Definição tradicional: Arranjo de monitores, formando umaúnica e maior área de exibição.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Definição tradicional: Arranjo de monitores, formando umaúnica e maior área de exibição."

Transcrição

1 NC4U Comunicação A EVOLUÇÃO DO USO DOS VIDEOWALLS NA SINALIZAÇÃO DIGITAL Artigo original de: Hiperwall, Inc (EUA)

2 O que é um videowall? Definição tradicional: Arranjo de monitores, formando umaúnica e maior área de exibição. Mais amplamente: Arranjo de monitores, painéis de LED ou projeções, formando uma única e maior área de exibição, onde são mostrados conteúdos oriundos de diversas fontes.

3 Porque usar os Videowalls? Grande área de exibição Maior atenção e retenção da audiência Maior resolução agregada Possibilidade de entregar conteúdo mais detalhado Displays distribuidos Possibilidade de entregar conteúdo em várias localidades Fontes múltiplas de conteúdo Possibilidade de entregar várias mensagens simultâneas

4 Qual é a tendência atual? Vendas de displays tela plana para videowall (EUA) Crescimento médio anual de 55.2% (fonte: isuppli) Unidades

5 História i dos Videowalls

6 Os primeiros Videowalls Os videowalls surgiram no começo dos anos 80, mas dois obstáculos limitavam a performance: Os primeiros videowalls eram baseados em monitores CRT (tubo), tipicamente de 28 polegadas, resultando em um grande espaço entre as seções de imagem. Era muito difícil, tecnicamente falando, separar a imagem de um sinal de vídeo em sinais diferentes para a cada um dos monitores. o

7 Os Laser Discs (LD) trouxeram mudanças A separação do sinal para cada um dos monitores exigia muita capacidade de memória e poder de processamento, inexistente nos computadores da época. Os primeiros processadores oferecidos por empresas como Philips Vidiwall e Delcom (Gundermann) eram incrivelmente caros. Um dos caminhos alternativos para este problema era usar a tecnologia dos Laser Discs, O processo resumia-se na utilização de múltiplos Laser Disc Players, um para cada display. O conteúdo deveria ser preparado por uma produtora de vídeo, e cada Laser Disc era gravado com uma parte da imagem correspondente a cada um dos monitores. Este método trouxe resultados impressionantes, mas a demanda mais forte era por sistemas que pudessem separar imagens em tempo real.

8 Os processadores de videowall evoluiram. No final dos anos 80, novos dispositivos de memória, de menor custo, foram colocados no mercado por empresas como a Philips. O custo por display dos processadores caiu significativamente, tornando os processadores de videowall uma alternativa interessante em relação ao custo dos sistemas baseados em LD. Empresas como a Eletrosonic e Synelec lançaram novos modelos de processadores de videowall, programáveis, que permitiam que os videowalls fossem utilizados criativamente, com o uso de múltiplas imagens vindas de múltiplas fontes de sinal.

9 Os espaços entre as imagens sumiram. Por volta de 1989 vimos a chegada de cubos de videowall das companhias como Pioneer, Eletrosonic, Sony, Toshiba, Electrohome, Barco e outras. Consistia em um sistema de projeção posterior de vídeo montado em uma estrutura em cubos. Os cubos de videowall revolucionaram o mercado. Os espaços entre as imagens tornaram-se invisíveis, o brilho e contraste foi aumentado, e os videowalls viabilizaram a apresentação de imagens gigantes. Os cubos de videowall ainda existem na atualidade, mas baseados em tecnologias LCD, DLP ou ainda LPD (Laser Phosphor Displays), produzindo imagens com cada vez mais contraste e definição.

10 As técnicas de processamento mudaram. A próxima geração dos processadores de videowall traziam novidades sobre como o video era processado. As habilidades básicas de segmentação eram adequadas para vídeo, mas como as aplicações de comando e controle cresceram no início dos anos 90, a capacidade gráfica tornou-se uma exigência crítica. Os novos oo processadores po eram baseados ado em computadores com múltiplas placas gráficas, capazes de gerenciar múltiplas janelas simultaneamente. Esta técnica exigia que todo o conteúdo fosse mostrado por um programa executado naquele mesmo computador. No final dos anos 90, uma nova geração de processadores oferecia os benefícios de um sistema baseado em computador, mas também aceitando entradas analógicas de video. Os maiores fabricantes então eram Jupiter e Electrosonic (EUA) e Synelec (França)

11 Considerações õ sobre a qualidade d de um videowall

12 Pixelização ou serrilhamento A pixelização aumenta proporcionalmente com a ampliação Sem ampliação Sem pixelização Ampliação 2x Pixelização baixa Ampliação 3x Pixelização moderada A visibilidade da pixelização depende da distância da visualização ação

13 Compensação de molduras Ativa Inativa Alguns pixels não são mostrados A linearidade d das formas é mantida Melhor para imagens e video Todos os pixels são mostrados A linearidade d é perdida dd Melhor para dados

14 A evolução dos modernos videowalls

15 Arquiteturas de videowall

16 Hard Wired Fontes de sinal conectadas permanentemente a cada um dos displays Arquitetura mais antiga (LD, por exemplo) Suporta grande variedade d de fontes de sinal Suporta grande variedade de displays

17 Arquitetura Hard Wired

18 Vantagens Análise da arquitetura Hard Wired Éaarquitetura arquitetura mais simples Pode ser usada em praticamente qualquer tipo de display Baixo custo ou sem custo adicional ao display Desvantagens Mais restritivo: O conteúdo não pode ser movido ou ampliado Uma fonte de sinal por display Um display para cada fonte de sinal Modificações exigem retrabalho no cabeamento Distância limitada se não forem usados extensores Sincronização possível somente externamente

19 Matrizes de Comutação Painel de conexões: hardware dedicado Múltiplas saídas Possibilidade de duplicar uma fonte em mais de um monitor Possibilidade d de transcodificação entre formatos de video Vídeo composto, S-Video, Componente, VGA, DVI, HDMI

20 Arquitetura das Matrizes de Comutação Entradas Matriz de Comutação Saídas

21 Análise das matrizes de comutação Vantagens Flexibilidade de enviar qualquer sinal de entrada a qualquer display Desvantagens Distância i limitadait semo usode extensores Número limitado de fontes de sinal e displays Custo moderado Modularidade fixa no posicionamento do sinal

22 Daisy-Chain Uma entrada por vez, PC ou Vídeo Conexão sequencial entre vários monitores Cada monitor exibe um quadrante do sinal

23 Arquitetura Daisy-Chain

24 Análise da Arquitetura Daisy-Chain Vantagens: Baixo custo, normalmente incluida em monitores para videowall Configuração simples Desvantagens Somente uma entrada de vídeo por vez Ampliações causam pixelização

25 Exemplo de configuração Daisy Chain Recurso TILE MATRIX (NEC) O recurso Tile Matrix de monitores NEC possibilita que uma imagem seja expandida e exibida O recurso Tile Matrix de monitores NEC possibilita que uma imagem seja expandida e exibida em uma configuração de videowall.

26 Processadores de vídeo Chassis baseado em PC, customizado para a aplicação Cada slot possui placas de entrada/saída de vídeo 4 placas de entrada DVI ou VGA 4 placas de saída 2x DVI ou VGA Na foto: Processador com 4 entradas e 8 saídas

27 Arquitetura do processador de vídeo Entradas Processador Saídas As conexões são de Vídeo Composto, S-Video, Vídeo componente, VGA, DVI ou HDMI. A não ser que sejam utilizados extensores de sinal, olimite para o cabeamento é de 5 metros.

28 Análise dos Processadores de Vídeo Vantagens Alta flexibilidade no posicionamento e dimensionamento de conteúdo Múltiplas fontes de sinal simultâneas Equipamento programável Desvantagens Custo elevado: Normalmente requer superdimensionamento e backup Escalabilidade limitada Distância de cabeamento limitada sem o uso de extensores

29 Sistemas Distribuídos Um sistema distribuído é composto de unidades autônomas de geração e recepção de sinal baseados em hardware comum como PCs ou NUCs, conectados por um sistema de comunicação comum, como uma rede local. A rede é controlada por programas especializados, instalados nos PCs ou NUCs, que desempenham as funções de geração, exibição e gerenciamento dos displays do videowall. Intel Next Unit of Computing (NUC)

30 Arquitetura dos sistemas distribuídos Entradas Saídas Gigabit LAN PC de controle Todas as conexões são Ethernet

31 Vantagens Análise dos sistemas distribuídos Alta flexibilidade no posicionamento e dimensionamento de conteúdo Alta escalabilidade Eliminação de hardware especializado, backup de hardware reduzido Infraestrutura CAT5e Baixos custos de material e instalação Ampla seleção de fornecedores e configurações Programável Sistema modular Desvantagens Custo moderado Uso de múltiplos módulos de hardware

32 Comparativo -Conteúdo Hard Wired Daisy Chain Matriz Processador Distribuído PCs Quantidade 1 por tela 1 1 por tela Limitado pelo poder de processamento Resolução Máxima 1920x x x1600 Limitado pela banda da rede local Limitado pela fonte 100M pixels Fontes de Vídeo Quantidade 1 por tela 1 1portela Limitado pelo poder de processamento Resolução Máxima 1080P 1080P 1080P 1080P Limitado pela banda da rede local Limitado pela fonte 100M pixels Arquivos de vídeo Não Não Não Sim Sim Imagens Still Não Não Não Não Sim Dimensionamento Padrão Padrão Padrão Variável Variável

33 Comparativo Funções Hard Wired Daisy Chain Matriz Processador Distribuído Posicionamento Não Não Sim Sim Sim Redimensionamento Não Não Não Sim Sim Duplicação Não Não Sim Sim Sim Sombreamento Não Não Não Sim Sim Transparência Não Não Não Sim Sim Rotação Não Não Não Sim Sim Playlists Não Não Não Sim Sim Cenários salvos Não Não Sim Sim Sim Controle Externo Não Não Sim Sim Sim

34 Comparação de Características Técnicas Conectividade Hard Wired Daisy Chain Matriz Processador Distribuído ib Cabeamento Qualquer DVI Qualquer Qualquer CAT 5e Limite de comprimento 5 metros 5 metros 5 metros 5 metros 100 metros Custo do cabeamento Moderado Moderado Moderado Moderado Baixo Facilidade de instalação Moderada Moderada Moderada Moderada Fácil Displays Tipo Qualquer Qualquer Qualquer Qualquer Qualquer Quantidade Dimensionamento assimétrico Ilimitada Encaixe em um só monitor 25 (Realista) 100 (Teórica) Limitado pelas características da Matriz Limitado pelo poder de processamento Limitado pela banda da rede local Relativo Relativo Sim Sim * Assumes no extenders are used

35 Comparação de Custo Para videowall com 12 telas Preço FOB EUA Sistema Distribuído Sistema com Processador 12 Displays 46" Ultra Thin Bezel $37, $37, Displays 46" Ultra Thin Bezel 12 Suportes de parede para 46 $ $ Suportes de parede para 46 Licenças de software distribuído 12 Licenças de Display 01 Licença do Controlador do Videowall $23, $51, Processador Videowall 01 Licença para o computador streamer 03 Licença para o computador sender 12 PCs compactos (um para cada monitor) $ $ Licença KVM para o computador de controle 1 PC para controle do videowall $ ' cabos DVI para conexão dos monitores ao $ processador 1 PC i7 com placa de captura (Streaming) $ $ PC convencionais i5 (Sender) $ $ Cabos DVI para conectar os computadores (sender) ao processador 1 Cabo DVI para conectar a fonte de vídeo ao processador 1 Switch 24 portas Layer 2 IGMP Gigabit $ $ PCs convencionais i5 (Sender) 1 Caixa de cabo CAT5e $ Conectores RJ45 $ Cabo HDMI para conexão da fonte de vídeo ao PC i7 (streaming) $39.99 Total $73, $99, Total Notas: O custo de instalação do cabeamento DVI é maior do que o CAT5e Para o Brasil, a incidência de impostos sobre o hardware+backup (não considerado no estudo) chega a 100%, enquando a do software é 17,65% Analysis performed Q by Brawn Consulting

36 Energia Considerações para instalação de um videowall com sistema distribuído ib No videowall um circuito para cada 4 displays/pcs Um circuito exclusivo para oswitchderede Refrigeração Compatível Infrastrutura t a Switch Layer 2 IGMP Gigabit Cabeamento, caixas de passagem, dutos Montagem Dimensionamento estrutural adequado Superfície plana Suportes específicos para videowall

37 Distribuidor para o Brasil NC4U Comunicação Contato: Sergio Bueno

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PLACAS DE EXPANSÃO... 3 PLACAS DE VÍDEO... 3 Conectores de Vídeo... 4 PLACAS DE SOM... 6 Canais de Áudio... 7 Resolução das Placas de Som...

Leia mais

PANELVIEW COMPONENT NÍVEL DE COMPONENTE DAS SOLUÇÕES DE INTERFACE DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

PANELVIEW COMPONENT NÍVEL DE COMPONENTE DAS SOLUÇÕES DE INTERFACE DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO PANELVIEW COMPONENT NÍVEL DE COMPONENTE DAS SOLUÇÕES DE INTERFACE DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO PANELVIEW COMPONENT Quando você necessita de um componente essencial, com valor agregado, mas com custo reduzido,

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

SOPHO Dterm. Telefones Executivos Digitais* Benefícios. Melhore o desempenho dos seus negócios

SOPHO Dterm. Telefones Executivos Digitais* Benefícios. Melhore o desempenho dos seus negócios SOPHO Dterm Telefones Executivos Digitais* Benefícios Possibilidade de escolha entre quatro modelos que oferecem serviços customizados e desempenho que atendem suas necessidades Recursos importantes acessíveis

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias de computadores Trabalho realizado por: Carlos Aguilar nº 27886 Miguel Xavier nº 26705 Bruno Esteves nº 26975 ECRÃS Introdução Servem basicamente para mostrar

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

Lançamento Philips Signage Solu3ons para o Mercado Brasileiro

Lançamento Philips Signage Solu3ons para o Mercado Brasileiro Lançamento Philips Signage Solu3ons para o Mercado Brasileiro Tendência de Crescimento do Mercado Global 9.000.000 8.000.000 7.000.000 29% 6.000.000 5.000.000 4.000.000 3.000.000 2.000.000 1.000.000 25%

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

AM@DEUS Manual do Usuário

AM@DEUS Manual do Usuário 80 P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Placas de Vídeo. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Placas de Vídeo. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Placas de Vídeo Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Dispositivo responsável pela comunicação entre a placa mãe e o monitor de vídeo para reproduzir imagens. Dispositivo básico de output. Converte

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

SISTEMA VIDEOWALL MÓDULOS DOS PAINÉIS VÍDEO WALL DAS SALAS DE OPERAÇÃO E DE CRISE

SISTEMA VIDEOWALL MÓDULOS DOS PAINÉIS VÍDEO WALL DAS SALAS DE OPERAÇÃO E DE CRISE SISTEMA VIDEOWALL MÓDULOS DOS PAINÉIS VÍDEO WALL DAS SALAS DE OPERAÇÃO E DE CRISE Tecnologia LCD (Liquid Crystal Display) com backlight lâmpada ou backlight LED (Light Emitting Diode). Medida diagonal

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Barramento Também conhecido como BUS É um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos,

Leia mais

Soluções completas de segurança em vídeo IP

Soluções completas de segurança em vídeo IP Soluções completas de segurança em vídeo IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com IndigoVision Visão geral A solução empresarial de segurança IP IndigoVision garante o monitoramento

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

All in touch. www.apek.com.br

All in touch. www.apek.com.br All in touch. www.apek.com.br Tecnologia Precisão, resposta e confiabilidade. Touchscreen óptico Apek QuadSensor Com a chegada do touchscreen Óptico Apek QuadSensor chega também ao mercado uma experiência

Leia mais

LFD COMPARAÇÃO ENTRE LCD TV E LFD POR QUE LFD? -Conceito lados paralelos

LFD COMPARAÇÃO ENTRE LCD TV E LFD POR QUE LFD? -Conceito lados paralelos POR QUE LFD? LFD -Conceito lados paralelos -Display de grandes dimensões -Painéis informativos em áreas publicas -Entretenimento combinado com informações -Uso continuo por mais de 10 horas -Vários painéis

Leia mais

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF)

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF) 15 Conectores de Vídeo Existem vários tipos de conexões de vídeo que você pode encontrar no PC e em aparelhos eletrônicos como TVs, aparelhos de DVD e videoprojetores. Apesar de a finalidade geral desses

Leia mais

Monitor Profissional LED (Digital Signage) Série XL GRANDE NO TAMANHO, MAIOR NOS BENEFÍCIOS. Simplificando a vida.

Monitor Profissional LED (Digital Signage) Série XL GRANDE NO TAMANHO, MAIOR NOS BENEFÍCIOS. Simplificando a vida. Monitor Profissional (Digital Signage) Série XL GRANDE NO TAMANHO, MAIOR NOS BENEFÍCIOS 46 55 plificando a vida. Ideal para video wall Video wall Os monitores profissionais AOC Série XL são ideais para

Leia mais

GS 16SVR960 Sistema de Gravação de Vídeo - 960H - 16 canais

GS 16SVR960 Sistema de Gravação de Vídeo - 960H - 16 canais www.gigasecurity.com.br GS 16SVR960 Sistema de Gravação de Vídeo - 960H - 16 canais Gravador de vídeo Fonte bivolt Proteção de surto HD opcional Acesso via internet Sistema de gravação de vídeo Muito mais

Leia mais

Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²)

Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²) Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²) 1. Esta Especificação destina-se a orientar as linhas gerais para o fornecimento de equipamentos. Devido às especificidades de cada central e de cada

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

KARL STORZ OR1 TM Streaming Solutions. Estabeleça conexões

KARL STORZ OR1 TM Streaming Solutions. Estabeleça conexões KARL STORZ OR1 TM Streaming Solutions Estabeleça conexões Atualmente, a necessidade de ter acesso à sala de cirurgia e a observação do seu fluxo de trabalho exige soluções adequadas no âmbito das tecnologias

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Game Design e Tecnologia na Incubadora

Game Design e Tecnologia na Incubadora Game Design e Tecnologia na Incubadora INCUBADORA versão final Introdução Inspirado em jogos de simulação como The Sims, INCUBADORA versão final é um espetáculo-jogo, que promove a reflexão sobre os modos

Leia mais

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Flexibilidade, confiabilidade e segurança na detecção de incêndios. Sistemas Endereçáveis Analógicos Módulos e Cartões de Comunicação Dispositivo de Análise de Laço

Leia mais

Software Control Center

Software Control Center Software Control Center Uma solução empresarial de segurança IP, com capacidade de gerenciamento de vídeos, áudio e alarmes sobre redes IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com

Leia mais

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP.

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. VANTAGENS DAS SOLUÇÕES DE VIGILÂNCIA DIGITAL IP É verdade que o custo de aquisição das câmeras digitais IP, é maior que o custo de aquisição das câmeras

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Câmeras. Internas. www.foscam.com.br

Câmeras. Internas. www.foscam.com.br Câmeras Internas IP WIRELESS FOSCAM FI9821W A câmera IP FOSCAM FI9821W é uma solução para clientes que procuram um equipamento de alto desempenho, com compressão de imagem H.264 e resolução Megapixel.

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

CAPTURAS DE VÍDEO CONHECENDO :: PLACAS DE CAPTURAS

CAPTURAS DE VÍDEO CONHECENDO :: PLACAS DE CAPTURAS CAPTURAS DE VÍDEO CONHECENDO :: PLACAS DE CAPTURAS MODALIDADES : US, ECO, ENDO E COLO. CAPTURA DE IMAGENS. Criamos uma linha de produtos denominado PROCapVG para a utilização em serviços de captura de

Leia mais

AULA4: PROCESSADORES. Figura 1 Processadores Intel e AMD.

AULA4: PROCESSADORES. Figura 1 Processadores Intel e AMD. AULA4: PROCESSADORES 1. OBJETIVO Figura 1 Processadores Intel e AMD. Conhecer as funcionalidades dos processadores nos computadores trabalhando suas principais características e aplicações. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

Quadro de Comando 24V SMD CAN ISO 9001. 32 bits. A modernização necessária para seu elevador! 240m/min. Até 48. Componentes. Alimentação.

Quadro de Comando 24V SMD CAN ISO 9001. 32 bits. A modernização necessária para seu elevador! 240m/min. Até 48. Componentes. Alimentação. Quadro de Comando Componentes SMD Processador 32 bits Alimentação 24V Até 48 Comunicação CAN pavimentos Velocidade até Apenas conexões* 240m/min 27 Empresa com Duplex, Triplex e Quadriplex ISO 9001 A modernização

Leia mais

Capítulo 1 Energia Elétrica; Capítulo 2 Montagem; Capítulo 3 Configuração; Capítulo 4 Manutenção; Capítulo 5 Redes;

Capítulo 1 Energia Elétrica; Capítulo 2 Montagem; Capítulo 3 Configuração; Capítulo 4 Manutenção; Capítulo 5 Redes; Capítulo 1 Energia Elétrica; Capítulo 2 Montagem; Capítulo 3 Configuração; Capítulo 4 Manutenção; Capítulo 5 Redes; 1 Colégio Serrano Guardia Módulo I Informática Básica Hardware O hardware é a parte física

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Aula 3 Curso de Hardware

Aula 3 Curso de Hardware Curso de Hardware Placas de Som Placas de Rede Placas de Vídeo Dispositivos de Entrada e Saída INSTRUTORES UFPR Placas de Som O nome já diz tudo: as placas de som são dispositivos responsáveis por prover

Leia mais

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Visão Computacional Alessandro L. Koerich Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Interfaces Câmera PC Analógica, Firewire, GigE, Camera Link, USB Introdução

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 Obrigado por escolher o DVR USB ST-104 DIMY S. Por favor, certifique-se que a operação do produto esta de acordo com este manual para garantir a estabilidade do sistema

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas LIGADORES DE VIDEO: VGA, DVI, S-VIDEO E COMPONENTE VIDEO José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução

Leia mais

ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014. Termo de Referencia

ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014. Termo de Referencia ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014 Termo de Referencia 1. OBJETO Aquisição de equipamentos de sistema de segurança (circuito fechado DVR), sendo DVR, Câmeras e Fontes 2. Descrição Quantidade Equipamento

Leia mais

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos.

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Scanners Manual Básico Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Tipos de Scanners Diferentes tipos de scanners funcionam de diferentes maneiras. Conheça

Leia mais

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch.

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência AEC Access Easy Controller Guia de Referência Índice 3 1. AEC - Vista Geral do Sistema 4 2. AEC - Componentes Principais 6 3. AEC - Configuração 7 4. AEC - Benefícios 8 5. AEC - Como encomendar? 10 6.

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

Conversor de Vídeo. BNC / S-Vídeo / VGA para VGA. Manual do Usuário

Conversor de Vídeo. BNC / S-Vídeo / VGA para VGA. Manual do Usuário Conversor de Vídeo BNC / S-Vídeo / VGA para VGA Manual do Usuário Obrigado por comprar um Produto Comtac Você comprou um produto de uma empresa que oferece alta qualidade e valor agregado. Conheça nossa

Leia mais

Série ImagePRO II. Multiplicador de frequências de vídeo, conversor de digitalização e comutador multifuncional

Série ImagePRO II. Multiplicador de frequências de vídeo, conversor de digitalização e comutador multifuncional O ImagePRO II é um multiplicador de frequências, conversor de busca, comutador e transcoder avançado de vídeo completo e com alto desempenho que converte qualquer formato de sinal de entrada em qualquer

Leia mais

Novo cabo HDMI AVIS da Discabos

Novo cabo HDMI AVIS da Discabos sac@discabos.com.br www.discabos.com.br Novo cabo HDMI AVIS da Discabos O primeiro cabo HDMI High Speed (1.4) com Ethernet e retorno de áudio. O padrão HDMI acaba de se tornar muito mais poderoso, com

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA

A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA FINALMENTE. CONEXÃO DE REDES SEM FIO DE ALTO DESEMPENHO DE CLASSE EMPRESARIAL SIMPLIFICADA PARA EMPRESAS MENORES. Por menor que seja sua empresa, com certeza tem muitas

Leia mais

Cabeamento Estruturado (CBE)

Cabeamento Estruturado (CBE) Cabeamento Estruturado (CBE) Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José tisemp@sj.ifsc.edu.br 09 de Março de 2010 Prof. Tiago (IFSC) Cabeamento

Leia mais

Especificações SMART Document Camera. Modelo SDC-330. Especificações de hardware. Recursos padrão. Simplificando o extraordinário.

Especificações SMART Document Camera. Modelo SDC-330. Especificações de hardware. Recursos padrão. Simplificando o extraordinário. PENSE ANTES DE IMPRIMIR Especificações SMART Document Camera Modelo SDC-330 Especificações de hardware Dimensões Configurar Dobrada Peso 28,9 cm 41,7 cm 37 cm (11 3/8" L 16 3/8" A 14 5/8" P) 28,9 cm 9,5

Leia mais

Guia do Usuário. PCtel E1

Guia do Usuário. PCtel E1 Guia do Usuário PCtel E1 Conteúdo Conhecendo o Produto...05 Instalação Física...08 Módulo Supervidor...10 Política de Garantia...12 Aspectos gerais Conhecendo o produto A Pctel desenvolveu uma plataforma

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

AV LIFE DISTRIBUIÇÃO DE SINAIS PARA ESTÁDIOS

AV LIFE DISTRIBUIÇÃO DE SINAIS PARA ESTÁDIOS DISTRIBUIÇÃO DE SINAIS PARA ESTÁDIOS O projeto visa exemplicar, de forma prática e direta, as aplicações que equipamentos como o via IP e o Droid Player Polar podem ter em grandes ambientes, estádios de

Leia mais

Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet

Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet Indice: Apresentação...2 Ligando o terminal...3 Configurações iniciais...3 Configuração de IP...3 Teclas especiais...4 Cabo de rede...4 Leitor externo...4

Leia mais

Gravação e Transmissão

Gravação e Transmissão O D-Guard Center é um poderoso sistema de controle e monitoramento, integrado aos mais diversos equipamentos de segurança eletrônica. Ilimitados dispositivos podem ser controlados e monitorados simultaneamente:

Leia mais

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA 0 Empresa Com mais de 15 anos de experiência no mercado, GÊNIO INFORMÁTICA é líder em seu segmento e se destaca na prestação de serviços em redes de computadores e instalação de CFTV (Câmeras de segurança).

Leia mais

Relatório da prática/proposta

Relatório da prática/proposta Relatório da prática/proposta 1.Nome da pratica/ proposta inovadora: Projeto de Digitalização de Imagens Radiológicas na Rede Pública de Saúde de Naviraí 2.Caracterização da situação anterior: O município

Leia mais

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Atenção: Antes de operar o equipamento, leia o manual do usuário, qualquer dano causado decorrente de utilização errônea do mesmo implicará na perda imediata

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO TVX MIDIA DIGITAL INDOOR

GUIA DE INSTALAÇÃO TVX MIDIA DIGITAL INDOOR GUIA DE INSTALAÇÃO TVX MIDIA DIGITAL INDOOR I Guia de Instalação Este guia tem como obje vo apresentar a você todo o equipamento necessário para o perfeito funcionamento do Sistema TVX. Todas as especificações

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Ata de Formação do Cadastro de Reserva

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Ata de Formação do Cadastro de Reserva 05/10/2015 COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração LatinoAmericana Ata de Formação do Cadastro de de abertura: 16/09/2015 09:02

Leia mais

Visão do Sistema Operacional

Visão do Sistema Operacional Visão do Sistema Operacional programadores e analistas usuários programas, sistemas e aplicativos Usuários Sistema Operacional memória discos Hardware UCP fitas impressoras monitores O que é um Sistema

Leia mais

Como Utilizar Power over Ethernet para Reduzir o Consumo de Energia

Como Utilizar Power over Ethernet para Reduzir o Consumo de Energia Como Utilizar Power over Ethernet para Reduzir o Consumo de Energia Documento Técnico Setembro de 2011 Visão Geral A tecnologia 'Power over Ethernet' (PoE) tornou-se uma ferramenta cada vez mais importante

Leia mais

Highlights 2016. Edição do 1 trimestre de 2016 OR1

Highlights 2016. Edição do 1 trimestre de 2016 OR1 Highlights 2016 Edição do 1 trimestre de 2016 OR1 KARL STORZ OR1 FUSION O melhor comando para a sala de cirurgia KARL STORZ OR1 FUSION é uma plataforma que proporciona roteamento de áudio/vídeo, documentação

Leia mais

Redes de Computadores e suas classificações. Maurício Severich

Redes de Computadores e suas classificações. Maurício Severich Redes de Computadores e suas classificações Maurício Severich Sumário O computador pessoal e a demanda Redes e suas classificações Conectividade Cliente/Servidor Topologia Distância O computador pessoal

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Conceito, características e classificação das Redes de Computadores; Topologias; Meios físicos de transmissão; Equipamentos de Rede; Segurança;

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

ANEXO II DO EDITAL MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL (EM PAPEL TIMBRADO DA EMPRESA) AO: MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO A/C: Srª Pregoeira

ANEXO II DO EDITAL MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL (EM PAPEL TIMBRADO DA EMPRESA) AO: MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO A/C: Srª Pregoeira ANEXO II DO EDITAL MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL (EM PAPEL TIMBRADO DA EMPRESA) AO: MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO A/C: Srª Pregoeira PREGÃO ELETRÔNICO POR SRP Nº 03/2014 PROCESSO Nº 04300.002982/2013-73

Leia mais

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SUBESTAÇÕES SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SCMS / STRAY CURRENT MONITORING SYSTEM (SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CORRENTE DE FUGA) Definição de corrente de fuga O funcionamento dos sistemas

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

3. Cite o nome e características do ponto mais alto e do ponto mais baixo de uma onda?

3. Cite o nome e características do ponto mais alto e do ponto mais baixo de uma onda? Exercícios: 1. Sobre:Ondas Responda: a. O que é a Natureza de Ondas? b. O que origina as Ondas Mecânicas? c. As Ondas Mecânicas se propagam no vácuo? Explique a sua resposta. d. Quais são os elementos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Virtualização de Desktops NComputing

Virtualização de Desktops NComputing NComputing Resumo Todos já nos acostumamos ao formato do PC, que permite que cada usuário tenha sua própria CPU, seu próprio disco rígido e sua própria memória para rodar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais