Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.estrategiaconcursos.com.br"

Transcrição

1 PORTUGUÊS Leia o texto a seguir e responda às questões de 1 a 5. SATÉLITE Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do velho segredo de melancolia, Não é agora o golfão de cismas, O astro dos loucos e dos enamorados. Mas tão-somente Satélite. Ah Lua deste fim de tarde, Demissionária de atribuições românticas, Sem show para as disponibilidades sentimentais! Fatigado de mais-valia, Gosto de ti assim: Coisa em si, - Satélite. 1. Nesse texto, o poeta: (Manuel Bandeira) restringe-se a uma descrição rigorosa de um fim de tarde. lamenta a morte das noites de sua juventude, pois já não pode contemplar a lua. reduz a lua a um golfão de cismas. manifesta o seu afeto à lua, independentemente de significações sentimentais que outros atribuíram a ela. narra com muitos detalhes o acontecimento de um fim de tarde. 2. Que palavras indicam que o poeta não está vendo a lua como o astro dos loucos e enamorados. I. fatigado / satélite II. melancolia III. desmetaforizada IV. despojada V. disponibilidades sentimentais São corretas: I e III III, IV e V III e IV I, II e III III e V 3. No contexto do poema, as palavras plúmbeo e baça devem ser entendidas, respectivamente, como: cinzento e fosca. lustroso e brilhante molesto e brilhante opaco e baixa. emplumado e embaçada. 4. Qual das alternativas extraídas do texto pode ser substituída por exclusivamente, mantendo-se a máxima fidelidade ao sentido do poema. cosmograficamente. agora. tão-somente. sem show. assim. 5. De acordo com a ortografia oficial, somente uma alternativa está correta. Assinale-a. xampu - excesso - crânio previlégio - coriza - insensatez cochixo - largatixa - pechincha relachar - impecilho - autópsia salsicha - chouriço - excessão 6. Assinale alternativa que completa corretamente as lacunas. uma semana atrás, poesias de Bandeira, uma uma, eram enviadas gráfica. Há, às, a, a. A, as, à, a. A, às, à, à. Há, as, a, à. Há, a, à, a. 7. Todas as frases estão corretas quanto à colocação dos pronomes oblíquos átonos, exceto em: Em se tratando de caso urgente, nada o retinha em casa. Ninguém tratou-me mal durante o evento. Se eu pudesse dizer-lhe a verdade, tudo se resolveria. No portão de entrada da cidade lia-se, em letras garrafais, numa placa de bronze: Estranhos, afastem-se! Logo que me formar, colocar-me-ei à disposição da empresa. Analista de Informática (ênfase Redes) 2

2 8. Indique a alternativa em que a regência verbal esteja de acordo com a norma culta. Somos em vinte nesta sala. Ele passou mal, porque aspirou profundamente ao perfume das flores. Ele não obedece os mais velhos. Todos assistiram ao treino. Prefiro filmes do que novelas. 9. Todas as concordâncias nominais estão corretas, exceto em: Estou quite com os meus compromissos. As fotocópias seguirão anexo à carta. Ela disse ao professor: muito obrigada. A irmã de Marcos estava meio preocupada. As moças usavam blusas verde-claras. 10. Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal. Houveram sérios compromissos durante o seminário. Fazia vários dias que o deputado faltava às reuniões. Podem haver cálculos incorretos na planilha. Existe muitas pessoas preocupadas com as causas sociais. Promove-se festas beneficentes no meu clube. RACIOCÍNIO LÓGICO 11. Um agente de viagens atende três amigas. Uma delas é loura, outra é morena e a outra é ruiva. O agente sabe que uma delas se chama Bete, outra se chama Elza e a outra se chama Sara. Sabe, ainda, que cada uma delas fará uma viagem a um país diferente da Europa: uma delas irá à Alemanha, outra irá à França e a outra irá à Espanha. Ao agente de viagens, que queria identificar o nome e o destino de cada uma, elas deram as seguintes informações: A loura: "Não vou à França nem à Espanha". A morena: "Meu nome não é Elza nem Sara". A ruiva: "Nem eu nem Elza vamos à França". O agente de viagens concluiu, então, acertadamente, que: 12. As rosas são mais baratas que os lírios. Não tenho dinheiro suficiente para comprar duas dúzias de rosas. Logo: tenho dinheiro suficiente para comprar uma dúzia de rosas. não tenho dinheiro suficiente para comprar uma dúzia de rosas. não tenho dinheiro suficiente para comprar meia dúzia de lírios. não tenho dinheiro suficiente para comprar duas dúzias de lírios. tenho dinheiro suficiente para comprar uma dúzia de lírios. 13. Dada a série: Encontre os dois termos que seguem o número e e e e e Num lote de 150 casacos há 3 casacos brancos a menos que vermelhos, mas 5 brancos a mais que verdes. Se o lote todo for composto de casacos vermelhos, brancos e verdes, quantos casacos vermelhos há? Preencha a lacuna adequadamente. Quarto (6) Casa (4) Computador (10) Fogão ( ) A loura é Sara e vai à Espanha. A ruiva é Sara e vai à França. A ruiva é Bete e vai à Espanha. A morena é Bete e vai à Espanha. A loura é Elza e vai à Alemanha Analista de Informática (ênfase Redes) 3

3 16. Em um almoço de confraternização há 15 participantes. Podemos afirmar que: Pelo menos dois participantes nasceram no mesmo mês. 50% dos participantes nasceram no mesmo mês. No máximo, três participantes nasceram no mesmo mês. Pelo menos dois participantes nasceram no mesmo ano. 50% dos participantes nasceram no mesmo ano. 17. Se 7 homens em 100 são criminosos, quantos em 500 não são criminosos? Observe a sentença: Todo técnico de informática entende de computador. Algumas pessoas que estudam em uma faculdade não entendem de computador. A partir da sentença é correto concluir que: As pessoas que não estudam em uma faculdade entendem de computador. Alguns técnicos de informática que estudam em uma faculdade não entendem de computador. Nenhum técnico de informática estuda em alguma faculdade. Todos os técnicos de informática estudam em alguma faculdade. Todos os técnicos de informática que estudam em uma faculdade entendem de computador. 19. Marta corre tanto quanto Rita e menos do que Juliana. Fátima corre tanto quanto Juliana. Logo: Fátima corre menos do que Rita. Fátima corre mais do que Marta. Juliana corre menos do que Rita. Marta corre mais do que Juliana. Juliana corre menos do que Marta. 20. Jurandir, Kátia, Karina e Márcio são programadores. Eles trabalham com a linguagem JAVA, Visual Basic, C e Pascal. Jurandir diz: Eu programa em Pascal e Márcio em linguagem C. Márcio diz: Karina programa em Visual Basic e Kátia em linguagem C. Karina diz: Márcio programa em linguagem C e Kátia em JAVA. Sabendo que apenas uma pessoa mente, podemos afirmar que: Jurandir programa em Pascal e Kátia em Visual Basic. Karina programa em Visual Basic e Márcio em JAVA. Márcio programa em linguagem C e Kátia em Java. Jurandir programa em JAVA e Márcio em linguagem C. Karina programa em linguagem C e Kátia em Pascal. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 21. A camada 3 do modelo de referência OSI corresponde à: Camada de processamento de dados. Camada de apresentação dos pacotes. Camada de rede. Camada fishbone. Camada de enlace. 22. O BGP é um protocolo de roteamento externo que proporciona: a distribuição de carga e o acionamento automático de contingência de links Internet com ISPs diferentes. a distribuição de carga entre links pertencentes a uma mesma rede MAN. redundância de equipamentos de rede, notadamente roteadores. balanceamento de carga em estrutura de rede LAN. redirecionamento de tráfego em caso de queda nos links de comunicação em redes WAN com endereçamento IP inválido na Internet. Analista de Informática (ênfase Redes) 4

4 23. Em uma rede de computadores os dados podem ser transferidos em direções distintas. Considerando-se as comunicações abaixo: I) half-duplex; II) simplex; III) full-duplex. É correto afirmar que: no caso I, os dados podem ser transmitidos em ambas as direções simultaneamente. no caso II, os dados podem ser transmitidos em ambos os sentidos e em qualquer direção simultaneamente. nos casos I e II, os dados são transmitidos em apenas uma direção. nos casos I e III, os dados são transmitidos em ambas as direções, mas não simultaneamente. no caso I, os dados podem ser transferidos em ambas as direções, mas não simultaneamente. 24. Dentre as opções de cabeamento estruturado listadas a seguir, quais refletem a utilização das tecnologias Ethernet, Fast-Ethernet e Gigabit Ethernet? Coaxial, RJ-45 e par-trançado. Coaxial, UTP e par-trançado. Par-trançado e fibra ótica. BNC, fibra ótica, yellow-cable e RJ-45. RJ-45, BNC e fibra ótica. 25. O conector RJ-45 pode se utilizado em que tipo de cabo de rede? Par trançado. Coaxial. BNC. Yellow Cable. Fibra ótica. 26. Quanto ao sistema Linux, o que é correto afirmar? Foi desenvolvido pela BSD (Berkeley Software Distribution). É um sistema proprietário da IBM, sendo atualmente desenvolvido para o ambiente Mainframe. Foi desenvovido com a filosofia Open Source, mas atualmente os custos de licenciamento estão equiparados aos da Microsoft. É uma implementação do Unix para plataforma Intel, pode coexistir em uma mesma máquina com sistemas já existentes como o Windows e é muito útil para desenvolver aplicações em Unix por seu baixo custo e facilidade de implementação. Por ser um sistema de código aberto abre muitas vulnerabilidades para os ataques da Internet. 27. Um plano de continuidade de negócios deve compreender, dentre outros aspectos, o seguinte: O detalhamento operacional de como reinstalar os aplicativos e promover o restore do backup. O desenvolvimento de scripts que verifiquem periodicamente a disponibilidade dos sistemas monitorados e quando for detectada uma interrupção, notificar imediatamente o administrador do sistema comprometido. Configuração, através do crontab do Unix e do AT do Windows, de comandos que repliquem as bases de dados do site principal no site de contingência. Estratégias de convencimento de que as soluções de alta-disponibilidade são mais eficazes dos que as de balanceamento de carga. Como lidar com uma interrupção nos sistemas de negócio e quem deverá ser acionado antes de se executar o plano específico para esta interrupção. 28. O modelo TCP/IP se comparado ao modelo OSI não possui quais camadas? A) 5 e 6. 1, 2 e 3. 4 e 7. 1 e 2. 3 e O OSPF é um protocolo de: roteamento estático interno. roteamento dinâmico interno. roteamento dinâmico externo. roteamento estático externo. roteamento escalar interno e externo. 30. O backplane é um aspecto muito observado na especificação de que tipo de dispositivo de rede? Hubs. Switches. Roteadores. Firewalls. Servidores. 31. As portas GBIC (Gigabit Interface Converter) podem ser utilizadas com o seguinte propósito: Diagnóstico de problemas na definição de VLANs. São interfaces administrativas que podem ser acessadas para a configuração do dispositivo. Converter protocolos TCP/IP em IPX/SPX. Alocar mais poder de processamento do switch quando conectado a servidores. Conectar switches de camada 2 a switches de core (uplink). Analista de Informática (ênfase Redes) 5

5 32. Existem dois tipos de cabeamento CAT5 UTP, sendo correto afirmar que: o tipo normal cobre distâncias maiores que o cross over. o coaxial é imune a ruídos devido à sua blindagem e o UTP não possui esta característica. o cabeamento normal e o cross over são idênticos; o cross over pode ser utilizado para a ligação de dispotivos de rede. o cross over possui impedância maior que o tipo normal. o conector utilizado no tipo normal é o RJ-45 e no tipo cross over é o BNC. 33. Quanto aos tipos de log gerados pelos Sistemas Windows NT e 2000 é correto afirmar que: é gravado em um formato centralizado contendo informações sobre o sistema, aplicativos, segurança e backup. ficam armazenados no diretório c:/logs e são do tipo texto no padrão syslog. podem exportados para ferramentas de centralização de logs pois a chave criptográfica é pública. Possui um tipo de log denominado de sistema. São gravados três tipos de logs, sendo eles: de sistema, de segurança e de aplicativo. 34. Um dos pilares da Segurança da Informação é a disponibilidade das informações. Este mesmo item é regido também pelos acordos de nível de serviço (SLA da sigla em Inglês). Tendo em vista esta abordagem é correto afirmar que: um plano de continuidade de negócios é idêntico ao SLA. ao executar um processo de contingência o SLA deverá ser o primeiro item a ser considerado para efeito de restabelecimento da realização de negócios. a utilização de disk arrays e a replicação de servidores em sites alternativos são exemplos de soluções que atendem parcialmente processos de contingência. o SLA, bem como o SLM (Service Level Management), deverão sempre que possível ser analisados e executados pelo responsável dos processos de contingência. um processo de contingência está restrito ao escopo do SLM. 35. São exemplos de Protocolos de Controle da Internet: 36. O AS (Autonomous System) é parte integrante da configuração de qual protocolo de roteamento externo? RIP. EIGRP. BGP-4. OSPF. VRRP. 37. Geralmente as pilhas de protocolos de rede são baseadas no modelo OSI ou no modelo TCP/IP. É correto afirmar que: o TCP/IP foi desenvolvido de maneira a se adequar ao modelo OSI. o modelo OSI deu origem à ARPANET e posteriormente à Internet. o TCP/IP e o modelo OSI são o mesmo modelo de referência. esses dois modelos têm camadas de rede, transporte e aplicação, mas apresentam diferenças nas outras camadas. o TCP/IP foi idealizado a partir do modelo OSI, logo não se tratou de um novo modelo de referência. 38. A camada física do modelo de referência OSI, por exemplo, transmite um fluxo bruto de bits de um dispositivo para outro. Algumas formas de transporte de dados, via rede, são: através de disquetes, cabos de rede e redes sem fio. através de cabos de par trançado, coaxial, fibra ótica e transmissão sem fio. através de fitas, disquetes e cabos de rede. via celular, dispositivos USB e cabos de rede. fibra ótica, transmissão sem fio e disquetes. 39. As diferenças da categoria 5e da CAT5 residem: na utilização de fibra ótica no padrão CAT5e ao invés de cabos UTP. na utilização de cabos coaxiais ao invés de UTP no padrão CAT5e. no fato do padrão CAT5e ter alterado enormemente as características de desempenho do padrão CAT5. nas especificações, os requisitos de desempenho foram ligeiramente aumentados no padrão CAT5e. no fato de que a CAT5e foi convertida posteriormente na CAT6. SNMP, ARP e ICMP. IP, IPX, SMTP e FTP. Appletalk, SNMP e http. ICMP, ARP, RARP e IP. NIS, RARP, ARP e IP. Analista de Informática (ênfase Redes) 6

6 40. Dentre as principais características do Windows NT o que se pode destacar? Interface do Windows 95, SQL Server integrado e estrutura LDAP. Alta resolução de vídeo, suporte a Banco de Dados e aplicações e-commerce nativas. Servidor Web Integrado (IIS), Interface do Windows 95 e Windows NT Directory Server. Suporte a várias conexões simultâneas, acesso remoto e SQL Server integrado. Windows NT Directory Server, Apache e SQL Server integrados ao Sistema Operacional. 41. Na contratação de serviços de telecomunicações, mais especificamente em links de comunicação para contingenciamento de dados, é possível estabelecer algumas sistemáticas de acionamento do mesmo. Qual é a alternativa que melhor reflete o redirecionamento para este link, em caso de falha do circuito principal? No contrato de serviço, deverá estar especificado que em caso de falha do link principal o acionamento do link de contingência será automático e sob responsabilidade da empresa provedora de telecomunicações. A empresa provedora de telecomunicações deverá apenas disponibilizar o link de comunicação, todo o processo de acionamento será feito de forma manual pela contratante do link. O monitoramento do link principal é responsabilidade da empresa provedora de telecomunicações e assim que ela detectar uma falha, a mesma deverá informar o mais breve possível à contratante do link de contingência para que seja efetuado o acionamento manual do mesmo. No momento de detecção da falha do link principal, a empresa provedora de telecomunicações deverá telefonar para empresa contratante e questionar sobre o redirecionamento do tráfego para o link de contingência. Caso afirmativo, um novo contrato será assinado e a partir daí, o link de contingência poderá ser utilizado. A responsabilidade de acionamento do link não pode ser nem da empresa provedora de telecomunicações e nem da contratante. A decisão de acionamento da contingência é do cliente final das aplicações que foram indisponibilizadas. 42. O nmap (Network Mapper) pode ser uma ferramenta muito útil na varredura de portas TCP e UDP presentes em uma estrutura de rede. Um uso interessante desta ferramenta, do ponto de vista de monitoração pode ser: a estimativa de impressões digitais de Pilha através do tamanho das janelas iniciais TCP. a execução periódica desta ferramenta em servidores e dispositivos de uma rede com o redirecionamento dos resultados em arquivos a fim de verificar o aparecimento de novas portas de acesso. composição de monitoramento de "bit não fragmentar". comparação de backdoors via pilha TCP/IP. agregação de dados em sistemas de banco de dados relacionais com extração SQL via MySQL. 43. O OSPF foi o primeiro protocolo de roteamento a fazer uso de um campo do protocolo IP chamado "Type of Service". Esta característica fazia com que este protocolo fosse capaz de: implementar roteamento baseado em políticas na Internet. configurar no próprio protocolo, de forma manual, as políticas de tipo de serviço. rotear tráfego de tempo real em uma direção e outro tipo de tráfego em outra direção. limitar o número proveniente da contagem infinita. calcular o caminho melhor, que não necessariamente é caminho mais curto. 44. Quanto ao Datagrama é correto afirmar que: é a unidade básica do protocolo IP que é quebrado em fragmentos para se adequar ao MTU do hardware. é responsável pelo three-way handshake. é composto de pacotes udp e tcp na camada 3 do modelo de referência OSI. possibilita a transmissão de dados com os pacotes inteiros, sem fragmentação. é responsável pela característica de subnetting. 45. Crossover é o nome dado a que tipo de afirmação dentre as citadas a seguir? Geração de sinais eletromagnéticos quando do envio de dados excessivos no momento em que a banda disponível atinge seu limite máximo de transmissão. Interrupção da transmissão dos dados em decorrência da existência de dobras no cabeamento. Exposição do cabeamento à ação dos raios solares e umidade excessiva. Inversão dos cabos coaxiais durante o processo de crimpagem dos mesmos. Interferência eletromagnética, que pode ser de cabos elétricos por exemplo, devido à proximidade dos cabos de dados com os cabos da rede elétrica. Analista de Informática (ênfase Redes) 7

7 46. Uma das principais diferenças com relação ao backup dos arquivos que são executados em batch dos servidores de comércio eletrônico é a periodicidade e a forma como ocorrem. Diante desta constatação o que é correto afirmar? Que os procedimentos de backup são exatamente os mesmos. Todos os dados em batch, devem ser convertidos e armazenados da mesma forma que as transações de comércio eletrônico. Que o backup pode ser terceirizado e a responsabilidade de guarda dos arquivos deve ser compartilhada entre o contratante e a contratada. Que os procedimentos de backup confundem-se com procedimentos de acionamento de contingência em ambientes de comércio eletrônico devido à natureza das transações e disponibilidade 24x7. Neste tipo de ambiente os dados geralmente são replicados para servidores com características semelhantes e que podem assumir as operações de outro servidor em caso de pane ou falha. Que o backup poderá ser realizado sem problemas através de fitas DAT ou robôs. Que somente o backup incremental pode viabilizar a integração dos dados em um formato único. 47. Na criação de usuários nos sistemas Windows NT e 2000, quando da criação de usuários nestes sistemas, é atribuída uma identificação de segurança (SID, Security Identifier) a cada usuário criado. Sobre este aspecto é correto afirmar: Que caso um usuário seja criado, apagado e posteriormente um novo usuário com o mesmo nome de usuário seja criado novamente, a mesma SID será atribuída pois para o sistema é o mesmo perfil que está sendo criado em sua base. A SID é gerada a partir da somatória de caracteres do nome do usuário. Este aspecto garante a existência de uma SID para cada usuário. Que este número é único e que cada vez que o sistema faz referência a uma conta criada a mesma é feita à SID da mesma e não ao nome do usuário ou grupo da conta. Este número é digitado pelo administrador do sistema nas características do usuário. De posse de uma tabela de SID o administrador deve checar cuidadosamente a existência de SIDs previamente criadas de maneira a não atribuir a mesma identificação a novos usuários. É facultativo ao administrador utilizar ou não a SID bastando configurá-la de acordo com a Política de Segurança. 49. A tecnologia ATM é melhor descrita em: Automated Teller Machine. Pode enviar pacotes (quadros) de até 1600 bytes à velocidade de 1,5 Mbps. As informações são transmitidas em pacotes de tamanho fixo, também conhecidos como células que têm 53 bytes sendo 5 destinados ao cabeçalho e 48 aos dados do usuário. Utiliza um protocolo de camada física chamado X.21 e chega à velocidade máxima de 64 Kbps. Funciona baseada na tecnologia X Uma das características predominantes em sistemas operacionais UNIX e Linux é a alta modularidade, tal característica permite, dentre outras possibilidades, a seguinte vantagem: Utilizar servidores de alto processamento que estejam eventualmente fora de uso. Alocação de drivers para conversão em aplicações Internet em sistemas de comércio eletrônico. Montagem de servidores Internet específicos possibilitando maior controle sobre os serviços a serem disponibilizados e removendo os que não são necessários. Segregação de funções, liberando o Kernel de efetuar chamadas de sistema e habilitando-o como uma interface amigável ao usuário final. Utilização dos inodes como interfaces de rede em aplicações que se utilizam do TCP/IP. 48. A norma internacional que traz controles específicos sobre o Gerenciamento de Continuidade de Negócios é a: ISO ISO 9001:2002. BS ISO ISO Analista de Informática (ênfase Redes) 8

8 PROVA TEÓRICO PRÁTICA 1. Analisando a topologia, a seguir, pode-se perceber além dos roteadores de acesso à Internet e Firewalls a presença de quatro dispositivos. Que equipamento de rede é esse e que funções desempenha nesta arquitetura? 2. Analisando-se o diagrama de bloco representado abaixo, percebe-se a adoção de três camadas sendo elas: Criptografia e Integridade, Transacional e Base de Dados. Quais são as vantagens apresentadas por esta estrutura? Internet Internet Internet Firewall 1 Criptografia e Integridade Firewall 2 Transacional Firewall 3 Base de Dados Servidores Analista de Informática (ênfase Redes) 9

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br PORTUGUÊS Leia o texto a seguir e responda às questões de 1 a 5. SATÉLITE Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do velho

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br PORTUGUÊS Leia o texto a seguir e responda às questões de 1 a 5. SATÉLITE Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do velho

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br PORTUGUÊS Leia o texto a seguir e responda às questões de 1 a 5. SATÉLITE Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do velho

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br PORTUGUÊS Leia o texto a seguir e responda às questões SATÉLITE Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do velho segredo

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br PORTUGUÊS Leia o texto a seguir e responda às questões de 1 a 5. SATÉLITE Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do velho

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br PORTUGUÊS Leia o texto com atenção e responda às questões 1 a 5. EXPERIÊNCIA Uma vez fizeram uma experiência. Criaram um macaco dentro de uma jaula com dois bonecos que substituíam a mãe dele. Um era um

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Repetidores e hubs Pontes e switches Roteadores Outros equipamentos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Um repetidor é um equipamento usado para ampliar o comprimento

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br

Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede 2 Repetidor

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DOS PROFISSIONAIS QUE DEVERÃO COMPOR AS EQUIPES TÉCNICAS PREVISTAS NESSA CONTRATAÇÃO PARA AMBOS OS LOTES. QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 03 MODELO OSI/ISO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 PROTOCOLOS Protocolo é a regra de comunicação usada pelos dispositivos de uma

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Ementário do Curso Técnico em Informática para Internet

Ementário do Curso Técnico em Informática para Internet 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico Campus Engenheiro Paulo de Frontin Direção de

Leia mais

Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática. Prof. George Silva

Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática. Prof. George Silva Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática Prof. George Silva FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA COMPONENTES ATIVOS DE REDES AULA 04 Objetivo Entender o encapsulamento de dados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores...17 1.1 Introdução... 17

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Delfa M. HuatucoZuasnábar 2010 2 A década de 50 - Uso de máquinas complexas de grande porte operadas por pessoas altamente especializadas e o enfileiramento de usuários para submeter

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

Processo Seletivo Instrutor nº 03/2011

Processo Seletivo Instrutor nº 03/2011 l CRONOGRAMAS E TEMAS DAS Verifique o dia, o horário e o local das aulas práticas no quadro-resumo e nas tabelas seguintes de acordo com o seu número de inscrição e o seu cargo. QUADRO-RESUMO CARGO DESCRIÇÃO

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

Cabeamento Estruturado Módulo de Transmissão e Ativos de Rede. Profª Ahyalla Riceli

Cabeamento Estruturado Módulo de Transmissão e Ativos de Rede. Profª Ahyalla Riceli Cabeamento Estruturado Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Profª Ahyalla Riceli Objetivo Saber distinguir os componentes envolvidos na montagem de uma rede de computadores; Conseguir ter uma fundamentação

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Conceito, características e classificação das Redes de Computadores; Topologias; Meios físicos de transmissão; Equipamentos de Rede; Segurança;

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 3 EQUIPAMENTOS DE HARDWARE E FERRAMENTAS:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 3 EQUIPAMENTOS DE HARDWARE E FERRAMENTAS:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 3 EQUIPAMENTOS DE HARDWARE E FERRAMENTAS:... 2 1.1 Diferenças entre Hub e Switch... 2 1.1.1 Hub... 2 1.1.2 Switch... 2 1.1.3 Roteador... 3 1.2 Equipamentos fora de uso... 4 1.2.1 Repetidores...

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Analista de Service Desk Júnior / Pleno / Senior. Arquiteto de Projeto PL. Analista de Operações Técnicas. Analista Field Service

Analista de Service Desk Júnior / Pleno / Senior. Arquiteto de Projeto PL. Analista de Operações Técnicas. Analista Field Service Analista de Service Desk Júnior / Pleno / Senior - Superior completo ou cursando Tecnologia da Informação, Engenharia da Computação, Ciência da Computação ou áreas correlatas. - Conhecimento das funções

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul

Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Aluísio de Barros Leite Empresa Energética do Mato Grosso do Sul - ENERSUL Brasil Gustavo Castilho Merighi Empresa Energética do Mato Grosso

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Professor: Carlos Henrique E-mail: carlos_hvr@yahoo.com.br Definição Inicial Tipos de Redes Servidores Arquitetura de Protocolos Topologia de Redes

Leia mais

Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007

Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007 Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007 Prof. Bruno Guilhen Brasília Setembro CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Arquitetura e Protocolo de Redes Realidade atual Motivação Ampla adoção das diversas tecnologias de

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 LIGANDO MICROS EM REDE Copyright 2007, Laércio Vasconcelos Computação LTDA DIREITOS AUTORAIS Este livro possui registro

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes

Planejamento e Projeto de Redes Planejamento e Projeto de Redes Carlos Sampaio Identificação das Necessidades e Objetivos do Cliente Análise dos objetivos e restrições de negócio Análise dos objetivos e restrições técnicos Caracterização

Leia mais

REGRAS RESOLUÇÃO DE EXERCÍ CIOS ESAF PROF. MARCIO HOLLWEG MHOLLWEG@TERRA.COM.BR

REGRAS RESOLUÇÃO DE EXERCÍ CIOS ESAF PROF. MARCIO HOLLWEG MHOLLWEG@TERRA.COM.BR RESOLUÇÃO DE EXERCÍ CIOS ESAF PROF. MARCIO HOLLWEG MHOLLWEG@TERRA.COM.BR REGRAS 1. Considerando-se a configuração de discos tolerantes a falhas, o RAID-5: a) Distribuem dados e paridades intermitentemente

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Motivação Camadas do modelo OSI Exemplos de protocolos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Para que dois ou mais computadores possam se comunicar, é necessário que eles

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CTS DE REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a história e a evolução

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

7. REDES DE COMPUTADORES

7. REDES DE COMPUTADORES 7. REDES DE COMPUTADORES 7.1 - DEFINIÇÃO INICIAL Quando interconectamos computadores eles podem trabalhar mais pelos usuários, e, quando as pessoas trabalham em equipes, concretizam tarefas inteiras, num

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais