreensíveis. Na Escola, trata-se não de verificar as vantagens e desvantagens do standard, que recusamos por princípio, mas de levar o mais longe possível a discussão sobre a garantia. Essa discussão deverá nos levar, por exemplo, a saber um pouco mais sobre o AME, esse curioso personagem criado por Lacan que, ao mesmo tempo em que é resíduo de uma estrutura institucional anterior à Escola ele é, em parte, herdeiro dos didatas, deveria ser capaz de testemunhar algo importante sobre a formação lacaniana do psicanalista e o exercício da psicanálise. Vivemos atualmente um tempo em que algo de novo precisa ser dito, até por força da exigência de profissionalização que pouco a pouco nos atinge, em função das diferentes tentativas de regulamentação da profissão de psicanalista feitas há alguns anos ao redor do mundo. Conclusão bem provisória O que será feito do standard nesses novos tempos, que aliás já começaram? Ricardo Seldes 19 situa no terceiro tempo da IPA uma certa superação do standard, por 18 Brodsky, Graciela. Apresentação de Papers, Papers do Comitê de Ação da Escola Una, n 1, lista EBP-Veredas, 10 de fevereiro de Seldes, Ricardo. Os três momentos das regras técnicas, Papers do Comitê de Ação da Escola Una, 9

10 força não da contestação que a modalidade possa ter sofrido no interior do campo psicanalítico por exemplo, pela crítica assídua recomendada desde 1964 por Lacan, mas das transformações na civilização, no capítulo da chamada crise dos universais: em um mundo no qual a exigência de igualdade tende a diminuir o impacto das enunciações, o encontro analítico passa, naturalmente, a ser marcado pela igualdade analisante-analista. Já não se trata mais do velho standard, surgido em um momento preciso como apelo ao discurso universitário sob a forma da burocratização, visando sem dúvida à manutenção defensiva da psicanálise. Da psicanálise como um todo, entenda-se. A igualdade ao preço das enunciações é diferente, uma vez que são os próprios significantes da psicanálise que tendem a ser postos em questão. Em vez da burocracia, o predomínio da democracia histérica. Nos termos de Ricardo, há uma reação ao princípio da autoridade, considerado obstáculo à livre conversação entre dois seres com iguais direitos. No entanto, como ocorre fatalmente com o discurso histérico, há sempre um momento de rendição à impotência. No auge da igualdade, surge de repente o espectro da indiferenciação, que se torna, como indica Eric Laurent, o Uno que faz todos parecidos 20. Será esse Seja original, faça como todo mundo um novo standard? Talvez venham a existir standards múltiplos, inspirados por amos de um novo tipo, bastando para isso que a noção de standard se separe da exigência de uma só norma para todos. Chegado esse momento, teremos de retomar o gume da crítica lacaniana ao standard, ou seja, teremos de explicitar nossos princípios. n. 2, lista EBP-Veredas, 04 de fevereiro de Laurent, Eric apud Seldes, Ricardo, Ob. cit. 10

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

Latusa digital ano 4 N 28 maio de 2007

Latusa digital ano 4 N 28 maio de 2007 Latusa digital ano 4 N 28 maio de 2007 O objeto de arte * Romildo do Rêgo Barros ** Vocês certamente conhecem a história de Apeles, o célebre pintor da antiguidade que, escondido atrás de uma cortina,

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico De nossos antecedentes Existem instituições onde a psicanálise aplicada da orientação lacaniana tem lugar há muitos anos, como é o caso do Courtil e L Antenne

Leia mais

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi As inúmeras homenagens prestadas durante o ano de 2001, ao centenário

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Oscar Zack O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre as pessoas mediatizadas pelas imagens. Guy

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar?

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Aline Cerdoura Garjaka Encontrei, no seminário de 1976-77, Como viver junto, de Roland Barthes, a seguinte passagem (cito): Portanto, eu dizia É com essas palavras

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Há um acontecimento de corpo

Há um acontecimento de corpo Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ram Avraham Mandil Para uma discussão sobre a lógica do tratamento a partir do Seminário...ou pior, de Jacques Lacan, gostaria

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 Maria Izabel Oliveira Szpacenkopf izaszpa@uol.com.br Psicanalista, Membro

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Carlos Henrique Kessler Foi com muita satisfação que recebi o convite para colaborar com este Informativo, abordando o tema Clínica-escola de psicologia: ética

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Verdade-correspondência e verdade-coerência 1

Verdade-correspondência e verdade-coerência 1 Verdade-correspondência e verdade-coerência 1 Jean-Louis Léonhardt jean-louis.leonhardt@mom.fr CNRS - MOM Tradução: Marly Segreto A partir de Aristóteles, uma certa concepção de verdade em ciência foi

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Angústia: acting-out e passagem ao ato * Manoel Barros da Motta ** Jacques-Alain Miller, ao estabelecer o Seminário X de Lacan, A angústia 1, dividiu-o em quatro

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda:

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: A Marca do Medo Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: Ficou lugar comum declarar a morte da psicanálise porque está desatualizada ou fora de moda ou, o

Leia mais

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos.

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Tema: O amor e seus transtornos Curitiba, de 04 a 07 de setembro de 2010 MESA-REDONDA Corpo:

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17)

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) Terapia Analítica Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) A sugestão. O caráter transitório de seus efeitos lembra os efeitos igualmente

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

O que é psicanálise?

O que é psicanálise? 1 O que é psicanálise? Bem, se você está buscando por cursos de psicanálise, já tem uma ideia básica a seu respeito. Portanto, não vou me alongar aqui na definição da psicanálise, das técnicas e das teorias.

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança O ponto central da investigação que, atualmente, a Nova Rede Cereda realiza,

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 9 novembro 2012 ISSN 2177-2673. Beijos pelo celular. José Vidal

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 9 novembro 2012 ISSN 2177-2673. Beijos pelo celular. José Vidal Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 9 novembro 2012 ISSN 2177-2673 1 José Vidal Aparentemente, já não se escreve cartas; a técnica e seus produtos as tornaram obsoletas. No entanto, temos observado

Leia mais

O que dizem os autistas?

O que dizem os autistas? Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 11 julho 2013 ISSN 2177-2673 1 Iván Ruiz Acero (ELP) Quem escuta hoje os sujeitos autistas? De que maneira escutamos seu saber silencioso? Atualmente a palavra

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

Aula 2: Projeto de pesquisa

Aula 2: Projeto de pesquisa 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 2: Projeto de pesquisa 1 O projeto de pesquisa O projeto de pesquisa é a base da organização do seu trabalho de pesquisa. Ao elaborar o projeto você organiza suas

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

DE 06/01/82, DO FOUCAULT. Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège de France. 1981-1982. Paris:

DE 06/01/82, DO FOUCAULT. Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège de France. 1981-1982. Paris: 1 RESUMO DA DA 1ª. E 2ª. H. HORAS DA AULA DE DE 06/01/82, DO DO CURSO A HERMENÊUTICA DO SUJEITO, DE MICHEL FOUCAULT Resumo feito por: Fábio Belo Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6 O que não cessa de não se atualizar Loren Alyne Costa Resumo O presente artigo tem por objetivo questionar de que forma se dá a temporalidade do inconsciente. Nos dias de hoje, percebemos as novas formas

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

MANIFESTO DE ENTIDADES BRASILEIRAS DE PSICANÁLISE. indissociáveis entre si: a análise pessoal, os cursos teóricos e a supervisão dos casos clínicos.

MANIFESTO DE ENTIDADES BRASILEIRAS DE PSICANÁLISE. indissociáveis entre si: a análise pessoal, os cursos teóricos e a supervisão dos casos clínicos. MANIFESTO DE ENTIDADES BRASILEIRAS DE PSICANÁLISE Há cerca de 90 anos a formação de psicanalistas está baseada em três atividades complementares e indissociáveis entre si: a análise pessoal, os cursos

Leia mais

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente.

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente. I Minhas senhoras e meus senhores! É para mim uma experiência nova e desconcertante apresentar me como conferencista no Novo Mundo diante de um público interessado. Parto do princípio de que esta honra

Leia mais

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de EX-SISTO, LOGO SÔO Eriton Araújo O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de um aforismo. Mas, para que mais um aforismo para o sujeito da psicanálise? Se considerarmos

Leia mais

Uma introdução Chafia Américo Farah 1

Uma introdução Chafia Américo Farah 1 PASSAGEM AO ATO, ACTING OUT, ATO PSICANALÍTICO: Uma introdução Chafia Américo Farah 1 Palavras chaves: passagem ao ato, acting,psicose,gozo Manhãs de quartas-feiras. Caso clínico ou apresentação de pacientes?

Leia mais

Of. Circular n 01/2013 Juiz de Fora, 15 de abril de 2013

Of. Circular n 01/2013 Juiz de Fora, 15 de abril de 2013 Of. Circular n 01/2013 Juiz de Fora, 15 de abril de 2013 ASSUNTO: Agenda de Orientações Docente Prezados Professores, De modo geral, quando se conversa com nossos egressos e alunos sobre a Faculdade Machado

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB É a verdade do que esse desejo foi em sua história que o sujeito grita

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

Só o governo pode garantir o desenvolvimento.

Só o governo pode garantir o desenvolvimento. ENTREVISTA Só o governo pode garantir o desenvolvimento. O ministro Eros Grau PERFIL INFORMAÇÕES PESSOAIS NOME COMPLETO Eros Roberto Grau DATA DE NASCIMENTO 19 de agosto de 1940 LOCAL DE NASCIMENTO Santa

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais