RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO"

Transcrição

1 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO RESPONSABILIDADE CIVIL LATO SENSU Responsabilidade Civil é o dever jurídico derivado ou secundário de ressarcir ou reparar dano causado pela conduta culposa do agente a outrem. Há uma diferença entre a responsabilidade civil e a responsabilidade penal. 1ª NOTA IMPORTANTE: DISTINÇÃO ENTRE RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL É possível de ser questionada em prova a distinção ontológica 1 entre o tipo de responsabilidade dito civil de outro tipo de responsabilidade tido como penal. Para responder a questão deve-se atentar que, ontologicamente, não há qualquer distinção entre os termos, pois ambos decorrem de ato ilícito. A distinção que existe entre a responsabilidade civil e a responsabilidade penal está na graduação da lesão ao bem jurídico tutelado. Quando a hipótese for de responsabilidade penal a lesão é mais grave, por isso que a responsabilidade penal enseja uma sanção preventiva ou repressiva. A lesão na responsabilidade civil é menos grave, por isso que a sanção, nessa hipótese, não é preventiva ou repressiva, mas sim reparatória ou ressarcitória 2. 2a NOTA IMPORTANTE: DISTINÇÃO ENTRE OBRIGAÇÃO E RESPONSABILIDADE 1 Parte da filosofia que trata do ser enquanto ser, i. e., do ser concebido como tendo uma natureza comum que é inerente a todos e a cada um dos seres 2 Há distinção técnica entre ressarcir, reparar e indenizar 1

2 OBRIGAÇÃO é o dever jurídico originário ou primário. É a conduta que a ordem jurídica impõe em primeiro plano, por isso que existe a obrigação em nível jurídico primário ou originário que, uma vez violada, dá ensejo a um dever jurídico derivado ou secundário, que é a RESPONSABILIDADE. Obrigação é originária ou primária, enquanto responsabilidade é derivada ou secundária porque decorre da violação da obrigação. Quando houver uma obrigação violada, seja ela contratual ou não, isso dará ensejo a uma espécie qualquer de responsabilidade 3. 3a NOTA IMPORTANTE: DISTINÇÃO ENTRE RESSARCIMENTO, REPARAÇÃO E INDENIZAÇÃO Segundo JESSÉ TORRES, o conceito de ressarcimento ou reparação é distinto do conceito de indenização. Ressarcimento e reparação decorrem de atos ilícitos e são dirigidos a um dano. Assim, se houver ato ilícito, este gerará um dano que ensejará o ressarcimento ou a reparação. A distinção entre ressarcimento e reparação é que o primeiro é utilizado para dano material, enquanto a reparação é para dano moral. Assim, ATO ILÍCITO gera DANO e conseqüentemente REPARAÇÃO (dano moral) ou RESSARCIMENTO (dano material). Se a hipótese for de ato lícito, este não gera dano, mas sim prejuízo, que é indenizado. Portanto, só se pode falar em indenização quando a hipótese for de ATO LÍCITO, que gerará PERDA, PREJUÍZO, o que dará ensejo à INDENIZAÇÃO. Exemplos: Um carro bate no outro causando danos. A hipótese será de ato ilícito, culposo que gera danos materiais e enseja o 3 No direito civil há hipóteses de obrigações em que não há responsabilidade dívida de jogo. 2

3 ressarcimento. Essa hipótese diverge da de imóvel desapropriado por ente público, a hipótese será de ato lícito, que gera prejuízo e dá ensejo à indenização. É isso que distingue a responsabilidade civil do Estado da intervenção do Estado na propriedade. A responsabilidade civil decorre de um ato ilícito, que ensejará o ressarcimento do dano. De outro lado, a intervenção do Estado na propriedade decorre de um ato lícito, daí porque, nessa hipótese, será caso de indenização do prejuízo. Pressupostos da Responsabilidade Civil Lato Sensu Há um pressuposto de índole objetiva, que é o dano. Há um pressuposto de índole subjetiva, que é o agente. E também há pressuposto de índole causal, que é o nexo de causalidade. * Pressuposto Objetivo: Dano RESPONSABILIDADE CIVIL * Pressuposto Subjetivo: Conduta do Agente * Pressuposto Causal: nexo de causalidade Assim, só se estabelece a responsabilidade civil a partir do momento em que há uma conduta do agente, que pode ser culposa ou dolosa, omissiva ou comissiva, com a ocorrência de dano, que pode ser de qualquer origem material ou moral havendo ligação entre uma coisa e outra nexo de causalidade entre a conduta e o dano. Qualquer responsabilidade civil, de qualquer espécie, inclusive a objetiva, pressupõe a conduta culposa ou dolosa do agente. O que pode ser dispensada, na responsabilidade objetiva 3

4 é a prova da culpa, mas é imprescindível que haja uma conduta e que ela gere um dano. Espécies de Responsabilidade Civil A responsabilidade civil subdivide-se, basicamente, em duas espécies: extracontratual, também chamada de aquiliana, e responsabilidade civil contratual, conforme a fonte dela seja a lei ou o contrato. Se a fonte da responsabilidade for a lei, ela será extracontratual ou aquiliana. Se a fonte da responsabilidade for o contrato, ela será contratual. * Extracontratual ou aquiliana a fonte é a lei RESPONSABILIDADE CIVIL Contratual a fonte é o contrato A responsabilidade extracontratual pode ser objetiva ou subjetiva, conforme haja ou não necessidade da prova da culpa ou dolo. Se a prova da culpa ou do dolo for imprescindível, a responsabilidade será subjetiva. De outro lado, se a prova for dispensável, a responsabilidade será objetiva. A base da responsabilidade extracontratual está no art. 159 do Código Civil em Vigor. A r t d o C C V. A q u e l e q u e, p o r a ç ã o o u o m i s s ã o v o l u n t á r i a, n e g l i g ê n c i a, o u i m p r u d ê n c i a v i o l a r d i r e i t o, o u c a u s a r p r e j u í z o a o u t r e m, f i c a o b r i g a d o a re p a r a r o d a n o. A responsabilidade contratual é subdividida em obrigação de fazer e obrigação de dar, conforme for o objeto do contrato. Seu fundamento básico está no artigo 1056 do Código Civil. 4

5 A r t d o C C V. N ã o c u m p r i n d o a o b r i g a ç ã o o u d e i x a n d o d e c u m p r i - l a p e l o m o d o e n o t e m p o d e v i d o s, r e s p o n d e o d e v e d o r p o r p e r d a s e d a n o s. O contrato pode ser com ou sem instrumento. O transporte pela van, por exemplo, é um contrato de transporte sem instrumento físico. RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO A responsabilidade civil do estado pode ser conceituada da seguinte forma: Dever jurídico secundário ou derivado imposto às pessoas jurídicas de direito público e pessoas jurídicas de direito privado prestadoras de serviços públicos de ressarcir ou reparar os danos que os agentes públicos, no exercício de suas funções, ou a pretexto de exercê-las houverem causado a terceiros. 1ª NOTA IMPORTANTE: MELHOR DENOMINAÇÃO Há autores que se referem à Responsabilidade Civil do Estado (Celso Antônio Bandeira de Mello), outros mencionam Responsabilidade Civil da Administração Pública (Hely Lopes Meirelles) e, ainda há outros que se referem à Responsabilidade Civil do Poder Público (Alexandre de Moraes). A denominação Responsabilidade Civil da Administração Pública não é a mais adequada porque nem sempre o dano decorre de um ato da Administração Pública em estrito senso, pois é possível a responsabilidade civil por ato jurisdicional, por ato legislativo. Também a denominação Responsabilidade Civil do Poder Público é equivocada porque nem sempre os atos que dão ensejo à responsabilidade civil são atos de império, ou seja, são atos decorrentes da prática de um poder público pelo Estado. O Estado pode praticar atos de gestão, que são atos praticados pelo Estado 5

6 sem estar na condição de poder público e esses atos podem causar danos que deverão ser ressarcidos pelo Estado. A expressão mais adequada é a Responsabilidade Civil do Estado porque é ampla, não gerando dúvidas. 2ª NOTA IMPORTANTE: RESPONSABILIDADE EXTRACONTRATUAL A responsabilidade civil do Estado sempre será extracontratual. Não existe responsabilidade civil contratual do Estado. A responsabilidade do Estado ou será objetiva ou será subjetiva. A violação de normas de contratos administrativos não dá ensejo à responsabilidade civil do Estado, pois é caso de INADIMPLEMENTO DO CONTRATO ADMINISTRATIVO PELO ESTADO, sujeito às regras pertinentes. a Constituição. A única fonte de responsabilidade civil do Estado é A responsabilidade civil do Estado é sempre extracontratual, sendo, em regra, OBJETIVA e, excepcionalmente SUBJETIVA. 3ª NOTA IMPORTANTE: ART. 37, 6º, DA CR 88 do Estado. O art. 37, 6º fundamenta a responsabilidade civil A r t. 3 7, 6 º (CR 8 8 ). A s p e s s o a s j u r í d i c a s d e d i r e i t o p ú b l i c o e a s d e d i r e i t o p r i v a d o p r e s t a d o r e s d e s e r v i ç o s p ú b l i c o s r e s p o n d e r ã o p e l o s d a n o s q u e s e u s a g e n t e s, n e s s a q u a l i d a d e, c a u s a r e m a t e r c e i r o s, / a s s e g u r a d o o d i r e i t o d e r e g r e s s o c o n t r a o r e s p o n s á v e l n o s c a s o s d e d o l o o u c u l p a. Deve ser separada a primeira parte do dispositivo, que vai de seu início até a expressão terceiros, da segunda parte do artigo, que se inicia na expressão assegurado até culpa. A parte inicial versa sobre a RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO. A parte final já não versa sobre a 6

7 responsabilidade civil do estado, mas sim da RESPONSABILIDADE CIVIL DO AGENTE PÚBLICO que causou o dano e que poderá ser eventualmente responsabilizado individualmente por ação regressiva. A pessoa jurídica pode ressarcir-se contra a pessoa física que causou o dano. Na parte inicial do dispositivo não há referência à culpa, por isso é, em regra, objetiva. Na parte final, há expressa menção à culpa, por isso tem natureza subjetiva. Teorias sobre a Responsabilidade Civil do Estado Historicamente, são 05 as teorias sobre a responsabilidade civil do Estado: 1) Teoria da Irresponsabilidade Civil do Estado por essa teoria, o Estado nunca responderia pelos danos causados a terceiros por seus agentes. Essa teoria era fundamentada na intangibilidade da soberania, ou seja, a soberania do Estado era intangível, o que fazia com que o Estado nunca fosse responsabilizado por qualquer dano causado a terceiro por seus agentes. Essa teoria já foi superada há muito tempo em razão da Teoria da Imputação, também chamada Teoria do Órgão, segundo a qual os atos que os agentes públicos praticam são atos do Estado e não do agente. O agente não é o representante do Estado, mas sim seu presentante. 2) Teoria da Responsabilidade Subjetiva por Culpa do Agente e 3) Teoria da Responsabilidade Subjetiva por Culpa do Serviço As teorias subjetivas exigem a prova da culpa ou dolo para a responsabilização do Estado. A diferença entre culpa do agente e culpa do serviço reside no fato de que na primeira (culpa do agente) é imprescindível que o agente causador do dano seja individualizado. O Estado responderia pelos danos causados pelo agente desde que este fosse certo, determinado. O fato gerador dessa responsabilidade é a falta do agente, ou seja, a culpa do agente. Na hipótese de culpa do serviço, o Estado será responsável mesmo que não individualizado o 7

8 agente, mas é obrigatória a prova da falta do serviço. Falta do serviço é gênero que compreende três espécies: inexistência do serviço; retardamento do serviço; mau funcionamento do serviço. 4) Teoria da Responsabilidade Objetiva por Risco Administrativo as teorias objetivas não exigem a prova do dolo ou culpa. Quando a hipótese for de risco administrativo, o nexo causal pode ser excluído por fato exclusivo da vítima; fato exclusivo de terceiro; ou caso fortuito e força maior. Não se exige que se prove a culpa ou o dolo do agente público, mas o Estado poderá deixar de responder se o nexo causal tiver sido excluído nessas hipóteses. 5) Teoria da Responsabilidade Objetiva por Risco Integral por essa teoria, o Estado responde em qualquer caso, mesmo que tenha havido fato exclusivo da vítima, fato exclusivo de terceiro, caso fortuito ou força maior. Não há exclusão do nexo causal. A responsabilidade civil do Estado evoluiu desde a irresponsabilidade até o risco integral. Pela teoria da irresponsabilidade, o Estado nunca respondia porque se entendia que a soberania era intangível. Essa teoria foi superada pelo reconhecimento de que os atos praticados pelos agentes públicos são, na verdade, atos do Estado, evoluindo-se, assim, para as teorias subjetivas que exigiam a prova da ocorrência do dolo ou culpa. Quando a hipótese fosse de culpa do agente, era imprescindível a individualização do agente. Sendo a hipótese de culpa do serviço, necessária se fazia a prova da falta do serviço, ou seja, que o serviço não existia, foi prestado com retardo ou que não funcionou adequadamente. Porque a prova da culpa, às vezes, era muito difícil, evoluiu-se para as Teorias Objetivas, que prescindem da prova do dolo da culpa. Distinguiu-se o risco administrativo do risco integral, conforme a possibilidade ou não de exclusão do nexo causal. Se o nexo causal pode ser excluído por fato exclusivo da 8

9 vítima, fato exclusivo de terceiro, caso fortuito ou força maior, a hipótese é de risco administrativo. Se não há possibilidade de exclusão do nexo causal, a hipótese será de risco integral. É importante saber quais as teorias seguidas no Brasil. No Brasil, a melhor corrente é a do Prof. Celso Antônio Bandeira de Mello e do Prof. Oswaldo Aranha Bandeira de Mello, que distinguem as hipóteses de conduta omissiva e conduta comissiva. Para eles, se a hipótese for de conduta comissiva, que é a maioria dos casos, o Brasil acolhe, pelo art. 37, 6º, da CR 88 a RESPONSABILIDADE OBJETIVA POR RISCO ADMINISTRATIVO. Em regra, quando o dano decorre de uma ação e não de uma omissão, a hipótese é de responsabilidade objetiva por risco administrativo, não sendo necessária a prova do dolo ou culpa, mas o Estado pode se eximir se comprovar que o dano decorreu de fato exclusivo da vítima, de fato de terceiro ou de caso fortuito e força maior. Se a hipótese for de omissão (ex. surfista de trem), o Estado responde com base na Teoria Subjetiva da Falta de Serviço, devendo ficar comprovado que o dano decorreu da inexistência do serviço, de seu mau funcionamento ou de seu retardo. O Estado só responderá se ficar provada a falta do serviço, com base no art. 159 do Código Civil. Atualmente, no Brasil prevalece o entendimento de que a responsabilidade objetiva por risco integral não é mais admitida porque viola alguns princípios constitucionais como o da ampla defesa e o do contraditório. OBSERVAÇÃO: Verificar dano ambiental e dano nuclear casos de responsabilidade tarifada. Na hipótese de omissão, há uma parcela da doutrina, representada pelos Profs.Guilherme Couto e Castro e Sergio Cavalieiri que defendem que, no caso de omissão específica, deve o Estado ser responsabilizado objetivamente. 9

10 Esses autores estabelecem uma distinção entre a omissão genérica e omissão específica. Se o dano decorrer de uma omissão do dever imediato de agir do Estado, será hipótese de omissão específica e a responsabilidade do Estado será objetiva (ex. dever de guarda das crianças em escolas públicas). Contudo, se a omissão decorrer de um dever de agir genérico do Estado, ela será genérica e a responsabilidade será subjetiva (ex. sinalização das estradas). Citação do livro de Sérgio Cavalieri (Programa de Responsabilidade Civil, pág. 169): Quando o dano resulta da omissão específica do Estado, ou, em outras palavras, quando a inércia administrativa é a causa direta e imediata do não impedimento do evento, o Estado responde objetivamente, como nos casos de morte de detento em penitenciária e acidente com aluno de colégio público durante o período de aula. 4 Alguns autores ainda defendem que nas hipóteses de danos causados por estrada de ferro, a responsabilidade é por risco integral, contudo, tal tipo de responsabilidade fere o princípio da ampla defesa e do contraditório. Ação de Ressarcimento ou de Reparação A reparação ou ressarcimento pode ocorrer na via administrativa como também pela via judicial. sobre o tema: Quanto à via judicial, há três questões importantes Que é o legitimado passivo da ação, o Estado e/ou o agente público se é possível o litisconsórcio passivo entre Estado e agente; 4 Sergio Cavalieri Filho Programa de Responsabilidade Civil 10

11 Se é possível a denunciação da lide do agente público pelo Estado; Se há prazo prescricional para a propositura da ação. Legitimidade Passiva Há duas correntes sobre o tema. Hely Lopes Meirelles defende que a ação de reparação ou ressarcimento somente pode ser proposta em face do Estado porque os tipos das responsabilidades são distintos. O Estado será acionado por responsabilidade objetiva e o agente pela subjetiva. Oswaldo Aranha Bandeira de Mello e Celso Antônio Bandeira de Mello entendem que pode haver litisconsórcio passivo facultativo, podendo a ação ser proposta em face do Estado e do agente, sob o argumento de que apesar de os tipos de responsabilidade serem diferentes, tal não impede a formação do litisconsórcio, mas deve o autor demonstrar a culpa, o que não precisaria fazer se a ação fosse proposta só em face do Estado. No TJRJ prevalece a corrente de que a ação só pode ser proposta em face do Estado, não sendo admitido o litisconsórcio passivo facultativo. Denunciação da Lide Também há duas correntes sobre o tema. Maria Sylvia Di Pietro, Diógenes Gasparini e Yussef Said Cahali sustentam ser obrigatória a denunciação da lide do agente pelo Estado por força do disposto no art. 70, III, do CPC. A r t. 7 0, I I I ( C P C ). A d e n u n c i a ç ã o d a l i d e é o b r i g a t ó r i a :... III à q u e l e q u e e s t i v e r o b r i g a d o, p e l a l e i o u p e l o c o n t r a t o, a i n d e n i z a r, e m a ç ã o r e g r e s s i v a, o p r e j u í z o d o q u e p e r d e r a d e m a n d a. 11

12 Celso Antônio Bandeira de Mello, Lucia Valle Figueiredo e José dos Santos Carvalho Filho defendem que não pode ser admitida a denunciação da lide do agente pelo Estado, sendo inaplicável o artigo 70, III, do CPC porque não deve haver uma confusão de títulos da responsabilidade civil (objetiva e subjetiva). No TJRJ é pacífico de que não cabe a denunciação da lide do agente pelo Estado nas ações de ressarcimento e reparação. Há, ainda, um grupo de autores que entendem que a hipótese não é de denunciação da lide e sim chamamento do terceiro ao processo (Alexandre Câmara), havendo solidariedade entre o agente e o Estado. Prescrição O prazo de prescrição depende do caso. Se o responsável for pessoa jurídica de direito público (União, Estados, Municípios e autarquias), o prazo é de 05 anos, com base no art. 178, VI, do Código Civil em Vigor e no Dec /32. Se o responsável for pessoa jurídica de direito privado prestadora de serviço público (empresas públicas, sociedades de economia mista, delegatárias), a prescrição é vintenária 20 anos art. 177 do Código Civil em Vigor. REGIMES ESPECÍFICOS DE RESPONSABILIDADE CIVIL Responsabilidade Civil do Estado por Atos Administrativos Na hipótese em que a responsabilidade do Estado decorre de ato administrativo, há três hipóteses fáticas que são específicas, tendo regime próprio: (i) responsabilidade tarifada; 12

13 (ii) responsabilidade em decorrência de obra pública; (iii) responsabilidade pela guarda de coisas e pessoas. Responsabilidade Tarifada A responsabilidade tarifada ocorre sempre quando há disposição legal que limita o ressarcimento ou reparação em caso de sinistro, sendo inerente às atividades perigosas. Algumas leis limitam o montante de ressarcimento ou reparação para as atividades perigosas como, por exemplo, a energia nuclear (art.9º da lei 6453/77) e navegação área (Convenção de Varsóvia). No que tange a eventuais desastres atômicos energia nuclear o artigo 9º da Lei 6453/77 dispõe que danos decorrentes de acidentes nucleares só podem ser ressarcidos até um determinado valor, sendo caso, portanto, de responsabilidade tarifada. O único autor que trata dessa matéria Paulo Afonso L. Machado afirma - que esse artigo não foi recepcionado pelo art. 37, 6º, da CR 88 que, de forma alguma, estabelece limites à responsabilidade do Estado. A segunda hipótese de responsabilidade tarifada no Brasil diz respeito à navegação aérea. O Brasil ratificou a Convenção de Varsóvia que limita a responsabilidade civil em determinados casos, especialmente no que se refere ao extravio de bagagem. Atualmente, há três correntes sobre o tema. Há uma primeira corrente que defende que a limitação ainda existe, pois só poderia ser afastada se o Brasil tivesse denunciado, formalmente, a Convenção. Uma segunda corrente defende que a limitação foi revogada pelo artigo 6º, VI, do CDC, que afirma que, em nenhuma hipótese, os danos ao consumidor podem ser limitados. Por fim, uma terceira corrente, que é a corrente seguida pelo STJ, defende que a limitação é aplicada aos danos materiais, sendo ilimitada a reparação dos danos morais. Contudo, tanto o STJ 13

14 quanto o TJRJ admitem que, em casos extremos, o ressarcimento dos danos patrimoniais não seja limitado. Responsabilidade Decorrente de Obra Pública Segundo Cretella Jr., deve-se distinguir o dano oriundo da obra pública do dano decorrente de culpa do empreiteiro. Na hipótese de dano oriundo da obra, o dano decorre da simples existência da obra pública. A existência da obra causa o dano, independentemente de ser ela regular ou não (ex. obra que prejudica o comércio tapumes fechando a entrada da loja). Quando for essa a situação, a responsabilidade do Estado é direta, devendo a ação ser proposta somente em face do Estado. Quanto o dano decorrer de culpa do empreiteiro, ele, na realidade, está vinculado a uma irregularidade na execução da obra e não da simples existência dela. Nesse caso, a responsabilidade do Estado é subsidiária, somente respondendo se constatada a insolvência do empreiteiro. A ação deve ser proposta em face do empreiteiro, tão somente 5. Responsabilidade por Guarda de Pessoas e Coisas Perigosas A responsabilidade do Estado, nesse caso, deve ser verificada na medida da situação de risco por ele criada. O Estado responde na medida da situação de risco por ele criada. Um detento preso em Bangu foge da prisão e rouba uma casa - a causa do dano não foi a fuga do bandido, mas sim o roubo, entretanto, deve ser verificado se o Estado conferiu uma condição para que tal fato ocorresse. É por conta disso que o Estado só responde na medida do risco por ele criado, ou seja, se no processo houver prova de que o Estado deu condição para a ocorrência do dano, ele será responsabilizado. 5 Sergio Cavalieri não concorda com essa tese, afirmando não haver motivos e nem fundamento jurídico para essa distinção. Segundo ele, se a obra é do Estado e sempre deriva de um ato administrativo de quem ordena a sua execução, não faz sentido deixar de responsabiliza-lo simplesmente porque a mesma está sendo executada por um particular.... Tenha-se em vista que o executor da obra é um agente do Estado e, 14

15 Contudo, se não houver qualquer liame entre o dano verificado e a situação de risco criada pelo Estado, este não será responsabilizado. Ex. se o bandido fugiu do presídio há dez dias atrás e roubou uma residência ontem, não há qualquer ligação entre a fuga e o dano, daí porque o Estado não será responsabilizado. O Estado responderá se, logo após a fuga, o bandido vier a causar um dano a terceiro. Responsabilidade Civil do Estado por Ato Jurisdicional Os dispositivos legais pertinentes são o art. 5º, LXXV, da CR 88 e o art. 630 do CPP. O Estado só responde por danos causados por ato jurisdicional se os danos decorrerem de: (i) erro judiciário e; (ii) prisão por tempo superior ao fixado em sentença penal condenatória. O Estado não responde por atos jurisdicionais, salvo somente nessas duas hipóteses. Erro Judiciário É o erro manifesto, crasso. Não se trata de uma aferição equivocada da prova, o erro deve ser manifesto, evidente (ex. prender a pessoa errada). Há uma parcela da doutrina que entende que a responsabilidade civil do Estado por erro judiciário é restrita à esfera penal. Contudo, tal posição não é a que prevalece, pois a CR 88 não restringe a responsabilidade somente para essa hipótese. Prisão por tempo superior ao fixado na sentença condenatória como tal, a Administração responde pelo dano que ele vier a causar, admitindo-se a responsabilidade solidária do executor da obra no caso de ter agido com culpa, o que, sem dúvida, torna a posição da vítima mais garantida (Programa de Responsabilidade Civil pág. 174/175). 15

16 Um dia de prisão a mais já dá ensejo à responsabilização do Estado. No que tange à prisão provisória, há uma posição minoritária da doutrina (Celso Antônio Bandeira de Mello) que entende que o Estado pode ser responsabilizado se o preso vier a ser absolvido. Mas o TJRJ não adota esse entendimento. NOTA IMPORTANTE: O fato de o Estado não responder por danos causados por atos jurisdicionais que não decorram de erro judiciário ou prisão por tempo superior não impede que haja a responsabilização pessoal da autoridade judiciária art. 130 do CPC se comprovado o dolo ou a culpa gravíssima deste. Responsabilidade Civil do Estado por Atos Legislativos O Estado responde em duas hipóteses: (i) por regras abstratas e genéricas desde que inconstitucionais; (ii) por regras individuais e concretas, ainda que constitucionais. Ex. Decreto expropriatório. O Estado responde por esse fato porque a regra jurídica é individual e concreta caso tenha causado danos a terceiros. Lei inconstitucional que cause danos a terceiros. O Estado também responde nessa hipótese. NOTA IMPORTANTE: Uma coisa é a responsabilidade civil por norma jurídica inconstitucional. Outra coisa é responsabilidade civil por ato praticado com fundamento em norma jurídica inconstitucional. No primeiro caso, a hipótese é de responsabilidade por ato legislativo, enquanto no segundo a responsabilidade decorre de ato administrativo. Se a norma por si só causou o dano, a responsabilidade é por ato 16

17 legislativo. Se o dano for causado por conta de um ato praticado com base na norma, a hipótese será de responsabilidade por ato administrativo. 17

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Introdução. - O Estado é o sujeito responsável. - Na responsabilidade civil do Estado os princípios próprios são mais rigorosos (atuação Estatal é uma imposição, devendo o Estado ser responsabilizado de

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Administrativo Prof. Flávia Cristina Data: 07/10/2009 Aula nº. 04 INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE 1. Modalidades a) Requisição b) Servidão c) Ocupação Temporária

Leia mais

Excludentes de Responsabilidade Civil e sua aplicação no fornecimento de energia elétrica.

Excludentes de Responsabilidade Civil e sua aplicação no fornecimento de energia elétrica. Excludentes de Responsabilidade Civil e sua aplicação no fornecimento de energia elétrica. Art. 14, parágrafo 3º, II do Código de Defesa do Consumidor e art. 5º da Resolução ANEEL nº 61. Responsabilidade

Leia mais

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa).

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Pressupostos da responsabilidade civil subjetiva: 1) Ato ilícito; 2) Culpa; 3) Nexo causal; 4) Dano. Como já analisado, ato ilícito é a conduta voluntária

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Curso Online Intensivo OAB/FGV - V Exame Unificado Direito Administrativo Aula 7 Professora Giovana Garcia RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO CONTRATUAL: quando decorrente de avença contratual; EXTRACONTRATUAL:

Leia mais

l www.editorajuspodivm.com.br

l www.editorajuspodivm.com.br Felipe Peixoto Braga Netto 151 lil EDITORA, juspodivm l www.editorajuspodivm.com.br STF00094947 SUMÁRIO NOTA PRÉVIA......... 11 PREFÁCIO............. 13 APRESENTAÇÃO...................... 15 CAPÍTULO I................................

Leia mais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE Ministério Público do Estado de Minas Gerais Fechamento de barragens Aspectos institucionais; Fechamento de mina X fechamento de barragem. Teoria da responsabilidade

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO PERIGO AVIÁRIO

RESPONSABILIDADE CIVIL NO PERIGO AVIÁRIO RESPONSABILIDADE CIVIL NO PERIGO AVIÁRIO OBJETIVO Conhecer a Responsabilidade Civil do Operador e do Estado em eventos decorrentes do Perigo Aviário. ROTEIRO RESPONSABILIDADE CIVIL NO PERIGO AVIÁRIO 1.

Leia mais

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito.

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito. DOS FATOS JURÍDICOS CICLO VITAL: O direito nasce, desenvolve-se e extingue-se. Essas fases ou os chamados momentos decorrem de fatos, denominados de fatos jurídicos, exatamente por produzirem efeitos jurídicos.

Leia mais

AÇÕES REGRESSIVAS INSS

AÇÕES REGRESSIVAS INSS AÇÕES REGRESSIVAS INSS Salim Jorge Curiati São Paulo, 28 de outubro de 2008 Com fundamento no quanto disposto nos artigos 120 e 121 da 8.213/91 (Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social

Leia mais

Responsabilidade Civil do Estado

Responsabilidade Civil do Estado material de apoio Responsabilidade Civil do Estado Todos os direitos reservados à Governet Editora Ltda., www.governet.com.br Uso exclusivo do assinante. É proibida a reprodução total ou parcial, de qualquer

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Civil II Departamento II: Direito Privado Docente Responsável: Prof. Dr. Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º Ano Objetivos:

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 08 18 14 18 14 08 Aulas de

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 08 18 14 18 14 08 Aulas de Identificação Plano de Ensino Curso: Direito Disciplina: Responsabilidade Civil Ano/semestre: 2012-1 Carga horária: Total: 80 horas Semanal: 4 horas Professor: Renzo Gama Soares Período/turno: Matutino

Leia mais

PROVA ORAL PONTO II DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1

PROVA ORAL PONTO II DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1 DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1 Discorra sobre a utilização da usucapião como instrumento de defesa em ações petitórias e possessórias. DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 2 Considere que um indivíduo,

Leia mais

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13. Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019/2014 Sanções administrativas LUIS EDUARDO PATRONE REGULES Advogado.

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO 3ᴼ Ano Turmas A e B Prof. Ms: Vânia Cristina Teixeira CORREÇÃO PROVA 3ᴼ BIM Examine as proposições abaixo, concernentes à desapropriação, e assinale a alternativa correta: I. Sujeito

Leia mais

GOUVÊA FRANCO ADVOGADOS

GOUVÊA FRANCO ADVOGADOS O DIREITO DE REGRESSO DO INSS: ACIDENTES DE TRABALHO E A LEI Nº 8.213/91 Introdução: Recentemente, por todo o Brasil, constata-se na Justiça Federal o crescente aumento de ações regressivas propostas pelo

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

Professor Gustavo Fregapani

Professor Gustavo Fregapani Professor Gustavo Fregapani E-mail: gustavofregapani@gmail.com Página de dicas no Facebook: https://www.facebook.com/gustavofregapani Curta a página e receba novidades, informações e dicas para concursos

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2014.1

PLANO DE ENSINO 2014.1 FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA CENTRO DE CIENCIAS JURIDICAS PLANO DE ENSINO 2014.1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Disciplina/Módulo: Responsabilidade Civil Código/Turma: J774-81 Pré-requisito:J557

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO JURISPRUDÊNCIA CIVIL. Ação Regressiva-Jurisprudência do STJ-Especial

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO JURISPRUDÊNCIA CIVIL. Ação Regressiva-Jurisprudência do STJ-Especial VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO JURISPRUDÊNCIA CIVIL Ação Regressiva-Jurisprudência do STJ-Especial Orientador Empresarial A JURISPRUDÊNCIA DO STJ SOBRE AÇÃO REGRESSIVA

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

IRRESPONSABILIDADE DO ESTADO

IRRESPONSABILIDADE DO ESTADO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO DIREITO ADMINISTRATIVO Fernanda Marinela + Matheus Carvalho + Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo + Questões de Concurso (QC) CONCEITO - A responsabilidade civil do Estado

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

Aula 10 Noções de Direito Administrativo p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com videoaulas

Aula 10 Noções de Direito Administrativo p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com videoaulas Aula 10 Noções de Direito Administrativo p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com videoaulas Professor: Daniel Mesquita AULA 10: Responsabilidade Civil do Estado SUMÁRIO 1) INTRODUÇÃO À AULA 10 2 2) DISCIPLINA

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE II ANAIS DO CURSO DE EXTENSÃO EM TEORIA DO DIREITO: A Tríplice perspectiva do Direito e a relação teórica, prática e ética. Cáceres: Unemat Editora, Vol.1. n. 01 (2013). ISSN 2317-3478 ASPECTOS IMPORTANTES

Leia mais

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2.

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2. LEI N.º67/2007 Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas Artigo 1.º Aprovação É aprovado o Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais

Leia mais

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc)

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc) Artigo 186, do Código Civil: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. CONTRATUAL

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

Direito Administrativo Aulão_Responsabilidade Civil João Lasmar

Direito Administrativo Aulão_Responsabilidade Civil João Lasmar 1) A responsabilidade civil de um servidor público e a de um empregado de empresa privada concessionária de serviço público, ambos atuando no exercício de suas funções, por danos causados a um terceiro,

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito Curso de Direito Diurno

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito Curso de Direito Diurno UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito Curso de Direito Diurno PLANO DE ENSINO 1) Identificação Disciplina Direito Administrativo II Código JUR

Leia mais

TEORIAS DE RESPONSABILIDADE ESTATAL

TEORIAS DE RESPONSABILIDADE ESTATAL 1 TEORIAS DE RESPONSABILIDADE ESTATAL Thiago Dagostin Pereira 1 Área de Conhecimento: Direito Eixo Temático: Ciência do Direito, Teorias jurídicas e a relação do Direito com ciências afins RESUMO Grande

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02 60 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Leia mais

OS LIMITES DO PODER DISCRICIONÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

OS LIMITES DO PODER DISCRICIONÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA OS LIMITES DO PODER DISCRICIONÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A Administração Pública, no exercício de suas funções, dispõe de poderes que visam garantir a prevalência do interesse público sobre o particular.

Leia mais

Responsabilidade Civil do Estado. 1. Histórico

Responsabilidade Civil do Estado. 1. Histórico Responsabilidade Civil do Estado 1. Histórico a) Teoria da Irresponsabilidade do Estado - A primeira fase era da irresponsabilidade. O Estado não respondia por seus atos, era sujeito irresponsável. O monarca

Leia mais

Sumário. Nota introdutória, xv

Sumário. Nota introdutória, xv Nota introdutória, xv 1 Princípios constitucionais da administração pública, 1 1.1 Conteúdo do capítulo, 1 1.2 Princípios e regras, 2 1.3 Princípi~ constitucionais, 4 IA Princípios expressos, 7 104.1 Legalidade

Leia mais

Sumário. Agradecimentos... 11 Coleção sinopses para concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Nota dos autores à 3ª edição...

Sumário. Agradecimentos... 11 Coleção sinopses para concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Nota dos autores à 3ª edição... Sumário Agradecimentos... 11 Coleção sinopses para concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Nota dos autores à 3ª edição... 17 Capítulo I OPÇÃO METODOLÓGICA... 19 Parte I DIREITO DAS OBRIGAÇÕES

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

PARECER N, DE 2009. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO

PARECER N, DE 2009. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO PARECER N, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o PLS n 260, de 2003, de autoria do Senador Arthur Virgílio, que altera art. 13 da Lei nº 8.620, de 5

Leia mais

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURIDICO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS, LEGALIDADE, CARONA, ADESÃO, VIGÊNCIA, VALIDADE, CONSEQUENCIAS JURÍDICAS. RELATÓRIO Trata-se o expediente os seguintes

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-52 PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VII NOME DO CURSO: DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-52 PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VII NOME DO CURSO: DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-52 PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VII NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Responsabilidade

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

ESPECÍFICOS * Estudar a teoria geral da responsabilidade civil e das relações de consumo perante o ordenamento jurídico brasileiro;

ESPECÍFICOS * Estudar a teoria geral da responsabilidade civil e das relações de consumo perante o ordenamento jurídico brasileiro; 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VII NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Responsabilidade Civil. Introdução.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR O DANO MORAL

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR O DANO MORAL Profa. Dra. Débora Vanessa Caús Brandão Doutora e Mestre em Direito Civil pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Professora Titular de Direito Civil da Faculdade de Direito de São Bernardo

Leia mais

O EXERCÍCIO OBRIGATÓRIO DO DIREITO DE REGRESSO

O EXERCÍCIO OBRIGATÓRIO DO DIREITO DE REGRESSO Novos Temas da Responsabilidade Civil Extracontratual das Entidades Públicas O EXERCÍCIO OBRIGATÓRIO DO DIREITO DE REGRESSO Instituto de Ciências Jurídico-Políticas Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATU SENSO EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA COMPOR O PROGRAMA DE EFICIÊNCIA

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Ética e Legislação Profissional Assunto: Responsabilidades do Profissional Prof. Ederaldo

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL EXTRACONTRATUAL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL EXTRACONTRATUAL DO ESTADO RESPONSABILIDADE CIVIL EXTRACONTRATUAL DO ESTADO PROF. ELYESLEY SILVA www.econcursos.net www.elyesleysilva.com.br professor@elyesleysilva.com.br Material atualizado até 13/05/2010 Elyesley Silva, brasiliense,

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

REVISÃO EM EXERCÍCIOS. Então, nobres alunos e alunas! Hoje finalizamos nosso curso, com a revisão de todas as questões vistas nas aulas.

REVISÃO EM EXERCÍCIOS. Então, nobres alunos e alunas! Hoje finalizamos nosso curso, com a revisão de todas as questões vistas nas aulas. REVISÃO EM EXERCÍCIOS Então, nobres alunos e alunas! Hoje finalizamos nosso curso, com a revisão de todas as questões vistas nas aulas. Desde já, desejo uma excelente prova a todos! Sucesso na caminhada

Leia mais

2. EVOLUÇÃO LEGAL E DOUTRINÁRIA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL DE 1916

2. EVOLUÇÃO LEGAL E DOUTRINÁRIA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL DE 1916 UMA VISÃO LÓGICO-SISTEMÁTICA DA RESPONSABILIDADE CIVIL EXTRACONTRATUAL DO ESTADO da Bahia. Fabiana Maria Farias dos Santos- subtabeliã de notas do Estado SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Evolução doutrinária

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO POR CONDUTA OMISSIVA

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO POR CONDUTA OMISSIVA 1 FACULDADE PADRÃO CURSO DE DIREITO JOÃO CARLOS MAIA BARBOSA RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO POR CONDUTA OMISSIVA GOIÂNIA GO 2015 2 JOÃO CARLOS MAIA BARBOSA RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO POR CONDUTA

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL O ordenamento jurídico pátrio, em matéria ambiental, adota a teoria da responsabilidade civil objetiva, prevista tanto no art. 14, parágrafo 1º da Lei 6.938/81

Leia mais

FADI - SOROCABA DIREITO CIVIL III CONTRATOS PRIMEIRO SEMESTRE

FADI - SOROCABA DIREITO CIVIL III CONTRATOS PRIMEIRO SEMESTRE FADI - SOROCABA DIREITO CIVIL III CONTRATOS PRIMEIRO SEMESTRE 18/05/12 A-) GESTÃO DE NEGÓCIOS: - Noção: é a intervenção não autorizada de uma pessoa, denominada gestor, na condução dos negócios de outra,

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

AULA 07. CONTEÚDO DA AULA: Abuso de Direito Final. Art. 927, Parágrafo único. Art. 931. Responsabilidade pelo fato de terceiro 932 até Inciso III.

AULA 07. CONTEÚDO DA AULA: Abuso de Direito Final. Art. 927, Parágrafo único. Art. 931. Responsabilidade pelo fato de terceiro 932 até Inciso III. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 07 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 07 CONTEÚDO DA AULA: Abuso de Direito Final. Art. 927, Parágrafo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O terceiro no contrato de seguro de responsabilidade civil: a ação direta em face da seguradora Frederico Eduardo Zenedin Glitz* A definição de seguro de responsabilidade civil gira

Leia mais

EMENDA AO PROJETO DE QUALIDADE/AGILIDADE DO CONTROLE EXTERNO

EMENDA AO PROJETO DE QUALIDADE/AGILIDADE DO CONTROLE EXTERNO EMENDA AO PROJETO DE QUALIDADE/AGILIDADE DO CONTROLE EXTERNO Referência - Of. Circular nº 21-SSA/2014/ATRICON, de 16/06/2014 - Of. nº 325-SSA/2014/ATRICON, de 02/07/2014 Em atenção aos oficios em referência,

Leia mais

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas 01. ( FUNIVESA/SEPLAG/AFC 2009) Assinale a alternativa correta acerca da organização administrativa brasileira. ( A ) Toda a sociedade em que

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

Aula 3 ato ilícito. San Tiago Dantas: principal objetivo da ordem jurídica? É proteger o lícito e reprimir o ilícito.

Aula 3 ato ilícito. San Tiago Dantas: principal objetivo da ordem jurídica? É proteger o lícito e reprimir o ilícito. Aula 3 ato ilícito. San Tiago Dantas: principal objetivo da ordem jurídica? É proteger o lícito e reprimir o ilícito. Ordem jurídica: estabelece deveres positivos (dar ou fazer alguma coisa) e negativos

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Fato gerador do ISS. Kiyoshi Harada*

Fato gerador do ISS. Kiyoshi Harada* Fato gerador do ISS Kiyoshi Harada* Este é um tema aparentemente pacífico, mas na prática vem causando muitas dúvidas. senão confusões. Façamos considerações pertinentes para melhor explicitar o aspecto

Leia mais

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Professor Thiago Gomes 1. NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... 2. CONTEXTUALIZAÇÃO O QUE VEM NA MENTE QUANDO OUVIMOS A PALAVRA CONTRATOS ADMINISTRATIVOS? 1. CONCEITO - CONTRATOS

Leia mais

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS 1. Quanto à fonte: a) Alimentos legais: fixados pela lei, fundamentados no direito de família, decorrentes do casamento, ou união estável ou da relação de parentesco

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Material de apoio para estudo: slides trabalhados em sala de aula com acréscimo de

Leia mais

O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO. Adriana Calvo

O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO. Adriana Calvo O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO Adriana Calvo Professora de Direito do Trabalho do Curso Preparatório para carreiras públicas

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO

DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO Para conceituar o Direito Administrativo, deve-se partir do significado e da classificação do próprio Direito. Segundo Hely Lopes Meirelles, Direito é o conjunto de regras

Leia mais

Prof. Adilson Crepaldi

Prof. Adilson Crepaldi Aula nº 2 RESPONSABILIDADE CIVIL Prof. Adilson Crepaldi CONCEITO DE RESPONSABILIDADE: É a obrigação que pode incumbir uma pessoa a reparar o prejuízo causado à outra, por fato próprio, ou por fato de pessoas

Leia mais

1) Pressupostos da responsabilidade civil: Conduta: ação ou omissão, própria ou alheia. Responsabilidade in vigilando e in eligendo.

1) Pressupostos da responsabilidade civil: Conduta: ação ou omissão, própria ou alheia. Responsabilidade in vigilando e in eligendo. 1 PONTO 1: Pressupostos da responsabilidade civil 1) Pressupostos da responsabilidade civil: Conduta: ação ou omissão, própria ou alheia. Responsabilidade in vigilando e in eligendo. Dano: material, moral

Leia mais

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta)

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) ROJETO DE LEI Nº, de 2015 (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) Dispõe sobre segurança, danos materiais, furtos e indenizações, correspondentes a veículos nos estacionamento de estabelecimentos comerciais, shoppings

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

Dano Moral no Direito do Consumidor. HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m

Dano Moral no Direito do Consumidor. HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m Dano Moral no Direito do Consumidor HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m RELAÇÃO JURÍDICA DE CONSUMO Consumidor padrão ou standard : art. 2º, caput Consumidor por equiparação: arts. 2º, parágrafo

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR

RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR Flávio Tartuce Doutor em Direito Civil e graduado pela Faculdade de Direito da USP. Mestre em Direito Civil Comparado pela PUC/SP. Professor do programa de mestrado

Leia mais

Controle Social e Controle do Estado

Controle Social e Controle do Estado Controle Social e Controle do Estado A regulação do Estado surge quando se torna insuficiente a regulação social Regulação do Estado: - Normas Administrativas - Normas Legais Normas Administrativas Normas

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais