AS CRIANÇAS, SUAS INF NCIAS E

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS CRIANÇAS, SUAS INF NCIAS E"

Transcrição

1 AS CRIANÇAS, SUAS INF NCIAS E SUAS HISTŁRIAS: MAS POR ONDE ANDAM SUAS GEOGRAFIAS? *1 Jader Janer Moreira Lopes ** Resumo Este texto busca contribuir com os trabalhos contemporâneos que se esforçam para romper com as visões adultocêntricas relativas às crianças, buscando colocá-las em lugares diferentes dos que, tradicionalmente, têm sido destinados a elas em nossa sociedade. Mas o faz de um ponto específico: o da Geografia. Nessa perspectiva, busca fazer aproximações entre os conceitos chaves sistematizados dentro da ciência geográfica, ao longo de sua constituição epistemológica e direciona-os para olhar as crianças, suas infâncias e as interações com os espaços, num campo que tem sido chamado de Geografia da Infância. Palavras-chave: Geografia da Infância. Criança. Espaço. Abstract This text searchs to contribute with the works contemporaries who if strengthen to breach with relative traditions visions of children, being searched to place them in different places of that, traditionally, they have been destined they in our society. But it makes it of a specific point: of the Geography. In this perspective, searchs to inside make approaches between the concepts keys systemize of geographic science, throughout its constitution and directs them to look at the children, its infancies and the interactions with the space, in a field that has been called Geography of childhood. * Este texto faz parte da pesquisa desenvolvida junto ao Núcleo de Pesquisa, Extensão e Estudo de Crianças de 0 a 6 anos, intitulada Produção do território brasileiro e produção dos territórios de infância: por onde andam nossas crianças? A pesquisa contou com bolsa PIBIC/CNPQ, financiamento da FAPERJ e apoio da PROPP/UFF.

2 Jader Janer Moreira Lopes Keywords: Geography of childhood. Children. Space. Resumé Ce texte cherche contribuer avec les travaux à des contemporains qui s efforcent pour rompre avec les visions traditionalle aux enfants, en cherchant les placer dans des places différentes de ce qui, traditionnellement, ont été destinés à elles dans notre société. Mais il le fait d un point spécifique: la de Geographie. Em cette perspective, cherche faire des approches entre les concepts clés systématisés à l intérieur de la science géographique, au long de sa constitution et les dirige pour regarder les enfants, leurs enfances et les interactions avec l espace, dans un champ qui a été appelé de Géographie de l Enfance. Mots-clés: Géographie de l Enfance. L enfants. L espace. A primeira coisa que guardei na memória foi um vaso de louça vidrada, cheio de pitombas, escondido atrás de uma porta. Ignoro onde o vi, quando o vi, e se uma parte do caso remoto não desaguasse noutro posterior, julgá-lo-ia sonho. Talvez nem me recorde bem do vaso: é possível que a imagem, brilhante e esguia, permaneça por eu a ter comunicado a pessoas que a confirmaram. Assim não conservo a lembrança de uma alfaia esquisita, mas a reprodução dela, corroborada por indivíduos que lhe fixaram conteúdo e forma. Graciliano Ramos em Infância 32 O local é dividido em duas partes: uma destinada às crianças menores e outro às maiores. No espaço das crianças de 5 a 6 anos, existem árvores, um tanque de areia, um brinquedo de madeira, chamado de vai-e-vem uma tábua longa, presa no meio e em cada ponta um assento, onde posicionam-se as crianças que, usando as forças das pernas, sobem e descem, num movimento de balança, nas árvores existem pontes montadas de cordas e madeiras, além de gangorras. Um grupo de criança brincava subindo nas árvores, gangorreando penduradas nas cordas, até que uma delas disse: Aqui tem um portal referia-se à passagem formada entre a ponte de madeira e o chão, um espaço estreito, o qual, para passarem, deve-

3 riam arrastar-se. E foi o que fizeram, uma após outra, enfiaram-se embaixo da ponte e chegaram num outro lugar. Uma delas gritou: precisamos de um mapa, outra respondeu: aqui tem um, e pegou uma tampa de uma panela que por ali estava. Essa observação foi recolhida num pátio de uma escola. Em suas brincadeiras as ações coletivas das crianças remetem para atuações no espaço e nos atributos que o formam, inclusive em sua representação: são tampas que se configuram como mapas, passagens que se abrem para outros mundos, objetos que tomam outras funções e uma infinidade de possibilidades vivenciadas entre pares e que demonstram formas singulares junto aos seus espaços. Nos últimos anos um novo olhar sobre as crianças e suas infâncias tem sido sistematizado em diversas áreas do conhecimento. Os estudos da Sociologia da Infância, da Antropologia da Infância, Psicologia do Desenvolvimento, entre outras, têm contribuído para a emergência de um novo paradigma, novos ângulos de se perceber e compreender as crianças e suas ações frente ao mundo em que se inserem, mas uma de suas facetas tem sido constantemente negada: as interações entre as crianças e seus espaços. Em trabalhos anteriores (Lopes e Vasconcellos, 2005) temos refletido sobre a infância como um espaço de embate entre os diferentes agentes e setores que buscam trazer as crianças para suas áreas de influências, o que coloca essa categoria na condição de território, onde diferentes grupos, instituições e outros se aproximam, afastam, dialogam, conflituam na produção de saberes (e poderes) relativos às crianças e suas infâncias. Esses embates têm gerado diferentes paradigmas ao longo da história da infância que se desdobram em diferentes implicações e atuações. Segundo Sarmento (2005) As crianças, suas infâncias e suas histórias: mas por onde andam suas geografias? em todas as épocas, todas as sociedades construíram ideias e imagens sobre seus membros de idade mais jovem, as quais se constituíram como modos funcionais de regulação das relações inter-geracionais e de atribuições dos diferentes papeis sociais. (p. 23). Para esse autor (idem), um traço que tem acompanhado a infância é a sua compreensão na perspectiva da negatividade, inscrita desde a palavra latina, é o in-fans, o que não fala, e perpetuando-se em outros momentos históricos: é a idade da não razão, é a 33

4 Jader Janer Moreira Lopes 34 idade do não trabalho. E, mais recentemente, frente às mudanças contemporâneas que têm alardeado para alguns o desaparecimento da infância (por exemplo, Postman, 1999) é a idade não-infância. Poderíamos agregar, ainda, às suas reflexões mais uma negatividade: a do espaço e do tempo, a noção de uma infância percebida como sujeitos a-topos, ou seja, de lugar nenhum, como sujeitos a-temporais, de tempo nenhum. A infância, portanto, tem sido percebida muito mais pela sua ausência, pela sua incompletude, do que pela sua presença, concepção que se espraia em várias dimensões sociais e materializa ações em diversos campos, como na área da educação. Essa perspectiva de ver a criança e de conceber a infância nega seu papel de sujeito social, nega a existência de suas histórias e geografias, nega suas possibilidades de construção, de ação e de diálogo na produção dos espaços e tempos em que se inserem e a coloca na condição de sujeito passivo e, portanto, passível de receber ações que vêm dos outros que compõem seus cotidianos. Esse texto é fruto de reflexões de pesquisas, construídas ao longo de minha trajetória acadêmica, e objetiva contribuir com os trabalhos que se esforçam para romper com as visões adultocêntricas relativas às crianças, buscando colocá-las em lugares diferentes dos que, tradicionalmente, têm sido destinados a elas em nossa sociedade. Mas o faz de um ponto específico: o de minha formação em Geografia. Isso significa dizer que busco fazer aproximações entre o arcabouço teórico pertinente ao pensamento geográfico e os estudos mais contemporâneos sobre as crianças e suas infâncias. Nessa perspectiva, temos trabalhado com conceitos chaves sistematizados dentro da ciência geográfica, ao longo de sua constituição epistemológica e direcionando-os para olhar as crianças e suas interações com o espaço, num campo que temos chamado de Geografia da Infância 1. Portanto, as crianças, a infâncias e suas vivências espaciais são as temáticas pertinentes desse texto. Iniciei essa reflexão trazendo uma vivência cotidiana de crianças num pátio escolar. Gostaria de continuá-la trazendo uma outra descrição, que representa uma unidade de Educação Infantil de uma cidade específica do país: A unidade de educação infantil ocupa uma grande área no bairro, um prédio em forma retangular está fincado no centro do terreno, cercado por muros e grades, o que possibilita às pessoas que passam pela rua, onde essa se situa,

5 observarem o que ocorre em seu interior. Dentro da estrutura está presente um pátio para refeição, as salas de atividades diversas, a cozinha, banheiros, salas administrativas e outros equipamentos; nas paredes penduradas diversas imagens de personagens da mídia, onde os mais comuns são os personagens da Disney. No lado externo, em todo o seu entorno, há uma grande área livre, destinada para as atividades recreativas das crianças. Em um de seus cantos, há grandes brinquedos de plástico, como escorregadores, uma boa parte é cimentada e outras com a presença de grama ou areia. Numa parcela desse espaço, uma organização espacial se destaca em meu olhar, pois apresenta um jardim muito bem cuidado, onde estão presentes uma série de objetos, entre eles aparecem bonecos de gesso, que repetem uma boa parte das figuras existentes no interior do prédio. Além disso, alguns pedaços de árvores cortados ajudam a compor o local, constituindo uma tentativa de ordamento na configuração daquela paisagem. (Observação cotidiana, 2006) As crianças, suas infâncias e suas histórias: mas por onde andam suas geografias? Essa transcrição nos remete para um dos conceitos da Geografia que é o de paisagem. Para HOLZER (1997, p. 81): A geografia tem um termo que me parece muito mais rico e apropriado para seu campo de estudo. Esta palavra incorpora ao suporte físico os traços que o trabalho humano, que o homem como agente, e não como mero espectador, imprime aos sítios onde vive. Mais do que isso, ela denota o potencial que um determinado suporte físico, a partir de suas características naturais, pode ter para o homem que se propõe a explorá-lo com as técnicas de que dispõe. Este é um dos conceitos essenciais da geografia: o conceito de paisagem. Segundo Santos (2004, p. 103): Paisagem e espaço não são sinônimos. A paisagem é um conjunto de formas que, num dado momento, exprimem as heranças que representam as sucessivas relações localizadas entre homem e natureza. O espaço são essas formas mais a vida que as anima. E continua: A paisagem se dá como um conjunto de objetos reais-concretos. Nesse sentido a paisagem é transtemporal, 35

6 Jader Janer Moreira Lopes juntando objetos passados e presentes, uma construção transversal. (idem, p. 103). Tentando marcar as diferenças entre espaço e paisagem, o autor utiliza um exemplo que as explicita: Durante a guerra fria, os laboratórios do Pentágono chegaram a cogitar a produção de um engenho, a bomba de nêutrons, capaz de aniquilar a vida humana em uma dada área, mas preservando todas as construções. O presidente Kennedy afinal renunciou a levar a cabo esse projeto. Senão o que na véspera seria ainda espaço, após a temida explosão seria apenas paisagem. Não temos melhor imagem para mostrar a diferença entre esses dois conceitos. (idem, p. 106) Maximiniano (2004, p. 90) afirma que (...) como objeto de interesse da pesquisa, a paisagem pode ser entendida como o produto das interações entre elementos de origem natural e humana, em um determinado espaço. Estes elementos de paisagem organizam-se de maneira dinâmica, ao longo do tempo e do espaço. Resultam daí feições e condições também dinâmicas, diferenciadas ou repetidas, o que permite uma classificação, ao agrupar-se os arranjos similares, separando-os dos diferentes. No todo forma-se um mosaico articulado. Esse processo poderá ser tão detalhado ou amplo, quanto o interesse do observador. 36 Essas afirmativas nos levam a algumas considerações. A primeira delas é o fato de que a paisagem, as formas presentes na superfície terrestre, são reveladoras, numa primeira instância, das relações espaciais ocorridas em determinados grupos sociais, pois elas guardam em suas materialidades os processos que animam as sociedades. Santos (1988) nos lembra que, se o tempo se esvai e se constitui como história, sua materialidade pode ser percebida nas configurações que permanecem no espaço. A paisagem é, explicitamente, o encontro do espaço e do tempo. Ampliando as idéias dos autores aqui expressos, poderíamos dizer que as marcas sócio-espaço-temporais se fazem presentes também nos corpos das pessoas, o que evidencia a perspectiva vygotskyana da plasticidade do biológico e de sua condição sóciocultural. Os corpos se configuram também como paisagens, cujas marcas e formas portam histórias, geografias...traços societais.

7 Assim as paisagens, as formas que configuram as diferentes sociedades, apesar de materialmente edificadas e estaticamente formadas e percebidas sempre na presença de alguém, são dimensões básicas que desvelam os processos sociais, através de seus objetos, de suas funções, dos arranjos que as compõem. Podemos inferir as dinâmicas que constituem temporalmente e espacialmente um grupo social, pois o simples fato de existirem como formas, isto é, como paisagem, não basta. A forma já utilizada é coisa diferente, pois seu conteúdo é social. Ela se torna espaço, porque forma-conteúdo. (Santos, 2004, p. 109). Ao observarmos essa paisagem edificada numa parcela do espaço da unidade de educação infantil na descrição anterior, percebemos nela uma forma que transcreve uma concepção de infância. Está posta aí a produção de uma paisagem que guarda objetos e significados que remetem para o mundo infantil, são os artefatos de infância. Mas ao observarmos suas funções, as ações que aí se desenvolvem, vemos um espaço estruturado e organizado não para as crianças, apesar de ser um espaço dito de criança, mas um território, mais precisamente um território de infância. Essa afirmação nos leva à necessidade de distinção de um outro conceito chave da Geografia que é o de território e à sua associação com a ideia de infância, para chegarmos à noção do que nomeamos de territórios de infância. Para Souza (1995, p. 78-9) a ideia de território está sempre traspassada pela noção de poder, em suas palavras: As crianças, suas infâncias e suas histórias: mas por onde andam suas geografias? O território (...) é fundamentalmente um espaço definido e delimitado por e a partir de relações de poder. A questão primordial, aqui, não é na realidade, quais são as características geoecológicas e os recursos naturais de uma certa área, o que se produz ou quem produz um dado espaço, ou ainda quais as ligações afetivas e de identidade entre um grupo social e seu espaço. Estes aspectos podem ser de crucial importância para a compreensão da gênese de um território ou do interesse por tomá-lo ou mantê-lo (...) mas o verdadeiro Leitmotiv é o seguinte: quem domina ou infl uencia e como domina ou infl uencia esse espaço? Este Leitmotiv traz embutida, ao menos de um ponto de vista não interessado em escamotear conflitos e contradições sociais, a seguinte questão inseparável, uma vez que o território é essencialmente um instrumento de exercício de poder: quem domina ou infl uencia quem nesse espaço e como? 37

8 Jader Janer Moreira Lopes 38 Haesbaert (2004) explicita que a diversidade conceitual sistematizada ao longo da constituição da palavra território serve de indícios para desvelar o jogo de interesses aí presente. O autor atenta para origem latina do termo: (...) territorium em latim, é derivada diretamente do vocábulo latino terra, e era utilizada pelo sistema jurídico romano dentro do chamado jus terrendi (...), como pedaço de terra apropriado, dentro dos limites de uma determinada jurisdição político-administrativa (p.32). Ao desdobrar a noção do jus terrendi romano, comenta que este se confundia com o direito de aterrorizar e declara a grande proximidade etimológica presente entre terra-territorium e terreo-territor. Essa acepção acabou por constituir-se, inicialmente, uma perspectiva tradicional e materialista, calcada nos recursos naturais presentes em um determinado espaço; onde o território teria, necessariamente, uma aproximação com suas bases físicas e que, associadas a outros atributos (como as atividades políticas, por exemplo), estabeleceria a existência de três dimensões que o identificariam: dominação, área, limite. A íntima associação entre território e política remete, inevitavelmente, para a associação entre território e estado-nação, que seria a marca fundamental da organização espacial do mundo moderno. A superfície terrestre seria um contíguo encontro de diferentes estados-territórios, delimitados por suas fronteiras e limites, gerenciados por seus governos e legislações, organizados a partir das interações econômicas, comerciais ou políticas, que estabeleceriam uma ordem mundial. Essa ordem variaria no tempo, definida a partir das amarrações geopolíticas e determinadas com a emergência de diferentes pólos de poder. Esse modelo de organização territorial também se faria presente em outros níveis ou dimensões do espaço, repetindo-se o padrão em diferentes escalas, como a de estados internos ou províncias de um país, ou núcleos urbanos formalizados como território a partir de suas prefeituras e câmaras municipais. Os processos identitários seriam responsáveis pela coesão interna das fronteiras, a partir de estabelecimento de regras, símbolos, linguagens e visões de mundo comuns. Esses implicariam as demarcações de alteridades, constituindo limites entre diferenças, reforçados pela diversidade existente nos demais territórios, o que tornaria possível o processo de territorialização, de identificação e o sentido de pertencimento para todo o grupo. Nessa perspectiva, muitas ve-

9 zes, a ideia de identidade cultural se encontraria com a de identidade nacional, estadual ou até mesmo municipal, dependendo da escala de interesses envolvidas, portanto, de uma identidade territorial. Lefevbre (1978) aponta a importância do estado, especialmente o estado capitalista, como um dos agentes hegemônicos na produção do espaço. Organizado segundo a lógica do capital, gestado para sua reprodução e manutenção, estender-se-ia também no plano das representações. Apesar da associação entre identidade e estado-nação, tal acepção não pode ser reduzida a esse estreito encontro, pois a elaboração de identidades nem sempre está colada à de um território oficialmente existente; há processos de rupturas, distanciamentos e diferentes inserções nos espaços. A produção do espaço envolve, portanto, a produção de diferentes territórios, que se encontram, se sobrepõem, se divergem e que existem em diferentes escalas e características, indo desde os territórios oficialmente estabelecidos, como as fronteiras nacionais, estaduais e/ou municipais, às configurações subjetivas dos diversos grupos que nelas habitam. Os territórios têm, assim, em suas materialidades, um caráter semiótico na medida em que se estabelecem como símbolos, e devem ser analisados como uma teia de significados que, ao ser construída por um determinado grupo social, também o constrói. Assim, falar em identidade territorial não significa circunscrever-se aos limites oficialmente estabelecidos nos documentos legais presentes em uma determinada parcela espacial, mas também nos processos de subjetivação existentes entre as pessoas, seus traços compartilhados nos grupos sociais e nos espaços a que pertencem. Haesbaert e Limonad (1999, p. 10) sintetizam essas ideias ao afirmarem que a noção de território deve partir dos seguintes pressupostos: As crianças, suas infâncias e suas histórias: mas por onde andam suas geografias?. primeiro é necessário distinguir território e espaço (geográfico); eles não são sinônimos (...) o segundo é muito mais amplo que o primeiro.. o território é uma construção histórica e, portanto, social, a partir das relações de poder (concreto e simbólico) que envolvem, concomitantemente, sociedade e espaço geográfico (que também é sempre, de alguma forma, natureza);. o território possui tanto uma dimensão mais subjetiva, que 39

10 Jader Janer Moreira Lopes propomos dominar de consciência, apropriação subjetiva ou mesmo, em alguns casos, identidade territorial, e uma dimensão mais objetiva, que propomos denominar de dominação do espaço, num sentido mais concreto, realizada por instrumentos de ação política-econômica. Esse espaço tornado território pelas relações de apropriação e dominação social é consituído ao mesmo tempo por pontos e linhas redes e superfícies ou áreas zonas 2. Partindo das ideias expostas até aqui e relacionando-as com as ideias de criança e infância, podemos afirmar que toda criança nasce num certo momento histórico, num certo grupo cultural, num certo espaço, onde estabelece suas interações sociais e constrói sua identidade (Lopes e Vasconcellos, 2005, p. 39). Os diferentes feixes culturais presentes em cada sociedade tornam a infância um construto social, uma representação existente nas diferentes sociedades, demarcando assim uma diferença entre infâncias e crianças; se entendemos as crianças como sujeitos reais, que possuem histórias e geografias, e que portanto são portadoras de cultura e a infância como uma representação social, podemos inferir que: (...) toda criança é criança de um local; de forma correspondente, para cada criança do local existe também um lugar de criança, um lugar social designado pelo mundo adulto e que configura os limites da sua vivência; ao mesmo tempo toda criança é criança em alguns locais dentro do local 2, pois esse mesmo mundo adulto destina diferentes parcelas do espaço físico para a materialização de suas infâncias. (Lopes e Vasconcellos, 2005, p. 39) Assim, na produção de seu espaço, as sociedades constroem formas (configurações materiais), cujas funções seriam destinadas para suas crianças. Há, portanto, na configuração das paisagens, na estrutura ou organização espacial, locais destinados para as crianças, gestados por diferentes agentes produtores do espaço e que só podem ser compreendidos a partir das representações de infâncias que pré-existem nessas sociedades. Porém: 40 As crianças, ao apropriarem-se desses espaços e lugares, reconfiguram-nos, reconstroem-nos e, além disso, apropriam-

11 se de outros, criando suas territorialidades, seus territórios usados. A isso chamamos territorialidades de crianças, das geografias 3 construídas pelas crianças. (idem) As crianças, suas infâncias e suas histórias: mas por onde andam suas geografias? É nessa perspectiva que podemos falar em territórios de infância, pois a construção da noção de infância em cada sociedade envolve sempre um conjunto de negociações, de embates, de aproximações e rupturas que implica a ação das crianças, dos adultos, das instituições, dos diversos segmentos sociais presentes em um grupo, que fazem da infância seu espaço de atuação e representação. A necessidade de uma distinção epistemológica entre crianças e infâncias, entre territórios de infância e territórios de crianças, nos coloca diante da ideia da ideia de espaços de infância e espaços de crianças, e de suas existências enquanto metáforas constantemente materializadas nos encontros estabelecidos entre o mundo adulto e o das crianças, e nas tênues fronteiras que as diferenciam dos territórios. Isso se dá porque na produção dos territórios, dos espaços, as crianças constantemente subvertem a lógica do ordenamento proposto. A transcrição a seguir ilustra essa situação: Esse espaço é constantemente observado pelas serventes da creche como forma de impedir o acesso das crianças a ele. Porém, as rotinas cotidianas que recaem pesadamente sobre essas funcionárias (tais como limpeza, preparação de alimentos, entre outros) abrem brechas, oportunidades imperdíveis para as crianças o tomarem como seus lugares, seus espaços, seus territórios...como ocorreu num dia em que três meninos e uma menina, aproveitando que não havia ninguém por perto, brincaram entre as estátuas de cerâmica, entre os tocos de madeira, que se transformaram em várias coisas, criando passagens, rotas a serem desafiadas. Mas o mais interessante aconteceu quando uma das crianças encontrou no meio da grama um esquife para irrigação. Rapidamente os outros conseguiram achar o local onde esse era aberto...e foi o que aconteceu...muita água jorrando por todos os lados...as crianças molhavam-se e não podiam conter os gritos...o que chamou a atenção dos adultos e levou ao fim da brincadeira e da apropriação daquele espaço. (nota recolhida em novembro de 2006) A produção da espacialidade imbrica interações sociais que, constantemente, fogem ao controle do ordenamento pre- 41

12 Jader Janer Moreira Lopes 42 viamente pensado e pressuposto na lógica do planejamento, aos objetivos previamente pensados e elaborados, pois a produção do espaço nos remete à própria condição de humanização e de sua condição dialética, onde é constante a ideia de movimento. É nesse sentido que as crianças, ao negociarem suas infâncias com o mundo adulto, fazem-no de forma situada, localizada, tornandose potenciais agentes produtores de espaços, de lugares e territórios. É nesse sentido que as corriqueiras expressões (Lopes e Vasconcellos, 2005) como lugar de criança é na escola ou a rua não é lugar de criança e outras do gênero, ao delimitarem espacialmente o que os adultos definem por territórios destinados ou vedados para as crianças, são constantemente subvertidas, reescritos, reordenados, demonstrando que as crianças são sujeitos ativos na sociedade e atuam em todas as suas dimensões. Na Educação Infantil e em outras séries da Educação Básica tem sido comum pensar o arranjo espacial como a única dimensão importante de reflexão nos processos sócio-educativos, evidenciando-se ideias do tipo: basta mudar a organização dos móveis, das cadeiras como garantia de alteração dos processos que nesse espaço ocorrem. Limitar-se a essas máximas significa cair numa perspectiva geográfica do século XIX, conhecida por escola determinista, negada no pensamento geográfico contemporâneo, cujos seguidores defendiam o seguinte princípio básico: os atributos da superfície terrestre determinariam as características sócio-culturais dos povos. Nessa perspectiva desenvolveram-se noções que se estendem até hoje em nossas subjetividades contemporâneas, tais como a concepção do clima e das formas de relevo de um lugar determinarem a indolência ou não de um povo, sua passividade ou suas tendências guerreiras. Se a organização dos artefatos no espaço é uma faceta importante na compreensão dos processos sociais, não podemos nos limitar a ela apenas. Assim, compreender as crianças e suas interações com o espaço, vai muito além dos seus atributos físicos e naturais e da sua ideia de palco para as ações. Mas deve-se envolver todas as dimensões aqui expressas 4, percebendo-as como autores na produção da paisagem e na constituição dos territórios. Na epígrafe que abre esse texto Graciliano Ramos fala da presença de indivíduos que participam de suas memórias de infância e o ajudam a construir lembranças de lugares e objetos, a fixar, imprimir representações, formas e conteúdos. A Geografia é uma

13 ciência que, numa instância mais elementar, tem sua configuração na ideia da presença. Na presença de um que, inicialmente, contemplava e descrevia a superfície terrestre e seus atributos e que, lentamente, desvelava a existência de formas e de outros que ocupavam essas formas. Na presença de um e de outros que agora buscam compreender a configuração das paisagens, dos territórios, dos lugares, da diversidade de espaços que se encontram, se afastam e constituem a superfície terrestre e de como esses uns e outros participam desses processos. Na presença de um e de outros que participam de nossa subjetivação e humanização e suas mediações espaciais. Ver as crianças como mais um (constantemente percebida como outro) que participa nesse processo, na elaboração dessas dimensões sócio-espaciais, não negar sua condição cultural é, sem dúvida, uma das grandes contribuições que nossa ciência pode trazer para o estudo das crianças e suas infâncias. As crianças, suas infâncias e suas histórias: mas por onde andam suas geografias? Notas 1 Utilizo o termo temos, por ser um trabalho que compartilho com outras pessoas, mais especificamente, com os membros do NUMPEEC, além, claro, de meus alunos e orientandos de graduação e pós-graduação. 2 Grifos dos autores. 3 Grifos dos autores. 4 E outras aqui não tratadas, como a noção de lugar, por exemplo. Referências bibliográficas ARIÈS, Philippe História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC. HAESBAERT, R.; LIMONADE, Ester O território em tempos de globalização, GeoUERJ (1), HAESBAERT, Rogério O mito da desterritorialização. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro. HOLZER, W Uma Discussão Fenomenológica sobre os Conceitos de Paisagem, Lugar, Território e Meio Ambiente in Território, Rio de Janeiro, n. 3, p LEFEBVRE, H. La production de l espace. Paris: Anthropos,

14 Jader Janer Moreira Lopes LOPES, Jader Janer M.; VASCONCELLOS, Tânia de Geografia da Infância. Reflexões sobre uma área de pesquisa. FEME, FEME. MAXIMIANO, Liz Abad Considerações sobre o conceito de paisagem in RA E GA O Espaço Geográfico em Análise, Vol. 8, p Paraná: Editora UFPR. POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, SARMENTO, Manuel Jacinto. Crianças: educação, culturas e cidadania activa in Perspectiva- Revista do Centro de Ciências da Educação. V. 23, Florianópolis, Editora da UFSC, SANTOS, Milton. Metamorfoses do Espaço Habitado. São Paulo: Editora Hucitec,

As crianças na paisagem brasileira: estudos de Geografia da Infância 1

As crianças na paisagem brasileira: estudos de Geografia da Infância 1 As crianças na paisagem brasileira: estudos de Geografia da Infância 1 Jader Janer Moreira Lopes Graduado em Geografia- Doutor em Educação Universidade Federal Fluminense. Faculdade de Educação Bloco D

Leia mais

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO D01 (H) - Reconhecer a História como produto histórico, social e cultural e suas implicações na produção historiográfica. D02 (H) - Reconhecer o ofício do historiador como produtor do conhecimento histórico.

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Kelli Carvalho Melo Mestre em Geografia - PPGG/UNIR. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Modos de Vidas e Culturas

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

DIVERSIDADE DE INFÂNCIAS NA PAISAGEM FLUMINENSE: CRIANÇAS, SUAS CULTURAS E TERRITORIALIDADES.

DIVERSIDADE DE INFÂNCIAS NA PAISAGEM FLUMINENSE: CRIANÇAS, SUAS CULTURAS E TERRITORIALIDADES. DIVERSIDADE DE INFÂNCIAS NA PAISAGEM FLUMINENSE: CRIANÇAS, SUAS CULTURAS E TERRITORIALIDADES. LUCIENE KARINE DA SILVA ROCHA (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE). Resumo Esta comunicação compartilha reflexões

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Ensino Médio Regular e EJA

Ensino Médio Regular e EJA MATRIZ DE REFERÊNCIA DE Ciências Humanas Ensino Médio Regular e EJA Elementos que compõem a Matriz domínio/tópico/ tema DOMÍNIO I Memória e RepresenTAções D01 (H) D02 (H) Agrupam por afinidade D03 (H)

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Cláudia, MT 2008 Trabalho de Conclusão apresentado como requisito parcial para

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE

TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE Renata Pekelman 1 Alexandre André dos Santos 2 Resumo: O artigo pretende trabalhar com conceitos de território e lugar, a complexidade intrínseca a esses conceitos,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

META Refl etir acerca da atividade turística numa perspectiva geográfica.

META Refl etir acerca da atividade turística numa perspectiva geográfica. GEOGRAFIA E TURISMO: UMA BREVE DISCUSSÃO Aula 2 META Refl etir acerca da atividade turística numa perspectiva geográfica. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: compreender o turismo como importante

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.2, p.170-175, ago./dez.2011. RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.2, p.170-175, ago./dez.2011. RESENHA: RESENHA: FERRÃO, João. O ordenamento do território como política pública. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011. 146p. Hélio Carlos Miranda de Oliveira Prof. do Curso de Geografia da Faculdade de

Leia mais

ESPAÇO, TERRITÓRIO, PAISAGEM E LUGAR: RELAÇÕES DIALÉTICAS, REPRESENTAÇÃO (GEO)GRÁFICA E POLÍTICAS PÚBLICAS

ESPAÇO, TERRITÓRIO, PAISAGEM E LUGAR: RELAÇÕES DIALÉTICAS, REPRESENTAÇÃO (GEO)GRÁFICA E POLÍTICAS PÚBLICAS ESPAÇO, TERRITÓRIO, PAISAGEM E LUGAR: RELAÇÕES DIALÉTICAS, REPRESENTAÇÃO (GEO)GRÁFICA E POLÍTICAS PÚBLICAS Paula Vanessa de Faria Lindo INTRODUÇÃO Este texto é resultado do trabalho desenvolvido ao longo

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

HABILIDADES. Compreender que cada pessoa é única e especial. Valorizar a identidade de cada um. Descobrir e conhecer a sua história de vida.

HABILIDADES. Compreender que cada pessoa é única e especial. Valorizar a identidade de cada um. Descobrir e conhecer a sua história de vida. Disciplina: História Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL - 2012 Série: 2º ano Turma: 21, 22, 23 e 24 CONTEÚDOS HABILIDADES AVALIAÇÕES Unidade 1 Cada um tem um jeito de ser. Descobrindo a minha história. Eu

Leia mais

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza.

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza. COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos Título de artigo de SCHEINER, Tereza. Nova Teoria do Museu onde este é pensado já não mais apenas como instituição (no sentido organizacional),

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Suzi Weber Departamento do Teatro da UFRGS Mestra (Université du Québec à Montreal (UQAM) Doutoranda Resumo: O corpo social refere-se

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

Meio Ambiente & Sociedade. Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização.

Meio Ambiente & Sociedade. Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização. Meio Ambiente & Sociedade Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização. Geografia Humana Geografia Humana: É possível dividir a geografia

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES

TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES O número pretende, além de apresentar um panorama do emprego teórico e metodológico dos conceitos de rede

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

A geografia da solidariedade

A geografia da solidariedade Maria Adélia Aparecida de Souza Professora Titular de Geografia Humana da Universidade de São Paulo. instituto@territorial.org.br A geografia da solidariedade Tenho clareza de que me propus a um difícil

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): Dia de acampamento. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) Nesse episódio, Balinha e Dentinho

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O louco No pátio de um manicômio encontrei um jovem com rosto pálido, bonito e transtornado.

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL PACÍFICO, Juracy Machado/UNIR 1 RESUMO: O texto aborda a temática das diferenças étnico-raciais e socioculturais presentes também nas escolas de educação

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental

Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental Introdução Antes de mais nada, temos que ter claro que não existe uma receita pronta para a inserção da dimensão ambiental no currículo escolar,

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

(Re)Conhecendo a Geografia Humana de Paul Vidal de la Blache

(Re)Conhecendo a Geografia Humana de Paul Vidal de la Blache HAESBAERT, Rogério; PEREIRA, Sergio Nunes; RIBEIRO, Guilherme (Orgs.). Vidal, Vidais: textos de Geografia Humana, Regional e Política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012. 464p. (Re)Conhecendo a Geografia

Leia mais