SOLUÇÕES INDUSTRIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOLUÇÕES INDUSTRIAIS"

Transcrição

1 SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Soluções EM Cabeamento para Ambientes Industriais 1 a Edição

2 Visão do Grupo POLICOM Atuação O Grupo Policom é líder no mercado nacional de distribuição de produtos para Cabeamento Estruturado, que suportam aplicações de dados, voz, vídeo e controles prediais. Desde o início de suas atividades, o Grupo Policom sempre se dedicou a prestar excelente atendimento aos seus clientes através de suporte técnico e comercial, ofertando materiais para infra-estrutura de redes locais. Recentemente, o Grupo Policom ampliou a sua linha de produtos para atender a outras aplicações, como infra-estrutura para data centers, automação predial e industrial, CFTV, equipamentos ativos de redes, entre outros. O Grupo Policom é formado pelas empresas Policom Cabos e Conectores Ltda. e Paris Cabos Comercial Ltda., que estão situadas em São Paulo - SP; Policom Telecomunicações 2001 Ltda., no Rio de Janeiro - RJ, e Policom Paraná Telecomunicações Ltda., em Curitiba - PR. Fornecedores e Parceiros O Grupo Policom distribui produtos dos principais fabricantes do mercado, reconhecidos internacionalmente, a exemplo de Brady, Dätwyler Cables, Coopersalto, Pelco, Fluke Networks, Knürr, Micronet, NVT, OCC, Pekon, SYSTIMAX Solutions, Transition Networks e Tyco/AMP. Além disso, o Grupo Policom possui parcerias estratégicas com distribuidoras de switches para automação industrial, empresas de projeto e fabricantes de mobiliário corporativo. Serviços Além de ter estruturado logística para atender a todo o território nacional, o Grupo Policom oferece suporte técnico e comercial aos seus clientes. O seu corpo de prof issionais participa constantemente de cursos ministrados pelos fornecedores e parceiros, mantendo-se atualizados para orientar corretamente os clientes com relação às melhores soluções de conectividade. Atualmente, o Grupo Policom possui diversos engenheiros e RCDDs entre seus colaboradores. Índice 02 Visão do Grupo Policom/Índice 03 Conceitos do Cabeamento Industrial 03 Subsistemas do Cabeamento Industrial 07 Classif icação dos Ambientes e das Áreas Industriais 07 Requerimentos do Cabeamento Industrial 07 Produtos OCC - Cabos Ópticos para Ambientes Industriais 11 Produtos DÄTWYLER Cables Soluções de Cabeamento Blindado para Ambientes Industriais 12 Produtos TYCO/AMP Netconnect Cabeamento Etherseal para Ambientes Industriais 13 Produtos TYCO Telecom OSP Soluções de Caixas e Bastidores Ópticos para Ambientes Industriais Clientes O Grupo Policom atende a empresas de diversos setores industriais, como mineração, siderurgia, petróleo e gás, automotiva, sucroalcooleira, entre outras. Dentre alguns de nossos clientes destacam-se: Alcan, Alunorte, Bayer, Belgo Mineira, Cargill, Continental Pneus, CSN, CVRD, DEDINI, Embraer, Klabin, Pepsico, Petrobras, Petrosul, Rhodia, Rio Negro, Rockwell Automation, Sew Eurodrive, Usiminas, VCP, Voith, etc. Desenvolvimento do Mercado O Grupo Policom sempre esteve preocupado com a educação e o desenvolvimento do mercado de cabeamento e desenvolveu em meados de 1997 a revista Cabling News. Na revista são veiculados artigos técnicos e comerciais que abordam assuntos relacionados a conectividade, estudos de caso, obras certificadas e informações dos novos produtos lançados pelos nossos fornecedores. Foi desenvolvida em meados de 2006 a versão da Cabling News On-line, a qual pode ser assinada gratuitamente em nosso site, Faça uma visita! Responsabilidade Ambiental O Grupo Policom atua com consciência ambiental e, em vista disso, desenvolve parceria com fornecedores comprometidos com o meio ambiente, que fabricam produtos em conformidade com o padrão internacional RoHS (Restriction of the use of certain Hazardous Substances in electrical and electronic equipment) e são certificados ISO Policom Industrial Networks Em Setembro de 2007, o Grupo Policom criou a divisão Industrial Networks, que objetiva o atendimento de empresas do setor industrial. Juntamente com a nova marca, o grupo passou a contar com profissionais, fabricantes e produtos especialmente direcionados a este mercado, oferecendo agilidade em prover soluções personalizadas, atendimento específico a empresas integradoras, consultoria para dimensionar projetos, flexibilidade e perfil empreendedor. 14 Produtos KNÜRR - Painéis e Acessórios para Ambientes Industriais 16 Produtos BRADY - Soluções Industriais de Identificação, Segurança e Bloqueio (LOTO) 18 Produtos FLUKE NETWORKS - Equipamentos para Testes e Ferramentas 19 Produtos NVT e Pelco - Soluções para Aplicações de Vídeo em Segurança Patrimonial - CFTV 20 Produtos TRANSITION NETWORKS - Conversores de Mídia e Switches para Ambientes Industriais 22 Produtos DIVERSOS para ambientes industriais 23 Bibliografia

3 Conceitos do Cabeamento Industrial O Cabeamento Industrial é uma infra-estrutura única de cabeamento metálico ou óptico não proprietária, capaz de atender a diversas aplicações de comunicação, como voz, dados, vídeo, automação e controles prediais e industriais, segurança, alarme de incêndio e imagem nos ambientes industriais que podem apresentar significativas variações de temperatura, umidade, interferência elétrica, choque, vibração, gases e líquidos corrosivos e poeira. As condições ambientais em locais industriais podem ser descritas pelos níveis de severidade e tipos de condições como choque mecânico e vibração, ingresso de líquidos e poeira, níveis de temperatura e umidade, substâncias químicas e níveis de EMI. Esta classificação é conhecida como MICE (Mecânico, Ingresso, Climático/Químico e Eletromagnético). Trata-se de uma classificação em 3 níveis, sendo que MICE-1 é equivalente a ambiente comercial, MICE-2 corresponde a ambiente industrial leve e MICE-3 a ambiente industrial intenso. Existem 3 áreas industriais básicas dentro do ambiente industrial: o chão de fábrica, a área de trabalho e a ilha de automação. As classificações MICE 1, 2 e 3 descrevem as possíveis condições ambientais dentro destas 3 áreas. A figura ao lado ilustra os exemplos das 3 classificações de áreas : A área de trabalho pode ser estendida para cobrir todo o chão de fábrica. Assim como a área de trabalho, a ilha de automação também pode se expandir para cobrir todo o chão de fábrica. Dependendo do tipo da atividade fabril desenvolvida, o nível MICE pode ser do tipo 1 em todas as áreas. Existem diversos tipos de cabos utilizados em aplicações industriais. Para aplicações de telecomunicações em ambientes industriais o cabeamento deverá atender aos requerimentos descritos na página 7. Subsistemas do Cabeamento Industrial Os elementos básicos da estrutura do Cabeamento Industrial são: 1 - Cabeamento Horizontal 2 - Backbone 3 - Área ou Célula de Trabalho 4 - Ilha de Automação 5 - Salas de Telecomunicações, Equipamentos e Controles A figura ao lado ilustra os elementos básicos do Cabeamento Industrial:

4 Cabeamento Horizontal O Cabeamento Horizontal é o subsitema do cabeamento industrial que inclui os cabos horizontais, os conectores da área de trabalho (TOs), os hardwares de terminação e os patch cords localizados na sala de telecomunicações, abrangendo também os pontos de consolidação (CP) e as MUTOAs (Tomadas Multiusuários de Telecomunicações), caso sejam utilizadas em projeto. A Tomada Multiusuários de Telecomunicações (MUTOA) pode ser vantajosa em pontos de conexão com múltiplos dispositivos. A sua utilização facilita a terminação de múltiplos cabos horizontais em uma célula, permitindo que o segmento do cabeamento industrial permaneça íntegro quando a célula é alterada, conforme pode ser observado na figura ao lado: O Ponto de Consolidação (CP) é um ponto de interconexão no cabeamento horizontal que difere da MUTOA, pois requer uma conexão adicional para cada cabo horizontal, conforme pode ser observado na figura abaixo: As conexões cruzadas não são indicadas para utilização em ponto de consolidação. Pode ser utilizado apenas um ponto de consolidação por lance de cabeamento horizontal. Cada cabo horizontal que parte do ponto de consolidação deve ser terminado em um ponto de telecomunicações na área de trabalho. Os pontos de consolidação podem ser utilizados para fornecer diversos serviços a uma máquina específica localizada na célula de trabalho. Os pontos de consolidação devem ser colocados em locais permanentes e acessíveis, como as colunas do edifício. O Cabeamento Horizontal deve ser projetado e implementado em topologia estrela, conforme pode ser observado na figura abaixo, sendo que cada conector da área de trabalho deve ser conectado ao hardware de terminação da sala de telecomunicações via cabo horizontal, que necessita estar à distância máxima de 90 metros. Além disso, a somatória dos patch cords a serem utilizados na área de trabalho e na sala de telecomunicações não pode exceder 10 metros, totalizando um canal de 100 metros. Este subsistema deve ser projetado levando em consideração que o mesmo deverá suportar diversas aplicações, tais como: Sistemas de automação industrial. Sistemas de automação predial (BAS) incêndio, segurança, aquecimento, ventilação e ar condicionado (HVAC). Voz analógica e digital. Sistemas digitais de alta velocidade e comunicações de dados (LANs). Vídeo e imagens. Os cabos recomendados a serem utilizados no Cabeamento Horizontal são: Cabos UTP e STP de 4 pares Categoria 6 ou superior (Cat. 6A). Cabos Ópticos Multimodo OM2 ou superior (OM3). Cabos Ópticos Monomodo OS1 ou superior (OS2). Fonte: Draft ANSI/TIA-SP Fonte: Draft ANSI/TIA-SP Fonte: Draft ANSI/TIA-SP

5 Backbone O Backbone é o subsistema do cabeamento industrial com a função de prover as interconexões entre as salas de telecomunicações, salas de equipamentos e a sala de entrada de serviços de telecom. Este subsistema compreende os cabos do backbone, as conexões intermediárias e principal, os hardwares de terminação e os patch cords e jumpers usados na conexão feita entre os backbones. O subsistema inclui, também, o cabeamento utilizado para interligar os edifícios, chamado Backbone de Campus. Os cabos recomendados para utilização no Backbone são: Cabos UTP e STP de 4 pares Categoria 6 ou superior (Cat. 6A). Cabos Ópticos Multimodo OM2 ou superior (OM3). Cabos Ópticos Monomodo OS1 ou superior (OS2). Fonte: Draft ISO/IEC Cabo STP cat.6 com capa LSZH Cabo óptico anti-roedor dielétrico O cabeamento do Backbone deve ser projetado para suportar as necessidades do ambiente industrial por um período mínimo de 10 anos. O ideal é ser implementado em topologia estrela com hierarquia, conforme pode ser observado na figura abaixo, em que cada conexão cruzada da sala de telecomunicações deverá ser cabeada diretamente com a conexão principal do edifício ou através de uma conexão intermediária, antes de alcançar a conexão principal. A conexão intermediária necessita estar localizada na sala de telecomunicações ou em uma caixa industrial instalada no chão de fábrica ou na área de trabalho. Fonte: Draft ANSI/TIA-SP A escolha pelo tipo de mídia a ser utilizada no Backbone deve levar em consideração as aplicações a que se destina. Em vista disso, devem ser considerados os seguintes fatores: A flexibilidade da mídia em relação aos serviços que suportará. A vida útil requerida para o cabeamento do Backbone. As dimensões físicas da indústria e a quantidade de usuários e equipamentos nela inseridos. As distâncias máximas suportadas pelo cabeamento do Backbone dependem das aplicações e dos tipos de mídia. Normalmente, recomenda-se utilizar cabos UTP multipares para aplicações de voz e cabos ópticos para aplicações de dados. Levando-se isso em consideração, as distâncias máximas suportadas pelo cabeamento do Backbone podem ser observadas na figura abaixo: São permitidos, no máximo, dois níveis hierárquicos de conexão cruzada no cabeamento do Backbone. A partir da conexão cruzada do cabeamento horizontal, situada na sala de telecomunicações, é permitida apenas uma conexão intermediária para atingir a conexão principal. Podem existir casos onde sejam necessárias aplicações com topologias em anel, barramento, árvore ou anel redundante. Um anel lógico pode ser implementado utilizando topologia física em estrela, conforme pode ser observado na figura abaixo: Fonte: Draft ANSI/TIA-SP Para aplicações de dados com cabeamento UTP ou FTP, a distância máxima suportada pelo Backbone é de 90 metros, mais 10 metros de patch cords, totalizando um canal de 100 metros. 5

6 Área ou Célula de Trabalho Ilha de Automação A área ou célula de trabalho é o espaço no edifício industrial onde os funcionários interagem com os seus dispositivos de telecomunicações e as máquinas industriais. É muito importante que a área ou célula de trabalho seja projetada adequadamente para os usuários e os dispositivos de controle. O conector da área ou célula de trabalho é utilizado para terminação do cabeamento que suporta a conexão dos equipamentos de automação. A ilha de automação corresponde ao espaço no edifício industrial destinado à localização das máquinas industriais. As máquinas industriais necessitam de pontos de telecomunicações capazes de as conectar aos sensores e aos dispositivos de telecomunicações em geral. É muito importante que os pontos de telecomunicações sejam projetados corretamente para ambientes severos, típicos nessas áreas. Em alguns casos, será necessária a utilização das caixas industriais para proteção adicional aos pontos de telecomunicações. A ilha de automação é normalmente um espaço mais severo do que a área de trabalho. A área onde os dispositivos industriais são localizados é normalmente a mais severa. Na área dos dispositivos, a classificação típica tem grau de proteção de IP65 a IP67. Segue abaixo a tabela com os índices de proteção IP: Exemplos de conectores RJ-45 para célula de trabalho.

7 Salas de Telecomunicações, Equipamentos e Controles As Salas de Telecomunicações, Equipamentos e Controles são espaços físicos com ambientes controlados e seguros para acomodação dos equipamentos de telecomunicações, redes e automação; assim como os componentes e as terminações do cabeamento industrial (cabos, patch panels, patch cords, dispositivos de proteção etc.) utilizados como infra-estrutura para o fornecimento dos serviços de telecomunicações e de automação do ambiente industrial. Nestas salas, são acomodadas as terminações do cabeamento horizontal e dos cabos do backbone interno e externo do edifício em hardwares compatíveis, proporcionando segurança e flexibilidade ao sistema de cabeamento industrial. Classificação dos Ambientes e das Áreas Industriais Existem 3 áreas industriais básicas nas plantas fabris: o chão de fábrica, a área ou célula de trabalho e a ilha de automação. As classificações MICE 1, 2 e 3 descrevem de maneira crescente os ambientes hostis que podem estar presentes nas áreas industriais. O sistema de cabeamento industrial deverá possuir características que o torne compatível com as classificações MICE dos ambientes onde serão implementados. Em alguns casos o sistema de cabeamento industrial poderá passar por áreas com diferentes classificações MICE. Nestes casos, o cabeamento deverá ser compatível para ter condições de suportar o mais elevado grau da classificação MICE. Requerimentos do Cabeamento Industrial Os componentes do sistema de cabeamento industrial cabos, conectores e acessórios devem suportar as condições dos ambientes fabris onde serão implementados. Recomenda-se a utilização de componentes metálicos Categoria 6 ou superior. Normalmente nestes ambientes são utilizados conectores selados, encapsulados com capa protetora que os protegem das substâncias presentes no ambiente. Conector Etherseal RJ-45 da Tyco Quando são empregados componentes ópticos no cabeamento industrial, é recomendada a utilização do padrão de conectores LC (IEC ).

8 Produtos OCC Optical Cable Corporation Cabos Ópticos para Ambientes Industriais A Optical Cable Corporation - OCC foi pioneira na fabricação de cabos de fibras ópticas para uso táctico-militar pelo governo americano, detendo, desse modo, significativo know-how em desenvolvimento de cabos ópticos para ambientes hostis. Os cabos ópticos da OCC foram projetados para atender aos mais exigentes padrões da indústria, possuindo características especiais para suporte a aplicações em ambientes fabris, tais como plataformas e refinarias de petróleo, mineradoras, siderúrgicas, indústrias de vidro, papel e celulose, entre outras. Dentre a vasta linha de produtos fabricados pela OCC, destacam-se os apresentados a seguir. Cabos para Plataformas de Petróleo A OCC disponibiliza dois modelos certificados para embarcações e plataformas, sendo um modelo Breakout com certificação ABS, e outro modelo Distribution com certificado DNV, conforme pode ser observado nas figuras abaixo: O modelo BX com certificação ABS é um cabo óptico tight buffer para uso interno/externo sem a utilização de gel derivado de petróleo. Cada fibra multimodo ou monomodo possui revestimento individual em 250 micra (Acrilato), 900 micra (Poliamida), Kevlar e subcapa de 2,00 mm ou 2,50 mm. Breakout é a designação dada ao tipo de construção que permite a conectorização direta no cabo sem a necessidade de caixas de terminação óptica. Para maior segurança, além da certificação ABS, esse modelo possui certificado UL para a categoria RISER e geralmente é fornecido com materiais 100% livres de substâncias halógenas, sendo classificado como LSZH - Low Smoke Zero Halogen. O modelo BX permite conectorização direta, sendo ideal para instalações de automação industrial em que o cabo é terminado em quadros elétricos com pouco espaço para instalação de caixa de terminação. O modelo DX com certificação DNV é um cabo óptico tight buffer para uso interno/externo sem a utilização de gel derivado de petróleo. Cada fibra multimodo ou monomodo possui revestimento individual em 250 micra (Acrilato) e 900 micra (Poliamida). Distribution é a designação que se dá ao tipo de cabo que possui capa global para diversas fibras. Este modelo, além de possuir duas capas externas para maior proteção mecânica, é o indicado pelo maior número de normas técnicas ISO/IEC, sendo fabricado com materiais 100% livres de substâncias halógenas, o que lhe confere classificação como LSZH. Policom Cb. Óptico BX MM 62,5/125 Naval ABS 4F LJ Cb. Óptico BX MM 62,5/125 Naval ABS 4F AZ 15DNV Cb. Óptico DX MM 62,5/125 Naval DNV 4F 8

9 Cabos para Refinarias de Petróleo Ambientes com possibilidade de explosão requerem atenção máxima para a segurança das pessoas e do patrimônio. Cabos tight-buffer não-geleados convencionais possuem capas de PVC que possuem certa resistência à chama, porém, na iminência de um incêndio, emitem fumaça tóxica. Nesse tipo de instalação são recomendados cabos com capas LSZH, que são livres de substâncias halógenas, evitando, em caso de incêndio, a fumaça ácida emitida pelas capas de PVC. A construção da série BX da OCC garante alta resistência mecânica, podendo ser instalada em lances verticais por mais de metros sem amarrações. Com o uso de subcables, os cabos BX permitem a instalação direta dos conectores nos cabos sem a necessidade de caixas de terminação, diminuindo as possibilidades de falhas em ambientes de segurança intrínseca. Policom 15REF Cb. Óptico BX MM 62,5/125 4F Cabos para Siderúrgicas ou Indústrias de Vidro Ambientes como siderúrgicas, indústrias de vidro, entre outros, estão sujeitos a temperaturas muito elevadas, especialmente nas áreas próximas aos fornos. Em ambientes industriais, de acordo com a especificação de temperatura para áreas classificadas, as áreas T6 devem contar com equipamentos e cabos que resistam até a + 85 C, sendo que os cabos convencionais resistem até a + 65 C. A OCC oferece opções para o maior range de temperatura de operação do mercado: - 55 C até + 85 C Policom 15LOC Cb. Óptico Interlocked Plenum MM 62,5/125 4F Apesar de todos os cabos da OCC resistirem no mínimo a - 40 C até + 85 C, em ambientes com temperaturas extremamente altas, é recomendado o cabo óptico Interlocked Plenum, que possui revestimento de aço ou alumínio e capa adicional Plenum. As capas Plenum possuem Teflon, o que as torna extremamente resistentes a agentes químicos e a temperaturas elevadas. 9

10 Cabos para Mineradoras As principais indústrias de mineração estão investindo na atualização de sua infra-estrutura com vistas a melhorar a segurança e maximizar a rentabilidade. As reduções de custo em geral estão alavancando a aplicação do cabo de fibra óptica, por dispor de capacidade e habilidade para proporcionar eficiência na conquista desses resultados. As áreas de melhoria incluem: Segurança. Áreas intrinsecamente seguras. Monitoramente ambiental. Transmissões de voz, dados e vídeo. Automação. Monitoramento e controle de equipamentos. Os cabos ópticos da OCC são muito utilizados em redes de mineradoras por proporcionar monitoramento, automação e controle da transmissão de dados em grandes distâncias de maneira correta e confiável. Estes cabos ópticos foram desenvolvidos para ambientes extremamente severos e são aprovados pela MSHA Mine Safety and Health Administration para áreas intrinsecamente seguras. Policom 15MIN Cb. Óptico BX MM 62,5/125 4F Cabos para Aplicações Flexíveis - Festoon Gruas, pontes rolantes e máquinas com movimentações constantes requerem cabos com alta resistência à flexão. Cabos convencionais resistem até a ciclos. Os cabos ópticos Festoon da OCC garantem de ciclos, aumentando consideravelmente a vida útil do cabo, além de diminuir a possibilidade de falhas em aplicações móveis. Os cabos Festoon da OCC possuem capa externa em poliuretano com espessura muito superior à dos cabos convencionais. O revestimento primário das fibras é de 500 micra contra 250 micra dos cabos regulares, e o revestimento secundário em nylon foi substituído por um elastômero. O uso de matériaprima diferenciada e um projeto único desenvolvido pela OCC tornam esse modelo altamente resistente à flexão. Policom O Porto de Tacoma, EUA, conta com cabos ópticos FESTOON da OCC. 15FES Cb. Óptico BX Festoon MM 62,5/125 4F 10

11 Produtos Dätwyler Cables Soluções de Cabeamento STP/F para Ambientes Industriais A Dätwyler Cables insere-se em um grupo formado por 18 empresas situadas na Europa, Estados Unidos, Ásia Pacífico e Oriente Médio, com mais de funcionários. Dentre os diversos produtos fabricados pela Dätwyler Cables, destacam-se os cabos metálicos e ópticos direcionados a aplicações em ambientes industriais, redes de longas distâncias, segurança e plantas externas em geral. Destacam-se, a seguir, os seguintes produtos da Dätwyler Cables Cabo S-FTP LSZH 4P Cat. 6 LJ Cabo STP LSZH 4P Cat. 5e Flexível CZ Cabo FTP LSZH 4P Cat. 5e AZ Patch Panels 19 24P Blindado Cat Patch Panel 19 24P Blindado Descarregado Vista traseira Jack RJ-45 Blindado Cat. 6 p/ Suporte DIN Suporte p/ trilho DIN p/ jack Jack RJ-45 Blindado Cat Patch Cord 4P RJ-45/ RJ-45 Blindado Cat Suporte de mão p/ conectorização de Jacks Policom Dätwyler Adapter Cable Cat. 6 Blindado c/ 2 mts. CZ Adapter Cable Cat. 6 Blindado c/ 3 mts. CZ Cabo FTP LSZH 4P X 24 AWG Cat. 5e AZ Cabo S-FTP LSZH 4P X 23 AWG Cat. 6 LJ Cabo STP LSZH 4P X 26 AWG Cat. 5e Flexível CZ Jack RJ-45 Blindado Cat Policom Dätwyler Jack RJ-45 Blindado Cat.6 p/ Suporte DIN Módulo Cego p/ Patch Panel 19 24P Descarregado Patch Panel 19 24P Descarregado p/ Jacks RJ Patch Panel 19 24P RJ-45 Blindado Cat Suporte de Mão p/ Jacks RJ-45 (Keystones) Suporte p/ Trilho DIN p/ Jack Blindado

12 Produtos Tyco/AMP Netconnect Soluções de Cabeamento EtherSeal para Ambientes Industriais A AMP Netconnect é uma divisão da Tyco Electronics, maior unidade de negócios do grupo Tyco International, que conta com funcionários situados em diversos países. Em 2007 a Tyco Electronics se tornou uma empresa independente com ações na Bolsa de Nova York (NYSE). Criada em 1941, graças ao desenvolvimento do conector elétrico por parte de seu fundador, a AMP (originalmente Aircraft Marine Products, isto é, Produtos para Marinha e Aeronáutica) forneceu sistemas de conectividade para as forças armadas norte-americanas durante a Segunda Guerra Mundial, em substituição às antiquadas soldas, que geravam diversos problemas. A AMP Netconnect desenvolve, fabrica e fornece produtos para sistemas de infra-estrutura de comunicação utilizados em empresas e indústrias de diversos segmentos, como governo, educação, finanças, energia, data centers, etc. Dentre a vasta linha de produtos AMP Netconnect, destaca-se a solução EtherSeal, a qual oferece conectividade em cobre com fibra óptica e grau de proteção até IP Cabo EtherSeal UTP CMR 4P x 24 AWG Cat. 5e Flexível CZ. Principais características este cabo possui dupla capa e é resistente a raios UV e óleo (nível II) Kit EtherSeal Plug RJ-45 Cat. 5e IP Kit EtherSeal Fêmea/Fêmea RJ-45 Cat. 5e SL IP Kit EtherSeal Jack RJ-45 Cat. 5e SL IP Espelho de Aço Inoxidável 4x2 c/ 1 Porta p/ Kit EtherSeal Jack RJ Caixa Plástica c/ 2 Portas IP Kit EtherSeal Tampão p/ Jack RJ-45 IP Kit c/ 12 emendas mecânicas Corelink MM/SM Patch cord EtherSeal UTP ou STP. Policom Gerenciador Inteligente de rede AMPTRAC Cabo Etherseal UTP CMR 4Px24 AWG Cat. 5e Flexível CZ TYCO Caixa Plástica c/ 2 Portas IP Espelho de Aço Inoxidável 4x2 c/ 1 Porta p/ Kit EtherSeal Jack RJ Kit EtherSeal Fêmea/Fêmea RJ-45 Cat. 5e SL IP Kit EtherSeal Jack RJ-45 Cat. 5e SL IP Kit EtherSeal Plug RJ-45 Cat. 5e IP Kit EtherSeal Tampão p/ Jack RJ-45 IP Kit c/ 12 Emendas Mecânicas Corelink MM/SM Gerenciador inteligente de rede AMPTRAC

13 Produtos TYCO Telecom OSP Soluções de Caixas e Bastidores Ópticos para Ambientes Industriais Da fusão da Tyco com a AMP e posterior aquisição da Raychem (líder no mercado de caixas de emenda óptica), originou a Tyco Telecom OSP (Outside Plant), que se constitui das unidades de negócios da Tyco Electronics. A Tyco Telecom OSP tem sua matriz na Bélgica, onde estão situados os departamentos de pesquisa e desenvolvimento, produção, vendas e marketing. Além disso, a empresa possui escritórios de suporte técnico e comercial em mais de 50 países, incluindo o Brasil. Dentre os diversos produtos fabricados pela Tyco Telecom OSP, destacam-se as caixas de emenda óptica utilizadas em aplicações em ambientes industriais e redes de longas distâncias; os bastidores ópticos para painel e parede; o sistema de infra-estrutura para encaminhamento de fibras ópticas, etc. Dentre a vasta linha de produtos da Tyco Telecom OSP, destaca-se a solução para ambientes industriais da Linha FIST. Caixa de Emenda Óptica até 144 Fibras. Distribuidor Geral Óptico com Capacidade até 576 Fibras. Ferramenta de Aplicação para o Conector RECORDsplice Caixas de Distribuição de Fibras Ópticas para uso Interno em edifícios Policom FISTPOL008 FISTPOL016 FISTPOL048 FISTPOL144 CEMPOLRS FISTPOL576 FEAPOLRS Caixa de Distribuição Óptica FIST-SB2 até 8 Fibras Caixa de Distribuição Óptica FIST-MB2 até 16 Fibras Caixa de Distribuição Óptica FIST-GB2 até 48 Fibras Caixa de Emenda Óptica até 144 Fibras Conector Emenda Mecânica RECORDsplice DGO FIST-Painel com Capacidade até 576 Fibras Ferramenta de Aplicação para o Conector RECORDsplice Conector Emenda Mecânica RECORDSplice 13

14 Produtos KNÜRR Painéis e Acessórios para Ambientes Industriais A Knürr AG é uma empresa alemã, líder em sistemas de gabinetes e tecnologia de resfriamento para indústrias de TI e telecomunicações. Sua unidade brasileira situa-se em Boituva, no interior de São Paulo. A Knürr foi adquirida pela Emerson Network Power, divisão da holding Emerson. A Emerson Network Power é a unidade de negócios da Emerson responsável pelo desenvolvimento de produtos e soluções para o fornecimento ininterrupto de energia e ambientação a diversos setores da economia, notadamente as de chamada missão crítica, ou seja, aquelas para as quais a energia é fundamental, e, por isso, as falhas no fornecimento podem provocar sérios problemas. Com a aquisição da Knürr, a empresa também passou a oferecer ampla gama de soluções de painéis e sistemas integrados para sites de Data Centers, Salas de Controle e Telecom. Além disso, a empresa alemã uniu-se à marca Liebert, da Emerson Network Power. A Knürr desenvolve, fabrica e fornece produtos para sistemas de infra-estrutura de comunicação utilizados em empresas e indústrias de diversos segmentos, como governo, educação, finanças, energia, data centers, etc. Destaque, a seguir, para os seguintes produtos da Knürr para ambientes industriais. Painel de Interface de Redes - PIR O Painel de Interface de Redes desenvolvido pela Policom Industrial Networks constitui-se de um painel 19 projetado para aplicação em ambientes agressivos, que possuam elementos como poeira, altas temperaturas, vibração, entre outros elementos. Sua construção é totalmente personalizável, com altura variando de 24u a 44u e grau de proteção de IP20 a IP67. O produto possui fixado em seu perfil frontal completa infra-estrutura de cabeamento em cobre e/ou fibra óptica, para alimentar e espelhar os ativos da rede industrial, além de acessórios diversos para encaminhamento, organização e identificação dos componentes. Em seu perfil traseiro possui completa infraestrutura para alimentação elétrica dos componentes ativos, contendo inclusive fontes de alimentação principal e redundante para cada equipamento e alimentação geral principal e redundante para todo o painel. Trata-se de um produto totalmente customizado conforme as necessidades do cliente de fácil manutenção e ampliação de dispositivos. Área de montagem dos painéis. PIR 44u - vista frontal PIR 24u - vista frontal PIR 44u - vista traseira PIR 24u - vista traseira 14

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

DATA CEnTERS R A C K S A B E R T O S P A R A

DATA CEnTERS R A C K S A B E R T O S P A R A RACKS ABERTOS PARA Data Centers Introdução Top Solution. Um produto testado e aprovado pelo mercado brasileiro A solução em racks abertos é uma exclusividade do Grupo Policom. Com mais de 5000 unidades

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

Projetados para você. Sob medida para o seu data center.

Projetados para você. Sob medida para o seu data center. Projetados para você. Sob medida para o seu data center. introdução Projetados para você. Sob medida para o seu data center. Inspirada no estrondoso sucesso da linha Top Solution, a solução GP Racks é

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS CABLING CABOS 04 CONECTORES 05 PATCH PANEL 19 06 ACESSÓRIOS 07 02 CABLING CABLAGENS DE COBRE O EIA/TIA 568, de 1991, foi o primeiro padrão americano para os sistemas de cableamento estruturado. Em 1995,

Leia mais

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto TeraLan Descrição Cordão Óptico é o cabo óptico monofibra ou duplex com conector óptico nas duas extremidades Aplicação

Leia mais

DATA CEnTERS R A C K S A B E R T O S P A R A

DATA CEnTERS R A C K S A B E R T O S P A R A RACKS ABERTOS PARA Data Centers Introdução Top Solution. Um produto testado e aprovado pelo mercado brasileiro A solução em racks abertos é uma exclusividade do Grupo Policom. Com mais de 5000 unidades

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS SOLUÇÕES EM CABEAMENTO, CFTV, DATA CENTERS E REDES INDUSTRIAIS. 9 a Edição

CATÁLOGO DE PRODUTOS SOLUÇÕES EM CABEAMENTO, CFTV, DATA CENTERS E REDES INDUSTRIAIS. 9 a Edição CATÁLOGO DE PRODUTOS SOLUÇÕES EM CABEAMENTO, CFTV, DATA CENTERS E REDES INDUSTRIAIS 9 a Edição Visão do Grupo POLICOM Atuação Presente no mercado desde 1989, o Grupo é líder no mercado nacional de distribuição

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Administração Euber

Leia mais

Nós queremos o seu. Os melhores preços estão aqui. SpeedPRO SYSTIMAX 360 Uniprise

Nós queremos o seu. Os melhores preços estão aqui. SpeedPRO SYSTIMAX 360 Uniprise Nós queremos o seu projeto! Consulte-nos! Os melhores preços estão aqui. imvision InstaPATCH 360 Redwood SpeedPRO SYSTIMAX 360 Uniprise ImVision. Gestão de Infraestrutura. Simplificada O imvision corresponde

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE 1 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada de conectores e meios

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

ANSI/TIA/EIA 568 B...

ANSI/TIA/EIA 568 B... Memorial Descritivo Projeto elétrico e Cabeamento Estruturado CAT 5e TRE TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL Campo Grande Mato Grosso do Sul 1 ÍNDICE 1 Objetivo... 3 2 Dados Gerais... 3 3 Infra-estrutura... 4

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA FIBRA OTICA 4 4 CABOS DE FIBRA ÓTICA Fibra Ótica com diferentes tipos de cabos: Tight Buffer - Estrutura Fechada Fibra ótica com revestimento em PVC. Usado para ligações dentro de edifícios (cabos, cordões

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO AMBIENTES CRÍTICOS INDUSTRIAIS Abril/2010. Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais. Ambientes Aplicáveis

GUIA DE APLICAÇÃO AMBIENTES CRÍTICOS INDUSTRIAIS Abril/2010. Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais. Ambientes Aplicáveis Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais Terminais portuários A Solução Ethernet para uso Industrial está relacionada a produtos de cabeamento estruturado que podem ser utilizados em qualquer

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO

CABEAMENTO ESTRUTURADO CABEAMENTO ESTRUTURADO 2 a edição UM GUIA FÁCIL PARA PROJETAR Índice Visão do Grupo 02 Subsistema Sala de Entrada de Serviços de Telecom 15 Conceitos de Cabeamento Estruturado 03 Administração 17 Estrutura

Leia mais

Soluções em Segurança e CFTV. 1 a Edição

Soluções em Segurança e CFTV. 1 a Edição Soluções em Segurança e CFTV 1 a Edição Visão do Grupo POLICOM Atuação Presente no mercado desde 1989, o Grupo é líder no mercado nacional de distribuição de produtos para Cabeamento Estruturado, direcionado

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS

DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS Conectividade 6A Linha de Bandejas Ópticas HDX Linha de Racks ITMAX Linha de Racks Fechados Acessórios de Organização Produtos de alta densidade FTP UTP Descarregado Azul/Branco/Bege

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

LOTE 01 VALOR UNITÁRIO VALOR TOTAL ITEM DESCRIÇÃO RESUMIDA UNIDADE QUANTIDADE

LOTE 01 VALOR UNITÁRIO VALOR TOTAL ITEM DESCRIÇÃO RESUMIDA UNIDADE QUANTIDADE LOTE 01 ITEM DESCRIÇÃO RESUMIDA UNIDADE QUANTIDADE 1.1 Ponto de rede CAT.5E utilizando ponto de consolidação. Os equipamentos e materiais incluem, cabo UTP 4 pares, tomada RJ45 fêmea (obedecendo padrões

Leia mais

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS 04 05 0 07 08 09 02 FIBRA ÓTICA TECNOLOGIA ÓTICA Com

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA Tipo do Produto Extensão Óptica Família do Produto Descrição TeraLan A Extensão Óptica Conectorizada é composta, (1) normalmente, por dois itens principais : Extensão Óptica:

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC

Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC Tipo do Produto Descrição Cabo Óptico Pré-Conectorizado Cabo óptico de construção tipo tight buffer (indoor ou indoor/outdoor) pré-conectorizado em fábrica com conectores

Leia mais

LISTA DE PRODUTOS ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008

LISTA DE PRODUTOS ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008 LISTA DE PRODUTOS DE PRODUTOS LISTA ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008 Ativos / Wireless ADSL Modem; Conversores de Mídia; Firewall; Hub s; KVM (2 / 4 / 8 e 16 Portas); Modem Externo; Placas de Rede

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

ECO HD. Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco 110 Categoria 6 36 Organizadores de cabos 38

ECO HD. Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco 110 Categoria 6 36 Organizadores de cabos 38 Página Patch Panel Patch Panel cat. 6 32 P. Modular 48 portas em 1UR cat.6 32 Patch Panel Modular descar. 24 portas 33 Voice Panel 1UR 50 Portas 34 Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado Sistema de Cabeamento Estruturado Subsistemas 1 Subsistema Cabeamento Horizontal 2 Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho - ATR 4 - Armário de Telecomunicações

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO III PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO PARA REDE LOCAL DE MICROCOMPUTADORES 1.Objetivo Este projeto tem por objetivo descrever a instalação de cabeamento de rede lógica no edifício-sede da

Leia mais

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto Padrão TeraLan RoHS Compliant Descrição Os kits de adaptadores ópticos são compostos por adaptadores ópticos, monofibra ou duplex,

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER

ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER DATA CENTER A Furukawa apresenta a solução ITMAX para Data Center, com produtos especialmente desenvolvidos para atender este mercado que requer componentes de alta performance.

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Tipo do Produto Cabo Óptico Pré-Conectorizado Descrição Cabo Óptico de construção tipo " tight buffer" (indoor ou indoor/outdoor) ou cordão multifibra (somente indoor)

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD 2 Manual de Instalação DIO HDMOD Manual de Instalação DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Produtos Elétricos Empresa especializada

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

Cabeamento estruturado para ambientes industriais

Cabeamento estruturado para ambientes industriais Cabeamento estruturado para ambientes industriais Linha de produtos MultiLan / GigaLan Conhecendo os produtos... Conhecendo os ambientes... Ferrovias Armazéns... Frigoríficos Mineradoras... Terminais portuários

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Compras e Licitações - DCL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88.040-900 CNPJ/MF n 83.899.526/0001-82 Telefone

Leia mais

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 1 REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES Introdução O sistema de Telecomunicações constará alimentação dos pontos de comunicação

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 Apresentação A PONTO DA REDE iniciou suas atividades em setembro de 1997, com sede em Salvador-Bahia, onde dispomos de um grande estoque para pronta entrega. Atuamos nos mercados

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA APRESENTAÇÃO As especificações contidas neste memorial são referentes às instalações de cabeamento estruturado do prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região TRT, localizado na Av. Jorn.Rubens

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

TEKA ELECTRONICS 81 UTP

TEKA ELECTRONICS 81 UTP 81 UTP CABO U/UTP CAT 5e Cabo com performances até os 100MHz (ANSI/TIA/EIA-568-C2), frequentemente utilizado para redes de voz e dados (100Mbit/s e Gigabit Ethernet). Pares em CCA sólido: 0,51mm (24AWG)

Leia mais

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE São Paulo, 29 de julho de 2010 PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE 1. Informações e recomendações importantes O projeto foi solicitado pela Unidade para a implantação de rede local para o prédio GETS, sendo

Leia mais

Documentação Técnica Empresa SA. PR049_10

Documentação Técnica Empresa SA. PR049_10 AS BUILT Documentação Técnica Documentação Técnica serviço de cabeamento lógico, realizado na Empresa SA. Serviço realizado após aprovação da proposta PR049_10, sendo todo projeto acompanhado pelo Sr.

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 Apresentação A PONTO DA REDE iniciou suas atividades em setembro de 1997, com sede em Salvador-Bahia, onde dispomos de um grande estoque para pronta entrega. Atuamos nos mercados

Leia mais

Cabling. Cabling. Cabling. Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84

Cabling. Cabling. Cabling. Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84 Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84 Cabeamento Estruturado Cabos Montados Conectores DIO Racks FTTx Acessórios Conteúdo Geral A família

Leia mais

A/C MUNICÍPIO DE FARROUPILHA PROPOSTA 1. PLANILHA GERAL DE MATERIAIS E SERVIÇOS:

A/C MUNICÍPIO DE FARROUPILHA PROPOSTA 1. PLANILHA GERAL DE MATERIAIS E SERVIÇOS: A/C MUNICÍPIO DE FARROUPILHA PROPOSTA PREGÃO Nº: 04/2014 RAZÃO SOCIAL: HSH Instalação e Manutenção de Equipamentos Eletrônicos Ltda. CNPJ: 09.300.659/0001-38 ENDEREÇO: Rua João Pessoa, 086 São José Canoas/RS

Leia mais

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Normas e Padrões Prof. Marciano dos Santos Dionizio Devido à falta de padronização para cabeamento de redes, em 1991 a EIA (Electronics Industries Alliance) e a TIA (Telecomunications Industry Association)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cablagem estruturada Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Cabeamento Estruturado e Projeto de Redes. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 52p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Cabeamento Estruturado e Projeto de Redes. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 52p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Thálisson de Oliveira Lopes Graduação em Tecnologia em Processamento de Dados (2007), Especialista em Gestão de Tecnologia da Informação (2008 e 2010) e Mestre em Gestão do Conhecimento e Tecnologia

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 1 2 Cabeamento Estruturado Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Roteiro Fibras ópticas Cuidados com cabos ópticos Elementos do Cabeamento Estruturado Fibras Ópticas Desde seu desenvolvimento, as fibras ópticas representaram um

Leia mais

GUIA DE RECOMENDAÇÃO PARA DATACENTER. Soluções Furukawa para Data Center. Data Center. Estrutura e Topologia

GUIA DE RECOMENDAÇÃO PARA DATACENTER. Soluções Furukawa para Data Center. Data Center. Estrutura e Topologia Soluções Furukawa para Data Center Seja qual for a aplicação utilizada em seu Data Center, a Furukawa oferece soluções metálicas e ópticas e de infraestrutura para que você se preocupe somente com o seu

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Patch Cord Tipo RJ-45 - RJ45 - CATEGORIA 5 Modelo: D8AU Patch Cord com comprimento aproximado de xx metros, com conectores modulares de 8 posições

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

TESTES E CERTIFICAÇÃO

TESTES E CERTIFICAÇÃO PROFESSOR NORBERTO - CABEAMENTO ESTRUTURADO TESTES E CERTIFICAÇÃO Para garantir a qualidade das instalações e a performance desejada é necessário que tenha-se certeza que a obra foi realizada dentro das

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 1 Ambiente de Data Center Os serviços de comunicação em banda larga estão mais

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

DECA 10. Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14

DECA 10. Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14 Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14 Ferramenta de Inserção sem Impacto 15 Conector Categoria 6A 16 Patch Panel Descarregado 24 portas Deca10 17 Cabo 4 pares trançados F/FTP 17

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012 Projetos de Redes II Tecnologia em Redes de Computadores Dias e horários Segundas-feiras 19:00 às 22:30 horas Valor das Avaliações PO1 Prova Oficial 1 PO1 (matéria somente

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida ...rede interna estruturada

Leia mais

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1 Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1 Conteúdo CABOS METÁLICOS SÓLIDO COMPONENTES DE UMA REDE CABOS ELETRÔNICOS INTERCONEXÃO E CROSS-CONNECT CABOS METÁLICOS E ACESSÓRIOS PONTO DE CONSOLIDAÇÃO

Leia mais

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos.

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. REDES DE COMPUTADORES CABO COAXIAL É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. Topologias de rede A topologia de uma rede é um diagrama que descreve como

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 - Porto Alegre (RS) PROPRIETÁRIO: EPHAC TENSÃO PRIMÁRIA DE ABASTECIMENTO:

Leia mais

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos ESPECIFICAÇÔES TÉCNICAS 1 CABEAMENTO HORIZONTAL Instalação da rede para padrão T568B constituída de 466 (quatrocentos e sessenta e seis) pontos, devidamente identificados, conforme localização definida

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor Dispositivos de rede roteador bridge switch switch ATM transceiver repetidor hub 1 Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Tudo de que se encarregam são bits (por exemplo,

Leia mais