UNIVERSO. Curso: Análise de Sistemas DISCIPLINA: Internet e Recuperação da Informação Versão º período

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSO. Curso: Análise de Sistemas DISCIPLINA: Internet e Recuperação da Informação - 1477. Versão 3.0. 2º período"

Transcrição

1 UNIVERSO UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso: Análise de Sistemas DISCIPLINA: Internet e Recuperação da Informação Versão 3.0 2º período Prof. Marcos Vinícius Celeste Dalamura Juiz de Fora-MG 1º Semestre / 2012

2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS E TERMINOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DE REDES SEGUNDO LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA TOPOLOGIAS DE REDES PADRONIZAÇÃO DE REDES: O MODELO DE REFERÊNCIA OSI UMA BREVE HISTÓRIA DO UNIX UMA BREVE HISTÓRIA DA INTERNET REDES DE COMPUTADORES E A INTERNET INTRODUÇÃO PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO PERIFERIA DA REDE SERVIÇOS ORIENTADOS À CONEXÃO E SERVIÇOS NÃO ORIENTADOS À CONEXÃO NÚCLEO DA REDE COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS COMUTAÇÃO DE PACOTES ROTEAMENTO NAS REDES DE DADOS REDES DE ACESSO REDES DE ACESSO RESIDENCIAL REDES DE ACESSO CORPORATIVA REDES DE ACESSO MÓVEL MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO DE DADOS CABOS COAXIAIS CABOS DE PAR TRANÇADO CABOS DE FIBRA ÓPTICA ATRASOS E PERDAS EM REDES DE COMUTAÇÃO DE PACOTES...39

3 2.8. CAMADAS DE PROTOCOLOS A CAMADA DE APLICAÇÃO PROTOCOLO HTTP (HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL) FORMATO DE MENSAGENS HTTP WEB CACHES TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS UTILIZANDO O FTP (FILE TRANSFER PROTOCOL) CORREIO ELETRÔNICO NA INTERNET PROTOCOLOS DE ACESSO AO MEIO SERVIÇO DE RESOLUÇÃO DE NOMES - DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) CONSULTA AO DNS REGISTROS DNS...71 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

4 1. Introdução 1.1. Conceitos Básicos e Terminologia Ao decorrer do nosso estudo estaremos observando os aspectos envolvidos na comunicação entre computadores e nas tecnologias de rede utilizadas. Quando nos referirmos a comunicação entre computadores, estaremos falando da transmissão eletrônica de dados de um sistema a outro, descrevendo a maneira através da qual computadores trocam informações uns com os outros. Em relação às tecnologias de rede, estudaremos os meios empregados, em hardware e software, para conectar um grupo de sistemas com o propósito de compartilhar informações e serviços. O conceito de rede envolve muitos aspectos, dentre os quais podemos citar devido a sua importância: Protocolos e métodos de comunicação: que estabelecem regras que os computadores de uma rede devem seguir para que possam se comunicar com dispositivos da rede; Topologia e projeto: descrevem as formas como os sistemas são conectados; Endereçamento: é a forma que um componente da rede é capaz de localizar outro através da rede; Roteamento: é a maneira através da qual os dados são transferidos de um dispositivo até outro por meio da rede; Confiabilidade: as formas de garantir que os dados recebidos sejam exatamente os mesmos enviados; Interoperabilidade: é o grau em que produtos (hardware e software) de diferentes fabricantes são capazes de se comunicar através da rede; Segurança: são os mecanismos e procedimentos que visam proteger o funcionamento e a integridade dos dados dos componentes da rede; Padrões: estabelecem as regras e regulamentos que devem ser seguidos para garantir o perfeito funcionamento da rede

5 Tais aspectos são encontrados em diferentes níveis da rede, que é estruturada através de um modelo formado por blocos funcionais interligados, chamados de camadas, onde cada camada é responsável por uma determinada tarefa. A idéia é que cada camada ofereça serviços à camada superior, escondendo os detalhes de como estes serviços são implementados. Definimos redes de computadores como um conjunto de computadores autônomos 1 e outros dispositivos, interconectados, que utilizam um protocolo comum para, através de um meio de transmissão de dados, compartilhar dados e serviços. O objetivo central de uma rede de computadores é o compartilhamento de informações e recursos, e, além disso: O crescimento gradual da capacidade de processamento de informações; A diversidade de equipamentos e a liberdade de escolha; O aumento da confiabilidade (através de redundância); Outro meio de comunicação social; Ser aplicada a diversas atividades: ensino/pesquisa, produção e administração de serviços, interligação de bibliotecas, correio e boletim eletrônico, automação de manufatura, administração/automação de escritório, manipulação eletrônica de documentos, etc Classificação de Redes segundo a localização geográfica Existem diversos meios de transmissão: cabos de cobre, fibra óptica, microondas, radiodifusão, etc. Atualmente, os cabos de cobre (par trançado) e as fibras ópticas são os utilizados em maior escala. Suas características serão analisadas com mais detalhes ao estudarmos os meios físicos de transmissão de dados. 1 O termo autônomo exclui qualquer arranjo de processadores que apresentem relação mestre/escravo ou dispõem de um controle centralizado como os multiprocessadores, as máquinas ou array processors. Em uma rede, nenhum computador obedece a comandos de outro, possuindo inclusive autonomia para de desconectar da rede

6 Os meios de transmissão (meios físicos de transmissão) limitam tanto a taxa de transmissão de informação quanto à extensão geográfica da rede. Quanto a sua extensão geográfica, as redes podem ser classificadas em: Redes locais (LAN Local Area Network): interconectam computadores localizados numa mesma sala ou edifício (10m 1 km). Tipicamente, um único meio de transmissão é empregado. Redes de campus (CAN Campus Area Network): interconectam computadores localizados em um mesmo campo (fábrica, universidade, etc.) em extensões não superiores a 10 km. Tipicamente são compostas de várias LANs interligadas por uma rede de alto desempenho (backbone). Redes metropolitanas (MAN Metropolitan Area Network): interconectam computadores e LANs a nível regional (5 100 km), normalmente empregando de um a vários backbones interconectados. Redes de longa distância (WAN Wide Area Network): interconectam computadores e LANs a nível nacional ou continental ( km), normalmente operam por holdings de telecomunicações. Uma rede é dita homogênea se todos os computadores por ela interligados são idênticos. Caso contrário, temos uma rede heterogênea. Obviamente, redes heterogêneas demandam padronização tanto no nível de hardware (tensões, freqüências, etc.) quanto no nível de software (representação de dados, formato de mensagens, etc.) Topologias de redes Uma topologia representa um modelo físico que estabelece o modelo e os critérios utilizados para a interconexão dos dispositivos da rede. O fator fundamental para o estabelecimento de uma topologia é o meio de transmissão adequado, como veremos a seguir. Segundo a forma como os dados são transmitidos entre as estações, redes podem ser classificadas como de difusão (broadcasting) quando as estações compartilham de um canal de transmissão único, assim, quando uma mensagem é - 5 -

7 enviada por uma estação é recebida por todas as demais, que verificam se são o destino pretendido. Caso a mensagem não seja para ela, então é simplesmente descartada. A topologia que representa este modelo de forma mais clara é a de barramento. Na topologia de barramento, um único e longo meio de transmissão (normalmente chamado de backbone ou tronco) é compartilhado por vários dispositivos, sem a necessidade de distribuidores, mas na prática pode ser necessária a utilização de repetidores para aumentar a capacidade de alcance da rede. Um exemplo de barramento pode ser visto na figura 1.1. Figura 1.1. Topologia de barramento baseada em difusão. No modelo de topologia em anel, todos os dispositivos são conectados na forma de um ciclo. Esta tecnologia foi criada pela IBM para redes Token Ring, e caracteriza-se por cada dispositivo da rede utilizar um conector especial para que em caso de falha não interrompa a transmissão de dados. O meio de comunicação utilizado é unidirecional, ou seja, os dados trafegam somente em um sentido, horário ou anti-horário. Toda transmissão de dados é baseada no repasse de mensagens. Cada dispositivo possui um repetidor de sinal, que decodifica o pacote de dados, verifica se ele é o destinatário; se não for, o repassa adiante, até que este chegue ao seu destino. Dois exemplos distintos de topologia em anel são demonstrados na figura

8 Figura 1.2. Dois exemplos de topologia de anel. Na esquerda está representada uma topologia lógica de anel sobre uma topologia física de estrela (que será vista a seguir), enquanto na direita está representada uma topologia lógica de anel sobre um anel físico. Outra tecnologia de difusão muito utilizada em diversos meios de telecomunicações é a via satélite, mostrada na figura 1.3. Os dados são distribuídos para todos as estações, que precisam sintonizar uma freqüência adequada para receberem a transmissão. Figura 1.3. Em uma rede via satélite as estações utilizam antenas para enviar e receber dados. Em redes ponto-a-ponto, as transmissões são realizadas entre pares individuais de estações, origem e destino, sendo que este caminho pode ser estabelecido através de estações intermediárias, como no exemplo apresentado na figura 1.4. Em geral é possível ter diferentes possibilidades de caminhos entre duas estações, por isso é necessário escolher a rota de transmissão mais adequada. Esta escolha é determinada através de um algoritmo de roteamento. Figura 1.4. Exemplo de uma rede ponto-a-ponto simples. Cada estação só pode se comunicar com a estação adjacente. Se as estações A e C quiserem se comunicar, terão que utilizar B, que é adjacente a ambas

9 Em uma topologia em estrela, também chamada de topologia em asterisco, pela disposição dos dispositivos, com um concentrador (como um hub ou switch) no centro e estações da rede conectadas neste. A transmissão entre duas estações é feita através deste concentrador, sendo que os dados transmitidos não são enviados para as demais estações da rede. A figura 1.5 mostra uma configuração simples de uma rede em estrela. Figura 1.5. Exemplo de uma rede em estrela. Ela contém um ponto central onde todas as estações estão conectadas (a), que em caso de falha impede a comunicação de todos os dispositivos da rede. Os equipamentos mais comuns de serem utilizados como concentradores são hubs (b) ou switches. Apesar da classificação da topologia física, uma rede em estrela pode representar uma topologia lógica de difusão, basta o distribuidor retransmitir os dados a todos os dispositivos que nele estão conectados. Na prática, a topologia em estrela é a que normalmente utiliza a maior quantidade de cabeamento, sendo necessárias duas via de comunicação entre cada par de dispositivos, uma vez que ambos são conectados a um concentrador. Temos ainda mais dois modelos de redes ponto-a-ponto: redes em laço e em árvore. As redes em laço são uma subclassificação de redes estrela por serem uma versão modificada desta. Caracteriza-se por não haver um ponto concentrador, os dispositivos são conectados diretamente através de cabeamento dedicado. São redes altamente seguras, do ponto de vista da disponibilidade, uma vez que a falha em um segmento não altera o funcionamento do restante. Obviamente são redes caras, já que cada dispositivo é conectado com outro, normalmente só é usada em ambientes específicos. Redes em laço podem ser formadas por laços completos ou parciais, como pode ser visto na figura

10 Figura 1.6. Topologia em laço, parcial (esquerda) e completo (direita). Se cada estação se liga a todas as demais, temos um laço completo. Uma topologia em árvore é estabelecida segundo uma configuração hierárquica, como visto na figura 1.7, sendo formada por um dispositivo raiz, onde são conectados dispositivos de segundo nível, que por sua vez são conectados com dispositivos de terceiro nível, e assim por diante. Os dispositivos de um nível n+1 podem ser estações finais (folhas da árvore) ou novos dispositivos que assumem papéis de repetidores (como hubs, switches ou mesmos estações com múltiplas interfaces de rede. Topologias em árvore normalmente são empregadas para refletir fisicamente uma organização lógica, e em muitos casos, segmentando o tráfego para aumentar a eficiência do tráfego de dados através da rede. Figura 1.7. Em uma topologia em árvore, as estações são interconectadas hierarquicamente Padronização de redes: o modelo de referência OSI Um padrão é um conjunto de normas e procedimentos obrigatórios ou recomendáveis. Padrões visam homogeneizar produtos e serviços em um nível aceitável de qualidade e segurança, minimizar custos, compartilhar equipamentos, etc

11 O modelo de padronização proposto pela ISO (International Standard Organization) estipula uma rede estruturada em sete camadas, propondo um ou mais padrões para controlar o funcionamento de cada camada. Este modelo é chamado Interconexão de Sistemas Abertos (OSI Open Systems Interconnection) conhecido como ISO/OSI. O Modelo OSI, apesar de padronizado formalmente, não é muito difundido, ao contrário do padrão Internet, criado pelo DoD/USA (Departamento de Defesa dos EUA) no final da década de 70. Porém, o padrão OSI deve crescer, visto que apresenta um maior número de serviços, em comparação com os da Internet (ao nível do usuário), que são: transferência de arquivos e correio eletrônico. O modelo OSI é composto por 7 camadas e não configura uma arquitetura, pois não especifica os protocolos empregados pelas camadas. Entretanto, a ISO tem produzido protocolos para as camadas, publicando-os como padrões internacionais. As camadas são: física, enlace de dados, rede, transporte, sessão, apresentação e aplicação. As camadas são estruturadas segundo os seguintes princípios: Uma camada deve ser criada onde houver necessidade de outro grau de abstração; Cada camada deve executar uma função bem definida; A função de cada camada deve ser escolhida tendo em vista a definição dos protocolos padronizados internacionalmente; Os limites de camada devem ser escolhidos para reduzir o fluxo de informações transportadas entre as interfaces; O número de camadas deve ser suficientemente grande para que funções distintas não precisem ser desnecessariamente colocadas na mesma camada e suficientemente pequeno para que a arquitetura não se torne difícil de controlar. Como pode ser observado na figura 1.8, cada camada se comunica diretamente somente com as camadas superior e inferior em relação a si, mas as camadas correspondentes entre as estações A e B se comunicam através de uma ligação estabelecida por um protocolo. Do ponto de vista lógico, a camada N de um dispositivo troca informações com a camada N nos outros dispositivos. As regras envolvidas na conversação

12 formam protocolo da camada N. A especificação de protocolos não trata de detalhes de como são implementados, estes detalhes dependem da tecnologia empregada. Entre cada par de camadas adjacentes existe uma interface que define claramente as regras de utilização nos serviços oferecidos pela camada inferior. O conjunto de camadas e protocolos definem a arquitetura da rede. Figura 1.8. Modelo de referência OSI. No estudo de redes de computadores, duas abordagens podem ser adotadas: o estudo das funções e serviços oferecidos pelas camadas de baixo para cima da camada física até a camada de aplicação ou partindo das camadas superiores até chegarmos à camada física, onde os dados são transmitidos em sua forma mais básica: bits. Neste curso será empregada a segunda abordagem, por dois motivos fundamentais: primeiramente, devido ao crescimento da Internet no mundo inteiro, que é o primeiro ambiente que se vem à mente quando pensamos em redes, e graças a ela, o campo de desenvolvimento de ferramentas para a camada de aplicação tem sido o de maior crescimento na área de redes. Em segundo lugar, o estudo de como funcionam aplicações de rede utilizadas por todos no dia-a-dia, como e a WWW (World Wide Web), é altamente motivacional para os alunos, para em seguida investigar como as camadas de nível mais baixo provêem os recursos utilizados por tais aplicações

13 1.5. Uma breve história do Unix O Unix começou a ser criado em 1969, em um projeto de pesquisa da AT&T Bell Labs, e sua primeira versão foi disponibilizada a universidades dos EUA em 1976, de forma gratuita, o que contribuiu fortemente para que servisse como base de vários sistemas operacionais e projetos de pesquisa acadêmicos. Antes disso, em 1972, com o surgimento da linguagem C, o Unix foi reescrito, a fim de se tornar um sistema portável, isto é, que pudesse ser utilizado em sistemas com diferentes hardwares, sem que fossem necessárias mudanças em seu códigofonte, ou que ao menos, fossem mínimas. Outro importante marco foi em 1979, quando surgiram versões comerciais do Unix para servidores, com algumas modificações a pedido dos clientes, como o Sun OS (posteriormente chamado de Solaris), HP/UX (da HP), o AIX (da IBM) e até o Xenix (para, acreditem, a Microsoft!). Isto ajudou a popularização do sistema Unix, apesar de não haver um único sistema que recebesse esta nomenclatura, já que todos haviam passado por alterações e adaptações em relação a versão original. Nos últimos anos, o Unix veio a ser apresentado a um grande número de usuários de computadores através do Linux, que é uma reimplementação do kernel do Unix. Sua primeira versão surgiu em 1991, como um projeto de Linus Torvalds, um estudante de pós-graduação finlandês. O que deveria ter sido apenas um projeto de pesquisa de Linus, em poucos anos acumulou muitos desenvolvedores, usuários e entusiastas, que apoiavam a idéia de um sistema operacional completo, gratuito e de código-fonte aberto, isto é, que estivesse disponível para qualquer pessoa que quisesse estudá-lo e modificá-lo, criando sua própria versão. Em poucos anos, o Linux cresceu e tornou-se um kernel completo com qualidade de produção e pleno de recursos, que muitos usuários e empresas utilizam como seu sistema operacional principal. Cada vez mais investindo no desenvolvimento de interfaces user friendly (amigáveis aos usuários) e com aplicativos diversos, tornando-o uma opção cada vez mais atraente para o público em geral

14 1.6. Uma breve história da Internet Como muitos outros avanços tecnológicos da humanidade, a origem da Internet está em pesquisas motivadas pelas guerras. No período conhecido como Guerra Fria, entre os Estados Unidos e a antiga União Soviética, os militares americanos temiam que um ataque soviético pudesse ser realizado tendo como alvo uma central de informações, o que comprometeria todas as bases de dados americanas. Desta forma, iniciaram um projeto para descentralizar suas bases de dados, e que as informações estivessem compartilhadas entre elas, pois no caso da destruição de uma dessas bases (como o Pentágono, centro de inteligência norteamericana), os dados continuariam existindo e disponíveis. Em 1969 surgiu a primeira transmissão de dados através desta rede, a ARPANET (sigla de Advanced Research Projects Agency Net), que transmitia os dados através do chaveamento de pacotes, ondes as informações são transmitidas em pequenos pacotes, contendo os dados, informações de como chegar ao destinatário e como remontar um mesmo dado contido em vários pacotes. Com a diminuição da tensão entre EUA e URSS na década de 70, decidiu-se dividir a ARPANET em duas, a fim de facilitar seu gerenciamento. Um dos grupos foi batizado de MILNET, e continuava sob controle exclusivo dos militares, e o outro, que inicialmente continuou a se chamar de ARPANET, que conteria todas as localidades não-militares. A nova ARPANET começou a ser utilizada por pesquisadores e alunos de universidades, como uma ferramenta de troca de informações sobre pesquisas científicas e uma forma de colaboração à distância, mais rápida e barata do que os correios. Crescendo neste ambiente de estudiosos de tecnologia, em pouco tempo surgiram muitas novas aplicações, dentre as quais foram o protocolo HTTP (Hypertext Tranfer Protocol) e o próprio protocolo IP (Internet Protocol) os principais responsáveis por expandir seus horizontes para fora das Universidades, e passar a ser utilizada como ferramenta de comunicação por empresas e usuários domésticos

15 Finalmente, Em 1991, a empresa Netscape, criadora do navegador web de mesmo nome, desenvolveu o protocolo HTTPS, uma versão segura do HTTP, que permitiu a consolidação e crescimento do comércio eletrônico

16 2. Redes de Computadores e a Internet 2.1. Introdução Durante nosso curso, estudaremos os princípios de funcionamento e disponibilização de serviços através da análise sobre os modelos já existentes, empregados em uma rede de escala mundial, conhecida como Internet. Uma definição mais formal sobre o que é a Internet pode ser resumida como uma rede de computadores, de abrangência mundial e pública, através da qual estão conectados milhões de equipamentos de computação localizados em todas as partes do mundo. A maior parte dos equipamentos de computação conectados a Internet são computadores pessoais e servidores, utilizando sistemas operacionais Windows ou Unix/Linux, que provêem serviços como envio e recebimento de mensagens por e- mail, acesso a informações disponibilizadas como páginas web e compartilhamento de arquivos (muitas vezes infringindo leis de direitos autorais). Estes seriam os principais elementos de uma rede de computação local, mas quando falamos da Internet, não seria correto limitá-la com abordagens tão tradicionais, uma vez que já podemos contar com uma torradeira que fornece a previsão do tempo, ou um portaretratos que muda a foto que está exibindo de tempos em tempo conectando-se a um servidor na Internet e buscando novas imagens, que podem ser disponibilizadas de qualquer parte do mundo, a qualquer momento, mostrados na figura 2.1, ou ainda, um servidor web do tamanho de uma cabeça de fósforo. Todos estes equipamentos, desenvolvidos por mentes criativas e brilhantes também são chamados de hospedeiros (hosts) ou sistemas finais, que executam programas de aplicação de rede. Figura 2.1. Exemplos de hosts não-convencionais conectados na Internet

17 Os sistemas finais de uma rede operam protocolos, que fazem o envio e recebimento de informações através da Internet. Os protocolos mais utilizados na Internet são o TCP (transmission control protocol protocolo de controle de transmissão) e o IP (Internet protocol protocolo da Internet), que são referenciados como TCP/IP. Estes sistemas finais são conectados entre si através de enlaces de comunicação, que podem ser constituídos por diversos meios físicos, como cabos coaxiais, par trançado, fibras óticas e ondas de rádio. O enlace adotado terá diferentes características na velocidade em que os dados serão transmitidos (medidos em bps bits por segundo), chamada de largura de banda. Como a Internet e muitas outras redes são formadas por um grande número de sistemas finais, divididos em sub-redes que empregam diferentes topologias, os enlaces de comunicação são interconectados por diversos equipamentos intermediários de comutação, chamados de roteadores, cuja função é encaminhar dados que estão sendo transmitidos de um hospedeiro pertencente a um enlace para outro localizado em outro enlace, estabelecendo um caminho (ou rota) através da rede. A Internet utiliza um princípio chamado comutação de pacotes, que permite que um único canal de transmissão seja utilizado simultaneamente por diversos hospedeiros. A Internet é uma rede formada por redes, estruturadas segundo uma topologia que reflete certos aspectos hierárquicos, interconectando hospedeiros através de provedores de serviços de Internet (ISP Internet Service Providers), utilizando redes de acesso, que podem ser encontradas de diferentes formas. Os ISP locais conectam-se aos ISP regionais (ou diretamente aos nacionais), que por sua vez estão ligados aos nacionais e internacionais. A estrutura da Internet cresce a cada dia de forma exponencial, incorporando novos recursos e aumentando a base de usuários, que demandam pelos mais variados serviços. A figura 2.2 demonstra alguns dos vários tipos de rede que estão conectadas à Internet

18 Figura 2.2. Redes heterogêneas que formam a Internet Protocolos de comunicação Um protocolo define o formato e a ordem das mensagens trocadas entre duas ou mais entidades comunicantes, bem como as ações realizadas na transmissão e/ou no recebimento de uma mensagem ou outro evento entre dois dispositivos ligados na rede. A figura 2.3 ilustra o funcionamento de um protocolo para troca de mensagens utilizado por pessoas e o realizado por computadores. Figura 2.3. Analogia entre o protocolo de comunicação humano e o de computadores

19 Um protocolo estabelece conjunto específico de mensagens que podem ser enviadas e as ações específicas que serão realizadas como reação a mensagens recebidas ou outras situações, como, por exemplo, o não recebimento de uma resposta. Se duas pessoas não falam o mesmo idioma, não é estabelecida a comunicação. Da mesma forma, é preciso que dois ou mais computadores utilizem um mesmo protocolo para que possam trocar mensagens Periferia da Rede São conhecidos como periferia ou bordas da rede todos os computadores que chamamos de hospedeiros (hosts) ou sistemas finais. Quando estamos acessando a Internet através de um programa navegador web, nosso computador está hospedando um programa de aplicação. Sistemas finais são divididos em duas categorias: clientes e servidores, que estabelecem um modelo de comunicação em redes de computadores chamado de modelo cliente-servidor. A figura 2.4 ilustra a conexão realizada entre dois hosts, um cliente e um servidor, através de uma rede. Para o usuário, é como seu computador (cliente) estivesse recebendo dados de um outro (servidor) diretamente, sem passar por elementos intermediários da rede. É interessante destacar que os papéis de cliente e servidor não são fixos, um hospedeiro que em um momento está fazendo a requisição de dados de um outro hospedeiro (fazendo o papel de um cliente) pode estar também enviando dados a outro hospedeiro em resposta a uma requisição (fazendo o papel de servidor). Figura 2.4. Conexão entre dois sistemas finais: o modelo cliente-servidor

20 Serviços orientados à conexão e serviços não orientados à conexão De acordo com o modelo para transmissão de dados entre dois hosts na Internet (que é utilizado em qualquer rede TCP/IP), é estabelecido um canal de comunicação para todo o tráfego de dados que for solicitado através de uma aplicação. Existem dois modelos que são utilizados pelos serviços de comunicação: os orientados à conexão e os não orientados à conexão. Ao desenvolver um aplicativo para rede, como um cliente de , um navegador web, um programa de bate-papo, etc., o analista de sistemas deve escolher um destes dois modelos de transferência para ser utilizado em seu programa. Nos aplicativos que utilizam um serviço orientado a conexão, o cliente e o servidor enviam pacotes de controle um para o outro antes de remeter pacotes com os dados que desejam transmitir. Este procedimento faz com que cliente e servidor estejam preparados para a emissão e a recepção de uma rajada (é comum encontrar na literatura o termo burst ) de pacotes. É o mesmo princípio empregado no sistema telefônico discado, onde o usuário tira o telefone do gancho, disca um número, fala, escuta, e quando termina a comunicação, desliga. Em uma transmissão de rede, apenas o receptor e o transmissor estão cientes desta conexão estabelecida; os segmentos intermediários da rede por onde os pacotes trafegam (roteadores, servidores, etc.) não sabem desta conexão. O serviço orientado a conexão é empregado em aplicações que necessitam de serviços como transferência de dados confiável, controle de fluxo e controle de congestionamento. Através da transferência de dados confiável, uma aplicação tem a confiabilidade de que todos os dados que forem transmitidos serão entregues sem nenhum erro e na ordem certa. O TCP implementa esta confiabilidade através de confirmações e retransmissões. Em uma conexão entre dois computadores A e B, sempre que B receber um pacote de A, ele enviará uma confirmação de recebimento. Quando A receber esta confirmação, terá certeza que o pacote foi enviado corretamente. Caso não receba esta confirmação, ele supõe que o pacote se perdeu no meio do caminho (o que pode não ser verdade; a confirmação pode se perder) e retransmite o pacote

21 O controle de fluxo é responsável por que nenhum dos dois sistemas finais envolvidos em uma transmissão sobrecarregue o outro enviando um fluxo de pacotes muito rapidamente, provocando um afogamento. Em um ambiente como a Internet é muito comum que um dos lados da conexão não tenha a capacidade de processar as informações com a mesma velocidade com a qual as recebe, incorrendo em uma sobrecarga. Ao estudarmos a camada de transporte veremos como um serviço de controle de fluxo é implementado utilizando buffers de envio e recebimento. Controle de congestionamento implementa uma forma da redução da taxa de dados transmitidos quando a rede fica congestionada. Quando um roteador fica muito congestionado, pode ocorrer o transbordamento de seus buffers, o que ocasionará na perda de pacotes. Desta forma, poucos pacotes chegarão ao host de destino, causando muitas retransmissões. Isto é evitado forçando os hosts a diminuir a velocidade com a qual enviam pacotes para a rede nos períodos de maior congestionamento. O serviço orientado à conexão empregado na Internet é o TCP (Transmission Control Protocol), e fornece o transporte de dados confiável, controle de fluxo e de congestionamento. Vale observar que a aplicação citada anteriormente que utiliza os recursos de um serviço orientado à conexão não deve se preocupar como estes são implementados no TCP, apenas precisa saber que conta com estes recursos. Grande parte das aplicações para a Internet emprega conexões TCP, como os serviços de HTTP (WWW), FTP (transferência de arquivos), SMTP ( ), entre muitos outros. Em serviços não orientados à conexão não existe a apresentação entre cliente e servidor empregada em transmissões confiáveis. Quando um host deseja enviar pacotes a outro, simplesmente os envia, sem esperar por nenhuma confirmação. Desta forma, os dados podem ser entregues mais rapidamente, mas não existe um meio do transmissor saber se os dados foram entregues corretamente, não existindo assim, retransmissões, e ainda, controles de fluxo e congestionamento. O serviço não orientado à conexão utilizado na Internet é o UDP (User Datagram Protocol). O UDP é utilizado em aplicações como transmissão de vídeo em tempo real, áudio sob demanda e telefonia via IP, dentre outras

UNIVERSO. Curso: Análise de Sistemas DISCIPLINA: Internet e Recuperação da Informação - 1477. Versão 1.1. 2º período

UNIVERSO. Curso: Análise de Sistemas DISCIPLINA: Internet e Recuperação da Informação - 1477. Versão 1.1. 2º período UNIVERSO UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso: Análise de Sistemas DISCIPLINA: Internet e Recuperação da Informação - 1477 Versão 1.1 2º período Prof. Marcos Vinícius Celeste Dalamura dalamura@gmail.com

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Introdução a Redes de Computadores. Professor Machado

Introdução a Redes de Computadores. Professor Machado Introdução a Redes de Computadores Professor Machado 1 O que é uma rede de computadores? Uma rede de computadores é um conjunto de computadores autônomos, interconectados, capazes de trocar informações

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Capítulo1 Redes de computador es e a Internet

Capítulo1 Redes de computador es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo Redes de computador es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Redes de Computadores 1 IF66B Introdução Objetivos dessa aula: Obter contexto, terminologia, conhecimentos gerais de redes Maior profundidade e detalhes serão vistos durante o semestre Abordagem: Usar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Delfa M. HuatucoZuasnábar 2010 2 A década de 50 - Uso de máquinas complexas de grande porte operadas por pessoas altamente especializadas e o enfileiramento de usuários para submeter

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com 1 PRIMÓRDIOS 1950 Auge da Guerra Fria, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos realiza

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

RC e a Internet. Prof. Eduardo

RC e a Internet. Prof. Eduardo RC e a Internet Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhões de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria destes dispositivos

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo : Capítulo Redes de Redes de computadores computador e a Internet es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Professor: Carlos Henrique E-mail: carlos_hvr@yahoo.com.br Definição Inicial Tipos de Redes Servidores Arquitetura de Protocolos Topologia de Redes

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 1. Introdução 1.1 - Meios de Transmissão e Topologias 1.2 - Classificação das Redes 1.3 - Métricas de Desempenho 1.4 - Fatores que Impactam no Desempenho

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Processamento Batch. Computadores Pessoais. Processamento On-Line. Redes Locais de Computadores. Integração Total. Departamento Pessoal

Processamento Batch. Computadores Pessoais. Processamento On-Line. Redes Locais de Computadores. Integração Total. Departamento Pessoal Introdução Redes de Computadores Evolução Conceitos Topologias Evolução na comunicação Comunicação sempre foi uma necessidade humana, buscando aproximar comunidades distantes Sinais de fumaça Pombo-correio

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Capítulo 1. Redes de computadores e a Internet. e a Internet. Introdução. Redes de computadores e a Internet

Capítulo 1. Redes de computadores e a Internet. e a Internet. Introdução. Redes de computadores e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo Redes de computadores e a Internet Introdução Nossos objetivos: Obter contexto, terminologia, sentimento sobre redes Visão geral: O que é a Internet Borda da

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais